Você está na página 1de 48

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

1. INTRODUÇÃO

Todas as pessoas que, de uma maneira ou de outra se expõem a


algum risco, podem sofrer acidente de trabalho, mesmo aquelas que
nunca se sofreram um acidente. Uma maneira de evitá-lo é ter
conhecimento dos perigos que o cercam. Por isso, é necessário
observar algumas regras gerais de boas práticas, ter ordem, cuidado e
disciplina.

Todo funcionário é responsável pela execução de seu trabalho, mas


deve fazê-lo em condições seguras para não prejudicar a si próprio
nem os seus colegas de trabalho.

Espera-se que este Manual, a par de outras medidas, nomeadamente


as campanhas de sensibilização/formação desenvolvidas a respeito da
Higiene e Segurança no trabalho, contribua para a adopção de uma
verdadeira “cultura de segurança”, por parte de todos nós.

Interiorizar uma autêntica “cultura de segurança”, significa pois,


pensar e agir preventivamente e com respeito pelo risco, em todas as
circunstâncias e momentos da nossa vida. Ou seja, a segurança
global implica pensar e agir preventivamente no nosso local de

1
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
trabalho, no trajecto de casa para o trabalho, e do trabalho para casa e
nas nossas habitações.

Por outro lado, recordamos que a segurança é uma tarefa a ser


assumida por todos os sectores da organização e pelos diversos
níveis hierárquicos.

2
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
2. “10 MANDAMENTOS”

1. Informar o seu superior hierárquico de toda a situação


perigosa.
2. Informar o seu superior hierárquico de todo o acidente ou
ferimento que presenciar.
3. Usar o equipamento de protecção exigido, para determinados
trabalhos, tal como: calçado de segurança, colete reflector, etc.
4. Se surgir alguma dúvida no trabalho, que ponha em causa a
sua integridade física ou a dos seus colegas, parar e pedir instruções
ao superior hierárquico.
5. Evitar brincadeiras violentas e evitar distrair os outros.
Andar, nunca correr.
6. Não utilizar roupas largas ou pendentes que possam
prejudicar os trabalhos ou ser motivo de acidente.
7. Repousar apenas em locais previstos e apropriados.
8. Não fumar fora dos locais previstos, não criar outros riscos de
incêndio.
9. Utilizar as ferramentas e os aparelhos só para os fins a que
estão destinados.
10. Obedecer aos sinais de segurança afixados

O DE E

3
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
3. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS QUIPAMENTOS
E FERRAMENTAS ELÉCTRICAS
As ferramentas manuais são a causa de grande número de pequenos
acidentes nas indústrias quando associadas pelo menos a um de três
factores:
 Mau estado;
 Uso errado;
 Falta de EPI (Equipamento de Protecção Individual).

Assim, é necessário um controlo apertado na inspecção/manutenção,


formação e uso de EPI adequado relativamente às ferramentas
manuais.

 Cada ferramenta está adaptada a um trabalho específico.


 Uma ferramenta não adequada pode provocar acidentes.
 Os acidentes provocados por ferramentas são quase sempre
devidos à sua má utilização ou abandono em locais
inadequados.

4
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 Arrumar cuidadosamente as ferramentas nos locais
apropriados: verifica-se a falta da ferramenta, não há
acumulação sobre a bancada e não ficam abandonadas no
chão
 Verificar regularmente as ferramentas, antes do início do
trabalho; escolher e usar as adequadas e encaminhá-las para
manutenção, sempre que necessário;

 Ao transportar um conjunto de ferramentas, utilizar uma caixa


de ferramentas com pega, um cinto-porta-ferramentas, nunca
coloque ferramentas afiadas ou pontiagudas no bolso;

5
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
4. UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS

 Antes de utilizar um equipamento ou ferramenta eléctrico,


confirmar que está em boas condições;

 Utilizar os comandos e interruptores próprios. Nunca alterar


as protecções;

 Não abrir nem retirar as protecções isolantes dos


equipamentos ou ferramentas;

 Não utilizar equipamentos ou operar instalações eléctricas se


estas estiverem húmidas ou com os pés ou mãos húmidas;

 Verificar se a ferramenta é
6
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
adequada às condições exigidas para determinados tipos de
locais com riscos especiais (por exemplo ambiente explosivo)

 Quando ocorrer uma avaria no equipamento eléctrico,


desligar imediatamente a alimentação e/ou retirar a ficha da
tomada. A reparação deve ser feita por um técnico
qualificado;

 Relatar imediatamente danos, irregularidades ou avarias nos


aparelhos ou instalações ao responsável pela manutenção
eléctrica. Não utilizar estes aparelhos e assegurar que
ninguém os utiliza, sinalizando-os adequadamente.

7
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
5. TRANSPORTE /MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE
CARGAS

Por movimentação manual de cargas, entende-se qualquer operação


de elevação e de transporte de uma carga por uma ou mais pessoas.

Esta actividade, quando desenvolvida de uma forma contínua sujeita


o corpo humano a grandes esforços, pois envolve a tensão de muitos
músculos.

 Com os pés ligeiramente afastados, mantenha os antebraços


mais perto possíveis do tronco. Faça uso dos músculos do
tronco e das pernas.
 Mantenha as costas o mais direitas possível e , depois
levante-se, endireitando as pernas lentamente. Agora está
pronto para seguir em frente.

FIG1: Técnica para levantar carga

8
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

Fig2: Técnica para movimentar carga

 Tentar sempre manter as costas direitas quando estiver a


empurrar ou levar a carga.

Sempre que possível, o transporte, levantamento e a descarga


manual de objectos pesados devem ser evitados.

9
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA O MOVIMENTAÇÃO
MANUAL DE CARGAS
 Saber o que fazer com a carga antes de a levantar;
 Verificar se o caminho a percorrer e o local onde vai colocar
a carga estão desimpedidos;
 Verificar se as mãos e o próprio volume a levantar não têm
óleo ou qualquer outra gordura, a fim de poder retê-lo com
firmeza.
 Verificar se o piso se encontra limpo, sem lixo, gordura ou
água, para que possa apoiar-se firmemente e não se expor a
quedas.
 A movimentação de cargas deve ser efectuada, em zonas, em
que o pavimento se encontre devidamente nivelado e
desobstruído de obstáculos, entulho, cabos e fios condutores
de electricidade.
 Sempre que possível, colocar as cargas em planos elevados
relativamente ao solo (antes de proceder à elevação);
 As cargas a transportar devem estar devidamente
acondicionadas e simetricamente distribuídas de modo a
evitar oscilações e sobre-esforços;
 Procurar adaptar pegas ergonómicas na carga manuseada para
facilitar o levantamento e transporte;

10
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 Se dispuser de aparelhos para levantar a carga e se estiver
apto a utilizá-los, não hesite em fazê-lo;
 Se efectuar transporte manual deverá levar a carga mantendo-
se direito e, deste modo, estará simétrica ao corpo e próxima
de si mesmo;
 Verificar se a carga tem quinas vivas ou lascas que possam
magoar as mãos. Se necessário utilizar luvas apropriadas;

Usar técnica adequada em função do tipo de carga;


Procurar não se curvar; a coluna deve servir como suporte;
Quando estiver com o peso, evite rir, espirrar ou tossir;
Evitar movimentos de torção em torno do corpo;
Manter a carga na posição mais próxima do eixo vertical do
corpo;
Procurar distribuir simetricamente a carga;
Transportar a carga na posição direita;
Movimentar cargas por rolamento, sempre que possível;
Posicionar os braços junto ao corpo;
Inspeccione as vias de circulação;
Não tente segurar qualquer objecto que esteja em queda;
Transporte os bidões fazendo-os rodar, empurre sempre pelo
centro do bidão

11
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Em conclusão, podemos dizer que a maior parte das regras relativas
ao levantamento manual de cargas, consistem no seguinte:

• Aproximar a carga do corpo;


• Suportar a carga com o esqueleto;
• Carregar a carga simetricamente;
• Transportar a carga com o corpo direito;
• Utilizar meios auxiliares de carregamento.

Para baixar a carga, devem seguir-se as mesmas regras, mas de modo


inverso.

12
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
6. ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA

Um factor muito importante na Prevenção de Acidentes é a


manutenção do nosso local de trabalho na mais perfeita Ordem,
Organização e Limpeza. O trabalho será mais fácil e seguro se o
ambiente estiver em ordem.

Ordem - arrumar todos os seus materiais, de maneira que quando


precise seja de fácil localização.

Organização - separar os materiais importantes e eliminar /


transferir os desnecessários.

Limpeza - manter tudo sempre limpo, eliminar o lixo.

13
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
7. REGRAS DE LIMPEZA

Para manter limpo o seu local de trabalho siga os seguintes


conselhos:
 Os pavimentos limpos, arrumados e desimpedidos eliminam
muitas das causas que originam acidentes cujas
consequências podem ser graves;
 Os caminhos devem manter-se sempre desimpedidos e neles
ser proibida a colocação de quaisquer materiais que
dificultem a livre e rápida circulação, quer de trabalhadores,
quer de veículos de transporte;
• Nas zonas de resguardo das máquinas, e de modo a não
prejudicar o seu funcionamento, só deve ser consentida a
acumulação de peças ou materiais que sejam necessários;
• Nos degraus ou patamares das escadas também não devem
ser acumulados quaisquer materiais ou peças, pois alem de
reduzirem a largura de utilização podem tombar e provocar
acidentes;
• Um bom plano de limpeza é essencial: consiste na remoção
de todo o tipo de sujidade agarrada às superfícies, objectos e
ferramentas/equipamentos e eliminação do detergente durante
o enxaguamento final.

14
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
O chão deve estar limpo de
qualquer substância que possa
torná-lo escorregadio. Limpar
imediatamente os líquidos/óleos
derramados. De forma a evitar
quedas desnecessárias.

Não efectue a limpeza, lubrificação com a máquina em movimento.


Desligue a máquina antes de executar qualquer serviço, mesmo que
isso venha acarretar perda de tempo.

15
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
8. MANUTENÇÃO – MÁQUINA / EQUIPAMENTO

 Ao efectuar qualquer serviço de manutenção mecânica ou


eléctrica devemos sempre, primeiramente, parar a máquina e
desligar a quadro geral eléctrico, a fim de garantir, que
nenhum outro colega ligará a máquina, para não acarretar
nenhum acidente.
 Interrompa a alimentação de energia eléctrica e desactive
todos os sistemas hidráulicos e pneumáticos da máquina.
 Faça uma verificação geral e adopte todas as medidas
preventivas necessárias, para evitar que algum acidente venha
a ocorrer.
 Todas as medidas de prevenção visam evitar que outros
colegas, inadvertidamente, liguem a máquina quando um
colega estiver efectuando manutenção.

É necessário colocar um aviso na porta do quadro geral eléctrico,


com o seguinte:

16
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

Não ligue ou Máquina em Manutenção, ou ainda, pode-se colocar


um cadeado na porta.

INSPECÇÃO DE DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA

As inspecções de botões “parar” e interruptores de emergências,


devem ser feitos frequentemente, pois podem apresentar defeitos em
seus comandos, provocando graves acidentes.

Todos os dispositivos de segurança deverão ser inspeccionados


frequentemente. Caso seja observado algum defeito em qualquer
dispositivo, comunicar ao responsável imediatamente, para a
manutenção necessária.
17
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
9. RUÍDO

O ruído é um som indesejado ou a combinação de sons que


produzem uma sensação desagradável.

O ruído acarreta (as estatísticas assim o confirmam), um risco


permanente para a saúde dos trabalhadores.

O risco fundamental de uma exposição a altos níveis de ruído é a


perda de audição. Esta exposição também provoca: transtornos de
memória, de atenção, de reflexos, diminuição das faculdades mentais
e fadiga.

O ruído pode contribuir para distúrbios gastrointestinais e distúrbios


relacionados com o sistema nervoso central (por exemplo:
dificuldade em falar e problemas sensoriais vários).

A fadiga auditiva traduz-se por um abaixamento da capacidade


auditiva. Essa capacidade pode no entanto ser retomada se a
exposição não for longa. Quando a exposição é longa, surge
normalmente uma lesão permanente da capacidade auditiva.

18
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
O ruído pode também alterar o equilíbrio psicológico das pessoas.
Um local de trabalho ruidoso faz aumentar as tensões podendo
ocasionar irritabilidade e agravar estados de angústia.

O ruído pode controlar-se de diversas maneiras, nomeadamente:

• Actuando sobre as vias de propagação;


• Actuando sobre a fonte de ruído;
• Utilizando equipamentos de protecção individual do
indivíduo (uso de protecção auricular).

Os exames médicos periódicos de audiometria são essenciais,


servindo para identificar problemas a este nível e a
consequentemente procura de soluções para os minimizar.
No dia-a-dia, a utilização dos dispositivos de protecção auricular
deve ser encorajada.

19
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
10. VIBRAÇÕES

As vibrações podem afectar o conforto, reduzir o rendimento do


trabalho e causar descoordenação das funções fisiológicas, dando
lugar ao desenvolvimento de doenças quando a exposição é intensa.

As vibrações caracterizam-se como:

Periódicas: aquelas que ficam completamente caracterizadas pela sua


amplitude.

Aleatórias: a sua elongação não pode ser prevista num dado instante.

As vibrações podem ainda ser de dois tipos:


 Transmitidas a todo o corpo;
 Apenas ao sistema braço/mão.

A exposição a vibrações acontece quando se trabalho com:


 Martelos perfuradores
 Berbequins
 Compressores
 Motores com defeito de equilibragem
 Ressonâncias mecânicas de canalizações.
20
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Para se reduzir o risco decorrente da exposição às vibrações pode
actuar-se de várias maneiras.

Por ordem crescente de importância:


 Sobre a fonte
 As ferramentas portáteis devem, sempre que possível, ser
fixadas a um suporte estável.
 As máquinas fixas devem ser instaladas em bases anti-
vibratórias, mantidas em boas condições de trabalho
regularmente.
 Sobre as vias de propagação
 Sempre que possível eliminar o contacto do trabalhador com
a máquina.

 Proteger os trabalhadores
 Limitando a exposição temporal destes às mesmas. Em
trabalhos aonde a exposição à vibração seja elevada, deve-se
tanto quanto possível fazer uma rotação frequente dos
trabalhadores a ela expostos.

21
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
11. EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL

Os equipamentos de protecção individual são dispositivos cujo


objectivo é proteger o utilizador contra riscos susceptíveis de
constituir uma ameaça à sua saúde ou à sua segurança.

As protecções pessoais são elementos de uso directo sobre o corpo


do trabalhador, que por si só não corrigem o factor de risco; servem
apenas como barreiras entre o perigo e o trabalhador.

PROTECÇÃO DA CABEÇA

A cabeça deverá ser adequadamente protegida perante o risco de:


 Queda de objectos pesados;
 Pancadas violentas;
 Protecção de partículas.

A protecção da cabeça obtém-se mediante o uso de capacetes de


protecção, os quais devem apresentar elevada resistência ao impacto
e á penetração.

22
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

PROTECÇÃO DOS OLHOS E DO ROSTO

Os olhos constituem uma das partes mais sensíveis do corpo, onde os


acidentes podem atingir a maior gravidade.
Os olhos e o rosto protegem-se com óc
ulos e viseiras apropriados, cujos vidros deverão resistir ao choque, à
corrosão e às radiações.

Os olhos deverão estar devidamente protegidos contra:

 Produtos agressivos;
 Projecções de partículas;
 Irritações provocadas por gases, vapores corrosivos e fumos
de soldadura;
 Radiações (soldadura, corte, curto-circuito).

23
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
PROTECÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS

A atmosfera dos locais de trabalho encontra-se muitas vezes


contaminada em virtude da existência de agentes químicos
agressivos tais como: gases, vapores, neblina e poeiras.

A protecção das vias respiratórias é feita através dos chamados


dispositivos de protecção respiratória (máscaras).

Os filtros anti-gás (também designados por filtros químicos)


destinam-se à retenção de gases e vapores do ar.

Os filtros físicos ou mecânicos são usados na protecção contra


partículas em suspensão no ar.

Existem ainda os filtros combinados ou mistos, que se destinam à


retenção de partículas sólidas e/ou líquidas, bem como gases e
vapores do ar.

24
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
PROTECÇÃO DOS OUVIDOS

Falámos já anteriormente do ruído e dos malefícios que provoca nos


trabalhadores.

A protecção individual para o ruído, faz-se através de auriculares


(tampões dos ouvidos) ou auscultadores.

PORTECÇÃO DO TRONCO

O tronco é protegido através do vestuário, que pode ser


confeccionado em diferentes tecidos.

O vestuário deve ser cingido ao corpo para evitar a prisão pelos


órgãos em movimento.

Os principais riscos a evitar utilizando a protecção do corpo são:

 Térmicos: calor, projecções incandescentes;


 Radiacções durante a soldadura;
 Projecção de produtos agressivos.

25
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

PROTECÇÃO DOS PÉS E MEMBROS INFERIORES

A protecção dos pés é essencial quando existe a probabilidade de


queda de materiais, efeitos térmicos, químicos ou eléctricos.
Nomeadamente:

 Esmagamento e traumatismo por queda de materiais;


 Perfurações da planta dos pés;
 Escorregamentos;
 Queimaduras.

Os trabalhos em meios húmidos implicam a utilização de botas de


borracha de cano alto (galochas).

No caso de queda de materiais, deverão ser usados sapatos ou botas


revestidos inferiormente com biqueiras de aço.

26
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
PROTECÇÃO DAS MÃOS E DOS MEMBROS SUPERIORES

Os ferimentos nas mãos constituem o tipo de lesão mais frequente


que ocorre nas oficinas, daí a necessidade da sua protecção.
Como dispositivos de protecção individual usar-se-ão luvas.

Elas evitam essencialmente:


 Perigos mecânicos: choques, pancadas, esmagamentos,
contusões, perfurações, golpes;
 Riscos térmicos: calor, projecções, frio;
 Riscos químicos: contacto ou projecção de produtos
perigosos.

SIMBOLOS DE EPI´S

27
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
12. SEGURANÇA NA ESTRADA

CINTO DE SEGURANÇA

Em caso de colisão, o cinto de segurança aumenta em 50% a


protecção dos passageiros.

O cinto de segurança,faz parte das condições de segurança do carro.


Se o carro andar a 20km por hora e colidir, a sua cabeça será
projectada a cerca de 20km por hora contra o pára-brisas. É o
suficiente para provocar a perfuração do globo ocular. Portanto, o
uso do cinto de segurança é necessário mesmo em baixa velocidade
Imagine, agora, o que pode acontecer a 50, 80 ou 100km por hora.

28
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Conduzir sempre com atenção e respeitar as regras de trânsito e
os outros condutores.

• Em caso de acidente ou algum problema mecânico, eléctrico ou


furo no pneu, procure remover o veículo da estrada para a berna,
ligue os quatro piscas e use o triângulo.
• Mantenha uma distância segura do veículo que vai na frente.
• Em caso de chuva ou nevoeiro, use faróis baixos e dirija com muita
atenção.
• Nunca ultrapassar pela direita.
• Respeite os limites de velocidade.

29
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Carro
Antes de viajar, verifique:

 Documentos – Carta de condução, Bilhete de Identidade e


registo de propriedade, Livrete e Seguro Obrigatório em dia.
 Faróis, extintor de incêndio (verifique se está carregado).
 Pneus, stefan, "macaco" e chave de roda.
 Freios, suspensão e travões.
 Combustível e óleo.
 Colete Reflector.

30
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
No Carro

 Colocar sempre o Cinto de segurança;

Onde estiver, tenha cuidado com o carro. Não existem locais


totalmente seguros.

 Nunca deixar documentos, talões de cheques, objectos de


valor dentro do carro.
 Ao sair do carro mesmo que por alguns minutos, levantar os
vidros, fechar as portas e se possível ligar o alarme.
 Nunca deixar as chaves dentro do carro.
 Estacionar em locais vigiados por pessoas e se possível em
locais iluminados e visíveis.
 Procure usar dispositivos de segurança como: sistema de
alarme,etc.
 Não jogar lixo pela janela do carro.
31
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
13. COMO PREVENIR UM INCÊNDIO

O que é um incêndio?

O fogo é uma forma de combustão.

O fogo só por si não é perigoso. Os problemas começam quando se


perde o controlo do fogo e surge um incêndio. O fogo quando não é
controlado pode ser uma calamidade.

32
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

Classes de Fogos

Madeira, Papel,
Classe A Sólidos Cortiça, Tecidos,
PVC,...

Álcool, Gasolina,
Classe B Líquidos
Éter, Óleo, Azeite,...

Butano, Propano.
Classe C Gases Acetileno,
Hidrogénio,...

Sódio, Potássio,
Classe D Metais e outros Magnésio,
Radioactivos,...

33
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
EXTINTORES

Para ajudar no combate de pequenos focos de incêndio, foram


criados os extintores.

Atenção: há vários tipos de extintores de incêndio, cada um


contendo uma substância diferente e servindo para diferentes classes
de incêndio. Vamos conhecê-los.

Extintor com água pressurizada

É indicado para incêndios de classe A (madeira, papel, tecido,


materiais sólidos em geral).

A água age por resfriamento e abafamento, dependendo da maneira


como é aplicada.

Extintor com gás carbónico


Indicado para incêndios de classe C (equipamento eléctrico), por não
ser condutor de electricidade. Pode ser usado também em incêndios
de classes A e B.

Extintor com pó químico seco


Indicado para incêndio de classe B (líquido inflamáveis). Age por
abafamento. Pode ser usado também em incêndios de classes A e C.

34
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

O fogo começa sempre em pequenos focos. Diante deste facto, é


importante que algumas regras básicas sejam observadas para evitar
grandes catástrofes:

Avisar a chefia imediatamente;

Procure impedir a propagação do


fogo, combatendo as chamas no
estágio inicial;

Utilize o equipamento adequado


de combate ao fogo;

Não hesite em usar o extintor,


seguindo as instruções que ele
traz;

Nunca utilize água ou espuma


em material eléctrico.

35
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Não use água

Em fogo de classe C (material eléctrico), porque a água


é boa condutora de electricidade, podendo aumentar o
incêndio.

Em produtos químicos, tais como pó de alumínio,


magnésio, carbonato de potássio, pois com a água
reagem de forma violenta.

Recomendações

Aprenda a usar os extintores de incêndio.

Conheça os locais onde estão instalados os extintores


e outros equipamentos de protecção contra fogo.

Nunca obstrua ,o acesso aos extintores.

Não retire as etiquetas ou selos colocados no corpo


dos extintores.

Não mexa nos extintores de incêndio, a menos que


seja necessária a sua utilização ou revisão periódica.

36
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
REGRAS PARA EVITAR INCÊNDIOS

Não use cestos de lixo como cinzeiros.

Não jogue pontas de cigarro pela janela, nem as deixe sobre


armários, mesas, prateleiras, etc.

Respeite as proibições de fumar e acender fósforos em locais


sinalizados.

Evite o acumulo de lixo em locais não apropriados.

Coloque os materiais de limpeza em recipientes próprios e


identificados.

Mantenha desobstruídas as áreas de saída e não deixe, mesmo que


provisoriamente, materiais nas escadas e nos corredores.

Não deixar os equipamentos eléctricos ligados após sua utilização.


Desligar da tomada.

Não cubra fios eléctricos com o tapete.

Ao utilizar materiais inflamáveis, faça-o em quantidade mínimas,


armazenando-os sempre na posição vertical e na embalagem
original.

37
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Não improvise instalações eléctricas, nem efectuar consertos em
tomadas e interruptores sem que esteja familiarizado com isso.

Não sobrecarregue as instalações.

Verifique, antes de sair do trabalho, se os equipamentos eléctricos


estão desligados.

Observe as normas de segurança ao manipular produtos


inflamáveis ou explosivos.

38
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
14. REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA

Nunca operar qualquer


equipamento/máquina, se não
estiver autorizado;

Todos os dispositivos de
segurança foram
projectados para proteger
funcionários em situações
de emergências e riscos.
Utiliza-los sempre
correctamente;

Quando estiver a executar


serviço de manutenção numa
máquina / equipamento:

- Desligar sempre o quadro


eléctrico geral, para evitar que
qualquer colega accione a
máquina, sem perceber que um
outro está executar manutenção
e com isso acarretar acidentes.

- O botão de segurança (Pára),


que se encontra desligado
(máquina parada), só deverá ser
novamente ligado, após a
verificação, do porquê da
máquina / equipamento estar
desligada.

39
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Quando desligar o quadro
eléctrico geral, pendure na porta
do painel uma placa de
advertência, para avisar aos
demais que se está executar
serviço de manutenção;

Nunca voltar ligar uma


máquina/equipamento que
parou sem um motivo aparente.
Procure antes conhecer a(s)
causa(s) real(is). Um
accionamento não previsto
poderá causar um acidente e
para se evitar isso, todos devem
ser avisados, com antecedência,
de intenção de ligar a máquina /
equipamento;
Antes de operar uma
máquina/equipamento verifique
sempre se não existem pessoas,
ferramentas ou peças ao redor /
entre / sobre os seus
componentes.

Antes de ligar uma


máquina/equipamento retirar
das proximidades da mesma
todos os materiais já utilizados,
ferramentas, isto é, limpe,
ordene e organize;

40
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Siga cuidadosamente as orientações de segurança e prevenção de
incêndio, quando manusear líquidos inflamáveis.

41
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
15. HIGIENE PESSOAL

O conceito de higiene pessoal refere-se ao estado geral de limpeza do corpo


e da roupa das pessoas.

• Manter um nível adequado de limpeza pessoal ao nível do corpo,


uniforme e calçado;
Tenha sempre em
mente que a higiene
pessoal é essencial ao
bem estar geral.

É preciso lembrar que os funcionários tendem a agir em conformidade com


o ambiente existente na empresa: instalações limpas incentivam as práticas
de limpeza por parte de todos os que nela trabalham.
Lavagem de mãos

A lavagem das mãos deve ser frequente e de forma correcta. Deve ser
realizada num lavatório de uso exclusivo para esse fim, com comando não
manual. Junto a este deverá estar disponível um sabonete líquido
bactericida (ou um sabonete líquido e um desinfectante), assim como
toalhas de papel descartáveis;

Roupas e sapatos

A roupa e outro material de uso pessoal utilizado fora do local de trabalho,


devem ser deixados no vestiário. Durante o período de trabalho apenas se
podem usar peças de roupa da farda;

42
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
16. ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA

Manter o chão, corredores,


equipamentos e pátios livres de lixo,
deitar o lixo nos recipientes próprios
conservar tudo limpo;

Mantenha as áreas destinadas para o


armazenamento de latas de tintas,
bidões de óleos, panos,
equipamentos, ferramentas e outros
materiais, tudo na mais perfeita
ordem e organização.

43
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
17. SINALIZAÇÃO

Durante a realização dos trabalhos, todos os trabalhadores na


empresa deverão ter perfeito conhecimento da sinalização de
segurança.

SINAIS DE EQUIPAMENTO DE COMBATE A INCÊNDIOS

Assinala a localização de Meios de Combate a Incêndios:

Extintor Botoneira de
Alarme

44
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
SINAIS DE PROIBIÇÃO

Passagem
Proibida a
Proibida a
Proibição de Entrada a Proibição de
Veículos de
Fumar Pessoas Não Fazer Lume
Movimentos de
Autorizadas
Cargas

SINAIS DE ADVERTÊNCIA DE PERIGO

Veículo de
Substâncias Perigo de
movimentação
Tóxicas Electrocussão
de cargas

45
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

Substâncias
Perigos Varios
Inflamáveis

SINAIS DE OBRIGAÇÃO

Protecção dos Protecção dos Protecção dos


Olhos Pés Ouvidos

Protecção do Protecção das


Protecção das Protecção da
Rosto Vias
Mãos Cabeça
Respiratórias
46
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
18. RESUMO

Trabalhar com consciência máxima de segurança em qualquer local


onde se encontre;
Regras
Todas as regras de segurança devem ser lidas, entendidas e
cumpridas;
Atenção
Ficar atento, para qualquer anormalidade que encontre no seu local
de trabalho;
Sinalização
Cumprir todas as placas de sinalização e advertência.
Dúvidas
Quando tiver qualquer dúvida sobre a execução do seu trabalho com
segurança, procurar o seu superior hierárquico.

47