Você está na página 1de 22

namimatsu.com

Página 1 de 22

namimatsu.com Página 1 de 22 HIDROSTÁTICA: Massa específica e densidade A massa específica ( ) de

HIDROSTÁTICA: Massa específica e densidade

A

massa específica ( ) de uma substância é a razão entre a massa (m) de uma quantidade da substância

e

o volume (V) correspondente:

da substância e o volume (V) correspondente: Uma unidade muito usual para a massa específica é

Uma unidade muito usual para a massa específica é o g/cm 3 , mas no SI a unidade é o kg/m 3 . A relação entre elas é a seguinte:

é o kg/m 3 . A relação entre elas é a seguinte: Assim, para transformar uma

Assim, para transformar uma massa específica de g/cm 3 para kg/m 3 , devemos multiplicá-la por 1.000 . Na tabela a seguir estão relacionadas as massas específicas de algumas substâncias.

Substância

Substância
Substância

Água

1,0

1.000

Gelo

0,92

920

Álcool

0,79

790

Ferro

7,8

7.800

Chumbo

11,2

11.200

Mercúrio

13,6

13.600

Observação

É comum encontrarmos o termo densidade (d) em lugar de massa específica ( ). Usa-se "densidade" para

representar a razão entre a massa e o volume de objetos sólidos (ocos ou maciços), e "massa específica"para líquidos e substâncias.

Exemplo

específica"para líquidos e substâncias. Exemplo São misturados volumes iguais de dois líquidos com massas
específica"para líquidos e substâncias. Exemplo São misturados volumes iguais de dois líquidos com massas

São misturados volumes iguais de dois líquidos com massas específicas de 0,50 e 0,90 . Determine a massa específica da mistura.

Resolução

Sendo os volumes iguais, temos V 1 = V 2 = V . Portanto, o volume da mistura é 2V. Por outro lado, podemos

dizer que a massa da mistura é igual à soma das massas dos dois líquidos. Da relação

é igual à soma das massas dos dois líquidos. Da relação , temos http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

, temos

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 2 de 22

:
:
namimatsu.com Página 2 de 22 : Exercícios: 1. Determine a massa de um bloco de chumbo
namimatsu.com Página 2 de 22 : Exercícios: 1. Determine a massa de um bloco de chumbo

Exercícios:

1. Determine a massa de um bloco de chumbo que tem arestas de 10 cm.

2. A caixa mostrada na figura é oca e suas paredes apresentam 2 cm de espessura.

figura é oca e suas paredes apresentam 2 cm de espessura. Sabendo-se que ela possui 2,0

Sabendo-se que ela possui 2,0 kg de massa, determine:

a)

densidade da caixa;

b)

a massa específica da substância usada na confecção da caixa.

3.

Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo de 10 cm e raio interno de 9,0 cm. Sabendo

Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo de 10 cm e raio

que o volume de uma esfera é dado por

 

, determine:

a) a densidade da esfera;

b) a massa específica do material de que é feita a esfera.

(Use

massa específica do material de que é feita a esfera. (Use ). 4. Misturam-se massas iguais

).

4. Misturam-se massas iguais de dois líquidos de massas específicas 0,40

a massa específica da mistura.

HIDROSTÁTICA: Pressão

0,40 a massa específica da mistura. HIDROSTÁTICA: Pressão e 1,0 . Determine Consideremos uma força aplicada

e 1,0

massa específica da mistura. HIDROSTÁTICA: Pressão e 1,0 . Determine Consideremos uma força aplicada

. Determine

da mistura. HIDROSTÁTICA: Pressão e 1,0 . Determine Consideremos uma força aplicada perpendicularmente a uma

Consideremos uma força aplicada perpendicularmente a uma superfície com área A. Definimos a pressão (p) aplicada pela força sobre a área pela seguinte relação:

aplicada pela força sobre a área pela seguinte relação: No SI , a unidade de pressão

No SI , a unidade de pressão é o pascal (Pa) que corresponde a N/m 2 . A seguir apresenta outras unidades de pressão e suas relações com a unidade do SI :

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 3 de 22

1

dyn/cm 2 (bária) = 0,1 Pa

1

kgf/cm 2 = 1 Pa

1

atm = 1,1013x10 5 Pa

1

lb/pol 2 = 6,9x10 3 Pa

O

conceito de pressão nos permite entender muitos dos fenômenos físicos que nos rodeiam. Por exemplo,

para cortar um pedaço de pão, utilizamos o lado afiado da faca (menor área), pois, para uma mesma força,

quanto menor a área, maior a pressão produzida.

força, quanto menor a área, maior a pressão produzida. Exemplo Compare a pressão exercida, sobre o

Exemplo

Compare a pressão exercida, sobre o solo, por uma pessoa com massa de 80 kg, apoiada na ponta de um único pé, com a pressão produzida por um elefante, de 2.000 kg de massa, apoiado nas quatro patas. Considere de 10 cm 2 a área de contato da ponta do pé da pessoa, e de 400 cm 2 a área de contato de cada pata do elefante. Considere também g = 10 m/s 2 .

Resolução

A pressão exercida pela pessoa no solo é dada pelo seu peso, dividido pela área da ponta do pé:

é dada pelo seu peso, dividido pela área da ponta do pé: A pressão exercida pelo

A pressão exercida pelo elefante é dada por:

ponta do pé: A pressão exercida pelo elefante é dada por: Comparando as duas pressões, temos

Comparando as duas pressões, temos que a pressão exercida pela pessoa é 6,4 vezes a pressão exercida pelo elefante.

Exercícios

1. Aplica-se uma força de intensidade 10 N perpendicularmente sobre uma superfície quadrada de área 0,5 m 2 . Qual devera ser a pressão exercida sobre a superfície?

(A)

(B)

5 N.m 2

5 N/m 2

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 4 de 22

(C)

20 N/m 2

(D)

10 N/m 2

(E)

n.d.a.

2. Um tijolo de peso 32 N tem dimensões 16cm x 8,0 cm x 4,0cm. Quando apoiado em sua face de menor

área, a pressão que ele exerce na superfície de 16 cm apoio é, em N/cm 2 :

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

4,0

2,5

2,0

1,0

0,50

3. Uma caixa de 500 N tem faces retangulares e suas arestas medem 1,0 m, 2,0 m e 3,0 m. Qual a pressão

que a caixa exerce quando apoiada com sua face menor sobre uma superfície horizontal?

(A)

100 N/m 2 .

(B)

125 N/m 2 .

(C)

167 N/m 2 .

(D)

250 N/m 2 .

(E)

500 N/m 2 .

4. O salto de um sapato masculino em área de 64 cm 2 . Supondo-se que a pessoa que o calce tenha peso

igual a 512 N e que esse peso esteja distribuído apenas no salto, então a pressão média exercida no piso

vale:

(A)

120 kN/m 2

(B)

80 kN/m 2

(C)

60 kN/m 2

(D)

40 kN/m 2

(E)

20 kN/m 2

5. Uma pessoa com peso de 600 N e que calça um par de sapatos que cobrem uma área de 0,05 m 2 não

consegue atravessar uma região nevada sem se afundar, porque essa região não suporta uma pressão

superior a 10.000 N/m 2 . Responda:

a) Qual a pressão exercida por essa pessoa sobre a neve?

b) Qual deve ser a área mínima de cada pé de um esqui que essa pessoa deveria usar para não afundar?

6. A caixa da figura abaixo tem peso 400 N e dimensões a = 10 cm, b = 20 cm e c = 5 cm e apoia-se em

uma superfície plana horizontal. Qual a pressão, em N/cm 2 , que a caixa exerce no apoio, através se sua base, em cada uma das situações propostas ?

I)

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 5 de 22

namimatsu.com Página 5 de 22 II) III) HIDROSTÁTICA: Pressão Atmosférica e a Experiência de Torricelli A

II)

namimatsu.com Página 5 de 22 II) III) HIDROSTÁTICA: Pressão Atmosférica e a Experiência de Torricelli A

III)

namimatsu.com Página 5 de 22 II) III) HIDROSTÁTICA: Pressão Atmosférica e a Experiência de Torricelli A

HIDROSTÁTICA: Pressão Atmosférica e a Experiência de Torricelli

A atmosfera terrestre é composta por vários gases, que exercem uma pressão sobre a superficie da Terra. Essa pressão, denominada pressão atmosférica, depende da altitude do local, pois à medida que nos afastamos da superfície do planeta, o ar se torna cada vez mais rarefeito, e, portanto, exercendo uma pressão cada vez menor.

O físico italiano Evangelista Torricelli (1608-1647) realizou uma experiência para determinar a pressão atmosférica ao nível do mar. Ele usou um tubo de aproximadamente 1,0 m de comprimento, cheio de mercúrio (Hg) e com a extremidade tampada. Depois, colocou o tubo , em pé e com a boca tampada para baixo, dentro de um recipiente que também continha mercúrio. Torricelli observou que, após destampar o tubo, o nível do mercúrio desceu e estabilizou-se na posição correspondente a 76 cm, restando o vácuo na parte vazia do tubo.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 6 de 22

namimatsu.com Página 6 de 22 Barômetro de mercurio. Experimento realizado por Torricelli em 1643. Evangelista

Barômetro de mercurio.

Experimento realizado por Torricelli

em 1643.

de mercurio. Experimento realizado por Torricelli em 1643. Evangelista Torricelli (1608-1647) Físico e matemático

Evangelista Torricelli (1608-1647)

Físico e matemático italiano que

foi discípulo de Galileu.

Na figura, as pressões nos pontos A e B são iguais (pontos na mesma horizontal e no mesmo líquido). A pressão no ponto A corresponde à pressão da coluna de mercúrio dentro do tubo, e a pressão no ponto B corresponde à pressão atmosférica ao nível do mar:

p B = p A p ATM = p coluna(Hg)

Como a coluna de mercúrio que equlibra a pressã atmosférica é de 76 cm, dizemos que a pressão atmosférica ao nível do mar equivale à pressão de uma coluna de mercúrio de 76 cm. Lembrando que a pressão de uma coluna de líquido é dada por dgh (g = 9,8 m/s 2 ), temos no SI :

p ATM 76cmHg = 760mmHg = 1,01x10 5 Pa

A maior pressão atmosférica é obtida ao nível do mar (altitude nula). Para qualquer outro ponto acima do nível do mar, a pressão atmosférica é menor. A tabela a seguir apresenta a variação da pressão atmosférica de acordo com a altitude.

Altitude (m) Pressão Altitude (m) Pressão (mmHg) atmosférica (mmHg) 0 760 1200 658 200 742
Altitude (m)
Pressão
Altitude (m)
Pressão (mmHg)
atmosférica
(mmHg)
0
760
1200
658
200
742
1400
642
400
724
1600
627
600
707
1800
612
800
690
2000
598
1000
674
3000
527

Os manômetros (medidores de pressão) utilizam a pressão atmosférica como referência, medindo a diferença entre a pressão do sistema e a pressão atmosférica. Tais pressões chamam-se pressões manométricas. A pressão manométrica de um sistema pode ser positiva ou negativa, dependendo de estar acima ou abaixo da pressão atmosférica. Quando o manômetro mede uma pressão manométrica negativa, ele é cjamado de manômetro de vácuo.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 7 de 22

namimatsu.com Página 7 de 22 Manômetro utilizado em postos de gasolina (os médicos usam um sistema

Manômetro utilizado em postos de gasolina (os médicos usam um sistema semelhante) para calibração de pneus. A unidade de medida psi (libra por polega ao quadrado) corresponde a, aproximadamente, 0,07 atm. Assim, a pressão lida no mostrador , 26 psi, é igual a aproximadamente, 1,8 atm.

A figura representa um manômetro de tubo aberto. Pela diferença de níveis do líquido nos dois ramos do tubo em U, mede-se a pressão manométrica do sistema contido no reservatório. Escolhendo os dois pontos A e B mostrados na figura, temos:

p A = p B

p SISTEMA = p ATM + p LÍQUIDO

p SISTEMA = p ATM = dgh

p MANOMÉTRICA = dgh

Exercícios:

= d g h p MANOMÉTRICA = d g h Exercícios : 1. A figura representa

1. A figura representa um balão contendo gás, conectado a um tubo aberto com mercúrio. Se a pressão

atmosférica local é a normal (76 cmHg), determine a pressão do gás, em cmHg.

a normal (76 cmHg), determine a pressão do gás, em cmHg. 2. Com base na figura,

2. Com base na figura, que representa um manômetro de tubo aberto, responda:

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 8 de 22

namimatsu.com Página 8 de 22 a) a quantos centímetros de Hg corresponde a pressão manométrica do

a) a quantos centímetros de Hg corresponde a pressão manométrica do gás ?

b) qual é a pressão manométrica do gás, em kPa ?

(Considere d Hg = 13,6 g/cm 3 )

HIDROSTÁTICA: Pressão em um Líquido - Stevin

Constatação experimental da pressão no seio de um líquido

Varias experiências evidenciam a pressão suportada por ume superfície mergulhada no seio de um líquido em equilíbrio Dentre elas citaremos apenas e experiência realizada com a cápsula manométrica . A cápsula manométrica consta essencialmente de uma caixa dotada de uma membrana elástica . A caixa é ligada a um tubo em forma de U por meio de um condutor flexível.

a um tubo em forma de U por meio de um condutor flexível. Nos ramos do

Nos ramos do tubo em U colocamos um líquido colorido. Pelo desnível do liquido nos ramos do tubo analisamos a pressão exercida sobre a membrana elástica da capsula.

Inicialmente o líquido alcança o mesmo nível em ambos os ramos do tubo como se vê na figura. Isto se dá porque a pressão exercida na superfície livre do liquido contido no ramo esquerdo é a mesma pressão exercida sobre a superfície da membrana; esta pressão é a pressão atmosférica.

Se você introduzir e cápsula no seio de um líquido em equilíbrio contido num recipiente, notará que se estabelece um desnível nos ramos do tubo em U, fato que comprova a existência de uma força imposta pelo líquido na superfície de membrana, ou seja, comprova a existência de pressão que o líquido exerce sobre a membrana da cápsula A força exercida pelo líquido é perpendicular à superfície da membrana, pois caso contrário a componente tangencial dessa força arrastaria a cápsula, o que não ocorre na prática.

À medida que você aprofunda a cápsula no líquido o desnível no tubo em U aumenta, mostrando que a pressão exercida pelo líquido cresce com a profundidade. Num mesmo ponto, no seio do líquido, você pode girar a capsula à vontade sem acarretar alteração no desnível nos ramos do tubo em U, significando este fato que a pressão independe da orientação da superfície da membrana elástica da cápsula.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 9 de 22

A pressão exercida pelo líquido na membrana da cápsula a dita pressão hidrostática. Se à pressão hidrostática adicionarmos a pressão exercida pela atmosfera sobreposta ao líquido teremos a chamada pressão absoluta .

Do que ficou dito até o momento, você conclui que no seio de um líquido a uma dada profundidade a pressão é igual em todos os pontos. Em outras palavras se considerarmos um plano paralelo à superfície do líquido a pressão será a mesma em todos os pontos deste plano. Dados agora dois pontos A e B, localizados em diferentes profundidades, no seio do líquido, qual será a diferença de pressão de um ponto para outro? A resposta a essa pergunta á dada peio Principio de Stevin que passamos a enunciar.

Principio fundamental da Hidrostática ( Princípio de Stevin)

"A diferença entre as pressões em dois pontos considerados no seio de um líquido em equilíbrio (pressão no ponto mais profundo e a pressão no ponto menos profundo) vale o produto da massa especifica do líquido pelo módulo da aceleração da gravidade do local onde é feita a observação, pela diferença entre as profundidades consideradas."

pela diferença entre as profundidades consideradas." Simbolicamente: A partir do Teorema de Stevin podemos

Simbolicamente:

entre as profundidades consideradas." Simbolicamente: A partir do Teorema de Stevin podemos concluir : A pressão

A partir do Teorema de Stevin podemos concluir :

A pressão aumenta com a profundidade. Para pontos situados na superfície livre, a pressão correspondente é igual à exercida pelo gás ou ar sobre ela. Se a superfície livre estiver ao ar atmosférico, a pressão correspondente será a pressão atmosférica, p atm .

Na figura abaixo tem-se o gráfico da pressão p em função da profundidade h.

o gráfico da pressão p em função da profundidade h. Pontos situados em um mesmo líquido

Pontos situados em um mesmo líquido e em uma mesma horizontal ficam submetidos à mesma pressão.

A superfície livre dos líquidos em equilíbrio é horizontal.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 10 de 22

Exemplo:

Na figura abaixo temos um mergulhador estacionado a 10 m de profundidade. No mesmo nível em que se encontra existe uma gruta que encerra ar. Calcule a pressão a que se acham submetidos o mergulhador e o ar da gruta. Considere:

d água = 1.000 kg/m 3

Exercícios

g = 10 m/s 2

p atm = 10 5 N/m 2 .

1. Um tambor lacrado é mantido sob a superfície do mar, conforme a figura. Pode-se afirmar que a pressão

da água na superfície externa é:

afirmar que a pressão da água na superfície externa é: (A) maior na base superior. (B)

(A)

maior na base superior.

(B)

maior na base inferior.

(C)

maior na superfície lateral.

(D)

a mesma nas bases inferiores e superior.

(E)

a mesma em qualquer parte do cilíndro.

2. A pressão hidrostática é a força por unidade de área exercida por um líquido. No fundo de um recipiente

contendo líquido, essa pressão depende:

(A)

do formato do recipiente.

(B)

somente da área do fundo do recipiente.

(C)

da altura da coluna e do peso específico do líquido.

(D)

da área do fundo e da altura da coluna líquida.

(E)

somente da densidade do líquido.

3.

A figura abaixo representa uma talha contendo água. A pressão da água exercida sobre a torneira,

fechada, depende:

(A)

do volume de água contido no recipiente.

(B)

da massa de água contida no recipiente.

(C)

do diâmetro do orifício em que está ligada a torneira.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 11 de 22

(D)

da altura da superfície em relação ao fundo do recipiente.

(E)

da altura da superfície da água em relação à torneira.

4.

Um recipiente cilíndrico aberto contém um líquido de densidade d . A pressão P no interior do líquido

pode ser representada em função da profundidade h. Essa pressão está representada no gráfico.

(A)

h. Essa pressão está representada no gráfico. (A) (B) (C) (D) (E) 5. Um reservatório cilíndrico

(B)

h. Essa pressão está representada no gráfico. (A) (B) (C) (D) (E) 5. Um reservatório cilíndrico

(C)

h. Essa pressão está representada no gráfico. (A) (B) (C) (D) (E) 5. Um reservatório cilíndrico

(D)

pressão está representada no gráfico. (A) (B) (C) (D) (E) 5. Um reservatório cilíndrico está cheio

(E)

pressão está representada no gráfico. (A) (B) (C) (D) (E) 5. Um reservatório cilíndrico está cheio

5. Um reservatório cilíndrico está cheio de um líquido homogêneo. Considere zero a ordenada de qualquer

ponto da base do cilindro e d s a ordenada da superfície livre do líquido. Dos gráficos abaixo, o que melhor

representa a relação entre p e d, sendo p a pressão num ponto de ordenada d, é:

(A)

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 12 de 22

namimatsu.com Página 12 de 22 (B) (C) (D) HIDROSTÁTICA: Princípio de Arquimedes (EMPUXO) Contam os livros,

(B)

namimatsu.com Página 12 de 22 (B) (C) (D) HIDROSTÁTICA: Princípio de Arquimedes (EMPUXO) Contam os livros,

(C)

namimatsu.com Página 12 de 22 (B) (C) (D) HIDROSTÁTICA: Princípio de Arquimedes (EMPUXO) Contam os livros,

(D)

namimatsu.com Página 12 de 22 (B) (C) (D) HIDROSTÁTICA: Princípio de Arquimedes (EMPUXO) Contam os livros,

HIDROSTÁTICA: Princípio de Arquimedes (EMPUXO)

Contam os livros, que o sábio grego Arquimedes (282-212 AC) descobriu, enquanto tomava banho, que um corpo imerso na água se torna mais leve devido a uma força, exercida pelo líquido sobre o corpo, vertical e

para cima, que alivia o peso do corpo. Essa força, do líquido sobre o corpo, é denominada empuxo (

força, do líquido sobre o corpo, é denominada empuxo ( ). Portanto, num corpo que se

).

do líquido sobre o corpo, é denominada empuxo ( ). Portanto, num corpo que se encontra

Portanto, num corpo que se encontra imerso em um líquido, agem duas forças: a força peso ( ) , devida à

interação com o campo gravitacinal terrestre, e a força de empuxo ( líquido.

) , devida à sua interação com o

a força de empuxo ( líquido. ) , devida à sua interação com o http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm 28/7/2008

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 13 de 22

namimatsu.com Página 13 de 22 Arquimedes (282-212 AC).Inventor e matemático grego. Quando um corpo está totalmente
namimatsu.com Página 13 de 22 Arquimedes (282-212 AC).Inventor e matemático grego. Quando um corpo está totalmente

Arquimedes (282-212 AC).Inventor e matemático grego.

Quando um corpo está totalmente imerso em um líquido, podemos ter as seguintes condições:

* se ele permanece parado no ponto onde foi colocado, a intensidade da força de empuxo é igual à intensidade da força peso (E = P);

* se ele afundar, a intensidade da força de empuxo é menor do que a intensidade da força peso (E < P); e

* se ele for levado para a superfície, a intensidade da força de empuxo é maior do que a intensidade da força peso (E > P) .

Para saber qual das três situações irá ocorrer, devemos enunciar o princípio de Arquimedes:

Todo corpo mergulhado num fluido (líquido ou gás) sofre, por parte do fluido, uma força vertical para cima, cuja intensidade é igual ao peso do fluido deslocado pelo corpo.

Seja V f o volume de fluido deslocado pelo corpo. Então a massa do fluido deslocado é dada por:

m f = d f V f

A intensidade do empuxo é igual à do peso dessa massa deslocada:

E = m f g = d f V f g

Para corpos totalmente imersos, o volume de fluido deslocado é igual ao próprio volume do corpo. Neste caso, a intensidade do peso do corpo e do empuxo são dadas por:

P = d c V c g e E = d f V c g

Comparando-se as duas expressões observamos que:

* se d c > d f , o corpo desce em movimento acelerado (F R = P – E);

* se d c < d f , o corpo sobe em movimento acelerado (F R = E – P);

* se d c = d f , o corpo encontra-se em equilíbrio.

Quando um corpo mais denso que um líquido é totalmente imerso nesse líquido, observamos que o valor do seu peso, dentro desse líquido , é aparentemente menor do que no ar. A diferença entre o valor do peso real e do peso aparente corresponde ao empuxo exercido pelo líquido:

P aparente = P real - E

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 14 de 22

Exemplo:

Um objeto com massa de 10 kg e volume de 0,002 m 3 é colocado totalmente dentro da água (d = 1 kg/L).

m 3 é colocado totalmente dentro da água (d = 1 kg/L). a) Qual é o

a) Qual é o valor do peso do objeto ?

b) Qual é a intensidade da força de empuxo que a água exerce no objeto ?

c) Qual o valor do peso aparente do objeto ?

d) Desprezando o atrito com a água, determine a aceleração do objeto.

(Use g = 10 m/s 2 .)

Resolução:

a) P = mg = 10.10 = 100N

b) E = d água V objeto g = 1.000 x 0,002 x 10 E = 20N

c) P aparente = P – E = 100 – 20 = 80N

d) F R = P – E a=8,0 m/s 2 (afundará, pois P > E)

Flutuação

Para um corpo flutuando em um líquido, temos as condições a seguir.

1)

2)

3)

4)

Ele encontra-se em equilíbrio:

E = P

O volume de líquido que ele desloca é menor do que o seu volume:

V deslocado < V corpo

Sua densidade é menor do que a densidade do líquido:

d corpo < d líquido

O valor do peso aparente do corpo é nulo:

P aparente = P E = O

A relação entre os volumes imerso e total do corpo é dada por:

E = P d liquido V imerso g = d corpo V corpo g

d liquido V imerso g = d corpo V corpo g http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm 28/7/2008

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 15 de 22

Exemplo:

Um bloco de madeira (d c = 0,65 g/cm 3 ), com 20 cm de aresta, flutua na água (d agua = 1,0 g/c 3 ) . Determine

a altura do cubo que permanece dentro da água.

Resolução:

a altura do cubo que permanece dentro da água. Resolução: Como o bloco está flutuando, temos

Como o bloco está flutuando, temos que E = P e , sendo V = A base h , escrevemos:

que E = P e , sendo V = A b a s e h ,

que E = P e , sendo V = A b a s e h ,

Como h corpo = 20 cm, então h imerso = 13 cm.

Exercícios:

1. Um corpo está flutuando em um líquido. Nesse caso

(A)

o empuxo é menor que o peso.

(B)

o empuxo é maior que o peso.

(C)

o empuxo é igual ao peso.

(D)

a densidade do corpo é maior que a do líquido.

(E)

a densidade do corpo é igual a do líquido

2.

Uma pedra, cuja a massa específica é de 3,2 g / cm 3 , ao ser inteiramente submersa em determinado

líquido, sofre um perda aparente de peso, igual à metade do peso que ela apresenta fora do líquido. A

massa específica desse líquido é, em g / cm 3 ,

(A)

4,8

(B)

3,2

(C)

2,0

(D)

1,6

(E)

1,2

3.

Um ovo colocado num recipiente com água vai até o fundo, onde fica apoiado, conforme a figura .

Adicionando-se sal em várias concentrações, ele assume as posições indicadas nas outras figuras B, C, D

e E .

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 16 de 22

namimatsu.com Página 16 de 22 A situação que indica um empuxo menor do que o peso

A situação que indica um empuxo menor do que o peso do ovo é a da figura

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

A

B

C

D

E

4. Uma esfera maciça e homogênea, de massa específica igual a 2,4 g/cm 3 , flutua mantendo 20% do seu

volume acima da superfície livre de um líquido. A massa específica desse líquido, em g/cm 3 , é igual a

(A)

(B)

(C)

(D)

1,9

2,0

2,5

3,0

(E) 12,0

5. interior de um recipiente encontra-se um corpo em equilíbrio mergulhado num líquido de densidade 0,8

g/cm 3 , conforme a figura. Se este mesmo corpo for colocado em outro recipiente, contendo água ( densidade igual a 1g/cm 3 ) podemos afirmar que

água ( densidade igual a 1g/cm 3 ) podemos afirmar que (A) o corpo irá afundar

(A) o corpo irá afundar e exercer força no fundo do recipiente.

(B) o corpo continuará em equilíbrio, totalmente submerso.

(C) o corpo não flutuará.

(D) o corpo flutuará com mais da metade do volume submerso.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 17 de 22

(E) o corpo flutuará com menos da metade do volume submerso.

HIDROSTÁTICA: Princípio de Pascal

O princípio físico que se aplica, por exemplo, aos elevadores hidráulicos dos postos de gasolina e ao sistema de freios e amortecedores, deve-se ao físico e matemático francês Blaise Pascal (1623-1662). Seu enunciado é:

O acréscimo de pressão produzido num líquido em equilíbrio transmite-se integralmente a todos os pontos do líquido.

transmite-se integralmente a todos os pontos do líquido. Blaise Pascal (1623-1662), físico, matemático, filósofo

Blaise Pascal (1623-1662), físico, matemático, filósofo religioso e homem de letras nascido na França.

Consideremos um líquido em equilíbrio colocado em um recipiente. Vamos supor que as pressões hidrostáticas nos pontos A e B (veja a figura) sejam, respectivamente, 0,2 e 0,5 atm.

A e B (veja a figura) sejam, respectivamente, 0,2 e 0,5 atm. Se através de um

Se através de um êmbolo comprimirmos o líquido, produzindo uma pressão de 0,1 atm, todos os pontos do líquido , sofrerão o mesmo acréscimo de pressão. Portanto os pontos A e B apresentarão pressões de 0,3 atm e 0,6 atm, respectivamente.

As prensas hidráulicas em geral, sistemas multiplicadores de força, são construídos com base no Princípio de Pascal. Uma aplicação importante é encontrada nos freios hidráulicos usados em automóveis, caminhões, etc. Quando se exerce uma força no pedal, produz-se uma pressão que é transmitida integralmente para as rodas através de um líquido, no caso, o óleo.

A figura seguinte esquematiza uma das aplicações práticas da prensa hidráulica: o elevador de automóveis usado nos postos de gasolina.

o elevador de automóveis usado nos postos de gasolina. http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm 28/7/2008

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 18 de 22

namimatsu.com Página 18 de 22 O ar comprimido, empurrando o óleo no tubo estreito, produz um

O ar comprimido, empurrando o óleo no tubo estreito, produz um acréscimo de pressão ( p), que pelo princípio de Pascal, se transmite integralmente para o tubo largo, onde se encontra o automóvel.

Sendo

p 1 =

p 2 e lembrando que

p = F/A , escrevemos:

p 1 = p 2 e lembrando que p = F/A , escrevemos: Como A 2

Como A 2 > A 1 , temos F 2 > F 1 , ou seja, a intensidade da força é diretamente proporcional à área do tubo. A prensa hidráulica é uma máquina que multiplica a força aplicada.

Por outro lado, admitindo-se que não existam perdas na máquina, o trabalho motor realizado pela força do ar comprimido é igual ao trabalho resistente realizado pelo peso do automóvel. Desse modo, os deslocamentos – o do automóvel e o do nível do óleo – são inversamente proporcionais às áreas dos tubos:

1 = 2 F 1 d 1 = F 2 d 2

Mas na prensa hidráulica ocorre o seguinte:

= F 2 d 2 Mas na prensa hidráulica ocorre o seguinte: Comparando-se com a expressão

Comparando-se com a expressão anterior, obtemos:

seguinte: Comparando-se com a expressão anterior, obtemos: Exemplo : Na prensa hidráulica na figura , os

Exemplo:

Na prensa hidráulica na figura , os diâmetros dos tubos 1 e 2 são , respectivamente, 4 cm e 20 cm. Sendo o peso do carro igual a 10 kN, determine:

4 cm e 20 cm. Sendo o peso do carro igual a 10 kN, determine: http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 19 de 22

a) a força que deve ser aplicada no tubo 1 para equlibrar o carro;

b) o deslocamento do nível de óleo no tubo 1, quando o carro sobe 20 cm.

Resolução:

a) A área do tubo é dada por A = R 2 , sendo R o raio do tubo. Como o raio é igual a metade do diâmetro,

temos R 1 = 2 cm e R 2 = 10 cm .

Como R 2 = 5R 1 , a área A 2 é 25 vezes a área A 1 , pois a área é proporcional ao quadrado do raio. Portanto A 2 = 25 A 1 .

Aplicando a equação da prensa, obtemos:

= 25 A 1 . Aplicando a equação da prensa, obtemos: F 1 = 400N b)

= 25 A 1 . Aplicando a equação da prensa, obtemos: F 1 = 400N b)

F 1 = 400N

b) Para obter o deslocamento d 1 aplicamos:

Exercícios:

b) Para obter o deslocamento d 1 aplicamos: Exercícios: d 1 = 500 cm (5,0 m)

b) Para obter o deslocamento d 1 aplicamos: Exercícios: d 1 = 500 cm (5,0 m)

d 1 = 500 cm (5,0 m)

1. Deseja-se construir uma prensa hidráulica que permita exercer no êmbolo maior uma força de 5,0 x 10 3

N, quando se aplica uma força de 5,0 x 10 N no êmbolo menor, cuja área é de 2,0 x 10 cm 2 . Nesse caso a área do êmbolo maior deverá ser de

(A)

2,0 x 10 cm 2

(B)

2,0 x 10 2 cm 2

(C)

2,0 x 10 3 cm 2

(D)

2,0 x 10 4 cm 2

(E)

2,0 x 10 5 cm 2

2. Numa prensa hidráulica, o êmbolo menor tem área de 10cm 2 enquanto o êmbolo maior tem sua área de

100 cm 2 . Quando uma força de 5N é aplicada no êmbolo menor , o êmbolo maior move-se. Pode-se concluir que

(A)

a força exercida no êmbolo maior é de 500 N.

(B)

o êmbolo maior desloca-se mais que o êmbolo menor.

(C)

os dois êmbolos realizam o mesmo trabalho.

(D)

o êmbolo maior realiza um trabalho maior que o êmbolo menor.

(E)

O êmbolo menor realiza um trabalho maior que o êmbolo maior

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 20 de 22

3. Na figura, os êmbolos A e B possuem áreas de 80 cm 2 e 20 cm 2 , respectivamente. Despreze os peos

dos êmbolos e considere o sistema em equilíbrio. Sendo a massa do corpo colocado em A igual a 100 kg, determine:

a massa do corpo colocado em A igual a 100 kg, determine: a) a massa do

a) a massa do corpo colocado em B;

b) qual será o deslocamento do corpo em A se deslocarmos o corpo em B 20 cm para baixo.

4. As áreas dos pistões do dispositivo hidráulico da figura mantêm a relação 50:2. Verifica-se que um peso

P, colocado sobre o pistão maior é equilibrado por uma força de 30 N no pistão menor, sem que o nível de

fluido nas duas colunas se altere. De acordo com o princípio de Pascal, o peso P vale:

altere. De acordo com o princípio de Pascal, o peso P vale: (A) (B) (C) (D)

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

20 N

30N

60 N

500 N

750 N

HIDROSTÁTICA: Vasos Comunicantes

Quando dois líqudos que não se misturam (imiscíveis) são colocados num mesmo recipiente, eles se dispõem de modo que o líquido de maior densidade ocupe a parte de baixo e o de menor densidade a parte de cima (Figura 1) . A superfície de separação entre eles é horizontal.

1) . A superfície de separação entre eles é horizontal. Por exemplo, se o óleo e

Por exemplo, se o óleo e a água forem colocados com cuidado num recxipente, o óleo fica na parte superior porque é menos denso que a água, que permanece na parte inferior.

Caso os líquidos imiscíveis sejam colocados num sistema constituídos por vasos comunicantes, como um tubo em U (Figura 2), eles se dispõem de modo que as alturas das colunas líquidas, medidas a partir da superfície de separação, sejam proporcionais às respectivas densidades.

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 21 de 22

namimatsu.com Página 21 de 22 Na Figura 2, sendo d 1 a densidade do líquido menos

Na Figura 2, sendo d 1 a densidade do líquido menos denso, d 2 a densidade do líquido mais denso, h 1 e h 2 as respectivas alturas das colunas, obtemos:

Exemplo:

d 1 h 1 = d 2 h 2

Demonstre que líquidos imiscíveis colocados num tubo em U se dispõem de modo que as alturas, medidas

a partir da superfície de separação, sejam inversamente proporcionais às respectivas densidades.

Resolução:

A pressão no ponto A é igual à pressão no ponto B (mesma horizontal e mesmo líquido):

Mas:

Assim:

p A = p B

p A = p ATM + d 1 gh 1

p B = p ATM + d 2 gh 2

p ATM + d 1 gh 1 = p ATM + d 2 gh 2

Exercício:

d 1 h 1 = d 2 h 2

A figura representa um tubo em forma de U aberto em ambos os extremos, contendo dois líquidos, A e B,

que não se misturam . Sendo d A e d B , respectivamente, as densidades dos líquidos A e B pode-se afirmar

que

as densidades dos líquidos A e B pode-se afirmar que http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm 28/7/2008

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008

namimatsu.com

Página 22 de 22

(A)

d a = 1,0 d B

(B)

d a = 0,8 d B

(C)

d a = 0,5 d B

(D)

d a = 0,3 d B

(E)

d a = 0,1 d B

http://www.namimatsu.com/hidrost/hidrost7.htm

28/7/2008