Você está na página 1de 8

Para o som do violão ser sempre o mais adequado, não basta apenas saber como executar as notas no instrumento, é preciso também conhecer que tipo de violão se encaixa melhor com o estilo de música que se pretende tocar. Por isso o Portal Serenata, decidiu explicar um pouco das características que diferenciam um instrumento do outro.

Antes de começar a explicar especificamente sobre o violão, é importante deixar claro a diferença nos tipos de corda que podem ser usadas. O encordoamento de nylon produz um som bem mais suave do que o aço e normalmente é encontrado em violões que possuem o braço mais largo. O de aço, por sua vez, tem um som mais agressivo e é encontrado em violões com o braço mais fino. Lembre-se de que trocar a corda de um violão de nylon por aço (e vice-e-versa) não é indicado, pois cada violão é feito para um tipo específico de corda.

O modelo de violões folk, possui um corpo maior do que o comum e é levemente

"acinturado". A extremidade do seu corpo é achatada e por ter uma caixa maior seu timbre é encorpado, valorizando os graves. Normalmente é usado para músicas sertanejas, country, gravações em estúdios e folk music (que inclusive leva o nome do violão).

Os violões jumbo são bem grandes e se assemelham muito aos violões clássicos, porém pode-se reconhecê-lo facilmente pela parte do corpo que é oposta à junção do braço e mais larga. O jumbo não é usado em um estilo musical específico, pois faz parte de qualquer apresentação em que seja necessária a sonoridade mais acústica.

O cutway (ou cutaway) na verdade é uma referência ao recorte na parte inferior do

violão, que possibilita ao instrumentista chegar com mais facilidade às notas agudas que ficam próximas ao corpo do violão, principalmente durante a execução de um solo. O cutway é usado em violões elétricos e pode ser encontrado em violões de aço e nylon.

Há também os violões de 12 cordas, que tem sonoridade inconfundível, pois as cordas são agrupadas em duas. A afinação deste violão pode variar, mas normalmente seguem a seguinte sequência: as primeiras são afinadas como o violão normal e as outras afinadas uma oitava acima, com exceção da primeira e segunda corda que continuam sendo a Mi e a Si. Usando esta afinação, o violão de 12, pode ser tocado normalmente, sem a necessidade de alterar os acordes.

Os principais modelos de violão5

Postado em Strinberg, Takamine, Violões

Muita gente ainda fica em dúvida na hora de comprar um violão, pensando qual seria o modelo que melhor se adapta ao seu estilo. Por isso, nós decidimos apresentar os principais modelos para você. Além disso, selecionamos alguns violões da Takamine e Strinberg que se encaixam em cada categoria. Violão Clássico É um violão que usa cordas de nylon e muito indicado para iniciantes. Como sugere o próprio nome, é um violão bastante utilizado em música clássica, mas também indicado para MPB, samba, bossa nova e flamenco, entre outros estilos.

O violão TH5 da Takamine tem tampo em Solid Cedar, corpo em Rosewood, braço em

Mahogany e escala em Ébano. Além disso, as tarraxas são douradas e o pré é o CTP-2.

O EAN 80 da Strinberg é um eletroacústico com cordas em nylon, corpo em Mahogany,

tampo em Spruce e escala em Rosewood. As tarraxas são douradas com preto e o pré- amplificador é o STP-10.

são douradas com preto e o pré- amplificador é o STP-10. Violão Folk É um violão

o que facilita algumas posições, mas as cordas de aço são mais tensas, o que pode

dificultar um pouco para a mão esquerda. Criado em 1916 visando um som encorpado,

é muito utilizado hoje em dia, principalmente depois da moda dos acústicos. Por ser

um modelo versátil, é muito comum em rock, metal, pop e música sertaneja. O violão ETN 10 da Takamine possui tampo em Solid Cedar, corpo e braço em Mahogany e escala em Rosewood. As tarraxas também são douradas e pré-amp é o CT-4B. O violão EAF 85C da Strinberg tem acabamento acetinado fosco, tampo em Spruce e corpo e escala em Rosewood. As tarraxas groove são cromadas com preto e o

pré-amplificador que acompanha este modelo é o STP-10.

Violão Jumbo Este modelo foi criado na década de 1930, sendo muito ut ilizado na

Violão Jumbo Este modelo foi criado na década de 1930, sendo muito utilizado na música country da época; mas foi nas mãos do Rei do Rock, Elvis Presley, que ele ficou eternizado. De lá pra cá, os violões jumbo ganharam notoriedade por serem robustos, versáteis e em expansão, devido à riqueza de seus timbres. Com grande estrutura e base bem arredondada, ele possui um som mais grave e equilibrado, sendo muito utilizado em blues, pop, rock e baladas românticas. O modelo EG 523 da Takamine com 6 cordas de aço tem corpo jumbo Flamed Maple, tampo em Solid Spruce e escala em Rosewood; com pré-amplificador com afinador embutido, possui ainda tarraxas cromadas. O violão JS 02C da Strinberg está disponível nas cores preto, sunburst e natural e possui uma das melhores relações custo x benefício. Também com 6 cordas de aço, este modelo tem um corte com cutaway, corpo, laterais e braço em Flamed Maple Plywood, tampo em Spruce Plywood, escala em Rosewood e acabamento em verniz. São 22 trastes e tarraxas cromadas.

e acabamento em verniz. São 22 trastes e tarraxas cromadas. Violão de 12 cordas C om

Violão de 12 cordas Com a onda de shows acústicos, este modelo ganhou mais popularidade e é muito usado em vários estilos. Ele causa um efeito de dois violões e tem um som bem característico, pois possui um timbre encorpado, que proporciona uma base marcante. Um violão de 12 cordas não é recomendado para iniciantes pois

exige muito dos dedos. Ele é indicado para músicos intermediários e avançados, por ter uma tocabilidade mais pesada. O modelo EG 535 SC da Takamine tem cordas em aço, corpo em Folk, tampo em Spruce, corpo em Nato e escala em Rosewood. Com pré-amplificador TK-40 e afinador embutido, possui ainda tarraxas cromadas. Já o violão EAF 84C da Strinberg possui tampo em Spruce Plywood e corpo e escala em Rosewood, além de tarraxas cromadas e pré-amplificador STP-10 paramétrico.

tarraxas cromadas e pré-amplificador STP-10 paramétrico. Violão Flat O modelo flat é mais fino e comumente

Violão Flat O modelo flat é mais fino e comumente usados em MPB, por músicos eruditos e profissionais. Porém, com a chegada de itens mais baratos e a sua popularização, já é possível encontrar muitos músicos com violões flats em bares, igrejas e nas duplas sertanejas. Normalmente com cordas de nylon, o timbre destes violões é suave. Dependendo da equalização que você faça, eles podem ser estridentes, com muito brilho, médios fortes ou até graves profundos. O violão AS 55C da Strinberg é um eletroacústico com 6 cordas de aço, acabamento em verniz e 22 trastes. Corpo, laterais e braço em Nato Plywood, tampo em Spruce Plywood e escala em Rosewood; tarraxas cromadas e pré-amplificador ST-4S, com 3 bandas de equalização, afinador, e entrada P10.

Segundo a história dos violões, o violão romântico tinha basicamente um corpo bem menor que

Segundo a história dos violões, o violão romântico tinha basicamente um corpo bem menor que o violão atual,existe vários estilos de violão romântico: Lacote, Fabricatore, Panormo, Stauffer, etc… O violão romântico teve como antecessor a guitarra barroca, que teve a guitarra renascentista e de certa forma, os alaúdes como antecessores.

Temos o violão moderno, que tem também diversas linhas de construção,com a combinação bem sucedida de várias características, como leque harmônico e caixa maior, como os que temos hoje.

como leque harmônico e caixa maior, como os que temos hoje. Já o violão infantil é
Já o violão infantil é um violão moderno, com corpo menor e escala menor. Mas mantendo

O violão requinto é um violão menor, com 6 cordas, mas com afinação diferente, uma

quarta acima.

6 cordas, mas com afinação diferente, uma quarta acima. O violão tenor é um violão que

O

violão tenor é um violão que tem somente 4 cordas, mais agudas que as do violão.

O

violão flamenco possui uma construção destinada a gerar baixa sustentação e bastante

ataque. Possuem som percussivo e são bastante rítmicos.

O violão de seresta é um nome para os violões de corda de aço, com corpo de violão de

nylon.

Os violões folk são os violões americanos que possuem algumas subdivisões de acordo com

o formato do corpo: Dreadnought, quando o corpo é maior e menos acinturado (estilo cantor

de country), Jumbo, quando o corpo é grande mas mais acinturado, 000, que é um corpo

menor e cintura do.

Os violões harpa, ou Harp guitars, são violões (geralmente de aço) com diversas cordas extras, fora da escala, que basicamente estão lá para reforçar a sonoridade do instrumento, ou serem usadas como bordões soltos.

Os violões de 11 cordas, ou Alto Guitars, são violões com afinação de alaúde. São 11 cordas sobre a escala, sendo que as 7 primeiras possuem uma escala menor, como se um capo tivesse sido preso na casa 3. As demais, vão tendo a escala aumentada para possibilitar que as cordas sejam afinadas mais graves. Nesse violão, a corda mais aguda é comumente afinada em Sol,desce como alaúde.

Os violões de 10 cordas, introduzidos pelo Narciso Yepes, são violões construídos para que as cordas extras sejam afinadas de forma a reforçar os harmônicos que naturalmente são mais fracos no violão de 6 cordas.

Os violões de 7 e 8 cordas são violões com baixos extras, usados para ampliar a tessitura do instrumento.

O violão Brahms é um violão de 8 cordas diferente. Idealizado pelo Paul Galbraith, ele tem

uma corda aguda a mais (lá) e uma grave a mais (Lá ou Si). Assim, pode tocar com tessitura

ampliada tanto no agudo como no grave.

O violão de fábrica é um tipo muito peculiar de violão.

Historicamente, o primeiro violão que tinha as 6 cordas afinadas do nosso jeito foi o violão romântico (ou guitarra romântica). O violão romântico tinha basicamente um corpo bem menor que o violão atual, e muitas vezes sem leque harmônico. O som tinha um pouco menos volume, e graves menos presentes, mas não deixava de ser charmoso. Assim como hoje, muitos construtores do século XIX desenvolveram vários estilos de violão romântico:

Lacote, Fabricatore, Panormo, Stauffer, etc

guitarra barroca, que teve a guitarra renascentista e de certa forma, os alaúdes como antecessores. Mas daí já não são 6 cordas simples.

O violão romântico teve como antecessor a

O violão moderno, na verdade, tem também diversas linhas de construção. Mas, todas elas

graças ao Antonio Torres, que fez violões com a combinação bem sucedida de várias

características, como leque harmônico e caixa maior, como os que temos hoje.

O violão infantil é um violão moderno, com corpo menor e escala menor. Mas mantendo a

mesma afinação.

O violão requinto é um violão menor, com 6 cordas, mas com afinação diferente, uma quarta

acima. Ou seja, ao invés de mi, no agudo, temos lá. E assim se mantém as relações para

todas as cordas.

O violão tenor é um violão que tem somente 4 cordas, mais agudas que as do violão. Mas,

desconheço a afinação exata.

O violão flamenco possui uma construção destinada a gerar baixa sustentação e bastante

ataque. Possuem som percussivo e são bastante rítmicos.

O violão de seresta é um nome para os violões de corda de aço, com corpo de violão de

nylon.

Os violões folk são os violões americanos que possuem algumas subdivisões de acordo com

o formato do corpo: Dreadnought, quando o corpo é maior e menos acinturado (estilo cantor

de country), Jumbo, quando o corpo é grande mas mais acinturado, 000, que é um corpo

menor e cinturado, etc

Os violões harpa, ou Harp guitars, são violões (geralmente de aço) com diversas cordas extras, fora da escala, que basicamente estão lá para ressoar por simpatia e reforçar a sonoridade do instrumento, ou mesmo serem usadas como bordões soltos.

Os violões de 11 cordas, ou Alto Guitars, são violões com afinação de alaúde. São 11 cordas sobre a escala, sendo que as 7 primeiras possuem uma escala menor, como se um capo tivesse sido preso na casa 3. As demais, vão tendo a escala aumentada para possibilitar que as cordas sejam afinadas mais graves. Nesse violão, a corda mais aguda é comumente afinada em Sol, e desce como alaúde. Ou pode-se criar afinações alternativas. É o que o Paulo Martelli usa, feito pelo Samuel Carvalho.

Os violões de 10 cordas, introduzidos pelo Narciso Yepes, são violões construídos para que as cordas extras sejam afinadas de forma a reforçar os harmônicos que naturalmente são mais fracos no violão de 6 cordas. A afinação dos graves extras é C, Bb, Ab, Gb, projetada

para fazer as notas fracas (f#, eb, etc

teoricamente, é pra ser tocado como um violão de 6 cordas. É claro, ocasionalmente, se tocam os baixos extras.

)

ressoarem tão bem como as outras. Então,

Os violões de 7 e 8 cordas são violões com baixos extras, usados para ampliar a tessitura do instrumento.

O violão Brahms é um violão de 8 cordas diferente. Idealizado pelo Paul Galbraith, ele tem

uma corda aguda a mais (lá) e uma grave a mais (Lá ou Si). Assim, pode tocar com tessitura

ampliada tanto no agudo como no grave.

O violão de fábrica é um tipo muito peculiar de violão. Tem forma de violão, peso de violão e

nome de violão. Mas o som é de caixa de bacalhau molhada. É o instrumento mais difundido

no Brasil.