Você está na página 1de 73

Grande Sertão:

Arquiteturas

Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel


Apresentação 1.Introdução

2.Cidades

3.Edifícios

4.Preservação

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Introdução

Sertão é isto: o senhor empurra para trás,


mas de repente ele volta a rodear o
senhor dos lados.
Sertão é quando menos se espera.
Grande Sertão: ROSA, J.G. Grande sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Do latim "sertanus",
que significa área deserta ou desabitada

• Polígono das Secas.

• A escassez e a distribuição irregular das chuvas


nessa área devem-se, sobretudo, à dinâmica
das massas de ar e, também à influência do
relevo.

• Caatinga (do tupi: ka'a [mata] + tinga [branca]


= mata branca)

• Cultura

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
A colonização do interior do
território brasileiro foi muito
lenta

• Os portugueses instalaram-se
inicialmente no litoral, onde se
explorava a economia agroaçucareira
nos séculos XVI e XVII.

• O gado penetra no interior por meio


de duas correntes, que adentravam no
território seguindo os cursos dos rios:
(1) a dos “sertões de fora”, que
partiam da capitania Pernambuco
formou os atuais estados da Paraíba,
Rio Grande do Norte e parte do Ceará
e do Piauí;
(2) a dos “sertões de dentro” que
partiam da Bahia e povoaram
territórios hoje correspondentes a
Bahia, Ceará, Piauí e Maranhão
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades

[...] Estive nessas vilas, velhas, altas


cidades... Sertão é o sozinho.
Grande Sertão: ROSA, J.G. Grande sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades de conquista do interior Cidades e a pecuária

• A pecuária é uma atividade


extensiva, extremamente fluida,
com uma baixa produtividade e
rentabilidade - se comparada à
produção açucareira - e uma
reduzida capacidade de
acumulação

• por onde circulavam as boiadas


e onde estavam as vilas de
brancos.

• Por outro lado, as distâncias


eram grandes e os percursos
impiedosos. Nas grandes
travessias do sertão para o
abastecimento da zona do
açúcar, perdiam-se muitas
cabeças de gado
Grande Sertão: Fonte: JUCÁ NETO, 2009
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades de conquista do interior
•As cidades fundadas ao longo dos cursos dos rios nos Sertões possuíam também um papel de manutenção e
ampliação das fronteiras territoriais.

•Elas se localizam entre dois mundos, o do conquistador e o dos adversários, sejam estes povos igualmente
conquistadores ou nativos.

•A fronteira assume, ainda, um caráter simbólico entre o mundo conhecido e razoavelmente dominado e o mundo
desconhecido, de uma natureza inóspita, impenetrável.

Grande Sertão: Foto: Ana Paula Gurgel, 2012


Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades de conquista do interior

Esquematicamente, a gênese dos centros urbanos do Rio Grande do


Norte se inicia pela fazenda. O termo se aplica exclusivamente a
um pequeno conjunto de edifícios destinado à criação de gado.
Ele se torna comum, principalmente desde o início do século XVIII,
com o processo de penetração do interior, que é efetuado graças à
pecuária, forma predominante de ocupação do território.
Quando as fazendas de um lugar determinado reúnem indivíduos
em númerouficientemente grande, elas podem iniciar um
arruado, isto é uma primeira rua, formada pelos ranchos ou
choupanas, casinhas simples, humildes, frequentemente com teto
de palha.

O termo arruado, empregado como adjetivo, significa igualmente


“disposto em ruas”. No Rio Grande do Norte, arruado adquire
normalmente o primeiro sentido, isto é, o de uma primeira rua de
uma aglomeração nascente. Fazenda Trigueiro em 2005. Pereiro, Ceará
(TEIXEIRA, 2003; p. 54) Fonte - http://www.flickr.com/photos/53023424
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades de conquista do interior

Grande Sertão: Foto: Desenho de J.Clewton, 2014


Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Cidades de conquista do interior
Segundo Reis Filho (2004):
Tal como na tradição urbanística
de Portugal, nossas vilas e cidades
possuíam:
• Aspecto uniforme
• Prédios construídos sobre o
alinhamento das vias
públicas e paredes laterais
sobre os limites do terreno.
• Ou eram rurais ou urbanas
• Lotes estreitos e profundos
• Eram os edifícios que
definiam as ruas – não seria
possível pensar ruas sem
prédios

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
• A uniformidade do terreno
correspondia à uniformidade
dos partidos arquitetônicos: as
casas eram construídas de forma
uniforme e, em certos casos, essa
padronização era fixada em Cartas
Régias ou em posturas municipais.

• Dimensões e números de
aberturas, altura dos pavimentos e
alinhamentos com as edificações
vizinhas foram exigências
correntes no século XVIII.

• Revelam uma preocupação formal


cuja finalidade era manter o
aspecto português nas vilas
brasileiras.

Grande Sertão: Foto: Eudes Raony, 2011


Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Edifícios

O sertão é sem lugar.


[...]O sertão é confusão em grande
demasiado sossego.
Grande Sertão: ROSA, J.G. Grande sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Colônia Império República
(1500-1822) (1822-1889) (1889-presente)

• Colonização e ocupação do • Primeiro reinado • Primeira República (1889-1930)


território • Período regencial “Café com Leite”
• União Ibérica (1580-1640) • Segundo reinado • Era Vargas (1930-1945)
• Invasão holandesa (1630-1654) • Libertação dos escravos • República Nova (1945-1964)
• Mudança da Corte e Abertura • Regime Militar (1964-1985)
dos Portos • Nova República (1985-presente)

 INDÍGENA  ECLÉTICO  PROTOMODERNO


- Neogótico
 COLONIAL - Neobarroco francês  MODERNISMO
- Renascentista - Neomourisco
- Barroca / Rococó - Neocolonial  PÓSMODERNISMO
- Art Nouveau
• NEOCLÁSSICO  CONTEMPORANEIDADE

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

De acordo com o Inventário de uma herança ameaçada: registro e estudo de centros históricos do Seridó,
as características exteriores dominantes no Nordeste para este estilo são:

• Construção alinhada sobre a testada do lote; a relação do edifício com o lote é, portanto, quase sempre SEM RECUO ou, às vezes,
com RECUO LATERAL ou BILATERAL;
• Caixa mural inteiriça (volumetria SIMPLES);
• Cobertura com 2 ÁGUAS paralelas à fachada principal, em telhas cerâmicas de "capa e canal", as chamadas telhas coloniais, usadas
até hoje, sendo que maiores e mais espessas, seus beirais avançando sobre a fachada, apoiados em cornija; EMPENAS LATERAIS que
se aproximam dos 45° e paredes muito espessas (+ ou - 0,50m);
• Nas fachadas principais, CHEIOS predominam sobre VAZIOS com vãos SEMELHANTES e dispostos a intervalos REGULARES, sendo
uma ou duas portas nas extremidades da fachada
• Se uma só porta, uma ou mais janelas são dispostas em um dos lados da porta, se duas portas, podem existir ou não existir janela(s)
entre elas;
• Vergas RETAS ou em ARCO ABATIDO; molduras de pedra ou reboco acompanham, geralmente, o contorno do vão;
• Superfícies da fachada entre os vãos, rebocadas e caiadas, sem adornos de qualquer espécie;
• Predominância de simetria, linhas e planos horizontais.
(TRIGUEIRO & CAVALCANTI, [s.d]; s.p)

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Rugendas registrou no
século XIX o modelo da
habitação brasileira
mais elementar.
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Igreja de
Nossa
Senhora do
Carmo,
Olinda, 1720
Foto: Ana Paula Gurgel, 2013

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Igreja de Santo Antônio


(Igreja do Galo), Natal/RN,
1766.

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Igreja de Nossa
Sra. do Rosário,
Acari - RN.

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Igreja Matriz de
Nossa Senhora do
Rosário dos
Brancos, Aracati/CE

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Igreja de Nossa
Senhora da
Expectação - Icó/CE

Grande Sertão: Foto: Ana Paula Gurgel, 2012


Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Casario
de
Icó/CE
Foto: Ana Paula
Gurgel, 2012

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Sobrado de
Icó/CE
Foto: Analia Campos, 2012
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Casa de
Icó/CE
Foto: Ana Paula
Gurgel, 2012

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA COLONIAL

Teatro
Ribeira -
Icó/CE
Foto: Ana Paula Gurgel,
2012

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

De acordo com o Inventário de uma herança ameaçada: registro e estudo de centros históricos do Seridó,
as características exteriores dominantes no Nordeste para este estilo são:

• construção recuada em relação à testada do lote, os recuos podendo ser FRONTAL-LATERAL, FRONTALBILATERAL ou, menos
frequentemente apenas FRONTAL
• caixa mural apresenta volumetria SIMPLES ou COMPOSTA por AJUNTAMENTO, INTERPENETRAÇÃO e/ou JUSTAPOSIÇÃO;
• coberturas, em DUAS, QUATRO ÁGUAS, recobertas de telhas cerâmicas planas, as chamadas "telhas francesas" ou de "capa e
canal"; com empenas FRONTAIS, LATERAIS ou ENCOBERTAS por platibandas; destacam-se, elementos decorativos nas platibandas
que são frequentemente recortadas em linhas sinuosas e, mais tardiamente, em recortes escalonados;
• na modenatura das fachadas predominam CHEIOS sobre VAZIOS, embora a presença de elementos decorativos, geralmente
adornos em massa ou estuque, contribua para disfarçar a continuidade dos cheios;
• vãos SEMELHANTES ou DISTINTOS, dispostos a intervalos regulares ou irregulares nas fachadas;
• vergas RETAS, em ARCO PLENO, em ARCO OGIVAL, RECORTADAS, MISTAS; molduras em reboco acompanhando o contorno do vão
ou a eles acrescentando elementos decorativos no topo e laterais;
• superfícies da fachada entre os vãos, preenchidas com adornos segundo a(s) inspiração(ções) estilística(s) adotada(s);
• predominância de assimetria (exceto nos casos de forte influência neo-clacissista) e de linhas e planos verticais.
(TRIGUEIRO & CAVALCANTI, [s.d]; s.p)

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Casario – Icó/CE
Foto: Ana Paula Gurgel, 2012

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Casario

Quixadá/
CE
Foto: acervo
NIPHAS, 2012

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Foto: Felipe Musse, 2012

Chalé da pedra –
Quixadá/CE
Foto: Ana Paula Gurgel, 2012
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Museu – Quixadá/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2012


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Casa – Crato/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2008


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Casa – Crato/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2008


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Prefeitura-
Paus dos
Ferros/RN

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Podemos ainda dizer que a passagem do Neoclassicismo para o Ecletismo


é um processo gradual, gerado no interior da Academia.

Até os anos 1870, ainda podemos ver edifícios rigorosamente


neoclássicos.

Durante o século XIX, no Brasil o ecletismo foi apoiado e influenciado de


maneira acadêmica pela Academia Imperial de Belas Artes , e pela Escola
Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro.

A partir daí, o ecletismo vai aparecer, de maneira quase absoluta, até os


anos 1930, deixando pouco espaço para outras manifestações como o Art
Nouveau, o Neocolonial e as poéticas pré-modernas do Classicismo Tardio
e do Art Déco

Loja (atualmente) –
Caruaru/PE
Foto: Rodrigo Macedo, gentilmente cedido por Amanda Casé
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA

Catedral –
Fortaleza/CE

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA ECLÉTICA
• O neocolonial, naquela
época chamado de
“tradicionalismo” ou
“colonialismo” – este
último termo ainda não
tendo tomado a
conotação política
negativa atual.

• Usavam os elementos
decorativos do período
colonial em harmonia
compositiva

Casa – Crato/CE
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Quanto à tipologia dos edifícios desta época, explica Ramos (1999) acerca do bairro Petrópolis, Natal/RN, que:
a) Volumetria: pode ser simples ou composta por interpenetração ou ajuntamento (volumes lado a lado).
b) Cobertura: telhados ora aparentes, cobrindo partes diversas de uma volumetria complexa, ora encobertos por
platibandas, quando em volumetrias mais simplificadas. Utilização de telha canal.
c) Superfícies: rebocadas e pintadas, com poucos exemplares apresentando textura irregular, frisos ou imitação de blocos
de cimento. Menos decoração superficial em relação a linguagem eclética, mas ainda apresentando “ornatos retilíneos”
(REIS FILHO, 1995: p.68). Presença mais freqüente de elementos vazados.
d) Vãos e cercaduras: alguns exemplares apresentam cercaduras em argamassa ou cerâmica em volta dos vãos das
esquadrias. Vergas sempre retas e sem molduras decorativas. (RAMOS,1999; p. 68 e 69)

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Banco Caixeiral –
Crato/CE
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Casa – Crato/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2008


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Casa – Crato/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2008


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Biblioteca Municipal
Felix Araújo – Campina
Grande/PB

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Residência –
Caruaru/PE
Foto: Rodrigo Macedo,
gentilmente cedido por
Amanda Casé
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Igreja do Cristo Rei;


inaugurada em 1958
pelo bispo Dom
Severino Mariano de
Aguiar – Pesqueira-PE
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA PROTOMODERNISTA

Rádio Jornal de
Garanhuns/PE

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

De acordo com o Inventário de uma herança ameaçada: registro e estudo de centros históricos do Seridó,
as características exteriores dominantes no Nordeste para este estilo são:

• edifício recuado em relação à testada e freqüentemente aos limites laterais do lote, demarcados por elementos que não obstruem
ou obstruem apenas minimamente sua visibilidade a partir da rua;
• caixa mural formada por volumes SIMPLES ou mais comumente COMPOSTOS, JUNTOS, INTERPENETRANTES, JUSTAPOSTOS,
cobertos por número variado de ÁGUAS (inclusive UMA ÁGUA), freqüentemente ENCOBERTAS por platibandas RETAS às vezes
conformando empenas INVERTIDAS;
• os telhados podem ser de telhas de "capa e canal" sobre madeirame ou sobrepostas diretamente às lajes, o que permite declives
mais suaves ou, ainda, de cimento amianto com mínima angulação; ocorrem, embora raras, coberturas em lajes planas;
• nas fachadas predominam os VAZIOS sobre os CHEIOS;
• os vãos tendem a ser mais largos que altos, SEMELHANTES ou DISTINTOS, dispostos a intervalos IRREGULARES e freqüentemente
ocupando a maior parte das fachadas; as vergas são quase sempre RETAS sobre janelas predominantemente longitudinais; vazios
são, ainda, freqüentemente fechados por elementos vazados (cobogós e brise-soleils);
• as superfícies dos cheios podem ser rebocadas e pintadas ou revestidas por cerâmica, azulejo e pedra, com destaque para as
chamadas "pedras de parelhas";
• predominância de assimetria, de prismas horizontais e de planos e linhas horizontais e diagonais.
(TRIGUEIRO & CAVALCANTI, [s.d]; s.p).

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

Casa – Crato/CE

Foto: Ana Paula Gurgel, 2008


Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

Casa – Crato/CE
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

Casa – Paus dos


Ferros/RN
Foto: Daniel Paulo, 2016
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

Casa – Campina
Grande/PB
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
ARQUITETURA MODERNISTA

Casa – Campina
Grande/PB
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Preservação

[...]Só que o sertão é grande ocultado


demais.
Grande Sertão: ROSA, J.G. Grande sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
PPATRIMÔNIO
atrimônio
História cultura
antigo h er a nça
cidadania
passado
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
a cidade não
para
a cidade só
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Processos de:
Processos de
esquartejamento
museificação
embanheiramento estupro
curetagem
pastiche assepsia
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
No corredor da morte...

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
A Exceção e a Regra
Estranhem o que não for estranho.
Tomem por inexplicável o habitual.
Sintam-se perplexos ante o cotidiano.
Tratem de achar um remédio para o abuso.
Mas não se esqueçam de que o abuso é sempre a regra.
Bertold Brecht

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2008
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Daniel Paulo, 2016
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: acervo NINPHAS, 2012
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2010
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Foto: Ana Paula Gurgel, 2012
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
Descansem
em paz...

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas
GURGEL, Ana Paula Campos. Crato: formação e transformações morfológicas do seu centro histórico. 2008. 213f. Trabalho Final de Graduação (Graduação em
Arquitetura e Urbanismo) – Departamento de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

JUCÁ NETO, Clovis Ramiro. Primórdios da Rede Urbana Cearense. In Mercator - Revista de Geografia da UFC, ano 08, número 16, 2009. p. 77 -102. Disponível em:
<http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/viewFile/40/223>.
REIS FILHO, Nestor Goulart . O quadro da arquitetura no Brasil. 10ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

_____. As principais cidades e vilas do Brasil – importância da vida urbana colonial. In: Revista Oceanos. A construção do Brasil Urbano. Nº41, jan./mar. 2000. p.
60-69.

______. Contribuição ao estudo da evolução urbana do Brasil (1500 / 1720) - 2º ed. Ver. E ampl. – São Paulo : Pini, 2000.

SANTOS, Paulo. A formação de cidades no Brasil colonial. 2ªed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/IPHAN, 2002. 182p.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Pecuária e formação do mercado interno no Brasil-colônia. Disponível em: http://www.redcapa.org/Dowloads

TEIXEIRA, Rubenilson Brazão. Os nomes da cidade no Brasil Colonial. Considerações a partir da capitania do Rio Grande do Norte. In Mercator - Revista de
Geografia da UFC. Fortaleza: a. 2, n. 3, p. 53-60, 2003. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/>. Acesso em: 24 out. 2008.

TRIGUEIRO, Edja. CAVALCANTI, Alâni Fabíola. Inventário de uma herança ameaçada: registro e estudo de centros históricos do Seridó. Morfologia e Usos da
Arquitetura (Basede Pesquisa). Departamento de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, [s.d]. Disponível em:
<http://www.musa.ct.ufrn.br/bdc>. Acesso em: 08 out. 2008.

Grande Sertão:
Profª Drª Ana Paula Campos Gurgel
Arquiteturas