Você está na página 1de 4

EMENTA.

Disciplina teórico-científica de natureza básica para todo o Direito Processual.


Estudo do sistema, princípios e instituições comuns ao Direito Processual, em
seus diversos ramos (civil, penal e trabalhista). Jurisdição. Ação. Processo e
Procedimento. Nulidades processuais. Coisa julgada. Teoria geral da prova,
dos recursos, da execução e do processo cautelar.

Objeto de estudo do curso, TGP, como bases fundamentais e comuns aos


diversos ramos do direito processual, quais sejam os processos civil, penal e
do trabalho, estando os mesmos relacionados aos códigos respectivos.
Sendo os códigos, leis, estar-se-á tratando do direito positivo, como espécie
do gênero direito objetivo, ou norma agendi, como o conjunto de normas
reguladoras da atividade humana, sendo na forma de lei ou de um costume
jurídico (jus scriptum e jus non-scriptum), restando com relação àquele, jus
positum: que se impõe, a definição de norma reguladora que emana do Estado,
estando ambos sujeitos a imposição de sanções em caso de descumprimento,
que se encontram caracterizadas pela coerção, como coação exercida pelo
Estado.
Daí, falar-se na divisão do Direito Positivo em Público e Privado, sendo
que pertencem ao campo do primeiro, o direito penal, direito processual,
direito constitucional, direito administrativo e etc..., enquanto que ao último
encontram-se associados o direito civil, direito do trabalho e direito comercial.
DIREITO JUDICIÁRIO

Ainda, como ramo do direito público, apresenta-se o direito


judiciário, também, conhecido como direito processual, a partir do qual
regulada a própria atividade do Poder Judiciário, no sentido do
estabelecimento de regras de investidura e exercício, tanto dos Juízes,
Ministério Público e demais auxiliares da Justiça, leia-se escrivães, tabeliães e
oficiais de Justiça, assim como relação aos que a este requerem ou litigam no
sentido do estabelecimento de regras processuais quanto ao desenvolvimento
válido e regular do processo, seja com relação ao processo penal, civil,
trabalhista ou de outra natureza.
O direito judiciário civil regula a estrutura dos órgãos da Justiça,
assim como o estabelecimento de normas de cunho processual referentes à
matéria civil e comercial, encontrando-se as mesmas fundamentalmente
instituídas no país pelo Código de Processo Civil, composto por 04 (quatro)
livros a saber àquele referente ao chamado processo de conhecimento (art. 1º a
565), que se encerra com o trânsito em julgado, ou irrecorribilidade, de
sentença proferida no sentido da procedência ou improcedência do pedido
apresentado junto a petição inicial, sucedido pelo segundo livro referente ao
processo de execução (art. 566 a 795), que dispõe acerca das regras de
execução dos títulos executivos judiciais e extra-judiciais, (segue)
sucedido pelo procedimento cautelar (art. 796 a 889), com disposições que
tratam das medidas que visem assegurar através do poder de cautela, o
atendimento a intenção principal e finalmente, o quarto livro que dispõe a
respeito dos chamados procedimentos especiais de jurisdição contenciosa, a
exemplo das ações de consignação em pagamento e monitória, e de jurisdição
voluntária ou graciosa, como ocorre com a separação consensual ou o caso do
testamento e do codicilo (art. 890 a 1.210).
Trata, portanto, o direito judiciário civil dos atos, prazos e
despesas judiciais, a exemplo do que ocorre com as custas iniciais, petição
inicial, assim como resposta do réu, audiência de instrução e julgamento,
sentença, recursos e etc... .
Verifica-se, portanto, a exemplo do que ocorre com o processo
civil, a existência de 03 (três) formas de processo principais, quais sejam o
processo de conhecimento, o processo de execução e o processo cautelar, com
aplicação, guardadas as devidas proporções, tanto naquele como no processo
penal e no processo do trabalho.
Cumpre destacar, que o processo, enquanto atividade
desenvolvida pelo Poder Judiciário, desenvolve-se a partir de 03 (três) fases, a
saber, fase postulatória, fase instrutória e fase decisória, havendo entre as duas
primeiras, de acordo com parte da doutrina, capitaneada por Humberto
Theodoro Júnior, de encontrar-se inserida a fase do saneador ou do despacho
saneador, de acordo com a qual o julgador em verificando a existência de
qualquer irregularidade sanável, através de despacho estará determinando a
correção cabível.
No que se refere ao direito judiciário do trabalho, além das
normas acima mencionadas comuns a ambos os ramos, notadamente
estabelece a aplicação subsidiária do Código de Processo Civil, no que se
refere à matéria processual, aos casos em que for omissa a CLT, de acordo
com o art. 769 desta.
Já quanto ao direito judiciário penal ou processual penal, prevê
notadamente as formas de aplicação da lei penal, inclusive, neste mesmo
sentido as atividades a serem desenvolvidas pela chamada polícia judiciária,
quanto à instauração e prosseguimento do inquérito policial, a partir do que
estabelece o art. 144, da C.F/88.
Constitui-se o direito processual, em ramo do direito
eminentemente público, na medida em que compete única e exclusivamente
ao Estado ordenar o direito ou faculdade de agir, estabelecendo regras para
tanto no que se refere ao desenvolvimento válido e regular do instrumento do
qual se vale, qual seja o processo, de maneira a dirimir litígios.