Você está na página 1de 9

CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

O tanto que Deus me da E lá vou eu, E lá vou eu


Camarada vem comigo, vamos juntos Malandragem é olhar para a ferida
E tanto que peço a Deus vadiar E dela uma lição tirar
E tanto que Deus me da Mas cuidado meu amigo, escute o que eu Gingar é estar sempre pronto
E tao pouco que eu mereco vou te falar Pra o que a vida vai te dar.
Mas nada me faltara E lá vou eu, E lá vou eu
E lá vou eu, E lá vou eu Minha Varanda
Pedi a ele a palavra vou eu, vou eu
Ele me deu cantar E lá vou eu, E lá vou eu Aqui é minha casa minha varanda meu
Tambem pedi poesia Cuidado com a cascavel, que se encolhe dendê (bis)
Ele me deixou remar pra dar o bote
Cuidado seu moço que não treina, pois Meu chapéu de palha
CORO nem sempre é dia de sorte Minha massa pê (bis)
Pedi a ele saude E lá vou eu, E lá vou eu
E forcas pra trabalhar E lá vou eu, E lá vou eu Cada um tem sua história
Deus me deu a Capoeira Quem navega em mar revolto, não teme é bom respeitar
E um Berimbau pra tocar onda pequena para conquistar minha varanda
Quem sempre faz jogo duro, até ri de não foi fácil camará
CORO quem não treina
Pedi a ele um bom mestre E lá vou eu, E lá vou eu se não sabe a minha história
Pra me ensinar o dia dia E lá vou eu, E lá vou eu Entre aqui vou te contar
Deus me deu Mestre Camisa tem berimbau,
Com sua sabedoria pandeiro e atabaquê para tocar
Sereia na parede um quadro
CORO de carybe mandei pintar
Peço pelo ar que respiro Ô sereia, Ô sereia e minha varanda
Pelo sol que me ilumina Ô sereia, Ô sereia é de frente pro mar.
Me tira da noite escura
Com as estrelas que brilham Na doçura do seu cantar
Eu me vejo obrigado a falar Adeus Camarada, Adeus
CORO Na doçura do seu cantar
Peço pelos meus amigos Eu me vejo obrigado a falar Adeus camarada adeus,
Deus me deu ate demais Adeus que eu ja vou me embora
Peço pelos inimigos CORO Quem parte leva a saudade
Que ele lhes de muita paz Num dia de lua cheia Quem fica soluça e chora
Tava sentado junto ao mar
CORO Quando de longe eu ouvi
Tem coisas que nem pedi O canto de uma sereia Eu vou me embora ai meu bem vou me
Mas ele me viu sonhar CORO embora
Andei pelo mundo afora O canto doce alucina faz minha mente Mais tao cedo eu volto ca,
Tenho histórias pra contar rolar Eu vou ver meu gado no pasto
Ouvindo o som do atabaque Eu vou ver vaqueiro aboiar
CORO Sentado na beira mar
Peço pra librar da morte Não sei se vou ou se fico Coro
A todo capoeirista No canto de uma sereia
E que Abada-Capoeira CORO Vou me embora meu bem
Seja primeira da lista A onda que traz alegria Vou me embora
Que leva a tristeza pra lá Vou me embora como um passarinho
No gingado trás euforia Posi eu vou de galho em galho
Roda de Bamba Feito uma onda no mar E também desmanchando o ninho
Eu ouço o canto da sereia
Roda de bamba quero vadiar, vadiar Eu to na beira do mar Coro
Roda de bamba quero ver jogar CORO Vou me embora meu bem
Roda de bamba Vou me embora
Como eu disse que vou
Para ser roda de bamba fundamentos tem A Vida e a Capoeira Eu não vou de lancha nova
que ter Eu vou nesse rebocador
E uma boa energia capoeira pra valer Le le le le le le le le le le le le le a,
Roda de bamba Le le le le le le le e, le le le le le la ia Coro
Vou me embora meu bem
Roda de bamba quero vadiar, vadiar Muita coisa da capoeira Vou me embora
Roda de bamba quero ver jogar Na vida se pode usar Vou me embora e vou volta
Roda de bamba Pois ela é uma grande roda Vou me embora eu vou pra Bahia
Que nunca para de girar. Que la pois é meu lugar
Tem que ter sentimento para mostrar
expressão O fundamento esta no corpo Coro
Mas também ter jogo duro mantenendo a No dia a dia e no saber O linha que four avua
tradição É ele quem comanda a vida Bateu com o peito meu bem na areia
Roda de bamba Tem fundamento quem sabe viver Adeus meu povo todo
Roda de bamba quero vadiar, vadiar Deixo saudade aqui nessa aldeia
Roda de bamba quero ver jogar Mandiga é ter fé em deus
Roda de bamba Saber que ele não falha Coro
Malicia é levantar da queda Vou me embora meu bem
Com um sorriso no olhar Vou me embora
E lá vou eu Como disse a Jaçanã
Maldade é fazer que não vê Não cantamos tudo pois hoje deixo
E lá vou eu, E lá vou eu Quando alguém te pede pra ajudar O carinho pra depois de amanhã
E lá vou eu, E lá vou eu Balanco é chegar ao fim do poço Coro
Vou eu pra Capoeira E ao topo conseguir voltar
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Vim no navio de Aruanda Coro A maré a maré


Dois chiados, um solto e volta com dois
Vim no navio de Aruanda, Aruanda ê presos A maré, a maré me leva ao céu
Vim no navio de Aruanda, Aruanda á Já o gunga esta marcando o intermédio A maré, a maré me leva ao céu
Porque me trouxeram de Aruanda Banguela um toque criado para acalmar (Coro) A maré, a maré me leva ao céu
Pra que me trouxeram de Aruanda Aos capoeiristas que jogam regional A maré, a maré me leva ao céu
Vim no navio de Aruanda, Aruanda ê
Coro A jangada me leva
E eu levo o meu corpo para o jogo se são pra outro lugar
O Vento Levou o Mar bento eu não sei onde eu vou
Quando escuto esse toque no vento nas ondas do mar
O vento levou o mar Ligeiro até poder ser um bom mandigueiro
O vento levou o mar O jogo que chama troca de guerreiros Coro
Mais meu berimbau
Le vou meu canto O chicote me corta
Mais meu berimbau Hoje Me Leva me faz chorar
Foi porta vez eu não quero mais isso
Hoje me leva o coração pra Bahia eu vou-lá pro mar
E tristeza é a alegria de um capoeira Lembra dos mestres que agora estão com
E levando em seu canto com o berimbau Deus Coro
E iguala correnteza olo belo mar Minha Bahia
Quando o vento sopra leva seu cantar vou me embora da terra
Coro eu vou pro mar
Capoeira nao tem lingua establecida no navio negreiro
Nao precisa seu pa terra que criou Saudade e dor eu tenho no coração peço a Yemanjá
So mente inclinar se a os pes do Só de lembrar do mestre Waldemar
berimbau Tocando são-bento e Angola no Pero Vaz Coro
E jogar no toque que o berimbau mandou Dia de festa domingo no barracão
Minha Bahia Eu perdi a razão
do meu sofrimento
Berimbau Falou Coro por que a escravidão
Pastinha deu ao mundo sua expressão não tem fundamento
Falou, falou da escravidão, falou Jogando angola com muita dedicação
Falou, falou da opressão, falou E o sol raiou quando a morte chegou Coro
Falou, la nos tempos de bimba, falou Eu agradeço ao mestre que se foi
Falou, hoje se escutou Minha Bahia
Amor e meu amor
O negro que sofria na senzala Coro
Trabalhava na fazenda da feitor A arte que o mundo conhece hoje em dia Amor é meu amor…
E um dia ele escutou um lamento Ela começou pelos Barrios da Bahia Amor é meu amor…
Era zumbi dos palmares E o trabalho que fez hoje já se conheceu
Foi ele que quem libertou Foi Manoel quem agora esta com Deus Amor é meu amor…
Hoje falou Minha Bahia Amor é meu amor…

Coro Coro Você chegou e tudo virou


Minha alma e todo corpo arrepiou
Berimbau ajudava os capoeiras E na dança do amor vou te expressar
La no tempo la no tempo da opressão Coracao as vezes chora Que você é minha vida, ai nunca vou te
Se escutava o toque de cavalaria deixar!
Quando a polícia seguia berimbau ja me A historia que eu canto agora Oh meu amor…
avisou e um episodio de amor
Hoje falou onde eu era uma pedra Amor é meu amor…
minha mulher era uma flor Amor é meu amor…
Coro
me falava dia e noite Agora estou aqui
Manuel foi o mestre respeitado so frases de grande amor Só pensando em você
Criador da arte da regional e eu nao tomava conta Quem ilumina esse caminho
Hoje em dia seu nome será lembrado por isso ela me deixou Onde eu quero caminhar
Já não se esqueceu do homem que a A ginga já me leva
capoeira falou e a saudade que eu ja sinto Como as ondas leva o mar
dentro do meu coracao E o peito já palpita eu quero meu
Coro foi se embora com sua alma apaixonar!
um vazio me deixou Oh amor…
Historia que se narran do passado
Jogadores que se escutam ate hoje meu amor nao tem resposta Amor é meu amor…
E os cantos que me levan pelos tempos a paixao se acabou Amor é meu amor
Lembrando isso momentos onde o e eu sonho com um dia lindo
berimbau toco falou onde volta se meu amor
coracao as vezes chora Oh dendê, dendê maré
e por falta de atencao que ele chora
O Meu Gunga Comanda coracao as vezes chora Oh dendê, dendê maré
ele chora, ele chora, ele chora Oh dendê, dendê maré
O meu gunga comanda capoeira coracao as vezes chora Oh dendê, dendê maré
Ele quem chama meu corpo pra jogar e por falta de atencao que ele chora (Oh Dendê de Maré...Dendê)
coracao as vezes chora Oh dendê, dendê maré
Se toca dois chiados, um solto e um preso ele chora, ele chora, vou embora (Oh Dendê de Maré...Dendê)
Tem que Angola aprender a jogar coracao as vezes chora Oh dendê, dendê maré
No chão bem perto do seu companheiro (Oh Dendê de Maré...Dendê)
Mostra que você também e mandigueiro Oh dendê, dendê maré
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Sua história ficou esquecida


Pescador já foi pro mar Por muito tempo e ninguém não sabia E o meu consólo Deus me deu a capoeira
Foi de encontro à maré Minhá eterna companheira Que nunca
Foi buscar o peixe bom Coro vai-me deixar
Conforme a baiana quer
Domingo Jorge velho Vivo pra ela Pois ela ta sempre aqui Cada
- coro - Junto com seu bando dia aprendo mais E' melhor viver assim
Baiana prepare o peixe Os mocambos queimou
Pescador já vai pro mar Atacando o povo quilombola
Põe tempero na moqueca Dandara lutando ele a capturou Passarinho
Dendê não pode faltar
Coro Passarinhos que voa no alto do mar

- coro - Mil seiscentos e noventa e quatro Passarinhos que voa no aço do céu

(Eh que) Totonho de maré Dandara se suicidou Eles são bimba e pastinha que vem a
Foi um grande jogador De jogando de uma pedreira escolher

A onda balança o barco Mas a escravidão ela não se entregou A os capoeiras que agora vem pra
Como o Totonho balançou
aprender


Coro
- coro - Mil seiscentos e noventa e cinco
Nessa vida muitos capoeiras se preparam
Pescador que é pescador Foi a vez do grande rei Zumbi
Sabe a hora de pescar Depois da morte encontrou com Dandara 

Sabe segredos do rio Em um paraíso eles vivem felizes Nesse jogo muitos caem mais se
E também do alto mar Coro levantam

E os passarinhos vai voando perto da
- coro - roda

Puxa puxa leva leva Apanha a laranja no chão Eles esta buscando capoeiras pra
Puxa rede lá do mar Apanha a laranja no chão Tico-tico amanha



Mas se for bom pescador Apanha com a mão ou com pé ou com
O peixe não vai faltar bico Jogador cantador tocador de berimbau

Coro : Apanha a laranja no chão Tico-tico Ele foi o mestre Waldemar

- coro - Se meu amor vai se embora eu não fico Agora canta lá no alto ele e um
É noite de lua cheia Meu amor foi embora eu não fico passarinho

Pescador já vem pro mar Coro : Apanha a laranja no chão Tico-tico Que canta poesia pra os cantores de hoje
Vai ter festa na aldeia Oi Me Da Meu Dinheiro
em dia



Capoeira vai jogar Oi me dá meu dinheiro
Oi me dá meu dinheiro valentão
Lá no céu muitos mestres agora estão
Zumbi, Zumbi, olha Zumbi Me dá meu dinheiro valentão
Oi que no meu dinheiro com deus

zumbi zumbi olha zumbi Ninguém põe a mão Esta dizendo o que eles foro fazer

zumbi zumbi olha zumbi Se transformarem e por lá terra e fórum
zumbi zumbi olha zumbi voando

zumbi zumbi olha zumbi O Nome do Meu Povo E por onde passavam sua energia fórum
deixando
Palmares creses sem parar Nago e' o nome do meu povo ioio
lavoura movambo com a regiao É a minha bandeira iaia
e hedeiro ganga zumbi nacau É a minha capoeira Toques de Bimba
eu destino tracada no moas
bravo forte guerreiro Um sonho, que hoje se realizou O Banguela, Idalina, Amazonas,
deus da guerra Uma família de guerreiros Cavalaria,
fez na terra Capoeira, eu sou nago Olha Iúna, São Bento Grande e Santa
a ledra do um heroi Maria
Me chama, nessa roda quero estar
Coro Seu Pequines já falou Todos esses toques são fundamentais
Se a capoeira vem jogar Se você respeita a historia de Bimba
Um coco la no alto de um coqueiro Nasceu, no estado de Goiás Tem que aprender pra não errar
ganga zumba da um coco pra quem sube Mas agora roda o mundo Jogar conforme o toque mandar.
mas ligero 2x Cada dia cresce mais
mais tem coco do coqueiro do quilombo O nome, que revela da onde eu sou Seu hino foi a Santa Maria
nego sube mais ligeiro pra dar coco a seu Sou da família guerreira Seu toque de alerta a Cavalaria
amor Sou capoeira Nago Iúna restrita só para formados
Em dia de festa no Batizado.
Coro
A Dor Ensina São Bento Grande se joga em cima
Idalina um toque de variação
Dandara A dor ensina E a minhá alma e' Vem a Banguela que fez o intermedio
verdadeira E o canto de um capoeira Se Amazonas, um toque de saudação.
Ê Dandara espalhá pélo ar
Ê Dandara ê ê La la la eeeoo lala ela lalaee
Ê Dandara Lembra de Bimba
Ê Dandara ê ê Eu lembro agora Da tristeza de outra hora
Quando você foi embora Me deixando Eee lembra de Bimba,
Dandara foi mulher guerreira para la Eu quero escutar de você
No quilombo se refugiou O criador, criador da Capoeira
Conheceu Zumbi dos Palmares E o meu consólo Deus me deu a capoeira Você ensinou a bater
E logo se apaixonou Minhá eterna companheira Que nunca
vai-me deixar Foi na escola, onde você praticava
Coro Que eu vi a luta de pé
Com Zumbi ela teve três filhos Vivo pra ela Pois ela ta sempre aqui Cada Onde a Capoeira agora é brincadeira
No quilombo ela foi a rainha dia aprendo mais E' melhor viver assim Por sempre eu quero aprender lelelelele
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Pois não se apedreja morto Porque perdi minha ilusão


Lembra, lembra de Bimba Nem fruto podre a cair De crescer com meus amigos
Saudoso Mestre Mandingueiro igual não E ter uma vocação
tem Agora virei escravo
Lá no céu á todos fica olhando A Mare Só peço a deus minha proteção
Ele quer ver, que pratique como ele
lelelelele A mare hoje me leva Lamento bem lamentado
A mare que me levou Da historia que já passou
Mas me lembra que o passado
Já Quer Correr No mundo eu sou um barco pequeno Foi feito com sangue e muita dor
Naquela imensidão do mar E agora que sou capoeira
Já quer correr, sem caminhar Preciso de um porto maneiro Expressar quero senhor
Já quer correr rapaz, sem caminhar E um Mestre pra me orientar Pra que o mundo não esqueça
Que nossas raízes tem valor.
Tudo na vida tem principio Eu vou no mar quebrando as ondas
E todo principio, tem um fim Sou ferramenta de pescar
As vezes pode ser difícil Meu Mestre sabe jogar a rede Mulher na roda
Mas continua mesmo assim Para o peixe no barco ficar
Mulher na roda
Se quer ser pai, tem que ser filho Seja de noite ou de dia Não é pra enfeitar
Se quer ser avo, tem de ser pai Com o meu Mestre eu pescar Mulher na roda
Para professor, ser aluno Aprendi uma lição de vida É pra ensinar
Para ser um Mestre, um professor Se não tem um Mestre vai afundar
Ê, ela treina com destreza
Tudo na vida tem um processo E respeita o educador
Que se deve avaliar A Iúna Se Foi Mostrando delicadeza
Olhe a sua vida é um caminho E também o seu valor
Que não se deve apressar A Iúna se foi,
La no céu foi morar ia ia Mulher na roda
Escuta a lição da vida Foi embora da terra, Não é pra enfeitar
Que nos ensina a caminhar Foi pra perto de Bimba cantar Mulher na roda
Para ser um fruto maduro É pra ensinar
Ele se deve cultivar Manoel dos Reis Machado
Criador da Regional Já passou aquele tempo
Pegou o canto da Iúna Que era só bater pandeiro
Floresta Capoeira E colocou no berimbau Bater palma e cantar coro
Pra poder ganhar terreno
Eu sou apenas uma pequena planta La no sertão da Bahia
Em uma floresta chamada capoeira Já não da mais pra escutar Mulher na roda
O canto da Iúna Não é pra enfeitar
Entre perigos e muitos encantos Que foi morar em outro lugar
Assim eu me sinto na capoeira onde eu
me encontro Olha que canto bonito Mundo Enganador
E sigo em busca de conhecimento Mas que um dia emudeceu
Peço a deus que guie em todo o Quando a Iúna ficou sabendo Oi vivemos aqui nessa terra
momento. Que seu Bimba faleceu Lutando pra sobreviver
O Lugar onde poucos têm muito
Como um jequitibá esse é o meu plano E no céu quando chegou E muito sem ter o que comer
Mas sou como um galho, um pequeno Mestre já estava a lhe esperar Olhando isso eu fico triste
ramo Com seu berimbau na mão Me pergunto qual é a solução?
Mas sigo treinando e o tempo vai-me Para poderem cantar Estou feliz por ter a capoeira
regando, Como forma de expressão
Cada dia eu sinto minha força Capoeira é uma arte
aumentando Me Levou de Angola E arte é obra de Deus

A arvore se conhece pelos seus frutos Me levou de Angola pra América Nesta terra eu não tenho muito (refrão)
E assim é o bom mestre pelos seus Me levou de Angola pra nunca voltar Mas tudo que eu tenho foi Deus que me
alunos deu (refrão)
E o tempo que deixa a fruta boa de comer Na minha terra era livre
É o mesmo que faz o aluno amadurecer Podia correr e brincar Eu tenho um canarinho cantador
Minha mãe com seu sorriso Berimbau afinado e um cavalo chotão
Fazia minha mente sonhar E um carinho da morena faceira que me
É a Vida Foi até o dia que o terror deu
Começou a caminhar Seu amor e o menino chorão
É a vida, De turbante e calças compridas Ah! Meu Deus quando eu partir
A vida que escolhi pra mim é Capoeira Um árabe escutei falar, e me levou Desse mundo enganador
Pra meu filho eu deixarei
Escutar um berimbau, Acordei fui amarrado Uma coisa de valor, é é é .
Cantar uma ladainha Com correntes em meus pés
E jogar com meus irmãos Não sabia o que passava Não é dinheiro, não é ouro, não é prata.
Dentro da academia Mas pouco a pouco eu lembrei É um berimbau maneiro que eu ganhei do
Que minha mãe foi maltratada meu avô. (refrão)
Perguntei para meu Mestre Meus irmão vendidos ao rei
O que fazer pra melhorar Meu pai foi assassinado Ô, ô, ô, Meu berimbau que toca Iúna e
Ele me disse assim Ai meu deus que destino cruel benguela
O segredo é só treinar Toca paz, e toca guerra e toca até chula
Tinha as costas ensanguentadas de amor.
Se falam bem ou falam mal Do chicote do senhor
É porque já esta a produzir Mas a dor estava no peito Não é dinheiro, não é ouro, não é prata.
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

É um berimbau maneiro que eu ganhei do llamado é hora de vadiar, oque foi do mar
meu avô. maré leva pro mar. Jogo de negro

Ah! Meu Deus quando eu partir Coro oh oh oh oh oh


Desse mundo enganador oh oh oh oh oh
Pra meu filho eu deixarei E menino tomá cuidado, calma rema de
Uma coisa de valor, é é é . vagar meu balanço é como a maré Chibata batia o sangue corria nas costas
derruba como as ondas do mar, oque foi O negro vivia cansado de apanhar
Não é dinheiro, não é ouro, não é prata. do mar maré leva pro mar. Aí foi que eles fugiram para os quilombos
É um berimbau maneiro que eu ganhei do Criaram a Capoeira arte de matar
meu avô. (refrão) Coro
Eh capoeira
Ô, ô, ô, Meu berimbau que toca Iúna e Eu tambem sou mandigueiro, aprendi a Coro:
benguela vencer e mandingar, dou rasteira Eh Jogo de negro
Toca paz, e toca guerra e toca até chula cabeçada sei cair sei levantar, oque foi do Capoeira era a arma
de amor. mar maré leva pro mar. usada na escravidão
Eh capoeira
Não é dinheiro, não é ouro, não é prata. Coro Eh Jogo de negro
É um berimbau maneiro que eu ganhei do que sentia a força de
meu avô. (refrão) Seu mozo presta atençã, calma rema de Zumbi no seu coração
vagar não remar contra maré deixa mare
te levar, oque foi do mar maré leva pro Coro
Vivo no ninho de cobra mar. Houve gente que morreu mesmo sem
viver
Vivo no ninho de cobra Abria os olhos directo pra trabalhar
sou cobra que cobra não morde As vezes você não entende a Capoeira Cansados doentes famintos e sem amor
uma cobra conhece outra cobra Liberdade naquele tempo só pra sonhador
não precisa dizer quem é cobra As vezes você não entende a Capoeira
Mas ela sempre entende você Eh capoeira
Vivo no ninho de cobra Vou seguir com ela a vida inteira Coro:
sou cobra que cobra não morde E sempre com ela vou viver
uma cobra conhece outra cobra No rosto do negro correm lagrimas de
não precisa dizer quem é cobra As vezes você não entende sangue
Que lembra de tudo que ele passou
Vivo no ninho de cobra As vezes você não entende a Capoeira Chegar na senzala e ver sua noiva
sou cobra que cobra não morde Mas ela sempre entende você violada
se ela me morde ela morre Vou seguir com ela a vida inteira Pros caprichos de um homem rico ou de
e se ela não morde ela foge E sempre com ela vou viver um feitor
Vivo no ninho de cobra
sou cobra que cobra não morde Siga na sua vida sempre treinando Eh capoeira
Pois se você parar é bem pior Coro:
Mas logo te aviso meu amigo
Ai meu Deus Isso não fara voce melhor oh oh oh oh oh
oh oh oh oh oh
Ai meu Deus Capoeira vai te trazer felicidade
Oi abra meus caminhos Junto com a tristeza e a dor
Me livra dos espinhos Mas enquanto você estiver por cima Olha o negro Meu senhor
E me ajuda a caminhar Todos vão querer te dar valor
Aiai meu Deus Olha o negro
Proteja meus amigos Capoeira vai te cobrar a vida inteira Olha o negro
Olha meus inimigos Querendo sempre mais dedicação Olha o negro
Que eu já posso enfrentar Pare pra escutar sempre seu mestre Meu senhor
o que ele fala nunca será em vão
O lae lae la Ele tambem era escravo
o le le Na Senzala ele cantou
O lae lae la Eu não nasci na terra da capoeira Trabalhava o dia inteiro
o le le E ainda apanhava do senhor
O lae lae la Eu não nasci na terra da capoeira
o le le Mais posso de dizer que ela me criou CORO
E dia e noite sempre eu penso en ela Trabalhei na minha terra
Nosso senhor Porque a Capoeira me deu valor Roçando a Capoeira
É quem guia meus caminhos Eu roçava os mato altos
E não me deixa sozinho Colombiano, Africano, Peruano e Francês So deixei matos rasteiros
Por onde eu andar Italiano, Brasileiro, Muçulmano ou Chinês
O mundo inteiro jogando e cantando em CORO
Não nasceu homen uma lengua so Trabalhei igual a um burro
Que vai me por no chão Seguimdo a son du berimbau e u toque Naquele canavia
Só eu não faço destino do tambor Ja nao sou acorrentado
Rapido o sol a lampião Mas tenho que trabalhar
Coro
CORO
O que foi do mar maré leva pró mar Da capoeira eu conheci a história, e grito Escolhi negros mais fortes
de grandes guerreiros que em minha Para lutar liberdade
Oque foi do mar maré leva pró mar ioio, mente fico Capoeira nasceu no mato
oque foi do mar maré leva pró mar. Mahatma Gandi, Martin Luther King e Agora esta na cidade
Nelson Mandela
Meu berimbau se quebrou quando Ganga Zumba, Zumbi dus Palmares CORO
agachei para jogar, berimbau ja deu Agora vim pra cidade
Na esperanca de vencer
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Eu trabalho numa fabrica Berimbau chamou você lê lê!


Ganho mal da pra comer Vem, vem, vem
Tem mandinga do meu lado -refrão-
CORO Vem, vem, vem Abre o olho capoeira
Esta luta continua para todos praticar Não pode ficar parado pense no que vai diser
e cultura Brasileira Vem, vem, vem se a palavra for maldita
e a voces posso provar pode voltar pra você
CORO lê lê!
Berimbau de Mestre Waldemar
-refrão-
E incendeia Le-le-le-le-le-le Eu quero é fazer minha historia
Le-le-le-le-le-le quero mais e aprender
CORO: Le-le-le-le-le-le quero sentir o axé
E incendeia, incendeia, incendiou Le-le-le-le-le-le eu quero força pra vencer
lê lê!
Abalo meu coração Mas eu fui na Bahia pra tocar
O meu chão estremeceu Berimbau do Mestre Waldemar -refrão-
O sol já não brilhou Pois de intriga e falsidade
Mais quando tudo aconteceu Eu fui na Bahia pra tocar eu não quero nem saber
Tráfico no Brasil campo da mina Berimbau do Mestre Waldemar olha isso atrasa a vida
Daomé Benin incêndiou isso tira meu dendê
Incendeia! Eu fui na Bahia pra tocar lê lê!
Berimbau do Mestre Waldemar -refrão-
CORO
Século dezoito E minha viola
Sinhozinho me escravizou Que eu não canso de tocar Malandragem
Mas hoje livre, eu sou um negro nagô Quando bate uma saudade
De um lado o berimbau e do outro o De mestre Waldemar Malandragem só sai daqui
lampião Quando essa roda acabar
Tou preparado a roda é no barracão Mas Eu fui na Bahia pra tocar Se o meu mestre disser “Iê”
Incendeia! Berimbau do mestre Waldemar Ou se Cavalaria tocar
Capoeira é antiga arte
CORO Eu fui na Bahia pra tocar Foi o negro inventando
Mesmo que eu ande no vale das sombras Berimbau do mestre Waldemar Me diga quem é brasileiro
Teu cajado me consola E não tem um pouco de malandro
A bença Deus meu Deus abençou Cada toque e um lamento Malandragem...
Incendeia! Parecia solidão
CORO Waldemar levava vida Oi malandro, é malandro
Com seu berimbau na mão Capoeira
Ê (Oi) malandro, é malandro
Vem vem vem Mas Eu fui na Bahia pra tocar Na Bahia
Berimbau do mestre Waldemar Ê malandro, é malandro
Vem vem vem Na ladeira
tem mandinga no seu lado Eu fui na Bahia pra tocar Ê malandro, é malandro
Vem vem vem Berimbau do mestre Waldemar Malandragem
Berimbau chamou voce Ê malandro, é malandro
Vem vem vem Hoje eu digo a vocês Na cultura
Não pode ficar parado E recordo a todos nos Ê malandro, é malandro
Vem vem vem Quem ganhou um berimbau Negro canta
Vem jogar a Capoeira De Waldemar foi boa voz Ê malandro, é malandro
Joga e pula
Vem vem vem Mas Eu fui na Bahia pra tocar Ê malandro, é malandro
Berimbau do mestre Waldemar
Capoeira boa Ê, finge que vai mas não vai
Que vem da terra Eu fui na Bahia pra tocar Bicho vem e eu me faço de morto
Dentro da roda Berimbau do mestre Waldemar Mas se a coisa apertar
Vou jogar a Capoeira Pra Deus eu peço socorro
Le-le-le-le-le-le Entro e saio sem me machucar
Vem vem vem Le-le-le-le-le-le Subo e desçe sem escorregar
Le-le-le-le-le-le Vou louvando o criador da mandinga
Dentro da roda Le-le-le-le-le-le O malandro que inventou a ginga
não se intimida Malandragem...
que a Capoeira Mas eu fui na Bahia pra tocar Coro
Faz parte da sua vida Berimbau do Mestre Waldemar
O sol faz o chão esquentar,
Vem vem vem Eu fui na Bahia pra tocar Calma moça, chuva vem esfriar,
Berimbau do Mestre Waldemar Expressão do rosto da menina
Heróis de bamba Ao saber que essa é a minha sina
foi prisioneiro Bato forte não devagar,
e a Capoeira Deixa o berimbau falar Cuidado quando se levantar,
Fazendo novos guerreiro Berimbau já fez sua cantiga,
Tem mandinga do meu lado Lê lê lê lê ,lê lê lê a , Coração me impulsa pra cima
lê lê lê lê deixa o berimbau falar Malandragem...
Vem, vem, vem
Não pode ficar parado -refrão- Coro
Vem, vem, vem Que quem fale de mim não seja eu
Que roda boa la na feira deixe o berimbau falar
O povo todo jongando a capoeira meu corpo joga capoeira
Vem, vem, vem e a boca eu deixo pra cantar
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Movido pela capoeira Paranà ê, Paranà ê, Paranà Lá Vai Viola

Eu sou movido pela capoeira Dou no escondo a ponta, Paranà Tim, tim, tim, lá vai viola
Eu sou movida pela berimbau Ninguem sabe desatar, Paranà Coro : Tim, tim, tim, lá vai viola
Paranà ê, Paranà ê, Paranà Tim, tim, tim, lá vai viola
Na ladainha de Angola
Nas quadras da regional Eu sou braço de marè, Paranà Esse jogo é de dentro, esse jogo é de
No gingar do capoeira Mas eu sou marè sem fim, Paranà angola
No toque do berimbau Paranà ê, Paranà ê, Paranà Coro
Oi lá valha meu Deus, e a nossa senhora
coro Le, le, lá vai viola
O mundo fica pequeno Que vem la sou eu
Quando a roda comenca Olha joga menino, esse jogo é de angola
Expresso o meu sentimento Quem vem lá, sou eu Oia santa mandinga, mandinga é de
Deixo o meu corpo falar Quem vem lá, sou eu angola
Berimbau bateu
coro Capoeira sou eu Oi nao tem siriri, nao tem cai fora
Ela e minha estrela guia Esse jogo é embaixo, esse jogo é de
E ela que vem e me leva Eu venho de longue angola
Peco a Deus e agradeco venho da Itabuna [/Bahia]
por ter conhecido ela Joguo Capoeira Capoeira
O meu nome é Suassuna São Bento me chama
coro
Elea e minha vida, Coro Ai, ai, ai, ai
e ela que me carrega São Bento me chama
Ela e minha energia, Mais sou eu, sou eu
por isso eu levo ela Quem vem lá Coro: Ai, ai, ai, ai
Eu sou brevenuto
coro Quem vem lá São Bento chamou
Eu comecei por brincadeira Montado a cavalo Ô, capoeira de angola
Comecei sem emocao Quem vem lá Ô, São Bento chamou
Mais depois a capoeira Fumando a charuto- Se me pega de cheio
Conquistou o meu coracao Coro Ô, tu me bota no chão
Ô, capoeira de angola
coro Ô, um aperto de mão
O berimbau e quem me chama Você disse um dia Ô, São Bento me chama
E a capoeira quem me leva Ô, solta a mandinga menino
E ao meu Dues eu agradeco Você disse um dia Ô, se enrosca no chão
Ao lugar que me levar que jogar capoeira Ô, capoeira de angola
era coisa de animal Ai, ai, ai, ai São Bento me chama
coro praticada por marginal São Bento me quer
Eu escolhi a capoeira
Porque ela me escolheu Muito tempo se passou
Olhei pra ela ela sorriu você não se cuidou La Lauê
E naquele instante me acolheu Capoeira eu pratiquei
hoje eu ja me formei Bem-te-vi voou, voou
Coro Bem-te-vi voou, voou
Olhando prá você Deixa voar
não posso me conter Lalauelauelauelaua
só consigo apenas sentir muita pena Olalaelae
Paranà ê Lalauelauelauelaua
Olha só como Deus é bom
Vou dizer minha mulher, Paranà confortou meu coração Que som
Capoeira me venceu, Paranà minha vida é brincadeira Oi que arte é essa
me fez um capoeira que luta brincadeira
Paranà ê, Paranà ê, Paranà agora só posso me orgulhar Que roda
pois não me canso de cantar Maravilhosa é essa
Ela quis bater pè firme, Paranà É Axé capoeira
Isso não aconteceu, Paranà Oi lá e la e lá Em cada som, em cada toque, em cada
Paranà ê, Paranà ê, Paranà oi la e la e lááááaáa´ ginga, tem um estilo de jogo
oi la e la e láaaaa Em cada som, em cada toque, em cada
Oh Paranàuê, Paranà ginga, tem um estilo de jogo
Paranàuê, Paranà
Paranà ê, Paranà ê, Paranà Lauelauelaua
Camungerê Lalauelauelauelaua
Assim dera que o morro, Paranà Olalaelae
Se mudou para a cidade, Paranà Como vai, como tá? Lalauelauelauelaua.
Paranà ê, Paranà ê, Paranà
Coro: Camungerê!
É batuque todo dia, Paranà
Mulata de qualidade, Paranà Como vai vosmecê? Dende Pra Ver
Paranà ê, Paranà ê, Paranà E vai bem de saúde?
Para mim é prazer Foi dende, oi dende,
Vou mimbora pra Bahia, Paranà Como tá, como tá? dende pra ver

Eu aqui não fico não, Paranà Como vai vosmecê? Foi dende, oi dende,
Paranà ê, Paranà ê, Paranà Como vai afamilia? dende pra ver


Mais tarde eu vou ver
Se não for essa semana, Paranà Eu vou bem de saúde A data ja chega, mestre esta viajando
É a semana que vem, Paranà em tudo lugar o povo esta lhe esperando
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

saudade de mestre, gente quere ver
 E no canto embala o coração Corda marron é a terra
na roda jogar ao meu MESTRE É historia e lamento e poesia É o tanto que já caminhou
PEQUINÊS
 É a voz de um guerreiro solta no ar Na capoeira um Contramestre
E a palma animando a batería Mostrando o seu valor
Coro


Corda marron e preta
Ele ja chegou, ele ja esta aqui

E La Vou Eu A grande preparação
pronto na roda pra jogar
 Pra receber a grande honra
a roda de bemvinda tudo mundo quer E la vou eu, e la vou eu A mais alta graduação
jogar
 Eu vou la pra capoeira Corda preta representa
Mestre da energia, sua voz que contagia
 E la vou eu, e la vou eu A força que o negro deixou
tocando berimbau ele nos cheia de alegria Com muita garra e coragem

 Eu vou la pra capoeira Um mestre se consagrou.
Olha a roda foi boa eu nao vou Capoeira eu vou jogar
esqueçer 
aquele momento foi de muito Berimbau está-me chamando
dende

 É hora de vadiar
Capoeira é de Quem Treina
Coro

 Camarada vem comigo,
Vamos juntos vadiar Eu vou jogar como nunca joguei
O dia de troca, dia de batizado

Mas cuidado meu amigo Eu vou treinar até o dia amanhecer
hoje conmemora, tudo tempo treinado
 Escuta o que vou falar Eu vou buscar o axe, eu vou botar o
o canto que alegra, galera falou:
 dendê
Eu sou capoeira: CAPOEIRA NAGÔ

 Cuidado com a cascavel
Quando se enrola é pra dar o bote Capoeira é de quem treina
Coro Cuidado seu moco que não treina Disse o meu Mestre Pequinês
Pois nem sempre é dia de sorte Não fique acomodado
Esperando a sua vez
Quem navega em mar revolto
Hino Capoeira Nagô Não teme onda pequena Na roda da capoeira,
Capoeira no sangue Quem sempre faz jogo duro Não tem espaço pra moleza
Ate ri de quem não treina. O toque do berimbau
Sou capoeira no sangue Pode curar qualquer tristeza
Capoeira na cor
É por isso que eu sou Festa na Aldeia Cada um faz sua historia
Capoeira Nagô Quem caiu sobe de novo
Escuta o som do berimbau, No meio de predador
Nome de uma tribo guerreira Chamando o capoeira, Ovelha tem que virar lobo
De um povo lutador A roda vai se formando,
Que nas batalhas da vida Vai ter festa na aldeia
Honra e forca lutou Pediu Pra Ver
Que e nome de capoeira A minha aldeia é Nagô,
De grupo vencedor A minha tribo é guerreira, Você pediu pra ver você vai ver
Nosso mestre Pequinês E o som que embala o meu tambor, Você pediu pra ver você vai ver
Um homem batalhador É o berimbau da capoeira.
Pois e foi ele quem fez Falar quem tem boca diz o que quer
Foi ele quem criou Vem capoeira de longe, Mas é a atitude que vai dizer quem você é
Esse grupo tao bonito Vem também da cercania, No jogo duro não se vive de historia
Chamado de Nagô É festa de batizado, Entra na roda pra ver como é que é
Tem capoeira noite e dia. Chamou pro jogo mais objetivo
Coro São Bento já cresceu pra você
Chegou a hora de mostrar, Capoeira é pé quente e cabeça fria
Tem armada, rasteira, Todo o tempo treinado, Você pediu pra ver, você vai ver.
Meia-lua, pisão, Essa roda é de bamba,
A capoeira e ligeira E o jogo é mandigado. Eu não vivo atras de confusão
Joga em cima e no chão Mas se começa, eu não fujo dela não
Cabeçada, vingativa, Você fala de mais é um falastrão
Tem tesoura e arrastão Graduação Nagô E desse jeito não vai acabar bem não
Capoeira Nagô
Mora no meu coração Cada faze é uma corda Chamou pro jogo mais objetivo
E toda corda tem valor São Bento já cresceu pra você
Essa é a graduação Capoeira é pé quente e cabeça fria
Do capoeira Nagô Você pediu pra ver, você vai ver
Vim Pra Vadiar
Crua com cinza, com verde, amarela, com
Eu vim pra vadiar no berimbau laranja e azul Abalou Capoeira Abalou
Eu vim pra vadiar no jogo Iniciante, é a sua caminhada,
Eu vim pra vadiar no canto e na palma Corda laranja e azul clara avançado Abalou Capoeira abalou
Eu vim ver capoeira vadiar É a sua etapa pra chegar a graduado Mas se abalou, deixa abalar
Abalou Capoeira abalou
Vadeia berimbau me dá o som Tem corda laranja e verde, tem azul e Mas se abalou, deixa cair
Transmita toda sua energia verde também Abalou Capoeira abalou
Porque ao seu comando a roda vai Verde é a mata desbravando o graduado
começar Azul escuro o oceano alcançado
Pois hoje é dia de alegria Na capoeira agora você é formado Maré Ta Cheia

E o capoeira sai para vadiação Corda roxa é o diamante Pula por cima do pau o piaba
E um bom jogo nos arrepia Só o vai ter quem buscou Que a maré ta cheia
É armada, é cabeçada, martelo e pisão É quando a capoeira te chama Pula, pula, pula o piaba
Mas sem atropelo é na harmonia De professor Que a maré ta cheia
CANCIONERO CAPOEIRAVALLEY [] Alumna Sereia Nagô

Cajuê foge pra camugere (ref) Eu desejo as ondas do mar

Vou mandar lecô Chegando em camugere, Coro


Cajuê Sinhozinho se surpreendeu
Vou mandar Boiá O negro mostrou uma arma, Pra te o que desejo
Cajuê Que na senzala se desenvolveu Uma alma que viva em paz
O menina linda O negro venceu a batalha, E que a saudade se vá
Cajuê E no quilombo sinhozinho morreu, Aidê E não volte aqui nunca mais
Venha me buscar
Cajuê foge pra camugere (ref) Coro

O que desejo e prometo


Gunga É Meu Ela te chama É ser pra sempre guardião
Pra quem foi o meu mestre
Gunga é meu, gunga é meu Ela te chama E a mim ensinou a lição
Gunga é meu, é meu, é meu Ela te quer
Gunga é meu, gunga é meu A capoeira encanta
Gunga é meu, foi papai que me deu E luta de bater com pé
Gunga é meu, gunga é meu Capoeira vem
Gunga é meu eu não dou a ninguem Meu mestre mandou chamar
Gunga é meu, gunga é meu
Capoeira vem (coro)
Capoeira vai rolar
Parabéns Pra Você Capoeira vem (coro)
Me chamou pra vadiar
Parabéns pra você Capoeira vem (coro)
Neste data querida Eh bate palma pra animar
Muitas felicidades Capoeira vem (coro)
Muitos anos de vida O lae la la e la
Parabéns pra você
Neste data querida
Muitas felicidades Iaiá ô Iaia
Muitos anos de vida
Iaiá ô Iaia
Acende o candieiro, iaiá
Mulher na roda Só a luz ofuscante da candeia
É pra ensinar E o clarão da lua cheia
É o que faz o terreiro o clarear
Não precisa da espaço
Pois ela já conquistou Hoje tem festa
Hoje cantar bem na roda No Quilombo dos Palmares
Não é só pra cantador Já se ouve pelos ares
O som estridente do tambor
Mulher na roda Ioiô, no rabo de arraia certeiro
Não é pra enfeitar No jogo de Angola, rasteiro
Mulher na roda No bote da cobra coral
É pra ensinar Com a ligeireza dos raios
Destreza fundamental
Quem paga o pato
É o capitão do mato
Aidê Negra Africana Na luta do bem contra o mal
Ô Iaiá
Aidê era uma negra africana,
Tinha magia no seu cantar
Tinha os olhos esverdeados Ê! Lae
E sabia como cozinhar,
Sinhozinho ficou encantado Ê! Lae, lalae São bento lae
E com aide ele quis se casar Lalae São bento lae
Eu disse: Aidê, não se case, Lala e la
va pro quilombo pra se libertar, Aidê Ô! Lalae são bento

foge pra camugerê (coro) Menino vai de longe pra te ver


Que foi camujere dona maria
No quilombo de camugere Viola já choro muita saudade
Liberdade Aidê encontrou E o gunga que me traz felicidade.
Juntou-se aos negros irmãos,
Descobriu um grande amor
Hoje aide canta sorrindo,
Ela fala com muito louvor : Água pra quem tem sede
Liberdade não tem preço,
O negro sabe quem te libertou, Aidê Água pra quem tem sede
E ondas pra quem quer navegar
foge pra camugere (coro) Chuva pra quem vive em seca
E amor pra quem sabe amar
Sinhozinho que disse então
com o quilombo eu vou acabar
se Aidê não se casa comigo, Eu só quero o que mereço
com ninguém ela pode casar, Aidê Só me dê o que for pra mim dar
E pra quem é marinheiro

Interesses relacionados