Você está na página 1de 31

ABATE

HUMANITÁRIO

Etec Prefeito José Esteves


Prof. Msc. Daniela Maria Gerônimo
• A preocupação com o bem-estar animal no manejo pré-abate
iniciou-se na Europa no século XVI.

• Há relatos de que os animais deveriam ser alimentados,


hidratados e estar descansados antes do abate e que
receberiam um golpe na cabeça que os deixaria inconscientes,
antes que fosse efetuada a sangria, evitando sofrimento.

• Entretanto, a primeira Lei geral sobre bem-estar animal surgiu


Introdução no ano de 1822, na Grã Bretanha
Introdução
• No Brasil, há décadas já existe lei que sustenta a obrigatoriedade de
atenção ao bem-estar animal e a aplicação de penalidades a quem
infringi-la. A primeira legislação brasileira que trata desse assunto é o
Decreto Lei número 24.645 de julho de 1934.

• Com o decorrer dos anos, foram surgindo novas legislações para


assegurar, entre outras finalidades, o cumprimento das normas de
abate e bem-estar animal no manejo pré-abate dos animais de
produção, como o Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos
Produtos de Origem Animal (RIISPOA), conforme o Decreto nº 30.691,
de 29 de março de 1952.
Introdução
• As diretrizes brasileiras de bem-estar animal são elaboradas com base
nas recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
Essas recomendações abordam a necessidade de que os animais de
produção não sofram durante o período de pré-abate e abate,
envolvendo os seguintes pontos:
Embarque/ Desembarque
Transporte
Área de Descanso
1- A agressividade no pré-
abate

Hematomas, contusões e
fraturas, são
características
comprobatórias de maus
tratos aos animais durante
o manejo pré-abate. A
agressividade provoca o
Fatores que causam estresse e estresse animal,
comprometendo o seu
sofrimento aos animais no bem-estar, causando-lhe
período pré-abate dor e sofrimento.
1. Agressividade no pré-abate
Fatores que
causam • 2- Transporte inadequado

estresse e Durante o transporte para o abate


(embarque, transporte e desembarque)
sofrimento aos os animais sofrem grande estresse. Neste
animais no momento também é comum
acontecerem fraturas e hematomas em
período pré- sua carcaça

abate
Fatores que causam estresse e sofrimento aos
animais no período pré-abate
3- Contato repentino com estranhos

Quando os animais chegam nos frigoríferos e são expostos a novo


grupo social, que também aguarda pelo abate, em um ambiente
diferente e em contato com pessoas estranhas, o estresse psicológico
aumenta.
Mistura de lotes e perdas de animais
0,4
0,35
0,3

Pertes %
0,25
0,2 Mortos
0,15 Cansados
0,1 Lesionados
0,05
Total
0
Nâo misturados Misturados

Ritter, 2006
Fatores que causam estresse e sofrimento aos
animais no período pré-abate
4- Mão de obra despreparada para o abate e o trato com os animais

O manejo inadequado do homem com os animais aumenta, e muito, o


estresse psicológico e físico, afetando o bem-estar dos animais durante
todos os processos do abate. Como resultado, os animais apresentam
grande cansaço, machucados e temperatura elevada. Esta etapa do
abate humanitário deve ser executada por pessoas deve ser realizada
por pessoas capacitadas, que conheçam o comportamento natural dos
animais e saibam como manejá-los de forma calma, ágil e menos
estressante possível.
Fatores que causam estresse e sofrimento aos
animais no período pré-abate
5- Desrespeito ao período de descanso animal

O transporte dos animais para o abate causa grandes desgaste físico e


emocional aos animais, além de desidratação. Portanto, após o
desembarque, durante o tempo de descanso (que deve ser piamente
respeitado), os animais necessitam estar em ambientes calmos e com
acesso a água.
Fatores que causam estresse e sofrimento aos
animais no período pré-abate
6- Instalações inadequadas pré-abate

Bordas salientes e cortantes, áreas de descanso desprotegidas das


condições climáticas, pisos que não sejam antiderrapantes, iluminação
ruim, desconforto térmico e falta de ventilação adequada, são fatores
que também causam dor e sofrimento aos animais no período pré-
abate.
Fatores que causam estresse e sofrimento aos
animais no período pré-abate
7- Equipamentos inadequados ou a falta deles

O abate realizado sem a prévia insensibilização dos animais, através de


equipamentos adequados e aprovados por legislação para cada espécie
e a fata de equipamentos reserva (para a suposta falha dos primeiros) é
uma atitude plenamente inconcebível no abate humanitário de
animais.
Problemas devido manejo pré-abate inadequado
 FONTE: Laurits Lydehøj Hansen; Sture Andersso; Falcitano, L.
Fonte: FALCITANO, L.
GOLPE DE MANGUEIRA DENSIDADE ELEVADA MISTURA LOTES
ITP, 1996
Manejo pré e pós-abate
• Etapas com grande influência na qualidade da carne:
Jejum
 Embarque
Transporte
Desembarque
Descanso e Condução para o Abate
Abate: insensibilização, tipo e tempo de sangria
Manejo pós-abate (esfola, evisceração, separação)
Resfriamento Carcaça e Manipulação após resfriamento
(porcionamento; processamento de produtos cárneos)
 ETAPAS
MANEJO PRÉ-
1.0 PREPARO
ANIMAL
(JEJUM)
2.0 EMBARQUE/
TRANSPORTE/
5.0
INSENSIBILIZAÇÃO DESEMBARQUE

ABATE

2.1 e 4.0
3.0 DESCANSO
CONDUÇÃO