Você está na página 1de 13

Entre Deus e o Voto

Evangélicos e as eleições de 2018


Pesquisa aplicada a participantes da Marcha para Jesus, 31 de maio de
2018

Realização: Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (NEAMP) da


PUCSP em parceria com o MIRE-GP Comunicação e Religião da
INTERCOM

Coordenação: Prof. Leandro Ortunes (NEAMP PUCSP). Assistência:


Profa. Patrícia Garcia Costa (UMESP/MIRE-INTERCOM)

Impressões gerais:

 Foram entrevistadas 423 pessoas entre às 9h30 até 12h30 no período de


concentração (antes da partida dos trioelétricos).
 Para garantir uma boa qualidade na amostra os entrevistadores buscaram
diversos pontos da concentração em diferentes grupo de igrejas.
 A Marcha é um evento gratuito, mas nem tanto. Para ficar na área VIP
(próxima ao palco) era necessário desembolsar R$ 300,00 para adquirir
o Ingresso de Cliente VIP.
 As camisetas oficiais foram comercializadas pela igreja Renascer
em Cristo pelo valor de R$ 35,00. No entanto, no local vendedores
ambulantes vendiam as camisetas pelo valor entre R$ 20,00 a R$
30,00. Alguns participantes da Marcha acusavam os vendedores
de pirataria (o valor não ia para igreja), mas isso não impediu a
venda de camisetas, faixas e bonés.
 Os presentes na Marcha participaram da pesquisa de forma
amistosa e sempre abertos até que: Um grupo de sete pessoas
seguidores de Jair Bolsonaro (não evangélicos) se infiltraram na
Marcha para Jesus e hostilizaram uma das entrevistadoras. A
pesquisadora Marcella Nunes, não conseguiu concluir uma
entrevista, pois o grupo criticava o questionário e os critérios de
amostragem, além de realizar críticas infundadas contra a PUC-SP
e o DataFolha, tornando o ambiente muito intimidador. Tudo isso
foi filmado por meio dos celulares de algumas pessoas deste grupo,
sendo uma delas pré-candidata a deputada estadual pelo PSL.

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: O episódio de hostilidade uma nítida


demonstração de intolerância e uma tentativa de desmoralizar o outro de forma
intimidatória. Tentou-se invalidar aquilo que não agrada, mesmo não sabendo o
resultado final que a pesquisa pode ter.

1) Dados sobre o Público:


2.1 Igrejas e Denominações

Denominações (separado) N (%)


Adventista 18 4,26%
Assembleia de Deus 71 16,78%
Batista 16 3,78%
Católicos 63 14,89%
Evangelho Quadrangular 14 3,31%
Igreja da Paz 6 1,42%
Internacional da Graça 7 1,65%
Luterano 5 1,18%
Metodista 0 0,00%
Outras evangélicas 139 32,86%
Plenitude 1 0,24%
Presbiteriana 4 0,95%
Renascer 65 15,37%
Universal do Reino de Deus 14 3,31%
Total 423

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Embora a Marcha para Jesus seja


organizada pela Igreja Renascer em Cristo, a maioria dos participantes são de
igrejas consideradas como comunidades independentes e das assembleias de
Deus.

Denominações (categoria) N (%)


Protestantes 43 10,17%
Pentecostais 85 20,09%
Neopentecostais 93 21,99%
Outras igrejas (comunidades) 139 32,86%
Católicos 63 14,89%
Total 423 100,00%

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Agregando em categorias, a maior


parte dos participantes é vinculada a comunidades independentes e a igrejas
neopentecostais.
2.2 Sexo

Sexo N %
Feminino 243 57,45%
Masculino 180 42,55%
(vazio)
Total Geral 423 100,00%
2.3 Escolaridade

Escolaridade N %
Fundamental (Completo) 26 6,15%
Fundamental (incompleto) 21 4,96%
Médio (Completo) 148 34,99%
Médio (incompleto) 48 11,35%
Pós-graduação (Completo) 13 3,07%
Pós-graduação (incompleto) 5 1,18%
Superior (Completo) 66 15,60%
Superior (incompleto) 96 22,70%

2.4 Renda

Renda individual N %
Acima R$ 18.741,00 2 0,47%
Até R$937,00 51 12,06%
Desempregado 74 17,49%
Não informou (recusou) 71 16,78%
R$ 1.875,00 até R$ 2811,00 66 15,60%
R$ 2.812,00 até R$ 3748,00 40 9,46%
R$ 3749,00 até R$ 5.622,00 15 3,55%
R$ 5.623,00 até R$ 7.496,00 3 0,71%
R$ 9.371,00 até R$ 18.740,00 2 0,47%
R$ 938,00 até R$ 1.874,00 99 23,40%
(vazio)
Total Geral 423 100,00%

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: 23,4% dos entrevistados possuem


renda entre 1 e 2 salários mínimos e 17,49% estão desempregados. 12,06% até
um salário mínimo. Com isso, podemos dizer que a Marcha para Jesus é
formada por gente empobrecida, com baixos salários e baixa escolaridade
(22.46% não chegaram a concluir o ensino médio, 34,99% concluíram o ensino
médio, apenas 15% concluíram ensino superior). Na verdade, é um público que
é o retrato do Brasil.
2) Dados sobre política:

3.1 Intenção de votos (com Lula e sem Lula)

Preferência ideológica %
Centro 28 6,62%
Direita 59 13,95%
Esquerda 37 8,75%
Não soube opinar 95 22,46%
Sem preferência 204 48,23%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423

Preferência partidária %
PV 2 0,47%
PMDB 4 0,95%
PP 2 0,47%
PSC 7 1,65%
PSDB 16 3,78%
PSL 2 0,47%
PRB 1 0,24%
PSOL 4 0,95%
PT 39 9,22%
Sem preferência 346 81,80%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: A maior parte dos entrevistados não


possui preferência por algum partido político (81,8%). Dos que possuem, o PT
se destaca com 9,22% em primeiro lugar e o PSDB em segundo com 3,78%.
Esta preferência partidária pelo PT se dá pela coesão dos eleitores que se
consideram de esquerda. Nesta e em pesquisas anteriores, percebemos que a
esquerda brasileira possui maior identificação com os partidos políticos,
enquanto a direita atual está alinhada ao discurso do anti-político e, por isso, não
gera coesão ou identificação partidária.

 81% dos protestantes históricos (Batistas, Metodistas, Presbiterianos e


Luteranos) declararam a intenção de votar em branco/nulo. É a maior
concentração de votos em branco entre evangélicos.
Comentário do Prof. Leandro Ortunes: O movimento protestante histórico ou
de missão sempre foi mais apático em relação à participação política. A pesquisa
evidencia que, nestas eleições, há falta de identificação deste público com os
atuais candidatos. Também nenhum dos pré-candidatos possui ligações com
este segmento dos evangélicos.

 No cenário eleitoral com uma possível candidatura de Lula, ele lidera as


intenções de voto (20,09%), Bolsonaro em segundo lugar (15,6%) e
Marina Silva em terceiro (5,9%)

Intenções de voto Com Lula


Alvaro Dias (Podemos) 4 0,95%
Ciro Gomes (PDT) 7 1,65%
Flávio Rocha (PRB) 1 0,24%
Geraldo Alckmin (PSDB) 17 4,02%
Guilherme Boulos (PSOL) 2 0,47%
Henrique Meirelles (PMDB) 4 0,95%
Jair Bolsonaro (PSL) 66 15,60%
João Amoêdo (Novo) 3 0,71%
Lula (PT) 85 20,09%
Manuela D'Ávila 0 0,00%
Marina Silva (Rede) 25 5,91%
N/S N/R 52 12,29%
Brancos / Nulos 157 37,12%
Total Geral 423 100,00%

 No cenário eleitoral sem a candidatura de Lula, Bolsonaro lidera com


17,5%, Marina Silva em segundo (9,5%), Alckmin em terceiro (6,1%).

Intenções de voto (Sem Lula)


Alvaro Dias 3 0,71%
Ciro Gomes 13 3,07%
Fernando Haddad 10 2,36%
Flávio Rocha 1 0,24%
Geraldo Alckmin 26 6,15%
Guilherme Boulos 5 1,18%
Henrique Meirelles 4 0,95%
Jair Bolsonaro 74 17,49%
João Amoêdo 4 0,95%
Manuela D'Ávila 4 0,95%
Marina Silva 40 9,46%
N/S N/R 61 14,42%
Brancos / Nulos 178 42,08%
Total Geral 423 100,00%

Comentários do Prof. Leandro Ortunes: Percebemos que quando Lula não é


candidato as intenções de votos para ele são pulverizadas em outros destinos.
Os votos se dividem, em primeiro lugar, entre Brancos ou Nulos, em segundo
para Marina Silva, em terceiro para Fernando Haddad, em quarto para Ciro
Gomes. O PT não consegue direcionar os votos de Lula para Haddad, o que
demonstra que a liderança carismática de Lula está acima da ideologia
partidária.
Lula e Bolsonaro se destacam entre os evangélicos de Comunidades
independentes e Neopentecostais. Os membros da Igreja Renascer em Cristo
(igreja patrocinadora da Marcha para Jesus e que permitiu pronunciamentos de
Bolsonaro e Magno Malta em um dos trios elétricos) também se dividem entre
Bolsonaro, Lula e Marina.
Importante destacar que o número de indecisos, e os votos brancos ou nulos é
muito alto. Isso significa que o cenário pode se alterar drasticamente durante o
início da campanha.

Votos da Igreja Renascer (cenário com Lula)


Alvaro Dias (Podemos) 2 3,08%
Ciro Gomes (PDT) 1 1,54%
Flávio Rocha (PRB) 0 0,00%
Geraldo Alckmin (PSDB) 2 3,08%
Guilherme Boulos (PSOL) 1 1,54%
Henrique Meirelles (PMDB) 0 0,00%
Jair Bolsonaro (PSL) 12 18,46%
João Amoêdo (Novo) 0 0,00%
Lula (PT) 9 13,85%
Manuela D'Ávila 0 0,00%
Marina Silva (Rede) 5 7,69%
N/S N/R 7 10,77%
Brancos / Nulos 26 40,00%
Total 65 100,00%
Votos da Igreja Renascer (cenário Sem Lula)
Alvaro Dias 1 1,54%
Ciro Gomes 1 1,54%
Flávio Rocha (PRB) 0 0,00%
Fernando Haddad 3 4,62%
Geraldo Alckmin 5 7,69%
Jair Bolsonaro 13 20,00%
Marina Silva 6 9,23%
Manuela D’Ávila 0 0,00%
N/S N/R 9 13,85%
Brancos / Nulos 27 41,54%
Total 65 100,00%

3.2 Voto por renda (Lula, Bolsonaro, Marina, Alckmin) no cenário com
Lula

Renda individual Geraldo Jair Lula Marina


Alckmin Bolsonaro Silva
Acima R$ 18.741,00 0,00% 3,03% 0,00% 0,00%
Menor que 1 sm 23,53% 9,09% 14,12% 0,00%
Desempregado 0,00% 15,15% 21,18% 32,00%
Não informou 17,65% 13,64% 15,29% 8,00%
R$ 1.875,00 até R$ 29,41%
2811,00 16,67% 15,29% 12,00%
R$ 2.812,00 até R$ 11,76%
3748,00 6,06% 9,41% 12,00%
R$ 3749,00 até R$ 5,88%
5.622,00 7,58% 2,35% 0,00%
R$ 5.623,00 até R$ 0,00%
7.496,00 1,52% 0,00% 4,00%
R$ 9.371,00 até R$ 0,00%
18.740,00 1,52% 1,18% 0,00%
R$ 937,00 até R$ 11,76%
1.874,00 25,76% 21,18% 32,00%
Salário mínimo referencia (2017)
Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Lula e Bolsonaro possuem quase o
mesmo público de intenções de voto por renda. Lula concentra intenções de
votos entre desempregados (21,18%) e pessoas que ganham até 2 salários
mínimos (21,18%). Bolsonaro concentra intenções de votos entre pessoas que
ganham até 2 salários mínimos (25,76%) e de 2 a 3 salários mínimos (16,67%).
Há um pequeno deslocamento positivo na renda entre os possíveis eleitores de
Lula para Bolsonaro. Lula destaca-se entre os desempregados frente a todos
outros candidatos. Geraldo Alckmin (na disputa com Lula) destaca-se frente a
todos outros candidatos entre pessoas com de 3 até 4 salários mínimos.

3.3 Voto por Escolaridade (Lula, Bolsonaro, Marina, Alckmin) no cenário


com Lula

Votos por Geraldo Jair Marina


Escolaridade Alckmin Bolsonaro Lula Silva
Fundamental 0,00%
(Completo) 1,52% 8,24% 12,00%
Fundamental 0,00%
(incompleto) 3,03% 7,06% 8,00%
Médio (Completo) 47,06% 36,36% 36,47% 24,00%
Médio (incompleto) 17,65% 10,61% 10,59% 8,00%
Pós-graduação 5,88%
(Completo) 3,03% 4,71% 0,00%
Pós-graduação 5,88%
(incompleto) 0,00% 1,18% 0,00%
Superior (Completo) 17,65% 24,24% 12,94% 12,00%
Superior (incompleto) 5,88% 21,21% 18,82% 36,00%

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Lula, Bolsonaro e Alckmin se destacam


entre os evangélicos que concluíram o ensino médio. Marina Silva se destaca
entre os que possuem superior incompleto (jovens universitários, 36%). É
interessante observar que Bolsonaro e Lula possuem público com renda e
escolaridade semelhante. Certamente o que os diferem (os eleitores) são as
pautas em debate no jogo clássico da disputa entre Direita e Esquerda. Neste
cenário, não podemos dizer que é uma disputa de ricos contra pobres ou de
pessoas com alto grau de escolaridade contra pessoas de baixa escolaridade.
Nitidamente há um elemento ideológico.

 Prisão de Lula: A maior parte dos evangélicos concorda com a prisão de


Lula. O número de contrários é próximo ao número de intenções de voto
direcionadas ao ex-presidente.

Contrário Favorável Indiferente Não soube opinar


22,22% 51,30% 20,57% 5,91%

3.4 Escolha do candidato (câmara, senado, presidência)

Escolha do candidato %
Indicação da Igreja/Pastor 19 4,49%
Indicação de amigos/familiares 36 8,51%
Outros 101 23,88%
Pela proximidade regional 11 2,60%
Pelo horário eleitoral 44 10,40%
Pelo Partido Político 14 3,31%
Se identifica com discurso/proposta 198 46,81%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423 100,00%
Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Diante deste cenário não podemos
dizer que a escolha do candidato é imposto diretamente pela liderança religiosa,
pois apenas 4,49% dizem escolher candidatos pela indicação da igreja e do
pastor. No entanto, o discurso religioso das igrejas pode gerar indiretamente uma
identificação com algum candidato (exemplo: o discurso conservador de
Bolsonaro gera identificação com algumas lideranças evangélicas). Por isso, o
fator religião pode ser importante na decisão do voto mas não é determinante.

3.5 É preferível que o próximo(a) presidente seja evangélico

É preferível que o próximo candidato seja evangélico?


Indiferente 173 40,90%
Não 138 32,62%
Não soube opinar 6 1,42%
Sim 106 25,06%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423 100,00%

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Mesmo diante de todo apelo das


lideranças evangélicas por um candidato evangélico, os entrevistados não
preferem que o próximo presidente seja da mesma crença que eles.

3.6 Fonte de Informação Política

Fonte de Informação Política %


Jornais impresso 14 3,31%
Jornais online (sites) 37 8,75%
rádio 18 4,26%
Redes sociais (Facebook, Twitter, blogs) 118 27,90%
TV 236 55,79%
Total Geral 423 100,00%
3) Conservadorismo

Descriminalização do aborto
Contrário 197 46,57%
Favorável 55 13,00%
Favorável* 153 36,17%
Não soube opinar 18 4,26%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423 100,00%

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Por mais que boa parte das lideranças
evangélicas preguem ser contrária ao aborto em qualquer situação, percebemos
que a base religiosa tem abertura para esse tema, sendo 36,17% dos
entrevistados favoráveis ao aborto em casos de violência sexual e risco de vida
da mãe.

Redução da maioridade penal


Contrário 69 16,31%
Favorável 325 76,83%
Não soube opinar 29 6,86%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423 100,00%

Pena de Morte
Contrário 199 47,04%
Favorável 153 36,17%
Indiferente 44 10,40%
Não soube opinar 27 6,38%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423

Conceito de Família é somente a união entre


homem e mulher?
Contrário 104 24,59%
Favorável 264 62,41%
Indiferente 50 11,82%
Não soube opinar 5 1,18%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423
Casamento Homoafetivo
Contrário 249 58,87%
Favorável 106 25,06%
Não soube opinar 68 16,08%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: Vale registrar que, sobre este tipo de
casamento, há uma confusão no imaginário evangélico. Muitos acreditam que as
igrejas serão obrigadas a celebrar o casamento entre duas pessoas do mesmo
sexo dentro de seus templos. Esse é um boato corriqueiro entre lideranças
evangélicas. Poucos conseguem distinguir a união de efeito civil da religiosa.

4) Identificação e Representatividade

Bancada Evangélica %
Indiferente 77 18,20%
Não conhece 70 16,55%
Não representa 117 27,66%
Não soube opinar 37 8,75%
Representa 122 28,84%
(vazio) 0,00%
Total Geral 423

Comentário do Prof. Leandro Ortunes: A Bancada Evangélica possui baixo


nível de representatividade, uma vez que 18,20% não a conhecem e 27,66%
afirmam que não se sentem representados por ela. Esta posição gera um total
de 45,86% contra apenas 28,84% que se sentem representados por ela. A
Bancada, de fato, não representa seus fiéis, principalmente se compararmos os
dados sobre pensamento conservador desta pesquisa (Aborto, redução da maior
idade penal, casamento homoafetivo e conceito de família) com os
posicionamentos da bancada na câmara.

Identificação e Representatividade
Marco Silas Joaquim Sergio Pr.
Feliciano Malafaia Barbosa Moro Everaldo
Não conhece 28,37% 23,17% 28,61% 17,73% 40,90%
Não representa 38,77% 37,35% 25,77% 24,35% 34,04%
Indiferente 17,49% 19,39% 16,08% 18,44% 15,13%
Representa 10,17% 10,87% 13,00% 14,42% 7,57%
Representa Muito 5,20% 9,22% 16,55% 25,06% 2,36%
(vazio) 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
Total Geral 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00%

Comentários do Prof. Leandro Ortunes: Novamente, vemos que a base


religiosa não se sente representada por lideranças que se destacam na mídia ou
na política. Os pastores Silas Malafaia, Marco Feliciano e Everaldo são os que
menos representam os fiéis presentes na marcha. O índice de rejeição foi de
38% para o deputado e pastor Marco Feliciano (membro da Bancada
Evangélica), 37,35% para Silas Malafaia e 34,04% para pastor Everaldo.
Segundo os entrevistados são as figuras de Joaquim Barbosa e Sergio Moro que
geram maior índice de identificação e representatividade. Se somadas as
categorias “Representa” e “Representa muito” temos: Para Barbosa (29,55%) e
para Moro (39,48%).
Os evangélicos da Marcha para Jesus seguem a mesma lógica do restante do
país: um abandono da confiança nas instituições políticas e o depósito de fé em
personagens-heróis midiatizados, construídos a partir de ações
espetacularizadas do Poder Judiciário.
Neste caso, evangélicos rejeitam até mesmo os líderes que se julgam ser
representantes do povo evangélico. Vale destacar que Silas Malafaia em
entrevista informou que direcionaria 80% do voto evangélico para Bolsonaro, no
entanto, com esse baixo índice de representatividade, é praticamente impossível
ele conseguir isso, ou seja, Malafaia não tem poder para eleger ninguém, embora
diga ter.

5) Discurso político:

O presidenciável Jair Bolsonaro discursou timidamente, entre vaias e aplausos.