Você está na página 1de 4

2.1.4.

3 – Misturas gasosas

Misturas de gases

Muitos dos gases encontrados na vida cotidiana e na química são na verdade misturas
gasosas. A atmosfera; mistura de nitrogênio, oxigênio, argônio, gás carbônico e muitos outros
gases; é um exemplo marcante disto. As idéias desenvolvidas para um gás até agora precisam,
portanto, prever as propriedades das misturas gasosas. Mas como fazer isto?
A resposta está inicialmente na idealização. Em pressões baixas os gases podem ser
descritos como gases ideais e as misturas gasosas como misturas de gases ideais. Uma mistura
de gases que não reagem entre si comporta-se como um gás ideal puro. Dalton, procurando
descrever as propriedades das misturas gasosas chegou a importantes conclusões.

A Lei de Dalton
Dalton, pesquisando a pressão de gases separados e depois misturados em um recipiente
chegou a conclusão de que a pressão total de uma mistura de gases é igual à soma das
pressões parciais dos componentes. Pressão parcial é a pressão que um gás exerceria se
somente ele ocupasse o recipiente da mistura.
Matematicamente a lei de Dalton é expressa por:

P = PA + PB + PC...

Analisando a Lei de Dalton, pelo modelo cinético dos gases, vemos que cada tipo de
molécula numa mistura exerce uma pressão que vem dos choques entre as moléculas. A lei de
Dalton prevê que as moléculas de cada gás são “cegas” as moléculas do outro gás, ou seja, não
há nenhum tipo de atração ou repulsão entre as moléculas diferentes. Estas características são
próprias de um gás ideal. A lei de Dalton é exata apenas para gases que se comportam
idealmente, mas é uma boa aproximação para muitas misturas gasosas.
A Lei de Dalton pode ser enunciada de forma mais compacta usando o conceito de fração
molar:

xA = na/nt (a fração molar de A é o número de mols de A sobre o número de mols total)


PA = xAP (a pressão parcial de A é igual a fração molar de A vezes a pressão total)

De onde :

PA + PB + PC... = (xA+ xB+ xC..)P = P

Pois a soma das frações molares é igual a 1. Esta última equação é válida tanto para
gases ideais quanto para gases reais.
As misturas de gases reais distanciam-se da lei de Dalton, assim como os gases reais
distanciam-se da lei dos gases ideais. Nestas misturas há interação entre os gases diferentes.
Quanto mais baixa a pressão e semelhante os gases são, mais próximo do modelo de mistura
dado pela Lei de Dalton.
2.1.4.3 – Exercícios Resolvidos
Exercícios de Provas da PF
Prova Perito Área 6 – 1997

Outros Exercícios

1 – Um vaso de volume 10L tem 1 mol de N2 e 3 mol de H2 a 298K. Caso o comportamento dos
gases e da mistura seja tomado como sendo ideal a pressão é maior que 10 atm.

Errado
Podemos escrever a equação dos gases ideais para esta mistura como:
-2 -1 -1
P = PA + PB = (nA + nB)RT/V = (1 mol + 3 mol).(8,206.10 L.atm .mol ).(298K)/(10L) = 9,78 atm
Portanto a pressão é menor que 10 atm.

2 – Caso no vaso do exercício anterior se injete mais 1 mol de N2 e 2 mols de O2 nas mesmas
condições, a pressão subirá mais de 50%.

Correto
Para este caso:
-2 -1 -1
P = (nA + nB)RT/V = (1+1 mol + 3+2 mol).(8,206.10 L.atm .mol ).(298K)/(10L) = 17,1 atm
Portanto o acréscimo foi de (17,1/9,78-1).100% = 75%.

3 – A porcentagem em massa do ar seco, ao nível do mar, é aproximadamente 75,5% N 2, 23,2%


O2, 1,3% de Ar. Se a pressão é 1 atm, a pressão parcial destes gases é respectivamente 0,78;
0,21 e 0,0096 atm.

Correto
Primeiro transformamos a fração mássica em número de mols:
nN2 = 100g.0,755/(28 g/mol) = 2,69 mols
nO2 = 100g.0,232/(32 g/mol) = 0,725 mols
nAr = 100g.0,013/(40g/mol) = 0,033 mols

Portanto o número total de mols é 3,45 e as frações molares são:

xN2 = 2,69/3,45 = 0,78


xO2 = 0,725/3,45 = 0,21
xAr = 0,033/3,45 = 0,0096

Mas, a pressão parcial é dada por PA = xAP e como P = 1 atm, as pressões parciais são as próprias
frações molares.
4 – A pressão no pulmão de uma pessoa devido ao ar seco é de cerca de 710 mmHg. Observação:
na temperatura do corpo humano a pressão de vapor da água é de 47 Torr.

Correto
Em um recipiente fechado, para o qual o pulmão é uma boa aproximação, a água vaporiza até a
que sua pressão parcial alcance o valor da pressão de vapor. Temos que:
P = PAr seco + PVapor de Água => PAr seco = P – PVapor de Água
A pressão atmosférica pode ser considerada pelo seu valor ao nível do mar, 760 mmHg, e
portanto:
PAr seco = P – PVapor de Água = 760 – 47 = 713 mmHg

5 – Um bebê com infecção bronquial severa está com problemas respiratórios. O anestesista
administra heliox – uma mistura de oxigênio e hélio com 92,3% de massa de O 2. Sabendo que a
pressão atmosférica é de 730 Torr a pressão parcial do oxigênio é maior que 0,6 atm.

Errado
Tomando como base de cálculo 100 g de mistura, descobrimos o número de mols:
nO2 = 100g.0,923/(32g/mol) = 2,885 mols
nHe = 100g.0,076/(4g/mol) = 1,9 mols
Portanto a fração molar do O2 é 2,885/(2,885+1,9) = 0,603.
A pressão parcial é PO2 = xO2P = 0,603.730 = 440 Torr = 0,58 atm
A pressão parcial portanto é 0,58 atm.

6 – Mergulhadores, explorando um naufrágio e desejando evitar a narcose associada ao uso de


nitrogênio, mudaram para uma mistura de Neônio-oxigênio com 141,2g de O2 e 335 g de Ne. A
pressão no tanque de gás é de 50 atm. Nesta condição a pressão parcial do oxigênio é de cerca
de 10 vezes a pressão atmosférica.

Correto
Novamente calculamos os números de mols inicialmente:
nO2 = 141,2/32 = 4,4125 mols
nNe = 335/20 = 16,75 mols
Logo a fração molar do O2 é 4,4215/(16,75+4,4125) = 0,208.
A pressão parcial, portanto, é de 0,208.50 = 10,4 atm

A Pressão total de uma mistura de Dióxido de Enxofre e Nitrogênio gasosos a 25ºC em um


recipiente de 500 mL é de 1,09 atm. Esta mistura é passada sobre óxido de cálcio em pó quente,
que remove dióxido de enxofre pela reação CaO + SO 2 -> CaSO3. A mistura é então transferida
para um recipiente de 100 mL onde a pressão é novamente 1,09 atm, mas a 50ºC.

7 – A pressão parcial do SO2 na mistura inicial era menor que a pressão parcial do N2.

Errado
Na situação descrita temos de calcular a fração molar de N 2 e a de SO2. Temos que todo o N2 se
mantém no final e, portanto, podemos calcular o número de mols de N2.
-1 -1
PV = nRT => n = PV/RT = 1,09 atm.0,1L/(0,082 L.atm.mol .K . 323K) = 0,004115 mols

Para o caso inicial:

PV = (nN2 + nSO2) RT => nSO2 = PV/RT – nN2 = 1,09.0,5/(0,082.298) – 0,004115 = 0,018188 mols

Portanto, a fração molar do N2 é menor do que a do SO2 e assim também o é a pressão parcial.
8 – A massa de SO2 na mistura inicial era próxima de 1g.

Correto
Basta usar o valor do número de mols, já determinado, e multiplicar pela massa molar.
MassaSO2 = 0,018188 . (32 + 2.16) = 1,16g.

Um aparato consiste em um frasco de 4L e contém nitrogênio gasoso a 25ºC e 803 kPa, unido a
um frasco de 10L que contém argônio gasoso a 25ºC e 47,2 kPa. A válvula é aberta e os gases se
misturam.

9 – As pressões parciais do N2 e do Ar após a mistura são respectivamente 229 kPa e 33,6 kPa.

Correto
Inicialmente calculamos o número de mols de cada gás:
-1 -1
nN2 = PV/RT = 803/101 atm. 4L/(0,082Latm. Mol .K . 298K) = 1,30 mols
-1 -1
nAr = PV/RT = 47,2/101 atm. 10L/(0,082Latm. Mol .K . 298K) = 0,19 mols
A pressão total do sistema após a mistura é:
P = (nN2+ nAr).RT/V = (1,30+0,19).(0,082).(298)/(14) = 2,60 atm
E, portanto, as pressões parciais são PN2 = xN2P = (1,30/1,49).(2,60) = 2,26 atm = 229 kPa
E PAr = P – PN2 = 2,60.101 – 229 = 33,6 kPA.

10 – A pressão total da mistura é 2,60 atm.

Correto
Este valor já foi calculado anteriormente e a questão está correta.

11 – Um perito observou que o enxofre, S8, quando vaporizado gerou uma pressão 3 vezes maior
do que o esperado e que conforme o aquecimento prosseguiu a pressão subiu mais que o previsto
pela lei dos gases ideais para o número de mols de S8 inicialmente presente. O perito poderia
concluir que a explicação está apenas no comportamento não ideal do gás S8.

Errado
A explicação não está apenas na característica não-ideal. O que ocorre neste caso é que o S8
conforme é aquecido este se decompõe em unidades menores – S6, S4, S2, etc. – e com isso há
um maior número de moléculas presentes do que o número de mols de S8 inicialmente presente,
gerando as características observadas.

Uma mistura é constituída de 320 mg de metano, 175 mg de argônio e 225 mg de neônio. A


pressão parcial do neônio nesta mistura, a 300K, é de 0,1 atm.

12 – A pressão total é de 2/3 atm.

Correto
Primeiramente achamos o número de mols:
-3 -2
nCH4 = 320.10 /(16) = 2.10 mols
-3 -3
nAr = 175.10 /(40) = 4,37.10 mols
-3 -2
nNe = 225.10 /(20) = 1,12.10 mols
A fração molar do neônio é portanto 1,12/(2+4,37+1,12) = 0,15.
Desta forma P = PNe/xNe = 0,1/0,15 = 0,667 atm.

13 – O volume da mistura é maior do que 5L.

Errado
-2
O volume é dado por: V = (nt).RT/P = (2+4,37+1,12).10 .0,082.300/0,667 = 2,76L.