Você está na página 1de 182

didátiÇ*

/

-

•/

_ l

i

k

&\e*a

Paulo

Pau\o

Que

v

ndfe

í\íTWI

fc

1

i

%

\

%

\

\

t

c

c

f

c

c

c

c

(

Universidade Federai de Minas Gerais

 

Reitor:

CJéfioCampofinaDWz

C

Vke-Rettora:

Roeksane de CaraJho Norton

c Editora UFMG

c

Diretor:

Wander MeloMiranda

Vice-Diretor:

Roberto Alexandre do Carmo SaW

Conselho Editorial

Wander Meio Miranda (presidente) Flavio de Lemos Carsalade

C Heloísa Marta MurgdStaffing

Márcio Gomes Soares

Maria das Graças Santa Bárbara

MariaHelena Damascenoe Sflva Megale Paulo Sérgio Lacerda BeirSo

Roberto Alexandre do Carmo Said

c

s

i

í

f

4

Paulo Villani Marques Paulo José Modenesi

Alexandre Queiroz Bracarense

SOLDAGEM

FUNDAMENTOS E TECNOLOGIA

3a edição atualizada

1a reimpressão

BELO HORIZONTE | EDITORA UFMG 2011

C

 

Coordenação Editorial

Assistência Editorial

DaniviaWolff

Efiane Sousa c Eudídia Macedo

 

Editoração de texto

Revisão e normalização

Ana Maria de Moraes

Maria do Carmo Leite Ribeiro

Revisão de provas

Alexandre Vasconcelos de Melo

c

 

Atualização ortográfica

 

Projetográfico

Karen M. Chequer e Daniel ID Silva Paulo Schmidt

 

Formatação e capa

Warren Maritac

Warren Marilac

 

Produção gráfica

 

<51 200S, Paulo Villani Marques, Paulo José Modenesi, Alexandre Queiroz Bracarense

© 2005, Editora UFMG

 

© 2007, 2* ed. rev. e ampi.

© 2009, 3* ed. atual.

2011, 1* reimpr.

c

Este livro ou parte dele não pode ser reproduzido sem autorização escrita do Editor.

M357s

Marques. PauloViBant

 
 

Soldagem:

fundamentos e

tecnologia

/ PauloVtlani Marques, Paulo

c

 

José

Modenesi, Alexandre Queiroz

Bracarense-

3* etfçáo atualizada - Béo Horizonte:

EditoraUFMG, 2009.

 

363 pLl- (Didática)

Indui b&tografia.

ISBN:978-85-7041-748-0

c

1. Soldagem. 2. Solda e soldagem.

I. Modenesi.Pauto José.

U. Bracarense, Alexandre Queiroz.

111. Titula

 
 

O»; 621.791

CDU: 621.791

Fichacatalográficaelaboradapela CCQC- Central òe Controle de Qualidade da Catalogação da Biblioteca Universitária da UFMG

c

Editora UFMG

 

Av. Antônio Carlos, 6.627 - Ala direita da Biblioteca Central - térreo CampusPampulha - CEP31270-901 - BeloHorizonte/MG Td.: +55 31 3409-4650 | Fax: +55 31 3409-4768 | edtora@ufmgi>r | wwweditoraajfmgJjr

SUMÁRIO

PREFÁCIO À PRIMEIRA EDIÇÃO

13

PREFÁCIO ÀSEGUNDA ETERCEIRA EDIÇÕES

14

APRESENTAÇÃO

15

PARTE 1

FUNDAMENTOS DA SOLDAGEM

 

Capítulo 1

Introdução à Soldagem

 

1.

Métodos de união dos metais

17

2.

Definição de soldagem

18

3.

Formação de uma junta soldada

19

4.

Processos de soldagem

21

5. Comparação com outros processos de fabricação

23

6. Breve histórico da soldagem

25

7. Exercícios

27

Capítulo 2

Terminologia e Simbologia da Soldagem

1. Introdução 2. Terminologia da soldagem 3. Simbologia da soldagem

4.

Exercício

Capitulo 3

29

30

36

41

Princípios de Segurança em Soldagem

1. Introdução

2. Roupas de proteção

43

44

3.

Choque elétrico

45

4.

Radiação do arco elétrico

46

5.

Incêndios e explosões

48

6.

Fumos e gases

48

7. Outros riscos

49

8. Recomendações finais

49

9. Exercícios

50

Capítulo 4

0 Arco Elétrico de Soldagem

 

1.

Introdução

51

2.

Características elétricas do arco

52

3.

Características térmicas do arco

56

4.

Características magnéticas do arco

57

5.

Exercícios e práticas de laboratório

61

Capítulo 5

Fontes de Energia para Soldagem a Arco

 

1.

Introdução

63

2.

Requisitos básicos das fontes

63

3.

Fontes convencionais

64

4. Fontes com controle eletrónico

72

5.

Conclusão

79

6.

Exercícios

80

Capitulo 6

Fundamentos da Metalurgia da Soldagem

1. Introdução

81

2. Metalurgia física dos aços

82

3. Fluxo de calor

88

4. Macroestrutura de soldas por fusão

92

5. Características da zona fundida

93

 

J

1

1

6. Características da zona termicamente afetada

98

1

7. Descontinuidades comuns em soldas

100

8.

Exercícios e práticas de laboratório

112

I

 

1

Capítulo 7

Tensões Residuais e Distorções em Soldagem

 

1.

Introdução

113

2.

Desenvolvimento de tensões residuais em soldas

115

3.

Consequências das tensões residuais

119

4.

Distorções

121

I

5. Controle das tensões residuais e distorção

123

I

6.

Exercícios

125

Capítulo 8

Automação da Soldagem

 

'

I

1.

Fundamentos

127

2.

Equipamentos

130

>

3. Programação de robôs para a soldagem

133

1

4. Aplicações industriais

134

I

5. Exercícios

135

 

I

Capítulo 9

I

Normas e Qualificação em Soldagem

 

1.

Introdução

137

1

2. Normas em soldagem

139

3.

Registro e qualificação de procedimentos e de pessoal

141

I

4.

Exercícios

145

}

 

I

Capítulo 10

I

Determinação dos Custos de Soldagem

 

1.

Introdução

151

)

2.

Custo da mão de obra

152

 

J

J

ۥ

f

f

c

(

c

c

c

c

(

c

c

c

c

í€

r

I*

í

ic

ic

 

3. Custo dos consumiveis

153

4.

Custo de energia elétrica

155

5.

Custo de depreciação

155

6. Custo de manutenção

156

7. Custo de outros materiais de consumo

156

8. Considerações finais

156

9. Exemplo

157

10. Exercício

159

PARTE 2

 

PROCESSOS DE SOLDAGEM E AFINS

 

Capítulo 11

 

Soldagem e Corte a Gás

 

A-Soldagem a gás

 
 

1. Fundamentos

161

2.

Equipamentos

162

3.

Consumiveis

167

4.

Técnica operatória

170

5.

Aplicações industriais

173

B- Oxi-Corte

 

1. Fundamentos

174

2.

Equipamentos

175

3.

Consumiveis

176

4. Técnica operatória

177

5. Aplicações industriais

179

6. Exercícios e práticas de laboratório

180

Capítulo 12

Soldagem com Elétrodos Revestidos

1. Fundamentos

181

2.

Equipamentos

183

3. Consumiveis

4. Técnica operatória

5. Aplicações industriais

6. Exercícios e práticas de laboratório

Capítulo 13

Soldagem TIG

1. Fundamentos

2. Equipamentos

3. Consumiveis

4. Técnica operatória

5. Aplicações industriais

6. Exercícios e práticas de laboratório

Capítulo 14

Soldagem e Corte a Plasma

A- Soldagem

186

196

202

203

205

206

211

214

217

217

1. Fundamentos

219

2.

Equipamentos

221

3.

Consumiveis

223

4.

Técnica operatória

225

5.

Aplicações industriais

227

B- Corte

1. Fundamentos

228

2.

Equipamentos

228

3.

Consumiveis

230

4. Técnica operatória

230

5.

Aplicações industriais

232

6.

Exercícios

232

Capítulo

15

Soldagem MIG/MAG e com Arame Tubular

A- SoldagemMIG/MAG

 

1. Fundamentos

233

2. Equipamentos

244

3. Consumíveis

248

4.

Técnica operatória

252

5.

Aplicações industriais

254

B-

Soldagem comarames tubulares

 

1.

Fundamentos

255

2.

Equipamentos

256

3.

Consumíveis

257

4.

Técnica operatória

261

5.

Aplicações industriais

261

6.

Exercícios e práticas de laboratório

261

Capítulo 16

Soldagem a Arco Submerso

1. Fundamentos

2.

Equipamentos

3. Consumíveis

4. Técnica operatória

5. Aplicações industriais

6. Exercícios e práticas de laboratório

Capítulo 17

263

265

268

272

275

275

Soldagempor Eletroescória e Eletrogás

A- Soldagempor eletroescória

1.

2.

3.

Fundamentos

Equipamentos

Consumíveis

277

279

281

4. Técnica operatória

283

 

5.

Aplicações industriais

287

B-

Soldagem eletrogás

 
 

1. Fundamentos

288

2.

Equipamentos

289

3.

Consumíveis

289

4.

Técnica operatória

290

5.

Aplicações industriais

290

6. Exercícios

291

 

Capítulo 18

Soldagem por Resistência

 
 

1. Fundamentos

293

2. Equipamentos

296

3.

Técnica operatória

300

4.

Aplicações industriais

304

5.

Exercícios

306

Capítulo 19

 

Processos de Soldagem de Alta Intensidade

 

A-

Soldagema laser

 
 

1.

Fundamentos

307

2.

Equipamentos

309

3.

Técnica operatória

310

4.

Aplicações industriais

312

B-

Soldagem com feixe de elétrons

1.

2.

3. Técnica operatória

4.

Fundamentos

Equipamentos

Aplicações industriais

5. Exercícios

313

313

314

315

315

A

1

1

3

1

>

3

I

1

3

1

1

3

3

i

3

J

i

3

J

«:v

/ >

si

C

f

f

c

f

í

(

c

I

I

c

c

C

c

c

c

I

í

I

I

Capítulo 20

Outros Processos de Soldagem

1. Soldagem por fricção convencional

317

2. Variações recentes da soldagem por fricção

320

3. Soldagem por explosão

323

4. Soldagem por aluminotermia

5. Soldagem a frio

6. Soldagem por ultrassom

7. Soldagem por laminação

8. Exercícios

Capítulo 21

Brasagem

1. Fundamentos

2.

3. Consumíveis

4. Técnica operatória

5. Aplicações industriais

6.

Equipamentos

Exercícios

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ÍNDICE ALFABÉTICO

SOBRE OS AUTORES

326

329

330

331

333

335

337

338

346

349

349

351

353

363

PREFÁCIO À PRIMEIRA EDIÇÃO

Em uma era de constantes mudanças, quebras de paradigmas e crescente valorização

do capital intelectual, a Universidade, através dos autores deSoldagem -fundamentos e

tecnologia, transcende o conceito de Academia baluarte da ciência pura disponibili-

zando sólidos e modernos conhecimentos na área de soldagem. A tão cobrada e mencionada

Responsabilidade Social está aqui perfeitamente demonstrada no pleno engajamento dos

autores, pesquisadores renomados, difundindo ricos ensinamentos obtidos ao longo de

anos de estudos e pesquisas.

Com este livro, busca-se uma forma mais abrangente de divulgação, acessível a toda a sociedade, ao contrário das apostilas, que possuem um público limitado e exclusivo.

A soldagem, tema caracterizado por alta complexidade, porém de importância e aplicação

inquestionável em todos os setores da indústria, é aqui tornada fácil, de entendimento imediato, e perfeitamente ajustada às autênticas necessidades dos leitores. A sequência

apresentada permite o entendimento do tema de forma gradativa e constante. Inicia-se

pelos conceitos fundamentais e terminologias; introduz informações direcionadas sobre

física do arco elétrico e eletricidade; define os equipamentos e dispositivos de soldagem, os riscos e a forma segura de operação. A metalurgia da soldagem é apresentada com uma

linguagem clara e objetiva, permitindo a assimilação de sua dinâmica. O livro conclui a

vasta caminhada pelos conhecimentosno assunto com uma ampla abordagemdos processos

de soldagem. Todo o conteúdo é enriquecido com ilustrações de nítido caráter explicativo. As questões apresentadas ao final de cada capítulo permitem ao leitor avaliar o grau de

entendimento e avançar além do texto, incitando-o a expor suas ideias. A adequação desta obra à realidade é perfeita. No momento em que o mercado exige,

de forma contundente, profissionais abertos ao aprendizado permanente, alertas para

captar tendências ou inventar técnicas apropriadas para contornar riscos e aproveitar

oportunidades. Soldagem - fundamentos e tecnologia toma-se um recurso inestimável para se atingir um nível de excelência, cumprindo o seu papel de difundir ideias com

elevada eficácia.

Eng°. Helder Aguiar Neves

1

PREFÁCIO À SEGUNDA E TERCEIRA EDIÇÕES

No momento em que nosso país discute o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado pelo Governo Federal, e começa a trabalhar com a perspectiva de resolver seus graves problemas sociais ancorado no crescimento da economia, é mais

que oportuno o lançamento de uma nova edição de um livro que traz tão importantes

contribuições ao desenvolvimento científico e tecnológico.

Soldagem é um dos mais importantes processos de fabricação e está presente no dia-

-a-dia de todos nós. É parte integrante dos currículos de cursos de Engenharia Mecânica,

Nuclear e Metalúrgica em praticamente todas as Escolas de Engenharia, além de ser

destacada área dos cursos técnicos em Mecânica e Metalurgia.

Os Doutores Paulo Villani Marques, Paulo José Modenesi e Alexandre Queiroz

Bracarense, professores da Escola de Engenharia da UFMG e pesquisadores de

reconhecida competência, no Brasil e no exterior, tiveram a louvável iniciativa de produzir

um texto didático genuinamente brasileiro para atender às necessidades de estudantes

e de profissionais que trabalham nas áreas afins. -

Os conceitos são apresentados com clareza e de forma didática, permitindo aos leitores um fácil entendimento dos conceitos e uma aprendizagem consistente dos mais modernos processos. Além disso, são apresentados os equipamentos e consumlveis

utilizados através de desenhos de excelente qualidade.

O cuidado dos autores na abordagem ampla e precisa dos diversos aspectos ligados

a essa área salta aos olhos. Além dos aspectos técnicos, o livro dedica especial atenção aos princípios básicos, à história, à terminologia, à segurança, às normas técnicas e aos custos ligados à soldagem.

Os diversos processos contemplados em capítulos específicos são apresentados de forma simples, direta e objetiva. A divisão uniforme dos capítulos em seções

- Fundamentos, Equipamentos, Consumíveis, Técnica Operatória, Aplicações Industriais,

Exercícios e Práticas de Laboratório - apresenta-se como ferramenta de fundamental importância para o entendimento dos processos. Destacam-se as práticas laboratoriais

e os problemas propostos que complementam e criam as habilidades necessárias ao exercício desta atividade.

Esta obra reflete os esforços de profissionais que além da competência técnica e científica demonstram excepcional espírito público e indiscutíveis qualidades didáticas. Não há dúvidas de que os leitores terão muito prazer na leitura deste livro e que inúmeros

estudantes de Cursos Técnicos e de Engenharia se interessarão por esta área do

conhecimento.

Prof. Márcio Ziviani Diretor Executivo- Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa

!

t

!

)

APRESENTAÇÃO

Este texto surgiu do desejo e da necessidade de ampliar e atualizar uma obra anterior, publicada em 1991. Muitos foram os avanços obtidos no campo da soldagem desde então e, particularmente no Brasil, muitas novidades surgiram com a abertura do mercado, a

partir de 1994. A oportunidade foi criada quando a PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação da UFMG lançou um edital para a seleção de projetos de produção de material didático

para a graduação, em meados de 2003. Contudo, como esta não seria uma tarefa fácil, pois soldagem é um tema muito abrangente, convidei os colegas da UFMG Prof. Dr.

Paulo José Modenesi e Prof. Dr. Alexandre Queiroz Bracarense para dividirem comigo

esta empreitada.

Tendo por base o texto de 1991, decidimos que esta nova obra seria dividida em 21

Capítulos, tendo cada um de nós assumido a produção de sete deles. O Prof. Modenesi

se responsabilizou pelos Capítulos 1, 2, 4, 5, 6, 7 e 9; o Prof. Bracarense pelos Capítulos 8, 16, 17, 18, 19, 20 e 21, e eu, pelos demais, isto é, os Capítulos 3, 10, 11, 12, 13, 14 e 15. Esta

divisão foi motivada por questões práticas e de afinidade com os temas abordados.

Entre setembro e novembro de 2003, trabalhamos nos textos individualmente, mas

procurando manter uma mesma orientação geral, através de reuniões periódicas. Os

capítulos produzidos foram enviados a técnicos atuantes na área de soldagem em nível industrial e acadêmico, para revisão e críticas, o que foi feito nos meses de dezembro

de 2003 e janeiro de 2004. Em fevereiro de 2004, após outras reuniões para ajustes de orientação e manutenção da unidade da obra. as críticas e sugestões dos revisores foram

incorporadas, chegando-se ao texto final.

Aiém de conhecimentos técnicos atualizados, procuramos colocar no texto experiên¬

cias na área acadêmica e industrial obtidas no nosso trabalho em ensino, pesquisa e

extensão na UFMG. Tentamos, também, oferecer alguma contribuição no que se refere

à terminologia de soldagem usada no país, que é muitas vezes confusa e redundante,

resultado da tradução livre, adoção e adaptação de termos de outras línguas e falta de

normalização nacional.

1

I

1

I

1

1

1

1

1

I

|

|

)

)

i

}

J

}

J

C

C

<1

ID

I

SOUÍAGIM

FUXOAKIIÍTMÍ TIOTO1DC1»

Nesta edição, foram feitas pequenas alterações no texto de vários capítulos, para tornar mais claros alguns conceitos expressos, bem como foram corrigidos os erros da

primeira edição, na linguagem, figuras e equações.

Muitas pessoas e organizações contribuíram para que se chegasse a este resultado final. Em especial, agradeço aos Profs. Modenesi e Bracarense pela disposição em dividir o trabalho e pela sua dedicação a ele; ao Prof. Dr. Ronaldo Pinheiro da Rocha Paranhos,

da UENF. pela contribuição nos Capítulos 3 e 10; ao Prof. Modenesi pelas ilustrações e

fotos; aos Profs. Américo Scotti e Valtair Antônio Ferraresi, da UFU. pelos filmes sobre

tranferência metálica; ao Prof. Paranhos. aos Engos. Carlos Castro. Francisco de Oliveira

Filho, Gustavo Alves Pinheiro, Helder Aguiar Neves, José Roberto Domingues e Óder Silva de Paula Júnior e a minha esposa Maria das Victórias de Mello Villani Marques, pela revisão e sugestões; às empresas ESAB. RBG e SOLDAGERAIS. pela disponibilização

de informações técnicas, fotos e equipamentos; à PROGRAD e ao DEMEC, da UFMG,

pelo suporte financeiro e logístico, e a minha filha Paula de Mello Villani Marques, pela

C digitação. Finalmente, a todos que direta ou indiretamente tornaram possível a conclusão deste trabalho, gostaria de manifestar minha gratidão e agradecimentos e apresentar

minhas desculpas pela incapacidade de citá-los nominalmente.

c

í

c

(

c

c

'€

c

c

t

Paulo Villani Marques

I

PARTE 1

FUNDAMENTOS DA SOLDAGEM

CAPÍTULO 1

INTRODUÇÃO À SOLDAGEM

1. Métodos de União dos Metais

Os métodos de união dos metais podem ser divididos em duas categorias prin¬

cipais, isto é, aqueles baseados na ação de forças macroscópicas entre as partes

a serem unidas e aqueles baseados em forças microscópicas interatômicas e

intermoleculares. No primeiro caso, do qual são exemplos a parafusagem e a rebi-

tagem, a resistência da junta é dada pela resistência ao cisalhamento do parafuso

ou rebite mais as forças de atrito entre as superfícies em contato. No segundo, a união é conseguida pela aproximação dos átomos ou moléculas das peças a serem unidas, ou destes e de um material intermediário adicionado à junta, até distâncias

suficientemente pequenas para a formação de ligações químicas, particularmente

ligações metálicas e de Van der Waals. Como exemplo desta categoria citam-se a

brasagem, a soldagem e a colagem.

A soldagem é o mais importante processo de união de metais utilizado indus¬ trialmente. Este método de união, considerado em conjunto com a brasagem, tem

importante aplicação desde a indústria microeletrônica até a fabricação de navios

18

S

OAlttNTOS f TICOTIOOIA

e outras estruturas com centenas ou milhares de toneladas de peso. A soldagem é

. utilizada na fabricação de estruturas simples, como grades e portões, assim como

em componentes encontrados em aplicações com elevado grau de responsabilidade,

como nas indústrias química, petrolífera e nuclear, e também na criação de peças

de artesanato, joias e de outros objetos de arte.

2. Definição de Soldagem

Um grande número de diferentes processos utilizados na fabricação e recupe¬

ração de peças, equipamentos e estruturas é abrangido pelo termo "SOLDAGEM. Classicamente, a soldagem é considerada como um processo de união, porém, na

atualidade, muitos processos de soldagem ou variações destes são usados para a

deposição de material sobre uma superfície, visando à recuperação de peças desgasta¬ das ou para a formação de um revestimento com características especiais. Diferentes

processos relacionados com a soldagem são usados para corte de peças metálicas e

em muitos aspectos estas operações se assemelham a operações de soldagem.

Na literatura, encontram-se algumas tentativas de definição da soldagem:

"Processo de união de metais por fusão."

Deve-se ressaltar que não apenas os metais -são soldáveis e que é possível se soldar sem fusão.

"Operação que visa obter a união de duas ou mais peças, assegurando na junta a continuidade das propriedades físicas e químicas."

Nessa definição, o termo "continuidade" é utilizado com um significado similar ao adotado na matemática. Isto é. considera-se que, embora as propriedades possam

variar ao longo de uma junta soldada, esta variação não apresenta quebras abruptas

como ocorre, por exemplo, em uma junta colada na qual a resistência mecânica muda abruptamente entre um componente da junta e a cola.

"Processo de união de materiais usado para obter a coalescência (união) localizada

de metais e não-metais, produzida por aquecimento até uma temperatura adequada, com ou sem a utilização de pressão e/ou material de adição."

Estadefinição, adotada pela Associação Americana de Soldagem(American Welding

Society- AWS), é meramente operacional, não contribuindo com o aspecto conceituai.

Rnaliza-se com uma última definição, esta baseada no tipo de forças responsáveis pela união dos materiais:

Processo de união de materiais baseado no estabelecimento de forças de ligação