Você está na página 1de 28

Projecto de

prNP 4413 2011

Norma Portuguesa
Segurança contra incêndios Manutenção de extintores
Sécurité incendie Maintenance d’éxtincteurs Fire safety Maintenance of fire extinguishers

ICS 13.220.10 DESCRITORES Segurança contra incêndios; extintores de incêndios; manutenção; medidas de segurança; controlo da qualidade; etiquetas; marcação; bibliografia; definições

APROVAÇÃO 2011-10-26 INQUÉRITO PÚBLICO Este projecto de Norma está sujeito a inquérito público durante o prazo de 30 dias conforme indicado na publicação do Instituto Português da Qualidade “Lista Mensal Projectos de Normas”. Eventuais críticas ou sugestões devem ser enviadas ao Instituto Português da Qualidade, Departamento de Normalização ELABORAÇÃO CT 46 (APSEI) EDIÇÃO Outubro de 2011 CÓDIGO DE PREÇO X007

CORRESPONDÊNCIA

© IPQ reprodução proibida

Rua António Gião, 2 2829-513 CAPARICA

PORTUGAL

Tel. + 351-212 948 100 Fax + 351-212 948 101 E-mail: ipq@mail.ipq.pt Internet: www.ipq.pt

..................................................................................................................................................................................................................................................... 6 Registos........................................................................................................................................................... 2 Referências normativas.................... 3 Termos e definições ................................................................................................................................................ Bibliografia .................................................. saúde e ambiente .................................................. 1 Objectivo e campo de aplicação ................................................................... 3 de 9 Sumário Página 4 5 5 6 8 13 22 24 25 26 27 28 Preâmbulo ................. .............................................................................. 5 Procedimentos...............................................................................prNP 4413 2011 p.............................................. 4 Requisitos de certificação .................. 8 Segurança............................................................................................................................................................. Anexo B (informativo) Indicações para o Responsável/Delegado de Segurança ............................................................... Anexo A (informativo) Requisitos das Entidades Formadoras ..... 7 Compras ...........................................................................................................................................................................................................

que estabelece o regulamento técnico de segurança contra incêndio em edifícios.º do Anexo I da Portaria 1532/2008 resulta que “Extintor de incêndio. independentemente da sua dimensão. a capacidade. que pode ser descarregado sobre um incêndio por acção de uma pressão interna. Do n. . Os extintores não têm capacidade para combater fogos de grandes dimensões. o número de equipamentos necessários em função do risco. os quais devem ser auditados por organismo de certificação. Permitem ainda iniciar com rapidez as acções de extinção.Associação Portuguesa de Segurança Electrónica e de Protecção Incêndio (ONS/APSEI). Os Anexos A e B são de carácter informativo. Os extintores são equipamentos de primeira intervenção na extinção de fogos. A presente Norma contém as exigências legais para as empresas de manutenção de extintores. equipamentos de primeira intervenção com capacidade limitada. A sua utilidade decorre do seu fácil manuseamento. são também factores relevantes para a capacidade de actuação destes equipamentos a sua adequada instalação. Tendo em vista elevar os níveis de qualidade da prestação do serviço e de responsabilização das empresas que operam no mercado.prNP 4413 2011 p. que consagra o regime jurídico de segurança contra incêndio em edifícios e o diploma complementar Portaria n. imediata disponibilidade e possibilidade de serem utilizados por uma única pessoa.º 220/2008. NP EN 1866-1 e NP 4413. a sua sinalização e a sua correcta utilização.º 1532/2008. Para além da adequada manutenção dos extintores. as empresas detentoras de certificação do serviço de manutenção de extintores segundo a NP 4413:2006 poderão adaptar-se aos requisitos de certificação estabelecidos pela presente Norma no prazo máximo de 1 (um) ano a contar da data da sua publicação. aparelho contendo um agente extintor. A presente Norma aplica-se a todas as empresas prestadoras do serviço de manutenção de extintores. já que são. de 12 de Novembro. contemplando os aspectos críticos para assegurar a qualidade do serviço.º 9 do artigo 8. Deve estar em conformidade com as NP EN 3. 4 de 28 Preâmbulo Para a elaboração da presente Norma foram respeitados os regulamentos e as normas europeias em vigor.”. o tipo. essencialmente. de 29 de Dezembro. designadamente o Decreto-Lei n. No entanto. na fase inicial de um incêndio. A presente Norma foi elaborada pela Comissão Técnica 46 “Segurança contra incêndio e símbolos gráficos” sob a coordenação pelo Organismo de Normalização Sectorial . Este documento substitui a NP 4413:2006. a presente Norma define o conjunto de procedimentos a observar na manutenção de extintores e os requisitos de certificação do serviço.

f) garantir aos vários intervenientes no mercado da segurança (por exemplo. responsáveis de segurança.º 1532/2008 e à Portaria n. Decreto-Lei nº 211/99. Para referências datadas. apenas se aplica a edição citada. em simultâneo. b) dar resposta ao requisito legal estabelecido no artigo 13º do Decreto-Lei nº 56/2011. projectistas. c) constituir um referencial de certificação de serviço baseado num conjunto de requisitos reconhecidos pelo mercado e garantir a sua verificação periódica através de auditorias efectuadas por um organismo de certificação.prNP 4413 2011 p. seguradoras.º 178/2006. permitindo. que o cliente possa proceder à selecção de fornecedor com base em critérios especificados. as entidades devem possuir a referida certificação de serviço e efectuar o respectivo registo na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). g) incentivar a melhoria contínua do serviço através do desenvolvimento da competência e da qualidade. do Parlamento Europeu e do Conselho. aplica-se a última edição do documento referenciado (incluindo as emendas das normas referidas). de 14 de Junho Decreto-Lei n.º 9 do artigo 8.º do Anexo I da Portaria n. a pedido do Responsável ou Delegado de Segurança. 5 de 28 1 Objectivo e campo de aplicação A presente Norma aplica-se às empresas com actividade na manutenção de extintores e define os requisitos de certificação do serviço de manutenção de extintores. de 29 de Junho Decreto-Lei nº 35/2008. e) fornecer às empresas prestadoras do serviço um recurso que permita reconhecer a sua competência técnica. Para exercer a actividade de manutenção de extintores. 2 Referências Os documentos a seguir referenciados são indispensáveis à aplicação deste documento. A presente Norma visa ir ao encontro dos objectivos seguintes: a) dar resposta ao requisito legal estabelecido no n. de 27 de Fevereiro . de 5 de Setembro Transposição da Directiva Europeia sobre Equipamentos sob Pressão (Directiva 97/23/CE) Estabelece o regime geral da gestão de resíduos e transpõe as Directivas nº 2006/12/CE e nº 91/689/CEE Regulamenta as operações de manutenção e assistência de sistemas de protecção contra incêndios e extintores que contenham substâncias que empobrecem a camada de ozono (Halons) nos termos do Regulamento (CE) nº 2037/2000. a presente Norma aplica-se também à verificação de rotina dos extintores sempre que esta for efectuada por empresa de manutenção. Caso não sejam cumpridos todos os requisitos estabelecidos pelo presente documento.º 773/2009. Não obstante a verificação de rotina dos extintores não estar sujeita a exigência legal. Para referências não datadas. d) definir os requisitos que permitam aos prestadores de serviços oferecer aos seus clientes soluções adequadas à satisfação das suas necessidades. entidades fiscalizadoras. não é aceitável invocar a conformidade com esta Norma. entre outros) que as empresas que cumprem com a presente Norma se regem por um conjunto de normas e requisitos reconhecidos.

performance and test methods Segurança contra incêndio. de 21 de Abril NP EN 2 EN 3-7:2004+A1:2007 EN 615 EN 1866-1 NP EN 25923 3 Termos e definições Para os fins da presente Norma aplicam-se os seguintes termos e definições: 3. de 29 de Abril Estabelece o Regime Jurídico de Segurança contra Incêndio em Edifícios Estabelece o Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios Estabelece o Registo de Entidades na Autoridade Nacional de Protecção Civil Transposição do Acordo Europeu Internacional relativo ao Transporte de Mercadorias Perigosas por Estrada Assegura a execução. . líquida ou gasosa especificamente adequada para extinguir um incêndio. relativo a determinados gases fluorados com efeito de estufa Classes de fogos Portable fire extinguishers. quando aplicada em determinadas condições. 3.prNP 4413 2011 p.2 carga A massa ou o volume de agente extintor contido no extintor. Part 7: Characteristics. 6 de 28 Decreto-Lei nº 220/2008. 3. comuns a vários fabricantes. É geralmente o Responsável ou Delegado de Segurança. do Regulamento (CE) nº 842/2006.3 cliente Entidade que contrata a empresa de manutenção de extintores. do Parlamento Europeu e do Conselho. Expressa em unidades de volume (litro) para os extintores à base de água e em unidades de massa (quilograma) para os outros extintores. Fire extinguishing media. 3.1 agente extintor Substância sólida.4 componentes de origem Peças que constam da documentação apresentada pelo fabricante aquando da certificação do extintor. de 29 de Dezembro Portaria nº 773/2009.5 componentes comuns Peças similares às de origem. Part 1: Characteristics. na ordem jurídica nacional. 3. Agentes extintores. de 17 de Maio. de 12 de Novembro Portaria nº 1532/2008. performance requirements and test methods Fire protection. Dióxido de carbono Decreto-Lei nº 56/2011. Specifications for powders (other than class D powders) Mobile fire extinguishers. de 21 de Julho Decreto-Lei nº 41-A/2010.

em conformidade com a presente Norma.6 corpo Recipiente do extintor sem acessórios mas contendo todos os componentes de fixação permanente (soldados). 3.11 extintor de água Extintor que utiliza como agente extintor água ou água com aditivos.14 extintor de halogenados Extintor que utiliza como agente extintor Halon ou outros gases halogenados. nem sujeito a manutenção. 3. .16 extintor operado por garrafa de gás propulsor (sparklet) Extintor em que a pressão necessária para a descarga do agente extintor é obtida pela libertação. 3.7 corpo de um extintor descartável Corpo de extintor (normalmente do tipo de pressão permanente) que não pode ser reutilizado.º 1005/2009. NOTA: Para efeitos desta norma. NOTA: Inclui os extintores de espuma. 3.prNP 4413 2011 p. 3. para as utilizações críticas estabelecidas pelo Regulamento (CE) n. por extintores entendem-se os extintores portáteis e móveis. 3. que pode ser descarregado sobre um incêndio por acção de uma pressão interna. age em representação da entidade responsável para executar as medidas de autoprotecção.13 extintor de gases fluorados com efeito de estufa Extintor que utiliza como agente extintor um dos gases constantes do Anexo I do Regulamento (CE) nº 842/2006. de uma carga de gás comprimido ou liquefeito. HFC.15 extintor de halocarbonados Extintor que utiliza como agente extintor um gás halocarbonado como. por exemplo: HCFC.10 extintor Aparelho contendo um agente extintor. 3. Deve estar registada na Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC).12 extintor de dióxido de carbono (CO2) Extintor que utiliza como agente extintor o dióxido de carbono.9 empresa com serviço de manutenção certificado Empresa com serviço de manutenção de extintores certificado por organismo acreditado pelo Instituto Português de Acreditação (IPAC). 7 de 28 3. no momento da utilização. 3. PFC ou FIC. deve ser efectuada por técnicos certificados pela Agência Portuguesa do Ambiente. A intervenção nos extintores de Halon. 3.8 delegado de segurança (DS) Designado pelo Responsável de Segurança. 3.

c) recursos humanos. bem como a responsabilidade civil da empresa. 3. 3.1 Organização e responsabilidade A empresa deve: a) implementar e difundir. a presente Norma.20 manutenção Conjunto das acções de carácter técnico e administrativo. sendo a sua responsabilidade limitada aos mesmos. 3. incluindo as acções de intervenção.19 garrafa de gás propulsor (sparklet) Reservatório sob pressão recarregável ou não.18 extintor de pressão permanente Extintor em que o agente extintor está em permanente contacto com o gás propulsor e sujeito à pressão deste. Poderá ser o proprietário. espaços partilhados ou serviços colectivos. Poderá ser efectuada pelo responsável ou delegado de segurança ou pela empresa de manutenção de extintores certificada. 8 de 28 3.17 extintor de pó Extintor que utiliza como agente extintor pó químico. 4 Requisitos de certificação A certificação do serviço implica o cumprimento dos seguintes requisitos pela empresa: a) organização. . o proprietário do extintor ou o representante deste e quem garante que os extintores são submetidos às operações de manutenção necessárias.22 verificação de rotina Breve avaliação que visa garantir que o extintor está disponível e operacional. Abrange as operações de manutenção anual e de carregamento. em metal e contendo um gás propulsor.1. destinadas a conservar o equipamento ou a repô-lo no estado de funcionamento. É. no caso do edifício ou recinto estar na sua posse.5 l. na maior parte das vezes. 4. b) recursos materiais. a todos os níveis da organização. o detentor da exploração do edifício ou do recinto. 3.1 Organização A empresa deve demonstrar possuir a organização e os procedimentos necessários ao bom desenvolvimento da sua actividade e evidenciar os requisitos mínimos de organização a seguir descritos. 3. b) definir o poder de decisão.21 responsável de segurança (RS) É a pessoa individual que assume a responsabilidade da manutenção das condições de segurança contra risco de incêndio aprovadas e a execução das medidas de autoprotecção. ou as entidades gestoras no caso de edifícios ou recintos que disponham de espaços comuns. Pode ser interior ou exterior.prNP 4413 2011 p. 4. cuja capacidade é inferior a 0.

protecção.prNP 4413 2011 p. g) prevenir a utilização indevida de documentos obsoletos e para os identificar de forma apropriada se forem retidos para qualquer propósito. prontamente identificáveis e recuperáveis. f) assegurar que os documentos de origem externa são identificados e a sua distribuição controlada. d) assegurar que as versões relevantes dos documentos aplicáveis estão disponíveis nos locais de utilização. c) assegurar que as alterações e o estado actual de revisão dos documentos são identificados. A empresa deve manter os registos pelo período mínimo de cinco anos.5 Comunicação com o cliente e avaliação da satisfação A empresa deve estabelecer e implementar formas eficazes de comunicação com os clientes relativas a: a) informação sobre o serviço.1. d) empreender acções correctivas para eliminar as causas das não conformidades com o fim de evitar repetições. 4. para os reaprovar.1. 4. b) rever e actualizar os documentos quando necessário. tempo de retenção e eliminação dos registos.1. armazenagem. d) possuir um fluxograma onde descreva as principais fases de execução do serviço e indique os pontos onde são efectuadas acções de controlo da conformidade do serviço com os requisitos. Os registos devem manter-se legíveis. A empresa deve elaborar e manter os registos de forma a proporcionar evidências da conformidade com os requisitos estabelecidos e o fornecimento eficaz do serviço.2 Sistema documental A empresa deve definir um sistema documental controlado que abranja a documentação interna e externa. A empresa deve estabelecer um procedimento documentado para definir os controlos necessários para: a) aprovar os documentos quanto à sua adequação antes de serem editados. 4.4 Controlo de serviço não conforme e reclamações A empresa deve: a) definir o respectivo sistema de gestão de reclamações de clientes. b) estabelecer e implementar metodologias de identificação e controlo de serviço não conforme. A empresa deve estabelecer um procedimento documentado para definir os controlos necessários para a identificação. e) manter os registos das não conformidades e acções correctivas durante pelo menos três anos.1.3 Controlo de documentos Os documentos requeridos pela presente Norma devem ser controlados. c) empreender acções de correcção para eliminar as não conformidades detectadas. e) assegurar que os documentos se mantêm legíveis e prontamente identificáveis. Os registos são um tipo especial de documentos e devem ser controlados de acordo com os requisitos indicados no final desta secção. 4. 9 de 28 c) possuir um organigrama que defina as responsabilidades e as relações entre as pessoas que intervêm na prestação do serviço de manutenção de extintores. . recuperação. incluindo a relacionada com os clientes.

2 Equipamentos e ferramentas A empresa deve assegurar a existência dos seguintes equipamentos mínimos exigíveis: a) máquina de enchimento de CO2 com condições para o enchimento de extintores e sparklets (garrafas de CO2). No caso da existência de oficinas-móveis. Na planta geral das instalações deve ser referida a localização dos equipamentos e respectivas áreas de trabalho. 10 de 28 b) questionários. devendo assegurar a existência dos equipamento e ferramentas mínimos necessários ao serviço prestado. b) máquina(s) de enchimento de pó químico seco. h) lupa para inspecção visual de superfícies metálicas com corrosão. c) retorno de informação do cliente. c) compressor de ar.2 Recursos materiais A empresa deve evidenciar que possui as instalações. em intervalos planeados. incluindo rectificações. métodos de monitorização que verifiquem a implementação dos requisitos da presente Norma e manter registos dos resultados deste controlo. d) rampa de pressurização/pinça de pressurização de azoto. e) grampo/pinça de fixação de extintores. l) manómetro de saída do mano-redutor calibrado.1. f) equipamentos/ferramentas adequados ao serviço. j) bancada de trabalho devidamente iluminada. 4.prNP 4413 2011 p. contratos ou processamento de encomendas.2. 4. As instalações fixas permanentes devem dispor de uma área não inferior a 50 m2. 4. as quais devem ser executadas de acordo com os mesmos procedimentos estabelecidos para as respectivas instalações permanentes.2. A empresa deve estabelecer mecanismos de avaliação da satisfação do cliente com o objectivo de monitorizar a informação relativa à percepção do cliente quanto à empresa ter ido ao encontro dos requisitos.1 Instalações Por instalações entende-se infra-estruturas fixas permanentes. g) tina de teste de estanquidade. a empresa deve definir um procedimento em que determina as actividades de manutenção aí executadas. A eventual existência de oficinas-móveis será opcional e só será possível como complemento das instalações físicas existentes. . 4. os equipamentos e as ferramentas necessários ao desenvolvimento da actividade de manutenção de extintores. Devem ser definidas previamente as tarefas a desenvolver na oficina-móvel. k) balanças calibradas e com graus de resolução/exactidão de acordo com as tarefas e tolerâncias definidas. i) lanterna de inspecção interior.6 Controlo interno A empresa deve estabelecer. incluindo reclamações do cliente.

conforme indicado na secção 4. face a padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais. quando não existirem tais padrões. no mínimo.2.2.2. conforme apresentado: a) Técnico de Manutenção: − formação em manutenção de extintores. . Isto deve ser efectuado antes da primeira utilização e reconfirmado quando necessário. O Técnico de Manutenção tem como função a execução da actividade de manutenção de extintores e a supervisão do trabalho dos Operadores de Manutenção.3. b) manter registos apropriados da escolaridade.1 Competência técnica A entidade deve evidenciar que possui um quadro profissional com capacidade técnica adequada às actividades que desenvolve e para as quais pretende obter a certificação. para satisfazer a aplicação desejada. estagiários ou aprendizes). 4. conforme indicado na secção 4. c) identificado para permitir determinar o estado de calibração.3 Equipamentos de medição e controlo A empresa deve estabelecer um procedimento para identificação e controlo do equipamento existente e garantir.3. formação e experiência dos seus colaboradores. O quadro técnico deve ser constituído. que o equipamento de medição é: a) calibrado e/ou verificado em intervalos especificados ou antes da utilização. quando for necessário assegurar resultados válidos. a base utilizada para calibração ou verificação deve ser registada. 11 de 28 4. A empresa deve empreender acções apropriadas relativamente ao equipamento e a qualquer serviço afectado. b) ajustado ou reajustado quando necessário. A empresa deve ainda: a) avaliar e registar a validade dos resultados das medições anteriores quando o equipamento é encontrado não conforme com os requisitos. e) protegido de danos e deterioração durante o manuseamento. d) salvaguardado de ajustamentos que possam invalidar o resultado da medição. Podem ainda existir outros colaboradores com funções bem determinadas e com a competência necessária definida pela empresa de manutenção (por exemplo. Por cada cinco Operadores de Manutenção deve existir um Técnico de Manutenção.3. quando utilizado na monitorização e na medição de requisitos especificados. c) confirmar a aptidão do software de computador. A empresa deve ainda: a) proporcionar a formação adequada dos seus Técnicos e Operadores de Manutenção. por 1 (um) Técnico de Manutenção.3 Recursos Humanos 4. manutenção e armazenagem. − 3 anos de experiência na actividade de manutenção de extintores. após obtenção de aprovação na formação inicial. b) Operador de Manutenção: − formação em manutenção de extintores. b) manter os registos dos resultados de calibração e verificação.prNP 4413 2011 p.

2.2 Formação 4.3. através de frequência e aprovação em curso de formação que cumpra com os requisitos seguintes: a) conteúdos teórico-práticos: − componente teórica: conteúdos formativos adaptados à especificidade da actividade desenvolvida de manifesto interesse para a actualização de conhecimentos necessários ao exercício da actividade de manutenção de extintores. química do fogo. b) carga horária mínima: 16 horas para a componente teórica e 16 horas para a componente prática. de acordo com a data de nascimento dos formandos. procedimentos de manutenção. A entidade formadora deve emitir certificados de formação aos candidatos que obtenham aprovação no curso de formação.prNP 4413 2011 p. c) avaliação teórica e prática: cada formando deve ser sujeito a uma avaliação geral que resulte da conjugação da avaliação teórica e da avaliação da prática em oficina.2.1 Curso de formação inicial de manutenção de extintores Os Operadores de Manutenção de extintores devem ser qualificados através de frequência e aprovação em curso de formação que cumpra com os requisitos seguintes: a) conteúdos teórico-práticos: − componente teórica: legislação e normalização aplicáveis aos extintores.2 Curso de formação contínua de manutenção de extintores Os Técnicos de Manutenção de extintores que já tenham obtido qualificação devem actualizar a sua qualificação de 5 em 5 anos. 12 de 28 As empresas que executem as actividades de manutenção de extintores que contenham gases fluorados com efeito de estufa devem evidenciar que possuem técnicos qualificados no âmbito da legislação aplicável.2. tipologia de extintores. 4. − componente prática: prática em oficina.3. . Consideram-se válidos os certificados de formação emitidos antes da publicação da presente Norma que correspondam a cursos de formação ministrados por entidades formadoras certificadas pela Direcção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).3. 4. A entidade formadora deve emitir certificados de formação aos candidatos que obtenham aprovação no curso de formação. c) avaliação teórica e prática: cada formando deve ser sujeito a uma avaliação geral que resulte da conjugação da avaliação teórica e da avaliação da prática em oficina. 4. − componente prática: prática em oficina.7 b) carga horária mínima: 8 horas para a componente teórica e 8 horas para a componente prática.3.3 Requisitos dos formandos A habilitação académica exigida para o acesso aos cursos de formação é a escolaridade mínima obrigatória.

prNP 4413 2011 p. os riscos existentes ou o estado do extintor assim o exijam. No entanto. 4 e 5. a forma como são utilizados. 4 e 5. A pedido do cliente podem realizar-se intervenções adicionais de carácter correctivo. à base de água e espuma Pó químico CO2 Manutenção Anual Todos os anos Todos os anos Todos os anos Carregamento Cada 5 anos Cada 5 anos Cada 10 anos Vida Útil do Extintor 20 anos 20 anos 30 anos Os prazos começam a contar a partir da data do carregamento do extintor. tais como o meio ambiente em que estão inseridos. Os prazos de realização dos procedimentos de manutenção e carregamento podem ser inferiores aos referidos no Quadro 2 caso as condições ambientais. Recomenda-se ainda a realização de verificações periódicas distintas da manutenção. As verificações periódicas são descritas no Anexo B. Implica a substituição do agente extintor por um novo. ou ainda por indicação expressa do fabricante. Quadro 1 – Vida útil dos extintores Tipo de Agente Extintor Água. entre outros. caso o tempo de vida útil do agente extintor tenha sido excedido. para repor o extintor nas suas condições normais de funcionamento. não planeadas. 13 de 28 5 Procedimentos 5. a vida útil de um extintor nunca deverá exceder os 20 anos. à base de água e espuma Pó químico CO2 5. b) carregamento: deve ser realizado de acordo com o indicado nos Quadros 3. cuja vida útil é de 30 anos. É admissível a tolerância de 1 mês.1 Vida útil A vida útil dos extintores depende de diversos factores. As verificações periódicas podem ser efectuadas pelo Responsável ou Delegado de Segurança ou contratadas a empresa de manutenção de extintores certificada. Os procedimentos de manutenção devem ser realizados nos prazos indicados no quadro seguinte: Quadro 2 – Periodicidade de Manutenção Tipo de Agente Extintor Água. . sem nunca ultrapassar um ano da data de fabrico. excepto no caso dos extintores de CO2 e garrafas de gás propulsor (sparklets). ou o seu estado o justifique.2 Periodicidade da manutenção A manutenção consiste no conjunto de acções de carácter técnico e administrativo destinadas a conservar o equipamento ou a repô-lo no estado correcto de funcionamento e abrange as operações seguintes: a) manutenção anual: deve ser efectuada em intervalos de 12 meses de acordo com o indicado nos Quadros 3.

visibilidade e sinalização. para além dos requisitos estabelecidos na presente Norma. relativo às substâncias que empobrecem a camada de ozono. a exportação. Neste sentido. particularmente.4 Procedimentos de manutenção e carregamento Na manutenção dos extintores. a data de carregamento. em motores para utilização a bordo de aeronaves. nomeadamente dos Halons para extintores. 5. d) em extintores utilizados pelas forças militares e policiais em pessoas.1 Extintores de Halon Desde a ratificação do Protocolo de Montreal que está controlada a produção e o consumo de várias substâncias. de 17 de Maio. a colocação no mercado e a utilização destas substâncias. o Anexo VI deste Regulamento autoriza o emprego de extintores de Halon 1211 somente nas utilizações críticas seguintes: a) “em extintores portáteis e no equipamento fixo de extinção de incêndios. Recomenda-se também a verificação da sua acessibilidade. dos porões para carga e dos porões secos. podem ser observadas as instruções dos fabricantes. em regulamentos e noutras Normas aplicáveis. Verificar. c) em extintores essenciais à segurança pessoal para utilização inicial por bombeiros. A publicação do Regulamento (CE) N. b) em aeronaves para protecção dos compartimentos da tripulação e dos motores. 5.” A manutenção de extintores de Halon está sujeita a legislação específica. limita a produção.º 1005/2009 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Setembro de 2009. designadamente à legislação aplicável às substâncias que empobrecem a camada de ozono. a importação.2 Extintores de gases fluorados A intervenção de extintores de incêndios que contenham gases fluorados com efeito de estufa está sujeita a legislação específica. A empresa de manutenção com o serviço certificado segundo a presente Norma deve realizar as operações necessárias para restituir ao extintor as suas condições normais de funcionamento. pó Componente Procedimento Verificar se o extintor se encontra em estado de conservação adequado e se tem marcada a data de fabrico (ver secção 5.prNP 4413 2011 p. de acordo com os procedimentos dos quadros seguintes: Quadro 3 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de pressão permanente de água. Verificar se a etiqueta de manutenção se encontra legível e em bom estado de conservação. Tipo de manutenção M C X X 1 Verificação geral 2 3 Etiqueta de Manutenção Selo X X X X (continua) .3 Legislação específica 5. 14 de 28 5. designadamente ao Regulamento (CE) nº 842/2006.8). Verificar a integridade do selo.3. à base de água.3. espuma. do Parlamento Europeu e do Conselho.

indícios de compactação ou deterioração das propriedades do agente extintor. Substituir os que estiverem danificados.8. Quando o extintor tiver um manómetro auto-comprovável instalado. Tipo de manutenção M C X X 4 Rótulo 5 Manómetro e controlo da pressão X X 6 Verificação exterior X X 7 8 9 Pesagem do extintor Mangueira e difusor Extintores de pó X X X X - X - 11 Verificar o estado do agente extintor. A inspecção interior deverá realizar-se com a ajuda de uma lanterna de inspecção interior para detectar danos por corrosão ou deterioração do recobrimento (caso exista). Verificar se existem condições que justifiquem a rejeição do extintor de acordo com a secção 5. prazo de validade definido pelo fabricante ou pela empresa de manutenção certificada. verificar se funciona correctamente e se a pressão cumpre com o recomendado pelo fabricante. Pesar o extintor sempre que o técnico o considere necessário. de acordo com a EN 3-7. não realização das manutenções anuais anteriores ou manutenções anteriores efectuadas por empresas não certificadas. se a pressão interna cumpre com o recomendado pelo fabricante. água com aditivos e espuma perda de pressão. descarga parcial ou falta de cavilha de segurança. Desmontar a mangueira e o difusor para verificar se estão desobstruídos ou danificados. qualquer outra circunstância ou anomalia que na opinião da empresa de manutenção justifique a abertura.prNP 4413 2011 p. Nos extintores cujo manómetro não seja auto-comprovável deve verificar-se. Em caso de abertura do extintor. 15 de 28 Quadro 3 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de pressão permanente de água. Examinar o interior do corpo. espuma. Inverter o extintor e agitá-lo para avaliar o estado do pó. através de métodos apropriados. estão visíveis. legíveis e não apresentam danos. água com aditivos e espuma Corpos dos extintores de água. fissuras ou danos que possam pôr em causa a segurança na utilização do extintor. estão em português. Verificar o exterior do corpo do extintor e o conjunto da válvula para detectar se há corrosão ou mossas. Proceder necessariamente à abertura do extintor caso sejam detectadas as anomalias seguintes: − − − 10 Abertura do extintor − − − Extintores de água. pó (continuação) Componente Procedimento Verificar se as instruções de utilização. à base de água. ultrapassado. examinar o interior do corpo. A inspecção interior deverá realizar-se com a ajuda de uma lanterna de inspecção interior para detectar danos por corrosão ou deterioração do recobrimento (caso exista). X - 12 X X 13 Corpo dos extintores de pó X X (continua) .

No caso dos extintores de água com aditivos e espuma. Substituir se necessário.7. Proteger da corrosão todos os componentes móveis e as roscas com um lubrificante adequado. se estiver instalada. limpar os componentes. Voltar a montar o extintor seguindo as instruções do fabricante. Preencher todos os dados da etiqueta de manutenção como indicado na secção 6. substituir todas as juntas seguindo as instruções do fabricante. pó (conclusão) Componente Procedimento Tendo em consideração a periodicidade recomendada na secção 5. 16 de 28 Quadro 3 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de pressão permanente de água. esvaziar a carga e carregar o extintor com agente extintor novo. Pressurizar de acordo com a pressão adequada e colocar a cavilha de segurança e o selo a fim de impedir que o extintor seja operado indevidamente. Em caso de abertura do extintor. Limpá-lo ou substituí-lo. quando o mecanismo de descarga se puder desmontar. o filtro. Se a mangueira estiver equipada com diafragma. Pesar o extintor e verificar as tolerâncias definidas na secção 5.2. Em caso de abertura do extintor. desmontá-lo e verificar se é possível accionar livremente o mecanismo de disparo. se necessário. submergir o extintor na tina de estanquidade de modo a verificar a existência de eventuais fugas. o tubo de pesca e a válvula de segurança. Verificar o estado e a adequação. este deve ser verificado e substituído. se estiver instalado. Certificar-se que o difusor. e o orifício de pressurização do manómetro estão desobstruídos. à base de água.prNP 4413 2011 p. fazer passar um jacto de ar seco pelas peças. o carregamento deve ser efectuado tendo em consideração as proporções de água e aditivo estabelecidas pelos fabricantes. espuma. Sempre que o extintor for pressurizado. X Tipo de manutenção M C 14 Carregamento do agente extintor 15 Pesagem do extintor - X 16 Mecanismo de descarga X X 17 Montagem de acessórios/componentes X X 18 Juntas e mangueira X X 19 Montagem e pressurização X X 20 Estanquidade Preenchimento da etiqueta de Manutenção Suporte Relatório X X 21 22 23 X X X X X X . Registar todas as pesagens efectuadas. se necessário.2. tendo em especial atenção os orifícios de descarga de pressão ou qualquer outro dispositivo de descarga. Preencher e entregar ao cliente o relatório dos trabalhos realizados. Em caso de abertura do extintor.

Proteger da corrosão todos os componentes móveis e as roscas. Inverter o extintor e agitá-lo para avaliar o estado do pó.8. examinar o interior do corpo. Examinar o exterior do corpo do extintor e o conjunto da válvula para detectar se há corrosão ou mossas. No caso dos extintores de água com aditivos e espuma. estão em português.prNP 4413 2011 p. Pesar o extintor e verificar as tolerâncias definidas na Secção 5. Recomenda-se também a verificação da sua acessibilidade. desmontá-lo e verificar se é possível accionar livremente o mecanismo de disparo. Verificar se as instruções de utilização. quando o mecanismo de descarga se puder desmontar. 17 de 28 Quadro 4 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de água. espuma e pó operados por garrafa de gás propulsor (interior ou exterior) Componente Procedimento Verificar se o extintor se encontra em estado de conservação adequado e se tem marcada a data de fabrico (ver secção 5. A inspecção interior deverá realizar-se com a ajuda de uma lanterna de inspecção interior para detectar danos por corrosão ou deterioração do recobrimento (caso exista). com um lubrificante adequado. Verificar a integridade. fissuras ou danos que possam pôr em causa a segurança na utilização do extintor.2.7. Registar todas as pesagens efectuadas. Substituir os que estiverem danificados. Em caso de abertura do extintor. Limpá-lo ou substituí-lo. água com aditivos e espuma Corpo dos extintores X X X X X X - 11 X X 12 Carregamento do agente extintor 13 Pesagem do extintor - X 14 Mecanismo de descarga X X (continua) . Tendo em consideração a periodicidade recomendada na secção 5. Verificar.8). Verificar se a etiqueta de manutenção se encontra legível e em bom estado de conservação. particularmente. se necessário. a data de carregamento. legíveis e não apresentam danos. Desmontar a mangueira e o difusor para verificar se estão desobstruídos ou danificados. estão visíveis. de acordo com a EN 3-7. visibilidade e sinalização. Verificar se existem condições que justifiquem a rejeição do extintor de acordo com a secção 5. o carregamento deve ser efectuado tendo em consideração as proporções de água e aditivo estabelecidas pelos fabricantes. Pesar o extintor sempre que o técnico o considere necessário. Verificar o estado do agente extintor. esvaziar a carga e carregar o extintor com agente extintor novo. Abrir o extintor e desmontar a garrafa de gás propulsor (sparklet). à base de água. Em caso de abertura. X Tipo de manutenção M C X X 1 Verificação geral 2 3 4 Etiqueta de Manutenção Selo Rótulo X X X X X X 5 Verificação exterior X X 6 7 8 9 10 Pesagem do extintor Mangueira e difusor Extintores de pó Abertura do extintor Extintores de água.

à base de água. Verificar as roscas. Voltar a montar o extintor seguindo as instruções do fabricante. Colocar a cavilha de segurança e o selo a fim de impedir que o extintor seja operado inadvertidamente.prNP 4413 2011 p. Verificar o exterior da garrafa de gás propulsor (sparklet) para detectar se existem danos ou corrosão. substituir o opérculo por outro original e carregar o sparklet. Verificar o estado e a adequação. Toda garrafa de gás propulsor que tenha perdido mais de 5 % da sua carga nominal ou cujo conteúdo seja inferior àquele que está marcado deverá ser carregada ou substituída por outra do mesmo tipo. se estiver instalada e o orifício de pressurização do manómetro estão desobstruídos. Pesar a garrafa de gás propulsor (sparklet) e verificar se o peso coincide com a marcação no corpo da garrafa. Preencher e entregar ao cliente o relatório dos trabalhos realizados. o filtro. Submergir a garrafa de gás propulsor (sparklet) na tina de ensaio de estanquidade de modo a verificar a existência de eventuais fugas. Substituir todas as juntas seguindo as instruções do fabricante. 18 de 28 Quadro 4 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de água.2. Se a mangueira estiver equipada com diafragma. proceder à sua substituição por outro do tipo recomendado pelo fabricante. espuma e pó operados por garrafa de gás propulsor (interior ou exterior) (conclusão) Componente Procedimento Se for necessário abrir o extintor. Certificar-se que o difusor. Substituir se necessário. X X Tipo de manutenção M C 15 Montagem de acessórios/componentes X X 16 Garrafa de gás propulsor (sparklet) X X 18 Juntas e mangueira 19 Montagem do extintor Preenchimento da etiqueta de Manutenção Suporte Relatório X X 20 21 22 X X X X X X . Se o sparklet estiver danificado ou apresentar vestígios de corrosão. tendo em especial atenção os orifícios de descarga de pressão ou qualquer outro dispositivo de descarga. o tubo de pesca e a válvula de segurança. fazer passar um jacto de ar seco pelas peças. se estiver instalado. este deve ser verificado e substituído. Preencher todos os dados da etiqueta de manutenção como indicado na secção 6. se necessário. 17 Carregamento da garrafa de gás propulsor (sparklet) Pesar a garrafa e verificar se o seu peso não tem uma variação de 5 % da sua carga nominal. limpar os componentes.

se necessário.7. particularmente. Limpá-lo ou substituí-lo. Sempre que o extintor for pressurizado.9.prNP 4413 2011 p. Carregar o extintor tendo em consideração a periodicidade recomendada na secção 5. a data de carregamento. Verificar o estado e a adequação. de acordo com a EN 3-7. legíveis e não apresentam danos. Tipo de manutenção M C X X 1 Verificação geral 2 3 4 Etiqueta de Manutenção Selo Rótulo X X X X X X 5 Verificação exterior X X 6 7 Pesagem do extintor Mangueira e difusor X X X X 8 Prova de pressão hidráulica Carregamento do agente extintor - X 9 - X 10 Mecanismo de descarga - X 11 12 13 14 15 16 Junta e difusor Selagem do extintor Estanquidade Preenchimento da etiqueta de Manutenção Suporte Relatório X X X X X X X X X X X X . Preencher todos os dados da etiqueta de manutenção como indicado na secção 6. visibilidade e sinalização. Assegurar que. Quando se verificar qualquer anomalia no mecanismo de descarga. submergir o extintor na tina de estanquidade de modo a verificar a existência de eventuais fugas. de acordo com a periodicidade definida na secção 5. com um lubrificante adequado. Desmontar a mangueira e o difusor para verificar se estão desobstruídos ou danificados. Verificar se as instruções de utilização. Colocar a cavilha de segurança e o selo a fim de impedir que o extintor seja operado inadvertidamente. o corpo do extintor é submetido a um teste de pressão em conformidade com a pressão de prova punçoada no seu corpo.8). Proteger da corrosão todos os componentes móveis e as roscas.2.9. Verificar a existência e. Preencher e entregar ao cliente o relatório dos trabalhos realizados.2. Substituir os que estiverem danificados. Examinar o exterior do corpo do extintor e o conjunto da válvula para detectar se há corrosão. estão em português. substituir. Pesar o extintor e verificar as tolerâncias definidas na secção 5. Recomenda-se também a verificação da sua acessibilidade. Verificar. 19 de 28 Quadro 5 – Procedimentos de manutenção (M) e carregamento (C) de extintores de dióxido de carbono Componente Procedimento Verificar se o extintor se encontra em estado de conservação adequado e se tem marcada a data de fabrico (ver secção 5. Registar todas as pesagens efectuadas. Verificar a integridade. Verificar se existem condições que justifiquem a rejeição do extintor de acordo com a secção 5. desmontá-lo e verificar se é possível accionar livremente o mecanismo de disparo. fissuras ou danos que possam pôr em causa a segurança na utilização do extintor e verificar se a data da última prova hidráulica cumpre com o especificado na secção 5. Verificar se a etiqueta de manutenção se encontra legível e em bom estado de conservação. estão visíveis. se necessário.8.

Não são permitidas as misturas de diferentes tipos de pó. e em particular no que respeita à eficácia do extintor. 20 de 28 5. imediatamente após o carregamento. Alguns tipos de pó poderão reagir entre si e produzir água e dióxido de carbono. 5. Normalmente. A água provoca o humedecimento do pó e o dióxido de carbono provoca aumentos de pressão interna muito elevados. apenas se deve fazer o carregamento simultâneo de extintores que contenham o mesmo tipo de pó. Por este motivo. o extintor deve ser fechado. Os componentes comuns só podem ser utilizados em alternativa devidamente fundamentada. De preferência.5 Pó químico Por vezes. as embalagens de armazenamento do pó químico devem permanecer fechadas e ser acondicionadas em local que apresente o menor teor de humidade possível. conforme indicado no quadro seguinte: Quadro 6 – Tolerâncias de carregamento dos extintores de incêndio Agente extintor Pó 1 kg 2 kg ≥ 3kg Todos os outros agentes ±5 ±3 ±2 0 -5 Tolerância relativa % Os extintores que forem carregados devem ser marcados na respectiva etiqueta de manutenção com a data desse carregamento.prNP 4413 2011 p. o pó químico deve ser mantido na embalagem original de modo a garantir a identificação do lote e do fabricante.6 Instruções do fabricante A fim de garantir que a manutenção é realizada em condições similares às características do fabrico. através da colocação da válvula. Por outro lado. habitualmente. 5. . e pressurizado. os extintores de pó devem abrir-se nas condições ambientais mais secas possíveis e durante o tempo mínimo indispensável. pelo fabricante. deve ser garantido que se utilizam no carregamento agentes extintores e gases propulsores similares aos que são utilizados na origem. Finalmente.7 Tolerâncias do carregamento O carregamento dos extintores de incêndio deve cumprir com as tolerâncias estabelecidas pela EN 3-7. se aplicável. Esta situação decorre. esta reacção não se faz sentir senão passadas algumas semanas. a fim de minimizar os efeitos da humidade sobre o agente extintor. de circunstâncias em que o pó químico está exposto a ar com humidade relativa elevada. A fim de garantir que o extintor mantém características de operacionalidade similares às de fabrico devem ser utilizados componentes de origem. Para evitar esta situação. o pó químico pode absorver um nível de humidade excessivo que põe em causa a operacionalidade do extintor.

n) cuja cor não seja vermelha (Portaria nº 1456-A/95). l) que tenham sido retirados do mercado por decisão legislativa.º 211/1999). Estes equipamentos devem ser submetidos até 3 provas hidráulicas. A realização de provas hidráulicas aos extintores e garrafas de gás propulsor deve ser efectuada de acordo com os regulamentos nacionais ou europeus para recipientes sob pressão. d) que não possuam indicação do tipo.º 211/1999). apresentem defeitos que ponham em dúvida o seu correcto funcionamento. k) para os quais já não existam no mercado componentes de origem ou componentes comuns ou agentes extintores que garantam uma manutenção que reponha as características de fabrico. a empresa de manutenção deve informar o cliente desse facto através de um relatório técnico e marcar o extintor com informação clara e visível que ateste a sua inoperacionalidade. Esta etiqueta não deve ter uma área inferior à da etiqueta de manutenção. 5. Após a realização das provas hidráulicas aos extintores e garrafas de gás propulsor. estes devem ser completamente secos antes de se proceder ao seu carregamento.prNP 4413 2011 p. b) que não possuam marca de ensaio de pressão (Decreto-Lei n.9 Provas hidráulicas De 10 em 10 anos os extintores de incêndio de CO2 e as garrafas de gás propulsor (sparklets) devem ser submetidos a provas hidráulicas. que não tenham aposta marcação CE (Decreto-Lei n. mas nunca excedendo os 30 anos. h) amolgados.º 211/1999). o) que apresentem sinais evidentes de reparação por solda. m) com corpo descartável que não tenham prazo de validade ou que o tenham ultrapassado. r) que tenham estado expostos a um incêndio. através da aposição de etiqueta própria para o efeito na parte frontal do extintor. c) que não possuam identificação do fabricante (Decreto-Lei n. q) com corrosão. por decisão da empresa de manutenção. Ainda devem ser rejeitados os extintores que. p) cujo corpo ou filetes da rosca estejam danificados. g) de soda ácido. f) de espuma química. e) cujos corpos não tenham aposto o ano de fabrico (Decreto-Lei n.º 211/1999).º 211/1999). não é permitido que se realize a manutenção de extintores: a) com data de fabrico posterior a 1999. i) que para serem actuados tenham que se inverter. sistema de funcionamento ou de exigência legal. série ou lote e número de fabrico (Decreto-Lei n. .8 Critérios para a rejeição de extintores Por razões de construção. soldadura ou corte. j) que tenham que se inverter e bater contra o solo para que sejam activados. 21 de 28 5. Sempre que for necessário retirar de serviço um extintor pelos motivos supra indicados. cuja pressão se dê por reacção química ácido-base.

Os relatórios de manutenção devem ser mantidos pela empresa de manutenção de extintores durante. data de realização da última prova hidráulica (se aplicável) e data do último carregamento. permitindo uma fácil visibilidade e não impedindo a legibilidade do nome do fabricante nem de nenhuma parte do rótulo do extintor. Deve ser entregue ao cliente um exemplar do relatório contendo a informação das operações efectuadas. d) as anomalias encontradas e o resultado da aprovação técnica (aprovado ou rejeitado). h) a identificação e a assinatura do técnico que executou o serviço (este técnico deve estar qualificado de acordo com o definido na presente Norma). b) o número de registo na Autoridade Nacional de Protecção Civil. e sempre que os extintores forem submetidos a qualquer intervenção de manutenção ou carregamento. data de fabrico. b) a data e o tipo de operação efectuada (manutenção ou carregamento). que deve dar conhecimento desse facto ao cliente.1 Relatório de manutenção A empresa de manutenção com o serviço certificado segundo a presente Norma deve elaborar um relatório que deve conter. Na etiqueta devem constar exclusivamente os dados a seguir indicados e dispostos conforme a Figura 1: Espaço A: a) identificação da empresa de manutenção certificada. pela empresa de manutenção de extintores certificada responsável pela execução do serviço. as informações seguintes: a) a identificação do cliente. g) o número de registo da empresa responsável pela execução do serviço na Autoridade Nacional de Protecção Civil. . tipo de extintor. 6 Registos 6. Quando se suspeite que um extintor com corpo de alumínio tenha estado exposto a temperaturas superiores a 160 ºC deve ser retirado de serviço e submetido a prova hidráulica. cinco anos. c) a identificação dos extintores: número de identificação. 6. este não deve ser submetido a prova hidráulica.2 Etiqueta de manutenção A etiqueta de manutenção deve ser aposta nos extintores novos. aquando da sua comercialização.8. 22 de 28 Quando o corpo do extintor apresentar uma ou mais das condições estabelecidas na secção 5. capacidade. marca. e) os elementos substituídos ou outras situações que se considerem importantes para conhecer o estado de operacionalidade do extintor. com as dimensões indicadas na Figura 1. A sua colocação deve ser lateral. f) a identificação da empresa de manutenção certificada responsável pela execução do serviço. de fundo branco. pelo menos. no mínimo. Os dados de manutenção devem registar-se numa etiqueta adesiva.prNP 4413 2011 p. i) a identificação dos extintores rejeitados durante a manutenção e o motivo da rejeição. mas rejeitado pela empresa de manutenção. A recepção do relatório pelo cliente pode ser formalizada através da sua assinatura.

Figura 1 – Exemplo de etiqueta de manutenção Figura 2 – Exemplo de dístico a incluir na etiqueta de manutenção . Os discos informativos do espaço B devem conter a informação do mês. 23 de 28 c) eventual inclusão da marca de serviço certificado da empresa de manutenção certificada. Espaço C: a) o número ou outra forma de identificação do extintor (deve ter correspondência com o relatório de manutenção). c) próxima manutenção. ano e identificação da empresa (ver exemplo da Figura 2). Espaço B: a) carregamento.prNP 4413 2011 p. b) manutenção.

A empresa deve evidenciar a relação existente entre as quantidades de agentes extintores adquiridas. . por escrito. e somente até à realização da primeira intervenção. e) registos que comprovem as quantidades de resíduos encaminhadas para tratamento e/ou formação. a empresa subcontratada deve ser uma empresa de manutenção certificada de acordo com a presente Norma. 24 de 28 O preenchimento da etiqueta de manutenção deve cumprir com o seguinte: a) o dístico referente à data de carregamento deve ser sempre preenchido. e. tratadas e/ou encaminhadas para formação.prNP 4413 2011 p.2 Identificação e rastreabilidade A empresa deve manter registos que incluam: a) documentação que ateste a propriedade dos equipamentos exigidos na secção 4. A empresa de manutenção não pode apôr qualquer informação no extintor. b) aquando da comercialização do extintor. b) cópias dos manuais de manutenção dos fabricantes. 7 Compras 7.2 e os relatórios das acções de manutenção efectuadas aos mesmos. A empresa contratante deve informar o cliente. Quando a data de carregamento for coincidente com a data de fabrico. utilizadas no carregamento dos extintores. aquando da sua comercialização). fichas de segurança e declarações de conformidade dos agentes extintores utilizados. por este ter sido efectuado pelo fabricante do equipamento. O recurso a subcontratação justifica-se em situações pontuais. d) registos que comprovem as quantidades de agentes extintores adquiridas e utilizadas no carregamento dos extintores. c) o preenchimento do dístico referente à manutenção anual é dispensável unicamente quando o extintor é novo (i. acerca da subcontratação.1 Subcontratação Em caso de recurso a subcontratação. isto significa que a empresa de manutenção não foi responsável pelo carregamento do extintor.2. O recurso à subcontratação não dispensa o cumprimento de todos os requisitos da presente Norma.3 Propriedade do cliente e preservação dos extintores A empresa deve preservar os extintores do cliente enquanto estes estiverem sob o seu controlo ou a ser intervencionados. 7. para além da etiqueta de manutenção e/ou etiqueta que ateste a inoperacionalidade do extintor. o relatório técnico e a etiqueta de manutenção devem ser da responsabilidade da empresa que efectivamente executa o serviço. c) fichas de produto. Aquando de subcontratação. como por exemplo sobrecarga de trabalho ou incapacidade temporária. 7. d) o dístico referente à data da próxima manutenção deve ser sempre preenchido. a empresa de manutenção de extintores deve assumir que a data de carregamento é coincidente com a data de fabrico..

armazenamento e transporte. estes equipamentos devem cumprir com o estabelecido na presente Norma. em particular.prNP 4413 2011 p. 8. 25 de 28 Conforme aplicável. A empresa deve garantir.2 Eliminação dos resíduos dos agentes extintores A empresa de manutenção de extintores deve assegurar que os resíduos gerados durante o exercício da sua actividade são tratados conforme estabelecido nas leis e regulamentos nacionais aplicáveis à gestão de resíduos e protecção do meio ambiente e manter registos das quantidades de resíduos tratadas. que no exercício da actividade são utilizados os equipamentos de protecção individual e colectiva adequados. 8 Segurança. 8. esta preservação deve incluir identificação.4.1 Medidas de segurança contra incêndio durante a manutenção No caso de ser necessário deixar extintores de substituição com o cliente. manuseamento. saúde e ambiente 8. em particular com os procedimentos de manutenção e carregamento indicados na secção 5. . de modo a garantir as condições de segurança contra risco de incêndio durante a manutenção dos extintores. embalagem.3 Medidas de segurança e saúde no trabalho A empresa de manutenção de extintores deve assegurar que o exercício da actividade é efectuado em condições de segurança e de saúde para os trabalhadores e que são tidos em conta os princípios gerais de prevenção estabelecidos pelo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho. A preservação deve ser também aplicada aos acessórios e componentes dos extintores.

no seu estatuto ou pacto social.1 Requisitos dos formadores O perfil do(s) formador(es) das acções de formação deve assentar numa sólida formação técnica. a entidade formadora deve dispor de instalações oficinais adequadas à execução da actividade de manutenção de extintores.3 Requisitos das entidades formadoras As entidades formadoras devem cumprir os requisitos seguintes: a) registo no Registo Nacional de Pessoas Colectivas. o que se traduz por uma experiência profissional na actividade de manutenção de extintores igual ou superior a 5 anos. Por questões de deontologia e ética profissional. 26 de 28 Anexo A (informativo) Requisitos das Entidades Formadoras A. b) Certificação pela Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) na área de formação 861 – Protecção de pessoas e bens. devendo prever. o ensino ou a formação profissional como objecto. A. as entidades formadoras estão impedidas de qualificar o(s) seu(s) próprio(s) técnico(s).prNP 4413 2011 p. . A.2 Instalações Para ministrar a componente prática.

2 Verificações de rotina Entre as manutenções efectuadas pela empresa de manutenção e de modo a garantir a operacionalidade dos extintores de incêndio. No entanto. adoptar medidas compensatórias adequadas. e) o selo não está violado. caso as circunstâncias o requeiram.3 Medidas de segurança contra incêndio durante a manutenção Durante os procedimentos de manutenção e carregamento. o Responsável ou Delegado de Segurança deve realizar verificações periódicas aos equipamentos. 27 de 28 Anexo B (informativo) Indicações para o Responsável/Delegado de Segurança B. d) o estado externo geral do extintor se encontra em bom estado de conservação. estão visíveis. em língua portuguesa e de acordo com a EN 3-7.prNP 4413 2011 p.1 Manutenção de extintores O Responsável ou Delegado de Segurança deve assegurar que os extintores são submetidos a manutenção por empresa com o serviço de manutenção certificado de acordo com os requisitos da presente Norma e garantir o carregamento ou substituição dos extintores que. As verificações periódicas devem ser realizadas com uma periodicidade mínima trimestral. f) caso exista manómetro. B. . sempre que necessário. Das intervenções efectuadas deve ser efectuado e mantido um registo. as verificações periódicas devem realizar-se com maior frequência. O Responsável ou Delegado de Segurança deve proceder às medidas correctivas adequadas para solucionar as anomalias detectadas. em bom estado de conservação e com a data de manutenção válida. visível. se a posição do ponteiro do manómetro está na zona verde da escala de leitura. tenham sido parcial ou totalmente descarregados. legíveis e não apresentam danos. devidamente sinalizado e não tem o acesso obstruído. por qualquer razão. c) as instruções de manuseamento. b) a etiqueta de manutenção se encontra legível. B. o Responsável ou Delegado de Segurança deve garantir a existência do número de extintores definido no projecto e. Deve ser verificado se: a) o extintor está no local adequado.

de 24 de Junho NP EN 27201-1 Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Transposição da Directiva Europeia sobre Máquinas (Directiva 2006/42/CE) Segurança contra incêndio – Agentes extintores – Hidrocarbonetos halogenados – Parte 1: Especificações para halons 1211 e 1301 (ISO 7201-1:1989) Segurança contra incêndio – Agentes extintores – Hidrocarbonetos halogenados – Parte 2: Especificações para manipulação de segurança e métodos de trasfega (ISO 7201-2:1991) Sistemas de gestão da qualidade – Fundamentos e vocabulário Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos Portable fire extinguishers –Part 8: Additional requirements to EN 3-7 for the construction. de 10 de Setembro Decreto-Lei nº 103/2008. 28 de 28 Bibliografia Lei nº 102/2009. resistance to pressure and mechanical tests for extinguishers with a maximum allowable pressure equal to or lower than 30 bar Portable fire extinguishers – Part 9: Additional requirements to EN 3-7 for pressure resistance of CO2 extinguishers Portable fire extinguishers – Part 10: Provisions for evaluating the conformity of a portable fire extinguisher to EN 3-7 Fire protection – portable and wheeled fire extinguishers – Part 2: inspection and maintenance NP EN 27201-2 NP EN ISO 9000 NP EN ISO 9001 EN 3-8 EN 3-9 EN 3-10 ISO 11602-2 .prNP 4413 2011 p.