P. 1
Apostila de Treinamento de Obreiros Cristãos

Apostila de Treinamento de Obreiros Cristãos

|Views: 41.238|Likes:
Publicado porWalacemarks Pereira
apostila para estudos
apostila para estudos

More info:

Published by: Walacemarks Pereira on Aug 22, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/03/2015

pdf

text

original

Apostila de Treinamento de Obreiros Cristãos

A VIDA DO OBREIRO CRISTÃO· MÓDULO - I Tema: O Obreiro Cristão e Seu Chamado Texto-base: Isaías 6:8 Introdução Quando Deus deseja realizar uma obra entre os homens, sempre conta com o próprio homem para a execução do seu intento (homem no sentido genérico). Uma das coisas imprescindíveis ao obreiro cristão é a convicção do seu chamado para a Obra de Deus. Há muitos que entram na Obra, por iniciativa própria; há outros que são introduzidos nela por pessoas influentes. Mas a única porta correta de entrada na Obra de Deus é o chamado do próprio Deus. Observações: - Quem entra na Obra, por iniciativa própria, vai depender de si mesmo. Resultado: impotência, fracasso e frustração [Deus não tem compromisso com os nossos próprios projetos.] (Jr 23:16,22; At 19:13-16) - Quem entra na Obra, através de pessoas influentes [por apadrinhamento] vai acabar sendo controlado por quem o introduziu. Resultado: ministério sem liberdade. (Gl 2:5) - Quem entra na Obra por chamado de Deus, vai poder contar sempre com Ele. Resultado: haverá segurança, liberdade, suprimento e autoridade. (Rm 1:1; I Co 9:1, Mt 6:25-34; 28:18-20). 1. Quem Deus chama para sua Obra? - A jovens, como Timóteo (I Tm 4:12) - A velhos, como Moisés e Arão (Êx 7:1-7) - A intelectuais, como Saulo de Tarso (At 26:24) - A iletrados, como Pedro e João (At 4:13)

- A ricos, como Mateus (Lucas 5:27-29) - A pobres, como José e Maria (Lv 12:8; Lc 2:23,24) - A judeus, como Davi (I Sm 16:1,13) - A estrangeiros, como Tito (Gl 2:3) Obs. Deus não depende do que somos ou do que temos, mas sim do que Ele mesmo pode fazer de nós (ver. Fl 2:13) 2. Como Deus chama alguém para sua Obra? Exemplos: - Através de profundas impressões no espírito e na alma - Pondo desejo no coração - Através de profecias transmitidas por pessoas confiáveis - Por intermédio de lideranças cristãs (não no caso de apadrinhamento) - Por meio de revelações específicas Obs. Deus não tem uma regra definida para chamar alguém. Entretanto, sempre que Ele chama, dá a pessoa chamada a compreensão do seu chamamento. 3. Quais os fatores perceptíveis na vida de alguém que realmente foi chamado por Deus para sua Obra? - Convicção interior; - Capacitação divina; - Circunstâncias favoráveis ou contrárias, mas que logo vão se adequando; - Provisão para a realização da obra; - Confirmação divina na obra executada. Observações: Quando Deus chama alguém para a sua Obra: - Proporciona-lhe os meios para que haja convicção do chamamento (Ex. Profeta Samuel). - Muitas vezes, Deus começa a capacitar a pessoa antes mesmo do chamamento (Ex. Moisés). - As circunstâncias, no momento do chamado podem até parecerem desfavoráveis, mas logo se adequarão à obra que deve ser feita. (Ex. O chamado de Gideão para guerrear contra os amalequitas). - Sempre que Deus manda alguém realizar uma obra, faz provisão para o serviço (Ex. Esdras e Neemias na reconstrução do Templo e dos muros de Jerusalém).

- O homem chamado por Deus terá sempre a confirmação divina quanto à obra realizada em Deus (Ex. Os frutos do ministério de Paulo). 4. Que atitudes são reprovadas por Deus quando este chama alguém para efetuar sua Obra? - Incredulidade: se alguém não pode crer em Deus, não poderá depender d’Ele. - Covardia: a covardia não se adequa à alguém que está prestes a entrar na maior de todas as batalhas. - Rebeldia: a rebeldia torna o homem incapaz de ser dirigido por Deus. - Autodesvalorização: aquele que se subestima estará sempre bloqueado para receber capacitação de Deus. Obs. Atitudes como estas foram encontradas em Gideão, Moisés, Jonas, Elias e outros. Porém, sempre com a reprovação de Deus. 5. O que Deus exige da pessoa chamada? - Renúncia: para que nada o impeça de atender o chamamento. - Ousadia: para que haja prontidão em executar ao seu mandado. - Submissão: para que Deus possa lhe confiar tarefas, sabendo que as mesmas serão efetuadas segundo as suas ordens. - Humildade: para que haja sempre a consciência da dependência de Deus. - Perseverança: para que todas as tarefas sejam realizadas integralmente. - Diligência: para que a obra seja feita com eficiência. - Responsabilidade: para que a pessoa chamada seja confiável. Obs. Todas as exigências de Deus são imprescindíveis ao obreiro cristão. E, serão profundamente producentes, tanto para ele como para o Reino de Deus. 6. O que Deus concede à pessoa por Ele chamada? - Sua companhia, para ajudar. (Mt 28:18-20); - Sua direção, para que se saiba quando,como e onde se deve agir. (Jo 16:13);

- Sua proteção, para que o opositor da obra não o atinja. (Is 43:1,2); - Sua graça, para que o obreiro não desfaleça em meio ao trabalho. (II Cr 13:8-10); - Sua unção, para que o obreiro tenha poder. (Is 61:1-3); - Sua provisão, para que o obreiro não sofra necessidades. (Fl 4:19); Se as empresas terrenas têm o cuidado de oferecer aos seus contratados os recursos necessários para que esses possam executar suas tarefas, muito mais Deus terá zelo por aqueles, aos quais Ele chama para trabalhar na construção do Seu Reino.

MÓDULO – II Tema: O Obreiro Cristão e o Reino de Deus Texto-base: Marcos 1:15 Introdução Neste módulo, vamos estudar: - O Reino de Deus profetizado - O Reino de Deus inaugurado - O que significa o Reino de Deus - Analogia do Reino de Deus - Os súditos do Reino de Deus Importantes observações sobre o fator “Reino de Deus”: - O “Reino” é o governo de Deus na terra (Sl l45:13) - O “Reino” é o projeto de Deus para enfrentar o mal do mundo (Mc 12:28) - O “Reino” é a grande causa pela qual vale a pena viver ou morrer (Lc 9:24) - O “Reino” é a vivência da realidade da salvação (Jo 3:3) 1- O Reino profetizado “O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de autoridade de entre os seus pés, até que venha “Siló”, e a

ele obedecerão os povos (Gn 49:10) - Outros textos para análise: Dt 2:4; 4:3; Ob v. 21; Zc 14:9, l6, l7. 2- O Reino de Deus inaugurado “Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, pois os meus olhos já viram a tua salvação” (Lc 2:29) “Esta criança é posta para queda e elevação de muitos em Israel...”(Lc 2:34) “Ora, depois que João foi entregue, veio Jesus para a Galiléia pregando o Evangelho de Deus e dizendo: O tempo está cumprido, e é chegado o reino de Deus. Arrependeivos, e crede no Evangelho.” 3- O que significa o Reino de Deus “Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado a vós o reino de Deus (Mt 12:28)”. - O substantivo “reino” significa: governo, poder, autoridade, preponderância, domínio, controle da situação, etc. - Vale salientar que Deus sempre esteve no comando de todas as coisas. Entretanto, como Deus deu a terra ao homem e esse a satanás, Deus decidiu retomá-la por vias justas e, assim, em Cristo e seu sacrifício reconquistar, de fato, o domínio terrestre. 4 - Analogia do Reino de Deus “Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado...”(Mt 13:11) - O Reino de Deus é comparado a um agricultor que planta uma boa semente no seu campo, mas vem seu inimigo invade a sua roça e planta semente ruim (Mt 24:30) OBS.: A invasão do inimigo, e sua má semeadura se dão pelo fato de os trabalhadores estarem dormindo. O obreiro cristão é responsável por tudo que a ele é confiado. - O Reino de Deus é um ponto de convergência para todas as pessoas. (Mt 13:31)

OBS.: O obreiro cristão deve estar, com discernimento, aberto a todas as pessoas. - O Reino de Deus é penetrante e contagiante. (Mt 13:33) OBS.: O obreiro cristão deve, exercendo influência, ir a todos os lugares onde houver pessoas carentes. (Mc 16:15) - O Reino de Deus é semelhante a algo tão preciso que os que o desejam são capazes de fazer qualquer coisa para obtê-lo. (Mt 13:44-46) OBS.: O obreiro cristão deve desejar o Reino de Deus a ponto de renunciar a qualquer coisa por ele. - O Reino de Deus é como um arrastão de multidões de pessoas para daí fazer-se uma seleção. (Mt 13:47,48) OBS.: O obreiro cristão deve esforçar-se para atrair o maior número de pessoas a Cristo, deixando a escolha por conta dele. - O Reino de Deus é comparado a um comerciante que distribui mercadorias em quantidade diferente com seus vendedores, marcando data para o acerto de contas, não aceitando prejuízos nem falta de lucro, e julga com rigor os maus vendedores. (Mt 18:23-35) OBS.: O obreiro cristão deve estar consciente de que tudo o que ele receber de Deus terá que prestar contas, apresentando progresso, crescimento ou multiplicação do que recebeu. - O Reino de Deus é semelhante a um empresário que contrata trabalhadores no decorrer de um período, em dias diferentes. Mas ao final do período paga a cada um, salário de igual valor (Mt 21:16) OBS.: O obreiro cristão deve ter o cuidado de não por os olhos naquilo que Deus dá as outras pessoas, sabendo que Ele é o Senhor, e reparte os seus bens a cada um como quer. - O Reino de Deus é semelhante ao homem que fez um grande banquete, queria sua casa cheia, mas exigiu dos participantes que trajassem roupas adequadas para o

acontecimento. (Mt 22:14) OBS.: O Reino de Deus é semelhante ao noivo que no dia do casamento desconhecerá a noiva se esta não estiver preparada para tal. (Mt 25:1-13) OBS.: No Exército brasileiro há um lema: “Você pode nunca ir à guerra, mas nunca deve estar despreparado para a mesma”. No exército de Deus o lema é mais contundente: “você está em guerra, esteja sempre preparado!!!”. 5 – Os Súditos do Reino de Deus - “Vós sois meus amigos (obreiros), se fizerdes o que eu vos mando”. (Jo 15:14) - “Não é o discípulo (obreiro) mais que seu mestre”. (Mt 10:24) - “Jesus, porém, lhe respondeu: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.”(Lc 9:61) - “Então disse Jesus aos seus discípulos (obreiros): Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me; pois, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á”. (Mt 16:24,25) - “E todo o que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras, por amor do meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna.” (Mt 19:29)

MÓDULO – III Tema: O Obreiro Cristão e Sua Vida Devocional Texto-base: I Tm 4:13-16 Introdução “Ninguém pode levar alguém a um nível mais alto do que o

que ele próprio está” O obreiro cristão deve compreender que sua preocupação prioritária não deve ser a de ensinar aos outros, mas a si mesmo. Geralmente, os ministrantes da Palavra de Deus, quando se preparam para executar sua missão se preocupam apenas com o que vão ministrar aos outros, esquecendo-se de permitir que o Espírito Santo ministre às suas próprias vidas, tornando-os assim aptos para exercerem o ministério da Palavra. Axioma: Só temos autoridade para pregar, aquilo que estamos vivendo. Significado da palavra “devoção”: auto-entrega íntima, auto-entrega real, auto-entrega de coração. A devoção se caracteriza por: 1. Disposição para Deus, parar para Deus, gastar tempo com Deus - Disposição fala de renúncia (Mt 16:24) - Parar significa dar atenção (Is 50:2) - Dar tempo a Deus significa não ter pressa (Is 40:31) Obs. Maria se dispôs, deu atenção e tempo a Jesus: O mestre julgou sua atitude e deu o “veredicto”: “ela escolheu a melhor parte!” (Lc 10:38-42) 2. Consagrar-se para Deus: - Abster-se do pecado (II Tm 2:19) - Estar no mundo mas não comungar com ele (II Co 6:17,18) - Estar na terra porém com o coração voltado para o céu (Cl 3:1-3) - Ser humano, entretanto, assimilar a mente de Cristo (Is 26:3) 3. Comunicar-se com Deus pela oração: - Orar é depender de Deus (Mt 7:7-11)

- Orar é praticar a fé (Mt 15:21-28). Exemplo: A mulher cananéia - Orar é manter relacionamento com Deus (Mt 6:7) - Orar é estar diante de Deus (Gn 17:22) 4. Permitir que Deus lhe ensine pelo estudo da Palavra: - A exposição da Palavra dá luz (Sl 119:130) - Paulo exortou a Timóteo: “Persiste em ler, meditar estas coisas”. (I Tm 4:13-16) - Os cristãos bereanos nos deixaram bom exemplo: conferiam os ensinos pela Palavra (At 17:10-11) - Jesus declarou: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que de mim testificam”. 5. Humilhar-se através de jejum, disciplinado a carne: - Reis e profetas jejuaram (Sl 109:24) - Os apóstolos se dedicaram a prática do jejum (At 13:1-4) - Até Jesus se submeteu a essa prática, imprescindível aos homens (Mt 4:1-2) - Não teriamos nós necessidade de jejuar? (Mc 2:20) 6. Praticar vigílias de oração, súplicas e intercessões: - Reis e profetas fizeram vigílias (Sl 63:6) - Os apóstolos fizeram vigílias (II Co 6:5) - Até Jesus fez vigília (Lc 6:12) - Quem somos nós para não fazermos vigílias? Axioma: Se não tivermos a capacidade de viver a Palavra, a Palavra nos negará a capacidade de levarmos outros a vivêla.

MÓDULO – IV Tema: O Obreiro Cristão e a Sua Família Texto-base: I Timóteo 3:2,4,5 Introdução A família é uma instituição divina. Portanto, deve ser constituída segundo o padrão de Deus; deve se comportar

segundo os princípios de Deus e deve cumprir os propósitos de Deus para que possa desfrutar das Suas bênçãos, provisões e proteção, afim de que Ele mesmo seja glorificado nela. Normalmente, o comportamento do obreiro, em relação à sua família é refletido no seu relacionamento com a Igreja. 1 . A família é uma instituição divina: - Foi Deus quem criou o homem e decidiu dar-lhe uma companheira (Gn 2:7,18) - Foi Deus quem celebrou o primeiro casamento (Gn 2:2124) - Foi Deus quem determinou a proliferação da família e proveu o meio para a reprodução do ser humano (Gn 1:27,28; 2:24) - Foi Deus quem classificou o matrimônio e a proliferação em família como “muito bons” (Gn 1:27,28,31) 2 . A família deve ser constituída segundo os padrões de Deus: - Homem casa com mulher (Gn 1:27) - Gera filhos (Gn 1:28) 3. A família deve se comportar segundo os princípios de Deus: - O casamento deve ser no Senhor (I Co 7:39b) - O marido deve ser: a) o cabeça do lar (Ef 5:23) b) amante de sua esposa, como Cristo amou a Igreja (Ef 5:25) c) sacerdote do lar d) provedor do lar (Ef 5:29) - A esposa deve ser: a) submissa ao seu marido (Ef 5:22) b) auxiliar do marido (Gn 2:18) - Os filhos devem ser: a) obedientes aos pais (Ef 6:1-3) - O leito deve ser: a) honrado

b) sem mácula (Hb 13:4), 4. A família deve cumprir o propósito de Deus: - Ser um núcleo de culto e adoração a Deus (Js 24:15) - Ser a testemunha viva de Cristo diante da sociedade 5 . E quando o obreiro é solteiro? - Sabemos, segundo a Bíblia, que há pessoas que receberam de Deus o dom de permanecerem solteiras (Mt 19:11,12); - É verdade, também, que há pessoas que tomam a decisão voluntariamente de permanecerem solteiras, com o propósito de trabalhar na Obra de Deus, com maior liberdade (Mt 19:12) - Quanto aos obreiros solteiros, que desejam se casar, é bom lembrar que esse casamento deve ser feito sob orientação de Deus. O casamento influi muito no ministério. O cônjuge pode ser uma bênção ou uma maldição, um apoio ou um impedimento para o seu ministério. A Bíblia está repleta de exemplos de homens que tiveram os seus ministérios profundamente prejudicados por causa de relacionamentos fora do padrão de Deus. Exemplos: Abraão, Sansão, Davi, Salomão, Acabe, etc. Obs.: Esta instrução é para eles (obreiros) e elas (obreiras) Leitura sugerida: I Cor. Cap. 7.

MÓDULO – V Tema: O Obreiro Cristão e a Sociedade em Geral Texto-base: João 17:4 Introdução É exatamente no meio da sociedade que o obreiro cristão tem seu campo de trabalho. “Gente”, este é o alvo de Deus na terra. Ele não está

preocupado com coisas, mas com pessoas. Elas são o objeto do seu amor, foi por elas que Jesus deu sua vida, foi para elas que Jesus ressuscitou. E, ao enviar os seus discípulos, enviou-os a elas. Ainda hoje, as pessoas são o que Deus mais deseja da terra. 1. A sociedade humana: a. Um misto de raças, tribos, povos e nações. b. Um misto de culturas, costumes e comportamentos. c. Um misto de linguagem. d. Um misto de credos, seitas e religiões. e. Um misto de ricos, pobres e miseráveis. É nesse “mar” de diversidade que o Senhor Jesus coloca os seus obreiros e diz: sejam “pescadores” de homens. Mt 4:19. 2. O obreiro cristão é o santo introduzido em meio ao profano para contagiá-lo com o divino; ele é introduzido no meio de pessoas, tais como: - Maria Madalena, da qual Jesus expulsou sete demônios (Lc 8:1,2) - A mulher adúltera, que por pouco não foi apedrejada (Lc 8:1-11) - O endemoninhado de Gadara, do qual Jesus expulsou uma legião de demônios (Lc 8:26-39) - Fariseus, publicanos, pecadores, etc. (Lc 5:27-32) Razão: “Não necessitam de médico os sãos, e sim os doentes. Eu não vim chamar os justos, e sim os pecadores, ao arrependimento”. (Lc 5:31-32) 3. O obreiro cristão é o “tempero” divino no meio de uma sociedade insípida: - para preservá-la de julgamento e condenação prematuros - para dar sabor: a) sabor do Evangelho b) sabor da fé cristã c) sabor da nova vida em Cristo d) sabor da santificação para Deus “Vós sois o sal da terra...” Mt 5:13 4. O obreiro cristão é o reflexo da glória de Deus em meio à

sociedade que vive nas trevas do pecado: - Seus ensinamentos são um referencial seguro para os que vagueiam nas trevas Sl 119:130; - Suas atitudes são um parâmetro que faz a diferença entre o que serve a Deus e o que não serve; - Seus testemunhos são focos da luz divina que tiram os homens das trevas. “Vós sois a luz do mundo...” Mt 5:14 5. O meio social é um ambiente dúbio: - Uma parte é indiferente (o Evangelho é como canções de ninar) Mt 11:15-17; - Outra parte é fechada (dura cerviz) At 7:5; - Outra parte é hostil (lobos devoradores) At 4:25-28; - Mas outra parte é receptiva (Esta é a “pepita de ouro” que o obreiro cristão deve buscar entre os “cascalhos” Enquanto que para aquelas, o Evangelho é morte, para esta o Evangelho é vida) At 2:41. 6. As indagações de Paulo em Rm 10:14,15 revelam quão grande é a necessidade do obreiro cristão no meio da sociedade: - Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? - Como crerão naquele de quem não ouviram falar? - Como ouvirão, se não há quem pregue? - Como pregarão, se não forem enviados (para o meio da sociedade)? 7. Cuidados que o obreiro cristão precisa ter (I Tm 4:16): - O obreiro cristão deve ser um agente influenciador e jamais ser influenciado pela sociedade ímpia. Mt 28:18-20; - O obreiro cristão deve ser um exemplo para a sociedade ímpia e jamais seguir seu exemplo. Mt 5:16; - O obreiro cristão deve ser, em meio à sociedade, um representante de Cristo e jamais de si mesmo. At 1:8. “...Portanto, nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e

corramos com paciência a carreira que nos está proposta...” Hb 12:1.

MÓDULO - VI Tema: Ética Comportamental Texto-base: Hebreus 12:1 Introdução Toda empresa que se preza, prima pela boa apresentação dos seus representantes; porque o representante para o cliente é a cara da empresa que este representa. Se ele tem uma boa apresentação, o cliente terá uma boa impressão da empresa, mas se ele tem uma má apresentação o cliente terá evidentemente uma má impressão da empresa representada. No Reino de Deus a coisa funciona da mesma forma, a apresentação do obreiro vai transmitir às pessoas a idéia do caráter do Reino que ele representa. Na preleção de hoje vamos verificar alguns cuidados especiais que o obreiro cristão deve ter para que então possa representar bem o Reino de Deus diante das pessoas. 1. O obreiro e seu asseio pessoal Parece infantil esta instrução, porém, temos visto com freqüência obreiros que envergonham o Reino de Deus, por falta de higiene pessoal; falta de banho, axilas ou pés exalando mau odor, cabelos sujos e despenteados, roupas e sapatos sujos, dentição estragada à mostra, etc. Tudo isto faz com que o obreiro cristão represente mal o Reino do qual ele faz parte; e além disto o afasta das pessoas que ele deseja alcançar. Deus não apenas aprecia, como também exige higiene no meio do seu povo. Observe os seguintes textos: Lv cap. 15; Dt 23:9-14; I Co 6:19,20; Hb 10:22. 2. O obreiro cristão e seu vestuário:

- Não é preciso ser rico para andar limpo; - Não é preciso ser rico para saber combinar as roupas; - Não é preciso ser rico para se vestir bem. Há muitos ricos que são desleixados, porém há muitos pobres que se cuidam bem. A questão está no bom senso. Você pode ser pobre e usar roupas simples, entretanto, deve ter o cuidado de andar limpo e combinar bem as roupas. Isto é se vestir bem. Existe um ditado que diz: “O mundo trata melhor quem se veste bem.” Dentro de suas possibilidades, o obreiro cristão deve ter o cuidado de se vestir o melhor possível. Apesar de lidarmos com coisas essencialmente espirituais devemos lembrar que vivemos em um mundo material e que tem sua cultura própria. Jesus que é o nosso exemplo, quando viveu na terra, não se comportou como um extraterrestre, mas como um humano. 3. O obreiro cristão e seus pertences: - Desde a residência até a escova dental, o obreiro cristão deve ser zeloso; - Limpeza e organização são imprescindíveis na vida do obreiro cristão. - Se somos limpos e organizados em nossos pertences, o seremos, também, com as coisas do Reino de Deus. - O visual externo, em muitos casos, reflete o que há em nosso interior. 4. O obreiro cristão e a comunicação: - “Quem tem boca vai à Roma”, diz o velho ditado, porém, quem tem boca e não fala é profundamente carente de Roma escrito ao contrário. - “Quem não se comunica se intrumbica” é outro ditado muito conhecido, contudo, quem tem boca e sabe se comunicar “desintrumbrica” muita gente. Saber se comunicar é algo indispensável ao obreiro cristão. Aliás, a língua é a ferramenta mais usada em seu ministério. Timidez e inibição são dois grandes obstáculos para o obreiro que deseja ser bem sucedido, entendendo-se que a maior porcentagem do que ele passa para as pessoas é através da comunicação verbal. Portanto, comunicação

deve ser matéria de importante atenção para o obreiro. 5. Conhecimentos gerais: - A Bíblia é a matéria prioritária e insubstituível que o obreiro cristão deve ministrar. - Mas lembre-se: Jesus sempre usava as coisas do dia-a-dia para explicar as coisas do Reino de Deus. - O obreiro cristão deve estar consciente de que deverá ter respostas às indagações: “o que?”, “por que?” e “para que? se deseja que sua mensagem convença os seus ouvintes. - A mensagem do obreiro cristão deve atingir o homem na sua totalidade. Ele é espírito, mas também alma e corpo. - Jornais, revistas, noticiários, livros edificativos, comentários bíblicos, congressos, seminários específicos e coisas semelhantes são indispensáveis para o enriquecimento cultural do obreiro, proporcionando-lhe, assim, maior capacidade de comunicação e alcance das reais necessidades das pessoas. Obs.: O Espírito Santo nos ensina quando nos dispomos a aprender, e nos faz lembrar o que já ouvimos, lemos ou estudamos (João 14:26). Os que se dedicam a estas coisas sabem mais, pensam melhor, comparam idéias, têm o que falar, têm o que responder, fundamentam as suas opiniões, aumentam a sua compreensão, melhoram o vocabulário, absorvem experiências. Finalmente, se comunicam e comunicam com maior facilidade. 6. O obreiro cristão e sua linguagem: - “Refreia as suas palavras aquele que possui o conhecimento; e o homem de entendimento é de espírito sereno. Até o tolo, estando calado, é tido por sábio; e o que cerra os seus lábios, por entendido”. (Pv 17:27,28) - “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como deveis responder a cada um” (Cl 4:6) - “Em tudo te dá por exemplo de boas obras. Na doutrina mostra integridade, reverência, linguagem sã e irrepreensível para que o adversário se envergonhe não tendo nenhum mal do que dizer de nós” (Tt 2:7,8) - “Todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não

tropeça em palavra, esse homem é perfeito, e capaz de refrear todo o corpo”. (Tg 3:2) 7. O obreiro cristão e sua postura: - Estamos vivendo em um mundo de rebeldia, insubmissão, desrespeito às autoridades constituídas. Isto foi predito pelo apóstolo Paulo (II Tm 3:1-9). - Diante desta realidade, o obreiro cristão deve ter o cuidado de se impor, valorizando e honrando sua posição no Reino de Deus. - Respeitar e se fazer respeitar é algo importante na vida do obreiro cristão. “Assim, pois, que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. Ora, além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel”. (I Co 4:1,2) “Manda estas coisas e ensina-as. Ninguém despreze a tua mocidade mas sê exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza.” (I Tm 4:11,12) Tarefa de casa: Leitura das duas Cartas de Paulo a Timóteo.

MÓDULO – VII Tema: O Obreiro Cristão e o Espírito Santo Texto-base: Lucas 24:49 Introdução Assim como um carro sem combustível, um piloto sem bússola, uma viajante sem mapa, uma lâmpada sem energia, uma máquina sem óleo, um vendedor sem mercadoria, um comprador sem dinheiro e um aluno sem professor é o obreiro cristão sem o Espírito Santo. Podemos dizer, com certeza que, o Espírito Santo é o Presidente da Obra e o poder que move a mesma. Tentar executar a Obra de Deus sem o Espírito Santo é demonstrar

loucura ou total ignorância acerca do que Ele representa em todos os aspectos da Obra. 1. “Ficai em Jerusalém...”(Lc 24:49b): - Os discípulos já tinham recebido a teoria do Reino; - Receberam inúmeras lições práticas; - Tiveram algumas oportunidades de operar no poder do Espírito Santo; - E agora recebem ordens para permanecer na cidade até a chegada do Espírito Santo para ficar definitivamente com eles. 2. “...até que sejais revestidos de poder” (Lc 24:49c) - O Espírito Santo era o poder no qual os discípulos teriam que operar; - O Espírito Santo é o único poder que Deus e os demônios reconhecem. 3. O Espírito Santo é o detentor e o doador de todos os recursos de que o obreiro cristão necessita para a realização da Obra de Deus: - Os frutos de vida que o obreiro precisa ter para glorificar a Deus, no seu viver, são outorgados pelo Espírito Santo (Gl 5:22,23) - Os dons do Espírito Santo são as indispensáveis ferramentas que o obreiro precisa ter (I Co 12:7-11) 4. Outras funções do Espírito Santo no auxílio do obreiro (Jo 14:26;15:26): - Consola - Ensina - Faz lembrar os ensinamentos de Jesus - Dá testemunho de Jesus 5. Os grandes homens de Deus, mencionados no Velho

Testamento eram homens cheios do Espírito Santo: - Moisés (Nm 11:17) - Josué (Dt 34:9) - Gideão (Jz 6:34) - Sansão ( Jz l4:6,19; l5:14) - Davi (I Sm 16:13) - Isaías (Is 61:1) 6. O próprio Senhor Jesus ao iniciar o seu ministério terreno como verdadeiro Homem, necessitou do auxílio do Espírito Santo (Mt 3:16; Lc 4:18): - E você, pode realizar a obra de Deus na sua própria força? - “...enchei-vos do Espírito Santo...”(Ef 5:18) - “Andai em Espírito...”(Gl 5:16) Tarefa para o fim-de-semana: Leitura do livro de Atos dos Apóstolos.

MÓDULO – VIII Tema: O Obreiro Cristão e o Seu Tempo na Obra Textos-base: Mt 4:18-22; At 18:3;I Co 9:6 Introdução Nem todas as pessoas são chamadas por Deus para trabalhar com tempo integral na Sua Obra. Diante desta realidade cada obreiro precisa saber quanto tempo Deus requer de sua vida, conscientizando-se de que se Ele requer tempo integral então proverá os recursos necessários para o obreiro; se o tempo requerido for parcial então Deus providenciará os meios para que o obreiro possa se adequar a esta condição. A verdade é, quer seja em tempo integral ou parcial, todo obreiro e todo crente deve trabalhar na Obra de Deus. 1. Paulo, um homem que viveu as duas experiências:

- Paulo tinha como profissão fazer tendas; - Seu ministério estava dividido entre o trabalho secular e o ministério apostólico; - Chegou o momento em que ele entendeu que Deus precisava dele com tempo integral. Obs.: Analisemos I Co 9:6 (Paulo não estava falando em cruzar os braços, mas deixa o trabalho secular para se dedicar totalmente a obra de Deus) 2. Pedro, André, Tiago e João, estes eram pescadores e estavam em pleno trabalho quando Jesus os chamou para outro ofício: “pescar” homens. Mt 4:19. 3. Mateus, este era cobrador de impostos e estava no seu local de trabalho quando Jesus o convidou para o serviço do Reino. ( Mt 09:09-13) Obs.: Note que todos os chamados eram claros e específicos, e que ao recebê-los deixaram tudo para seguilo. (renúncia, disposição e decisão) 4. I Co 16:15-16 (Leia com atenção). Aqui nós temos um texto claro que nos dá a entender que uns são chamados para trabalhar em tempo integral, na obra de Deus, e outros para auxiliar em tempo parcial. “... que também vos sujeiteis a estes, e a todo aquele que auxilia na obra e trabalha.” I Co. 16:16b 5. É necessário que o obreiro esteja consciente do tipo de chamado que Deus lhe fez: - Se Deus chama para tempo parcial, dá o sustento através do trabalho secular. - Se Deus chama para tempo integral, dá o sustento através da Obra. 6. Aos chamados para a obra em tempo parcial: - É necessário que haja um desejo profundo de servir. - É necessário que haja maturidade para compreender que uns recebem salário através da Obra porque foram chamados para trabalhar somente nela: “Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o Evangelho, que

vivam do Evangelho” - I Cor. 9:14) - É necessário estar disposto a trabalhar na função que Deus preparou para sua vida. 7. Aos chamados para a obra com tempo integral: - É necessário que haja um profundo sentimento de renúncia. - É necessário encarar a obra de Deus como ocupação integral e prioritária de sua vida. - É necessário estar disposto a ir a qualquer lugar, a qualquer hora, em qualquer tempo, recebendo ou não qualquer salário, sob qualquer circunstância, em atenção a direção de Deus. “Deus sempre prepara a pessoa certa para a hora certa, tempo certo, lugar certo e obra certa.”

MÓDULO – IX Tema: O Obreiro Cristão e o Deus trino Texto-base: I Coríntios 12:4-6 Introdução Não são três Deuses, mas um único Deus que desde a eternidade subsiste em três personalidades distintas, a saber: Deus Pai, Deu Filho e Deus Espírito Santo (Mt 28:19). 1. Entendendo a Trindade - Uma ilustração exemplifica limitadamente a existência do Deus triuno: - O exemplo de um ovo: Um ovo é composto de gema, clara e casca. Se você deseja fazer uma gemada, recorre à gema; se deseja fazer suspiros, recorre à clara; se deseja

algo que contenha cálcio, recorrerá à casca do ovo. - O Deus trino pode, ilustrativamente, ser comparado ao ovo: Se você quiser o projetista do Reino, encontrá-lo-á em Deus Pai; se deseja encontrar o contratante de obreiros, encontrá-lo-á em Jesus; se desejar encontrar o capacitador de obreiros, encontrá-lo-á no Espírito Santo. 2. Analisando o texto base (I Co 12:4-6) - v.6 “E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos” Este versículo, nos leva a compreender que o papel de Deus é projetar a Obra e determinar as etapas a serem executadas. - v.5 “E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo” Neste versículo, podemos entender que a tarefa do Senhor Jesus é selecionar obreiros para realizar a Obra projetada por Deus. - v.4 “Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo” Deste versículo, tiramos a conclusão que a função do Espírito Santo é capacitar os obreiros selecionados pelo Senhor Jesus para que, de forma eficiente, executem cada etapa da Obra projetada por Deus. 3. Analisando o plano de Redenção (Jo 3:16) - Deus, em sua presciência, ao ver o homem “caído”, imediatamente projetou o plano de redenção que deveria ser divulgado em todo o mundo, para que todo o que, ouvisse e cresse, viesse a ser redimido.

- Jesus, em sua autoridade, selecionou obreiros. Primeiro doze, depois setenta, e em seguida, outros e outros... - O Espírito Santo, por sua vez, vem capacitando os obreiros selecionados pelo Senhor Jesus para a realização da obra de Deus. (ver história da Igreja, a partir de Atos dos Apóstolos). 4. RESUMO: - Deus: projeta a Obra e estabelece suas etapas de realização. (Jo 17:4; At 1:7,8) - Jesus: seleciona os obreiros para a realização da Obra projetada por Deus. (Mc 3:13-14; Jo 20:21) - O Espírito Santo: capacita os obreiros selecionados pelo Senhor Jesus para executar a obra projetada por Deus, em todas as suas etapas. (Jo 4:16,17,26; I Co 12:4).

MÓDULO - X Tema: O Obreiro Cristão e as Dificuldades Ministeriais Texto-base: João 16:33 Introdução Neste módulo, vamos nos deparar com uma realidade desafiadora: “dificuldades no ministério”. Essas dificuldades foram enfrentadas por muitos, dos quais, uns fracassaram e outros foram vencedores. Elas poderão ser de origem humana ou espiritual, internas ou externas. A verdade é que elas estão aí, e devem e podem ser vencidas. O Deus que nos chama é o Deus que nos conduz em triunfo. A questão é seguir suas regras! 1. “No mundo tereis aflições!” a) Propósito: produzir paciência, experiência e esperança. Rm 5:3,4

b) Garantia: “somos atribulados mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos...” II Co 4:8,9. 2. Dificuldades na obra: - Os antigos as enfrentaram - Jesus as enfrentou - Os primeiros discípulos as enfrentaram - Os chamados “pais da igreja” não foram poupados delas - Esse desafio é para nós também Obs.: Por isto é que na obra de Deus não há lugar para covardes. Jz 7:3 3. Os três principais geradores de dificuldades: - a carne (sua investida é contra a necessidade de renúncia) - o mundo (investe contra a necessária consagração a Deus, sempre procurando manter-nos ocupados com as coisas da vida) - Satanás (sua luta é para impedir que o ministério seja realizado, e então o obreiro se torne infrutífero) 4. A condição da sociedade, a situação em que está, e que temos de alcança-la, representa um dos maiores obstáculos ao ministério: * morte espiritual - são insensíveis à vida cristã * caráter deformado - não assimilam a possibilidade de uma vida santa. * cultura religiosa anticristã - estão fechados para o cristianismo real * cegueira espiritual - estão bloqueados para compreender as verdades bíblicas.

“As armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus, para destruição das fortalezas” II Co 10:4 5. Nossas limitações também são barreiras a serem superadas: * físicas - adoecemos, envelhecemos e nos cansamos; dependemos de alimentação, vestuário, moradia, etc. * intelectuais - o misto de línguas, culturas e o acelerado desenvolvimento da ciência e tecnologia, sempre representam desafios aos nossos conhecimentos intelectuais. * econômicas - a comunicação, a literatura, o transporte, as acomodações; enfim toda infra-estrutura para a realização da obra se torna cada vez mais cara, e a recessão econômica se intensifica constantemente. “Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão;quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti.” ISAÍAS 43:2 6. Poderão surgir, também, problemas gerados por nós mesmos: - fracasso espiritual - fracasso moral - fracasso administrativo Obs.: Estes fracassos são sempre fruto de imaturidade, ou negligência, ou rebeldia. 7. Para cada problema Deus já providenciou livramento: - O Espírito Santo para guiar, ensinar e lembrar aos obreiros. - A Bíblia como perfeito manual de orientação

- A oração como meio de comunicação com o Deus da Obra. - Os anjos para apoio espiritual - Os companheiros de ministérios para apoio moral - Os dízimos e ofertas para apoio material 8. O Deus que chama o obreiro é o Deus quer: - Guia-o, para que ele saiba onde, quando e como fazer a obra - Alimenta-o, para que ele tenha forças para fazer a obra - Unge-o, para que ele tenha autoridade para ele fazer a obra - Protege-o, para que o inimigo não o impeça de fazer a obra Obs.: Por isto, nunca tome decisões sem a orientação clara, objetiva e específica de Deus. Estas serão sempre as Suas orientações: A) Sim B) Não C) Agora não D) Sim, mas não desta forma.

MÓDULO – XI Tema: O Obreiro Cristão e o Sucesso na Obra Texto-base: I Coríntios 1:31 Introdução Neste módulo, vamos estudar sobre a rica possibilidade de sucesso na realização da obra de Deus. Descobriremos que o sucesso não apenas traz alegrias e torna-se motivo para

a glorificação de Deus mas, também, se constitui em uma grande prova de humildade do obreiro. 1. A Bíblia declara que Deus sempre nos conduz em triunfo: - “Mas graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo...” II Co 2:14 - A Igreja não reconhece nenhuma derrota diante do inimigo 2. Jesus denominou os líderes das igrejas de estrelas: - “Tinha ele na mão direita sete estrelas...” Ap 1:16; - “O mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita... As sete estrelas são os sete anjos das sete igrejas...” Ap 1:20 - Lembremo-nos que as estrelas brilham, umas mais, outras menos; isto nem sempre acontece porque uma tenha mais brilho que a outra, mas porque umas estão mais perto da terra que as outras. Assim são os que se aproximam mais de Deus em consagração e do próximo para o servir. 3. A Bíblia diz que cada um tem uma medida de fé: - “Pois pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas saiba com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” Rm 12:3 Cada um recebe uma medida de fé; portanto ninguém deve se gloriar em detrimento de outro. 4. A Bíblia mostra que a quantidade de talentos distribuída aos obreiros é variável: - “Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e entregou-lhes os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um, a cada um

segundo a sua capacidade. Então partiu.” Mt 25:l4,l5 - Ninguém deve se orgulhar porque tem mais capacidade que outro; aliás deve estar consciente de que sua responsabilidade é maior. (recebeu mais, terá que apresentar mais) 5. A Bíblia diz que os tesouros divinos foram postos em vasos de barro: - “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós” I Co 4:7 - O tesouro é divino (é perfeito e eterno) - mas o vaso é de barro (é frágil e se quebra) 6. A Bíblia diz que se temos alguma coisa é porque recebemos: - “Pois quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?” I Co 4:7 7. Na verdade, o sucesso no ministério vem pelo esforço, dedicação, diligência, consagração, mas: - estas atitudes apenas nos condicionam a recebê-lo - não nos tornamos merecedores - o mérito de qualquer sucesso experimentado é do sacrifício de Cristo no calvário. 8. A chave para o sucesso permanente: - Esforça-te - Não te apartes da consagração, da oração e do Livro de Deus - Não tomes atitudes sem consultar o Senhor da Obra - Obedece as regras de Deus - Humilha-te que a seu tempo o Senhor te exalta. - Quando estiveres em cima não zombes de quem estiver embaixo, pois se estiveres em cima é porque alguém em

baixo te sustenta.

MÓDULO – XII Tema: O Obreiro Cristão e sua Denominação Texto-base: Jeremias 31:1 Introdução Examinaremos neste módulo os seguintes aspectos: - Israel, nação estabelecida por Deus, era composta por doze tribos. - Cada tribo tinha seu patriarca, seu lugar e seus alvos a conquistar. - Eram doze tribos, entretanto as doze tribos formavam uma só nação, que servia há um só Deus. - Israel era um tipo da Igreja do Novo Testamento. - Assim como Israel era composta de doze tribos, a Igreja do Novo Testamento é composta de várias denominações. - Os obreiros cristãos, sempre surgem de uma denominação, e mais especificamente de uma igreja local. 1. Todas as coisas do Velho Testamento eram sombras ou figuras das que viriam: - Israel, a Igreja do Velho Testamento, representa a Igreja neotestamentária; - As doze tribos que formavam a nação israelita tipificavam as denominações que formam a Igreja neotestamentária, que por sua vez, serve também, a um só Deus. 2. Assim como Israel, a Igreja do Novo Testamento também é uma instituição divina. (Mt l6:18.)

3. A história mostra que a Igreja teve seu início com um só grupo: - Jesus, e os seus discípulos (Mt 10:1-7) 4. Com o crescimento da Igreja em toda a terra, no desenrolar dos fatos pertinentes a ela, surgiram então as denominações: - Cada uma com sua personalidade própria; - Cada uma com uma visão específica; - Cada uma com um ministério específico. - Mas, apesar das diferenças, todas trabalhando com um só alvo: estabelecer o Reino de Deus na terra. 5. Com o propósito de promover a boa ordem de sua Igreja, Jesus estabeleceu lideranças para governá-la, e determinou algumas coisas importantes, a saber: - “Obedecei a vossos pastores...” Hb 13:17 - “Não abandoneis as vossas congregações...” Hb 10:24, 25 Obs. O objetivo da submissão a autoridade eclesiástica e o estar compromissado com uma denominação, e mais especificamente com uma igreja local, é para que o crente possa assimilar, com mais facilidade, a cultura cristã e crescer espiritualmente, de uma forma equilibrada e responsável. 6. Quem promove o crescimento espiritual do crente, quem gera obreiros e quem os envia ao campo é o Senhor da Seara (Mt. 9:37,38). Entretanto, não podemos esquecer que Ele o faz através das lideranças por Ele constituídas e da igreja a qual o postulante ao ministério está ligado. (Atos 13:1-4) 7. Diante destas razões lógicas e claras, podemos compreender que o crente que postula um ministério cristão deve:

a) Estar ligado a uma denominação; b) Ser membro de uma igreja local; c) Submeter-se às autoridades da igreja da qual é membro; d) Aguardar o momento em que a igreja o reconheça, como “chamado” por Deus, com um ministério específico e o invista, abençoando-o para o ministério a que foi chamado. Observações Importantes: a) Não confundir pertencer a uma tribo com o ser “tribalista” (viver brigando por sua tribo) b) Não confundir pertencer a uma denominação com o ser “denominacionalista” c) As doze tribos de Israel lutavam por um só reino: “Israel”. As denominações genuinamente cristãs devem lutar por um só objetivo: estabelecer o Reino de Deus na terra. d) Há situações em que a denominação ou a igreja local constitui-se como barreiras para o desenvolvimento ministerial daquele que é chamado por Deus. Neste caso, depois de bem apuradas as razões pelas quais a denominação ou a igreja local se opõe ao reconhecimento do obreiro, este deve, antes de tudo, separar-se com Deus, em oração, e não tomar nenhuma decisão pessoal até obter absoluta certeza do que é a vontade de Deus para a sua vida. e) Lembre-se! O melhor lugar onde o crente deve estar é no centro da vontade de Deus. f) Ninguém pode ser bem sucedido no ministério sem a aprovação e a bênção de Deus. Leituras indispensáveis: Josué cap. 1 I e II Timóteo Tiago 4:10.

MÓDULO - XIII Tema: O Obreiro Cristão e seu Ministério Texto-base: I Co 4:1 Introdução “Assim, pois, que os homens nos consideram como ministros de Cristo, e dispenseiros dos mistérios de Deus”. I Co 4:1 1. Definição da palavra “ministro”: Dicionário da Bíblia: - Hebraico: Sharath – Servidor Êx 24:13 (Veja Sl 103:21; 104:4) - Grego: Diáconos – Servo (Mt 20:26; Rm 13:4) Hyperetes – Cooperador (At 26:16; I Co 4:1) Leitourgos – Autoridade (Rm 13:6; 15:16; Hb 1:7; 8:2) Dicionário Bíblico Universal: - Ministro. Indivíduo que oficia ou serve outra pessoa, como Josué em relação a Moisés (Êx 24:13; Js 1:1). Os ministros de Salomão eram aqueles servos (I Rs. 10:5), que faziam serviço na corte. Aquele “assistente”, a quem Jesus, na Sinagoga de Nazaré, passou o livro de Isaias depois de ter lido certa passagem (Lc 4:20), era um ministro que tinha por obrigação abrir e fechar o edifício, distribuir os livros para o culto, e depois colocá-los no seu lugar: geralmente ajudava o principal oficiante. O termo também é aplicado aos magistrados (Rm 13:6); aos pastores e mestres (I Co 3:5); e ao Filho do homem, que veio a este mundo, não para ser servido mas para servir (ser ministro) (Mt 20:28).

Resumo: Ministro é aquele que ministra (serve)- ordenando ou atendendo ordens; - administrando ou atendendo à administração; - enviando ou sendo enviado. 2. Ministérios mencionados na Bíblia: Velho Testamento: -Juiz (Jz 2:16) -Profeta (Hb 1:1; Os 12:10) -Sacerdote (Êx 28:1) -Rei (I Sm 16:1,2) -Músicos (I Cr 15:22) -Servidores do Santuário (Êx 29:30; I Cr 3:5) -Auxiliares de líderes (Josué, Elizeu, Jeazi) -Etc. Novo Testamento: -Apóstolos (Lc 6:13; At 2:42; Rm 1:1) -Profetas (At 13:1) -Evangelistas (At 21:8; I Tim 4:5) -Pastores (Ef 4:11) -Mestres (At 13:1; I Co 12:28) -Diáconos (At 6:1-5; I Tm 3:8; Fl 1:1) -Cooperadores (II Co 8:22; Fp 4:3) -Etc. 3. Objetivo dos ministérios neotestamentários segundo Efésios 4:11-16: - para promover o aperfeiçoamento dos santos no desempenho do ministério (cada crente é um ministro em potencial); - para promover a edificação do corpo de Cristo; - para promover o pleno conhecimento de Cristo; - para promover a perfeita maturidade; - para conduzir à medida da “estatura” de Cristo; - para proteção da Igreja contra as heresias; - para que haja crescimento espiritual equilibrado.

4. Qualitativos imprescindíveis ao ministro conforme I Timóteo 3:1-15 - irrepreensível; - marido de uma só mulher (não é exigido que seja casado); - vigilante; - sóbrio; - honesto; - hospitaleiro; - apto para ensinar; - não dado ao vinho; - não espancador; - moderado (equilibrado) - inimigo de contendas; - não ganancioso; - que governe bem a sua casa (se for casado); - que tenha os seus filhos sob disciplina, com todo o respeito; - que não seja neófito (novo convertido); - que tenha bom testemunho da sociedade; - que seja respeitável; - que seja sincero. Resumo: Vimos sobre ministérios no Velho Testamento e no Novo Testamento, entretanto, vale salientar que além dos já vistos há hoje uma infinidade de outros ministérios na Igreja surgidos de acordo com o seu crescimento e o desenvolvimento da sociedade, da ciência e da tecnologia. Podemos citar como exemplos alguns dos novos ministérios: operador de computador, controlador de som, secretária, director de seminário, motorista, etc. Afinal de contas, todo serviço prestado ao Reino de Deus é ministério.

MÓDULO – XIV TEMA: O Obreiro Cristão e as Provisões de Deus Para um Ministério Vitorioso Texto Base: II Coríntios 10:4 Introdução É importante sabermos que fazemos parte de um Reino, cujo Rei toma os devidos cuidados para que os seus súditos sejam bem vistos, sejam úteis e gozem de total segurança. Ele oferece equipamentos que nos abençoam e nos dão condições de abençoarmos as pessoas com as quais temos que lidar; e além do mais, nos capacitam a conquistar tantas vitórias quantas forem necessárias, diante do Diabo e de todos os seus demônios; de forma que podemos dizer: “Em todas as batalhas, somos mais que vencedores.” Importante! – Sabedores de que estamos envolvidos em uma Obra profundamente séria, como súditos do Rei Jesus, devemos atentar para estes importantes fatores que na verdade são vitais para nós e o nosso ministério: - Precisamos ter uma vida de testemunho (Para que sejamos acreditados) - Precisamos estar capacitados (Para que possamos ser úteis, e realizar o nosso trabalho com eficiência) - Precisamos estar protegidos (Para que o inimigo não triunfe sobre nós) Desejando o nosso triunfo, eis o que o nosso Rei coloca à nossa disposição:

1. Para uma vida de testemunho: Gálatas 5:22,23 - O amor: As pessoas conhecerão o amor de Deus através de nós. - A alegria: Demonstrando alegria, estaremos revelando a vida abundante que Cristo dá. - A paz: É através de uma vida pacífica com o nosso próximo que revelamos o que é ter paz com Deus. - A bondade: O mundo não crerá que o nosso Deus é bom se não vir bondade em nós. - A benignidade: O mundo não crerá na benignidade do nosso Deus se não receber bens de nossa parte. - A longanimidade: Se não formos pacientes com as pessoas, elas não crerão que Deus lhes dá tempo, até que cresçam e se aperfeiçoem espiritualmente. - A fidelidade: Se não formos dignos de crédito as pessoas não crerão na nossa mensagem. - A mansidão: Se formos violentos as pessoas não poderão entender o nosso Deus como um Pai que trata com doçura, brandura e carinho. - O domínio próprio: Se não formos capazes de dominar os nossos impulsos, as pessoas não crerão que é possível vencer o pecado. 2. Para nossa capacitação: I Coríntios 12:7-10 - A ciência: Sem a revelação da Palavra não poderemos transmitir as verdades de Deus. - A sabedoria: Sem a sabedoria do alto, fracassaremos, pois estaremos realizando a “Obra de Deus”, baseados no conhecimento humano. - A fé: Sem a fé de Deus não poderemos realizar as obras de Deus. - A cura: Sem a cura não poderemos anunciar o Senhor que sara, e a Igreja será atingida pelas pragas que assolam a humanidade. - Os milagres: O evangelho só de palavras não é o

Evangelho do Reino do qual somos súditos – O Evangelho que pregamos produz demonstração de poder. - A profecia: A palavra profética nos é dada para que possamos dizer: “Eu recebi do Senhor o que também vos entreguei” – Deus só tem compromisso com a palavra que ele nos manda falar. - As línguas [linguagem celestial]: Somos vasos nas mãos de Deus e, portanto, as vezes o Espírito de Deus decide orar através de nós o que não saberíamos orar com as nossas mentes. - A interpretação das línguas: Para que orando com a linguagem celestial não venhamos a ficar sem fruto. Portanto, o Espírito Santo, quando necessário, nos dá a interpretação e então somos também edificados. - O discernimento de espíritos: Para que possamos saber com quem estamos lidando. Se quem está operando é o Espírito de Deus, o espírito do homem ou espíritos malignos. 3. Para a nossa proteção: Efésios 6:13-18 - O capacete da salvação: Se estamos salvos, não tememos a perdição. - A couraça da justiça: Se andamos em justiça, somos justificados por Deus. - O cinto da verdade: Se andamos na verdade, jamais nos curvaremos diante das acusações do inimigo) - O calçar os pés na preparação do Evangelho da paz: Se vivemos o Evangelho da paz, o ministério da pacificação será uma realidade em nossas vidas. - O escudo da fé: Se confiamos na Palavra de Deus, as ameaças do inimigo não exercerão influência sobre as nossas vidas. - A espada do Espírito: Se a Palavra de Deus habita em nós, resistiremos ao nosso adversário e ele fugirá de nós. - A oração em todo tempo: Se vivemos em oração, o

suprimento divino para todas as nossas necessidades nunca nos faltará. “Porque quem pede recebe” Resumo: Como ministros de Deus, sejamos exemplo para os nossos familiares, para os nossos irmãos em Cristo e para o mundo ímpio que tanto necessita de referencial, no qual possa mirar-se e fazer diferença. - O fruto do Espírito, para um ministério de testemunho - Os dons do Espírito, para um ministério produtivo - As armaduras de Deus, para um ministério seguro

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->