Você está na página 1de 16

 Etimologicamente deriva do termo

latino persona que significa máscara


que os actores usavam no teatro
clássico.

 Carácter profundo e privado da


personalidade – o que assumo e revelo
aos outros quando uso ou deixo cair a
máscara.
 Conceito vasto, complexo, com múltiplas
definições.

 É o conjunto de características psicológicas


que determinam os padrões de pensar, sentir
e agir, ou seja, a individualidade pessoal e
social de alguém. A formação da
personalidade é processo gradual, complexo
e único a cada indivíduo.
 SINGULARIDADE: originalidade e
especificidade de cada um; cada um é
um e é único!
 TOTALIDADE: integra todas as dimensões da
pessoa, observáveis e internas, que têm
uma organização e uma estrutura.
 CONSISTÊNCIA: constância no
comportamento e no relacionamento com
a realidade e com os outros. Permite prever
o comportamento do outro.
Totalidade pessoal, única e
autónoma, que cada ser humano
constrói desde o nascimento e ao
longo do seu ciclo de vida e que
integra factores orgânicos,
intelectuais, perceptivos,
motivacionais, morais, afectivos e
sociais.

Atributos duradouros que são


representativos do indivíduo.
 HERDITARIEDADE: material genético,
características morfológicas, género, …
Esta componente é normalmente
designada por CARÁCTER ou
TEMPERAMENTO.
 COMPONENTE SOCIAL: cultura, normas e
padrões dos grupos, hierarquias sociais,
distribuição de papéis e estatutos
Importância vital da socialização primária.
EXPERIÊNCIAS PESSOAIS:
“a experiência não é o que te acontece,
mas o que tu fazes com o que te
acontece” (Aldous Huxley)
- Acontecimentos ao longo da nossa história de vida;
- Crises e a forma como as enfrentamos / resolvemos;

Exemplo Personalidade Patológica


 Embora tendo alguma estabilidade ao
longo da vida, a personalidade sofre uma
evolução permanente, sem rigidez, nem
pré-determinação.
 Busca permanente de ajustamento e
equilíbrio (homeostase).

“o que tu fazes com o que te acontece”

A PERSONALIDADE é o que dá UNIDADE às


diversas formas de vivência psicológica.
 Freud – motivações inconscientes,
importância da infância;
 Bowlby e Sptiz - papel relações
precoces e das relações de vinculação;
 Erikson – perspectiva social da
construção da personalidade – energia
e motivação é psicossocial.
 Bandura – modelagem: observação e
imitação de modelos significativos.
 Teorias Humanistas – Maslow e Rogers.
 A personalidade é um crescendo e as
pessoas vivem a tentar progredir na
satisfação, cada vez mais alargada, das
suas necessidades.
 O meio tem um papel vital, estimula a
personalidade a auto-realizar-se.
 Todo o ser humano tem um imenso
potencial para crescer, auto-realizar-se e
manter relações pessoais positivas com os
outros.

 Teoria Fenomenológica:
Estudo da experiência
Individual subjectiva,
Forma como os indivíduos
Se vêem a si e ao mundo.
 ORGANISMO: sede de experiência, cujas
linhas gerais estão geneticamente
definidas.
 CAMPO FENOMENOLÓGICO: totalidade
das experiências (conscientes e
inconscientes) que funcionam como
referência para agir e sentir.
 SELF: forma como cada um se
percepciona a si próprio. Tem um papel
crucial na forma como nos relacionamos
com os outros.
 Modelo para o estudo clínico
aprofundado do indivíduo.
 Reconhece o carácter único de cada
indivíduo, a sua singularidade.
 Procurava compreender o caso
individual e estabelecer leis gerais de
comportamento e encontrar traços de
personalidade.
 Os principais factores que motivam o
comportamento são necessidades.
 Definiu 20 NECESSIDADES: humilhação, realização,
afiliação, agressão, autonomia, reacção,
submissão, defesa, dominação, exibição, evitar
sofrimento e a inferioridade, proteger, ordem,
jogo, evitar a rejeição ou o isolamento, sensação,
sexual, socorro, compreensão
 O indivíduo pode ser motivado por mais do que
uma necessidade de cada vez e , às vezes, elas
podem entrar em conflito.
 As necessidades são aprendidas.
 Alguns autores têm defendido que
existem 5 grandes dimensões ou traços
através dos quais é possível descrever a
personalidade de uma pessoa.

BIG FIVE:
NEUROTICISMO
EXTROVERSÃO
AMABILIDADE
CONSCIENCIOSIDADE
ABERTURA À EXPERIÊNCIA
 MMPI (Minessota Multihiphasic Personality Inventory)
 EPI (Eysenck Personality Inventory)

 RORSCHACH
 TAT (Thematic Aperception Test)
 CAT (Children Aperception Test)
 ROBERTS