Você está na página 1de 1

Circular 9/2005, de 11 de Agosto - DSIRC

Dec.-Lei n 74/99, de 16 de Maro - Procedimento Administrativo (Estatuto do Mecenato / Obrigaes dos mecenas)
Razo das instrues Considerando que a usufruio dos benefcios fiscais previstos no Estatuto do Mecenato depende, na grande maioria das situaes, de um procedimento administrativo com vista produo de um acto de reconhecimento a efectuar por despacho ministerial conjunto, cujas regras de tramitao nem sempre so do conhecimento dos interessados, Considerando ainda que se tm suscitado dvidas quanto aos elementos que as entidades mecenas devem dispor para usufruio dos benefcios fiscais previstos no Estatuto do Mecenato, Foi, pelo despacho n. 96/2005.XVII, de 20 de Abril, de Sua Exa. o Secretrio de Estado dos Assuntos Fiscais, determinada a divulgao das seguintes instrues: Procedimento Administrativo: Requerimento e Instruo 1. A usufruio dos benefcios fiscais previstos no Estatuto do Mecenato depende, antes de mais, do reconhecimento administrativo a solicitar pela entidade beneficiria dos donativos, em requerimento dirigido ao Ministro da sua tutela funcional e ao Ministro de Estado e das Finanas, a apresentar junto do Ministrio da respectiva Tutela, a quem incumbir a instruo e apreciao dos projectos ou entidades em causa, e cujo procedimento dever ser concludo por um despacho conjunto de Suas Excelncias os Senhores Ministros de Estado e das Finanas e da Tutela, conforme artigo 1, n. 3 do Decreto-Lei n. 74/99, de 16 de Maro. Mecenas: Obrigaes acessrias 2. Para efeitos de usufruio dos benefcios fiscais previstos no Estatuto do Mecenato, as entidades mecenas devero dispor de: a) Cpia do despacho conjunto que reconhece a qualidade de entidade beneficiria; b) Recibo daquela entidade beneficiria ou documento que justifique a atribuio efectiva do donativo quela entidade e, caso aplicvel, com a meno a que fim, aco ou programa se destina o donativo; c) Documento constante do "Dossier Fiscal" (artigo 121 do Cdigo do IRC), onde se evidencie o clculo do benefcio fiscal (montante do donativo e respectiva majorao), de modo a justificar os valores inscritos no Anexo F da declarao anual. d) Declarao da entidade beneficiria de que o donativo foi concedido sem contrapartidas, nos termos do artigo 1, n. 2 do Decreto-Lei n. 74/99, de 16 de Maro, conforme a interpretao que lhe dada pela Circular n. 2/2004, de 20 de Janeiro de 2004, da DGCI.

Direco-Geral dos Impostos, 11 de Agosto de 2005

O Director-Geral (Paulo Moita Macedo) Proc. /IRC n. 2322/2004