Você está na página 1de 78

Alfabetização

Hamurabi Messeder
Bloco 01

www.professorhamurabi.com.br
Qual o nosso objetivo?

www.professorhamurabi.com.br 2
Ser classificado em um
concurso público.

www.professorhamurabi.com.br 3
O que as bancas perguntam?

• 1- Alfabetização de quem?

Crianças X adultos.

• 2- Há metodologias distintas para os


dois públicos? Quais?
Sim
www.professorhamurabi.com.br 4
• 3- Há diferença entre alfabetização e
letramento?

Sim

www.professorhamurabi.com.br 5
4-De que autores (pensadores) podemos
falar ao nos referirmos a alfabetização?

Alexander Romanovich Luria


Lev Vygotsky
Nikolaievich Leontiev
Mikhail Bakhtin
Paulo Freire
Emilia Ferreiro
www.professorhamurabi.com.br 6
5- História da alfabetização?

Sim e principalmente a do Brasil.

www.professorhamurabi.com.br 7
• Segundo Vygotsky, Luria e Baktin, a
alfabetização é um processo de
atividades reais e significativas,
porque, a partir dessa concepção, é o
aprendizado que provoca o
desenvolvimento, por meio de um
processo que não se desenvolve,
plenamente, sem a ajuda de outra
pessoa mais experiente.

www.professorhamurabi.com.br 8
• Quem foram Vygotsky, Luria e
Baktin?

www.professorhamurabi.com.br 9
• Lev Semenovitch Vygotsky (Russo)
Pensador importante em sua área, foi
pioneiro na noção de que o desenvolvimento
intelectual das crianças ocorre em função
das interações sociais e condições de vida.

• Veio a ser descoberto pelos meios


acadêmicos ocidentais muitos anos após a
sua morte, que ocorreu em 1934, por
tuberculose, aos 37 anos.

www.professorhamurabi.com.br 10
• Alexander Romanovich Luria (russo: Nascido
em 16 de julho de 1902 — 14 de agosto de 1977),
foi um famoso neuropsicólogo soviético
especialista em psicologia do desenvolvimento.

• Foi um dos fundadores de psicologia cultural-


histórica onde se inclui o estudo das noções de
causalidade e pensamento lógico–conceitual da
atividade teórica enquanto função do sistema
nervoso central.

www.professorhamurabi.com.br 11
• Mikhail Bakhtin: Ele é na verdade um
filósofo da linguagem e sua linguística é
considerada uma "trans-linguística" porque
ela ultrapassa a visão de língua como
sistema. Isso porque, para Bakhtin, não se
pode entender a língua isoladamente, mas
qualquer análise linguística deve incluir
fatores extra-linguisticos como contexto
de fala, a relação do falante com o ouvinte,
momento histórico, etc.

www.professorhamurabi.com.br 12
• Em 1924, Luria conheceu Lev
Vygotsky (1896-1934) que grandemente o
influenciaria. Junto com Alexei
Nikolaievich Leontiev (1904-1979), estes
três psicólogos lançaram um projeto de
desenvolver uma psicologia radicalmente
nova. Esta aproximação inter - relacionou
“análises “culturais” e ”históricas", à
"psicologia instrumental" usualmente
conhecida, em nossos dias, como psicologia
cultural-histórica. Enfatiza o papel
mediador da cultura, particularmente
da linguagem, no desenvolvimento de
funções mentais superiores na ontogênese
e filogênese.
www.professorhamurabi.com.br 13
Mudando de assunto

www.professorhamurabi.com.br 14
A utilização de diferentes tipos
de textos para a alfabetização
de crianças é imprescindível,
principalmente, porque a
variedade de textos que existem
fora da escola é incalculável.
Dentre os tipos de textos
destacam-se uso de fábulas)

www.professorhamurabi.com.br 15
• OS TIPOS DE TEXTO

www.professorhamurabi.com.br 16
• Descritivos, dissertativo, narrativo,
argumentativo, expositivo, injuntivo.
Enfase à:

Fábula,
parábula e ao
apólogo.

www.professorhamurabi.com.br 17
• Fábula: texto literário muito comum na literatura
infantil. Fabular significa criar, inventar, mentir.
• A linguagem utilizada é simples e tem como
diferencial o uso de personagens animais com
características humanas. Durante a fábula é feita
uma analogia entre a realidade humana e a
situação vivida pelas personagens, com o objetivo
de ensinar algo ou provar alguma verdade
estabelecida (lição moral).
- Utiliza personagens animais com
características, personalidade e
comportamento semelhantes aos dos seres
humanos.
- O fato narrado é algo fantástico, não
corriqueiro ou inusitado.
www.professorhamurabi.com.br 18
• Parábola: Narrativa curta e alegórica que se
utiliza de situações e pessoas para comparar a
ficção com a realidade e através dessa
comparação transmitir uma lição de sabedoria (a
moral da história).

- A parábola transmite uma lição ética através de


uma prosa metafórica, de uma linguagem simbólica.
- Diferencia-se da fábula e do Apólogo por ser
protagonizada por seres humanos.
- Gênero muito comum na Bíblia: As parábolas de
Jesus.

www.professorhamurabi.com.br 19
• Apólogo: Gênero alegórico que ilustra um ensinamento de
vida através de situações semelhantes às reais, envolvendo
pessoas, objetos ou animais, seres animados ou inanimados.
• - Os apólogos têm o objetivo de atingir os conceitos
humanos de forma que os modifique e reforme, levando-os a
agir de maneira diferente. Os exemplos são utilizados para
ajudar a modificar conceitos e comportamentos humanos, de
ordem moral e social.

• - Diferencia-se da fábula por se concentrar mais em


situações reais, enquanto a fábula dá preferência a
situações fantásticas, e também pelo fato de a fábula se
utilizar de animais como personagens.
• - Diferencia-se da parábola pois esta trata de questões
religiosas e lições éticas, enquanto o apólogo fala de
qualquer tipo de lição de vida, mesmo que esta não seja a que
é adotada pela maioria como a maneira correta de agir.

www.professorhamurabi.com.br 20
Mudando de assunto

www.professorhamurabi.com.br 21
• Na classe de alfabetização, a leitura
de textos pelo aluno deve dar-se a
qualquer tempo, pois a leitura do
texto independe da aquisição escrita.

www.professorhamurabi.com.br 22
• A forma como o aluno aprende nem
sempre é como o professor ensina.
Da a importância do método. Ele
consiste no ajuste entre a forma que
o docente ensina e o aluno aprende.

• Metodologias

www.professorhamurabi.com.br 23
1. Métodos predominantemente sintéticos ou
predominantemente analíticos (globais)

2. Método alfabético

3. Método fônico ou fonéticos

4. Método da linguagem total

www.professorhamurabi.com.br 24
• A adoção de métodos de
alfabetização no processo de
construção da escrita pode se tornar
um fator que provoca custo de
aprendizagem quando empregado
dissociadamente de estratégias
discursivas que assegurem o uso da
escrita como instrumento de
comunicação.

www.professorhamurabi.com.br 25
Mudando de assunto

www.professorhamurabi.com.br 26
• Em uma atividade de leitura, foi observado que
dois alunos eram capazes de oralizar o
conteúdo de textos escritos que lhes foram
apresentados em diferentes situações,
embora não fossem capazes de discorrer com
suas próprias palavras sobre o conteúdo de
nenhum dos textos.

• Que hipóteses sobre a(s) causa(s) do


fenômeno podemos aferir?

www.professorhamurabi.com.br 27
• I. Os textos não permitiram a formulação
de referências a partir de conceitos
prévios dos alunos.

• II. O(a) professor(a) não apresentou aos


alunos previamente, um contexto de mundo
que desse significado aos textos.

www.professorhamurabi.com.br 28
• O sujeito cartesiano (descrito por
Descartes), é o sujeito que pensa (“penso,
logo existo”), em que a essência do ser é o
pensamento, pois o ser humano tem a
consciência que existe visto que tem a
capacidade de pensar e desenvolver um
raciocínio.

www.professorhamurabi.com.br 29
Mudando de assunto

www.professorhamurabi.com.br 30
• A educação matemática é
importante no processo de
alfabetização?

www.professorhamurabi.com.br 31
• Segundo as relações entre o
desenvolvimento científico e a formação da
cultura científica na Idade Moderna, a
educação matemática, nos anos iniciais do
ensino fundamental, concorre para a
integração social do aluno uma vez que a
sua capacidade de ler o mundo numa
perspectiva abstrata e formal é uma
propriedade do sujeito cartesiano

www.professorhamurabi.com.br 32
• Por um longo período no século XX, as
primeiras semanas de trabalho nas classes de
alfabetização destinaram-se ao
desenvolvimento psicomotor da criança para o
exercício da escrita, no âmbito daquilo que se
denominou “período preparatório”. Entretanto,
a preparação para a escrita daquela forma
provou-se equivocada, à medida que o
desenvolvimento psicomotor é um processo
contínuo, que deve ser estimulado ao longo dos
anos iniciais do ensino fundamental.

www.professorhamurabi.com.br 33
• Leda Tfouni, ao estabelecer
diferenças entre alfabetização e
letramento, define que alfabetização
refere-se à aquisição da escrita
enquanto aprendizagem de habilidades
para leitura, escrita e as chamadas
práticas de linguagem, pertencendo,
portanto, ao âmbito do individual. O
letramento, por sua vez, focaliza os
aspectos sócio-históricos da aquisição
da escrita.

www.professorhamurabi.com.br 34
Mudando de assunto

www.professorhamurabi.com.br 35
• 1) Para que os alunos leiam e escrevam
com autonomia é necessário que eles
reconheçam os diferentes suportes
materiais onde a escrita pode aparecer
(jornais, livros, cartazes, etc.).

• 2) Para que os alunos leiam e escrevam


com autonomia não é necessário que
eles desenvolvam muitas atividades de
escrita, nem o caderno de caligrafia.

www.professorhamurabi.com.br 36
• 3) Para que os alunos leiam e
escrevam com autonomia é
necessário que eles reconheçam as
várias funções que a escrita pode
ter (informar, entreter,
convencer, definir, seduzir).

• 4) Para que os alunos leiam e


escrevam com autonomia é
necessário que eles se
familiarizem com a diversidade de
textos existentes na sociedade.

www.professorhamurabi.com.br 37
• 5) Ler e escrever sob a
perspectiva de dimensão individual
é um conjunto de habilidades,
conhecimentos lingüísticos e
psicológicos.

• 6) Ler é um processo de
relacionamento entre símbolos
escritos e unidades sonoras.

www.professorhamurabi.com.br 38
• 7) As habilidades e conhecimentos
da escrita estendem-se desde a
habilidade de simplesmente
transcrever sons, até a
capacidade de comunicar
adequadamente com um leitor em
potencial.

• 8) Cada uma destas atividades


engloba um conjunto de
habilidades e conhecimentos
diferentes.
www.professorhamurabi.com.br 39
• Ler e escrever não são categorias polares,
mas sim complementares e que exigem um
conjunto de habilidades e conhecimentos
lingüísticos e psicológicos. Soares (1995, p. 8-
9) "ler é um processo de relacionamento entre
símbolos escritos e unidades sonoras, e é
também um processo de construção da
interpretação de textos escritos

www.professorhamurabi.com.br 40
• Uma vez que, o processo de ler e
consequentemente escrever extrapolam os muros
escolares e passam a ser praticadas para muito
além, passam a fazer parte da vida cotidiana. Por
essa razão que Freire nos traz indagações muito
mais do que respostas nos seus conceitos,
principalmente de ler e escrever. Segundo Freire
apud Martins (2002, p. 10) "a leitura do mundo
precede a leitura da palavra, daí que a posterior
leitura desta não possa prescindir da continuidade
da leitura daquele".

www.professorhamurabi.com.br 41
• A alfabetização é considerada como um
fenômeno de natureza complexa,
multifacetada. Estas facetas referem-se,
fundamentalmente à perspectiva:
• I. Psicológica.
• II. Psicolinguística.
• III. Sociolinguística.
• IV. Linguística.

www.professorhamurabi.com.br 42
• Psicológica: Tradicionalmente, esta
perspectiva foi denominada pela
ênfase nas relações entre inteligência
(QI) e alfabetização, consideradas
como pré-requisitos para
alfabetização.

www.professorhamurabi.com.br 43
• Psicolinguística: Nesta perspectiva,
os estudos voltam para análise dos
problemas, tais como características
da maturidade e lingüística da
aprendizagem.

www.professorhamurabi.com.br 44
• Sociolinguística: A alfabetização é
vista como um processo estritamente
relacionado com o uso social da língua.

www.professorhamurabi.com.br 45
• Linguística: A alfabetização nesta
perspectiva é um processo da
seqüência temporal da fala para
seqüência espaço-direcional da
escrita de transferência, de forma
sonora da fala para a forma gráfica
de escrita.

www.professorhamurabi.com.br 46
• O professor alfabetizador para definir a
didática mais adequada, precisa estabelecer as
metodologias de ação, que conduzem à
consecução de objetivos pedagógicos para
aquisição da Lectoescrita. Para isso ele
procura detectar:
• 1-O nível em que se encontra o aluno para
intervir coerentemente no processo de
aprendizagem de cada um.

www.professorhamurabi.com.br 47
2. Atinge os alunos de todos os níveis de
aprendizagem, desafiando-os para provocar o
avanço.
3. Precisa levar a criança a raciocinar sobre a
escrita, criando ambientes e materiais em atos de
leitura e escrita.
4. Provoca a interação entre alunos de diferentes
níveis de aprendizagem, principalmente os mais
próximos.

www.professorhamurabi.com.br 48
• Podemos dizer que um texto pode ser
uma palavra, um conjunto de palavras
que transmitem um significado dentro
de um contexto ou mesmo um simples
relato.

www.professorhamurabi.com.br 49
• Em sede de alfabetização o trabalho com a
leitura deve ser diário e há inúmeras
possibilidades para que ela possa ser realizada:

• 1) De forma silenciosa e individual.


• 2) Em voz alta ( individual ou em grupo).
• 3) Propondo atividades de leitura explicitando e
preparando os objetivos.
• 4) Refletindo sobre as diferentes modalidades e
os procedimentos que elas requerem do leitor.

www.professorhamurabi.com.br 50
• um adulto pode ser analfabeto, porque
marginalizado social e economicamente, mas, se
vive em um meio em que a leitura e a escrita têm
presença forte, se se interessa em ouvir a leitura
de jornais feita por um alfabetizado, se recebe
cartas que outros lêem para ele, se dita cartas
para que um alfabetizado as escreva, ..., se pede a
alguém que lhe leia avisos ou indicações afixados
em algum lugar, esse analfabeto é, de certa forma,
LETRADO , porque faz uso da escrita, envolve-se
em práticas sociais de leitura e de escrita.

www.professorhamurabi.com.br 51
• No processo de Alfabetização de
Jovens e Adultos, o professor deve
reconhecer seus alunos como pessoas
que trazem crenças, conhecimentos e
valores já constituídos.

www.professorhamurabi.com.br 52
• Vivendo numa sociedade letrada, mesmo os
jovens e adultos que nunca passaram pela
escola têm conhecimentos sobre a escrita.

• A escrita não é uma mera transcrição da


fala.

• Para dominar o mecanismo de funcionamento


da escrita, é necessário conhecer as letras,
pois são os signos que nosso sistema de
representação utiliza.

• A escrita não deve ser usada de forma tão


flexível quanto à fala sem seguir normas
rígidas de organização.

www.professorhamurabi.com.br 53
• Nos últimos anos, um conceito que
vem ganhando espaço e nova dimensão
no mundo da escrita é o letramento.
Entende-se por letramento:

• A prática social de leitura e escrita.

www.professorhamurabi.com.br 54
• Para se elaborar uma
proposta curricular
referente à modalidade de
ensino de Alfabetização de
Jovens e Adultos, deve ser
levado em conta sempre:

• Que ela deverá servir de


subsídio para educadores
desenvolverem planos de
ensino adequados aos seus
contextos.
www.professorhamurabi.com.br 55
O educador Paulo Freire
elaborou uma proposta
conscientizadora de
alfabetização de adultos,
cujo princípio básico pode
ser traduzido numa frase
sua que ficou célebre:

• A leitura do mundo precede


a leitura da palavra.

www.professorhamurabi.com.br 56
• Com o golpe militar de 1964, os programas
de alfabetização e educação popular que
haviam se multiplicado no período entre 1961
e 1964 foram vistos pelo novo governo como
uma grave ameaça a ordem do país,
permitindo somente a realização de
programas assistencialistas e conservadores
de alfabetização de adultos, até que, em
1967, ele mesmo assumiu o controle dessa
atividade, lançando o Mobral, que significa:

• Movimento Brasileiro de Alfabetização.

• O Mobral constituiu-se como organização


autônoma em relação ao Ministério da
Educação, contando com um volume
significativo de recursos.

www.professorhamurabi.com.br 57
É considerada alfabetizada
funcional a pessoa:

• Capaz de utilizar a leitura e


a escrita para fazer frente
às demandas de seu
contexto social e usar
essas habilidades para
continuar aprendendo e se
desenvolvendo ao longo da
vida.
www.professorhamurabi.com.br 58
• Para se elaborar uma
proposta curricular
referente à modalidade de
ensino de Alfabetização de
Jovens e Adultos, deve ser
levado em conta sempre:

• Que ela deverá servir de


subsídio para educadores
desenvolverem planos de
ensino adequados aos seus
contextos.
www.professorhamurabi.com.br 59
Sobre o letramento, está correto afirmar
que:

1) Ele é um conjunto de práticas sociais, orais


e escritas.

2) Está relacionado de modo forte à formação


de diferentes campos de conhecimento e das
linguagens sociais associadas a diferentes
gêneros do discurso.

www.professorhamurabi.com.br 60
E. Ferreiro, em sua
obra “A psicogênese da
Língua Escrita”, nos
permite definir cinco
níveis sucessivos.

www.professorhamurabi.com.br 61
• 1. A interpretação da escrita neste
nível demonstra a intenção subjetiva
do escritor.
• 2. Cada letra vale como parte de um
todo e não tem valor em si mesmo.
• 3. Cada letra vale por uma sílaba.

www.professorhamurabi.com.br 62
5. A criança descobre a necessidade de
fazer uma análise que vai mais além da
sílaba pelo conflito entre a hipótese
silábica e a exigência de quantidade
mínima de grafias.

4. A criança compreende que cada um


dos caracteres da escrita corresponde
a valores sonoros menores que a sílaba.

www.professorhamurabi.com.br 63
• A hipótese silábica é um dos níveis
caracterizados nas pesquisas da evolução da
escrita por Ferreiro e Teberoski:

• 1) A criança supera a etapa de uma


correspondência global entre a forma escrita e a
expressão oral atribuída.
• 2) A criança trabalha, pela primeira vez
claramente com a hipótese de que a escrita
representa partes sonoras da fala.
• 3) Com esta hipótese, a criança dá um salto
qualitativo com respeito aos níveis precedentes.

www.professorhamurabi.com.br 64
Uma escola compro-
metida com a Proposta
Construtivista, usa
escrita espontânea
como oportunidade de
produção significativa
para a reflexão
linguística e para
constituição da
autoria.
www.professorhamurabi.com.br 65
• A descoberta dos “saberes infantis”
antes de se saber ler e escrever
obteve um valor revolucionário,
alterando e transformando as
concepções existentes do ensino e
aprendizagem da língua escrita.

• I. Em decorrência desta descoberta, os


métodos de alfabetização foram
questionados.
• II. As relações entre oralidade e
escrita foram revistas.
• III. Ocorreu um resgate das práticas
sociais e afetivas do uso da língua escrita
e seus efeitos sobre os sujeitos
envolvidos.
www.professorhamurabi.com.br 66
Questões de provas
anteriores

www.professorhamurabi.com.br 67
ESTADO DE SANTA CATARINA
PREFEITURA MUNICIPAL DE TUBARÃO (2009)
FUNDAÇÃO DE APOIO À EDUCAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNISUL
PROVA DE PROFESSOR

01. A respeito do tema Alfabetização, muitos estudiosos têm apresentado preocupação e,


inclusive, várias pesquisas. Diante do exposto, assinale a alternativa correta.

• A. O educador deve ignorar que o aluno chega à escola já sabendo falar a língua
materna, bem como seus demais conhecimentos, para poder aplicar sua metodologi a de
ensino com mais eficiência.
• B. É possível afirmar que pode haver desenvolvimento sem aprendizagem, uma vez que
a criança aprende sozinha, sem a interferência de qualquer educador experiente, nem
de outros instrumentos didático – pedagógicos.
• C. Segundo Vygotsky, Luria e Baktin, a alfabetização é um processo de atividades
reais e significativas, porque, a partir dessa concepção, é o aprendizado que provoca o
desenvolvimento, por meio de um processo que não se desenvolve, plenamente, sem a
ajuda de outra pessoa mais experiente.
• D. A relação entre aprendizagem e desenvolvimento não possibilita que o sujeito
(aprendiz) consiga avanços qualitativos no que tange ao uso de recursos necessários
para solucionar problemas diante de possíveis novas situações.
• E. O processo de aprender e desenvolver -se não requer relacionamentos sociais.
Basta a interação entre o sujeito (educando) consigo mesmo.

• GABARITO – ( C )
www.professorhamurabi.com.br 68
COMANDO DA AERONÁUTICA
Professor
ANOS INICIAIS (2009)

• 03 - Na classe de alfabetização, a leitura de


textos pelo aluno deve:
• a) aguardar a chegada à etapa de escrita
alfabética, quando se inicia a leitura de frases.
• b) aguardar a chegada à etapa de escrita pré-
silábica, quando se inicia a leitura de frases.
• c) dar-se a qualquer tempo, pois a leitura do texto
independe da aquisição escrita.
• d) aguardar o pleno domínio do código escrito,
após o qual o aluno já é capaz de ler textos.

• GABARITO: ( C )
www.professorhamurabi.com.br 69
• 05 - Em uma atividade de leitura, foi observado que dois alunos
eram capazes de oralizar o conteúdo de textos escritos que lhes
foram apresentados em diferentes situações, embora não fossem
capazes de discorrer com suas próprias palavras sobre o conteúdo
de nenhum dos textos. O caso foi levado ao centro de estudos da
instituição escolar e alguns professores levantaram as seguintes
hipóteses sobre a(s) causa(s) do fenômeno:
• I. Os alunos não são alfabetizados e, por isso, não conseguem
entender o texto.
• II. Os textos não permitiram a formulação de referências a partir
de conceitos prévios dos alunos.
• III. A professora não apresentou aos alunos previamente, um
contexto de mundo que desse significado aos textos.

• Dentre as hipóteses levantadas, são aceitáveis
• a) I e II apenas. c) I e III apenas.
• b) II e III apenas. d) I, II e III.

• GABARITO: ( B )
www.professorhamurabi.com.br 70
• 07 - Por um longo período no século XX, as primeiras
semanas de trabalho nas classes de alfabetização
destinaram-se ao desenvolvimento psicomotor da criança
para o exercício da escrita, no âmbito daquilo que se
denominou “período preparatório”. Entretanto, a preparação
para a escrita daquela forma provou-se equivocada, à medida
que o desenvolvimento psicomotor é
• a) anterior ao ingresso da criança nos anos iniciais, devendo
ser promovido na educação infantil.
• b) um processo autônomo do organismo humano, que se dá
independentemente da experiência.
• c) um processo característico da adolescência, devendo ser
explorado no segundo segmento do ensino fundamental.
• d) um processo contínuo, que deve ser estimulado ao longo
dos anos iniciais do ensino fundamental.

• GABARITO: ( D )
www.professorhamurabi.com.br 71
PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS – SC
Alfabetização de Jovens e Adultos ( I Segmento )
CONESUL - 2009

• 09. Tfouni, (TFOUNI, LEDA VERDIANI. LETRAMENTO E


ALFABETIZAÇÃO São Paulo: Cortez, 2000. 104 p. (Questões da
nossa época ; v. 47).BBE. ) ao estabelecer diferenças entre
alfabetização e letramento, define que alfabetização refere-se à
aquisição da escrita enquanto aprendizagem de habilidades para
leitura, escrita e as chamadas práticas de linguagem, pertencendo,
portanto, ao âmbito do individual. O letramento, por sua vez,
focaliza

• a) os aspectos sócio-históricos da aquisição da escrita.


• b) os aspectos individuais da aquisição da escrita.
• c) os aspectos informais da aquisição da escrita.
• d) a leitura como forma de representação.
• e) a escrita ortográfica.

• GABARITO: ( A ) www.professorhamurabi.com.br 72
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ (SC) - 2009
CARGO: 1020 – ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS –
IESES

• 11. Assinale a alternativa INCORRETA:


• a) Para que os alunos leiam e escrevam com autonomia é necessário
que eles reconheçam os diferentes suportes materiais onde a
escrita pode aparecer (jornais, livros, cartazes, etc.).
• b) Para que os alunos leiam e escrevam com autonomia é necessário
que eles desenvolvam muitas atividades de escrita, utilizando
principalmente o livro didático e o caderno de caligrafia.
• c) Para que os alunos leiam e escrevam com autonomia é necessário
que eles reconheçam as várias funções que a escrita pode ter
(informar, entreter, convencer, definir, seduzir).
• d) Para que os alunos leiam e escrevam com autonomia é necessário
que eles se familiarizem com a diversidade de textos existentes na
sociedade.

• GABARITO: ( B )
www.professorhamurabi.com.br 73
• 13. Nos últimos anos, um conceito que
vem ganhando espaço e nova dimensão
no mundo da escrita é o letramento.
Entende-se por letramento:
• a) A prática social de leitura e
escrita.
• b) O conhecimento do sistema de
escrita alfabético-ortográfico.
• c) O método fônico.
• d) A alfabetização.
• GABARITO: ( A )
www.professorhamurabi.com.br 74
• 15. O educador Paulo Freire elaborou uma proposta
conscientizadora de alfabetização de adultos, cujo
princípio básico pode ser traduzido numa frase sua que
ficou célebre:

• a) O pensamento criador caracteriza-se por ser


exploratório, por aventurar-se, buscar o desconhecido,
assumir riscos e enfrentar incertezas.
• b) É através da comunicação que o homem se torna e
se mantém um ser social, relacionando-se com os
outros homens.
• c) A leitura do mundo precede a leitura da palavra.
• d) Os alunos aprendem quando têm motivos. São os
motivos que conduzem o individuo a buscar atividades
que satisfaçam as suas necessidades.

• GABARITO : ( C )
www.professorhamurabi.com.br 75
• 17. Sobre a história do Mobral e da educação
popular no Brasil, é correto afirmar que:
• a) O Mobral foi extinto em 1980 e seu lugar foi
ocupado pela fundação Educar.
• b) Durante a década de 50, o Mobral expandiu-se
por todo o território nacional, diversificando sua
atuação.
• c) Com o surgimento dos movimentos sociais e o
início da abertura política na década de 90, as
experiências relacionadas à alfabetização de
Adultos foram se ampliando.
• d) O Mobral constituiu-se como organização
autônoma em relação ao Ministério da Educação,
contando com um volume significativo de recursos.

• GABARITO: ( D )
76
• 19. É considerada alfabetizada funcional a
pessoa:

• a) Capaz de decifrar os códigos da escrita e


transferí-lo para o caderno.
• b) Capaz de utilizar a leitura e a escrita para
fazer frente às demandas de seu contexto
social e usar essas habilidades para continuar
aprendendo e se desenvolvendo ao longo da vida.
• c) Que conhece o uso e funções da escrita,
porém não sabe utilizá-la no seu cotidiano.
• d) Que domina a leitura e a escrita de forma
bastante precária.
• GABARITO: ( B
)
77
• fim

www.professorhamurabi.com.br 78