Você está na página 1de 12

TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 59

Módulos Acentuação I: monossílabos, oxítonos, paroxítonos e


PORTUGUÊS 67 e 68
F1 proparoxítonos / Linguagem figurada
Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M414 e PORT1M415
1 (MACKENZIE) – São palavras acentuadas água, energia, alimentos e de não valorizar alternativa que apresenta, respectivamente, as
de acordo com a mesma regra: materiais que poderiam ser reutilizados ou mesmas razões para acentuação das palavras
a) há e Benício. b) atrás e gênio. reaproveitados." "salários" e eletrônico".
c) só e Emílio. d) século e lírica. O fragmento acima apresenta um erro de a) Polêmica afeta os empresários da soja.
e) gênio e três. a) ortografia. b) acentuação gráfica. b) Novas regras para o ICMS têm semana de-
c) pontuação. d) regência verbal. cisiva na Câmara.
2 (UESPI) – Assinale a opção em que os c) Ministério Público Militar suspende no-
vocábulos obedecem à mesma regra de acen- 5 (UNOPAR) – Assinale a alternativa cuja meação de promotora.
tuação gráfica. palavra é acentuada pela mesma regra da pala- d) A árvore da inconstância no futebol gaú-
a) vôlei / mágico b) perdoo / açúcar vra gêmeas. cho.
c) ímã / pé d) hífen / príncipe a) Estereótipo. b) Estatísticas. e) Retratos de famílias alemãs em Ijuí.
e) áurea / amêndoas c) Alguém. d) Psicanálise.
e) Consultórios. 8 Indique a opção que preenche corretamente
3 (UESPI) – As palavras réstia e impossível as lacunas.
são acentuadas, respectivamente, pelas seguin- 6 (UNIFESP) – Indique a alternativa em que 1. Aquele rapaz não __________________ de
tes regras de acentuação: todas as palavras são acentuadas graficamente, pensar na bela jovem que o deixou.
a) ambas são paroxítonas. segundo a mesma regra.
2. As palavras daquele orador _____________
b) paroxítona terminada em ditongo e paroxí- a) estômago, colégio, fábrica, lâmpada, infle-
de algum livro lido.
tona terminada em "l". xível.
3. Eles ficaram tão desorientados que não
c) ambas são proparoxítonas. b) Virgílio, fúria, carícias, matéria, colégio.
sabiam onde ___________ o objeto derrubado.
d) proparoxítona e paroxítona terminada em "el". c) trópicos, lábios, fúria, máquinas, elétricas.
e) paroxítona terminada em "a" e paroxítona d) sério, cérebro, Virgílio, sábio, lógico. a) para – provém – por.
terminada em "l". e) Ésquilo, carícia, Virgílio, átomos, êmbolo. b) para – provém – por.
c) para – provém – pôr.
4 (FAE) – "Vivemos em uma época em que 7 (U. PASSO FUNDO) – Considerando os d) para – proveem – pôr.
muitas pessoas tem o hábito de desperdiçar cabeçalhos jornalísticos abaixo, assinale a e) para – provêm – pôr.

Nas questões de 1 a D, identifique as figuras de linguagem presentes em cada uma das tiras.

1 3

59
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 60

Módulos no Portal Objetivo PORT1M416 e PORT1M417


70 e 71 – Acentuação II: acento diferencial e hiatos / Subsídios para redigir um bom texto
1 Assinale o item com erro de acento gráfico. f) ritmo – istmo – eclipse – fixo – climax 8 (PUC) – Entre as alternativas abaixo,
a) fogaréu b) jurití c) jacaré g) exodo – jovens – bambu – raiz – coroa aponte aquela que apresenta palavras cuja
d) Havaí e) atrás acentuação se deva ao mesmo motivo.
5 Assinale a alternativa que contém o par de a) capô, está, país
vocábulos em que um deles está errado quanto b) república, já, matá-los
2 Assinale a palavra que não deve levar à acentuação gráfica. c) vítimas, república, têm
acento gráfico. d) capô, já, história
a) itens / item b) hífen / hífens
a) fugiram b) sairam c) enxaguam e) sóbrio, história, vários
c) sutil / sutis d) país / países
d) apoiam e) estreiam
e) raiz / raízes.
9 (U. METODISTA) – A acentuação das pa-
3 Entre os itens a seguir, assinale aquele em 6 (ESAM) – Assinale a alternativa em que lavras está correta em:
que todas as palavras devem levar acento todas as palavras estão grafadas de conformi- a) concordo (verbo); fabrica (verbo); Anhan-
gráfico. dade com as regras de acentuação. gabaú; indio.
a) povareu – bau – alguem – bacalhau a) Consequência – consequente – rói – ferí. b) fábrica (substantivo); concordância; viuva;
b) ai – jilo – fogareu – aneis b) Paraguai – amá-lo-íamos – côco – réu. saúva.
c) fuzis – jacare – peru – corroi c) Gregário – gratúito – recém – jóquei. c) tatú; raínha; cocaína; tonél.
d) alias – carmim – azuis – heroi d) Contigo – contíguo – hífen – item. d) sací; Tatuí; cipó; pálida.
e) onix – ali – alias – cafe e) Pedi – destruí – roi – lençóis. e) tendência; pó; Camboriú; saúde.

7 (PUC) – Assinale a alternativa em que todas J (UFPR) – Assinale a alternativa em que


4 Sublinhe, em cada grupo, a única palavra as palavras mudariam de sentido, caso estives- todos os vocábulos são acentuados por serem
que deve levar acento gráfico. sem sem acento. oxítonos:
a) ordens – abdomen – item – nuvem – hifens a) sóbrio, história, está a) paletó, avô, pajé, café, jiló.
b) aqui – Jau – tupi – Bangu – Pacaembu b) vários, vítimas, matá-los b) parabéns, vêm, hífen, saí, oásis.
c) impus – impos – rapaz – refez – impor c) é, já, país c) vovô, capilé, Paraná, lápis, régua.
d) faisca – ruir – fluindo – reunir – campainha d) é, está, país d) amém, amável, filó, porém, além.
e) fluor – jantar – funil – barris – apto e) têm, matá-los, sóbrio e) caí, aí, ímã, ipê, abricó.

1 Identifique os sentidos dos conectivos (ou sentido. d) O garoto não era assim tão forte; por isso,
elementos de ligação) sublinhados. Atente para a) Vou comprar um sapato, quando receber devia-se ajudá-lo.
a relação estabelecida entre as orações. dinheiro. e) Ei-la que passa sem perceber que é bonita
a) Chegou atrasado, porque perdeu a hora. b) Entre, porque o cachorro está preso. como uma deusa.
b) Os ladrões fugiram, logo que a polícia c) A televisão diverte, mas não instrui.
chegou. d) Se ficasse calada, sentir-se-ia culpada. E (UFB) – Observe os trechos transcritos
c) Não só estudamos a lição, como também e) Depois que o circo foi embora, as crianças abaixo:
fizemos os exercícios. comentaram as graças do palhaço. I. “Não alcanço exprimir como me doeu esta
d) Tomou os remédios, no entanto continuou f) Perdi minha borracha, portanto preciso suposição.”
doente. comprar outra. II. “Ia tanto para a moça, que era já como se
e) O aluno volta para casa, assim que acaba a fosse minha irmã, o meu próprio sangue...”
aula. C (MACKENZIE) – O amor é um sentimen- III.“Não houvera ali uma agregada, seduzida
f) O tráfego aéreo foi suspenso, uma vez que to tão delicado que, às vezes, a gente se satis- em 1835, por um saltimbanco, como me
chovia torrencialmente. faz apenas com a ilusão de que ele existe. dissera D. Antônia?”
g) O tempo melhorou, portanto podemos sair. IV. “Como, porém, ela era bonita, e a natu-
h) Algumas pessoas ganharam na loteria, A oração em destaque expressa reza tem leis diferentes da sociedade (...)
entretanto a maioria nada ganhou. a) tempo. b) finalidade. Félix achara um modo de conciliar umas e
i) O Palmeiras ganhou a taça de ouro e o povo c) condição. d) consequência. outras(...)”
saiu sambando pelas ruas. e) proporção. V. “...mas, como eu quero dizer tudo, direi
j) Depois que terminou o recreio, os alunos um segredo de consciência.”
voltaram à classe. D (FGV) – Das alternativas abaixo, assinale
l) O Atlético perdeu o jogo, porque a defesa aquela em que a oração sublinhada indica uma
falhou. condição. A seguir, assinale a sequência correta, referente
m) Como chovesse muito, não pude sair. a) A menos que ele faça o pagamento da às orações em negrito.
n) Neste bimestre estudei bastante, logo fatura, seu crédito não será restabelecido. a) I e III expressam a mesma circunstância.
minhas notas serão boas. b) Não sabia se devia esperar pelo chefe na- b) IV e V expressam a mesma circunstância.
quela rua deserta. c) II e IV expressam a mesma circunstância.
2 Copie as frases, substituindo os elementos c) Se o trator derrubar o casebre, seus mora- d) III e V expressam a mesma circunstância.
de ligação sublinhados por outro de mesmo dores vão ficar na rua.
60
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 61

Módulos Ortografia I: x/ch, s/z /


PORTUGUÊS 73 e 74
F1 Interpretação de diferentes linguagens
Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M418 e PORT1M419
1 Complete com x ou ch. 3 Siga o modelo: desli___e, vi___inho, atravé___, empre___a.
a) cai___a b) rebai___ar civil: civilizar a) z – z – s – s b) z – s – z – s
a) agonia: c) s – z – s – s d) s – s – z – s
c) engra___ar d) ___arope e) z – z – s – z
b) batismo:
e) fai___a f) en___arcar
c) catequese: 6 (UM-SP) – Aponte a alternativa que
g) en___oval h) ca___umba contenha uma palavra incorretamente grafada.
d) deslize:
i) pu___ar j) li___eira a) batizar – grandeza – arvorescer
e) atual:
b) improvisar – nobreza – arborescer
k) fei___e l) en___ergar f) ameno: c) envernizar – esperteza – florescer
m) en___ente d) repisar – prioresa – amanhecer
4 (UEL) – As questões da prova eram _____ e) rivalizar – montanhesa – incandescer
2 Siga o modelo: _________________, _________________ de
_______________ . 7 (EFOA) – “O mesmo não se pode dizer de
Pesquisa: pesquisar
a) suscintas – apesar – difíceis outros engenhos que estão marginalizando o
a) liso: b) sucintas – apezar – difíceis homem.”
b) paralisia: c) suscintas – apezar – dificeis Grafou-se corretamente com z, pelo mesmo
d) sucintas – apesar – difíceis motivo da palavra destacada na citação acima,
c) análise: e) sucintas – apezar – difíceiz a palavra:
d) friso: a) pesquizando b) alizando
5 (UFPR) – Assinale a alternativa correspon- c) improvizando d) pizando
e) improviso: dente à grafia correta dos vocábulos: e) vulgarizando

1 A propaganda abaixo apresenta uma figura 2 O anúncio abaixo oferece uma promoção c) Fugiu ao clichê das promoções que não exi-
de linguagem que consiste no cruzamento de bastante comum atualmente; no entanto, gem raciocínio do leitor, propondo-lhe a bem-
sensações diferentes. consegue ser original. Assinale a alternativa humorada segunda alternativa (não participar).
incorreta quanto ao processo de criação e d) Houve, por parte dos publicitários, intenção
realização dessa propaganda.
de valorizar o público-alvo quando sugeriram
a) O público-alvo é tradicional e não aprecia
que os não participantes da promoção seriam
automóveis zero quilômetro, pois são sinônimo
doentes mentais enclausurados num hospício.
de consumismo desnecessário.
e) Houve, por parte dos publicitários, intenção
b) O duplo apelo (preencher o cupom e a
de convencer o público-alvo por meio do
garagem) foi reforçado pela ideia de que só
humor inteligente: “Aqui no hospício não tem
loucos não participarão da promoção.
estacionamento”.

a) Aponte o trecho em que encontramos essa


figura.
b) Identifique a figura e a sugestão que ela pro-
voca.

61
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 62

Módulos no Portal Objetivo PORT1M420 e PORT1M421


76 e 77 – Ortografia II: emprego do por que, por quê, porque e porquê / Fala interior da personagem
1 Na tirinha abaixo, há três transgressões à norma culta. Identifique-as e corrija-as. 2 (UNAERP) – Assinale a opção que com-
pleta corretamente as lacunas:
O _____________ tempo causou um profundo
_____________ às videiras ______________
conservadas.
a) mau, mal, mal. b) mau, mau, mal.
c) mau, mal, mau. d) mal, mal, mau.
e) mal, mau, mau.

3 (FUVEST-SP) – Assinale a alternativa que


preenche corretamente os espaços.
Estudei o _______________, ______________
preciso entendê-lo. ____________________
você não faz o mesmo?
a) porquê – porque – Por que
b) porque – porque – Porque
c) por quê – por que – Porquê
d) por que – por quê – Porque

4 Aponte a alternativa errada.


a) A dona do bar não fazia outra coisa na vida,
senão comer.
b) Apreciei muito a sua opinião, ela vem ao
encontro da minha.
c) Não se pretende, por ora, resolver os pro-
blemas agrários.
d) Em vez de exportar, importou a produção.
e) Trabalhava a fim de comprar uma casa.

O senhor não repare. Demore, que eu conto. Madalena chorava como uma fonte. tava-me. Madalena ressonava.
A vida da gente nunca tem termo real. Entristecia-me. Grosseiro, monstruosamen- Com certeza ninguém tinha bulido na
Eu estendi as mãos para tocar naquele corpo, te grosseiro. fechadura nem nas telhas. Maluqueiras de so-
e eu estremeci, retirando as mãos para trás, E se as passadas e o assobio não fossem por nho. Talvez as pisadas também tivessem sido
incendiável: abaixei meus olhos. E a Mulher causa dela? Ah! Sendo assim, eu picado para abusão de sonho. Um pesadelo. Isso. Um pesa-
estendeu a toalha, recobrindo as partes. Mas linguiça, não pagava o que devia. E se as pas- delo. Era possível que o assobio fosse grito de
aqueles olhos eu beijei, e as faces, a boca. Adi- sadas e o assobio não existissem? Lembra- coruja.
vinhava os cabelos. Cabelos que cortou com va-me de uma noite em que me aperreei de ver- (Graciliano Ramos, São Bernardo)
tesoura de prata... Cabelos que, no só ser, haviam dade e puxei a lambedeira, com medo de um
de dar para baixo da cintura... E eu não sabia por rato. Há neste mundo cada engano! E decidia
que nome chamar; eu exclamei me doendo: 2 Assinale a alternativa incorreta sobre o texto
corrigir-me:
— Meu amor!... acima:
— Vamos deixar de choradeira. Lá por
Foi assim. Eu tinha me debruçado na a) Em “Madalena chorava como uma fonte”,
assobiarem no pomar e passearem no jardim não temos metáfora, pois há uma comparação
janela, para poder não presenciar o mundo. é preciso a senhora se desmanchar em água. É
(Guimarães Rosa) implícita.
melhor acabar com essa cavilação. b) Percebem-se vários trechos de monólogo
1 O romance Grande Sertão: Veredas, de Madalena chorava, chorava, até que por interior, que são as reflexões do personagem-
Guimarães Rosa, constrói-se como uma longa fim, cansada de chorar, pegava no sono. Enco- narrador.
narrativa oral. Riobaldo, um velho fazendei- lhia-me à beira da cama, para evitar o contato c) O último parágrafo apresenta trechos com
ro, ex-jagunço, conta sua experiência de vida a dela. Quando ia adormecendo percebia o frases nominais, ou seja, sem verbo.
um interlocutor, que jamais tem a palavra e cuja ranger de chave em fechadura e o rumor de te- d) A choradeira de Madalena, mencionada
fala é apenas sugerida. lhas arrastadas. Despertava num sobressalto e várias vezes pelo narrador Paulo Honório, é
Considerando o que foi explicado, indique a continha a respiração. Quem estaria futucando considerada por ele como manha, fingimento,
alternativa que contém um dos recursos narrati- portas? Quem estaria destelhando a casa? que é o significado de “cavilação”.
vos fundamentais utilizado por Guimarães Aproximava-me de Madalena, observa- e) No último parágrafo, quando o narrador-
Rosa no romance: va-lhe o rosto. Teria ouvido? Ou estaria a personagem se refere a “maluqueiras de sonho”
a) monólogo. b) diálogo. c) ironia. fingir que dormia? e “abusão de sonho”, confirma suposições já
d) carta. e) paródia. Levantava-me, arrastava uma cadeira, sen- mencionadas.
62
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 63

Módulos
PORTUGUÊS 79 e 80
F1 Significação de palavras I / Carta

Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M422 e PORT1M423


1 Preencha a lacuna com uma das palavras eleições diretas são inevitáveis. (desapercebi- c) conserto, insipientes, secção, censo.
propostas entre parênteses: do/ despercebido) d) conserto, incipientes, cessão, senso.
a) Informaram-me, na ___________________ e) concerto, incipientes, cessão, censo.
i) O fato passou inteiramente _____________
em que trabalho, de que haverá hoje na câmara ________________________ aos transeuntes. 3 (UFSM-RS) – Analise as palavras entre
uma ______________________ extraordinária (despercebido/desapercebido) parênteses e assinale a alternativa em que a
para a discussão de um projeto de lei que j) __________________ os erros cometidos e primeira palavra completa, corretamente, a
dispõe sobre a _________________________ frase:
_________________ os acertos. (ratificou/re-
de terra aos imigrantes. (seção/sessão/cessão) tificou) a) O motorista foi multado porque _________
b) Se você _______________________ as
_____________________ (infligiu/infringiu)
normas vigentes, vou ________________ -lhe 2 (UFG-GO-adaptada) – Leia as frases se-
guintes: as regras de trânsito.
um pesado castigo. (infringir/ infligir)
c) O rapaz enviou à namorada ____________ 1. Assisti a um ______________________ no
b) Naquela assembleia, foi aprovada a
_____________________ pelo seu aniversário. Municipal.
_____________________ (sessão/cessão) de
(comprimentos/cumprimentos) terras aos colonos.
2. Os __________________________ não são
d) O _______________________ cidadão foi ignorantes, são iniciantes.
homenageado pelo povo. (eminente/iminente) c) Solicitei ao banco o meu _______________
e) Era ___________________ a prisão do 3. Ele fez ao filho a _____________________ (estrato/ extrato) de contas.
assaltante do banco. (eminente/iminente) de uma parte das terras.
f) O pontapé que o oponente lhe deu deixou-o d) As mercadorias devem ser ____________
4. De tempo em tempo faz-se um novo
com os lábios _______________________ . _____________________ (descriminadas/dis-
________________________ da população.
(vultosos/vultuosos) criminadas) na nota fiscal.
g) No assalto ao banco, levaram uma quantia Escolha a alternativa que oferece a sequência
certa de vocabulário para a sequência das
_________________. (vultosa/vultuosa) e) O supermercado deveria estar ___________
lacunas.
h) Embora se diga que o povo está _________ a) conserto, incipientes, sessão, censo. _________________________ (sortido/sur-
_________________________ para votar, as b) concerto, insipientes, seção, senso. tido) de mercadorias.

Policarpo Quaresma, cidadão brasileiro, requer como complemento e consequência a c) tem receio de que o entendam mal, pois ele
funcionário público, certo de que a língua sua emancipação idiomática. é brasileiro.
portuguesa é emprestada ao Brasil; certo de (Triste fim de Policarpo Quaresma, d) pretende desvalorizar a história da língua
que, por esse fato, o falar e o escrever em Lima Barreto) portuguesa.
geral, sobretudo no campo das letras, se veem 1 Assinale a alternativa correta sobre a carta e) entende que, como é de conhecimento geral,
na humilhante contingência de sofrer continua- acima: os índios foram os primeiros habitantes de nos-
mente censuras ásperas dos proprietários da a) Cidadão, descontente com sua dificuldade sa terra.
língua; sabendo, além, que, dentro do nosso na língua portuguesa, deseja eliminá-la.
país, os autores e os escritores, com especiali- b) Indivíduo pretende que a língua portuguesa 3 Como emancipação idiomática, de acordo
dade os gramáticos, não se entendem no tocan- e o tupi-guarani sejam equiparados. com as ideias do texto, pode-se entender:
te à correção gramatical, vendo-se, diaria- c) Indivíduo deseja substituir o tupi-guarani a) complicações das regras gramaticais.
mente, surgir azedas polêmicas entre os mais pela língua portuguesa. b) liberdade no uso de escrever em português.
profundos estudiosos do nosso idioma – usando d) Cidadão pretende que a língua tupi-guarani c) autonomia na escolha da língua, comple-
o direito que lhe confere a Constituição, vem substitua a língua portuguesa. mentando a emancipação política.
pedir que o Congresso Nacional decrete o tupi- e) Escritores querem que decretem o tupi- d) libertação do indivíduo preso por causa da
guarani, como língua oficial e nacional do guarani como idioma oficial. censura.
povo brasileiro. e) condição para o bom emprego gramatical
2 Ao deixar de lado os argumentos históricos
O suplicante, deixando de parte os argu- da língua de um povo.
para que se decrete o tupi-guarani como língua
mentos históricos que militam em favor de sua oficial, o suplicante
ideia, pede vênia para lembrar que a língua é 4 O autor da solicitação pode ser chamado de
a) considera-os contraditórios em relação à sua
a mais alta manifestação da inteligência de um a) xenófobo. b) cosmopolita.
tese.
povo, é a sua criação mais viva e original; e, c) realista. d) xenômano.
b) dispensa-os, pois tornam sua argumentação
portanto, a emancipação política do país e) servil.
frágil.
63
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 64

Módulos no Portal Objetivo PORT1M424 e PORT1M425


82 e 83 – Significação de palavras II / Campo semântico
1 (UNEB) – A palavra mesmo pode assumir a) amenizar – complicado 6 (CEFET-PR) – Descobri, por intuição, a
diferentes significados, de acordo com a sua b) emplacar – particular beleza do cangote e do pescoço feminino, não
função na frase. c) desemplacar – introspectivo querendo com isso dizer que subestimava
d) externar – indiscutível outras regiões do universo.
Assinale a alternativa em que o sentido de e) desmascarar – nítido
mesmo equivale ao desta: As palavras seriam (Murilo Mendes. "Primeira Julieta".
as mesmas da comédia. In: A Idade do Serrote)
a) "Mas agora estou pensando no erro mais 4 (U. F. UBERLÂNDIA) – Assinale a única
profundo que me divide de mim mesmo." alternativa em que a palavra ou expressão em As expressões em negrito podem ser substi-
(Gustavo Corção) negrito não está adequadamente interpretada
tuídas, respectivamente, por:
b) Ele sempre caminha pelas mesmas ruas. de acordo com seu sentido no texto.
a) “... atribuem a esses amigos de Quincas a) explicações, negligenciava, localidades.
c) — O mesmo ele disse a mim!
toda a responsabilidade da malfadada b) demonstração, gostava, membros femininos.
d) Ele não gostava de tomar remédio, mesmo
existência por ele vivida nos últimos anos,...” c) instintivamente, amava menos, partes do
que fosse em cápsulas.
= desgraçada planeta.
e) Foi isso mesmo que ele disse a você?
b) “Assim é o mundo, povoado de céticos e d) ensinamentos, depreciava, características das
negativistas, amarrados, como bois na canga, à mulheres.
2 (UNISINOS) – Em citam-se opiniões já ordem e à lei, aos procedimentos habituais, ao e) percepção própria, desdenhava, partes do
cristalizadas de certos críticos, a palavra cris- papel selado.” = descrentes corpo feminino.
talizadas quer dizer: c) “...afirma não passar toda a história de
a) citam-se opiniões que têm a natureza de grossa intrujice, invenção de bêbados invete-
cristal. rados, patifes à margem da lei e da socieda-
b) citam-se opiniões que são límpidas, trans- de,...” = mentira
7 (CÁSPER LÍBERO) – É _____________
parentes, como o cristal. d) “Presenciada, no entanto, por testemunhas
______________ o descaso dos políticos em
c) citam-se opiniões que são ultrapassadas na idôneas, largamente falada nas ladeiras e becos
relação à infância desassistida. As iniciativas
crítica. escusos...” = adequadas
d) citam-se opiniões que, por seu uso muito de caráter social ________________________
e) “... uma farsa montada por ele com o intuito
frequente, já se fixaram na crítica. um governo indignado de um governo apático.
de mais uma vez atazanar a vida dos parentes...”
e) citam-se opiniões que se contrapõem e Com a ______________________ dos direitos
= importunar
confrontam. autorais de seu último livro, um escritor, que
preferiu não se identificar, ofereceu contribui-
5 (UNIRP) – No texto "Eduquemos nosso
filho, esclareçamos sua inteligência, mas, antes ções para uma eventual campanha de solida-
3 (UNICENTRO) – Observe as frases: de tudo, falemos ao seu coração, ensinemos a riedade. Seu gesto é um incentivo aos projetos
I. "Bartire vai colocá-las em uma mistura que ele a despojar-se das suas imperfeições. Lem- institucionais ________________________.
(...) tem baixíssimo valor nutritivo, mas pelo bremo-nos de que a sabedoria por excelência
menos vai aplacar a fome de seu marido e sete consiste em nos tornarmos melhores", a Assinale a sequência de palavras que completa
filhos." expressão despojar-se poderia ser substituída, corretamente o texto acima.
II. "Por trás das estatísticas, está uma dura sem prejuízo de significado, por: a) fragrante, diferem, sessão, beneficentes.
realidade que ajuda a explicar por que a fome a) roubar-se, saquear-se. b) flagrante, diferem, cessão, beneficentes.
é um problema tão intrincado na África." b) desprender-se, desapossar-se. c) flagrante, deferem, seção, beneficientes.
c) despir-se, defraudar-se. d) fragrante, diferem, sessão, beneficentes.
Assinale a alternativa em que as duas palavras
d) privar-se, aproveitar-se. e) flagrante, deferem, cessão, beneficientes.
substituem adequadamente os respectivos
termos sublinhados. e) despreparar-se, inibir-se.

1 (UNAERP) – Aproveitando-se do descuido tos a comemorar a vitória, parecem ter se o enunciador utiliza-se de palavras e expressões
na defesa adversária, os dois atacantes esquecido de que alguns descuidos, em típicas das rotinas esportivas, mas original-
partiram para o contra-ataque fulminante, que diversos momentos da partida, por pouco não mente empregadas
resultaria no único e decisivo gol da partida. lhes causaram a derrota. a) nos discursos políticos.
Criticado pela demora em fazer as substi- b) na arte culinária.
tuições, o técnico alegou que havia previsto as Não é raro que ocorram relações entre campos c) nos procedimentos bélicos.
reações rápidas como parte da estratégia, semânticos diferentes, por vezes sutis, outras d) nas ciências sociais relativas ao esporte.
ainda durante os treinamentos. Agora dispos- vezes bastante visíveis. No caso do texto acima, e) nas estratégias de comunicação.

64
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 65

Módulos Almeida Garrett e Alexandre Herculano /


PORTUGUÊS 45 e 46
F2 Camilo Castelo Branco
Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M426 e PORT1M427
Texto para as questões 1 e 2. semeados cadáveres de cavaleiros! Eia, pois: a) “homens do aceso imaginar”;
se não perdoais a D. João I uma suposta b) “[d]esta memória”, “[d]esta tradição de
D. João I fala a Afonso Domingues, afronta1, perdoai-a ao Mestre2 de Avis, ao mármore”;
arquiteto do Mosteiro de Santa Maria: vosso antigo capitão, que, em nome da gente c) “queixume dos mortos”;
“Houve um tempo em que nós ambos fomos portuguesa, vos cita para o tribunal da poste- d) “contendas de liberdade”;
pelejadores: eu tornei célebre o meu nome, a ridade, se refusais [recusais] consagrar outra e) “foram semeados cadáveres de cavaleiros”;
consciência mo diz, entre os príncipes do mundo, vez à Pátria vosso maravilhoso engenho, e que f) “maravilhoso engenho”.
porque segui avante por campos de batalha; vos abraça, como antigo irmão nos combates,
ela vos dirá, também, que a vossa fama será porque, certo, crê que não querereis perder na Texto para o teste C.
perpétua, havendo trocado a espada pela pena vossa velhice o nome de bom e honrado
com que traçastes o desenho do grande português.” Este inferno de amar — como eu amo! —
monumento da independência e da glória desta Quem mo pôs aqui n’alma... quem foi?
(Alexandre Herculano)
terra. Rei dos homens do aceso imaginar, não Esta chama que alenta e consome,
desprezeis o rei dos melhores cavaleiros, os 1 – Suposta afronta: referência à substituição de Que é a vida — e que a vida destrói —
cavaleiros portugueses! Também vós fostes um Mestre Afonso Domingues por outro arquiteto na Como é que se veio a atear,
deles; e negar-vos-eis a prosseguir na direção das obras do Mosteiro, em virtude de ele ter Quando — ai quando se há de ela apagar?
ficado cego.
edificação desta memória, desta tradição de (Almeida Garrett)
2 – Mestre: título dado a chefes de ordem militar ou
mármore, que há de recordar os vindouros a religiosa, ou a pessoas peritas ou versadas numa arte
história de nossos feitos? Mestre Afonso ou ciência. Mestre de Avis era o próprio D. João I, rei C (MACKENZIE-SP) – A palavra mo, no
Domingues, escutai os ossos de tantos valentes de Portugal de 1385 a 1433, filho de Pedro, o Cruel. segundo verso da estrofe, refere-se a
que vos acusam de trairdes a boa e antiga a) “em mim” – “este inferno de amar”.
amizade. Vem de todos os vales e montanhas 1 Do que trata o fragmento? b) “em mim” – “esta chama”.
de Portugal o soído [som] desse queixume dos c) “este inferno de amar” – “esta chama”.
mortos; porque, nas contendas da liberdade, 2 Com o auxílio de um dicionário, explique d) “em mim” – “n’alma”.
por toda a parte se verteu sangue e foram as seguintes imagens destacadas do texto: e) “em mim” – “vida”.

Texto para as questões de A a C. Aqui está a história contada pelos presos, a) os motivos pelos quais Almeida e Manuel
únicos, a meu ver, que a podem contar como Caetano fugiram;
ela foi. b) os captores de ambos.
A maior injustiça que eu ainda vi desenfrea- Mais haverá de oito meses que eles estão
da e às soltas na face da terra foi a que pren- esperando que os julguem. Tomou cargo de C (VUNESP-SP) – Sem perder de vista o
deu os senhores Almeida e Manuel Caetano, a defesa Marcelino de Matos. contexto, leia atentamente a frase: “São chama-
propósito de uma tentativa de roubo ao senhor Se o júri provar a inocência destes dois dos os vizinhos, que os perseguiram, e asseve-
Lobo da Reboleira. homens, qual é o artigo da lei que impõe ao ram a identidade das pessoas.” Justifique por
Vinham aqueles inofensivos cidadãos pelo ministério público o sacratíssimo dever de os que Camilo colocou:
seu caminho, mansos e quietos, e desprendidos indenizar? a) “são chamados” e “asseveram” no presente
de cobiça. Passaram à porta do capitalista no (Camilo Castelo Branco, do indicativo;
momento em que o senhor Lobo escorregava Memórias do Cárcere – II. b) “perseguiram” no pretérito do indicativo.
nas escadas íngremes e oleosas de sua casa, Lisboa: A. M. Pereira, 1966. p. 130-131.)
gritando que andavam ratoneiros lá dentro. O Texto para a questão D.
senhor Almeida, quando tal ouviu, receou que A (VUNESP-SP) – No excerto apresentado,
o tomassem por um dos salteadores e estugou há pelo menos duas palavras que não são A desgraça afervora ou quebranta o
o passo. O senhor Manuel Caetano, menos comuns no português coloquial brasileiro: amor? Isto é que eu submeto à decisão do lei-
amedrontado das suspeitas, mas temeroso de ratoneiro e estugar. O contexto, no entanto, tor inteligente. Fatos e não teses é o que trago
ser chamado como testemunha, fugiu também. permite entender o que significam. Releia o para aqui. O pintor retrata uns olhos, e não
texto de Camilo e, a seguir, indique: explica as funções ópticas do aparelho visual.
Os vizinhos do senhor Lobo, vendo fugirem
a) os sentidos das duas palavras; (Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição)
dois homens e ouvindo os gritos da criada do
b) os elementos contextuais que permitem
milionário, correram atrás deles e, auxiliados
reconhecer tais sentidos.
D Alguns escritores pretenderam, em seus
pela guarda do Banco, apanharam-nos. São o romances, apresentar uma dissecação científica
queixoso e sua criada convidados a reconhecer B (VUNESP-SP) – Neste fragmento, Camilo do caráter humano. Com base no texto trans-
os ladrões, e não os conhecem. São chamados Castelo Branco rememora uma curiosa história crito, você diria que Camilo Castelo Branco
os vizinhos, que os perseguiram, e asseveram que ouviu na prisão. Releia o texto apresentado parece concordar ou discordar dessa pretensão
a identidade das pessoas. e, a seguir, aponte: cientificista? Justifique sua resposta.
65
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 66

Módulos no Portal Objetivo PORT1M428 e PORT1M429


47 e 48 – Gonçalves Dias: poesia indianista / José de Alencar: Iracema – descrição da heroína
Texto para as questões 1 e 2. Sejam vales ou montes, lago ou terra, 6 – Bogari: flor perfumada, da família do jasmim,
Onde quer que tu vás, ou dia ou noite, que exala seu aroma ao anoitecer e pela manhã ema-
na fragrância mais forte e adocicada.
LEITO DE FOLHAS VERDES Vai seguindo após ti meu pensamento;
7 – Quebranto: moleza, languidez – no caso, deleite
Outro amor nunca tive: és meu, sou tua! do eu lírico completamente entregue às sensações,
Por que tardas, Jatir, que tanto a custo
assim como está tomado pelo amor.
À voz do meu amor moves teus passos? Meus olhos outros olhos nunca viram, 8 – D’alva: aurora.
Da noite a viração1, movendo as folhas, Não sentiram meus lábios outros lábios, 9 – Vegetar: crescer, brotar, desenvolver-se.
Já nos cimos do bosque rumoreja. 10 – Arazoia: saiote feito de penas, usado por mu-
Nem outras mãos, Jatir, que não as tuas
lheres indígenas.
Eu sob a copa da mangueira altiva A arazoia10 na cinta me apertaram. 11 – Jaz: repousa.
Nosso leito gentil cobri zelosa2 12 – Tardo: lento, vagaroso.
Com mimoso tapiz3 de folhas brandas4, Do tamarindo a flor jaz11 entreaberta, 13 – Tupã: na mitologia dos indígenas de língua tupi,
Já solta o bogari mais doce aroma a divindade suprema.
Onde o frouxo luar brinca entre flores.
Também meu coração, como estas flores,
Do tamarindo5 a flor abriu-se, há pouco, Melhor perfume ao pé da noite exala! 1 Este poema é exemplo de lírica amorosa
Já solta o bogari6 mais doce aroma! com elementos indianistas.
Como prece de amor, como estas preces, Não me escutas, Jatir! nem tardo12
acodes a) Quem é o eu lírico e quem é o destinatário
No silêncio da noite o bosque exala. À voz do meu amor, que em vão te chama! de sua fala?
Tupã13! lá rompe o sol! do leito inútil b) Quais são os elementos indianistas presen-
Brilha a lua no céu, brilham estrelas,
A brisa da manhã sacuda as folhas! tes no texto?
Correm perfumes no correr da brisa,
A cujo influxo mágico respira-se
Um quebranto7 de amor, melhor que a vida! (Gonçalves Dias) 2 Muito da expressividade do poema baseia-se
no apelo aos sentidos: a índia, totalmente
1 – Viração: brisa.
A flor que desabrocha ao romper d’alva8 envolvida pelo amor, volta-se, em sua espera,
2 – Zeloso: cuidadoso.
Um só giro do sol, não mais, vegeta9: 3 – Tapiz: tapete. para as cores, sons, aromas, texturas, sabores
Eu sou aquela flor que espero ainda 4 – Brando: macio. da natureza. Destaque do texto uma passagem
Doce raio do sol que me dê vida. 5 – Tamarindo: tipo de árvore frutífera. referente a cada um dos cinco sentidos.

Texto para as questões 1 e 2. nhos da noite, e arrancou de sua alma a lem- — A juruti, quando a árvore seca, foge do
brança do que sonhara. Ficou apenas um vago ninho em que nasceu. Nunca mais a alegria
Segundo o crítico Antonio Candido, “assim sentir, como fica na mouta [= moita] o perfume voltará ao seio de Iracema: ela vai ficar, como
como Walter Scott fascinou a imaginação da da flor que o vento da serra desfolha na ma- o tronco nu, sem ramas, nem sombras.
Europa com os seus castelos e cavaleiros, drugada. (José de Alencar, Iracema)
Alencar fixou um dos mais caros modelos da Não sabia onde estava.
sensibilidade brasileira: o do índio ideal (...). À saída do bosque sagrado encontrou C (USF-SP) – É uma característica compro-
As Iracemas, Jacis, Ubiratãs, Ubirajaras, Iracema: a virgem reclinava num tronco áspero vável no texto:
Aracis, Peris, que (...) vão semeando em
do arvoredo; tinha os olhos no chão; o sangue a) Vassalagem amorosa.
batistérios e registros civis a ‘mentirada gentil’
fugira das faces; o coração lhe tremia nos b) Comunhão mundo interior/natureza.
do indianismo, traduzem a vontade profunda
lábios, como gota de orvalho nas folhas do c) Personagem movida pelo racional.
do brasileiro de perpetuar a convenção, que dá
bambu. d) Prosa poética.
a um país de mestiços o álibi duma raça
Não tinha sorrisos, nem cores, a virgem e) Evasionismo para a morte.
heroica, e a uma nação de história curta, a
profundidade do tempo lendário.” indiana; não tem borbulhas, nem rosas, a
acácia que o sol crestou; não tem azul, nem D (USF-SP – modificado) – Todas as afirma-
estrelas, a noite que enlutam os ventos. tivas são verdadeiras quanto à obra Iracema,
Considerando o que você leu acima, responda:
— As flores da mata já abriram aos raios exceto:
a) O título Iracema pode ser considerado
1 Qual a relação que se pode estabelecer entre do sol; as aves já cantaram: disse o guerreiro.
anagrama de América, indício da intenção de
o cavaleiro medieval, na literatura romântica Por que só Iracema curva a fronte e emudece?
mito fundador da obra.
europeia, e o índio, na literatura romântica A filha do Pajé estremeceu. Assim estre-
b) Iracema e Martim representam, respectiva-
brasileira? mece a verde palma, quando a haste frágil foi
mente, o mundo selvagem e o mundo civilizado.
abalada; rorejam de espanto as lágrimas da c) A amostragem da formação histórica da
2 Explique a expressão “mentirada gentil” chuva, e os leques ciciam brandamente. nação brasileira é propósito da construção da
empregada por Antonio Candido. — O guerreiro Caubi vai chegar à taba de narrativa.
seus irmãos. O estrangeiro poderá partir com d) O nome da personagem Moacir, filho de
Texto para os testes C e D. o sol que vem nascendo. Iracema e Martim, significa o “filho do sofri-
— Iracema quer ver o estrangeiro fora dos mento”.
A alvorada abriu o dia e os olhos do guer- campos dos tabajaras; então a alegria voltará e) Poti, como “bom selvagem”, mostra a
reiro branco. A luz da manhã dissipou os so- a seu seio. integridade do indígena.

66
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 67

Módulos Um clássico romântico: a “Canção do Exílio” de


PORTUGUÊS F2
49 e 50 Gonçalves Dias / A “Canção do Exílio” – rede intertextual
Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M430 e PORT1M431
Texto para a questão 1. Não permita Deus que eu morra, métricas. Um verso que não segue esse padrão
Sem que eu volte para lá; de tonicidade é:
CANÇÃO DO EXÍLIO Sem que desfrute os primores a) “Minha terra tem palmeiras”.
Minha terra tem palmeiras, Que não encontro por cá; b) “As aves que aqui gorjeiam”.
Onde canta o Sabiá; Sem qu’inda aviste as palmeiras, c) “Nosso céu tem mais estrelas”.
As aves que aqui gorjeiam Onde canta o Sabiá. d) “Em cismar, sozinho, à noite”.
Não gorjeiam como lá.
(Gonçalves Dias, Primeiros Cantos)
e) “Onde canta o Sabiá”.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida, 1 A análise estilística da “Canção do Exílio” 3 (UNIFESP-SP – modificado) – Entre as
Nossa vida mais amores. feita por Aurélio Buarque de Holanda aponta figuras de linguagem, como recursos que um
um fato interessante: o poema mais conhecido autor emprega para obter maior expressividade,
Em cismar, sozinho, à noite, por elogiar a terra brasileira não apresenta existe a zeugma. A zeugma consiste na
Mais prazer encontro eu lá; adjetivos para qualificar a pátria. Transcreva as supressão de um vocábulo, já enunciado em
Minha terra tem palmeiras, palavras que consistem nos atributos positivos frase anterior. No poema de Gonçalves Dias, a
Onde canta o Sabiá. da terra natal e indique a que classe gramatical zeugma ocorre em:
pertencem. a) “Sem qu’inda aviste as palmeiras”.
Minha terra tem primores, b) “Em cismar, sozinho, à noite”.
Que tais não encontro eu cá; c) “Que tais não encontro eu cá”.
Em cismar — sozinho, à noite — 2 (UNIFESP-SP) – Os versos da “Canção do
d) “Nossa vida mais amores”.
Mais prazer encontro eu lá; Exílio” são construídos nos moldes da redon-
Minha terra tem palmeiras, dilha maior, com predominância dos acentos de e) “Nosso céu tem mais estrelas”
Onde canta o Sabiá. intensidade nas terceiras e sétimas sílabas

1 (UNIFESP-SP – modificado) – A “Canção a) com inicial maiúscula, por se tratar de um CANÇÃO DO EXÍLIO
do Exílio” é um dos textos mais citados e substantivo próprio, nome do famoso time Minha terra tem macieiras da Califórnia
parodiados da Língua Portuguesa. Os versos brasileiro de futebol. onde cantam gaturamos de Veneza.
b) com inicial minúscula, por se tratar de um Os poetas da minha terra
Teus risonhos lindos campos têm mais flores, substantivo comum, nome da planta referida são pretos que vivem em torres de ametista,
Nossos bosques têm mais vida, por Gonçalves Dias na “Canção do Exílio”. os sargentos do exército são monistas, cubistas,
Nossa vida no teu seio mais amores. os filósofos são polacos vendendo a prestações.
c) com inicial maiúscula, por se tratar de um
A gente não pode dormir
substantivo comum, nome da planta referida com os oradores e os pernilongos.
que remetem, de modo flagrante, ao poema de por Gonçalves Dias. Os sururus em família têm por testemunha a
Gonçalves Dias, ocorrem d) com inicial minúscula, por se tratar de um [Gioconda.
a) na “Nova Canção do Exílio”, de Carlos substantivo com valor de adjetivo, a designar Eu morro sufocado
Drummond de Andrade, publicada em A Rosa um time brasileiro de futebol. em terra estrangeira.
do Povo. (...)
e) com inicial minúscula, por se tratar de um (Murilo Mendes)
b) na letra de “Sabiá”, de Tom Jobim e Chico
substantivo próprio, nome da planta referida na
Buarque. C Que elemento do texto de Gonçalves Dias
“Canção do Exílio”.
c) no poema “Canto de Regresso à Pátria”, do foi mantido por Murilo Mendes na sua “Canção
modernista Oswald de Andrade. do Exílio”?
d) na “Canção do Exílio” de Casimiro de a) O tom ufanista.
Abreu, poeta do Romantismo brasileiro. Para responder aos testes C e D, leia a seguir b) O lirismo intenso.
e) na letra do Hino Nacional Brasileiro, de um poema de Murilo Mendes estudado em sala c) O pássaro típico do Brasil.
Joaquim Osório Duque Estrada, oficializada de aula e releia a “Canção do Exílio” de Gon- d) O saudosismo.
em 1922. çalves Dias, transcrita acima, no módulo 49. e) A oposição entre lá, terra natal, e cá, terra
estrangeira.

2 (UNIFESP-SP – adaptado) – D Pode-se dizer que Murilo Mendes


Observe com atenção a tirinha, na a) parodiou a “Canção do Exílio” de Gonçal-
qual há referência à “Canção do ves Dias.
Exílio”. Caso os balõezinhos dessa b) exaltou a flora tipicamente brasileira.
tirinha não estivessem com todas as c) plagiou Gonçalves Dias, mas não conseguiu
falas das personagens escritas em dar sentido ao texto.
letras maiúsculas, a palavra pal- d) fez, em seu poema, associações bastante
meiras, que aparece em uma frase usuais.
entre aspas, no segundo quadrinho, e) compôs um poema moderno, com o mesmo
deveria ser escrita sentido que tem o de Gonçalves Dias.
67
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 68

Módulos no Portal Objetivo PORT1M432 e PORT1M433


51 e 52 – Sousândrade / Iracema – a separação dos amantes
Textos para as questões 1 e 2. Texto II Ponho no vento o ouvido e escuto a brisa
Que brinca em teus cabelos e te alisa,
PÁTRIA MINHA
Texto I Pátria minha, e perfuma o teu chão...
A minha pátria é como se não fosse, é íntima Que vontade me vem de adormecer-me
Eu careço de amar, viver careço Doçura e vontade de chorar; uma criança Entre teus doces montes, pátria minha.
Nos montes do Brasil, no Maranhão, [dormindo (...)
Dormir aos berros da arenosa praia É minha pátria. Por isso, no exílio,
(Vinícius de Moraes)
Da ruinosa Alcântara, evocando Assistindo dormir meu filho,
Amor... Pericumã!... morrer... meu Deus! 1 Podemos afirmar que o texto I é uma “can-
Choro de saudades de minha pátria. ção do exílio” porque nele
Quero fugir d’Europa, nem meus ossos
(...) a) se fala de pontos turísticos brasileiros.
Descansar em Paris, não quero, não!
b) o poeta pressente que sua vida está che-
Oh! Por que a vida desprezei dos lares,
Vontade de beijar os olhos de minha pátria, gando ao fim.
Onde minh’alma sempre forças tinha c) o eu lírico evoca a pátria, estando fora dela.
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...
Para elevar-se à natureza e os astros? d) se fala do exílio de Sousândrade nos anos
Vontade de mudar as cores do vestido
1960.
(...) [(auriverde!) tão feias
e) o eu lírico acredita que vai morrer longe do
E lá! A terra toda, este sol todo — De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
Maranhão.
E num céu anilado eu m’envolvia, E sem meias, pátria minha,
Como a águia se perde dentro dele. Tão pobrinha! 2 Quanto ao conteúdo, em que se aproximam
e se distanciam os versos de Vinícius de Mo-
(Sousândrade, “Harpa XLV”) (...) raes e os de Sousândrade?

Texto para as questões 1 e 2. 2 Extraia do texto as expressões que se refe- C (UFSCar-SP) – Em Iracema, Alencar traz
rem a Martim e as que se referem a Iracema. como personagem central uma índia.
O Pajé vibrou o maracá e saiu da cabana,
a) Como se define a personagem Iracema,
porém o estrangeiro não ficou só.
Texto para a questão C. mulher e índia, em relação ao movimento
Iracema voltara com as mulheres chamadas
para servir o hóspede de Araquém, e os guer- literário a que pertenceu Alencar?
Foi rápido, como o olhar, o gesto de Ira- b) Os vocativos presentes nas falas de Iracema
reiros vindos para obedecer-lhe.
cema. A flecha embebida no arco partiu. Gotas
— Guerreiro branco, disse a virgem, o e do moço desconhecido permitem analisar
de sangue borbulham na face do desconhecido.
prazer embale tua rede durante a noite; e o sol como cada um deles concebia o outro. Trans-
traga luz a teus olhos, alegria à tua alma. De primeiro ímpeto, a mão lesta caiu sobre
creva esses vocativos do texto e explique a
E assim dizendo, Iracema tinha o lábio a cruz da espada; mas logo sorriu. O moço
imagem que Iracema tinha do desconhecido e
trêmulo, e úmida a pálpebra. guerreiro aprendeu na religião de sua mãe,
onde a mulher é símbolo de ternura e amor. a imagem que ele tinha de Iracema.
— Tu me deixas? perguntou Martim.
— As mais belas mulheres da grande taba Sofreu mais d’alma que da ferida.
contigo ficam. (...) Texto para a questão D.
— Para elas a filha de Araquém não devia A mão que rápida ferira, estancou mais
ter conduzido o hóspede à cabana do Pajé. rápida e compassiva o sangue que gotejava.
Verdes mares bravios de minha terra natal,
— Estrangeiro, Iracema não pode ser tua Depois Iracema quebrou a flecha homicida;
serva. É ela que guarda o segredo da jurema e deu a haste ao desconhecido, guardando onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba;
o mistério do sonho. Sua mão fabrica para o consigo a ponta farpada. Verdes mares, que brilhais como líquida
Pajé a bebida de Tupã. O guerreiro falou: esmeralda aos raios do sol nascente, perlon-
O guerreiro cristão atravessou a cabana e — Quebras comigo a flecha da paz? gando as alvas praias ensombradas de coquei-
sumiu-se na treva. — Quem te ensinou, guerreiro branco, a ros;
(José de Alencar, Iracema) linguagem de meus irmãos? Donde vieste a Serenai, verdes mares, e alisai docemente a
estas matas, que nunca viram outro guerreiro vaga impetuosa, para que o barco aventureiro
1 — Estrangeiro, Iracema não pode ser tua
serva. É ela que guarda o segredo da jurema e como tu? manso resvale à flor das águas.
o mistério do sonho. Sua mão fabrica para o — Venho de bem longe, filha das florestas. Onde vai a afouta [= afoita] jangada, que
Pajé a bebida de Tupã. Venho das terras que teus irmãos já possuíram, deixa rápida a costa cearense, aberta ao fresco
e hoje têm os meus. terral a grande vela?
a) No trecho anterior, quem se dirige ao “es-
— Bem-vindo seja o estrangeiro aos
trangeiro”?
campos dos tabajaras, senhores das aldeias, e (José de Alencar, Iracema)
b) Reescreva o trecho, valendo-se das marcas
à cabana de Araquém, pai de Iracema.
linguísticas correspondentes à primeira pessoa
do discurso. (José de Alencar, Iracema) D Como o fragmento representa a natureza?
68
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 69

Módulos
PORTUGUÊS 53 e 54
Joaquim Manuel de Macedo / Iracema – aculturação
F2

Exercícios Complementares no Portal Objetivo PORT1M434 e PORT1M435


Texto para as questões 1 e 2. — Como se chama a senhora que está — Sim, senhor, eu já sei o que se diz nessas
vestida de branco? ocasiões: o discurso fica por minha conta.
CARTA DE FABRÍCIO A AUGUSTO — A sra. d. Joana... tem 17 anos, e morre — E amanhã, ao anoitecer, espera-me na
(fragmento) por casar. porta de tua casa.
Ah! maldito crioulo... estava-lhe o todo — Quem te disse isso?... — Pronto, lesto e agudo, repetiu de novo o
dizendo para que servia!... Pinta na tua ima- — Pelos olhos se conhece quem tem lom- crioulo.
ginação, Augusto, um crioulo de 16 anos, todo brigas, meu senhor!... — Eu recompensar-te-ei, se fores fiel.
vestido de branco com uma cara mais negra e — Como te chamas? — Mais pronto, mais lesto e mais agudo!
mais lustrosa do que um botim envernizado, — Tobias, escravo de meu senhor, crioulo de — Por agora toma estes cobres.
tendo, além disso, dois olhos belos, grandes, qualidade, fiel como um cão e vivo com um gato. — Oh, meu senhor! prontíssimo, lestíssimo
vivíssimos e cuja esclerótica [parte branca dos O maldito do crioulo era um clássico a fa- e agudíssimo.
olhos] era branca como o papel em que te lar português. Eu continuei:
— Hás de me levar um recado à sra. d. Joana. (Joaquim Manuel de Macedo.
escrevo, com lábios grossos e de nácar, ocul-
— Pronto, lesto e agudo, respondeu-me o A Moreninha. 5. ed. São Paulo:
tando duas ordens de finos e claros dentes, que
moleque. Ática, 1973. p. 18-9.)
fariam inveja a uma baiana; dá-lhe a ligeireza,
a inquietação e rapidez de movimentos de um — Pois toma sentido.
macaco e terás feito ideia desse diabo de — Não precisa dizer duas vezes. 1 (VUNESP-SP – adaptada) – Esta cena de
azeviche [de cor negra], que se chama Tobias. — Ouve. Das duas uma: ou poderás falar A Moreninha descreve, por meio de uma carta,
Não me foi preciso chamá-lo: bastou um com ela hoje, ou só amanhã... como Fabrício conheceu Joana, no Teatro São
movimento de olhos para que o Tobias viesse a — Hoje... agora mesmo. Nestas coisas
Pedro de Alcântara. A fluência e vivacidade de
mim, rindo-se desavergonhadamente. Levei-o Tobias não cochila: com licença de meu
estilo da personagem Fabrício, que pede a
para um canto. senhor, eu cá sou doutor nisso; meus parceiros
Augusto que “pinte a cena na imaginação”, im-
— Tu pertences àquelas senhoras que estão me chamam orelha de cesto, pé de coelho e
boca de taramela. Vá dizendo o que quiser, que primem ao texto um conjunto de efeitos típicos
no camarote, a cuja porta te encostavas?... do teatro. Com base nesse comentário, aponte e
perguntei. em menos de 10 minutos minha senhora saberá
tudo; o recado de meu senhor é uma carambola explique o funcionamento de pelo menos um
— Sim, senhor, me respondeu ele, e elas
que, batendo no meu ouvido, vai logo bater no elemento do enunciado que revele essa “pintura
moram na rua de... n... ao lado esquerdo de
da senhora d. Joaninha. teatralizada” da cena.
quem vai para cima.
— E quem são?... — Pois dize-lhe que o moço que se sentar
— São duas filhas de uma senhora viúva, na última cadeira da 4.ª coluna da superior, 2 (VUNESP-SP – adaptada) – Aponte e
que também aí está, e que se chama a Ilma. sra. que assoar-se com um lenço de seda verde, explique um procedimento presente na carta
d. Luiza. O meu defunto senhor era negociante quando ela para ele olhar, se acha loucamente que revele a proximidade do texto com a
e o pai de minha senhora é padre. apaixonado de sua beleza etc., etc., etc. linguagem específica do teatro.

Texto para as questões 1 e 2. Machado de Assis refere-se, neste trecho, a um D (UNICAMP-SP) – O trecho abaixo foi ex-
movimento literário chamado, na época, de traído de Iracema. Ele reproduz a reação e as
O primeiro cearense, ainda no berço, emi- “poesia americana” ou “escola americana”. Sob últimas palavras de Batuiretê antes de morrer:
grava da terra da pátria. Havia aí a predes- que outro nome veio a ser conhecido esse
tinação de uma raça? movimento? Quais eram seus principais
(José de Alencar, Iracema) O velho soabriu as pesadas pálpebras, e
objetivos? passou do neto ao estrangeiro um olhar baço.
1 (FUVEST-SP – adaptada) – Quem é o Depois o peito arquejou e os lábios murmu-
“primeiro cearense” a que o trecho faz alusão? b) Tudo em Iracema nos parece primitivo; a
raram:
ingenuidade dos sentimentos, o pitoresco da
— Tupã quis que estes olhos vissem, antes
2 (FUVEST-SP – adaptada) – A que se linguagem, tudo, até a parte narrativa do livro,
de se apagarem, o gavião branco junto da
refere o narrador, no interior da obra, ao lançar que nem parece obra de um poeta moderno,
narceja.
a pergunta final? mas uma história de bardo1 indígena, contada
O abaeté derrubou a fronte aos peitos, e
aos irmãos, à porta da cabana, aos últimos
não falou mais, nem mais se moveu.
C (FUVEST-SP) – Considere os dois trechos raios do sol que se entristece.
de Machado de Assis, relacionados a Iracema (Adaptado de Machado de Assis,
e publicados na época em que apareceu esse (José de Alencar. Iracema: lenda do Ceará.
Crítica Literária)
romance de Alencar, e responda ao que se pede. Rio de Janeiro: MEC/INL, 1965. p. 171-172.)
1 – Bardo: poeta heroico, entre os celtas e gálios; por
a) A poesia americana está completamente extensão, qualquer poeta, trovador etc.
nobilitada; os maus poetas já não podem a) Quem é Batuiretê?
conseguir o descrédito desse movimento, que No trecho, Machado de Assis afirma que a b) Identifique as personagens a quem ele se
venceu com o autor de “I-Juca-Pirama” e narração de Iracema não parece ter sido feita dirige e indique os papéis que desempenham
acaba de vencer com o autor de Iracema. por um “poeta moderno”, mas, sim, por um no romance.
(Adaptado de Machado de Assis, “bardo indígena”. Essa afirmação se justifica? c) Explique o sentido da metáfora empregada
Crítica Literária) Explique sucintamente. por Batuiretê em sua fala.

69
TC4_1A_Port_Keli 23/05/11 15:37 Page 70

Módulos no Portal Objetivo PORT1M436 e PORT1M437


55 e 56 – Alencar urbano: Senhora I / Alencar urbano: Senhora II
O narrador de Senhora, romance de José de pimento de seu noivado com Aurélia. Que a) a despeito de suas prendas.
Alencar, descreve assim o aposento de Fernan- característica é essa? b) além de suas prendas.
do Seixas: c) em vista de suas prendas.
2 (UNICAMP-SP – modificada) – No mo- d) a par de suas prendas.
A um canto do aposento notava-se um sor- mento de reconciliação entre Aurélia Camargo e) graças a suas prendas.
timento de guarda-chuvas e bengalas, algumas e Fernando Seixas, algo se havia alterado no
de muito preço. Parte destas naturalmente caráter dele. De que se trata? D Segundo o sentido geral do texto, o ouro
provinha de mimos, como outras curiosidades rebaixa os homens porque
artísticas, em bronze e jaspe1, atiradas para Texto para os testes de C a E. a) restringe seu interesse ao econômico,
baixo da mesa, e cujo valor excedia de certo constituindo causa de aviltamento da condição
ao custo de toda a mobília da casa. ...As revoltas mais impetuosas de Aurélia humana.
Um observador reconheceria nesse dispa- eram justamente contra a riqueza que lhe servia b) não lhes dá tempo de lazer, para contemplar
rate a prova material de completa divergência de trono, e sem a qual nunca por certo, apesar a beleza.
entre a vida exterior e a vida doméstica da de suas prendas, receberia, como rainha c) os torna causa das revoltas impetuosas de
pessoa que ocupava esta parte da casa. desdenhosa, a vassalagem que lhe rendiam. Aurélia.
Se o edifício e os móveis estacionários e de Por isso mesmo considerava ela o ouro um d) provoca a humilhação das pessoas de nobre
uso pessoal denotavam escassez de meios, vil metal que rebaixava os homens; e no íntimo caráter, como Aurélia.
senão extrema pobreza, a roupa e os objetos de sentia-se profundamente humilhada pensando e) é a causa de se tornarem eles desdenhados
representação anunciavam um trato de socie- que para toda essa gente que a cercava, ela, a por pessoas orgulhosas, como Aurélia.
dade, como só tinham cavalheiros dos mais sua pessoa, não merecia uma só das bajulações
ricos e francos da corte. que tributavam a cada um de seus mil contos E Quando alude às “revoltas mais impetuosas
1 – Jaspe: pedra ornamental. de réis. de Aurélia”, o texto caracteriza implicitamente
(José de Alencar, Senhora) a personagem como
1 (UNICAMP-SP) – A descrição anterior dá a) impiedosa. b) arrebatada.
especial atenção a uma característica de Seixas C Das expressões abaixo, qual a que conserva c) instável. d) sentimental.
que está diretamente relacionada ao rom- o sentido de “apesar de suas prendas”? e) vingativa.

Leia um trecho de Lucíola, de José de Alencar, 1 Quem lhe parece ser Lucíola, a narradora do E (MACKENZIE-SP) – O fragmento, extraí-
e responda às questões de 1 a 4. texto? do do final do romance que focaliza a corrup-
ção do homem por dinheiro, é exemplar do
2 Com que tom Lucíola fala sobre sua vida? comportamento do escritor romântico porque
— Ah! esquecia que uma mulher como eu
não se pertence; é uma coisa pública, um carro 3 O tipo de reação da sociedade a uma mulher a) critica valores que regem a vida burguesa,
da praça, que não pode recusar quem chega. como Lucíola, tal como relatada pela prota- principalmente o apego às leis do coração.
Estes objetos, este luxo, que comprei muito gonista, ainda é lugar-comum nos dias atuais? b) apresenta a personagem como fruto do
caro também, porque me custaram vergonha e Justifique. condicionamento genético.
humilhação, nada disto é meu. Se quisesse c) expressa seu idealismo, ao permitir a reden-
4 Lucíola vive um drama que consiste na ção da personagem que errou.
dá-los, roubaria aos meus amantes presentes e
contradição entre sua imagem social e seu amor d) concebe o herói como representante de uma
futuros; aquele que os aceitasse seria meu por Paulo. Pelo que você conhece da literatura raça heroica e vigorosa.
cúmplice. Esqueci que, para ter o direito de romântica, essa contradição — anjo e demônio, e) manifesta traços da doutrina do “bom selva-
vender o meu corpo, perdi a liberdade de pecadora e vítima da sociedade — é comum gem” de Rousseau.
dá-lo a quem me aprouver! O mundo é lógico! nos romances românticos folhetinescos ou é
Aplaudia-me se eu reduzisse à miséria a uma inovação introduzida por José de Alencar? F (MACKENZIE-SP) – Assinale a alterna-
família de algum libertino; era justo que tiva correta.
pateasse se eu tivesse a loucura de arrui Texto para os testes E e F.
a) “Um instante!” é frase utilizada para chamar
nar-me, e por um homem pobre! Enquanto — Um instante! disse Aurélia. a atenção do interlocutor, por isso nela predo-
abrir a mão para receber o salário, contando — Chamou-me? mina a função emotiva da linguagem.
os meus beijos pelo número das notas do — O passado está extinto. (...) b) Transpondo-se a frase “suplico-te que aceites
banco, ou medindo o fogo das minhas carícias — Pois bem, agora ajoelho-me eu a teus meu amor” para o discurso indireto, o correto
pelo peso do ouro; enquanto ostentar a pés, Fernando, e suplico-te que aceites meu seria: “ela lhe suplicaria que aceitasse seu
impudência da cortesã e fizer timbre da minha amor; este amor que nunca deixou de ser teu, amor”.
infâmia, um homem honesto pode rolar-se nos ainda quando mais cruelmente ofendia-te. (...) c) Em “as auras da noite, acariciando o seio das
meus braços sem que a mais leve nódoa — Aquela que te humilhou, aqui a tens flores”, o verbo está empregado em sentido
manche a sua honra; mas se pedir-lhe que me abatida, no mesmo lugar onde ultrajou-te. Aqui denotativo.
aceite, se lhe suplicar a esmola de um pouco a tens implorando teu perdão e feliz porque te d) No segmento “no mesmo lugar onde ultra-
de afeição, oh! então o meu contato será como adora, como o senhor de sua alma. jou-te”, onde pode ser corretamente substituído
As cortinas cerraram-se, e as auras da por o qual.
a lepra para a sua dignidade e a sua reputação.
noite, acariciando o seio das flores, cantavam e) A oração “acariciando o seio das flores”
Todo o homem honesto deve repelir-me!
o hino misterioso do santo amor conjugal. equivale a “enquanto acariciavam o seio das
(José de Alencar, Lucíola) (José de Alencar, Senhora) flores”.
70