Você está na página 1de 11

Assírio & AlvimII

Rua Passos Manuel, 67-B


editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: BLACKPOT
Autor: Dennis McShade
Colecção: A Phala
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Policial
Formato e acabamento: 13,5 x 21 cm, edição brochada
N.º de páginas: 64

«Os metafísicos de Tlön não buscam a verdade nem sequer a verosimilhança: buscam o assombro»,
in Ficções, Jorge Luis Borges, 1944.

Juntamente com Albert Camus, cuja A Queda assume neste Blackpot o papel de insuspeitado
mote, Borges era um dos autores preferidos de Dinis Machado. Tanto que a sua personagem Peter
Maynard, assassino profissional com preocupações éticas e estéticas, figura central de Mão Direita do
Diabo, Requiem para D. Quixote e Mulher e Arma com Guitarra Espanhola, não é mais do que a ameri-
canização de Pierre Menard, personagem kafkiana de um conto borgeano que teimosamente se entre-
tém a reescrever o Quixote, palavra a palavra, letra a letra, vírgula a vírgula. Foi com esse espírito que
Dinis Machado escreveu de um fôlego, como era seu hábito, este visceral Blackpot. Esteve para lhe cha-
mar Gulliver contra Gulliver, título talvez com mais ressonância literária, sobretudo se aceitarmos a opi-
nião de André Breton segundo a qual foi Swift quem inventou o humor negro. Embora, convenhamos,
com muito menos swing.
Escreveu-o à máquina algures entre 1983 e 85, meteu-o na gaveta da memória e lá o esqueceu iné-
dito até hoje. Guardado a sete chaves e mais uma, a da sombra libertária do olvido, só voltaria a recu-
perá-lo quando, ainda em vida, se preparava a reedição dos supracitados McShades. Uma coisa levou à
outra e ele concluiu que o Blackpot tinha tudo a ver com este seu alter ego literário com vagas maneiras
de camóne e muitas leituras na consciência, de seu nome completo Dennis McShade. Pois, como diria
Peter Maynard, seja feita a sua vontade.

«Pode-se vomitar tudo menos o medo e a solidão. Esta frase idiota fora-lhe dita, uma
vez, por um médico que morrera atropelado por um camião. Continuou a olhar para o es-
pelho e tentou sorrir da ideia. Mas não sorriu.» P.V.P.: 9€ / ISBN: 978-972-37-1452-4
Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: HISTÓRIAS ESCOLHIDAS DA BÍBLIA


Por: José Tolentino Mendonça
Ilustrações: Ilda David’
Colecção: Assirinha
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Infantil
Formato e acabamento: 23,5 x 22,5 cm, edição encadernada
N.º de páginas: 96

Através da rigorosa e certeira escolha de José Tolentino Mendonça os mais pe-


quenos poderão agora passar horas de intenso divertimento e descoberta da
Bíblia. Uma excelente iniciação à leitura da Bíblia, este é um livro apropriado
para todas as idades, integralmente ilustrado pela pintora Ilda David’.

«A Bíblia é uma fascinante biblioteca de histórias. Algumas delas circularam,


de boca em boca, durante séculos, antes de serem escritas. E as que primeiro sur-
giram num livro foram igualmente divulgadas com entusiasmo num passa-pala-
vra contagiante, que não conhece fim. O mundo bíblico é, em grande medida, o
dos contadores e ouvintes de histórias. Sempre que lemos e escutamos entramos
na grande aventura que a Bíblia narra. Como verás, também aqui se fala da des-
coberta de um tesouro, um incalculável tesouro. Mas só o podemos procurar com
o coração.»
José Tolentino Mendonça

P.V.P.: 13 € / ISBN: 978-972-37-1448-7


Assírio & Alvim
Obras relacionadas
A Bíblia Ilustrada
(oito volumes)

Tradução: João Ferreira Annes d'Almeida


Ilustração: Ilda David'
Edição Encadernada
ISBN: 978-972-37-1128-8
Preço: 60 €
«A Bíblia (literalmente os livros) é um heterogéneo espaço literário. Reúne desde o desenho
que as genealogias repetem monotonamente, traço a traço, até ao nome que assoma uma só vez,
como um relâmpago. Desde cosmogonias a acordos políticos e guerreiros, desde alterações cós-
micas a altercações domésticas. Nela encontramos: tragédias, comédias, epopeias, autobiografias,
cantos de amor, relatos de naufrágios, índices historiográficos, peças de folclore, inventários,
livros de viagem, registos de propriedade, bênçãos, maldições, calendários, aforismas… numa
profusão que infinitamente se desdobra. A Bíblia representa um “atlas iconográfico”, “estaleiro de
símbolos”, “imenso dicionário”, como Paul Claudel lhe chamou. É um reservatório de histórias,
um armário cheio de personagens, um teatro do natural e do sobrenatural, um fascinante labo-
ratório de linguagens. Usa a língua literária, claro, mas não recusa o linguajar desnudo que é o
dizer corrente. Mantém uma respiração polifónica, sumptuosa e litúrgica, mas também uma sin-
taxe pobre, esforçada, cheia de lacunas e de anomalias. A Bíblia não escolhe propriamente uma
linguagem: é uma monumental acumulação de possibilidades.

É tudo isso e também aquilo que nem conseguimos dizer, porque é tão difícil, tão diferente
dizer uma literatura construída, não o esqueçamos, por poetas e escritores anónimos, uma liter-
atura que foi segredada e recitada durante séculos, antes de ser escrita, que é tecida de palavras
que solicitam o indizível, e que foram, e que são, não apenas a expressão das histórias, mas o ras-
tro de um estremecimento que as atravessa. Talvez seja isso o vento de Deus.»

José Tolentino Mendonça (excerto do prefácio)


Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: UM EPISÓDIO NA VIDA DO PINTOR VIAJANTE


Autor: César Aira
Tradução do espanhol: José Agostinho Baptista
Colecção: Outros Lugares
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Ficção
Formato e acabamento: 13,5 x 21 cm, edição brochada
N.º de páginas: 96

Johan Moritz Rugendas, descendente de uma ilustre família de gravadores de Augsburgo,


é porventura um dos mais interessantes artistas europeus a visitar a América Latina na primeira
metade do século XIX, onde passou, entre outros países, pelo Brasil, México, Chile e Peru.
O seu trabalho está entre a ciência e a arte. É um excelente pintor e desenhador, mas a sua im-
pulsão de viajante não parece estar relacionada com uma busca artística, antes geográfica.
Darwin educou-o como ilustrador científico, no México comportou-se como pintor român-
tico, no Brasil como etnógrafo, e há quem o considere historiador. É autor de uma obra
imensa: cerca de seis mil peças entre desenhos, aguarelas e óleos.
Neste livro, César Aira relata com grande mestria narrativa uma parte da estada de
Rugendas no Chile e na Argentina: um episódio da viagem em que — acompanhado por um
pintor amigo — atravessa os Andes e continua o seu caminho pela pampa argentina, com a in-
tenção de chegar a Buenos Aires. Uma etapa que modificará por completo a vida deste pintor
viajante, o seu corpo, a sua visão do mundo e o seu discurso artístico.

P.V.P.: 10 € / ISBN: 978-972-37-1409-8


Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: ESCOLHIDO PELAS ESTRELAS / antologia poética


Autor: Zbigniew Herbert
Selecção e Tradução: Jorge Sousa Braga
Colecção: Documenta Poetica
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Poesia estrangeira
Formato e acabamento: 14,5 x 20,5 cm, edição brochada
N.º de páginas: 176

«Num país com uma grande tradição poética, Zbigniew Herbert pertence à mesma geração de
Czeslaw Milosz, Tadeusz Rozewicz e Wislawa Szymborska. O Senhor Cogito — uma espécie de
anti-herói e o seu alter ego — é uma das grandes criações literárias do século XX. A sua poesia é de
uma grande sobriedade, rigorosa e límpida. A sua paixão pela história e literatura clássicas estão pre-
sentes em inúmeros poemas. Mas só ilusoriamente a sua poesia é clássica. Zbigniew Herbert é um
mestre da ironia histórica. Joseph Brodsky define-a bem quando diz que a “sua poesia acrescenta à
biografia da civilização a sensibilidade de um homem que não foi derrotado por um dos séculos
mais eficazes na desumanização da espécie. A sua ironia, a sua reserva austera e a sua compaixão, a
lucidez do seu lirismo, a intensidade do seu sentimento para com a antiguidade clássica, não são ar-
madilhas de um poeta moderno, mas a armadura necessária — no seu caso bem temperada e sem
dúvida brilhante — para que o homem não seja esmagado pela arremetida da realidade”».

Jorge Sousa Braga

P.V.P.: 14 € / ISBN: 978-972-37-1416-6


Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: CANÇÕES DE INOCÊNCIA E DE EXPERIÊNCIA


Autor: William Blake
Tradução de: Jorge Vaz de Carvalho
Colecção: Assiria
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Poesia
Formato e acabamento: 10,7 x 16,4 cm, edição encadernada
N.º de páginas: 128

Esta belíssima edição encadernada reproduz as gravuras originais realizadas por William
Blake. A par com a magnífica tradução de Jorge Vaz de Carvalho este livro permite ao leitor a
plena experiência do mistério e beleza presente nos poemas de Blake. Uma edição a não perder,
que oferece uma introdução perfeita ao mundo visionário de Blake.

A Voz do Velho Bardo.


Jovem de deleite vem:
E vê romper madrugada,
Imagem da verdade nada.
Dúvida foi-se & as nuvens da razão.
5 Negras disputas & astuta tensão.
Loucura é infinito labirinto,
Enleadas raízes em rumo indistinto,
Já quanto foi lá ceder!
Nos ossos dos mortos p’la noite empeçados,
10 Afãs tão-só sentem saber;
Desejam guiar mas devem ser guiados.
P.V.P.: 12 € / ISBN: 978-972-37-1457-9
Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: COMBOIOS DE LIVROS


Autores: Duarte Belo e Maria Inês Cordeiro
Colecção: Livros de Fotografia
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Fotografia
Formato e acabamento: 22 x 26 cm, edição encadernada
N.º de páginas: 160

Uma fascinante viagem à Biblioteca Nacional através do olhar de Duarte Belo e Maria Inês
Cordeiro: «Não é por acaso que a gíria da Biblioteca coloca os livros em “comboios”: a metáfora
traduz, como nenhuma outra, o conceito físico da arrumação sistemática em grandes unidades
colectivas ligadas em linha. Mas também simboliza, no melhor que a imaginação pode produ-
zir, um mundo de ideias de movimento, viagem, partida, chegada, descoberta de novas paisa-
gens, despedidas e reencontros… Cada “comboio de livros” é, em si, uma promessa de múltiplos
itinerários — em cada livro e para cada leitor — em diferentes eras, contextos, ocasiões. Mas o
comboio é, também, representante de uma época de modernidade que, ainda presente, já é pas-
sado. Hoje, numa lógica de viajar completamente diferente, a Internet perturba o conceito secu-
lar de Biblioteca como organização alinhada, e em terra firme. Ultrapassando a fisicalidade do
papel, transporta-nos para um universo de informação digital transmitida à velocidade da luz,
onde — também não por acaso — viajamos, mas navegando. Saímos da dimensão contida de
cada povoado, de cada cidade, de cada país, de cada continente, para mares onde se misturam as
nações e as línguas, a uma escala planetária em que todos nos encontramos precariamente liga-
dos. Também eles presentes nesse universo fluido, sem tempo nem espaço, os livros continuam,
no entanto, a ser idealizados, impressos, distribuídos, disseminados e a ter um lugar à sua espera
em qualquer carruagem de um “comboio de livros” da Biblioteca.»
P.V.P.: 25 € / ISBN: 978-972-37-1445-6
Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: POESIA DE ALBERTO CAEIRO / 3.ª Edição


Autor: Fernando Pessoa
Edição de: Richard Zenith e Fernando Cabral Martins
Colecção: Obras de Fernando Pessoa
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Poesia portuguesa
Formato e acabamento: 145 x 21 cm, edição brochada
N.º de páginas: 296

Esta é a terceira edição da poesia completa de Alberto Caeiro na série das obras de Fernando
Pessoa publicadas pela Assírio & Alvim. Vem agora aumentada de um novo poema e de correc-
ções em certos versos, assim tentando avançar na aproximação à mais limpa e respeitadora edição
possível de um conjunto de textos que constitui, talvez, o cerne poético da obra de Fernando
Pessoa. Pelo menos, é do Mestre que se trata, isto segundo a ficção dos heterónimos que nos é
transmitida pelo autor. Ou seja: o lugar de uma singularidade extrema em termos composicionais
e retóricos, que, além disso, oferece a todos os que o lerem uma cura de felicidade.

P.V.P.: 20 € / ISBN: 978-972-37-0654-3


Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: LIVRO DO DESASSOSSEGO / 8.ª Edição


Autor: Fernando Pessoa
Edição: Richard Zenith
Colecção: Obras de Fernando Pessoa
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Literatura portuguesa
Formato e acabamento: 16,5 x 24 cm, edição brochada
N.º de páginas: 544

«O que temos aqui não é um livro mas a sua subversão e negação, o livro em potência, o livro em
plena ruína, o livro-sonho, o livro-desespero, o anti-livro, além de qualquer literatura. O que temos
nestas páginas é o génio de Pessoa no seu auge». Estas são palavras da INTRODUÇÃO à primeira edi-
ção do Livro do Desassossego publicado pela Assírio & Alvim, em 1998. Com o presente volume, va-
mos na oitava edição desta maravilhosa e sui generis obra, agora enriquecida por alguns inéditos e, so-
bretudo, por dezenas de melhoramentos na leitura dos originais manuscritos, redigidos numa
caligrafia notoriamente difícil de decifrar. Esta nova edição também apresenta uma articulação
aperfeiçoada de alguns trechos e inclui profusas notas que vêm esclarecer praticamente todas as refe-
rências literárias e históricas. Mantém-se, no entanto, o carácter essencialmente hesitante e fragmen-
tário do Livro, realçando assim o que o autor chamou de «o devaneio e o desconexo lógico» da sua
«expressão íntima». Era, com efeito, o livro de um sonhador e para sonhadores. E era — vai sendo
— muitas outras coisas para todos os que entram neste vasto e surpreendente universo escrito.

P.V.P.: 36 € / ISBN: 978-972-37-0476-1


Assírio & AlvimII
Rua Passos Manuel, 67-B
editores e livreiros 1150-258 Lisboa

Título: GRAND HERBIER D’OMBRES / 2.ª Edição aumentada


Autor: Lourdes Castro
Colecção: Arte e Produção
Ano de edição: 2009 / Tema, classificação: Artes Plásticas
Formato e acabamento: 14,5 x 18,3 cm, edição brochada
N.º de páginas: 240
«Começava a nevar em Pennabilli e eu detinha o olhar na neve que caía sobre as amendoeiras, em re-
dor da casa, quando me chegou o Grand Herbier d’Ombres. É um livro com as sombras de muitas ervas
do campo, da pintora Lourdes Castro, grande artista portuguesa que reproduz sombras de pessoas ou de
outras formas de vida. Olhava eu, assim, os bordados da neve e logo depois as páginas do livro.
Num determinado momento, no branco do vale, vi manchas escuras que subiam da minha memó-
ria. Eram as sombras que passavam pelo tecto do meu quarto no dia do regresso da prisão, na Alemanha,
e eu, naqueles reflexos, procurava reconhecer os meus conterrâneos. Depois vi o vale, além da janela, atra-
vessado pela grande sombra do obelisco da Praça de São Pedro, num dia de Agosto, quando Roma me
apareceu deserta. E no entanto, os turistas estavam à fresca, na sombra daquele obelisco se apinhavam.
De repente, pensei nos belos dias de Agosto com Andrei Tarkovski quando trabalhávamos no filme
Nostalgia, em Bagno Vignoni. A pequena aldeia toscana tem, na praça, um lago de água quente criando
nuvens de vapor que enevoam, qual mundo medieval. É nestas águas que Catarina de Siena banhava seu
corpo e as palavras de sua oração. Uma manhã entrámos na pequena igreja, na margem da rua que con-
torna o grande lago. Sentámo-nos sobre um banco de madeira para gozar aquele silêncio abandonado.
Descobrimos que o feixe de luz matutina proveniente de uma janela alta estampava sobre a parede inte-
rior, junto de nós, uma pequena planta selvática crescida sobre o terriço trazido pelo vento, sob o pe-
queno vitral. Uma sarça de sombras incertas que se tornava decoração naquele reboco gessoso e humilde.
Eu e Andrei permanecemos por algum tempo contemplando estas imagens trémulas que nos traziam re-
flexões profundas. A um certo ponto pareceu-nos sentir no ar um perfume de menta. Levantámo-nos de
imediato para descobrir aquela imagem sobre o muro e perceber se a fragrância vinha daquela sombra.
Assim era.
É por isso que agora aproximei do nariz as sombras de Lourdes Castro que possuem uma presença
viva e misteriosa capaz de fazer crescer mágicos pensamentos a quem as olha».
Tonino Guerra, in A Phala, n.º 97 P.V.P.: 30 € / ISBN: 978-972-37-1451-7
Assírio & Alvim Teofanias
reedições

Diário 1941-1943
Etty Hillesum

Foi novamente como se a Vida, com todos os seus segredos, esti-


vesse próxima de mim, como se eu a pudesse tocar…

Colecção: Teofanias
ISBN: 978-972-37-1274-2
Preço de capa: 22 €

Espera de Deus O Livro de Horas


Simone Weil Rainer Maria Rilke

«Weil, na minha opinião, é quem melhor conhece a «O Livro de Horas, talvez a mais pura elevação religiosa
“luz da montanha” (como diria Nietzsche)» que jamais um poeta concebeu em nossos dias.»
George Steiner Stefan Zweig
Colecção: Teofanias Colecção: Teofanias
ISBN: 978-972-37-0996-1 ISBN: 978-972-37-1332-9
Preço de capa: 18 € Preço de capa: 22 €