Você está na página 1de 18

Mecânica dos

Materiais
BEER, JOHNSTON, DEWOLF, MAZUREK.
RESUMO DO LIVRO
1 - Introdução – O conceito de tensão
1.1 – Métodos básicos da estática: p/ det. de forças nos elem. conectados por pinos que formam uma estrutura simples.

1.2 – Conceito de tensão em um elem. Estrutural e como essa pode ser determinada a partir da força nesse elem. A seguir, tensões

normais em uma barra sob carga axial, tensões de cisalhamento originadas pela aplicação de forças transversais equivalentes e opostas e

as tensões de esmagamento criadas por parafusos e pinos em barras por eles conectadas. Termina com o método que deverá ser usado

p/ solução de det. problema e discussão da precisão numérica apropriada.

1.3 – Barra sob carga axial onde as tensões em um plano oblíquo incluem as componente de tensões normal e de cisalhamento.

1.4 – Necessidade de 6 componentes p/ descrever o estado de tensão em um ponto de um corpo, sob as condições mais generalizadas

de carga.

1.5 – Det. do limite de resistência de um material através de ensaios de corpos de prova e a seleção de coef. de segurança aplicados ao

cálculo de carga admissível de um componente estrutural feito com esse material.


1 - Introdução – O conceito de tensão
1.1 – MÉTODOS DA ESTÁTICA:
Ex.01
• Desenhar diagrama de corpo livre da estrutura, separando-a de seus suportes, mostrando as
reações que esses suportes exercem na estrutura.
• Escrever as eq. de equilíbrio e desmembrar a estrutura p/ encontrar todas as reações ou
resolver o problema considerando barras simples.
*Barras Simples: elem. submetidos apenas a forças em dois pontos
Conhecendo as forças nas extremidades de cada elemento, pode-se determinar suas forças
internas, pelas direções das forças verifica-se se a barra está sob tração ou compressão.
1 - Introdução – O conceito de tensão
1.2 – TENSÕES NOS ELEM. DE UMA ESTRUTURA
1.2.1 – Tensão axial
*Tensão: Força por unidade de área, ou intensidade das forças distribuídas sobre uma det. seção.

Como o corte que traçamos através da barra para det. sua força interna e a tensão correspondente é perpendicular ao eixo da barra , a tensão correspondente é descrita como tensão normal.

Assim a eq. nos dá a tensão normal em um elem. sob carga axial. Esta representa um valor médio da tensão sobre a seção transversal.
Para definirmos a tensão em um ponto específico da seção transversal:

O valor obtido para tensão em det. Ponto da seção é diferente do valor da tensão média, o valor varia através da seção. Em uma barra esbelta submetida a cargas concentradas P e P’ iguais e

de sentidos opostos essa variação é pequena em uma seção distante dos pontos de aplicação das cargas concentradas, mas é bastante significativa nas vizinhanças desses pontos.

As cond. De equilíbrio de cada uma das partes da barra mostrada exigem que a intensidade da resultante das forças seja igual a intensidade P das cargas concentradas. Portanto:

O que significa que a resultante sob cada uma das superfícies de tensão na fig seja igual a intensidade P das cargas. Essa é a única informação que a estática nos fornece em relação a
distribuição das tensões normais nas várias seções da barra.
1 - Introdução – O conceito de tensão
1.2.2 – Tensão de cisalhamento
1.2.3 – Tensão de esmagamento em conexões
1.2.4 – Aplicação a análise e projeto de estruturas simples
1.2.5 – Métodos de solução do problema
PROBLEMAS RESOLVIDOS 1.1 e 1.2
PROBLEMAS 1.1 a 1.28
1 - Introdução – O conceito de tensão
1.3 – TENSÃO EM UM PLANO OBLÍQUO SOB CARREGMENTO AXIAL
1.4 – TENSÃO SOB CONDIÇÕES GERAIS DE CARREGAMENTO, COMPONENTES DE TENSÃO
1.5 – CONSIDERAÇÕES DE PROJETO
1.5.1 – Det. do limite de resistência de um material
1.5.2 – Carga admissível e tensão admissível; coeficiente de segurança
1.5.3 Seleção de um coef. de segurança apropriado
1.5.4 – Coef. de projeto para carga e resistência
PROBLEMAS RESOLVIDOS 1.3 e 1.4/ PROBLEMAS 1.29 a 1.58/PROBLEMAS DE REVISÃO 1.59 a
1.70 / PROBLEMAS P/ COMPUTADOR 1.C1 a 1.C6
2 – Tensão e deformação –
Carregamento axial
2.1 – APRESENTAÇÃO DA TENSÃO E DA DEFORMAÇÃO
2.1.1 – Deformação específica normal sob carregamento axial
2.1.2 – Diagrama tensão-deformação
2.1.3 – Tensões e deformações específicas verdadeiras
2.1.4 – Lei de Hooke; módulo de elasticidade
2.1.5 – Comportamento elástico e comportamento plástico de um material
2.1.6 – Carregamentos repetidos e fadiga
2.1.7 – Deformações de elementos sob carregamento axial
PROBLEMAS RESOLVIDOS 2.1 e 2.2/ PROBLEMAS 2.1 a 2.32
2 – Tensão e deformação –
Carregamento axial
2.2 – PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS
2.3 – PROBLEMAS QUE ENVOLVEM MUDANÇA DE TEMPERATURA
PROBEMAS RESOLVIDOS 2.3 e 2.4
PROBLEMAS 2.33 a 2.60
2.4 – COEFICIENTE DE POISSON
2.5 – CARREGAMENTO MULTIAXIAL: LEI DE HOOKE GENERALIZADA
2.6 – DILATAÇÃO E MÓDULO DE COMPRESSIBILIDADDE VOLUMÉTRICA
2.7- DEFORMAÇÃO DE CISALHAMENTO
2.8 – OUTRAS DISCUSSÕES SOBRE DEFORMAÇÃO SOB CARREGAMENTO AXIAL; RELAÇÃO ENTRE E, u, G.
2 – Tensão e deformação –
Carregamento axial
2.9 – RELAÇÕES DE TENSÃO-DEFORMAÇÃO P/ MAT.COMPÓSITOS REFORÇADOS C/ FIBRAS
2.10 – DISTRIBUIÇÃO DE TENSÃO E DEFORMAÇÃO ESPECÍFICA SOB CARREGAMENTO AXIAL:
PRINCÍPIO DE SAINT-VERNANT
2.11 – CONCENTRAÇÕES DE TENSÃO
2.12 – DEFORMAÇÕES PLÁSTICAS
2.13 – TENSÕES RESIDUAIS
PROBLEMAS RESOLVIDOS 2.6/ PROBLEMAS 2.93 a 2.123/ PROBLEMAS DE REVISÃO 2.124 a
2.135/´PROBLEMAS COMPUTACIONAIS 2.C1 a 2.C6
3 – Torção
4 – Flexão Pura
5 – Análise e projeto de vigas em
flexão
6 – Tensões de cisalhamento em
vigas e elementos de parede fina
7 – Transformações de tensão e
deformação
8 - Tensões principais sob um dado
carregamento
9 – Deflexões em vigas
10 – Colunas
11 – Métodos de energia