Você está na página 1de 18

Volume 05

Sumário - Química
Frente A
09 03 Concentração das soluções
Autor: Marcos Raggazzi

10 11 Diluição e mistura de soluções


Autor: Marcos Raggazzi

Frente B
09 19 Processos eletroquímicos
Autor: Marcos Raggazzi

10 29 Pilhas
Autor: Marcos Raggazzi

Frente C
17 39 Óxidos
Autor: Marcos Raggazzi

18 47 Reações inorgânicas I
Autores: Marcos Raggazzi
Fabiano Guerra

19 63 Reações inorgânicas II
Autores: Marcos Raggazzi
Fabiano Guerra

20 69 Equilíbrio químico – Introdução


Autores: Marcos Raggazzi
Fabiano Guerra

Frente D
17 77 Reações de adição
Autores: ÍvinaPaula
Marcos Raggazzi

18 85 Reações de eliminação
Autores: Ívina Paula
Marcos Raggazzi

19 91 Reações de oxidação
Autores: ÍvinaPaula
Marcos Raggazzi

20 99 Reações desubstituição
Autores: ÍvinaPaula
Marcos Raggazzi

2 Coleção Estudo
QUÍMICA MÓDULO FRENTE

Concentração das soluções 09 A


A concentração de uma solução é a medida proporcional
à quantidade de soluto presente na mesma. Essa proporção
UNIDADES DE CONCENTRAÇÃO
de soluto pode ser determinada em relação à quantidade
da solução. As principais formas de se exprimirem as
Concentração em massa/volume*
concentrações de uma solução são: É a relação entre a massa de soluto, em gramas (m1), e
o volume (V) da solução, em litros.
• Concentração em gramas por litro (Cg.L ); –1

massa de soluto (g)


• Concentração em porcentagem em massa (Cm/m); Cg.L =
–1

volume de solução (L)


• Concentração em mol por litro (Cmol.L );
–1

m1
• Concentração em partes por milhão (Cp.p.m.). Cg.L =
–1
V
OBSERVAÇÃO Exem plo:

• As unidades de concentração definidas em função do O rótulo do frasco de Guaraná Antarctica diet apresenta
volume dependem da temperatura. a concentração, em gramas por litro, C g.L = 0,358 g.L–1 do
–1

edulcorante artificial sacarina sódica.

DENSIDADE Significado físico: Em cada 1,0 L do refrigerante, a massa


A densidade de uma solução é a relação entre a massa da de sacarina sódica dissolvida é de 0,358 g.
solução (m) e o volume (V) ocupado pela mesma. A massa
e o volume da solução são obtidos pela soma das massas Concentração em massa/massa**
e dos volumes, respectivamente, do soluto e do solvente. É a relação entre a massa do soluto (m1) e a massa da
solução (m), em gramas.

r =m m1
V
Cm/m =
m
A massa da solução pode ser medida em gramas (g) ou
A massa da solução (m) é obtida pela soma da massa do
quilogramas (kg), e o volume, em mililitros (mL), centímetros
soluto (m1) com a massa do solvente (m2).
cúbicos (cm3), litros (L), entre outras unidades. Sendo assim,
m = m1 + m2
a unidade de medida da densidade de uma solução pode
assumir qualquer unidade de medida de massa e de volume. Essa unidade de concentração é adimensional. Toda
grandeza adimensional, em Química, expressa uma
As mais comuns são g.mL–1, g.cm–3, g.L–1 e kg.L–1.
porcentagem; nesse caso, a porcentagem do soluto na
Exemplo: massa da solução.
O rótulo do frasco de uma solução aquosa de ácido
nítrico, a ser utilizada para a fabricação do explosivo Cm/m% = Cm/m . 100
nitroglicerina, que foi utilizado na implosão do edifício Exemplo:
Palace II, na Barra da Tijuca, em março de 1998, apresenta A água do mar*** possui 3,5% de salinidade, ou seja,
r = 1,20 g.cm–3. Cm/m = 0,035.

Significado físico: A massa de 1,0 cm 3 de solução Significado físico: Em uma amostra de 100 g da água do mar,
corresponde a 1,20 gramas. 3,5 g são de sal (NaCl).

* Antigamente, essa unidade de concentração era denominada concentração comum.

** Antigamente, essa unidade de concentração era denominada concentração título em massa.

*** Deve-se supor, para essa análise, que toda a massa de sal encontrada no mar seja de NaCl e que a água do mar é um sistema
homogêneo.

Editora Bernoulli
3
Frente A Módulo 09

Concentração em partes por RELAÇÕES ENTRE AS UNIDADES


milhão (p.p.m.) DE CONCENTRAÇÃO
Quando uma solução é muito diluída, é mais conveniente
determinar a sua concentração em p.p.m. Algebricamente, pode-se manipular as equações das
unidades de concentração e obter relações diretas e simples
massa do soluto (mg) entre elas.
C p.p.m. =
massa da solução (kg)
Relação entre densidade, C g.L e C m/m –1
A concentração em p.p.m. também pode ser calculada
utilizando-se os dados relativos aos volumes do soluto e Como
m m
da solução. Cm/m = 1 eρ=
m V

volume do soluto (cm 3 ) isolando-se a massa do soluto e o volume da solução, tem-se:


C p.p.m. =
volume da solução (m 3 ) m1 = C m/m . m e V = m
ρ
Exemplo: Substituindo-se esses valores na equação da concentração
em g.L–1, tem-se:
A concentração de CO2 na atmosfera vem aumentando e,
m1 Cm/m . m
atualmente, atinge recordes de 335 p.p.m., ou seja, Cg.L = ⇒ C g.L =
–1
V m –1

0,0335% de todo o ar atmosférico. ρ


Logo,
Significado físico: Em cada 1 m3 de ar atmosférico filtrado,
335 mL são de gás carbônico (CO2). Cg.L = r . Cm/m
–1

OBSERVAÇÃO
Concentração em quantidade de • Essa equação só é válida para densidades expressas
matéria/volume em g.L–1.

É a relação entre a quantidade de matéria do


Quando a densidade é expressa em g.mL–1 ou g.cm–3, a
soluto (n 1), em mols, e o volume da solução (V), em litros:
equação anterior é multiplicada pelo fator 1 000, para se
obter a concentração em g.L–1. Assim,
n1
C m o l.L =
V Cg.L = 1 000 . r . Cm/m
–1

–1

A quantidade de matéria do soluto pode ser calculada


Rel ação entre C mol.L e C g.L –1 –1
pela expressão:
Como
massa do soluto (g) m m1
n1 = = 1
Cmol.L =
massa molar do soluto (g.mol ) –1 M1 –1
M1 . V

Assim, isolando-se a massa do soluto, tem-se:

m1 = C mol.L . M1 . V –1

m1
C mol. L =
–1
Substituindo-se esse valor na equação da concentração
M1 . V
em g.L–1, tem-se:
m1 Cmol.L . M1 . V
–1

Exem plo: Cg.L = ⇒ C g.L =


V
–1 –1
V
Os agricultores utilizam hormônios vegetais sintéticos, Logo,
especialmente auxinas, para conseguir vários resultados Cg.L = Cmol.L . M 1
–1 –1

na produção de pepinos e tomates. Quando a concentração


das auxinas é superior a 0,3 mol.L–1, o pepino e o tomate Essa equação pode ser associada com a relação entre Cg.L , –1

não desenvolvem sementes. densidade e Cm/m. Assim,

Significado físico: Em cada 1 L de solução, estão dissolvidos


Cg.L = 1 000 . r . Cm/m = Cmol.L . M 1
–1 –1
0,3 mol de auxinas.

4 Coleção Estudo
Concentração das soluções

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 04. (UFLA-MG–2009) Preparou-se uma solução de (NH4)3PO4


de concentração 0,10 mol.L–1. Do frasco que continha a
solução, foram retirados 25 mL. É INCORRETO afirmar
01. (UFJF-MG) A cada dia, mais pessoas são vítimas de
que, nesses 25 mL, pode-se encontrar
acidentes de trânsito em função do uso de bebidas
A) 0,0025 mol de PO4 .3–
alcoólicas. Quando uma pessoa ingere bebidas alcoólicas,
o álcool passa rapidamente para a corrente sanguínea e
B) 0,10 mol de (NH )4 PO
3
.4
é levado para todas as partes do corpo. Como resultado,
C) 0,03 mol de H.
a capacidade da pessoa para conduzir veículos é altamente
comprometida, tendo em vista que a intoxicação D) 0,01 mol de O.

afeta a coordenação motora e a rapidez dos reflexos.


05. (UFV-MG) Soluções fisiológicas aquosas de NaCl a
De acordo com a legislação brasileira em vigor, uma pessoa
0,9% (m/V) são usadas na limpeza de lentes de
está incapacitada para dirigir com segurança se tiver uma
contato, nebulização, limpeza de escoriações, etc.
concentração de álcool no sangue superior a 0,8g.L–1.
As concentrações aproximadas dessas soluções,
QUÍMICA NOVA NA ESCOLA, 1997.
expressas em mol/L e mg/L, são, respectivamente,
Pergunta-se: quantos copos de cerveja de 300 mL uma
A) 1,5x10–2 e 9,0x102.
pessoa de porte médio, que tem um volume sanguíneo de
aproximadamente 5 litros, pode tomar para ainda estar B) 1,5x10–2 e 9,0x103.
capacitada a dirigir?
C) 1,5x10–1 e 9,0x104.
Observação: O cálculo efetuado considera que todo o
D) 1,5x10–1 e 9,0x103.
álcool ingerido passa para o sangue. Na realidade,
pode-se ingerir um pouco mais que o calculado e ainda E) 1,5x10–1 e 9,0x102.
estar dentro do limite legal, tendo em vista que vários

QUÍMICA
mecanismos no organismo se encarregam de eliminar a
substância tóxica.
Dado: Teor alcoólico da cerveja = 32 g.L–1.
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
A) 1
1. (ITA-SP) Considere as seguintes soluções:
B) 2
C) 3 I. 10 g de NaCl em 100 g de água.
D) 4 II. 10 g de NaCl em 100 mL de água.
E) Nenhum
III. 20 g de NaCl em 180 g de água.

02. (UFOP-MG–2009) Durante uma festa, um convidado ingeriu IV. 10 mol de NaCl em 90 mol de água.
5 copos de cerveja e 3 doses de uísque. A cerveja contém
5% V/V de etanol e cada copo tem um volume de 0,3 L; Dessas soluções, tem concentração 10% em massa de
cloreto de sódio
o uísque contém 40% V/V de etanol e cada dose
corresponde a 30 mL. O volume total de etanol ingerido A) apenas I.
pelo convidado durante a festa foi de
B) apenas III.
A) 111 mL. C) 15,9 mL.
C) apenas IV.
B) 1,11 L. D) 1,59 L.
D) apenas I e II.

03. (UFJF-MG–2006) O ozônio (O 3) é nosso aliado na E) apenas III e IV.

estratosfera, protegendo contra a incidência de raios


ultravioleta. No entanto, torna-se um inimigo perigoso
02. (UFRGS) O soro fisiológico é uma solução aquosa que
contém 0,9% em massa de NaCl. Para preparar 200 mL
no ar que respiramos, próximo à superfície da Terra.
dessa solução, a quantidade necessária de NaCl é de,
Concentrações iguais ou superiores a 0,12 L de O 3em
aproximadamente,
um milhão de litros de ar podem provocar irritação nos
olhos e problemas pulmonares, como edema e hemorragia. A) 0,45 g.

Esta concentração limite de ozônio corresponde a B) 1,8 g.

A) 0,12 ppm. D) 12 ppm. C) 0,09 mol.

B) 1,2 ppm. E) 120 ppm. D) 0,18 mol.

C) 0,012 ppm. E) 10,6 g.

Editora Bernoulli
5
Frente A Módulo 09

03. (PUC Minas–2007) O rótulo de um produto usado 07. (FMTM-MG) Os açúcares mais complexos normalmente
como detergente apresenta, entre outras, a seguinte são convertidos em glicose (C 6H 12
O ), uma das principais
6
informação:
fontes de energia para o ser humano. A alimentação
Cada 200 mL de detergente contém 10 mL de solução intravenosa hospitalar consiste, usualmente, em uma
amoniacal (NH3(aq)) a 28% V/V. solução de glicose em água com adição de sais
A concentração de amônia (NH3) no detergente, em minerais. No preparo de um medicamento, foram
porcentagem, volume por volume, é de
utilizados 2,5 g de glicose dissolvidos em 90 mL de
A) 1,4%. água. A concentração em quantidade de matéria desse
B) 2,8%. medicamento é

C) 4,6%. Dado: Massa molar da glicose = 180 g.mol–1

D) 10,0%.
A) 9,6x10–5.

4. (UNIFESP–2007) A contaminação de águas e solos B) 5,0x10–4.

por metais pesados tem recebido grande atenção dos C) 2,5x10–3.


ambientalistas, devido à toxicidade desses metais ao
D) 1,54x10–1.
meio aquático, às plantas, aos animais e à vida humana.
E) 3,6x10–1.
Entre os metais pesados há o chumbo, que é um elemento
relativamente abundante na crosta terrestre, tendo uma
08. (VUNESP–2006) Uma pastilha contendo 500 mg de
concentração ao redor de 20 p.p.m. (partes por milhão).
ácido ascórbico (vitamina C) foi dissolvida em um copo
Uma amostra de 100 g da crosta terrestre contém um
contendo 200 mL de água. Dadas as massas molares C
valor médio, em mg de chumbo, igual a
= 12 g.mol–1, H = 1 g.mol–1 e O = 16 g.mol–1 e a
A) 20.
fórmula molecular da vitamina C, C6H8O6, a concentração
B) 10. da solução obtida é
C) 5.
A) 0,0042 mol.L–1.
D) 2.
B) 0,0142 mol.L–1.
E) 1.
C) 2,5 mol.L–1.

5. (FMTM-MG) A ingestão de proteínas pode ser feita pelo D) 0,5 g.L–1.


consumo de alimentos como ovos, carnes e leite. Tais E) 5,0 g.L–1.
alimentos também contêm minerais importantes na
manutençãodo organismo, como o cálcioe o ferro. No rótulo 09. (UFV-MG–2006) A sacarina (estrutura a seguir) em
de determinada caixa de ovos de galinha consta que 50 g soluções aquosas diluídas é cerca de 500 vezes mais
de ovos (sem a casca) contêm 25 mg de cálcio, entre outros
doce que a sacarose (açúcar comum). A concentração
constituintes. O nome da proteína e o teor em p.p.m.
mínima de sacarina em uma solução para que o
(1 p.p.m. = 1 parte por 1 milhão de partes) de íons cálcio
sabor doce seja detectável é de aproximadamente
presentes nesses ovos são, respectivamente, 5,5x10–2 mol.L–1. Considerando-se essas informações,
A) albumina; 200. é C O R R E T O afirmar que a quantidade mínima
B) albumina; 500. necessária de sacarina para preparar 100 mL de

C) caseína; 250. solução, que apresente sabor doce, é

D) caseína; 500.
O
E) insulina; 200.
N H
S
06. (PUC Minas) Uma solução aquosa de cloreto de cálcio,
O
soluto totalmente dissociado, foi preparada pela
dissolução de 33,3 g desse sal, em água suficiente para A) 0,001 g.

500 mL de solução. A concentração de íons cloreto, B) 0,01 g.


em mol de Cl /L de solução, é igual a

C) 0,1 g.
A) 0,3. C) 0,9. D) 1 g.
B) 0,6. D) 1,2. E) 10 g.

6 Coleção Estudo
Concentração das soluções

10. (UFMG) Estas informações foram adaptadas do rótulo de 13. (UFJF-MG–2010) A concentração em mol/L de uma
um repositor hidroeletrolítico para praticantes de solução de ácido sulfúrico de concentração 35% em massa
atividade física: e densidade 1,4 g/mL é, aproximadamente, igual a
Ingredientes: Água, cloreto de sódio, citrato de sódio
A) 2,5.
e outros.
B) 10,0.

Quantidade presente em uma porção C) 5,0.


de 200 mL
D) 7,5.
Sódio 4x10–3 mol E) 20.

Cloreto 2x10 –3
mol
14. (PUC Minas–2009) O ácido sulfúrico é um dos principais
Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar componentes da solução de bateria dos automóveis,
que, na porção indicada do repositor hidroeletrolítico, formando uma solução de concentração igual a 19,6% p/V.
A) a massa de íons sódio é o dobro da massa de íons A concentração, em mol.L–1, para essa solução é
cloreto.
A) 0,1.
B) a concentração de íons sódio é igual a 4x10–3 mol/L.
B) 0,2.
C) a massa de íons cloreto é igual a 71 mg.
C) 1,0.
D) a quantidade de cloreto de sódio é igual a 4x10–3 mol.
D) 2,0.

11. (UFMG) O Ministério da Saúde estabelece os valores


máximos permitidos para as concentrações de diversos 15. (UFJF-MG–2009) Para combater a dengue, as secretarias

íons na água destinada ao consumo humano. de saúde recomendam que as pessoas reguem vasos
de plantas com uma solução de água sanitária. Um litro

QUÍMICA
Os valores para os íons Cu2+ (aq) e F–(aq) estão apresentados
de água sanitária contém 0,35 mol de hipoclorito de
nesta tabela:
sódio (NaClO). A porcentagem em massa de hipoclorito
de sódio na água sanitária, cuja densidade é 1,0 g/mL,
Íon Cu 2+ (aq ) F – (aq )
é, aproximadamente,
Concentração máxima
3,0x10–5 8,0x10–5
permitida (mol/L) A) 35,0.

B) 3,50.
Um volume de 1 000 L de água contém 3,5x10–2 mol de
CuF2(aq). C) 26,1.

Considerando-se a concentração desse sistema, é D) 7,45.


CORRETO afirmar que
E) 2,61.
A) apenas a concentração de Cu2+(aq) ultrapassa o valor
máximo permitido.
16. (UFTM-MG–2006) Os padrões de potabilidade da água,
B) apenas a concentração de F– (aq) ultrapassa o valor de acordo com a portaria n. 36 do Ministério da Saúde,
máximo permitido. indicam que o valor máximo permissível de mercúrio é
C) as concentrações de Cu2+(aq) e F–(aq) estão abaixo dos 0,001 mg/L e o de zinco é 5 mg/L. Em dois litros dessa
valores máximos permitidos.
água potável, a quantidade máxima em mol de mercúrio
D) as concentrações de Cu2+(aq) e F–(aq) ultrapassam os e o teor máximo de zinco em p.p.m. (partes por milhão)
valores máximos permitidos.
serão, respectivamente, iguais a

12. (PUC Minas–2008) Uma solução de hidróxido de Dados:


alumínio (MM = 78 g.mol –1), utilizada no combate à Densidade da água potável = 1 g/mL;
acidez estomacal, apresenta uma concentração igual a 1 p.p.m. corresponde a 1 mg de soluto por 1 kg de solução;
3,90 g.L–1. A concentração, em mol.L–1, dos íons massa molar de mercúrio = 200 g/mol.

hidroxila (OH ), presentes nessa solução, é igual a



A) 1,0x10–6 e 0,5.
A) 5,0x10 . –1
B) 5,0x10–7 e 5.
B) 1,5x10 . –1
C) 5,0x10–7 e 10.
C) 1,5x10 . –2
D) 1,0x10–8 e 0,5.
D) 5,0x10 . –2
E) 1,0x10–8 e 5.

Editora Bernoulli
7
Frente A Módulo 09

17. (UFV-MG–2010) O soro caseiro é preparado pela 20. (PUC RS–2006) O Ministério da Saúde recomenda, para
solubilização de açúcar (C12H22O11) e sal de cozinha prevenir as cáries dentárias, 1,5 ppm (mg.L–1) como
(NaCl), em água filtrada ou fervida. Um litro de soro limite máximo de fluoreto em água potável. Em estações
caseiro foi preparado pela solubilização de 34 g de açúcar de tratamento de água de pequeno porte, o fluoreto
(uma colher de sopa) e 3,5 g de sal de cozinha (uma é adicionado sob forma do sal flúor silicato de sódio
colher de chá). (Na2SiF6; MM = 188 g.mol–1). Se um químico necessita

As concentrações de açúcar, em % m/V e em mol.L–1, fazer o tratamento de 10 000 L de água, a quantidade

são, respectivamente, do sal, em gramas, que ele deverá adicionar para obter
a concentração de fluoreto indicada pela legislação será,
A) 34,0% m/V; 0,1 mol.L–1.
aproximadamente, de
B) 3,4% m/V; 8,5 mol.L–1.
A) 15,0.
C) 3,4% m/V; 0,1 mol.L–1.
B) 24,7.
D) 34,0% m/V; 8,5 mol.L–1.
C) 90,0.

18. (UNIFESP–2006) Em intervenções cirúrgicas, é comum D) 148,4.


aplicar uma tintura de iodo na região do corpo onde E) 1 500,0.
será feita a incisão. A utilização desse produto deve-se
à sua ação antisséptica e bactericida. Para 5 litros de
etanol, densidade 0,8 g.mL–1, a massa de iodo sólido, SEÇÃO ENEM
em gramas, que deverá ser utilizada para obter uma
01. (Enem–2001) Pelas normas vigentes, o litro do álcool
solução que contém 0,50 mol de I 2para cada quilograma
hidratado que abastece os veículos deve ser constituído
de álcool, será de
de 96% de álcool puro e 4% de água (em volume). As
A) 635.
densidades desses componentes são dadas na tabela.
B) 508.
Substância Densidade ( g / L )
C) 381.
Água 1 000
D) 254.
Álcool 800
E) 127.
Um técnico de um órgão de defesa do consumidor
19. (FUVEST-SP) A seguir é apresentada a concentração, inspecionou cinco postos suspeitos de venderem álcool
em mg/kg, de alguns íons na água do mar. hidratado fora das normas. Colheu uma amostra do
produto em cada posto, mediu a densidade de cada
Íon Concentração ( m g / k g ) uma, obtendo:

Mg2+ 1 350
Posto Densidade do combustível ( g / L )
SO4 2–
2 700
I 822
Na+ 10 500
II 820
Cl – 19 000
III 815

Entre esses íons, os que estão em MENOR e MAIO R IV 808


concentração molar são, respectivamente,
V 805
Dados:
Massas atômicas: O = 16 u; Na = 23 u; Mg = 24 u; S
A partir desses dados, o técnico pôde concluir que
= 32 u; Cl = 35,5 u.
estavam com o combustível adequado somente os postos
A) Cl – e Mg2+.
A) I e II.
B) SO42– e Na . +
B) I e III.
C) Mg2+ e Na+. C) II e IV.
D) Mg2+ e Cl –. D) III e V.
E) SO42–
e Cl . –
E) IV e V.

8 Coleção Estudo
Concentração das soluções

02. (Enem–2000) Gráfico II


Tempo de 167
No Brasil, mais de 66 milhões de pessoas beneficiam-se exposição 96

hoje do abastecimento de água fluoretada, medida que (horas)


24
vem reduzindo, em cerca de 50%, a incidência de cáries.
Ocorre, entretanto, que profissionais da saúde muitas
vezes prescrevem flúor oral ou complexos vitamínicos 1,7

com flúor para crianças ou gestantes, levando à ingestão


exagerada da substância. O mesmo ocorre com o
uso abusivo de algumas marcas de água mineral que 1 2 3 45 7 10 20 40 60100

contêm flúor. O excesso de flúor – fluorose – nos dentes Concentração de íons Cu2+ que causa
50% de mortalidade dos camarões (mg/L)
pode ocasionar desde defeitos estéticos até defeitos
estruturais graves.
VOWLES, P.D.; CONNELL, D.W. Experiments in environmental
Foram registrados casos de fluorose tanto em cidades chemistry - a laboratory manual.Oxford:
com água fluoretada pelos poderes públicos como Pergamon Press, 1980 (Adaptação).

em outras, abastecidas por lençóis freáticos que Se os camarões utilizados na experiência fossem
naturalmente contêm flúor. introduzidos num tanque de criação contendo 20 000 L
de água tratada com sulfato de cobre, em quantidade
REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES
suficiente para fornecer 50 g de íons cobre, estariam
DENTISTAS - APCD, vol. 53, n.1, jan. fev. 1999 (Adaptação). vivos, após 24 horas, cerca de

Determinada estação trata cerca de 30 000 litros de A) 1/5. C) 1/2. E) 3/4.

água por segundo. Para evitar riscos de fluorose, a B) 1/4. D) 2/3.

QUÍMICA
concentração máxima de fluoretos nessa água não
deve exceder a cerca de 1,5 miligrama por litro de água. 04. (Enem–2010) Todos os organismos necessitam de água

A quantidade máxima dessa espécie química que pode e grande parte deles vive em rios, lagos e oceanos. Os
ser utilizada com segurança, no volume de água tratada processos biológicos, como respiração e fotossíntese,
em uma hora, nessa estação, é exercem profunda influência na química das águas
naturais em todo o planeta. O oxigênio é ator dominante
A) 1,5 kg.
na química e na bioquímica da hidrosfera. Devido à
B) 4,5 kg. sua baixa solubilidade em água (9,0 mg/L a 20 °C) a

C) 96 kg. disponibilidade de oxigênio nos ecossistemas aquáticos


estabelece o limite entre a vida aeróbica e anaeróbica.
D) 124 kg.
Nesse contexto, um parâmetro chamado Demanda
E) 162 kg. Bioquímica de Oxigênio (DBO) foi definido para medir a
quantidade de matéria orgânica presente em um sistema
03. (Enem–2002) Para testar o uso do algicida sulfato de hídrico. A DBO corresponde à massa de O2 em miligramas
cobre em tanques para criação de camarões, estudou-se, necessária para realizar a oxidação total do carbono
em aquário, a resistência desses organismos a orgânico em um litro de água.
diferentes concentrações de íons cobre (representados
BAIRD, C. Química Ambiental. Ed. Bookman, 2005 (Adaptação).
por Cu2+). Os gráficos relacionam a mortandade de
camarões com a concentração de Cu2+ e com o tempo Dados: Massas molares em g/mol: C = 12; H = 1; O = 16.
de exposição a esses íons.
Suponha que 10 mg de açúcar (fórmula mínima CH2O e
massa molar igual a 30 g/mol) são dissolvidos em um litro
% de Gráfico I
100
de água; em quanto a DBO será aumentada?
camarões
mortos 80
A) 0,4mg de O /litro
2
60
Tempo de B) 1,7mg de O2/litro
40
exposição = 14 h
20 C) 2,7mg de O /litro
2

D) 9,4mg de O2/litro
0,2 0,40,7 1 2 5 10 20 40 60
Concentração de íons Cu 2+ (mg/L) E) 10,7mg de O2/litro

Editora Bernoulli
9
Frente A Módulo 09

05. (Enem–2010) Ao colocar um pouco de açúcar na água e


mexer até a obtenção de uma só fase, prepara-se uma Propostos
solução. O mesmo acontece ao se adicionar um pouquinho
de sal à água e misturar bem. Uma substância capaz de 01. B

dissolver o soluto é denominada solvente; por exemplo,


02. B
a água é um solvente para o açúcar, para o sal e para várias
outras substâncias. A figura a seguir ilustra essa citação. 03. A

4. D

5. B

6. D
Soluto

7. D

8. B

Solvente Solução
09. D

10. C
Disponível em: <www.sobiologia>. com.br. Acesso em: 27 abr.
2010. 11. A

Suponha que uma pessoa, para adoçar seu cafezinho, 12. B


tenha utilizado 3,42 g de sacarose (massa molar igual
a 342 g/mol) para uma xícara de 50 mL do líquido. 13. C

Qual é a concentração final, em mol/L, de sacarose


14. D
nesse cafezinho?

15. E
A) 0,02

B) 0,2 16. E

C) 2
17. C
D) 200
18. B
E) 2000

19. E

20. B
GABARITO
Fixação Seção Enem
01. E
01. E

02. A 02. E

03. A 03. C

04. B 04. E

05. D 05. B

10 Coleção Estudo
QUÍMICA MÓDULO FRENTE

Diluição e mistura de soluções 10 A


DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES Como

n1
Cmol.L = ∴ n 1= C .V
Diluir uma solução consiste em diminuir a sua concentração,
–1
mol.L–1
V
por retirada de soluto ou por adição de solvente puro.
portanto,
Experimentalmente, adicionar solvente puro é o processo
Cmol.L –1 . Vi = C mol.L –1 . Vf
mais utilizado. Assim, a concentração da solução após a diluição i f

(solução final) será sempre menor que a concentração da lembrando que


solução antes da diluição (solução inicial) porque o aumento
Vf = V i + V
da massa de solvente leva ao aumento do volume da solução, adicionado

permanecendo constante a quantidade de soluto.


Com base no raciocínio apresentado, pode-se deduzir
todas as equações para a diluição, utilizando-se qualquer
solução inicial
(mais concentrada) solvente puro tipo de unidade de concentração.

H2SO4(aq) H2O(A) MISTURA DE SOLUÇÕES DE


MESMO SOLUTO E MESMO
mistura
SOLVENTE
H2SO4(aq) A adição pura e simples de uma solução a outra é
denominada mistura de soluções.

solução final Q uando se m istur am dua s s o luç ões , co nte ndo


(mais diluída)
o mesmo soluto e o mesmo solvente, na solução
final, a quanti dade do soluto será igual à soma
Equações de diluição dassas quantidades do soluto das soluções misturadas,
enquanto o volume final resulta da soma dos volumes
Em um processo de diluição por adição de solvente à
dessas soluções.
solução, a quantidade de soluto (massa, quantidade de
matéria, etc.) é sempre constante; logo, solução A solução B

m1 inicial = m1 final H2SO4(aq) H2SO4(aq)

Como mistura

m1
Cg.L =
–1 ∴ m 1 = C g.L . V –1
V
H2SO4(aq)
portanto, solução final

Cg.L –1
i . V i = C g.L –1
f . Vf

Cg.L = valor entre Cg.L e Cg.L


e, ainda,
–1 –1 –1
f A B

Cmol.L –1
f = valor entre Cmol.L –1
A e C mol.L –1
B
n1 inicial = n1 final

Editora Bernoulli
11
Frente A Módulo 10

Equações de uma mistura de soluções Com reação química


Ao se misturarem duas soluções, a concentração da solução solução B
final é dada por uma média ponderada das concentrações 20 mL de H2SO4(aq)
0,1 mol.L–1
das soluções originais.

Significado físico: A concentração da solução final é um


solução A mistura
valor intermediário à concentração das soluções originais.
20 mL de NaOH(aq)
Em uma mistura de soluções, as massas e as quantidades 0,1 mol.L–1
de matéria dos solutos somam-se, logo,

m1 f = m 1 A + m 1 B solução final
m1 [Na2SO4] = 0,025 mol.L–1 (formou)
Cg.L = ∴ m1 = C g.L . V
[H2SO 4] = 0,025 mol.L–1 (excesso)
–1 –1

Cg.L –1
f . Vf = C g.L –1
A . VA + C g.L –1
B . VB

e, ainda,
TITULAÇÃO
n1 f = n1 A + n1 B

n1 A titulação é um procedimento que visa determinar a


Cmol.L = –1 ∴ n=
1
C mol.L–1
.V
V concentração de uma solução, fazendo-a reagir com outra

Cmol.L –1 . Vf = C mol.L –1 . VA + C mol.L –1 . VB solução de concentração conhecida. Dessa forma, a titulação


f A B

é uma aplicação importante de misturas de soluções cujos


OBSERVAÇÃO solutos reagem entre si.

• Para essas equações, os volumes devem estar,


obrigatoriamente, na mesma unidade.
Classificação das titulações
MISTURA DE SOLUÇÕES DE As titulações ácido-base dividem-se em:

SOLUTOS DIFERENTES A. Acidimetria: Determinação da concentração de uma


solução ácida.
Quando se misturam duas soluções com solutos diferentes,
B. Alcalimetria: Determinação da concentração de uma
duas situações podem ocorrer. Esses solutos podem ou não
solução básica.
reagir entre si.
Quando se deseja descobrir a porcentagem de pureza
de uma substância em uma mistura, também se realizam
Sem reação química titulações.

solução B
20 mL de BaCA2(aq) Realizaçãode uma titulação
0,05 mol.L–1
A solução ácida ou básica, cuja concentração deve ser

solução A definida, é denominada solução-problema ou titulada. Ela


mistura
20 mL de NaCA(aq) é colocada em um erlenmeyer, no qual é adicionada uma
0,1 mol.L–1 solução final
substância indicadora*, fenolftaleína, por exemplo.
[Na+] = 0,05 mol.L–1
[Ba2+] = 0,025 mol.L–1 Em uma bureta, é colocada a solução de concentração
[CA–] = 0,1 mol.L–1 conhecida, solução-padrão ou titulante.

* Substância indicadora: Substância química que possui cores específicas em função da constituição do meio. Os indicadores
ácido-base possuem coloração diferente para os meios ácido, básico e, algumas vezes, neutro.

12 Coleção Estudo
Diluição e mistura de soluções

Quando o número de íons H+ e OH–, por fórmula, são


diferentes, tem-se, genericamente,

bureta com
x . C mol.L –1 . Vácido = y . Cmol.L –1 . Vbase
solução titulante ácido base

em que

torneira • x = número de hidrogênios ionizáveis por fórmula.


• y = número de hidroxilas dissociáveis por fórmula.

Análise microscópica da titulação


O esquema a seguir mostra a titulação alcalimétrica,
em que a solução de ácido clorídrico é a solução-padrão,
enquanto que a solução de hidróxido de sódio é a
Deixa-se escorrer, cuidadosamente, a solução-padrão,
solução-problema. O ponto de viragem da fenolftaleína está
observando-se o término da titulação pela mudança de
na faixa de pH entre 8,3 e 10,0, e é verificado, nesse caso,
coloração da solução-problema.
quando a solução-problema torna-se incolor.
O ponto em que há essa mudança de coloração é
denominado ponto de viragem. Quando se utiliza
fenolftaleína como indicador, e a solução-problema é básica,

QUÍMICA
esse ponto é, exatamente, o ponto em que a neutralização
foi completada (o meio encontra-se neutro). Entretanto,
se a solução-problema for ácida, para se verificar a viragem, H+ CA–
é necessário acrescentar uma gota adicional de base, pois
a fenolftaleína é incolor em meio ácido e neutro. Na prática,
esse excesso é desprezado, pois o volume de uma gota é
0,05 mL.
Na+ OH–

Princípio da equivalência fenolftaleína + NaOH(aq)


(vermelho)
Toda titulação segue o princípio da equivalência: a
neutralização só se completa quando o número de no início só há
hidrogênios ionizáveis é igual ao número de hidroxilas OH– da base

dissociáveis.

quantidade em mol de H+ = quantidade em mol de OH–

H+ CA– H+ CA–
Como

Cmol.L = n ∴ n = C mol.L . V
–1 –1

V
Na+ OH–
Na+ CA– Na+ CA–
Quando o número de íons H + (ionizáveis) e OH – H2 O H2 O
(dissociáveis), por fórmula, são iguais, tem-se:
fenolftaleína + NaOH (aq) (incolor)
nácido = nbase (vermelho)
no ponto de viragem do
os íons OH– vão sendo indicador, todos os íons OH–
neutralizados por íons H+ foram neutralizados por íons H+
Cmol.L . V ácido = C mol.L . Vbase
ácido base
H+(aq) + OH–(aq) → H 2O(A)
–1 –1
H+(aq)+ OH– (aq) → H 2O(A)

Editora Bernoulli
13
Frente A Módulo 10

Considerando-se essas informações, para que essa água


Exercícios resolvidos
pudesse servir ao consumo doméstico, ela deveria ser
01. Foram gastos 40 mL de solução 0,1 mol.L–1 de NaOH para
diluída, aproximadamente,
neutralizar 20 mL de solução de ácido clorídrico. Calcular a
concentração da solução de HCl,em mol.L–1. A) 32 000 vezes.
B) 3 200 vezes.
Resolução:
C) 320 vezes.
HCl(aq) + NaOH (aq) → NaCl(aq) + H2O(l)
D) 32 vezes.
1 mol de ácido reage com 1 mol de base

nácido = nbase
02. A 100 mL de uma solução 2 mol.L–1 de HCl são misturados
Cmol.L –1
ácido
. Vácido = C mol.L –1
base
. V base
300 mL de outra solução, também, 2 mol.L–1 desse ácido.
Cmol.L –1
ácido
. 20 = 0,1 . 40
Metade da solução obtida é diluída ao dobro pela adição
Cmol.L –1
ácido = 0,2 mol.L–1
de água. A concentração em quantidade de matéria da
solução resultante será de
02. Um supermercado estava vendendo soda cáustica
– NaOH impuro – fora dos padrões estabelecidos no rótulo A) 0,5 mol.L–1.
do produto. Em um teste no Inmetro, foram gastos 10 mL B) 1 mol.L–1.
de solução 0,2 mol.L–1 de H2SO4, para neutralizar 20 mL C) 1,5 mol.L–1.
de solução aquosa da base. Determinar a massa de NaOH
D) 2 mol.L–1.
contida nessa amostra.
E) 4 mol.L–1.
Dado: M(NaOH) = 40 g.mol–1.

Resolução:
03. (OBQ) Quando se mistura 200 mL de uma solução
H2SO4(aq) + 2NaOH(aq) → Na2SO4(aq) + 2H2O(l) a 5,85% ( m/V) de cloreto de sódio com 200 mL

1 mol de ácido reage com


2 mol de base de uma solução de cloreto de cálcio que contém
22,2 g do soluto e se adiciona 200 mL de água,
2 . n ácido = n base
obtém-se uma nova solução cuja concentração de
2 . Cmol.L –1
ácido . V ácido = C mol.L –1
base . V base
íons cloreto é de
2 . 0,2 . 10 = Cmol.L –1
base . 20
A) 0,1 mol.L–1.
Cmol.L –1
ácido
= 0,2 mol.L–1
B) 0,2 mol.L–1.
Como
C) 1,0 mol.L–1.
mbase
Cmol.L = M
–1
base
base
. Vbase D) 2,0 mol.L –1
.

mbase = 0,2 mol.L–1 . 0,02 L . 40 g.mol–1 E) 3,0 mol.L–1.

mbase = 0,16 g de NaOH


04. (UFJF-MG–2008) O controle de qualidade para amostras
de vinagre, que contém ácido acético (H3CCOOH), é feito

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO a partir da reação deste com hidróxido de sódio. Sabendo-se


que, de modo geral, os vinagres comercializados possuem
3 g de ácido acético a cada 100,0 mL de vinagre, qual
01. (UFMG) Uma mineradora de ouro, na Romênia, lançou
seria o volume, em litros, de NaOH 0,5 mol/L gasto para
100 000 m3 de águae lamacontaminadascom cianeto,CN– ,(aq)
neutralizar 100,0 mL desse vinagre?
nas águas de um afluente do segundo maior rio da Hungria.

A concentração de cianeto na água atingiu, então, o A) 1,0

valor de 0,0012 mol.L . Essa concentração é muito –1 B) 0,5

mais alta que a concentração máxima de cianeto que C) 0,1


ainda permite o consumo doméstico da água, igual a D) 0,2
0,01 mg.L . –1
E) 0,25

14 Coleção Estudo
Diluição e mistura de soluções

05. (FUVEST-SP) Na titulação de 100 mL de HCl 0,01 mol.L–1 03. (UFJF-MG–2007) Ácido muriático é o nome comercial
com NaOH 0,1 mol.L–1, usando-se como indicador 10 gotas do ácido clorídrico. Ele pode ser utilizado para limpeza
de uma solução de fenolftaleína, é obtido o seguinte gráfico: de calçamentos em geral. A pessoa encarregada da
limpeza recebeu 1,0 L de uma solução desse ácido,
na concentração de 2,0 mol.L–1, e a orientação para
de coloração

diluí-la na proporção 1:100. Qual será a concentração


Intensidade

da solução preparada para limpeza em g.L–1?

A) 0,02
B) 2,0
5 10
Volume em mL de NaOH, C) 3,65
a 0,1 mol.L–1, adicionado D) 0,365
E) 0,73
IND IQ UE o gráfico correspondente que se espera obter
quando se utiliza NaOH 0,2 mol.L–1 como titulante. 04. (UERJ–2006) Uma suspensão de células animais
em um meio isotônico adequado apresenta volume
igual a 1 L e concentração total de íons sódio igual a
EXERCÍCIOS PROPOSTOS 3,68 g.L–1. A esse sistema foram acrescentados 3 L de

01. (UFRGS–2006) O volume, em mililitros, de uma solução água destilada.

0,5 mol.L de AgNO3 necessário para preparar 200 mililitros


–1 Após o processo de diluição, a concentração total de íons

QUÍMICA
de uma solução 0,1 mol.L–1 desse sal é igual a sódio em milimol.L–1 é de

A) 10. A) 13. B) 16. C) 23. D) 40.

B) 20.
05. (UFU-MG) A mistura de 100,0 mL de solução aquosa
C) 25.
0,10 mol.L–1 de CaCl 2com 100,0 mL de água resulta em
D) 40. uma solução aquosa com

E) 50. A) 0,20 mol.L–1 de íons Cl –.


B) 0,02 mol de íons Cl –.

02. (UERJ–2007) Um medicamento, para ser administrado a C) 0,05 mol de CaCl 2.

um paciente, deve ser preparado como uma solução D) 0,05 mol de íons Ca2+.

aquosa de concentração igual a 5%, em massa, de soluto.


Dispondo-se do mesmo medicamento em uma solução 06. (UFLA-MG–2006) As soluções de hipoclorito de sódio
duas vezes mais concentrada, esta deve ser diluída com (NaClO) têm sido utilizadas por sua ampla ação
água até atingir o percentual desejado. desinfetante.

As massas de água na solução mais concentrada e


A) Quantos gramas de hipoclorito de sódio são
naquel a ob tida após a dilu ição ap rese ntam a
necessários para se preparar 10 L de solução desse
seguinte razão: sal a 0,05 mol.L–1?

B) A que volume (Vfinal) deve-se diluir 500 mL de


5
A)
7 solução de NaClO a 0,05 mol.L–1 para se obter solução
5x10–3 mol.L–1 desse sal?
5
B)
9 C) Qual a concentração em g.L–1 da solução de NaClO
0,1 mol.L–1?
9
C)
19
Dados: Na = 23 u;

7 Cl = 35,5 u;
D)
15 O = 16 u.

Editora Bernoulli
15
Frente A Módulo 10

7. (PUCPR–2006) Tem-se 60 mL de solução 2 mol.L–1 de CaCl2. 11. 100 mL de Al2(SO4)3(aq) de concentração 1 mol.L–1 são
Acrescentam-se 540 mL de água a essa solução. Qual a adicionados a 900 mL de BaCl2(aq) de concentração 1 /
nova concentração em mol.L–1 de íons cloreto? 3 mol. L– 1 . Sab end o q ue a m a ssa m olar do

A) 0,6 mol.L –1 BaSO4 = 233 g.mol –1, CALCULE

B) 0,2 mol.L–1 A) a massa do precipitado (BaSO4) formado.


C) 0,4 mol.L –1
B) a concentração em mol.L–1 do cloretoformadona solução.
D) 0,5 mol.L–1 C) a concentração em mol.L–1 do reagente em excesso,
E) 1 mol.L–1 se houver.

08. (Unimontes-MG–2010) Um frasco de 5 mL de uma solução


12. (UEL-PR) O técnico de um laboratório de química preparou
injetável de antibiótico contém 5% (m/V) do fármaco. Para
1 L de solução de Ba(OH) (solução
2
A). Em seguida, o
se preparar uma injeção com concentração de 5 mg de
técnico transferiu 25 mL da solução A para um erlenmeyer
antibiótico por mililitro, deve-se acrescentar aos 5 mL de
e titulou-a com solução de HCl de concentração
solução injetável um volume de diluente equivalente a
0,1 mol.L–1, verificando que foram consumidos 100 mL
A) 10,00 mL.
dessa solução.
B) 45,00 mL.
C) 49,95 mL. O restante da solução foi deixado ao ar durante vários

D) 50,00 mL. dias, formando um precipitado branco. Esse precipitado


foi separado por filtração, obtendo-se uma solução
09. (UERJ–2006) Para estudar os processos de diluição e límpida (solução B).
mistura, foram utilizados, inicialmente, três frascos
contendo diferentes líquidos. A caracterização desses O técnico transferiu 25 mL da solução B para um
líquidos é apresentada na ilustração a seguir. erlenmeyer e titulou-a com solução de HCl de concentração
0,1 mol.L–1 gastando 75 mL dessa solução.

HCA(aq)
Admitindo-se que, durante a exposição do restante da
HI(aq)
H2O(A) solução A ao ar, não tenha ocorrido evaporação da água,
100 mL 250 mL
0,2 mol.L–1 150 mL
considere as afirmativas a seguir:
0,4 mol.L–1

A seguir, todo o conteúdo de cada um dos frascos foi I. A concentração da solução A é 0,20 mol.L–1.
transferido para um único recipiente.
II. A concentração da solução A é 0,40 mol.L–1.
Considerando a aditividade de volumes e a ionização total
dos ácidos, a mistura final apresentou uma concentração III. A concentração da solução B é 0,15 mol.L–1.

de íons H+, em mol.L–1, igual a


IV. A concentração da solução B é 0,30 mol.L–1.

A) 0,60. B) 0,36. C) 0,24. D) 0,12.


V. O precipitado formado é BaCO3.

10. (FCMMG–2011) Considere o experimento em que são


Dados: Massas molares (g/mol):
misturados em um único frasco
H =1
• 100 mL de solução aquosa de NaCl, de concentração
0,200 mol/L; C = 12
• 100 mL de solução aquosa de CaCl2 , de concentração
O = 16
0,050 mol/L;
Ba = 137
• 100 mL de água.

Tendo em vista o exposto, pode-se concluir que a Estão CORRETAS apenas as afirmativas
concentração de íons cloreto na solução resultante,
A) I e III.
em mol/L, é igual a
B) I e IV.
A) 0,150.
B) 0,100. C) II e IV.

C) 0,0833. D) I, III e V.
D) 0,0300. E) II, IV e V.

16 Coleção Estudo
Diluição e mistura de soluções

13. (PUC Rio–2006) Um técnico de laboratório recebeu


SEÇÃO ENEM
um frasco com 300 cm 3 de ácido clorídrico de
molaridade desconhecida, a fim de determiná-la. 1. (Enem–2009) O álcool hidratado utilizado como combustível
Para isso, retirou uma alíquota de 10 mL do frasco veicular é obtido por meio da destilação fracionada de
original e transferiu para um balão volumétrico de soluções aquosas geradas a partir da fermentação de
50 mL, o qual foi completado com água destilada. biomassa. Durante a destilação, o teor de etanol da
Após homogeneização, ele retirou 10 mL dessa mistura é aumentado, até o limite de 96% em massa.
solução e transferiu para um frasco erlenmeyer. Essa Considere que, em uma usina de produção de etanol,
solução foi, em seguida, titulada com uma solução 800 kg de uma mistura etanol / água com concentração
aquosa padrão de hidróxido de sódio de molaridade 20% em massa de etanol foram destilados, sendo obtidos
exata igual a 0,500 mol.L–1. Sabendo-se que, nessa 100 kg de álcool hidratado, 96% em massa de etanol.
titulação, foram consumidos 12 mL da solução-padrão A partir desses dados, é correto concluir que a destilação
de hidróxido de sódio, em questão gerou um resíduo com uma concentração de
etanol em massa
A) E S C R E V A a reaç ão q uímica que oc orre n o
processo de titulação do ácido clorídrico pelo A) de 0%.
hidróxido de sódio. B) de 8,0%.

B) CALCULE a quantidade de hidróxido de sódio (em C) entre 8,4% e 8,6%.


mol) contida nos 12 mL de solução usada para a D) entre 9,0% e 9,2%.
titulação do ácido. E) entre 13% e 14%.

QUÍMICA
C) CALCULE a molaridade da solução de ácido clorídrico
do frasco original. 02. Os alvejantes são produtos muito utilizados para o
branqueamento de tecidos e limpeza de pisos,
paredes e sanitários. São popularmente conhecidos
14. (UFMG–2007) Para se determinar a quantidade de íons
como água sanitária. O quadro a seguir apresenta
carbonato, CO32–, e de íons bicarbonato, HCO3–, em uma
algumas informações retiradas do rótulo de um
amostra de água, adiciona-se a esta uma solução de certo
desses produtos.
ácido.

As duas reações que, então, ocorrem estão representadas


INSTRUÇÕES DE USO
nestas equações:
LAVAGEM DE ROUPAS: Para alvejar, adicione 1 copo (200 mL)
I. CO32–(aq) + H+(aq) → HCO3– aq) de alvejante para cada 20 litros de água, deixando de molho
(

por 1 hora. Para a remoção de manchas difíceis, adicione 1 copo


II. HCO3–(aq) + H+ → H CO
(aq) 2 3(aq) (200 mL) de alvejante para cada 5 litros de água e deixe de

Para se converterem os íons carbonato e bicarbonato molho por 15 minutos.

dessa amostra em ácido carbônico, H 2 CO 3 , foram


COMPOSIÇÃO: Hipoclorito de sódio, hidróxido de sódio, cloreto
consumidos 20 mL da solução ácida. Pelo uso de
de sódio, água e perfume.
indicadores apropriados, é possível constatar-se que, na
reação I, foram consumidos 5 mL dessa solução ácida e, TEOR DE CLORO ATIVO: Entre 2,0% e 2,5%
na reação II, os 15 mL restantes.

Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar Uma dona de casa preparou, seguindo as instruções do
que, na amostra de água analisada, a proporção inicial rótulo, uma solução para a remoção de manchas difíceis.
entre a concentração de íons carbonato e a de íons Nesse preparo, a solução original foi diluída
bicarbonato era de
A) 5 vezes.
A) 1:1. B) 20 vezes.
B) 1:2. C) 25 vezes.
C) 1:3. D) 26 vezes.
D) 1:4. E) 101 vezes.

Editora Bernoulli
17
Frente A Módulo 10

03. Existem diversos t ipos de vinagres produzidos


dependendo do tipo de material usado na fermentação GABARITO
alcoólica (sucos de frutas, xaropes contendo amiláceos
hidrolisados). De acordo com o FDA (Food and Drug Fixação
Administration), a definição e padronização de um dos
1. B
tipos de vinagres são: vinagre, vinagre de cidra e vinagre
2. B
de maçã – produto obtido pelas fermentações alcoólica
3. C
e subsequentemente acética do suco de maçãs. O vinagre
padronizado contém, em 100 centímetros cúbicos a 20 ºC, 4. C

3 g de ácido acético. 5. O ponto de equivalência seria atingido em 5 mL de


NaOH 0,2 mol.L–1.
Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/vinagre>.
Acesso em: 14 out. 2010.

Com o objetivo de determinar se um certo vinagre


corresponde ao padronizado, um técnico recolheu uma
amostra de 50 mL desse vinagre que, em seguida, foi
titulada com 25 mL de uma solução 0,1 mol.L–1 de
NaOH.

Dado de massa molecular: CH3COOH (60 u).


Dessa forma, pode-se dizer que o vinagre analisado,
se comparado ao vinagre padronizado, apresenta um teor
de ácido acético Propostos
A) 10 vezes menor. 01. D

B) 20 vezes menor. 02. C

C) 40 vezes menor. 03. E

D) 50 vezes menor. 04. D

E) 100 vezes menor. 05. B

06. A) M(NaClO(s)) = 37,25 g


04. Algumas formas de hepatite, como A e E, podem ser
B) Vfinal = 5 L
contraídas por meio da ingestão de água e alimentos
contaminados. Para se evitar a contaminação, C) C(NaClO) = 7,45 g.L–1

os alimentos devem ser bem cozidos e servidos logo 07. C


após a preparação. Em se tratando de frutas e verduras, 08. B
deve-se deixá-las de molho, por cerca de 30 minutos,
09. C
em água clorada — uma mistura de 2 mL (40 gotas)
10. B
de hipoclorito de sódio (NaClO) a 2,5% m/V para cada
11. A) m(BaSO4(s)) = 69,9 g
litro de água — para somente depois lavá-las com
água tratada. B) C(AlCl3 ) = 0,2 mol.L–1

Disponível em: <http://www.saude.terra.com.br/guia/ C) Não houve excesso.

abcdasaude/hepatite>.Acesso em:01 set. 2004 (Adaptação). 12. D

A partir dessas informações, a massa de hipoclorito de sódio, 13. A) HCl(aq) + NaOH(aq) → NaCl(aq) + H2O(l)

em gramas, presente em 500 mL da água clorada, B) n(NaOH) = 0,006 mol


utilizada na lavagem de frutas e verduras, é de C) Cmol.L–1 = 3,00 mol.L–1 de HCl (no frasco original)

A) 0,025. 14. B

B) 0,05.
C) 0,25.
Seção Enem
D) 0,5. 01. D 02. D 03. A 04. A
E) 2,5.

18 Coleção Estudo