Você está na página 1de 38

Fundamentos de Redes

de Computadores
Redes, topologia e meios
físicos de transmissão
Prof. Ricardo J. Pinheiro
Resumo
Livro-texto:
Redes de Computadores: Das LANs,MANs e
WANs às redes ATM - Soares, Lemos e Colcher
– Editora Campus
Livro de apoio:
Redes de Computadores – Tanenbaum
Material de apoio
Artigos e atualidades

Ricardo Pinheiro 2
Objetivos e exemplos
Objetivos de uma rede
Compartilhar recursos
Trocar informação
Exemplos de redes
Telefonia fixa
Telefonia celular
Rádiodifusão
Televisão
Redes de computadores

Ricardo Pinheiro 3
Definições
Rede de comunicação
Conjunto de módulos processadores, capazes de
trocar informações e compartilhar recursos ligados
por um sistema de comunicação.
Sistema de comunicação
Arranjo topológico ligando módulos processadores
através de enlaces físicos e de um conjunto de
regras para organizar a comunicação (protocolos).

Ricardo Pinheiro 4
Parâmetros de Comparação
Retardo de transferência
Tempo gasto entre o pedido e a entrega da
mensagem.
Confiabilidade
Medida em tempo médio entre falhas (MTBF),
tolerância a falhas, tempo médio de reparo
(MTTR) e tempo de reconfiguração entre falhas.
Modularidade
Grau de alteração de desempenho da rede sem
alterar o projeto original.

Ricardo Pinheiro 5
Parâmetros de Comparação
Custo
Desempenho
Intimamente relacionada a custo.
Compatibilidade
Ou interoperabilidade.
Sensibilidade tecnológica
Capacidade da rede suportar todas as aplicações
para a qual foi preparada, e além.

Ricardo Pinheiro 6
Classificação quanto a alcance
LANs
Local Area Network – rede local
Distância entre os módulos processadores estão desde
alguns metros a alguns quilômetros.
Em geral não passam por vias públicas.
Tipo mais comum.
Exemplo: Redes domésticas.

MANs
Metropolitan Area Network – rede metropolitana
Distâncias são maiores que as LANs.
Abrangem uma ou algumas cidades.
Vários meios de transmissão.
Exemplo: RedeRio (http://www.rederio.br)

Ricardo Pinheiro 7
Classificação quanto a alcance
WANs
Wide-Area Network – rede geograficamente distribuída
Distâncias abrangem um país, um continente ou todo o
mundo.
Vários meios de transmissão.
Exemplo: IBM Global Network.

E a Internet?
A Internet é uma “rede de redes”.
Ninguém está diretamente conectado à ela.
Reunião de milhões de redes.

Ricardo Pinheiro 8
Topologia
Disposição lógica de elementos.
No caso de uma rede, refere-se à forma como
os enlaces físicos e os nós de comutação
estão organizados, determinando os
caminhos físicos existentes e utilizáveis
entre qualquer pares de estações
conectadas a essa rede.

Ricardo Pinheiro 9
Classificação quanto ao enlace
Ponto-a-ponto
Ligação dois-a-dois.
Vários nós interligados entre si.
Tipo mais comum.
Multiponto
Vários nós ligados simultaneamente ao mesmo
enlace.
Adotado em algumas topologias.

Ricardo Pinheiro 10
Classificação quanto ao uso
Simplex
O enlace é utilizado apenas em um dos dois
possíveis sentidos de transmissão.
Exemplo: fibra ótica.
Half-duplex
O enlace é utilizado nos dois sentidos de
transmissão – um de cada vez.
Full-duplex ou

O enlace é utilizado nos dois sentidos de


transmissão simultaneamente. O enlace pode
ser formado por dois pares de fios (cada um em
um sentido), ou usando faixas de freqüências
diferentes.

Ricardo Pinheiro 11
Topologia em barra
Barra ou barramento.
Todos os nós se ligam ao mesmo meio de
transmissão - multiponto.
O sinal gerado por uma estação propaga-se
ao longo da barra em todas as direções.
Cada nó tem um endereço na barra. Quando
uma estação conectada reconhece o
endereço da mensagem, ele a aceita. Caso
contrário, a despreza.

Ricardo Pinheiro 12
Topologia em barra
Ligações ao meio geram descontinuidade de
impedância e causam reflexões. O
transceptor deve ter uma alta impedância
para o cabo, para que sua ligação altere o
mínimo possível as características de
transmissão. Devido a isto, algumas
necessidades:
Transceptor localizado perto do cabo
Necessidade de terminadores (casadores de
impedância) nas pontas para impedir a reflexão.

Ricardo Pinheiro 13
Topologia em anel
Estações ligadas por um caminho fechado.
Pode ser bidirecional, mas é mais comum o
unidirecional.
O controle pode ser centralizado ou
distribuído.
O sinal sai de um nó e circula pelo anel.
Em cada nó o sinal é regenerado e retransmitido.
Cada nó tem o seu endereço que ao ser
reconhecido por um outro nó, aceita a
mensagem e a trata.
Interrupção no anel corta a comunicação.
Exemplo: Token Ring (IBM)

Ricardo Pinheiro 14
Topologia em estrela
Nós ligados a um comutador central
(hub, switch, roteador, etc).
Administração centralizada.
Ligação ponto-a-ponto (nó-
concentrador).
Não precisa de roteamento.
Falha no comutador pára a rede.
Exemplo: Ethernet.

Ricardo Pinheiro 15
Meios físicos de transmissão
Com cabeamento
Cabo coaxial
Cabo par trançado
Fibra ótica
Rede elétrica (PLC)
Sem cabeamento
Infravermelho
Bluetooth
Wi-Fi
WiMAX
3G
Rádio
Microondas (via satélite)
Ricardo Pinheiro 16
Meios físicos – com cabeamento
Cabo coaxial
Condutor cilíndrico interno com tubo metálico em
torno, e separados por material dielétrico.
Condutor interno de cobre.
Tubo metálico: blindagem eletrostática.
Material dielétrico: ar seco ou plástico.
Uso em distribuição de sinal de televisão (TV a Cabo)
Telefonia de longa distância.
Redes locais de curta distância.

Ricardo Pinheiro 17
Meios físicos – com cabeamento
Cabo coaxial
Vantagens:
Suporta taxas de transmissão maiores do que o par
trançado para a mesma distância.
Desvantagens:
Mau-contato nos conectores.
Cabo rígido – difícil manipulação.
Problema da topologia (barramento).
Custo/metro maior do que o par trançado.
Conector RG –58
Hoje em dia: T
Conector RG –
Uso muito limitado em redes. 58

Interface de
Rede

Ricardo Pinheiro 18
Meios físicos – com cabeamento
Par trançado
Dois fios de cobre enrolados em espiral.
Vários pares dentro de um cabo.
Objetivo: Reduzir ruído e manter constante as propriedades
elétricas ao longo de toda a extensão.
Melhor desempenho que um par em paralelo para distâncias
grandes.
Transmissão pode ser analógica ou digital.
Taxas de transmissão – até gigabits/s.
Depende da:
distância, técnica de transmissão,
qualidade do cabo, diâmetro,
comprimento das tranças, etc.

Ricardo Pinheiro 19
Meios físicos – com cabeamento
Par trançado
Tipos
UTP – não blindado
STP – blindado
Malha metálica – minimiza o ruído externo.
Vantagens
Meio de transmissão de menor custo por
comprimento.
Ligação ao meio simples e barata.

Ricardo Pinheiro 20
Meios físicos – com cabeamento
Par trançado
Desvantagens
Suscetível a ruídos.
Gerada por interferência eletromagnética (motores,
geladeiras, quadros de luz, lâmpadas fluorescentes,
etc).
Minimizada com a blindagem.
Classificação quanto à taxa de transmissão
suportada:
CAT 3 – até 10 Mbps
CAT 5 – até 100 Mbps
CAT 5e e 6 – até 1 Gbps
CAT 7 – até 1 Gbps.

Ricardo Pinheiro 21
Meios físicos – com cabeamento
Par trançado
Normas:
Padrões para o cabeamento de edifícios.
T568A e T568B – padrão para condutores máquina -
concentrador.
T568A – ordem dos fios: Branco Laranja, Laranja, Branco
Verde, Azul, Branco Azul, Verde, Branco Marrom,
Marrom.
T568B - ordem dos fios: Branco Verde, Verde, Branco
Laranja, Azul, Branco Azul, Laranja, Branco Marrom,
Marrom.
Crossover – padrão para condutores máquina – máquina.
T568A numa ponta, T568B na outra.

Ricardo Pinheiro 22
Meios físicos – com cabeamento
Fibra ótica
Cabo composto por filamentos de sílica (matéria-
prima do vidro) ou plástico.
Leves e finos.

Sinal ótico, gerado por pulsos de laser ou LEDs.


Características:
Altíssimas taxas de transmissão – 1 Tbps em
laboratório (100 vezes o Gigabit Ethernet).
Isolamento elétrico completo entre transmissor e
receptor.
Atenuação não depende da freqüência.
Imune a interferências eletromagnéticas.

Ricardo Pinheiro 23
Meios físicos – com cabeamento
Fibra ótica
Como funciona
Um feixe de luz é lançado numa ponta da fibra, e pelas
características óticas do meio (fibra), esse feixe percorre
a fibra por meio de reflexões sucessivas até a outra ponta.

Tipos
Multimodo
Sem amplificadores.
Pode ser comum ou gradual - diferentes níveis de refração –
possibilitam a reflexão do feixe.
100 Mbps a 10 km de distância.
Redes locais.

Ricardo Pinheiro 24
Meios físicos – com cabeamento
Fibra ótica
Tipos:
Monomodo
1 Gbps a 100 km de distância.
Uso de laser.
Redes de longa distância.

Tipos de fontes luminosas:


LEDs – mais barato, taxas de transmissão
menores, maior tempo de vida, menor alcance.
Laser – mais caro, taxas de transmissão maiores,
menor tempo de vida, maior alcance.

Ricardo Pinheiro 25
Meios físicos – com cabeamento
Rede elétrica (PLC)
Transmissão de dados via rede elétrica
Tecnologia - existe desde os anos de 1920 – aperfeiçoada
recentemente para transmissão de dados.
Vantagens:
Alcance muito amplo - via rede elétrica.
Altas taxas de transmissão.
Desvantagens:
Questões de regulamentação junto ao órgão competente.
Gera interferência em outros aparelhos que usem radiofreqüência.
Em rede elétrica com muito ruído, desempenho ruim.
Half-duplex, com banda partilhada.

Ricardo Pinheiro 26
Meios físicos – sem cabeamento
Diversos padrões para comunicação sem fio:
IEEE 802.11 – redes wireless.
IEEE 802.15.1 – Bluetooth.
IEEE 802.16 – WiMax.
IEEE 802.20 – 3G.

Ricardo Pinheiro 27
Meios físicos – sem cabeamento
Radiofreqüência
Espectro eletromagnético
Intervalo completo da radiação eletromagnética que contém
desde as ondas de rádio, microondas, infravermelho, luz
visível, raios ultravioleta, raios X, até a radiação gama.
Administração do espectro é feita em cada país por
um órgão competente.
No Brasil – ANATEL.

Ricardo Pinheiro 28
Meios físicos – sem cabeamento
Infravermelho
Padrão IrDA – comunicação sem-fio via
infravermelho.
Taxas de até 4 Mbps.
Baixo alcance (até 4,5 m).
É preciso que o receptor tenha visão do transmissor –
sem obstáculos.
Transmissão half-duplex.
Usado em controles remotos e dispositivos simples.
Hoje em dia está sendo substituído pelo Bluetooth.

Ricardo Pinheiro 29
Meios físicos – sem cabeamento
Bluetooth (IEEE 802.15.1)
Especificação para redes pessoais sem fio
(Personal Area Networks - PANs)
Uso de uma freqüência de rádio de curto alcance,
globalmente não licenciada e segura.
Baixa taxa de transmissão e baixo custo.
Conexão simples.
Exemplos de uso: Celulares e fones de ouvido sem-fio,
Micros, mouses e teclados, dispositivos e receptores
GPS, controles de videogames, modems sem-fio, etc.
Taxas de 1 Mbps (v. 1.2) a 53-480 Mbps (v. 3.0)
Nome: Homenagem a um rei da Dinamarca que unificou a
Escandinávia na Idade Média - Harald “Bluetooth”.
Ricardo Pinheiro 30
Meios físicos – sem cabeamento
Wi-Fi (IEEE 802.11)
Transmissão de dados ocorre na faixa de ondas de rádio.
Uso de uma das faixas ISM (não licenciada):
902 a 928 Mhz / 2,4 a 2,48 Ghz / 5,72 a 5,85 Ghz.
Um transmissor com 100mW de potência cobre uma área aberta de 500
m², em média.

Rede estruturada em células, onde o receptor deve receber o


sinal do transmissor (hotspot).

Transmissão em todas as direções


(omnidirecional), salvo o uso de uma
antena direcional.
Ricardo Pinheiro 31
Meios físicos – sem cabeamento
Wi-Fi (IEEE 802.11)
Alguns padrões adotados:
IEEE 802.11a – 5 Ghz, 54 Mbps.
IEEE 802.11b – 2,4 Ghz, 11 Mbps.
IEEE 802.11g – 2,4 Ghz, 54 Mbps.
IEEE 802.11n (em estudo) – 2,4 e 5 Ghz, até 300 Mbps.
IEEE 802.11s – redes mesh (em malha).
Problemas com obstáculos (vidro, água, paredes)
Refletem ou absorvem parcialmente o sinal,
diminuindo o seu alcance.
Custo cada vez mais baixo – popularização da rede
sem-fio.

Ricardo Pinheiro 32
Meios físicos – sem cabeamento
WiMAX (IEEE 802.16)
Interface sem fio para MANs.
Alcance de até 50 km a 1 Gbps.
Opera na faixa ISM de 2,4 a 2,483 Ghz.
Vantagens
Custos mais baixos para implantação de infra-estrutura.
Acesso à Internet em movimento.
Suporte da indústria a esse padrão.
Desvantagens
Na prática, as taxas de transmissão são muito baixas.
Interferência gerada por causas meteorológicas.
Demora na regulamentação e na definição do uso.

Ricardo Pinheiro 33
Meios físicos – sem cabeamento
Padrões 2G, 2,5G e 3G (IEEE 802.20)
Padrões que abrangem toda a telefonia móvel, não só
tráfego de dados.
Diversos padrões:
2G: GPRS
2,5G: EDGE, 1XRTT
3G: UMTS/WCDMA, EVDO, etc
Usa a infra-estrutura da rede de telefonia celular.
Vantagens:
Tecnologia já existente, implementada e em funcionamento.
Desvantagens:
Custo alto de implementação.
Não há serviço pré-pago.

Ricardo Pinheiro 34
Meios físicos – sem cabeamento
Rádio
Sinal da Internet distribuído por pontos de presença
(PoPs) espalhados por uma região.
Muito popular no interior do Brasil.
Padrões: DSSS, MMDS, LMDS.
Vantagens:
Baixo custo de manutenção.
Boas taxas de preço e velocidade, rateadas por vários
usuários.
Desvantagens:
Sofre interferência de fenômenos meteorológicos e
obstáculos naturais (como árvores).

Ricardo Pinheiro 35
Meios físicos – sem cabeamento
Microondas
Uso com satélites (penetra facilmente na atmosfera).
Alcance muito grande (50 km, pelo menos).
Sem obstáculos entre o transmissor e o receptor.
Necessidade de que ambos estejam “vendo”, um ao outro.
Tipos:
Em visibilidade
Em tropodifusão
Via satélite

Ricardo Pinheiro 36
Meios físicos – sem cabeamento
Microondas
Em visibilidade
Uso de antenas parabólicas.
Alcance de 50 km em média.
Uso de antenas repetidoras e placas refletoras para
restaurar e redirecionar o sinal.
Em tropodifusão
Sinal é refletido na troposfera para alcançar o destino.
Diversas bandas de transmissão.

Ricardo Pinheiro 37
Meios físicos – sem cabeamento
Microondas
Via satélite
Enviado a um satélite em órbita, para depois ser
reenviado ao destino.
Atrasos de até 270 ms na comunicação – atrapalha
comunicações interativas.

Ricardo Pinheiro 38