Você está na página 1de 7

Introdução

Neste Presente trabalho abordarei sobre diversos temas como evolução da


população mundial, estrutura da população, isto é, essa estrutura da população
deve ser analisada considerando sua distribuição por género (sexo), número,
idade, renda, educação, saúde e outros indicadores que expressam os aspectos
quantitativos e qualitativos da organização social importantes para as acções de
planejamento, tanto governamental quanto privado;
A estrutura etária da população é a distribuição dos indivíduos de uma população
pelas diferentes idades ou grupos de idades (classes etárias).
Estrutura sectorial e profissional da população, segundo profissional da população
apresenta como o conjunto de indivíduos que constituem mão-de-obra disponível
para a produção de bens e serviços designa-se de população active. Devido a
estrutura sectorial tem/existe três (3) tipos sector que são: sector primário, sector
secundário e sector terciário.
O início da principal relação entre o meio ambiente e o crescimento populacional
se dá pelo simples fato da má utilização dos espaços geográficos para administrar
de forma balanceada a população mundial. Os atuais sistemas económicos
pregam a cultura da “maior aquisição de terras”, onde menos pessoas possuem
mais terras.
A partir destes gráficos podemos constatar que nem todos os países estão na
mesma fase da evolução demográfica. Há países que já sofreram a revolução
industrial, esses são os desenvolvidos, enquanto os subdesenvolvidos como ainda
não passaram pela revolução industrial apresentam as taxas acima referidas.

1-Evolução da população mundial.


Taxa de Natalidade
Ao observarmos o gráfico da taxa de natalidade podemos verificar que há dois
tipos de países. Alemanha, Argentina, Austrália e Bélgica (considerados países
desenvolvidos) têm uma taxa de natalidade baixa, enquanto o Afeganistão,
Angola, Bolívia e o Brasil (países em vias de desenvolvimento) têm uma taxa de
natalidade elevada.
Para os países desenvolvidos ultrapassarem o antigo regime demográfico, tiveram
que se sujeitar à revolução industrial. Agora, a natalidade é baixa porque há um
maior número da população feminina a ter acesso ao mercado de trabalho.
Aumento dos encargos com a educação dos filhos tornando-se estes muito
dispendiosos. Os pais têm de renunciar a certas actividades com o nascimento de
um filho. As mulheres têm acesso à educação e recorrem a planeamentos
familiares.
Nos países subdesenvolvidos a taxa de natalidade é elevada devido à inexistência
de planeamento familiar, há também uma elevada percentagem de jovens que
casam precocemente. Devido à religião da maioria da população não podem usar
métodos anticoncepcionais. Os filhos são uma fonte de rendimento. Ainda existe
um baixo nível de escolaridade.
Ao observarmos a taxa de mortalidade verificamos que continua a haver dois tipos
de países: os desenvolvidos e os subdesenvolvidos.
Os países desenvolvidos têm uma taxa de mortalidade inferior devido ao avanço
tecnológico no sector agrícola, o que proporciona o aumento de produção,
melhoria da alimentação e protecção para determinadas doenças. Também na
medicina houve avanços, o que possibilitou o combate de uma grande quantidade
de doenças. Houve igualmente melhorias nas condições de trabalho, habitação e
higiene.
Em alguns países subdesenvolvidos, a taxa de mortalidade é maior devido a uma
alimentação deficiente, falta de higiene e ineficácia de meios médicos, condições
de habitação precárias e contínuos conflitos armados. Enquanto outros já estando
na primeira fase do regime demográfico, apresentam uma natalidade elevada e
uma mortalidade baixa.
Os países desenvolvidos devido às suas baixas taxas de natalidade e mortalidade
têm um crescimento natural muito reduzido e algumas vezes chega a ser nulo ou
negativo. Portanto nesses países, o número de habitantes não aumenta e muitas
vezes chega até a diminuir.
Os países em vias de desenvolvimento têm uma taxa de natalidade elevada e uma
taxa de mortalidade proporcionalmente baixa. Portanto nesses países, o
crescimento demográfico é acelerado. Normalmente, o crescimento demográfico é
superior ao desenvolvimento económico, o que origina fome, miséria, desemprego
e criminalidade.

Principais fases da evolução da população mundial.


1º Fase: Regime Demográfico Primitivo
(verifica-se até 1750)
Características:

 O ritmo de crescimento era lento


 As taxas de mortalidade eram muito elevadas
 As taxas de natalidade eram muito elevadas
 As taxas de crescimento natural eram muito baixas

As taxas de natalidade eram muito elevadas devidas:

 Á inexistência de métodos contraceptivos;


 Aos filhos serem fonte de rendimento para a família;
 Ao incentivo á procriação de parte da religião;
 Aos casamentos ocorrerem precocemente;
 Às famílias numerosa terem prestigio na sociedade.

As taxas de mortalidade eram muito elevadas devidas:

 Á falta de assistência médica e medicamentosa


 A falta de condições sanitárias;
 As grandes carências alimentares;
 As guerras e epidemias frequentes.
2º Fase: Revolução Demográfica
(verifica-se 1750 até 1950
Características:

 O ritmo de crescimento era rápido


 As taxas de natalidade eram elevadas nos países mais desenvolvidos
 As taxas de mortalidade diminuíram muito nos países mais desenvolvidos
 As taxas de crescimento natural aumentaram nos países mais
desenvolvidos

As taxas de mortalidade diminuíram devido:

 Aos progressos técnicos com a revolução industrial e revolução agrícola;


 A uma melhoria da alimentação;
 A uma melhoria das condições sanitárias;
 Aos progressos ao nível da medicina;
 A uma melhoria das condições de vida da população;

3º Fase: Explosão Demográfica


(verifica-se desde 1950 até a actualidade)
Características:

 O ritmo de crescimento era muito rápido ou explosivo


 As taxas de mortalidade são elevadas nos países menos desenvolvidos
 As taxas de natalidade são baixas em todo o mundo
 As taxas de crescimento natural são elevadas nos países menos
desenvolvido

As taxas de mortalidade diminuíram nos países em desenvolvimento devido á


ajuda internacional das organizações humanitária que prestam auxílio ao nível da
saúde, alimentação, educação e obtenção de água potável.

2.- Tendências actuais do crescimento demográfico nos PD e PVD.


Nos países desenvolvidos tem-se assistido. Nas últimas décadas, a uma tendência
constante de diminuição de nascimentos. Assim, considerando o índice de
fecundidade de 1990, vê-se que apenas três países europeus ultrapassavam a
taxa de 2.1 filhos por mulher, taxa mínima necessária para a substituição das
gerações: a Irlanda (2,18), a Suécia (2,14) e a Polónia (2.1). Estes dados
contrastam, de modo chamativo com os de 1975, já que nesse ano ainda 14
países europeus superavam os 2,1 filhos por mulher – entre eles, Portugal.

3-Estrurura da população.
A estrutura da população deve ser analisada considerando sua distribuição por
género (sexo), número, idade, renda, educação, saúde e outros indicadores que
expressam os aspectos quantitativos e qualitativos da organização social
importantes para as acções de planejamento, tanto governamental quanto privado.
Para fins didácticos vamos dividir o estudo da estrutura da população em quatro
categorias: género e faixa etária; actividades económicas, distribuição de renda e
desenvolvimento social.

Género e faixa etária


Pode retractar dados da população mundial, de um país, um estado, uma cidade,
etc. Sua simples visualização nos permite tirar algumas conclusões referentes à
taxa de natalidade e a expectativa de vida da população.

Actividades económicas
Tradicionalmente, é comum classificar as actividades secundárias (industriais e
construção civil) e terciárias (comércio, serviços) como urbanas; e as actividades
primárias (agro-pecuária) como rurais. Hoje, em dia, porém, devido à
modernização dos sistemas de transportes e comunicações, verificada em várias
regiões do planeta, ampliaram-se as possibilidades de industrialização e a oferta
de serviços no campo.

Distribuição de renda
Se o planejamento governamental de um país não considerar a distribuição da
renda nacional, suas políticas de educação, saúde, habitação, transporte,
abastecimento, lazer, etc., estarão condenadas ao fracasso. A análise dos
indicadores da distribuição da riqueza mostra que nos países subdesenvolvidos e
emergentes há grande concentração da renda nacional em mãos de pequena
parcela da população., enquanto nos países desenvolvidos ela está mais bem
distribuída.
Crescimento económico e desenvolvimento social
O grande crescimento do PIB mundial ocorrido nas últimas décadas é resultado do
desenvolvimento de novas tecnologias aplicadas à produção agrícola, industrial e
de serviços. Embora o PIB apresente um crescimento superior ao da população, o
aumento da renda mundial raramente beneficia os habitantes das regiões e dos
países mais pobres do planeta, assim como não beneficia por igual à população
dos países mais ricos.

3.1- A importância do estudo da estrutura etária da população.


Conhecendo a estrutura etária da população, a curva de crescimento populacional
e a taxa de fecundidade, os governos podem elaborar suas políticas públicas,
destinando mais dinheiro a maternidades, creches, pré-escolas ou escolas de
ensino fundamental – no caso de uma população francamente expansiva, com
uma estrutura de muitos jovens e alta taxa de natalidade. Já se a taxa de
natalidade diminui, o número de crianças em relação à população adulta passa a
diminuir, e os investimentos devem ser dirigidos a outros sectores, como o de
geração de empregos e até de tratamento para a terceira idade, além de
preocupação com a aposentadoria – com limites de idade maiores, por exemplo.

3.2-Estrutura etária da população e sua importância socio-ecomico.


Os vários comportamentos demográficos, relativos à natalidade e à mortalidade
nos diferentes países, têm reflexos na estrutura etária das suas populações.
Para se ter uma ideia geral da estrutura etária de uma população, é normal reparti-
la em três grandes grupos etários: Jovens, Adultos e Idosos.
A população mundial ultrapassou a marca dos 7 bilhões e vai continuar crescendo.
Este crescimento – em conjunto com os esforços para tirar as pessoas da pobreza
– resultará em um aumento da demanda por recursos naturais e económicos,
serviços, espaços urbano, etc. com o consequente impacto sobre o nosso planeta.

3.2-Piramedes etárias e suas características.


A estrutura etária da população é a distribuição dos indivíduos de uma população
pelas diferentes idades ou grupos de idades (classes etárias).a estrutura etária da
população tem-se em conta três grandes grupos etários:

 Jovens, dos 0 aos 14 anos;


 Adultos, dos 15 aos 64 anos;
 Idosos, com 65 ou mais anos.

Tipos de pirâmides etárias e características:


Pirâmide Jovem: base larga, devido à elevada natalidade e topo estreito em
consequência de uma elevada mortalidade e esperança média de vida reduzida.
As pirâmides deste tipo representam populações muito jovens típicas dos países
menos desenvolvidos.
Pirâmide envelhecida: base mais estreita do que a classes dos adultos. Reflecte
uma diminuição da natalidade e um aumento da esperança média de vida. É
características dos países desenvolvidos.
Entre estes dois extremos existem situações intermédias:
Pirâmide rejuvenescida: reflecte alguma recuperação das classes etárias dos
jovens em virtude do aumento da fecundidade

3.3-Estrutura sectorial e profissional da população.


Profissional da população: Ao conjunto de indivíduos que constituem mão-de-obra
disponível para a produção de bens e serviços designa-se de população active.
Estrutura sectorial:
Sector primário
 Englobam-se as actividades ligadas à exploração da terra (agricultura,
exploração florestal e

Pecuária).
Sector secundário

 Incluem-se a actividade industrial (indústria extractiva e industria


transformadora) a construção civil e obras públicas.

Sector terciário

 Compreende todas as actividades que não produzem bens materiais, mas


sim serviços (daí o chamar-se também o sector dos serviços.

4 E 5-Principais problemas demográfico, causas e consequência

 Questões alimentares:

Todavia, muitas pessoas ainda sofrem com fome e obesidade ou subnutrição no


mundo. Essas pessoas são vítimas directas da concentração de riquezas e da
consequente dos recursos alimentares pelo mundo.
Existem dois principais tipos de fome o mundo: a do tipo endémica ou fechada e a
do tipo epidémica ou aberta.

 Migrações em massa:

As migrações internacionais ocorrem, principalmente, envolvendo habitantes do


chamado mundo subdesenvolvidos que buscam melhores condições de emprego
e renda no mundo desenvolvido. Tal processo vem, ocorrendo mais intensamente
na história da humanidade desde final da Segunda Grande Guerra. A maior parte
dessas migrações ocorre por motivações económicas.

 Racismo e intolerância:

O racismo é fruto da hostilidade em relação as pessoas que destoam de padrão de


um, a dada sociedade, por não se enquadrarem em uma determinada
homogeneidade étnica que daria a um determinado Estado o status também de
nação, Estados-Nação, isto é, quando um território é formado basicamente por
uma etnia.
Outros casos de intolerância também se revelam a partir de discursos históricos. O
mahismo advém da herança da cultura da submissão nas sociedades do período
moderno da história (e ate mesmo antes.)

 Envelhecimento da população.

Uma das questões demográfica que mais vem gerando debates no contexto e o
envelhecimento da população, resultado do controle do crescimento populacional e
da elevação da expectativa de vida. Em linhas gerais, nascem menos e morrem
pessoas no mundo do que antes.
Alguns países da Europa, a exemplo da Alemanha, vêm incentivando a prática
familiar de ter mais de um filho por casal através de incentivos a própria família pra
a criação e manutenção dos padrões de vida de seu filhos..
As principais causas da obesidade no mundo estão relacionadas com o padrão de
vida da sociedade global capitalista, como o sedentarismo geral da população e a
má alimentação resultante do crescimento do consumo das comidas rápidas
ou fast-food. Em países da Europa e do Japão, esse problema já abrange mais de
20% da população e, nos Estados Unidos, 30%.
6- Relaçao entre população e ambiente.
A principal relação entre o meio ambiente e o crescimento populacional se dá pelo
simples fato da má utilização dos espaços geográficos para administrar de forma
balanceada a população mundial. Os atuais sistemas económicos pregam a
cultura da “maior aquisição de terras”, onde menos pessoas possuem mais terras.

Conclusão
Conclui o trabalho que falava sobre diversos temas no trabalho, assim com o
conhecimento transmitido vi que nas épocas demográficas avia vários problemas
alimentares em todavia, muitas pessoas ainda sofrem com fome e obesidade ou
subnutrição no mundo. Essas pessoas são vítimas directas da concentração de
riquezas e da consequente dos recursos alimentares pelo mundo.
As migrações internacionais ocorrem, principalmente, envolvendo habitantes do
chamado mundo subdesenvolvidos que buscam melhores condições de emprego
e renda no mundo desenvolvido.
E geralmente as principais causas da obesidade no mundo estão relacionadas
com o padrão de vida da sociedade global capitalista, como o sedentarismo geral
da população e a má alimentação resultante do crescimento do consumo das
comidas rápidas
Consoante o gráfico do regime demográfico, a Alemanha, a Argentina, a Austrália
e a Bélgica já estão no novo regime demográfico. Ou seja, têm uma taxa de
natalidade e mortalidade baixa e consequentemente uma taxa de crescimento
natural igualmente baixa.
Em relação aos países em vias de desenvolvimento, o Afeganistão e Angola ainda
se encontram na primeira fase da transição demográfica. Apresenta uma taxa de
natalidade elevada, enquanto a taxa de mortalidade já começou a descer. A
Bolívia e o Brasil já estão na segunda fase da transição demográfica, porque a
taxa de mortalidade continua baixa verificando-se também a taxa de natalidade a
baixar.