P. 1
O Que são Os Votos

O Que são Os Votos

5.0

|Views: 1.195|Likes:

More info:

Published by: SERVOS DE CRISTO SACERDOTE on Feb 11, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

09/08/2010

O que são os votos?

Responde o Santo Padre Bento XVI

2007-09-17 Bento XVI analisa os chamados “conselhos evangélicos”: pobreza, castidade e obediência. Um pouco por todo o mundo e ao longo dos séculos, a Vida Consagrada tem mantido uma marca de identidade inconfundível: a profissão dos votos de castidade, pobreza e obediência. Na sua viagem à Áustria, Bento XVI explicou esta realidade, frisando que “foi olhando para Cristo, grande Mestre de vida, que a Igreja descobriu três características que ressaltam na atitude de fundo de Jesus", os chamados “conselhos evangélicos”. “O centro da missão de Jesus Cristo e de todos os cristãos é o anúncio do Reino de Deus” – recordou Bento XVI, neste Sábado à tarde, dirigindo-se, nas Vésperas celebradas em Mariazell, com padres, religiosos e religiosas, diáconos e seminaristas austríacos. O Papa recordou que esta missão requer de todos os baptizados “o testemunho de um sentido que se radica no amor criativo de Deus e se opõe a toda a insensatez e a todo o desespero”. Exigência que diz respeito por maioria de razão aos padres e aos consagrados: “Vós estais da parte de todos os que querem dar à vida uma forma positiva. Rezando e pedindo, sois os advogados daqueles que procuram a Deus. Vós dais testemunho duma esperança que, contra toda a forma de desespero mudo ou manifesto, remete para a fidelidade e para a atenção amorosa de Deus. Estais assim da parte de todos os que têm o dorso vergado sob o peso de duros destinos e não se conseguem libertar dos seus fardos. Dais testemunho daquele Amor que se doou pelos homens e assim venceu a morte. Estais da parte daqueles que nunca experimentaram o amor, que já não conseguem acreditar na vida. “Seguir a Cristo -sublinhou o Papa - significa crescer na partilha dos seus sentimentos e na assimilação do estilo de vida de Jesus… Foi olhando para Cristo, grande Mestre de vida, que a Igreja descobriu três características que ressaltam na atitude de fundo de Jesus. Estas três características tornaram-se as componentes determinantes de uma vida empenhada no seguimento radical de Cristo: pobreza, castidade e obediência.” Começando pela pobreza, Bento XVI comentou brevemente o sentido de cada um dos chamados “conselhos evangélicos”. A pobreza “evangélica” é conformidade com a pobreza do próprio Jesus:

“Jesus Cristo, que era rico de toda a riqueza de Deus, fez-se pobre por nós. Despojou-se a sim mesmo e humilhou-se fazendo-se obedientes até à morte de cruz. Ele, o Pobre, chama bem-aventurados os pobres. (…) O cristão vê neles Cristo que o espera, aguardando o seu empenho. Quem quer seguir a Cristo de modo radical deve renunciar decididamente aos bens materiais. Mas deve viver esta pobreza a partir de Cristo, como um tornar-se interiormente livre para Deus e para o próximo”, indicou. Para bem compreender o que significa castidade – observou o Papa – temos que partir do seu conteúdo positivo, também aqui olhando para Jesus: “Jesus viveu (a castidade) numa dupla orientação: para com o Pai e para com o próximo. Na Sagrada Escritura ficamos a conhecê-lo como pessoa que reza, que passa noites inteiras em diálogo com o Pai. Rezando, Ele inseria a sua humanidade e a de todos nós na relação filial com o Pai”. “Este diálogo tornava-se sempre depois missão em relação ao mundo, a nós. A sua missão conduzia Jesus a uma dedicação pura e indivisa aos homens”, disse. “Jesus amou os homens como amou o seu Pai. O entrar nestes sentimentos de Jesus inspirou a Paulo uma teologia e uma prática de vida que corresponde à palavra de Jesus sobre o celibato pelo Reino dos céus” – explicou Bento XVI. O Papa deixou claro que “os padres, religiosos e religiosas não vivem sem elos interpessoais”. “Com o voto de castidade no celibato, não se consagram ao individualismo ou a uma vida isolada, mas prometem solenemente pôr totalmente e sem reservas ao serviço do Reino de Deus as intensas relações de que são capazes e que recebem como um dom. Deste modo se tornam homens e mulheres de esperança: contando totalmente com Deus, criam espaço na sua presença – na presença do Reino de Deus – no mundo”, referiu. “Também hoje em dia o mundo tem necessidade do nosso testemunho” – assegurou o Papa, que se referiu finalmente à obediência. “Desde os anos escondidos em Nazaré até ao momento da morte na cruz, Jesus viveu toda a sua vida na escuta de Deus, na obediência ao Pai. Vemos por exemplo, na noite, no Monte das Oliveiras: ‘Não se faça a minha, mas a tua vontade’.” “Escutar Deus e obedecer-lhe nada tem a ver com constrição a partir de fora e perda de si mesmo. Só entrando na vontade de Deus atingimos a nossa verdadeira identidade. Testemunhar esta experiência é hoje necessário para o mundo, precisamente em relação com o seu desejo de ‘auto-realização’ e de ‘autodeterminação’”, concluiu.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->