Você está na página 1de 12

A Dinâmica Municipal no Atlântico Insular

(Madeira, Canárias e Açores) Séculos XV a


XVII

ALBEKTO VIEIKA

Centro de Esrudos de Hi.~ttóndo Atlântico (Funçhal-Madeira)

O estudo da dinâmica institucional insular assenta nas suas principais


componentes administrativas que deram consistência estrutura societal lanqa-
da pelos povos ibéricos no Atklntiço. Nesse contexto o século XV surge cnino
o momento mais importante para a sua afirmação alkm-Atliintlco. Ai a Madci-
ra e as Canarias detiveram uma importância primordial nu lançamento o u ex-
pansão desha nova estrutura instituçional. Tadavia condicionunies de varia or-
dem definiram uma diversa formulação das instiiuições L formas de governo; a
Madeira porque desocupada não estava sujeita a qualquer enirave à nova forma
de governo liisiada, enquanto nas Canhrias a existência de uma população indí-
gena dificultou essa tarefa e permitiu a subsistência dos laços tardo-medievais
no tipo de governo experimentado.
A conjuntura envolvente da conquista e oçupaçãu das Canásias conduliu
a uma bifurcação institucional que deu origem as duas forma5 de governo ma-
terializadas, na designação de ilhas realengas e senhoriais, con forme vingou a
iniciativa rtgia au particular. A par disso a necessidade de combater os guanches
deu azo h afirrnaçiio neste arquiptlago de uma instituiqao castelhana rardo-me-
dieval, o adelaatado que depois se expande, pelos mesmos mtiiivciç, ao territb-
rio americano.
Ao invts, nas ilhas portuguesas estarnos perante uma iniciativa regia, que
cativa o ernpcnhci de algumas casas senhoriais do reino, enquadrada numa no-
va visão de realidade institucional resultante do precesso de reconquista do Sul
de Portugal. Altm disso o senhorio poriugues de 1: 433, surge como resultado de
uma doação de D.Duarte aci infante D.Henrique como recompensa h sua inter-
vençâo na gesta expansionista, enquanto nas CanArias 6 seu inicial conquista-
dor quem solicita B coroa a posse com um acto de pleito e homenagem (1403-
1412). Não cihstante, se excluirmos o direirci de cunhar moeda estabelecido pa-
ARQUEOtOG1A DO ESTADO
A DINAMICA MUNICIPAL NO A T ~ N T ~ CINSUIAR
O

mistas dos senhores ou capitães; i5 uma tentativa dç adequar estas instituições g


ra as Candrias, o senhorio em ambos os arquipt2lagos detem identicos poderes. nova realidade de centralizaçáo e afirmaçâo dci pcider real.
Ao nível da afirmação plena deste regime institucional salientam-se al-
O s condicionalismos decorrentes da neccssãria cent rri1ização régia, leva-
gumas cambiantes que os definem e diferenciam. Na Madeira e Aqores o Sen-
da a cabo por D. Manuel (1497), conduziram ao paulatino degcnere~cimenr~
hor, distribui as ilhas ou parcelas destas aos seu:, apaniguados, como forma J c
desta estrutura arcaica e à afitrnaqão dc uma nova din6mica institucional ade-
recompensa pelos serviços prestados na gesta em causa ou simples acto de re- quada ao progresso socio-econbmico das ilhas portuguesas. Nas Canasias a ma-
conhecimento da sua linhagem; surgem assim os capitães do donatariri que rep-
nutençio da senhorio, durante quatro séculos, resultath certamente da relativa
resentarão o senhorio na Area jurisdicional que lhe 6 acometida. Estes exerciam
import5ncia econbmica das ilhas senhoriais e do paulatino reforço da autoridade
e rn 'Justiça e dereyfo",a jurisdição do civel e crime, procediam a nrimear;ão dos
regia nessas com a quebra, bhvia, da jurisdiçào do senhorio. Assim a criaçáo da
funciondsios do rnunicipio, organizaçáo da defesa e disiribuiçãa de Ferras. Nas
AudiEncia (1526) e do cargo de capitão-general de Canarias (1589) associadas
Candrias existe situaçáo semelhante com teniente, governador geral ou al-
8s sucessivas polémicas sobre a sucessão da senhorio coniribuirarn para o r8pi-
calde mayor, nomeadamente pelo senhorio, que exerciam e m seu nome a jus-
do descrCdito desta estrutura de mando e reforço do poder real. Desta forma o
tiça e nomeavam os funcionArios do cabildo. Todavia aqui eram da excluhiva
senhorio canario scrã confrontado com a mesma posição dci capitão madeirense,
nomeação do senhorio, enquanto na Madeira deveriam 5er rectificadcis pelo mo-
a partir do stculo XVI, ambos perdem prerrogativas jurisdicionais e a sua im-
narca, o que dB conta d e seu carhcter precArio. A par disso na5 ilhas de Gsan Ca-
porthcia resume-se mais aos réditos económicas que h sua capacidade de in-
naria e Tencrife e figura do governador, de nomeação regia, assernelhai~a-seem
tervençáo na administração da sua hrea; de senhores ou administradores pleni-
muito ao capitão madeirense; o que os difcrençia é a pessoa que representam e
potenci6rios passam a meros geslores dos seus proventos econbmicos assentes
a precaridade ou não da jurisdiçáo que lbes é conferida.
em bens fundiérios e rendas de tipo senhorial, como a redizima ou o quinto.
A conjuntura institucional de finais de sécuIo X V condicionou o fim do
Partindo do principio que a Madeira e as Canhrias materializaram a pri-
senhoria portugu&sno Ailfintico (3497) mantendo-sc, nu cntanio, as capiranias
meira experiência de ocupaçio das coroas peninsulares no Novo Mundo AtlAn-
a t t ao s€culo XVII1,Nas CanArias esse sistema manteve-sc atC as curtes de Ch-
tico teremos que essas se tornaram importantes para posteriores iniciativas de
diz ( I S l l ) , não obstantc o cerçeamenko de poderes esrabclecidu no século XVI,
ocupaç50 nos continentes e ilhas. Assim a Madeira t definida como o modele
m e r d da necessaria centralizaçbo real estabelecida pelos reis católicos, por mcio
institucional e de valorização sbcio-econbmica do Ar lâniico poriuguEs, enquan-
da nomeaçáo de funcionhios ou pelo aparecimento dc novas ins1iruic;óes rtgias,
ta as CanBrias cumprem igual missão no que concerne ati imperio espanhol nas
como a AudiEncia (1526) e o cargo de capitão general (1 589).
Amtricas; as capitanias madeirenses expandem-se nas mais ilhas portuguesas
O senhorio canario era muito mais !imitado, em !esmos jurisdicionais, que
(Açores, Cabo Verde, S. Tome) e Brasil, enquanto o sistema de adelantado tem
o aqoriano-madeireuse. Este último assentava, não s6 n o domínio ecnnómico-
expressão plena na America espanhola.
social e institucional, mas tambem no espiritual; os administ radorcs da Ordem
Nesse contexto a Madeira detkm uma posição ímpar pois para alkm de
de Cristo, atravks do vicariato de Tornar, usufruiam dci direito de administrar
modelo institucional ierh servido de campo de ensalo para as novas culturas e
espiritual e religiosamente o novo espaço ocupado no Atlántico. Ao i n v b nas
ti'cnicas que cativaram o interesse do mercador europeu - cereais, vinho, açtl-
CanBrias o monarca nunca delegou esse direito de patranato, a~rihuícioem 1486
pelo Papa Inocencio VTII, mantendo-se como seu privilkgio.
car e pastel que, depois se expandiram a todo o espaço portugu2s e, mesmo hs
CanArias sob a mão hábil do madeirense.
As particularidades do senhorio canario e madeircose náo derivam ape-
nas da dimensão que o feudalismo adquiriu em ambas as cortias peninsulares, E m síntese, a Madeira e as Can8rias são pontos de referência obrigatb-
mas acima de tudo da conjuntura diversa que serviu de base h conquista ou ocu- rios no estudo da expansão peninsular no Atldntica sem os quais não se poder8
paçio destas ilhas. A articulação do modelo institucional foi condicionada peta compreender o processo global da mesma; dai a necessidade do seu estudo e va-
lorização no contexto da investigação e historiografia dos Descobrimenios.
situação diversa destas ilhas. E nebte caso, o facto de as CanBrias serem jd ocu-
padas e de na sua conquista de destacar o empeahamento e acçio dos particu-
2. Esta omnipresenqa do Senhor e seus representantes (capitães, ouvi-
lares conduziram a uma peculiar formulaç50 das estrutliras de mando. O maior
dores, tenieates) foi-se paulatinamente esvanecendo em face da consolidação
ou menor empenhamento da coroa deu origem a uma divisáo das ilhas e m rea-
do poder real com a extensho de algumas instituiçóes regias peninsulares ou com
lengas e senhoriais. Todavia nos dois arquipélagos conjuga-se a intervençiio da
a afirmação de uma nova realidade institucional c o a o aparecimenrti dos mu-
coroa, na sdculo XVI, no reforço da sua posição e m face das ientaiivas autono-
A DINAMICA MUNICIPAL NO ATLÂNTICOINSULAR AROUEOLOGIA DO ESTADO 59

nic(pios/~abildos;estes serão mais um parceiro na adminisiraqãti e justiça a li- ciativa de pariiculares, logo nos alvurcs do skculo XY, 56 drrntiveram O em-
penho da Coroa nas tr&s Jkcadas finais desse stculo, altura em que sc trirniiu
gurar ao lado do capirâotsenhorio ou governador -corno zcprescniantes da pu-
pulação em geral. A sua criação anuncia-se como o despontar dr: uma nova era prissivel a pacifiçaqão do\ ahririgencs e que permitiu a posse plrna diis rnrsmah.
As periptcias que demarcaram esse dcmoradri proccsw de conquista rni
para a Histhria e vida das populaçóes e m causa. Destes os mais antigos sãci o i
rnadeirenses pois a tradição aponta a data de 1150 com a do seu inkiri na sede
ccinsonbncia com o inicial empenharncnio de particulares definiram para eqas
das, capitanias do Funchal, Machice e Portr~Santa. Todavia as primeiras dtca- ilhas uma forma diversa de afirmaçáo da realidade insriiucionul, adequada u es-
sa realidade; ai, ao ctinirArio do que sucedeu nas ilhas PiirtnRucsas. t i compro-
das, de vida não permitiram a expressáo plena destas instituiqõcs pois a afirma-
qão hegemOnica dos capitàes do drinatária impediram csse processo. E sh zrn metimento da coroa com esse priicessti 6 tardio ii quc pcrrniiiu dii particuIarc5
1463 em face da reclamação dos rnciradores do Funchal, a infante D. Fernando
que o iniciaram conseguirem uma posiçáci de privilepii) c uhufruto da jurisdic;áii
como Senhor da ilha, permite essa plena afirmaqáo do munici~ioretirando-o da
de algumas ilhas. Tal siluíqàci çunduziu h nrcessiriu alirmac;ái\ de duai turma5
alçada do capitão. de dornfnio jurisdicional: ci realengo c o senhorial. Ao primeirti ficaram as\o-
Nos Açores a insli~uiçãomunicipal desponta apenas nas i r & ultima de- ciadas as ilhas de (iran Canaria, Tençrifc e La Piiirna. snquantci ao seyunciii r e i -
cadas do stculo XV. altura em que este arquiptlago stiírc i) niicewíiriii arranque iaram as ilhas dr Lan/arrite, Fuerieveotura, La (Jiimrrd c. Hirrrii.
A cnntinuidsde desse prucessli Jr ctinquistli nds illias C ' a n i r i ~ i i,i\siici,t-
sacio-econbmico. Tal como na Madeira a ç r iaqao desta nova in\tiiuiqãci faz-se
de acordo com o progrehso social e econbmico das ilhas c lugares; primeiro sur- da ao inicial envcilvimento d z pariicularri definiram para c\tas ilha\ a rc'afirnia-
gem 0 5 municipios ctlm uma jurisdição ahrangentc do cspaqo da capitania, fun- çãv das instituiçhcs tardil-rncdicvaih da pznín\ulu - r i içnhi~riiir 11 adcliinrdii
cionando no lugar-sede da mesma, depois a vatorizaçào dos diversos assenta- Deste modo t opinião assentc da historiugrafia que o rcpimc juridicii desias il-
mentos populacianais conduriu a criação de novos nunicípios dzniro dcsia ju- has não 6 específico mas apenas uma çxtenhaii do rnt*dcli>1ci;iniinii t. , i n d a l u ~
risdiçáo, desmemhsandu assim essa unicidade. O grande arranque da insiituiçáu (1). Tamhtrn aqui a exemplo dci que sucedeu com a liadeir&LI direitii Iilcal c5-
municipal nos Açores &-se na primeira metadz do siculo XVI crim o apareci- tá aparentado com a regiáo que lhe serviu de refcrinciii t. dr dpoio a cshr: intcn-
mento de ncivos rnunicfpios abrangendii a (otalidade d t i arquip6llrgu. Aqui dcs- to de conquista no stculo X V - Andaluzia. A estas ilhai chegaram 01, fueríis de
tacn-se a ilha de S.Miguel que, de um município e sede em Vilri Franca, se IL- Baza ou Niebla, as mais recentes crimpilaqóes dc dirriiu Iciclil aqwndii da arir-
vantaram outros cinco - Ribeira Grande( l,507), Nordeb!r ( 15 14). Agua dc Pau maçio plena da soberania castelhana nestas parapen\; enquanto ti primciru l;iz
(l515), Lagoa (15223, Ponta Delgada (1%). Drste rnrido a ilha dc S. Vigucl concedido a Gran Canaria (20 De7 1494) içndo influenciado o regime dds ilha>
materialira em pleno essa realidade municipal pcir ter sido dc todas que mais de Tenerife e La Palma, o segundo foi dado apenas a Furrtevent ura. Tudavia
usufruiu dessa necessiria descentralitaqãu do poder Iiical. em Ciran Canaria estamos perante um fenómeno particular pois ai, rnqtianrciii
Noie-se que nem a Madeira permitiu cssa ncccsshria desrnultiplicaçào regime instituciunal, nomeadamenie o municipal, é defindo pzliis fuerus dr Ba-
institucional, pois a tendencia hegembnica dos capitães de ambas as capitanias za (1494) e Granada (1497) a fiscalidade adequar-se-i ao csiahcl<c.idii pard Iie-
apenas permitiu uma brecha em Machico com a criaçio do municipici de Santa vilha com o Suero d e 15 11 (2).
Cruz e m 1515 e duas n o Funçhal com os da Ponia de Sul ( 150t ) I:Calhe~a( I 502); Nute-se que em similar circunstância a Macicira tsvc um fora1 prcípsiii,
nova subdivisão sh surgirá tardiamente e m Machico, ciim ac.ti1.d rcsistEncia dah primeiro concedidu pelo infantç D. Henriquc, quc s r pcrdru, a quc \r: sçpi!iu sm
gentes da vila-sede, aguando da criaqgii em 1744 da vila Jr. S. Viçznie. 1472 outro pelo monarca D.Afonso V, seguindo-se e m 144') niwii ftiral lilira $3
Nas CanArias a instituição municipal assumira iiutra dirnensáii, pois a ca- alrnoxiirifado e rrn 1 1 5 para 0% municípios du Funchal, Piinra de isid c C'alht
da ilha correspondera apenas um cahildo, sediado no lugar-sede dn inicial e mais ta (3). Estes regimrntus e forais friram por sua v e l trcsladadcis para o s Aqiirt
importanle assentamento. Essa diferente pcrspectivat;ão da realidade municipal (Terceira, S. Miguel) onde foram adaptados à condiçiirs clu weiii (4).E\zc pai
conduziu a uma mais fdcil çcnrrali7açáo desse pcidçr nos principais povoadores ticular revela que a preocupação dominante das autoridade3 portuguesas que ru -
- governadores, senhorio - e tarnhtrn condicionou c i nrceshrici e rápido progres- telavam a Madeira no século X V terem procurado desdi: ri inícici inlnar ah ins-
so desta forma de descentra1iiar;âti do pode r. A par, disw o factii dc estas ilhas tituições, adequando-as hs crindiçks das nrwas Areas e nunca transplantar li-
se encontrarem habitadas aquando da chegada dcis pcninsularri, ciindu7iu a uma niarmente o sistema comum do rcinu. Deste modo Madeira. porque foi -a pri-
diversa forma de ocupa~ãodas sete ilhas que se expressar6 numa continuidade meira a merecer uma plena ocupaçào efectiva. demarca-ie climci a mairir quc
das iasrituiçóes de fronteira e m uso no processo de recrinquista peninsular; ri ini- serviu de rnodelri h dinhmica in~tiiucionallanqada pctiis piirtugueseh ni) espaqu
ARQUEOLOGIA DO ESTADO

atlintico; daqui salram os necessãricis ensinamcntcis para a ctin3tituic;ãci dos ali- nargpissfvel o mesmti jh não se dever8 dizer a o nfvel de estrutura, alçada e evo-
cerces institucionais dos Açores, Cabo Vçrdz, S. TomC c Brasil. lução dessa iostit uição no coniexto das dinhmicas polftico-instir ucionais das co-
Todavia o regime municipal imp!antaclu naa ilhas por portugueses e ciis- roas peninsulares.
telhanos apresenta-se, n o início como uma çbpia Fiel d o sistrma peninsular; as- A situação anteriormcntr aludida revela pelo lado porluguh o empenho
sim enquanto e m Canárias esse regime cstabclcce-sc de acordo com 0 fuero de da coroa e m avanqar com uma adequada poliiiça de dcsccntrali~at;áo &$tas ins-
Baza, o qual estipulava a forma de eleição dos diversos ufiçiais - alcaldes, regi- tituições de puder local; em qualquer momento o monarca deferiti a prctcnsáti
dores, personero, alguaçil, mayordomo - bem comti o modo do 5t.u tuncirinii- dos vizinhos dos lugares que reclamavam esse estatuto, s6 se vergando aos mo-
rnento (51, para a Madeira essa mesma estrurura dependera da dc Lisboa, donde tivos irnponderáveis das auioridades locais como succdeu com S. Vicentc: nri rk-
se fez o treslado cio necessdrio regimento, mas apcnas e m 15118 (6). çulo XY111.
E m síntese poder-se-&afirmar que a estrutura municipal lançada ali lon- Ao invks, em Canbrias somos confrontados com uma iendencia centrali-
go do século XV pelos peninsulares nas ilhas atlâ;n!icas prcfigura o rntidzlo pe- adora desias instiiuiçóes que cundr17iu, inevitavelmenic a uma mais arnpia ex-
ninsular sendo poucas uu quase nulas as inovaqhes; ptir partc du europeu apc- pressão da estrutura municipal e dci número de intewznicnics na piivernaçiiu,
nas houve necessidade de montar localrncnte esta estrutura institucional caben- nomeadamente regideres, conhecidos como "Jielrs ejjt.r*~rt~re.i", que eram elei-
do aos insulares, ao !cinge do skculo XVl, a missão cie incivar, airav6s de su- tos por dois meses; na ilha de Teneriiz havia rrgidorrs crn L a Laguna. tu O r o -
gest6es e reclamaçóes apresentadas B coroa e que mereceram aprovaçáo. Dai lava, Içod r Ciarachico (7).Estc regidor diputado crn C'aniiria5 a~srmrlhava-
que as peculiaridades do sistema institucionnal insular se situam apcnas na in- se ao nosso juir pedáneii iiu dii lugar. Tudiivia aqui e\ia tiirma Jc descenrrali-
sthcia de governo intermtdio, que assumiu e m cada um dos arquipélagos uma ração governativa era mais expressiva pois ao j u í ~pcd;inro sc luntíivam c) nl-
forma diversa; foram o senhorio e as capitanias de Madeira e Aqorcs que apre- caide e os locais ou bairros du hurgo surgiam os quadrilhr iros riu ~ i n t a n ~ i r o s .
sentaram os traços mais inovadores, pois o adelankado ou senhorio canários e m No Funchal do século XV deparamo-nos com joízeh do lupar no Ciiniçu, Ribzi-
nada inovaram em relação a idèntiça situação peninsular. ra Brava, Câmara de Liihris, Ponta do Sol e Calheta e numa rase postrritir us
quadrilheiros distribuiarn-se pelos lugares sob a hua alqacla (C'ârnara de Lutios,
3. Se 6 certo que na sua origem ambas as estruturas dc poder loca! im- Ribeira Brava, S. Roque, S. Martinho, S. Anionio), bairros (Cabo dii Calhau.
plantadas nas ilhas de Castela e Portugal apontam para a tradição peninsular, Bairro das Moinhos) e ruas (Ferreiros, Canavial, Caminhu do hflinrc) da cidade
tambern não t menos certo que a sua forma de implantação se expressou de for- 18). Situação identicrr sucede nos Açores onde, pcir exemplo, t i pequcno muni-
ma diversa; da sua transplantaçáo liminar passa-se h necessária adaptaçãri As cipio das Velas havia juií.es para os lugarcs de Manadas ( 1559), Norte ( 15'11 ),
condições socio-econbrnjcas do novo meio. Assim em Candrias notar-se-áo di- Urzelina (1649), Rosais (1700) (9).
ferenças significativas entre o cabildo das ilhas realengas e senhoriais, situação Num e noutro sistema insiiruciunal o rnunicípiii'cdtiildii 6 cornpoito dc
muito semelhante h que sucedeu na Madeira no período de afirmação de Sen- um conjuniii variado de funcion$rios com competèncias especificas:
horio (1434-1497), nomeadamente no governo do infante D. Henrique (1433- t . Oficiais de nrimeaçéii regia
1460). 2. Oficiais eleitos por sulr8gio indirecto, pelos v i i n hos. pcner nadcircs iiu
De uma forma gcnkrica t patente a diferenqa entre o cahildo de CanArias regedrires
e o municipio da Madeira e Açores, pois enquanto no primeiro arquiptlago a 3. Funcitinários administrativos de pruvimentu régici.
cada ilha corresponde um cabildo, nos dois últimos essa unicidade não se veri- Todavia nas, ilhas portuguesas o principio da subcrania aberta iinhd ex-
fica, n5o obstante no inicio da sua ocupação persistir essa tendência ao nivel das pressão mais evidente no segundo grupo, pois a maioria dehtei eram r.1eit.n~pe-
capitanias e, havendo ai ilhas com duas capitanias (Madeira, Terceira), essa cor- los e de entre ris homens-bons do concelho, enquanto nas C'anAri.r 0 1 vilinhrts
respondencia não se tornou posstvel. Apenas na capitania de Machico essa po- elegiam apenas o procurador do comum e, em algumas ithas. (i sindico persci-
litica centralizadora teve eco na aristocracia local que semprc se manifestou nero, ficando os principais FuncionArios dependentes dii arhitriii dus regcdoreh
contra a criaçno de novos munidpios; expresso e m face da primeira solicitaçio que eram tarnbtm nomeados pelo governador e desde I5t7 pela coroa. Nas il-
por paric de Santa Cruz (1515) e na reclamação da nova estrutura para a ver- has de Senhorio, a exemplo d o que sucedeu nti Madcira ate 1497, rbsa intenlen-
tente norte com sede em S Vicente (1744). ção estava a cargrii do Senhorici o u do seu representante - lenicnte - que detinha
Todavia se em termos de Area jutlsdicionat essa comparação não se tor- p i e r e h para nomear cis oficiais e funcifinhrios que adquiriam aqui um cardcter
ARQUEOLOGIA DO ESTADO
62 A DIN~MICAM U N I C I P A LNO A T L ~ T I C O
INSUMR

vitalício e por veles heredithsio (10). A par disso o pcrioda estival demarcado pelas colheitas de crreal c \.in-
Com o decorrcr dos anos o rei reforçou a sua capacidade de intervenção ho, era dcfinido por uma pausa n e h u iisciduidude dos oficiaii c a m a r a r j ~ çgs
no cabitdo senhorial, tornando obrigatbria a rectificação dc alguns cargos, cu- sessocs camaririas. A\sim, ertds pa%ianid reuiirus-\c quin/enajrncrilt. de modo
mo o d e alcalde magur que deveria ser confirmado pela A u d i c n c i a ou pelo re- a que o s funcionhrius possam reali/dr a s s u : i ~c.tilhcitas. Aliás ii peririrlti dt: maicir
gedor que passou a ser de nomeação regia. Situaqão idèntica se passava na Ma- actividade da vereação situava-se nus ires primcirtis mese5 para as necessárias
deira do skculo XV onde o senhor da ilha detinha poderes plenipciienciAricn so- deliberaçóes de ordem administrativa, relacionados com ti inicio du rnrind;ino.
bre o municipio. Mas a partir de 1460 com a morte dessc, ri infante D.Hcnri- Nas Canarias as sessõcs realiravain-se três veles pcjr \emana em Tcne-
que, inaugura-se uma nova era na vida municipit! madeircnsc, puis u nuvo sen- rire, enquanio c m Fuerteientura rcalizaird-\c apzna+ uma \ c / par RICS (13), O
hor, o infante D.Sernando, em 1461, defere favoravelmente as rcclamaç6es dos mesmo sucedendo em Lanzarote, tendo a scssào lugar na casa do gwcrnador
vizinhos da Funchal ( E 1). O município liberta-se assim das do capitão, repre- (14),. Mas aqui icirna-\c neccs\árici distinguir, nas illias rcalencas, ds sesiõcs rir-
sentante do Senhor na ilha, merct da eleiqáo dos juircs vcrcndi>rzs, procurador dinhriaa, que apcnas uprcscniavarn ii finalidade atrás aniinciadit, e aa "gcn r r u l c l "
e escrivão a que se juntaram o selu, bandeira, simbrilos dessa cii~tciniiniia;o par- que se realizavam c m Janciru c 30 de Novembro p r a cliiiq'rio dos diversos car-
tir de entào O capitão ficari apenas com o direito de apreientitr iirnii Iista cir ires gcis, ou acidentais para debaic de q u c s l i í z s dt: grande intzres\c parri » vi/inh»s,
i

nomes donde a vereaçiio fazia a escolha do alcaide e carczrciro. enquantci para a5 s e n h o r i u i ~sr. dilcrenciam as hzshòes cirdinhrias t. as abertas
Todavia os litígios entre a vereaçãu e o capitáu tiverani continuidade nas e m prac;a publica para debate dc assunkus de iriteresse cr)rnum (15)
centlirias seguintes, uma vez que esre nunca reconheceu essa restriqáo cle po- Nos t r è ~arquipklasiis 0 mandaiu iniciava-se em Janeiro, apenas nos
deres. Esra situaçâo expressa-se dc forma evidente na ilha de L. hliguel onde o Açores, mais prciprianiente nos municípios de Vila Franca do Campu (1577) e
capitão teima em manter os seus privilegias insliiucionais na goternac;ãii clc Vi- Ponta Delgada ( 1 6 0 ) , para mais eficácia da sua acqáo huuvc neccçsidade de
Ea Franca do Campo, Ribeira Grande e Ponta Delgada (1 2). ajustar o ano administrativo ao calcndáriu agrícola, passando a vereação a ini-
0 s regedores e os vereadores eram os funcionários maih irnpclrtantes ao ciar as sua actividade pelo dia de S. Juáo (16).
serviço, respectivamente, do cahildo e município; a eles çornpc~iaa puvernaçáo As compettncias do cabildo ou município eram esiabelccidas pelas orde-
da Brea sob a sua jurisdiçãa por meio dos acordios c posturas apruvados nas naçóes e fueros concedidos pelas coroa5 peninsulares; ai estavam çxaradas náo
sessóes semanais. Alem dissn estava sob a sua alçada a nomeação, no primciro s6 as normas de funcionamento destas instituiçóes mas também a alçada que dc-
caso dos fieles ejecutures, alcaIdes, alguacil, persrinero, muyurdumo e dipu- finia o seu espaço de manobra no contexto da dinâmica institucicinal de eniio.
tados d e mesa, enquanto, no segundo, essc poder abrangia 05 almtitacéis, gulir- Num e nout ru caso a jurisdiçáci ehiahelecida para estas instituições focais
da-mores, qiiadriiheiros, julzes pedâneos, rneirinbos da serra e cidadt; al- era Identica, diferenciando-se apenas na sua forma de aplicação ou activa inter-
caides da cidade e dos Iiigares. venção nos diversos aspcctos do d o burgo e área limitrofe abrangi-
A presidencia do rnunicipio era atribuida ao Juíz mais velho dos eleizos e da pela sua jurisdição. Tendo em considerat;áo que estas tinham como finali-
só apenas no acto de eleiçáo irienal e na abertura anual dos pclouros essa prcsi- dade assegurar o bem-comum de acordo com as solicirii~iicsdos locais ondr: se
dkncia era assumida pelo corregedor, ouvidor rtgiii, capitão do doaat8rio ou seu implantam, teremos uma activa intervenção no quotidiano das gentes, abrangtn-
ouvidor, Nas Canfirias essa variava de acordo ciim a condição de cada ilha; as- do a moral, os usos e costumes, a sanidade, as actividades ecunlirnicas (produ-
sim nas senhoriais tal posição 6 atribuída ao alctilde miayur nomeado pelo ben- tivas, transformadoras e comerciais (17). Esta acção que abrange o dorninio fis-
hor, para as realengas mesma ficou atribuída atC 1535 aos adclantados e desdc cal, econbmico, social, sanithrio. das obras públicas e de defesa, fazia-se
essa data aos governadiires letrados de nomeação rtgia. conforme o estipulado nas compet&nciasemanadas pelas orden;iim.cs do reino;
O funcienamcnio desta estrutura de poder adequava-se As ordcnaqóes, re- a expressão dessa realidade encontra-se lavrada nos acordáos do Senado c nas
gimentos e fueros e As soiicitaçbes da grea que ela abrangia. Assim no caso por- posturas que, em separado, são as peças legislativas mais importantes do poder
tugues a obrigatoriedade de duas sessões semanais do Senado da CAmara sb se local em que se expressam as especificidades de cada hrea com as necessAria5
torna necessgria nos municfpioç mais importantes, como Funchal, Ponta Delga- adaptaçóes das norma gerais do reino (18).
da, Angra, pois nos mais pequenos apenas a reuniáo semanal de saibado era su- A par disso a esta estrutura de poder local rambCm estava acometida ju-
ficiente para atender As qucsrões que a vivencia municipal colocava; estão neste risdição no dominio da jusriça que corria a cargo de alguns fiinciiin8rios indigi-
Iiltimo caso os municfpios das VeIas (S. Jorge), Ponta de Sol e Calhcta. tados pelos vereadores, regidores ou governador/s¢nhor; para as ilhas pcirtugue-
64 A DINAMICA MUNICIPAL NO A T ~ N T I C O
INSWiAR ARQUEOLOGIA 00 ESTADO

sas essa acçãu estava acometida ao alcaide apoiado pelo carcereiro, quadrilhei- deira o 'jpmll e superentendenle das cousos dri girem", que se perpetua post
ro, meirinho da serra e cidade, guardas mores, enquanto nas Canarias essa tare- 1640, com ampla jurisdiqão sobre e administração e provimento dos cargos (21).
fa estava atribuida ao alguacil mayor e tilcaldes ordjn8rios com íi apoio dos di- Todavia nos Açores que encontramos mais semelhanças pois ai ao cargo de
putados de mesa. A o lado destes actuavam alguns funcioohrios que tinham ca- governador, que surgue a partir de 1581, estava, ligadus o pcider militar e de su-
mo missáo garantir e fiscalidar o cumprimente das posturas e ordcnaçóes regias; perintender a administração, A este sucedeu na Terceira em 1640 o governador
680 os aimotacts que na Madeira e Açores eram eleitos trimestralmente da lis- do Castelo de S. Filipe e das ilhas dos Açores como autoridade suprema (22).
ta de homens-bons. Noutro Ambito o policiamento das ruas e lugares era asse- Aqui este encontra-se ao mesmo uive1 do governador letrado (1535) das CanA-
gurado pelos quadrilheirosldiputados da mesa nomeados mensalnrcnte nos trks rias, cargo que desde 1570 szrh preenchido militares, designados desde 1589 de
arquipblagos. capitão-general de Ias isias (23).

4. A evolução da est ruiura municipal adequa-se ao progresso económico 5 . As posturas destacam-se neste domfnio da vida municipal como a mais
e social das Areas onde se implanta e a intcrvenqáo da coroa. Deste modo num lidima expressio da sua actividade e capacidade dc intervenção. dai que a sua
e noutro caso, constata-se que o skculo X V é definido como o momento de am- referençia, aqui e agora, se torna oportuna.
pla autonomia em relaçaio 6 coroa mas de excessiva vinçu1at;ão iintervenqáii Confxon~adasas posturas das ilhas portuguesas ccim as das Canarias sur-
personalizada do capitão, senhorio ou governador. E m arnbas as situações a gem algumas diferenqas pontuais neste domínio, pois u direitci municipal nau
usurpaçáo dos poderes por parte desrcs tornou inevitavel essa vinculaçiu do po- se adequa à relativa autonomia dcfinida pelos alvaras e regimentos skgici.s. Aa-
der municipal As estruturas do poder régio; assim enquanto na Madeira desde a sim na Madeira e nos Açores onde o poder local disfruia de amplos puderes e a
dtcada de sessenta do seculo XV são cerceados os poderes discriciunários do 1
I
sua capacidade iegislativa cstSi entravada pela insisténcia das orrienaqfies rigias
capitâo e a partir de I497 com o advento da nova realidade instirucional com o e regimentos, o legislador açoriano-madeirense t Forçado a afirar pelo mesmo
fim do senhorio o rei coloca sob a sua alçada tais dominios. A par disso na st- diapasão peninsular, submetendo-se ao articulado das, posruras de Lisboa. Ao
cala XVI, mais propriamente em 1503, emerge a figura do corregedor como invks nas GanArias os municipes disfrutam de ampla capacidade iegislativa, ela-
representante da coroa. borando o cbdigo de posturas de acordo com as solicitaç0es da mundividzncia
Situação idtatica sucedera! nas Canhsias onde nas ilhas realengas os gu- do burgo: esse rasgo de originalidade acentua-se e m todos o3 municípios ape-
vernadores, e nas senhoriais o senhor ou reprzsentanic, abusavam da delegação nas no domínio socio-econbmico. Deste modo o direito local canário poderá scr
regia de poderes pelo que o rei se viu forçado a inrervir. Assim o governador definido como auibnomo e multiforme enquanto o madeirense e açoriano sur-
que até 1512 tinha a faculdade de nomear os principais furiciondrios do cabildo girão coma uniformes e arreigados as directrizes monopotizadoras e intewen-
perde-a em favor da coroa, o mesmo sucedendo com a presidência do cabildo cionisias da coroa portuguesa.
que passar8 para os governadores letrados de nomeaçio regia. Tambem os re- A diferente fundamentaçáo dos cbdigas de posturas insulares cunduziu a
gedores serão desde 1544 nomeados pela coroa (19). Mas sem dúvida o golpe uma diversa valorização e empenho do legislador local, Nos arquiptlagos da
mais forie contra essa autoridade çanAria foi a criaqáo em F 526 da real Audien- Madeira e Açores essa permanente e excessiva intervenção da coroa conduziu
cia de CenArias com sede em Las Palmas que, desde 1589, com a nomeação do a um paulatino descrkdito e esvaziar da capacidade legislaiiva do município.
capltfio general de Canhrias ficou com a supcrinrcndencia militar e civil, Deste modo, coarciada a possibilidade de intervenção plena dos municfpios na
canseguinda assim a corria kdircir a ias isla~,e iiiia roia persona" (20). Deste rtgulamentaçáo da vivencia do burgo, o cbdigo de posturas i, em certa medida,
moda poderh dizer-se que o advento do çtculo XVI se apresentou, num e nou- marginalizado. Dai o relativa menosprezo das autoridades municipais e a ten-
tro arquipdagu, como o infcio de uma nova era para a dinâmica instiruciunal d&ncia para o carkter avulso desta legislaç50 que, segundo as ordenações do
destas ilhas definida pela paulatina centralização do pader real com a conse- reino, deveria ser compilada e divulgada junto dos municipes. Note-se que na
quente quebra da autonomia das insiituições locais. Madeira essa ordem sb Foi cumprida em 1572 e 1587, enquanto nos Açules as
O momento de 1580 a 16;U) assume particular significado na compura- primeiras compilações datam de 1655 (Angra) e 1670 (Ponta Delgada): Enrre-
çãri dessas mesmas estruturas pois o facin de eskarrnos ~ r i b alqacfa da mesma tanto nas Canhrias, não nhstante a sua tardia pacificação o ocupaçio, as referi-
coroa conduziu necessariamente a uma tentativa, ainda qite frustrada, de unifor- das compilações surgem em Ciran Canaria e Tenerife em princlpius de skcu10
mizar as ditas instituiçoes. Assim a cxemplti de CizinBrias surge em 1585 na Ma- XVI, maniendci-se uma permanente act ualização e cornpilat;ão nos seculos se-
ARQUEOLOGIA 0 0 ESTADO 67

guintes. As normas reguladoras do mercado insular csiruiuravam-se da seguinte


A p a r desta ambiencia e cni ahonri dcis;t ditcrcniir 1iirniulrtc;áti do direitc> forma:
insular portugufs e çastelhano tercmrii r i próprii) cíidipv ilc pirrt urii+ C ii \ C W u m - 1. CCIM~ R C E INTERNO,
O uma intewenqSo assente num apertada sir-
po de intcrvsnçáo. E m Tenerifr: e Grun C'an'zrra t i Icgiil;ilior iiicaE rcguliimcniii tema de vigilsncia incidindo w h r e u pcsrb do pão, prego de venda, de mais bens
de modci rigoroso todos os ahpectos da vida du populaqari, definindo ocirrtiiis de alimentares 2 artefactos, fixado\ cm vereaqão;
condura social e um apertado espaço dc intrrvrnç5o para us divcrstis rigcntes 2. C O M ~ R C I O EXTERNO,acruaçáo n o sentido de dclirnitar essa trocas
econfimiccis. Desies ri mais rigoroso é u da ilha de Cir'in C'anária clut sc dcwn- com o exterior aos excedentes ou aos produtor a isso destinados.
volve em 48h capitulas. Aqui icidos cis Jominiiis da vida eciiniímicd adcluirrm Todavia neste Ultimo dominiri a acçiio do município deiineiiva-se de acor-
uma posição relcrantc. do com o nivel de des~nvoh~imentci sciçio-econárnico de cada cidade. As çidadcs
O atr6s referido exprc5sa cubalmente ii impiiriincia c ârnhito atribuído de grande animtiçátr çorricrcial com r i exiericir, ctirno Angra, Funchal, Pcinta Drl-
nos três arquipklagos ao dirciio municipal. AlZm disw cvidcncia quc ri sua arir- gada e Las Palmas. neccssi~avamdc maior atenção e dc unia rcgulamrntaçáo
mação depende de múliiplii~factores e m que se d r i i a c a a 1t:ndénçia çiinçenira- exautiva do nic.i~imentude entrada e haída, orientada de difcrcntc?, formas. A
cionista da autoridade e inriizuiçõer regias e m ligação com a çiiniuniura puliti- defesa da produçãci interna implicava neçessasiarnente ccindiciunamcntos n o
co-ecnbmica. Deste modo o cOdigo dc posturas p a r a a l i rn dc surb''Ir çoniii a cx- rnovimentri de entrada. AU invés a cartncia, norneadarncnte LIc hens dlirnent;trcs.
pressjo dos ameios da quotidianeidade insular retlcctc. os veciorcs dominantes conduz a o estiihclccimcnro dc medidas incentiladoras da sua entrada e Jc: u m
da conjuntura em que emerge e da dinâmica institucional balizadora. Sendo as- controlo rigoroso seu traniporte e arrnazcnamento. Eit~t,ultimas eslavam
sim nas CanArias o cbdigo de posturas, corno u mais Iídimu expressâo dos vec- apoiadas na limitação impoçta 5 sua saída ou reexporlaqiii. Estáo neste caso 0
~ c i s c sinstitucionais emergentes da eccinomia I: sociedade canária enquanto na cereal, vinho, areite, pcscitdo, gado, carne, biscoito, Iinhii c couro. Todavia a in-
Madeira e nos Açores, para além dt: espzlharern essa tendéncili concentracio- tetvençao d o ~ municípios insulares é variAvcl, reflcxo de urna diversa siiuaqáo
nisra da coroa, evidenciam a prcrnencia das orieniaçfies gcrais dci reino na re- socio-cconbmica.
gulamenraçâo da quotidianeidade local, no sentido J c uma unifotrnizaçàu de to- Os cereais pela importância que dctêrn na vivcncia das pcipulaqõcç insu-
do o Império. Estas camhiantes dáo conta de uma oricntaçao diversa do direito lares merecem redril~radaatenqàii nci código de pcisiuras. Ai ti seu ariiculado t2-
e das instituiçáes definidos pelas coroas peninsulares, de acordo com a s u a po- rh de adaptar-se iconiilntura czreafifera municipal E: insular o q u z c i i n d i i ~a u m a
lítica colonial, para o novo mundo atlântico. permanente motiilidudc do çcu articulaclo. E ~ t a slios das poiic;ts posturiis qrie se
A intervenqão destas insrituiçóes poderá ser sinteri~adaem quatro dcimí- alteram com ~criodicidademensal ou anua1.A ilha Je São Lliguel 6 dis50
nios: exemplo pois O seu código frumentário sufre cunsiante5 alteraqíies no sécillu
I. Regulação dos cargos municipais t: da adminisiração da farenda mu- XVII, merce da conturbada conjuntura cerealíiera. O meamo sucede e m Fucr-
nicipal; tevcntura onde O cahildo actualiza anualmente o poçituliido das sefcridas. norma5
2. Regulamentação das actividades eçonbmicas de acordo com os sec- adequando-se as novas condiçóes da conjuntura cttrealilera.
tores d e actividade, os aspectos mais salientes da vivencia socio-econámica do A fragilidade do sistema ecnnbmic~iinsular associada à sua extrenia dc-
hurgo-rural, oficina1 e mercantil - em conjugação com o s iaciores propiciadores pendEncia fio mercado europeu e atlsntico candicionsram o n í ~ c lde desenvtil-
dessa animação da urbe; vimentci do sistema de ttocas, marcado por mfiltiplas dificuldades nii seu abas-
3. Institucionalização das normas de conduta e da sociabitidade mercê da tecimento.
regular izaqão dos costumes e do comportamento dos grupos marginais-mere- Deste modo as autoridades municipais Farcm incidir a sua acqãci sobre o
trizes, escravos, mancebos; sistema de trocas de modo a assegurar-se a suhsi5i&nçiada5 pripu1uc;fits insu-
4. Medidas tendentes a criaçáo de uma ambiência de salubridade no hur- lares. Dai o especial destaque atribuído à5 qursthcs de rihastecimento n:is ilha\,
go tendo e m conta o necçss5rio asseio e prevenqão profilhctica das rradicionais onde o cereal era escasso ou, por uma conjuntura dc crihe. Esta Última
epidemias da kpoca. situa650 fundamenta o elevado niirnero de posturas na ilha de São Migiirl, comi-
Destas destaca-se a intervençaõ ao nível das actividades econbmicas onde dcrada, então, o principal çeltira du mundo insular. Safienie-se ainda que as
se pode tomar contacto com o pulsar das gentes de então. AliAs este dornfnio foi mesmas se situam nas de 30 e 40, pericido critico para o abastecimen-
o que mais preocupou os munlcipes e catiildos insulares (24). to e comercio cerealffero micaelcnse.
- ,

68 A DINÂMICA MUNICIPAL NO ATLÂNTICOINSULAR ARQUEOLOGIA DO ESTADO 69

o articulado das posturas frumentárias ia assim ao encontro da conjuntu­ ção da estrutura institucional e as evidentes influências madeirenses na reali­
ra particular de cada município e no geral do mundo insular. Aí definiam-se me­ dade social e económica de Canárias levar-nas-iam a concluir, à partida, dessa
didas compatíveis com as reservas de cereal existentes no!>granéis públicos e inevitável intervenção da Madeira nesse domínio, mas aqui, corno vimos, a pro­
privados, dando-se particular atenção ao preço, peso do pão e contingentes pa­ cedência é outra, pois a coroa castelhana não abdicou das suas prerrogativas de­
ra exportação. finidoras dessa realidade institucional, que tal como nas ilhas portuguesas se ex­
O vinho faz parte desse grupo de culturas ou produtos atingidos por este pressou por uma adequada transplantação das instituições peninsulares. Deste
tipo de medidas proteccionistas, mercê da sua importãncia na dieta e sistema de modo as semelhanças detectadas corresponderão necessariamente a uma idên­
trocas insulares. As posturas estipulam medidas de protecção da cultura em face tica necessidade de atacar as questões pela mesma via.
da depredação do gado e frutos, bem como o modo de venda do vinho ataver­
nado. No primeiro caso proibia-se em Ponta Delgada, Funchal e Angra a ven­
NOTAS
da de uvas sem indicação ou licença do dono. Entretanto, no segundo caso, pro­
cura-se evitar os precessos fraudulentos da sua venda com a fuga ao pagamen­
l)JesusLalindeAbadia, "EI derecho casre//anoem Canários",in Anuário de
to da imposição e à baleação de vinhos de diferentes qualidades. Assim cada ta­ Estudos Atlânticos , n!!16, 1979, 13-35.
berna só poderia dispor de duas pipas de vinho (branco e tinto), abertas por um 2) Eduardo Aznar Valejo, La integración de las islas Canárias en la corona
oficial concelhio após serem almotaçadas. deCastilla (1478-1526) ,La Laguna, 1983,47,61.
A carne e peixe, produtos cuja venda e manuseio exigiam especiais cui­ 3)ManuelJ.Ferreira, O arquipélago da Madeira terra do Senhor Infante,
dados, ocupam lugar de destaque nas posturas insulare!>.Aí !>eestabelecem nor- Funcha~ 1959,271,confronte-se Alvaro Rodrigues de Azevedo, "Nolas", in Saudades
mas reguladoras de todo o processo de circulação e venda. Assim não era per­ . da Terra, Funchal, 1873,494.
mitida a sua venda fora da praça e mesmo aí deveria !>erfeita por agentes habi­ 4) Urbano de Mendonça Dias, Avida de nossos avós, vaI. llI, Vila Franca do
litados pela vereação. Deste modo aos proprietários de barcos, arrais ou pesca­ Campo, 1944, 11-56.
dores estava vedado o comércio de retalho. Ambos os produto!>deveriam ser al­ 5)Antonio Malpica Cuello, "EI fuero 1IIleVOen el reino de Granada y el fuero
de Gran Canaria(noraspara el estudiodeIa adminslraciónmunicipal)", in lU Colo­
motaçados pelo almotacel ou diputados. A carne para além do seu corte obriga­
quio de Historia Canario-Americana (1979), Las Palmas, 1980,319-42.
tório no açougue municipal pelo marchante era vigiada por oficial concelhio.
6) Por alvará de 17 de Agosto de 1508, publicado por Alvaro R. de Azevedo,
A venda por peso ou medida facilitava o dolo dos vendedores pouco ho­ ob. cit.,491-92;confronte-se '~. R. M.", C. M. F., n!!400, 401.
nestos que falsificam os referidos meios de medição. Deste modo o município 7)A.Cioranescu, Historia de Santa Cruz de Tenerife , vaI. I, 1977, 157.
era obrigado a redobrar a sua vigilância sobre o retalhista, sendo o seu alvo prin­ 8)AIberto Vieiraeoutros, "Omunicipio do Funchal (1550-1650J",in Coloquio
cipal as vendeiras. Daí o estipular-se o uso obrigatório de pesos e medidas afe­ Internacional de História da Madeira, Funchal, 1988.
ridos pelo padrão municipal, em todas as ilhas, sendo anual a respectiva confe­ 9)AntonioSantosPereira,A ilha de S. Jorge (Séculos XV-XVII),Ponta Del­
rência que estava a cargo do almotacel ou fiel ejecutor. gada, 1987, 99.
10)Juan Ignacio Bermejo Girónes, Los Cabildos Insulares de Canárias, San- .
6. Concluído este rastreio comparativo das instituições municipais dos ar­ ta Cruz de Tenerife, 1952, 23-25.
11) A. R. M., C. M. F. - Registo Geral, t. I, fl. 202-209; veja-se ManuelJuve­
quilélagos do Mediterrãneo Atlântico fica-nos a ideia de que afinal estas ilhas
nalPitaFerreira, O arquipélago da Madeira Terra do Senhor Infante, Funchal, 1959,
mantiveram uma relativa proximidade das suas dinâmicas económico-social­ 301-303.
institucionais, resultado de semelhante resposta às comuns solicitações do quo­ 12)Veja-seVictorRodrigues "AAdminstraçáodo ConcelhodePomoDelga­
tidiano. Daí as inevitáveis similitudes, que se tornam mais expressivas ao nível da... ", in Os Açores e o Atlântico séculos XIV.XVII ,1984; M. Margarida de Sá No­
das questões atendidas pelo Senado e legisladas sob a forma de posturas. gueira, "AdministraçlJo do Concelho de Vila Franca do Campo... ", in ibidem.
Ao nível da estrutura desta instituição e da sua evolução a identificação 13) Acuerdos dei Cabildo de Fuerteventura, La Laguna, 1970, 15.
de situações não deverá ser encarada como o resultado de uma política concer­ 14)Juan Ignacio Bermejo Gironés, LosCabildos Insulares de Canárlas, San­
tada dos insulares e coroas peninsulares, mas apenas como uma coincidência de ta Cruz de Tenerife, 1952,23.
conjunturas e respostas necessárias às questões que as mesmas colocavam. O 15) Ulpiano Perez Barrios Buenavista..., Santa Cruz de Tenerlfe, 1986,24;
Acuerdosdel cablldode Tenerlfe, t. 1,1949,XVI, 11LaLaguna, 1952,XXVI-XXVIII.
facto de na Madeira se ter iniciado muito mais cedo este processo de constitui-
ARQUEOLOGIA DO ESTADO ti

16)UrbanndeMendonçaDias, A vlda de NOSSOSAvhã, 111, VIIn f r a n t a do


Campo, 1944,M-57;~ r c b l v odo Agores. V1 I I, 164. L.CANÁRIAS
17) Leopoldo de La Rosa Oliveira, Acuerdos de! C'iibtldo de Tenrrlfe , I I; AZNARVALLWO, Wuardo, La In tegrticlhn de Ias islns Ciinhrlas r n Ia
1952, XIX-XXXV;EduarduA;cnar VaIlejii, Cn integriicihn de Ias isltis CtlnBrias en ronir de Castiltri ( 1478-1526) ,La Laguna, 1983.
I a çorona de Csstilla (1478-1526) , La Laguna, 1083, JH-40. ARTILES, Benjamiq Siibre Ias ordentinziis de Ia Real Audiência de Canh-
18)Veja-se AIherto Vieira, "lnirfrdicçdoao eshrdo do Dirriro Lncul Itzsrilur. ,.I1. rln-,h~alPalmas,1049.
Posturasda Madeira, Açores e Canrfsias nos SPcirlrlsXWe XL'II", in VI1 d'oloquiu de BERMWOCilRC)NES,Juan Ignacici, Lus ciibildos insulares de C'rinárias,
H t s t o r l a C a n a r l o - A m e r h a (1 986). SantaCrurde Tcnerifc, IY52.
14)Leopldode La Rosa, "C)qunizocthrt drl C'uhilrio", in Acuerdoa de1 Cu bil- LIORANE,KU,Alcjrindrri, Histhria deSantaCruz de Tenrsiitr ,Vol. 1, Santa
do de Tenerife ,111,1965,XIX-XXIII. Cruz de Teneslfe, 1977.
20) Wlpiano Percr Barrios, Buenavis~a,Santa Cruz dr TrnrriFe, IOXh, 17-23. CULLEN DELCASTILLO, P.La inctirpi~rliciónde Ia i*liiy ruertiy prikile.
21) Dami5uPcres,O Problema dos I;iwrrnudores Gerais da ilhu dii hlridel- gioswncedidos aI;rnn L~nnriri, Las Palmas. 1478.
ra, Porto, 1925. FELVANDEZ-ARMESTI).F., Thc Çuniiq lsland* ní'trr Ifie conqitcst Or- .
22) UrhanoMendon~aDia\ A rida de nossos a v k ,vel. Il t , 1944. kird 1982.
23) Leopoldode La Rosa Oliveira, Evuluclhn de1 Regirnrn Local en Ias isliis GARC'IA-I;ALL<), Aifonso,"Los.sii.(~tnrn rlr r'ulorritut~hrtlfe ('utlúnu~!,.-lrite-
Canhrlas , Madrid, 194. rica tvn 103 stglor XI ' X12'; i i i IC'cilóquiiidt. Hi\thria Canariti-Xmrricanii. L ~ i PdI-
~ 8 s
24)Yeja-se Alhrstii Vizira,"A qrrstàu ctbrc.ul$eruiio~,-i\.on~i.
EI~iiit~ritusporu mas, 1977
O seu e s ~ i d o "Nt
, Arquipelago, n- 2,voI. VI], Ponta Delgada, Iti%J;AItir rtii Vieirac LALINDEAl3AI)1A,Jcsi!s, "E1 derecho rusrelluno rti C urluR'~.~.", in hnuiiriii
Outros,"O hf~inicípiodo Fiitichul (l5lll)-1(5011~':já citado; Acucrdus de1 Cabildo d e .
de Estudiis AtIântlccis n g 10. Las Palmas, 1070.
Tenerlfr: ,vols. I-V, Santa Cruz de Tcnerifri, 1949- 1986; Acuerdas de1 C'ubildo de WLPICAC"I'ELU).Aniiinh, "Elfileroi i ~ l u i , oeri pl reirio Lii. Gmnuilu r t*lji~e-
Fuertwroturmi , 3 vols., La Laguna, 1907- 1970; As Vrreaçôes de V e l ~ 3, Ponia Dcl- ro cle Grun C a r i u ~ u(r~aras i o Ia adtrtiriisrrac6ti t~iritricipuS)':in nI Cu-
pum e1 ~ ~ i r i l dde
@da, 198-i;AntoniuSanFiis Pereira, A II hri de S:Jrirge , Ponta Dclgda. 1(>H7,89-137: loquiode Hist6riuCanlirici-Americana, Las Pnlmas, 1Y#O.
Urbano Mendonça Dias, A \.ida de nosso+aicis ,vcil. \'. MORACESPADRON, Eranciai,Ordeniinzas dr Gran Caniiriii i 1531i , Las
%!mas, 1074.
MWROffiEGON,Antonio, "Edudhkdiu eii CUiiári~~i y rft~ii.ricrr',in I C'tilo-
qulode Hlstbria Canario-Americana , Las Palmas. 1977.
1. AÇORES OSSUNAYZ'ANDEN-HEEDE, Manueldc, El Regionalismor n Ias istas C'u-
CUNHA, PeUanuel Azevedoda Notas Histhririis , 2 vols, Printa Delgada, nárias(estudia historico,juridjcoy psicologlco) ,t. l,SrintaCruzdeTenerife, 1904.
1981. PEREZBARRIOS, Ulpiino, Ruenavista, Santa Cru? de Tcncrife, 1cM6.
DIAS, Urhanode Mendun~a,A vlda de nossos arhs , vuls 1I-Y, Vila Franca do ROSA OLIY EIRA, teopoldci de Ia, Estudias Hisioricos >obre Ias Ctrnlrilis
Campo, 1944. Orienitales , Las Palrnah, 1978.
A VILA,YOL.Vl,Yila FrancadiiC';impu, 1927. Evalucibn de! Regimen local en Ias islas Canáriirs ,Mudrid, IWh.
DRUMMOND, F.F.,AnakdiiIlha Terceira ,rlvciB., Angrado Heriiísmo, 198I . RUMEU DEARMAS,Antuniu, La conquista de T ~ n e r i f rI4YJ-I 446,Sariid
MACED0,Antonio L.da Silveira. HlstOria dias quatro ilhas que formam o CrurdeTenerife, 1475.
dlstrltodri Horta, 3vrils.,Angra do Herohmci, 1081. SERRA RAFOLS, Elim, Alonso Fernandrz Lugci primer tciliinizadiir espa-
MERELIM, Pedrtide, Memlirtn Hlsthritaderdificur;hodris paqrw do ciincel- nol, SantaCruzdeTenerifc, 1972.
ho de Angra do Heroismo, AngradtiH~rtíi+mci.IW4.
Fregueslau da Prala ,2 vt)ls.,Angra do Hcriiismci, 1983. 3. MADEIRA
NOGUEIRA Margari& Jc SA,"ud~riiiri.str#çdo do Cr)ricplltofie 1 5 1 frarica
~ do FERRA& Mariade kiurdesde Freitas-AIlhada Madeirasrih (idomínio dii ca-
Cumpo",in O s Açares e o Atl5ntlco. Skcutos IV-XWl, Angra dri Hcraismci 1984. sasenbrialdoinfanie Q. Henrique C seusdescendenteh, Funchal. I98ti.
PERETR4AntonioSantos.A Ilha de S. Jorge. Skcu tos ?(V-XVI 1. Bcinta Drl- FERRELR,&R,Juwnal Pita,"'OItifunre D.FrmanJii Terct*iroSeirlirir ik) W-
@da, 1987. yriipéIap da Madeira, 1460 14711': in DasArtese da Histbriada Madeira. nri. 33, lghq.
PEREImYcntura Rcdrigues, A Rlbelra Grttnde , Rikcira (irande. 19X3. O Arqulpdlago da Madelra Terra do Senhor Infiintr. Funchal. 19.59.
RODRIGUES, Victur,"AJ~?tinisrruçd» de Poti~uDelgada ... ", in
do ~niir~ii~ipiri C;ONC;ALVES, Ernesto, " Ç h honiens-bons do cr>iiccllri>do Fiirichal ern 1171",
OsAçoreseciAtllniico.S&culiisX I V - X V I I, Angrado Herriihmo 1'bX.l. in Das Artes e da H i s t O r j r i da Madelra. Vtil. V. no. 2b. 1957.
ARQUEOLOGIA DO ESTADO 7:

PEREIRA, Fernandolrismins,'2ilha da ma de ir^ no Prncidr~Hriiíiquino ",in


üitramrir ,no. 3, 1962.
RODRIGUES,Miguei, "OCoucelho do Fiurchol na sep.XirridutrieruJe do SStculo
Xlr: in 13113-1385 e a CrIse Cera[ dos Séculos XICr-XV,Jorniidah de HistCiria M e -
dleval, Lisboa, 1985. utura Administrativa
WEFRslAIberto, "Inrroduç&oao eéssrldo do DireifoLocul Insirlur, Aspostirrus
da Madeira, Açores e Car~ánasnos sPciilos XVI XrílI" , in Y I1 Col6quio de Histbrju
CnnarIuAmericana, Las Palmas, 1984 (noprclil); "OSetihonu ir» Arlhirico h ~ i r l a r
f Adc'an--b
(Governador)
Tertiente de fiovcmadcir

Onerital.Airálise cot?iparadadu diridniica instfntciott a! de iffodeirae C'ot16n'asnos sk-


ci~íorX V e X M ' ; in 111Jornadas de Hlstbria de Fuerteventura y tunsaiote, Puerto
de1 Rosario, 1987 (noprelo). (e outros) - "OM~lnicipindoFiurcliul iISSO-16.5#), ad-
ministraç&q econonria e sociedade, a l ~ r fnebnenros pura o sPtr esrir dolo;in Cult5yuin
Internaclonafde História da Madeira, Funchal, 1986, (nu p r c l ~ ) .

11 3. Rc+f kyLo
M a d a o
AA ~! íBeI m
~ u
S ~
Piscihario dcl &at

Senhorlala Nom. do ecnhorlo:


Aiwidc ordrnhia
hlguicil
Aifm
Rcdm 161
SindLm
PcmmaoGcmral
Eacriban- (6)
AudlPncl4 de C s n i r t a i (1526)
I

C kirneuo

4
Facrivb dos Coitcd

I
RRWEOLOG1A 00 ESTADO 75
A DINAMICA MUNICIPAL NO ATIÂNTICO
INSULAR

Estrutura admfnlstratlva dos Açores e da Madeira

Regidores
76 A PINÃMICA MUNICIPAL NO A T ~ ~ ~ INSULAR
~ I C O

Senhorial Rtdengo

(raros
n
f
W m Regedares (6)
Alwd
Mbanos
--- Jurados (2)
b e r o
fiya-
Taiiente dorno

Procurador da
comum

Interesses relacionados