Turma: Curso de Especialização em Gestão Escolar.

Disciplina: Financiamento da Educação e a Gestão Escolar
Professor: Valter Pegorer
Aluna: Cleide A. da Silva G. dos Santos

Nos dias atuais nos deparamos com uma época de intensa competitividade,
onde a atenção, ou seja, o foco dos governantes está no interesse econômico e
deixando de lado a sociedade em geral. Vemos em grande escala a pobreza que
está presente em nosso dia -a -dia e cada vez maior, bem como a descriminação e a
exploração de modo generalizado, entre outros aqui não citados o que não pode
acontecer é a acomodação nas situações do cotidiano, na qual todos os dias
estamos sujeitos.
A temática do financiamento da educação tem assumido importante papel na
compreensão da organização e da gestão da educação, particularmente a partir de
estudos e análises que exploram a relação entre o financiamento, as políticas
educacionais e o Estado brasileiro, ganhando densidade também no subcampo da
economia da educação.

A educação tem por objetivo a interação social e cultural do indivíduo, essa
mesma educação que irá contribuir com parte de nossos valores por toda vida.
A educação na sociedade tem como propósito, uma estratégia na qual se
torna importante desenvolver iniciativas que contribuam para o desenvolvimento
humano, na medida em que vá de encontro às necessidades e interesses daqueles
em questão. A escola sozinha tão pouco dará conta dessas demandas, ela precisará
propor ações e condições educativas que envolvam todos (sociedade, professor,
aluno e família) se tivermos essa interação, certamente teremos competência e com
a inovação formaremos melhores cidadãos no futuro, com profissionais de
qualidade, sendo os mesmos preparados e abertos para as novidades.
Portanto, isso é uma tarefa de longo prazo e que exige o máximo de nós, de todos
os que querem mudar este país para melhor, se pelo menos tentarmos. Segundo
Dewey “A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação
para a vida, é a própria vida”.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.................................................pg 3 PLANO DE UNIDADE......................................................................................................... ANEXOS.....................................pg 6.....................1 ENTREVISTA COM O PROFESSOR.......................pg 4 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE UNIDADE...........................pg 9...........................................................pg 2 DIARIOS DE OBSERVAÇÃO ............................................................................................................................................ RELATO DA REGÊNCIA.......................................... CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................................................pg 8.....................................pg 5.. RESENHA CRÍTICA DO ARTIGO............................. ....................................pg 7..pg .............................................................. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..............................................

Galerias. 7. artistas plásticos dentre outros? Sim ( ) não ( x ) Observação: 9.Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . 6.Utiliza que tipo de materiais e equipamentos nas aulas de Arte (Artes Visuais e/ou outras linguagens): Marque com um “X”. 3. 10. com os alunos. em Museu.Possui curso de especialização? Qual? Sim. Especialização em Educação Especial. Livro didático ( x ) Imagens e/ou obras de arte ( x ) vídeos ( x ) música ( ) Outros. No ano de 2000. 4.Trabalha a questão da “diversidade” nas aulas de Arte (artes visuais e suas linguagens)? Como? . Como? R. músicos. U. O. Nº 126.Trabalha a questão do “meio ambiente” nas aulas de Arte (artes visuais e suas linguagens). Citar os três últimos cursos realizados.Faz visita a espaços culturais.Qual é o tempo de magistério? 14 anos de magistério.Ano em que concluiu a graduação.D.Nome completo do professor entrevistado. de 04/07/97 ENTREVISTA COM O PROFESSOR REGENTE 1. cartazes entre outros.Participa de cursos de capacitação ou formação continuada? ( ) sim ( x) não. pesquisas.Sim. teatro. 5. DVD. Feiras e ouros? Sim ( ) não ( x ) Observação: 8. Exposições. Quais? R. Ligia Gomes 2.Traz para escola algum tipo de apresentação artística (manifestação cultural) como: Grupos de dança. Através de projetos.Data show.

Formação da Arte brasileira. Fotografia. música. Trazendo para a sala de aula através de trabalhos artísticos temas conflitantes. de 04/07/97 . Idade Contemporânea. tipos de arte).      2º ano História da Arte: Movimento Renascentista. Nº 126. 1º ano    Conceito da Arte. O.Sim. Linguagens artísticas (formas. dança. Arte Moderna. U. Estudo da Arte. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . Arte Egípcia. teatro. artes   visuais.D. 11. 2º e 3º ano do Ensino Médio.Quais os conteúdos que serão trabalhados em um dos bimestres do 1º. Arte Rupestre.R.

10.Aulas juntas: ( x ) SIM ( ) NÃO Quantas: duas/geminadas ( x ) três ( ) quatro ( ) 6. como o professor introduz o tema? O professor relaciona o tema estudado com o cotidiano do aluno? R.Datas das 6 aulas observadas: (deve ser igual ao registrado na ficha de acompanhamento) 26/08 30/08 06/09 13. quadro branco e principalmente o livro didático. 9. 2.Quais os procedimentos/metodologias adotados pelo professor durante as aulas? De que maneira você percebe que esses procedimentos favorecem ou inibem o aprendizado dos alunos? R.09 16/09 4.Tema(s) abordado(s) pelo professor regente durante as aulas:   Formação da Arte brasileira. mostram-se interessados)? Você acredita que a .Nome do professor regente: Ligia Gomes 7.Como se dá a participação dos alunos em sala (ex: fazem perguntas. colaboram com seus conhecimentos.Turno das aulas observadas: ( ) MAT ( x ) VESP ( ) NOT 5.Nas aulas.A professora utiliza-se de vários recursos para que os alunos tenham um bom aprendizado. Influência da Arte 8. data show.Ano: 1º ano 3. utilizando objetos como: notebook.Nome da Escola: Colégio Estadual Silvio Vidal.OBSERVAÇÃO DAS AULAS DE ARTES VISUAIS RELATÓRIO 1 Diário de observação: 1.A professora procura apresentar o tema e o introduz de forma simples de maneira que os alunos compreendam e participem da aula.

Ano: 2º ano. RELATÓRIO 2 Diário de observação: 1. 11. filmes.Os materiais utilizados promovem o desenvolvimento da criticidade dos alunos? Como? De que forma? R. aparelho de DVD e TV. R. atentamente).Todos os dias os alunos são avaliados. filmes.Os alunos são bem participativos em sala de aula.Comente as maneiras pelas quais os alunos e o professor interagem (ex: espontaneamente.Descreva a avaliação da aprendizagem dos alunos.Qual o papel do livro didático na aula? Comente. com presença. mas a maioria dos alunos interagem de forma descontraída com a professora e com os demais. 15. materiais com data show. participação. ou desvirtue o conteúdo que está sendo trabalhado.O livro didático é de grande importância. pois auxilia os alunos nos conteúdos estudados. materiais com data show. 2. imagens.Que outros materiais/ recursos são utilizados na aula? R.Livros.A professora apesar de ter uma forma descontraída em suas aulas não permite que alguém altere o bom andamento das aulas. aparelho de DVD e TV. respeitosamente.Nome da Escola: Colégio Estadual Silvio Vidal. 13. trabalhos avaliativos e uma avaliação embasada em todo o conteúdo estudado. 14. 12. tornando assim um ambiente agradável. complementando os assuntos dado pelo professor . .participação ou a não participação dos alunos compromete o aprendizado dos mesmos? Por quê? R. imagens. R.Livros. Quais as atividades propostas pelo professor para avaliar a aprendizagem do(s) tema(s) trabalhado(s)? R.

Turno das aulas observadas: ( ) MAT ( x ) VESP ( ) NOT 5. geralmente os alunos melhor posicionados em sala apresentam uma participação maior.Datas das 6 aulas observadas: (deve ser igual ao registrado na ficha de acompanhamento) 01/09 02/09 08/09 09/09 15/09 4. 10. Arte Rupestre.Tema(s) abordado(s) pelo professor regente durante as aulas: 8.Como se dá a participação dos alunos em sala (ex: fazem perguntas.Nas aulas. participativos faz com que eles não aprendam o conteúdo o que sem dúvida irá refletir nas avaliações futuras. colaboram com seus conhecimentos.Quais os procedimentos/metodologias adotados pelo professor durante as aulas? De que maneira você percebe que esses procedimentos favorecem ou inibem o aprendizado dos alunos? R. .Nome do professor regente: Lígia Gomes 7. atentamente). mostram-se interessados)? Você acredita que a participação ou a não participação dos alunos compromete o aprendizado dos mesmos? Por quê? R. fazendo perguntas. oferecendo sugestões. como o professor introduz o tema? O professor relaciona o tema estudado com o cotidiano do aluno?   Idade Contemporânea. o fato de não estarem atentos. uma interação que demonstra está havendo aprendizado. explicando. respeitosamente.Percebe-se que que boa parte do alunado tem pouca ou nenhuma participação. através de debates. procurando entender o conteúdo. conversação com os alunos.A aula é bastante discursiva. no entanto a parcela que não participa tem um aprendizado diferenciado. leitura de textos.Aulas juntas: ( x ) SIM ( ) NÃO Quantas: duas/geminadas ( x ) três ( ) quatro ( ) 6. escrevendo no quadro as atividades. 11.Comente as maneiras pelas quais os alunos e o professor interagem (ex: espontaneamente. revisando os cadernos. 9.3.

A maneira com que a professora e alunos interagem é sempre de forma respeitosa.Qual o papel do livro didático na aula? Comente.Os materiais utilizados promovem o desenvolvimento da criticidade dos alunos? Como? De que forma? R.Sim. 13. com cordialidade. elas vão muito além das quatro paredes. Quais as atividades propostas pelo professor para avaliar a aprendizagem do(s) tema(s) trabalhado(s)? R. para que haja de fato um aprendizado. U. além disso. despertando a curiosidade do aluno. no entanto existe um outro tipo de aluno que tem uma menor participação em sala. 14.D. o que leva a uma interação menor e consequentemente um menor aproveitamento. R. ponto por trabalho mensal. quanto as atividades de casa auxiliando em pesquisas. avaliação individual bimestrais. atitudes como essa facilitam e despertam no aluno o interesse pelo conteúdo. data show. internet. filmes. trabalhos e etc. o livro ajuda o aluno a tirar suas dúvidas. Nº 126. ponto por atividade em sala de aula. imagens. aparelho de DVD e TV. 15. materiais com data show.Que outros materiais/ recursos são utilizados na aula? R. 12. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . fazendo assim conhecedores de outros recursos como: Computadores.Descreva a avaliação da aprendizagem dos alunos. seja por timidez.Livros.O livro é peça fundamental para facilitar a aula e é um grande aliado da professora como.Ponto por participação. O. por que as aulas não se restringem em ficar somente nas salas de aulas.R. seja por mau comportamento. de 04/07/97 PLANO DE UNIDADE . procurando sempre compreender o lado um do outro.

organize imagens que mostrem com eram as primeiras máquinas fotográficas.  Organização de uma exposição de fotos em sala. pode-se usar outras técnicas para expressar idéias.  Reconhecer a fotografia como um registro da memória pessoal e coletiva. Conteúdos: Fotografia.  Selecionar um DVD sobre a história da fotografia. coloridas.  Levar para a sala de aula várias imagens fotográficas. slides.  Perceber como era o mundo antes da fotografia.. o processo de revelação de filmes. como a fotografia fazia esse papel muito bem. Objetivos:  Estudar a história da fotografia. . de maneira que eles percebam suas diferenças. de diferentes fontes.  Solicitar fotografias antigas. Tempo Estimado: 6 aulas. Metodologia:  Leitura e entendimento dos textos. etc.Disciplina: Artes Série: 1º ano.  Compreender o processo da produção de fotos.  Conversa dirigida sobre como antes a arte tinha a necessidade de copiar ou imitar o real. Tema: O surgimento da fotografia (Mudança no papel do artista).  Entender como a arte pode expandir-se a partir daquela época. e.  Através das fotos eles monta ruma colagem desmontando a imagem por completo. em preto e branco.  Pedir aos alunos que tragam fotografias para a sala de aula. e apresentá-las aos alunos.

incluindo as participações orais. U. O. de 04/07/97 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE UNIDADE PARA O PROFESSOR REGENTE . Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma processual e contínua de acordo com a sua participação no desenvolvimento das diferentes atividades propostas ao longo da aula. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 .  Fotos antigas.  Textos impressos.  DVD.Recursos:  Tesoura. Nº 126.D.  Folhas A4 Ofício. escritas e práticas.  Cola.

Sabemos que o bom profissional não pode ficar estagnado no tempo. de onde foram tiradas lições que irão servir de base para o futuro professorado. principalmente como o ensino de arte. por isso necessita-se do estágio para uma prática eficaz. pois foi necessário o envolvimento da comunidade escolar . e o convívio na Escola. e pensando na interdisciplinaridade seria este um terreno fértil. pois estar em sala de aula é uma lição que temos a cada dia. Portanto. pois aprendemos e crescemos com os alunos e. deve ser consciente de que ele é um agente transformador e que não pode estar à frente na formação de alguém se não levar a serio a sua própria formação.CONCLUSÃO A experiência adquirida com a Prática do Estágio Supervisionado I me proporcionou uma reflexão sobre como é a realidade do docente em sala de aula. pois implica em ler e analisar textos informativos e poéticos. Precisa sair em busca de novos conhecimentos. criando condições para perceber os problemas inerentes à atividade docente. O estágio foi um momento de pensar nosso fazer pedagógico. ele tem que estar sempre renovando. esta disciplina Prática de Ensino. proporcionou o contato com a prática social. legendas. Levar o aluno a entender que ele é sujeito da história exigia muito mais que leituras e atividades propostas em 108 livros. Devemos ser verdadeiros com nossos alunos e acima de tudo com nós mesmos. imagens gráficas. em que precisamos melhorar nossos métodos de ensino para facilitar a vida dos discentes enquanto docente e aprendiz. que pelo fato de o fazermos diariamente. Em um sentido mais amplo nossos projetos tinham como proposta principal trazer a história para perto dos alunos. espaço físico e ainda natureza e sociedade. o realizamos de forma mecânica e muitas vezes não atribuindo o real valor daquele momento. precisa criar e recriar novas técnicas para que seus aprendizes não sejam meros repetidores e sim construtores de conhecimentos. e seu trabalho depende da ação. Estágio Supervisionado I. estes por vezes nos têm como espelho para a sua vida futura. O professor deve sempre estar se aperfeiçoando de forma contínua. sendo que a teoria não é suficiente. sair do conceito limitado de que história são acontecimentos ocorridos em um passado distante.

foi uma experiência extremamente válida. já que nos convida a refletir sobre nossa prática sustentada por uma teoria. mas. discussões. reflexões. respeitar as vivências e contribuições do aluno e sua família. voltada para as máximas apropriações humanas. Perceber o aluno relatando e registrando sua própria história. estabelecendo assim relações sociais que dificilmente seriam alcançadas em outras propostas. consideramos que o Estágio Supervisionado. realmente promove uma formação continuada. foi realmente muito gratificante. partindo dos novos saberes. Nesse sentido. com entendimento de que ele é sujeito dessa história. Podemos afirmar que aprendemos e ensinamos ao mesmo tempo. independente da experiência em sala ou não. de ampliar nossos fazeres. mesmo porque ser professor é pensar e repensar sua prática constantemente. Sendo assim. Foi preciso sair da nossa zona de conforto. O que certamente contribuiu não apenas com a nossa formação. o estágio contribui para nossa formação. estagiar na nossa própria prática permitiu o aprimoramento do olhar. pedir ajuda para outras professoras. mas não menos importantes. pois compreendemos que o processo de ensino e aprendizagem exige envolvimento. principalmente com uma educação desenvolvente dos nossos alunos. .para a realização dos projetos. pois as dificuldades foram muitas. saber ouvir. desde a falta de recursos financeiros e a falta de tempo para realizar atividades pequenas. o desejo de fazer algo novo. e a nós particularmente. familiares (nossos e dos nossos alunos). Desse modo.

REGÊNCIA (INTERVENÇÃO PRÁTICA) Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . CONSTRUIR APENAS 1 ROTEIRO REFERENTE A TODAS AS AULAS). U. CONFORME ROTEIRO ABAIXO. O. . de 04/07/97 (PRODUZA UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCREVENDO E ANALISANDO AS 6 AULAS MINISTRADAS.D. RELATO DA REGÊNCIA: 1) Ano em que realizou a regência (intervenção prática): 2) Datas das aulas ministradas (de acordo com o registrado na ficha de acompanhamento: regência): 3) Qual foi o tema desenvolvido no decorrer das aulas: 4) Os alunos possuíam conhecimentos prévios sobre o tema? 5) Os alunos demonstraram interesse pelo tema? Como ocorreu a participação dos alunos nas aulas? 6) A metodologia prevista no plano de unidade permitiu o desenvolvimento do tema de forma satisfatória? Por quê? 7) Como os recursos previstos no plano de unidade e utilizados no decorrer das aulas contribuíram para o ensino e a aprendizagem do tema proposta? 8) As atividades (avaliações) realizadas pelos alunos permitiram verificar se os mesmos apreenderam o tema trabalhado? Os alunos compreenderam o tema? Quais as principais dificuldades apresentadas pelos alunos? 9) Teve casos de indisciplina durante as aulas? Como você agiu? O professor regente (supervisor de campo) interviu com o objetivo de auxiliá-lo? 10) Os objetivos previstos no plano de unidade foram alcançados? Explique. Nº 126.

Estágio e docência. U. de 04/07/97 (Produzir uma resenha crítica de no mínimo 1 lauda e meia e no máximo 3 laudas do artigo indicado abaixo e disponibilizado com o manual de estágio) LIMA. Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade. São Paulo: EDUSP. 1997. Prática de Ensino de Biologia.RESENHA CRÍTICA DO ARTIGO Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . 2008. M. Petrópolis: Vozes. PIMENTA. PIMENTA. L. Maria Socorro Lucena. M. . ed. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). 2008. Nº 126. A formação contínua dos professores nos caminhos e descaminhos do desenvolvimento profissional.D. TARDIF. O. São Paulo/BRA: Cortez. São Paulo: Cortez. Doutorado em Educação. Saberes docentes e formação profissional. KRASILCHIL. teoria e prática? 3. S. 2002. LIMA. Maurice. 2001. Selma Garrido.

os pontos positivos e os pontos negativos encontrados nas aulas e em todo o processo. de 04/07/97 Nesse espaço o acadêmico irá descrever sua visão sobre esse estágio. . Nº 126. Poderá relatar as dificuldades encontradas.Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . Aqui o aluno também pode colocar as sugestões para que as aulas sejam melhores.D. U. O. as conquistas. as críticas acerca do que ele vivenciou e sua opinião pessoal sobre o que o estágio lhe proporcionou para o desenvolvimento profissional.

O.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . . de 04/07/97 Registrar as referências de acordo com as normas da ABNT. Nº 126. U.D.

de 04/07/97 (Não inserir fotos de alunos ou professores.ANEXOS Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 . Nº 126. Podem ser colocadas fotos da espaço físico da escola e dos trabalhos realizados) .D. O. U.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful