Você está na página 1de 161

MBA Executivo em Administração: Gestão da

Tecnologia da Informação
Turma – GETI 21

Coordenador Acadêmico: Dr. Luiz Antônio Joia.


Local de Realização:
FGV/SP.
São Paulo/SP

Nome do (a) aluno (a) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _


______________________________________

Fred Regis, Prof. Ms.


fred.regis@fgvmail.br
fred.regis.fgv@gmail.com

GESTÃO CONTÁBIL -
CADERNO DE EXERCÍCIOS
1

1ª Parte de Exercícios.
Exercícios de aula.
Exercícios de 01 a 38.
Páginas 04 a 75.

=====================================

2ª Parte de Exercícios.
Exercícios Extraclasses.
Exercícios de 39 a 128.
Páginas 77 a 139.

Gestão Contábil
2

Agenda Acadêmica 2018.


Data da
Data Discrição da atividade finalização/
Entrega da tarefa
Leitura da Apostila de Exercícios - Administração de Capital
_ _/_ _ de Giro, página 140 a 148, um dos capítulos mais _ _/_ _
importantes.
A Entrega do Trabalho Individual deverá ser feita
diretamente para o professor através dos 2 e-mails descritos
abaixo: fred.regis@fgvmail.br e fred.regis.fgv@gmail.com
Trabalho com peso de 10%: (exercícios a serem definidos

durante as aulas _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _/_ _ _ _/_ _
_______________________________)

Trabalho com peso de 20%: (exercícios 39 ao 128).

Sugere-se a elaboração do trabalho em grupo (entrega


individual), para que se possa ter uma melhor
compreensão da disciplina.
É de responsabilidade do aluno em manter atualizado seu
e-mail juntamente com:
- Conveniada da FGV;
_ _/_ _ - Representante de sala;
- Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Portanto o não recebimento de e-mail(s) sobre trabalhos e
outros assuntos é de responsabilidade do aluno.
A RESOLUÇÃO TOTAL da Apostila de Exercícios será
_ _/_ _ disponibilizada aos alunos, após a data acordada para _ _/_ _
entrega dos trabalhos.
Na prova será disponibilizado:
_ _/_ _ Legendas;
_ _/_ _ Fórmulas matemáticas;
_ _/_ _ Resumo dos índices.
Anotações Diversas:

Gestão Contábil
3

Estes exercícios são baseados em 07 (sete) capítulos, a saber:


Ano: 2018.
Itens Capítulos
A Contabilidade. Introdução ao Balanço Patrimonial (B/P). 1
Regime de Competência. Lucro Econômico. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). 2
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL). 3
Balanço Patrimonial (B/P) – Grupos de Contas. 4
Conceito de Depreciação e cálculo. 5
Fluxos de Caixa (Cash Flows) – modelo Direto. 6
Administração de Capital de Giro – Michel Fleuriet e Análise através de índices (quocientes) –
Liquidez, Endividamento, Rentabilidade, Prazos Médios, Análise Horizontal e Vertical. 7

C 1 ao C 7 referem-se aos Capítulos C 1 = Capítulo 1, C 5 = Capítulo 5 e assim por


diante. Estes estão na mesma ordem dos SLIDES DE APRESENTAÇÃO.

OBSERVAÇÕES:
1) Ao elaborar os exercícios, é essencial a utilização da Apostila de Slide;
2) Ao final do enunciado de cada exercício sempre tem a menção ao qual
Capítulo (1, 2, 3 etc.) se refere aquele exercício, pois assim, o aluno saberá
aonde procurar na Apostila Slide o referido capítulo para a elaboração dos
exercícios.

Exemplo:
01) Exercício introdutório ao Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado
do Exercício. (Capítulo 1)

Trazer nas aulas o seguinte material de apoio:


Calculadora SIMPLES ou FINANCEIRA (obrigatório); e,

Caneta FLUORESCENT – cor preferencialmente AMARELA.

EXEMPLO DE COMO CALCULAR A MÉDIA FINAL:


a) Questões b) Questões c) Total – d) Trabalho e) Média Final
Professor (100%) FGV – livro c = (a + b) * 0,7 e=c+d
10,00 Não há 7,00 3,00 10,00

Gestão Contábil
4

Este exercício refere-se aos slides de números 05 a 13.

Os exercícios 01 e 02 não caem em prova, porém os conceitos são à base de todo o curso de
Contabilidade.

1) Exercício introdutório ao Balanço Patrimonial (B/P). (Capítulo 1)


Eventos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 na empresa de luvas cirúrgicas Volk Ltda.:
TABELA 1:
Data Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil
01/12 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 100
Aquisição de 100 mil unidades de luvas cirúrgicas (mercadorias) a prazo Vide + à
05/12 frente
a $ 0,60 cada com a Descarpack para serem revendidas.
10/12 Financiamento Bancário para compra de diversos Equipamentos. 40
Pede-se para elaborar:
O Balanço Patrimonial de cada evento contábil.

Quanto ao Balanço Patrimonial acima é meramente didático, pois no dia a dia não é gerado um
balanço patrimonial para cada fato (evento) contábil.

O Plano de Contas tem por finalidade agrupar contas de mesma natureza. Serão utilizadas para
os registros dos fatos administrativos (operações) decorrentes da gestão empresarial.

TABELA 2:
Plano de Contas
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento (BCM) Fornecedores Capital Social
Financiamentos Lucros ou
Mercadorias
Bancários (Prejs.) Acumulados
Equipamentos Salários a Pagar
Duplicatas a Receber

Observação:
A Contabilidade pode representar uma diminuição/decréscimo com o sinal de menos “-“, ou
colocar entre parênteses ( ). Portanto, caso a contabilidade queira, por exemplo, informar
que houve um desembolso de $ 1.500 referente a um gasto de Publicidade através de uma
demonstração contábil (fluxo de caixa) pode-se representar da seguinte forma:

Saída de recursos:
Conta $
Publicidade - 1.500 ou
Publicidade (1.500) (essa representação é a mais usual)

Gestão Contábil
Tabela 2: Plano de Contas

Fato contábil de 01/12/16. 5

Balanço Patrimonial – B/P


Ativo Passivo Patrimônio Líquido
1) Bancos Conta Movimento 5) Fornecedores 1) Capital Social
5) Mercadorias Financiamentos Bancários
Equipamentos e Lucros ou
Duplicatas a Receber Salários a Pagar (Prejs.) Acumulados
Preencha as linhas tracejadas.
Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil
1/12 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 100
No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: Capital Social.
Volk Ltda. – Balanço Patrimonial em 1/12/16 – Em $ Mil.
Aplicação de Recursos – Ativos $ Origens de Recursos - Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento:
Subtotal dos Bens (ativo) 0 Subtotal do Passivo 0
Direitos (valores a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:
________________ ___ _______________________ ___
Subtotal dos Direitos (ativo) _ _ _ Subtotal do Patrimônio Líquido ___
Total do Ativo (bens + direitos) _ _ _ Total do Passivo e Patrimônio Líquido ___
Medo = dívida = passivo.

Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil


Aquisição de 100 mil unidades de luvas cirúrgicas (mercadorias) a prazo Vide
5/12 abaixo
a $ 0,60 cada com a Descarpack para serem revendidas.
No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
Tabela 3 - Ficha de Controle de Estoques (mercadorias).
Bem: Luvas Cirúrgicas.
Entradas (compras) Saídas (vendas) Saldo Mercadorias vai para o balanço
Data Quant. Custo Unit. V. Total Quant. Custo Unit. V. Total Quant. C. Unit. V. Total
1/12 - - - - - - 0 0 0
5/12 _ _ _ ____ ____ - - - ____ ____ ____

O saldo da conta Mercadorias vai para o B/P.

Volk Ltda. – Balanço Patrimonial em 5/12/16 Em $ Mil.


Aplicação de Recursos – Ativos $ Origens de Recursos - Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento:
Mercadorias ___ _________________ ___
Subtotal dos Bens (ativo) ___ Subtotal do Passivo ___
Direitos (valores a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:
________________ ___ Capital Social 100
Subtotal dos Direitos (ativo) ___ Subtotal do Patrimônio Líquido 100
Total do Ativo (bens + direitos) ___ Total do Passivo e Patrimônio Líquido 160
Observação:
Não se esqueça de copiar para o Balanço Patrimonial ATUAL (acima) de 5/12/16 as contas que não
tiveram movimentação, tendo por base o Balanço Patrimonial ANTERIOR e que no nosso caso é
1/12/16.
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
6

Continuação da página anterior.

Sugestão das CONTAS (Plano de Contas) a serem registradas no Balanço Patrimonial e DRE.

TABELA 2:
Plano de Contas
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento (BCM) Fornecedores Capital Social
Financiamentos Lucros ou
Mercadorias
Bancários (Prejs.) Acumulados
Equipamentos Salários a Pagar
Duplicatas a Receber
Bancos Conta Movimento = Conta Corrente da empresa; Duplicatas a Receber = Clientes.

Preencha as linhas tracejadas.

Volk Ltda. – Balanço Patrimonial em 5/12/16 – Em $ Mil.


Aplicação de Recursos – Ativos $ Origens de Recursos - Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento:
Mercadorias 60 Fornecedores 60
Subtotal dos Bens (ativo) 60 Subtotal do Passivo 60
Direitos (valores a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:
Bancos Conta Movimento 100 Capital Social 100
Subtotal dos Direitos (ativo) 100 Subtotal do Patrimônio Líquido 100
Total do Ativo (bens + direitos) 160 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 160
Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil
10/12 Financiamento Bancário para compra de diversos Equipamentos. 40
No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
Volk Ltda. – Balanço Patrimonial em 10/12/16 – Em $ Mil.
Aplicação de Recursos – Ativos $ Origens de Recursos - Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis) Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento
Mercadorias ___ Fornecedores 60
________________ ___ _________________ ___
Subtotal dos Bens (ativo) _ _ _ Subtotal do Passivo ___
Direitos (valores a receber) Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio
Bancos Conta Movimento ___ Capital Social 100
Subtotal dos Direitos (ativo) ___ Subtotal do Patrimônio Líquido ___
Total do Ativo (bens + direitos) 200 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 200

Observação:
Não se esqueça de copiar para o Balanço Patrimonial ATUAL (acima) de 10/12/16 as contas que não
tiveram movimentação, tendo por base o Balanço Patrimonial ANTERIOR e que no nosso caso é
5/12/16.

Gestão Contábil
7

Este exercício refere-se aos slides de números 05 a 13.

Os exercícios 01 e 02 não caem em prova, porém os conceitos são à base de todo o curso de
Contabilidade.

2) Exercício introdutório ao Balanço Patrimonial (B/P). (Capítulo 1)

Eventos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 na distribuidora de medicamentos Focus


Ltda.
TABELA 1:
Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil
01/12 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 200
Aquisição de 80 mil unidades de medicamentos (mercadorias) a prazo Vide + à
05/12
a $ 1,25 cada com o laboratório Achè para serem vendidos. frente
10/12 Financiamento bancário para compra de Máquinas e Equipamentos. 50
Pede-se para elaborar:
O Balanço Patrimonial de cada evento contábil.

Quanto ao Balanço Patrimonial acima é meramente didático, pois no dia a dia não é gerado um
balanço patrimonial para cada fato (evento) contábil.

O Plano de Contas tem por finalidade agrupar contas de mesma natureza. Serão utilizadas para
os registros dos fatos administrativos (operações) decorrentes da gestão empresarial.
TABELA 2:
Plano de Contas
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento (BCM) Fornecedores (medicamentos) Capital Social
Mercadorias Financiamentos Bancários Lucros ou (Prejs.) Acumulados
Contas a Pagar
Máquinas e Equipamentos;
(material de escritório)
Duplicatas a Receber
Observação:
A Contabilidade pode representar uma diminuição/decréscimo com o sinal de menos “-“, ou
colocar entre parênteses ( ). Portanto, caso a contabilidade queira, por exemplo, informar que
houve um desembolso de $ 1.500 referente a um gasto de Publicidade através de uma
demonstração contábil (fluxo de caixa) pode-se representar da seguinte forma:
Saída de recursos:
Conta $
Publicidade - 1.500 ou
Publicidade (1.500) (essa representação é a mais usual)

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
8

Continuação da página anterior.


Tabela 2 - Plano de Contas
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento (BCM) Fornecedores (medicamentos) Capital Social
Lucros ou
Mercadorias Financiamentos Bancários
(Prejs.) Acumulados
Máquinas e Equipamentos; Dupls. a Receber Contas a Pagar (material de escritório)

Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil


1/12 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 200
Preencha as linhas tracejadas.
No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
Focus Ltda. – Balanço Patrimonial em 1/12/16 – Em $ Mil.
Aplicação de Recursos – Ativos $ Origens de Recursos - Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento:
Subtotal dos Bens (ativo) 0 Subtotal do Passivo 0
Direitos (direitos a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:
______________________ ___ __________________________ ___
Subtotal dos Direitos (ativo) _ _ _ Subtotal do Patrimônio Líquido ___
Total do Ativo (bens + direitos) 200 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 200
medo = dívida = passivo.
Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil
Aquisição de 80 mil unidades de medicamentos (mercadorias) a prazo a $ Vide
5/12 abaixo
1,25 cada com o laboratório Achè para serem vendidos.
No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Tabela 3 - Ficha de Controle de Estoques (mercadorias).
Bem: Medicamentos.
Entradas (compras) Saídas (vendas) Saldo Mercs. vai para o balanço
Data Quant. C. Unit. V. Total Quant. C. Unit. V. Total Quant. C. Unit. V. Total
1/12 - - - - - - 0 0 0
5/12 _ _ _ ____ ____ - - - ____ ____ ____

O saldo da conta Mercadorias (acima) vai para o B/P.


Focus Ltda. – Balanço Patrimonial em 5/12/16 – Em $ Mil.
Aplicação de Recursos – Ativos $ Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros – há vencimento:
Mercadorias ___ _____________________ ___
Subtotal dos Bens (ativo) ___ Subtotal do Passivo ___
Direitos (valores a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:
__________________ ___ Capital Social 200
Subtotal dos Direitos (ativo) _ _ _ Subtotal do Patrimônio Líquido 200
Total do Ativo (bens + direitos) 300 Total do Passivo e Patrimônio Líquido ___

Observação:
Não se esqueça de copiar para o Balanço Patrimonial ATUAL (acima) de 5/12/16 as contas que não
tiveram movimentação, tendo por base o Balanço Patrimonial ANTERIOR e que no nosso caso é
1/12/16.
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
9

Continuação da página anterior.


Sugestão das CONTAS (Plano de Contas) a serem registradas no Balanço Patrimonial e DRE.

Tabela 2
Plano de Contas
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento (BCM) Fornecedores (medicamentos) Capital Social
Lucros ou
Mercadorias Financiamentos Bancários
(Prejs.) Acumulados
Contas a Pagar
Máquinas e Equipamentos;
(material de escritório)
Duplicatas a Receber

Bancos Conta Movimento = Conta Corrente da empresa; e


Duplicatas a Receber = Clientes (os dois nomes são aceitos).

Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em dezembro de 2016 $ Mil


10/12 Financiamento bancário para compra de Máquinas e Equipamentos. 50

Preencha as linhas tracejadas.

No fato acima a APLICAÇÃO é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _: a ORIGEM é: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

Focus Ltda. – Balanço Patrimonial em 10/12/16 – Em $ Mil.


Aplicação de Recursos – Ativos $ Passivos e Patrimônio Líquido $
Bens (coisas úteis): Passivo – Capitais de Terceiros:
Mercadorias 100 Fornecedores 100
________________ ___ __________________ ___

Subtotal dos Bens (ativo) _ _ _ Subtotal do Passivo ___

Direitos (valores a receber): Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio:


Bancos Conta Movimento 200 Capital Social 200

Subtotal dos Direitos (ativo) 200 Subtotal do Patrimônio Líquido 200

Total do Ativo (bens + direitos) _ _ _ Total do Passivo e Patrimônio Líquido 350

Observação:
Não se esqueça de copiar para o Balanço Patrimonial ATUAL (acima) de 10/12/16 as contas que não
tiveram movimentação, tendo por base o Balanço Patrimonial ANTERIOR e que no nosso caso é
5/12/16.

Pergunta-se:
Se o total do Passivo e Patrimônio Líquido é de $ 350, quanto será o total do Ativo? $ _ _ _ _ _

Gestão Contábil
10

RESUMO DO BALANÇO PATRIMONIAL.


Balanço (equilíbrio) Patrimonial (bens, direitos e origens: Capitais de Terceiros e Próprios).

$ 100 - Aplicações: $ 100 - Origens: Capital


Bens (B) + Direitos (D) de Terceiros e/ou Próprio.

O total do Ativo (aplicações de recursos) vai ser sempre igual ao total do Passivo e Patrimônio
Líquido (origens de recursos). Portanto, para cada ORIGEM tem-se uma APLICAÇÃO de
recursos.

Caso o total do Ativo de uma empresa fosse $ 100, o total do Passivo e Patrimônio Líquido
também seria igual a $ 100, pois para cada ORIGEM há uma APLICAÇÃO de recursos.

RESUMO DE ORIGEM E APLICAÇÃO DE RECURSOS:

BALANÇO PATRIMONIAL (B/P)


AUMENTO DE: ATIVO, PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO SÃO UMA:
APLICAÇÃO (ativo) ORIGEM (passivo) ORIGEM (patrimônio líquido)
Bancos Conta Movimento Fornecedores Capital Social
Financiamentos Lucros ou
Mercadorias Bancários (Prejs.) Acumulados
Equipamentos, Duplicatas a Receber Salários a Pagar Reservas Diversas

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO (DRE)


AUMENTO DE: RECEITA E DESPESA SÃO UMA:
ORIGEM (receita) APLICAÇÃO (despesa)
Receita de Serviços Custo do Serviço Prestado (CSP)
Receita de Mercadorias Custo da Mercadoria Vendida (CMV)
Receita de Aluguel Despesa com Aluguel
Receita de Aplicações Financeiras Despesa de Juros

Gestão Contábil
11

3) A ZHF Desenvolvimento Empresarial Ltda. iniciou suas atividades em 2016. Em


31/12/2016, foram constatados os seguintes saldos contábeis conforme tabela abaixo: (Capítulos
1 e 2)
OBSERVAÇÃO:
Não confundir contas patrimoniais (ativo, passivo e patrimônio líquido) com as contas de resultado
(receitas, custos e despesas) – DRE. Portanto, o exercício é sobre DRE e não Balanço Patrimonial.

Coloque um “X” na coluna apropriada quando a descrição (conta) em 2016 indicar Balanço
Patrimonial (B/P) ou Demonstração de Resultado (DRE) conforme modelo abaixo letra a.

Descrição (em 2016) $ Mil Balanço DRE


a) Capital Social 10 X
b) Receita de venda 100
c) Duplicatas a receber 40
d) Custo das mercadorias vendidas (despesa) 70
e) Contas a pagar 80
f) Despesa com salários 10
g) Fornecedores 20
h) Salários a pagar 10
Pede-se:
Com base na tabela acima preencha as linhas tracejadas, quando for o caso, da tabela abaixo,
(DRE) apurando o resultado pela sistemática do regime de competência. Evidencie também na
DRE abaixo o Lucro Bruto do período. (vide Slides 25 e 27).

Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Em $ Mil.


Descrição (2014) $ Mil
________________________________ ________
________________________________ ________
________________________________ ________
________________________________ ________
________________________________ ________
________________________________ ________
Lucro Líquido ________

4) Em 30 de abril de 2016 a empresa de serviços de usinagem Prime Ltda. recebeu uma proposta
de seu cliente Alpha Ltda. para a prestação de serviços. Este foi executado em 18 de maio de
2016. O valor acertado pelos serviços de usinagem foi de $ 100 mil e que foram pagos em 22 de
junho de 2016. Considerando o Regime de Competência, em que data o contador da empresa
Prime Ltda. reconheceu a Receita? (capítulo 2) – (vide os slides: 16, 19 e 20)

Resposta: A Receita foi reconhecida em: ____/____/2016.

Justifique a resposta acima nas linhas tracejadas abaixo.


__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

Gestão Contábil
12

5) Estruture a Demonstração do Resultado do Exercício da Cia. Titãs. (Capítulo 2)

a) A Receita Operacional Bruta de Vendas é de $ 18.000, os impostos incidentes sobre as vendas


são: IPI no valor $ 3.000 e ICMS no valor $ 2.700.

b) Os gastos (custo dos produtos vendidos - CPV) na fábrica foram:


Itens $
Matéria-Prima 1.450
Mão de Obra 1.950
Outros Custos de Fabricação 600
Total do Custo do Produto Vendido - CPV 4.000
c) Quanto às contas de resultado abaixo você deverá transportá-las para a DRE.
Foram gerados os seguintes gastos:
Itens – contas analíticas: Classificação: $
Propaganda, comissão de vendedores, fretes. Vendas (900)
Honorários dos diretores, aluguel do escritório. Administrativas (400)
Os juros incorridos e outras Despesas Financeiras. Despesas Financeiras (300)
As aplicações financeiras renderam juros – Receitas Financeiras. Receitas Financeiras 100
Total das Despesas Operacionais. (1.500)
d) Com base no lucro apurado até o momento, Resultado antes dos Tributos sobre o
Lucro(RATSL), a empresa calculou o Imposto de Renda de 15% $ _ _ _ _e Contribuição Social à
base de 9% $ _ _ _ .

e) Apenas os Administradores tiveram participação no lucro de $ 168.

Preencha as linhas tracejadas.


Cia. Titãs - Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) – Em 31/12/16.
Itens $ $
a) Receita (Venda) Operacional Bruta _____
a) (-) deduções:
IPI sobre vendas (_ _ _ _ _)
ICMS sobre vendas (_ _ _ _ _) (_ _ _ _ _)
(=) Receita (Venda) Operacional Líquida _____
b) Custo dos Produtos Vendidos - CPV (_ _ _ _ _)
(=) Lucro Bruto 8.300
c) (-) Despesas Operacionais:
De vendas (comerciais) (_ _ _ _ _)
Administrativas (_ _ _ _ _) (1.300)
(=) Resultado Antes das Despesas e Receitas Financeiras (RADRF) (*) = EBIT 7.000
Despesas Financeiras (_ _ _ _ _)
Receitas Financeiras _____ (_ _ _ _ _)
(=) Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro (RATSL) _____
d) (-) Imposto de Renda - 15% (faça o cálculo acima sobre o RATSL) (_ _ _ _ _)
(-) Contribuição Social - 9% (faça o cálculo acima sobre o RATSL) (_ _ _ _ _) (_ _ _ _ _)
(=) Resultado Líquido das Operações Continuadas (RLOC) _____
e) (-) Participações Estatutárias:
(-) Administradores (_ _ _ _ _)
(=) Lucro Líquido 5.000
(*) EBIT = Resultado (lucro ou prejuízo) antes dos Juros (despesas financeiras) e dos Impostos
(Imposto de Renda e Contribuição Social).

Gestão Contábil
13

Preencha as linhas tracejadas abaixo colocando o que está entre parênteses (balanço
patrimonial ou demonstração do resultado - DRE):

6) As contas patrimoniais (ativo, passivo e patrimônio líquido) figuram no (a) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _


_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _(balanço patrimonial ou demonstração do resultado - DRE), as
contas de resultado (receitas, custos e despesas) figuram no (a) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ (balanço patrimonial ou demonstração do resultado - DRE). (capítulos 01 e 02)

7) Com base na tabela abaixo coloque um “X” quando as contas (patrimoniais ou de


resultado) representarem benefícios econômicos futuros (Balanço Patrimonial - ativo) ou
benefícios econômicos imediatos (Demonstração do Resultado – custo e despesa), conforme
exemplo número 1 e 2 abaixo. (vide slide 30, itens 1 e 2) - (capítulos 01 e 02).
Benefício econômico:
Conta $ Mil Futuro Imediato
1) Mercadorias. 100 X
2) Despesas com salários. 30 X
3) Veículos. 40
4) Duplicatas a receber. 10
5) Despesas com comissões sobre vendas. 25
6) Máquinas e equipamentos industriais. 20
7) Obras de arte (Claude Monet). 15
8) Aplicações financeiras (principal). 13
9) Despesas com refeições. 5
10) Despesas com propaganda e publicidade. 35
11) Despesas com pesquisas. 30
12) Bancos conta movimento. 12
13) Terrenos. 50
14) Custo da mercadoria vendida. 55

8) A concessionária da Ford de Amparo/SP, NTDA Veículos Ltda. adquiriu da montadora Ford


um carro, New Fiesta Sedan 1.6, Flex, cor branca. O custo de aquisição do carro foi de $ 49.000
em julho de 2016.

O contador da NTDA vai registrar o carro como uma despesa (benefício econômico imediato) ou
ativo (benefício econômico futuro)? (vide slide 30, itens 1 e 2) - (capítulos 01 e 02).

Justifique sua resposta:

__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

Gestão Contábil
14

9) Elabore a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido da Cia. Titãs. (capítulo 3)


Cia. Titãs. – Balanço Patrimonial em 31/12/15.
Ativo $ Passivo e Patrimônio Líquido $
Ativo Circulante Passivo Circulante (giro rápido)
Caixa e Equivalentes de Caixa 22.000 Dividendos (dívida com o acionista) 6.000

Subtotal do Ativo Circulante 22.000 Subtotal Passivo Circulante 6.000


Ativo Não Circulante Patrimônio Líquido
Imobilizado Capital Social 22.000
Prédios 3.000 Reserva Legal 0
Máquinas e Equipamentos 4.000 Reservas Estatutárias 0
(-) Depreciação Acumulada (1.000) Lucros ou (Prejuízos) 0
Acumulados
Subtotal do Ativo Não Circulante 6.000 Subtotal do Patrimônio 22.000
Líquido
Total dos Ativos 28.000 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 28.000
OBSERVAÇÕES:
Em 2016 houve aumento de Capital (integralização/aporte) em dinheiro no valor de $ 3.000
efetuado pelos acionistas. Portanto este fato provoca alteração no Patrimônio Líquido da empresa.

A Cia. Titãs gerou lucro no exercício de 2016 de $ 5.000 (vide DRE - página 12).

Proposta de destinação do lucro de 2016:


a) 5% do lucro líquido serão destinados à Reserva Legal;
b) 10% do lucro líquido serão destinados às Reservas Estatutárias;
c) O saldo remanescente após a constituição das reservas será distribuído entre os acionistas.
Preenchimento das Reservas e dos Dividendos em 2016 - Cia. Titãs.
Itens: % de participação sobre o Lucro Líquido $
a) Lucro Líquido (DRE) 5.000
b) Reserva Legal 5 _____
c) Reservas Estatutárias 10 _____
d) Saldo remanescente: d= a (-) (b+c) _____
e) Dividendos a pagar: e = d Leia o item c da proposta de destinação do lucro _____

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL.


Cia. Titãs - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) em 31/12/2016.
Lucros
Capital Reserva Reservas
Patrimônio Líquido (Prejuízos) Total do PL
Social Legal Estatutárias
Acumulados
Saldo Inicial 31/12/2015 22.000 0 0 0 22.000
Aumento de Capital ______ ______
Lucro em 31/12/2016 5.000 ______
Destinação do Lucro:
Reserva Legal – 5% _____ (_ _ _ _ _ _) ______
Reservas Estatutárias – 10% _____ (_ _ _ _ _ _) ______
Dividendos (_ _ _ _ _ _) (_ _ _ _ _ _)
Saldo Final 31/12/2016 _____ ____ ____ ______ ______

Gestão Contábil
15

Continua na página anterior.

Gestão Contábil
16

Continuação da página anterior.


(capítulo 3)
Cia. Titãs – Balanço Patrimonial em 31/12/
Ativo 2016 2015 Passivo e Patrimônio Líquido 2016 2015
$ $ $ $
Ativo Circulante (AC) Passivo Circulante (PC)
Caixa e Equivalentes de Caixa 25.000 22.000 (*) Dividendos (acionista) 4.250 6.000
Subtotal do Ativo Circulante 25.000 22.000 Subtotal do Passivo Circulante 4.250 6.000
Ativo não Circulante (AÑC) Patrimônio Líquido (PL)
Imobilizado Capital Social 25.000 22.000
Prédios 3.000 3.000 Reserva Legal 250 0
Máquinas e Equipamentos 4.000 4.000 Reservas Estatutárias 500 0
(-) Depreciação Acumulada (2.000) (1.000) Lucros ou (Prejs.) Acumulados 0 0
Subtotal do Ativo Não Circulante 5.000 6.000 Subtotal do Patr. Líquido 25.750 22.000
Total do Ativo 30.000 28.000 Total do Passivo e PL 30.000 28.000
Os valores atribuídos aos grupos de contas do Ativo Circulante e do Ativo não Circulante foram aleatórios.
(*) dívida com os acionistas. Caso a empresa fosse uma LTDA. a conta a ser registrada no balanço
patrimonial (passivo circulante) poderia ter o nome de Distribuição de Lucros para os sócios.

Resumo da estrutura do Balanço Patrimonial em seus agrupamentos de contas.


Balanço Patrimonial:
PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO (ORIGEM/FONTE):
Todo aumento de uma conta de Passivo e Patrimônio Líquido é uma Origem de Recursos.
Grupo de Contas Giro Prazo Realização Contas – exemplos
Fornecedores, Salários a pagar,
Passivo Circulante (PC) Rápido Curto Até 12 meses
Empréstimos, Dividendos etc.
Passivo Não Circulante (PÑC) Lento Longo Acima 12 meses Financiamentos bancários etc.
Capital social, Lucros ou
Patrimônio Líquido (PL) Lento Longo Acima 12 meses
(Prejuízos) acumulados etc.
ATIVO (APLICAÇÃO):
Todo aumento de uma conta de Ativo é uma Aplicação de Recursos.
Grupo de Contas Giro Prazo Realização Contas – exemplos
Caixa e equivalentes de caixa,
Ativo Circulante (AC) Rápido Curto Até 12 meses
Estoques etc.
Ativo Não Circulante (longo prazo e acima de 12 meses). Subgrupos do Ativo Não Circulante:
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses a) Realizável a longo prazo:
Títulos a receber etc.
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses b) Investimentos: Obras de arte
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses c) Imobilizado:
Máquinas e equipamentos etc.
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses d) Intangível: Marcas e patentes

Assinale com um “X” a alternativa correta.

Gestão Contábil
17

Utilize a tabela da pagina anterior para a resolução dos exercícios de 10 a 17. (capítulo 4)

10) Para toda origem de recursos tem-se uma:

a) aplicação de recursos b) fonte de recursos

11) Para toda aplicação de recursos tem-se uma:

a) aplicação de recursos b) origem de recursos

12) Os grupos de contas do Ativo e Passivo Circulante são de:

a) giro lento, curto prazo e acima de 12 meses b) giro rápido, curto prazo e até 12 meses

13) Os grupos de contas Patrimônio Líquido e Passivo Não Circulante são de:

a) giro lento, longo prazo e acima de 12 meses b) giro rápido, longo prazo e até 12 meses

14) O grupo de conta Ativo Não Circulante é de:

a) giro lento, curto prazo e acima de 12 meses b) giro lento, longo prazo e acima de 12 meses

15) A Pandurata Alimentos Ltda. adquiriu um Forno industrial a ser utilizado em seu processo
de produção de panetones e colombas Bauducco. O forno é um ativo de:

a) giro lento, longo prazo e acima de 12 meses b) giro rápido, curto prazo e até 12 meses

16) O Hospital das Clínicas da UFMG adquiriu diversos aparelhos de Raios X, para serem
utilizados em sua atividade principal (core business). Estes aparelhos são um:

a) ativo de curto prazo b) ativo de longo prazo.

17) O posto Ipiranga adquiriu gasolina para ser revendida, portanto, a gasolina é um Ativo de:

a) curto prazo e até 12 meses b) ativo de longo prazo e acima de 12 meses

Gestão Contábil
18

18) Considerando os dados da empresa Nina S/A., relacione a coluna (A) com a (B),
preenchendo a coluna (C), usando as Siglas AC, ANC, PC, PÑC, PL, D, e R, conforme
exemplo, já preenchido (na coluna C). (Capítulos 2 e 4).

OBSERVAÇÕES:
Para o preenchimento da tabela abaixo utilize o Slide 25, 27 e 49.
1) Ao invés de escrevermos na Coluna “C” por exemplo, Ativo Não Circulante (por extenso)
escrevemos a SIGLA ANC como foi evidenciado no exemplo abaixo, conta patrimonial Terrenos
para futura expansão da fábrica.
2) Quando uma conta patrimonial, Ativo ou Passivo, for de LONGO PRAZO este fato deve ser
informado, caso em contrário, a conta patrimonial será considerada de CURTO PRAZO,
excetuando-se as contas do Ativo Fixo – Ativo Não Circulante.
3) Sempre usar a palavra Empresa na indicação de uma ação, p. ex., a empresa comprou, a
empresa pagou, a empresa obteve um empréstimo junto ao Banco FR etc., assim facilitará a
classificação.
Coluna “A”
Elementos Siglas
a. Ativo Circulante AC
b. Ativo não Circulante ANC
c. Passivo Circulante PC
d. Passivo não Circulante PNC
e. Patrimônio Líquido PL
f. Despesas D
g. Receitas R
Coluna “B” Coluna “C”
Componentes Patrimoniais e de Resultados Classificação
1) Terrenos para futura expansão da fábrica. ANC
2) Caixa e equivalentes de caixa. ____
3) Computadores para uso da administração. ____
4) Computadores para revenda. ____
5) Estoques de farinhas para produzir panetones. ____
6) Fornecedores (Bunge) de farinhas de trigo para a Bauducco. ____
7) Móveis e utensílios para uso. ____
8) Duplicatas a receber. ____
9) Empréstimos bancários (tomador - Nina). ____
10) Receita de venda de mercadorias. ____
11) Receita de prestação de serviços. ____
12) Lucros ou (Prejuízos) acumulados. ____
13) Aquisição de material de escritório para consumo imediato. ____
14) Aquisição de material de escritório de consumo não imediato. ____
15) Financiamentos de longo prazo. ____
16) Estoques de produtos acabados. ____
17) Estoques de produtos em processo. ____

Gestão Contábil
19

19) A empresa ABF Ltda. adquiriu uma Máquina Injetora em 01/10/2016 por $ 65.000, mais
frete $ 1.500 pagando tudo à vista, para ser utilizada em seu processo produtivo. Houve a
necessidade incorrer em custos de instalação à vista por $ 3.500.

A máquina ficou pronta para funcionamento em 01/10/2016.

Considere a vida útil estimada em 4 anos e com valor residual de $ 10.000. Calcule a
depreciação da máquina injetora até 31/12/2016. (Capítulo 5)
Preencha a tabela abaixo.

Bem a) $ b) $ c) $ Depreciável d) Cota de Depreciação (DRE e Balanço)


Custo Residual c = a (-) b
Injetora ______ _____ _______ CD = ? _________

Área destinada aos cálculos (regra de três simples):


Anos Meses
1 12
_ _ _ (vida útil) “X”
X=____
Cota de Depreciação = (Valor Depreciável / Quantidade de Meses) X Tempo de Utilização do Bem
(TUB)

CD = (60.000 / 48) X 3 meses (01/10 a 31/12/2016)


CD = $ _ _ _ _ _ _ _
Após o preenchimento da tabela acima preencha os Relatórios Contábeis abaixo.

ABF Ltda. - Demonstração do Resultado do Exercício - DRE – em 31/12/16 – $ Mil.


Receitas/Vendas Líquidas XXXXX
(-) Custo dos Produtos Vendidos (CPV): (XXX)
Mão de Obra + Energia Elétrica etc. (XX)
Depreciação da máquina injetora (_ _ _ _ _ _ _)
(=) Lucro Bruto XXX
(-) Despesas Operacionais: (comissão sobre vendas, aluguel etc.)
(=) Lucro Líquido XXXX
ABF Ltda. - Balanço Patrimonial em 31/12/2016 – $ Mil.
Conta 2015 Movimentação em 2016 2016
Ativo Não Circulante $ $ $
Imobilizado
Máquina Injetora 0 __________ ________
(-) Depreciação Acumulada (0) (_ _ _ _ _ _ _ _ _ _) (_ _ _ _ _ _ _ )

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
20

Continuação da página anterior.


PERGUNTA-SE:
Por que a cota de depreciação é alocada como Custos dos Produtos Vendidos (CPV) e não
como Despesas Operacionais? Justifique a pergunta tendo por base o slide 52 (abaixo).

RESPOSTA:
A máquina injetora é para ser utilizada no processo produtivo (uso) da empresa, ou seja, está
sendo utilizado com a finalidade de produzir algo na fábrica. Representa o consumo de bens e
da utilização de serviços na produção de outros bens e serviços.
O gasto (cota de depreciação) não é no escritório (administrativas e/ou com vendas), caso fosse
seria uma despesa, ou seja, consumo de bens e da utilização de serviços no processo de geração
de Receita. Portanto, a depreciação do bem faz parte do processo de fabricação.

Observações:
As definições abaixo estão em conformidade com o (*) CPC 27 – Imobilizado.
Depreciação é a alocação sistemática (coerente) do valor depreciável de um ativo ao longo de sua vida
útil.
Custo é o montante de caixa ou equivalentes de caixa pago ou o valor justo de qualquer outro recurso
dado para adquirir um ativo na data da sua aquisição ou construção.
Vida útil é:
a) O período de tempo durante o qual a entidade espera utilizar o ativo; ou
b) O número de unidades de produção ou de unidades semelhantes que a entidade espera obter pela
utilização do ativo.
Valor residual de um ativo é o valor estimado que a entidade obteria com a venda do ativo, após deduzir
as despesas estimadas de venda, caso o ativo já tivesse a idade e a condição esperadas para o fim de sua vida
útil.
Valor depreciável é o custo de um ativo menos o seu valor residual.
Valor contábil é o valor pelo qual um ativo é reconhecido após a dedução da depreciação e da perda
por redução ao valor recuperável acumulada.
(*) CPC = Comitê de Pronunciamentos Contábeis, tem como objetivo o estudo, o preparo e a
emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de Contabilidade.

Gestão Contábil
21

20) A empresa comercial, Fusion Ltda., apresenta os seguintes dados abaixo: Em 01/07/2016
foram adquiridos diversos Móveis e Utensílios (M & U) para o escritório (administração) da
empresa por $ 55.000, mais frete de $ 5.000, tudo pago à vista. O uso foi na mesma data da
aquisição.
Considere a vida útil estimada para este bem de 20 (vinte) anos. O valor residual estimado para
aquele bem é de $ 10.000. Calcule a depreciação dos móveis e utensílios até 31/12/16 (Capítulo 5)

Preencha a tabela abaixo tendo por base a data de encerramento dos relatórios contábeis.

Bem a) $ b) $ c) $ Depreciável d) Cota de Depreciação (DRE e Balanço)


Custo Residual c = a (-) b
M&U ______ _____ _______ CD = _ _ _ _ _ _ _ _ _

Área destinada aos cálculos (regra de três simples):


Anos Meses
1 12
_ _ _ (vida útil) “X”
X = _ _ _ _ (quantidade de meses)

Cota de Depreciação = (Valor Depreciável / Quantidade de Meses) X Tempo de Utilização do Bem (TUB)

CD = (_ _ _ _ _ _ _ / _ _ _ _ _ _ _) X TUB (01/_ _ _ a _ _ _ / _ _ _/2016)


(meses)

CD = $ _ _ _ _ _ _ _
Balanço Patrimonial (B/P)
Fusion Ltda. - Balanço Patrimonial em 31/12/2016 – Em $ Mil.
Conta 2015 Movimentação em 2016 2016
Ativo Não Circulante $ $ $
Imobilizado
Móveis e Utensílios (MUT) 0 __________ __________
(-) Depreciação Acumulada (0) (_ _ _ _ _ _ _ _) (_ _ _ _ _ _ _ _)

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
22

Continuação da página anterior.


PERGUNTA-SE:
Por que a cota de depreciação é alocada como Despesas Operacionais e não aos Custos das
Mercadorias Vendidas (CMV)? Justifique a pergunta utilizando o slide 52 (abaixo).
Resposta:

O slide abaixo (fluxos de caixa) será utilizado como referência para


elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Gestão Contábil
23

21) Elabore os Fluxos de Caixa (Cash Flows) modelo Direto da Cia. Jocara. (Capítulo 6)

Fato nº Fatos Contábeis – JOCARA - Em 2016 Em $ Mil (a) T


1 Recebimento de diversas vendas (receitas) à vista. 220 √
2 Despesas com publicidade pagas à vista. 40
3 Compras de mercadorias a prazo. 30
4 Aporte de capital em dinheiro efetuado pelos acionistas. 80
5 Compra de veículos à vista. 50
6 Apurou-se depreciação (fato econômico) ao longo do ano de 2016. 15
7 Pagamento dos Dividendos (remuneração ao acionista) de 2015. 20
8 Amortização (pagamento) de dívidas de longo prazo (PÑC). (bancos) 30
(a) T = TIQUE √ - (coloque o tique após o registro de cada operação)
Cia. Jocara – Balanço Patrimonial em 31/12/ – Em $ Mil.
2014 2015
Ativo Circulante $ $
Caixa e equivalentes de caixa 45 90

Cia. Jocara - Demonstrativo do Fluxo de Caixa - Modelo Simplificado em 31/12/2016.


Modelo Simplificado (*) O/I/F Fato $ Mil $ Mil
Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes de Caixa Preencha nº 90
Entradas (recebimentos): abaixo
Diversas vendas à vista O 1 220
__________________________ _____ ___ ____ ____
Saídas (pagamentos):
__________________________ _____ ___ ____
__________________________ _____ ___ ____
__________________________ _____ ___ ____
__________________________ _____ ___ ____ ____
Saldo Final de Caixa e Equivalentes de Caixa 250
(*) O= Operacional I= Investimento F = Financiamento

Fluxos de Caixa Modelo Direto.


Cia. Jocara – Fluxos de Caixa em 31/12/2016 – Em $ Mil.
Fato $
a) Atividades Operacionais: nº
Diversas vendas à vista 1 ___
____________________________ ___ ___
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades Operacionais ___
b) Atividades de Investimentos:
____________________________ 5 ___
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Investimentos ___
c) Atividades de Financiamentos:
____________________________ ___ ___
Dividendos de 2015 ___ ___
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (PÑC) ___ ___
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Financiamentos ___
(=) Aumento ou Diminuição Líquido ao Caixa e Equivalentes de Caixa (a+b+c) ___
(+) Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do período ___
(=) Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do período 2016 250
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
24

Continuação da página anterior.


OBSERVAÇÃO:
O fato contábil nº:
3, não entrou no fluxo de caixa por ser uma operação a prazo e não à vista;
6, não entrou no fluxo de caixa por ser um fato econômico e não financeiro.

=====================================================
Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Pergunta-se:
Ao reportar-se aos Fluxos de Caixa modelo Direto, da atividade de Investimento podemos
dizer que a empresa precisou adquirir os Veículos através de Empréstimos Bancários (atividade
de financiamento) e que normalmente são mais onerosos? A princípio o Caixa Operacional
deveria ser GERADO ou CONSUMIDO?

Respostas:
Não, pois não houve nenhuma captação de recursos de curto prazo (empréstimos bancários ou
duplicatas descontadas) decorrente da atividade de financiamento. Portanto, o Fluxo de Caixa
Operacional foi suficiente para suprir as necessidades básicas da empresa.

A princípio o Caixa Operacional deveria ser Gerado, ou seja, a diferença algébrica das entradas
deveriam ser maiores que as saídas de recursos financeiros.

Entretanto, não devemos esquecer que o Caixa Gerado deve ser robusto, pois o que adianta um
caixa gerado de $ 1,00?
===========================================================

Gestão Contábil
25

22) Elabore os Fluxos de Caixa modelo Direto do Hospital Infantil Sabará. (Capítulo 6)

Fato nº Fatos Contábeis – Hospital Infantil Sabará - em 2016 Em $ Mil (a) T


1 Recebimento de diversas vendas (receitas) à vista. 50 √
2 Despesas com brindes à vista. 20
3 Compras de medicamentos (mercadorias) a prazo. 10
4 Captação de empréstimos bancários (curto prazo) pelo hospital. 950
5 Compra de aparelhos de Raios X à vista. 900
6 Pagamento dos Dividendos (remuneração aos acionistas) de 2015. 30
7 Amortização (pagamento) de dívidas de longo prazo (PÑC) (bancos). 10
8 Apurou-se depreciação (fato econômico) ao longo do ano de 2016. 40
(a) T = TIQUE √ - (coloque o tique após o registro de cada operação)
Hospital Infantil Sabará – Balanço Patrimonial em 31/12/ - Em $ Mil.
Modelo Simplificado 2014 2015
Ativo Circulante $ $
Caixa e Equivalentes de Caixa 45 170
Hospital Inf. Sabará - Demonstrativo do Fluxo de Caixa – Modelo Simplificado em 31/12/2016.
Modelo Simplificado (*) O/I/F Fato nº $ Mil $ Mil
Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes de Caixa Preencha 170
Entradas (recebimentos): abaixo
_________________________ ___ ____ ____
_________________________ ___ ____ ____ ____
Saídas (pagamentos):
_________________________ ___ ____ ____
_________________________ ___ ____ ____
_________________________ ___ ____ ____
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (PÑC) ___ ____ ____ ____
Saldo Final de Caixa e Equivalentes de Caixa 210
(*) O= Operacional I= Investimento F= Financiamento
FLUXOS DE CAIXA MODELO DIRETO.
Hospital Infantil Sabará – Demonstração dos Fluxos de Caixa – Modelo Direto – 2016.
Fato Em $ Mil
a) Atividades Operacionais: nº
Vendas à vista 1 ____
______________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades Operacionais ____
b) Atividades de Investimentos:
______________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Investimentos ____
c) Atividades de Financiamentos:
______________________________________ ___ ____
______________________________________ ___ ____
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (PÑC) ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Financiamentos ____
(=) Aumento ou Diminuição Líquido ao Caixa e Equivalentes de Caixa (a + b + c) ____
(+) Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do período ____
(=) Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do período 2016 210
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
26

Continuação da página anterior.

Preencha as linhas tracejadas:


Ao reportar-se aos Fluxos de Caixa modelo Direto, da atividade de Financiamento podemos
dizer que a empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (captou ou não captou) Empréstimos Bancários de
curto prazo no valor de $ _ _ _ _ _, sendo estes recursos normalmente _ _ _ _ _ _ _ _ _ (mais ou
menos) onerosos.

Aqueles recursos de $ _ _ _ _, provenientes dos empréstimos bancários _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _


_ _ _ _ _ _ _ _ _ (foram ou não foram) utilizados para financiar aquisição dos aparelhos de Raios
X, de $ _ _ _ _, ou seja, _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) “quebra” de equilíbrio
financeiro ao financiar-se com recursos de curto prazo (empréstimos bancários) ativos de longo
prazo (lenta recuperação).

Portanto, observa-se que _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) má gestão dos Fluxos de Caixa.

============================================
OBSERVAÇÃO:
Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Gestão Contábil
27

Fluxos de Caixa Modelo Direto.


Hospital Infantil Sabará – Demonstração dos Fluxos de Caixa – Modelo Direto – 2016.
Fato Em $ Mil
a) Atividades Operacionais: nº
Recebimento de diversas vendas 1 50
Despesas com brindes 2 (20)
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades Operacionais 30
b) Atividades de Investimentos:
Aquisição de aparelhos de Raios X 5 (900)
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Investimentos (900)
c) Atividades de Financiamentos:
Empréstimos bancários 4 950
Dividendos de 2015 6 (30)
Amortização de dívidas de longo prazo (PÑC) 7 (10)
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Financiamentos 910
(=) Aumento ou Diminuição Líquido ao Caixa e Equivalentes de Caixa (a + b + c) 40
(+) Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do período 170
(=) Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do período 2016 210

Gestão Contábil
28

Resumo da Estrutura Financeira Gerencial – Parte 1.


TODO ATIVO É UMA APLICAÇÃO DE RECURSOS:
Ativo Circulante Financeiro (ACF) – Curto Prazo
Caixa, Banco, Aplicações Financeiras etc.

Ativo Circulante (AC)- CP APLICAÇÃO


Aplicação - CP até 12 meses
Ativo Circulante Operacional (ACO) – Curto Prazo
Duplicatas a Receber, Estoques etc.

Realizável a Longo Prazo – Longo Prazo


Empréstimos a Coligadas etc.

Investimento – Longo Prazo


Ações de Outras Cias., Obras de Arte etc.

Ativo Não Circulante (AÑC) – LP APLICAÇÃO

Aplicação – LP acima de 12 meses


Imobilizado – Longo Prazo
Máquinas, Equipamentos, Prédios etc.

Intangível – Longo Prazo


Marcas e Patentes, Direitos Autorais etc.

Passivo Circulante Financeiro (PCF) – Curto Prazo


Empréstimos Bancários, Desconto Duplicatas etc.

Passivo Circulante (PC) - CP ORIGEM


Origem – CP – até 12 meses
Passivo Circulante Operacional (PCO) – Curto Prazo
Fornecedores, Salários a Pagar etc.

TODO PASSIVO E PL (PP) É UMA ORIGEM DE RECUROS:

Passivo Não Circulante (PÑC) - LP


Origem – LP – acima de 12 meses

Empréstimos de L. Prazo (BNDES), Debêntures etc. PP


Passivo Permanente (PP) – LP
(PP = PÑC + PL)

Patrimônio Líquido (PL) ou Capital Próprio (CP) – LP ORIGEM


Origem – LP – acima de 12 meses

Capital Social, Reservas, Lucros ou (Prejuízos) Acumulados etc.

=====================================================
Resumo Parte 2.
O Capital de Giro (CDG) positivo é o montante de recursos que a empresa possui para pode
movimentar (girar) a sua atividade operacional (negócios).

A Necessidade de Capital de Giro (NCG) positiva representa o quanto efetivamente à empresa


necessitará para o giro dos negócios.

Gestão Contábil
29

ÍNDICES DINÂMICOS.

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO – Administração de Capital de Giro (Michel Fleuriet)

Para a resolução dos exercícios abaixo utilize o Slide nº 72.

23) Correlacione às contas de Ativo descritas na segunda coluna abaixo (à direita) com os Grupos
de Contas de Ativo Circulante Financeiro (ACF) ou Ativo Circulante Operacional (ACO)
(primeira coluna). (Capítulo 7)

(1ª) - Primeira Coluna Classificação dos (2ª) - Segunda Coluna


Sigla Grupos de Contas Grupos de Contas Contas de Ativo
ACF Ativo Circulante Financeiro ACF Aplicações financeiras
ACO Ativo Circulante Operacional ___ Caixa e equivalentes de caixa
___ Estoques
___ Bancos conta movimento
___ Duplicatas a receber

24) Correlacione às contas de Passivo descritas na segunda coluna abaixo (à direita) com os
Grupos de Contas do Passivo Circulante Financeiro (PCF) ou Passivo Circulante Operacional
(primeira coluna) (PCO). (Capítulo 7)

(1ª) - Primeira Coluna Classificação dos (2ª) - Segunda Coluna


Sigla Grupos de Contas Grupos de Contas Contas de Passivo
PCF Passivo Circulante Financeiro ___ Empréstimos bancários
PCO Passivo Circulante Operacional ___ Fornecedores
___ Salários a pagar
Impostos a pagar sobre vendas
PCO – ICMS e IPI

Gestão Contábil
30

1ª Parte
Indústria Têxtil Supramati Ltda.
Administração de Capital de
Giro - Índices Dinâmicos
(Modelo: Michel Fleuriet).

Gestão Contábil
31

Exercício 25 – Supramati Ltda. Avaliação Financeira e Econômica através de Índices.

(CAPÍTULO 7)

BALANÇO PATRIMONIAL – Em 31/12/ - R$.

(*) Conforme Comitê de Pronunciamento Contábil (CPC nº 30) – Instrumentos


Financeiros.

Quanto à classificação das contas, exemplo, Duplicatas Descontadas deve


prevalecer à essência sobre a forma, sendo assim a conta mencionada não é
mais uma redutora da conta Duplicatas a Receber e sim uma obrigação presente,
pois há uma exigibilidade.

Geralmente esta fonte de recurso de curto prazo é muito onerosa (cara).

ATIVO 2010 2011 2012


Ativo Circulante $ $ $
Caixa e equivalentes de caixa 210.000 134.500 109.340
Duplicatas a receber 1.342.600 1.409.000 1.920.550
Estoques 964.600 1.304.500 1.655.010
Total do Ativo Circulante 2.517.200 2.848.000 3.684.900
Ativo Não Circulante
Investimentos – obras de arte 92.400 196.000 286.130
Imobilizado – máquinas e equipamentos 890.400 1.904.500 3.016.080
Intangível – marcas e patentes 0 51.500 112.890
Total do Ativo Não Circulante 982.800 2.152.000 3.415.100
TOTAL DO ATIVO 3.500.000 5.000.000 7.100.000
PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2 2010 2011 2012
Passivo Circulante
Fornecedores 909.650 802.000 864.780
Salários a pagar 353.850 363.500 544.570
Empréstimos bancários 85.050 104.500 198.800
Duplicatas descontadas (*) 373.100 494.500 849.870
Total do Passivo Circulante 1.721.650 1.764.500 2.458.020
Passivo Não Circulante
Empréstimos 403.550 995.000 1.876.530
Financiamentos 0 474.500 670.950

Gestão Contábil
32

Total do Não Circulante 403.550 1.469.500 2.547.480


Patrimônio Líquido
Capital social 843.500 1.498.000 1.696.190
Lucros ou (Prejuízos) acumulados 531.300 268.000 398.310
Total do Patrimônio Líquido 1.374.800 1.766.000 2.094.500
TOTAL PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3.500.000 5.000.000 7.100.000

Gestão Contábil
33

Exercício 25 – Supramati Ltda. Avaliação Financeira e Econômica através de Índices.

(CAPÍTULO 7)

Demonstração do Resultado – DRE.

Indústria Têxtil Supramati – Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Em R$.


2010 2011 2012
Receita ou Venda bruta de vendas 7.500.000 7.700.000 9.977.660
(-) Devoluções e abatimentos 187.500 203.360 274.882

Receitas Realizadas / Vendas Realizadas 7.312.500 7.496.640 9.702.778

(-) Impostos Incidentes sobre vendas 1.358.250 1.984.132 2.415.085


(=) Receitas ou Vendas Líquidas 5.954.250 5.512.508 7.287.693
(-) Custo dos produtos vendidos - CPV 4.443.000 4.016.028 5.175.455
(=) Lucro bruto 1.511.250 1.496.480 2.112.238
(-) Despesas Operacionais:
De vendas 365.500 302.175 380.922
Administrativas 263.500 222.000 237.000
Outras receitas (despesas) operacionais 11.500 20.695 40.000
Resultado Antes das Despesas e Receitas Financeiras (RADRF) 893.750 993.000 1.534.316

Despesas Financeiras - JUROS 348.750 555.000 1.082.028


Receitas financeiras 13.500 9.500 7.500
Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro (RATSL) 558.500 447.500 459.788
(-) Imposto de renda e contribuição social 258.500 222.500 236.788
Resultado Líquido das Operações Continuadas (RLOC) 300.000 225.000 223.000

Lucro Líquido 300.000 225.000 223.000

OBSERVAÇÕES:
Os termos Receitas ou Vendas têm o mesmo sentido, ou seja, usar o termo Receitas
Líquidas de $ 100 é o mesmo que dizer Vendas Líquidas de $ 100.

Outras receitas (despesas) operacionais 11.500 20.695 40.000

Os valores acima (11.500, 20.695 e 40.000) e que estão na DRE acima são para serem somados,
pois representa uma RECEITA, caso em contrário o Resultado Antes das Despesas e Receitas
Financeiras vai dar outros valores. Atentem pelo fato que a palavra despesas está entre
parênteses, como os números não estão negativos devemos então somar e não subtrair.

Gestão Contábil
34

25) Exercício de Avaliação Financeira e Econômica através de Índices.

Administração de Capital de Giro (Michel Fleuriet) – Dinâmica das Empresas.


A classificação conforme modelo Fleuriet já está ELABORADA. Na PROVA, a
classificação virá PRONTA. (CAPÍTULO 7)

Balanço Patrimonial – Indústria Têxtil Supramati – Em R$.


Balanço Patrimonial (Estrutura Financeira) - 31/12/
Ativo Legenda 2010 2011 2012
ATIVO CIRCULANTE FINANCEIRO ACF - CP 210.000 134.500 109.340
Caixa e equivalentes de caixa 210.000 134.500 109.340
ATIVO CIRCULANTE OPERACIONAL ACO - CP 2.307.200 2.713.500 3.575.560
Duplicatas a receber 1.342.600 1.409.000 1.920.550
Estoques 964.600 1.304.500 1.655.010
ATIVO NÃO CIRCULANTE AÑC - LP 982.800 2.152.000 3.415.100
Investimentos - obras de arte 92.400 196.000 286.130
Imobilizado - máquinas 890.400 1.904.500 3.016.080
Intangível – marcas e patentes 0 51.500 112.890
Total do Ativo 3.500.000 5.000.000 7.100.000

Passivo e Passivo Permanente Legenda 2010 2011 2012


PASSIVO CIRCULANTE FINANCEIRO PCF - CP 458.150 599.000 1.048.670
Empréstimos bancários 85.050 104.500 198.800
Duplicatas descontadas 373.100 494.500 849.870
PASSIVO CIRCULANTE OPERACIONAL PCO - CP 1.263.500 1.165.500 1.409.350
Fornecedores 909.650 802.000 864.780
Salários a pagar 353.850 363.500 544.570
PASSIVO PERMANENTE (PÑC + PL) PP - LP 1.778.350 3.235.500 4.641.980
Empréstimos 403.550 995.000 1.876.530
Financiamentos 0 474.500 670.950
Capital social 843.500 1.498.000 1.696.190
Lucros ou (Prejuízos) acumulados 531.300 268.000 398.310
Total do Passivo e Passivo Permanente 3.500.000 5.000.000 7.100.000

Gestão Contábil
35

Ativo Circ. Financeiro (ACF) + Ativo Circ. Operacional (ACO) = Ativo Circulante;
Passivo Circ. Financeiro (PCF) + Passivo Circ. Operacional (PCO) = Passivo Circulante.

ACF - CP Ativo Circulante Financeiro de Curto Prazo.


ACO – CP Ativo Circulante Operacional de Curto Prazo.
Ativo Não Circulante = Realizável a Longo Prazo + Investimento + Imobilizado +
AÑC - LP
Intangível (Longo Prazo).
PCF – CP Passivo Circulante financeiro de Curto Prazo.
PCO – CP Passivo Circulante Operacional de Curto Prazo.
PP - LP Passivo Permanente = Passivo Não Circulante + Patrimônio Líquido de Longo Prazo.

A SUPRAMATI NÃO TEM O SUBGRUPO DO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO.

Gestão Contábil
36

O que é módulo ou valor absoluto?


O conceito de módulo ou valor absoluto também será utilizado na técnica da análise
horizontal e vertical.

Calculando o módulo

Chamamos a distância de um ponto da reta à origem (distância do ponto até o


zero) de módulo ou valor absoluto.

Assim, a distância do ponto 4 à origem é 4. Dizemos que o módulo de 4 é igual a


4. E representamos da seguinte forma:

|4| = 4

Da mesma forma, a distância do ponto -2 à origem é 2, ou seja, o módulo de -2 é


2, pois não há muito sentido em considerarmos distâncias negativas. Assim
consideramos para este exemplo:

|-2| = 2

Vamos dar um exemplo considerando conceito de


Análise – Administração de Capital de Giro.

Vamos supor um Saldo de Tesouraria Negativo (ST) = (100.000) ou Saldo de


Tesouraria (positivo) (ST) 90.000. Em módulo ou valor absoluto, qual é o maior entre
os Saldos de Tesouraria (ST)?

Resposta: O maior saldo em módulo é o ST = 100.000.

Gestão Contábil
37

INDICADORES DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FINANCEIRA CONTÁBIL.


INDÚSTRIA TÊXTIL SUPRAMATI LTDA. – Em R$.
INDICADORES/VARIÁVEIS FÓRMULAS 31/12/10 31/12/11 31/12/12
Necessidade de Capital de Giro NCG = ACO (-) PCO 1.043.700 1.548.000 2.166.210
Capital de Giro – visão estratégica CDG = PP (-) AÑC 795.550 1.083.500 1.226.880
Saldo de Tesouraria ST = ACF (-) PCF (248.150) (464.500) (939.330)
Estrutura Financeira Contábil – Indústria Têxtil Supramati Ltda. Dados extraídos do Balanço
Patrimonial (estrutura financeira) da página 32.

2010 2011 2012

10

2010 2010

LEIA ABAIXO COM O MÁXIMO DE ATENÇÃO POSSÍVEL.

Quanto ao Saldo de Tesouraria Negativo (origem) pode-se trabalhar em módulo, ou seja, com valor
positivo para a compreensão da Estrutura Financeira Contábil acima.
Nos três anos (2010, 2011 e 2012) a Necessidade de Capital de Giro (NCG) – aplicação - foi financiada, por
uma parte pelo Saldo de Tesouraria - origem e a outra parte pelo CDG - origem.
A Necessidade de Capital de Giro (NCG) nos três anos (2010, 2011 e 2012) foi financiada por duas
ORIGENS, sendo estas origens o Capital de Giro (CDG) e o Saldo de Tesouraria (ST).

Gestão Contábil
38

Indústria Têxtil SUPRAMATI Ltda.

EFEITO TESOURA:

3.000.000
2.500.000

2.000.000 CDG
Aplicação ST (origem)
1.500.000 NCG

1.000.000 ST
Origem
500.000

0
2010 2011 2012

CDG = Capital de Giro – Origem de Longo Prazo;


NCG = Necessidade de Capital de Giro – Aplicação de Curto Prazo;
ST = Saldo de Tesouraria – Origem de Curto Prazo.

Quanto ao desenho da tesoura é simplesmente um efeito visual, o que importa neste


caso é que as pontas da tesoura estão cada vez mais se distanciando.

ST = Saldo de Tesouraria
CDG = CCL – Em valores numéricos.
ST = CDG (-) NCG
Quando o CDG não consegue financiar a NCG a empresa geralmente busca
financiar através do ST, ou seja, com recursos mais onerosos (passivo
oneroso), por exemplo, os bancos. No caso da Supramati a empresa caminha a
passos largos para insolvência, ou seja, EFEITO TESOURA.

Gestão Contábil
39

Indústria Têxtil Supramati Ltda.


NTFP = É o montante mínimo no qual o passivo permanente PP (PÑC + PL) deve financiar o
ativo não circulante AÑC (RLP + Inv. + Imob. + Int.) e a necessidade de capital de giro (NCG),
sem que precise obter de recursos de curto prazo que geralmente são mais onerosos – bancos.
Quando o PP é menor que a NTFP (AÑC + NCG) a empresa utiliza-se de Tesouraria Negativa.

Para um bom equilíbrio financeiro, os recursos do Passivo Permanente (PP) de longo prazo deveriam
financiar ANTES o Ativo Não Circulante (AÑC) de longo prazo (exemplo, máquinas) e caso sobre
algum recurso do Passivo Permanente (PP), este irá financiar a Necessidade de Capital de Giro (NCG).

O PP de 10 de $ 1.778.350 teria que: 1º Financiar - AÑC 2º Financiar - NCG

Origem de recurso - LP NTFP = AÑC + NCG

Em análise, para um bom equilíbrio econômico-financeiro, o ideal é:

Financiasse
PP (PÑC + PL) AÑC + NCG = NTFP
AÑC = Aplicação de recursos de Longo Prazo;
NCG = (ACO – PCO) = Aplicação de recursos de Curto Prazo.
ANO PP (PÑC+PL) AÑC (+) NCG = NTFP ST = PP -
NTFP
2010 1.778.350 982.800 1.043.700 2.026.500 (248.150)
2011 3.235.500 2.152.000 1.548.000 3.700.000 (464.500)
2012 4.641.980 3.415.100 2.166.210 5.581.310 (939.330)
LEIA O RESUMO ABAIXO:
O Passivo Permanente (PP) de $ 1.778.350 conseguiu financiar todo o Ativo Não Circulante
(AÑC) de $ 982.800, restando ainda um saldo de $ 795.550 (1.778.350 – 982.800), que é
considerado o Capital de Giro (CDG), ou seja, excedente de recursos de longo prazo PP.
O CDG de $ 795.550 (saldo remanescente de longo prazo - PP) foi utilizado para financiar parte
da NCG de $ 1.043.700, havendo ainda um saldo de $ 248.150 (1.043.700 – 795.550) para
financiar a Necessidade de Capital de Giro (NCG).

Verifica-se na última coluna ST = PP – NTFP de cada ano é justamente o valor que se precisou
para financiar a NCG através de recursos mais onerosos, Empréstimos Bancários e Desconto de
Duplicatas.

CONCLUSÃO:
Como o PP não conseguiu financiar a NTFP, a empresa Supramati precisou financiar esta
diferença de cada ano através da Tesouraria, que se apresentou como um recurso mais oneroso.

Gestão Contábil
40

Indústria Têxtil SUPRAMATI Ltda.


Administração de Capital de Giro – Análise Dinâmica (Michel Fleuriet).
Resumo.
A Necessidade de Capital de Giro teve um crescimento de 107,55% de 2010 para 2012

(Variação % da NCG de 2010 para 2012). Entre as fontes de financiamento do giro destacou-se o uso do

Passivo Financeiro, que cresceu 128,89% (AH%) no período, fazendo com que o Saldo de Tesouraria

(ST) (Saldo Tesouraria = Ativo Circulante Financeiro (–) Passivo Circulante Financeiro) aumentasse a

sua participação no financiamento da NCG de 23,78% para 43,36% [(Saldo Tesouraria / NCG) * 100].

Isso ocorreu apesar do excepcional crescimento do Passivo Não Circulante de 531,27% (AH%).

Os recursos do Passivo Não Circulante financiaram a elevada expansão das imobilizações que,

chegaram a 247,49% (AH% do Total do Ativo Não Circulante).

O Capital de Giro Próprio, que em 2010 cobria a apreciável parcela de 37,56% da Necessidade de

Capital de Giro [(CGP em $ / NCG) * 100], passou para a taxa negativa de 60,96% em 2012.

Dessa forma, o Passivo Não Circulante foi duplamente requisitado: para cobrir a

elevada expansão do Ativo Não Circulante e manter a participação do Capital Circulante Líquido no

financiamento do Giro Comercial. Conseguiu que o Capital Circulante Líquido não tivesse uma queda

muito acentuada, de 76,22% para 56,64% no financiamento do giro (CCL / NCG), mas não impediu que

o grau de endividamento subisse violentamente nesse período.

A Necessidade Total de Financiamento Permanente (NTFP) é o recurso mínimo que deveria financiar

todo Ativo Não Circulante (RLP + Inv. + Imob. + Intang.) mais a Necessidade de Capital de Giro

(NCG), na Supramati todo o recurso de longo prazo (PÑC + PL) consegue financiar o Ativo Não

Circulante, porém, somente parte da NCG, ela está sendo financiada ao longo dos anos através de

recursos de curto prazo e, que estão impactando no resultado da empresa desfavoravelmente, haja vista

as despesas financeiras estão bem elevadas principalmente no ano 2011, que obteve uma variação

percentual (AH%) de 210,26% enquanto a Receita Líquida neste mesmo período teve uma variação

percentual de apenas 22,39% - análise horizontal.

Diante do exposto observa-se que a utilização do saldo de tesouraria foi usada para financiar parte da

NCG ao longo dos três últimos anos, provocando assim uma queda na rentabilidade da empresa.

Gestão Contábil
41

Resumo da Estrutura Financeira Gerencial – Parte 1.


TODO ATIVO É UMA APLICAÇÃO DE RECURSOS:
Ativo Circulante Financeiro (ACF) – Curto Prazo
Caixa, Banco, Aplicações Financeiras etc.

Ativo Circulante (AC)- CP APLICAÇÃO


Aplicação - CP até 12 meses
Ativo Circulante Operacional (ACO) – Curto Prazo
Duplicatas a Receber, Estoques etc.

Realizável a Longo Prazo – Longo Prazo


Empréstimos a Coligadas etc.

Investimento – Longo Prazo


Ações de Outras Cias., Obras de Arte etc.

Ativo Não Circulante (AÑC) – LP APLICAÇÃO

Aplicação – LP acima de 12 meses


Imobilizado – Longo Prazo
Máquinas, Equipamentos, Prédios etc.

Intangível – Longo Prazo


Marcas e Patentes, Direitos Autorais etc.

Passivo Circulante Financeiro (PCF) – Curto Prazo


Empréstimos Bancários, Desconto Duplicatas etc.

Passivo Circulante (PC) - CP ORIGEM


Origem – CP – até 12 meses
Passivo Circulante Operacional (PCO) – Curto Prazo
Fornecedores, Salários a Pagar etc.

TODO PASSIVO E PL (PP) É UMA ORIGEM DE RECUROS:

Passivo Não Circulante (PÑC) - LP


Origem – LP – acima de 12 meses

Empréstimos de L. Prazo (BNDES), Debêntures etc. PP


Passivo Permanente (PP) – LP
(PP = PÑC + PL)

Patrimônio Líquido (PL) ou Capital Próprio (CP) – LP ORIGEM


Origem – LP – acima de 12 meses

Capital Social, Reservas, Lucros ou (Prejuízos) Acumulados etc.


=====================================================
Resumo Parte 2.
O Capital de Giro (CDG) positivo é o montante de recursos que a empresa possui para pode
movimentar (girar) a sua atividade operacional (negócios).

A Necessidade de Capital de Giro (NCG) positiva representa o quanto efetivamente à empresa


necessitará para o giro dos negócios.

Gestão Contábil
42

ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA CORRETA.

Para responder os testes abaixo, sugere-se olhar o SLIDE 75.


26) A fórmula matemática, Ativo Circulante Operacional (ACO) MENOS o Passivo Circulante
Operacional (PCO) representa qual variável: o (a) Saldo de Tesouraria (ST) ou Necessidade de
Capital de Giro (NCG)? (capítulo 7)
X =ACO (-) PCO: X = ST ou NCG?

( ) a) Saldo de Tesouraria (ST) ( ) b) Necessidade de Capital de Giro (NCG)

27) A fórmula matemática, Ativo Circulante Financeiro (ACF) MENOS Passivo Circulante
Financeiro (PCF) representa qual variável: o (a) ST ou NCG? (capítulo 7)
X = ACF (-) PCF: X = ST ou NCG?

( ) a) Saldo de Tesouraria (ST) ( ) b) Necessidade de Capital de Giro (NCG)

28) A fórmula matemática, Passivo Permanente (PP) MENOS Ativo Não Circulante (AÑC)
representa a (o) NCG ou CDG? (capítulo 7)

Passivo Permanente (PP) = Passivo Não Circulante (PÑC) + Patrimônio Líquido (PL)

X = PP (-) AÑC: X = NCG ou CDG?

( ) a) Necessidade de Capital de Giro (NCG) ( ) b) Capital de Giro (CDG)

29) As variáveis: ST, NCG e CDG podem ser matematicamente: (capítulo 7 e Slide 67)

( ) a) somente negativas ( ) b) somente positivas

( ) c) tanto negativas quanto positivas, pois variam em função das variáveis (proporcionalidades)

30) Considerando o ACF = $ 40 e o PCF = $ 10, o Saldo de Tesouraria (ST) é igual a: (capítulo 7)

LEMBRETE:

A representação entre parênteses ( ), significa negativo.


ST = ACF (-) PCF

ST = _ _ _ _ (-) _ _ _ _

ST = _ _ _ _ (margem de segurança)

( ) a) $ 30 ( ) b) ($ 20)

Gestão Contábil
43

31) Considerando o PP = $ 30 e o AÑC = $ 100, o Capital de Giro (CDG) é igual a: (capítulo 7)


CDG = PP (-) AÑC – Respeite o sinal matemático.
CDG = _ _ _ _ (-) _ _ _ _
CDG = _ _ _ _ _ (não há capital de giro quando o valor for negativo)

( ) a) $ 50 ( ) b) ($ 70)

32) Considerando o ACO = $ 40 e o PCO = $ 120, a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é igual a:
NCG = ACO (-) PCO (Capítulo 7)

NCG = _ _ _ _ (-) _ _ _ _
NCG = _ _ _ _ (não há necessidade de capital de giro negativa, portanto há sobra para o giro)
( ) a) $ 20 ( ) b) ($ 80)
Quanto aos testes de 28 a 31 observe o lado, direito ou esquerdo, no qual se encontram as
variáveis/indicadores NCG, CDG e ST para responder se é uma APLICAÇÃO – ativo ou
ORIGEM – passivo e patrimônio líquido – de recursos. Veja no Balanço Patrimonial.
33) Quando a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é positiva (ACO > PCO), este fato representa
uma: (Capítulo 7)
Ativo (aplicação) Passivo e Patrimônio Líquido (origem)

ACO = $ 40 PCO = $ 30
$ 10 - NCG
$ 30 $ 30

( ) a) Aplicação (há necessidade recursos para o giro) ( ) b Origem (não há necessidade para o giro)
34) Quando o Capital de Giro (CDG) é negativo, (AÑC > PP) este fato representa uma: (cap. 7)
Ativo Passivo e Patrimônio Líquido
AÑC = $ 75 PP = $ 45
($ 30) - CDG

$ 45 $ 45
( ) a) Aplicação (não há capital de giro) ( ) b) Origem (há capital de giro – sobra)
35) Quando a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é negativa, (ACO < PCO) este fato representa
uma: (capítulo 7)
Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

ACO = $ 15 PCO = $ 25

($ 10) - NCG

$ 15 $ 15
( ) a) Aplicação (há necessidade recursos para o giro) ( ) b Origem (não há necessidade para o giro)
Os testes continuam na próxima página.

Gestão Contábil
44

36) Quando o Capital de Giro (CDG) é positivo, (AÑC < PP) este fato representa uma: (capítulo 7)
Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

AÑC = $ 15 PP = $ 20

$ 5 - CDG

$ 15 $ 15

( ) a) Aplicação (não há capital de giro) ( ) b) Origem (há capital de giro – sobra)

OBSERVAÇÕES:

Resumo das variáveis/indicadores financeiros:

ST, NCG e CDG quando são Origens ou Aplicações de Recursos.

Balanço Patrimonial
Ativo - Aplicação Passivo e Patrimônio Líquido – Origem/Fonte
ST (como aplicação) – disponibilidades recursos. ST (como origem) - desequilíbrio financeiro.
(positivo) (negativo)
NCG (como aplicação) – há necessidade recursos. NCG (como origem) – há sobra de recursos
(positiva) para o giro, portanto não há NCG.
CDG (como aplicação) – não há CDG. (negativo) CDG (como origem) – há capital de giro. (positivo)

“ST” como aplicação = disponibilidades de recursos financeiros, Margem de Segurança.

Gestão Contábil
45

37) Com os dados da tabela abaixo elabore a Estrutura Financeira Contábil da empresa Ladel Ltda.
em 31/12/2011, não se esqueça de fazer as setas indicativas ( ) daquela estrutura, sempre
informando da ORIGEM PARA APLICAÇÃO de recursos. (capítulo 7)

ANTES de elaborar a Representação Gráfica, faça os cálculos das variáveis NCG e CDG, abaixo.

Itens $ Itens $ Calcule os indicadores ST, NCG e o CDG.


ST = NCG = CDG =
Aplicação Origem ACF (-) PCF ACO (-) PCO PP (-) AÑC

ACF 80 PCF 50 30 = (80 (-) 50)


ACO 40 PCO 60 ( )
AÑC 20 PP 30 ________
Total 140 140
Elabore a Estrutura Financeira Contábil tendo por base os dados da tabela acima. Utilize o modelo
abaixo do ACF e PCF para as demais variáveis. Não se esqueça de colocar as variáveis/indicadores
(ST, NCG e CDG) mensuradas na tabela acima na estrutura abaixo, bem como as setas indicativas da
ORIGEM ( ) para a APLICAÇÃO de recursos. Trabalhe na FUNÇÃO MÓDULO.

Há margem de Quais origens


segurança (ms) de $ 30 financiaram a (ms)?

PCO = _ _ _
ACO = _ _ _

Não há
NCG

PP = _ _ _
AÑC = _ _ _
Há CDG

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
46

Continuação da página anterior.

Com base na Estrutura Financeira e Contábil da empresa Ladel Ltda. responda abaixo:

a) A Necessidade de Capital de Giro (NCG), Capital de Giro (CDG) e o Saldo de


Tesouraria (ST) são uma ORIGEM ou APLICAÇÃO de recursos?

Para responder a pergunta acima, faça na tabela abaixo.

Observação:
Não há necessidade de colocar se as grandezas/variáveis/indicadores (NCG, CDG ou
ST) sendo negativa nas respostas abaixo, ou seja, caso o Saldo de Tesouraria (ST) seja
uma origem de recursos à evidenciação desse recurso estaria do lado direito da Estrutura
Financeira Contábil, portanto representaria matematicamente com o sinal negativo, pois o
Passivo Circulante Financeiro (PCF) seria maior que o Ativo Circulante Financeiro
(ACF), ou seja, (ACF) – (PCF). Portanto a resposta poderá ser em módulo (positivo).

Coloque um “X” quando as variáveis (NCG, CDG e ST) da tabela abaixo representarem
uma Origem ou Aplicação e na sequência indique os valores monetários daquelas
variáveis. Observe o exemplo abaixo da variável NCG (necessidade de capital de giro).

Indicadores/Variáveis Aplicação Origem $


NCG X 20
CDG ____
ST ____

b) Quem financiou o Saldo de Tesouraria (ST) de $ 30 (margem de segurança)?

Dica:
Quem financiou foi uma das variáveis: NCG e/ou CDG (vide página anterior).

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (preencha primeiro a tabela abaixo antes da resposta solicitada)

Preencha a tabela abaixo para responder a alternativa acima (b).

2011
Indicadores/Variáveis: (NCG, CDG ou ST) $
______________ ____
______________ ____
Total 30

Gestão Contábil
47

Continuação do exercício 25.

2ª Parte
Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Esta parte tem por objetivo estudar os


conceitos relacionados aos (a):

Índices Tradicionais – estáticos: (rentabilidade,


endividamento, liquidez, e (*) prazos médios) e
Análise Horizontal (AH %) e Vertical (AV %).

Gestão Contábil
48

(*) Considerados índices dinâmicos.

Gestão Contábil
49

Balanço Patrimonial – Indústria Têxtil Supramati Ltda.


INDÚSTRIA TÊXTIL SUPRAMATI – BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12 Em R$.
ATIVO 2010 AV AH 2011 AV AH 2012 AV AH Δ%
ATIVO CIRCULANTE $ % % $ % Δ% $ %
Caixa e equivalentes de caixa 210.000 6,00 100 134.500 2,69 (35,95) 109.340 1,54 (47,93)
Duplicatas a receber 1.342.600 38,36 100 1.409.000 28,18 4,95 1.920.550 27,05 43,05
Estoques 964.600 27,56 100 1.304.500 26,09 35,24 1.655.010 23,31 71,57
Total do Ativo Circulante 2.517.200 71,92 100 2.848.000 56,96 13,14 3.684.900 51,90 46,39
ATIVO NÃO CIRCULANTE
Investimentos – obras de arte 92.400 2,64 100 196.000 3,92 112,12 286.130 4,03 209,66
Imobilizado - máquinas 890.400 25,44 100 1.904.500 38,09 113,89 3.016.080 42,48 238,73
Intangível – marcas e patentes 0 51.500 1,03 - 112.890 1,59 -
Total do Ativo Não Circulante 982.800 28,08 100 2.152.000 43,04 118,97 3.415.100 48,10 247,49
TOTAL DO ATIVO 3.500.000 100,00 100 5.000.000 100 42,86 7.100.000 100 102,86
2
PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2010 AV AH 2011 AV AH 2012 AV AH Δ%
PASSIVO CIRCULANTE $ % % $ % Δ% $ % Δ%
Fornecedores 909.650 25,99 100 802.000 16,04 (11,83) 864.780 12,18 (4,93)
Salários a pagar 353.850 10,11 100 363.500 7,27 2,73 544.570 7,67 53,90
Empréstimos bancários 85.050 2,43 100 104.500 2,09 22,87 198.800 2,80 133,74
Duplicatas descontadas 373.100 10,66 100 494.500 9,89 32,54 849.870 11,97 127,79
Total do Passivo Circulante 1.721.650 49,19 100 1.764.500 35,29 2,49 2.458.020 34,62 42,77
PASSIVO NÃO CIRCULANTE
Empréstimos 403.550 11,53 100 995.000 19,90 146,56 1.876.530 26,43 365,01
Financiamentos 0 474.500 9,49 - 670.950 9,45 -
Total do Não Circulante 403.550 11,53 100 1.469.500 29,39 264,14 2.547.480 35,88 531,27
PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL)
Capital social 843.500 24,10 100 1.498.000 29,96 77,59 1.696.190 23,89 101,09
Lucros ou (Prejuízos) acumulados 531.300 15,18 100 268.000 5,36 (49,56) 398.310 5,61 (25,03)
Total do Patrimônio Líquido 1.374.800 39,28 100 1.766.000 35,32 28,46 2.094.500 29,50 52,35
TOTAL DO PASSIVO E PL 3.500.000 100 100 5.000.000 100 42,86 7.100.000 100 102,86

Gestão Contábil
50

INDÚSTRIA TÊXTIL SUPRAMATI LTDA. – DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – Em R$.


O ano
2010 AV AH 2011 AV AH 2012 AV AH
2010
$ % % $ % Δ% $ % Δ%
é
Receita ou Venda bruta de vendas 7.500.000 125,96 100 7.700.000 139,68 2,67 9.977.660 136,91 33,04
(-) Devoluções e abatimentos 187.500 3,15 100 203.360 3,69 8,46 274.882 3,77 46,60
Vendas ou Receitas Realizadas (VR) 7.312.500 122,81 100 7.496.640 135,99 2,52 9.702.778 133,14 32,69
(-) Impostos Incidentes sobre vendas 1.358.250 22,81 100 1.984.132 35,99 46,08 2.415.085 33,14 77,81
(=) Receitas ou Vendas Líquidas 5.954.25 100 100 5.512.508 100 (7,42) 7.287.693 100 22,39
0
Custos dos Produtos Vendidos - CPV 4.443.000 74,62 100 4.016.028 72,85 (9,61) 5.175.455 71,02 16,49
(=) Lucro Bruto 1.511.25 25,38 100 1.496.480 27,15 (0,98) 2.112.238 28,98 39,77
(-) Despesas Operacionais: 0
De Vendas 365.500 6,14 100 302.175 5,48 (17,33) 380.922 5,23 4,22
Administrativas 263.500 4,43 100 222.000 4,03 (15,75) 237.000 3,25 (10,06)
Outras receitas (despesas) operacionais 11.500 0,19 100 20.695 0,38 79,96 40.000 0,55 247,83
(=) Lucro antes das despesas e receitas
893.750 15,01 100 993.000 18,01 11,29 1.534.316 21,05 71,96
financeiras (LADRF)
Despesas financeiras - JUROS 348.750 5,86 100 555.000 10,07 59,14 1.082.028 14,85 210,26
Receitas financeiras 13.500 0,23 100 9.500 0,17 (29,63) 7.500 0,10 (44,44)
Resultado Antes dos tributos sobre o lucro (RATSL) 558.500 9,38 100 447.500 8,12 (19,87) 459.788 6,31 (17,67)
(-) Imposto de renda e contribuição social 258.500 4,34 100 222.500 4,04 (13,93) 236.788 3,25 (8,40)

LUCRO LÍQUIDO 300.000 5,04 100 225.000 4,08 (25,00) 223.000 3,06 (25,67)

considerado o ano Base – 100% - para a Análise Horizontal, tanto para o Balanço Patrimonial como para a DRE.
Legendas:
AV % = Análise Vertical.
AH % = Análise Horizontal (variação percentual Δ%).

Gestão Contábil
51

Área destinada a escrever (opcional) os comentários do Quadro


Clínico da Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Gestão Contábil
52

Área destinada a escrever (opcional) os comentários do Quadro


Clínico da Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Gestão Contábil
53

Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Ciclo Operacional e Caixa em “dias”, quanto menor melhor.


Os giros dos Estoques, Recebimentos e Pagamentos, são INVERSAMENTE proporcionais aos dias.

Vendas Realizadas encontra-se na DRE da página anterior, assim facilitará calcular as Vendas a Prazo (VP).

Obs.: (T) TENDÊNCIA: Legenda: M = Melhorar; P = Piorar; E = Estabilizar.


Dados Adicionais para elaboração do PMRV e PMPF

INFORMAÇÃO EXTRA CONTÁBIL.


PMRV (prazo médio de recebimento de vendas) - VENDAS A PRAZO (ANUAL) - PMRV
(*) Vendas a Prazo = 65,14051%, 58,82643% e 60,0875% das
$ 4.763.400 $ 4.410.006 $ 5.830.154
Vendas Realizadas (VR) de 10, 11 e 12 respectivamente.

PMPF (prazo médio de pagamento de compras) - COMPRAS A PRAZO (ANUAL) - PMPF


(**) Compras anuais de 10, 11 e 12 respectivamente. $ 3.728.551 $ 3.445.869 $ 4.218.575

Gestão Contábil
54

Parecer sobre a Indústria Têxtil Supramati Ltda.


Índices Tradicionais.
A Indústria Têxtil Supramati elevou seu endividamento (Grau de
Endividamento = (CT / PL) * 100) de 154,58% em 10, para 183,13% em 2011, chegando a
238,98% em 2011, passando a depender muito mais de capitais de terceiros.

Em 2011, no entanto, alterou o perfil de sua dívida (Composição do


Endividamento = (PC / CT) * 100), as dívidas de curto prazo representavam 81,01% no
ano 2010, chegando a 49,11% em 2012, dando-lhe mais prazo para pagamento das
mesmas.

O grau de imobilização do Patrimônio Líquido (IMPL = ((AÑC (-) RLP) / PL)


* 100) que era de 71,49% em 2010, subiu em 2011 para 121,86%, e em 2012 para
163,05%, absorvendo, em 2011 e 2012, todo o Patrimônio Líquido e ainda uma parcela de
capitais de terceiros equivalente a 21,86%, em 2011, e 63,05%, em 2012. Com isso, a
Supramati ficou sem Capital de Giro Próprio (CGP) nos últimos dois anos analisados.

A imobilização de recursos não correntes (IMRÑC = (AÑC (-) RLP) / (PÑC +


PL) * 100), subiu de 55,26% em 10, para 73,57% em 2012, permitindo que a empresa
pudesse aumentar o Capital Circulante Líquido (CCL = AC – PC), de $ 795.550, em 2010,
para $ 1.226.880, em 2012. Em virtude de não ter Capital de Giro Próprio (CGP) em 2011
e 2012, a Liquidez Geral (LG = (AC + RLP) / (PC + PÑC)) caiu para 0,88 em 2011, e para
0,74 em 2012 , quando havia sido de 1,18 em 2010. Isto significa que a relativa
tranqüilidade existente em 2010 deixou de existir em 2011 e 2012, pois a longo prazo
dependerá de geração de recursos para manter uma boa liquidez.

Vale ressaltar que, em decorrência do aumento do Capital Circulante


Líquido, a empresa conseguiu melhorar ligeiramente a Liquidez Corrente (donde se
conclui que o nível de Capital Circulante Líquido mantido é satisfatório); isso indica que em
curto prazo não haverá problemas de liquidez.

Quanto à Liquidez Seca (LS = (AC - Ests.) / PC), houve uma queda, porém
pouco significativa, de 0,90 em 2010, para 0,87 em 2011, e 0,83 em 2012.

Gestão Contábil
55

Parecer sobre a Indústria Têxtil Supramati Ltda.


Índices Tradicionais.
Se financeiramente houve piora, apesar das compensações, no aspecto
econômico a situação se agravou ainda mais. Para cada $ 1,00 investido a empresa
vendeu $ 1,70, em 2010. Em 2011 vendeu apenas $ 1,10, caindo para $ 1,03 em 2012, o
que representa considerável queda nas vendas em relação ao investimento efetuado (Giro
do Ativo = RL / Atotal (produtividade)).

A Margem Operacional Líquida, MOL = (LADRF / RL) * 100, foi o único


índice do grupo de Rentabilidade que se mostrou bem, pois em 2010, apresentava um
índice de aproximadamente 15%, em 2011, este índice subiu para 18,01% e por fim, em
2012, este índice chegou a 21,05%, sendo assim, a empresa tem bons resultados
operacionais LADRF (lucro operacional ANTES dos resultados financeiros), ou seja, ela
administra e comercializa bem, também se observa que os custos a cada ano vêm
melhorando sua representatividade em relação às Receitas Líquidas.

Enquanto isso, a margem de lucro líquido (ML =(LL / RL) * 100


(lucratividade)) caía de 5,04% para 3,77% em 2011, e para 3,06% em 2012, ou seja, em
cada $ 100 vendidos a Supramati passou a ganhar muito menos, em 2011 e 2012. O
efeito conjunto dessas duas quedas se reflete na rentabilidade do Ativo (Taxa de Retorno
sobre o Investimento = (LL / Atotal) * 100), que caiu mais que a metade, ou seja, de 8,57%
em 2010, para 3,14% em 2012, isto significa que o poder de capitalização desceu a níveis
muito baixos: enquanto pela rentabilidade do Ativo, em 2010, a empresa demoraria quase
12 anos para dobrar o seu Ativo, se contasse exclusivamente com os recursos dos lucros
acumulados, em 2012 demoraria quase 32 anos (PAY BACK = 100% / TRI).

Como reflexo disso, a rentabilidade do Patrimônio Líquido (TRPL = (LL / PL)


* 100) desceu de 21,82% em 2010, para 12,74% em 2011 e 10,65% em 2012, mostrando
que a empresa conseguiu remuneração modesta do seu capital nos dois últimos anos.

Gestão Contábil
56

Parecer sobre a Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Conclusões da Análise Horizontal e Vertical.

O ativo total da Supramati cresceu, em termos reais, 102,86% de 2010 a


2012 (AH%). Esse crescimento foi reflexo, principalmente, da expansão de 247,49% do
Ativo Não Circulante.

O Ativo Circulante apresentou crescimento de apenas 46,39% (AH%).


Dessa forma, alterou-se a estrutura do ativo da empresa (AV%), em 2010, 71,92% dos
recursos achavam-se investidos no Ativo Circulante, caindo para 51,9% em 2012 (AV%).

O crescimento do Ativo Circulante (46,39%) foi financiado basicamente por


Capitais de Terceiros de Longo Prazo que passaram, em 10, de 11,53% do Passivo Total
para 35,88% em 2012 (AV%), constituindo-se no principal grupo de financiamento neste
último ano. O Patrimônio Líquido, que fornecia 39,28% dos recursos em 2010, caiu para
29,5% em 2012 (AV%), enquanto o Passivo Circulante caiu nesse mesmo período de
49,19% para 34,62% (AV%).

Com o menor crescimento do Passivo Circulante em relação ao Ativo


Circulante, a empresa financiou parte deste último com Passivo Não Circulante, o que é
correto.
Os Capitais de Terceiros tiveram crescimento superior ao do Ativo – ou seja,
135,53% (AH%) contra 102,86% (AH%) do Ativo – em virtude do espaço cedido pelo
Patrimônio Líquido.

Destaca-se também a alteração em “Fornecedores”, em 2010 essa era a


principal fonte de recursos da empresa, representando 25,99% (AV%) do Passivo,
financiando quase que a totalidade dos Estoques. Em 2012 o percentual de
“Fornecedores” sobre o Passivo Total caiu para 12,18% (AV%), cobrindo apenas metade
dos estoques mantidos pela empresa. Essa alteração é desfavorável, já que,
normalmente, “Fornecedores” representam uma fonte de recursos estável e pouco
onerosa. A empresa substituiu-a em boa parte por financiamentos bancários que
representam uma fonte de risco maior devido à incerteza de renovação.

Gestão Contábil
57

Parecer sobre a Indústria Têxtil Supramati Ltda.

Conclusões da Análise Horizontal e Vertical.

Em resumo a empresa investiu maciçamente no Ativo Não Circulante, fez


ainda algum investimento no Ativo Circulante, financiou a maior parte dessa expansão
com Capitais de Terceiros e aumentou o risco global. A situação financeira não ficou
sacrificada em virtude de a empresa ter-se valido de Passivo Não Circulante, tendo o
Passivo Circulante crescido menos que o Ativo Circulante.

Se os investimentos tiveram grande impulso no período analisado, as


vendas apresentaram pequena expansão. O crescimento real foi de 22,39% (AH% -
Vendas Líquidas/Receitas Líquidas).

A empresa teve bom desempenho no Custo dos Produtos Vendidos, os


quais passaram de 74,62% para 71,02% (AV%) de absorção das vendas.
Com isso, o Lucro Bruto que representava 25,38% das vendas em 2010,
subiu para 28,98% em 2012 (AV%). Esse acréscimo de quase 4 pontos percentuais é
muito significativo diante do fato de o Lucro Líquido representar 5,04% (AV%) das vendas
em 2010. Se tudo se mantivesse constante, a empresa poderia alcançar uma invejável
percentagem de Lucro líquido sobre Vendas.

As despesas financeiras, ao inverso dos resultados apresentados acima,


explodiram, crescendo 210,26% (AH%) e, portanto, muito mais do que as vendas. Essas
despesas, que consumiram 5,86% (AV%) da Receita em 2010 passaram a consumir
14,85% (AV%) em 2012, fazendo a empresa perder 9 pontos percentuais. Ao final, o
percentual de Lucro Líquido/Vendas desceu para 3,06% (AV%), percentual bem inferior ao
alcançado em 2010. As Despesas Operacionais mantiveram-se em proporções aceitáveis.

Seu ciclo operacional cresceu demasiadamente em virtude do excessivo Prazo Médio de


Renovação de Estoques (PMRE = (Estoques / CPV) * 360 ds) de 78 dias, em 2010, para
115 dias, em 2012.

Gestão Contábil
58

Estudo de Caso – Bahamas Ltda.


Neste estudo de caso serão abordadas as três técnicas de análises
vistas no curso, a saber:
a) Índices tradicionais;
b) Análise Horizontal e Vertical;
c) Administração de Capital de Giro.
=====================================================

38) Exercícios de Análise Financeira. (Capítulo 7)


1. Concessão de Créditos à Bahamas Ltda. (estudo de caso).
O Dr. Fábio Braga, novo executivo-chefe (CEO - Chief Executive Officer - Diretor Geral da

empresa) assume a Diretoria da Bahamas no início do ano de 2012, pois o antigo CEO foi
demitido pelo conselho de administração em 2011.

Bastante conhecido como eficiente administrador, o Dr. Fábio Braga dirigiu-se ao seu
velho amigo, Sr. Breno, presidente do Banco Exigente S.A., solicitando um financiamento
de $ 50 milhões a Longo Prazo (longo prazo é menos oneroso; cinco anos é o prazo que a
financeira do Banco Exigente normalmente concede para os financiamentos).
Informações Adicionais:

1. A atividade da empresa é trefilar metal não ferroso e distribuí-lo como matéria-


prima para outras empresas. Esse ramo de atividade é bastante promissor. A Bahamas
possui a maior quota para adquirir o metal não ferroso da maior metalúrgica do
País, enquanto outras trefiladoras possuem uma pequena quota.

2. Não houve amortização de Empréstimos e Financiamentos, apenas a contabilização


das Despesas Financeiras pelo Regime de Competência. Também foram concedidos
novos Empréstimos e Financiamentos.

3. A Bahamas a partir do ano 2012 não precisa mais comprar Máquinas e


Equipamentos. Há reserva produtiva (quando a produção normal é inferior à
capacidade instalada).

Seu grupo foi convidado a analisar a Bahamas e dar o parecer.

Gestão Contábil
59

Bahamas
Índices Tradicionais – estáticos - (rentabilidade,
endividamento, liquidez, e (*) prazos médios) e
Análise Horizontal (AH %) e Vertical (AV %).

(*) Considerados índices dinâmicos.

Gestão Contábil
60

Balanço Patrimonial – Bahamas Ltda.

Bahamas Ltda. - Balanço Patrimonial – em 31/12 Em $ Mil.


Ativo 2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%

Ativo Circulante $ $ $
Caixa e equivalentes de caixa 1.000 2,94 100 1.400 3,25 40 2.000 3,66 100
Duplicatas a receber 10.000 29,41 100 12.000 27,87 20 15.000 27,46 50
Estoques 6.000 17,65 100 7.150 16,61 19,17 8.370 15,32 39,5
Subtotal Circulante 17.000 50 100 20.550 47,74 20,88 25.370 46,45 49,24

Ativo Não Circulante $ $ $


Investimentos – obras de arte 1.000 2,94 100 1.500 3,48 50 2.250 4,12 125
Imobilizado - máquinas 20.000 58,82 100 30.000 69,69 50 45.000 82,39 125
(-) Depreciação acumulada (*) 4.000 11,76 100 9.000 20,91 125 18.000 32,95 350
Subtotal do Não Circulante 17.000 50 100 22.500 52,26 32,35 29.250 53,55 72,06
Total do Ativo 34.000 100 100 43.050 100 26,62 54.620 100 60,65

Passivo e Patrimônio Líquido 2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%

Passivo Circulante $ $ $
Fornecedores 1.000 2,94 100 1.600 3,72 60 2.000 3,66 100
Tributos e contribuições 2.000 5,88 100 3.100 7,20 55 2.000 3,66 0
Empréstimos diversos 15.000 44,12 100 20.000 46,46 33,33 30.000 54,92 100
Subtotal Circulante 18.000 52,94 100 24.700 57,38 37,22 34.000 62,25 88,89

Passivo Não Circulante $ $ $


Financiamentos 5.000 14,71 100 7.250 16,84 45 10.870 19,90 117,40
Subtotal do Não Circulante 5.000 14,71 100 7.250 16,84 45 10.870 19,90 117,40

Patrimônio Líquido $ $ $
Capital social 10.000 29,41 100 10.000 23,23 0,00 10.000 18,31 0
Reservas diversas 2.000 5,88 100 2.500 5,81 25 2.550 4,67 27,5
Lucros ou (Prejuízos) acumulados (1.000) (2,94) 100 (1.400) (3,25) 40 (2.800) (5,13) 180
Subtotal do Patrimônio Líquido 11.000 32,35 100 11.100 25,78 0,91 9.750 17,85 (11,36)
Total do Passivo e PL 34.000 100 100 43.050 100 26,62 54.620 100 60,65

(*) É uma conta redutora, maiores aquisições de máquinas maiores depreciações.

O ano 2009 é considerado o ano Base para a Análise Horizontal (100%)

Legendas:
AV % = Análise Vertical. AH % = Análise Horizontal.
Δ% = Delta Variação Percentual

Gestão Contábil
61

Bahamas Ltda. - Demonstração do Resultado do Exercício – em 31/12/ - Em $ Mil.


2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%
$ $ $
Vendas Realizadas (VR) ou Receitas Realizadas (RR) 48.500 107,78 100 77.000 107 58,76 135.500 107,54 179,38
(-) Impostos Incidentes sobre Vendas 3.500 7,78 100 5.000 6,94 42,86 9.500 7,54 171,43
Vendas Líquidas (VL) ou Receitas Líquidas (RL) 45.000 100,00 100 72.000 100,00 60,00 126.000 100,00 180,00
(-) Custo dos Produtos Vendidos - CPV 23.000 51,11 100 36.800 51,11 60,00 64.400 51,11 180,00
Lucro Bruto 22.000 48,89 100 35.200 48,89 60,00 61.600 48,89 180,00
(-) Despesas Operacionais:
De vendas 6.000 13,33 100 9.600 13,33 60,00 16.800 13,33 180,00
Administrativas 2.000 4,44 100 3.000 4,17 50,00 4.500 3,57 125,00
Subtotal das despesas operacionais 8.000 17,78 100 12.600 17,50 57,50 21.300 16,90 166,25
Lucro Antes das Despesas e Receitas Financeiras (LADRF) 14.000 31,11 100 22.600 31,39 61,43 40.300 31,98 187,86
Despesas Financeiras (juros) 17.000 37,78 100 26.500 36,81 55,88 49.000 38,89 188,24
Receitas Financeiras 2.000 4,44 100 3.500 4,86 75,00 7.300 5,79 265,00
Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro (RATSL) (1.000) (2,22) 100 (400) (0,56) (60,00) (1.400) (1,11) 40,00
Prejuízo Líquido do Exercício (1.000) (2,22) 100 (400) (0,56) (60,00) (1.400) (1,11) 40,00

Vendas Realizadas (VR) = Regime de Competência.


Quanto às vendas/receitas acima tem não só vendas a prazo como vendas à vista.

O ano 2009 é considerado o ano Base – 100% - para a Análise Horizontal.


Legendas:
AV % = Análise Vertical.
AH % = Análise Horizontal. (Δ% Delta variação percentual).

Gestão Contábil
62

PRIMEIRA ATIVIDADE EM GRUPO: COMPLETAR A COLUNA DE TENDÊNCIA.


QUADRO CLÍNICO – BAHAMAS.
(T)
INDICADORES FÓRMULAS 2009 2010 2011 Tendência
Empresa TRI = (Prej. / Atotal) * 100 (2,94%) (0,93%) (2,56%) P/E
Pay Back = 100 % / TRI Não há pay back, pois não houve lucro no período.
Empresário TRPL = (Prej. / PL) * 100 (9,09%) (3,60%) (14,36%) P
MOL = (LADRF / RL) * 100 (lucratividade) 31,11 31,39 31,98 M
ML = (Prej. / RL) * 100 (lucratividade) – “DRE” (2,22%) (0,56%) (1,11%) P/E

RENTABILIDADE GA = Eficiência na Gestão de Ativos


Qto. > melhor GA = RL / Atotal (produtividade) – “B/P” 1,32 vezes 1,67 vezes 2,31 vezes ____
INDICADORES FÓRMULAS 2009 2010 2011 Tendência
Quantidade GE ou PCT = (CT / PL) * 100 209,09% 287,84% 460,21% P
Qualidade CE = (PC / CT) * 100 78,26% 77,31% 75,77% E
IMPL = ((AÑC - RLP) / PL)) * 100 154,55% 202,70% 300,00% P
ENDIVIDAMENTO
Qto. < melhor IMRÑC=((AÑC - RLP)/(PÑC + PL))*100 106,25% 122,62% 141,85% ____
INDICADORES FÓRMULAS 2009 2010 2011 Tendência
LC = AC/PC 0,94 0,83 0,75 ____
LS = (AC - Ests.) / PC (teste ácido) 0,61 0,54 0,50 P
LIQUIDEZ LG = (AC + RLP) / (PC + PÑC) 0,74 0,64 0,57 P

Qto. > melhor LI = CXEQCX / PC 0,06 0,06 0,06 E


INDICADORES FÓRMULAS (Adm. de Capital de Giro) 2009 2010 2011 Tendência
Qto. < melhor em PMRE = (Ests. / CPV) * 360 dias ou 93,91 dias 69,95 dias 46,79 dias
Giro Estoques = 360 dias / PMRE 3,83 vezes 5,15 vezes 7,69 vezes ____
dias

Qto. < melhor em (*) PMRV = (D Rec. / VP) * 360 dias ou 100,00 dias 75,00 dias 53,57 dias
Giro Dupls. Rec (G Drec) = 360 ds/PMRV 3,60 vezes 4,80 vezes 6,72 vezes M
dias

ATIVIDADES CICLO OPERACIONAL = PMRE + PMRV 193,91 dias 144,95 dias 100,36 dias M
(prazos médios) Quanto MENOR melhor
(**) PMPF = (F / C) * 360 dias ou 36,00 dias 38,40 dias 34,29 dias
Qto. > melhor em E
Giro Forns. (GF) = 360 dias / PMPF 10 vezes 9,38 vezes 10,5 vezes
dias

Qto. < melhor ds. CICLO DE CAIXA = CO (-) PMPF 157,91 dias 106,55 dias 66,07 dias M
Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa em “dias”, quanto menor melhor.
Os giros dos Estoques, Prazos de Recebimentos e Pagamentos, são INVERSAMENTE proporcionais aos PRAZOS.

Obs. (T) Legenda TENDÊNCIA: M = Melhorar; P = Piorar; E = Estabilizar.


Vendas Realizadas encontra-se na DRE da página anterior, assim facilitará calcular as Vendas a Prazo (VP).

Informação EXTRACONTÁBIL sobre o PMRV e o PMRE.


PMRV - VENDAS A PRAZO (ANUAL) – PMRV
(*) Vendas a Prazo = 74,23%, 74,81% e 74,39% das Vendas
$ 36.000 $ 57.600 $ 100.800
Realizadas (VR) de 2009, 2010 e 2011 respectivamente.

PMPF - COMPRAS A PRAZO (ANUAL) - PMPF


(**) Compras anuais em 2009, 2010 e 2011 respectivamente. $ 10.000 $ 15.000 $ 21.000

Gestão Contábil
63

Bahamas
2. Diagnóstico: Vamos ver quais são os problemas do doente. O doente (no caso, a empresa) tem
não só pontos fracos como também pontos fortes, pois se não tivesse nenhum ponto forte
certamente estaria à morte.

A) Pontos Fortes (tendência letra M) obtido no Quadro Clínico da página 58 (informar


qual é o indicador).

PARA JUSTIFICAR AS RESPOSTAS DOS PONTOS FORTES UTILIZE


OBRIGATORIAMENTE A FOLHA RESUMO DOS ÍNDICES, TENDO POR BASE A
COLUNA O QUE “INDICA”, PORÉM JAMAIS COPIANDO O CONTEÚDO
DAQUELA COLUNA, OU SEJA, ESCREVA COM SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS.

Antes de escrever abaixo utilize obrigatoriamente a folha Resumo dos Índices para as
letras de A1 até A6 para poder compreender o que o índice indica.
A1) Conforme Quadro Clínico informe qual é o primeiro ponto forte, letra (M), e na
sequência explique (sucintamente) o que está sendo revelado pelo índice.
CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C
1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
Calcule a variação (Δ%) de 2011 em relação a 2009
FÓRMULA 2009 2010 2011
MOL = (LADRF / RL) * 100 (lucratividade) 31,11 % 31,39 % 31,98 %

Resposta:
Quanto à empresa Bahamas obtém de LADRF (lucro antes das despesas e receitas financeiras)
para cada $ 100 da Receita Líquida, ou seja, a empresa consegue ter uma boa gestão: nos custos
(ficaram estáveis nos três últimos anos), nas despesas administrativas, e nas despesas de vendas,
(possibilitou desde a promoção do produto até sua colocação ao consumidor comercialização e
distribuição). Houve uma melhora na Margem Operacional Líquida (MOL), porém pouco
significativo/representativo de 2,80 % [(31,98 / 31,11 – 1) X 100] ∆℅ de 2011 em relação a
2009, mesmo assim é um indicador muito bom, quando pensamos em lucratividade da empresa.

Fórmula algébrica.
Lembrando:
]Como calcular pela calculadora financeira HP 12 C a variação de 2011 em relação a 2009?
Ano 2009 = 31,11 – 1ª tecla Enter.
Ano 2011 = 31,98 – 2ª tecla Δ%.

Δ% = 2,80

Gestão Contábil
64

A2) Conforme Quadro Clínico, da página 58, informe abaixo qual é o segundo ponto forte,
letra (M) e depois de ter colocado todos os pontos fortes (A1 até A6) volte para esta página e
escreva o que está sendo perguntado abaixo da tabela.
CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C
1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
FÓRMULA 2009 2010 2011
(vezes) (vezes) (vezes)

Antes de escrever abaixo utilize obrigatoriamente a folha Resumo dos Índices


para as letras de A1 até A6 para poder compreender o que o índice indica.

A. A partir do início da resposta do professor (vide abaixo) responda o que está entre parêntese.

a) Observa-se que pela tendência dos indicadores do Giro do Ativo em cada ano _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(houve ou não houve) um (a) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (aumento ou diminuição) daquele
indicador.

Lembrando:

Como calcular pela calculadora financeira HP 12 C a variação de 2011 em relação a 2009?

Ano 2009 = 1,32 – 1ª tecla Enter.

Ano 2011 = 2,31 – 2ª tecla Δ%.

Caso o aluno opte pela fórmula algébrica, vide exemplo na página anterior de
como efetuar o cálculo.

b) A variação percentual (Δ%) do ano 2011 de 2,31 vezes em relação ao ano de 2009 de 1,32
vezes foi de _ _ _ _ _ _ %.

c) Os Ativos Totais (vide Balanço Patrimonial) tiveram uma variação percentual (Δ%) no ano
de 11, em relação ao ano de 2009 de _ _ _ _ _ %, enquanto as Vendas Líquidas (vide DRE)
tiveram no mesmo período de análise uma variação percentual de (Δ%) em 2011 de _ _ _ %.

Portanto pode-se afirmar que a empresa ao investir em seus Ativos _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _


(conseguiu ou não conseguiu) gerar uma variação percentual (Δ%) em Vendas de
aproximadamente 3 (três) vezes.

d) Pelo exposto nas letras precedentes (acima) pode-se concluir que _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _


(houve ou não houve) eficiência na Gestão de Ativos, ou seja, ao aplicar (investir) em Ativos Totais _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (gerou ou não gerou) Vendas. Portanto a empresa Bahamas _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ (sabe ou não sabe) vender.

Gestão Contábil
65

A3) Conforme Quadro Clínico informe abaixo qual é o terceiro ponto forte, letra (M) e depois
de ter colocado todos os pontos fortes (A1 até A6) volte para esta página e escreva o que está
sendo perguntado abaixo da tabela.
Primeira Tabela:

CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C


1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
FÓRMULA 2009 2010 2011
(dias) (dias) (dias)

Antes de escrever abaixo utilize obrigatoriamente a folha Resumo dos Índices


para as letras de A1 até A6 para poder compreender o que o índice indica.

A tabela abaixo tem por objetivo evidenciar a tendência dos indicadores através dos valores
monetários.
Segunda Tabela:

Dados extraídos do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultado. O objetivo da


tabela abaixo é no caso no qual o aluno (a) resolva efetuar os cálculos dos anos 2009 a 2011 da
tabela acima.

Demonstração Conta 2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%


$ $ $
B/P Estoques 6.000 17,65 100 7.150 16,61 19,17 8.370 15,32 39,50
DRE CPV 23.000 51,11 100 36.800 51,11 60,00 64.400 51,11 180,00

DRE VL 45.000 100 100 72.000 100 60,00 126.000 100 180

A. A partir do início da resposta do professor (vide abaixo) responda o que está entre parêntese.

a) Conforme tendência dos indicadores do PMRE em dias, da primeira tabela acima, ao longo dos
anos (09, 10 e 11) a empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (vem ou não vem) renovando seus
estoques (PMRE), ou seja, em 09, as estoques permaneciam em média _ _ _ _ dias, em 10,
passou para _ _ _ _ _ dias, e finalmente em 11, passou para _ _ _ _ dias. Observa-se que
variação percentual (Δ%) de 2011 em relação a 2009 teve um _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (acréscimo ou
decréscimo) de _ _ _ _ _%.

b) Portanto pode-se concluir que o período de Estocagem em dias (permanência) da empresa


Bahamas é cada vez _ _ _ _ _ _ _ _ (maior ou menor), portanto propiciando um (a) _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ (aumento ou diminuição) da Necessidade de Capital de Giro (NCG).

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
66

Continuação da página anterior.


c) O CPV em 11em relação a 09 teve uma variação percentual maior do que as Vendas Líquidas?

Dados extraídos da Demonstração de Resultado.

DRE 2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%


$ $ $
VL 45.000 100 100 72.000 100 60 126.000 100 180
CPV 23.000 51,11 100 36.800 51,11 60,00 64.400 51,11 180

Resposta da letra c:
Observa-se através da tabela acima que a variação percentual (AH Δ%) do CPV no ano 11 em
relação ao ano 09 foi de _ _ _ % (180% ou 60%). O CPV _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (variou ou não variou)
mais que as Vendas Líquidas. Portanto o CPV e as VL _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (tiveram ou não
tiveram) a mesma variação percentual.

d) Observe a tendência do Custo do Produto Vendido (CPV) conforme tabela abaixo ao longo dos
anos em percentual (AV %).

Dados extraídos da Demonstração de Resultado.

DRE 2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%


$ $ $
VL 45.000 100 100 72.000 100 60 126.000 100 180

CPV 23.000 51,11 100 36.800 51,11 60 64.400 51,11 180

Resposta da letra d:
O Custo do Produto Vendido (CPV) em percentual (AV %) ao longo dos três anos teve um
crescimento, decréscimo ou ficou estável? Informe o percentual (representatividade) do CPV nos
últimos três anos.

Resposta: O CPV _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

Resumo.
Constatou-se que através da técnica da Análise Vertical (AV%) (representatividade) que nos
últimos três anos que os Custos dos Produtos Vendidos (CPV) (ficou estável ou não ficou estável)
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ _ _ _ em _ _ _ _ _ %.

Portanto o grupo poderia sugerir conforme evidenciado pela técnica de Análise Vertical que o
departamento de compras da empresa Bahamas Ltda. negociasse com seus fornecedores __ __
__ ç __, pois, com esta estratégia o custo do produto vendido (CPV) deverá (cair ou não cair)
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ em relação às Vendas Líquidas.

Também se sugere negociar com os fornecedores __ __ __ z __ para poder reter por mais tempo
recursos em caixa e equivalentes de caixa, tendo em vista que a Bahamas compra grande
quantidade de matéria prima a cada ano.

Gestão Contábil
67

A4) Conforme Quadro Clínico informe abaixo qual é o quarto ponto forte, letra (M) e depois
de ter colocado todos os pontos fortes (A1 até A6) volte para esta página e escreva o que está
sendo perguntado abaixo da tabela.
CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C
1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
FÓRMULA 2009 2010 2011
(dias) (dias) (dias)
Utilize obrigatoriamente a folha Resumo dos Índices para as letras de A1 até A6
para poder compreender o que o índice indica.
Observe as tabelas abaixo para que se possa facilitar quanto à resposta deste item.

Vendas Realizadas (VR) - Dados obtidos através da DRE.


2009 AV% AH % 2010 AV% AH Δ% 2011 AV% AH Δ%
$ $ $
VR 48.500 107,78 100 77.000 107 58,76 135.500 107,54 179,38

Vendas a Prazo (VP) – Dados obtidos através do Quadro Clínico.


2009 AV % 2010 AV % 2011 AV %
$ $ $

VP
~ 57.600
~ 100.800
~
74 36.000 = = =

Qual é o percentual das Vendas a Prazo (VP) em relação às Vendas Realizadas (VR)?
Vamos calcular somente para o ano 2009 a título de exemplo:
(VP / VR) X 100 =
(36.000 / 48.500) X 100 =
0,7423 X 100 = 74 % (aproximadamente) a prazo e o restante – 26% (100% – 74,23%) à vista.

Observem tanto em valores absolutos como em percentual (AV%).

a) Mesmo embora a política da empresa com relação às vendas a prazo manteve-se em torno
(arredondar) de _ _ _ _ % e as vendas à vista em torno de _ _ _ %, observa-se através do índice do
PMRV (dias) que nos três últimos anos vem-se apresentando/revelando uma tendência de _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (aumento dos dias ou diminuição dos dias) a receber. O PMRV
teve uma queda em variação percentual (Δ%) de 2011 em relação a 2009 de _ _ _ _ _ %.

b) Portanto pode-se concluir que o período de recebimento PMRV em dias da empresa Bahamas
é cada vez _ _ _ _ _ _ _ _ (mais rápido ou menos rápido), portanto propiciando um (a) _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ (aumento ou diminuição) da Necessidade de Capital de Giro (NCG).

Gestão Contábil
68

A5) Conforme Quadro Clínico informe abaixo qual é o quinto ponto forte, letra (M) e depois
de ter colocado todos os pontos fortes (A1 até A6) volte para esta página e escreva o que está
sendo perguntado abaixo da tabela.

CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C


1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
FÓRMULA 2009 2010 2011
CICLO OPERACIONAL = PMRE + PMRV 193,91 dias 144,95 dias 100,36 dias

a) Pode-se afirmar que houve uma boa política de Estocagem (PMRE)? Justifique.

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________

b) Pode-se afirmar que houve uma boa política de Crédito e Cobrança (PMRV)? Justifique.

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________

c) Pode-se afirmar que houve uma _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (melhora ou piora) no Ciclo Operacional,


conforme a tendência dos indicadores acima. Houve uma variação percentual (Δ%) de 2011 em
relação a 2009 em dias de _ _ _ _ _ %, portanto houve um _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(acréscimo ou decréscimo) em sua variação percentual.

d) Com o (a) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (aumento ou diminuição) dos prazos médios


(PMRE e PMRV) a Necessidade de Capital de Giro (NCG) tende a ser _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(maior ou menor).

Gestão Contábil
69

A6) Conforme Quadro Clínico informe abaixo qual é o sexto ponto forte, letra (M) e depois de
ter colocado todos os pontos fortes (A1 até A6) volte para esta página e escreva o que está
sendo perguntado abaixo da tabela.
CÁLCULO DA VARIAÇÃO USANDO A HP 12 C
1ª tecla: Enter 2ª tecla: Δ%
FÓRMULA 2009 2010 2011
(dias) (dias) (dias)
a) O Ciclo de Caixa de 11 em relação a 09 teve uma variação percentual (Δ%) em dias de _ _ _ %,
portanto, houve _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (um acréscimo ou decréscimo) em sua variação

b) O Ciclo Operacional fez com que o Ciclo de Caixa melhorasse? Justifique sua resposta tendo
em vista SOMENTE as variáveis PMRE e PMRV, pois estas fazem parte da fórmula do Ciclo
de Caixa (CC).
OBSERVAÇÃO:
No item acima (b) NÃO está sendo perguntado (AINDA) sobre a variável PMPF, pois será visto mais a
frente. O objetivo de excluir na pergunta o PMPF é para que o aluno visualize de uma forma mais analítica,
fazendo com que tenha um melhor entendimento do indicador Ciclo de Caixa.
____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

Podemos concluir pela resposta do grupo (acima) que houve uma boa política econômica
(PMRE) e financeira (PMRV - crédito e cobrança)? Coloque um “X” na alternativa correta.

( ) a) SIM ( ) b) NÃO
c) O Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores (PMPF), conforme Quadro Clínico (página
58) está evidenciado uma tendência de melhorar, piorar ou estabilizar?
____________________________________________________

d) Como a variável Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores (PMPF) faz parte da fórmula do
Ciclo de Caixa (CC), aquela variável (PMPF) teve uma contribuição significativa (material)
para que houvesse melhora do Ciclo de Caixa? Caso não tenha contribuído o que poderia ter sido
feito para que houvesse uma melhora do Ciclo de Caixa.
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________

e) Quais foram às variáveis (PMRE, PMRV ou PMPF) que fizeram com que houvesse a melhora
do Ciclo de Caixa (CC)?
____________________________________________________

Gestão Contábil
70

Bahamas

B) Pontos Fracos obtidos no quadro clínico página 58 = (Rentabilidade,


Endividamento ou Liquidez), são pontos fracos, pois a letra “P” (piorando) prevalece.

B1) Liquidez (explicar na página 67 através da técnica da Análise Horizontal e Vertical);

B2) Rentabilidade (explicar na página 68 através da técnica da Análise H e V);

B3) Endividamento (explicar na página 69 através da técnica da Análise H e V).

Observação:
Paras as respostas das próximas páginas fiquem atentos quanto à maior
representatividade (AV%) e maior variação percentual (AH Δ%).

Gestão Contábil
71

Pontos Fracos (motivos pelos quais levaram a empresa a tê-los).


B1) Liquidez – Balanço Patrimonial – Análise Horizontal e Vertical de cada ano.

Para responder as perguntas de 1 a 4, utilize Slide 77 e as demonstrações


contábeis quando estas forem solicitadas.

1) O que determina a comparação do Ativo Circulante (AC) X Passivo Circulante


(PC)?

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
2) E qual é CONCLUSÃO deste cotejamento AC X PC (vide balanço da
Bahamas nos últimos três anos)?

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
2a) A capacidade de pagamento _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (ficou comprometida
ou não ficou comprometida), pois o AC é _ _ _ (maior > ou menor <) do que o PC.

3) Qual é a (*) conta dentro do Grupo de Contas (AC ou PC) do Balanço


Patrimonial que deixa a situação financeira favorável ou desfavorável?

(*) Exemplo de Conta = Caixa e equivalentes de caixa, Estoques, Fornecedores etc.

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.
4) Após identificar a conta acima (item 3), você deverá fundamentar a resposta
através da técnica da Análise Horizontal e Vertical, ou seja, escrever sua
participação em cada ano, análise vertical (09, 10 e 11) e a variação percentual de
10 e 11 – análise horizontal (AH Δ%) na tabela abaixo.

Observação:
Para a resposta abaixo fiquem atentos quanto à maior representatividade
(AV%) e maior variação percentual (AH Δ%).

Conta Patrimonial (nome da conta, exemplo, Caixa, Estoques, Fornecedores etc.):

Resposta: (mesmo resposta do item 3 acima) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.


O objetivo do preenchimento da tabela abaixo é para consubstanciar o conceito de
Análise Horizontal e Vertical, mesmo embora seja um copy/paste.

2009 AV% AH % 2010 AV% AHΔ% 2011 AV% AHΔ%


$ $ $
_ _ _ _ _ _ _ _ 100 ____ ____ ____ ____ ____ ____

Gestão Contábil
72

B2) Rentabilidade – DRE – Análise horizontal e vertical de cada ano.

Sempre comparar a variação da Receita Líquida (RL) do último ano (AH Δ%) com os

custos e as despesas (CONTA POR CONTA), caso elas tenham crescidos mais que a

Receita Líquida (RL) de 180% (AH Δ%) acabou-se de identificar o(s) “culpado(s)”.

Após ter encontrado o(s) “culpado(s)” informar na tabela abaixo a participação em cada
ano da análise vertical - AV % (09, 10 e 11) e a variação percentual de 10 e 11 –
análise horizontal (AH Δ%).

Observação:
Para a resposta abaixo fiquem atentos quanto à maior representatividade
(AV%) e maior variação percentual (AH Δ%).

EXEMPLO:
As Receitas Líquidas da empresa “X” variaram de 2004 em relação a 2003,
40% enquanto no mesmo período as Despesas de Vendas variaram 125% (AH
Δ%), e aquelas despesas representam 75% (AV%) das Receitas Líquidas, sendo
assim, foi detectado o grande problema da empresa “X”.

DRE:

Conta de Resultado (nome da (*) conta):

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

2009 AV% AH % 2010 AV% AHΔ% 2011 AV% AHΔ%


$ $ $
_ _ _ _ _ _ _ _ 100 ____ ____ ____ ____ ____ ____

(*) Conta = exemplos, CPV (custo do produto vendido), Despesas


Administrativas, Vendas etc.

Gestão Contábil
73

B3) Endividamento – Balanço Patrimonial – Análise horizontal e vertical de cada ano.

Informar através do Balanço Patrimonial qual é a conta que obteve mais recursos
de terceiros de curto prazo (passivo circulante), bem como qual é à conta de
Ativo (curto ou longo) que teve a maior representatividade (AV%) e a maior
variação percentual (AH ∆ %).

Após estas identificações informar participação em cada ano análise vertical (09,
10 e 11) e a variação percentual de 10 e 11 – análise horizontal (AH Δ%).

Observação:
Para a resposta abaixo fiquem atentos quanto à maior representatividade
(AV%) e maior variação percentual (AH Δ%).

Passivo:

Conta Patrimonial (nome da conta):

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

2009 AV% AH % 2010 AV% AHΔ% 2011 AV% AHΔ%


$ $ $
_ _ _ _ _ _ _ _ 100 ____ ____ ____ ____ ____ ____

Ativo: (curto ou longo prazo)

Conta Patrimonial (nome da conta):

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

2009 AV% AH % 2010 AV% AHΔ% 2011 AV% AHΔ%


$ $ $
_ _ _ _ _ _ _ _ 100 ____ ____ ____ ____ ____ ____

Gestão Contábil
74

2ª Parte

Bahamas

Índices Dinâmicos -
Administração de Capital
de Giro (Modelo Fleuriet).

Gestão Contábil
75

Administração de Capital de Giro (Michel Fleuriet).


Balanço Gerencial – Bahamas Ltda.
Balanço Patrimonial (Estrutura Financeira – 31/12/) – Em $ Mil.
Ativo Legenda 2009 2010 2011
ATIVO CIRCULANTE FINANCEIRO ACF 1.000 1.400 2.000
Caixa e equivalentes de caixa 1.000 1.400 2.000
ATIVO CIRCULANTE OPERACIONAL ACO 16.000 19.150 23.370
Duplicatas a receber 10.000 12.000 15.000
Estoques 6.000 7.150 8.370
ATIVO NÃO CIRCULANTE AÑC 17.000 22.500 29.250
Investimentos – obras de arte 1.000 1.500 2.250
Imobilizado - máquinas 20.000 30.000 45.000
(-) Depreciação acumulada (4.000) (9.000) (18.000)
Total do Ativo 34.000 43.050 54.620

Passivo e Passivo Permanente Legenda 2009 2010 2011


PASSIVO CIRCULANTE FINANCEIRO PCF 15.000 20.000 30.000
Empréstimos diversos 15.000 20.000 30.000
PASSIVO CIRCULANTE OPERACIONAL PCO 3.000 4.700 4.000
Fornecedores 1.000 1.600 2.000
Tributos e contribuições 2.000 3.100 2.000
PASSIVO PERMANENTE PP = PÑC +PL 16.000 18.350 20.620
Financiamentos 5.000 7.250 10.870
Capital social 10.000 10.000 10.000
Reservas diversas 2.000 2.500 2.550
Lucros ou (Prejuízos) acumulados (1.000) (1.400) (2.800)
Total do Passivo e Passivo Permanente 34.000 43.050 54.620

Ativo Circ. Financeiro (ACF) + Ativo Circ. Operacional (ACO) = Ativo Circulante;

Passivo Circ. Financeiro (PCF) + Passivo Circ. Operacional (PCO) = Passivo Circulante.

ACF - CP Ativo Circulante Financeiro de Curto Prazo.


ACO – CP Ativo Circulante Operacional de Curto Prazo.
Ativo Não Circulante = Realizável a Longo Prazo + Investimento +
AÑC - LP Imobilizado + Intangível (Longo Prazo).
PCF – CP Passivo Circulante financeiro de Curto Prazo.
PCO – CP Passivo Circulante Operacional de Curto Prazo.
Passivo Permanente = Passivo Não Circulante + Patrimônio Líquido
PP - LP de Longo Prazo.

A BAHAMAS NÃO TEM O SUBGRUPO DO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO.

Gestão Contábil
76

INDICADORES DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FINANCEIRA CONTÁBIL.


BAHAMAS LTDA. – Em $.
INDICADORES/VARIÁVEIS FÓRMULAS 31/12/09 31/12/10 31/12/11
Necessidade de Capital de Giro NCG = ACO (-) PCO 13.000 14.450 19.370
Capital de Giro – visão estratégica CDG = PP (-) AÑC (1.000) (4.150) (8.630)
Saldo de Tesouraria ST = ACF (-) PCF (14.000) (18.600) (28.000)

Observação:
Capital de Giro (CDG) NEGATIVO, da empresa em análise que dizer que não há, ou
seja, não existe sobra de recursos de longo prazo, (PP) Passivo Permanente (PÑC + PL)
para financiar os demais Ativos da Bahamas Ltda.

Preencha as setas indicativas na Estrutura Financeira Contábil da Bahamas Ltda. abaixo


a partir do ST para saber qual é a ORIGEM que está financiado as APLICAÇÕES. As
(variáveis, ST, NCG e CDG, estão em módulo para facilitar (visualizar) a equivalência).

Gestão Contábil
77

Lembrando:
PP financia AÑC, PCO financia ACO e PCF financia ACF.

Pergunta-se:
1) Com relação à Estrutura Financeira Contábil da Bahamas Ltda., da página anterior
quem financiou:

DICA:
Quanto às respostas das letras a e b abaixo quem financiou foi uma das variáveis abaixo:
CDG, NCG ou ST.

Portanto, quem financiou:

a) Toda a Necessidade de Capital de Giro (NCG) dos três últimos anos?

b) Parte do Ativo Não Circulante (AÑC) (em 2009 é o valor de $ 1.000) que não está
sendo financiado pelo Passivo Permanente (PP) dos três últimos anos?

c) A cada ano a empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (vem ou não vem) se utilizando de


recursos de curto prazo (ST) para financiar _ _ _ _ _ _ _ _ (parte ou todo) do (o) Ativo
Não Circulante (AÑC).

d) Com relação à parte do Ativo Não Circulante (AÑC) do ano 11 de $ 8.630 em relação
ao ano de 09 de $ 1.000 de quanto foi à variação percentual (AH ∆℅)? Dúvidas qual
técnica usar: HP 12 C ou fórmula algébrica veja páginas anteriores.

e) Podemos dizer que a empresa Bahamas teve Capital de Giro (CDG) (excedente de
recursos de longo prazo – passivo permanente (PP)) para financiar ativos de curto
prazo? Justifique sua resposta. (vide observação à página anterior).

Gestão Contábil
78

3. Parecer do Analista:

Será concedido o crédito de $ 50 Milhões (conforme página 54) sugerindo as seguintes condições:
Parecer Final
O grande problema é decorrente dos _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ cujo valor em
2011 é de $ _ _ _ MILHÕES (conforme Balanço Patrimonial –- Análise Horizontal e Vertical –

página 56).

Pergunta-se:

1) Após a identificação do problema ACIMA que tomada de decisão o grupo faria para poder
resolver o problema da Bahamas? Ao justificar faça referência também quanto aos juros mais
onerosos. Informe abaixo os valores monetários, caso em contrário não tem como responder o
item 2 da próxima página. Portanto vai haver um saldo monetário e que será
TRANSFERIDO para a página seguinte.

RESPOSTA:

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
79

Continuação da página anterior.

2) Com o saldo remanescente de $ _ _ _ _ MILHÕES (do item 1 da página anterior) aonde a


empresa aplicaria os recursos remanescentes?

Antes de dar a resposta acima preencha a tabela abaixo para que, se tenha mais condições (clareza)
de responder o item 2.
Pontos Fortes da página 54 (dados adicionais). Pontos Fortes da página 58 (quadro clínico).
a) Eficiente CEO a) Margem Operacional Líquida (MOL)
b) b)

c) c)

d) d)

e)

e) Há reserva produtiva e não precisa f) Ciclo de Caixa/ Ciclo Financeiro


comprar mais máquinas.

Conclui-se pelo quadro acima que a empresa tem um enorme potencial de:

C __ __ S __ __ __ __ __ __ O.

Quanto à aplicação do saldo remanescente será em uma conta do ATIVO na qual vai trazer
maiores resultados a empresa. Na sua opinião onde a empresa deveria aplicar os recursos
remanescentes?

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _._ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _._ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _._ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _._ _ _ _ _ _ _

Gestão Contábil
80

2ª PARTE DE EXERCÍCIOS

Exercícios extraclasses.
Exercícios de 39 a 128.
Páginas 77 a 139.

Gestão Contábil
81

39) A empresa HF Industrial Ltda. tem de Capital de Terceiros $ 400 milhões e como Capital
Próprio $ 300 milhões.

Com os dados acima elabore o Balanço Patrimonial, preenchendo as linhas tracejadas abaixo.
(Capítulo 1)
Observação:

Preencha a partir do Total do Passivo (capital de terceiros) e Patrimônio Líquido (capital


próprio) no valor de $ 700 para o Total do Ativo (B + D), por ser um raciocínio lógico.

COMEÇE PELO PASSO 1.

Preencha as linhas tracejadas.


BALANÇO PATRIMONIAL - $ Milhões.
Ativo - Aplicação $ Passivo e Patrimônio Líquido - Origem $
Capital de Terceiros (CT) 1 _____
Bens e Direitos 5 _____
Capital Próprio (CP) 2 _____
Total do Ativo (B+D) 4 _____ Total do Passivo e Patrimônio Líquido 3 700

40) A empresa Smart Ltda. tem de Passivos $ 200 milhões e de Patrimônio Líquido $ 186
milhões. Com os dados apresentados elabore o Balanço Patrimonial, preenchendo as linhas
tracejadas abaixo: (Capítulo 1)
Observação:
Preencha a partir do Total do Passivo (P) e Patrimônio Líquido (PL) para o Total do Ativo
(B+D), por ser um raciocínio lógico.

COMEÇE PELO PASSO 1.

Preencha as linhas tracejadas.


BALANÇO PATRIMONIAL - $ Milhões.
Ativo - Aplicação $ Passivo e Patrimônio Líquido - Origem $

Passivo (P) 1 ______


BENS e DIREITOS 5 _____
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (PL) 2 _____

Total do Ativo (B+D) 4 _____ Total do Passivo e Patrimônio Líquido 3 _______

Gestão Contábil
82

41) Classifique os elementos patrimoniais na tabela abaixo, colocando um “X” na coluna classificação:

Quanto ao registro dos fatos contábeis sempre raciocine da seguinte maneira para poder registrar se
é um Bem (B), Direito (D), Passivo (P) (obrigações/dívidas – presente/credor) ou Patrimônio
Líquido (PL) (origem/fonte de recursos): (capítulos 1, 3 e 4 e/ou slides 9, 10 , 11, 12, 35 e 49)

Bens: São coisas úteis que vão satisfazer as necessidades;

Direitos: Valores a receber de terceiros;

Passivo Origem de recursos (dívida/obrigação presente, tem um vencimento/data/credor) e

Patrimônio Líquido: Origens/fontes de recursos.

Sempre usar a palavra Empresa na indicação de uma ação, p. ex., a empresa comprou/pagou, a
empresa obteve um empréstimo junto ao Banco etc., assim facilitará a classificação contábil.

(1) A empresa comprou uma Geladeira, classificação, bem;


(2) A empresa comprou Estoques (mercadorias), classificação, bem;
(3) A empresa obteve um Empréstimo Bancário junto ao Banco FR, fonte de recurso, obrigação
presente (Passivo).
Coloque na tabela abaixo um “X” na coluna classificação conforme exemplo 1) Material de escritório.
Contas Patrimoniais - ativo, passivo e patrimônio líquido. Classificação
Descrição: B D P PL
1) Material de escritório – almoxarifado – estoques. X
2) Empréstimos (dívida/data com vencimento/credor) bancários.
3) Aplicações financeiras – CDB – curto prazo.
4) Máquinas, equipamentos e ferramentas.
5) Terrenos.
6) Lucros ou Prejuízos acumulados.
7) Reservas estatutárias.
8) Financiamento bancário.
9) Duplicatas a receber.
10) Dividendos a pagar.
11) Reserva legal.
12) Salários a pagar.
13) Mercadorias.
14) Capital social.
15) Impostos a recolher.
16) Desenvolvimento de software.
17) Reserva de contingência.
18) Duplicatas descontadas.

Gestão Contábil
83

Este exercício refere-se aos slides de números 05 a 13.


O exercício 42 não é cobrado em prova, porém os conceitos são à base de todo o curso de
Contabilidade.

42) Exercício introdutório ao Balanço Patrimonial (B/P) e a Demonstração do Resultado


(DRE). (Capítulo 1)
Eventos contábeis ocorridos em 30/12/16 na empresa comercial de sapatos Runner Shoes Ltda.

Os fatos contábeis com seus respectivos valores são apresentados com a finalidade meramente
didática.

TABELA 1:

Data Fato Fatos contábeis ocorridos em 30 de dezembro de 2016 $ Mil


30/12 01 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 600
Aquisição de 10 mil pares de sapatos (mercadorias) a prazo a $ 150 cada Próxima
30/12 02 par com o fornecedor Ferracini para serem revendidas. (vide tabela 3) página.
30/12 03 Aquisição de veículos diretamente com a concessionária FORD a prazo. 100
30/12 04 Financiamento bancário para aquisição de balcões e prateleiras. 80
30/12 05 Aquisição de computadores (uso) a prazo. 20

Pede-se:
Registrar os eventos (fatos) contábeis da Runner Shoes Ltda. no Balanço Patrimonial. Os registros
das operações serão efetuados conforme o Plano de Contas da empresa.

O Plano de Contas tem por finalidade agrupar contas de mesma natureza, ou seja, serão utilizados
para os registros dos fatos administrativos (operações) decorrentes da gestão empresarial.

TABELA 2:

Balanço Patrimonial – B/P


Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento Fornecedores (sapatos) Capital Social
Lucros ou (Prejs.)
Mercadorias Veículos a Pagar
acumulados
Veículos Financiamentos Bancários
Balcões e Prateleiras Contas a Pagar (computadores)
Computadores
Duplicatas a Receber

Gestão Contábil
84

Runner Shoes Ltda.


TABELA 2:
Balanço Patrimonial – B/P
Aplicação Origem Origem
Ativo Passivo Patrimônio Líquido
Bancos Conta Movimento Fornecedores (sapatos) Capital Social
Lucros ou (Prejs.)
Mercadorias Veículos a Pagar
acumulados
Veículos Financiamentos Bancários
Balcões e Prateleiras Contas a Pagar (computadores)
Computadores
Duplicatas a Receber
TABELA 1:
Data Fato Fatos contábeis ocorridos em 30 de dezembro de 2016 $ Mil T
30/12 01 Integralização (aporte/injeção) de capital em dinheiro efetuado pelos sócios. 600 √
Aquisição de 10 mil pares de sapatos (mercadorias) a prazo a $ 150 Vide
30/12 02 cada par com o fornecedor Ferracini para serem revendidas. abaixo
30/12 03 Aquisição de veículos diretamente com a concessionária FORD a prazo. 100
30/12 04 Financiamento bancário para aquisição de balcões e prateleiras. 80
30/12 05 Aquisição de computadores (uso) a prazo. 20
T = Tique (símbolos) (√)

Data Tabela 1 - Fatos contábeis ocorridos em 30 dezembro de 2016 $ Mil


Aquisição de 10 mil pares de sapatos (mercadorias) a prazo a $ 150
30/12 Vide
abaixo
cada par com o fornecedor Ferracini para serem revendidas.
Preencha as linhas tracejadas.

Tabela 3 - Ficha de Controle de Estoques (mercadorias).


Bem: Sapatos.
Entradas (compras) Saídas (vendas) Saldo Mercs. (vai para o balanço)
Data Quant. Custo Unit. V. Total Quant. Custo Unit. V. Total Quant. C. Unit. V. Total
29/12 - - - - - - 0 0 0
30/12 _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ - - - ____ ____ ____
Runner Shoes Ltda. – Balanço Patrimonial em 30/12/16 – Em $ Mil.
Ativo (aplicações) $ Passivo e Patrimônio Líquido (origens/fontes) $
Bens (coisas úteis) Passivo – Capital de Terceiro – há vencimento
______________( ) ___ ______________________( ) ___
______________( ) ___ ______________________( ) ___
______________( ) ___ ______________________( ) ___
______________( ) ___ ______________________( ) ___
Subtotal dos Bens (ativo) ___ Subtotal do Passivo ___
Direitos (valores a receber) Patrimônio Líquido (PL) – Capital Próprio
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (01) 600 Capital social (01) ____
Subtotal dos Direitos (ativo) ___ Subtotal do Patrimônio Líquido ___
Total do Ativo (bens + direitos) 2.300 Total do Passivo e Patrimônio Líquido ____

Gestão Contábil
85

ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA CORRETA.


43) A Origem (aumento) dos Recursos está no: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Ativo ( ) b) Passivo ( ) c) Passivo e Patrimônio Líquido
44) A Aplicação (aumento) dos Recursos está no: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Ativo ( ) b) Passivo ( ) c) Passivo e Patrimônio Líquido
45) O Patrimônio Líquido representa: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Capitais Próprios ( ) b) Capitais de Terceiros
46) As contas Patrimoniais representam: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Ativo ( ) b) Passivo ( ) c) Ativo e Demonstração de Resultado
( ) d) Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido
47) O Balanço Patrimonial (B/P) é uma demonstração: (capítulos 1, 2 e 4)
( ) a) Estática ( ) b) Dinâmica
48) A Demonstração do Resultado (DRE) é uma demonstração: (capítulos1, 2 e 4)
( ) a) Estática ( ) b) Dinâmica
49) O Balanço Patrimonial representa saldo: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Atual ( ) b) Passado
50) Como exemplo de contas Patrimoniais, pode-se citar: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Veículos, e Despesa com aluguel ( ) b) Despesa com salários e Despesa com aluguel
( ) c) Fornecedores e Receita de aluguel ( ) d) Máquinas, Capital Social e Fornecedores
51) As contas de Resultado dividem-se em: (Capítulos 1 e 4)
( ) a) Ativo ( ) b) Passivo
( ) c) Contas de Despesa ( ) d) Contas de Receita e Despesa
52) Como exemplo de contas de Resultado, pode-se citar: (Capítulos 1 e 2)
( ) a) Veículos, e Despesa com aluguel ( ) b) Despesa com salários e Despesa com Aluguel
53) As Despesas decorrem do (a): (Capítulos 1 e 2)
( ) a) Venda de Bens e da Prestação de Serviços ( ) b) Consumo de Bens e da utilização de Serviços
54) O fato contábil de uma Venda a prazo de mercadoria deve-se registrar no Balanço Patrimonial
e na DRE respectivamente: (Capítulos 1, 2 e 4)

( ) a) No ativo: Diminuição (baixa) da conta Mercadorias, aumento das Duplicatas a Receber e na


DRE: aumento das Receitas de Vendas e reconhecimento do Custo das Vendas

( ) b) No ativo: Aumento da conta Mercadorias, diminuição das Duplicatas a Receber e na DRE:


diminuição das Receitas de Vendas e reconhecimento do Custo das Vendas

55) A Depreciação é um fato: (Capítulo 5)

( ) a) Econômico ( ) b) Financeiro

Gestão Contábil
86

ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA CORRETA.


56) A conta patrimonial Fornecedores (compra a prazo) figura em qual demonstração? (Capítulos 1 e 4)
( ) a) Demonstração do Resultado (DRE) ( ) b) Balanço Patrimonial – (B/P)
( ) c) Demonstração do Resultado (DRE) e Balanço Patrimonial – (B/P)
57) A conta patrimonial Empréstimos Bancários figura em qual demonstração? (Capítulos 1 e 4)
( ) a) Demonstração do Resultado (DRE) ( ) b) Balanço Patrimonial – (B/P)
58) Despesa de Salário gerada e não paga deve figurar respectivamente no (a) (Capítulos 2 e 4)
( ) a) Balanço Patrimonial e DRE ( ) b) DRE e Balanço Patrimonial – Passivo
( ) c) Balanço Patrimonial e Fluxo de Caixa ( ) d) DRE e Balanço Patrimonial – Ativo

59) A conta patrimonial Estoque representa potencial de geração de Fluxo de Caixa Positivo.
Quando a empresa compra seus Estoques para vendê-los posteriormente esta conta fica
evidenciado em qual demonstrativo? (Capítulos 1 e 4)

( ) a) Balanço Patrimonial - Ativo Circulante ( ) b) Balanço Patrimonial – Patr. Líquido


( ) c) Balanço Patrimonial – Imobilizado ( ) d) Demonstração de Resultado - Receita

60) As Receitas decorrem: (Capítulos 1ou 2)


( ) a) da Venda de Bens e da Prestação de Serviços

( ) b) do Consumo de Bens e da utilização de Serviços

61) As contas Duplicata a Receber e Estoques devem figurar no: (Capítulos 2 e 4)

( ) a) Passivo ( ) b) Patrimônio Líquido

( ) c) Passivo e Patrimônio Líquido ( ) d) Ativo

62) As contas Empréstimos Bancários e Fornecedores devem figurar no: (Capítulos 1 ou 4)


( ) a) Passivo ( ) b) Patrimônio Líquido
( ) c) Passivo e Patrimônio Líquido ( ) d) Ativo

63) As contas Salários a Pagar e Capital Social devem figurar no: (Capítulos 1 ou 4)
( ) a) Passivo ( ) b) Patrimônio Líquido e Ativo
( ) c) Passivo e Patrimônio Líquido ( ) d) Ativo e Passivo

64) As contas Financiamentos Bancários (longo prazo) e Lucros Acumulados devem figurar no:
(Capítulos 1 e 4)

( ) a) Passivo ( ) b) Patrimônio Líquido


( ) c) Passivo Não Circulante e Patrimônio Líquido ( ) d) Ativo e Patrimônio Líquido
65) O usuário da informação contábil que tem por objetivo maximizar a riqueza dos proprietários é o?
(Capítulo 1)

( ) a) Fornecedor ( ) b) Administrador
66) Os acionistas são que tipo de usuários da contabilidade? (Capítulo 1)
( ) a) Internos ( ) b) Externos

Gestão Contábil
87

67) A empresa Delta apurou através do seu contador que houve um desfalque na conta patrimonial
Caixa e Equivalentes de Caixa, este fato representa um (a): (capítulo 2)

( ) a) Ganho ( ) b) Perda ( ) c) Despesa


Após a escolha da alternativa correta justifique a luz dos fundamentos de contabilidade.

68) Aquisição de máquinas injetoras a ser utilizada na fábrica (produção) é considerada uma
aplicação cujo benefício econômico é: (capítulo 1)

( ) a) Futuro ( ) b) Imediato
69) A Value Consultoria iniciou suas atividades em 2016. Em 31/12/2016, foram constatados os
seguintes saldos contábeis: (Capítulo 2)

OBSERVAÇÃO:
Não confundir contas patrimoniais (ativo, passivo e patrimônio líquido) com as contas de
resultado (receitas, custos e despesas). Portanto, o exercício é sobre DRE e não Balanço
Patrimonial.
Coloque um “X” na coluna apropriada quando a descrição (conta) em 2016 indicar Balanço
Patrimonial (B/P) ou Demonstração de Resultado (DRE) conforme modelo abaixo letra h.

Descrição (2016) $ Mil Balanço DRE


a) Receita de Venda de Serviços 80
b) Salários a pagar 20
c) Duplicatas a receber 40
d) Custo dos serviços prestados (despesa) 35
e) Empréstimo bancário - principal 10
f) Despesa com salários 20
g) Despesa com juros 5
h) Caixa e equivalentes de caixa 70 X
Pede-se:
Com base na tabela acima preencha as linhas tracejadas, quando for o caso, da tabela abaixo,
(DRE) apurando o resultado pela sistemática do regime de competência.

Evidencie também na DRE abaixo o Lucro Bruto do período. (vide Slides capitulo 2)

Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Em $ Mil.


Descrição (2016) Em $ Mil
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
_________________________ _________
Lucro Líquido _________

Gestão Contábil
88

70) A empresa FR Ltda. assinou em 01/09/16 um contrato para a prestação de serviços na área
contábil com a empresa Master Ltda.

Em 15/09/16 foi recebido um adiantamento relativo ao serviço a ser prestado pela FR Ltda. O
serviço foi prestado no dia 18/10/16. (capítulo 2)

Pergunta-se:

Em que data foi reconhecida a Receita pela empresa contratada? Após a escolha da data justifique-
a a luz dos fundamentos da Contabilidade.

Data do reconhecimento da Receita: _____/_____/16

Justificativa:

71) A Calçados Confortáveis Ltda. apresenta a seguinte tabela abaixo:

Itens Datas
Pedido de Compra 05/08/16
Emissão da Nota Fiscal 30/10/16
Entrega da Mercadoria (calçados) 03/11/16

Em que data foi reconhecida a Receita pela empresa Calçados Confortáveis? Após a escolha da
data justifique-a a luz dos fundamentos da Contabilidade. (capítulo 2)

Data do reconhecimento da Receita: _____/_____/16

Justificativa:

Gestão Contábil
89

72) Elaborar a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), considerando os seguintes dados


da Cia. HP – Hewlett Packard Brasil S/A: (Capítulo 2)
A Receita (Venda) Operacional Bruta é de $ 24.000, da qual incidem os seguintes impostos:
IPI no valor de $ 4.000 e ICMS no valor de $ 3.600.
No que tange às deduções, além dos impostos incidentes sobre vendas, a empresa concedeu
abatimento (posterior à saída do produto) de $ 200, chegando-se assim a Receita (Venda)
Operacional Líquida.

Os gastos na fabricação do produto vendido foram: Matéria-Prima $ 1.000; Mão-de-obra mais os


Encargos Sociais $ 2.000; Outros Custos de Fabricação $ 1.000. Dessa forma, a empresa calculou o
seu Lucro Bruto.
No que dizem respeito às Despesas Operacionais, as mais significativas foram as: Comissões de
Vendedores e Propaganda, que somaram $ 1.500. Quanto às Despesas Administrativas somaram $
400. As Despesas Financeiras de $ 800 foram aliviadas com as Receitas Financeiras de $ 700. Assim a
empresa apurou seu Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro (RATSL).

Sobre o RATSL (resultado antes dos tributos sobre o lucro), a empresa calculou a Imposto de
Renda de 15% e Contribuição Social de 9%. Após a apuração da Contribuição Social e do
Imposto de Renda a Pagar apurou-se o RLOC, após esse lucro houve participação de
Administradores $ 752. Após a participação destacada, apure o Lucro Líquido do Exercício.
Preencha as linhas tracejadas.
Cia. HP - Demonstração do Resultado do Exercício - em 31/12/2016.
$ $
Receita (Venda) Operacional Bruta 24.000
(-) Deduções:
IPI sobre vendas ( _ _ _ _)
ICMS sobre vendas ( _ _ _ _)
Abatimentos (200) (____)
(=) Receita (Venda) Operacional Líquida _____
(-) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (____)
(=) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _____
(-) Despesas Operacionais:
_________________________ ( _ _ _ _)
Administrativas ( _ _ _ _) (____)
(=) Resultado Antes das Despesas e Receitas Financeiras (RADRF) = EBIT (*) 10.300
Despesas Financeiras ( _ _ _ _)
Receitas Financeiras ____ ( _ _ _ _)
(=) Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro (RATSL) _____
(-) Imposto de Renda (15%) (____)
(-) Contribuição Social (9%) (____) (____)
(=) Resultado Líquido das Operações Continuadas (RLOC) _____
(-) Participações Estatutárias:
Administradores (____)
(=) Lucro Líquido 7.000
(*) EBIT = Resultado (lucro ou prejuízo) antes dos Juros (despesas financeiras) e dos Impostos (Imposto
de Renda e Contribuição Social).

Gestão Contábil
90

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL. (capítulo 3)


O objetivo dessa demonstração é relatar todas as transações que ocorreram na conta do Patrimônio
Líquido (PL) durante o exercício social.

Os órgãos de administração deverão propor à Assembleia Geral Ordinária a destinação integral do


Lucro Líquido apurado no exercício de 2016, sendo que os lucros não destinados deverão ser
distribuídos na forma de dividendos (§ 6 do art. 202).

OBSERVAÇÃO:

Em 2016 houve aumento de Capital em dinheiro no valor de $ 1.000 efetuado pelos acionistas.
Portanto altera o Patrimônio Líquido (PL) da empresa.

A Cia. HP gerou lucro no exercício de 2016 de $ 7.000 (vide DRE a página anterior).

Proposta de destinação do lucro de 2016:


a) 5% do lucro líquido serão destinados à Reserva Legal;
b) 10% do lucro líquido serão destinados às Reservas Estatutárias;
c) O saldo remanescente após a constituição das reservas será distribuído entre os acionistas.
Preenchimento das Reservas e dos Dividendos em 2016 - Cia. HP.
Itens: % de participação sobre o Lucro Líquido $
a) Lucro Líquido (DRE) 7.000
b) Reserva Legal 5 _____
c) Reservas Estatutárias 10 _____
d) Saldo remanescente d= a (-) (b+c) _____
e) Dividendos a pagar e= d Leia o item c da proposta de destinação do lucro _____

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL.


Cia. HP - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) em 31/12/2016.
Lucros
Capital Reserva Reservas Total do
Patrimônio Líquido (Prejuízos)
Social Legal Estatutárias PL
Acumulados
Saldo Inicial 31/12/2015 30.000 1.300 700 0 32.000
Aumento de Capital _____ _____
Lucro em 31/12/2016 ______ _____
Destinação do Lucro:
Reserva Legal – 5% (Lei 6.404/76) _____ ______ _____
Reservas Estatutárias – 10% ______ ______ _____
Dividendos ______ _____
Saldo Final 31/12/2016 _____ _____ ______ ______ 34.050

Gestão Contábil
91

73) Elabore a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido da Cia. Titãs. (capítulo 3)

Cia. Titãs. – Balanço Patrimonial em 31/12/15.


Ativo $ Passivo e Patrimônio Líquido $
Ativo Circulante Passivo Circulante (giro rápido)
Caixa e Equivalentes de Caixa 22.000 Dividendos (dívida com o acionista) 6.000

Subtotal do Ativo Circulante 22.000 Subtotal Passivo Circulante 6.000


Ativo Não Circulante Patrimônio Líquido
Imobilizado Capital Social 22.000
Prédios 3.000 Reserva Legal 0
Máquinas e Equipamentos 4.000 Reservas de Contingência 0
(-) Depreciação Acumulada (1.000)
Subtotal do Ativo Não Circulante 6.000 Subtotal do Patrimônio 22.000
Líquido
Total dos Ativos 28.000 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 28.000

OBSERVAÇÕES:
Em 2016 houve aumento de Capital (integralização/aporte) em dinheiro no valor de $ 3.000
efetuado pelos acionistas. Portanto, este fato provoca alteração no Patrimônio Líquido da empresa.

A Cia. Titãs gerou lucro no exercício de 2016 de $ 5.000 (DRE), página 12 desta apostila.

Proposta de destinação do lucro de 2016:


d) 5% do lucro líquido serão destinados à Reserva Legal;
e) 10% do lucro líquido serão destinados às Reservas de Contingências; e,
f) O saldo remanescente após a constituição das reservas será distribuído entre os acionistas.
Preenchimento das Reservas e dos Dividendos em 2016 - Cia. Titãs.
Itens: % de participação sobre o Lucro Líquido $
a) Lucro Líquido (DRE) 5.000
b) Reserva Legal 5 _____
c) Reservas de Contingência 10 _____
d) Saldo remanescente: d= a (-) (b+c) _____
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – DMPL.
Cia. Titãs - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) em 31/12/2016
Lucros ou
Capital Reserva Reservas de
Patrimônio Líquido (Prejuízos) Total do PL
Social Legal Contingência
Acumulados
Saldo Final 31/12/2015 22.000 0 0 0 22.000
Aumento de Capital ______ ______
Lucro em 31/12/2016 5.000 ______
Destinação do Lucro:
Reserva Legal – 5% _____ (_ _ _ _ _ _) _ _ _ _ _ _
Reservas de Contingência _____ (_ _ _ _ _ _) _ _ _ _ _ _
Dividendos (_ _ _ _ _ _) (_ _ _ _ _ _)
Saldo Final 31/12/2016 _____ ____ _____ ______ ______
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
92

Continuação da página anterior.

(capítulo 3)
Cia. Titãs – Balanço Patrimonial em 31/12/
Ativo 2016 2015 Passivo e Patrimônio Líquido 2016 2015
$ $ $ $
Ativo Circulante (AC) Passivo Circulante (PC)
Caixa e Equivalentes de Caixa 25.000 22.000 (*) Dividendos (acionista) 4.250 6.000
Subtotal do Ativo Circulante 25.000 22.000 Subtotal do Passivo Circulante 4.250 6.000
Ativo não Circulante (AÑC) Patrimônio Líquido (PL) DMPL DMPL
Imobilizado Capital Social 25.000 22.000
Prédios 3.000 3.000 Reserva Legal 250 0
Máquinas e Equipamentos 4.000 4.000 Reservas de Contingência 500 0
(-) Depreciação Acumulada (2.000) (1.000)
Subtotal do Ativo Não Circulante 5.000 6.000 Subtotal do Patrimônio Líquido 25.750 22.000
Total do Ativo 30.000 28.000 Total do Passivo e PL 30.000 28.000

Os valores dos grupos de contas do Ativo Circulante e do Ativo não Circulante foram atribuídos
aleatoriamente para fins didáticos.

(*) dívida com os acionistas. Caso a empresa fosse uma LTDA. a conta a ser registrada no balanço
patrimonial (passivo circulante) poderia ter o nome de Distribuição de Lucros para os sócios.

Gestão Contábil
93

74) Elabore os Fluxos de Caixa modelo Direto da clínica de odontologia Odocon S.A. (Capítulo 6)
Fato nº Fatos Contábeis – Em 2016 Em $ Mil (a) T
1 Recebimento de diversos serviços prestados (receitas) à vista. 250 √
2 Despesas com propaganda e publicidade à vista. 10
3 Compras de material de limpeza a prazo. 40
4 Aporte de capital em dinheiro efetuado pelos acionistas. 180
5 Compra de caneta cirúrgica (não venda) angulada à vista. 70
6 Pagamento dos dividendos do ano de 2015. 60
7 Aquisição de compressor odontológico marca Kavo a prazo. 25
8 Aquisição de Surg Light Plus II (não é para vender) à vista. 15
9 Recebimento de diversas duplicatas do ano de 2015. 55
10 Apurou-se a Depreciação ao longo do ano de 2016. 30
(a) T = TIQUE √ - (coloque o tique após o registro de cada operação)
Odocon S.A. – Balanço Patrimonial em 31/12/ – Em $ Mil.
2014 2015
Ativo Circulante $ $
Caixa e Equivalentes de Caixa 45 20
Odocon S.A - Fluxo de Caixa modelo Simplificado em 31/12/2016.
Modelo Simplificado (*) O/I/F Fato $ Mil $ Mil
Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes de Caixa Preencha nº ____
Entradas (recebimentos): abaixo
_______________________________ ___ ____ ____
_______________________________ ___ ____ ____
_______________________________ ___ ____ ____ ____
Saídas (pagamentos):
_______________________________ ___ ____ ____
_______________________________ ___ ____ ____
_______________________________ ___ ____ ____
_______________________________ ___ ____ ____ ____
Saldo Final de Caixa e Equivalentes de Caixa 350
(*) O= Operacional I= Investimento F= Financiamento
Fluxos de Caixa Modelo Direto.
Odocon S.A. – Fluxos de Caixa (Cash Flow) em 31/12/2016 – Em $ Mil.
Fato $
a) Atividades Operacionais: nº
Recebimento de diversos serviços prestados (receitas) à vista. 1 ____
____________________________________ ___ ____
____________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades Operacionais ____
b) Atividades de Investimentos:
____________________________________ 5 ____
____________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Investimentos ____
c) Atividades de Financiamentos:
____________________________________ ___ ____
Dividendos de 2015 ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Financiamentos ____
(=) Aumento ou Diminuição Líquido ao Caixa e Equivalentes de Caixa (a + b + c) ____
(+) Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do período ____
(=) Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do período 2016 350
Continua na próxima página.

Gestão Contábil
94

Continuação da página anterior.

Preencha as linhas tracejadas:


Ao reportar-se aos Fluxos de Caixa modelo Direto, da atividade de Financiamento podemos dizer
que a empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (captou ou não captou) Empréstimos Bancários de curto
prazo para financiar a atividade de investimento de $ _ _ _ .

O Caixa Operacional _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (gerado ou consumido) no valor de $ _ _ _ foi _ _ _ _ _ _


_ _ _ _ _ _ _ _ _ (suficiente ou insuficiente) para financiar os ativos não circulantes de $ _ _ _ _.

Portanto, _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) “quebra” de equilíbrio financeiro, ou seja, a


empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (tomou ou não tomou) empréstimos de curto prazo, e que
normalmente são mais onerosos, para financiar as políticas de longo prazo (atividade de
investimento - imobilizado – caneta cirúrgica e surg light plus II).

Portanto, observa-se que _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) má gestão dos Fluxos de Caixa.

OBSERVAÇÃO:
O slide abaixo (fluxos de caixa) será disponibilizado na prova como ANEXO.

Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Gestão Contábil
95

75) Elabore os Fluxos de Caixa modelo Direto da indústria Têxtil Cafahi S.A. (Capítulo 6)
Fato nº Fatos Contábeis – Em 2016 Em $ Mil (a) T
1 Recebimento de diversas vendas (receitas) à vista. 50 √
2 Despesas com propaganda e publicidade à vista. 5
3 Compras de material de escritório a prazo. 40
4 Aporte de capital em dinheiro efetuado pelos acionistas. 10
5 Aquisição de empréstimos bancários junto ao Banco FR. 300
6 Compra de teares à vista. 200
7 Pagamento dos dividendos do ano anterior (2015). 45
8 Amortização (pagamento) de dívidas de longo prazo. 15
2
9 Depreciação (fato econômico) ao longo do ano de 2016. 20
(a) T = TIQUE √ - (coloque o tique após o registro de cada operação)
Fluxos de Caixa Modelo Direto.
Têxtil Cafahi S.A – Fluxos de Caixa em 31/12/2016 – Em $ Mil.
Modelo Simplificado Fato $
a) Atividades Operacionais: nº
Vendas à vista – do período 1 ____
____________________________________ ___ ____
____________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades Operacionais ____
b) Atividades de Investimentos:
____________________________________ 6 ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Investimentos ____
c) Atividades de Financiamentos:
____________________________________ ___ ____
____________________________________ ___ ____
Dividendos de 2015 ___ ____
____________________________________ ___ ____
(=) Caixa gerado ou (consumido) nas Atividades de Financiamentos ____
(=) Aumento ou Diminuição Líquido ao Caixa e Equivalentes de Caixa (a + b + c) ____
(+) Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do período 15
(=) Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do período 2016 110

Preencha as linhas tracejadas:


Ao reportar-se aos Fluxos de Caixa modelo Direto, da atividade de Financiamento podemos dizer
que a empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (captou ou não captou) Empréstimos Bancários de curto
prazo para financiar a atividade de investimento de $ _ _ _ _.

O Caixa Operacional _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (gerado ou consumido) no valor de $ _ _ _ _ foi _ _ _ _ _


_ _ _ _ _ _ _ (suficiente ou insuficiente) para financiar os ativos não circulantes de $ _ _ _ _.

Portanto, _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) “quebra” de equilíbrio financeiro, ou seja, a


empresa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (tomou ou não tomou) empréstimos de curto prazo, e que normalmente
são mais onerosos, para financiar as políticas de longo prazo (atividade de investimento -
imobilizado – teares).

Portanto, observa-se que _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) má gestão dos Fluxos de Caixa

Gestão Contábil
96

OBSERVAÇÃO:
O slide abaixo (fluxos de caixa) será disponibilizado na prova como ANEXO.

Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Demonstrativo dos Fluxos de Caixa modelo Direto. Refere-se aos exercícios 76 a 78.
Classifique os fatos contábeis em suas atividades: operacional, investimento e
financiamento. (capítulo 6)

76) Determinada empresa comercial recebeu de seus clientes $ 100 mil e pagou aos seus
fornecedores $ 40 mil em setembro de 2016.

( ) a) Operacional ( ) b) Investimento ( ) c) Financiamento

77) Aquisição de Prédios à vista deve ser classificado como atividade:

( ) a) Operacional ( ) b) Investimento ( ) c) Financiamento

78) Amortização de Empréstimo deve ser classificado como atividade:

( ) a) Operacional ( ) b) Investimento ( ) c) Financiamento

Gestão Contábil
97

79) Exercício resolvido passo a passo. Servirá de base para os próximos exercícios
sobre Estrutura Financeira Contábil. (capítulo 7)

Elabore a Estrutura Financeira Contábil da Prime Serviços Gerais Ltda. usando


proporcionalidades (caixinhas/retângulos), conforme tabela abaixo.

Grupos de Contas Siglas $ Mil


a) Ativo Circulante – curto prazo AC 30
b) Passivo Circulante – curto prazo PC 50
c) Ativo Não Circulante – longo prazo AÑC 90
d) Passivo Não Circulante – longo prazo PÑC 10
e) Patrimônio Líquido – longo prazo PL 60
f) Passivo Não Circulante + Patrimônio Líquido (longo prazo) ∑ PÑC + PL 70

Primeiro passo:
Elaborar os retângulos, porém sempre respeitando a característica de proporcionalidade.

AC = $ 30 PC = $ 50

$ 30 (aplicação) $ 50 (origem)

Segundo passo:
Identificar quem está financiando quem, colocando setas indicativas ( ) da origem para a
aplicação de recursos. Quanto à reta tracejada ( ) separa as proporcionalidades.

AC = $ 30 PC = $ 50
$ 20 (origem) (será aplicado em algum ativo)

$ 30 (aplicação) $ 30 (origem)

Observa-se que o PC de $ 50 (origem) financiou o AC de $ 30 (aplicação), restando um saldo do


PC de $ 20 (origem) que deve ser aplicado obrigatoriamente em Ativo (aplicação).
O próximo passo é saber para onde foram os $ 20 do Passivo Circulante (origem).

Vamos supor um Ativo Não Circulante de $ 90 e um Passivo Não Circulante de $ 10 e um


Patrimônio Líquido de $ 60. Os recursos de longo prazo são de $ 70 (PÑC + PL).

AÑC = $ 90 PÑC + PL = $ 70
$ 20 (parte) Quem financiou?

$ 70 $ 70

Quem financiou parte do Ativo Não Circulante (AÑC) de $ 20?


Resposta: Foi a ORIGEM de recurso de Curto Prazo Passivo Circulante (PC).

Gestão Contábil
98

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
99

Continuação da página anterior.

Terceiro passo:
Vamos unir o segundo e terceiro passos para podermos ter uma visão geral da Estrutura
Financeira Contábil para visualizarmos TODAS as ORIGENS e APLICAÇÕES.

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

AC = $ 30 PC = $ 50
$ 20 (origem)

$ 30 (aplicação) $ 30 (origem)

AÑC = $ 90 PÑC + PL = $ 70

$ 20 (parte)

$ 70 $ 70

Total do Ativo 120 Passivo e Patrimônio Líquido 120

RESUMO:

Leia com a máxima de atenção.


$ 30 do Ativo Circulante
O Passivo Circulante de $ 50 financiou:
$ 20 do Ativo Não Circulante

O Passivo Não Circulante e o Patrimônio Líquido de $ 70 $ 70 (parte do AÑC de $ 90)

LEIA ATENTAMENTE O PARÁGRAFO ABAIXO:

Houve uma “quebra” de Equilíbrio Financeiro, pois o PC – curto prazo –


origem de recursos - está financiando parte do AÑC que é uma aplicação de
longo prazo, portanto, o AÑC demora em dar retorno.

Gestão Contábil
100

80) Considere os seguintes dados da tabela abaixo de uma determinada empresa: (exercício
resolvido, usar este MODELO para os dois próximos exercícios). Sugere-se antes um reforço a
leitura do exercício 79. (capítulo 7)

1ª Coluna 2ª Coluna
Grupo de Contas $
a) Ativo Circulante (AC) 30
b) Ativo Não Circulante (AÑC) 70
c) Passivo Circulante (PC) 40
d) Passivo Não Circulante (PÑC) 35
e) Patrimônio Líquido (PL) 25
f) PÑC + PL f = (d + e) – recursos de longo prazo 60
g) Capital Circulante Líquido g = a (-) c ou CCL = AC (-) PC (vide Slide 77) _____

Comece desenhando (caixinhas) um retângulo (1ª coluna) e coloque o valor (2ª coluna).

Exemplo, letra a ativo Circulante (AC) (1ª coluna) e o valor $ 30 (2ª coluna).

AC = $ 30 PC = $ 40
$ 10 (CCL – folga financeira)

$ 30 $ 30

Com os dados da tabela acima elabore a Estrutura Contábil Financeira da Indústria MCR:

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

AC = $ 30 PC = $ 40
$ 10 (não tem CCL, pois PC > AC)

$ 30 $ 30

AÑC = $ 70 PÑC + PL = $ 60

$ 10 (parte)

$ 60 $ 60

Total do Ativo = 100 Total Passivo e Patr. Líquido = 100

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
101

Continuação da página anterior.

Pergunta-se:
As quatro questões abaixo, a, b, c e d deverão SEMPRE serem justificadas tendo por
base a Estrutura Financeira Contábil da página anterior.

a) Qual é o valor de CCL? A empresa apresenta CCL positivo ou negativo?


b) Os recursos de Longo Prazo conseguiram financiar TODO Ativo Não Circulante?
c) Houve “quebra” de Equilíbrio Financeiro?

d) A origem de recurso Passivo Circulante está financiando qual ativo? Informe os valores
monetários.
Respostas: (resolvidas – modelo para os próximos exercícios)
a) CCL = AC (-) PC (vide Slide 77)
CCL = 30 (-) 40
CCL = (10) = negativo (não há CCL), portanto, não há folga financeira.
Não, pois o PC de $ 40 é MAIOR que o AC de $ 30.
==============================================================================================
b) Os recursos de Longo Prazo (PÑC + PL) de $ 60 não conseguiram financiar TODO o
Ativo Não Circulante (AÑC) de $ 70. Portanto, a ORIGEM é menor que a APLICAÇÃO.
==============================================================================================
c) SIM, pois o Passivo Circulante (curto prazo) de $ 40 está financiando parte do Ativo
Não Circulante (longo prazo), ou seja, daqueles $ 40 do PC $ 10, foram utilizados para
financiar parte dos $ 70 do Ativo Não Circulante. A princípio financiar recursos de longo
com curto prazo é mais ONEROSO.
==============================================================================================

d) O PC de $ 40 está financiando conforme estrutura financeira contábil:

$ 30 para o Ativo Circulante - aplicação;


PC $ 40 (origem)
$ 10 para o Ativo Não Circulante - aplicação.

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido


AC =$ 30 PC = $ 40
$ 10

$ 30 $ 30
AÑC = $ 70 PÑC + PL = $ 60

$ 10 (parte)

$ 60 $ 60

Gestão Contábil
102

81) Considere os seguintes dados da tabela abaixo: (utilize o modelo da página anterior).
(capítulo 7)

Grupo de Contas $
a) Ativo Circulante (AC) 40
b) Ativo Não Circulante (AÑC) 60

c) Passivo Circulante (PC) 30


d) Passivo Não Circulante (PÑC) 55
e) Patrimônio Líquido (PL) 15
f) PÑC + PL f = (d + e) – recursos de longo prazo 70
g) Capital Circulante Líquido g = a (-) c ou CCL = AC (-) PC (vide Slide 77) _ _ _ _ (CCL)

Com os dados da tabela acima elabore a Estrutura Financeira Contábil da empresa Comercial
M&F. Faça o desenho das caixinhas. Respeite as proporcionalidades das caixinhas.

Uma parte da estrutura já foi resolvida para poder ajudar no desenvolvimento do restante do
exercício.

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

AC = $ 40 PC = $ 30
$ 10 (CCL, positivo, pois o AC > PC)

$ 30 $ 30 (ORIGEM)

Faça abaixo os desenhos das “caixinhas” (representações gráficas) para o AÑC e o PÑC + PL.
Respeite as proporcionalidades das caixinhas.

AÑC = $ _ _ _ _ _ _ PÑC + PL = $ _ _ _ _ _

Total do Ativo = 100 Total Passivo e Patr. Líquido = 100

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
103

Continuação da página anterior.

As quatro questões abaixo, a, b, c e d deverão SEMPRE serem justificadas tendo por


base a Estrutura Financeira Contábil da página anterior.

a) Qual é o valor de CCL? A empresa apresenta CCL positivo ou negativo?


b) Os recursos de Longo Prazo conseguiram financiar TODO Ativo Não Circulante?
c) Houve “quebra” de Equilíbrio Financeiro?

d) A origem de recurso Passivo Circulante está financiando qual ativo? Informe os


valores monetários.
Respostas:

a) Qual é o valor de CCL? A empresa apresenta CCL positivo ou negativo?

CCL = AC (-) PC (vide Slide 77)

CCL =

b) Os recursos de Longo Prazo conseguiram financiar TODO Ativo Não Circulante?

c) Houve “quebra” de Equilíbrio Financeiro?

Não houve “quebra” de equilíbrio financeiro, pois, não há recursos de curto prazo
financiando os recursos de longo prazo conforme evidenciado na Estrutura
Financeira Contábil.

d) A origem de recurso Passivo Circulante está financiando qual ativo? Informe o valor
monetário.

Gestão Contábil
104

82) Considere os seguintes dados da tabela abaixo: (capítulo 7)

Grupo de Contas $
a) Ativo Circulante (AC) 170
b) Ativo Não Circulante (AÑC) 50

c) Passivo Circulante (PC) 180


d) Passivo Não Circulante (PÑC) 10
e) Patrimônio Líquido (PL) 30
f) PÑC + PL f = (d + e) - (recursos de longo prazo) 40
g) Capital Circulante Líquido g = a (-) c ou CCL = AC (-) PC (vide Slide 77) _ _ _ _ (CCL)

Com os dados da tabela acima elabore a Estrutura Financeira Contábil da Indústria ABC:

Uma parte da estrutura já foi resolvida para poder facilitar no desenvolvimento do restante do
exercício.

Faça abaixo os desenhos das “caixinhas” (representações gráficas) para o AC e PC. Respeite as
proporcionalidades das caixinhas.

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

AC = $_ _ _ _ PC = $ _ _ _ _

AÑC = $ 50 PÑC + PL = $ 40

$ 10 (parte)

$ 40 $ 40

Total do Ativo = 220 Total Passivo e Patri. Líquido = 220

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
105

Continuação da página anterior.

Pergunta-se:
As quatro questões abaixo, a, b, c e d deverão SEMPRE serem justificadas tendo por
base a Estrutura Financeira Contábil da página anterior.

a) Qual é o valor de CCL? A empresa apresenta CCL positivo ou negativo?


b) Os recursos de Longo Prazo conseguiram financiar TODO Ativo Não Circulante?
c) Houve “quebra” de Equilíbrio Financeiro?

d) A origem de recurso Passivo Circulante está financiando qual ativo? Informe os valores
monetários.
Respostas:

a) Qual é o valor de CCL? A empresa apresenta CCL positivo ou negativo?

CCL = AC (-) PC (vide slide 77)

CCL = 170 (-) 180

CCL = (10). O CCL é NEGATIVO. Portanto, não há CCL (NÃO HÁ FOLGA FINANCEIRA).

b) Os recursos de Longo Prazo conseguiram financiar TODO Ativo Não Circulante?

c) Houve “quebra” de Equilíbrio Financeiro, pois o Passivo Circulante de $ 180


financiou parte do Ativo Não Circulante em $ 10. Portanto, há recursos de curto
prazo financiando ativos de longo prazo.

d) A origem de recurso Passivo Circulante de $ 180 está financiando qual ativo? Informe o
valor monetário.

Gestão Contábil
106

83) Preencha as linhas tracejadas abaixo. (capítulo 4)

Para a resolução deste exercício utilize a folha Resumo das Contas Patrimoniais – Ativo, Passivo
e Patrimônio Líquido abaixo.

Balanço Patrimonial:
PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO (ORIGEM/FONTE):
Todo aumento de uma conta de Passivo e Patrimônio Líquido é uma Origem de Recursos.
Grupo de Contas Giro Prazo Realização Contas – exemplos
Fornecedores, Salários a Pagar,
Passivo Circulante (PC) Rápido Curto Até 12 meses
Empréstimos, Dividendos etc.
Passivo Não Circulante (PÑC) Lento Longo Acima 12 meses Financiamentos Bancários etc.
Capital Social, Lucros ou
Patrimônio Líquido (PL) Lento Longo Acima 12 meses
(Prejuízos) Acumulados etc.
ATIVO (APLICAÇÃO):
Todo aumento de uma conta de Ativo é uma Aplicação de Recursos.
Grupo de Contas Giro Prazo Realização Contas – exemplos
Caixa e Equivalentes de Caixa,
Ativo Circulante (AC) Rápido Curto Até 12 meses
Estoques etc.
Ativo Não Circulante (longo prazo e acima de 12 meses). Subgrupos do Ativo Não Circulante:
Ativo Não Circulante (AÑC) a) Realizável a longo
Lento Longo Acima 12 meses
prazo:
Títulos a Receber etc.
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses b) Investimentos: Obras de Arte
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses c) Imobilizado:
Máquinas e equipamentos
Hospitalares/Industriais etc.
Ativo Não Circulante (AÑC) Lento Longo Acima 12 meses d) Intangível: Marcas e Patentes

1) Todo Ativo é uma:

A __ __ __ __ __ __ __ o de recursos.

2) Todo Ativo Circulante é uma

Aplicação de recurso de C _ _ _ _ prazo.

3) Todo Passivo e Patrimônio Líquido são uma:

O _ _ _ _ _ ou fonte de recursos.

4) Todo Passivo Circulante é uma:

Origem de recurso de _ _ _ _ o prazo.

Gestão Contábil
107

ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA CORRETA.

84) Determinada empresa industrial captou recursos de curto prazo através de Duplicatas
Descontadas (5,99% a.m.) para financiar a compra de Máquinas e Equipamentos (ativo de lento
retorno), com este procedimento a empresa poderá: (Capítulo 4)

( ) a) Caminhar a passos largos para Insolvência

( ) b) Não caminhar a passos largos para a Insolvência


85) Para que não haja “quebra” de equilíbrio financeiro a empresa deveria financiar seu Ativo
Não Circulante (lento retorno) com recursos de: (Capítulo 7)

Segue abaixo um modelo da Representação Gráfica da Estrutura Financeira Contábil para que
se possa visualizar mais facilmente a pergunta do teste acima.

( ) a) curto Prazo ( ) b) longo Prazo

Balanço Patrimonial Gerencial - Massas Patrimoniais/Representações Gráficas (caixinhas):

AC = $ 170 PC = $ 120
$ 50
120 $ 120

AÑC = $ 30 PÑC + PL = $ 80
$ 50 (CDG-excesso l.
prazo)
$ 30
$ 30

Total Ativo 200 Total P + PL 200

86) Para que a situação financeira de curto prazo seja favorável o: (Capítulo 7 – vide slide 77)

( ) a) Ativo Circulante deve ser maior que o Passivo Circulante


( ) b) Ativo Circulante deve ser menor que o Passivo Circulante
87) Como exemplo de Caixa e Equivalentes de Caixa temos: (capítulo 4 e slide 42)

( ) a) Recursos no Cofre e Aplicações Financeiras (CDB/LTN) ( ) b) Recursos no Cofre e Estoques

( ) c) Aplicações Financeiras (CDB/LTN) e Imobilizado ( ) d) Imobilizado e Estoques

Gestão Contábil
108

88) De acordo com o Balanço Patrimonial a seguir classifique e calcule. (Capítulo 7)

Vamos rever os conceitos de Administração de Capital de Giro – modelo Fleuriet.

Para a resolução do exercício abaixo utilize o Slide nº 72, bem com o resumo da página 27.

Descrição / Classificação L = Legenda


Ativo Circulante Operacional – curto prazo ACO
Ativo Circulante Financeiro ou Errático – curto prazo ACF
Ativo Não Circulante – (RLP + Investimentos + Imobilizado + Intangível) AÑC
Passivo Circulante Operacional - curto prazo PCO
Passivo Circulante Financeiro ou Errático - curto prazo PCF
Passivo Permanente – (PÑC + PL) – longo prazo PP
Com base na tabela acima classifique o Balanço Gerencial abaixo utilizando a Legenda (L).
Balanço Gerencial – Tech Power em 31/12/16 – Em $ Mil.
Ativo $ L Passivo e Patrimônio Líquido $ L
Caixa e equivalentes de caixa 2.600 _ _ _ Fornecedores 16.200 ___
Estoques 20.200 _ _ _ Duplicatas descontadas 7.800 ___
Duplicatas a receber 16.600 _ _ _ Salários a pagar 5.400 ___
Seguros 1.600 ACO Impostos a pagar sobre vendas 3.400 PCO
Aplicações financeiras 3.400 _ _ _ Imposto de renda 1.400 ___
Imóveis 23.200 AÑC Capital social 32.600 PP
Equipamentos 8.600 _ _ _ Lucros ou (Prejs.) acumulados (*) 9.400 ___
Total do Ativo 76.200 Total Passivo e Patrim. Líquido 76.200

(*) Lucros ou (Prejuízos) Acumulados vide RESUMO da página 101.

Todo Circulante é Curto Prazo (CP), não sendo é considerado Longo Prazo (LP).
Preencha as linhas tracejadas abaixo:
Todas as perguntas de a até j são baseadas no Balanço Gerencial da empresa Tech Power.

Preencha as linhas tracejadas abaixo.


a) Ativo Circulante Operacional (ACO):

Contas Patrimoniais Valores


Estoques 20.200
______________________ _________
______________________ _________
Total 38.400

$ 38.400 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _.


b) Passivo Circulante Operacional (PCO):

Contas Patrimoniais Valores


______________________ _________
______________________ _________
______________________ _________
Total 25.000

$ 25.000 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _.

Gestão Contábil
109

LEIA ABAIXO COM ATENÇÃO.


Todo Circulante é Curto Prazo (CP), não sendo circulante é considerado Longo Prazo (LP).

c) Calcule a Necessidade de Capital de Giro (NCG).

NCG = ACO (-) PCO

NCG = $ _ _._ _ _ (aplicação – CP) - $ 25.000 (origem - CP)

NCG = $ _ _._ _ _

Sendo o ACO (aplicação) > PCO (origem):


Dica: Na subtração prevalece o sinal do MAIOR.
A NCG é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ de Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _.

d) Ativo Circulante Financeiro (ACF):

Contas Patrimoniais Valores


______________________ _________
______________________ _________
Total 6.000

$ 6.000 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _ _.

e) Passivo Circulante Financeiro (PCF):

Contas Patrimoniais Valores


______________________ _________
______________________ _________
Total 9.200

$ 9.200 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _ _ .

Gestão Contábil
110

LEIA ABAIXO COM ATENÇÃO.


Todo Circulante é Curto Prazo (CP), não sendo circulante é considerado Longo Prazo (LP).

f) Calcule o Saldo de Tesouraria (ST).


ST = ACF (-) PCF

ST = $ 6.000 (Aplicação-CP) - $ _ _ _ _ _ _ _ (Origem - CP)

Cuidado com o sinal matemático na fórmula do ST abaixo.

ST = $ _._ _ _

Sendo o PCF (origem) > ACF (aplicação):


Dica: Na subtração prevalece o sinal do MAIOR.
O ST é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ de Curto ou Longo Prazo?_ _ _ _ _ _ _ _.

g) (AÑC) Ativo não Circulante (RLP + Investimento + Imobilizado + Intangível):

Contas Patrimoniais Valores


______________________ _________
______________________ _________
Total 31.800

$ 31.800 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _.

h) (PP) Passivo Permanente (PÑC + PL):

Contas Patrimoniais Valores


______________________ _________
______________________ _________
Total 42.000

$ 42.000 é Origem ou Aplicação? _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Curto ou Longo Prazo? _ _ _ _ _ _ _ _ _.

Gestão Contábil
111

i) Faça a Estrutura Financeira Contábil do Capital de Giro (CDG), Ativo Não Circulante
(AÑC) e o Passivo Permanente (PP) preenchendo o Balanço Patrimonial abaixo.

Para o preenchimento do Balanço Patrimonial – Gerencial - abaixo poderá ser utilizado o


MODELO (retângulos/caixinhas). (Capítulo 7) Slide nº 71.
Grupos de Contas Sigla Prazo Em $ Mil
Ativo Circulante (ACO + ACF) AC Curto Prazo 44.400
(+) Ativo Não Circulante AÑC Longo Prazo 31.800
(=) Total do Ativo 76.200
Grupos de Contas Sigla Prazo Em $ Mil
Passivo Circulante (PCO + PCF) PC Curto Prazo 34.200
(+) Passivo Permanente (PÑC + PL) PP Longo Prazo 42.000
(=) Total do Passivo e Patrimônio Líquido 76.200
OBSERVAÇÃO:
CCL = AC (-) PC (CCL = Capital Circulante Líquido). (representa a folga financeira).
CCL = _ _ _ _ _ _ _ (-) 34.200 (extrair os números da ESTRUTURA acima).
CCL = $ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (folga financeira-visão clássica).
O CCL no valor de $ 10.200 está contido no Ativo Circulante de $ 44.400.
BALANÇO PATRIMONIAL – ESTRUTURA FINANCEIRA CONTÁBIL (gerencial).

2016

LEIA O RESUMO ABAIXO COM O MÁXIMO DE ATENÇÃO POSSÍVEL.


Observe que o valor do CCL de $ 10.200 é uma Aplicação de Recursos de Curto Prazo sendo
assim, o CCL está sendo financiado pelo CDG de $ 10.200, que é uma Origem de Recursos de
Longo Prazo (PP (-) AÑC). Portanto o CDG foi quem financiou o CCL de $ 10.200. Também
se observa que o Ativo Circulante de $ 44.400, foi financiado pelo Passivo Circulante de $
34.200 e mais $ 10.200 do Capital de Giro.

Gestão Contábil
112

j) Faça a Estrutura Financeira Contábil deste exercício (Ativo e Passivo Circulante Financeiro e
Operacional, NCG, ST e CDG), da mesma forma que foi apresentada no exercício da Cia. Supramati,
(VIDE PÁGINA 34 APOSTILA DE EXERCÍCIOS).

Preencha atentamente a tabela abaixo antes do preenchimento da Estrutura Financeira Contábil.


Grupos de Contas Sigla Prazo Em $ Mil
Ativo Circulante Financeiro. ACF Curto Prazo 6.000
(+) Ativo Circulante Operacional. ACO Curto Prazo 38.400
(+) Ativo Não Circulante (RLP, Inv., Imob. e Intangível). AÑC Longo Prazo 31.800
(=) Total do Ativo 76.200
Grupos de Contas Sigla Prazo Em $ Mil
Passivo Circulante Financeiro. PCF Curto Prazo 9.200
(+) Passivo Circulante Operacional. PCO Curto Prazo 25.000
(+) Passivo Permanente (PÑC + PL). PP Longo Prazo 42.000
(=) Total do Passivo e Patrimônio Líquido 76.200
Leia com o MÁXIMO de atenção ANTES de preencher o Balanço abaixo:
O PP financia o AÑC, o PCO financia o ACO e o PCF financia o ACF, porém caso o PCO não consiga financiar
o ACO total a empresa captará recursos de curto prazo, geralmente Passivo Circulante Financeiro (PCF) que
normalmente é mais oneroso para financiar a Necessidade de Capital de Giro (NCG).
QUANTO AO SALDO DE TESOURARIA (ST) COM SINAL NEGATIVO NÃO IMPORTA,
TRABALHE COM A FUNÇÃO MÓDULO – POSITIVO.

BALANÇO PATRIMONIAL – ESTRUTURA FINANCEIRA CONTÁBIL (gerencial).

2016

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
113

Continuação da página anterior.

LEIA ATENTAMENTE O RESUMO ABAIXO:


A Necessidade de Capital de Giro (NCG) positiva de $ 13.400, está

inclusa no Ativo Circulante Operacional (ACO) de $ 38.400. O Saldo de

Tesouraria (ST) de ($ 3.200) está incluso no Passivo Circulante

Financeiro (PCF) de $ 9.200 da mesma forma que o Capital de Giro (CDG)

de $ 10.200 está incluído no Passivo Permanente (PP) de $ 42.000.

Com relação à Necessidade de Capital de Giro (NCG) no valor de $ 13.400, que é


uma aplicação de recursos de Curto Prazo – CP, quais foram às origens de
recursos que a financiou? Informar também pelos valores monetários e quanto cada
origem representa (%) em relação à NCG.

Resposta: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_________________________________
_________________________________
_________________________________
_________________________________

Gestão Contábil
114

89) Com os dados da tabela abaixo elabore a Estrutura Financeira Contábil da empresa Bem
Administrada Ltda. em 31/12/2009, 2010 e 2011, não se esqueça de fazer as setas indicativas daquela
estrutura. Já foi feita uma parte daquela estrutura (próxima página) para poder facilitar o restante do
exercício. (capítulo 7)

ANTES de elaborar a Representação Gráfica na próxima página, faça os cálculos das variáveis
NCG e CDG, abaixo.

Itens $ Itens $ Calcule os Indicadores (ST, NCG e CDG).


Aplicação Origem ST = NCG = CDG =
2009 ACF (-) PCF ACO (-) PCO PP (-) AÑC
Itens $ Itens $
ACF 50 PCF 80 (30) = (50 (-) 80)
ACO 80 PCO 40 40
AÑC 10 PP 20
Total 140 140
2010 ST = NCG = CDG =
Itens $ Itens $ ACF (-) PCF ACO (-) PCO PP (-) AÑC
ACF 60 PCF 100
ACO 102 PCO 52 50
AÑC 48 PP 58
Total 210 210
2011 ST = NCG = CDG =
Itens $ Itens $ ACF (-) PCF ACO (-) PCO PP (-) AÑC
ACF 100 PCF 150
ACO 260 PCO 120
AÑC 140 PP 230 90
Total 500 500
AO TRANSPORTAR OS INDICADORES/VARIÁVEIS ACIMA NA ESTRUTURA
FINANCEIRA CONTÁBIL TRABALHE NA FUNÇÃO MÓDULO.

Leia atentamente antes de fazer o próximo exercício.


As setas indicativas servem para evidenciar que para toda ORIGEM tem-se uma APLICAÇÃO de recursos.
Portanto facilita a visualização das representações gráficas da Estrutura Financeira Contábil.
Exemplo:
setas indicativas ( ) – ORIGEM PARA APLICAÇÃO.

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
115

Continuação da página anterior.

Preencha a estrutura abaixo na FUNÇÃO MÓDULO, ou seja, o módulo de – 6 é │6│(positivo).


Elabore a Estrutura Financeira Contábil tendo por base os dados da tabela da página anterior.

Continua na próxima página.

Gestão Contábil
116

Continuação da página anterior.

Com base na Estrutura Financeira e Contábil da empresa Bem Administrada Ltda.


responda abaixo:
a) A Necessidade de Capital de Giro (NCG), Capital de Giro (CDG) e o Saldo de
Tesouraria (ST) são uma ORIGEM ou APLICAÇÃO de recursos nos últimos três anos?

Para responder a alternativa acima preencha na tabela abaixo.

Coloque um “X” quando as variáveis (NCG, CDG e ST) da tabela abaixo representarem
uma Origem ou Aplicação e na sequência indique os valores monetários daquelas
variáveis. Observe o exemplo abaixo da variável NCG (necessidade de capital de giro).

Indicadores/Variáveis Aplicação Origem 2009 2010 2011


$ $ $
NCG (ACO > PCO) X 40 ____ ____
CDG (PP > AÑC) ____ 10 ____
ST (PCF > ACF) ____ ____ 50

b) A Necessidade de Capital de Giro (NCG) em cada ano foi financiada por quais
indicadores/variáveis? Na tabela abaixo a coluna indicador/variável pode ser preenchida
através de legendas. Exemplo, a palavra Capital de Giro, legenda a ser informada “CDG.”

Para responder a alternativa acima preencha a tabela abaixo.

2009 2010 2011


Indicador/Variável Indicador $ Indicador $ Indicador $
CDG ____ ____ 10 ____ ____
NCG ____ ____ ____ ____ ____ ____
Total 40 Total 50 Total 140
c) Considere hipoteticamente que os juros decorrentes da utilização de Passivo Circulante
Financeiro (PCF), através do Saldo de Tesouraria (ST) da empresa, representou 50% das
Vendas em 2009, 65% em 2010 e, finalmente, 83% em 2011. Poderíamos inferir que as
operações da empresa estão sendo financiadas com recursos:

( ) a) onerosos ( ) b) não onerosos

d) Caso a empresa utilizasse recursos onerosos para financiar a operação


poderíamos afirmar que ela “caminha a passos largos” para:

( ) a) insolvência ( ) b) solvência

Gestão Contábil
117

ASSINALE ABAIXO A ALTERNATIVA CORRETA.

Exercícios extremamente importantes.


90) Quando a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é positiva, este fato representa uma: (Cap. 7)
Ativo (aplicação) Passivo e Patrimônio Líquido (origem)

ACO = 40 PCO = $ 30
$ 10 - NCG
$ 30 $ 30

( ) a) Aplicação (há necessidade recursos para o giro) ( ) b Origem (não há necessidade para o giro)
91) Quando o Saldo de Tesouraria (ST) é negativo, este fato representa uma: (capítulo 7)
Ativo Passivo e Patrimônio Líquido
ACF = $ 45 PCF = $ 75

($ 30) - ST
$ 45 $ 45
( ) a) Aplicação de recursos ( ) b) Origem de recursos
92) Quando a Necessidade de Capital de Giro (NCG) é negativa, este fato representa uma: (cap. 7)
Ativo Passivo e Patrimônio Líquido

ACO = $ 15 PCO = $ 25
($ 10) - NCG
$ 15 $ 15
( ) a) Aplicação (há necessidade recursos para o giro) ( ) b Origem (não há necessidade para o giro)
93) Quando o Saldo de Tesouraria (ST) é positivo, este fato representa uma: (capítulo 7)

Ativo Passivo e Patrimônio Líquido


ACF = $ 20 PCF = $ 15

$ 5 - ST
$ 15 $ 15
( ) a) Aplicação de recursos (margem de segurança) ( ) b) Origem de recursos

94) O Efeito Tesoura (ET) é um indicador que evidencia o descontrole das fontes onerosas (caras)
de recursos no: (capítulo 7)
( ) a) Longo Prazo ( ) b) Curto Prazo
95) O Efeito Tesoura (ET) acontece matematicamente quando: (capítulo 7)

( ) a) CDG > NCG ( ) b) NCG > CDG ( ) c) NCG = CDG

Gestão Contábil
118

96) Com os dados abaixo elabore o gráfico do Efeito Tesoura (ET), evidenciando as
legendas/variáveis (CDG, NCG e ST) no gráfico. (vide página 35 desta apostila - Capítulo 7)

Quanto ao desenho da tesoura é simplesmente um efeito visual, o que importa neste caso é que as
pontas da tesoura estão cada vez mais se distanciando.

2009 2010 2011


CDG – negativo (1.000) (4.000) (8.000)
NCG 13.000 15.000 20.000

30.000

20.000

10.000
CDG
0
NCG
(10.000)
ST
(20.000)

(30.000)
2009 2010 2011
Após o preenchimento do gráfico acima responda abaixo:
a) O Capital de Giro (CDG) conseguiu financiar a Necessidade de Capital de Giro (NCG)?
Justifique a Resposta:

b) Caso o CDG, não tenha conseguido financiar a NCG aonde provavelmente a empresa
captou recursos conforme gráfico acima? Justifique a resposta.

Gestão Contábil
119

97) Com os dados abaixo elabore o gráfico evidenciando as legendas/variáveis (CDG, NCG e ST)
no gráfico. (vide página 35 desta apostila - Capítulo 7)

Quanto ao desenho da tesoura é simplesmente um efeito visual, o que importa neste caso é que as
pontas da tesoura estão cada vez mais se distanciando.

2010 2011 2012


CDG 2.000 4.000 6.000
NCG 1.000 3.000 5.000

30.000

20.000

10.000
CDG
0
NCG
(10.000)
ST
(20.000)

(30.000)
2010 2011 2012
Após o preenchimento do gráfico acima responda abaixo:
a) O Capital de Giro (CDG) conseguiu financiar a Necessidade de Capital de Giro (NCG)?
Justifique a Resposta:

b) Quanto ao gráfico acima representa o Efeito Tesoura? A empresa caminha a passos


largos para o Overtrade (vide material complementar sobre Administração de Capital
de Giro - Apostila de Exercícios item 5, página 148)? Justifique a resposta.

Gestão Contábil
120

98) Faça uma representação gráfica considerando valores monetários aleatórios, porém o total do
ativo, Passivo e Patrimônio Líquido são iguais a $ 100. (capítulo 7)

Considere as seguintes condições:


ACF > PCF, PCO > ACO e PP > AÑC.
Lembrando:
PP financia AÑC, PCO financia ACO e PCF financia ACF.
Após a elaboração das representações gráficas identifiquem na estrutura abaixo as variáveis:

NCG e CDG.

OBSERVAÇÃO:
Ao preencher as “caixinhas” abaixo, sugere-se de BAIXO para CIMA, caso em contrário
poderá dar diferença no total do Ativo ou Passivo e Patrimônio Líquido.

Balanço Patrimonial Gerencial - Representações Gráficas (caixinhas):

ACF = $ _ _ _ PCF = $ _ _ _

$ _ _ _ _ (ST)

$____ $____

ACO = $ _ _ _ PCO = $ _ _ _
$ _ _ _ _ (_ _ _ _ _)
$____
$____

AÑC = $ _ _ _ PP = $ _ _ _
$ _ _ _ _ (_ _ _ _ _)

$____ $____

Total Ativo 100 Total P + PL 100

Pergunta-se:
a) Conforme representação acima quem está financiando o Saldo de Tesouraria (ST) positivo? Faça uma
seta indicativa saindo da origem a financiar aquela aplicação de recursos (ST) na representação acima.

Gestão Contábil
121

Exercício RESOLVIDO servirá de base para o próximo exercício.

Considere o texto abaixo da empresa Fictícia Ltda.


99) Caso qualquer DESPESA tenha crescido mais que a variação percentual (AH ∆ %) da
Receita de Venda provavelmente esta despesa é a “culpada” pela queda da lucratividade
da empresa, porém devemos olhar também a representatividade (AV %), sendo este o
fator principal. Segue abaixo um exemplo: (capítulo 7)

O objetivo é identificar quem foi o culpado pela redução do Lucro Líquido de 2008 no
valor de $ 86 para $ 53 (decréscimo de 38,37%) em 2009.
Vamos primeiro fazer os cálculos para posteriormente efetuar as análises da empresa.

Como calcular Análise Horizontal e Vertical da empresa Fictícia Ltda.?


Análise Vertical (AV %):
Em 2008 as Despesas com Vendas no valor de $ 1 representam 0,8% das Receitas
(Vendas) Líquidas no valor de $ 125. Como foi feito este cálculo? Use três casas decimais
depois da vírgula.

AV = ($ 1 / $ 125) X 100
AV = (0,008) X 100
AV = 0,800%

Portanto as Despesas com Vendas representam 0,80% das Receita de Vendas, sendo estas
100% (todo). Imagine que horror se as despesas com vendas representassem 95% das
Receitas de Vendas?

Quanto aos demais cálculos utiliza-se a mesma regra, ou seja, divida as Despesas pelas
Receitas de Vendas ( Despesas / Receitas de Vendas) e multiplica-se por 100.

Gestão Contábil
122

Pela HP 12 C

DRE 2008 AV AH ℅ 2009 AV AH ∆ %


$ % $ %
Receita de Vendas 125 100,00 100 175 100 40
Custo dos Serviços Prestados 20 16,00 100 100 57,14 400
Lucro Bruto 105 84,00 100 75 42,86 -28,57
Despesas Operacionais: 100
Vendas 1 0,80 100 2 1,14 100,00
Administrativas 18 14,40 100 20 11,43 11,11
Total despesas operacionais 19 15,20 100 22 12,57 15,79
Lucro (prejuízo) Líquido 86 68,80 100 53 30,29 -38,37

Pela HP 12 C

Análise Vertical (%T):


Use f de 3 (três casas decimais depois da vírgula).

1ª TECLA:
125 ENTER

2ª TECLA:
1 %T

No VISOR da HP 12 C vai aparecer: 0,800

OBSERVAÇÃO:

Para calcular os demais números basta apertar a tecla CLX e introduzir o próximo número
(valores monetários), por exemplo, o número 19 (total das despesas operacionais) e logo em
seguida aperte a tecla %T, vai aparecer no visor o número 15,20, e assim por diante.

Gestão Contábil
123

Análise Horizontal (AH ∆ %):


DRE 2008 AV AH % 2009 AV AH ∆ ?℅
$ % $ %
Receita de Vendas 125 100,00 100 175 100 40
Custo dos Serviços Prestados 20 16,00 100 100 57,14 400
Lucro Bruto 105 84,00 100 75 42,86 -28,57
Despesas Operacionais: 100
Vendas 1 0,80 100 2 1,14 100,00
Administrativas 18 14,40 100 20 11,43 11,11
Total despesas operacionais 19 15,20 100 22 12,57 15,79
Lucro (prejuízo) Líquido 86 68,80 100 53 30,29 -38,37

A “quarta coluna” da DRE AH, é o ano base, portanto é considerado 100%, ou seja,
considera-se a variação percentual de 2009 em relação a 2008.

Em 2008 as Despesas com Vendas apresentavam $ 1, no ano de 2009 aquelas despesas


passaram para $ 2. Portanto houve uma variação de 100 %. Como foi feito este cálculo?

AH ∆ % = (($ 2 / $ 1) – 1) X 100

AH ∆ % = (2 – 1) X 100

AH ∆ % = 1 X 100

AH ∆ % = 100

Portanto a variação das Despesas com Vendas teve uma variação percentual (AH ∆ %)
de 2009 em relação a 2008 de 100%.

Pela HP 12 C
Análise Horizontal (∆%):
Use f de 3 (três casas decimais depois da vírgula).
1ª TECLA:
1 ENTER

2ª TECLA:
2 ∆%
No VISOR da HP 12 C vai aparecer: 100,000

Gestão Contábil
124

Caso queira TREINAR o cálculo da Demonstração do Resultado empresa Fictícia segue


abaixo.

Na próxima página estão os cálculos feitos/resolvidos, assim você terá


como conferir.

Fictícia Ltda.
Demonstração de Resultado Fictícia Ltda. - Em 31/12 - $ Mil.

DRE 2008 AV AH ℅ 2009 AV AH ∆ %


$ % $ % ∆%
Receita de Vendas 125 100,0 175 100,0 40
Custo dos Serviços Prestados 20 100 400
Lucro Bruto 105 75
Despesas Operacionais:
Vendas 1 0,8 2 1,14 100,00
Administrativas 18 20
Total despesas operacionais 19 22
Lucro (prejuízo) Líquido 86 100 53 -38,37

Gestão Contábil
125

Após os cálculos vamos fazer análise da empresa Fictícia Ltda.


Fictícia Ltda.

DRE 2008 AV AH ℅ 2009 AV AH∆ %


$ % $ %
Receita de Vendas 125 100,00 100 175 100 40
Custo dos Serviços Prestados 20 16,00 100 100 57,14 400
Lucro Bruto 105 84,00 100 75 42,86 -28,57
Despesas Operacionais: 100
Vendas 1 0,80 100 2 1,14 100,00
Administrativas 18 14,40 100 20 11,43 11,11
Total despesas operacionais 19 15,20 100 22 12,57 15,79
Lucro (prejuízo) Líquido 86 68,80 100 53 30,29 -38,37

Pode-se afirmar que o “culpado” pela queda da lucratividade (lucro liquido dividido pelas
receitas de vendas) ou ((LL / RV) * 100) de 68,80% em 2008 para 30,29% em 2009 (AV %)
da empresa Fictícia Ltda. foram às despesas com vendas, cuja variação percentual (AH ∆ %) foi
de 100% e teve uma representatividade (AV %) de 1,14%?

Não, pois mesmo embora as despesas com vendas tenham variado 100% (bem acima da variação
das receitas de vendas de 40%) no ano de 2009 elas não foram responsáveis pela queda da
variação percentual (AH ∆ %) do lucro líquido de 38,37%, pois a representatividade (AV%) no
último ano foi de apenas 1,14% (imaterial).

O grande responsável “culpado” pela queda da variação percentual (AH ∆ %) de 38,37% do


Lucro Líquido no ano de 2009 em relação ao ano de 2008 foi o aumento do Custo dos Serviços
Prestados (CSP) em 400% (AH ∆ %) e cuja participação (AV %) no último ano foi de 57,14%
(material).

CONCLUSÃO:

Portanto nenhuma despesa pode variar mais que a variação (AH ∆ %) da Receita de Vendas, bem
como se deve levar em consideração na análise à representatividade (AV%), ou seja, caso a despesa
tenha crescido mais que a variação (AH ∆%) da Receita de Vendas e a representatividade da
referida despesa de vendas (AV%) seja IMATERIAL, deve-se procurar outro “culpado” pela queda
da lucratividade.
Continua na página seguinte.

Gestão Contábil
126

Dando sequência ao estudo da técnica da Análise Horizontal e Vertical vamos trabalhar


agora em cima do Balanço Patrimonial – Ativo – da empresa Fictícia Ltda.

Como a análise da DRE foi fácil, o Balanço Patrimonial terá o mesmo grau de dificuldade.

Balanço Patrimonial Fictícia Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.


2008 AV AH 2009 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 50,63 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 40 2,53 33,33
Estoques (material de consumo) 50 6,67 100 60 3,80 20,00
Subtotal do Ativo Circulante 90 12,00 100 900 56,96 900,00

Ativo Não Circulante


Imobilizado
Ressonância Magnética 160 21,33 100 170 10,76 6,25
Prédio 500 66,67 100 510 32,28 2,00
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 88,00 100 680 43,04 3,03

Total do Ativo 750 100 100 1.580 100 110,67

Como calcular Análise Horizontal e Vertical da empresa Fictícia Ltda.?

Análise Vertical (AV %):


Em 2008 a conta Caixa e Equivalentes de Caixa (CXEQCX) no valor de $ 10
representam 1,33% do Ativo Total e no valor de $ 750. Como foi feito este cálculo? Use
três casas decimais depois da vírgula.

AV = ($ 10 / $ 750) X 100

AV = (0,013) X 100

AV = 1,333%

Portanto a conta Caixa e Equivalentes de Caixa (CXEQCX) representavam 1,33% do


Ativo Total, sendo este 100% (todo). Imagine que “horror” se a referida conta
representasse 80% do Ativo Total?

Gestão Contábil
127

Pela HP 12 C
Balanço Patrimonial Fictícia Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.
2008 AV AH 2009 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 50,63 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 40 2,53 33,33
Estoques (material de consumo) 50 6,67 100 60 3,80 20,00
Subtotal do Ativo Circulante 90 12,00 100 900 56,96 900,00

Ativo Não Circulante


Imobilizado
Ressonância Magnética 160 21,33 100 170 10,76 6,25
Prédio 500 66,67 100 510 32,28 2,00
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 88,00 100 680 43,04 3,03

Total do Ativo 750 100 100 1.580 100 110,67

Pela HP 12 C

Análise Vertical (%T):


Use f de 3 (três casas decimais depois da vírgula).

1ª TECLA:
750 ENTER

2ª TECLA:
10 %T

No VISOR da HP 12 C vai aparecer: 1,333

OBSERVAÇÃO:

Para calcular os demais números basta apertar a tecla CLX e introduzir o próximo número
em valores monetários, por exemplo, o número 30 (duplicatas a receber) e na sequência
aperte a tecla %T, vai aparecer no visor o número 4,00, e assim por diante.

Gestão Contábil
128

.
Balanço Patrimonial Fictícia Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.
2008 AV AH 2009 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 50,63 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 40 2,53 33,33
Estoques (material de consumo) 50 6,67 100 60 3,80 20,00
Subtotal do Ativo Circulante 90 12,00 100 900 56,96 900,00
Ativo Não Circulante
Imobilizado
Ressonância Magnética 160 21,33 100 170 10,76 6,25
Prédio 500 66,67 100 510 32,28 2,00
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 88,00 100 680 43,04 3,03
Total do Ativo 750 100 100 1.580 100 110,67

Análise Horizontal (AH ∆ %):


Em 2008 a conta Caixa e Equivalentes de Caixa (CXEQCX) apresentava o saldo de $ 10, no
ano de 2009 passou para $ 800. Portanto houve uma variação de 7.900,00 %. Como foi feito
este cálculo?

AH ∆ % = (($ 800 / $ 10) – 1) X 100

AH ∆ % = (80 – 1) X 100

AH ∆ % = 79 X 100

AH ∆ % = 7.900,00

Portanto a variação da conta Caixa e Equivalentes de Caixa (CXEQCX) teve uma variação
percentual (AH ∆ %) de 2009 em relação a 2008 de 7.900,00%.

Pela HP 12 C
Análise Horizontal (∆%):
Use f de 3 (três casas decimais depois da vírgula).

1ª TECLA:
10 ENTER

2ª TECLA:
800 ∆%
No VISOR da HP 12 C vai aparecer: 7.900,000

Gestão Contábil
129

Caso queira TREINAR o cálculo do Balanço Patrimonial da empresa Fictícia segue


abaixo.

Na próxima página estão os cálculos feitos/resolvidos, assim você terá


como conferir.

Fictícia Ltda.

Balanço Patrimonial Fictícia Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.


2008 AV AH 2009 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 50,63 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 40
Estoques (material de consumo) 50 100 60
Subtotal do Ativo Circulante 90 100 900

Ativo Não Circulante


Imobilizado
Ressonância Magnética 160 21,33 100 170 10,76 6,25
Prédio 500 100 510
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 100 680

Total do Ativo 750 100 100 1.580 100

Gestão Contábil
130

Após os cálculos vamos fazer análise da empresa Fictícia Ltda.


Fictícia Ltda.

Balanço Patrimonial Fictícia Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.


2008 AV AH 2009 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 50,63 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 40 2,53 33,33
Estoques (material de consumo) 50 6,67 100 60 3,80 20,00
Subtotal do Ativo Circulante 90 12,00 100 900 56,96 900,00

Ativo Não Circulante


Imobilizado
Ressonância Magnética 160 21,33 100 170 10,76 6,25
Prédio 500 66,67 100 510 32,28 2,00
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 88,00 100 680 43,04 3,03

Total do Ativo 750 100 100 1.580 100 110,67

O mercado na qual atua a empresa Fictícia está bem aquecido. O orçamento para o ano de
2009 prevê a compra de diversos aparelhos de Ressonância Magnética. Em 2009 a
empresa teve prejuízo acentuado. Será que a Fictícia está sendo bem administrada?

RESPOSTA.
A empresa não está sendo bem administrada, pois não fez compras em aparelhos de
Ressonância Magnética. Em 2009, a representatividade dos aparelhos era de 10,76%
(AV%) e no mesmo período houve uma variação percentual de (∆ %) 6,25%.

Observa-se que a empresa está deixando recursos financeiros “parados” na conta Caixa e
Equivalentes de Caixa (CXEQCX), em 2009 a representatividade daquela conta era de
50,63% (bem material) e houve uma variação percentual de (∆ %) 7.900,00%.

Portanto a empresa está deixando de crescer, ou seja, não está aplicando os recursos do
Caixa em aparelhos de Ressonância Magnética que com certeza lhe traria maior
rentabilidade.

Gestão Contábil
131

100) A empresa Energy Services Ltda. apresenta a seguinte Demonstração do Resultado do


Exercício (DRE). (capítulo 7)

Sugere-se colocar as “estrelas” abaixo nas contas que tiveram uma variação percentual (∆℅)

acima das Receitas de Vendas de 28%. Vide exercício anterior.

Energy Services Ltda.

OBSERVAÇÃO
Caso qualquer despesa tenha crescido mais que a variação percentual (AH ∆ %) da
Receita de Vendas (28%) provavelmente este gasto seja o “culpado” pela queda da
lucratividade da empresa, porém devemos olhar também a representatividade (AV%),
sendo este o fator principal (determinante).

Você foi convidado (a) a fazer uma consultoria na empresa Energy Services Ltda.
Seu cliente alega que a queda do resultado para 93,42% (AH ∆ %) de 2009 em relação a 2008 foi
em virtude despesas com vendas terem crescido 100% de 2009 em relação a 2008, ou seja, acima
da variação percentual das Receitas de Vendas que foi de apenas 28% no mesmo período das
despesas com vendas. Portanto as despesas com vendas tiveram um aumento de 72% (100% (-)
28%) em relação à Receita de Vendas.

Você concorda com a alegação de seu cliente? Justifique sua resposta tendo por base a técnica da
análise horizontal e vertical.
Continua na próxima página

Gestão Contábil
132

Continuação da página anterior.


Energy Services Ltda.
Não se esqueça de colocar as “estrelinhas” da página anterior na DRE abaixo.

Depois de ter aprendido os cálculos vamos fazer a análise horizontal e vertical.


Seu cliente alega que a queda do resultado para 93,42% (AH ∆ %) de 2009 em relação a 2008 foi
em virtude despesas com vendas terem crescido 100% de 2009 em relação a 2008, ou seja, acima
da variação percentual das Receitas de Vendas que foi de apenas 28% no mesmo período das
despesas com vendas. Portanto as despesas com vendas tiveram um aumento de 72% (100% (-)
28%) em relação à Receita de Vendas. Você concorda com a alegação de seu cliente?

Preencha as linhas tracejadas abaixo:


_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (Concordo ou Não concordo), pois, mesmo embora as Despesas _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ (com vendas ou administrativas) tenham variado (∆ %) 100% em 2009, ou seja, acima da
variação percentual (∆%) das Receitas Líquidas (RL) de 28% a participação/representatividade (AV
%) foi _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (ínfima ou não ínfima), ou seja, as _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(despesas com vendas ou despesas administrativas) representam (AV%) apenas _ _ _ % (1,25% ou
0,80%) das Receitas de Vendas em 2009, ao passo que as Despesas Financeiras – juros – representam
(AV %) em relação às Receitas de Vendas _ _ _ _ _ _ _% em 2009.

As Despesas Financeiras em 2009 variaram (AH ∆%) _ _ _ _% bem acima das Receitas de
Vendas _ _ _ _% (AH ∆ %) e a representatividade (AV %) passou em 2008 de _ _ _% para _ _ , _ _%
em 2009, sendo esta uma representatividade material/representativa. Portanto as _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(Despesas Financeiras ou Despesas Administrativas) _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _(foram ou
não foram) as grandes “vilãs” da queda da lucratividade da empresa, ou seja, o lucro em 2008 que era
$ _ _ _ _ ($ 76 ou $ 80) e passou em 2009 para $ _ _ _ _ ($ 5 ou $ 30), teve um _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
(acréscimo ou decréscimo) em sua variação percentual (∆H %) de 93,42%, bem como, este lucro
representava em 2008, 60,80% das Receitas de Vendas passou em 2009 para apenas _ _ _ _ %.

Gestão Contábil
133

101) A empresa comercial Mal Administrada Ltda. apresenta seu Balanço Patrimonial abaixo. (cap.
7)

Balanço Patrimonial – Mal Administrada Ltda. - Em 31/12 – Em $ Mil.


2015 AV AH 2016 AV AH
Ativo $ % % $ % ∆%
Ativo Circulante
Caixa e Equivalentes de Caixa 10 1,33 100 800 16,13 7.900,0
Duplicatas a Receber 30 4,00 100 140 2,82 366,67
Estoques 50 6,67 100 60 1,21 20,00
Subtotal do Ativo Circulante 90 12,00 100 1.000 20,16 1.011,11
Ativo Não Circulante
Imobilizado
Prédio 660 88,00 100 3.960 79,84 500,00
Subtotal do Ativo Não Circulante 660 88,00 100 3.960 79,84 500,00
Total do Ativo 750 100 100 4.960 100 561,33
O mercado na qual atua a empresa Mal Administrada está bem aquecido. O orçamento para o
ano de 2016 previu aquisições em Estoques para poder atender a demanda de mercado. Em
2016 a empresa teve decréscimo em suas vendas, bem como no resultado (DRE). Os donos da
empresa o contrataram para saber se estão sendo bem aplicados os recursos em Ativos da
empresa. Justifique sua resposta através da técnica da Análise Horizontal e Vertical.

Preencha as linhas tracejadas abaixo:


A empresa Mal Administrada vem aplicando recursos de forma _ _ _ _ _ _ _ _ _ (errônea ou
correta) em Prédios, atividade meio, pois a representatividade que era de _ _ _ _% em 2015
passou para _ _ _ _% em 2016, bem como houve uma variação percentual (∆ %) de _ _ _ _ _%.

A empresa deveria aplicar recursos em _ _ _ _ _ _ _ _ _ (Estoques ou Prédios), atividade fim, pois


há demanda de mercado, os estoques tinham uma representatividade em 2015 de _ _ _ _%, e em,
2016 passou para _ _ _ _%, havendo uma variação percentual (∆ H %) de 20,00% de 2016 em
relação a 2015. Também se constata que a conta patrimonial Caixa e Equivalentes de Caixa em
2015 tinha uma representatividade de _ _ _ _%, passando para 2016 para 16,13%, quanto à
variação percentual de 2016 (∆ H %) em relação ao ano de 2015 foi de 7.900%.

Portanto constata-se pela técnica da Análise Horizontal e Vertical que a empresa Mal
Administrada _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (vem sendo bem administrada
ou não vem sendo bem administrada), pois os administradores _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (não estão
ou estão) aplicando os recursos nos ativos que poderiam dar maiores rentabilidade a empresa, como
por exemplo, a conta patrimonial Estoques. A análise também identificou que os recursos _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (estão parados ou não estão parados) na conta patrimonial Caixa e
Equivalentes de Caixa, portanto deixando de aplicar em Estoques e aplicando na compra de _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ (Prédios ou não Prédios) – sendo este ativo atividade meio e não fim da empresa.

Gestão Contábil
134

As perguntas (102 a 106) estão relacionadas com o capítulo 7 da apostila de slides.

Observação:

As siglas acima se equivalem, o importante é a essência do conceito.


Outros Livros Aulas do Fred = Vide Legenda
SIGLAS SIGLAS
RI TRI = ROI
RPL TRPL = ROE
PMC PMPF = PMPC
PME PMRE
PMR PMRV

102) Quando o PMRV (prazo médio de recebimento de vendas) em dias aumenta qual é o reflexo no
Fluxo de Caixa da empresa? (Capítulo 7)

103) Quando o PMPF (prazo médio de pagamento a fornecedores) em dias aumenta qual é o reflexo no
Fluxo de Caixa da empresa? (Capítulo 7)

Gestão Contábil
135

SIGLAS:
Outros Livros Aulas do Fred = Vide Legenda
RI TRI = ROI
RPL TRPL = ROE
PMC PMPF = PMPC
PME PMRE
PMR PMRV
As siglas acima se equivalem, o importante é a essência do conceito.
104) Preencha a tabela abaixo e logo em seguida responda: (Capítulo 7)
OBSERVAÇÃO QUANTO AS SETAS INDICATIVAS.
Seta indicativa para baixo significa que os dias estão caindo/diminuindo;

Seta indicativa para cima significa que os dias estão subindo/aumentando.


Ano PMRE em dias Giro de Renovação dos Estoques – em vezes
2014 (ano + antigo) 50 360 dias / 50 dias = 7,20
2015 (ano intermediário) 40 360 dias / 40 dias = _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
2016 (ano + recente) 30 _______________________

a) Considerando a diminuição nos dias do PMRE (Prazo Médio de Renovação dos Estoques) no
período de 2014 a 2016, o que aconteceu com o seu giro (vide última coluna da tabela acima)?

b) Qual foi a variação percentual (Δ H%) em dias do PMRE do ano de 2016 (30 dias) em relação
ao ano de 2014 (50 dias)?
Fórmula algébrica:
((30 / 50) – 1) x 100 = 40%. Portanto, houve uma queda de 40%.
Pela função da HP 12 C:
1ª Tecla 50 Enter – 2ª Tecla 30 ∆℅.

c) Neste caso é interessante esta tendência do índice em dias cair ou não? Por quê?

Gestão Contábil
136

105) Preencha a tabela abaixo e logo em seguida responda: (Capítulo 7)


Ano PMRV em dias Giro de Recebimento de Vendas – em vezes
2014 (ano + antigo) 50 360 dias / 50 dias = 7,20
2015 (ano intermediário) 30 _______________________
2016(ano + recente) 10 360 dias / 10 dias = _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

a) Considerando a diminuição ocorrida nos dias do PMRV (Prazo Médio de Recebimento de


Vendas) no período de 2014 a 2016, o que aconteceu com o seu giro (vide última coluna da tabela
acima)?

b) Qual foi à variação percentual (Δ H%) em dias do PMRV do ano de 2016 (10 dias) em relação
ao ano de 2014 (50 dias)?

Resposta: (demonstre o cálculo)

c) Neste caso é interessante esta tendência do índice em dias cair ou não? Por quê?

Gestão Contábil
137

SIGLAS:
Outros Livros Aulas do Fred = Vide Legenda
RI TRI = ROI
RPL TRPL = ROE
PMC PMPF = PMPC
PME PMRE
PMR PMRV
As siglas acima se equivalem, o importante é a essência do conceito.
106) Preencha a tabela abaixo e logo em seguida responda: (Capítulo 7)

OBSERVAÇÃO QUANTO AS SETAS INDICATIVAS.


Seta indicativa para baixo significa que os dias estão caindo/diminuindo;

Seta indicativa para cima significa que os dias estão subindo/aumentando.

Ano PMPF em dias Giro de Pagamentos a Fornecedores – em vezes


2016 (ano + RECENTE) 70 360 dias / 70 dias =
2015 (ano intermediário) 60 _______________________
2014 (ano + ANTIGO) 50 360 dias / 50 dias = 7,20
a) Considerando o aumento ocorrido nos dias do PMPF (Prazo Médio de Pagamentos a
Fornecedores) no período de 2014 a 2016, o que aconteceu com o giro (vide última coluna da
tabela acima)?

b) Qual foi à variação percentual (Δ H%) do PMPF em dias, do ano de 2016 (70 dias) em relação
ao ano de 2014 (50 dias)?
Resposta: (demonstre o cálculo)

c) Neste caso é interessante esta tendência do índice em dias subir (aumentar) ou não? Por quê?

Gestão Contábil
138

MODELO PARA OS PRÓXIMOS EXERCÍCIOS SOBRE CICLO: OPERACIONAL (CO)


E FINANCEIRO (CF) ou CAIXA (CC). PORTANTO, EXERCÍCIO RESOLVIDO.

107) Faça uma Representação Gráfica do Ciclo Operacional e Financeiro da empresa comercial
Life Fitness Ltda. conforme dados da tabela abaixo. (Capítulo 7)

Variáveis Unidade de Tempo - dias


a) PMRE 40
b) PMRV 50
c) CO = PMRE (+) PMRV ou c = a (+) b 90
d) PMPF 120
e) CC ou CF = CO (-) PMPF ou e = c (-) d (30)

Representação Gráfica do Ciclo Operacional e Financeiro.


Ciclo Operacional (CO) = 90 dias

C V R
P
PMRE = 40 dias PMRV = 50 dias

PMPF = 120 dias CC = (30) dias

Resumo.
Como a empresa Life Fitness Ltda. primeiro recebe para posteriormente pagar seus
fornecedores à empresa poderá fazer aplicações em outros ativos que lhe proporcionarão
maior rentabilidade, pois há uma folga de 30 dias.

Gestão Contábil
139

Para resolver os exercícios 108 e 109 utilize como modelo a Apostila Slide – Slide 89,
bem como o exercício anterior.

108) Faça uma Representação Gráfica do Ciclo Operacional e Financeiro conforme dados da
tabela abaixo. (capítulo 7)
Variáveis Unidade de Tempo - dias
a) PMRE 80
b) PMRV 100
c) CO = PMRE (+) PMRV ou c = a (+) b 180
d) PMPF 70
e) CC ou CF = CO (-) PMPF ou e = c (-) d 110
Ciclo Operacional (CO) = 180 dias

Quanto à Representação Gráfica acima ela tem característica mais de Indústria ou Comércio?
Justifique sua resposta.

Gestão Contábil
140

Faça o exercício abaixo utilizando como modelo a Apostila Slide – Slide 89.
109) Faça uma Representação Gráfica do Ciclo Operacional e Financeiro conforme dados da
tabela abaixo. (Capítulo 7)

Variáveis Unidade de Tempo - dias


a) PMRE 15
b) PMRV 7
c) CO = PMRE (+) PMRV ou c = a (+) b _____
d) PMPF 52
e) CC ou CF = CO (-) PMPF ou e = c (-) d _____
Ciclo Operacional (CO) = _ _ _ _ dias

Quanto à Representação Gráfica acima ela tem característica mais de Indústria ou Comércio?
Justifique sua resposta.

110) A Taxa de Retorno sobre Investimentos (TRI) da empresa comercial Gama é de


25% a.a. O pay back será de quantos anos? (Capítulo 7)
Assinale a alternativa correta.

( ) a) 5 anos ( ) b) 4 anos ( ) c) 100 anos


Demonstre o cálculo:

111) O índice de Liquidez Geral (LG) é uma métrica de: (Capítulo 7)

( ) a) curto prazo ( ) b) longo prazo ( ) curto e longo prazo

Gestão Contábil
141

Utilize os dados das tabelas abaixo da empresa Management S.A. para a


resolução dos exercícios 112 a 128. (capítulo 7)

Indicadores Legendas Fórmulas


1) Endividamento Geral EG (PC + PÑC) / (ATIVO TOTAL) * 100
2) Grau de Endividamento ou GE (CT / PL) * 100
Participação de Capitais de Terceiros PCT (CT / PL) * 100
3) Composição do Endividamento CE (PC / (PC + PÑC)) * 100
4) Imobilização de Recursos não Correntes IRÑC ((INV. + IMOB. + INT.) / (PÑC + PL) * 100
5) Liquidez Corrente LC AC / PC
6) Liquidez Seca LS (AC – ESTS.) / PC
7) Taxa de Retorno do Patrimônio Líquido TRPL (LL / PL) * 100
8) Pay Back PB 100% / TRPL
9) Taxa de Retorno de Investimento TRI (LL / Ativo Total) * 100
10) Pay Back PB 100% / TRI
11) Giro do Ativo GA RL / Ativo Total (em vezes)
12) Margem Operacional Líquida MOL (LADRF / RL) * 100
13) Margem Líquida ML (LUCRO LÍQUIDO / RL) * 100

Legendas 2016 2015


$ Mil $ Mil
Passivo Circulante PC 100 150
Passivo não Circulante PÑC 300 400
Capitais de Terceiros (*) CT 400 550
Patrimônio Líquido PL 600 950
Total do Passivo e Patrimônio Líquido (CT + PL) 1.000 1.500

Ativo Circulante AC 150 250


Ativo não Circulante AÑC 850 1.250
RLP RLP 0 0
Investimentos INV. 200 300
Imobilizado IMOB. 600 900
Intangível INT. 50 50
Total do Ativo 1.000 1.500
DRE
Receita Líquida ou Venda Líquida RL ou VL 10.000 40.000
Lucro Antes das Despesas e Receitas Financeiras LADRF 1.000 5.000
Lucro Líquido LL 200 400

(*) Capitais de Terceiros – Passivo Circulante (PC) + Passivo não Circulante (PÑC).

Gestão Contábil
142

112) Qual foi o índice mensurado para o Endividamento Geral (EG) para os anos de 2016 e 2015,
respectivamente? Fórmula: EG = (PC + PÑC) / (Ativo Total) * 100

Segue uma explicação adicional do índice do Endividamento Geral (EG), tendo por base valores
aleatórios.

Considere PC + PNC = $ 70 e o Ativo Total = $ 100, substituindo na fórmula acima se tem a


seguinte conclusão:

Quanto mais próximo de 100, maior dependência de capitais de terceiros, pois para cada $ 100
aplicados em Ativos (denominador), $ 70 foram originados de capitais de terceiros e $ 30 de
capitais próprios, ou seja, os $ 70 de Capitais de Terceiros + $ 30 de Capitais Próprios é justamente
aqueles 100, do denominador da fórmula matemática acima, que é o Ativo Total.

( ) a) 40,00% e 30,00% ( ) b) 40,00% e 36,67%


113) Ao observar o índice do EG constata-se uma predominância de capitais:
( ) a) De Terceiros ( ) b) Capitais Próprios
Justifique a alternativa correta.

114) Qual foi o índice mensurado para o Grau de Endividamento (GE) ou Participação de
Capitais de Terceiros (PCT) para os anos de 2016 e 2015, respectivamente? Fórmula: GE ou
PCT = (CT / PL) * 100

( ) a) 16,67% e 72,73% ( ) b) 66,67% e 57,89%


115) Ao observar o índice de PCT acima podemos dizer que a empresa está:

( ) a) mais dependente de Capitais de Terceiros em 2016


( ) b) menos dependente de Capitais de Terceiros em 2016
Justifique a alternativa correta.

Gestão Contábil
143

116) Qual foi o índice mensurado para a Composição do Endividamento (CE) para os anos de
2016 e 2015, respectivamente? Fórmula: CE = (PC / (PC + PNC)) * 100

( ) a) 25% e 27,27% ( ) b) 40% e 60,67%


117) Ao observar o índice da CE qual é o percentual (%) de recursos de longo prazo?
( ) a) 75% e 72,73% ( ) b) 60% e 39,33%
118) Qual foi o índice mensurado para a Imobilização de Recursos Não Correntes (IRNC) para
os anos de 2016 e 2015, respectivamente? Fórmula: IRNC = ((Inv. + Imob. + Int.) / (PÑC + PL))
* 100 ou IMRÑC = ((AÑC – RLP) / (PÑC + PL)) * 100. Considere o RLP com valor igual a
ZERO.

( ) a) 94,44% e 92,59% ( ) b) 53,13% e 51,02%

119) Ao observar-se o índice IRNC ou IMRÑC, quanto dos recursos de longo prazo (PÑC + PL)
foram aplicados (direcionados) para o Ativo Circulante (AC), em % ?

( ) a) 5,56% e 7,41% ( ) b) 33,08% e 36,56%

120) Qual foi o índice mensurado para a Liquidez Corrente (LC) para os anos de 2016 e 2015,
respectivamente? Fórmula: LC = AC / PC

( ) a) 1,50 e 1,67 ( ) b) 0,67 e 0,60

121) Qual foi o índice mensurado para a Liquidez Seca (LS), também conhecida como teste ácido,
para os anos de 2016 e 2015, respectivamente? Os Estoques representavam em 2016, $ 75 e em
2015, $ 125. Fórmula: LS = (AC – Estoques) / PC.

( ) a) 0,08 e 0,50 ( ) b) 0,75 e 0,83

122) Qual foi o índice mensurado para a Rentabilidade do Patrimônio Líquido (RPL) ou Taxa de
Retorno do Patrimônio (TRPL) ou (ROE), para os anos de 2016 e 2015, respectivamente?
Fórmula: RPL ou TRPL = (LL / PL) * 100.

( ) a) 33,33% e 42,11% ( ) b) 58,65% e 80,00%

123) Ao observar o índice da RPL ou TRPL em quantos anos seria a recuperação - Pay Back (PB)
para os investidores (donos)? Fórmula: PB = (100% / RPL) ou PB = (100% / TRPL).

( ) a) 3 anos e 2,37 anos ( ) b) 1,71 anos e 1,25 anos


Justifique sua resposta através de cálculos.

Gestão Contábil
144

124) Qual foi o índice mensurado para a Rentabilidade dos Investimentos (RI) ou Taxa de
Retorno de Investimento (TRI) ou (ROI), para os anos de 2016 e 2015, respectivamente?
Fórmula: RI ou TRI = (LL / Ativo Total) * 100.

( ) a) 25,00% e 26,67% ( ) b) 20,00% e 26,67%


125) Ao observar o índice da RI ou TRI em quantos anos seria a recuperação - Pay Back (PB)
para a empresa: Fórmula? PB = (100% / RI) ou PB = (100% / TRI).

( ) a) 4 anos e 3,75 anos ( ) b) 5,00 anos e 3,75 anos


Justifique sua resposta através de cálculos.

126) Qual foi o índice mensurado para o Giro do Ativo (GA) para os anos de 2016 e 2015,
respectivamente? Fórmula? GA = RL / Ativo Total (vezes)

( ) a) 10,00 vezes e 26,67 vezes ( ) b) 0,40 vezes e 2,50 vezes


Complete as linhas tracejadas preenchendo o que está entre parênteses ou mesmo completando,
quando este for solicitado.

A variação percentual (AH ∆℅) do Giro do Ativo de 2016 em relação a 2015 foi de _ _ _ _ %.
Portanto, nesse período _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ (houve ou não houve) um _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ (acréscimo ou decréscimo) das Receitas Líquidas.

A variação percentual (AH ∆℅) das Receitas Líquidas de 2016 em relação a 2015 foi de _ _ _ _
%.

127) Qual foi o índice mensurado para a Margem Operacional Líquida (MOL) para os anos de
2016 e 2015, respectivamente? Fórmula: MOL = (LADRF / RL) * 100. Este índice encontra-se na
Tabela Resumo dos Índices – Material de Apoio entregue, juntamente com as Apostilas.
Considere o Lucro Antes das Despesas e Receitas Financeiras (LADRF) de $ 1.000 e 5.000 nos
anos de 2016 e 2015 respectivamente.

( ) a) 10,00% e 12,50% ( ) b) 15,00% e 25,00%


128) Qual foi o índice mensurado para a Margem Líquida (ML) para os anos de 2016 e 2015
respectivamente? Fórmula: ML = (Lucro Líquido / Receita Líquida) * 100.

( ) a) 2,00% e 1,00% ( ) b) 5,00% e 7,00%

Gestão Contábil
145

Administração de Capital de Giro (CDG) –


Índices Dinâmicos - Michel Fleuriet.

1. Contas Circulantes Operacionais ou Cíclicas – Ativos e Passivos Circulantes Operacionais ou


Cíclicas e Contas Financeiras (erráticas) – Ativos e Passivos Circulantes Financeiros – Modelo
Fleuriet.

Michel Fleuriet, Olinquevith e de Santi desenvolveram um modelo de administração do capital de


giro, que tem sido denominado Análise Financeira Dinâmica.

Para desenvolver o modelo, Fleuriet separou os elementos do giro (ativo e passivo circulante) em
dois grupos:

a) Contas Circulantes Operacionais (cíclicas), ou seja, contas de natureza operacional;

b) Contas Circulantes Financeiras (erráticas), ou seja, as demais contas do circulante.

As contas Circulantes Operacionais “são aquelas que se relacionam diretamente com o ritmo
operacional, refletindo, em seus saldos, o nível de operações fins da empresa (...); já as contas
financeiras (erráticas), são aquelas cujos saldos evoluem sem qualquer relação com o ritmo das
operações, podendo, portanto ser zeradas quando a empresa estiver desempenhando normalmente
suas atividades” – FIORAVANTI, Maria Antônia. Análise da dinâmica das empresas-Dissertação
de Mestrado.

As contas Circulantes Operacionais ou Cíclicas relevantes são: duplicatas a receber, estoques,


despesas pagas antecipadamente, no ativo; duplicatas a pagar de fornecedores, obrigações tributárias
incidentes sobre vendas (ICMS, IPI, PIS etc.), obrigações trabalhistas, no passivo. As contas
circulantes financeiras – erráticas – relevantes são: caixa, bancos, aplicações financeiras, outras
contas correntes, no ativo; financiamentos bancários, descontos de duplicatas,
“provisões(passado)/ajustes (normas internacionais de contabilidade)” de impostos sobre o lucro
(imposto de renda e contribuição social), outras contas a pagar, no passivo.

Gestão Contábil
146

A importância desta abordagem é propiciar ao gestor (ou outro usuário da contabilidade) um modelo
de decisão para administração do capital de giro, a base deste conceito (cerne) é que as contas
cíclicas são essenciais para o andamento das operações, e caso as mesmas não forem realizadas
poderá comprometer a continuidade da empresa.

Exemplo:

Balanço Patrimonial – Modelo Fleuriet – em 31/12/11 - $ Mil.


Ativo Circulante Financeiro 1.300 Passivo Circulante Financeiro 1.500
Caixa 40 Empréstimos bancários 1.300
Bancos conta movimento 500 Imposto de renda e Contribuição social 50
Aplicações financeiras 700 Dividendos 150
Impostos a recuperar 60

Ativo Circulante Operacional 3.000 Passivo Circulante Operacional 1.400


Duplicatas a receber 1.700 Fornecedores 600
Estoques 1.200 Salários e encargos sociais 300
Adiantamento a fornecedores 80 Contas a pagar/Fornecedores 100
Seguros a vencer 20 Impostos sobre vendas (ICMS, IPI etc.) 400

Ativo Não Circulante – L. P. (*) 5.700 Passivo Permanente – Longo Prazo 7.100

Realizável a Longo Prazo 1.000 Financiamentos – BNDES (**) 4.000

Imobilizado 4.700 Patrimônio Líquido 3.100

Total do Ativo 10.000 Total do Passivo e Patrimônio Líquido 10.000

Observação:
As contas decorrentes do Lucro, por exemplo, Dividendos, Imposto de Renda e Contribuição
Social são consideradas Financeira.

(*) L.P. = Longo Prazo

(**) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Gestão Contábil
147

2. Indicadores de Avaliação da Estrutura Financeira Contábil.


Primeiramente, partiremos do Capital de Giro (CDG), o qual indica o volume de recursos de longo
prazo alocados para financiar o giro. Em palavras simples, as fontes de recursos de longo prazo
(Passivo Não Circulante + Patrimônio Líquido) financiam os investimentos de Longo Prazo (Ativo
Não Circulante), e o excedente deste investimento é destinado a prover o Ativo Circulante, ou seja,
financia o giro da empresa. O Capital de Giro é obtido pela fórmula:

CDG = (Passivo Não Circulante + Patrimônio Líquido) – (Ativo Não Circulante)

Ou

CCL = AC – PC - Aplicação.

Onde:

AC = Ativo Circulante e PC = Passivo Circulante Visão Clássica

Na visão clássica – CCL indica o quanto o AC é maior que o PC.

Observa-se que o CCL, positivo, é uma Aplicação e para cada aplicação há uma
Origem, conclui-se que o CDG é origem de recursos a financiar o CCL.

Agora, com base na subdivisão do Ativo Circulante e do Passivo Circulante em Operacionais e


Financeiros, podemos mensurar a Necessidade de Capital de Giro - NCG (ou Necessidade de
Investimento em Giro - NIG), confrontando Ativo Circulante Operacional e o Passivo Circulante
Operacional. Da diferença obtemos a necessidade operacional de investimento de longo prazo em
giro (Necessidade de Capital de Giro):

NCG = Ativo Circulante Operacional – Passivo Circulante Operacional.

A NCG representa a diferença entre as aplicações (ativos operacionais) e as fontes (passivos


operacionais) de recursos operacionais ou cíclicos, ligados às atividades operacionais, as quais se
renovam diariamente na empresa.

Um resultado positivo da NCG deste índice indica que a empresa possui necessidade de capital de
giro, que poderá ser obtido por meio de capitais próprios ou por terceiros.

Já o resultado negativo da NCG indica que a empresa está com sobra de recursos para giro.
Esta sobra pode ser aplicada no mercado financeiro ou para aquisição de ativos não circulantes
(Investimento, Imobilizado e Intangível).

Gestão Contábil
148

Com base nestes dois indicadores podemos avaliar o equilíbrio financeiro da empresa, onde a
mesma só apresentará segurança financeira quando:
CDG > NCG.

Esta situação demonstra a existência de recursos em excesso diante das necessidades permanentes
de giro. O contrário (NCG > CDG) sinaliza para a ocorrência de dificuldades financeiras.

Necessidade Total de Financiamento Permanente (NTFP).

A NTFP representa o montante mínimo que a empresa deve manter para financiar seu giro e seu
ativo de longo prazo (Investimento, Imobilizado e Intangível), buscando assim o equilíbrio
financeiro. Este índice é obtido pela fórmula:

NTFP = AÑC + NCG.

Para um bom equilíbrio financeiro, os recursos do Passivo Permanente (PP) de longo prazo
deveriam financiar ANTES o Ativo Não Circulante (AÑC) de longo prazo (exemplo, máquinas)
e caso sobre algum recurso do Passivo Permanente (PP), este irá financiar a Necessidade de
Capital de Giro (NCG).

O PP de cada ano deveria: 1º Financiar - AÑC 2º Financiar - NCG


Saldo de Tesouraria (ST).

O Saldo de Tesouraria (ST) simboliza a margem de segurança financeira de uma empresa, sua
capacidade interna de financiar o giro.

Um Saldo Tesouraria (ST) positivo indicaria uma disponibilidade de recursos na empresa, os


quais poderiam ser utilizados para aquisição de Ativos Não Correntes (AÑC) ou aplicação no
mercado financeiro.

No entanto um Saldo Tesouraria (ST) negativo representa a existência de Passivos Circulante


Financeiros (Empréstimos de Curto Prazo, por exemplo) financiando o Ativo Circulante
Operacional (como por exemplo, os Estoques) da empresa. Isto ocorre, pois o CDG (capital de giro)
ou CCL (capital circulante líquido) é insuficiente para financiar a NCG, sendo assim o passivo
circulante financeiro ou errático é maior que o ativo circulante financeiro ou errático e como já visto
anteriormente que as empresas utilizam-se recursos de curto prazo para o financiamento da NCG. O
Saldo Tesouraria (ST) é obtido através de:

ST = Ativo Circulante Financeiro – Passivo Circulante Financeiro

Gestão Contábil
149

Ou

ST = Passivo Permanente – NTFP.

Gestão Contábil
150

3. Diferentes Estruturas Financeiras e Riscos.

Apresentaremos a seguir alguns modelos de Estruturas Financeiras, as quais sinalizarão


para o Baixo, Médio ou Alto Risco Financeiro de uma empresa.
De início temos duas estruturas classificadas como de Baixo Risco, onde se nota a
existência de folga financeira. Nelas ocorre o equilíbrio financeiro.

Ativo Operacional Passivo Ativo Operacional Passivo


$ 40 Operacional $ 50 $ 60 Operacional $ 40
Passivo
Ativo Financeiro Ativo Financeiro Financeiro$ 20
$ 30 Passivo $ 30
Financeiro$ 10
Passivo
Ativo Não Permanente
Passivo
Ativo Não Circulante $ 80
Permanente
Circulante $ 80 $ 50
$ 70

CCL = 70 – 60 = 10 CCL = 90 – 60 = 30
NCG = 40 – 50 = (10) NCG = 60 – 40 = 20
NTFP = (10) + 70 = 60 NTFP = 20 + 50 = 70
SD/ST = 30 – 10 = 20 SD/ST = 30 – 20 = 10

Temos, portanto: Temos, portanto:


CCL > 0 CCL > 0
NCG < 0 NCG > 0
CCL > NCG CCL > NCG
SD/ST > 0 SD/ST > 0

Gestão Contábil
151

A próxima estrutura é classificada como de Risco Médio, nesta o Capital Circulante Líquido (CCL)
não consegue financiar toda a Necessidade de Capital de Giro (NCG). Empresas com este tipo de
estrutura recorrem ao mercado financeiro mais habitualmente, para financiamento de seu giro,
tomando empréstimos de curto prazo. Se a NCG continuar crescendo, e em proporções maiores que
o CDG, a situação financeira tende a piorar.

Gestão Contábil
152

Os três quadros seguintes demonstram estruturas financeiras de Alto Risco de insolvência. Os três
apresentam Capital Circulante Líquido (CCL) Negativo, e, consequentemente, desequilíbrio
financeiro. Não há recursos suficientes para financiamento das aplicações de longo prazo.

CCL = 65 – 80 = (15) CCL = 30 – 50 = (20) CCL = 50 – 60 = (10)


NCG = 35 – 30 = 5 NCG = 20 – 30 = (10) NCG = 30 – 50 = (20)
NTFP = 5 + 75 = 80 NTFP = (10) + 110 = NTFP = (20) + 90 =
100 70
SD/ST = 30 – 50 = (20) SD/ST = 10 – 20 = SD/ST = 20 - 10 = 10
(10)
Temos, portanto: Temos, portanto: Temos, portanto:
CCL < 0 CCL < 0 CCL < 0
NCG > 0 NCG < 0 NCG < 0
CCL < NCG CCL < NCG CCL > NCG
SD/ST < 0 SD/ST < 0 SD/ST > 0

Gestão Contábil
153

4. Efeito Tesoura.
O crescimento da atividade empresarial deveria ser algo positivo, no entanto, muitas vezes este
crescimento ocorre desordenadamente, acima da capacidade de financiamento das empresas.
É o mesmo que dizer que a Necessidade de Capital de Giro (NCG) se eleva em proporções
maiores que o Capital de Giro (CDG), gerando assim o desequilíbrio financeiro.
O crescimento da NCG superior ao do CDG, por vários anos seguidos, é conhecido como Efeito
Tesoura. Para entendermos melhor este fenômeno observe os seguintes dados, os quais
serão analisados em um gráfico:
X1 X2 X3 X4 X5
CDG 3.000 3.500 4.100 4.800 5.600
NCG 2.000 3.000 4.500 6.800 10.200
O EFEITO TESOURA:

12.000

10.000
Aplicação
8.000 SD/ST
T CDG
6.000
NCG
4.000 ST
2.000
Origem
0
X1 X2 X3 X4 X5

Quanto ao desenho da tesoura é simplesmente um efeito visual, o que importa


neste caso é que as pontas da tesoura estão cada vez mais se distanciando.
CCL (aplicação) = CDG (origem)

SD ou ST = Saldo Disponível ou Saldo de Tesouraria

ST =CDG (-) NCG


Note que o crescimento do CDG é modesto se comparado ao da NCG, ou seja, o Capital de
Giro não consegue financiar as necessidades de giro (em constante e rápido crescimento) da
empresa. A tendência é que as “pontas da tesoura” se distanciem ainda mais neste nosso
exemplo, e a empresa caminhe a passos largos em direção ao desequilíbrio econômico-
financeiro - Overtrade.

Gestão Contábil
154

O Saldo de Tesouraria (ST), de acordo com o exemplo acima, é negativo, o que indica que a
empresa está em desequilíbrio, buscando recursos onerosos de fontes de curto prazo. O ST em
crescimento negativo (ou seja, um índice negativo cada vez maior) proporcionalmente superior a
NCG indica que a empresa está a caminho a passos largos à insolvência.

No entanto, um Saldo Tesouraria (ST) positivo indicaria uma disponibilidade de recursos na


empresa, os quais poderiam ser utilizados para aquisição de Ativos Não Correntes (AÑC) ou
aplicação no mercado financeiro.
5. Overtrade.
As empresas, assim como as pessoas, nascem e morrem. A morte de uma empresa ocorre pelo
desequilíbrio econômico-financeiro. Este desequilíbrio ocorre quando há um crescimento elevado
no volume da atividade da Entidade, sem o respectivo lastro de recursos para financiar a expansão
da atividade.
O Overtrade é o estágio anterior à Recuperação Extrajudicial ou Recuperação Judicial, e pode
ser diagnosticado pela análise das demonstrações contábeis, quando houver indícios de
desequilíbrio econômico-financeiro.
Tanto fatores internos como externos podem levar a empresa ao Overtrade.

Dentre os internos podemos citar:

Queda nos índices de liquidez Queda nas vendas


Escassez de disponibilidades Ciclo financeiro crescente
Efeito Tesoura Crescimento das despesas financeiras
Excesso não justificado de Ativo Fixo Distribuição excessiva de lucros
Lucro Líquido baixo em relação ao movimento Excesso de produção ou estocagem não
(TRI – Taxa de Retorno sobre o Investimento) absorvidas pelo mercado
Ambição desenfreada dos gestores, aliada ao Localização inadequada (por decisão
crescimento desordenado da empresa empresarial)

E dentre os fatores externos, temos:

Aquisição de insumos por preços abusivos Moda


Clientes com alto poder de barganha Intervenção governamental
Carga tributária excessiva Crescimento das despesas financeiras
Escassez de mão-de-obra Recessão e Inflação
Lucro Líquido baixo em relação ao movimento Gastos forçados para atender às exigências
(TRI – Taxa de Retorno sobre o Investimento) das entidades de controle do meio ambiente

O Overtrade não simboliza a morte certa da empresa, mas é um sério alerta para isto. Os
gestores de uma entidade nestas condições sentenciarão a morte do empreendimento se continuar
recorrendo a Passivos Onerosos (bancos, por exemplo) para tentar salvar a situação é necessário
neste momento à injeção (aporte) de capitais próprios, se isto for possível, para que a empresa
volte a respirar.

Gestão Contábil
155

SIGLAS A SEREM UTILIZADAS DUARANTE O CURSO.

SIGLAS
AC Ativo Circulante – giro rápido, curto prazo e até 12 meses.
~
Sinal matemático = aproximadamente
=
AFCX Adequação do Fluxo de Caixa
AÑC Ativo Não Circulante – giro lento, longo prazo e acima de 12 meses.
Atotal Ativo Total
C Compras
CC/CF Ciclo de Caixa (CC) ou Ciclo Financeiro (CF)
CCL Capital Circulante Líquido (Pulmão da empresa)
CDB e CD Certificado de Depósito Bancário e Cota de Depreciação
CE Composição do Endividamento
CGP Capital de Giro Próprio (PL – AÑC)
CP Curto Prazo ou Capital Próprio ou Custos de Produção
CMV; CPV Custo das Mercadorias Vendidas; Custo dos Produtos Vendidos
CSP Custo dos Serviços Prestados
CO Ciclo Operacional
CT Capitais de Terceiros – (Passivo Circulante + Passivo Não Circulante)
CXEQCX Caixa e Equivalentes de Caixa
DRE Demonstração do Resultado
DRec. Duplicatas a Receber
Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization - Lucro antes dos Juros,
EBIT DA
Impostos, Depreciação e Amortização
ESTS. Estoques
F - GA Fornecedores – Giro do Ativo (eficiência na gestão)
GDREC Giro de Duplicatas a Receber
GE Giro dos Estoques ou Grau de Endividamento
GF Giro de Fornecedores
EI – EF - IMPL Estoque Inicial – Estoque Final - Imobilização do Patrimônio Líquido
IMRÑC Imobilização de Recursos Não Correntes
LADRF Lucro Antes das Despesas e Receitas Financeiras
LB; LC Lucro Bruto ou Liquidez Corrente
LG Liquidez Geral
LI / LA Liquidez Imediata ou Liquidez Absoluta
LL Lucro Líquido
L. OPL Lucro Operacional – antes dos resultados financeiros
LP Longo Prazo / Liquidez Seca
MOL - ML Margem Operacional Líquida – Margem Líquida
MS Margem de Segurança
NBC Normas Brasileiras de Contabilidade
PAY BACK Taxa de Retorno
PC Passivo Circulante - giro rápido, curto prazo e até 12 meses.
P = CT Passivo = Passivo Circulante + Passivo Não Circulante = Capitais de Terceiros
PCT e PL Participação de Capitais de Terceiros e Patrimônio Líquido
PÑC Passivo Não Circulante – giro lento, longo prazo e acima de 12 meses.
PMPF (C) Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores (Compras)
PMRE - PMRV Prazo Médio de Renovação de Estoques - Prazo Médio de Recebimento de Vendas
QM Quantidade de meses
RADRF Resultado (lucro ou Prejuízo) antes das Despesas e Receitas Financeiras
RATSL Resultado antes dos Tributos sobre o Lucro
RLOC Resultado Líquido das Operações Continuadas
RLP Realizável a Longo Prazo
TRI – ROI Taxa de Retorno de Investimento – Return on Investiment
TRPL – ROE Taxa de Retorno sobre o Patrimônio Líquido – Return on Equity
TUB Tempo de Utilização do Bem
VL/RL e VP Vendas líquidas ou Receitas Líquidas, Vendas a Prazo

Gestão Contábil
156

SIGLAS A SEREM UTILIZADAS DUARANTE O CURSO.

SIGLAS – Administração de Capital de Giro


AÑC Ativo Não Circulante = RLP + INV. + IMOB. + INTANGÍVEL
B/P Balanço Patrimonial
CCL Capital Circulante Líquido
CDG Capital de Giro
CB Core Business – Negócio Principal
CD Cota de Depreciação
DMPL Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido
DRE Demonstração do Resultado ou Demonstração do Resultado do Exercício
NCG Necessidade de Capital de Giro
VR Valor Recuperável

SIGLAS – Órgãos de Contabilidade e outros


BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social
Cash Flow Fluxo de Caixa
CPC Comitê de Pronunciamentos Contábeis – www.cpc.org.br
CFC Conselho Federal de Contabilidade
Financial Accounting Standards Board – Junta de Normas de Contabilidade
FASB
Financeira
FAS Financial Accounting Series – Emite os FAS
International Accounting Standard Committee – Comitê de Pronunciamentos
IASC
Contábeis Internacionais – 1.973
International Accounting Standard Board – Junta de Normas Internacionais de
IASB
Contabilidade – 2.001 – Sucessor do IASC
IBRACON Institutos dos Auditores Independentes do Brasil
International Financial Reporting Standard – Normas de Relatórios Financeiros
IFRS
Internacionais
NIC Normas Internacionais de Contabilidade
SEC Securitiers and Exchange Commission
SELIC Sistema Especial de Liquidação e Custódia
Stakeholders Partes Interessadas – usuários da contabilidade
United States Generaly Accepted Acounting Principles -Princípios Contábeis
USGAAP
Geralmente Aceitos nos Estados Unidos da América

Chairman Referente ao presidente do conselho


Chief Executive Officer – Diretor Geral da empresa, também chamado de
CEO
presidente
CFO Chief Financial Officer – Diretor de Finanças da empresa
Chief Information/Imagination Officer – responsável pelo planejamento
CIO
tecnológico e promotor da criatividade pessoal
CKO Chief Knowledge Officer – responsável por administrar o capital intelectual
Chief Risk Officer – responsável por gerenciar os riscos financeiros, as estratégias
CRO
de negócio, a concorrência e a legislação
IPO Initial Public Offering – Ofertas Inicias de Ações ou Ofertas Públicas de Ações
Startups Empresas Iniciantes ou partidas
TG Técnica Geral – Termo utilizado pelo CFC através das NBC
Cota de Depreciação = (Valor Depreciável / Quantidade de Meses) X TUB (meses)
CD = (VD / QM) X TUB

Gestão Contábil
Será disponibilizado em prova.
157

RESUMO DE ÍNDICES

Símbolo Índice Fórmula Indica Interpretação


Rentabilidade
Taxa de Retorno de
Quanto à empresa obtém de lucro para Quanto maior,
TRI ou ROI Investimento ou Return TRI = (LL / Atotal) * 100
cada $ 100 de investimento total. melhor
On Investment
Pay Back da Taxa de
PAY BACK – Quantos anos a empresa levará para Quanto menor,
Retorno de PAY BACK = 100% / TRI
TRI recuperar o valor total investido no Ativo. melhor
Investimento
Taxa de Retorno sobre Quanto à empresa obtém de lucro para
Quanto maior,
TRPL ou ROE Patrimônio Líquido – TRPL = (LL / PL) * 100 cada $100 de capital próprio investido,
melhor
Return On Equity em média, no exercício.
Pay Back da Taxa De Quantos anos os sócios levarão para
PAY BACK - Quanto menor,
Retorno sobre PAY BACK = 100% / TRPL recuperar o que foi investido na
TRPL melhor
Patrimônio Líquido empresa.
Quanto à empresa obtém de Lucro
Margem Operacional antes das Despesas e Receitas Quanto maior,
MOL MOL = (LADRF / RL) * 100
Líquida Financeiras (RADRF) para cada $ melhor
100 de Receita Líquida.
Margem Líquida - Quanto se obtém de lucro para cada $ Quanto maior,
ML ML = (LL / RL) * 100
Lucratividade 100 vendidos. melhor
Giro do Ativo – Quanto foi vendido para cada $ 1 de Quanto maior,
GA GA = RL/Atotal (em vezes)
Produtividade (eficiência) investimento total. melhor
Endividamento
Grau de Endividamento Quanto à empresa tomou de capitais
Quanto menor,
GE ou PCT ou Participação de GE = (CT / PL) * 100 de terceiros para cada $ 100 de capital
melhor
Capitais de Terceiros próprio.

Composição do Qual o percentual de obrigações a curto Quanto menor,


CE CE = (PC / CT) * 100
Endividamento prazo em relação às obrigações totais. melhor

Quanto em $ a empresa aplicou no


Imobilização do Quanto menor,
IMPL IMPL = ((AÑC – RLP)/PL) * 100 Investimento, Imobilizado e Intangível
Patrimônio Líquido melhor
para cada $ 100 de Patrimônio Líquido.

Quanto do Patrimônio Líquido, em $, está Quanto maior,


CGP Capital de Giro Próprio CGP = PL – AÑC - RLP (Em $)
investido no Capital de Giro. melhor
Quanto do Patrimônio Líquido, em %, está Quanto maior,
CGP Capital de Giro Próprio CGP = PL – AÑC - RLP (Em %)
investido no Capital de Giro. melhor
Que percentual de recursos não
Imobilização de IMRÑC = (AÑC – RLP) / (PÑC + Quanto menor,
IMRÑC correntes (PL + PÑC) foi destinado ao
Recursos Não Correntes PL) * 100 melhor
Investimento, Imobilizado e Intangível.
Liquidez
Quanto à empresa possui de Ativo
Quanto maior,
LC Liquidez Corrente LC = AC/PC Circulante para cada $ 1 de Passivo
melhor
Circulante.
Quanto à empresa possui de Ativo
Quanto maior,
LS Liquidez Seca LS = (AC - Ests.). / PC Líquido para cada $ 1 de Passivo
melhor
Circulante.
Quanto à empresa possui de Ativo
Quanto maior,
LG Liquidez Geral LG = (AC + RLP) / (PC + PÑC) Circulante + Realizável a Longo Prazo
melhor
para cada $1 de dívida total.
Quanto à empresa possui de Ativo Disponível Quanto maior,
LI Liquidez Imediata LI = CXEQCX / PC para cada $ 1 de Passivo Circulante. melhor

Gestão Contábil
158

Representa o excedente das aplicações em


Capital Circulante Ativo Circulante, em relação às captações de Quanto maior,
CCL CCL = AC – PC
Líquido recursos (Passivo Circulante). Situação melhor
Financeira.

Cota de Depreciação = (Valor Depreciável / Quantidade de Meses) X TUB (meses)


CD = (VD / QM) X TUB

Gestão Contábil
159

Será disponibilizado em prova.

RESUMO DE ÍNDICES

Símbolo Índice Fórmula Indica Interpretação


Atividades
Prazo Médio de Quantos dias, em média, a
Quanto menor,
PMRE Renovação dos PMRE = (Ests./ CPV) * 360 dias empresa leva para renovar seus
melhor
Estoques estoques.
Quantas vezes os estoques foram
Quanto maior,
GE Giro do Estoques GE = 360 dias. / PMRE renovados no período. Giro dos
melhor
Estoques.
Prazo Médio de Quantos dias, em média, a
Quanto menor,
PMRV Recebimento de PMRV = (DRec / VP) * 360 dias empresa leva para receber suas
melhor
Vendas vendas a prazo.
Giro de Duplicatas a Giro das Duplicatas a Receber no Quanto maior,
GD/Rec GD/Rec.= 360 dias / PMRV
Receber período. melhor
Prazo Médio de Quantos dias, em média, a
Quanto maior,
PMPF Pagamento a PMPF = (F / C) * 360 dias empresa leva para pagar seus
melhor
Fornecedores fornecedores.
Giro de Fornecedores a pagar no Quanto menor,
GF Giro de Fornecedores GF = 360 dias / PMPF
período. melhor
Tempo compreendido entre a
compra da mercadoria ou Quanto menor,
CO Ciclo Operacional CO = PMRE + PMRV
matéria-prima até o recebimento melhor

do Caixa da venda do produto.


Tempo decorrido entre o
momento em que a empresa
Ciclo de Caixa ou coloca o dinheiro (pagamento ao Quanto menor,
CF/CC CC/CF = CO (-) PMPF
Ciclo Financeiro fornecedor) e o momento em que melhor

recebe as vendas (recebimento


do cliente).

Cota de Depreciação = (Valor Depreciável / Quantidade de Meses) X TUB (meses)

CD = (VD / QM) X TUB

Gestão Contábil
160

Espaço reservado para atividade complementar.

Gestão Contábil