Você está na página 1de 10

DICAS:

MIXER CONSOLE, MESA DE SOM

Texto, pesquisa e adaptações: Fernando José Peixoto Lopes


Técnico operador de áudio
(27)9-9518-4850 Vivo e Whatsapp
fernando@masterdbsound.com.br

APOIO

HTTPS://www.facebook.com/masterdbsound/?ref=bookmarks
O que são todos aqueles botões?

É o equipamento mais temido e desconhecido: o console ou mesa de som. Uma série


de botões que temos medo de tocar e que, muitas vezes, não sabemos o que estão
fazendo.

Mesa de som, Mixer Console ou simplesmente mixer, também conhecido pelo seu
nome inglês, mixer. Em outros lugares, especialmente na América Latina, chamamos
isso de console. É o dispositivo que combina as diferentes fontes de som (voz
coletada por um microfone, efeitos do computador, música de um CD) para oferecer
um sinal único.

Mackie Onyx 1220i


Botões: são potenciômetros circulares usados nos controles de canais para
atenuador e ganho de Equalizadores, auxiliares, Efeitos e Panorâmico...

Botões ou interruptores de pressão: pequenos botões que ativam ou desativam


certas funções.

Fader (s): são potenciômetros lineares, também chamados atenuadores deslizantes.


Sua função é aumentar ou diminuir o nível do sinal.

PARTES DE UMA MIX CONSOLE

Embora vejamos muitos botões, os consoles na verdade são uma repetição do


primeiro canal de entrada, todos são mesmos iguais. Não importa se houver um
canal, 4 canais ou 56 canais ou mais. Na verdade, existe apenas um canal que repete
e se repete e independentes entre si. Só muda nos final da console nos EFX,
Monitores, Sub ou BUS, e Máster.

Conhecendo um canal de entrada, você conhece todos os outros demais


canais.

OBSERVAÇÂO: Os números em vermelho são indicadores da função na Mix


Console, Os números em vermelho no desenho estão correlacionados com os
números em negrito e entre parênteses.

1. ENTRADA (s)
Os consoles têm diferentes entradas através de conectores. Eles geralmente estão na
parte superior ou em um painel traseiro.

Os números em vermelho no desenho estão correlacionados com os números em


negrito e entre parênteses.
Entradas de microfone.

Eles são conectores XLR (1) ou Jack-Plug (2), em ambos os casos são fêmeas.

É sempre recomendável conectar os microfones às entradas XLR. As entradas de


microfone são identificadas pela palavra MIC. Essas entradas possuem um pré-
amplificador que aumenta o sinal fraco que sai de um microfone. Se conectarmos o
microfone a outra entrada, como a linha, um som muito baixo virá para o console.

A maioria dos consoles traz uma opção para ativar o Phantom Power * (3) *. Esta
alimentação fantasma, geralmente +48 volts, é necessária para a operação dos
microfones do condensador.

Entradas de linha

Eles são identificados como LINE (4). Neles, conectamos todos os equipamentos
externos de alta impedância, como cassetes, discos compactos, computador,
instrumentos musicais... Os conectores são Jack-Plug ou RCA.

Entradas para Toca Discos (PHONO).

Servem para toca discos que, como microfones, entregam um sinal muito baixo.
Nessa entrada, há também um pré-amplificador.

Se fizermos o contrário, por exemplo, conecte um leitor de CD a uma entrada


PHONO, uma vez que essa entrada é pré-amplificada, o som ficará saturado com o
console, ou seja, teremos excesso de nível de áudio.

Entradas digitais.

Os novos consoles, apesar de serem analógicos, trazem conexões digitais para se


comunicar com placas de áudio, com a vantagem de ter menos perda de qualidade do
que com conexões analógicas. Os mais comuns são FIREWIRE, S-PDIF e USB.

SAÍDA (S).
Master ou Principal (5)

É a principal saída do resultado da soma dos canais de entrada de um console.

Numa emissora de rádio o máster é o que levamos ao transmissor e é conhecido


como saída do programa ou PGM.

Nos consoles de Estúdios de produção é o sinal que gravamos e, nos DJs ou ao vivo,
é o resultado que amplificamos para que todos possam ouvi-lo. É saída estéreo com
dois canais, esquerda - * L * Left e direita - * R * Right, com conectores Jack ou XLR.

Subgrupos (6).

Nos consoles de emissoras de rádio é conhecido como PGM2 ou audição, um segundo


sinal que pode ser usado para monitores, gravação...

Já em grandes consoles, existem várias saídas alternativas denominadas subgrupos


ou bus. Elas são muito úteis para gravação ou monitoramento. Suponhamos que
estamos gravando um disco por faixa. O resultado do máster não será muito útil, pois
não queremos, por enquanto, um sinal somado. Mas basicamente usadas para
agrupar, por exemplo, todos os canais de uma bateria.

Nós endereçamos os canais de entrada da bateria aos subgrupos 1 e 2 (Estéreo).

A conexão do subgrupo de saída 1e 2 serão carregadas, através de uma placa de


áudio multicanal, para um dos canais virtuais do computador, e assim por diante com
todos os instrumentos. Desta forma, cada um tem um caminho direto e
independente, que levará ao máster. Este caminho começa e termina com conectores
Plug ou XLR.

REC, ou gravação (7)

Muitos consoles de produção não possuem saídas do subgrupo, mas sim enviam para
gravar a mistura que sai do console em um gravador ou computador. Em alguns
consoles, esta saída é indicada como Tape Out. Na maioria, eles são conectores RCA.

Control Room /Sala de Controle (8)

Esta saída é a utilizada para monitoramento. Vejamos um caso específico de um


estúdio de produção pequena...

Nós levamos a saída máster para a entrada de gravação do computador. Mas


precisamos ouvir o som durante a edição. Para isso, usamos a saída da sala de
controle (Control Room). Com o máster, controlamos o volume do sinal que
gravamos, mas o som que ouvimos é independente e nós lidamos com isso com
diferentes botões.

A saída da sala de controle é levada a um amplificador de som e sua saída para os


monitores de estúdio. Às vezes, ouvimos o som da sala alto e baixamos o máster.
Este é um tremendo erro O máster deve ser deixado em 0 db e aquele que temos que
baixar ou fazer o upload é controle da Sala de Controle (Control Room).

Esta saída de monitoramento também possui muitos consoles de rádio. É usado para
ouvir o ar no estúdio ou na sala de fala.

Por exemplo, estamos em um programa ao vivo está jogando um corte de uma


entrevista. Os convidados precisam ouvi-lo e, se eles não têm fones de ouvido para
todos, são colocados caixas de som que servem de retorno.

A maioria dos consoles de rádio profissionais tem um sistema silencioso para


monitorar saídas. Ou seja, quando a música termina e o canal do microfone é aberto
para que os locutores falem, o monitoramento é interrompido e nada é ouvido nos
alto-falantes. Isso evita microfonias, esse efeito insuportável que ocorre quando você
fala através de um microfone na frente de um alto falante.···.

PHONES/ FONES (9)

Para conectar um fone de ouvido ou fones de ouvido e monitorar o áudio com eles.

3. Controles de saída

Acabamos de ver os diferentes tipos de saída, mas há uma parte do console que
controla todos eles. Geralmente, está à direita do equipamento. Nesse local, temos os
faders (10) da saída principal (Máster ou Main Mix) e a saída dos subgrupos. Seu
número dependerá do modelo do console. Existem também controles para a produção
de aparelhos de fones, Controle da Sala/Control Room (11)...
Uma parte vital que também é encontrada nesta área é o VU Meter, nesta mix
Bargraph (12). Esses indicadores nos permitem conhecer o nível do sinal que virá do
console.

Se estivermos saturando muito o sinal, haverá um excesso, os medidores de VU


ficarão nas partes vermelhas e vamos ter que diminuir o nível. Se, por outro lado,
ficarmos muito abaixo do ideal e as pequenas luzes não estiverem acesas, devemos
aumentar os níveis de entrada.

4. MÓDULO DE EFEITOS INTEGRADOS.


Alguns consoles, especialmente projetados para produção, trazem diferentes efeitos
integrados, como reverbs e delays.

5. AUXILIARES.

Há nível profissional, para apresentações ao vivo, por exemplo, é preferível usar


módulos de efeitos externos, dispositivos que recebem um sinal do console, processá-
lo e devolvê-lo. As entradas auxiliares são usadas principalmente para esses módulos
externos. Através do SEND (ENVIO), enviamos a voz para a entrada do módulo de
efeitos externos. A equipe adiciona um reverb e retorna a voz processada para o
console através da entrada RETURN. A maioria dessas conexões é feita com Plugs
TRS (P10 ST) ou TS (P10 Mono).

6. CANAIS DE ENTRADA (s)


Canais de entrada do console são todos iguais. Como dissemos, visto um, visto todos.
Fader (1)
É o primeiro elemento que encontramos em todos os consoles.

Eles são potenciômetros longos, embora existam também rotativos. Eles são
chamados de potenciômetros, mas, por sua função, eles são chamados de Fade, o
que em inglês significa atenuar, desvanecer. E isso é o que fazemos com este botão,
aumentamos ou desaparecemos com o som.

Marcado no console junto ao fade, há uma escala de decibéis.

SOLO / PFL (2)

Realizamos uma pré escuta através do PFL (Pre Fader Listen) ou sinal anterior de
monitoração (CUE). Ele serve para provar que um canal de microfone, por Exemplo,
está aberto sem levantar o fader. Esta audição pode ser feita por Fones ou
visualmente pelo sinal da Saída do VU/Bargraph do Console. Se em três canais
pressionarmos este botão, somente o sinal deles será gravado ou será liberado
(função SOMENTE).

Quando não estiver ativo, em muitos consoles, a luz indicadora servirá para alertar
sobre uma saturação ou sobrecarga. Se estiver ligado, o sinal que está entrando por
esse canal for muito forte e devemos diminuir o ganho ou em algumas situações
extremas o fader.

Mute / Alt (3)

Com este botão ou switch, fazemos duas coisas. Em Mute (mudo), o canal é
silenciado. Em ALT, enviamos este canal, juntamente com os outros canais que o
pressionam para a saída de ALT 3-4 (subgrupo) para gravar, por exemplo, apenas as
faixas em um computador, enquanto a saída geral está no ar.

Panorâmico (PAN) (4)

Ele serve para escolher qual canal enviamos o sinal, para a esquerda, para a direita
ou para ambos. Para os microfones ou instrumentos que vamos deixá-lo no centro.

Mas se conectarmos o computador por dois canais separados, vamos pegar um canal
para o lado esquerdo e o outro para a direita para manter o sinal estéreo.

Auxiliares (5)

Com eles ao selecionarmos o volume que enviaremos através da saída auxiliar.

Se quisermos obter a voz do locutor ou cantor para um equipamento de efeitos


externos, aumentaremos o volume auxiliar (Aux.) desse canal, mas não o dos
instrumentos, uma vez que não queremos aplicar nenhum efeito sobre eles.

Existem dois auxiliares, um PRE e outro POST. Em outros consoles, é um único botão
auxiliar com um interruptor para escolher entre essas duas opções.

Em PRE, envia o sinal puro que vem através do microfone, sem ser afetado pela
equalização ou pelo volume do fader. No entanto, com o POST, enviamos ao auxiliar o
som já equalizado e nivelado.

USO DOS AUXILIARES EM UMA EMISSORA DE RÁDIO

Imagine que não temos um console de rádio para a nossa estação e colocamos um
console de produção como o que estamos explicando. Para se comunicar com os
locutores que estão no estúdio da sala de controle podemos tirar o sinal de saída
auxiliar do console para o amplificador de fones que temos no estúdio.

Quando tocamos a música e queremos conversar com os locutores, precisamos


apenas aumentar o volume de Auxiliar PRE e falar. Se elevarmos o fader principal, o
que falamos seria ouvido no ar.
Equalizadores EQ (6)

Todos os consoles OS têm, e eles nos ajudam a Equalizar (igualar) os sons, isto é,
controlar suas frequências agudas ou altas (Hi), as médias (Mid) e os graves ou
baixas (Lo). Ao lado dos botões sempre é indicado em que frequência estamos
atuando. No console do nosso exemplo, o agudo atua em 12 Khz e o grave em 80 Hz.

As frequências médias têm um equalizador mais preciso chamado paramétrico.


Existem dois botões para essa frequência. Com um (6a) nós escolhemos a frequência
que queremos modificar (entre 100 Hz e 8 Khz) e com o outro (6b), obtemos mais ou
menos ganhos (de -15 db a + 15 db). Eles são mais difíceis de manejar, mas são
mais precisos.

Ganho (Gain ou em outros consoles trim.) (7)

Vamos supor que estamos falando no microfone. Nós regulamos o nível de entrada
geral do console ou fader em 0 db, mas ainda não há som suficiente. Para isso,
aumentamos o Ganho. Nunca faça o contrário, tenha o fader bem abaixo de 0 db e
para aumentar o ganho. Esse sinal é aumentado com componentes eletrônicos. Ao
aumentar o ganho, você também aumentará o ruído.

Filtros de entrada ou corte (8)

É muito difícil para o ouvido humano ouvir abaixo de 80 Hz, embora o mínimo teórico
seja de 20 Hz. Estas frequências muito baixas, que variam de 20 a 80 Hz, contribuem
pouco para a gravação de um áudio, apenas atrapalham ofuscando. Por esse motivo,
muitos consoles têm um filtro que, quando pressionado, corta todas as frequências
inferiores à frequência de corte, geralmente entre 100 e 80 Hz, dependendo dos
modelos.

“DEUS SEJA LOUVADO”!