Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS MARINHAS E COSTEIRAS


Licenciatura em Biologia Marinha
IIIº NÍVEL
Genética Marinha

Melhoramento genético em Aquacultura
(Tilápia- GIFT e Híbrida)

Discentes: Docente:
Balbina Jossias drº. Vicente
Márcia Tembe
Mário Walter


Quelimane, Março 2014



1
Índice pág.
Introdução ....................................................................................................................................... 2
Objectivos ....................................................................................................................................... 3
Geral:............................................................................................................................................... 3
Específico:....................................................................................................................................... 3
Melhoramento genético .................................................................................................................. 4
Técnicas de melhoramento genético ............................................................................................... 5
Vantagens do melhoramento genético ............................................................................................ 6
Desvantagens do melhoramento genético ....................................................................................... 6
Referências Bibliográficas .............................................................................................................. 7
















2
1. INTRODUÇÃO
Tratando-se do melhoramento genético de espécies tropicais de peixes, os programas de tilápias
e carpas são considerados como referência. Como exemplo mais conhecido, temos a aplicação de
métodos de selecção para a tilápia nilótica (Oreochromis niloticus) pelo World Fish Center
(antigo ICLARM) em 1990. As experiências mostram que o melhoramento genético na taxa de
crescimento pode proporcionar ganhos de cerca de 15% por geração em programas bem
conduzidos (Ponzoni et al. 2005, Ponzoni et al., 2007, Eknath et al., 1993).
O objectivo, ao realizar a hibridação, é explorar o vigor do híbrido ou heterose. Os resultados das
hibridações são mais evidentes quanto mais diferentes forem os grupos genéticos utilizados
(LOPEZ-FANJUL, 1990).
O uso da hibridação permite agregar, de forma rápida, num mesmo grupo genético,
características desejáveis de espécies ou linhagens diferentes; com apenas uma geração de
acasalamentos é possível obter indivíduos adaptados a determinadas situações de cultivo e que
tenham produção superior aos progenitores. Contudo, a manutenção desta superioridade, é
dependente da continuidade dos acasalamentos de indivíduos geneticamente distintos e que
apresentem superioridade para as características de interesse (CARVALHO et al, 2008).
Conforme Ponzoni, (2006), a escolha de uma espécie de peixe para implantação de um programa
de melhoramento genético é dependente do domínio das técnicas de produção e reprodução, da
adequação às condições específicas de produção e de ambiente e da demanda do mercado
consumidor. Dessa forma, o atendimento destes “pré-requisitos” poderá indicar uma espécie
como potencial para implantação e estruturação de uma cadeia produtiva específica e,
conseqüentemente, o estabelecimento de um programa de melhoramento genético.







3
2. OBJECTIVOS
2.1.Geral:
 Estudar o melhoramento genético em aquacultura.
2.2.Específico:
 Retratar sobre o melhoramento genético em aquacultura da Tilápia- GIFT e Híbrida.

3. Revisão da literatura
3.1.Tilápia
Embora existam mais de 20 mil espécies de peixes, dos quais cerca de 10 mil de água doce,
apenas algumas espécies são domesticadas. Entre elas estão os ciprinídeos, com destaque para as
carpas de origem chinesa e indiana, os salmonídeos, com ênfase para a truta arco-íris e o salmão
do Atlântico, os ciclídeos com as tilápias, e algumas espécies de peixes ornamentais como os
lebistes e o peixe vermelho japonês (TOLEDO-FILHO et al., 1998).

As tilápias são peixes de hábito lêntico, que tendem a formar subpopulações em lagoas, lagos e
remansos de bacias hidrográficas onde ocorrem naturalmente. Isso contribui para efeitos de
deriva genética diferencial entre grupos relativamente isolados reprodutivamente, ainda que
geograficamente próximos entre si e ocorrentes na mesma bacia hidrográfica (WALMSLEY,
2004).

As tilápias se espalharam pelo mundo e, actualmente estão catalogados mais de 100 países
produtores, sendo que O. niloticus corresponde a cerca de 80% de toda a produção mundial da
espécie, devido a sua adaptabilidade a variados sistemas de produção e condições ambientais,
facilidade de reprodução e alta prolificidade, tolerância à baixa qualidade de água, boa aceitação
de rações e rápido crescimento (MASSAGO, 2007).
A tilápia, além dessas características zootécnicas, apresenta ainda a carne de óptimo sabor, o que
tem sido responsável pela grande aceitação comercial.

Das diversas espécies de tilápia existentes a O. niloticus foi a espécie escolhida para fazer parte
desse estudo do melhoramento genético por diversas razões tais como:

4
 Curta duração de gerações (6 meses);
 Aptidão reprodutiva;
 Animal rústico:
 Suporta temperaturas diversas;
 Baixo teores de oxigénio dissolvido;
 Água rasa e turva;
 Resistente a parasita;
 Diversos sistemas de produção;
 Variada alimentação (algas, plâncton, larvas, matéria orgânica)
 Carne de excelente qualidade, sabor e aparência;

Apesar de todas essas vantagens, a alta prolificidade da tilápia é um sério problema, com a
tendência de superpovoamento do ambiente onde é cultivada.

4. Melhoramento genético
Para a condução de programas de melhoramento genético a partir do banco genético formado, a
primeira etapa é a selecção da(s) característica(s) a ser(em) melhorada(s). Deve se tratar de
fenótipo desejável do ponto de vista zootécnico, cujo melhoramento resulte em lucros aos
produtores que justifiquem o investimento no programa de melhoramento, mas também é
necessário que ele seja passível de melhoramento genético por selecção. Para tanto, é essencial
que ele apresente variabilidade fenotípica dentro do banco genético disponível, que não seja
ligado à fenótipos indesejáveis (como baixas taxas de crescimento, sobrevivência ou
fecundidade), e que apresente hereditariedade significativamente diferente de zero
(WALMSLEY, 2004).








5
4.1.Técnicas de melhoramento genético
A maioria dos métodos clássicos de melhoramento genético compreendem técnicas de selecção
como cruzamentos entre variedades da mesma espécie e hibridação entre espécies diferentes.
Alguns tipos de selecção genética já aplicados ao melhoramento de organismos aquáticos são:
 Selecção massal - que é o mais simples e antigo método de melhoramento e consiste da
selecção de indivíduos de acordo com o seu fenótipo (aparência exterior de fácil
observação) como por exemplo, indivíduos maiores, mais resistentes a alguma doença
etc.
 Selecção de famílias - este tipo de selecção é usada quando o caractere que se pretende
seleccionar tem uma baixa hereditariedade como por exemplo: sobrevivência, qualidade
de carne, idade de maturação e etc. Assim, a média fenotípica da família vem a ser a
medida de sua média genotípica. Estas famílias são testadas e suas relativas performances
tornam-se o critério para a sua selecção ou rejeição.
 O cruzamento entre linhagens de indivíduos que apresentam valores fenotípicos
diferentes é um método muito utilizado no melhoramento. Por exemplo, em uma revisão
feita por Smitherman et alli (1983) sobre cruzamentos com Bagres de Canal (catfish),
várias características, tais como: adiantamento da idade da primeira desova, aumento da
taxa de crescimento e tolerância a doenças foram testados.
 A hibridação é outra ferramenta muito utilizada em aquicultura. São feitos cruzamentos
entre diferentes espécies de tilápias para a obtenção de uma descendência do mesmo sexo
ou mesmo para a obtenção de híbridos de coloração diferente (tilápia vermelha).
O cruzamento entre carpa capim e carpa cabeça grande resultou em indivíduos triplóides e, desta
forma, estéreis. Entre os Salmonídeos várias tentativas têm sido feitas no sentido de se obter
melhores linhagens a partir de hibridações interespecíficas. Até agora o híbrido entre lake trout e
brook trout, conhecido como splake tem sido o mais usado no cultivo de Salmonídeos. Nos
países de clima mais quente como o Brasil, os métodos de hibridação juntamente como os
processos de selecção podem resultar em linhagens mais resistentes ao nosso clima e ao mesmo
tempo produtiva. A perspectiva do cultivo do Landlocked Salmon, o salmão de água doce, junto
com a aplicação da genética abre caminhos para a obtenção de animais cada vez mais adaptados
às nossas condições e que possuem alto valor de mercado (WALMSLEY, 2004)..

6
4.2.Vantagens do melhoramento genético
 Domesticação
 Uniformidade dos lotes
 Padronização dos produtos
 Mudanças de rumos
 Controle da Selecção não-Intencional

4.3.Desvantagens do melhoramento genético
 Famílias perdidas
 Falhas na Reprodução
 Composição de irmãos completos meio irmãos
 Estrutura de incubadoras
 Estrutura de Treinamento Alimentar
 Tipo de acasalamento














7
5. Referências Bibliográficas
 MASSAGO. Haluko. Desempenho de alevinos de quatro linhagens da tilápia do
Nilo (Oreochromis niloticus) e análise da variabilidade genética pelos marcadores
RAPD. Jaboticabal, São Paulo, Brasil. Março de 2007
 TOLEDO-FILHO, S. A. ALMEIDA-TOLEDO, L. F. FORESTI, F.
CALCAGNOTTO,D.; SANTOS, S. B. A. F. BERNARDINO, G. Cadernos de
ictiogenética: programas genéticos de selecção, hibridação e endocruzamento
aplicados à piscicultura. São Paulo: Divisão de Artes Gráfica da CCS, 1998. pag. 7-
53.
 WALMSLEY. Sandra Menezes. Identificação de estoques de tilápia do Nilo
(Oreochromis niloticus) através do uso de marcadores moleculares. Jaboticabal
2004.
 PONZONI, R. W.; HAMZAHB, T. A..; TANA, S.; KAMARUZZAMANA, N.
Genetic parameters and response to selection for live weight in the GIFT strain of
Nile Tilapia (Oreochromis niloticus) Aquaculture, 246:203-210, 2005.
 PONZONI, R. W.; NGUYEN, N. H.; KHAW, H. L. Investment appraisal of genetic
improvement programs in Nile tilapia (Oreochromis niloticus). Aquaculture.
268:187-199, 2007.
 EKNATH, A.E. et al. Genetic improvement of farmed tilapias: the growth
performance of eight strains of Oreochromis niloticus tested in different farm
environments. Aquaculture. 11: 171-188, 1993.
 LOPEZ-FANJUL, C; TORO, M.A. Mejora Genética de peces y moluscos. Madrid:
Edicones Mundi-Prensa, 1990. 107p.
 CARVALHO. D. C.; SEERIG, A; MELO, D.C.; SOUSA, A. B.; PIMENTA, D.;
OLIVEIRA, D. A. A. Identificação molecular de peixes: o caso do Surubim
(Pseudoplatystoma spp). Revista Brasileira de Reprodução Animal. 32 (4): 215-
219, 2008.
 PONZONI, R. W. Genetic improvement effective dissemination: Keys to prosperous
and sustainable aquaculture industries. IN: PONZONI, R. W.; ACOSTA, B. O.;
PONNIAH, A. G. Development of aquatic animal genetic improvement an
dissemination programs. Malaysia. Worldfish Center, 2006. p.1-6.