P. 1
Ética no trânsito

Ética no trânsito

|Views: 8.021|Likes:
Publicado pormarianadefatima

More info:

Published by: marianadefatima on Aug 13, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/18/2012

pdf

text

original

Ética no trânsito

“Criticamos duramente condutas que refutamos incorretas ou inadequadas em determinadas situações concretas. E as nossas condutas no trânsito?...” Leia mais ...

Passado os festejos do carnaval, muita brincadeira, folia, muitas bebidas, muitos desrespeitos de norma no trânsito e, como conseqüência, acidentes com muitas mortes e feridos. Mas, no próximo terá mais carnaval, mais festas e mais acidentes com mortes e feridos, e no outro ano tem carnaval, mais festas, mas .... Até quando vamos ter condutas irracionais? Sabe-se que não se deve misturar álcool e direção veicular, mas muitos misturam. Sabe-se que não é recomendável exceder a velocidade, mas muitos excedem. Sabe-se que não é correto transportar pessoas na parte de carga do veículo, mas muitos transportam. Por qual razão se desrespeitam tanto as normas de trânsito? Então, chega-se a uma resposta óbvia, falta de ética. Falta de ética? Sim, exatamente a ética, no nosso cotidiano, no nosso dia-a-dia. Quando falamos em ética, temos uma noção do que se trata, mas efetivamente, temos algumas dificuldades de explicar, pois ela pode ser tão ampla quanto os desejos e anseios do ser humano. Ser ampla no sentido da liberdade do que pensamos e do que fazemos no nosso cotidiano. Muitas vezes, dizemos que fulano ou beltrano não tem ética, que é falta de ética determinada ação de um colega de trabalho, de um político e assim por diante. Criticamos duramente condutas que refutamos incorretas ou inadequadas em determinadas situações concretas. E as nossas condutas no trânsito? E por qual razão apontamos falhas dos outros e esquecemos as nossas? Talvez por ser mais fácil apontar as falhas dos outros do que as nossas. Ética é questão de atitude, é questão do nosso cotidiano, como explica o filósofo australiano Peter Singer “A ética é um exercício diário, precisa ser praticada no cotidiano. Só assim ela pode se afirmar em sua plenitude numa sociedade. Se uma pessoa não respeita o próximo, não cumpre as regras de convivência, não paga seus impostos ou não obedece às leis de trânsito, ela não é ética. Num primeiro momento, pequenas infrações isoladas parecem não ter importância. Mas, ao longo do tempo, a moral da comunidade é afetada em todas as suas esferas. Chamo a isso de círculo ético. Uma ação interfere na outra, e os valores morais perdem força, vão se diluindo. Para uma sociedade justa, o círculo ético é essência

Existem acidentes inevitáveis????

Quarta - feira, junho 24th, 2009

Segundo o dicionário, acidente é aquilo que é casual, fortuito, imprevisto. Agora se pararmos para analisar alguns acidentes de trânsito, será que chegaremos a conclusão de que ele são imprevistos? Em muitos casos tenho certeza que não. Muitos acidentes de trânsito são totalmente previsíveis. É a mesma coisa que se você olhar para uma criança pequena que está com uma faca na mão, ou perto de uma tomada – você já sabe que aquilo não vai acabar bem. Essa sensação de que “isso não vai acabar bem” nós temos em muitas situações do nosso cotidiano que envolvem o trânsito. Como por exemplo, quando você está saindo de uma festa e presencia um amigo que bebeu a noite inteira, pegando o carro para ir pra casa, lá vem a angústia e a sensação de que “isso não vai acabar bem”. Outra situação que exemplifica isso que estou escrevendo: você está tranquilo numa estrada com seu carro dentro dos limites de velocidade e é ultrapassado- em local proibido- por um veículo numa velocidade muito superior a sua. E então? Lá vem a sensação de novo “isso não vai acabar bem”. Então, porque mesmo assim, os acidentes continuam matando???? Simples, as pessoas não dão importância para esse sentimento. Ou de repente outro, como aquele “isso só acontece com os outros” consegue ser superior ao “isso não vai acabar bem”. De qualquer jeito, uma forma de diminuir os acidentes é: pessoas que tem certa consciência de seus atos, devem prestar mais atenção nesses sinais, levá-los em consideração e evitarem situações de risco. Tenho certeza que assim teríamos um resultado efetivo de mudança de comportamento e de diminuição de tragédias no trânsito. Até a próxima semana!

Congresso aprova Projeto de Lei que prevê horário de descanso para caminhoneiros
quinta-feira, junho 18th, 2009

A Câmara dos Deputados aprovou ontem (17) o projeto de lei que altera o Código de Trânsito Brasileiro para proibir o motorista de ônibus ou de caminhão de dirigir em rodovias por mais de quatro horas seguidas. A medida segue agora para aprovação do presidente Lula. A matéria já havia sido aprovada no Senado.

Pelo projeto, o motorista deve parar para descansar por pelo menos 30 minutos seguidos ou de forma descontínua após quatro horas dirigindo. Além disso, o motorista tem direito a 11 horas de descanso entre duas jornadas e prevê também que o motorista dirija por até mais uma hora a fim de chegar a um local de descanso adequado. Quem desobedecer a legislação e permanecer por mais tempo seguido na direção, sem os intervalos de descanso, cometerá uma infração gravíssima (7 pontos na carteira) e está sujeito a multa, de R$ 191,54. O valor será dobrado no caso de reincidência. Como medida administrativa, a autoridade fiscalizadora poderá reter o veículo pelo tempo de descanso que deveria ter sido cumprido pelo condutor. O problema é como vai ser feita essa fiscalização, pois o texto não é claro quanto a essa situação. Eu, distante da realidade dos caminhoneiros e motoristas de ônibus, acredito que essa medida só vem em benefício deste profissional, pois muitos acidentes ocorrem devido a cansaço e jornadas extras de trabalho. Além de preservar o profissional, leis como esta tem como objetivo proteger também a vida dos demais usuários das rodovias brasileiras. E você o que acha?

O abuso das motos nas estradas
segunda-feira, junho 15th, 2009

Não sei como a psicologia do trânsito explica isso, mas muitos motociclistas estão cada vez mais abusados. Ontem mesmo, quando eu voltava de uma viagem de Florianópolis a Curitiba, vi dois absurdos acontecerem. Em momentos diferentes da viagem, dois motoqueiros tiveram a mesma atitude assassina: ultrapassaram um veículo que já estava na pista da esquerda ultrapassando outro. Daí você pensaria: mas o correto não é ultrapassar pela esquerda? Pois é, mas eles passaram com suas motos entre o carro e a mureta que separa as pistas da rodovia. O espaço era tão pequeno que fiquei imaginando a tragédia na minha frente. Fiquei pensando o que se passa na cabeça desses loucos? Parece que querem chegar ao limite, desafiando a morte ao extremo. Não pensam neles e muito menos nas pessoas que estão ao seu redor. Afinal, qualquer pedrinha no meio do caminho que desestabilizasse aquelas motos naquela ultrapassagem maluca, poderia causar sérios acidentes envolvendo muitos veículos, inclusive a mim, que seguia logo atrás. Bom, dessa vez eles se livraram de um acidente, mas até quando? Vamos torcer para que quando sofrerem um acidente não levem pessoas inocentes com eles, pois com certeza, pilotando dessa forma, já têm seus dias contados.

Um mundo melhor para nossos filhos
sexta-feira, junho 12th, 2009

Quando a gente fica grávida, começa a repensar a vida. Já tenho uma filha, Maria Vitória, de quase oito anos e daqui a três meses irá nascer o Lucas. Não sei que mundo espera meus filhos, por este motivo, quero me garantir e deixar filhos melhores para esse mundo, pois não sei se conseguirei deixar um mundo melhor para meus filhos. O que está faltando é amor ao próximo, caráter, valorização da vida, respeito, enfim, valores básicos que devemos ensinar aos nossos filhos desde pequenos. É óbvio que não existe uma receita mágica, mas darmos o exemplo e a educação nos garante noites tranqüilas com a sensação de que fizemos nosso dever. Se você, que está lendo esse post, não sabe por onde começar a dar o exemplo, dou uma dica: comece no trânsito. Use e abuse da paciência, jamais beba antes de dirigir, respeite os mais frágeis, não ultrapasse os limites de velocidade e obedeça as leis de trânsito. Seus filhos verão as suas atitudes e certamente começarão a imitar. Dessa forma, você, sem querer – querendo (como diz aquele desenho), estará educando a sua criança para um mundo melhor. Ah…e se tratando de crianças, não esqueça de transportá-las corretamente com cadeirinha e cinto de segurança. Bom final de semana!!!!

O que “vem com tudo” no trânsito?
segunda-feira, junho 8th, 2009

O novo quadro da Regina Casé, no programa Fantástico, sobre o que vem com tudo em questão de tendências me fez pensar não somente em vestuário, alimentação, etc, mas também em comportamento. O que será que “vem com tudo” em relação ao comportamento das pessoas no trânsito? Será que estamos preparados para um colapso no trânsito nas grandes cidades brasileiras, previsto para daqui 4 ou 5 anos? Seremos capazes de mudar nosso hábito de dirigir para o de usar o transporte coletivo com mais frequência? Será mesmo que a tendência é deixar o nosso carro em casa e usar bicicleta, andar a pé, aproveitar a carona no veículo de um vizinho? E quanto aos pedestres, será mesmo que estamos mais atentos ao trânsito, evitando colocar-nos em perigo nas travessias de rua? Estamos realmente ensinando nossos filhos sobre os perigos reais do trânsito e que exemplo damos a eles no nosso dia-a-dia? Quando se fala em moda, seja de vestuário, alimentação ou gírias, parece que a mídia em geral consegue influenciar as pessoas de uma maneira muito mais efetiva. Basta sair às ruas e observar as pessoas. Porém quando o assunto é comportamento cidadão parece existir muito mais resistência, mesmo compreendendo que atitudes seguras podem salvar a vida das pessoas no trânsito. Bom, deixo pra você, internauta, comentar sobre o que “vem com tudo” no trânsito de sua cidade. Aguardo seu comentário.

O voo AF 447
quarta-feira, junho 3rd, 2009

Decidi escrever hoje sobre o trágico acidente ocorrido esta semana no Brasil. O vôo AF 447 que seguia do Rio a Paris desapareceu no meio do oceano e, até hoje, as notícias não trazem esperanças de que haja sobreviventes. Não se sabe o que ocorreu e talvez nunca se chegue a uma conclusão, o que fica é a tristeza por acompanhar o sofrimento dos parentes e amigos das vítimas. Em primeiro lugar gostaria de prestar minha homenagem às pessoas que estavam naquele voo e a seus familiares que perderam pais, mães, filhos, irmãs e etc…e que certamente carregaram essa dor por toda a vida. Gostaria também de fazer um paralelo. Acidentes com aviões realmente acontecem por uma junção de fatores. Tenho certeza que não foi apenas um raio, ou uma forte turbulência que derrubou o avião. Uma série de erros, falhas e até mesmo a combinação deles com uma forte tempestade pode ter ocasionado essa tragédia. O que quero deixar claro é que é muito pouco provável que um acidente aéreo aconteça, sem a combinação de vários fatores. Uma porque os pilotos são extremamente preparados, antes de sair voando pelo oceano passam por um milhão de treinamentos, horas de vôo e etc. A comunicação entre as torres e os pilotos é eficiente e rigorosa. A manutenção das aeronaves é essencial, nenhum deles levanta voo se há algum problema técnico. E o nosso trânsito? É igualzinho …Os motoristas que estão em nossas estradas são extremamente preparados também, antes de pegar a estrada passam por horas de treinamento. Os veículos então, todos que rodam por aí são novos ou estão em ótimo estado de conservação. Ah…e as estradas…essas são planejadas e monitoradas para que acidentes não aconteçam. É isso mesmo? Se fosse assim, certamente teríamos uma realidade diferente da atual. De qualquer forma, a morte de um ente querido seja de acidente aéreo ou de trânsito é uma perda irreparável e abrupta. Desejo que os familiares das vítimas tenham forças e consigam superar esse momento de muita dor…Que Deus os abençoe.

Acidente aéreo e acidente de trânsito: qual a diferença?
terça-feira, junho 2nd, 2009

O desaparecimento do avião da Air France, que levava 228 pessoas para a França neste final de semana tem causado grande consternação entre os parentes e amigos dos passageiros e tripulação. Afinal ninguém sabe ao certo o que realmente aconteceu. Porém acidentes de grande monta sempre assustam e mobilizam a população em prol das vítimas. De proporção menor, mas tão grave quanto este acidente aéreo, foi o caso do jovem de 19 anos que no último sábado, em São Paulo, atropelou de propósito dois jovens,

matando um deles. Este jovem se apresentará hoje à polícia, graças às câmeras que idenficaram seu veículo no momento do crime. Independe de ser acidente aéreo ou de trânsito, de haver muitas ou poucas vítimas, é possível perceber o valor e a fragilidade da vida humana diante destas situações. Ninguém quer e nem espera este desfecho para sua vida. Porém, quando acidentes acontecem, a tristeza e a dor da perda são igualmente sentidos pelas pessoas que ficam, sejam parentes ou amigos de quem morreu em acidente aéreo ou de trânsito. Mas nem tudo é fatalidade, pois no caso do atropelamento, matar o próximo foi uma decisão pessoal e proposital e que poderia ter sido evitada. Quantas vezes temos comportamentos perigosos no trânsito, mesmo sem a intenção de matar, mas que podem acarretar acidentes e a morte de pessoas? Acredito que causar acidentes no trânsito sempre depende de decisão pessoal e da percepção de cada um sobre o valor da vida!

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->