Você está na página 1de 30

Guia Prático para seres um Bom Aluno

Jorge Rio Cardoso


Liliana da Silva Miranda
PROINOV – TECNOPOLO, MADEIRA
Questões Prévias
 Não existe um método único
 O método escolhido deve ter flexibilidade
 Forte desejo de ser Bom Aluno
 O mais difícil é o começo
 O Professor não é “inimigo”
 Para quê Ser Bom Aluno?
 O que é Ser Bom Aluno?
Como Organizar o Estudo?
As várias fases do estudo:
1. Recolha de apontamentos;
2. Memorização/compreensão;
3. Relacionamento de matérias;
4. Fase de Auto-avaliação.

Vejamos cada uma em detalhe


1- Fase de Recolha de
Apontamentos
 Caderno diário
 Livro
 Elementos distribuídos na aula (fotocópias de acetatos,
de power points, etc.)
 Elementos pesquisados (net, biblioteca, apontamentos
de colegas de anos anteriores, etc.)
Antes de passarmos à fase 2, algumas notas sobre estes
elementos
Os apontamentos
 Bons apontamentos são fundamentais
 Boa caligrafia (ficheiro word)
 Deixar espaços
 Características dos sublinhados
 Serem atractivos
 A estrutura dos apontamentos (a folha síntese)
 Quando termina esta fase?
2- Fase de Memorização /
Compreensão
Métodos possíveis:
 Arranjar uma “estória”;
 Dar uma aula
 Perguntas feitas por terceiros
 Escrever o que já entendeste
 Os sublinhados
 Onde decorre e quando termina?
3- Fase de Relacionamento de
Matérias
 A importância desta fase
 Reunião com colegas com interesses comuns
 A “agenda de trabalhos”
 Grupos de quantos elementos?
 Estudar em grupo: sim ou não?
 “Inventar” perguntas possíveis
4- Fase de Autoavaliação

Resolução de testes/exames
Onde decorre?
Quanto tempo antes do Exame?
Sozinho ou em grupo?
Quadro 1- Ponto de
Situação
Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4

Relacionamento
Apontamentos Memorização de matérias Teste

Disciplinas 1 2 3 4 Compreensão

Português

Francês

Inglês

História

Ciências

Matemática

Geografia
O Método em disciplinas práticas

As várias fases:
1. Fase de Recolha de Apontamentos
2. Fase de memorização de regras
3. Fase de praticar exercícios e de auto-
avaliação
1- Fase de Recolha de
Apontamentos

 Regras
 Fórmulas
 Definições
 Duração desta fase?
2- Fase de memorização de regras

 Em que consiste
 Formas de memorização
 Quanto tempo dura?
 Quando está terminada?
3- Fase de praticar exercícios e de
autoavaliação
 Como é feita?
 Onde decorre?
 Regra dos 80%
 Com que antecedência em relação à
avaliação?
 Em grupo, sim ou não?
Antevendo o conteúdo do Exame

 A importância da atenção na aula


 Análise de exames anteriores
 A importância das aulas de revisões
e/ou de dúvidas
Problemas estruturais e conjunturais
 Distinção entre estes 2 tipos de problemas
 A “reconciliação” com o passado
 Formas de lidar com os problemas
estruturais:
1. Identificação de insuficiências;
2. Formas de resolução;
3. Estratégias de actuação;
4. Acção.
Na Escola
 A atitude
 Na sala de aula
 Leitura prévia
 Quando e como intervir na aula
 A memória lógica versus mecánica
 Como passar apontamentos de forma rápida
 Os TPC’s
Preparação das Avaliações
 Como se controla a ansiedade dos exames
 As cábulas
 “programa” para o dia anterior ao exame
 Dormir bem
 O problema da Saturação
 O dia do exame
 Os exames orais: formas de preparação
Preparação das Avaliações (2)
 A alimentação
 Cultivar o sentido de humor
 Análise dos erros (importância desta fase)
 Como fazer o exame? (Vamos desenvolver
este tema no próximo silde)
Como fazer o exame?
 A letra
 Construção de frases
 Fazer um esquema de resposta
 Leitura diagonal e sublinhar
 Deixar espaços
 Anotações no enunciado
 Aproveitamento integral do tempo
Os erros frequentes
 Eliminar matérias
 Ir pela conversa dos outros
 Desanimar perante as primeiras
contrariedades
 Estudar sem perceber
 Ter medo de ser considerado “graxa”
 O primeiro exame corre mal
Os erros frequentes (2)
 Falta de ambição
 Criar expectativas demasiado altas
 Estudar muito é ser “cromo”
 Estudar só para o exame
 Mania que o Professor o persegue
 Começar a todo o “gás”
 Escolher o curso porque “dá dinheiro”
O papel dos Pais
 Explicação: sim ou não?
 Reuniões na Escola
 Incentivos dados pelos pais: sim ou
não?
 Responsabilização
 Evitar a pressão
Motivação e a Organização
 Arrumação do local de estudo
 Fazer esquemas das matérias
 Como fazer esquemas das matérias?
 Controlar o estudo
 As compensações
 Exemplos
Motivação e a Organização (2)
 As pausas
 As pausas produtivas
 A Atitude
 O que é uma estratégia pró-activa?
 Importância da Agenda
 O que temos na Agenda? (ver slide seguinte)
O que vamos registar na Agenda?
 Datas das avaliações (testes, exames)
 Datas de entregas de trabalhos
 Reuniões de grupos de trabalho
 Prazo de entrega dos TPC’s
 Leituras prévias das aulas
 Outros elementos
Motivação e a Organização (3)
 A importância de possuir indicadores de
desempenho
 Indicadores relativos
 Ranking
 A média
 Posicionamento em relação ao melhor aluno
 Planeamento do estudo (slide seguinte)
Planeamento do Estudo
 O que é?
 Formas de realizar esta tarefa
 As sessões de trabalho
 As pausas
 Tipos de planeamento
Exemplos práticos
 Exemplos de bons apontamentos
 Exemplos de exames bem feitos
 Exemplos de um bom caderno diário
 Exemplos de um bom planeamento
 Exemplo de uma análise de estrutura
Os Bons Alunos na 1.ª pessoa
 Porque é que achas que tens sucesso?
 Qual o método que utilizas?
 Porque há maus alunos?
 Que tipo de motivação te leva a
estudar?