Você está na página 1de 1

Faculdade de Formao de Professores Disciplina: Literatura Comparada Professora Maria Isaura Rodrigues Pinto Aluno: Ricardo Fernandes Marques

Livro: O cego e a danarina: breves ponderaes sobre o conto de mesmo nome: O cego e a danarina.

Analisando o conto O cego e a danarina de Joo Gilberto Noll, podemos destacar alguns pontos por ns percebidos, sendo eles, a questo da fotografia. Chamamos de fotografia, o fato de a narrativa poder ser entendida como cenas cinematogrficas. H recortes na narrativa. Assim como em fotos, tempos e momentos entram em suspenso. No h a relao imediata entre uma e outra cena, e assim, podemos ter a ideia de ncleos. Ncleos esses que so independentes e no denotam a ideia de causalidade e de sequencias lgicas, contudo, perfazendo uma nica histria. Assim como em um filme, as partes, ncleos em conjunto pertencem a algo maior. A narrao. A narrao promove a percepo visual. O leitor assiste o conto como se estivesse assistindo um filme ou um comercial. A narrao tambm faz uso da metalinguagem, pois a todo tempo, h menes a atores, nomes de peas e at mesmo cenas de filme. O narrador se mostra algum que participa da trama, que reflete sobre as cenas diante de si, pois medida que a histria se desenrola ele se apresenta participante, inclusive no desfecho, quando ele mesmo, narrador-personagem, no continua, pois no h como ele refletir mais e portanto o fim abrupto.