Você está na página 1de 19
A PráticA LevA à Perfeição
A PráticA
LevA à
Perfeição

Cálculo

William D. Clark, Ph.D

e

Sandra Luna McCune, Ph.D

A PráticA LevA à Perfeição Cálculo William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D Rio

Rio de Janeiro, 2012

Para Shirley e Donice. Vocês estão sempre em nossos corações.

Sumário

Prefácio ix

LimiteSSumário Prefácio ix 1 1 O conceito de limite 3 Limite: definição e intuição 3 Propriedades

1

1 O conceito de limite

3

Limite: definição e intuição

3

Propriedades dos limites

4

2 Limites especiais

7

Limites com denominador zero

Limites infinitos e limites envolvendo infinito

7

8

Limites à esquerda e à direita

9

3 Continuidade

11

Definição de continuidade

11

Propriedades da continuidade

12

II
II

Teorema do Valor Intermediário (TVI)

DiferenCiaçãO

15

13

4 Definição de derivadas e derivadas de algumas funções simples

Definição de derivada

Derivada de uma função constante

19

Derivada de uma função linear

Derivada de uma função potência

Derivadas numéricas

17

20

18

19

17

5

Regras de diferenciação

23

Regra da constante múltipla de uma função

Regra das somas e diferenças

Regra do produto

Regra do quociente

Regra da cadeia

Diferenciação implícita

24

25

28

26

29

23

6 Derivadas adicionais

33

Derivada da função exponencial natural e x Derivada da função logarítmica natural ln x Derivadas de funções exponenciais

com bases diferentes de e

Derivadas de funções logarítmicas

com bases diferentes de e

Derivadas de funções trigonométricas

Derivadas de funções trigonométricas inversas

Derivadas de ordens mais elevadas

33

34

34

35

36

39

III
III

IntegRação

41

37

7 Integral indefinida e fórmulas e

regras básicas de integração

43

Antiderivadas e integral indefinida Integração de funções constantes

Integração de funções potência

Integração de funções exponenciais

Integração de derivadas de funções trigonométricas

Integração de derivadas de funções trigonométricas inversas

Duas regras úteis de integração

43

44

46

45

47

49

8 técnicas básicas de integração

53

Integração por substituição

Integração por partes

Integração utilizando tabelas de fórmulas de integração

53

55

57

48

9

a integral definida

61

Definição da integral definida e o Primeiro Teorema Fundamental do Cálculo

61

Propriedades úteis da integral definida

62

Segundo Teorema Fundamental do Cálculo Teorema do Valor Médio para Integrais 65

64

IV
IV

apLiCaçõeS Da DerivaDa e Da

integraL DefiniDa

67

10 aplicações da derivada

69

Inclinação da reta tangente em um ponto

Taxa de variação instantânea

Diferenciabilidade e continuidade

Funções crescentes e decrescentes, extremos e pontos críticos

Concavidade e pontos de inflexão

Teorema do Valor Médio

69

70

72

77

79

11 aplicações da integral definida

Área de uma região abaixo de uma curva

Área de uma região entre duas curvas

Comprimento de um arco

84

86

83

83

Apêndice A: Funções básicas e seus gráficos

Apêndice B: Fórmulas e regras básicas de diferenciação

Apêndice C: Fórmulas de integração

respostas 103

Soluções elaboradas

89

99

117

97

73

prefácio

A Prática Leva à Perfeição - Cálculo é elaborado como uma ferramenta de revisão e prática para iniciantes, avançados ou aprendizes intermediários de cálculo. Não tem a intenção de introduzir conceitos, mas sim reforçar o que já foi apresentado aos leitores. Por essa razão, é um texto suplementar muito útil para cursos introdutórios de cálculo. Também pode ser utilizado como texto de reciclagem para leitores que necessitam revitalizar habilidades anteriormente adquiridas referentes ao cálculo.

Como ocorre com a maioria dos assuntos que vale a pena conhecer, o aprendiza- do de cálculo requer diligência e trabalho árduo. O principal propósito de A Prática Leva à Perfeição - Cálculo é ser uma fonte de problemas resolvidos de cálculo. Nós acreditamos que a melhor maneira de desenvolver precisão e velocidade em cálculo é resolver inúmeros exercícios práticos. Este livro possui mais de 500 exercícios do início ao fim. Uma gama de exercícios de vários níveis de dificuldade é apresentada para proporcionar o reforço dos conceitos de cálculo. Em cada unidade, a discussão de um conceito, seguida de exemplos de problemas, precede cada grupo de exercícios para servir como uma revisão concisa para leitores que já estão familiarizados com os tópicos abordados. Os conceitos são desmembrados em componentes básicos para proporcionar uma prática ampla de habilidades fundamentais. Para utilizar A Prática Leva à Perfeição - Cálculo de modo mais efetivo, é impor- tante que você se aplique completamente em cada exercício. Após trabalhar em um grupo de exercícios, utilize as soluções elaboradas para checar o seu entendimento sobre os conceitos. Nós, sinceramente, esperamos que este livro o ajude a conquistar maior habilidade e confiança no uso do cálculo em seus empreendimentos futuros.

· I ·
· I ·

Limites

A noção fundamental do cálculo é o conceito de limite. Os exercícios da Parte I são elaborados para melhorar seu entendimento e suas habilidades para trabalhar com esse conceito. Os simbolismos utilizados são contra- ções/abreviações úteis e a identificação de suas “formas” é essencial para o êxito na produção dos resultados requeridos. Antes de você começar, caso precise de uma revisão sobre funções, veja o Apêndice A: Funções básicas e seus gráficos.

você começar, caso precise de uma revisão sobre funções, veja o Apêndice A: Funções básicas e

O conceito de limite

· 1 ·
· 1 ·

Limite: definição e intuição

Uma função f(x) é dita como tendo o limite A quando x se aproxima de c,

A , desde que o erro entre f(x) e A, representa-

do por | f ( x ) A| , possa ser feito menor do que qualquer número positivo ε sempre que x se aproxime, mas não seja igual a c. Heuristicamente: “O limite de f no ponto c será A se o valor de f se aproximar de A quando x se aproximar de c”. Exploraremos esta definição intuitivamente através dos seguintes exemplos.

Calcule o valor de f(x)=x²+5 para os seguintes valores de x que são próximos, mas não iguais a 2, e , então, faça uma observação sobre os resultados.

representado por li m

x

c

f ( x ) =

a. x

=

2,07

f ( x

)= 9,2849

b. x

=

1,98

(

f x

)

= 8,9204

c. x =

2,0006

f x = 9,00240036

(

)

Observação: Parece que quando x se aproxima do valor 2, então, f(x) se aproxima do valor 9.

= 4

x x

para os seguintes valores de x que são

Calcule o valor de f(x)

próximos, mas não iguais a 0, e, assim sendo, faça uma observação

intuitiva sobre os resultados.

a. x

=

0,01

f x

(

)

= 400

b. x

=

−0,001

(

f x

)

= –4000

c. x =

0,001

f

(

)

x = 4000

Observação: Parece que quando x se aproxima do valor 0, f(x) não se aproxima do valor de nenhum número fixo.

Utilizando a notação de limite, você pode representar as demonstra- ções de suas observações sobre os exemplos acima, respectivamente, como:

2

li m x + =

5

x 2

9 e lim

x 0

4 não existe.

x

3

EXER CÍCI O
EXER CÍCI O

1 · 1

x

+ 2

x 5

1. f ( x)

=

a. x = 3,001

Calcule o valor de f(x) dado que x possui seus valores indicados em (a) e (b). Para (c) faça uma observação baseada em seus resultados encontrados em (a) e (b).

b. x = 2,99

c. Observação?

2.

f ( x)

x 5

=

4 x

a. x = 1,002

b. x = 0,993

c. Observação?

3. f ( x) = 3

x

2

x

a. x = 0,001

b. x = −0,001

c. Observação?

Propriedades dos limites

Existem teoremas básicos que são planejados para facilitar o trabalho referente a limite. Tais teoremas são ideias fundamentais que você precisa dominar para lidar, com sucesso, com o conceito de limite. De forma sucinta, os mais úteis desses teoremas são os seguintes:

Se lim ( )

fx

x

c

e li m

x

c

g x

(

) existem, então

1. O limite da soma (ou da diferença) é a soma (ou diferença) dos limites.

li m[ ()

f x

x

c

+

() ]

g x

= li m (

f x

xc

)

+

l im

xc

g x

(

)

2. O limite do produto é o produto dos limites.

lim[

x

c

f x

()

() ]

g x

= lim

xc

f x

(

) lim

xc

g x

(

)

3. O limite do quociente é o quociente dos limites desde que o limite do denomi- nador seja diferente de 0.

lim

x

c

f

(

x

)

lim

x

c

f

(

x

)

=

g

(

x

)

lim

x

c

g

(

x

)

4. Se f(x)≥ 0 , então

lim

x

c

n f x ( )
n
f x
(
)

=

n lim ( f x x → c
n
lim (
f x
x
c

) para n>0.

5. lim ( )

af x

x

c

6. lim[ ( )]

fx

x

c

7. lim =

x

x

c

c

=

n

a

=

lim ( )

f x

x

c

onde a é uma constante.

lim ( )

fx

x

c

n

para qualquer numero inteiro positivo n.

8.

lim

1

1 dado c≠0

=

x

c x

c

Você deve evitar o erro de escrita ou de concepção de que lim ( ) = f ( c ), isto é, que

x

c

f x

você determina o limite substituindo x=c na expressão que define f(x) e, então, calcula o seu valor. Lembre-se de que no conceito de limite, x não pode assumir o valor de c. A explicação completa requer o conceito de continuidade, que será discutido no Capítulo 3.

PROBLEMAS

SOLUÇÕES

Determine os seguintes limites.

3 x − 5 a. lim x → 2 5 x + 2 b. lim(
3 x
− 5
a. lim
x → 2
5 x
+ 2
b. lim(
3
x
+
16
x
)
x → 4
2
x
− 16
c. lim
 

x 4

x

4

 

lim 3

x

5

   

a. lim

x 2

3 x

5

x

2

1

5 x

=

+ lim 5

2

x

+

2

=

12

 

x

2

b. lim(

3

x

+

16 x )
16
x
)

=

lim

3

x

+

lim

16 x
16
x

=

3

lim

x

+

 

x

4

x

4

x

4

x

4

c.

lim

x

4

x

2

16

lim (

x

4

)(

x

+

4

)

 

lim( x ++ 4) = 8

x 4

x

4

=

x

4

x

4

=

llim16 x → 4
llim16
x → 4

x =

12

+

64
64

=

20

Note que nesse exemplo, você não pode utilizar o teorema do quociente porque o limite

= 0. Contudo, como foi mostrado, você pode fazer

uma aproximação algébrica para determinar o limite. Primeiro, você deve fatorar o numera-

dor. Depois, considerando que para todo x

, você pode simplificar

a fração e, assim, determinar o limite. Esta é uma abordagem útil que pode ser aplicada em

diversos problemas referentes a limites.

do denominador é zero, isto é lim(

x 4

x 4 )

(

x

4

)(

x

+

4

)

x

4

4 ,

= x +

4

d. lim

x 1

6 x −
6 x −

12 não existe porque 6x–12<0 quando x está próximo de 1.

EXER CÍCI O 1 · 2 Encontre os seguintes limites ou indique sua não existência.
EXER CÍCI O
1 · 2
Encontre os seguintes limites ou indique sua não existência.
2
2
x
− 4
9
+
3 x
1. lim
6.
lim
3
x
→ 3
x
+ 1
x
→ 0
x
+ 11
2
2
x
− 9
x
2
x
+
1
2. lim
7.
lim
2
x
→ 2
x
2
x
→ 1
x
− 1
6
3 x
3
3. lim
x
+ 7
8.
lim
2
x
→ 1
x
→ 4
x
− 16
4. lim(
5 x
2 + 9
)
9.
3
lim
4
x +
11
x
π
x
→− 2
5
3 x
8
3 x
5. lim
10.
lim
x
→ 0
x
+
11
x
→− 6
x 6

Limites especiais

· 2 ·
· 2 ·

Limites com denominador zero

Alguns dos limites mais úteis são aqueles em que o denominador é zero, ainda que nossos teoremas vistos anteriormente não sejam diretamente aplicáveis nesses casos. Esses tipos de limites só podem existir se houver algum tipo de cance- lamento oriundo do numerador. A chave é procurar os fatores comuns do numerador e do denominador que serão cancelados.

PROBLEMAS

SOLUÇÕES

PROBLEMA

SOLUÇÃO

Calcule os seguintes limites:

3 x − 8 a. lim x → 4 x − 2 2 2 2
3
x
− 8
a. lim
x → 4
x
− 2
2
2
2
5
x
+
10
xh
+
5
h
+
2
)
(
5
x
+
2
)
b. lim (
h → 0
h
x h
+ −
x
c. lim
h → 0
h
3
2
x
− 8
x
2
)(
x
+
2
x
+
4
)
a. lim
=
lim (
= lim ( x
2 + 2 x + 4) = 28
x
4 x
− 2
x
4 x
− 2
x
→ 44
2
2
2
2
5
x
+
10
xh
+
5
h
+
2
)
(
5
x
+
2
)
10
xh + h
55
b. lim (
= lim
h
0
h
h
→ 0
h
=
lim(
10
x
+
5
h
)
=
10
x
h
→ 0
x h
+ −
x
x
+−
h
x
)(
x h
++
x )
c. lim
= lim (
h
0
h h
0
h
(
x h
+ +
x
)
(
x h
+
)
x
h
= lim
= lim
h
0
h
0
h
(
x h
+
+
x
)
h (
x + h +
x
)
1 1 = lim ( h → 0 x + h + x ) =
1
1
=
lim (
h
→ 0
x
+ h +
x
) =
2
x
.
f x h
(
+
)
f ( x
)
Se f(x)=6x²+7, então encontre lim
h
→ 0
h
2
2
f x h
(
+
)
f ( x
)
6
x h
+
)
+
7
)
(
6
x
+
7 ))
lim
= lim ( (
h
0
h
h
0
h
2
2
2
6
x
+
12
xh
+
6
h
+ 7 −
6
x
7
= lim
h → 0
h
= lim(
12
x
+
6
h
)
=
12
x

h 0

7

EXER CÍCI O 2 · 1 Calcule os seguintes limites. x − 3 1. lim
EXER CÍCI O
2 · 1
Calcule os seguintes limites.
x
3
1.
lim
2
x
→ 3
x
+ −
x
12
2
2
x
+
h
)
x
2.
lim (
h
→ 0
h
3
x
− 64
3.
lim
2
x
→ 4
x
− 16
f x h
(
+
)
f ( x
)
4.
Se f ( x) = 5x + 8
, encontre
lim
.
h
→ 0
h
5 x
+
7
5.
lim
2
x
→− 3
x
− 3
x
5
6.
lim
x
→ 25
x
25
g ( x
)
g ( 2
)
7.
Se g( x ) = x 2 , encontre
lim
.
x → 2
x 2
2
2
x
4
x
8.
lim
9.
10.

Limites infinitos e limites envolvendo infinito

A variável x é dita como tendendo ao ∞ ( - ∞) se x aumenta (diminui) sem limitações.

Por exemplo, x tende ao ∞ se x assume os valores 2, 3, 4, 5, 6, e assim por diante, con- secutivamente. Note, contudo, que y não tende ao infinito se y assume os valores 2, -2,

4, -4, 6, -6, e assim por diante, do mesmo modo.

Uma função torna-se positivamente infinita quando x aproxima-se de c, se para qualquer M > 0, f(x )> M para algum x próximo, mas não igual a c. Similarmente, uma função torna-se negativamente infinita quando x se aproxima de c, se para qualquer M < M, f(x) < M para algum x próximo, mas não igual, a c.

PROBLEMAS

Calcule os seguintes limites.

a.

b.

c.

d.

lim

a

x

→∞

x

, quando a for qualquer constante

lim

x

→∞

x

2

lim

3 x

+

12

x →−∞

x

1

4

lim |

x

3

x

3

|

.

SOLUÇÕES

a. lim

a

x

→∞

x

= 0 para qualquer constante a

.

2 b. lim x = ∞ x →∞ 12 3 + 3 x + 12
2
b. lim
x
= ∞
x →∞
12
3 +
3
x
+
12
+ 0
x 3
c. lim
= lim
=
= 3
x
→−∞
x
− 1
x
→ −∞
1 1 − 0
1 −

x

4 d. lim | = ∞ x → 3 x − 3 | EXER CÍCI
4
d.
lim |
= ∞
x
→ 3
x − 3
|
EXER CÍCI O
2 · 2
Calcule os seguintes limites.
x 2
1.
lim(
5
x − 7
)
6.
lim
2
x
→∞
x
→∞
x
5 x
+
6
5
3
x
+ 6
x
7
2.
lim
7.
lim
7 3
6
2
x
→∞
x
x
→∞
5
x
+ 6
x
11
4
2
7
x
+
6
x
3
x
3.
lim
3
x + 95
8.
lim
3
x
→−∞
x
→−∞
3
x
7
x
+
5
4.
5.
Limites à esquerda e à direita
Limites direcionais são necessários em muitas situações e escrevemos lim
f x
(
)
para
+
x
→ c

representar o conceito de limite quando x aproxima-se de c por meio de valores de x maiores que c. Esse limite é chamado limite lateral à direita de c , e, similarmente,

lim ( )

f x

é a notação para limite lateral à esquerda de c .

 

x

c

Teorema: lim

x

c

. Esse teorema é uma

ferramenta muito útil na determinação de certos limites e na determinação da existên- cia de um limite.

f x

(

)

=

L

se e somente se lim

x

c

+

fx

(

)

=

lim ( )

fx

x

c

=

L

PROBLEMAS

Calcule os seguintes limites.

a.

4

lim

x

3

+

x

3

b.

lim

15

x

1

x

c. lim[

x

2

+

x

1

]

Nota: [x] denota a maior função inteira (Veja Apêndice A)

.

SOLUÇÕES

d. lim[

x

2

x

]

e. lim[

x

2

x

]

a.

b.

lim

x

3

+

lim

x

1

4

x

15

3

x

1

=

=

−∞

c.

d.

lim[

x

2

+

x

]

lim[

x

2

x

]

= 2

= 1

e. lim[ ] não existe pois lim[ ]

x

2

x

x

2

+

x

= 2

e

lim[ ] = 1, então, os limites

x

x

2

à direita e à esquerda não são iguais.

EXER CÍCI O 2 · 3 Calcule os seguintes limites, se existirem. Caso o limite
EXER CÍCI O
2 · 3
Calcule os seguintes limites, se existirem. Caso o limite não exista, mostre
o porquê.
2
x
− 9
1.
lim [
x
]
+ 1
6.
lim
+
x
→ 4
x
→ 3
x
3
2
x
− 4
7
2.
lim
7.
lim
x
x
2
+
→ 2
x
→ 4
x
4
5
4
4
x
+
x
− 8
3.
lim
8.
lim
+
x
→ 8
x −
9
x
→− 4
x
+
4
4.
5.