Você está na página 1de 16

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAG

DISCIPLINA DE DESENHO I
PROFESSORAS DENISE SCHULER E BETINA CAMPOS

O DESENHO TÉCNICO ARQUITETÔNICO


representação da planta baixa

CASCAVEL, 2006

Os elementos do desenho arquitetônico são vistas


ortográficas formadas a partir de projeções ortogonais, ou
seja, sistemas em que as linhas projetantes são paralelas
entre si e perpendiculares ao plano projetante.

DESENHO I – O DESENHO ARQUTETÔNICO APOSTILA PARTE II

1
2
PLANTA BAIXA

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

DESENHO I – O DESENHO ARQUTETÔNICO APOSTILA PARTE II

3
VISTAS ÚNICAS

DESENHO I – O DESENHO ARQUTETÔNICO APOSTILA PARTE II

DESENHO I – O DESENHO ARQUTETÔNICO APOSTILA PARTE II

4
A PLANTA BAIXA

CONCEITUAÇÃO

A planta baixa é a representação gráfica de uma vista


ortográfica seccional do tipo corte, obtida quando imaginamos
passar por uma construção um plano projetante secante
horizontal, de altura a seccionar o máximo possível de
aberturas (média de 1,20 a 1,50m em relação ao piso do
pavimento em questão) e considerando o sentido de
visualização do observador de cima para baixo, acrescido de
informações técnicas.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

5
DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

15 885

15 412 153 290 15

25 70 63 160 130 15

J1
30

30

00
15
15

P1
180

120
150

160
15

P2 +0.50
340

+0.20 +0.35 TERRAÇO


21.20 M² SALA
560
200

BANHO
200

PISO CERÂMICO
500

5.70 M² 13.75 M²
P CER. PISO MADEIRA
380

+0.50

J2
15

60
150
180

+0.48
100
15
15

15
15

PROJ. COBERTURA J3

15 30 370 15 25 100 25 15 275 15

15 400 15 150 15 275 15

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

6
A PLANTA BAIXA
DENOMINAÇÃO E QUANTIDADE
• Qualquer construção projetada para um único piso terá a necessidade
óbvia de uma única planta baixa, que será denominada simplesmente
“Planta Baixa”.
• Em construções projetadas com vários pavimentos, será necessária
uma planta baixa para cada pavimento distinto arquitetonicamente.
• Vários pavimentos iguais terão como representação uma única planta
baixa, que neste caso será chamada de “Planta Baixa do Pavimento
Tipo”.
• Quanto aos demais pavimentos, o título da planta recebe a denominação
do respectivo piso.
• Exemplo: Planta Baixa do 1º Pavimento; Planta Baixa do Sub-solo;
Planta Baixa do Pavimento de Cobertura...

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
COMPOSIÇÃO DO DESENHO
Como em todos os desenhos técnicos, a representação gráfica não se
constituirá apenas na reprodução do objeto, mas também na
complementação através de um determinado número de informações, ou
indicadores.
Desenho dos elementos construtivos: paredes e elementos estruturais;
aberturas (portas, janelas, portões); pisos e seus componentes (degraus,
rampas, escadas); equipamentos de construção (aparelhos sanitários,
roupeiros, lareiras); aparelhos elétricos de porte (fogões, geladeiras,
máquinas de lavar) e elementos de importância não visíveis.

Representação das informações: nome das dependências; áreas úteis das


peças; níveis; posições dos planos de corte verticais; cotas das aberturas;
cotas gerais; outras informações.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

7
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

PAREDES
São representadas de acordo com suas espessuras e com simbologia relacionada ao
material que as constitui. Normalmente desenha-se a parede de 15cm, ela pode variar
conforme a intenção e necessidade arquitetônica.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

PORTAS E PORTÕES
São desenhados representando-se sempre a(s) folha(s) da esquadria, com linhas
auxiliares, se necessário, procurando especificar o movimento da(s) folha(s) e o espaço
ocupado.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

8
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

JANELAS
São representadas através de uma convenção genérica, sem dar margem a uma maior
interpretação quanto ao número de caixilhos ou funcionamento da esquadria.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

PISOS
Em nível de representação gráfica em Planta Baixa, os pisos são apenas distintos em
dois tipos: comuns ou impermeáveis – representados apenas em áreas dotadas de
equipamentos hidráulicos. Salienta-se que o tamanho do reticulado constitui uma
simbologia, não tendo a ver necessariamente com o tamanho real das lajotas ou pisos
cerâmicos.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

9
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

EQUIPAMENTOS DE CONSTRUÇÃO
Dependendo de suas alturas, podem ser seccionados ou não pelo plano que define a
planta baixa. Em uma ou outra situação, são normalmente representados pelo número
mínimo de linhas básicas para que identifiquem sua natureza.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS
ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS
Em Planta Baixa são representados
os aparelhos elétricos de porte, de
posição fixa ou semi-fixa e projetada,
pela necessidade de conhecimento
de seus posicionamentos, com vista
aos projetos complementares.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

10
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS CONSTRUTIVOS

ELEMENTOS NÃO VISÍVEIS


No desenho da Planta Baixa deve-se indicar elementos julgados de importância pelo
projetista, mas situados acima do plano de corte, ou abaixo, mas escondidos por algum
outro elemento arquitetônico. Neste caso, deve-se sempre representar o contorno do
elemento considerado, através do emprego de linhas tracejadas curtas, de espessura
fina, conforme exemplificações a seguir.

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES
NOME DAS PEÇAS
Em todo e qualquer projeto arquitetônico, independentemente da finalidade da
construção, é indispensável a colocação de denominação em todas as peças, de
acordo com suas finalidades. Esta denominação deve atender ao seguinte:
• Nomes em letras padronizadas, conforme NBR;
• Nomes sempre na horizontal;
• Utilização sempre de letras maiúsculas;
• Tamanho das letras entre 3 e 5mm;
• Letras de eixo vertical, não inclinadas;
• Colocação convencional no centro das peças.

ÁREAS DAS PEÇAS


São igualmente de indispensável indicação a colocação das áreas úteis de todas as
peças, de acordo com o seguinte:
• Colocação sempre abaixo do nome da peça;
• Letras um pouco menores do que a indicação do nome das peças;
• Algarismos de eixo vertical;
• Indicação sempre na unidade “M²”; Precisão de dm² (duas casas após a vírgula).

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

11
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES

TIPOS DE PISOS DOS AMBIENTES

São igualmente de indispensável indicação a colocação do tipo de piso de todas as


peças, de acordo com o seguinte:
• Colocação sempre abaixo da área da peça;
• Letras do mesmo tamanho que as da área da peça;
• Algarismos de eixo vertical;

SALA DE ESTAR BANHEIRO


18,30 M² 3,20 M²
PISO MADEIRA PISO CERÂMICO

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES
NÍVEIS DAS DEPENDÊNCIAS
Os níveis são cotas altimétricas dos pisos, sempre em relação a uma determinada
Referência de Nível pré-fixada pelo projetista e igual a 0 (zero). A colocação os
níveis deve atender ao seguinte:
• Colocados dos dois lados de uma diferença de nível;
• Evitar repetição de níveis próximos em planta;
• Não marcar sucessão de desníveis iguais (escada);
• Algarismos padronizados pela NBR;
• Escrita horizontal;
• Colocação do sinal + ou - antes da cota de nível;
• Indicação sempre em metros;

SIMBOLOGIA CONVENCIONAL:

00 + 0,30 - 2,10

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

12
A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES
COTAS NAS ABERTURAS

PORTAS: Todas as portas e portões devem ser cotados, identificando-se sua largura e
altura, de acordo com o seguinte:
Sempre na ordem “l x h” (largura por altura);
Algarismos padronizados;
Posicionamento ao longo das folhas ou com utilização de códigos e quadro de
esquadrias.

JANELAS: todas as janelas devem ser cotadas em Planta Baixa, identificando-se sua
largura, altura e peitoril, de acordo com o seguinte:
Sempre na ordem “l x h / p” (largura por altura sobre peitoril);
Algarismos padronizados;
Posicionamento interno ou externo à construção (apenas uma opção em um projeto),
ou com a utilização de códigos e quadro de esquadrias.

130 x 100/ 110


80 x 210

P1 J3

A PLANTA BAIXA
REPRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES

COTAS GERAIS
O desenho da Planta Baixa só será considerado completo se, além da representação
gráfica dos elementos, contiver todos os indicadores necessários, dentre os quais as
cotas (dimensões) são dos mais importantes. A cotagem deve seguir as seguintes
indicações gerais:
• As cotas devem ser preferencialmente externas;
• As linhas de cota no mesmo alinhamento devem ser completas;
• A quantidade de linhas deve ser distribuída no entorno da construção, sendo que a
primeira linha deve ficar afastada 2,5 cm do último elemento a ser cotado e as
seguintes devem afastar-se umas das outras 1,0cm;
• Todas as peças e espessuras de paredes devem ser cotadas;
• Todas as dimensões totais devem ser identificadas;
• As aberturas de vãos e esquadrias devem ser cotadas e amarradas aos elementos
construtivos;
• As linhas mais subdivididas devem ser as mais próximas do desenho;
• As linhas de cota nunca devem se cruzar;
• Identificar pelo menos três linhas de cota: subdivisão de paredes e esquadrias, cotas
das peças e paredes, e cotas totais externas.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

13
845

2,5cm 1cm 1cm 15 300


15
500 15

15 10 15 15
200 90 150 200 150

Além das informações anteriores, já discriminadas e ocorrentes em qualquer projeto,


cabe ao projetista adicionar ainda todos e quaisquer outros elementos que julgue serem
indispensáveis ao esclarecimento e que não congestionem demais a representação
gráfica.

Entre os mais freqüentes, citam-se: dimensões de degraus; sentido de subida das


escadas (setas); capacidade de reservatórios superior e inferior; indicação de projeções
de coberturas; identificação de iluminação zenital; eventual discriminação dos tipos de
pisos.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA

ROTEIRO SEQUENCIAL
DE DESENHO

1ª ETAPA (com traço bem fino,


traço de construção):

Marcar o contorno externo


do projeto;

Desenhar a espessura das


paredes externas;

Desenhar as principais
divisões internas;

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

14
A PLANTA BAIXA

ROTEIRO SEQUENCIAL
DE DESENHO

2ª ETAPA (com traços médios):

Desenhar as aberturas – portas


e janelas;

Desenhar as louças e pia da cozinha


– “áreas molhadas”;

Desenhar a projeção da cobertura


em linha fina contínua;

Apagar o excesso dos traços.

DESENHO I – A PLANTA BAIXA APOSTILA PARTE II

A PLANTA BAIXA
ROTEIRO SEQUENCIAL
DE DESENHO +0,20
100x60/160

+0,38

3ª ETAPA (com traços médios


80x210
SERVIÇO
1,95 M²

e fortes):
100x60/160 +0,40

BANHO

• Desenhar as linhas tracejadas


4,60 M²
COZINHA
CIRCULAÇÃO
150x100/110

6,35 M²
1,95 M²
+0,40 80x210

– projeção da cobertura,
reservatórios, outras;
80x210

• Denominar os ambientes;
150x100/110
80x160/30

• Indicar a área de cada ambiente DORMITÓRIO


11,40 M²

e a especificação do tipo de piso;


• Cotar aberturas – portas, janelas, SALA

portões;
13,50 M²

+0,40

• Colocar a indicação de nível;


• Cotar o projeto;
projeção cobertura

VARANDA

• Desenhar piso nas “áreas molhadas”; 5,50 M² +0,20


90x220

• Indicar a posição dos cortes; 200x150/90 00

a entrada principal; o norte;


• Acentuar a espessura dos traços
a parede; N
• Denominar o tipo de desenho
bem como colocar a escala PLANTA BAIXA
ESCALA 1/50

15
EXERCÍCIO:
200X100/110

Representar a planta 410


VARANDA 265

baixa a seguir, A= M²

100

400
200X100/90

conforme 395

80X210
300
informações do COZINHA

enunciado fornecido ESTAR


A= M²
A= M²

pelas professoras
80X210 80X210

280 80X210
CIRC. 265

80x60/150
DESENVOLVER EM

120
A= M²

420
BANH.

SALA DE AULA 100


70X210 A= M²

265

80X210

285
200X100/90

DORM. 1
A= M²

DATA DE DORM. 2
A= M²

ENTREGA:
24/03/2008 às 19:00h
200X100/90

PROJEÇÃO COBERTURA

Representar a PLANTA BAIXA a partir das informações a seguir,


completando-a com todas as informações (gráficas e escritas) que este
tipo de desenho deve ter para ser completo:
•Escala 1:50
•Espessura das paredes 15 cm
•Beirais com 80 cm em todas as laterais da casa
•Completar áreas dos compartimentos
•Completar tipos de piso: banheiro, cozinha e varanda – cerâmico; demais
peças – madeira
•Colocar níveis, considerando que o exterior seja o nível de referência (00); o
interior esteja 18 cm acima do nível externo; o box do banheiro possui rebaixo
de 3 cm.
OBS: colocar indicação de níveis apenas onde há diferenças, e não em todos
os compartimentos.
•Considerar bonecas de portas sempre 10cm
•Janelas centralizadas nos vãos
•Fazer quadro de esquadrias com as informações constantes na planta

16