Você está na página 1de 2

CF! – Curso de Física – www.cursodefisica.com.br O desafio de aprender nunca se acaba! Anderson Josias dos Santos

Exercício Modelo 001 - Cinemática

O desafio de aprender nunca se acaba! Anderson Josias dos Santos Exercício Modelo 001 - Cinemática

ITA - Um motociclista trafega numa estrada reta e nivelada atrás de um caminhão de 4,00 m de largura, perpendicularmente à carroceria. Ambos estão trafegando à velocidade constante de 72 km/h quando o caminhão se detém instantaneamente, devido a uma colisão. Se o tempo de reação do motociclista for 0,5 s, a que distância mínima ele deverá estar trafegando para evitar o choque apenas com mudança de trajetória? Considere o coeficiente de atrito entre o pneumático e o solo µ = 0,80 ,

g=10,00 m/s e que a trajetória original o levaria a colidir-se

aceleração gravitacional

no meio da carroceria.

2

a) 19,6 m

Resolução

b) 79,3 m

c) 69,3 m

d) 24,0 m

e) 14,0 m

Inicialmente, precisamos saber que o tempo de reação corresponde ao intervalo de tempo entre a chegada da informação ao cérebro e a efetiva ação. Enquanto o motociclista não reage mudando a sua trajetória, a moto continua em linha reta. Precisamos, para melhor clarear a nossa resolução, praticar aquilo que Einstein costumava chamar de experiência mental, visualizar o exercício graficamente. Vamos lá:

Posição

inicial

A B x d 2 m 2 m D R Posição final
A
B
x
d
2
m
2
m
D
R
Posição
final

No ponto A, o motociclista percebe que precisa mudar de trajetória, porém, até que efetivamente coloque esta conclusão em prática, a motocicleta continua em linha reta até o ponto B.

À partir do ponto B, o motociclista começa uma manobra em trajetória circular. Não fica muito difícil imaginar que se a trajetória é circular, então pode ser relacionada a um certo valor de raio, como mostrado na figura.

Bom, não podemos nos esquecer que para que a moto não derrape, deslize ou escape pela tangente, é necessário que a força centrípeta seja igual à força de atrito:

F

CP

= F

AT

mv 2

R

=

µN

/

mv

2

R

=

µmg

/

R

=

v

2

µg

Lembremos que 72 km/h = 20 m/s (basta dividir 72 por 3,6)

CF! – Curso de Física – www.cursodefisica.com.br O desafio de aprender nunca se acaba! Anderson Josias dos Santos

Exercício Modelo 001 - Cinemática

O desafio de aprender nunca se acaba! Anderson Josias dos Santos Exercício Modelo 001 - Cinemática

R =

20

2

0,8.10

= 50 m

, o que nos permite calcular D=50-2=48 m (analise a figura)

Por Pitágoras fica fácil calcular a distância d da moto ao caminhão no instante em que

se inicia a manobra:

=

2

=

48

2

+

d

2

d

2

50

2500

2304

d

=

14

Mas o exercício não procura esta distância. O que ele pede é a distância da moto ao caminhão desde que o motociclista percebe que deve mudar sua trajetória.

Como vimos, durante o tempo de reação, a moto continua em movimento retilíneo uniforme por 0,5 s. Logo, percorre um espaço x: x = v.t = 20.0,5 = 10 m .

Portanto, a moto deve estar a uma distância x+d do caminhão:

x = distância percorrida durante o tempo em que não consegue tomar a decisão; d = distância necessária para que ainda tenha tempo, após tomar efetivamente a atitude, de conseguir não colidir com o caminhão.

Concluímos que a distância necessária é: x+d=24 m

Vale a pena lembrar que o exercício exige que a mudança seja apenas de trajetória, não sendo, portanto, frear a moto.

Podemos ainda fazer algumas considerações analíticas:

O que determina o valor da força centrípeta é a força de atrito, e quanto mais deslizante for a pista (menor o coeficiente de atrito), maior será o valor do raio de curvatura necessário para a trajetória. Observe:

R =

v

2

µg

quanto menor o valor de µ , maior o valor de R;

Podemos afirmar (o que para alguns pode ser extremamente óbvio) que quanto mais deslizante a pista maior será a distância para uma manobra segura.

Observe que nossa figura não está em escala. Analise bem isto!

Ainda seria muito bom prestar atenção no motivo pelo qual escolhemos colocar a circunferência na posição indicada. A motocicleta vem em linha reta (trajetória reta) e neste ponto (B) começa a descrever uma trajetória curvilínea, portanto a trajetória reta é tangente à circunferência traçada para a resolução do exercício.

Seria errado por exemplo, esquematizar assim:

Vamos para por aqui né

rs

Por hoje é só pessoal

desafio de aprender

O

importante é que o

nunca se acaba!

assim: Vamos para por aqui né rs Por hoje é só pessoal desafio de aprender O
assim: Vamos para por aqui né rs Por hoje é só pessoal desafio de aprender O