Você está na página 1de 24
FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS 1. HISTÓRIA DA LATA A necessidade de se conseguir alimentos tem sido uma

1. HISTÓRIA DA LATA

A necessidade de se conseguir alimentos tem sido uma das grandes preocupações do

homem desde o início dos tempos. Tribos e nações inteiras migravam constantemente em

busca de alimentos. O homem aprendeu com o tempo a cultivar, mas, após as colheitas durante

o inverno, poucos sobreviviam. Se por algum motivo as safras fossem destruídas, a fome era inevitável.

Sentiu-se a necessidade de se estocar alimentos, mas muitos se deterioravam

A falta de alimentos provocava fome, alimentação inadequada e doenças. Exércitos não

chegavam ao campo de batalha e, em virtude disto, surgiu a primeira idéia de conservação.

O governo francês fez em 1809, um apelo oficial para que fossem desenvolvidos

métodos para a conservação de alimentos. Nicolas Appert atendeu ao chamado, oferecendo seu processo de engarrafamento e cozimento de alimentos – garrafas em vidro com rolhas de cortiça. Nicolas publicou um livro sobre o tema e foi premiado. Uma cópia de seu livro foi parar nas mãos de Peter Durant, que deu entrada com o

pedido de patente em 1810: "primeiramente acondicionamos os alimentos em garrafas ou outros vasilhames de vidro, potes ou recipientes de estanho, ou outros materiais adequados". Esta foi a primeira sugestão de que recipientes revestidos de estanho, a futura lata, poderiam ser usados na conservação de alimentos. Durant vendeu sua patente em 1811 à firma londrina Donkin, Hall and Gamble, que achavam o vidro muito frágil e a cortiça muito porosa. Começaram então a usar recipientes de chapas de ferro estanhadas - na realidade as primeiras latas a serem produzidas!

A comida enlatada foi um sucesso entre os marinheiros.

As primeiras latas de comida só chegaram às lojas em 1830. Incluíam tomates, ervilhas

e sardinhas, mas suas vendas eram lentas, principalmente pelo preço ainda elevado, pela

disponibilidade da comida fresca nas cidades e pela dificuldade de abertura da lata – usava-se martelo e talhadeira!

O alto preço das latas era atribuído à baixa demanda de mercado e ao método artesanal

de fabricação e envasamento. O desenvolvimento da estrutura da lata começou em 1824, pelo inglês Joseph Rhodes, que utilizou um método prático de colocação da tampa e fundo – recravação, que só muitos anos depois foi largamente utilizado.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

1

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Em 1825, Kansett, que fabricava alimentos e os acondicionava em vidros de boca larga tampados com cortiça, obteve a patente para os recipientes metálicos, as latas. Até esta data, as latas eram produzidas a partir de chapas de ferro estanhadas e não de aço, material utilizado hoje.

A maioria do mercado ainda era destinada à companhia de navegação e logo, caravanas

e trens passaram a estocar as latas para longas viagens – a comida enlatada tornou-se, então, parte dos hábitos alimentares. A guerra civil americana foi outro fator importante para a

expansão da comida enlatada, pois o governo direcionava toda a comida disponível para seus exércitos nos campos de batalha.

O aumento da demanda levou, naturalmente, ao aperfeiçoamento dos processos de

fabricação das latas e do enlatamento. O primeiro grande passo foi dado em 1847 com a invenção da máquina para impressão gráfica para o corpo das latas, sendo seguida pela

invenção das máquinas de lavar latas e pelos sistemas de transporte entre vários estágios das linhas de processo. Em 1896, Max Mas e Julius Brezinger se conscientizaram de que o negócio de produção de latas dependeria do desenvolvimento de métodos mais modernos e rápidos. Após um ano patentearam um processo para produção de 20.000 latas/dia, dispensando a necessidade de soldagem das tampas e fundos das latas, além de aumentar a resistência, abrindo o caminho para o desenvolvimento de linhas de altas velocidades. Em 1874, AK Scriver inventou a autoclave, que reduziu consideravelmente o tempo de cozimento dos alimentos. Em 1892, surgiu o primeiro abacaxi em lata no Hawai. Entre 1870- 1900 o número de enlatadores saltou de menos de 10 para 1800. Em 1930, as latas começaram a se tornar populares. Em 1935, aconteceu o lançamento das primeiras cervejas em lata. Hoje, são milhares os números de latas produzidas e consumidas por dia em todo o planeta! As latas já têm quase 200 anos e continuam cada dia mais atuais. Devido à sua praticidade, segurança e baixo custo, estão presentes no dia-a-dia de toda a população.

A cada dia que passa, os processos de produção envolvidos nesta indústria estão sendo

aprimorados para oferecer ao consumidor final sempre as melhores opções.

2. Recravação de Embalagens Metálicas

2.1. Introdução

A conservação de produtos enlatados exige que as latas estejam hermeticamente

seladas. O processo de criação de uma embalagem hermética mediante a união da tampa ao corpo da lata denomina-se recravação.

A

recravação pode ser realizada por roletes, manualmente: (Fig. A)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

2

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS (Fig. A) Pode ser realizada por roletes em alta velocidade e processo contínuo:

(Fig. A)

Pode ser realizada por roletes em alta velocidade e processo contínuo: ( Fig. B )

roletes em alta velocidade e processo contínuo: ( Fig. B ) (Fig. B) E pode ser

(Fig. B)

E pode ser realizada pelo sistema de pistas, também em alta velocidade e em processo contínuo: (Fig.C)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

3

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS (Fig. C) Estruturalmente, a recravação é formada por três espessuras do material da

(Fig. C)

Estruturalmente, a recravação é formada por três espessuras do material da tampa e duas espessuras do material do corpo, juntamente com o vedante, previamente colocado na tampa que preenche os espaços vazios e, normalmente é produzida em duas operações. (Fig.1)

e, normalmente é produzida em duas operações. (Fig.1) (Fig. 1) A integridade das embalagens dos produtos

(Fig. 1)

A integridade das embalagens dos produtos enlatados são especialmente vulneráveis na recravação, e a vida útil das mesmas depende da embalagem em relação ao meio ambiente. Portanto, latas com micro-vazamentos ficam suscetíveis à entrada de micro-organismos podendo causar botulismo ou outras formas de intoxicação. Para o controle da contaminação por vazamento, as latas devem ser fechadas hermeticamente em condições higiênicas e sem o abuso mecânico após o processamento térmico das latas, particularmente enquanto estiverem úmidas. O mais importante na recravação é entender que trata-se de um processo contínuo, desde as condições de processamento, manuseio, transporte e estocagem.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

4

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

2.2. Processo de Formação da Recravação

O processo de formação da recravação inicia com o enrolamento da tampa com a pestanha da lata através da 1ª operação. O enrolamento se realiza através de um perfil moldado na circunferência do rolete de recravação. (Fig. 2)

na circunferência do rolete de recravação. (Fig. 2) (Fig. 2) Há 4 requisitos essenciais para uma

(Fig. 2)

Há 4 requisitos essenciais para uma recravação adequada:

Correta sobreposição entre o gancho de corpo e o gancho de tampa;

Gancho do corpo corretamente envolvido pelo vedante;

Aperto correto;

Ausência de defeitos visuais.

Alguns fatores influenciam na qualidade da recravação. A dificuldade em produzir

aperto correto aumenta quando:

Há redução do Ø da embalagem;

Há redução da espessura da folha metálica;

O formato da lata é retangular: esta é mais dificultosa que a redonda;

Há excessivo desgaste dos roletes e da placa.

É importante que a recravação de 1ª operação se forme corretamente, já que a maior parte da estrutura da recravação se forma nesta etapa. Não existe compensação nem correção que se possa fazer se a recravação de 1ª operação não estiver correta. Logo, é comum analisar a recravação de 1ª operação antes de realizar qualquer ajuste. (Fig. 3)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

5

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS (Fig. 3) A recravação de 1ª operação não deve estar nem muito frouxa

(Fig. 3)

A recravação de 1ª operação não deve estar nem muito frouxa e nem muito apertada, geralmente o ajuste se procede da seguinte forma:

- Ajustar a altura da lata com o mandril inferior;

- Comprovar a pressão correta do mandril inferior;

- Alinhar o rolete na placa de recravação;

- Comprovar e corrigir a pressão do rolete de primeira operação. (Fig. 4)

a pressão do rolete de primeira operação. (Fig. 4) (Fig. 4) A função do rolete de

(Fig. 4)

A função do rolete de segunda operação é completar a formação da recravação e

comprimir a recravação de forma que se garanta uma vedação hermética. Os pequenos espaços

vazios que podem se formar no processo de encaixe de metal sobre metal, são preenchidos pelo vedante ( aparece em amarelo ), quando a pressão de recravação está correta.

O rolete de segunda operação tem um perfil diferente do de primeira operação. A

pressão da recravação é uma função do rolete de segunda operação, de seu perfil e estado.

(Fig. 5)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

6

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS (Fig. 5) Se houver a utilização de perfis de recravação inadequados ou desgastados,

(Fig. 5)

Se houver a utilização de perfis de recravação inadequados ou desgastados, não se conseguirá uma pressão correta.

3 - Forças Resultantes no Processo de Recravação

O que se pode visualizar com facilidade, são as forças de compressão nas quais são expostos os materiais da tampa e do corpo. (Fig. 6)

são expostos os materiais da tampa e do corpo. (Fig. 6) JBS S/A. (Fig. 6) Parque

JBS S/A.

(Fig. 6)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

7

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4- Análise da Recravação

4.1 – Exame Externo:

4.1.1 – Recravação afiada, cortada ou laminada:

Quando a recravação estiver muito afiada ao redor da borda superior interna da tampa, se denomina “recravação laminada”. É um indício que uma parte do raio superior do painel da recravação, está sendo forçada sobre a parte superior da placa de recravação. Apresenta uma aresta viva na porção interna do topo de uma recravação, ou na costura lateral ou em toda a volta da tampa. Mais fácil sentir do que ver. Deve-se cuidar para que esta recravação afiada não resulte numa fissura. (Fig. 7 e 8)

JBS S/A.

afiada não resulte numa fissura. (Fig. 7 e 8) JBS S/A. (Fig. 7) (Fig. 8) Parque

(Fig. 7)

não resulte numa fissura. (Fig. 7 e 8) JBS S/A. (Fig. 7) (Fig. 8) Parque Industrial,

(Fig. 8)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

8

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Possíveis causas:

- Roletes de recravação demasiadamente alto em relação à placa de recravação;

- Borda da placa de recravação gasta;

- Buchas do eixo de recravação com folga;

- Folga vertical: a) no rolete de 1ª operação; b) no conjunto do cabeçote de recravação;

- Perfil do rolete demasiadamente estreito;

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente apertado;

- Rolete de recravação de segunda operação demasiadamente apertado;

- Excesso de pressão da mola do mandril inferior;

- Excesso de material na aba da tampa.

4.1.2 – Recravação escorrida

Quando uma pequena parte lisa da recravação se estende por debaixo da borda inferior da altura de recravação. Em geral aparece na região da solda. (Fig. 9)

Possíveis causas:

aparece na região da solda. (Fig. 9) Possíveis causas: (Fig. 9) - Rolete de recravação de

(Fig. 9)

- Rolete de recravação de primeira operação gastos;

- Rolete de recravação de primeira operação frouxos;

- Buchas do eixo de recravação com folga;

- Formação incorreta dos ganchos de corpo e tampa;

- Excesso ou aplicação irregular de vedante;

- Gancho do corpo excessivo;

- Excesso de solda;

- Corpo da lata fora de esquadro;

- Produto preso na recravação.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

9

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4.1.3 – Recravação patinada:

É uma recravação que não teve seu final completado. Acontece quando a lata para

momentaneamente durante o ciclo de recravação. (Fig. 10)

Possíveis causas:

o ciclo de recravação. (Fig. 10) Possíveis causas: (Fig. 10) - Placa de recravação gasta; -

(Fig. 10)

- Placa de recravação gasta;

- Pressão insuficiente da mola do mandril inferior;

- Altura do mandril inferior incorreta;

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente frouxo;

- Roletes de recravação que não giram livremente;

- Produto acumulado na área de recravação;

- Excesso de folga vertical nos extremos dos eixos de recravação;

- Pista do mandril inferior ou dos roletes com desgaste;

- Mandril superior não nivelado com a base da recravadeira;

- Óleo ou graxa na placa de recravação.

4.1.4 – Recravação falsa:

A recravação falsa é um grave defeito que acontece, quando uma parte dos ganchos da

tampa e do corpo está solta e não transpassados. O gancho do corpo está comprimido contra a parede do corpo com o gancho do corpo prensado e comprimido contra ela.

É necessária extrema atenção, pois nem sempre é detectável em um exame externo.

Portanto, deve-se efetuar a abertura da recravação para se constatar o defeito. (Fig. 11)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

10

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS Possíveis causas: (Fig. 11) - Curling da tampa amassado ou danificado; - Pestanha

Possíveis causas:

(Fig. 11)

- Curling da tampa amassado ou danificado;

- Pestanha da lata dobradas, danificadas ou acogumelada;

- Tampas amassadas ou danificadas;

- Tampa colocada incorretamente no cabeçote da recravação;

- Lata não centrada com a placa de recravação;

- Encaixe incompleto entre lata e tampa;

- Sistemas de transporte de latas não estão corretamente sincronizados;

- Guias de introdução de tampas demasiadamente apertadas.

4.1.5 – Pestanha acogumelada:

Um flange ou pestanha acogumelada é um flange de lata que é curvada em excesso, resultando em um gancho de corpo longo. Pode não ser possível a constatação dessa condição, até que uma seção transversal de recravação seja cortada e examinada. ( Fig.12 )

de recravação seja cortada e examinada. ( Fig.12 ) Possíveis causas: (Fig.12) - Métodos deficientes de

Possíveis causas:

(Fig.12)

- Métodos deficientes de manuseio da lata;

- Pestanha da lata muito grande;

- Danificação pela enchedeira de latas na linha de processamento.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

11

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4.1.6 – Recravação com lábios:

São irregularidades de um transpasse insuficiente ou a ausência deste entre os ganchos da tampa e corpo. Quando os lábios estão muito marcados, é possível se verificar com os dedos, como forma aguda de “V”, situadas ao redor da borda inferior do raio do gancho da tampa. (Fig. 13)

da borda inferior do raio do gancho da tampa. (Fig. 13) Possíveis causas: (Fig. 13) -

Possíveis causas:

(Fig. 13)

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente frouxo;

- Perfil do rolete demasiadamente largo;

- Excesso de material na borda da tampa;

- Acúmulo de material na placa de recravação.

4.1.7 – Recravação mal formada:

Uma recravação mal formada ou mal encaixada é causada normalmente por uma sincronização incorreta, o que faz com que a tampa e o corpo não coincidam durante o processo de recravação. O resultado desta situação, é que se produz uma lata defeituosa com parcial ou total separação entre o corpo e a tampa. (Fig. 14)

JBS S/A.

separação entre o corpo e a tampa. (Fig. 14) JBS S/A. (Fig. 14) Parque Industrial, s/nº

(Fig. 14)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

12

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Possíveis causas:

- Guia da correia de alimentação de latas com ajuste incorreto em relação à caçapa.

- Sincronização incorreta entre a caçapa de alimentação de tampas e torre de recravação.

- Alinhamento incorreto entre as guias de tampas e o ponto de união.

- Alinhamento incorreto da estrela de tampas.

4.2 – Exame Interno:

4.2.1 – Rugas no gancho das tampas

A avaliação das rugas classifica a recravação como apertada ou frouxa. Atualmente se descreve a classificação da tensão segundo uma porcentagem. A ausência total de rugas é considerada uma porcentagem de 100% de tensão. Na recravação é possível verificar a marca interna no corpo da lata, “marca de pressão”. As rugas com menos de 70% são consideradas demasiadamente frouxas. Quanto mais rugas na recravação, mais problemas haverá para se conseguir uma boa recravação. (Fig. 15)

haverá para se conseguir uma boa recravação. (Fig. 15) JBS S/A. (Fig. 15) Parque Industrial, s/nº
haverá para se conseguir uma boa recravação. (Fig. 15) JBS S/A. (Fig. 15) Parque Industrial, s/nº

JBS S/A.

(Fig. 15)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

13

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4.2.2 – Sobreposição ideal

A sobreposição da recravação é a parte real onde os ganchos de tampa e corpo formam

um selo. É a parte mais importante da recravação, é onde se produz a hermeticidade da lata. Deve ser de dimensão suficiente para garantir que o vedante seja mantido sobre compressão com um aperto correto, varia de acordo com as especificações de recravação, mas em cada caso é preciso estabelecer um padrão. Habitualmente se produz um número de especificação medido ou em percentual de sobreposição de recravação Standard aceitável.

O percentual de transpasse de recravação, é o comprimento de transpasse “b” em

relação ao comprimento interno da recravação “a” multiplicado por 100. Muitos avaliadores consideram 50% como o mínimo de porcentagem de transpasse de recravação.

Percentuais satisfatórios são obtidos quando os ganchos do corpo e da tampa têm aproximadamente o mesmo comprimento. ( Fig. 16 )

a = sobreposição real entre os ganchos b = comprimento interno do gancho do corpo
a
= sobreposição real entre os ganchos
b
= comprimento interno do gancho do corpo
c
= comprimento interno da recravação
(Fig. 16)
JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

14

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Terminologia Geral da Recravação

FABRICA DE LATAS Terminologia Geral da Recravação Terminologia Dimensional da Recravação JBS S/A. Parque Industrial,

Terminologia Dimensional da Recravação

da Recravação Terminologia Dimensional da Recravação JBS S/A. Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

15

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

O percentual de sobreposição pode ser calculado através da equação:

de sobreposição pode ser calculado através da equação: Onde: SR = Sobreposição relativa GT = Gancho

Onde:

SR = Sobreposição relativa GT = Gancho da tampa GC = Gancho do corpo EC = Espessura da folha do corpo ET = Espessura da tampa HT = Altura ou comprimento da recravação

Obs: O fator 1,1 aplicado à espessura das folhas na equação leva em consideração o aumento de espessura no raio do gancho da tampa e do corpo.

4.2.3 – Cálculo do percentual de enganchamento do gancho de corpo

O percentual de enganchamento do corpo pode ser calculado através da equação:

do corpo pode ser calculado através da equação: Onde: GC = Gancho do corpo EC =

Onde:

GC = Gancho do corpo EC = Espessura da folha do corpo ET = Espessura da folha da tampa HT = Altura ou comprimento da recravação EGC = percentual de enganchamento do gancho de corpo

4.2.4 – Espaço interno da recravação – Compactação ou Aperto

O espaço da recravação ou compactação é a dimensão entre o raio do gancho de corpo e o raio interno do painel da tampa. O controle deste espaço é crucial, pois o excesso desta folga pode contribuir para o deslocamento interno dos ganchos de tampa e corpo no processo de fabricação de latas sanitárias, as quais são sujeitas ao processo de autoclavagem.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

16

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

A recravação deve ser apertada o suficiente, para que o vedante fique sob compressão. Porém, na 1ª operação é comum que haja formação de rugas, deixando marcas conhecidas como “rugas – fantasmas”, não sendo indício de uma recravação frouxa as quais serão eliminadas durante a 2ª operação.O enrugamento que ficar após a 2ª operação deverá ser avaliado para aperto se os outros itens estiverem dentro dos padrões necessários. (Fig. 17)

itens estiverem dentro dos padrões necessários. (Fig. 17) (Fig. 17) O percentual de compactação pode ser

(Fig. 17)

O percentual de compactação pode ser calculado pela equação:

de compactação pode ser calculado pela equação: Onde: ET = Espessura da folha da tampa EC

Onde:

ET = Espessura da folha da tampa EC = Espessura da folha do corpo ER = Espessura da recravação Na prática, pode-se estabelecer uma escala, na qual, de acordo com o grau de compactação, classifica-se a recravação como:

Compactação > 85% - Recravação muito boa; 75% < Compactação < 85% - Recravação entre aceitável e boa; Compactação < 75% - Recravação sujeita a problemas de vazamentos

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

17

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Dimensões típicas da recravação convencional

DE LATAS Dimensões típicas da recravação convencional 4.2.5 – Excessiva altura de recravação Produz-se uma

4.2.5 – Excessiva altura de recravação

Produz-se uma altura de recravação muito grande quando o transpasse do gancho de corpo e de tampa não é correto. Acontece quando o transpasse de recravação está abaixo da porcentagem mínima aceitável. (Fig. 18)

Possíveis causas:

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente frouxo.

- Rolete de recravação de segunda operação demasiadamente apertado.

- Rolete de recravação de segunda operação demasiadamente gasto.

- Excessiva altura do painel da placa de recravação.

JBS S/A.

altura do painel da placa de recravação. JBS S/A. (Fig. 18) Parque Industrial, s/nº - Cx.P.

(Fig. 18)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

18

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4.2.6 – Gancho de corpo curto

O gancho de corpo curto é um estado que se descreve por si mesmo. A quantidade de

material disponível na parte do gancho de corpo é insuficiente para produzir um transpasse

correto. (Fig. 19)

Possíveis causas:

um transpasse correto. (Fig. 19) Possíveis causas: (Fig. 19) - Pressão da mola do mandril inferior

(Fig. 19)

- Pressão da mola do mandril inferior baixa;

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente apertado;

- Rolete de recravação de segunda operação demasiadamente frouxo;

- Pestanha da lata pequena;

- Altura do assento da lata muito baixa.

4.2.7 – Gancho de corpo comprido

O gancho de corpo comprido se produz quando se força demasiadamente uma

quantidade de material da seção do corpo dentro da recravação. Produz-se um transpasse suficiente, porém as pressões mecânicas do excesso de material produzem uma recravação inaceitável. ( Fig. 20 )

JBS S/A.

uma recravação inaceitável. ( Fig. 20 ) JBS S/A. (Fig. 20) Parque Industrial, s/nº - Cx.P.

(Fig. 20)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

19

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Possíveis causas:

- Altura do mandril inferior demasiadamente alta;

- Excesso de pressão da mola do mandril inferior;

- Pestanha da lata grande.

4.2.8 – Gancho de tampa curto

O gancho de tampa curto se produz quando o material disponível do gancho de tampa é insuficiente para produzir uma recravação correta. Acontece quando o transpasse de recravação está abaixo da porcentagem mínima aceitável. (Fig. 21)

Possíveis causas:

mínima aceitável. (Fig. 21) Possíveis causas: (Fig. 21) - Pressão da mola do mandril inferior alta;

(Fig. 21)

- Pressão da mola do mandril inferior alta;

- Rolete de recravação da primeira operação demasiadamente frouxo;

- Rolete de recravação de segunda operação desgastado;

- Excessiva altura do painel da placa de recravação.

4.2.9 – Gancho de tampa comprido

O gancho de tampa comprido se produz quando se força demasiadamente uma quantidade de material da tampa da lata dentro da recravação. Como no gancho de corpo curto. Acontece quando o transpasse de recravação está abaixo da porcentagem mínima aceitável. (Fig. 22)

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

20

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Possíveis causas:

FABRICA DE LATAS Possíveis causas: (Fig. 22) - Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente apertado;

(Fig. 22)

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente apertado;

- Perfil do rolete de primeira operação demasiadamente estreito;

- Excesso de material no curling da tampa;

- Pouca profundidade de encaixe devido a uma placa de recravação incorreta ou desgastada;

- Gancho de corpo curto devido a uma pressão insuficiente na mola do mandril inferior.

4.2.10 – Fissura na parede do corpo

A fissura na parede do corpo é um estado inaceitável que se produz quando o corpo da lata ultrapassa as pressões mecânicas. Pode acontecer quando o gancho de tampa penetra na parede do corpo da lata. (Fig. 23)

JBS S/A.

penetra na parede do corpo da lata. (Fig. 23) JBS S/A. (Fig. 23) Parque Industrial, s/nº

(Fig. 23)

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

21

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Possíveis causas:

- Rolete de recravação de primeira operação demasiadamente frouxo;

- Excessivo comprimento do gancho de tampa;

- Perfil do rolete de primeira operação incorreto;

- Perfil do rolete de primeira operação gasto;

- Forma de enrolamento de tampa incorreto;

- Perfil do rolete de segunda operação gasto;

- Rolete de segunda operação demasiadamente apertado.

4.2.11 - Recravação Saltada ou Pulo

É uma parte da recravação que não é comprimido pelos roletes com pressão necessária, causada pelos roletes quando passam na região da recravação com a costura lateral, principalmente nas latas soldadas.A área mais crítica são as conjunções, fáceis de aparecer vazamentos, sendo necessário medidas imediatas. (Fig. 28)

vazamentos, sendo necessário medidas imediatas. (Fig. 28) Possíveis causas: (Fig. 28) - Alta velocidade da

Possíveis causas:

(Fig. 28)

- Alta velocidade da recravadeira;

- Mola do amortecedor do rolete de segunda operação lenta;

- Rolete de primeira operação muito apertado.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

22

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

4.2.12 - Corpo Fora de Esquadro

Ocorre quando o corpo da lata foi cortado fora de esquadro, durante a fabricação ou quando a soldagem é realizada sem o paralelismo ideal das laterais, causando uma desigualdade na junção. (Fig. 29)

laterais, causando uma desigualdade na junção. (Fig. 29) Possíveis causas: (Fig. 29) - Corte fora do

Possíveis causas:

(Fig. 29)

- Corte fora do esquadro do blank (Tesoura);

- Introdutor de corpo desalinhado na eletrosoldadora.

5. Conclusão

A lata preenche satisfatoriamente as funções básicas de uma embalagem, contendo e protegendo o alimento dos fatores extrínsecos de deterioração durante a estocagem, tais como oxigênio, luz, microorganismos e vapor d’água do ambiente, no caso de acondicionamento de produtos desidratados. Toda essa proteção associada ao uso de embalagens metálicas deve-se às suas características de impermeabilidade e hermeticidade, sendo, portanto, fundamental a avaliação da qualidade destas embalagens quanto a essas características. Em geral, problemas de microvazamentos relacionados à falta de hermeticidade estão associados a operações deficientes na recravação de tampas e fundos ou na costura lateral das latas, quando se tratar de latas de três peças. Uma vez detectado este tipo de problema, recomenda-se uma avaliação minuciosa dessas regiões, a fim de se identificar a causa.

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

23

FABRICA DE LATAS
FABRICA DE LATAS

FABRICA DE LATAS

Bibliografia:

-Pequeno Manual de Recravação ANGELUS; -CETEA – Avaliação da Qualidade de Embalagens Metálicas: Aço e

Alumínio; - Silvia Tondella Dantas, Valéria D. A. Anjos, Elisabete Segantini, Jozeti A. B. Gatti – Campinas / 1996 / 2008 / 2009

JBS S/A.

Parque Industrial, s/nº - Cx.P. 211 – Lins–SP – Brasil - CEP 16404-110–Fone (14) 3533 2464 – Fax (14) 3533 2043 – http: //www.jbs.com.br

24