Você está na página 1de 42

PROCESSO CIVIL II

PROFESSOR
EVANDRO MELO

evandroj_melo@hotmail.com

@prof.evandromelo
NOMENCLATURA

• PROCEDIMENTO • PROCEDIMENTO
COMUM ORDINÁRIO COMUM (15)
(CPC 73)
PROCEDIMENTO COMUM – PETIÇÃO
INICIAL
NÃO ESQUECER
PROCEDIMENTO:

MODO PELO QUAL OS ATOS PROCESSUAIS SE ENCADEIAM-SE


NO TEMPO PARA ATINGIR SUA FINALIDADE.

É A SUCESSÃO DE ATOS, QUE REPRESENTAM A FORMA COMO


O PROCESSO SE DESENVOLVE.
4 FASES – POSTULATÓRIA /
ORDINATÓRIA / INSTRUTÓRIA E
DECISÓRIA
FASES
LEVA-SE EM CONSIDERAÇÃO O TIPO
DO ATO PREDOMINANTE NA
RESPECTIVA FASE.

1. POSTULATÓRIA – AUTOR
APRESENTA A PETIÇÃO INICIAL E O
RÉU SUA RESPOSTA
(PREDOMINÂNCIA DO
REQUERIMENTO DAS PARTES)
FASES

2. ORDINATÓRIA – SANEAMENTO DO
PROCESSO PELO JUIZ, APRECIAÇÃO
DO PLEITO DE PRODUÇÃO DE
PROVAS FORMULADOS PELAS
PARTES.
FASES

3. INSTRUTÓRIA – FASE EM QUE SÃO


PRODUZIDAS AS PROVAS.

4. DECISÓRIA – FASE DA DECISÃO


EXARADA PELO MAGISTRADO
PROCESSO DE CONHECIMENTO

DO PROCEDIMENTO COMUM
PETIÇÃO INICIAL

CPC (15), A PARTIR DO ARTIGO 318, TRATA


DO PROCEDIMENTO COMUM.
FASES
1. POSTULATÓRIA (PETIÇÃO INICIAL)
PROPOSITURA DA DEMANDA:
•Ato que dá início ao processo.
•Petição inicial é a peça processual que se
dá a propositura da ação.
•Se fixam os contornos da pretensão,
indicação dos pedidos e fundamentos.
REQUISITOS DA PETIÇÃO INICIAL.

LOCALIZAÇÃO – ARTIGOS 319 A 320


CPC (15).
REQUISITOS DA PETIÇÃO INICIAL.

319 (15) – REQUISITOS INTRÍNSICOS, ISTO É


AQUELES QUE DEVEM SER OBSERVADOS NA
PRÓPRIA PEÇA (PETIÇÃO).

320 (15) – REQUESITOS EXTRÍNSECOS,


RELACIONADOS A DOCUMENTOS QUE DEVEM
INSTRUIR A PEÇA (PETIÇÃO).
CPC 2015
Art. 319. A petição inicial indicará:

I - o juízo a que é dirigida;


II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a profissão, o número
de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o
endereço eletrônico, o domicílio e a residência do autor e do réu;
III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido;
IV - o pedido com as suas especificações;
V - o valor da causa;
VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos alegados;
VII - a opção do autor pela realização ou não de audiência de conciliação ou de mediação.
§ 1o Caso não disponha das informações previstas no inciso II, poderá o autor, na petição
inicial, requerer ao juiz diligências necessárias a sua obtenção.
§ 2o A petição inicial não será indeferida se, a despeito da falta de informações a que se refere
o inciso II, for possível a citação do réu.
§ 3o A petição inicial não será indeferida pelo não atendimento ao disposto no inciso II deste
artigo se a obtenção de tais informações tornar impossível ou excessivamente oneroso o
acesso à justiça.
CPC 2015
• Art. 320. A petição inicial será instruída com os documentos
indispensáveis à propositura da ação.

• Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os


requisitos dos arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades
capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no
prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com
precisão o que deve ser corrigido ou completado.
• Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a
petição inicial.
PETIÇÃO INICIAL DEVE INDICAR A QUEM O REQUERIMENTO É
DIRIGIDO.
JUIZ OU TRIBUNAL.
EM CASO DE ERRO NA INDICAÇÃO, E A DEMANDA FOR
PROPOSTA PERANTE O JUÍZO INCOMPETENTE A DEMANDA SERÁ
REMETIDA AO JUÍZO COMPETENTE.
NÃO É CASO DE INDEFERIMENTO DA PETIÇÃO INICIAL.

CPC/15
Art. 319. A petição inicial indicará:
I - o juízo a que é dirigida;
PARTES CONSTITUEM UM DOS ELEMENTOS IDENTIFICADORES DA AÇÃO.
DESSA FORMA, A INICIAL DEVE DESIGNAR ELEMENTOS QUE PERMITAM SUA
IDENTIFICAÇÃO.
OBSERVAR A REGRA DO ARTIGO 256 DO CPC/15.
EX: INVASÕES DE TERRA / ESBULHO.

PESSOA JURÍDICA – ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA SUA IDENTIFICAÇÃO.

CPC/15
II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a
profissão, o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro
Nacional da Pessoa Jurídica, o endereço eletrônico, o domicílio e a residência do
autor e do réu;
REQUISITO DE MAIOR IMPORTÂNCIA – IMPÕE OS LIMITES DA
DEMANDA.
IDENTIFICAÇÃO DA AÇÃO.
CAUSA DE PEDIR PROXIMA- DESCRIÇÃO DOS FATOS.
DESCRIÇÃO DE FORMA INTELIGÍVEL E MANTER A LÓGICA COM A
PRETENSÃO INICIAL.

CPC/15
Art. 319. A petição inicial indicará:
III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido;
INDICAÇÃO DO PROVIMENTO JURISDICIONAL PLEITEADO.

EXTRA PETITA – PEDIDO DIVERSO


ULTRA PETITA – MAIS DO QUE O PEDIDO REALIZADO.
CITRA PETITA – APRECIAÇÃO DE TODOS OS PEDIDOS.

Art. 319. A petição inicial indicará:


IV - o pedido com as suas especificações;
TODA A CAUSA SERÁ ATRIBUIDO UM VALOR CERTO, AINDA QUE
NÃO TENHA CONTEUDO ECONÔMICO IMEDIATO.
VIDE ARTIGO 291 E 292 CPC/15
•COMPETÊNCIA – JUÍZO – JUIZADO
•RECOLHIMENTO DE CUSTAS
•POSSIBILIDADE DE INVENTÁRIO SER SUBSTITUÍDO POR
ARROLAMENTO.

•CPC/15
•Art. 319. A petição inicial indicará:
•V - o valor da causa;
VIDE ARTIGOS 291 E 292 CPC/15

Art. 291. A toda causa será atribuído valor certo, ainda que não tenha
conteúdo econômico imediatamente aferível.
Art. 292. O valor da causa constará da petição inicial ou da reconvenção e
será:
•I - na ação de cobrança de dívida, a soma monetariamente corrigida do
principal, dos juros de mora vencidos e de outras penalidades, se houver,
até a data de propositura da ação;
•II - na ação que tiver por objeto a existência, a validade, o cumprimento, a
modificação, a resolução, a resilição ou a rescisão de ato jurídico, o valor do
ato ou o de sua parte controvertida;
•III - na ação de alimentos, a soma de 12 (doze) prestações mensais pedidas
pelo autor;
•IV - na ação de divisão, de demarcação e de reivindicação, o valor de
avaliação da área ou do bem objeto do pedido;
VIDE ARTIGOS 291 E 292 CPC/15

•V - na ação indenizatória, inclusive a fundada em dano moral, o valor pretendido;


•VI - na ação em que há cumulação de pedidos, a quantia correspondente à soma dos
valores de todos eles;
•VII - na ação em que os pedidos são alternativos, o de maior valor;
•VIII - na ação em que houver pedido subsidiário, o valor do pedido principal.
•§ 1o Quando se pedirem prestações vencidas e vincendas, considerar-se-á o valor de
umas e outras.
•§ 2o O valor das prestações vincendas será igual a uma prestação anual, se a obrigação
for por tempo indeterminado ou por tempo superior a 1 (um) ano, e, se por tempo
inferior, será igual à soma das prestações.
•§ 3o O juiz corrigirá, de ofício e por arbitramento, o valor da causa quando verificar
que não corresponde ao conteúdo patrimonial em discussão ou ao proveito econômico
perseguido pelo autor, caso em que se procederá ao recolhimento das custas
correspondentes.
CUIDADOS NA PETIÇÃO INICIAL
ADVOGANDO EM CAUSA PRÓPRIA
CPC/15

REGRA DO ARTIGO 106, I DO CPC.


•Art. 106. Quando postular em causa própria, incumbe ao advogado:
•I - declarar, na petição inicial ou na contestação, o endereço, seu número de inscrição
na Ordem dos Advogados do Brasil e o nome da sociedade de advogados da qual
participa, para o recebimento de intimações;
•II - comunicar ao juízo qualquer mudança de endereço.
•§ 1o Se o advogado descumprir o disposto no inciso I, o juiz ordenará que se supra a
omissão, no prazo de 5 (cinco) dias, antes de determinar a citação do réu, sob pena de
indeferimento da petição.
•§ 2o Se o advogado infringir o previsto no inciso II, serão consideradas válidas as
intimações enviadas por carta registrada ou meio eletrônico ao endereço constante dos
autos.
REQUISITOS EXTRINSECOS (CPC/15)
Art. 320. A petição inicial será instruída com os documentos
indispensáveis à propositura da ação.

OS DOCUMENTOS NÃO INDISPENSÁVEIS, PODEM SER JUNTADOS


A QUALQUER TEMPO NO PROCESSO.

- OBSERVAR A REGRA -
Art. 434. Incumbe à parte instruir a petição inicial ou a contestação com os documentos
destinados a provar suas alegações.
REQUISITOS EXTRINSECOS (CPC/15)
Art. 320. A petição inicial será instruída com os documentos
indispensáveis à propositura da ação.

- OBSERVAR A REGRA -
•Art. 435. É lícito às partes, em qualquer tempo, juntar aos autos documentos novos,
quando destinados a fazer prova de fatos ocorridos depois dos articulados ou para
contrapô-los aos que foram produzidos nos autos.
•Parágrafo único. Admite-se também a juntada posterior de documentos formados após
a petição inicial ou a contestação, bem como dos que se tornaram conhecidos, acessíveis
ou disponíveis após esses atos, cabendo à parte que os produzir comprovar o motivo que
a impediu de juntá-los anteriormente e incumbindo ao juiz, em qualquer caso, avaliar a
conduta da parte de acordo com o art. 5o.
Art. 436. A parte, intimada a falar sobre documento constante dos autos, poderá:
•I - impugnar a admissibilidade da prova documental;
•II - impugnar sua autenticidade;
•III - suscitar sua falsidade, com ou sem deflagração do incidente de arguição de falsidade;
•IV - manifestar-se sobre seu conteúdo.
•Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II e III, a impugnação deverá basear-se em
argumentação específica, não se admitindo alegação genérica de falsidade.
•Art. 437. O réu manifestar-se-á na contestação sobre os documentos anexados à inicial,
e o autor manifestar-se-á na réplica sobre os documentos anexados à contestação.
•§ 1o Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz
ouvirá, a seu respeito, a outra parte, que disporá do prazo de 15 (quinze) dias para adotar
qualquer das posturas indicadas no art. 436.
•§ 2o Poderá o juiz, a requerimento da parte, dilatar o prazo para manifestação sobre a
prova documental produzida, levando em consideração a quantidade e a complexidade da
documentação.
PEDIDOS

1. PEDIDOS GENÉRICOS
2. PEDIDOS IMPLÍCITOS
3. CUMULAÇÃO DE PEDIDOS

FUNDAMENTO – REQUISITO ESSENCIAL DA PETIÇÃO


INICIAL, 319 (CPC/15).
PEDIDOS

1. PEDIDOS GENÉRICOS

CERTO E DETERMINADO X CERTO OU DETERMINADO

PEDIDO CERTO – AQUELE PEDIDO INDIVIDUALIZADO,


POSSIBILITANDO SUA PERFEITA IDENTIFICAÇÃO.
PEDIDO DETERMINADO – QUANTO A QUANTIDADE.
PEDIDOS
1. PEDIDOS GENÉRICOS

PEDIDOS GENÉRICOS – LÍCITA SUA FORMULAÇÃO,


QUANDO CERTO É O OBJETO, MAS AINDA
INDETERMINADO EM RELAÇÃO A QUANTIDADE.

AN DEBEATUR X QUANTUM DEBEATUR


PEDIDOS
• CPC/15
• Art. 324. O pedido deve ser determinado.
• § 1o É lícito, porém, formular pedido genérico:
• I - nas ações universais, se o autor não puder individuar os bens
demandados;
• EX: INVENTÁRIO
• II - quando não for possível determinar, desde logo, as consequências do
ato ou do fato;
• EX: INDENIZAÇÕES POR DANO MORAL (ATENÇÃO - CPC 73) /
INDENIZAÇÃO DECORRENTE DE LESÕES CORPORAIS
• III - quando a determinação do objeto ou do valor da condenação
depender de ato que deva ser praticado pelo réu.
• EX: AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTA

• § 2o O disposto neste artigo aplica-se à reconvenção.


PEDIDOS

2. PEDIDOS IMPLÍCITOS
PEDIDOS IMPLÍCITOS – POR DETERMINAÇÃO LEGAL
OS PEDIDOS DEVEM SER INTERPRETADOS
RESTRITIVAMENTE, OU SEJA, O MAGISTRADO
DEVE APENAS APRECIAR A PRETENSÃO
FORMULADA.
PEDIDOS

2. PEDIDOS IMPLÍCITOS

SÚMULA 254
INCLUEM-SE OS JUROS MORATÓRIOS NA LIQUIDAÇÃO, EMBORA OMISSO O
PEDIDO INICIAL OU A CONDENAÇÃO.
SÚMULA 256
É DISPENSÁVEL PEDIDO EXPRESSO PARA CONDENAÇÃO DO RÉU EM
HONORÁRIOS, COM FUNDAMENTO NOS ARTS. 63 OU 64 DO CÓDIGO DE
PROCESSO CIVIL.
PEDIDOS

2. PEDIDOS IMPLÍCITOS – Artigo 322 do CPC/15


• Art. 322. O pedido deve ser certo.
• § 1o Compreendem-se no principal os juros legais, a
correção monetária e as verbas de sucumbência,
inclusive os honorários advocatícios.
• § 2o A interpretação do pedido considerará o
conjunto da postulação e observará o princípio da
boa-fé.
PEDIDOS

3. CUMULAÇÃO DE PEDIDOS

3.1. CUMULAÇÃO SIMPLES: FORMULAÇÃO CONTRA O MESMO RÉU DOIS


OU MAIS PEDIDOS.
PEDIDOS DEVEM SER INTERDEPENDENTES, OU SEJA, O RESULTADO DE UM
NÃO IRÁ IMPACTAR NO OUTRO.

3.2. CUMULAÇÃO SUCESSIVA: FORMULAÇÃO DE MAIS DE UM PEDIDO,


BUSCANDO OBTER SUCESSO EM TODOS. CONTUDO O RESULTADO DE
UM PEDIDO REPERCUTE NO OUTRO, RELAÇÃO DE PREJUDICIALIDADE.
EX: AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE, CUMULADA COM
ALIMENTOS
PEDIDOS

3. CUMULAÇÃO DE PEDIDOS

3.3. CUMULAÇÃO ALTERNATIVA: FORMULAÇÃO DE VARIOS PEDIDOS ,


POSTULANDO O ACOLHIMENTO DE APENAS UM DELES, SEM
ESTABELECER UMA ORDEM DE PREFERÊNCIA.
MAGISTRADO DEFINE.
EX: CREDOR ANTE O INADIMPLEMENTO CONTRATUAL PODE OPTAR ENTRE
EXIGIR O CUMPRIMENTO OU POSTULAR A RESOLUÇÃO DA AVENÇA,
COM A CONDENAÇAO DO RÉU NO EQUIVALENTE PECUNIÁRIO.
3.4. CUMULAÇÃO EVENTUAL OU SUBSIDIÁRIA: FORMULAÇÃO DE DOIS OU
MAIS PEDIDOS, ESPERANDO QUE APENAS UM DELES SEJA ACOLHIDO.
(ESTABELECE UMA ORDEM DE PREFERÊNCIA).
PEDIDOS

3. CUMULAÇÃO DE PEDIDOS – Artigo 327 do CPC/15


• Art. 327. É lícita a cumulação, em um único processo, contra o mesmo réu, de
vários pedidos, ainda que entre eles não haja conexão.
• § 1o São requisitos de admissibilidade da cumulação que:
• I - os pedidos sejam compatíveis entre si;
• II - seja competente para conhecer deles o mesmo juízo;
• III - seja adequado para todos os pedidos o tipo de procedimento.
• § 2o Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de procedimento, será
admitida a cumulação se o autor empregar o procedimento comum, sem prejuízo
do emprego das técnicas processuais diferenciadas previstas nos procedimentos
especiais a que se sujeitam um ou mais pedidos cumulados, que não forem
incompatíveis com as disposições sobre o procedimento comum.
• § 3o O inciso I do § 1o não se aplica às cumulações de pedidos de que trata o art.
326.
PEDIDOS

REQUESITOS PARA A CUMULAÇÃO DOS PEDIDOS


1. PEDIDOS COMPATIVEIS ENTRE SÍ: UM PEDIDO NÃO PODE
EXCLUIR AUTOMATICAMENTE OUTRO.
(CUMULAÇÃO SIMPLES E SUCESSIVA)
2. JUÍZO COMPETENTE PARA APRECIAÇÃO DE TODOS OS
PEDIDOS
3. ADEQUAÇÃO DO PROCEDIMENTO A TODOS OS PEDIDOS.
ADMISSIBILIDADE DA PETIÇÃO INICIAL
APÓS OCORRER A VERIFICAÇÃO

1. ESTANDO EM TERMOS – DETERMINA A CITAÇÃO DA PARTE RÉ

2. PENDENTE DE REGULARIZAÇÃO – DETERMINA A REGULARIZAÇÃO


OFERTANDO PRAZO.
EM CASO DE NÃO REGULARIZAÇÃO O JUIZ REJEITA A PETIÇÃO INICIAL.
COMPETE AO JUIZ FAZER O EXAME DE
ADMISSIBILIDADE – CAUTELA, POIS APÓS A
CITAÇÃO DO RÉU, O PEDIDO NÃO PODERÁ SER
MODIFICADO, SEM O CONSENTIMENTO DESTE.
NOTA: É NESTA FASE INICIAL QUE EVENTUAIS
DEFEITOS OU IRREGULARIDADES DEVEM SER
SANADAS.
DEVE O JUIZ CONCEDER PRAZO PARA O AUTOR
REGULARIZAR.
APÓS OCORRER A VERIFICAÇÃO (CPC/15)

2. PENDENTE DE REGULARIZAÇÃO – DETERMINA A REGULARIZAÇÃO


OFERTANDO PRAZO.
EM CASO DE NÃO REGULARIZAÇÃO O JUIZ REJEITA A PETIÇÃO INICIAL.
• Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os
requisitos dos arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades
capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no
prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com
precisão o que deve ser corrigido ou completado.
• Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a
petição inicial.
• Art. 330. A petição inicial será indeferida quando:
• I - for inepta;
• II - a parte for manifestamente ilegítima;
• III - o autor carecer de interesse processual;
• IV - não atendidas as prescrições dos arts. 106 e 321.
• § 1o Considera-se inepta a petição inicial quando:
• I - lhe faltar pedido ou causa de pedir;
• II - o pedido for indeterminado, ressalvadas as hipóteses legais em que se permite o pedido
genérico;
• III - da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão;
• IV - contiver pedidos incompatíveis entre si.
• § 2o Nas ações que tenham por objeto a revisão de obrigação decorrente de empréstimo,
de financiamento ou de alienação de bens, o autor terá de, sob pena de inépcia,
discriminar na petição inicial, dentre as obrigações contratuais, aquelas que pretende
controverter, além de quantificar o valor incontroverso do débito.
• § 3o Na hipótese do § 2o, o valor incontroverso deverá continuar a ser pago no tempo e
modo contratados.
ATENÇÃO (CPC/15)
• Art. 332. Nas causas que dispensem a fase instrutória, o juiz, independentemente da
citação do réu, julgará liminarmente improcedente o pedido que contrariar:
• I - enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça;
• II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça
em julgamento de recursos repetitivos;
• III - entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de
assunção de competência;
• IV - enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local.
• § 1o O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, desde
logo, a ocorrência de decadência ou de prescrição.
• § 2o Não interposta a apelação, o réu será intimado do trânsito em julgado da sentença,
nos termos do art. 241.
• § 3o Interposta a apelação, o juiz poderá retratar-se em 5 (cinco) dias.
• § 4o Se houver retratação, o juiz determinará o prosseguimento do processo, com a citação
do réu, e, se não houver retratação, determinará a citação do réu para apresentar
contrarrazões, no prazo de 15 (quinze) dias.