Você está na página 1de 16

ENXERTIA DE PLANTAS

FRUTÍFERAS

Prof. Angelo P. Jacomino

Fruticultura - LPV 0448


2017

1 - Introdução

Multiplicação Sexuada X Assexuada

 SEXUADA:
- Facilidade;
- Baixo custo.
MÉTODOS:
 ASSEXUADA: Estruturas especiais;
- Características desejáveis; Estaquia;
- Uniformidade (Clone); Enxertia;
- Juvenilidade (reduz); Alporquia;
- Porte menor Mergulhia;
Propagação ‘in vitro’

1
1 - Introdução

ENXERTIA
Método de multiplicação vegetativa que consiste na junção de
partes de plantas de tal maneira que irão unir-se e desenvolver-se
formando uma única planta.

PORTA-ENXERTO
Porção inferior da planta enxertada, que vai constituir o sistema
radicular.

ENXERTO
Porção superior da planta enxertada, que vai constituir a copa.

2 - Razões para Uso da Enxertia

 Perpetuação de clones que não podem ser facilmente propagados


por outros métodos;

 Obtenção de benefícios do porta-enxerto;

 Mudança da copa em plantas adultas;

 Substituição do porta-enxerto em plantas adultas.

2
2 - Razões para Uso da Enxertia
Resistência de acessos de Psidium spp. a Meloidogyne mayaguensis e
compatibilidade de enxertia com P. guajava cv Paluma.

Sintomas de raízes de Psidium spp.


infectadas por M. mayaguensis.

A – P. guajava cv. Paluma


(suscetível)

B – P. guajava acesso Colombian


(suscetível)

C – P. friedrichsthaliamm
(moderadamente resistente )

D, E, F – P. cattleyamm diversos acessos


(resistentes)

Fonte: Carneiro et al. Fitopatol. bras. vol.32 no.4. 2007

Sobre-enxertia 2 – Razões para o uso da enxertia

3
2 – Razões para o uso da enxertia
Sub-enxertia em laranjeira

3 - Obtenção do Porta-enxerto e do Enxerto

PORTA-ENXERTO

 POR SEMENTES (citros, manga, abacate):

4
3 - Obtenção do Porta-enxerto e Enxerto

 POR MULTIPLICAÇÃO VEGETATIVA (uva, maçã, pêra):

- Estaquia;
- Mergulhia
- Alporquia;
- Micropropagação.

Estacas de videiras colocadas


para enraizamento.
Fonte: J.Dimas G.M. – Embrapa Uva e Vinho

3 - Obtenção do Porta-enxerto e Enxerto

ENXERTO

 Plantas matrizes;

 Banco de germoplasma;

 Borbulheiras (citros).

Fonte: Embrapa Clima Temperado

5
4 - Métodos de Enxertia
BORBULHIA
O enxerto é reduzido a uma única gema, no momento da enxertia.

Tipos: T normal
Borbulha

Porta-enxerto

- Enxertia - T normal

6
BORBULHIA Tipos: T invertido 4 - Métodos de Enxertia

T invertido em citros

- Enxertia - T invertido

7
4 - Métodos de Enxertia
BORBULHIA Tipos:- Em placa

4 - Métodos de Enxertia

GARFAGEM

O enxerto é constituído de uma porção do ramo contendo,


normalmente, várias gemas.

TIPOS:
- FENDA
(cheia, esvaziada, lateral, dupla)

- INGLES
(simples, complicado)

8
4 - Métodos de Enxertia

GARFAGEM

- Fenda - Inglês

4 - Métodos de Enxertia

Enxertia do tipo garfagem fenda em abacateiro

9
4 - Métodos de Enxertia

Abacateiro com 3 meses após


enxertia, pronto para ser
plantado no campo

Região da enxertia

4 - Métodos de Enxertia

Videira – Enxertia de garfagem

Utilização do barbante para


fixação do enxerto.

10
4 - Métodos de Enxertia
Enxertia do tipo garfagem inglês em macadâmia

Detalhe do corte Uso de parafilme para Planta enxertada em


em bisel (longo) fixação e proteção do fase de formação.
enxerto.

4 - Métodos de Enxertia

Efeito de diferentes tipos de proteção do enxerto no percentual de


pegamento da enxertia em mudas de mangueira ‘Tommy Atkins’,
abacateiro ‘Fortuna’ e nogueira Macadâmia.

Tipo de proteção Pegamento (%)


do enxerto Mangueira Abacateiro Macadâmia

Saquinho plástico 50,23 a 36,19 bc 14,93 c

Parafina 9,13 b 21,57 bc 21,45 c


Parafina + Vaselina 0,00 c 0,00 d 0,00 d
Cera de abelha 12,13 b 11,90 cd 0,00 d
Parafilme 59,64 a 80,26 a 74,07 a
Filme de PVC 50,23 a 53,38 ab 41,69 b
C.V. (%) 18,00 22,55 17,97

Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste
de Tukey a 5% de probabilidade.

Fonte: Jacomino et al., PAB, vol.35, n.10, 2000.

11
4 - Métodos de Enxertia

ENCOSTIA

Ocorre a junção de duas plantas inteiras, que são mantidas dessa


forma até a união dos tecidos.

Encostia lateral

4 - Métodos de Enxertia

ENCOSTIA

Utilização de prendedor
para auxiliar na fixação
do enxerto.

12
5 - Seqüência de Eventos na Cicatrização da Enxertia

Enxerto
Porta-enxerto

Câmbio Câmbio
vascular vascular

Novo
Xilema

Novo
Floema

5 - Seqüência de Eventos na Cicatrização da Enxertia

1- Alinhamento das camadas cambiais

2- formação de tecido parenquimático (calo) a partir do cambio vascular


do enxerto e do porta-enxerto

3- entrelaçamento dos tecidos parenquimáticos do enxerto e do porta-


enxerto

4-formação de câmbio a partir do tecido parenquimático

5-formação de tecido vascular a partir do novo tecido cambial

6-restabelecimento do fluxo de seiva

13
5 - Seqüência de Eventos na Cicatrização da Enxertia
- Corte transversal de caule de cultivar de café 30 dias após a enxertia

- Corte transversal de caule de cultivar de café 90 dias após a enxertia

5 - Seqüência de Eventos na Cicatrização da Enxertia

Processo de cicatrização de enxertia do tipo borbulhia em plantas


cítricas
Estágios do desenvolvimento Tempo aproximado após a
enxertia
Primeiras divisões celulares 24 horas

Primeiros calos 5 dias


Início de diferenciação:
- nos calos da casca do porta-enxerto 10 dias
- nos calos da casca do enxerto 15 dias

Primeira ocorrência de meristema entre a casca 15 dias


do porta enxerto e o enxerto
Primeiros vasos xilemáticos:
- nos calos da casca do porta-enxerto 15 dias
- nos calos da casca do enxerto 20 dias
Lignificação completa:
- na casca do porta enxerto 25 a 30 dias
- sob o enxerto 30 a 40 dias

Fonte: Hartmann & Kester, Pant propagation, 1990.

14
6 - Fatores que Influenciam a Cicatrização

 Habilidade do enxertador;

 Espécie vegetal;

 Atividade fisiológica do enxerto e porta-enxerto;

 Condições durante e após a enxertia;

 Problema fitopatológico;

 Incompatibilidade.

7 - Limites da Enxertia

 Enxertia entre plantas de um mesmo clone;

 Enxertia entre plantas de clones diferentes, porém dentro da mesma


espécie;

 Enxertia entre plantas de espécies diferentes, porém dentro do


mesmo gênero;

 Enxertia entre plantas de gêneros diferentes, porém dentro da


mesma família.

15
8 - Influência do Porta-enxerto na Copa

Em uma planta enxertada há influência recíproca entre a


copa e o porta-enxerto, porém as mais fáceis de visualizar
são aquelas do porta-enxerto na copa, como por exemplo:

 Vigor da planta (tamanho);


 Precocidade de produção;
 Qualidade dos frutos;
 Produtividade;

16