Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – Faculdade de Engenharia

Transmissão de calor

3º Ano

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 1


Aula Prática-2
 Sperfícies extendidas

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 2


Problema -8.1(I)
O tubo de um sistema de
aquecimento apresentado na figura
abaixo, contém 200 alhetas por
unidade de comprimento. Compare o
calor libertado pelo tubo sem alhetas
e com alhetas. Determine a eficiencia
da alheta. O coeficiente de troca de
calor por convecção é de 50
W/m°C e a condutibilidade térmica
da alheta é de 142 W/m°C

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 3


Problema -8.1 (Resolução I)
Assumim-se:
1. Escoamento estacionário;
2. O coeficiente de troca dde calor constante em toda alheta;
3. A condutinbilidade térmica é constante;
4. Desprezamos a transferência de calor por radiação.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 4


Problema -8.1 (Resolução II)
No caso de não existência de alhetas o calor libertado do tubo
será:
Asa   D1L   (0,1 m)(1 m)  0,314 m2
Qsa  hA sa (Tb  T )  (50 W/m2 .C)(0,314 m 2 )(190  30)C  2513, 27 W

No caso de existência de alhetas no tubo, o calor libertado de


uma alheta determina-se de:
Qalh  alh Qalh,max  alh hAalh (Tb  T )
Onde a área da alheta determina-se de:
Aalh  2 (r22  r12 )  2 r2t  2 (0,062  0,052 )  2 (0,06)(0,002)  0,00766 m2

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 5


Problema -8.1 (Resolução III)
O rendimento da alheta determina-se do ábaco:
D2  D1 0,12  0,1
L   0, 01 m
2 2

t 0, 002
r2  0, 06 
2 2  1, 22
r1 0, 05

 t h 0, 002 50
 L   0, 01   0,146
 2  kt 2 142  0, 002

alh  0,94

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 6


Problema -8.1 (Resolução IV)
E resulta que:
Qalh  alhQalh hAalh (Tb  T )
Qalh  0,96(50 W/m 2 .C)(0, 00766 m 2 )(190  30)C
Qalh  58,82 W

O calor libertado de uma secção sem alhetas do tubo


determina-se de:
A0   D1s   (0,1 m)(0,004 m)  0, 00125 m2
Q0  hA0 (Tb  T )  (50 W/m2 .C)(0, 00125 m 2 )(190  30)C  10, 05 W

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 7


Problema -8.1 (Resolução V)
O calor total libertado do tubo será:
Qtotal  n(Qalh  Q0 )  200(58,82  10,05)  13770 W

Onde n é o número de alhetas

A diferença do calor libertado no tubo com alhetas e sem


alhetas será:
Q  Qtotal,alh  Qsa  13770  2513, 27  11256,73 W

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 8


Problema -8.2 (I)
Água quente flui numa conduta
de 6 m de comprimento e 3 cm
de diâmetro que passa no centro
de uma parede de 16 cm de
espessura. Determine a taxa de
transferência de calor do tubo
para o ambiente e a queda de
temperatura da água no tubo. A
condutibilidade térmica da
parede k = 0,45 W/m°C e a
água flui a 6 m/s.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 9


Problema -8.2 (Resolução I)
Assumim-se:
1. Escoamento estacionário;
2. A condutinbilidade térmica é constante;
3. A temperatura da superfície do tubo é igual a da água quente.

O factor de forma para tubo circular é tabelado:


2 L 2 (6 m)
S   19, 68 m
 8z   8(0, 08 m) 
ln   ln  
  D    (0, 03 m) 

A taxa de transferência de calor através do tubo será:


Q  Sk (T1  T2 )  (19,68 m)(0, 45 W/m.C)(70  22)C  425,08 W

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 10


Problema -8.2 (Resolução II)
Tendo em conta as propriedades da água no ambiente, a queda
de temperatura da água no comprimento do tubo será:

Q  mC p T
Q Q Q
T   
mC p VC p VAcC p
425, 08 J/s
T   0, 24C
  (0, 03 m) 
2
(1000 kg/m3 )(0, 6 m/s)   (4180 J/kg.C)
 4 

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 11


Problema -8.3 (I)
Dois tubos de ferro fundido com 5 m de comprimento são
conectados através de duas flanges de 1 cm de espessura
expostas ao ambiente. Determine a temperatura da superfície
externa do tubo, a eficiencia da alheta e o calor transferido das
flanges. A condutibilidade térmica do ferro fundido k = 42
W/m°C. Os coeficientes de transferência de calor para o vapor
e o ar são de 180 W/m°C e 30 W/m°C respectivamente.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 12


Problema -8.3 (II)

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 13


Problema -8.3 (Resolução I)
Assumim-se:
1. Escoamento estacionário;
2. A temperatura ao longo das alhetas varia na direcção normal
do tubo;
3. A condutinbilidade térmica é constante;
4. A temperatura da superfície do tubo é igual a da água
quente;
5. O coeficiente de troca de calor considera os efeitos da
radiação.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 14


Problema -8.3 (Resolução II)
Trataremos as flanges como alhetas. As resistências térmicas
parciais determinam-se de:
Ai   Di L   (0,1 m)(5 m)  1,57 m 2
Ao   Do L   (0,12 m)(5 m)  1,88 m 2
1 1
Ri    0, 0035 C/W
hi Ai (180 W/m .C)(1,57 m )
2 2

ln(r2 / r1 ) ln(6 / 5)
Rcond    0, 00014 C/W
2 kL 2 (42 W/m.C)(5 m)

1 1
Ro    0, 0177 C/W
ho Ao (30 W/m .C)(1,88 m )
2 2

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 15


Problema -8.3 (Resolução III)
A resistência térmica total será:
Rtotal  Ri  Rcond  Ro  0,0035  0,00014  0,0177  0,0214 C/W

A taxa de transferênmcia de calor determina-se de:

T1  T 2 (180  10)C


Q   7943,9 W
Rtotal 0,0214 C

A temperatura na superfície externa do tubo será:


T2  T 2
Q
Ro
T2  T 2  QRo  10 C  (7943,9 W)(0, 0177 C/W)  150, 6 C

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 16


Problema -8.3 (Resolução IV)
A eficiência determina-se do ábaco.
D2  D1 20  12
L   0, 04 m
2 2

t 0, 02
r2  0,1 
2 2  1,83
r1 0, 06

 t h
 L 
 2  kt
 0, 02  30
  0, 04    0,89
 2  42  0, 02

alh  0, 6

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 17


Problema -8.3 (Resolução V)
A área da alheta determina-se de:
Aalh  2 (r2 2  r12 )  2 r2t
Aalh  2 [(0,1 m)2  (0, 06 m) 2 ]  2 (0,1 m)(0,02 m)  0, 0527 m2

A taxa de transferência de calor através das flanges será:

Qalh  alh Qalh,max  alh hAalh (Tb  T )


Qalh  0, 6(30 W/m2 .C)(0, 0527 m 2 )(150, 6  10)C  133,37 W

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 18


Trabalho Para Casa 03

Compare as distribuições de temperaturas duma alheta cilíndrica


de 2 cm de diâmetro e de 10 cm de comprimento, que tem a
temperatura da sua base a 120 ºC e que perde calor por convecção
na sua extremidade, colocada num ambiente onde h = 25 W/m2 °C
e a temperatura média 25 °C, para três materiais diferentes: Cobre
(k=385 W/m°C), Aço inoxidável (k=17 W/m°C) e Vidro (k=0,8
W/m°C). Calcule também o fluxo de calor e compare a eficiência
da alheta para os três materiais.
Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 19
Trabalho Para Casa 03 (II)

Reproduza no mesmo gráfico as curvas de temperatura para os


três materiais diferentes, com um incremento no comprimento da
alheta de 1 cm.
Comente os resultados.
Enviar até as 5 horas de sexta-feira dia 3 de Abril de 2014 com o
“subject”: TPCT03

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 20