Turma: Curso de Especialização em Gestão Escolar.

Disciplina: Financiamento da Educação e a Gestão Escolar
Professor: Valter Pegorer
Aluna: Cleide A. da Silva G. dos Santos

Nos dias atuais nos deparamos com uma época de intensa competitividade,
onde a atenção, ou seja, o foco dos governantes está no interesse econômico e
deixando de lado a sociedade em geral. Vemos em grande escala a pobreza que
está presente em nosso dia -a -dia e cada vez maior, bem como a descriminação e a
exploração de modo generalizado, entre outros aqui não citados o que não pode
acontecer é a acomodação nas situações do cotidiano, na qual todos os dias
estamos sujeitos.
A temática do financiamento da educação tem assumido importante papel na
compreensão da organização e da gestão da educação, particularmente a partir de
estudos e análises que exploram a relação entre o financiamento, as políticas
educacionais e o Estado brasileiro, ganhando densidade também no subcampo da
economia da educação.

A educação tem por objetivo a interação social e cultural do indivíduo, essa
mesma educação que irá contribuir com parte de nossos valores por toda vida.
A educação na sociedade tem como propósito, uma estratégia na qual se
torna importante desenvolver iniciativas que contribuam para o desenvolvimento
humano, na medida em que vá de encontro às necessidades e interesses daqueles
em questão. A escola sozinha tão pouco dará conta dessas demandas, ela precisará
propor ações e condições educativas que envolvam todos (sociedade, professor,
aluno e família) se tivermos essa interação, certamente teremos competência e com
a inovação formaremos melhores cidadãos no futuro, com profissionais de
qualidade, sendo os mesmos preparados e abertos para as novidades.
Portanto, isso é uma tarefa de longo prazo e que exige o máximo de nós, de todos
os que querem mudar este país para melhor, se pelo menos tentarmos. Segundo
Dewey “A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação
para a vida, é a própria vida”.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

..................................... RELATO DA REGÊNCIA.................................................................pg 3 PLANO DE UNIDADE........................... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..........pg 8.......pg 7...........................pg 2 DIARIOS DE OBSERVAÇÃO ...................................................1 ENTREVISTA COM O PROFESSOR........pg 5........................................................ .......pg 4 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE UNIDADE............................pg 9........................................................................................... ANEXOS......................................................................................................................................................................................................................................................... RESENHA CRÍTICA DO ARTIGO.............................................................pg 6...................................................................................pg .................... CONSIDERAÇÕES FINAIS..

10. Quais? R. de 04/07/97 ENTREVISTA COM O PROFESSOR REGENTE 1. pesquisas. cartazes entre outros.Faz visita a espaços culturais. Como? R. O. Galerias. Através de projetos. em Museu. artistas plásticos dentre outros? Sim ( ) não ( x ) Observação: 9. No ano de 2000. teatro.Sim. 3. Nº 126. Livro didático ( x ) Imagens e/ou obras de arte ( x ) vídeos ( x ) música ( ) Outros. com os alunos. 6. U.Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 .Trabalha a questão da “diversidade” nas aulas de Arte (artes visuais e suas linguagens)? Como? . Feiras e ouros? Sim ( ) não ( x ) Observação: 8.Utiliza que tipo de materiais e equipamentos nas aulas de Arte (Artes Visuais e/ou outras linguagens): Marque com um “X”. Citar os três últimos cursos realizados.Qual é o tempo de magistério? 14 anos de magistério.Data show.D. músicos. Exposições.Participa de cursos de capacitação ou formação continuada? ( ) sim ( x) não. DVD.Trabalha a questão do “meio ambiente” nas aulas de Arte (artes visuais e suas linguagens). 5. 4.Traz para escola algum tipo de apresentação artística (manifestação cultural) como: Grupos de dança.Possui curso de especialização? Qual? Sim. 7. Especialização em Educação Especial.Ano em que concluiu a graduação.Nome completo do professor entrevistado. Ligia Gomes 2.

Arte Rupestre. Idade Contemporânea.D. Trazendo para a sala de aula através de trabalhos artísticos temas conflitantes.      2º ano História da Arte: Movimento Renascentista.R. Arte Moderna. Linguagens artísticas (formas. teatro. U. 2º e 3º ano do Ensino Médio. Nº 126. dança. Estudo da Arte. Arte Egípcia. 11. de 04/07/97 . Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . O. Formação da Arte brasileira. artes   visuais.Quais os conteúdos que serão trabalhados em um dos bimestres do 1º. música. tipos de arte).Sim. Fotografia. 1º ano    Conceito da Arte.

Turno das aulas observadas: ( ) MAT ( x ) VESP ( ) NOT 5.Aulas juntas: ( x ) SIM ( ) NÃO Quantas: duas/geminadas ( x ) três ( ) quatro ( ) 6.A professora procura apresentar o tema e o introduz de forma simples de maneira que os alunos compreendam e participem da aula. Influência da Arte 8. 10.Nas aulas. utilizando objetos como: notebook. 9.Ano: 1º ano 3. mostram-se interessados)? Você acredita que a . quadro branco e principalmente o livro didático.09 16/09 4. como o professor introduz o tema? O professor relaciona o tema estudado com o cotidiano do aluno? R.Como se dá a participação dos alunos em sala (ex: fazem perguntas.Tema(s) abordado(s) pelo professor regente durante as aulas:   Formação da Arte brasileira. colaboram com seus conhecimentos.A professora utiliza-se de vários recursos para que os alunos tenham um bom aprendizado.OBSERVAÇÃO DAS AULAS DE ARTES VISUAIS RELATÓRIO 1 Diário de observação: 1. data show.Quais os procedimentos/metodologias adotados pelo professor durante as aulas? De que maneira você percebe que esses procedimentos favorecem ou inibem o aprendizado dos alunos? R.Datas das 6 aulas observadas: (deve ser igual ao registrado na ficha de acompanhamento) 26/08 30/08 06/09 13.Nome do professor regente: Ligia Gomes 7. 2.Nome da Escola: Colégio Estadual Silvio Vidal.

com presença. tornando assim um ambiente agradável. mas a maioria dos alunos interagem de forma descontraída com a professora e com os demais. complementando os assuntos dado pelo professor .Todos os dias os alunos são avaliados. ou desvirtue o conteúdo que está sendo trabalhado.Comente as maneiras pelas quais os alunos e o professor interagem (ex: espontaneamente.Os materiais utilizados promovem o desenvolvimento da criticidade dos alunos? Como? De que forma? R. imagens. filmes. R.A professora apesar de ter uma forma descontraída em suas aulas não permite que alguém altere o bom andamento das aulas. trabalhos avaliativos e uma avaliação embasada em todo o conteúdo estudado. 11. participação. Quais as atividades propostas pelo professor para avaliar a aprendizagem do(s) tema(s) trabalhado(s)? R. 14. imagens. R. materiais com data show. respeitosamente.participação ou a não participação dos alunos compromete o aprendizado dos mesmos? Por quê? R.Que outros materiais/ recursos são utilizados na aula? R. .Descreva a avaliação da aprendizagem dos alunos. 12. RELATÓRIO 2 Diário de observação: 1. filmes.Qual o papel do livro didático na aula? Comente. 2.O livro didático é de grande importância.Ano: 2º ano. materiais com data show.Os alunos são bem participativos em sala de aula. atentamente).Livros.Nome da Escola: Colégio Estadual Silvio Vidal. pois auxilia os alunos nos conteúdos estudados. aparelho de DVD e TV. 15.Livros. aparelho de DVD e TV. 13.

. atentamente). colaboram com seus conhecimentos. conversação com os alunos.Datas das 6 aulas observadas: (deve ser igual ao registrado na ficha de acompanhamento) 01/09 02/09 08/09 09/09 15/09 4.Comente as maneiras pelas quais os alunos e o professor interagem (ex: espontaneamente. como o professor introduz o tema? O professor relaciona o tema estudado com o cotidiano do aluno?   Idade Contemporânea. fazendo perguntas. revisando os cadernos. através de debates. escrevendo no quadro as atividades.A aula é bastante discursiva. participativos faz com que eles não aprendam o conteúdo o que sem dúvida irá refletir nas avaliações futuras. oferecendo sugestões. 9. 11.Tema(s) abordado(s) pelo professor regente durante as aulas: 8. 10. mostram-se interessados)? Você acredita que a participação ou a não participação dos alunos compromete o aprendizado dos mesmos? Por quê? R. leitura de textos.Aulas juntas: ( x ) SIM ( ) NÃO Quantas: duas/geminadas ( x ) três ( ) quatro ( ) 6. o fato de não estarem atentos.Percebe-se que que boa parte do alunado tem pouca ou nenhuma participação.3. explicando.Como se dá a participação dos alunos em sala (ex: fazem perguntas. respeitosamente.Quais os procedimentos/metodologias adotados pelo professor durante as aulas? De que maneira você percebe que esses procedimentos favorecem ou inibem o aprendizado dos alunos? R.Nas aulas. Arte Rupestre. geralmente os alunos melhor posicionados em sala apresentam uma participação maior. uma interação que demonstra está havendo aprendizado.Nome do professor regente: Lígia Gomes 7. no entanto a parcela que não participa tem um aprendizado diferenciado. procurando entender o conteúdo.Turno das aulas observadas: ( ) MAT ( x ) VESP ( ) NOT 5.

Quais as atividades propostas pelo professor para avaliar a aprendizagem do(s) tema(s) trabalhado(s)? R. R. de 04/07/97 PLANO DE UNIDADE . elas vão muito além das quatro paredes. materiais com data show. filmes. com cordialidade. trabalhos e etc.Que outros materiais/ recursos são utilizados na aula? R. imagens. o que leva a uma interação menor e consequentemente um menor aproveitamento.Sim. no entanto existe um outro tipo de aluno que tem uma menor participação em sala.A maneira com que a professora e alunos interagem é sempre de forma respeitosa. procurando sempre compreender o lado um do outro. quanto as atividades de casa auxiliando em pesquisas.Livros. seja por timidez. 12.D. ponto por trabalho mensal. despertando a curiosidade do aluno.Os materiais utilizados promovem o desenvolvimento da criticidade dos alunos? Como? De que forma? R.O livro é peça fundamental para facilitar a aula e é um grande aliado da professora como.Qual o papel do livro didático na aula? Comente. o livro ajuda o aluno a tirar suas dúvidas.Descreva a avaliação da aprendizagem dos alunos. data show. avaliação individual bimestrais. 15. internet. por que as aulas não se restringem em ficar somente nas salas de aulas. além disso. U. atitudes como essa facilitam e despertam no aluno o interesse pelo conteúdo.R. ponto por atividade em sala de aula. O. aparelho de DVD e TV. para que haja de fato um aprendizado. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . Nº 126.Ponto por participação. fazendo assim conhecedores de outros recursos como: Computadores. 14. 13. seja por mau comportamento.

 Compreender o processo da produção de fotos. de maneira que eles percebam suas diferenças.  Reconhecer a fotografia como um registro da memória pessoal e coletiva.  Conversa dirigida sobre como antes a arte tinha a necessidade de copiar ou imitar o real. de diferentes fontes.  Pedir aos alunos que tragam fotografias para a sala de aula. organize imagens que mostrem com eram as primeiras máquinas fotográficas. em preto e branco.  Através das fotos eles monta ruma colagem desmontando a imagem por completo.  Selecionar um DVD sobre a história da fotografia.  Entender como a arte pode expandir-se a partir daquela época.  Perceber como era o mundo antes da fotografia. Objetivos:  Estudar a história da fotografia. pode-se usar outras técnicas para expressar idéias. como a fotografia fazia esse papel muito bem. slides.. etc. . Metodologia:  Leitura e entendimento dos textos. Tema: O surgimento da fotografia (Mudança no papel do artista). e apresentá-las aos alunos.  Organização de uma exposição de fotos em sala. o processo de revelação de filmes. coloridas.Disciplina: Artes Série: 1º ano. Conteúdos: Fotografia.  Levar para a sala de aula várias imagens fotográficas. e.  Solicitar fotografias antigas. Tempo Estimado: 6 aulas.

escritas e práticas.  Textos impressos.Recursos:  Tesoura. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma processual e contínua de acordo com a sua participação no desenvolvimento das diferentes atividades propostas ao longo da aula.  Cola.  DVD. Nº 126. U. incluindo as participações orais.  Fotos antigas. O. de 04/07/97 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE UNIDADE PARA O PROFESSOR REGENTE .D.  Folhas A4 Ofício.

pois estar em sala de aula é uma lição que temos a cada dia. O estágio foi um momento de pensar nosso fazer pedagógico. estes por vezes nos têm como espelho para a sua vida futura.CONCLUSÃO A experiência adquirida com a Prática do Estágio Supervisionado I me proporcionou uma reflexão sobre como é a realidade do docente em sala de aula. criando condições para perceber os problemas inerentes à atividade docente. e o convívio na Escola. o realizamos de forma mecânica e muitas vezes não atribuindo o real valor daquele momento. que pelo fato de o fazermos diariamente. esta disciplina Prática de Ensino. precisa criar e recriar novas técnicas para que seus aprendizes não sejam meros repetidores e sim construtores de conhecimentos. legendas. por isso necessita-se do estágio para uma prática eficaz. deve ser consciente de que ele é um agente transformador e que não pode estar à frente na formação de alguém se não levar a serio a sua própria formação. espaço físico e ainda natureza e sociedade. sendo que a teoria não é suficiente. sair do conceito limitado de que história são acontecimentos ocorridos em um passado distante. Estágio Supervisionado I. Levar o aluno a entender que ele é sujeito da história exigia muito mais que leituras e atividades propostas em 108 livros. ele tem que estar sempre renovando. e pensando na interdisciplinaridade seria este um terreno fértil. Portanto. pois aprendemos e crescemos com os alunos e. O professor deve sempre estar se aperfeiçoando de forma contínua. Devemos ser verdadeiros com nossos alunos e acima de tudo com nós mesmos. principalmente como o ensino de arte. imagens gráficas. Em um sentido mais amplo nossos projetos tinham como proposta principal trazer a história para perto dos alunos. Sabemos que o bom profissional não pode ficar estagnado no tempo. proporcionou o contato com a prática social. pois implica em ler e analisar textos informativos e poéticos. em que precisamos melhorar nossos métodos de ensino para facilitar a vida dos discentes enquanto docente e aprendiz. Precisa sair em busca de novos conhecimentos. e seu trabalho depende da ação. de onde foram tiradas lições que irão servir de base para o futuro professorado. pois foi necessário o envolvimento da comunidade escolar .

Perceber o aluno relatando e registrando sua própria história. saber ouvir. Nesse sentido. . discussões. e a nós particularmente. mesmo porque ser professor é pensar e repensar sua prática constantemente.para a realização dos projetos. O que certamente contribuiu não apenas com a nossa formação. pedir ajuda para outras professoras. mas. o desejo de fazer algo novo. foi uma experiência extremamente válida. principalmente com uma educação desenvolvente dos nossos alunos. Podemos afirmar que aprendemos e ensinamos ao mesmo tempo. independente da experiência em sala ou não. com entendimento de que ele é sujeito dessa história. pois compreendemos que o processo de ensino e aprendizagem exige envolvimento. estagiar na nossa própria prática permitiu o aprimoramento do olhar. Desse modo. pois as dificuldades foram muitas. Sendo assim. de ampliar nossos fazeres. reflexões. já que nos convida a refletir sobre nossa prática sustentada por uma teoria. o estágio contribui para nossa formação. familiares (nossos e dos nossos alunos). partindo dos novos saberes. mas não menos importantes. realmente promove uma formação continuada. Foi preciso sair da nossa zona de conforto. desde a falta de recursos financeiros e a falta de tempo para realizar atividades pequenas. estabelecendo assim relações sociais que dificilmente seriam alcançadas em outras propostas. voltada para as máximas apropriações humanas. foi realmente muito gratificante. consideramos que o Estágio Supervisionado. respeitar as vivências e contribuições do aluno e sua família.

Nº 126. . O. CONSTRUIR APENAS 1 ROTEIRO REFERENTE A TODAS AS AULAS). U.D. de 04/07/97 (PRODUZA UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCREVENDO E ANALISANDO AS 6 AULAS MINISTRADAS.REGÊNCIA (INTERVENÇÃO PRÁTICA) Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . RELATO DA REGÊNCIA: 1) Ano em que realizou a regência (intervenção prática): 2) Datas das aulas ministradas (de acordo com o registrado na ficha de acompanhamento: regência): 3) Qual foi o tema desenvolvido no decorrer das aulas: 4) Os alunos possuíam conhecimentos prévios sobre o tema? 5) Os alunos demonstraram interesse pelo tema? Como ocorreu a participação dos alunos nas aulas? 6) A metodologia prevista no plano de unidade permitiu o desenvolvimento do tema de forma satisfatória? Por quê? 7) Como os recursos previstos no plano de unidade e utilizados no decorrer das aulas contribuíram para o ensino e a aprendizagem do tema proposta? 8) As atividades (avaliações) realizadas pelos alunos permitiram verificar se os mesmos apreenderam o tema trabalhado? Os alunos compreenderam o tema? Quais as principais dificuldades apresentadas pelos alunos? 9) Teve casos de indisciplina durante as aulas? Como você agiu? O professor regente (supervisor de campo) interviu com o objetivo de auxiliá-lo? 10) Os objetivos previstos no plano de unidade foram alcançados? Explique. CONFORME ROTEIRO ABAIXO.

A formação contínua dos professores nos caminhos e descaminhos do desenvolvimento profissional. Doutorado em Educação.RESENHA CRÍTICA DO ARTIGO Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . 2002. ed. PIMENTA. O. LIMA. M. M. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). de 04/07/97 (Produzir uma resenha crítica de no mínimo 1 lauda e meia e no máximo 3 laudas do artigo indicado abaixo e disponibilizado com o manual de estágio) LIMA. 2001. KRASILCHIL. 1997. 2008. Estágio e docência. São Paulo: Cortez. São Paulo/BRA: Cortez.D. Saberes docentes e formação profissional. TARDIF. U. 2008. Nº 126. Maria Socorro Lucena. Selma Garrido. Selma Garrido. Petrópolis: Vozes. O estágio na formação de professores: unidade. teoria e prática? 3. Prática de Ensino de Biologia. S. Maurice. PIMENTA. São Paulo: EDUSP. . L.

as críticas acerca do que ele vivenciou e sua opinião pessoal sobre o que o estágio lhe proporcionou para o desenvolvimento profissional.D. . U. Aqui o aluno também pode colocar as sugestões para que as aulas sejam melhores. os pontos positivos e os pontos negativos encontrados nas aulas e em todo o processo. Poderá relatar as dificuldades encontradas. as conquistas. O. Nº 126.Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . de 04/07/97 Nesse espaço o acadêmico irá descrever sua visão sobre esse estágio.

U. Nº 126. de 04/07/97 Registrar as referências de acordo com as normas da ABNT.D. O. .REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 .

O. de 04/07/97 (Não inserir fotos de alunos ou professores. U. Podem ser colocadas fotos da espaço físico da escola e dos trabalhos realizados) . Nº 126.ANEXOS Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 .D.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful