Você está na página 1de 123

3

4
vogais (a e i) e em fui, temos uma vogal e uma semivogal
LÍNGUA PORTUGUESA (u e y). As semivogais não constituem sílabas.
Assim:
PROFª. JOSÉ CARLOS FLAUZINO Vogal é o fonema produzido por uma corrente de
ar que passa livremente pela boca. Na língua
FONEMA portuguesa, a vogal é a base da sílaba. Os fonemas
vocálicos podem ser orais ou nasais. São orais quando o
ar sai exclusivamente pela boca, e nasais, quando o ar
A unidade básica da comunicação é a palavra que, sai simultaneamente pela boca e pelo nariz.
por sua vez, pode ser dividida em unidades menores,
como as sílabas e os sons.
Quadro de vogais nasais
Observe as palavras: bola – mola
Elas apresentam sons aproximados. No entanto, Vogal nasal Grafema com til Dígrafos
seus significados são diferentes. Cada uma delas Irmã, cãibra, Ambos, âmbito, antes,
/ã/
apresenta quatro sons diferentes: ―bê‖, ―o‖, ―lê‖, ―a‖; ―mê‖, mãe, mão. ânfora.
―o‖, ―lê‖, ―a‖. As unidades sonoras que constituem uma /ẽ/
Empuxo, êmbolo,
palavra são chamadas de fonemas e simbolizadas entre ensino, ênclise.
barras inclinadas: /b/ /o/ /l/ /a/. Impróprio, ímpio,
/ĩ/
interno, índio.
Funções do fonema Ombro, cômputo,
/õ/ Compõe, anões.
ontem, cônsul.
Como já constatado, as palavras ―bola‖ e ―mola‖ Umbigo, plúmbeo,
apresentam sons aproximados, mas significados /ũ/
unção, anúncio.
diferentes. Isso ocorre por causa da oposição existente
entre o fonema ―bê‖ e o fonema ―mê‖. Dessa forma,
Quadro de vogais orais
podemos afirmar que um fonema em oposição a outro
estabelece distinção entre palavras e que sozinho ou Vogal oral Grafema Exemplo
acompanhado de outros fonemas, constitui palavras. Na
escrita, os fonemas são representados por letras. /a/ a Aberto

/é/ e Era
Classificação das vogais
Leia este poema: /ê/ e Espaço

―Não digas nada! /i/ i Idade

Nem mesmo a verdade /ó/ o Obra

Há tanta suavidade em nada se dizer /ô/ o Ostra

E tudo se entender - /u/ u Uva

Tudo metade
As vogais ainda se classificam quanto ao timbre
De sentir e de ver... (abertas ou fechadas) e quanto à intensidade (átonas ou
Não digas nada tônicas).
Semivogal é o fonema produzido como vogal, mas
Deixa esquecer pronunciado fraco e por isso não constitui sílaba. A semivogal
sempre acompanha uma vogal. Na língua portuguesa, as
Talvez que amanhã semivogais i e u são representadas pelos símbolos /y/ e /w/
(iode e vau) respectivamente.
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
 Além desse três, há outros encontros vocálicos
Até onde quis
importantes:
Ser quem me agrada...
O agrupamento de uma semivogal entre duas
Mas ali fui feliz vogais. São os grupos aia, eia, oia, uia, aie, eie, oie, uie,
Não digas nada.‖ aio, eio, oio, uio, uiu, em qualquer lugar da palavra -
começo, meio ou fim.
(Não digas nada. Fernando Pessoa)
Eis alguns exemplos de palavras:

Nas palavras ali e fui do poema, a vogal i praia, ideia, joia, imbuia, arreio, arroio, balaio,
representa fonemas diferentes. Em ali, a vogal /i/ é feio, tuiuiú.
pronunciada forte; já na palavra fui, a vogal i é Foneticamente, ocorre duplo ditongo ou tritongo
pronunciada fraca. Isso ocorre porque em ali temos duas + ditongo, conforme o número de semivogais.

5
Representa-se o som de i com duplo Y: ay- ya, ey- Obs.: Há palavras que, mesmo contendo esses
ya, representando o "y-y" um fonema apenas, e não dois agrupamentos não sofrem sinérese nem diérese. Há de ter bom
como parece. A pronúncia do i é contínua em ambas as senso, no momento de se separarem as sílabas. Nas palavras
sílabas, sem o silêncio que caracteriza a mudança de rua, tia, magoa, por exemplo, é claro que só há hiato.
sílaba.
A palavra vaia, então, tem quatro letras (v - a - i - a)
Representação Representação
e quatro fonemas (/v/ /a/ /y/ /a/), sendo que o "y" pertence Letras Fonemas
gráfica fonética
às duas sílabas, não havendo, no entanto, silêncio entre
as duas no momento de pronunciar a palavra. /y/ boi boy
E-i
Foneticamente, há, então, dois ditongos: ay e ya. Já em (som de i) pães pãys
sequóia, há um tritongo (woy) e um ditongo (ya).
Na separação silábica, o i ficará na sílaba anterior: /w/ cão kãw
O-u
(som de u) touro towro
prai-a, mei- a, joi-o, mai-o, fei-o, im-bui-a, tui-ui-ú.
cantam kãtãw
O mesmo ocorre com a semivogal W: aua, aue, m* /y/ e /w/
sentem sẽtẽy
aui...
Pi-au-í = Representação fonética: Pi-aw-wi. Com o
n* /y/ Hífen ifẽy
"w" ocorre o mesmo que ocorreu com o "y", ou seja,
representa um fonema apenas e pertence a ambas as
sílabas, não havendo o silêncio entre elas no momento de
pronunciar a palavra. * São semivogais apenas nos encontros am, em e en,
em final de palavra.
Ocorrem, também, na Língua Portuguesa, encontros
vocálicos que ora são pronunciados como ditongo, ora como
hiato. Consoantes são fonemas que apresentam, durante
São eles: a produção, a cavidade bucal totalmente ou parcialmente
Sinérese = São os agrupamentos ae, ao, ea, eo, ia, ie, io, oa,
fechada, constituindo, assim, num ponto qualquer, um
oe, ua, ue, uo.
obstáculo à corrente expiratória.
Ca-e-ta-no, Cae-ta-no; ge-a-da, gea-da; Na-tá-li-a, Na-tá-lia; du-
e-lo, due-lo.
Diérese = São os agrupamentos ai, au, ei, eu, iu, oi, ui.
re-in-te-grar, rein-te-grar; re-u-nir, reu-nir; di-u-tur-no, diu-tur-no.

Papel das
cavidades Orais Nasais
orais e nasal
Construtivas
Oclusivas
Fricativas Laterais Vibrante
Papel das cor-
Surda Sonora Surda Sonora Sonora Simples Múltiplas Sonoras
das vocais
Bilabiais /p/ /b/ /m/

Labiodentais /f/ /v/

Linguodentais /t/ /d/ /n/

Alveolares /s/ /z/ /l/ /r/

Palatais /x/ /j/ /lh/ /nh/

Velares /k/ /g/ /rr/

6
 DÍGRAFOS Ditongo – é o encontro de uma vogal e uma
semivogal numa mesma sílaba. De acordo com a posição
Leia o seguinte trecho: da vogal na sílaba, pode ser crescente ou decrescente.
Os robozinhos para montar da série Bionicles, da
Lego, acabam de ser eleitos O Brinquedo do Ano por uma Crescente – SV + V Ex.: quase
associação de lojistas ingleses especializados em
Decrescente – V + SV Ex.: noite
produtos para crianças. Dotados de máscaras
intercambiáveis, eles lutam entre si dirigidos por controle
Tritongo – é o encontro de uma semivogal, uma
remoto. Você pode escolher tanto guerreiros, como
vogal e outra semivogal numa mesma sílaba.
monstregos em forma de caranguejo e escorpião.
(Superinteressante. Março de 2002) Ex.: Paraguai

Observe a correspondência entre sons e letras das Hiato – é o encontro de duas vogais. Como na
palavras grifadas: língua portuguesa há somente uma vogal numa sílaba, as
vogais do hiato formam sílabas distintas.
Robozinhos – 10 letras e 9 fonemas Ex.: lua, rainha
Escolher – 8 letras e 7 fonemas
Guerreiro – 9 letras e 7 fonemas  SEPARAÇÃO SILÁBICA

O número de letras não coincide com o número de Sílaba - conjunto de sons que pode ser emitido
fonemas. Nesse caso, temos quatro dígrafos. numa só expiração. Pode ser aberta ou fechada se
Dígrafo é um grupo de duas letras que terminada por vogal ou consoante, respectivamente.
representam um único fonema. Podem ser: Na estrutura da sílaba existe, necessariamente,
uma vogal, à qual se juntam, ou não, semivogais e/ou
Vocálicos: am e na – campo, caranguejo consoantes.
Assim, não há sílaba sem vogal e esse é o único
em e en – emprego, então fonema que, sozinho, forma sílaba.
im e in – assim e inteiro A maneira mais fácil para separar as sílabas é
pronunciar a palavra lentamente, de forma melódica.
om e on – ombro e ontem Toda consoante precedida de vogal forma sílaba
um e un – comum e presunto com a vogal seguinte. Merece a lembrança de que m e n
podem ser índices de nasalização da vogal anterior,
acompanhando-a na sílaba. (ja-ne-la, su-bu-ma-no, é-ti-
ou consonantais: lh (som lhê) – galho co, tran-sa-ma-zô-ni-ca; mas bom-ba, sen-ti-do)
Consoante inicial não seguida de vogal fica na
nh (som nhê) – banho sílaba seguinte (pneu-má-ti-co, mne-mô-ni-co). Se a
ch (som chê) – chuva consoante não seguida de vogal estiver dentro do
vocábulo, ela fica na sílaba precedente (ap-to, rit-mo).
qu (som quê) – querer Os ditongos e tritongos não se separam, porém no
gu (som guê) – guerra, guitarra hiato cada vogal está numa sílaba diferente.
Os dígrafos do h e do u também são inseparáveis,
rr (som rê) – barro os demais devem ser separados. (cha-ve, ne-nhum,
ss, sc, xc, sç (som sê) – passo, a-qui-lo,se-gue)
Em geral, os grupos consonantais onde a segunda
crescer, cresça, exceto letra é l ou r não se separam. (bra-ço, a-tle-ta)
Em sufixos terminados por consoante + palavra
Encontro consonantal é o encontro de duas iniciada por vogal, há união dessa consoante final com a
consoantes em uma palavra. No entanto, é possível vogal, não se considerando a integridade do elemento
perceber o som distinto de cada uma delas. O encontro mórfico (bi-sa-vô ≠ bis-ne-to, tran-sa-cio-nal ≠
consonantal pode ocorrer numa mesma sílaba ou em trans-pa-ren-te).
sílabas diferentes. As letras duplas e os encontros consonantais
pronunciados disjuntamente devem ser separados.
Ex.: primavera, prato, cravo, psicologia, afta (oc-cip-tal, ca-a-tin-ga, ad-vo-ga-do, dig-no, sub-li-nhar,
ab-ro-gar, ab-rup-to)
Dífonos é uma única letra representada por dois Na translineação, devem-se evitar separações que
fonemas. resultem no fim de uma linha ou no início da outra vogais
isoladas ou termos grosseiros. (i//dei//a, cus//toso,
Táxi /ks/ puta//tivo, fede//ral)
Dependendo da quantidade de sílabas, as palavras
Encontros vocálicos é o encontro de fonemas podem ser classificadas em: monossílaba (mono = um),
vocálicos – vogais ou semivogais – em uma mesma dissílaba (di = dois), trissílaba (tri = três) e polissílaba (poli
sílaba ou em sílabas diferentes. Há três tipos de = vários / + de quatro
encontros vocálicos: ditongo, tritongo e hiato.

7
UM NOVO JEITO DE ESCREVER da unificação de seu sistema de grafar, numa
demonstração de consciência da política do idioma e de
Acordo vem para unificar a ortografia oficial dos maturidade na defesa, na difusão e na ilustração da
países de língua portuguesa e aproximar nações língua da lusofonia‖, afirma Cícero Sandroni, presidente
da Academia Brasileira de Letras (ABL).
POR MARIANA SGARIONI Além da unificação da grafia, o acordo propõe
simplificar o idioma, no mesmo espírito do que ocorreu na
―A adopção de uma única ortografia entre países de
década de 1910, quando uma reforma semelhante alterou
língua portuguesa pode ser óptima.‖ Se este texto fosse
o modo de escrever palavras como pharmacia e
escrito em Portugal, a frase anterior estaria corretíssima.
christallino (para farmácia e cristalino, sem o ph, o ch e o
Já no Brasil, a letra p (nas palavras adopção e óptima)
ll). Na época, porém, as mudanças foram encabeçadas
está sobrando e parece um erro de digitação – apesar de
por Portugal, que não consultou o Brasil e acabou
todos sabermos que se trata do mesmo idioma.
aprofundando algumas diferenças ortográficas.
Do ponto de vista da ortografia, existem diferenças
O acordo prevê simplificações (como o fim do
bastante relevantes na língua portuguesa. E não apenas
trema), mas tem inúmeros pontos obscuros, que só serão
entre os dois países. Nas outras seis nações que falam e
esclarecidos com o lançamento de gramáticas
escrevem o português (Angola, Cabo Verde, Guiné-
atualizadas e um novo Vocabulário Ortográfico oficial
Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-
(tarefa a cargo da Academia Brasileira de Letras). O
Leste) ocorre o mesmo.
professor Pasquale Cipro Neto é um dos que se
Para acabar com essas diferenças, foi criado, em
manifestaram contra o documento. ―Ele não se limita a
1990, um acordo ortográfico – que deve vigorar no Brasil
uniformizar a grafia: estabelece outras alterações no
a partir do ano que vem (saiba mais sobre os próximos
sistema ortográfico, várias delas para pior.‖
passos da implementação do acordo no quadro da página
7). ―A existência de duas grafias oficiais acarreta
Tempo de adaptação
problemas na redação de documentos em tratados
internacionais e na publicação de obras de interesse Aqui no Brasil, a última grande reforma do idioma
público‖, defendia o filólogo Antônio Houaiss, o principal foi realizada em 1971, a fim de aproximar mais nosso jeito
responsável pelo processo de unificação aqui no Brasil. de escrever do de Portugal.
Originalmente, o combinado era que todos os Desde então foi abolido o acento diferencial em
membros da Comunidade dos Países de Língua alguns vocábulos, bem como o acento grave ou
Portuguesa (CPLP) deveriam ratificar o acordo para que circunflexo nas palavras derivadas de outras acentuadas
ele tivesse valor. Em 2004, porém, os chefes de Estado – mais de dois terços dos acentos que causavam
da CPLP decidiram que bastava a aprovação de três divergências foram suprimidos. Nessa mesma época os
nações para a reforma ortográfica entrar em vigor. O substantivos acôrdo e govêrno viraram acordo e
Brasil, no entanto, definiu que mudaria o jeito de escrever governo (perderam o circunflexo que os diferenciava das
somente se Portugal também o fizesse (e o ―sim‖ de formas verbais eu acordo e eu governo, que eram e
Lisboa às novas normas só veio no ano passado). É continuam sendo pronunciadas de forma diferente).
importante ressaltar que a pronúncia, o vocabulário e a Outras palavras, como somente, propriamente,
sintaxe permanecem exatamente como estão. A novidade rapidamente, cortesmente, sozinho, cafezinho e cafezal,
é a unificação da grafia de algumas palavras. também deixaram de ser acentuadas. Naquela ocasião,
muitas pessoas estranharam a alteração (sem falar que
LÍNGUA INTERNACIONAL diversos materiais impressos, como livros, levaram um
bom tempo até ter novas edições com o jeito certo de
Daqui para a frente, a língua portuguesa (comum escrever). Até hoje, aliás, ainda há quem escreva êle,
aos países lusófonos) tem tudo para ganhar espaço – até com o circunflexo extinto no início dos anos 1970.
mesmo em fóruns internacionais –, pois o intercâmbio de In: http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/Esp_021/aberto/novo-jeito-
escrever-306810.shtml
informações e textos ficará mais fácil. Unificar a grafia
também visa aproximar as oito nações da CPLP, reduzir
custos de produção e adaptação de livros e facilitar a Ortoepia e prosódia
difusão bibliográfica de novas tecnologias, bem como
simplificar algumas regras (que suscitam dúvidas até Observe o trecho da música de Luís Gonzaga:
entre especialistas).
Do ponto de vista prático, ganha força o idioma “Óia pru céu, meu amor,
falado no Brasil. Isso porque os portugueses terão de Vê como ele tá lindo
promover mais mudanças na escrita do que nós, Óia pra’quele balão muticor
adaptando várias palavras à grafia brasileira. Qui lá no céu vai subindo”
Por exemplo, acção passa a ser ação. E cai
também o h inicial de herva e húmido (confira as A linguagem usada por Luís Gonzaga não segue a
alterações a partir da página 8). O português é a única norma padrão estabelecida pela gramática tradicional. A
língua com dois cânones oficiais ortográficos, um europeu variedade da língua usada pelo autor da música não pode
e outro brasileiro, e isso não só dificulta nossa vida lá fora ser considerada errada, vez que é plena-mente aceitável
como também a dos estrangeiros que querem aprendê-lo. na linguagem coloquial popular. Não obstante, a norma
―Inscreve-se, finalmente, a língua portuguesa no rol culta determina para cada palavra, uma pronúncia mais
daquelas que conseguiram beneficiar-se há mais tempo adequada. A parte da gramática que estuda a adequação

8
da pronúncia nas palavras e nas frases é a ortofonia,  ACENTUAÇÃO GRÁFICA
que se divide em ortoepia (ou ortoépia) e prosódia.
Ortoepia é a parte da ortofonia que estuda a Observe o comercial de um carro publicado na
pronúncia correta dos fonemas. revista Veja, em 27/09/00:
Algumas palavras que apresentam dúvidas na
pronúncia: ―No mínimo, você deixa seu carro novinho.
No máximo, você ganha um carro zerinho."
Advogado Cataclismo Meritíssimo
Aforismo Digladiar Meteorologia Apenas algumas palavras estão acentuadas, o que
indica a sílaba tônica da palavra. Isso não quer dizer que
Aterrissagem Disenteria Mortadela as que não apresentam acento gráfico não tenham sílaba
Adivinhar Empecilho Prazeroso tônica. Assim sendo,
Sílaba tônica é a sílaba proferida com uma
Babadouro Engajamento Privilégio intensidade maior do que as outras, numa palavra.
Bebedouro Estourar Proprietário Possui o acento tônico (ou de intensidade/prosódico).
Uma palavra com mais de duas sílabas sempre terá
Bandeja Estupro Prostração acento tônico, mas poderá não ter acento gráfico.
Barganha Fratricídio Reivindicar
Ex.: mínimo, deixa, você, zerinho, máximo, novinho.
Beneficência,
Frustração Roubar Quanto à posição do acento tônico nas palavras
Beneficente
Cabeçalho Lagarto Salsicha com mais de duas sílabas, as palavras podem ser:
Cabeleireiro Manteigueira Tireoide Oxítonas
Caranguejo Mendigar Umbigo – quando a sílaba tônica é a última.
Ex.: bambu, ruim, baú.
Pronúncia Pronúncia que Paroxítonas
correta deve ser evitada – quando a sílaba tônica é a penúltima.
Absoluto abissoluto Ex.: ônix, safira, avaro.
Ignorância iguinorância
Proparoxítona
Beneficente beneficiente
– quando a sílaba tônica é a antepenúltima.
Disenteria desinteria Ex.: lêvedo, álibi, âmago.
Meteorologia metereologia
Dignitário dignatário
MONOSSÍLABOS
Bebedouro bebedor
Umbigo imbigo Os monossílabos podem ser:
Seja Seje
Pneu peneu Átonos – quando se apoiam em outras palavras.
São emitidos fracamente, como se fossem sílabas
Frear Freiar
átonas. Quando estão isolados, são palavras sem
Advogado Adevogado sentido.
Cabeleireiro cabelereiro, cabeleleiro
Ex.: artigos, pronomes oblíquos, preposições junções de
Prosódia é a parte da ortofonia que estuda a preposições e artigos, conjunções, pronome relativo
posição correta da sílaba predominante (tônica) nas que.
palavras.
Algumas palavras que apresentam dúvidas quanto Tônicos – são autônomos e emitidos fortemente
à predominância silábica: como se fossem uma sílaba tônica.
Oxítonas Paroxítonas Proparoxítonas Os monossílabos tônicos terminados em a(s), e(s)
Cateter Âmbar Bígamo e o(s) recebem acento gráfico (agudo ou circunflexo).
Ruim Boêmia Êxodo Nessa regra incluem-se as formas verbais, tais como
Hangar Rubrica Lêvedo pô-lo, dê-me.
Ureter Ibero Ínterim
Condor Fluido Réquiem  REGRAS DE ACENTUAÇÃO
Recém Pudico Bígamo Oxítonas
Mister Gratuito Ímprobo
São acentuadas as palavras oxítonas terminadas
Sutil Juniores Zéfiro
em -a, -e, -o, seguidas ou não de -s. Ainda são
Nobel Índex Quadrúmano acentuadas aquelas que terminam em -em, -ens e as
Refém Celtibero Ômega formas verbais, tais como fazê-lo, amá-lo.

9
Paroxítonas António / Antônio, blasfémia / blasfêmia, fémea /
fêmea, gémeo / gêmeo, génio / gênio, ténue / tênue.
São acentuadas as paroxítonas terminadas em:
Ditongos abertos
-i, –is _ júri
As palavras oxítonas com os ditongos abertos
-u, -us – vírus
grafados -éi, éu ou ói, podendo estes dois últimos ser
-l – útil seguidos ou não de -s: anéis, batéis, fiéis, papéis; céu(s),
chapéu(s), ilhéu(s), véu(s); corrói (de correr), herói(s),
-n – hífen, éden
remói (de remoer), sóis.
-r – néctar
Fique atento à mudança!
-x – tórax
Não se acentuam graficamente os ditongos
-ã, -ãs, -ão, -ãos – órgão, ímã
representados por ei e oi da sílaba tónica/tônica das
-ps – bíceps palavras paroxítonas, dado que existe oscilação em
muitos casos entre o fechamento e a abertura na sua
ditongo – história
articulação: assembleia, boleia, ideia, tal como aldeia,
baleia, cadeia, cheia, meia; coreico, epopeico,
Obs.: Não são acentuadas as paroxítonas terminadas onomatopeico, proteico; alcaloide, apoio (do verbo
em -ens, como nuvens, itens, hifens. apoiar), tal como apoio (subst.), Azoia, hoia, boina,
comboio (subst.), tal como comboio, comboias, etc.
Atenção para o que mudou! (do verbo comboiar), dezoito, estroina, heroico,
introito, jiboia, moina, paranoico, zoina.
Prescinde-se de acento circunflexo nas formas verbais
paroxítonas que contêm um e tónico/tônico oral fechado Hiatos
em hiato com a terminação -em da 3ª pessoa do plural do Quando o i e o u tônico, sozinhos ou seguidos de -
presente do indicativo ou do conjuntivo, conforme os s, forem o segundo elemento de um hiato, receberão
casos: creem deem (conj.), descreem, desdeem acento.
(conj.), leem, preveem, redêem (conj.), releem,
reveem, tresleem, veem. Ex.: saída, baú, saúva, egoísta.

Obs.: Não recebem acento os hiatos seguidos de l, m,


Prescinde-se igualmente do acento circunflexo para n, r, z que não introduzem sílabas, e nem os seguidos
assinalar a vogal tónica/tonica fechada com a grafia o em de nh na sílaba seguinte.
palavras paroxítonas como enjoo, substantivo e flexão de Ex. 1: ainda, ruim, paul.
enjoar, povoo, flexão de povoar, voo, substantivo e Ex. 2: rainha, tainha, bainha.
flexão de voar, etc.
ACENTUAÇÃO GRÁFICA DE ALGUNS VERBOS
Muito poucas paroxítonas deste tipo, com as vogais
tónicas/tônicas grafadas e e o em fim de sílaba, seguidas ª
Os verbos ter e vir na 3 pessoa do singular do
das consoantes nasais grafadas m e n, apresentam
presente do indicativo não recebem acento. No entanto,
oscilação de timbre nas pronúncias cultas da língua, o ª
na 3 pessoa do plural do presente do indicativo, esses
qual é assinalado com acento agudo, se aberto, ou
verbos recebem acento circunflexo.
circunflexo, se fechado: pónei e pônei; gónis e gônis,
pénis e pênis, ténis e tênis; bónus e bônus, ónus e ônus,
Ex.:ele tem – eles têm ele vem – eles vêm
tónus e tônus,Vénus e Vênus.
Não obstante, os verbos derivados de ter e vir
ª
recebem acento agudo na 3 pessoa do singular do
Proparoxítona ª
presente do indicativo e acento circunflexo na 3 pessoa
São acentuadas todas as palavras proparoxítonas. do plural do presente do indicativo.
Ex.: ele detém – eles detêm
Ex.: cáfila, cédula, máquina, lógica.
ele provém – eles provêm
Fique atento à mudança!
 TREMA
Levam acento agudo ou acento circunflexo as palavras
proparoxítonas, reais ou aparentes, cujas vogais O trema, sinal de diérese, é inteiramente
tónicas/tônicas grafadas e ou o estão em final de sílaba e suprimido em palavras portuguesas ou
são seguidas das consoantes nasais grafadas m ou n, aportuguesadas.
conforme o seu timbre é, respectivamente, aberto ou
fechado nas pronúncias cultas da língua: académico / Obs.: Conserva-se, no entanto, o trema em palavras
acadêmico, anatómico / anatômico, cénico / cênico, derivadas de nomes próprios estrangeiros: hubneriano, de
cómodo / cômodo, fenómeno / fenômeno, género / Hubner, mulleriano,de Muller, etc.
gênero, topónimo / topônimo; Amazónia / Amazônia,

10
● Acento dos grupos gue/gui ORTOGRAFIA
Fique atento à mudança!
Na língua portuguesa não há correspondência
Os verbos aguir e redarguir prescindem do acento agudo
precisa entre letra e fonema, vez que várias letras podem
na vogal tónica/tônica grafada u nas formas
representar um único fonema. De fato, não existe uma
rizotónicas/rizotônicas seguidas de e e i: arguis, argui,
―fórmula pronta‖ que resulte numa orientação única para
argúem. O verbos do tipo de aguar, apaniguar, apaziguar,
facilitar a aprendizagem da correta grafia de língua
apropinquar, averiguar, desaguar, enxaguar, obliquar,
portuguesa. No entanto, existem algumas regras que
delinquir e afins, seguem a mesma orientação.
auxiliam na aquisição desse conhecimento.
● Acento diferencial
 LETRAS G E J
Fique atento à mudança!
Prescinde-se, quer do acento agudo, quer do circunflexo,
► Emprega-se j:
para distinguir palavras paroxítonas que, tendo
respectivamente vogal tónica/tônica aberta ou fechada,
são homógrafas de palavras proclíticas. Assim, deixam de  nas palavras de origem árabe, africana ou indígena.
se distinguir pelo acento gráfico: para (á), flexão de parar, Ex.: acarajé, jibóia, pajé, alforje
e para, preposição; pela(s) (é), substantivo e flexão de
pelar, e pela(s), combinação de per e la(s); pelo (é),  nos verbos terminados em -jar ou -jear:
flexão de pelar, pelo(s) (é), substantivo ou combinação de Ex.: sujar, granjear
per e lo(s); polo(s) (ó), substantivo, e polo(s), combinação
antiga e popular de por e lo(s);etc.  nas palavras derivadas de outras que já possuem j:
Ex.: nojo – nojento; cereja – cerejeira
Anotações
► Emprega-se g:

 palavras terminadas em -agem, -igem, -ugem:


Ex.: garagem, vertigem, ferrugem
Exceções.: pajem, labujem, lajem

 palavras terminadas em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -


úgio:
Ex.: plágio, colégio, prodígio, relógio, refúgio.

 palavras derivadas de outras que já possuam g:


Ex.: selvagem – selvageria

Obs.: O substantivo viagem escreve-se com g.

 LETRAS S E Z

► Emprega-se s:

 palavras derivadas de outras que já possuam s:


Ex.: vaso – vasilhame; preso – presídio

 na conjugação dos verbos pôr, querer e seus


derivados:
Ex.: pusesse, quisera

 após ditongo aberto:


Ex.: pausa, aplauso, pouso

 palavras formadas pelos sufixos -esa, -isa, -oso:


Ex.: formoso, poetisa, baronesa

 palavras formadas com o sufixo -isar, quando a


palavra primitiva for grafada com s:
Ex.: pesquisa – pesquisar; análise – analisar

11
 nomes relacionados com verbos cujos radicais Portanto deve-se procurar a origem da palavra
terminam em: terminada em -ção. Por exemplo: Donde provém a
palavra conjunção? Resposta: provém de conjunto. Por
ND- compreender – compreensão isso, escrevemo-la com ç.
RG- imergir – imersão
Rt- converter – conversão Exemplos: erudito = erudição
CORR- percorrer – percurso  exceto = exceção
PEL- impelir- impulso  setor = seção
SENT- consentir- consenso  intuitivo = intuição
 redator = redação
► Emprega-se z:  ereto = ereção
 educar - r + ção = educação
 palavras derivadas de outras que já possuam z:  exportar - r + ção = exportação
Ex.: raiz – enraizar  repartir –r + ção = repartição

 palavras formadas com o sufixo -izar, quando a ► Emprega-se ss:


palavra primitiva não for grafada com s:
 substantivos derivados de verbos terminados em -
Ex.: real – realizar
eder e -edir. Ex.: ceder – cessão; agredir – agressão
 palavras formadas pelos sufixos -ez e -eza, formador
de substantivos abstratos:
 Nomes relacionados com verbos com radicais
Ex.: real – realeza; belo – beleza; timidez
terminados em:
 LETRAS X E CH
GRED- regredir- regresso
► Emprega-se x: CED- interceder- intercessão
 geralmente após ditongo: MET- intrometer- intromissão
Ex.: trouxa, peixe, caixa
PRIM- oprimir- opressão
 após a sílaba me-:
Ex.: mexerico, mexicano Escrevem-se com S ou SS:
Exceção: mecha (substantivo) Substantivos derivados de verbos terminados em:
 após a sílaba en-: -TER – converter- conversão
Ex.: enxame, enxerido, enxoval -TIR- demitir- demissão
Exceção: encher e seus derivados, encharcar e seus
derivados, enchumaçar e seus derivados e enchova. -DER- compreender- compreensão
-DIR- progredir- progressão
 palavras de origem africana ou indígena:
Ex.: orixá, xavante, abacaxi -MIR- reprimir- repressão

► Emprega-se ch: Exceção: reter- retenção, abster- abstenção.


 em determinadas palavras por razões etimológicas:
Ex.: chuchu, archote, flecha, chumbo, pechincha.

 LETRAS SS E Ç Cuidado com a escrita de E e I. A simples troca de


E e I modifica completamente o sentido de muitas
► Emprega-se ç: palavras. Observe:

Área (superfície) Ária (melodia)


 palavras derivadas de outras que já possuam ç e em
palavras de origem indígena árabe e africana: Arrear (pôr arreios) Arriar (abaixar)
Ex.: embaçado, açaí, miçanga, caçula. Delatar (denunciar) Dilatar (distender)
 geralmente após ditongo: Emergir (vir à tona) Imergir (afundar)
Ex.: beiço, louça, traição Emigrar (sair do país) Imigrar (entrar no país)
Eminente (de condição Iminente (prestes a
 na conjugação de verbos terminados em -ecer e - elevada) acontecer)
escer: cresço, desço.
Peão (que anda a pé) Pião (espécie de brinquedo)
Escreveremos com -ção as palavras derivadas de Recreação (diversão) Recriação (criar novamente)
vocábulos terminados em -to, -tor, -tivo e os substantivos
formados pela posposição do -ção ao tema de um verbo Venoso (relativo a veias) Vinoso (que produz vinho)
(Tema é o que sobra, quando se retira a desinência de ALMEIDA, N. T. Gramática da língua portuguesa para concursos, vestibulares,
ENEM, colégios técnicos e militares. São Paulo: Saraiva, 2003. p.26
infinitivo - r - do verbo).

12
observem regras próprias, provindas de códigos ou
normalizações específicas (terminologias antropológica.
DAS MINÚSCULAS E MAIÚSCULAS
geológica, bibliológica, botânica, zoológica etc.),
promanadas de entidades científicas ou normalizadoras,
1º) A letra minúscula inicial é usada:
reconhecidas internacionalmente.
a) Ordinariamente, em todos os vocábulos da língua nos
usos correntes.  GRAFIA CERTA DE CERTAS PALAVRAS
b) Nos nomes dos dias, meses, estações do ano:
segunda-feira; outubro; primavera.
 AFIM / A FIM DE
c) Nos bibliónimos/bibliônimos (após o primeiro
Afim – semelhança; parentesco; afinidade.
elemento, que é com maiúscula, os demais
São duas pessoas afins.
vocábulos, podem ser escritos com minúscula, salvo
A fim de – com o propósito de; com o objetivo de; com a
nos nomes próprios nele contidos, tudo em grifo): O
finalidade de.
Senhor do paço de Ninães, O Senhor do paço de
Estou a fim de passar no vestibular.
Ninães, Menino de engenho, Árvore e Tambor ou
Árvore e Tambor.
 DIA-A-DIA/ DIA A DIA
d) Nos usos de fulano, sicrano, beltrano.
Dia-a-dia – substantivo.
e) Nos pontos cardeais (mas não nas suas
O dia-a-dia é que preocupa.
abreviaturas): norte, sul (mas: SW sudoeste).
f) Nos axiónimos/axiônimos e hagiónimos/hagiônimos
Dia a dia _ locução adverbial= dia por dia.
(opcionalmente, neste caso, também com maiúscula):
Fazemos tarefas dia a dia.
senhor doutor Joaquim da Silva, bacharel Mário
Abrantes, o Cardeal Bembo; santa Filomena (ou
Santa Filomena).  AO ENCONTRO DE / DE ENCONTRO A
g) Nos nomes que designam domínios do saber, cursos
e disciplinas (opcionalmente, também com Ao encontro de (= aproximação)
maiúscula): português (ou Português), matemática As minhas ideias vão ao encontro das suas.
(ou Matemática); línguas e literaturas modernas (ou
Línguas e Literaturas Modernas). De encontro a (= posição contrária)
As minhas ideias, infelizmente, vão de encontro às suas.
2º) A letra maiúscula inicial é usada:
a) Nos antropónimos/antropônimos, reais ou fictícios:  PORQUÊ/ PORQUE/ POR QUÊ/ POR QUE
Pedro Marques; Branca de Neve, D. Quixote.
b) Nos topónimos/topônimos, reais ou fictícios: Lisboa, Porquê – substantivo = equivalente a ―o motivo‖; ―a causa‖.
Luanda, Maputo, Rio de Janeiro; Atlântida, Hespéria. Sei o porquê do choro.
c) Nos nomes de seres antropomorfizados ou
mitológicos: Adamastor; Neptuno/ Netuno. Porque _ conjunção= a oração equivale a ―por esta razão‖
d) Nos nomes que designam instituições: Instituto de Faltei porque estava doente.
Pensões e Aposentadorias da Previdência Social.
e) Nos nomes de festas e festividades: Natal, Páscoa, Por quê – no fim do período ou seguido de pausa.
Ramadão, Todos os Santos. Você faltou por quê? Se não entendeste por quê, a
f) Nos títulos de periódicos, que retêm o itálico: O obrigação era perguntar.
Primeiro de Janeiro, O Estado de São Paulo (ou S.
Paulo). Por que
g) Nos pontos cardeais ou equivalentes, quando
empregados absolutamente: Nordeste, por nordeste a) Nas interrogativas diretas.
do Brasil, Norte, por norte de Portugal, Meio-Dia, pelo Por que faltaste à aula ontem?
sul da França ou de outros países, Ocidente, por
ocidente europeu, Oriente, por oriente asiático. b) Nas interrogativas indiretas.
h) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais ou Perguntaram por que faltaste à aula ontem.
nacionalmente reguladas com maiúsculas, iniciais ou
mediais ou finais ou o todo em maiúsculas: FAO, c) Quando igual a ― motivo pelo qual‖; razão.
NATO, ONU; H2O, Sr., V. Exª. Bem sabes por que não compareci.
i) Opcionalmente, em palavras usadas reveren-
cialmente, aulicamente ou hierarquicamente, em d) Quando igual a ―por qual‖.
início de versos, em categorizações de logradouros Bem sabes por que motivo não compareci.
públicos: (rua ou Rua da Liberdade, largo ou Largo
dos Leões), de templos (igreja ou Igreja do Bonfim,  SE NÃO/ SENÃO
templo ou Templo do Apostolado Positivista), de
edifícios (palácio ou Palácio da Cultura, edifício ou Se não
Edifício Azevedo Cunha). Conjunção + advérbio = caso não.
Se não pagas, não entras.
Obs.: As disposições sobre os usos das minúsculas e Pronome + advérbio. Se não = não se.
maiúsculas não obstam a que obras especializadas O que se não deve dizer.

13
Senão Baía de Todos-os-Santos, Entre-os-Rios,
1. substantivo = defeito. Montemor-o-Novo, Trás-os-Montes.
Ela não tem um senão de que possa falar. Obs.: Os outros topónimos/topônimos compostos
escrevem-se com os elementos separados, sem
2. mas também. hífen: América do Sul, Belo Horizonte, Cabo Verde,
Não só me ajudou, senão defendeu-me. Castelo Branco, Freixo de Espada à Cinta, etc. O
topónimo/topônimo Guiné- Bissau é, contudo, uma
3. palavra de exclusão = exceto exceção consagrada pelo uso.
A quem, senão a meu pai, devo recorrer?
3º) Emprega-se o hífen nas palavras compostas que
4. depois de palavra negativa ou como segundo designam espécies botânicas e zoológicas,
elemento dos pares aditivos não ou senão, não só... estejam ou não ligadas por preposição ou qualquer
senão (também). outro elemento:
Não me amoles senão eu grito. abóbora-menina, couve-flor, erva-doce, feijão-
Ninguém te viu, senão todos já saberiam. verde; benção-de-deus,
Não só me ajudou, senão também me hospedou. erva-do-chá, ervilha-de-cheiro, fava-de-santo-
inâcio, bem-me-quer
5. Caso contrário (nome de planta que também se dá à margarida e
Estude, senão não passará no concurso. ao malmequer); andorinhagrande, cobra-capelo,
formiga-branca; andorinha-do-mar, cobra-d'água,
 A PAR/ AO PAR lesma-de-conchinha; bem-te-vi (nome de um
pássaro).
A par – bem informado , ciente.
Estava a par do fato. 4º) Emprega-se o hífen nos compostos com os advérbios
bem e mal, quando estes formam com o elemento
Ao par – usado para indicar relação de equivalência ou que se lhes segue uma unidade sintagmática e
igualdade entre valores financeiros. semântica e tal elemento começa por vogal ou h.
No entanto, o advérbio bem, ao contrário de mal,
As moedas dos dois países têm o câmbio praticamente pode não se aglutinar com palavras começadas
ao par. por consoante. Eis alguns exemplos das várias
situações: bem-aventurado, bemestar, bem-
humorado; mal-afortunado, mal-estar, mal-
humorado; bem-criado (cf. malcriado), bem-ditoso
(cf. malditoso), bem-falante (cf malfalante), bem-
DO HÍFEN EM COMPOSTOS, mandado (cf. malmandado). bem-nascido (cf.
LOCUÇÕES E ENCADEAMENTOS VOCABULARES malnascido) , bem-soante (cf. malsoante), bem-
1º) Emprega-se o hífen nas palavras compostas por visto (cf. malvisto).
justaposição que não contêm formas de ligação e Obs.: Em muitos compostos, o advérbio bem aparece
cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, aglutinado com o segundo elemento, quer este tenha
numeral ou verbal, constituem uma unidade ou não vida à parte: benfazejo, benfeitor,
sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, benquerença, etc.
podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar
reduzido: 5º) Emprega-se o hífen nos compostos com os
ano-luz, arce-bispo, arco-íris, decreto-lei, elementos além, aquém, recém e sem: além-
és-sueste, médico-cirurgião, rainha-cláudia, Atlântico, além-mar, além-fronteiras; aquém-fiar,
tenente-coronel, tio-avô, turma-piloto; alcaide- aquém-Pireneus; recém-casado, recém-nascido;
mor, amorperfeito, guarda-noturno, mato- sem-cerimônia, sem-número, sem-vergonha.
grossense, norte-americano, porto-alegrense,
sul-africano; afro-asiático, cifro-luso-brasileiro, 6º) Nas locuções de qualquer tipo, sejam elas
azul-escuro, luso-brasileiro, primeiro-ministro, substantivas, adjetivas, pronominais, adverbiais,
primeiro-sargento, primo-infeção, segunda-feira; prepositivas ou conjuncionais, não se emprega em
conta-gotas, finca-pé, guarda-chuva. geral o hífen, salvo algumas exceções já consagradas
Obs.: Certos compostos, em relação aos quais se perdeu, pelo uso (como é o caso de água-de-colónia, arco-da-
em certa medida, a noção de composição, grafam-se velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao
aglutinadamente: girassol, madressilva, mandachuva, deus-dará, à queima-roupa). Sirvam, pois, de exemplo
pontapé, paraquedas, paraquedista, etc. de emprego sem hífen as seguintes locuções:
a) Substantivas: cão de guarda, fim de semana, sala de
2º) Emprega-se o hífen nos topónimos/topônimos jantar;
compostos, iniciados pelos adjetivos grã, grão ou por b) Adjetivas: cor de açafrão, cor de café com leite, cor
forma verbal ou cujos elementos estejam ligados de vinho;
por artigo: Grã-Bretanha, Grão-Pará; Abre-Campo; c) Pronominais: cada um, ele próprio, nós mesmos,
Passa-Quatro, Quebra-Costas, Quebra-Dentes, quem quer que seja;
Traga-Mouros, Trinca-Fortes; Albergaria-a-Velha, d) Adverbiais: à parte (note-se o substantivo aparte), à
vontade, de mais (locução que se contrapõe a de

14
menos; note-se demais, advérbio, conjunção, etc.), navegação; pan-africano, pan-mágico, pan-
depois de amanhã, em cima, por isso; negritude.
e) Prepositivas: abaixo de, acerca de, acima de, a fim
de, a par de, à parte de, apesar de, aquando de, d) Nas formações com os prefixos hiper-, inter- e
debaixo de, enquanto a, por baixo de, por cima de, super-, quando combinados com elementos iniciados
quanto a; por r: hiper-requintado, inter-resistente, super-
f) Conjuncionais: afim de que, ao passo que, contanto revista.
que, logo que, por conseguinte, visto que.
e) Nas formações com os prefixos ex- (com o sentido de
7º) Emprega-se o hífen para ligar duas ou mais palavras estado anterior ou cessamento),sota-, soto-, vice- e
que ocasionalmente se combinam, formando, não vizo-: ex-almirante, ex-diretor, ex-hospedeira, ex-
propriamente vocábulos, mas encadeamentos presidente, ex-primeiro-ministro, ex-rei; sota-
vocabulares (tipo: a divisa Liberdade-Igualdade- piloto, soto-mestre, vicepresidente, vice-reitor,
Fraternidade, a ponte Rio Niterói, o percurso Lisboa- vizo-rei.
Coimbra-Porto, a ligação Angola-Moçambique, e bem
assim nas combinações históricas ou ocasionais de f) Nas formações com os prefixos tónicos/tônicos
topónimos/ topônimos (tipo: Austria-Hungria, Alsácia- acentuados graficamente pós-, pré- e pró-, quando o
Lorena, Angola-Brasil, Tóquio- Rio de Janeiro, etc.). segundo elemento tem vida à parte (ao contrário do
que acontece com as correspondentes formas átonas
que se aglutinam com o elemento seguinte): pós-
DO HÍFEN NAS FORMAÇÕES POR PREFIXAÇÃO, graduação, pós-tónico/pós-tônicos (mas pospor);
RECOMPOSIÇÃO E SUFIXAÇÃO préescolar, pré-natal (mas prever); pró-africano,
pró-europeu (mas promover).
1º) Nas formações com prefixos (como, por exemplo:
ante-, anti-, circum-, co-, contra-, entre-, extra-, 2º) Não se emprega, pois, o hífen:
hiper-, infra-, intra-, pós-, pré-, pró-, sobre-, sub-,
super-, supra-, ultra-, etc.) e em formações por a) Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo
recomposição, isto é, com elementos não autónomos termina em vogal e o segundo elemento começa por r
ou falsos prefixos, de origem grega e latina (tais ou s, devendo estas consoantes duplicar-se, prática
como: aero-, agro-, arqui-, auto-, hio-, eletro-, geo-, aliás já generalizada em palavras deste tipo
hidro-, inter-, macro-, maxi-, micro-, mini-, multi-, pertencentes aos domínios científico e técnico. Assim:
neo-, pan-, pluri-, proto, pseudo, retro-, semi-, tele-, antirreligioso, antissemita, contrarregra,
etc.), só se emprega o hífen nos seguintes casos: contrassenha, cosseno, extrarregular, infrassom,
minissaia, tal como hiorritmo, hiossatélite.
a) Nas formações em que o segundo elemento começa eletrossiderurgia, microssistema, micror-
por h: anti -higiénico/anti-higiênico, circum- radiografia.
hospitalar, co-herdeiro, contra -harmónico/contra-
harmônico, extra-humano, pré-história, sub- b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo
hepático, super-homem, ultrahiperbólico; arqui- termina em vogal e o segundo elemento começa por
hipérbole, eletro-higrómetro, geo-história, neo- vogal diferente, prática esta em geral já adotada
helénico/neo-helênico, pan-helenismo, semi- também para os termos técnicos e científicos. Assim:
hospitalar. antiaéreo, coeducação, extraescolar, aeroespacial,
autoestrada, autoaprendizagem, agroindustrial,
Obs.: Não se usa, no entanto, o hífen em formações que hidroelétrico, plurianual.
contêm em geral os prefixos des- e in- e nas quais o
segundo elemento perdeu o h inicial: desumano, 3º) Nas formações por sufixação apenas se emprega o
desumidificar, inábil, inumano, etc. hífen nos vocábulos terminados por sufixos de origem
tupi-guarani que representam formas adjetivas, como
b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo açu, guaçu e mirim, quando o primeiro elemento
termina na mesma vogal com que se inicia o segundo acaba em vogal acentuada graficamente ou quando a
elemento: anti-ibérico, contra-almirante, infra- pronúncia exige a distinção gráfica dos dois
axilar, supra-auricular; arqui-irmandade, auto- elementos: amoré-guaçu, anajá-mirim, andá-açu,
observação, eletro-ótica, micro-onda, semi- capim-açu, Ceará-Mirim.
interno.

Obs.: Nas formações com o prefixo co-, este aglutina-se


em geral com o segundo elemento mesmo quando
iniciado por o: coobrigação, coocupante,
coordenar, cooperação, cooperar, etc.

c) Nas formações com os prefixos circum- e pan-,


quando o segundo elemento começa por vogal, m ou
n (além de h, caso já considerado atrás na alínea a):
circum-escolar, circum-murado, circum-

15
● Verbos terminados em ZER e ZIR:
Fa__er
Formas variantes
Tra__er
Abdômen ou abdome Arrebitar ou rebitar
Di__zer
Assobiar ou assoviar Assoprar ou soprar
Bêbado ou bêbedo Catorze ou quatorze Apra__er
Cociente ou quociente Infarto ou enfarte Adu__ir
Percentagem ou Fran__ir
Lajem ou laje
porcentagem
Loiro ou louro Empanturrar ou empaturrar Condu__ir

Maquiagem ou Produ__ir
Debulhar ou desbulhar
maquilagem
Exceto: Co___er
Flecha ou frecha Hem? Ou hein?
Tran__ir (repassar, assombrar, penetrar)
Hidrelétrica ou
Cãibra ou câimbra
hidroelétrica
● Sufixo IZAR (em nomes sem S):
Hemorroida ou
Tesoura ou tesoira
hemorroide Finali__ar
Aluguel ou aluguer Azaleia ou azálea Reali__ar
Assoalho ou soalho Biscoito ou biscouto
Centrali__ar
Amídala ou amigdala Cãibra ou câimbra
Ideali__ar
Aritmética ou arimética Chipanzé ou chimpanzé
Arrebentar ou rebentar Cumular ou acumular Morali__ar
Aluguel ou aluguer Imundície ou imundícia
Cuidado:
Degelar ou desgelar Dependurar ou pendurar catequese = catequizar
Entoação ou entonação Estralar ou estalar síntese = sintetizar
Flauta ou frauta Fleuma ou legma hipnose = hipnotizar
Geringonça ou gerigonça Maribondo ou marimbondo
Mobiliar ou mobilhar Nenê ou neném ● Desinência TRIZ (formadora de feminino);
Parêntese ou parêntesis Projétil ou projétil Embaixatri__
Radioatividade ou
Rastro ou rasto Imperatri__
radiatividade
Réptil ou reptil Surrupiar ou surripiar Atri__
Toicinho ou toucinho Trilhão ou trilião
Voleibol ou volibol Tramela ou taramela Emprego da letra S (fonema /z/):
ALMEIDA, N. T. Gramática da língua portuguesa para concursos, vestibulares,
ENEM, colégios técnicos e militares. São Paulo: Saraiva, 2003. p. 27
● Adjetivos que indicam origem:
 Ortografia oficial Burguê__

Emprego da letra Z (fonema Z) Francê__


● Substantivos abstratos derivados de adjetivos: Inglê__
Pobre – Pobre__a Camponê__
Belo – Bele__a
Altivo – Altive__ ● Desinências de feminino ESA/ ISA:
Ácido – acide__ Barone__a

● Aumentativos e diminutivos: Marque__a

Copá__io Japone__a

Papel__inho Poeti__a

Homen__arrão Sacerdoti__a

Animai__inhos Profeti__a

Coraçõe__inhos

16
● Em todas as formas do verbo PÔR e QUERER: ● CORRER
Discorrer – Discur__o
Pu__ Qui__
Percorrer- Percur__o
Pu__emos Qui__emos
Pu__era Qui__era ● CEDER

Pu__este Qui__este Ceder- Ce___ão


Conceder – Conce__ão
● Adjetivos terminados em OSO (A):
● GREDIR
Aquo__o (a)
Agredir – Agre__ão
Melo__o (a)
Regredir – Regre__o
Jeito__o (a)
Gosto__o (a) ● PRIMIR

Sebo__o (a) Exprimir – Expre___ão

Vaido__o (a) Comprimir – Compre___ão


● TIR
● Depois de ditongos:
Permitir – Permi___ão
Cau__a
Discutir – Discu___ão
Coi__a
Lou__a Emprego da letra X (fonema /x/)
Náu__ea ● Depois de ditongo:
Aplau__o Cai__a
Clau__ura Quei__o
Sou__a Amei__a
Neu__a Bai__o
Pai__ão
Empregos das letras S e SS (fonemas /z/ e /s/)
Exceção: Recau___utar
Substantivos derivados de verbos terminados em: Depois das sílabas iniciais:
● ENDER ● Me
Defender – Defe__a Me__ilão
Empreender – Empre__a Exceto: Me___a, Me___oação
Surpreender – Surpre__a ● La
Despender – Despe__a La___ante
Compreender – Compreen__ão ● Li
Repreender – Repreen__ão Li__a

● ERGIR Li__o

Imergir – Imer__ão ● Lu
Submergir – Submer__ão Lu__o
Lu__úria
● ERTER
● Gra
Inverter – Inver__ão
Gra__a
Perverter – Perver__ão
Gra__eiro
● PELIR Engra __ate
Repelir – Repul__a
● Bru
Compelir – Compul__ão
Bru___a

17
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS  HOMÔNIMOS, HOMOGRÁFOS, HOMÓFONOS E
PARÔNIMOS
Observe os trechos abaixo:
Homonímia é a relação existente entre palavras
―Descubra a química que existe entre a medicina e você.‖ que possuem significado diferente, mas grafia e
(Superinteressante, maio/2004) pronúncia iguais.

―Os mecanismos do olfato e de seus efeitos no cérebro Ex.: nós (pronome) – nós (plural de nó)
envolvem intrincadíssimos sistemas que, para serem
decifrados, requerem perícia em diversas áreas: química, mato(bosque)–mato (verbo)
física, biologia molecular, fisiologia, neurociência ...‖ livre (solto) – livre(verbo livrar)
(Superinteressante, maio/2004)
rio (verbo rir) – rio (curso de água natural)
Em comum nos dois excertos é a palavra química. amo (verbo amar) – amo (servo)
No entanto, tal palavra é empregada em sentidos
diferentes, por estarem em contextos diferentes. canto (ângulo) – canto (verbo cantar)
fui (verbo ser) – fui (verbo ir)
● Campo semântico
Homografia é a relação existente entre palavras
Denomina-se de campo semântico o conjunto de que possuem grafia igual, mas significado e pronúncia
empregos/usos de uma palavra num determinado diferentes.
contexto, ou seja, são as diversas acepções que uma
mesma palavra assume dentro de situações diferentes. Ex.: O governo brasileiro tenta vencer a inflação.
No primeiro trecho, a palavra química assume o Eu governo com responsabilidade meus assuntos.
significado de ―entendimento‖, ―boa interação‖; já no
segundo, significa ―ciência‖. Homofonia é a relação existente entre palavras
que possuem pronúncia igual, mas grafia e significado
● Polissemia diferentes.
―É a capacidade que uma palavra tem de assumir Ex.: O prisioneiro estava triste em sua cela.
diferentes significações ou sentidos.‖ A sela estava sobre o cavalo.
 HIPÔNIMOS E HIPERÔNIMOS
Acender (atear fogo) Ascender (subir)
Hiperonímia é a palavra que possui um sentido Bucho
genérico, em relação a outras de sentido mais restrito, Buxo (arbusto)
(estômago de animais)
específico.
Caçar (perseguir animais) Cassar (anular)
Ex.: fruta é hiperônimo de laranja, banana, maçã. Cela (compartimento) Sela ( arreio)
Censo (recenseamento) Senso (juízo, raciocínio)
Hiponímia é a palavra que possui um sentido mais Cerração (nevoeiro denso) Serração (ato de serrar)
restrito, específico quando relacionada a outras de
sentido mais geral. Cidra (fruto) Sidra (vinho de maçã)
Concertar (harmonizar) Consertar (reparar)
Ex.: homem, mulher e criança são hipônimos de ―ser humano‖ Insipiente (ignorante) Incipiente (principiante)

 SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS Lasso (cansado ou


Laço (nó)
frouxo)
Sinonímia é a relação existente entre palavras que
possuem significados semelhantes. Paço (palácio) Passo (andar)

Cessão
Ex.:―A legalização da ‗morte piedosa‘ na Holanda faz o Seção/secção (parte,
(ato de ceder, doar)
mundo inteiro se perguntar: nós temos o direito de divisão)
Sessão (reunião)
escolher como e quando nossa vida vai acabar?‖
(morte piedosa = eutanásia) Tacha ( pequeno prego) Taxa (imposto)
(Superinteressante, março/2001)

Antonímia é relação existente entre palavras que


Paronímia é a relação existente entre palavras
possuem significados opostos, contrários.
semelhantes na pronúncia e na grafia, mas com
Ex.: ―Goiana morta em desastre aéreo está viva.‖ significado diferentes.
(Veja, 11.10.2000)
Ex.: Muito se lutou contra o tráfico negreiro.
Obs.: Não existem sinônimos perfeitos. Hoje, pela manhã, o tráfego estava um horror.

18
MORFOLOGIA
recrear (divertir, alegrar) recriar (criar novamente)

 DEFINIÇÃO
sortir (abastecer) surtir (produzir efeito)
Em linguística, morfologia é o estudo da estrutura,
tráfego (trânsito) tráfico (comércio ilegal) da formação e da classificação das palavras. A
peculiaridade da morfologia é estudar as palavras
olhando para elas isoladamente e não dentro da sua
vadear (atravessar a vadiar (andar
participação na frase ou período. A morfologia está
vau) ociosamente)
agrupada em dez classes, denominadas classes de
vultuoso (atacado de palavras ou classes gramaticais. São elas: Substantivo,
vultoso (volumoso) Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio,
congestão na face)
Preposição, Conjunção e Interjeição.
imergir (afundar) emergir (vir à tona)
● Palavras denotativas

inflação (alta dos preços) infração (violação) Série de palavras que se assemelham ao advérbio.
A NGB considera-as apenas como palavras denotativas,
não pertencendo a nenhuma das 10 classes gramaticais.
infringir (violar,
infligir (aplicar pena)
desrespeitar) Classificam-se em função da ideia que expressam:
 Adição - ainda, além disso etc. (Comeu tudo e ainda
Mandado (ordem
mandato (procuração) queria mais)
judicial)
 Afastamento - embora (Foi embora daqui)
 Afetividade - ainda bem, felizmente, infelizmente
ratificar (confirmar) retificar (corrigir)
(Ainda bem que passei de ano)
 Aproximação - quase, lá por, bem, uns, cerca de, por
emigrar (deixar um país) imigrar (entrar num país) volta de etc. (É quase 1h a pé)
 Designação - eis (Eis nosso carro novo)
iminente (prestes a  Exclusão - apesar, somente, só, salvo, unicamente,
Eminente (elevado) exclusive, exceto, senão, sequer, apenas etc. (Todos
ocorrer)
saíram, menos ela / Não me descontou sequer um real)
esbaforido (ofegante,  Explicação - isto é, por exemplo, a saber etc. (Li vários
espavorido (apavorado)
apressado) livros, a saber, os clássicos)
estada (permanência de estadia (permanência de  Inclusão - até, ainda, além disso, também, inclusive
pessoas) veículos) etc. (Eu também vou / Falta tudo, até água)
 Limitação - só, somente, unicamente, apenas etc.
(Apenas um me respondeu / Só ele veio à festa)
fusível (o que funde) fuzil (arma)
 Realce - é que, cá, lá, não, mas, é porque etc. (E você
lá sabe essa questão?)
absolver (perdoar,
absorver (sorver, aspirar)  Retificação - aliás, isto é, ou melhor, ou antes etc.
inocentar)
(Somos três, ou melhor, quatro)
 Situação - então, mas, se, agora, afinal etc. (Afinal,
arrear (pôr arreios) arriar (descer, cair) quem perguntaria a ele?)

● PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS


Cavaleiro (que cavalga) cavalheiro (homem cortês)
Processos de formação de palavras
● Raiz - morfema lexical originário, irredutível,
comprimento (extensão) cumprimento (saudação) geralmente monossilábico, que contém o núcleo
significativo comum às palavras cognatas ou de
mesma família. Por sofrerem muitas alterações e
Descrição (ato de discrição (reserva, serem de difícil delimitação, as análises trabalham
descrever) prudência) basicamente com os radicais.
● Radical - morfema lexical que se opõe aos outros de
descriminar (tirar a derivação e flexão numa palavra (galo, galinha,
discriminar (distinguir)
culpa, inocentar) galináceo). Alguns vocábulos são constituídos apenas
Despensa (onde se dispensa (ato de por radical (lápis, mar, hoje). Na prática, pode-se
guardam mantimentos) dispensar) fazer distinção entre diversos níveis de radicais,
sendo o radical primário a raiz (desregularizar -
desregulariz > regulariz > regul> reg - são 4 níveis de
radicais ditos primário, secundário ...)

19
● Vogal temática - vogal que, em alguns casos, ● Resumo esquemático:
agrega-se ao radical, preparando-o para receber as
desinências. Nos verbos, indicam a conjugação VOGAIS TEMÁTICAS
verbal (1ª -a, 2ª -e, 3ª -i), e são átonas (-a, -e, -o) nos
nomes. Conj. VT VT alom. Exemplos
● Tema - união de radical mais vogal temática. Nos
nomes, o tema é mais evidente em derivados de 1ª. A- E / O falei, falou (pret. perf. Ind.)
verbos (caça-dor / ferve-nte).
2ª. E- I /temia (pret. imp.. Ind.), temido (Part.)
3ª. I- E partes, parte, partem (pres. Ind.)

● Formas atemáticas - terminadas em cons. ou vog.


Observações
tônica (mar, café), constituem-se apenas de radical.
1ª pessoa do singular do presente do Indicativo e todo o
● Desinências - apoiam-se ao radical para marcar as presente do Subjuntivo têm VT = ø
flexões gramaticais. Podem ser nominais ou verbais:
Nominais - indicam flexões de gênero e ● o elemento o da 1ª pessoa do singular do presente do
número dos nomes (gat-a e gato-s) Indicativo é DNP
Verbais - indicam tempo e modo (modo temporais)
ou pessoa e número (número-pessoais) dos verbos. ● os elementos e e a do presente do subjuntivo são DMT

● Afixos - morfemas derivacionais (gramaticais)


agregados ao radical para formar palavras novas. DMT INDICATIVO
Prefixo - antes do radical (infeliz)
Sufixo - depois do radical (felizmente) Tempo DMT DMT alom. Exemplos

● Vogal e consoante de ligação - elementos mórficos Pres. - - amo, amas


insignificativos que surgem para facilitar ou até Pretérito perfeito- - amei, amaste
possibilitar a pronúncia de determinadas construções
(silv-í-cola, pe-z-inho, pobre-t-ão, gas-eificar, rat-i- Imp. (1ª. conj.) VA VE (vós)
cida, rod-o-via)·
amava, amáveis
● Alomorfes - são as variações que os morfemas Imp (2ª e 3ª conj.)
sofrem (amaria - amaríeis; feliz - felicidade). A E (vós)
temia, temíeis
 Cegalla divide os elementos estruturais: raiz/ radical / +-que-perf RA (át.) RE (vós)
tema (elementos básicos e significativos) + afixos / amara, amaríeis
desinências / VT (elementos modificadores da
signficação dos primeiros) + vogal e consoante de Futuro Pres.
ligação (elementos de ligação, eufônicos, não são RA(tôn.)
morfemas)
RE (eu, nós, vós)
 Nomes terminados por r, z, s (oxítonas) ou l amará, amarei
apresentam vogal temática só no plural (anima-i-s)
Futuro Prét. RIA RIE (vós)
 Grau não é flexão, por que os elementos que o amaria, amaríeis
caracterizam não são desinências. Os sufixos usados
na construção de graus podem sofrer flexões
(menin-inh-a-s) DMT SUBJUNTIVO

● Morfemas Tempo DMT DMT alom. Exemplos

Unidades mínimas de significação, integrantes da Pres. (1ª conj.) E - ame, ames


palavra, que não admitem subdivisão em unidades
significativas menores. Pres. (2ª conj.) A - tema, parta
Quanto à significação, podem ser: Imp. SSE - amasse, partisse
● morfemas lexicais (lexemas ou semantemas) de
significação externa, série aberta. Futuro R - amar, amares
● morfemas gramaticais (gramemas ou formantes) de
significação interna, relacionados ao universo
linguístico, série fechada.

20
DNP GERAL ● Prefixos:
Ambi duplicidade: ambíguo, ambidestro
Pessoa DNP DNP alom. Exemplos
bene/bem muito bom: beneficente, benfeitor
1ª sing. O / ø I / U sei, vou, sou
Cis do lado de cá, aquém: Cisplatino
2ª sing. S ES amares, andares
De de cima para baixo: decrescer, declive
3ª sing. Ø - ama, temeria
Justa ao lado: justaposição
1ª pl. MOS -amássemos, tememo s
Ob em frente: obstáculo
2ª pl. IS DES amais, amardes
Per movimento através, perfurar: percorrer
3ª pl. M EM, nasalidade + O amarem, amarão
Pro para frente, em lugar de: progresso, pronome, prólogo
Sesqui um e meio: sesquicentenário
● DNP PRETÉRITO PERFEITO INDICATIVO
vice/vis no lugar de, inferior a: vice-presidente, visconde
Pessoa DNP DNP alom. Exemplos Anfi em torno, duplicidade: anfiteatro, anfíbio
1ª. sing. I ø amei, temi, fiz, pus arqui/arc/arque/arce superioridade: arcebispo, arcanjo,
2ª. sing. STE - amaste, temeste arqueduque
3ª. sing. U ø amou, temeu, fez, pôs Cata de cima para baixo: catálogo
1ª. pl. MOS - amamos, tememos Dis dificuldade, mau estado, disenteria, dispnéia
2ª. pl. STES - amastes, temestes Endo/end interior, movimento, para dentro, envenoso,
3ª. pl. RAM - amaram, temeram endovenoso
Epi superior, posterioridade epiderme, epitáfio, epílogo
FORMAS NOMINAIS eu/ev bem, bom: eufonia, evangelho,
DMT DMT alom. Exemplos
Infinitivo R - amar, temer, partir EUFEMISMO
Gerúndio NDO - amando, vendendo Hipó inferior, escassez: hipocrisia, hipodérmico
Particípio DO sin/sim/si simultaneidade, companhia sinfonia, sílaba
TO, STO, SO,
● Sufixos:
etc. amado, feito, visto
Por sua natureza formadora, podem ser nominais,
verbais e adverbiais.
Observações
● DNP para pretérito perfeito do Indicativo é cumulativa ● Nominais (substantivos e adjetivos):
(indica também modo e tempo) agente, profissão - vendedor, inspetor, padeiro,
● DNP alomórfica no pretérito perfeito é marcada pela
sua ausência na 1ª e 3ª pessoas do singular (fiz, fez, manobrista, bibliotecário
pus, pôs, disse, trouxe) ação ou resultado de ação - martelada,
aprendizagem, matança, casamento, formatura
SIGNIFICADO DAS PALAVRAS ATRAVÉS DOS qualidade, estado - maldade, patriotismo,
ELEMENTOS MÓRFICOS
surdez, delicadeza, loucura
Pode-se identificar o significado de algumas doença, inflamação - cefaléia, anemia,
palavras através de seus elementos estruturadores.
Assim, o conhecimento de palavras cognatas auxilia não apendicite, tuberculose
só na delimitação dos elementos mórficos, mas também lugar - oratório, bebedouro, principado, orfanato, padaria
na descoberta do significado de um vocábulo
desconhecido. ciência, técnica, doutrina - geografia, estética, cristianismo
Aqui seguem algumas palavras com seus feito de, parece com - argênteo, ósseo, aquilino
elementos formadores e sua significação. Entretanto, a
quantidade de prefixos, sufixos e radicais é grande e seus coleção, aglomeração - cafezal, arvoredo, cabeleira
significados também múltiplos, merecendo um estudo aumentativo - bocarra, cabeçorra, casarão, homenzarrão
mais aprofundado.
diminutivo - riacho, viela, camarim, portinhola, homúnculo

21
● Verbais: anagrama - escrita/letra
verbos frequentativos (que se repete) - antropofagia - ato de comer
astronomia - lei/regra
espicaçar, pestanejar
autônomo, metrônomo - que regula
verbos diminutivos (ação diminutiva) - barítono, monótono - tensão/tom
petiscar, chuviscar, pinicar bibliofilia - amizade
cartomancia - adivinhação
verbos incoativos (início de ação ou passagem
centrífugo - que foge ou faz fugir
para novo estado ou qualidade) - demagogo - que conduz/leva
amanhecer, florescer democracia - poder
verbos causativos (ação que deve ser diálogo, psicólogo - palavra/estudo
frutífero - que produz ou faz
praticada ou dar certa qualidade a uma
helicóptero - asa
coisa) - canalizar, debilitar, esquentar heterodoxo - que opina
heterogêneo - que gera
● Adverbiais:
lobotomia - corte/divisão
-mente - felizmente, bondosamente microscópio - examinar/ver
monarca - que comanda
 RADICAIS:
neurastenia - debilidade
O significado de alguns radicais. nevralgia - dor
ovíparo - que produz
● 1º elemento: xenofobia, hidrofobia - ódio/temor
acrópole, acrofobia - alto
agricultura - campo 3.3. Processos de formação de palavras
anemômetro - vento
As palavras estão em constante processo de
apicultura - abelha
evolução, tornando a língua um fenômeno vivo que
asterisco, asteroide - estrela acompanha o homem. Alguns vocábulos caem em
cacofonia - mau desuso (arcaísmos), outros nascem (neologismos) e
caligrafia - belo muitos mudam de significado com o passar do tempo.
eneágono - nove
equivalência - igual Em Língua Portuguesa, em função da estruturação e
origem das palavras, pode-se chegar à seguinte divisão:
filologia, filarmônica - amigo ● Palavras primitivas - não derivam de outras (casa, flor)
fisionomia, fisiologia - natureza ● Palavras derivadas - derivam de outras (casebre,
fotofobia, fotosfera - fogo/luz florzinha)
heterossexual, heterogêneo - outro ● Palavras simples - só possuem um radical (couve, flor)
isósceles - igual ● Palavras compostas - possuem mais de um radical
(couve-flor, aguardente)
locomotiva - lugar
megalomaníaco - grande Para a formação das palavras portuguesas, é
misantropo - ódio necessário o conhecimento dos seguintes processos de
mitologia - fábula formação:
necropsia - morto ● Composição - junção de radicais. São dois tipos de
onomatopéia - nome composição, em função de ter havido ou não alteração
fonética.
ornitologia - ave
● Justaposição - sem alteração fonética (girassol, sexta-
oxítono - agudo/penetrante feira)
pan-americano - todos ● aglutinação - alteração fonética, com perda de
patologia - sentimento/doença elementos (planalto, pernalta).
peleografia - antigo
pirotecnia - fogo Gera perda da delimitação vocabular e a existência
de um único acento fônico
pisciforme - peixe
● Derivação - palavra primitiva (1 radical) acrescida,
plutocracia - riqueza geralmente, de afixos. São cinco tipos de derivação.
pneumático - ar/sopro ● Prefixal - acréscimo de prefixo à palavra primitiva (in-
quiromancia - mão feliz, des-leal)
retângulo - reto ● Sufixal - acréscimo de sufixo à palavra primitiva (feliz-
tipografia - figura/marca mente, leal-dade)
2º elemento:

22
● Parassintética ou parassíntese - acréscimo Do ponto de vista sintático, o artigo é um termo que
simultâneo de prefixo e sufixo, ao mesmo tempo, à funciona sempre como adjunto adnominal.
palavra primitiva (en+surdo+ecer / a+benção+ado /
en+forca+ar). Por esse processo se forma O artigo pode ser confundido com:
essencialmente verbos, de base substantiva ou
adjetiva; mas há parassintéticos de outras classes Pronome oblíquo.
(subterrâneo, desnaturado)
Pronome demonstrativo.
Observação: Se com a retirada do prefixo ou do sufixo
não existir aquela palavra na língua, houve parassíntese Preposição.
(infeliz existe e felizmente existe, logo houve prefixação e
sufixação em infelizmente; Numeral.
Ensurde não existe e surdecer também não existe, logo
ensurdecer foi formada por parassíntese); o regressiva ou COISA LINDA, ATENÇÃO!
deverbal - redução da palavra primitiva (frangão > frango
gajão > gajo, rosmaninho > rosmano, sarampão > 1 - Artigo contra pronome oblíquo.
sarampo, delegado >delega, flagrante > flagra,
comunista>comuna). Cria substantivos, que denotam Os pronomes oblíquos átonos o, a, os, as atuam
ação, derivados de verbos, daí ser chamado também como complemento de verbo, logo acompanham um
derivação deverbal (amparo, choro, voo, corte, destaque, verbo, e não um substantivo.
conserva, fala, pesca, visita, denúncia etc.). O livro é este aqui, eu o trouxe agora.

Observação: Para determinar se a palavra primitiva é o 2 - Artigo contra demonstrativo.


verbo ou o substantivo cognato, usa-se o seguinte critério:
Os pronomes demonstrativos o, a, os, as
substantivo denotando ação constitui-se em palavra
aparecem em alguns casos: antes de pronome relativo
derivada do verbo, mas se o substantivo denotar objeto
que, antes da preposição de e quando substitui um termo
ou substância será primitivo (ajudar > ajuda, estudar >
ou uma frase inteira ( somente o demonstrativo o atua
estudo ≠ planta > plantar, âncora > ancorar) o imprópria
nesse terceiro caso, vindo normalmente acompanhados
ou conversão - alteração da classe gramatical da palavra
dos verbos ser ou fazer). Tais pronomes podem ser
primitiva ("o jantar" - de verbo para substantivo, "é um
substituídos por aquele, aquela, aquilo, isso, isto.
judas" - de substantivo próprio a comum, damasco por
Damasco)
A verdade é que uma turma só é boa de seus
componentes também o (isso = bons) forem.
● Hibridismo - são palavras compostas, ou derivadas,
- João, eu soube que você brigou com a sua namorada.
constituídas por elementos originários de línguas
- José Carlos, eu não o fiz ( perceba que, nessa frase, o
diferentes (automóvel e monóculo- gr e lat / sociologia,
pronome o refere-se ao ato de brigar com a namorada,
bígamo, bicicleta - lat e gr / alcalóide, alcoômetro - ár. e
podendo ser substituído, inclusive, pela palavra isso – Eu
gr. / caiporismo - tupi e gr. / bananal - afric e lat. /
não fiz isso.
sambódromo - afric e gr / burocracia - fran e gr)
● Onomatopéia - reprodução imitativa de sons (pingue- Mas que melhor metafísica que a ( aquelas) delas.
pingue, zunzum, miau, zinzizular) São poucos os que mandam e muitos os que obedecem.
● Abreviação vocabular - redução da palavra até o limite
de sua compreensão (metrô, moto, pneu, extra) 3 - Artigo contra preposição.
● Siglonimização - formação de siglas, utilizando as
letras iniciais de uma sequência de palavras (Academia A preposição vem indicando locução adjetiva.
Brasileira de Letras - ABL). A partir de siglas, formam-se
outras palavras também (aidético, petista, uergiano) Barco a vela.

ESTUDO DO ARTIGO ● LOCUÇÃO ADVERBIAL

É a palavra variável que tem por finalidade Ali as coisas eram ditas a meia voz
individualizar, isto é, indicar a coisa, essa individualização
ou indicação pode ser feita de duas maneiras; ou de ● LOCUÇÃO PREPOSITIVA
maneira precisa, definida, ou de maneira imprecisa,
indefinida. A despeito de.

A própria conceituação de artigo leva-nos aos dois Ligando verbos e nomes a seus complementos.
subgrupos.
Isto é útil a todos.
Definidos: o, a, os, as.
Ligando verbo a verbo.
Indefinidos: um, uma, uns, umas.
Votei a correr.

23
Quando é invariável. 6 - Antes de pronome interrogativo.( que)

Iremos a Manaus. O que você quer com ela?

Quando inicia oração. 7 - Antes de pronome indefinido. ( outro, demais).

Sou favorável a que se tome isso Não fale nada à outra colega.

4 - Artigo contra numeral. 8 - Antes de pronome relativo ( na locução o ( a) qual).

O numeral um ou uma indica quantidade As mulheres as quais fumam...


correspondente à unidade e admite o acompanhamento
das palavras só, somente ou apenas. 9 - Antes de conjunção comparativa.
José Carlos flauzino gastou um litro de álcool para
sair. (só, somente, apenas um litro). José Carlos flauzino é mais inteligente do que o Arthur.

Quantas flores você ganhou? COISA LINDA!

____ ganhei, uma! Que o artigo individualiza, isto é, indica, aponta um


objeto, é coisa fora de questão; consideremos a
COISA LINDA, CUIDADO! expressão minha filha. A omissão do artigo, nesse caso,
deixa entrever a existência de outros filhos; se,
Em "José Carlos Flauzino entrou na livraria para acrescentando à expressão o artigo a, dissermos a
comprar um livro de psicologia." temos de entender tal minha filha, já outro sentido ela adquire, pois o artigo virá
vocábulo como artigo indefinido. Mas é possível colocar indicar, individualizar a coisa expressa, denotando a
só, somente, apenas antes de um. Sempre observe o existência de uma única filha ou de uma filha toda
contexto. especial, mais querida.

5 - Artigo contra pronome indefinido. Usa-se, obrigatoriamente, o artigo definido:

Os pronomes indefinidos um, uma, uns, umas não 1. Após o pronome indefinido todo, no sentido de
vem acompanhando um substantivo, vem substituindo-o. totalidade, inteiro.
Normalmente, na mesma frase, aparece o pronome outro.
O jovem leu todo o livro. (o livro inteiro)
Uns chegam, outros saem.
Se o pronome indefinido todo tiver o sentido de
qualquer, faz-se a omissão do artigo:
COISA LINDA, MUITO CUIDADO!
Todo homem tem suas paixões. (qualquer).
Existem alguns casos em que o artigo vem antes de:
2. No plural, empregam-se sempre os artigos os ou as
1 - Advérbio seguido de adjetivo. após todos, todas, especialmente quando seguidos de
numerais e substantivos:
Ele é o mais divertido do programa.
Todas as mulheres do bairro frequentam a feira.
2 - Antes de numeral. (substituindo substantivo)
3. Após o numeral ambos e antes do substantivo a que
Tio, tia e filha bebiam. Os três eram engraçados. se refere:

O professor puniu ambos os alunos.


3 - Antes de pronome de tratamento. (mesmo).
4 Antes de nomes de estado, países, continentes, rios,
José Carlos Flauzino passou na prova. O mesmo não
serras e de outros nomes próprios geográficos:
aconteceu com o Paulo.
O Rio de Janeiro é lindo.
4 - Antes de pronomes possessivos. ( substituindo
substantivo). 5. Sempre que desejar designar criações literárias;
Não direi nada a teu tio, porém ao meu. O Grande Sertão: Veredas.
5 - Antes de pronome de tratamento. ( senhor, senhora, Se o artigo pertencer ao título da obra, não de admite
senhorita) combinação com preposição.

A senhora é muito bonita. Li isto em Os Sertões.

24
6. Quando não de deseja repetir substantivo já ESTUDO DOS SUBSTANTIVOS
mencionado. Neste caso, o artigo deve substituí-lo
sempre que necessário.
 SUBSTANTIVO
Usou a blusa amarela e a azul muitas vezes. O substantivo é a palavra que nomeia tudo o que
tem substância tudo o que existe, tudo o que imaginamos
Se houver omissão do artigo, a frase assume um outro existir.
sentido: neste exemplo, tem-se a impressão de que a É bom dizer que não é só o verbo que indica ação
blusa tem duas cores. ou fenômeno da natureza, não é só o adjetivo que indica
estado ou qualidade. O substantivo pode indicar ação
Usou a blusa amarela e azul muitas vezes. (vingança), estado (doença), condição (pobreza),
É facultativo o emprego do artigo definido antes de qualidade (fidelidade), sentimento (amor), acontecimento
pronomes possessivos, (sonho), concepção/ doutrina (fé).

Venderam o meu livro por engano. O substantivo é uma palavra que varia em gênero,
número e grau, normalmente.
NÃO SE DEVE USAR O ARTIGO.
Do ponto de vista sintático.
1. Após o pronome relativo cujo:
1 sujeito
Aquele é o menino cujo pai o passou no concurso. (errado)
2 objeto direto
2. Antes de pronome de tratamento.
3 objeto indireto
A vossa excelência chegará hoje. (errado)
4 predicativo do sujeito
3. Antes do pronome outro.
5 predicativo do objeto
Uns chegaram, os outros chegaram cedo. (errado)
6 complemento nominal
Se o pronome outro estiver determinado, usa-se o
artigo: 7 agente da passiva

Os outros convidados chegarão mais tarde. (certo). 8 adjunto adnominal

9 adjunto adverbial
COISA LINDA, ATENÇÃO!
10 aposto
Diante de nome de pessoa, só se usa artigo para indicar
afetividade, familiaridade, intimidade. 11 vocativo

O José Carlos Flauzino é muito legal. COISA LINDA, ATENÇÃO!

Anotações Concretos e abstratos.

Grupo 1: o dos que designam seres que têm existência


independente, ou que o pensamento apresenta como tal.
Pouco importa que tais seres sejam reais ou não,
matérias ou espirituais. São os substantivos concretos.
1 pessoas: José Carlos Flauzino.
2 animais: águia
3 vegetais: árvore.
4 objetos: livro.
5 lugares: Rio de Janeiro
6 entidades: alma, fada.
7 mineiras: água, mercúrio
8 fenômenos: chuva, vento, nevoeiro
9 instituições: parlamento, tribunal
10 concepções: círculo, algarismo, símbolo.

25
Grupo 2: o dos que designam seres de qualidade,  FLEXÕES:
ações ou estados.
a) de gênero: avô (m)- avó(f); cavaleiro(m)- amazona (f);
Chamam-se substantivos abstratos. carneiro(m)- ovelha(f).

1 qualidade: tristeza. Obs.: Existem substantivos que apresentam uma única


forma para os dois gêneros, trata-se dos substantivos
2 ações: adoração, casamento, encontro. uniformes.

3 estados: morte, vida, sonho, cegueira.


comum-de-dois: substantivos o/a artista, o/a
de uma intérprete,
Muitos substantivos podem ser variavelmente
só forma; a diferença entre o
abstratos, ou concretos, conforme o sentido em que se o/a cliente
masculino
empregam.
Deste modo, redação, por exemplo, é nome e o feminino só é feita com o
abstrato, quando significa "o ato de redigir", numa frase artigo.
como está: sobrecomum: substantivos de
a pessoa, o cônjugue,
um só
A redação das leis requer clareza. gênero que se referem a seres
a testemunha
humanos
Com sentido, porém, "de trabalho escolar escrito", epiceno: substantivos a águia macho - a
já passa a nome concreto. pertencentes a um águia
Na redação deste aluno, assinalei a lápis vermelho, único gênero que designam fêmea; o mamoeiro
vários erros. animais ou macho
plantas, cuja distinção de sexo
o mamoeiro fêmea
Próprio e comum. é feita
pelos adjetivos macho e fêmea
Próprio: é aquele que designa um ser entre outros
da sua espécie. Substantivos biformes que merecem destaque

Topônimo: nome de lugar. Masculino Feminino


Antropônimo: nome de pessoa. Frade Freira
Frei Sóror
Comum: é aquele que designam todos os seres da Czar Czarina
mesma da mesma espécie.
Ladrão Ladra
Simples e composto. General Generala
Imperador Imperatriz
Simples: palavra que possui um só radical.
Réu Ré
Composto: formado por mais de um radical. Poeta Poetisa
Judeu Judia
Primitivo e derivado.
Monge Monja
Primitivo: podem dar origem a outras palavras. Presidente Presidenta
Prefeito Prefeita
Derivado: aquele que se origina de outra palavra.
b) de número: singular (cidadão, estudante, vesti-bular);
Coletivo. São aqueles que, embora no singular, designam plural (cidadãos, estudantes, vestibula-res).
um conjunto de seres ou coisas da mesma espécie. c) de grau: aumentativo analítico ( nariz grande);
aumentativo sintético(narigão); diminutivo ana-
OBSERVAÇÃO, COISA LINDA! lítico(nariz pequeno); diminutivo sintético (narizi-nho).
Há substantivos comuns que são nomes Gêneros que podem oferecer dúvida
individualizados, não como os nomes próprios, mas pelo
contexto extralinguístico e pelo saber que nos diz que, no ● São masc5ulinos:
contexto "natural" nosso. Só há uma lua, um sol, um mês
de fevereiro, e um dia da semana segunda- feira e, no Os nomes de letra de alfabeto, clã, champanha, dengue,
contexto "cultural", só há um papa. Se forem escritos com dó, eclipse, formicida, grama (unidade de peso), hosana,
maiúscula, deve-se o fato a pura convenção ortográfica, e jângal (jângala), lança-perfume, milhar, orbe, pijama,
não porque são nomes próprios. (lua, sol, fevereiro, proclama, saca-rolhas, sanduíche, símile, sósia,
segunda- feira, papa ). telefonema.

26
● São femininos: b) Se termina por vogal tônica, nasal ou diton-go, é
de emprego obrigatório –zinho (-zito, etc.): boné-
Aguardente, alface, alcunha, alcione, análise, anacruse,
bonezinho; siri-sirizinho; álbum- albunzinho; bem-
bacanal, cal, fácies, fama, cal, cataplasma, cólera, coma
benzinho.
(cabeleira e vírgula), dinamite, elipse, faringe, fênix,
filoxera, fruta-pão, libido, musse, preá, síndrome, tíbia,
c) Se terminam em ―s‖ou ―z‖, o emprego normal é
variante e os nomes terminados em –gem (exceção de
com –inho (-ito, etc.), repudiando-se –zinho (-zito,
personagem que pode ser feminino ou masculino).
etc.) e ficando intacta a palavra básica: lapisinho,
cuscuzinho, rapazinho, cartazinho.
● São indiferentemente femininos e masculinos:
Ágape, avestruz, caudal, crisma, diabete(s), gambá, In: BECHARA, Evanildo. Gramática escolar da Língua Portuguesa. 1ed.
Rio de Janeiro: Lucerna, 2001. - girassóis.
hélice, íris, juriti, igarité, lama ou lhama, laringe,
ordenança, pampa, personagem, renque, sabiá, sentinela,
soprano, suéter, tapa, trama(intriga), víspora.
 ADJETIVOS

O adjetivo é a palavra variável que modifica a


compreensão do substantivo, atribuindo-lhe uma
Metafonia
qualidade, um estado, uma característica e lugar de
Há muitos substantivos cuja formação do plural não origem.
se manifesta apenas por meio de modificações
morfológicas, mas também implica alteração fonológica. Mulher bondosa. (qualidade).
Nesses casos, ocorre um fenômeno chamado metafonia,
mudança de som entre uma forma e outra. Trata-se da Menino doente. (estado).
alternância do timbre da vogal, que é fechada na forma
do singular e aberto na forma do plural. Borboletas brancas (característica).

Singular (ô) Plural (ó) Cidadão carioca. (lugar de origem).


aposto apostos
corno cornos Nos exemplos acima, os adjetivos em negrito
corvo corvos caracterizam seus respectivos substantivos, atribuindo-
lhes características que existem nos seres. Contudo, se a
fogo fogos
qualidade for considerada em si mesma, independente do
imposto Impostos ser, teremos um substantivo abstrato e não um adjetivo.
miolo miolos Assim em "borboletas brancas", brancas é
osso ossos adjetivo, porque expressa característica no substantivo
poço poços borboletas; entretanto, se essa característica estiver
porto portos isolado do ser, apesar de referente a ele, esse adjetivo
povo povos torna-se substantivo abstrato.
caroço caroços
corpo corpos A brancura da borboleta.( substantivo abstrato).
esforço esforços
forno fornos COISA LINDA, CUIDADO!
Jogo jogos
Olho olhos Pertence à classe do adjetivo toda palavra que
Ovo ovos indica qualidade. Essa definição não resiste à menor
Porco porco crítica, pois bondade é sem dúvida uma qualidade, e no
Posto postos entanto, não se pode considerá-la como adjetivo. A
Reforço reforços maioria dos advérbios terminados em mente, como bem
Tijolo tijolos ou mal, indicam também qualidade; mas por isso não vão
chamar-se adjetivo.
Do ponto de vista sintático, o adjetivo só exerce
duas funções: adjunto adnominal ou predicativo ( do
sujeito ou do objeto).
Plural dos nomes com o sufixo –zinho
O adjetivo e a locução adjetiva têm função sintática
Conforme a regra de ortografia oficial: de adjunto adnominal quando vem dentro do sintagma
nominal, mas quando têm função de predicativo, vêm fora
a) se o substantivo termina por vogal átona ou do sintagma nominal.
consoante (exceto –s e –z), a escolha é Aquele carro verde é lindo, verde funciona como
materialmente indiferente, apesar de aparecerem adjunto adnominal, pois faz parte do sintagma nominal;
nuanças de sentido contextuais: corpo – corpinho/ já lindo funciona como predicativo do sujeito, pois está
corpozinho (forma básica intacta); flor- florinha/ fora do sintagma.
florzinha; mulher- mulherinha/ mulherzinha.

27
ATENÇÃO, COISA LINDA!
Homem mortal.
As classes gramáticas modificadas por um adjetivo
são o substantivo, o pronome, o numeral, qualquer Pátrio ou gentílico. É o que indica a nacionalidade, a
palavra de valor substantivo ( verbo no infinitivo) e até pátria, o lugar, a procedência, a raça e a origem.
uma oração substantiva.
Pertence à classe do adjetivo ,normalmente, a África – africano.
palavra variável que se deixa preceder pelo advérbio tão. Acre – acreano.
Macapá – macapaense.
José Carlos Flauzino é paciente. (tão paciente)
logo paciente é adjetivo. COISA LINDA, ATENÇÃO!

COISA LINDA, ATENÇÃO! Cuidado com os adjetivos restritivos, pois a presença


ou a ausência de algum sinal de pontuação pode mudar o
O fato de vir o adjetivo qualificando o substantivo, sentido.
resulta muitas vezes que, tirando-se o substantivo,
continua sendo este facilmente subentendido, sem O menino alegre chegou.
prejuízo para o sentido; assim é que diz ¨ o belo ¨. Tal
adjetivo assume então o caráter do substantivo, e é O menino, alegre, chegou.
disso confirmação o fato de poderem vir acompanhados
de um artigo, quase sempre que isso acontece, tais Na primeira frase, o menino é inerentemente alegre.
adjetivos se dizem adjetivos substantivados. Adjetivo Na segunda o menino estava temporariamente alegre.
substantivado é, pois, o adjetivo que exercem função de
substantivo. Já os adjetivos explicativos é sempre separado por
Vise-versa, o substantivo pode passar para a pontuação (vírgula, travessão ou parênteses), pois
classe dos adjetivos. Tal sucede sempre que o informa sempre uma característica inerente e própria do
substantivo se relaciona com outro substantivo, ser.
passando, pois, a ser modificador, e, por isso, a funcionar
como adjetivo: filho homem. Homem é substantivo, mas O homem, mortal, não deveria ser orgulho.
por vir modificando substantivo, tornam-se adjetivos. Diz-
se, nesse caso, que o substantivo está adjetivado. Locução adjetiva.
Substantivo adjetivado, é portanto, o substantivo que
Muitas vezes, preferimos usar, no lugar de um adjetivo,
exerce função de adjetivo.
uma expressão formada por mais de uma palavra para
caracterizar o substantivo. Essa expressão, que tem o
● Classificação
mesmo sentido e o mesmo valor de um adjetivo, recebe o
nome de locução adjetiva.
Simples. Apresenta apenas um radical.
Justiça de Deus = divina.
Homem grande.
As locuções adjetivas podem ser formadas por:
Composto. Apresenta + de um radical.
1 preposição + substantivo.
Homem surdo-mudo.
Mulher sem cabelo
Primitivo. Não apresenta afixo. É aquele que dá
origem a outra palavra.
2 preposição + advérbio.
Homem bom.
Jornal da tarde.
Derivado. Apresenta afixos. É formado a partir de um
outro adjetivo, de um substantivo ou de um verbo, por
Nem sempre a locução adjetiva possui um
meio de afixos.
adjetivo correspondente.
Homem bondoso.
Não confunda locução adjetiva com locução adverbial.
Embora a NGB não classifique os adjetivos em
Vi uma menina em Minas Gerais. Lugar onde se viu;
restritivo e explicativo, é comum encontrar-se esta
locução adverbial.
divisão:
Vi uma menina de Minas Gerais. Origem – mineira;
Restritivo. Acrescenta um sentido não inerente ao ser.
locução adjetiva.
Suco amargo.

Explicativo. Apresenta um sentido inerente, ao próprio


ser.

28
ATENÇÃO, COISA LINDA! PLURAL DO ADJETIVO COMPOSTO

Há uma situação em que se podem usar mais grande, Analise a ultima palavra da direita isoladamente: se ela for
mais pequeno, mais bom, mais ruim. Tal ocorre quando adjetivo, coloque-a no plural.
houver comparação de duas qualidades do mesmo ser.
Vestido azul-claro = vestidos azul-claros
José Carlos Flauzino é mais grande do que forte. Cortina verde-folha = cortinas verde-folha.

1 adjetivos antepostos ao substantivo têm valor subjetivo. Não obedecem à regra:


(tem valor muitas vezes de conotação). Surdo-mudo = surdos-mudos.
Azul-marinho = azul-marinho.
2 os que vem pospostos têm normalmente valor objetivo. Azul-celeste = azul-celeste
(tem valor muitas vezes de denotação).
Locução adjetiva - expressões constituídas, em geral,
Grande homem = homem correto, bom. por preposição + substantivo e que serve para
caracterizar um ser.
Homem grande = homem de proporções físicas
destacadas. Ex.: estudantes com esperanças (prep + substantivo)

Velho amigo = amigo de longa data.


Locução adjetiva Adjetivo correspondente
Amigo velho = amigo idoso. Prisão em casa prisão domiciliar
água da chuva águas pluviais
Mau aluno = aluno que não estuda e não se dedica. agilidade de gato agilidade felina
zona de gelo zona glacial
Aluno mau = aluno que faz maldades. Atitude de irmão atitude fraternal
O adjetivo pode expressar um ponto de vista, um juízo
de valor, uma avaliação por parte do locutor do texto. Isso Anotações
é modalização.

 FLEXÕES:

a) de gênero: bonito(m), bonita(f).

b) de número: inteligente(s), inteligentes(p).

 GRAUS DO ADJETIVO

1. Comparativo:

a) de igualdade: ela é tão estudiosa quanto ele.


b) de superioridade: ela é mais estudiosa que ele.
c) de inferioridade: ele é menos estudioso que ela.

2. Superlativo: em essência não tem comparação. É a


elevação de uma qualidade ao máximo.

Absoluto:
• Sintético: belo – belíssimo.
• Analítico: belo – muito belo.

Relativo: foge um pouco à essência, pois estabelece


comparação entre um ser e um grupo que possui o ser.

Ex.: Ela é a mais estudiosa da turma.


Ex.: Ele é o menos estudioso da turma.

29
ESTUDO DOS PRONOMES PRONOMES PESSOAIS
CASO CASO OBLÍQUO (= complemento)
Pronome é a palavra que serve para substituir um RETO Átonos Tônicos
substantivo (nome) ou acompanhar o substantivo, (= sujeito) (sem prep.) (com prep.)
definindo-lhe os limites de significação. Eu Me Mim
Tu Te Ti
Observe as orações: Ele/ela Se, o, a, lhe Si, ele, ela
Nós Nos Nós
► “A igreja está em ruínas, por isso os fieis querem que Vós Vos Vós
o padre reforme a igreja, porque a igreja faz parte da Eles/elas Se, os, as, lhes Si, eles, elas
história da cidade.”
Os pronomes eu e tu sempre exercerão a função
Vamos, então, reescrevê-las para substituir as repetições de sujeito. Os pronomes ele (ela), nós, vós, eles (elas)
por outras palavras: podem exercer tanto a função de sujeito como de objeto.

► “A igreja está em ruínas, por isso os fieis querem que Emprego dos pronomes pessoais
o padre a reforme, porque ela faz parte da história da
cidade.” 1) Os pronomes oblíquos me, nos, te, vos e se podem
indicar que a ação praticada pelo sujeito reflete-se no
As palavras a e ela são pronomes. próprio sujeito; são chamados pronomes reflexivos.

Ex.: Ana machucou-se.


CLASSIFICAÇÃO DOS PRONOMES: Olhei-me no espelho.

Pessoais, demonstrativos, possessivos, 2) Os pronomes oblíquos nos, vos e se, quando


interrogativos, relativos e indefinidos. significam um ao outro, indicam uma recipro-cidade,
isto é, uma troca de ações.

Pronomes Pessoais Ex.: Os deputados agrediram-se no Planalto.

Como indica reciprocidade recebe o nome de


Função no pronome reflexivo recíproco.
Pessoa Pronomes pessoais
ato de
gramatical representantes
comunicação 3) Uso do eu e do mim. O pronome reto eu só poderá
ter função sintática de sujeito. Isto quer dizer que ele
A que Eu, me, mim (singular) poderá está ao lado de uma preposição se estiver
1ª pessoa acompanhado de verbo no infinitivo. Se a preposição
fala Nós, nos (plural)
aparecer sem o verbo no infinitivo, obrigatoriamente
deverá ser usado o pronome oblíquo.
Com quem Tu, te, ti (singular)
2ª pessoa Ex.: Isto é para eu fazer?
se fala Vós, vos (plural)
(prep. + pronome reto + verbo no infinitivo)

Ele, ela, o/a, se, si, lhe Isto é para mim?


A respeito de (singular) (prep. + pronome oblíquo)
3ª pessoa
quem se fala Eles/elas, os/as, se, si,
lhes(plural) Entre mim e ele não há mais nada.
(prep.+ pronome oblíquo tônico)

4) Há ainda os pronomes reflexivos si e consigo, que


Obs.: Os pronomes tu e vós são, na maioria das deverão referir-se ao sujeito da frase.
regiões brasileiras, substituídos pelas formas
você e vocês. Ex.: O egoísta só pensa em si.
A senhora levará as crianças consigo.

Em uma oração, os pronomes pessoais podem exercer a 5) Emprego de o, a, os, as


função de sujeito ou de complemento. a) Em verbos terminados em vogal ou ditongo oral os
pronomes o, a, os, as não se alteram. Ex.: Chame-o
Ex.: Ele passará no vestibular. agora. Deixei-a mais tranquila.
Ele – sujeito.
b) Em verbos terminados em r, s ou z, estas consoantes
O policial não concordou com ele. finais alteram-se para lo, la, los, las. Ex.:
Ele – complemento. (Encontrar)Encontrá-lo é o meu maior sonho. (Fiz) Fi-lo
porque não tinha alternativa.

30
c) Em verbos terminados em ditongos nasais (am, em, ão, da pessoa a que se refere, e não com o substantivo que
õe, õe), os pronomes o, a, os, as alteram-se para no, na, compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for
nos, nas. homem, o correto é "Vossa Excelência está atarefado",
Ex.: Chamem-no agora. Põe-na sobre a mesa. "Vossa Senhoria deve estar satisfeito"; se for mulher,
"Vossa Excelência está atarefada", "Vossa Senhoria deve
d) As formas combinadas dos pronomes oblíquos mo, to, estar satisfeita".
lho, no-lo, vo-lo, formas em desuso, podem ocorrer em
próclise, ênclise ou mesóclise. Ex.: Ele mo deu. (Ele me 2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento
deu o livro) Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento
obedece a secular tradição. São de uso consagrado:
COM NÓS E CONOSCO Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:
COM VÓS E CONVOSCO
a) do Poder Executivo;
Emprega-se com nós e com vós quando estes Presidente da República;
pronomes tônicos vêm seguidos ou precedidos de Vice-Presidente da República;
mesmos, próprios, todos, ambos, numerais, aposto Ministros de Estado;
ou orações adjetivas. Governadores e Vice-Governadores de Estado e do
Distrito Federal;
Pronomes de Tratamento Oficiais-Generais das Forças Armadas;
Breve História dos Pronomes de Tratamento Embaixadores;
Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes
O uso de pronomes e locuções pronominais de de cargos de natureza especial;
tratamento tem larga tradição na língua portuguesa. De Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
acordo com Said Ali, após serem incorporados ao Prefeitos Municipais.
português os pronomes latinos tu e vos, "como tratamento
direto da pessoa ou pessoas a quem se dirigia a palavra", b) do Poder Legislativo:
passou-se a empregar, como expediente linguístico de Deputados Federais e Senadores;
distinção e de respeito, a segunda pessoa do plural no Ministro do Tribunal de Contas da União;
tratamento de pessoas de hierarquia superior. Prossegue Deputados Estaduais e Distritais;
o autor: Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
"Outro modo de tratamento indireto consistiu em Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
fingir que se dirigia a palavra a um atributo ou qualidade
eminente da pessoa de categoria superior, e não a ela c) do Poder Judiciário:
própria. Assim aproximavam-se os vassalos de seu rei Ministros dos Tribunais Superiores;
com o tratamento de vossa mercê, vossa senhoria (...); Membros de Tribunais;
assim usou-se o tratamento ducal de vossa excelência e Juízes;
adotaram-se na hierarquia eclesiástica vossa reverência, Auditores da Justiça Militar.
vossa paternidade, vossa eminência, vossa santidade."
A partir do final do século XVI, esse modo de O vocativo a ser empregado em comunicações
tratamento indireto já estava em voga também para os dirigidas aos Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor,
ocupantes de certos cargos públicos. Vossa mercê seguido do cargo respectivo:
evoluiu para vosmecê, e depois para o coloquial você. E o Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
pronome vós, com o tempo, caiu em desuso. É dessa Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso
tradição que provém o atual emprego de pronomes de Nacional,
tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo
autoridades civis, militares e eclesiásticas. Tribunal Federal.
As demais autoridades serão tratadas com o
Concordância com os Pronomes de Tratamento vocativo Senhor, seguido do cargo respectivo:

Os pronomes de tratamento (ou de segunda Senhor Senador,


pessoa indireta) apresentam certas peculiaridades quanto Senhor Juiz,
à concordância verbal, nominal e pronominal. Embora se
refiram à segunda pessoa gramatical (à pessoa com Senhor Ministro,
quem se fala, ou a quem se dirige a comunicação), levam Senhor Governador,
a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo
concorda com o substantivo que integra a locução como Em comunicações oficiais, está abolido o uso do
seu núcleo sintático: "Vossa Senhoria nomeará o tratamento digníssimo (DD), às autoridades arroladas na
substituto"; "Vossa Excelência conhece o assunto". lista anterior. A dignidade é pressuposto para que se
Da mesma forma, os pronomes possessivos ocupe qualquer cargo público, sendo desnecessária sua
referidos a pronomes de tratamento são sempre os da repetida evocação.
terceira pessoa: "Vossa Senhoria nomeará seu substituto" Vossa Senhoria é empregado para as demais
(e não "Vossa ... vosso..."). autoridades e para particulares. O vocativo adequado é:
Já quanto aos adjetivos referidos a esses
pronomes, o gênero gramatical deve coincidir com o sexo

31
Senhor Fulano de Tal, 1ª pessoa Meu, minha, meus, minhas
(...)
Como se depreende do exemplo acima, fica Singular 2ª pessoa Teu, tua, teus, tuas
dispensado o emprego do superlativo ilustríssimo para as 3ª pessoa Seu, sua, seus, suas
autoridades que recebem o tratamento de Vossa 1ª pessoa Nosso, nossa, nossos, nossas
Senhoria e para particulares. É suficiente o uso do
pronome de tratamento Senhor. Plural 2ª pessoa Vosso, vossa, vossos, vossas
Acrescente-se que doutor não é forma de 3ª pessoa Seu, sua, seus, suas
tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo
indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o
apenas em comunicações dirigidas a pessoas que 1) Os pronomes possessivos seu, sua, seus, suas
tenham tal grau por terem concluído curso universitário de podem referir-se à 3ª pessoa (seu tio = tio dele), como
doutorado. É costume designar por doutor os bacharéis, à 2ª pessoa ( seu tio = o tio de você). Desta forma,
especialmente os bacharéis em Direito e em quando os pronomes possessivos derem margem à
Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor ambiguidade, devem ser substituídos pelas
confere a desejada formalidade às comunicações. expressões dele(s), dela(s).
Mencionemos, ainda, a forma Vossa Magnificência, Ex.: Você sabe que não sigo sua opinião.
empregada por força da tradição, em comunicações Você sabe que não sigo a opinião dele.
dirigidas a reitores de universidade. Corresponde-lhe o
vocativo: 2) Os pronomes possessivos podem indicar cálculo
Magnífico Reitor, aproximado ou estimativa.
(...)
Os pronomes de tratamento para religiosos, de Ex.: Ana tinha lá seus 30 e poucos anos.
acordo com a hierarquia eclesiástica, são:
3) Podem ser usados com o mesmo valor dos pronomes
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao indefinidos certo e algum.
Papa. O vocativo correspondente é:
Santíssimo Padre, (...) Ex: Eu cá tenho minhas dúvidas.

Vossa Eminência ou Vossa Eminência 4) Indica afetividade e cortesia.


Reverendíssima, em comunicações aos Cardeais.
Corresponde-lhe o vocativo: Ex: Meu querido, fique aqui.

Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou Pronome Demonstrativo

Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal, Quadro geral dos pronomes demonstrativos


(...)
VARIÁVEIS
INVARIÁVEIS
Vossa Excelência Reverendíssima é usado em Masculino Feminino
comunicações dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Este, estes Esta, estas Isto
Reverendíssima ou Vossa Senhoria Reverendíssima para
Esse, esses Essa, essas Isso
Monsenhores, Cônegos e superiores religiosos. Vossa
Reverência é empregado para sacerdotes, clérigos e Aquele, aqueles Aquela, aquelas Aquilo
demais religiosos.
Emprego dos pronomes demonstrativos
Observações gerais:
1) Em relação ao espaço:
1) Esses pronomes são de 2ª pessoa, mas se usam com a) Os pronomes este/ estes/ esta/ estas/ isto são usados
as formas verbais na 3ª pessoa. para indicar que o objeto está perto de quem fala.

Ex: Vossa Majestade conhece a fidelidade de seu reino. Ex: Este carro que está comigo é novo.
(3ª pessoa do singular)
b) Os pronomes demonstrativos esse/ esses / essa/
2) Quando se referirem a mais de uma pessoa, usa-se o essas/ isso são usados para indicar que o objeto está
pronome de tratamento no plural e, conse- perto de quem ouve.
quentemente, o verbo irá para a terceira pessoa do
plural. Ex: Esse carro aí é seu?

Ex: Vossas Majestades conhecem a fidelidade de seus c) Os pronomes demonstrativos aquele/ aqueles/
reinos. (3ª pessoa do plural) aquela/ aquelas/ aquilo são usados para indicar que o
objeto está longe de quem fala e de quem ouve.
Pronomes Possessivos
Ex: Aquela moça lá embaixo é sua amiga?
QUADRO GERAL DOS PRONOMES POSSESSIVOS

32
2) Em relação ao tempo: 2) A palavra qual pode ser usada como pronome
indefinido com o sentido de cada qual:
a) Os pronomes este(s), esta(s), isto indicam o
presente em relação ao emissor.
Ex: “Em seguida desceram, e já não eram dois, mas sim
Jamais esquecerei este momento.
dez meninos, qual mais fagueiro...”
b) Os pronomes demonstrativos esse(s), essa(s), isso
indicam o tempo e o passado ou futuro relativamente 3) O pronome indefinido algum varia em significado,
próximo ao momento em que o emissor fala: conforme sua posição na frase.
Ontem festejei meus quinze anos. Jamais esquecerei
esse momento. Ex: Algum amigo os traiu.
→ Anteposto ao substantivo, possui valor positivo.
c) Os pronomes aquele(s), aquela(s) e aquilo indicam
um tempo distante em relação ao momento em que o
Ex: Amigo algum os traiu.
emissor fala:
→ Posposto ao substantivo, possui valor negativo.
Há vinte anos festejei meus quinze anos. Jamais
esquecerei aquele momento. 4) O pronome cada pode apresentar-se com valor:
3) Em relação à fala ou à escrita:
→ distributivo: Cada livro custou 50 reais.
a) Os pronomes este(s), esta(s), isto indicam o que vai
→ Intensivo: Lá na casa tem cada oportunidade.
ser falado ou escrito:
Os assuntos da próxima reunião são estes:
Pronomes interrogativos
indisciplina e evasão de alunos.
b) Os pronomes esse(s), essa(s), isso indicam o que já
foi falado ou escrito: Pronomes interrogativos
Indisciplina e evasão de alunos: esses foram os Que Qual Quanto Quanta
assuntos da última reunião. Quem Quais Quantos Quantas
c) Os pronomes este(s) e aquele(s) referem-se a
elementos já mencionados na fala ou na escrita. Este
indica o mais próximo; aquele, o mais distante. Ex: Que horas são?
Queria saber por que ele não veio.
Literatura e matemática me fascinam. Esta me
desenvolve o raciocínio; aquela, a criatividade. Pronomes Relativos
4) As palavras o/os, a/as, mesmo /mesmos,
semelhante/semelhantes, tal/tais, também Pronomes relativos
funcionam como pronomes demonstrativos. VARIÁVEIS
INVARIÁVEIS
Ex: Quem diz o que quer, ouve o que não quer. Masculino Feminino
Tais mentiras não se dizem. O qual A qual Que
5) O pronome nisto pode ser usado como advérbio, Os quais As quais Quem
sinônimo de nesse momento.
Cujo, cujos Cuja, cujas Onde
Ex: Nisto, deu o vento e uma folha caiu. Quanto, Quanta,
Quantos Quantas
PRONOMES INDEFINIDOS

Pronomes Indefinidos USOS DO PRONOMES RELATIVOS


VARIÁVEIS INVARIÁVEIS
1) O pronome relativo quem só deverá ser usado
Algum, alguns, alguma, algumas Alguém quando se referir a pessoas e o verbo aparecer
Nenhum, nenhuns, nenhuma, nenhumas Ninguém acompanhado de preposição.
Todo, todos, toda, todas Tudo
Outro, outros, outra, outras Outrem Ex.: Referi-me a pessoas de quem você desconfia.
Muito, muitos, muita, muitas Nada
Pouco, poucos, pouca, poucas Cada 2) O pronome cujo e suas reflexões equivale a do qual,
Certo, certos, certa, certas Algo indicando posse.
Tantos, tantos, tanta, tantas
Ex.: O aluno cujos pais viajaram é Carlos.( os pais de
Quanto, quantos, quanta, quantas Carlos)
Qualquer, quaisquer
3) O pronome relativo qual é o único que poderá
1) O pronome tudo pode ser usado de duas formas: aparecer com artigo.

Ex: Esqueça tudo que ficou aqui. Ex.: O homem o qual vi é João.
Esqueça tudo o que ficou aqui.

33
4) O pronome relativo quanto/ quanta precisará do COLOCAÇÃO PRONOMINAL
pronome indefinido tudo para formar frases.
Os pronomes oblíquos átonos são: me, nos, te,
5) O pronome relativo onde equivale a em que, na qual,
vos o, a, os, as, lhe, lhes, se.
no qual.
Na frase, esses pronomes podem, dependendo de
Ex.: A cidade onde nasci é linda(= em que).
certos fatores, aparecer em três diferentes posições em
relação ao verbo:
6) O pronome relativo que deve ser usado em várias
situações.
PRÓCLISE
Ex.: Vi o filme que falei
Usa-se a próclise quando há palavras que ―atraem‖
Vi o filme de que gosta
o pronome para antes do verbo. Tais palavras são
Viu tudo quanto fizera de bom.
principalmente:
Anotações
 Palavras de valor negativo (não, nada, nem, nunca
etc.)

Ex: Nada nos preocupará nesta prova.


 Advérbios (hoje, aqui, sempre, talvez, muito etc.)

Ex: Hoje me sinto melhor.

Atenção: Havendo pausa depois do advérbio ou


locução adverbial, usa-se a ênclise:
Ex: Aqui, fabricam-se ótimos refrigerantes.

 Conjunções subordinativas (que, quando, como,


embora, se, para que etc.)

Ex: Não sei se te esclareci as dúvidas.

 Pronomes relativos (que, quem, qual, quais, onde etc.)

Ex: Ficamos em uma colina de onde se avista o mar.

 Pronomes indefinidos (alguém, muitos, todos,


poucos etc.)

Ex: Todos me deram apoio.


Alguém me telefonou?

 Pronomes demonstrativos (este, essa, aquele etc.)

Ex: Aquilo lhe fez muito bem.


Isto me pertence.

 Frases interrogativas, exclamativas e optativas


(frases que exprimem desejo).

Ex: Quem lhe entregou o cartão?


Quanta mentira se disse a respeito dela!
Deus nos proteja daquele maluco!

 Verbos no gerúndio precedidos de preposição EM:

Ex.: Em se tratando de política, preferiu silenciar.

 Frases com preposição + infinitivo flexio-nado.

Ex: A situação levou-os a se posicionarem contra a greve.

34
MESÓCLISE VERBO
Será usada com verbos no futuro do presente e
futuro do pretérito, desde que não haja expressão que É a palavra que, por si só, indica um fato (em geral,
motive a próclise: ação, estado ou fenômeno da natureza) e situa-o no
tempo.
Ex: Realizar-se-á a prova.
CONJUGAÇÃO VERBAL
Não se realizará a prova. Os verbos são distribuídos em três diferentes grupos,
chamados de conjugações:
Far-se-iam mudanças radicais. • 1ª conjugação: verbos terminados em –ar.
Viajar, cantar, dançar.
Jamais se fariam mudanças radicais.
• 2ª conjugação: verbos terminados em – er.
ÊNCLISE Vender, dever.

Será usada principalmente nos seguintes casos: • 3ª conjugação: verbos terminados em – ir.
Partir, dividir.
 Verbos que iniciam oração.
OBS.: Verbos terminados em –or ( pôr, compor, supor,
dispor etc.), por terem origem no verbo poer, são
Ex: Entregou-me os documentos e dirigiu-se à secretaria.
considerados de 2ª conjugação.
 Verbos no imperativo afirmativo.
FLEXÃO VERBAL
Ex: Por favor, diga-nos o que aconteceu.
Número Singular, plural
Pessoa 1ª, 2ª, 3ª
 Verbo no gerúndio não precedido de preposição EM:
Tempo Presente, passado e futuro
Ex.: Não ficaria em paz consigo mesmo, deixando-a partir. Modo Indicativo, subjuntivo e imperativo
Ênclise dos pronomes O, A, OS, AS Voz Ativa, passiva e reflexiva

1. Verbos terminados em vogal – os pronomes o, a, os, COMPOSIÇÃO DOS MODOS VERBAIS


as não se modificam.
Modo Tempo Exemplo
Ex.: Encontrei + o = encontrei-o. Presente Eu passo

2. Verbos terminados em R, S, ou Z, perde a consoante Pret. Imperfeito Eu passava


e os pronomes O, A, OS, AS assumem a forma LO, Pret. Perfeito Eu passei
LA, LOS, LAS. Pret. Perfeito
Eu tenho passado
Composto
Ex: Amar + o = amá-lo. Pret. M-q-perf. Eu passara
Refez + as = refê-las.
Indicativo Pret. M-q-perf. Eu tinha/
Encontramos + os = encontramo-los.
composto havia passado

Observações Fut. do presente Eu passarei


Fut. do presente Eu terei/
1. A última alteração vale também para mesóclise. composto haverei passado
Fut. do pretérito Eu passaria
Ex: Encontrei + o = encontrei-o.
Fut. do pretérito Eu teria/
composto haveria passado
2. Verbos terminados em –mos, ela perde o s, se o
Presente Que eu passe
pronome oblíquo for nos.
Pret. Imperfeito Se eu passasse
Ex: Encontramos + nos = encontramo-nos. Pret. Perfeito Que eu tenha/
composto haja passado
3. Verbos terminados em som nasal (-AM, -EM, AO etc.), Sub-juntivo Pret. M-q-perfeito Se eu tivesse/
composto houvesse passado
os pronomes O, A, OS, AS assumem a forma NO, NA,
NOS, NAS. Futuro Quando eu passar
Quando eu tiver/
Futuro composto
Ex: Criticam + o = criticam-no houver passado
Dizem + as = dizem-nas Imp. afirmativo Passa (tu)
Propõe + os = propõe-nos. Imperativo
Imp. negativo Não passes

35
 FORMAS NOMINAIS • Verbo Principal
Conserva seu sentido verdadeiro, real.
Existem três formas nominais: Algumas lanchas aproximaram-se da ilha.
• Infinitivo: terminação em –r.
Falar, viver, partir. • Verbo auxiliar
Liga-se a um verbo principal para formar os tempos
• Gerúndio: terminação em –ndo. compostos e as locuções verbais. O verbo principal é
Falando, vivendo, partindo, indo. expresso numa das formas nominais.
Os estudantes haviam estudado bastante.
• Particípio: terminação em –ado, –ido. (auxiliar ter ou haver + particípio do verbo principal =
Falado, vendido e partido. tempo composto)
Alguns verbos apresentam particípio diferente de – Você havia sido criticado por seus colegas. (v. auxiliar ter
ado e –ido. ou haver + v. auxiliar ser + particípio do verbo principal=
tempo composto).
OBS.1: Há verbos que só possuem particípio irregular:
abrir (aberto), cobrir (coberto), dizer (dito), escrever  LOCUÇÃO VERBAL
(escrito), fazer(feito), pôr(posto), ver(visto).
Conjunto formado por verbo auxiliar e verbo
OBS.2: Os particípios regulares dos verbos ganhar principal. O verbo principal pode estar no infinitivo,
(ganhado), gastar (gastado) e pagar (pagado) estão gerúndio e particípio.
sendo substituídos, na prática, substituídos pelos
Você terá de estudar muito.
particípios irregulares: ganho, gasto e pago.
(V. aux. Ter + v. pric. Estudar).
CLASSIFICAÇÃO DO VERBO Estou estudando muito.
(V. aux. Estar + v. princ. Estudar).
• Verbo regular
Não sofre alteração em seu radical ou na flexão. Isto já foi estudado várias vezes.
Falei, falassem, falaria. (V. aux. Ser + v. princ. Estudar).

• Verbo irregular VOZES VERBAIS


Sofre alteração em seu radical ou na flexão.
Digo, disser, direi. • Voz ativa
Fazer, ouvir, pedir, caber. O sujeito participa ativamente da ação verbal, ele
participa da ação verbal.
OBS.: Os verbos ser (sou, era, fui) e ir (vou, fui, irei) Os alunos do cursinho estudam muito.
são denominados anômalos, pois apresentam mais de
um radical. • Voz passiva
O sujeito é paciente, ele recebe, sofre a ação expressa
• Verbo defectivo pelo verbo.
Não possui todas as formas verbais. A velha ponte foi reformulada.
Colorir não possui a forma ―eu coloro‖. A praça ficou cercada pela polícia.
Reformou-se a ponte velha.
• Verbo abundante
Apresenta duas formas de mesmo valor. Em geral, as  analítica – apresenta a seguinte estrutura:
duas formas ocorrem no particípio. verbo auxiliar (ser, estar, ficar) + particípio do verbo
indicador da ação)
Particípio
Verbo Particípio irregular Ex.: A velha ponte foi reformada.
regular
suj. paciente v. aux. ação (v. princ. part.)
Aceitar Aceitado Aceito
Acender Acendido Aceso  sintética - apresenta a seguinte estrutura:
Eleger Elegido Eleito verbo indicador de ação + pronome se (chamado de
pronome apassivador)
Entregar Entregado Entregue
Enxugar Enxugado Enxuto Ex.: Reformou-se a velha ponte.
ação  suj. paciente
Expulsar Expulsado Expulso pron. apassivador
Imprimir Imprimido Impresso
Limpar Limpado Limpo Observe que a voz passiva sintética é equivalente à
voz passiva analítica.
Morrer Morrido Morto
Murchar Murchado Murcho Ex.: Vendem-se carros  Os carros são vendidos.
 
Suspender Suspendido Suspenso suj. paciente suj. paciente

36
• Voz reflexiva. TEMPOS COMPOSTOS
O sujeito pratica e sofre a ação expressa pelo verbo.
O menino feriu-se com a faca. Os tempos verbais compostos são formados por
locuções verbais que têm como auxiliares os verbos ter e
 FORMAÇÃO DOS TEMPOS VERBAIS haver e como principal, qualquer verbo no particípio.
São eles:
São tempos primitivos: o presente do indicativo, o
pretérito perfeito do indicativo e o infinitivo impessoal. Todos 01) Pretérito Perfeito Composto do Indicativo:
os demais tempos verbais são derivados desses três. É a formação de locução verbal com o auxiliar ter
Presente do indicativo dá origem ao presente do ou haver no Presente do Indicativo e o principal no
subjuntivo, pretérito imperfeito do subjuntivo e imperativo. particípio, indicando fato que tem ocorrido com frequência
ultimamente.
Presente Presente
do indicativo do subjuntivo Ex. Eu tenho estudado demais ultimamente.
Todos nós nos temos esforçado, para a empresa
Eu passo
crescer.
Eu caibo
Será que tu tens tentado melhorar?
Eu vivo
02) Pretérito Perfeito Composto do Subjuntivo:
Presente Pretérito imperfeito do É a formação de locução verbal com o auxiliar ter
do indicativo indicativo ou haver no Presente do Subjuntivo e o principal no
Eu passo particípio, indicando desejo de que algo já tenha ocorrido.
Eu devo
Eu vivo Ex. Espero que você tenha estudado o suficiente, para
conseguir a aprovação.
Pretérito perfeito do indicativo dá origem ao pretérito O meu desejo é que todos nós nos tenhamos
mais-que-perfeito do indicativo, futuro do subjuntivo esforçado, para a empresa crescer.
e pretérito imperfeito do subjuntivo. Duvido de que tu tenhas tentado melhorar.

Pretérito perfeito do Pret. M-q-perfeito do 03) Pretérito Mais-que-perfeito Composto do


indicativo indicativo Indicativo:
Eles passaram
Eles deveram É a formação de locução verbal com o auxiliar ter
Eles viveram ou haver no Pretérito Imperfeito do Indicativo e o
principal no particípio, tendo o mesmo valor que o
Pret. Perfeito Futuro Pretérito Mais-que-perfeito do Indicativo simples.
do indicativo do subjuntivo.
Eles passaram Ex. Ontem, quando você foi ao colégio, eu já tinha
Eles deveram caminhado 6 Km.
Eles viveram
Eu já tinha estudado no Tiradentes, quando
conheci Magali.
Pret. Perfeito Pret. Imperfeito do Eu tinha confiado naquele amigo que mentiu a
do indicativo subjuntivo mim.
Eles passaram
Eles deveram 04) Pretérito Mais-que-perfeito Composto do
Eles viveram Subjuntivo:

Infinitivo impessoal dá origem ao futuro do presente e É a formação de locução verbal com o auxiliar ter
futuro do pretérito do indicativo. ou haver no Pretérito Imperfeito do Subjuntivo e o
principal no particípio, tendo o mesmo valor que o
Infinitivo Futuro Pretérito Imperfeito do Subjuntivo simples.
Impessoal do presente Ex. Eu teria caminhado todos os dias desse ano, se
Passar não tivesse trabalhado tanto.
Dever
Viver Eu teria estudado no Tiradentes, se não me
tivesse mudado de cidade.
Eu teria confiado mais uma vez naquele amigo, se
Infinitivo Futuro
Impessoal do pretérito ele me tivesse prometido não mais me trair.
Passar Obs.: Perceba que todas as frases remetem a ação
Dever obrigatoriamente para o passado. A frase Se eu
Viver estudasse, aprenderia é completamente diferente de Se
eu tivesse estudado, teria aprendido.

37
05) Futuro do Presente Composto do Indicativo: 08) Infinitivo Pessoal Composto:

É a formação de locução verbal com o auxiliar ter É a formação de locução verbal com o auxiliar ter
ou haver no Futuro do Presente simples do Indicativo ou haver no Infinitivo Pessoal simples e o principal no
e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o particípio, indicando ação passada em relação ao
Futuro do Presente simples do Indicativo. momento da fala.

Ex. Quando você chegar ao colégio, eu já terei Ex. Para você ter comprado esse carro, necessitou de
caminhado 6 Km. muito dinheiro.
.
Amanhã, quando o dia amanhecer, eu já terei  VERBO: CORRELAÇÃO VERBAL
partido.
Dá-se o nome de correlação verbal à articulação
06) Futuro do Pretérito Composto do Indicativo: temporal entre duas formas verbais. Assim, ao construir
um período, os verbos que ele possa apresentar
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter estabelecem, entre si, uma relação, uma
ou haver no Futuro do Pretérito simples do Indicativo correspondência, ajustando-se, convenientemente, um ao
e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o outro.
Futuro do Pretérito simples do Indicativo. Veja exemplo de correlação adequada:

Ex. Eu teria caminhado todos os dias desse ano, se não Se eu tivesse dinheiro, faria um curso de preparação
estivesse trabalhando tanto. para o concurso público.

Eu teria estudado no Tiradentes, se não me Tivesse: tempo que indica hipótese.


tivesse mudado de cidade.
Eu teria confiado mais uma vez naquele amigo, se Faria: tempo que expressa uma possibilidade (fazer o
ele me tivesse prometido não mais me trair. curso) que depende da realização ou não, do fato contido
em ―tivesse‖.
07) Futuro Composto do Subjuntivo:
Se no lugar da forma verbal faria empregássemos outra
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter forma, fazia, teríamos uma correlação verbal inadequada.
ou haver no Futuro do Subjuntivo simples e o principal
no particípio, tendo o mesmo valor que o Futuro do Veja exemplo de correlação inadequada:
Subjuntivo simples.
Se eu tivesse dinheiro, fazia um curso de preparação para
Ex. Quando você tiver terminado sua série de o concurso público.
exercícios, eu caminharei 6 Km.
Tivesse: tempo que indica hipótese
Observe algumas frases:
Fazia: tempo que transmite uma idéia de processo não
Quando você chegar à minha casa, telefonarei a concluído. Indica o que no passado era frequente ou
Osbirvânio. contínuo.
Quando você chegar à minha casa, já terei
telefonado a Jorge. Alguns exemplos de correlações verbais, adequadas:
Perceba que o significado é totalmente diferente em
ambas as frases apresentadas. No primeiro caso, 1.º verbo: pres. ind. – 2.º verbo: pres. subj.
esperarei "você" praticar a sua ação para, depois, praticar Exemplo: Peço-lhe que me diga a verdade.
a minha; no segundo, primeiro praticarei a minha. Por isso
o uso do advérbio "já". 1.º verbo: pret. perf. ind. – 2.º verbo: pret. imperf. subj.
Pedi-lhe que me dissesse a verdade.
Agora observe estas:
1.º verbo: pres. ind. – 2.º verbo: pret. perf. comp. subj.
Quando você tiver terminado o trabalho, Desejo que ele tenha feito boa viagem.
telefonarei a Jorge.
Quando você tiver terminado o trabalho, já terei 1.º verbo: pret.imper. ind. – 2.º verbo: mais-que-perf.
telefonado a Jorge. comp. subj.
Queria que ele tivesse feito boa viagem.
Perceba que novamente o significado é totalmente
diferente em ambas as frases apresentadas. No primeiro 1.º verbo: fut, subj. – 2.º verbo: fut. pres. ind.
caso, esperarei "você" praticar a sua ação para, depois, Se você me trouxer o livro, eu o lerei.
praticar a minha; no segundo, primeiro praticarei a minha.
Por isso o uso do advérbio "já". 1.º verbo: pret. imperf. subj. – 2.º verbo: fut. pret. ind.
Se você me trouxesse o livro, eu o leria.

38
1.º verbo: pret. mais-que-perf. comp. subj. -_2.º verbo: ou a frases do tipo "Convém / cumpre dizer; e é preciso /
futuro do pret. simp. ou comp. ind. é bom / é necessário / é importante / é possível dizer...
Se os governantes tivesse se empenhado, teríamos, hoje,
um país melhor. Regras do Emprego do Infinitivo Impessoal

1.º verbo: fut. pres. subj. – 2.º verbo: fut. pres. ind. Emprega-se o Infinitivo Impessoal:
Quando eu puder, viajarei.
REGRA 1: nas locuções verbais, com um só sujeito,
1.º verbo: fut. subj, - 2.º verbo: fut. pres. comp. ind. precedido do verbo auxiliar.
Quando chegarmos lá, ele já terá saído.
(In: Português sem Segredos, Miriam Margarida Grisolia Exemplo:
e Renata Carone Sborgia, editora Madras) Devemos fazer nosso trabalho corretamente.

 FORMAÇÃO DO IMPERATIVO Locução verbal: devemos (auxiliar) e fazer (principal)

Imperativo afirmativo
REGRA 2: se a oração reduzida iniciar-se por prepo-sição
Presente do Presente do Imperativo e o sujeito for o mesmo da oração principal, será
indicativo subjuntivo afirmativo facultativa a flexão do infinitivo.

Exemplo:
Eles vieram (oração principal) para trabalhar.(oração
reduzida)

REGRA 3: verbos causativos (causa que vai provocar


Imperativo negativo consequência) — mandar, deixar, fazer e sensitivos —
ouvir, sentir — não formam locução verbal (pois há um
Presente Imperativo sujeito para esses verbos e outro sujeito para o verbo no
Do subjuntivo negativo infinitivo).

Exemplo:
Eu os fiz entrar. (causa = fazer/ consequência = entrar).
EU – sujeito de fiz; OS – sujeito de entrar.
Se o sujeito vier antes do verbo no infinitivo, a flexão do
infinitivo é obrigatória.

Eu mandei os alunos estudarem.


EU: sujeito de ―mandei‖.

ALUNOS: sujeito de ―estudarem‖, antes do verbo.


INFINITIVO PESSOAL E IMPESSOAL
a) Se o sujeito aparecer depois do Infinitivo, sua flexão é
Para ir ou irem? Convém ir ou irmos? A chance de facultativa.
eles ganhar ou ganharem? Problemas a ser ou a serem Exemplo: Eu mandei estudar (ou estudarem) os
resolvidos? Têm sido muitas as perguntas sobre o alunos.
infinitivo, que é uma das três formas nominais do verbo, EU: sujeito do verbo mandar ALUNOS: sujeito do
junto com o gerúndio e o particípio. verbo estudar
b) se o sujeito do verbo no infinitivo for um pronome
Por sua própria essência e natureza, o infinitivo é oblíquo átono, a flexão é proibida.
uma expressão verbal que não comporta flexão – é o Pronome oblíquo átono: o(s), a(s), nos, vos.
chamado infinitivo impessoal, que não tem sujeito Exemplo: Ele mandou-nos estudar.
próprio e geralmente corresponde a um substantivo: c) Caso o Infinitivo seja pronominal ou se exprimir
Trabalhar é bom = o trabalho é bom; amar é sofrer = o reciprocidade ou reflexibilidade de ação, sua flexão é
amor é sofrimento. obrigatória.
Exemplo: Vi os advogados cumprimentarem-se.
No entanto, a língua portuguesa tem a d) Com os verbos sensitivos (ver, ouvir, sentir) e
peculiaridade de poder (e às vezes dever) flexionar o causativos (mandar, fazer, dei¬xar), o normal é
infinitivo, que passa a ser chamado de infinitivo pessoal. aparecer o infinitivo antes de seu sujeito (sendo
Flexionar quer dizer conjugar em todas as pessoas, por facultativo a flexão do verbo. (Rever regra 3, letra b)
exemplo: vender, venderes, vender, vendermos, Exemplo: Ouvi entrar (em) os clientes e não deixei
venderem. Esse infinitivo pessoal, que apresenta um fato sair(em) os funcionários.
ou uma ação de modo geral, está ligado a uma
preposição – para ir, vontade de sair, interesse em ficar –

39
REGRA 4: verbo parecer mais outro verbo no Infinitivo. O
verbo parecer admite duas construções: Exemplo: Entrem se entenderem melhor!

a) O infinitivo é flexionado, porque não se flexionou o Com verbo pronominal (verbo que vem conjugado com
verbo parecer. um pronome oblíquo: me, te, se, nos, vos) ->Infinitivo
Exemplo: As estrelas parece brilharem. flexionado
b) O Infinitivo não é flexionado, pois se flexionou o verbo
parecer. Exemplo: Fizemos de tudo para nos informar-mos do
Exemplo: As estrelas parecem brilhar. ocorrido naquela noite.
O verbo parecer é o auxiliar e o outro verbo, na Com verbo exprimindo reciprocidade (ação trocada entre os
oração, é o verbo principal (no caso, verbo brilhar) elementos que compõem o sujeito) ->Infinitivo flexionado

REGRA 5: quando o Infinitivo vier regido de preposição e Exemplo: Elas fizeram de tudo para se
aparecer em construções com adjetivos como: fácil, difícil, cumprimentarem.
bom, ruim, gostoso, não deve ser flexionado.
Com verbo exprimindo reflexibilidade (indica que o sujeito
Exemplo: Tarefas difíceis de fazer. pratica e recebe a ação verbal) -> Infinitivo flexionado
Obs.: quando o infinitivo regido da preposição DE
equivaler a um adjetivo, não deverá, também, ser Exemplo: Entrem para se vestirem com suas togas.
flexionado. (= vestirem a si mesmos, a si próprios)

Exemplo: Os depoimentos são de comprometer REGRA 4: Quando o Infinitivo vier precedido da combinação
da preposição mais artigo (= ao), deverá ser flexionado.
REGRA 6: quando o infinitivo vier precedido da
preposição A, equivalerá a um verbo no gerúndio e NÃO Exemplo: Ao entrarmos no escritório, encontramos
deverá ser flexionado. um amigo.

Exemplo: Ele está a ler. (Ele está lendo.) Ao chegarmos, encontramos tudo organizado.

REGRA 7: Quando o Infinitivo equivale a um Imperativo, REGRA 5: quando o sujeito do infinitivo é indeterminado,
NÃO se flexiona. o infinitivo deverá ser flexionado (colocado sempre na 3.ª
pessoa do plural).
Exemplo: Passar bem, cavalheiros — disse o
advogado, saindo da sala. Exemplo: Faço isso para não me julgarem culpado.

Regras do emprego do infinitivo pessoal In: http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=gramatica/docs/infinitivo2

Não existem normas rígidas para o emprego do infinitivo  CONJUGAÇÃO DE ALGUNS VERBOS
pessoal. É conveniente empregá-lo nos seguintes casos
principais: Verbo PRECAVER

REGRA 1: Se o Infinitivo tem sujeito próprio -> Infinitivo Presente do //, //, //, precavemos,
flexionado Indicativo precaveis, //.
Presente do
Exemplo: Dr. Pedro pensa estarmos contentes. Subjuntivo //, //, //, //, //, //.
Imperativo
REGRA 2: Se o Infinitivo, tendo sujeito no plural, vem no Afirmativo //, //, //, precavei, //.
início da frase regido ou não de preposição -> Infinitivo Imperativo
flexionado Negativo //, //, //, //, //.
precavi, precaveste,
Pretérito Perfeito
Exemplo: Passarmos no concurso é nossa obrigação. precaveu, precavemos,
do Ind.
Para obterem um favor do governo, todos deverão precavestes, precaveram.
trabalhar muito. precavera, precaveras,
Pretérito Mais-que-
precavera, precavêramos,
perfeito do Ind.
REGRA 3: Se o Infinitivo regido de preposição aparecer precavêreis, precaveram.
posposto ao verbo principal ->flexão facultativa precaver, precaveres,
Futuro do Subj. precaver, precavermos,
Exemplo: Torçam para encontrar / encontrarem um precaverdes, precaverem.
bom advogado. precavesse, precavesses,
Pretérito
precavesse, precavêssemos,
Imperfeito do Subj.
Obs.: se o verbo no infinitivo, regido de preposição, for precavêsseis, precavessem.
pronominal ou se ele exprimir reciprocidade ou precaverei, precaverás,
reflexibilidade de ação, a flexão será obrigatória (será Futuro do Presente precaverá, precaveremos,
usado no plural). precavereis, precaverão.

40
precaveria, precaverias, Presente do arreie, arreies, arreie,
precaveria, Subjuntivo arreemos, arreeis, arreiem.
Futuro do Pretérito precaveríamos, Imperativo arreia, arreie, arreemos,
precaveríeis, Afirmativo arreai, arreiem.
precaveriam. não arreies, não arreie,
Imperativo
precaver, precaveres, não arreemos, não arreeis, não
Negativo
precaver, arreiem.
Infinitivo Pessoal
precavermos, precaverdes, arreei, arreaste, arreou,
precaverem. Pretérito Perfeito
arreamos, arreastes,
do Ind.
precavia, precavias, arrearam.
Pretérito precavia, Pretérito Mais- arreara, arrearas, arreara,
Imperfeito do Ind. precavíamos, precavíeis, que-perfeito do arreáramos, arreáreis,
precaviam. Ind. arrearam.
precaver, precavendo, arrear, arreares, arrear,
Formas Nominais
precavido. Futuro do Subj. arrearmos, arreardes,
arrearem.
Pretérito arreasse, arreasses,
Verbo AGUAR Imperfeito do arreasse, arreássemos,
Subj. arreásseis, arreassem.
Presente do águo, águas, água, arrearei, arrearás, arreará,
Futuro do
Indicativo aguamos, aguais, águam. arrearemos, arreareis,
Presente
arrearão.
Presente do águe, águes, águe, arrearia, arrearias, arrearia,
Subjuntivo aguemos, agueis, águem. Futuro do
arrearíamos,
Pretérito
Imperativo água, águe, aguemos, arrearíeis, arreariam.
Afirmativo aguai, águem. arrear, arreares, arrear,
Infinitivo Pessoal arrearmos,
Imperativo não águes, não águe, arreardes, arrearem.
Negativo não aguemos, não agueis, arreava, arreavas, arreava,
não águem. Pretérito
arreávamos,
Imperfeito do Ind.
Pretérito Perfeito aguei, aguaste, aguou, arreáveis, arreavam.
do Ind. aguamos, aguastes, Formas Nominais arrear, arreando, arreado.
aguaram.
Pretérito Mais- aguara, aguaras, aguara, Verbos terminados em IAR
que-perfeito do aguáramos, aguáreis,
Ind. aguaram. Presente do arrio, arrias, arria, arriamos,
aguar, aguares, aguar, Indicativo arriais, arriam.
Futuro do Subj. aguarmos, aguardes, Presente do arrie, arries, arrie, arriemos,
aguarem. Subjuntivo arrieis, arriem.
Pretérito aguasse, aguasses, Imperativo arria, arrie, arriemos, arriai,
Imperfeito do aguasse, aguássemos, Afirmativo arriem.
Subj. aguásseis, aguassem. Imperativo não arries, não arrie, não
aguarei, aguarás, aguará, Negativo arriemos, não arrieis, não arriem.
Futuro do Pretérito Perfeito arriei, arriaste, arriou,
aguaremos, aguareis,
Presente do Ind. arriamos, arriastes, arriaram.
aguarão.
Pretérito Mais- arriara, arriaras, arriara,
Futuro do aguaria, aguarias, aguaria, que-perfeito do arriáramos, arriáreis,
Pretérito aguaríamos, aguaríeis, Ind. arriaram.
aguariam. arriar, arriares, arriar,
Futuro do Subj.
aguar, aguares, aguar, arriarmos, arriardes, arriarem.
Infinitivo Pessoal aguarmos, aguardes, Pretérito arriasse, arriasses, arriasse,
aguarem. Imperfeito do arriássemos, arriásseis,
Subj. arriassem.
Pretérito aguava, aguavas, aguava, Futuro do arriarei, arriarás, arriará,
Imperfeito do Ind. aguávamos, aguáveis, Presente arriaremos, arriareis, arriarão.
aguavam. Futuro do arriaria, arriarias, arriaria,
Formas Nominais aguar, aguando, aguado. Pretérito arriaríamos, arriaríeis, arriariam.
arriar, arriares, arriar,
Infinitivo Pessoal
arriarmos, arriardes, arriarem.
Verbos terminados em EAR arriava, arriavas, arriava,
Pretérito
arriávamos, arriáveis,
Imperfeito do Ind.
Presente do arreio, arreias, arreia, arriavam.
Indicativo arreamos, arreais, arreiam. Formas Nominais arriar, arriando, arriado.

41
Verbo pôr e seus derivados ● Agredir (alternância vocálica e/i) - presente do indicativo
- agrido, agrides, agride, agredimos, agredis, agridem (=
ponho, pões, põe, pomos, prevenir, progredir, regredir, transgredir)
Presente do
pondes,
Indicativo
põem. ● Aguar (regular) - presente do indicativo - águo, águas...,
ponha, ponhas, ponha, / pretérito perf do indicativo - aguei, aguaste, aguou,
Presente do aguamos, aguastes, aguaram (=desaguar, enxaguar,
ponhamos,
Subjuntivo minguar)
ponhais, ponham.
Imperativo põe, ponha, ponhamos, ponde,
Afirmativo ponham. ● Aprazer (irregular) - presente do indicativo - aprazo,
não ponhas, não ponha, não aprazes, apraz... / pretérito perf do indicativo - aprouve,
Imperativo aprouveste, aprouve, aprouvemos, aprouvestes,
ponhamos,
Negativo aprouveram
não ponhais, não ponham.
pus, puseste, pôs, pusemos,
Pretérito Perfeito ● Arguir (irregular com alternância vocálica o/u) -presente
pusestes,
do Ind. do indicativo - arguo (ú), argúis, argúi, arguimos, arguis,
puseram.
Pretérito Mais- pusera, puseras, pusera, argúem / pretérito perf - argui, arguiste... (com trema)
que-perfeito do puséramos,
Ind. puséreis, puseram. ● Atrair (irregular) - presente do indicativo - atraio, atrais...
puser, puseres, puser, / pretérito perf - atraí, atraíste... (=abstrair, cair, distrair,
Futuro do Subj. pusermos, puserdes, sair, subtrair)
puserem.
Pretérito pusesse, pusesses, ● Atribuir (irregular) - presente do indicativo - atribuo,
Imperfeito do pusesse, puséssemos, atribuis, atribui, atribuímos, atribuís, atribuem / pretérito
Subj. pusésseis, pusessem. perfeito - atribuí, atribuíste, atribuiu...(= afluir, concluir,
Futuro do porei, porás, porá, poremos, destituir, excluir, , instruir, possuir, usufruir)
Presente , poreis, porão.
Futuro do ● Averiguar (alternância vocálica o/u) - presente do
poria, porias, poria,
Pretérito indicativo - averiguo (ú), averiguas (ú), averigua (ú),
poríamos, poríeis, poriam.
averiguamos, averiguais, averiguam (ú) / pretérito
pôr, pores, pôr, pormos,
Infinitivo Pessoal perfeito - averiguei, averiguaste... / presente do
pordes, porem.
subjuntivo - averigúe, averigúes, averigúe...
punha, punhas, punha,
Pretérito (= apaziguar)
púnhamos, púnheis,
Imperfeito do Ind.
punham.
● Cear (irregular) - presente do indicativo - ceio,ceias,
Formas Nominais pôr, pondo, posto. ceia, ceamos, ceais, ceiam / pretérito perfeito indicativo
- ceei, ceaste, ceou, ceamos, ceastes, cearam (= verbos
● Verbos notáveis terminados em -ear: falsear, passear... - alguns
Encontram-se listados aqui alguns verbos que apresentam pronúncia aberta: estréio, estréia...)
podem apresentar problemas de conjugação.
● Coar (irregular) - presente do indicativo - côo, côas,
● Abolir (defectivo) - não possui a 1a pessoa do sing. do côa, coamos, coais, coam / pretérito perfeito - coei,
pres. do indicativo, por isso não possui pres. do coaste, coou... (= abençoar, magoar, perdoar)
subjuntivo e o imperativo negativo. (= banir, carpir,
colorir, delinquir, demolir, descomedir-se, emergir, ● Comerciar (regular) - presente do indicativo - comercio,
exaurir, fremir, fulgir, haurir, retorquir, urgir) comercias... / pretérito perfeito - comerciei... (= verbos
em -iar , exceto os seguintes verbos: mediar, ansiar,
● Acudir (alternância vocálica o/u) - presente do indicativo remediar, incendiar, odiar)
- acudo, acodes... e / pretérito perf. do indicativo - com u
(=bulir, consumir, cuspir, engolir, fugir) ● Compelir (alternância vocálica e/i) - presente do
indicativo - compilo, compeles... / pretérito perfeito
● Adequar (defectivo) - só possui a 1ª e a 2ª pessoa do indicativo - compeli, compeliste...
plural no pres. do indicativo ● Compilar (regular) - presente do indicativo - compilo,
compilas, compila... / pretérito perfeito indicativo -
● Aderir (alternância vocálica e/i) - presente do indicativo - compilei, compilaste...
adiro, adere... (= advertir, cerzir, despir, diferir, digerir,
divergir, ferir, sugerir) ● Construir (irregular e abundante) - presente do
indicativo - construo, constróis (ou construis), constrói
● Agir (acomodação gráfica g/j) - presente do indicativo - (ou constui), construímos, construís, constroem (ou
ajo, ages... (= afligir, coagir, erigir, espargir, refulgir, construem) / pretérito perfeito indicativo - construí,
restringir, transigir, urgir) construíste...

42
● Crer (irregular) - presente do indicativo - creio, crês, crê, ● Saudar (alternância vocálica) - presente do indicativo -
cremos, credes, crêem / pretérito perfeito indicativo - cri, saúdo, saúdas... / pretérito perfeito indicativo - saudei,
creste, creu, cremos, crestes, creram / imperfeito saudaste...
indicativo - cria, crias, cria, críamos, críeis, criam
● Suar (regular) - presente do indicativo - suo, suas, sua...
● Falir (defectivo) - presente do indicativo - falimos,falis / / pretérito perfeito indicativo - suei, suaste, sou... (=
pretérito perfeito indicativo - fali, faliste... (= aguerrir, atuar, continuar, habituar, individuar, recuar, situar)
combalir, foragir-se, remir, renhir)
● Valer (irregular) - presente do indicativo - valho, vales,
● Frigir (acomodação gráfica g/j e alternância vocálica e/i) vale... / pretérito perfeito indicativo - vali, valeste,
- presente do indicativo - frijo, freges, frege, frigimos, valeu...
frigis, fregem / pretérito perfeito indicativo - frigi,
frigiste... Alguns verbos irregulares que merecem atenção:

● Ir (irregular) - presente do indicativo - vou, vais, vai, ● Pronominais


vamos, ides, vão / pretérito perfeito indicativo - fui, Apiedar-se, dignar-se, persignar-se, precaver-se
foste... / pres. subj. - vá, vás, vá, vamos, vades, vão
● Caber
● Jazer (irregular) - presente do indicativo - jazo, jazes... / presente do indicativo: caibo, cabes, cabe, cabemos,
pretérito perfeito indicativo - jazi, jazeste, jazeu... cabeis, cabem
presente do subjuntivo: caiba, caibas, caiba, caibamos,
● Mobiliar (irregular) - presente do indicativo - caibais, caibam
mobílio,mobílias, mobília, mobiliamos, pretérito perfeito do indicativo: coube, coubeste, coube,
mobiliais,mobíliam / pretérito perfeito indicativo - coubemos, coubestes, couberam
mobiliei,mobiliaste... pretérito mais-que-perfeito do indicativo: coubera,
couberas, coubera, coubéramos, coubéreis, couberam ·
● Obstar (regular) - presente do indicativo - obsto, pretérito imperfeito do subjuntivo: coubesse, coubesses,
obstas... / pretérito perfeito indicativo - obstei, obstaste... coubesse, coubéssemos, coubésseis, coubessem ·
futuro do subjuntivo: couber, couberes, couber,
● Pedir (irregular) - presente do indicativo - peço, pedes, coubermos, couberdes, couberem
pede, pedimos, pedis, pedem / pretérito perfeito
indicativo - pedi, pediste... (= despedir, expedir, medir) ● Dar
presente do indicativo: dou, dás, dá, damos, dais, dão
● Polir (alternância vocálica e/i) - presente do indicativo presente do subjuntivo: dê, dês, dê, demos, deis, dêem
- pulo, pules, pule, polimos, polis, pulem /pretérito pretérito perfeito do indicativo: dei, deste, deu, demos,
perfeito indicativo - poli, poliste... destes, deram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: dera, deras,
● Precaver-se (defectivo e pronominal) - presente do dera, déramos, déreis, deram
indicativo - precavemo-nos, precaveis-vos / pretérito pretérito imperfeito do subjuntivo: desse, desses, desse,
perfeito indicativo - precavi-me, precaveste-te... déssemos, désseis, dessem
futuro do subjuntivo: der, deres, der, dermos, derdes,
● Prover (irregular) - presente do indicativo - provejo, derem
provês, provê, provemos, provedes, provêem
/ pretérito perfeito indicativo - provi, proveste, proveu... ● Dizer
presente do indicativo: digo, dizes, diz, dizemos, dizeis,
● Reaver (defectivo) - presente do indicativo - reavemos, dizem
reaveis / pretérito perfeito indicativo - reouve, reouveste, presente do subjuntivo: diga, digas, diga, digamos,
reouve... (verbo derivado do haver, mas só é conjugado digais, digam
nas formas verbais com a letra v) pretérito perfeito do indicativo: disse, disseste, disse,
dissemos, dissestes, disseram
● Remir (defectivo) - presente do indicativo - remimos, pretérito mais-que-perfeito do indicativo: dissera,
remis / pretérito perfeito indicativo - remi, remiste... disseras, dissera, disséramos, disséreis, disseram
futuro do presente; direi, dirás, dirá, etc.
● Requerer (irregular) - presente do indicativo - requeiro, futuro do pretérito: diria, dirias, diria, etc.
requeres... / pretérito perfeito indicativo - requeri, pretérito imperfeito do subjuntivo: dissesse, dissesses,
requereste, requereu... (derivado do querer, diferindo dissesse, disséssemos, dissésseis, dissessem
dele na 1ª pessoa do singular do presente do indicativo futuro do subjuntivo: disser, disseres, disser, dissermos,
e no pretérito perfeito do indicativo e derivados, sendo disserdes, disserem
regular)
Observação:
● Rir (irregular) - presente do indicativo - rio, rir, ri, rimos, Seguem esse modelo os derivados bendizer, condizer,
rides, riem / pretérito perfeito indicativo - ri, riste... (= contradizer, desdizer, maldizer, predizer.
sorrir) Os particípios desse verbo e seus derivados são
irregulares: dito, bendito, contradito, etc.

43
● Estar pretérito perfeito do indicativo: pude, pudeste, pôde,
pres. do indicativo: estou, estás, está, estamos, estais, pudemos, pudestes, puderam
estão pres. do subj.: esteja, estejas, esteja., estejamos, pretérito mais-que-perfeito do indicativo: pudera, puderas,
estejais, estejam pudera. pudéramos, pudéreis, puderam
pret. perfeito do indicativo: estive, estiveste, esteve, pretérito imperfeito do subjuntivo: pudesse, pudesses,
estivemos, estivestes, estiveram pudesse, pudéssemos, pudésseis, pudessem
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: estivera, futuro do subjuntivo: puder, puderes, puder, pudermos,
estiveras, estivera, estivéramos, estivéreis, estiveram puderdes, puderem
pretérito imperfeito do subjuntivo: estivesse, estivesses,
estivesse, estivéssemos, estivésseis, estivessem ● Pôr
futuro do subjuntivo: estiver, estiveres, estiver,
presente do indicativo: ponho, pões, põe, pomos, pondes,
estivermos, estiverdes, estiverem
põem
presente do subjuntivo: ponha, ponhas, ponha,
● Fazer
ponhamos, ponhais, ponham
presente do indicativo: faço, fazes, faz, fazemos, fazeis,
pretérito imperfeito do indicativo: punha, punhas, punha,
fazem
púnhamos, púnheis. punham
presente do subjuntivo: faça, faças, faça, façamos, façais,
pretérito perfeito do indicativo: pus, puseste, pôs,
façam
pusemos, pusestes, puseram
pretérito perfeito do indicativo: fiz, fizeste, fez, fizemos,
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: pusera, puseras,
fizestes, fizeram
pusera, puséramos. puséreis, puseram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: fizera, fizeras,
pretérito imperfeito do subjuntivo: pusesse, pusesses,
fizera, fizéramos, fizéreis, fizeram
pusesse, puséssemos, pusésseis, pusessem
pretérito imperfeito do subjuntivo: fizesse, fizesses,
futuro do subjuntivo: puser, puseres, puser, pusermos,
fizesse, fizéssemos, fizésseis, fizessem
puserdes, puserem
futuro do subjuntivo: fizer, fizeres, fizer, fizermos, fizerdes,
fizerem
Observação:
Observação Todos os derivados do verbo pôr seguem
Seguem esse modelo desfazer, liquefazer e satisfazer. exatamente esse modelo: antepor. compor, contrapor,
Os particípios desse verbo e seus derivados são decompor, depor, descompor, dispor, expor, impor,
irregulares: feito, desfeito, liquefeito, satisfeito, etc. indispor, interpor, opor, pospor, predispor, pressupor,
propor, recompor, repor, sobrepor, supor, transpor são
● Haver alguns deles.
presente do indicativo: hei, hás, há, havemos, haveis, hão
presente do subjuntivo: haja, hajas, haja, hajamos, hajais, ● Querer
hajam
presente do indicativo: quero, queres, quer, queremos,
pretérito perfeito do indicativo: houve, houveste, houve,
quereis, querem
houvemos, houvestes, houveram
presente do subjuntivo: queira, queiras, queira,
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: houvera,
queiramos, queirais, queiram
houveras, houvera, houvéramos, houvéreis, houveram
pretérito perfeito do indicativo: quis, quiseste, quis,
pretérito imperfeito do subjuntivo: houvesse, houvesses,
quisemos, quisestes, quiseram
houvesse, houvéssemos, houvésseis, houvessem
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: quisera,
futuro do subjuntivo: houver, houveres, houver,
quiseras, quisera, quiséramos, quiséreis, quiseram
houvermos, houverdes, houverem
pretérito imperfeito do subjuntivo: quisesse, quisesses,
quisesse, quiséssemos, quisésseis, quisessem
● Ir
futuro do subjuntivo: quiser, quiseres, quiser, quisermos,
presente do indicativo: vou. vais, vai, vamos, ides, vão
quiserdes, quiserem
presente do subjuntivo: vá. vás, vá, vamos, vades, vão
pretérito imperfeito do indicativo: ia, ias, ia, íamos, íeis, iam
● Saber
pretérito perfeito do indicativo: fui, foste, foi, fomos, fostes,
foram presente do indicativo: sei, sabes, sabe, sabemos, sabeis,
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: fora, foras, fora, sabem
fôramos, fôreis, foram · presente do subjuntivo: saiba, saibas, saiba, saibamos,
pretérito imperfeito do subjuntivo: fosse, fosses, fosse, saibais, saibam
fôssemos, fôsseis, fossem pretérito perfeito do indicativo: soube, soubeste, soube,
futuro do subjuntivo: for, fores, for, formos, fordes, forem soubemos, soubestes, souberam
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: soubera,
● Poder souberas, soubera, soubéramos, soubéreis, souberam
pretérito imperfeito do subjuntivo: soubesse, soubesses,
presente do indicativo: posso, podes, pode, podemos, soubesse, soubéssemos, soubésseis, soubessem
podeis, podem futuro do subjuntivo: souber, souberes, souber,
presente do subjuntivo: possa, possas, possa, possamos, soubermos, souberdes, souberem
possais, possam

44
● Ser  Ver
presente do indicativo: sou, és, é, somos, sois, são presente do indicativo: vejo, vês, vê, vemos, vedes, vêem
presente do subjuntivo: seja. sejas, seja, sejamos, sejais, presente do subjuntivo: veja, vejas, veja, vejamos, vejais,
sejam vejam
pretérito imperfeito do indicativo: era, eras, era, éramos, pretérito perfeito do indicativo: vi, viste, viu, vimos, vistes,
éreis, eram viram
pretérito perfeito do indicativo: fui, foste, foi, fomos, fostes, pretérito mais-que-perfeito do indicativo: vira, viras, vira.,
foram víramos, víreis, viram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: fora, foras, fora, pretérito imperfeito do subjuntivo: visse, visses, visse,
fôramos, fôreis, foram víssemos, vísseis, vissem
pretérito imperfeito do subjuntivo: fosse, fosses, fosse, futuro do subjuntivo: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem
fôssemos, fôsseis, fossem ·
futuro do subjuntivo: for, fores, for, formos, fordes, forem
Observação
Observação
Seguem esse modelo os derivados antever, entrever,
prever, rever. Prover segue o modelo acima apenas no
As segundas pessoas do imperativo afirmativo são. sê
presente do indicativo e seus tempos derivados; nos
(tu) e sede (vós).
demais tempos, comporta-se como um verbo regular da
segunda conjugação.
 Ter

 Vir
presente do indicativo: tenho, tens, tem, temos, tendes, têm
presente do subjuntivo: tenha, tenhas, tenha, tenhamos,
presente do indicativo: venho, vens, vem, vimos, vindes, vêm
tenhais, tenham
presente do subjuntivo: venha, venhas, venha, venhamos,
pretérito imperfeito do indicativo: tinha, tinhas, tinha,
venhais, venham
tínhamos, tínheis, tinham
pretérito imperfeito do indicativo: vinha, vinhas, vinha,
pretérito perfeito do indicativo: tive, tiveste, teve, tivemos,
vínhamos, vínheis, vinham
tivestes, tiveram
pretérito perfeito do indicativo: vim, vieste, veio, viemos,
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: tivera, tiveras,
viestes, vieram
tivera, tivéramos, tivéreis, tiveram
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: viera, vieras,
pretérito imperfeito do subjuntivo: tivesse, tivesses,
viera, viéramos, viéreis, vieram
tivesse, tivéssemos, tivésseis, tivessem
pretérito imperfeito do subjuntivo: viesse, viesses, viesse,
futuro do subjuntivo: tiver, tiveres, tiver, tivermos, tiverdes,
viéssemos, viésseis, viessem ·
tiverem
futuro do subjuntivo: vier, vieres, vier, viermos, vierdes,
vierem
particípio e gerúndio: vindo
Observação
Seguem esse modelo os verbos ater, conter, deter, Observação
entreter, manter, reter.
Seguem esse modelo os verbos advir, convir, desavir-se,
intervir, provir, sobrevir.
 Trazer
presente do indicativo: trago, trazes, traz, trazemos,
Verbos em IAR em comparação com os em EAR
trazeis, trazem
presente do subjuntivo: traga, tragas, traga, tragamos,
tragais, tragam PASSEAR
pretérito perfeito do indicativo: trouxe, trouxeste, trouxe,
trouxemos, trouxestes, trouxerem Pres. Ind. Pres. Subj.
pretérito mais-que-perfeito do indicativo: trouxera,
passeio passeie
trouxeras, trouxera, trouxéramos, trouxéreis, trouxeram
futuro do presente: trarei, trarás, trará, etc. passeias passeies
futuro do pretérito: traria, trarias, traria, etc.
passeia passeie
pretérito imperfeito do subjuntivo: trouxesse,
trouxesses, trouxesse, trouxéssemos, trouxésseis, passeamos passeemos
trouxessem
passeais passeeis
futuro do subjuntivo: trouxer, trouxeres, trouxer,
trouxermos, trouxerdes, trouxerem passeiam passeiem

45
ODIAR mediaria, mediarias, mediaria,
Futuro do
Pres. Ind. Pres. Subj. mediaríamos, mediaríeis,
Pretérito
mediariam.
Odeio odeie
mediar, mediares, mediar,
odeias odeies Infinitivo Pessoal mediarmos, mediardes,
odeia odeie mediarem.

odiamos odiemos mediava, mediavas, mediava,


Pretérito
mediávamos, mediáveis,
odiais odieis Imperfeito do Ind.
mediavam.
odeiam odeiem Formas Nominais mediar, mediando, mediado.

Verbos ligados a substantivos terminados em ia,io


COPIAR
Pres. Ind. Pres. Subj. Os verbos ligados a substantivos que tenham as
terminações átonas ia, io admitem dupla grafia nas
Copio copie
formas rizotônicas: io, ias, ia, ..., ..., iam ou eio, eias, eia,
copias copies ..., ..., eiam, no presente do indicativo ie, ies, ie, ..., ...,
iem ou eie, eies, eie, ..., ..., eiem, no presente do
copia copie
subjuntivo. Como exemplo, conjuguemos o verbo
copiamos copiemos negociar, ligado ao substantivo negócio:
copiais copieis negocio (ou negoceio), negocias (ou
Presente do negoceias), negocia (ou negoceia),
copiam copiem Indicativo negociamos, negociais, negociam (ou
negoceiam).
REGRAS ESPECIAS DE VERBOS TERMINADOS EM negocie (ou negoceie), negocies, (ou
-IAR Presente do negoceies), negocie (ou negoceie),
Subjuntivo negociemos, negocieis, negociem (ou
Mediar, intermediar, ansiar, remediar, incendiar, odiar negoceiem).
negocia (ou negoceia), negocie (ou
Verbos irregulares da 1ª conjugação. As formas Imperativo
negoceie), negociemos, negociai,
rizotônicas são idênticas às dos verbos terminados em -ear. Afirmativo
negociem (ou negoceiem) .
As arrizotônicas têm conjugação regular. Conjuguemos o
não negocies (ou negoceies), não
verbo mediar. Os demais seguem sua conjugação: Imperativo negocie (ou negoceie), não negociemos,
Negativo não negocieis, não negociem (ou
Presente do medeio, medeias, medeia, negoceiem).
Indicativo mediamos, mediais, medeiam. Pretérito negociei, negociaste, negociou,
Perfeito do Ind. negociamos, negociastes, negociaram.
Presente do medeie, medeies, medeie,
Subjuntivo mediemos, medieis, medeiem. Pretérito Mais-
negociara, negociaras, negociara,
que-perfeito do
Imperativo medeia, medeie, mediemos, negociáramos, negociáreis, negociaram.
Ind.
Afirmativo mediai, medeiem.
negociar, negociares, negociar,
não medeies, não medeie, não Futuro do Subj.
negociarmos, negociardes, negociarem.
Imperativo
mediemos, não medieis, não
Negativo Pretérito negociasse, negociasses, negociasse,
medeiem. Imperfeito do negociássemos, negociásseis,
mediei, mediaste, mediou, Subj. negociassem.
Pretérito Perfeito
mediamos, mediastes, Futuro do negociarei, negociarás, negociará,
do Ind.
mediaram. Presente negociaremos, negociareis, negociarão.
Pretérito Mais- mediara, mediaras, mediara, negociaria, negociarias, negociaria,
Futuro do
que-perfeito do mediáramos, mediáreis, negociaríamos, negociaríeis,
Pretérito
Ind. mediaram. negociariam.

mediar, mediares, mediar, Infinitivo negociar, negociares, negociar,


Pessoal negociarmos, negociardes, negociarem.
Futuro do Subj. mediarmos, mediardes,
mediarem. Pretérito negociava, negociavas, negociava,
Imperfeito do negociávamos, negociáveis,
Pretérito mediasse, mediasses, mediasse, Ind. negociavam.
Imperfeito do mediássemos, mediásseis,
Formas
Subj. mediassem. negociar, negociando, negociado.
Nominais
mediarei, mediarás, mediará,
Futuro do
mediaremos, mediareis,
Presente
mediarão.

46
NUMERAL Algarismos Algarismos Numerais Numerais
Romanos Arábicos Cardinais Ordinais

É toda palavra que indica quantidade, posição I 1 UM PRIMEIRO


numa série, múltiplo ou fração. II 2 DOIS SEGUNDO

Classificação: III 3 TRÊS TERCEIRO

Cardinais: um, dois, três, quarto, cinco, seis, mil, um IV 4 QUATRO QUARTO
milhão. V 5 CINCO QUINTO

Ordinais: primeiro, segundo, terceiro, etc. VI 6 SEIS SEXTO

VII 7 SETE SÉTIMO


Fracionários: meio, um terço, um quarto, um quinto.
VIII 8 OITO OITAVO
Multiplicativos: dobro, triplo, quádruplo, quíntuplos,
cêntuplo. IX 9 NOVE NONO

X 10 DEZ DÉCIMO
Observações importantes:
1ª - Na designação de papas, reis, séculos, capítulos, XI 11 ONZE DÉCIMO PRIMEIRO
tomos ou partes de obras, usam-se os ordinais para
a série de 1 a 10; daí em diante, usam-se os XII 12 DOZE DÉCIMO SEGUNDO
cardinais, desde que o numeral venha depois do
XIII 13 TREZE DÉCIMO TERCEIRO
substantivo.
Ex.: D. Pedro II (segundo), Luís XV(quinze), D. João CATORZE/
XIV 14 DÉCIMO QUARTO
QUATORZE
VI(sexto)
XV 15 QUINZE DÉCIMO QUINTO
2ª - Quando o substantivo vier depois do numeral, usam- XVI 16 DEZESSEIS DÉCIMO SEXTO
se sempre os ordinais.
Ex.: primeira parte, décimo quinto capítulo, vigésimo XVII 17 DEZESSETE DÉCIMO SÉTIMO
século.
XVIII 18 DEZOITO DÉCIMO OITAVO
3ª - Na numeração de artigos, leis, decretos, portarias e XIX 19 DEZENOVE DÉCIMO NONO
outros textos legais, usa-se o ordinal até 9 e daí em
diante o cardinal. XX 20 VINTE VIGÉSIMO
Ex.: artigo 1°(primeiro), artigo 12(doze).
XXI 21 VINTE E UM VIGÉSIMO PRIMEIRO
4ª - Formas variantes: Alguns numerais admitem formas XXX 30 TRINTA TRIGÉSIMO
variadas como catorze/ quatorze.
XL 40 QUARENTA QUADRAGÉSIMO
5ª - A leitura e a escrita de cardinais compostos deve ser
L 50 CINQUENTA QUINQUAGÉSIMO
feita da seguinte forma:
LX 60 SESSENTA SEXAGÉSIMO
a) Se houver dois ou três algarismos, coloca-se a
SEPTUAGÉSIMO /
conjunção e entre eles. LXX 70 SETENTA
SETUAGÉSIMO
Ex.: 94 = noventa e quatro LXXX 80 OITENTA OCTOGÉSIMO
743 = setecentos e quarenta e três
XC 90 NOVENTA NONAGÉSIMO
b) Se houver quatro algarismos, omite-se a conjunção C 100 CEM CENTÉSIMO
entre o primeiro algarismo e os demais (entre milhar CC 200 DUZENTOS DUCENTÉSIMO
e centena)
CCC 300 TREZENTOS TRECENTÉSIMO

2438 = dois mil quatrocentos e trinta e oito. CD 400 QUATROCENTOS QUADRINGENTÉSIMO

D 500 QUINHENTOS QUINGENTÉSIMO


Obs.: Se a centena começar por zero, o emprego do SEISCENTÉSIMO /
e é obrigatório. DC 600 SEISCENTOS
SEXCENTÉSIMO
DCC 700 SETECENTOS SEPTINGENTÉSIMO
5062 =cinco mil e sessenta e dois.
DCCC 800 OITOCENTOS OCTINGENTÉSIMO
c) Se houver vários algarismos, omite-se o e entre cada NONGENTÉSIMO/
um dos grupos. CM 900 NOVECENTOS
NONINGENTÉSIMO
5 450 126 230 = cinco bilhões quatrocentos e
cinquenta milhões, cento e vinte e seis mil duzentos 869º octingésimo sexagésimo nono.
e trinta. 582º quingentésimo octogésimo segundo

47
CONJUNÇÃO COISA LINDA, ATENÇÃO!

O e pode apresentar a ideia de adição ( também),


É a palavra que liga duas orações ou dois termos
também como adversidade ( mas, porém), conclusão/
semelhantes de uma mesma oração.
consequência.( portanto).
O aluno estudou, logo passou no vestibular.
Superministro arma crise e entra na fritura.
Gosto de cinema e de teatro.
(consequência)
 CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES
Ele estuda e trabalha. (adição)
a) COORDENATIVAS: ligam orações independentes.
Não estudou, e passou. (adversidade).
Aditivas.
COISA LINDA, OBSERVAÇÃO!
Expressam ideias similares ou equivalentes e
Pode ser usado o conectivo e logo após um ponto (
estabelecem uma relação de soma aos dois termos ou às
. ) para imprimir ênfase ao conteúdo da oração que a
duas orações.
segue.
E, nem, tampouco, bem como, não só... (mas)
A ênfase pode ser conseguida também quando
também, não só... (mas) ainda, não só... (bem) como, não
vem após a vírgula.
só ... como também não só ... como ainda, assim como,
assim quanto, assim que, não só ... porém sim, não só ...
O e repetido ( polissíndeto) dá ideia de acúmulo:
que também, não só ... senão que, não só ... senão
também, tanto ... quanto, tanto ... como, senão também,
Ela é inteligente, e meiga, e linda, e inteligente, e
mas ainda.
pura, e fiel, e rica.
Ele não só dirigiu a pesquisa, como também
Usa-se a construção e nem quando o nem
escreveu o relatório.
equivale a não ( nesse caso, o e é uma conjunção aditiva
e o nem é um advérbio de negação.
Tanto é dona de casa como trabalha fora.
Não trabalha e nem estuda.
Eu e minha esposa fizemos os exames
necessários.
Conclusiva
As abelhas na apenas produzem mel e cera, mas
Expressa ideia conclusiva, consequente.
ainda polinizam as flores.
Logo, portanto, por isso, por conseguinte, pois,
Não há justiça, nem há religião. ( adição negativa).
assim, então, em vista disso, enfim, por fim.
Ele fez um bom trabalho, portanto deve receber um
bom pagamento.
COISA LINDA, CUIDADO!
Outros conectivos que também exprimem ideia de
Nas locuções mas também e como também, o
conclusão são destarte, dessarte. Esses vocábulos se
termo também pode ficar implícito.
originam das formas aglutinadas desta parte e dessa
parte, significando sendo assim e dessa forma.
Ele não apenas nada, mas corre.
Está chovendo à beça. Destarte, não irei à praia.
Ao vocábulo mais dá-se às vezes o mesmo valor
que à conjunção e, sobretudo em linguagem matemática
Explicativa.
ou familiar:
Expressa o motivo, a razão, a explicação do
Dois mais dois são quatro.
primeiro termo ou da primeira oração.
Pedro mais o irmão chegaram.
Que, porque, pois, porquanto, ou seja, isto é, por
exemplo, a saber.
Nem quando repetido, implica separação de ideias;
diz-se então conjunção alternativa.
Venha para dentro, pois está começando a chover.
Nem um, nem outro.
Portanto = conclusiva.

Porquanto = explicativa.

48
Adversativa. Nunca mataria ninguém, que não é de sua índole.

Expressa contraste, compensação, isto é, ideias A menina não comprou o vestido, pois era muito
que se opõem ou contrastam entre si. caro.

Mas, porém, contudo, entretanto, no entanto, Condicionais. Introduzem orações que indicam hipótese
todavia, entretanto, não obstante, só que, senão ( mas ou condição.
sim), agora, antes, ainda assim. Se, caso, desde que ( verbo no subjuntivo), a não
ser que, salvo se, contanto que, exceto se, a menos que,
As conjunções e, antes, agora e quando são com tal que, sem que ( se não), suposto que, amenos
adversativas quando equivalem a mas. que.

Desde que você estude, obterá êxito.


José Carlos Flauzino fala, e não faz.
Não sairás daqui, sem que antes confesses tudo.
O bom educador não proíbe, antes orienta.
O conjunto da condicional com a principal chama-
Sou muito bom; agora, não sou bobo. se período hipotético.

Foram mal na prova, quando, poderiam ter ido A subordinada condicional chama-se prótase ( do
muito bem. verbo grego proteíno = propor).

NÃO OBSTANTE. A principal chama-se apódose (do verbo grego


apodídomi = definir).
1. Seguido de verbo no indicativo, será locução
conjuntiva adversativa. Conformativas. Introduzem orações que indicam acordo
ou conformidade.
2. Seguido de verbo no subjuntivo ou locução Como, conforme, segundo, consoante, da mesma
prepositiva, será locução conjuntiva concessiva. maneira, como e que ( = consoante).

Só que é locução conjuntiva adversativa. Digo essas coisas por alto, segundo as ouvi narrar.

Alternativa. Como vimos, o conto transmite uma única


impressão ao leitor.
Expressa uma relação de exclusão, alternância
entre os dois termos ou entre duas orações, que não Concessivas. Introduzem orações que expressam algum
podem ser simultâneos. sentido de contrariedade, a qual, no entanto, não impede
que o fato se realize.
Ou, ou ... ou, ora ... ora, já ... já, quer ... quer, seja Embora, se bem que, ainda que, conquanto que,
... seja, talvez ... talvez, umas vezes ... outras vezes. mesmo que, posto que, apesar de que, sem que ( =
embora), mesmo quando, por ( muito, pouco, mais,
O dinheiro umas vezes traz felicidade, outras menos, pior, maior, menor), nem que, em que pese, dado
vezes traz desgraça. que, malgrado.

Importa salientar que às vezes a conjunção ou Beba, nem que seja um pouco, José Carlos
pode ter valor aditivo. Flauzino.

Gostava de encher o apartamento de amigos, ou Em que pese à autoridade deste cientista, não
sair com a turma. podemos aceitar suas afirmações.

A conjunção ou no exemplo retrocitado introduz Consecutivas. Introduzem orações que indicam uma
uma atividade que dá prazer ao sujeito tácito. consequência do fato traduzido na oração anterior.

b) SUBORDINATIVAS: ligam orações dependentes. (tal, tão, tanto, tamanho) que, de sorte que, de
forma que, de modo que, de maneira que, que (= sem
Causais. Introduzem orações que indicam circunstância que), sem que, a tal ponto ... que, que não.
de causa. Não podem ver um cachorrinho na rua, sem que o
Como (somente no início de frase, visto que), já persigam.
que, visto que, uma vez que, desde que, porquanto, pois
que, dado que, sendo que, que, pois, visto como. Não podem ver um brinquedo que não o queriam
Como estivesse de luto, não nos recebeu. comprar.

Desde que é impossível, não insistirei.

49
Comparativas. Introduzem orações que funcionam como ADVÉRBIO
o segundo elemento de uma comparação.
É a palavra invariável que modifica o sentido de um
Que, do que, como, assim como, qual ou como (
verbo, de um adjetivo ou de outro advérbio.
precedido de tal), como ou quanto ( precedidos tanto,
tão), assim como, o mesmo que (= como), feito ( = como),
Os alunos estudam muito.
que nem.
Os alunos estão muito estudiosos.
Os alunos acordam muito cedo para estudar.
Os pedestres se cruzam pelas ruas que nem
formigas apressadas.
Classificação dos advérbios
Nada nos anima tanto como um elogio sincero.
São classificados de acordo com a circunstância
Finais. Introduzem orações que expressam
que expressam, em função disso são classificados de
circunstância de finalidade.
diferentes maneiras.
Que, porque, para que, a fim de que, ( de modo
que, de forma que, de maneira que, de sorte que).
Veja o quadro a seguir:
Fiz-lhe sinal que se calasse. LOCUÇÃO
CIRCUNSTÂNCIA ADVÉRBIO
ADVERBIAL
Proporcionais. Introduzem orações que expressam sim, certamente, deveras,
com certeza, por
simultaneidade, concomitância. realmente,
1. Afirmação certo, sem dúvida,
incontestavelmente,
de fato, etc.
efetivamente etc.
À medida que, à proporção que, quanto, ao passo talvez, acaso, porventura,
que, quanto ( mais, menos, maior, menor, melhor, pior), 2. Dúvida provavelmente, quiçá,
tanto ( mais, menos, maior, menor, melhor, pior). decerto, possivelmente etc.
bastante, bem, demais,
mais, menos, muito, pouco,
Quanto mais as cidades crescem, mais problemas assaz, quase, quanto,
de muito, de pouco,
vão tendo. de todo, em
tanto, tão, demasiado,
3. Intensidade demasia, em
meio, todo, completamente,
excesso, por
demasiadamente,
completo etc
excessivamente, apenas
etc.
COISA LINDA, ATENÇÃO! abaixo, acima, adiante, aí, à direita, à
aqui, além, ali, aquém, cá, esquerda, à
Cegalla diz: são incorretas as locuções proporcionais à acolá, atrás, através, distância, ao lado,
dentro, fora, perto, longe, de longe, de perto,
medida em que, na medida que e na medida em que. A 4. Lugar
junto, onde, defronte, para dentro, por
forma correta é à medida que. detrás, algures (em algum aqui, em cima, por
lugar), alhures (em outro fora, para onde, por
Temporais. Introduzem orações que expressam lugar) etc. ali, por dentro etc.
às cegas, às claras,
circunstância de tempo. assim, bem, mal, depressa, à toa, à vontade, às
devagar, pior, melhor, pressas, a pé, ao
Mal (= assim que), apenas ( = assim que), logo 5. Modo
como, alerta, suavemente, léu, às escondidas,
que, desde que ( verbo no imperativo), ainda que, sempre lentamente, tristemente, e em geral, em vão,
quase todos os advérbios passo a passo, de
que, quando, enquanto, depois que, antes que, até que, terminados em –mente. cor, frente a frente,
todas as vezes que, cada vez que, ao mesmo tempo que, lado a lado etc.
agora que, toda vez que. de forma alguma, de
não, absolutamente, jeito nenhum, de
6. Negação
Não fale enquanto come, Arthur. tampouco modo algum, de
jeito nenhum etc.
hoje, ontem, amanhã, à noite, à tarde, às
Mal o Heitor saiu, o José Carlos entrou. agora, antes, já, anteontem, vezes, de repente,
sempre, nunca, tarde, de manhã, de vez
Integrantes. Introduzem orações que podem ser jamais, outrora, raramente, em quando, de
sucessivamente, súbito, de quando
substituídas pela palavra isso ou isto. 7. Tempo
presentemente, breve, logo, em quando, em
cedo, ainda, antigamente, breve, de tempos
Ele não disse se vem. novamente, brevemente, em tempos, vez por
entrementes, outra, hoje em dia
imediatamente etc. etc.
Desejo que o Arthur estude.
Obs: Quando dois advérbios com sufixo –mente aparecem
Espero que o Heitor estude.
juntos, pode-se colocar o sufixo apenas no último.

O aluno resolveu a prova calma e silenciosamente.

50
PREPOSIÇÃO Finalidade: Estudo para passar.
Lugar: Poucas pessoas voltam para vila.
É a palavra invariável que liga duas outras
palavras, estabelecendo entre elas determinadas Classificação das preposições
relações de sentido e de dependência.
 ESSENCIAIS
O aluno estudava com entusiasmo.
São palavras que funcionam só como preposição:
A preposição estabelece relações, vejamos as a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre,
principais: para, perante, por, sem, sob, sobre, trás.

Autoria – música de Roberto Carlos; Exemplo:


Vamos para casa.
Lugar – vou ficar em casa;
Ficamos sem carro essa semana.
Tempo – viajaremos em duas horas; Essa loja existe desde 1980.
Modo – chegou aos prantos;
 ACIDENTAIS
Causa – morrer de fome;
São palavras de outras classes gramaticais, que
Assunto – falamos sobre economia;
em certas ocasiões funcionam como preposição. São
Fim ou finalidade – enfeitamos a casa para o aniversário; elas:
conforme, consoante, segundo, durante, mediante, como,
Instrumento – cortou o papel com a tesoura;
salvo, fora, que.
Companhia – viajei com o meu filho;
Exemplo:
Meio – viajaremos de avião;
Prestou conta conforme borderô.
Matéria – comprei um anel de ouro;
Locuções prepositivas mais utilizadas:
Posse – o carro de Vitória;
Abaixo de acima de acerca de
Oposição – votaram contra o projeto;
A fim de além de apesar de
Conteúdo – copo com água;
Antes de depois de ao invés de
Preço – vendi meu carro por R$5000,00;
Diante de em fase de em vez de
Origem – somos de Recife;
Graças a junto a junto com
Destino – vou para BH.
Junto de defronte de através de
Vejamos mais exemplos:
De encontro a em frente de em frente a
Preposição a
Sob pena de a respeito de ao encontro de
Pode ser usada para indicar:
Anotações
Lugar: Irei ao cursinho.
Modo: As coisas eram ditas a meia voz.
Distância: A um quilômetros daqui existe uma lagoa.

Preposição com
Causa: Com estudo, passei no vestibular.
Companhia: Ele vem ao cursinho com a namorada.
Instrumento: Ele resolveu a prova com o lápis.
Modo: O professor olhava-me com carinho.

Preposição em
Lugar: Moro em uma casa humilde.
Tempo: Estará aqui em duas horas.
Modo: Os alunos foram colocados em fila.
Preposição para

51
INTERJEIÇÃO Ex. 2: ―Em redor, tudo parado. Estático. No silêncio da
madrugada, nem o piar de um pássaro‖ (Lygia Fagundes
Telles)
É toda palavra ou expressão usada para exprimir,
de forma intensa, viva e instantânea, nossos estados
emocionais.

 alegria - ah!, oh!, oba!


São os verbos de ligação os que, na frase nominal
 advertência - cuidado!, atenção
exprimem uma visão estática do ser. Os mais comuns
 afugentamento - fora!, rua!, passa!, xô! são: ser, estar, tornar-se, permanecer, continuar, ficar e
parecer.
 alívio - ufa!, arre!
 animação - coragem!, avante!, eia! Frase verbal

 aplauso - bravo!, bis!, mais um! São aquelas que têm seu núcleo significativo
 chamamento - alô!, olá!, psit! concentrado em um verbo, que não de ligação, ou em
uma locução verbal. Indicam movimento ou ação, pois
 desejo - oxalá!, tomara! / dor - ai!, ui! traduzem uma visão dinâmica da realidade.
 espanto - puxa!, oh!, chi!, ué!
Ex. 1: ―Não volte sozinha para casa, de noite.‖ (Carlos
 impaciência - hum!, hem! Drummond de Andrade)
 silêncio - silêncio!, psiu!, quieto! Ex.2: ―Todos caminhavam rumo ao fogos de artifício.‖

São locuções interjetivas: puxa vida!, não diga!, AS FRASES QUANTO AO SENTIDO
que horror!, graças a Deus!, ora bolas!, cruz credo!
Observando os elementos que as constituem, já
sabemos que as frases podem ser nominais ou verbais,
Sintaxe ou Análise Sintática de acordo com seu núcleo de significação.

É a parte da gramática que estuda a palavra em Além dessa classificação, podemos ainda analisá-
relação às outras que com ela se unem para exprimir um las a partir de seu sentido. De acordo com esse critério
pensamento. teremos:

Conceitos essenciais • Frases declarativas: após a constatação de um fato, o


emissor ou autor do enunciado faz uma declaração:
Em uma análise sintática podemos ter: Ex.: ―Tudo vale a pena se a alma não é pequena.‖
(Fernando Pessoa)
1- Frase
• Frases interrogativas: o emissor formula uma
É a reunião de palavras que expressam uma ideia pergunta.
completa, constitui o elemento fundamental da língua- Ex.:―Que bichos são estes?‖ (Menotti Del Pichia)
gem, não precisam necessariamente conter verbos.
• Frases exclamativas: o emissor revela um estado
Ex.: ―Final de ano, início de tormento". (Revista emotivo:
Nova Escola, 11/00) Ex.: ―Já é madrugada! Puxa, que pernada!‖ (Menotti
Del Pichia)
Frase nominal
• Frases imperativas: o emissor expressa uma ordem,
São aquelas que têm o seu núcleo significativo um pedido, uma súplica ou um conselho:
concentrado num nome (substantivo, adjetivo, numeral ou Ex.:― Chiquinho, sai daí, peste!‖ (Mário de Andrade)
advérbio). Elas caracterizam-se por não apresentarem
verbos que indiquem movimento ou ação, pois traduzem • Frases optativas: o emissor expressa um desejo, uma
uma visão estática da realidade. possibilidade:
Ex.: ―Assim eu quereria o meu último poema!‖
No entanto em frases nominais, podem aparecer (Manuel Bandeira)
verbos de ligação, pois estes apenas funcionam como um
elo entre o sujeito e a qualificação ou estado dados a ele. • Frases imprecativas: o emissor expressa uma
Observe os exemplos: imprecação, isto é, uma súplica insistente por meio de
maldição:
Ex. 1: ―A cabeça agora na pedra, sem o paletó. E o dedo Ex.: ―Um raio que te parta, maldito! – Má lepra te
sem a aliança.‖(Dalton Trevisan) consuma, coisa ruim! – Uma cascavel que te morda a
língua, cão danado!‖ (Bernardo Guimarães)

52
2 - Oração TERMOS DA ORAÇÃO:
É ideia que se organiza em torno de um verbo.
 SUJEITO
Ex.: "Tudo começa com o pagamento da dívida."
Leia: Um trecho da música A banda, de Chico Buarque de
(Revista Vida Pessoal, 12/99, p.07)
Hollanda.

Estava à toa na vida


O meu amor me chamou
Pra ver a banda passar
O verbo pode estar elíptico (não aparece, mas Cantando coisas de amor.
existe)
Ex.: "O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato fez tanto sucesso A minha gente sofrida
quanto (fizeram) os Fradinhos que Henfil lançou nas Despediu-se da dor
páginas do Pasquim.‖ (Revista Época, 24.05.99, p.06) Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor
3 - Período (...)

É o conjunto de orações. Ele pode ser constituído O velho fraco se esqueceu do coração e pensou
por uma ou mais orações. O período pode ser: Que ainda era moço pra sair no terraço e dançar
a) simples- constituído por apenas uma oração A moça feia debruçou na janela
Ex.: "Macunaíma é o herói com muita preguiça e sem Pensando que a banda tocava pra ela (...)
nenhum caráter". (Época, 24.05.99, p.7)
No verso: ―o meu amor me chamou‖
b) composto- constituído por mais de uma oração. Quem me chamou?
Ex.: "Nós não podemos fingir /que as crianças não têm O meu amor = sujeito.
inconsciente". (Nova Escola, 11/00)
Chamamos de sujeito o termo a respeito do qual
Anotações damos alguma informação. Seu núcleo (palavra mais
importante) pode ser um substantivo, pronome ou palavra
substantivada.

Ex.: "O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato fez tanto sucesso


quanto (fizeram) os Fradinhos que Henfil lançou nas
páginas do Pasquim." (Revista Época, 24.05.99, p.06)

Sujeito da 1ª oração: O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato


Núcleo do sujeito: Jeca-Tatu (substantivo)

Tipos de sujeito:

 Simples
 Composto
 Oculto, elíptico ou desinencial
 Indeterminado
 Inexistente ou oração sem sujeito

Sujeito Simples

Aquele que possui apenas um núcleo.

Ex.: "Livros ganham as prateleiras dos


supermercados." ( Época, 24.05.99, p.124)
núcleo: livros

Sujeito Composto

Aquele que possui mais de um núcleo.

Ex.: Jogadores e torcedores reclamaram da


arbitragem.
Núcleos: jogadores, torcedores

53
Sujeito oculto, elíptico ou desinencial Os verbos impessoais sempre ficarão na 3ª pessoa
do singular (havia, faz...)
Aquele que não vem expresso na oração, mas
pode ser facilmente identificado pela desinência do verbo.  PREDICADO
Ex.: "Aonde vou, o que quero da vida?" ( Estado de
Minas, 02.07.00, p.21) Leia:

Apesar do sujeito não estar expresso, pode ser Meu cavalo é minhas pernas
identificado nas duas orações: eu. Meu arreio é meu assento
Meu capote é minha cama
Sujeito indeterminado Meu perigo é meu sustento.
(João Guimarães Rosa)
Aquele que não se quer ou não se pode identificar.
Ex.: Vive-se melhor em uma cidade pequena. No verso: ―Meu cavalo é minhas pernas‖, qual a
informação declarada sobre meu cavalo? É minhas
Absolveram o réu. pernas.

Chamamos de predicado tudo aquilo que se


informa sobre o sujeito e é estruturado em torno de um
verbo. Ele sempre concorda em número e pessoa com o
sujeito. Quando é um caso de oração sem sujeito, o verbo
O sujeito pode ser indeterminado em duas
do predicado fica na forma impessoal, 3ª pessoa do
situações: singular. O núcleo do predicado pode ser um verbo
significativo, um nome ou ambos.
 verbo na terceira pessoa do plural sem sujeito Ex.: "Seu trabalho tem uma ligação muito forte com a
expresso: Telefonaram por engano para minha casa. psicanálise".
(Revista Nova Escola, 11/00)
 verbo transitivo indireto, intransitivo e de ligação na
terceira pessoa do singular acompanhado do Tipos de predicado:
pronome SE (índice de indeterminação do sujeito):
Acredita-se na existência de políticos honestos.  Verbal
 Nominal
Sujeito inexistente ou oração sem sujeito
 Verbo-nominal
A informação contida no predicado não se refere a
sujeito algum. Ocorre oração sem sujeito quando temos
um verbo impessoal. O verbo é impessoal quando: ● Predicado verbal

 Indica fenômenos da natureza (chover, nevar, Aquele que tem como núcleo (palavra mais
amanhecer, etc.). Ex.: Anoiteceu muito cedo. Choveu importante) um verbo significativo.
muito no Rio de Janeiro este mês.
Ex.: Ministro anuncia reajuste de impostos.
Núcleo: anuncia (verbo significativo)

Os verbos indicadores de fenômeno da natureza,


na ocorrência de sujeito inexistente, têm que estar no seu
uso denotativo. Caso contrário, a oração terá sujeito. O verbo significativo pode ser: transitivo direto
(VTD), transitivo indireto (VTI), transitivo direto e indireto
Ex. Ontem, choveu canivete na festa. (VTDI) ou intransitivo (VI).

Os verbos também apresentam sujeitos em Ex.:


situações como a apresentada no exemplo abaixo: O técnico comprou várias bolas. VTD
O dia amanheceu vagarosamente. O técnico gosta de bolas novas. VTI
O técnico prefere melhores condições de trabalho a
 Fazer, ser, estar indicarem tempo cronológico. Ex.: aumento de salário. VTDI
Faz meses que ele não aparece. Já é uma hora da O técnico viajou. VI
tarde. Está quente em São Paulo.
 Haver tiver sentido de existir. Ex.: Havia mulheres na
sala

54
Predicado nominal CN X Adj. adnominal
· Adj. adnominal qualifica, especifica, enquanto CN
Aquele cujo núcleo é um nome (predicativo). Nesse integra a significação antecedente e nunca indica posse
o verbo é de ligação. Serve de elo entre o sujeito e o · CN pode referir-se a um substantivo abstrato, adjetivo
predicativo. ou advérbio, mas o adjunto adnominal só se refere ao
substantivo
Ex.: Todos estavam apressados. · CN são exigidos pela transitividade do nome a que se
Núcleo: apressados (predicativo) ligam. Um grande número de nomes que pedem
complemento são substantivos abstratos derivados de
O verbo de ligação pode expressar: verbos significativos
a) estado permanente Ex.: Matou os mosquitos - matança de mosquitos, onde
As almas são incomunicáveis. "de mosquitos" é o CN
· CN é paciente ou alvo da noção expressa pelo nome
b)estado transitório: (sentido passivo)
Ambos estavam acanhados. · Adj. adnominal indica agente ou o possuidor da noção
expressa pelo substantivo (sentido ativo), além de
c) mudança de estado: também poder expressar especificação.
Fiquei perplexo. (Pegue esse prato de porcelana / Esta é a casa de
Paulo)
d) continuidade de estado:
Os dentes continuavam alvíssimos. Assim como em qualquer análise sintática, deve-se
considerado contexto frasal para este tipo de distinção.
e) aparência de estado: Um mesmo substantivo pode aparecer em uma frase com
As moças não pareciam tristes. CN e noutra com adj. adnominal.
A invenção de palavras caracteriza a obra de
Predicado verbo-nominal Guimarães Rosa. (CN - "palavras" é paciente da ação
contida no substantivo "invenção")
Aquele que possui dois núcleos: um verbo A invenção de Santos Dumont abriu caminho para
significativo e um predicativo do sujeito ou do objeto. o futuro. (Adj. adnominal - "Santos Dumont" é o agente da
ação expressa pelo substantivo "invenção")
Ex.: O juiz julgou o réu culpado. A plantação de cana enriqueceu a economia do
país.
Núcleos: julgou- verbo significativo
(CN - pois "plantação" tem valor abstrato da ação
culpado- predicativo do objeto (o réu) de plantar cujo objeto/paciente é "cana")
O fogo destruiu toda a plantação de cana. (Adj.
 TERMOS LIGADOS AO NOME adnominal
- porque "plantação" aqui é concreto, logo
Termos ligados ao nome intransitivo)

Existem alguns termos que se ligam aos nomes. São eles:


 Adjunto adnominal Predicativo
 Complemento nominal É o termo da oração que qualifica, classifica ou expressa
 Predicativo
 Aposto um estado do núcleo do sujeito ou do núcleo do objeto.

Adjunto adnominal Ex.:


Os torcedores saíram alegres. (predicativo do sujeito)
É o termo que se liga a um nome ou palavra Os torcedores consideraram o jogo fraco. (predicativo do
substantivada para qualificá-lo ou determiná-lo. É objeto)
expresso geralmente por um adjetivo, locução adjetiva,
artigo, pronome ou numeral.
Aposto
Ex.: "Neste Natal, estimule a criatividade de seus alunos".
(Revista Nova Escola, 11/00)
É o termo da oração que resume, explica ou
especifica um nome.
Complemento nominal
É o termo da oração exigido como Ex.: "Graças ao pai da psicanálise, Sigmund Freud, a
complementação de alguns nomes (substantivos, masturbação começou a ser entendida com um
adjetivos ou advérbios). Geralmente é regido de hábito saudável em qualquer idade, da infância à
preposição. velhice."
(Revista Nova Escola, 11/00)
Ex.: "A criança tinha necessidade de brincadeiras.‖
Os turistas tinham disposição para a caminhada.

55
Conforme o sentido que empresta a seu referente, TERMO INDEPENDENTE
pode ser analisado como:
· explicativo - Mariovaldo, meu primo, esteve aqui.
 Vocativo
· enumerativo - Eis os três rapazes: José, Ruan e Sérgio
· recapitulativo ou resumitivo - Os pais, os netos e as É o único termo isolado dentro da oração, pois não
primas, todos estavam radiantes se liga ao verbo nem ao nome. Não faz parte do sujeito
· distributivo - Matemática e Biologia são ciências, aquela nem do predicado. A função do vocativo é chamar ou
exata e esta humana interpelar o elemento a que se está dirigindo. É marcado
· aposto de oração - A resposta foi ríspida, sinal de por sinal de pontuação e admite anteposição de
ignorância / Foi rápido nos exercícios, fato que me interjeição de chamamento.
surpreendeu
· especificativo - O poeta Olavo Bilac / O estado de Ex.: Pai, perdoai nossos pecados.
Tocantins / A serra de Teresópolis Querida, obrigado pela surpresa

Observação:
 TERMOS LIGADOS AO VERBO
O aposto especificativo não se confunde com adj.
adnominal pois, no caso do aposto, ambos os termos Existem alguns termos que se ligam aos verbos. São eles:
designam o mesmo ser.
 Adjunto adverbial
Ex.: A cidade de Londres / A neblina de Londres  Agente da passiva

Caso faça referência a OI, CN ou adj. adverbial,  Objeto direto


pode aparecer precedido de preposição.  Objeto indireto
De maneira geral, o aposto explicativo é destacado
por pausas, podendo ser representadas por vírgulas, dois ● Adjunto adverbial
pontos ou travessões. Pode vir precedido de expressões
explicativas do tipo: a saber, isto é, quer dizer etc. É o termo da oração que se liga ao verbo, adjetivo
ou advérbio para indicar uma circunstância ( tempo, lugar,
Observação modo, intensidade, negação, finalidade...).
Aposto especificativo não se separa de seu
referente por nenhum sinal de pontuação. Neste caso, Ex.: "Na escola, fala-se muito pouco sobre o que as
pode o aposto vir precedido de preposição. crianças pensam espontaneamente". circunstância de
Cabe observar o aposto nestas proposições: Ele lugar (Revista Nova Escola, 11/00)
salvou-se do naufrágio, porém joias, roupas, documentos,
o mais naufragou com o navio / (...) porém, o mais - joias, "Depois de refletir, uma menina ergueu a mão".
roupas, documentos - naufragou com o navio. circunstância de tempo (Revista Nova Escola, 11/00)

É preciso ter em mente que o adjunto adverbial


representa uma idéia acessória à mensagem. Ele não
deve ser confundido com o objeto indireto nem com o
O aposto geralmente vem marcado por algum tipo complemento nominal, que são termos integrantes da
de pontuação: vírgula, travessão, parênteses ou dois- frase, indispensáveis à compreensão da mensagem.
pontos.
Os principais adjuntos adverbiais são:
Ex.: Algumas frutas- duas ou três- foram escolhidas para
a exposição. a) TEMPO: Agora, o asfalto anda em Tabatinga.

Anotações b) LUGAR: Aqui não tem ninguém com esse nome.

c) MODO: Acidentalmente, derrubou a bandeja de


doces.

d) NEGAÇÃO: Devemos amar os animais, e não


maltratá-los de jeito nenhum.

e) AFIRMAÇÃO: Sim eu poderia abrir as portas.

f) DÚVIDA: Talvez seja um maluco fingindo ser médico.

g) INTENSIDADE: Eu já chorei bastante.

h) MEIO: Iremos de avião à Salvador.

56
PERÍODO COMPOSTO
i) CAUSA: O país ficará em ruínas com a inflação.
Conjunto de orações constituído por mais de uma
j) COMPANHIA: Fomos ao cinema com papai.
oração.
l) INSTRUMENTO: A criança estragou a parede com o
Oração absoluta: é aquela que constitui um
martelo.
período simples.
Exemplo: Os filhos são um subproduto do amor.
m) FINALIDADE: Haviam escrito um artigo novo para a
edição da tarde.
Oração coordenada: é aquela que se junta a
outra, mantendo independência do ponto de vista
● Agente da passiva
sintático.
Exemplo: O dono do armazém comprou a
É o termo da oração que se liga ao verbo para
mercadoria e a vendeu na mesma semana.
indicar o agente da ação verbal. Sempre vem precedido
de preposição.
Oração subordinada: é aquela que se liga a outra,
mantendo uma dependência sintática, ou seja, ela exerce
Ex.: O abaixo-assinado foi feito pelos alunos.
uma função sintática com relação a oração principal.
Exemplo: O dono da imobiliária achava / que daria
escândalo.

Oração principal: é aquela da qual depende a


O agente da passiva só existe quando a oração oração subordinada.
estiver na voz passiva. Exemplo: A areia do chão não permitia que me
segurasse em nada.

● Objeto direto O período composto pode ser:

É o termo da oração que completa o verbo ● Período composto por coordenação


transitivo direto (VTD) sem mediação de uma preposição.
Leia:
Ex.:"A prática estimula a reflexão filosófica Ou isto ou aquilo?
independentemente da leitura". (Revista Nova Escola,
Ou se tem chuva e não se tem sol,
11/00)
Ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
Ou se põe o anel e não se calça a luva!
Ou guarda o dinheiro e não se compra doce
Você sabe o que é um objeto direto Ou compro o doce e gasto o dinheiro,
preposicionado? Como não confundi-lo com um objeto
indireto? Ou isto ou aquilo, ou isto ou aquilo...
O objeto direto preposicionado completa um verbo E vivo escolhendo o dia inteiro!
transitivo direto (VTD) enquanto um objeto indireto (Cecília Meireles)
completa um verbo transitivo indireto (VTI). Geralmente é
usado para solucionar casos de ambiguidade de oração No período: ―ou se tem chuva e não se tem sol‖, temos
ou por uma questão de estilo. duas orações coordenadas que se ligam pelo sentido,
mas não existe dependência sintática entre elas.
Ex.: "Amou a seu pai com a mais plena grandeza da
alma". (FEFASP) amar (VTD); a seu pai (objeto direto As orações coordenadas de subdividem em:
preposicionado)
 Assindéticas - Não são introduzidas por conjunção.
Ex.: Trabalhou, sempre irá trabalhar.
Objeto indireto
É o termo que completa um verbo transitivo indireto  Sindéticas- São introduzidas por conjunção. Esse
(VTI) com mediação de uma preposição. tipo de oração se subdivide em:

Ex.: Na formatura, ele lembrou-se da faculdade. 1 - Aditiva: ideia de adição, acréscimo. Principais
conjunções usadas: e, nem, (não somente)...como
também.
Ex.: O professor não somente elaborou exercícios como
também uma extensa prova.

57
2 - Adversativa: ideia de contraste, oposição. Principais função sintática que falta na principal: objeto direto,
conjunções usadas: mas, contudo, entretanto, indireto, sujeito, predicativo, complemento nominal...
porém...
Ex.: O rapaz gostava / de que todos olhassem para ele.
Ex.: O professor elaborou um exercício simples, mas a Oração principal: O rapaz gostava
prova foi bastante complexa. Oração subordinada: de que todos olhassem para ele.

3 - Alternativa: ideia de alternativa, exclusão. Principais A oração principal está incompleta, falta objeto
conjunções usadas: quer...quer, ora...ora, ou...ou. indireto para o verbo gostar, o oração subordinada
desempenha a função de objeto indireto da principal.
Ex.: Ou o professor elabora o exercício ou desiste de As orações subordinadas se subdividem em:
aplicar a prova. Substantivas, Adjetivas e Adverbiais

4 - Conclusiva: ideia de dedução, conclusão. Principais


conjunções usadas: portanto, pois, logo...  ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS

Ex.: O professor não elaborou a prova, logo não poderá As orações subordinadas substantivas exercem
aplicá-la na data planejada. funções específicas do substantivo: sujeito, objeto,
predicativo...
5 - Explicativa: ideia de explicação, motivo. Principais
conjunções usadas: pois, porque.

Ex.: O professor não elaborou a prova, porque ficou


doente.
As orações subordinadas substantivas
desenvolvidas são introduzidas pelas conjunções
integrantes se ou que e possuem verbos conjugados. As
orações subordinadas substantivas reduzidas não são
introduzidas por conjunções e possuem verbos na formas
A conjunção pois pode introduzir orações nominais (particípio, gerúndio ou infinitivo).
conclusivas (pois, após o verbo) ou explicativas(pois,
antes do verbo). Ex.: É possível que eu fracasse.(oração desenvolvida)
É possível fracassar. (oração reduzida de infinitivo)

 PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO As orações subordinadas substantivas podem ser:

Leia: 1 - Orações subordinadas substantivas objetivas


CHEGA DE SAUDADE diretas
Exercem a função de objeto direto do verbo da
Vai, minha tristeza oração principal.
E diz a ela
Que sem ela não pode ser Ex.: "Paulo José observa que o anti-heroísmo é uma
Diz-lhe uma prece característica forte dos personagens da cultura latino-
Que ela regresse americana. (EM. 01.10.00)
Porque eu não posso mais sofrer
2 - Orações subordinadas substantivas objetivas
Chega de saudade indiretas
A realidade é que sem ela Exercem a função de objeto indireto do verbo da
Não há paz, não há beleza oração principal.
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim Ex.: A nova máquina necessitava de que os funcionários
Não sai (...) supervisionassem mais o trabalho.

(Antônio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes)


3 - Orações subordinadas substantivas predicativas
No período: ―E diz a ela / que sem ela não pode Exercem a função de predicativo do sujeito da oração
ser‖, temos duas orações. A 1ª: ―E diz a ela‖ é a principal. principal.
A 2ª: ―que sem ela não pode ser‖, é a subordinada, pois
completa o sentido da principal. Ex.: Meu consolo era que o trabalho estava no fim.

No período subordinado, existem pelo menos uma 4 - Orações subordinadas substantivas subjetivas
oração principal e uma subordinada. A oração principal Exercem a função de sujeito da oração principal.
é sempre incompleta, ou seja, alguma função sintática
está faltando. As orações subordinadas desempenham a Ex.: É difícil que ele venha.

58
 ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

Orações subordinadas adverbiais:


O verbo da oração principal sempre estará na 3ª
pessoa do singular quando a oração subordinada for 1- Causais
subjetiva.
Expressam a causa da consequência expressa na oração
5 - Orações subordinadas substantivas completivas principal.
nominais Ex.: Chegou atrasado ao encontro, porque estava em
Exercem a função de complemento nominal da uma reunião.
oração principal.
2 – Consecutivas
Ex.: Sua falha trágica é a dificuldade de ser maleável em
relação à realidade. Expressam a consequência, o resultado da causa
expressa na oração principal.
6 - Orações subordinadas substantivas apositivas Ex.: A reunião atrasou tanto que ele se atrasou para o
Exercem a função de aposto de algum nome da encontro.
oração principal.
3 - Proporcionais: Expressam proporção.
Ex.: Há nas escolas uma norma: que os alunos são
respeitados. Ex.: À medida que a reunião avançava, ele se atrasava
para o encontro.

4 Temporais: Expressam tempo.


Ex.: Logo que ele chegou, arrumou os trabalhos.
A oração apositiva sempre estará pontuada, ou entre
vírgulas ou depois de dois pontos. 5 - Finais: Expressam finalidade, objetivo.
Ex.: Professores, tenham mais argumentos para pedir
aumento salarial.

 ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS 6 - Condicionais: Expressam condição, obstáculo.


Orações subordinadas adjetivas Ex.: Se ele partir, o projeto será cancelado.

Podem ser: 7 - Comparativas: Expressam comparação.


1- Restritivas Ex.: Sua família é tão importante quanto seu trabalho.

Exercem a função de adjunto adnominal da oração 8 - Concessivas: Expressam uma concessão.


principal, restringem o nome ao qual se referem, não são Ex.: Mesmo que trabalhe muito, não será recompensada.
separadas por vírgulas.
9 - Conformativas: Expressa um acordo, uma
Ex.: O trabalho que realizei ontem foi produtivo. conformidade.
Ex.: Segundo havíamos combinado, o viagem será
cancelada.
2 – Explicativas

Exercem a função de aposto da oração principal,


explicam o nome ao qual se referem, são sempre
separadas por vírgulas.
As orações desenvolvidas são aquelas nas quais o
Ex.: O computador, que é um meio rápido de verbo está conjugado em algum tempo: presente,
comunicação, está conquistando todas as famílias. pretérito e futuro.

Ex.: Esperamos que passe de ano.

As orações reduzidas são aquelas nas quais uma


oração subordinada se apresenta sem conjunção ou
As orações subordinadas adjetivas sempre serão pronome relativo e com o verbo no infinitivo, no
introduzidas por pronomes relativos: que, o qual, a qual, particípio ou no gerúndio, dizemos que ela é uma
as quais, quem, onde, cujo(s), cuja(s), quanto etc. oração reduzida, acrescentando-lhe o nome de
infinitivo, de particípio ou de gerúndio.

59
 ORAÇÕES SUBORDINADAS REDUZIDAS DE  ORAÇÕES SUBORDINADAS REDUZIDAS DE
GERÚNDIO INFINITIVO

Podem ser adjetivas ou adverbiais: Podem ser substantivas, adjetivas ou adverbiais:

1. Adjetiva: 1. Subjetiva
"Era difícil ANDAR."
"Encontrei as meninas DANÇANDO NO MEIO DA "Era-lhe tão enfadonho ESCREVER CARTAS
RUA." COMPRIDAS." (M. Assis)

Objetiva Direta
2. Adverbial "Resolveu NÃO MOSTRAR O CONVITE A NINGUÉM."
(R. Queiroz)
Causal
Objetiva Indireta
"NÃO VENDO O POSTO, colidiu com ele.‖ "Ninguém pensa EM CAVALGAR NUMA ÁGUIA." (Idem)

"ESTANDO COM MEDO DO DIRETOR, pediu Completiva nominal


demissão do cargo." "Sentiu vontade DE VOMITAR E DE MORRER." (A.
Prado)
Concessiva
Predicativa
"SENDO RICO, mentiu que era pobre." (D. “Vai, teu ofício é ALEGRAR O HOMEM." (X. Marques)
Trevisan)
Apositiva
"Prometi-lhes apenas isto: ESPERÁ-LOS ATÉ ÀS DEZ
Condicional HORAS."

"HAVENDO DEMANDA, haverá produção maior."


(Visão) 2. Adjetiva

Modal
3. Adverbial
"Por aqui passou Garrincha, INVENTANDO
DRIBLES E ALEGRIAS." (A. Nogueira) 1) Causal
"Morreu DE TANTO ESPERAR."
"POR SEREM APRESSADOS, fizeram um péssimo
 ORAÇÕES SUBORDINADAS REDUZIDAS DE trabalho."
PARTICÍPIO
2) Concessiva
Podem ser substantivas, adjetivas ou adverbiais: "APESAR DE SENTIR MEDO, não fugiu."

1. Adjetiva 3) Condicional
"Não saia SEM PEDIR LICENÇA."
"O bichinho subia pela roupa ESTENDIDA NO
VARAL‖ 4) Consecutiva
"O exame foi difícil A PONTO DE PROVOCAR
2. Adverbial REVOLTA NOS ALUNOS."

Temporal 5) Final
"ACABADA A AULA, fomos ao clube." "Maria Clara acordou de seu sonho PARA ENCARAR
A REALIDADE" (B. Rocha)
3. Causal
"AMARGURADO, queria suicidar-se." 6) Temporal
"AO COMEÇAR O SÉCULO, ainda éramos um satélite
Concessiva da França." (Nosso Século)
"Advertido do perigo, continuava lutando."

Condicional
"ACEITAS AS CONDIÇÕES DO CONTRATO, estaríamos
fracassados."

60
CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL 4. O substantivo anteposto aos numerais vai para o
plural:
 CONCORDÂNCIA NOMINAL Estudei os capítulos primeiro e segundo do novo livro.
A concordância nominal considera as flexões de
gênero e número entre o substantivo e o adjetivo, o 5. As palavras mesmo, próprio e só concordam com o
artigo, o numeral e o pronome. nome a que se referem:

PRINCIPAIS CASOS Ela mesma desistiu da ideia.


Eles chegaram sós.
1. O adjetivo, o artigo, o pronome adjetivo e o numeral Eles próprios decidiram ficar.
concordam em gênero e número com o substantivo:
6. A palavra obrigado concorda com o nome a que se
Os primeiros alunos da classe saíram. refere:
As primeiras alunas da classe saíram.
Muito obrigado (masculino).
2. O adjetivo ligado a substantivo do mesmo gênero e Muito obrigada (feminino).
número vai normalmente para o plural:
7. A palavra meio concorda com o substantivo, quando
Pai e filho estudiosos ganharam o prêmio. é numeral, e fica invariável, quando é advérbio:
Mãe e filha estudiosas ganharam o prêmio.
Engoli meia pera. (= numeral)
3. O adjetivo ligado a substantivo de gênero e número A coitada está meio exausta. (= advérbio)
diferentes vai para o masculino plural:
8. As palavras anexo, incluso e junto concordam com
Meninos e meninas estudiosos ganharam o prêmio. o substantivo a que se referem:
4. O adjetivo posposto concorda em gênero com o Trouxe anexas as cópias pedidas.
substantivo mais próximo:
Obs.: em anexo é invariável:
Comprei livros e revista atualizada.
Trouxe em anexo estas cópias.
5. O adjetivo anteposto pode concordar com o
substantivo mais próximo:  CONCORDÂNCIA VERBAL

Dedico este poema à querida tia e primos. A concordância verbal considera as flexões de número e
pessoa entre o verbo e o sujeito.
6. O adjetivo que funciona como predicativo do sujeito
concorda com o sujeito: PRINCIPAIS CASOS

Meu amigos são esforçados. 1. O verbo concorda em número e pessoa com o sujeito
simples.
7. O pronome de tratamento que funciona como sujeito
pede o predicativo no gênero da pessoa a quem se A revista sumiu daqui.
refere:
2. O sujeito composto por elementos da mesma pessoa
Sua Excelência, o Governador, foi compreensivo. gramatical leva o verbo para o plural:

 CASOS ESPECIAIS DE CONCORDÂNCIA NOMINAL A revista e o jornal chegaram agora.

1. Nos adjetivos compostos de adjetivo, o primeiro 3. O sujeito composto por elementos de pessoa
elemento é invariável: gramatical deferente leva o verbo para o plural da
pessoa predominante:
Curso de letras anglo-germânicas. - a 1ª pessoa predomina sobre a 2ª e a 3ª:
Tu, ela e eu somos os melhores.
2. Os substantivos acompanhados de numerais
precedidos de artigo vão para o singular ou plural: - a 2ª pessoa predomina sobre a 3ª:
Tu e ela sois os melhores.
Já li o primeiro e o segundo livro (livros).

3. Vão para o plural os substantivos acompanhados de 4. O verbo concorda com o elemento mais próximo do
numerais em que o primeiro vier precedido de artigo e sujeito composto:
o segundo não:
Já li o primeiro e segundo livros. Restou-me uma folha de papel, um lápis e uma
borracha.

61
 CASOS ESPECIAIS DE CONCORDÂNCIA VERBAL  CONCORDÂNCIA COM O VERBO HAVER E FAZER

1. O sujeito formado de substantivo coletivo, 1. O verbo haver apresenta as seguintes peculiaridades:


acompanhado de nome no plural, pede o verbo no
singular ou plural: a) no sentido de existir é impessoal e conjuga-se
apenas na 3ª pessoa do singular.
Um bando de crianças quebrou o vidro.
Havia muitas frutas na geladeira.
2. O sujeito que tem como núcleo uma forma pluralícia,
acompanhado de artigo no plural, pede o verbo plural: b) no sentido de existir, e ao lado de outro verbo, torna
o outro também impessoal:
Os Estados Unidos são uma grande nação.
Deve haver belos espetáculos hoje.
3. O verbo transitivo direto, ao lado do pronome se,
concorda com o sujeito paciente: c) no sentido de ter, conjuga-se normalmente:

Vende-se uma casa. Eles haviam chegado lá.


Vendem-se várias casas.
2. O verbo fazer apresenta as seguintes peculiaridades:
4. A expressão um ou outro pede o verbo no singular:
a) no sentido de tempo é impessoal e conjuga-se
Um ou outro doce me deliciava. apenas na 3ª pessoa do singular:

5. A expressão mais de um pede o verbo no singular: Faz muitos dias que não vou lá.

Mais de um membro da comissão ficou descontente. b) no sentido de fazer alguma coisa, conjuga-se
normalmente:
6. Os verbos dar, bater, e soar, indicando horas,
concordam com o sujeito: Elas fazem doce pra vender.

Deu uma hora.


Deram quatro horas. Anotações
Soaram três horas.
Bateu uma hora.

 CONCORDÂNCIA COM O VERBO SER

1. Com as palavras tudo, isto, isso, aquilo e o


predicativo no plural, o verbo ser também pode ir para
o plural:

Isto não são coisas que você possa dizer.

2. As expressões é muito, é pouco, é mais de, é


menos de, é tanto, quando indicam preço,
quantidade, peso, ficam com o verbo na singular:

Quinhentos gramas é pouco.

3. Em horas, datas e distâncias, o verbo ser é


impessoal e concorda com o predicativo:

Hoje são vinte de janeiro.


É zero hora em Brasília.
São onze horas da manhã.

Obs.: O correto é:
É meio-dia e meia (hora).

62
REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
de
ânsia -
por
 REGÊNCIA NOMINAL

Leia:
de
ADOLESCÊNCIA ansioso - para
por
Quando tudo muda na vida
Cheio de paixão, transbordante de vitalidade, impelido
por incríveis contradições, o jovem passa pela com = pesaroso
adolescência e se prepara para ser adulto. Sendo uma apaixonado - de = amigo
das épocas mais importantes da vida do homem, a por = entusiasmado
adolescência precisa ser encarada com muito respeito e
carinho.
(In Revista Pais e Filhos). a
apto -
para
No texto, os adjetivos cheio, transbordante e
impelido, termos regentes – exigem as preposições de e
por, respectivamente. Nesses casos, como os termos a = cuidado
regentes são adjetivos, temos regência nominal. para = cuidado
atenção - sobre = cuidado
Regência é o processo sintático no qual um termo para com = respeito
depende gramaticalmente de outro. com = respeito

Termo regente é a palavra que precisa de outra a = atento


para completar-lhe o sentido: atencioso - com = cortês
para com = cortês
Ele tem amor à vida.
- amor (nome)  termo regente
a
Termo regido é a palavra que completa o sentido em
aversão -
de outra, às vezes ligado a ela por preposição: para
por
Ele tem amor à vida
- vida  termo regido
digno - de
Encontramos acima um caso de regência nominal,
que é a que trata dos complementos dos nomes
(substantivos e adjetivos). a = amizade
A regência pode ser também verbal, que veremos estima - por = amizade
adiante. de = consideração

Alguns substantivos e adjetivos e sua regência


a = ausência
correta
com = culpa leve
falta -
contra = culpa leve
Acesso - - a = aproximação para com = culpa leve
em = promoção
para = passagem
de
fértil -
em
a = habituado
acostumado
com = habituado
a
fiel -
em
a
de a = simpatia
amor -
para de = afeição
com gosto - para = afeição
por = afeição
em = prazer

63
a  REGÊNCIA VERBAL
inveja -
de
A regência verbal trata dos complementos dos
verbos.
de = maneira
jeito - Aspiramos um ar poluído
para = habilidade
 
Termo regente Termo regido
(verbo) (Complemento)
obediência - a
Alguns verbos e sua regência correta:

com ASPIRAR
orgulhoso - de - atrair para os pulmões (transitivo direto)
por No sítio, aspiro o ar puro da montanha.

- pretender (transitivo indireto) com a preposição a.


com = generoso O time aspira ao troféu de campeão.
pródigo - de = que distribui
em = que distribui ASSISTIR
- presenciar, ver (transitivo indireto) com a preposição a.
Assisto a muitos filmes.
a = preparado
pronto - para = preparado
- ajudar (transitivo direto)
em = rápido
A enfermeira assiste os doentes.

a = apropriado - residir, morar (intransitivo)


próprio - de = peculiar Eu assisto em Fortaleza.
para = conveniente
OBEDECER (transitivo indireto) – com a preposição a.
Obedeço aos sinais de trânsito.
a = vizinho
próximo - PAGAR (transitivo direto e indireto)
de = vizinho
Já paguei um lanche aos amigos.
O.D. O.I.

QUERER
a = consideração - desejar (transitivo direto)
respeito - de = consideração Quero um lugar ao sol.
por = consideração
- gostar de (transitivo indireto) – com a preposição a.
Quero bem a vocês.
de = abundante
rico -
em = abundante VISAR
- objetivar (transitivo indireto) – com a preposição a.
Os colégios visam à formação de seus alunos.
em = situado - apontar (transitivo direto)
sito -
entre = situado Eu visava você naquele jogo.

- pôr sinal de visto em (transitivo direto)


O gerente mandou visar o cheque.
em = localizado
situado - PREFERIR
entre = localizado
- gostar mais de (transitivo direto e indireto)
Prefiro Ciências à Comunicação.

INFORMAR (transitivo direto e indireto)


Informei-o do problema.
semelhante - a Informe-lhe o problema.

64
PRECISAR Acreditar e crer podem ser VTD ou VTI, com a prep. em.
Nunca cri pessoas que falam muito de si próprias.
- ter necessidade (transitivo indireto) – com a preposição de.
Nunca cri em pessoas que falam muito de si próprias.
O país precisa de moralização.
Atentar pode ser VTD ou VTI, com a prep. em, ou com as
- indicar com exatidão (transitivo direto) prep. para e por.
Precisei bem a questão. Em suas redações atente a ortografia.
Deram-se bem os que atentaram nisso.
Não atentes para os elementos supérfluos.
Verbos de regência oscilante Atente por si, enquanto é tempo.
VTD ou VTI, com a prep. a:
Cogitar pode ser VTD ou VTI, com a prep. em, ou com a
prep. de.
Assistir pode ser VTD ou VTI, com a prep. a, quando
Começou a cogitar uma viagem pelo litoral brasileiro.
significar ajudar, prestar assistência.
Hei de cogitar no caso.
Minha família sempre assistiu o Lar dos Velhinhos.
O diretor cogitou de demitir-se.
Minha família sempre assistiu ao Lar dos Velhinhos.
Consentir pode se VTD ou VTI, com a prep. em.
Chamar pode ser VTD ou VTI, com a prep. a, quando
Como o pai desse garoto consente tantos agravos?
significar dar qualidade. A qualidade pode vir precedida
Consentimos em que saíssem mais cedo.
da prep. de, ou não.
VTD ou VTI, com a prep. por:
Chamaram-no irresponsável. Chamaram-no de
irresponsável.
Ansiar pode ser VTD ou VTI, com a prep. por.
Chamaram-lhe irresponsável.
Ansiamos dias melhores.
Chamaram-lhe de irresponsável.
Ansiamos por dias melhores.
Atender pode ser VTD ou VTI, com a prep. a.
Almejar pode ser VTD ou VTI, com a prep. por, ou VTDI,
Atenderam o meu pedido prontamente.
com a prep. a.
Atenderam ao meu pedido prontamente.
Almejamos dias melhores.
Almejamos por dias melhores.
Anteceder pode ser VTD ou VTI, com a prep. a.
Almejamos dias melhores ao nosso país.
A velhice antecede a morte.
VI ou VTI, com a prep. a:
A velhice antecede à morte.
Faltar, Bastar e Restar podem ser VI ou VTI, com a prep. a.
Presidir pode ser VTD ou VTI, com a prep. a.
Muitos alunos faltaram hoje.
Presidir o país.
Presidir ao país.
Três homens faltaram ao trabalho hoje. Resta aos
vestibulandos estudar bastante.
Renunciar pode ser VTD ou VTI, com a prep. a.
Nunca renuncie seus sonhos.
Na última frase apresentada não há erro algum,
Nunca renuncie a seus sonhos.
como à primeira vista possa parecer. A tendência é de o
aluno concordar o verbo estudar com a palavra
Satisfazer pode ser VTD ou VTI, com a prep. a.
vestibulando, construindo a oração assim: Resta os
Não satisfaça todos os seus desejos.
vestibulandos estudarem. Porém essa construção está
Não satisfaça a todos os seus desejos.
totalmente errada, pois o verbo é transitivo indireto,
portanto resta a alguém. Então vestibulandos funciona
VTD ou VTI, com a prep. de:
como objeto indireto e não como sujeito. Nenhum verbo
concorda com o objeto indireto.
Precisar e necessitar podem ser VTD ou VTI, com a
Quando houver, na oração, um verbo transitivo
prep. de.
indireto, com a prep. a, seguido de um substantivo
Precisamos pessoas honestas.
feminino, que exija o artigo a, ocorrerá o fenômeno
Precisamos de pessoas honestas.
denominado crase, que deve ser caracterizado pelo
acento grave (à ou às).
Abdicar pode ser VTD ou VTI, com a prep. de, e também
VI.
Assisti à peça das meninas do terceiro colegial.
O Imperador abdicou o trono.
O Imperador abdicou do trono. VI ou VTD
O Imperador abdicou.
Pisar pode ser VI ou VTD. Quando for VI, admitirá
a prep. em, iniciando Adjunto Adverbial de Lugar.
Gozar pode ser VTD ou VTI, com a prep. de.
Pisei a grama para poder entrar em casa.
Ele não goza sua melhor forma física.
Não pise no tapete, menino!
Ele não goza de sua melhor forma física.
VTD ou VTI, com a prep. em:

65
CRASE 4. Quando o a ( sem s) aparecer antes de uma palavra no
plural.
Dá-se o nome de crase ao fenômeno da contração
Assisto a novelas.
da preposição a com o artigo feminino a e com o a inicial
dos pronomes aquela, aquele, aquilo e a qual. Esse
5. Antes de sujeito. ( não haverá sujeito preposicionado).
fenômeno fonético resulta da fusão ou contração dos dois
sons vocálicos semelhantes e próximos em um só
A noite estava bela.
fonema.
O sinal gráfico que indica a crase é o acento grave ( `).
6. Antes de pronomes.
Condições necessárias para ocorrer crase:
Ele falará a ninguém.
1 o termo regente – palavra da esquerda – deve exigir a
preposição a.
COISA LINDA, CUIDADO!
2 o termo regido – palavra da direita – deve ser uma
palavra feminina que admita o artigo a( s).
Terá crase.
Ele falará a mulher. Verifique se o termo regente exige a
Antes de pronome de tratamento. Senhora, senhorita,
preposição a.
dona, dama e madame.
Para isso, use a seguinte estrutura.
Seu filho faz companhia à senhora?
Quem fala, fala a alguém.
Antes dos pronomes demonstrativos. Aquela(s),
aquele(s) e aquilo.
Verifique se o tremo regente admite artigo. Para isso, crie
uma frase bem simples onde esse termo funcione como
Aquela(s). Terá crase, quando, poder trocar por: a esta(s)
sujeito.
ou a essa(s).
A mulher é linda. ( palavra mulher pede o artigo)
Aquele(s). Terá crase, quando, poder trocar por: a este(s)
ou a esse(s).
Reunindo, na frase dada, os dois termos, você terá:
Aquilo. Terá crase, quando, poder trocar por: a isto ou a
Ele falará a a mulher. Ele falará à mulher.
isso.
O critério anterior pode ser trocado pela seguinte regra:
Refiro-me àqueles que estão atrasados - Refiro-me
a estes que estão atrasados, e não estes.
Troque a palavra feminina por uma masculina
correspondente.
Você leu aquela revista? – você leu esta revista. Não terá
crase, pois não deu para trocar por a esta, e sim por esta.
Se, antes da masculina aparecer ao(s) – coloque o sinal
de crase antes da feminina.
Vá àquela loja! – vá a esta loja, e não, vá esta loja!
Se, antes da masculina aparecer apenas a(s) ou o(s) –
Antes dos pronomes. Própria, tal, semelhante e mesma.
não coloque o sinal de crase antes da feminina.
Dedicou-se à própria saúde.
Ele falará à mulher. Ele falará ao homem.
Diga à tal senhora que sua reclamação não procede.
Não haverá crase:
Assistimos sempre às mesmas cenas.
1. Antes de substantivos masculinos ( porque antes de
Antes dos pronomes indefinidos. Pouca(s), muitas,
masculino não aparece artigo feminino a ).
demais, outra(s) e várias.
Gostou de passear a cavalo.
Não fale nada às outras colegas.
2. Junto de artigo.( artigo não auxilia artigo)
Antes dos pronomes relativos que e qual.
Iremos a uma reunião.
Para saber se tem crase, troque o substantivo feminino
anterior ao a(s) por um substantivo masculino. Se, antes
3. Antes de verbo.
do que aparecer ao(s), coloque o sinal de crase.
Todos começaram a correr.
Se, antes do que, aparecer a(s), não coloque o sinal de
crase.

66
Esta estrada é paralela a que corta a cidade. Trocando a COISA LINDA, CUIDADO!
palavra feminina estrada pela masculina túnel:
É preciso declarar guerra à guerra. Há crase devido
Este túnel é paralelo ao que corta a cidade. Logo teremos à regência do verbo dar. Nesse caso, guerra não forma
o sinal de crase. locução.

Esta estrada é paralela à que corta a cidade. 9. Junto de preposição.


Ele estudou para a prova.
OUTRO EXEMPLO, COISA LINDA:
Durante as quatro horas. ( não haverá crase, pois durante
Ele conhece as cidades a que você irá. Trocando a é preposição).
palavra feminina cidades pela masculina lugares:
Coisa linda, cuidado!
Ele conhece os lugares a que você irá.
Com a preposição até indicando limite o uso da
Como não surgiu ao antes do que e sim a, não haverá crase é facultativo.
crase. Iremos até a (à) igreja.
José Carlos foi levado ao internato, à cadeia, até à
penitenciária, durante sua vida. O até é uma palavra
COISA LINDA, OUTROS EXEMPLOS: denotativa de inclusão, e a crase ocorre porque levado
exige a preposição.
Aquela é a casa a qual me dirigi. Trocando casa por
apartamento. Casos obrigatórios de crase.

Aquele é o apartamento ao qual me dirigi. Como 1. Quando um substantivo feminino estiver oculto.
apareceu ao qual, haverá o sinal de crase.
Chamou as filhas e entregou a chave à mais velha.
Aquela é a casa à qual me dirigi. Chamou as filhas e entregou a chave à ( filha) mais velha.

Outro bizu, coisa linda! 2. Locução prepositiva. ( à+ palavra feminina + de).


À esquerda de, à espera de, à procura de, à custa de, à
É linda a cidade à qual fiz referência. força de, à vista de, à altura de, à beira de, à espreita de,
à base de, à moda de, à roda de, à guisa de, à mercê de,
Observe que referência (quem faz, faz referência a) à semelhança de.
exige a preposição a e o termo antecedente do pronome
relativo é um substantivo feminino. 3. Locução conjuntiva.
À medida que, à proporção que.
Fui à cidade Maravilhosa e à que tu me recomendaste.
4. Locuções adverbiais.
Terá crase antes do que quando houver uma palavra
implícita feminina e a regência exigir a preposição a. À noite, à tarde, às vezes, às pressas, à primeira vista, à
esquerda, à direita, à vontade.
Fui à cidade Maravilhosa e à (cidade) que tu me
recomendaste. Coisa linda, polêmica!

Escolha o melhor bizu para você! As locuções de meio ou instrumento podem ou não ter o
sinal de crase.
7. Antes de numeral.
Cegalla diz: que é facultativa.
José Carlos Flauzino iniciou visita a duas cidades.
Mauro Ferreira diz: que é facultativa.
Coisa linda, cuidado!
Rocha Lima diz: Nem sempre o a acentuado é resultante
Antes de hora do relógio haverá crase. da crase, assim por motivo de clareza como para atender
às tendências históricas do idioma, recebem acento no a,
Ele chegou às duas horas. independentemente da existência de crase.

8. Antes de palavras repetidas que formam uma locução. 5. Locução prepositiva implícita.
À moda de, à maneira de.
O tanque se encheu gota a gota.
José Carlos Flauzino jantou um bacalhau à Gomes de SÁ.
José Carlos pediu um arroz à grega.

67
CASOS ESPECIAIS Topônimos.

Trabalho de domingo a sábado. Eu moro na. Tem crase.

Antes do termo domingo há apenas a ocorrência Eu moro em. Não tem crase.
da preposição de, por isso apenas a ocorrência da
preposição a antes do termo sábado. Eu volta da. Tem crase.
Trabalho das duas às oito horas. Eu volto de. Não tem crase.
Há artigo contraído com a preposição antes de duas e
antes de oito, justificando assim a ocorrência do acento Iremos à Bahia.
grave = sinal indicador de crase.
Eu moro na Bahia, eu volto da Bahia.
Trabalho de duas a oito horas.
Iremos a São Paulo.
Não há artigo antes de duas nem antes de oito.
Eu moro em São Paulo
A casa funciona de segunda a quinta.
Eu volto de São Paulo.
A casa funciona da segunda à quinta.

Casa. Coisa linda, cuidado.

1. Quando a palavra casa aparecer sem especificativo, Se o topônimo estiver especificado, terá crase.
ela não admite artigo a, por isso, nesse caso, não há
crase. Irei à Roma do Ricardo.

Ele se dirigiu a casa. Crase facultativa.

2. Quando na palavra casa aparece com especificativo, 1. Antes de pronomes possessivos adjetivos femininos.
ela admite artigo, por isso, nesse caso, vai ocorrer crase
se o antecedente exigir a preposição a. Enviamos flores a (à) nossa filha.

Ele se dirigiu à casa abandonada. CUIDADO, COISA LINDA!

1. Se o pronome possessivo for substantivo, a crase será


COISA LINDA, MUITO CUIDADO! obrigatória.
Ele falará a (à) sua tia, não à minha ( tia).
José Carlos Flauzino comprou a casa abandonada.
Eu fui à formatura dele, mas ele não compareceu à
Não haverá crase, pois comprar é um verbo transitivo minha( formatura).
direto.
2. Antes de nomes próprios femininos.
Terra.
Na da diga à(a) Juliana.
1. Essa palavra, usada com sentido oposto ao de água/
mar, ao admite artigo, por isso, nesse caso, não ocorre Na língua formal, sobretudo quando se faz referência a
crase. mulheres célebres, não se usa artigo e, portanto, não se
acentua o a.
Os meninos chegaram de manhã a terra.
3. Diante de certos topônimos.
2. Se usada no sentido de terra natal, especificada ou Europa, Ásia, África, França, Inglaterra, Espanha,
planeta admite artigo, por isso, ocorrerá crase se o termo Holanda, Escócia, Recife...
regente exigir preposição a.
CUIDADO!
José Carlos Flauzino retornou à terra em que nasceu.
● Palavra distância — quando indeterminada — sem
crase.
COISA LINDA, MUITO CUIDADO! Leonardo não enxerga a distância.
José Carlos visitou a terra do seu tio. ( não haverá crase, — quando determinada — com crase.
pois visitar é um verbo transitivo direto). Leonardo não enxergava à distância de 3 metros.
à–a–à

68
PONTUAÇÃO TRAVESSÃO

1. Para indicar a fala dos interlocutores nos diálogos.


Resumo
2. Para indicar trajetos.
SINAIS DE PONTUAÇÃO
3. Para destacar termos explicativos enfático
Você deve entender, por pontuação, os diferentes
sinais gráficos usados na escrita, para facilitar a leitura.
PONTO
Aprenda aqui a usá-los.
E, quando você estiver escrevendo qualquer coisa,
1. Para terminar períodos.
aplique os corretamente:
2. Para abreviar
Vírgula
RETICÊNCIAS
2. Emoldurando o aposto
Para indicar continuação do pensamento.
3. Emoldurando os Adjuntos Adverbiais Deslocado.
PARÊNTESES
4. Separando PALAVRAS da MESMA CLASSE
GRAMATICAL
Para encerrar orações, ou termos explicativos,
alheios à frase.
5. Emoldurando CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
DESLOCADA
PONTO DE EXCLAMAÇÃO
A- Cairá entre duas orações
Nas interjeições, expressões ou frases que
indiquem exclamação.
TODAS AS ORAÇÕES COSTUMAM ADMITIR VÍRGULA
ENTRE SI, TODAVIA:
PONTO DE INTERROGAÇÃO
1. Você não empregará vírgula antes de orações
No fim de uma interrogação direta
Subordinadas Substantivas
PONTO E VÍRGULA
2. Você não empregará vírgula antes de orações
COORDENADAS LIGADAS POR ―e‖ que tenham o
Para separar orações ou termos coordenados
mesmo sujeito
extensos.
3. Você não empregará vírgula antes de orações
● INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
SUBORDINADAS ADJETIVAS RESTRITIVAS
Texto
B- Outros casos
Os concursos apresentam questões
interpretativas que têm por finalidade a identificação de
1. Quando você datar.
um leitor autônomo.
Portanto, o candidato deve compreender os níveis
2. Quando você suprimir, intencionalmente, o verbo.
estruturais da língua por meio da lógica, além de
necessitar de um bom léxico internalizado.
Dois pontos ":"
As frases produzem significados diferentes de
acordo com o contexto em que estão inseridas. Torna-se,
1. Para indicar enumeração.
assim, necessário sempre fazer um confronto entre todas
as partes que compõem o texto.
2. Antes de orações apositivas.
Além disso, é fundamental apreender as
informações apresentadas por trás do texto e as
inferências a que ele remete. Esse procedimento justifica-
3. Para indicar citação
se por um texto ser sempre produto de uma postura
ideológica do autor diante de uma temática qualquer.
―Aspas‖
Como ler e entender bem um texto
1. Para indicar citações.
Basicamente, deve-se alcançar a dois níveis de
2. Para indicar gíria inevitável.
leitura: a informativa e de reconhecimento e a
interpretativa. A primeira deve ser feita de maneira
3. Para palavra de origem estrangeira inevitável.
cautelosa por ser o primeiro contato com o novo texto.
Dessa leitura, extraem-se informações sobre o conteúdo
abordado e prepara-se o próximo nível de leitura. Durante

69
a interpretação propriamente dita, cabe destacar são comentários, ideias e impressões de quem faz a
palavras-chave, passagens importantes, bem como usar paráfrase.
uma palavra para resumir a ideia central de cada Na escola, quando o professor, ao comentar um
parágrafo. Este tipo de procedimento aguça a memória texto, inclui outras ideias, alongando-se em função do
visual, favorecendo o entendimento. propósito de ser mais didático, faz uma paráfrase.
Não se pode desconsiderar que, embora a Parafrasear consiste em transcrever, com novas
interpretação seja subjetiva, há limites. A preocupação palavras, as ideias centrais de um texto. O leitor deverá
deve ser a captação da essência do texto, a fim de fazer uma leitura cuidadosa e atenta e, a partir daí,
responder às interpretações que a banca considerou reafirmar e/ou esclarecer o tema central do texto
como pertinentes. apresentado, acrescentando aspectos relevantes de uma
No caso de textos literários, é preciso conhecer a opinião pessoal ou acercando-se de críticas bem
ligação daquele texto com outras formas de cultura, fundamentadas.
outros textos e manifestações de arte da época em que o Portanto, a paráfrase repousa sobre o texto-base,
autor viveu. condensando-o de maneira direta e imperativa. Consiste
Se não houver esta visão global dos momentos em um excelente exercício de redação, uma vez que
literários e dos escritores, a interpretação pode ficar desenvolve o poder de síntese, clareza e precisão
comprometida. vocabular.
Aqui não se podem dispensar as dicas que Acrescenta-se o fato de possibilitar um diálogo
aparecem na referência bibliográfica da fonte e na intertextual, recurso muito utilizado para efeito estético na
identificação do autor. literatura moderna.
A última fase da interpretação concentra-se nas
perguntas e opções de resposta. Aqui são fundamentais ● Perífrase:
marcações de palavras como não, exceto, errada,
respectivamente etc. que fazem diferença na escolha O povo lusitano foi bastante satirizado por Gil
adequada. Vicente.
Muitas vezes, em interpretação, trabalha-se com Utilizou-se a expressão "povo lusitano" para
o conceito do ―mais adequado‖, isto é, o que responde substituir "os portugueses". Esse rodeio de palavras que
melhor ao questionamento proposto. Por isso, uma substituiu um nome comum ou próprio chama-se
resposta pode estar certa para responder à pergunta, mas perífrase.
não ser a adotada como gabarito pela banca examinadora Perífrase é a substituição de um nome comum ou
por haver uma outra alternativa mais completa. próprio por um expressão que a caracterize. Nada mais é
Ainda cabe ressaltar que algumas questões do que um circunlóquio, isto é, um rodeio de palavras.
apresentam um fragmento do texto transcrito para ser a
base de análise. Outros exemplos: astro rei (Sol) | última flor do
Nunca deixe de retornar ao texto, mesmo que Lácio (língua portuguesa) | Cidade-Luz (Paris) Rainha da
aparentemente pareça ser perda de tempo. Borborema (Campina Grande) | Cidade Maravilhosa (Rio
A descontextualização de palavras ou frases, certas de Janeiro).
vezes, são também um recurso para instaurar a dúvida no
candidato. Leia a frase anterior e a posterior para ter ideia ● Síntese:
do sentido global proposto pelo autor, dessa maneira a
resposta será mais consciente e segura. A síntese de texto é um tipo especial de
composição que consiste em reproduzir, em poucas
Coesão e coerência textuais palavras, o que o autor expressou amplamente. Desse
modo, só devem ser aproveitadas as ideias essenciais,
São dois conceitos importantes para uma melhor dispensando-se tudo o que for secundário.
compreensão do texto, além de serem bastante cobrados
em provas de concursos. Procedimentos:
1. Leia atentamente o texto, a fim de conhecer o assunto
● Coesão - harmonia interna entre as partes de um texto.
e assimilar as ideias principais;
É garantida por ligações, de natureza gramatical e
2. Leia novamente o texto, sublinhando as partes mais
lexical, entre os elementos de uma frase ou de um
importantes, ou anotando à parte os pontos que devem
texto.
ser conservados;
● Coerência - relação lógica entre ideias, situações ou
3. Resuma cada parágrafo separadamente, mantendo a
acontecimentos. Pode apoiar-se em mecanismos
sequência de ideias do texto original;
formais, de natureza gramatical ou lexical, e no
4. Agora, faça seu próprio resumo, unindo os parágrafos,
conhecimento partilhado entre os usuários da língua.
ou fazendo quaisquer adaptações conforme desejar;
5. Evite copiar partes do texto original. Procure exercitar
 PARÁFRASE, PERÍFRASE, SÍNTESE E RESUMO
seu vocabulário. Mantenha, porém, o nível de
● Paráfrase: linguagem do autor;
6. Não se envolva nem participe do texto. Limite-se a
Paráfrase é a reprodução explicativa de um texto
sintetizá-lo.
ou de unidade de um texto, por meio de uma linguagem
mais longa. Na paráfrase sempre se conservam
basicamente as ideias do texto original. O que se inclui

70
4. Resumo: Pedro deixou de fumar (não fuma no momento
- informação implícita fumava antes).
Ler não é apenas passar os olhos no texto. É
preciso saber tirar dele o que é mais importante,
Quanto à utilização de pressupostos devemos
facilitando o trabalho da memória. Saber resumir as ideias
saber que eles devem ser sempre verdadeiros ou aceitos
expressas em um texto não é difícil. Resumir um texto é
como verdadeiros, pois são eles que construirão
reproduzir com poucas palavras aquilo que o autor disse.
informações explícitas. Sendo o pressuposto falso, a
informação explícita não terá cabimento.
Para se realizar um bom resumo, são necessárias
algumas recomendações:
Detectar o pressuposto durante uma leitura é
1. Ler todo o texto para descobrir do que se trata. fundamental para a interpretação textual, uma vez que
2. Reler uma ou mais vezes, sublinhando frases ou esse recurso argumentativo não é posto em discussão
palavras importantes. Isto ajuda a identificar. pelo autor do texto, fato que aprisiona o leitor ao
3. Distinguir os exemplos ou detalhes das ideias pensamento do autor e o leva a defender opiniões
principais. contrárias a suas.
4. Observar as palavras que fazem a ligação entre as
Os pressupostos são marcados por:
diferentes ideias do texto, também chamadas de
conectivos: "por causa de", "assim sendo", "além do certos advérbios - Os resultados da pesquisa ainda não
mais", "pois", "em decorrência de", "por outro lado", "da chegaram até nós. (Pressuposto - Os resultados já
mesma forma". deviam ter chegado ou Os resultados vão chegar mais
5. Fazer o resumo de cada parágrafo, porque cada um tarde.)
encerra uma ideia diferente. certos verbos - O caso do contrabando tornou-se
6. Ler os parágrafos resumidos e observar se há uma público. (Pressuposto - O caso não era público.)
estrutura coerente, isto é, se todas as partes estão bem orações adjetivas - Os candidatos a prefeito, que só
encadeadas e se formam um todo. querem defender seus interesses, não pensam no povo.
7. Num resumo, não se devem comentar as ideias do (Pressuposto - Todos os candidatos a prefeito têm
autor. Deve-se registrar apenas o que ele escreveu, interesses individuais.)
sem usar expressões como "segundo o autor", "o autor
adjetivos - Os partidos radicais acabarão com a
afirmou que".
democracia no Brasil. (Pressuposto - Existem partidos
8. O tamanho do resumo pode variar conforme o tipo de radicais no Brasil.)
assunto abordado. É recomendável que nunca
ultrapasse vinte por cento da extensão do texto original. Subentendidos são insinuações escondidas por trás de
uma afirmação. (Quando um fumante com o cigarro
9. Nos resumos de livros, não devem aparecer diálogos, pergunta: Você tem fogo? Por trás dessa pergunta
descrições detalhadas, cenas ou personagens subentende-se: Acenda-me o cigarro por favor.
secundárias. Somente as personagens, os ambientes e
as ações mais importantes devem ser registrados. Enquanto o pressuposto é um dado apresentado
como indiscutível para o falante e o ouvinte, não
 SIGNIFICAÇÃO IMPLÍCITA permitindo contestações; o subentendido é de
responsabilidade do ouvinte, uma vez que o falante
Fiz faculdade, mas aprendi algumas coisas. esconde-se por trás do sentido literal das palavras.
A frase transmite duas informações: ele frequentou O subentendido pode ser uma maneira encontra
um curso superior, aprendeu algumas coisas. pelo falante para transmitir algo sem se comprometer com
No entanto, essas duas informações transmitem de a informação.
forma implícita uma crítica ao sistema de ensino vigente.
Essa crítica se dá através do uso da conjunção mas. NÍVEIS DE LINGUAGEM
Assim percebemos que um dos aspectos mais
intrigantes que pode ser apresentado por um texto é o A língua é um código de que se serve o homem
fato dele dizer aquilo que parece não dizer, ou seja, é a para elaborar mensagens, para se comunicar.
presença de enunciados subentendidos ou pressupostos. Existem basicamente duas modalidades de
Um leitor é considerado perspicaz quando consegue língua, ou seja, duas línguas funcionais:
ler as entrelinhas do texto, isto é, quando capta 1)as 1)a língua funcional de modalidade culta, língua culta
mensagens implícitas. ou língua-padrão, que compreende a língua literária, tem
Para não cair na exploração maliciosa de alguns por base a norma culta, forma linguística utilizada pelo
textos que abusam dos aspectos subentendidos ou segmento mais culto e influente de uma sociedade.
pressupostos devemos saber que: Constitui, em suma, a língua utilizada pelos
Pressupostos são ideias não expressas de maneira veículos de comunicação de massa (emissoras de rádio e
explícita, mas que pode ser percebida a partir de certas televisão, jornais, revistas, painéis, anúncios, etc.), cuja
palavras ou expressões utilizadas. função é a de serem aliados da escola, prestando serviço
à sociedade, colaborando na educação, e não justamente
O tempo continua chuvoso (chove no o contrário;
momento - informação implícita estava chovendo
antes).

71
2) a língua funcional de modalidade popular; língua Considera-se momento neutro o utilizado nos
popular ou língua cotidiana, que apresenta gradações as veículos de comunicação de massa (rádio, televisão,
mais diversas, tem o seu limite na gíria e no calão. jornal, revista, etc.). Daí o fato de não se admitirem
deslizes ou transgressões da norma culta na pena ou na
Norma culta: boca de jornalistas, quando no exercício do trabalho, que
A norma culta, forma linguística que todo povo deve refletir serviço à causa do ensino, e não o contrário.
civilizado possui, é a que assegura a unidade da língua O momento solene, acessível a poucos, é o da
nacional. E justamente em nome dessa unidade, tão arte poética, caracterizado por construções de rara
importante do ponto de vista político-cultural, que é beleza.
ensinada nas escolas e difundida nas gramáticas. Vale lembrar, finalmente, que a língua é um
costume. Como tal, qualquer transgressão, ou chamado
Sendo mais espontânea e criativa, a língua erro, deixa de sê-lo no exato instante em que a maioria
popular se afigura mais expressiva e dinâmica. Temos, absoluta o comete, passando, assim, a constituir fato
assim, à guisa de exemplificação: linguístico registro de linguagem definitivamente
Estou preocupado. (norma culta) consagrado pelo uso, ainda que não tenha amparo
Tô preocupado. (língua popular) gramatical.
Tô grilado. (gíria, limite da língua popular)
Exemplos:
Não basta conhecer apenas uma modalidade de Olha eu aqui! (Substituiu: Olha-me aqui!)
língua; urge conhecer a língua popular, captando-lhe a Vamos nos reunir. (Substituiu: Vamo-nos reunir.)
espontaneidade, expressividade e enorme criatividade, Não vamos nos dispersar. (Substituiu: Não nos
para viver; urge conhecer a língua culta para conviver. vamos dispersar e Não vamos dispersar-nos.)
Tenho que sair daqui depressinha. (Substituiu:
Podemos, agora, definir gramática: é o estudo Tenho de sair daqui bem depressa.)
das normas da língua culta. O soldado está a postos. (Substituiu: O soldado
está no seu posto.)
O conceito de erro em língua: Têxtil, que significa rigorosamente que se pode
tecer, em virtude do seu significado, não poderia ser
Em rigor, ninguém comete erro em língua, exceto adjetivo associado a indústria, já que não existe indústria
nos casos de ortografia. O que normalmente se comete que se pode tecer. Hoje, porém, temos não só como
são transgressões da norma culta. De fato, aquele que, também o operário têxtil, em vez da indústria de fibra têxtil
num momento íntimo do discurso, diz: "Ninguém deixou e do operário da indústria de fibra têxtil.
ele falar", não comete propriamente erro; na verdade, As formas impeço, despeço e desimpeço, dos
transgride a norma culta. verbos impedir, despedir e desimpedir, respectivamente,
Um repórter, ao cometer uma transgressão em são exemplos também de transgressões ou "erros" que
sua fala, transgride tanto quanto um indivíduo que se tornaram fatos linguísticos, já que só correm hoje
comparece a um banquete trajando xortes ou quanto um porque a maioria viu tais verbos como derivados de pedir,
banhista, numa praia, vestido de fraque e cartola. que tem, início, na sua conjugação, com peço. Tanto
Releva considerar, assim, o momento do bastou para se arcaizarem as formas então legítimas
discurso, que pode ser íntimo, neutro ou solene. impido, despido e desimpido, que hoje nenhuma pessoa
O momento íntimo é o das liberdades da fala. No bem-escolarizada tem coragem de usar.
recesso do lar, na fala entre amigos, parentes, Em vista do exposto, será útil eliminar do vocabulário
namorados, etc., portanto, são consideradas escolar palavras como corrigir e correto, quando nos referimos
perfeitamente normais construções do tipo: a frases. "Corrija estas frases" é uma expressão que deve dar
Eu não vi ela hoje. lugar a esta, por exemplo: "Converta estas frases da língua
Ninguém deixou ele falar. popular para a língua culta".
Deixe eu ver isso! Uma frase correta não é aquela que se contrapõe
Eu te amo, sim, mas não abuse! a uma frase "errada"; é, na verdade, uma frase elaborada
Não assisti o filme nem vou assisti-lo. conforme as normas gramaticais; em suma, conforme a
Sou teu pai, por isso vou perdoá-lo. norma culta.
Nesse momento, a informalidade prevalece sobre
a norma culta, deixando mais livres os interlocutores. Língua escrita e língua falada. Nível de linguagem:
O momento neutro é o do uso da língua-padrão,
que é a língua da Nação. Como forma de respeito, A língua escrita, estática, mais elaborada e
tomam-se por base aqui as normas estabelecidas na menos econômica, não dispõe dos recursos próprios da
gramática, ou seja, a norma culta. Assim, aquelas língua falada.
mesmas construções se alteram: A acentuação (relevo de sílaba ou sílabas), a
Eu não a vi hoje. entoação (melodia da frase), as pausas (intervalos
Ninguém o deixou falar. significativos no decorrer do discurso), além da
Deixe-me ver isso! possibilidade de gestos, olhares, piscadas, etc., fazem da
Eu te amo, sim, mas não abuses! língua falada a modalidade mais expressiva, mais criativa,
Não assisti ao filme nem vou assistir a ele. mais espontânea e natural, estando, por isso mesmo,
Sou seu pai, por isso vou perdoar-lhe. mais sujeita a transformações e a evoluções.

72
Nenhuma, porém, se sobrepõe a outra em  DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO
importância. Nas escolas principalmente, costuma se
ensinar a língua falada com base na língua escrita, Para compreender os conceitos de denotação e
considerada superior. Decorrem daí as correções, as conotação é preciso observar que o signo linguístico é
retificações, as emendas, a que os professores sempre constituído de duas partes distintas, embora uma não
estão atentos.
exista separada da outra.
Ao professor cabe ensinar as duas modalidades,
mostrando as características e as vantagens de uma e Isto quer dizer que o signo tem uma parte
outra, sem deixar transparecer nenhum caráter de perceptível (constituído de som e representado por letra)
superioridade ou inferioridade, que em verdade inexiste. e uma parte inteligível (constituída de conceito [imagem
Isso não implica dizer que se deve admitir tudo na mental por meio da qual representamos um objeto]).
língua falada. A nenhum povo interessa a multiplicação de Essa parte perceptível é denominada significante
línguas. A nenhuma nação convém o surgimento de ou plano de expressão.
dialetos, consequência natural do enorme distanciamento Já a parte inteligível é denominada significado ou
entre uma modalidade e outra.
plano de conteúdo.
A língua escrita é, foi e sempre será mais bem
elaborada que a língua falada, porque é a modalidade Quando um plano de expressão (significante) for
que mantém a unidade linguística de um povo, além de suporte para mais de um plano de conteúdo (significado)
ser a que faz o pensamento atravessar o espaço e o temos a polissemia. Assim, o significante linha pode
tempo. Nenhuma reflexão, nenhuma análise mais detida denotar os significados: material para costurar ou bordar,
será possível sem a língua escrita, cujas transformações, atacantes de futebol, trilhos de trem ou bonde, conduta de
por isso mesmo, se processam lentamente e em número um indivíduo ou postura.
consideravelmente menor, quando cotejada com a
No entanto, a polissemia não deve ser vista como
modalidade falada.
Importante é fazer o educando perceber que o um problema, uma vez que será neutralizada pelo
nível da linguagem, a norma linguística, deve variar de contexto.
acordo com a situação em que se desenvolve o discurso. Pois assim que se insere no contexto a palavra
O ambiente sociocultural determina. O nível da perde seu caráter polissêmico e ganha um significado
linguagem a ser empregado. O vocabulário, a sintaxe, a específico, passando a ser denominado de significado
pronúncia e até a entoação variam segundo esse nível. contextual.
Um padre não fala com uma criança como se A costureira, de tão velha, não conseguia mais
estivesse dizendo missa, assim como uma criança não
enfiar a linha na agulha.
fala como um adulto. Um engenheiro não usará um
mesmo discurso, ou um mesmo nível de fala, para O técnico deslocou o jogador da linha para a
colegas e para pedreiros, assim como nenhum professor defesa.
utiliza o mesmo nível de fala no recesso do lar e na sala As linhas de bonde foram cobertas pelo asfalto.
de aula. O conferencista, apesar da agressividade da
Existem, portanto, vários níveis de linguagem e, plateia, não perdeu a linha.
entre esses níveis, se destacam em importância o culto e Dessa maneira percebemos que o significado
o cotidiano, a que já fizemos referência. contextual é fundamental para entendermos um texto.
A denotação é a relação existente entre o plano
A gíria:
de expressão e o plano de conteúdo, ou seja, o
Ao contrário do que muitos pensam, a gíria não significado denotativo é o conceito ao qual nos remete
constitui um flagelo da linguagem. Quem, um dia, já não certo significante.
usou bacana, dica, cara, chato, cuca, esculacho, estrilar? No entanto, um termo além do seu significado
O mal maior da gíria reside na sua adoção como denotativo, pode vir acrescido de outros significados
forma permanente de comunicação, desencadeando um paralelos.
processo não só de esquecimento, como de desprezo do
Esses novos valores constituem aquilo que
vocabulário oficial. Usada no momento certo, porém, a
gíria é um elemento de linguagem que denota denominamos sentido conotativo, ou seja, o acréscimo de
expressividade e revela grande criatividade, desde que, um novo valor constitui a conotação, que consiste num
naturalmente, adequada à mensagem, ao meio e ao novo plano de conteúdo para o signo que já tinha um
receptor. Note, porém, que estamos falando em gíria, e significado denotativo.
não em calão. Assim duas palavras podem ter a mesma
Ainda que criativa e expressiva, a gíria só é denotação e conotação completamente distinta, uma vez
admitida na língua falada. A língua escrita não a tolera, a que policial e meganha têm a mesma denotação, mas
não ser na reprodução da fala de determinado meio ou
conotação totalmente diferente.
época, com a visível intenção de documentar o fato, ou
em casos especiais de comunicação entre amigos, O sentido conotativo varia de cultura para cultura,
familiares, namorados, etc., caracterizada pela linguagem de classe social para classe social ou de época para
informal. época.

73
[1]
 FUNÇÕES DA LINGUAGEM  POLISSEMIA E/OU HOMONÍMIA
Para melhor compreensão das funções de
Rosana de Vilhena Lima (UFES)
linguagem, torna-se necessário o estudo dos elementos
da comunicação.
Elementos da comunicação
RESUMO
emissor - emite, codifica a mensagem
receptor - recebe, decodifica a mensagem O léxico da língua portuguesa expande-se em um
mensagem - conteúdo transmitido pelo emissor processo dinâmico. Os processos de expansão do léxico,
código - conjunto de signos usado na transmissão e por vezes, geram dificuldades quanto à definição da
recepção da mensagem existência de um item lexical dotado de múltiplos sentidos
referente - contexto relacionado a emissor e receptor (polissemia) ou de itens lexicais distintos com formas
canal - meio pelo qual circula a mensagem idênticas (homonímia), essas dificuldades são objeto
deste estudo. O trabalho apresenta conceitos de
Obs.: as atitudes e reações dos comunicantes são polissemia e homonímia na concepção dos gramáticos
também referentes e exercem influência sobre a Rocha Lima e Evanildo Bechara e dos linguistas Matoso
comunicação
Câmara, Mário Perini e Margarida Basílio, expõe a
● Funções da linguagem necessidade da investigação de critérios que definam a
ocorrência de polissemia e/ou homonímia e sugere uma
Função emotiva (ou expressiva) centralizada no forma prática de apresentação do tema aos aprendizes da
emissor, revelando sua opinião, sua emoção. Nela língua portuguesa.
prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e Palavras chaves: Polissemia. Homonímia. Ensino.
exclamações. É a linguagem das biografias, memórias,
poesias líricas e cartas de amor.
● INTRODUÇÃO
Função referencial (ou denotativa) centralizada no
referente, quando o emissor procura oferecer informações
A necessidade de se nomear elementos e fatos
da realidade. Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a
novos que se inserem em determinado contexto
3ª pessoa do singular. Linguagem usada nas notícias de
jornal e livros científicos. colaboram para a expansão do léxico. Esse processo de
expansão do léxico pode ocorrer de diferentes formas,
Função apelativa (ou conativa) centraliza-se no entre elas o desenvolvimento de homofonias. A extensão
receptor; o emissor procura influenciar o comportamento de significado e outras alterações semânticas são,
do receptor. Como o emissor se dirige ao receptor, é também, fatos observados na língua. A flexibilidade do
comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além léxico da língua portuguesa do Brasil e as alterações
dos vocativos e imperativo. Usada nos discursos, semânticas propiciam a ocorrência da polissemia ou/e
sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao homonímia, fenômeno(s) amplamente discutido(s) por
consumidor. gramáticos e linguistas. Neste trabalho a questão é
apresentada através dos conceitos de polissemia e/ou
Função fática centralizada no canal, tendo como objetivo
homonímia propostos pelos gramáticos Rocha Lima e
prolongar ou não o contato com o receptor, ou testar a
eficiência do canal. Linguagem das falas telefônicas, Evanildo Bechara e pelos linguistas Matoso Câmara,
saudações e similares. Mário Perini e Margarida Basílio bem como a
problemática abordada por esses estudiosos. São
Função poética centralizada na mensagem, revelando consideradas as divergências entre gramáticos, linguistas
recursos imaginativos criados pelo emissor. Afetiva, e lexicógrafos e apresentasse uma proposta de
sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam-se as abordagem da polissemia/homonímia para o ensino
palavras, suas combinações. fundamental e o ensino médio.

É a linguagem figurada apresentada em obras


literárias, letras de música, em algumas propagandas etc.
UMA ABORDAGEM À LUZ DAS GRAMÁTICAS
TRADICIONAIS
Função metalinguística centralizada no código, usando
a linguagem para falar dela mesma. A poesia que fala da
poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta A polissemia e a homonímia são estudadas em
outro texto. Principalmente os dicionários são repositórios Rocha Lima (2005: 485-487) no capítulo que trata das
de metalinguagem. Funções da linguagem. Gramática e estilística, a
abordagem da polissemia é feita no âmbito da denotação.
Obs.: Em um mesmo texto podem aparecer várias A polissemia é apresentada como a ―multiplicidade de
funções da linguagem. O importante é saber qual a sentidos imanente em toda palavra‖ que possui estrita
função predominante no texto, para então defini-lo. dependência do contexto e que tem como resultado a
sinonímia.

74
Os exemplos propostos são os sentidos do verbo romper É ressaltada a necessidade de se conferir se há
em: ocorrência de homofonia / polissemia ou uma variação
Rompeu a roupa no arame farpado. (rasgou) semântica.
Romper um segredo. (revelar) O conceito de homonímia bem como a questão
Romperam as músicas! (principiaram) dos homófonos (palavras que apresentam os mesmos
O senador rompeu com o governo. (brigou com, fonemas, mas são escritas de forma distinta) e
desligou-se de) homógrafos (palavras que se escrevem com as mesmas
A cavalaria romperá as hostes inimigas. letras, mas que correspondem a fonemas distintos) é
(destroçará) apresentado de acordo com o Dicionário de linguística e
Ou os do adjetivo grave, em: gramática de J. Mattoso Câmara Júnior (1977). Bechara
Doença grave. (séria, capaz de ocasionar a morte) (2004: 403) salienta a dificuldade de se distinguir
Voz grave. (baixa) polissemia e homonímia, apresenta os seguintes critérios
Vocábulo grave. (paroxítono) para indicar a ocorrência de um item lexical com
Homem de aspecto grave. (circunspecto, sisudo) significados distintos (polissemia) ou dois itens lexicais
O autor sugere dois procedimentos para a distintos com fonemas idênticos (homonímia):
averiguação da conotação ou denotação entre uma ou a) critério histórico-etimológico – é o que fazem,
mais palavras: em geral, os nossos dicionários;
- a substituição de uma palavra por outra ou
outras em um dado contexto e b) a consciência linguística do falante;
- a determinação do antônimo comum ou distinto c) critério das relações associativas;
de cada uma dessas palavras. d) critério dos campos léxicos.
As questões enfatizadas são as relações
conotação/denotação e sinonímia/antonímia, não é Destacando que estes critérios estão todos
trabalhada a noção ou o conceito de polissemia, sujeitos à crítica.
propriamente dito.
A homonímia é descrita por Rocha Lima (2005: UMA ABORDAGEM À LUZ DA LINGUÍSTICA
487) como ―fator de perturbação da boa escolha das
palavras‖, o autor afirma que deveriam ser consideras No Dicionário de linguística e gramática, J.
homônimas as palavras ―que, tendo origem diversa, Mattoso Câmara Júnior (1985: 194), polissemia é definida
apresentam a mesma forma, em virtude de uma como ―propriedade da significação linguística (v.) de
coincidência na sua evolução fonética‖. É considerada abarcar toda uma gama de significações, que se definem
também a homonímia entre palavras que, possuindo e precisam dentro de um contexto‖ e essa propriedade,
forma idêntica, designem coisas distintas: presente em todas as formas da língua não se confunde
cabo (posto militar) cabo (acidente geográfico) como a homonímia, descrita por Câmara Júnior (1985:
139) como a propriedade de duas ou mais formas,
real (verdadeiro) real (de rei) inteiramente distintas pela significação ou função, terem a
É mencionada a existência de homônimos mesma estrutura fonológica: os mesmos fonemas
homófonos (palavras que apresentam os mesmos dispostos na mesma ordem e subordinado ao mesmo tipo
fonemas, mas são escritas de forma distinta) e de de acentuação; ex.: a) um homem são; b) São Jorge; c)
parônimos (palavras de formas semelhantes, por isso, são várias as circunstâncias, os critérios diacrônico e
frequentemente confundidas). sincrônico são apresentados como apropriados para
A questão da contiguidade entre homonímia e distinguir polissemia e homonímia, não são consideradas
polissemia e as semelhanças entre esses dois fenômenos as dificuldades advindas da aplicação desses critérios
não são explicadas, sequer são mencionadas por Rocha nem as críticas a eles dirigidas.
Lima (2005). A problemática de estabelecer uma distinção
Na Moderna gramática portuguesa Evanildo entre polissemia e homonímia é apresentada por Perini
Bechara (2004) trata da polissemia e da homonímia na (1995) na Gramática descritiva do português. No capítulo
parte destinada à gramática descritiva e normativa no destinado à semântica Perini (1995: 250-1) considera a
item alterações semânticas da estrutura das unidades: polissemia uma ―propriedade fundamental das línguas
análise mórfica. humanas‖ e afirma que ―a maioria das palavras são
Para Bechara (2004: 402) a polissemia é o fato de polissêmicas em algum grau‖. O autor ressalta a
haver uma só forma (significante) com mais de um importância, para a descrição gramatical, de se
significado unitário pertencentes a campos semânticos estabelecer uma diferenciação entre os seguintes fatos
diferentes. [...] cada um desses significados é preciso e linguísticos: um item lexical com mais de um significado e
determinado: dois itens lexicais com a mesma pronúncia e grafia,
[...] polissemia e homonímia respectivamente.
cabo (cabeça, extremidade, posto na hierarquia Segundo Perini (1995: 250) a proposta tradicional
militar) – cabo (= parte de instrumento por onde esse se para a resolução do problema é estabelecer um limite
impunha ou utiliza: cabo da faca) entre ―duas palavras (dois itens lexicais) quando há uma
O autor considera esse fato da língua (polissemia diferença de classe gramatical, ou então quando há uma
ou homofonia) distinto de variação semântica, relacionada diferença semântica grande e nítida.‖ A primeira solução,
ao sentido diverso das palavras em determinado contexto. para o autor, é relativamente simples ao passo que a
segunda torna-se problemática por não definir o que é
uma diferença semântica ―grande e nítida‖ nem tratar dos

75
casos intermediários. Perini conclui que a dificuldade em UMA PROPOSTA DE ENSINO
delimitar polissemia e/ou homonímia aponta para a falta
de um conceito mais preciso de item lexical. Diante da divergência que ocorre com relação à
A questão homonímia e/ou polissemia também é determinação da ocorrência de polissemia e/ou
discutida na obra Formação de palavras no português do homonímia é imprescindível que os professores de
Brasil, onde Basílio (2004:15-6) afirma: Língua Portuguesa exponham a questão de forma
Quando os significados de uma palavra são relacionados, equilibrada enfatizando as possibilidades e efeitos
damos à situação o nome de polissemia. Quando os produzidos pela utilização da polissemia/homonímia,
significados não são relacionados, em geral é preferível tornado assim a produção e compreensão do texto escrito
considerar que se tratam de palavras distintas, ainda que e oral mais criativo e atraente.
com a mesma forma fonologia. Nesse caso, No gênero publicidade encontram-se diversos
denominamos a situação de homonímia. textos que utilizam a polissemia/homonímia, a fim de
Basílio considera a problemática de estabelecer tornar o enunciado mais atraente, exemplo deste fato é a
posições definitivas quanto às diferenças no propaganda do governo do estado da Paraíba veiculada
comportamento relativo ao gênero das palavras que na revista Isto é de 08 de dezembro de 2004:
apontariam para a classificação das mesmas como
homônimas e/ou polissêmicas e afirma que: ―Entre Recife e Natal, entre em João Pessoa.‖
A questão homonímia/polissemia continua sendo
discutida tanto teoricamente quanto em termos de casos A empresa responsável pela publicidade
particulares. Temos, portanto, um problema permanente certamente não se ateve às questões teóricas que
em relação ao conceito de palavra. envolvem polissemia/homonímia, mas utilizou, de forma
A autora, numa análise mais aprofundada aponta, criativa, esse fato da língua para divulgar os atrativos
à semelhança de Perini, o problema subjacente à questão turísticos do estado da Paraíba. O enunciado ―Entre
primeiramente apresentada (homonímia/polissemia). Recife e Natal, entre em João Pessoa‖ ocupa lugar de
destaque na propaganda. A localização geográfica da
A PROBLEMÁTICA ENTRE GRAMÁTICOS, capital da Paraíba, João Pessoa, é dada no enunciado
LINGUISTAS E LEXICÓGRAFOS que apresenta a topicalização da preposição entre. O
verbo entrar convida o leitor a conhecer a cidade. Na
Pode-se constatar a fragilidade de alguns critérios parte inferior da página há um retângulo com a seguinte
utilizados para determinar a existência de um ou mais informação: ―RECIFE/JOÃO PESSOA – 120 Km / NATAL
itens lexicais ao observar que Rocha Lima (2005: 487) / JOÃO PESSOA – 185 Km‖ e logo abaixo, lê-se o texto:
apresenta como exemplo de homonímia a distinção entre ―Entre, fique à vontade e descubra o que o mundo está
as palavras cabo (posto militar) e cabo (acidente descobrindo: [...] Um lugar tranquilo entre o rio e o mar
geográfico), Câmara Júnior (1985: 140) também adota [...]. Aproveite que você está pertinho e entre [...]‖, (grifo
essas palavras como homônimas ao explicar a utilização nosso). Alterna-se assim a preposição entre, que aponta
do critério sincrônico na distinção entre homonímia e a localização geográfica de João Pessoa e o verbo entrar
polissemia. que convida o leitor ao turismo naquela localidade.
Bechara (2004: 402), por sua vez, exemplifica a Observa-se assim, a importância da utilização da
polissemia com a palavra cabo – posto militar – e cabo – polissemia/homonímia na linguagem publicitária.
―parte de instrumento por onde esse se impunha ou
utiliza: cabo da faca‖. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Considerando que o posto de cabo situa-se numa
extremidade da escala hierárquica militar; cabo ―parte de A qualidade e o volume das pesquisas sobre
instrumento por onde esse se impunha ou utiliza‖, é uma polissemia e/ou homonímia, realizadas pelos estudiosos
extremidade de um instrumento; assim como é uma da língua portuguesa do Brasil, são notórios, assim como
extremidade o acidente geográfico cabo, ou seja, uma o é a dificuldade de se estabelecer uma distinção precisa
―ponta ou porção de continente que avança mar adentro, entre polissemia e/ou homonímia e a necessidade de uma
formando prolongamento ou saliência do litoral‖ (Houaiss descrição gramatical detalhada que permita a apreensão
et alii, 2004), pode-se admitir uma relação de sentido dos fatos da língua de forma mais esclarecedora e que
entre as três acepções da palavra cabo. sirva de instrumento para outras pesquisas. Tendo em
Entre os dicionaristas também não há consenso vista que não há um consenso entre gramáticos,
quanto à existência de um ou mais itens lexicais. Luft linguistas e lexicógrafos quanto à existência de um ou
(2001:131) registra, em seu dicionário, apenas uma mais itens lexicais, em determinados casos, e que os
entrada para a palavra cabo, contudo, Houaiss (2004) e critérios propostos para a diferenciação de polissemia e
Ferreira (1993:83) registram mais de uma entrada para o homonímia são questionáveis, sugere-se que o ensino do
substantivo masculino cabo. Observa-se o seguinte fato: tema para os alunos do ensino fundamental e do ensino
Houaiss e Ferreira registram duas entradas para a médio privilegie a exposição dos conceitos de polissemia
palavra cabo; Rocha Lima (2005) e Câmara Júnior (1985) e/ou homonímia sem a imposição de uma postura rígida e
consideram cabo (posto militar) e cabo (acidente a exposição desse(s) fato(s) linguístico (polissemia/
geográfico) homônimos, ou seja, admitem a existência de homonímia) como instrumento(s) para a produção de
dois itens lexicais); contudo Houaiss (2004) e Ferreira textos orais e escritos e uma leitura mais completa dos
(1993) consideram cabo (posto militar) e cabo (acidente textos/fatos que o circundam.
geográfico) acepções de uma mesma entrada lexical, ou
seja admite a existência de um item lexical (polissemia).

76
HIPERONÍMIA e HIPONÍMIA... vamos saber o que é
isto ? Narração
Quando estudamos, na parte da SEMÂNTICA
Modalidade textual em que se conta um fato,
(significado/sentido das palavras), na Gramática, sempre
fictício ou não, que ocorreu num determinado tempo e
estão relacionados:
lugar, envolvendo certos personagens. Refere-se a
sinônimos, objetos do mundo real. Há uma relação de anterioridade e
antônimos, posterioridade. O tempo verbal predominante é o
parônimos, passado.
Estamos cercados de narrações desde as que
homônimos,
nos contam histórias infantis, como o Chapeuzinho
polissemia, Vermelho ou a Bela Adormecida, até as picantes piadas
denotação, do cotidiano.
conotação,
Dissertação
sentido próprio,
sentido figurado. Estilo de texto com posicionamentos pessoais e
exposição de ideias. Tem por base a argumentação,
HIPERONÍMIA = é uma PALAVRA QUE DÁ apresentada de forma lógica e coerente a fim de defender
IDÉIA DE UM TODO, do qual se originam várias partes um ponto de vista.
ou ramificações. · Estrutura básica:
Exemplo: A palavra "RELIGIÃO" é um todo, ao 1. apresentação da ideia principal;
qual estão ligados todos os tipos de religião : católica, 2. argumentos;
batista, protestante, etc. O mesmo ocorre com a palavra 3. conclusão.
'CALÇADOS" : a ela estão ligadas palavras como : Utiliza verbos na 1ª e 3ª pessoas do presente do
sandálias, botas, sapatos, tênis, etc. indicativo. É a modalidade mais exigida nos concursos em
geral, por promover uma espécie de ―raio-X‖ do candidato
HIPONÍMIA = é exatamente O OPOSTO DA no que toca às suas opiniões.
HIPERONÍMIA : É A PALAVRA QUE INDICA CADA
PARTE OU CADA ITEM DE UM TODO. Nesse sentido, exige dos candidatos mais
Assim, as palavras bem-te-vi, curió, patativa, etc., cuidado em relação às colocações, pois também revela
constituem um caso de HIPONÍMIA, visto que CADA UMA um pouco do seu temperamento, numa espécie de psico-
DESTAS PALAVRAS É PARTE DE UM TODO. (e, neste técnico. Tipologia Argumentativa.
caso, o todo a elas correspondente será a palavra
"AVES"). Exposição
Apresenta informações sobre assuntos, expõe
Gêneros textuais são tipos específicos de textos de ideias; explica, avalia, reflete.
qualquer natureza, literários ou não. Modalidades
discursivas constituem as estruturas e as Funções sociais · Estrutura básica:
(narrativas, dissertativas, argumentativas, procedimentais 1. ideia principal;
e exortativas), utilizadas como formas desorganizar a 2. desenvolvimento;
linguagem. Dessa forma, podem ser considerados 3. conclusão.
exemplos de gêneros textuais: anúncios, convites, atas, Faz uso de linguagem clara, objetiva e impessoal.
avisos, programas de auditórios, bulas, cartas, comédias, A maioria dos verbos está no presente do indicativo.
contos de fadas, convênios, crônicas, editoriais, ementas,
ensaios, entrevistas, circulares, contratos, decretos, Injunção
discursos políticos, histórias, instruções de uso, letras de Indica como realizar uma ação; aconselha.
música, leis, mensagens, notícias. É também utilizado para predizer acontecimentos e
comportamentos. Utiliza linguagem objetiva e simples.
Tipologia textual é a forma como um texto se apresenta. Os verbos são, na sua maioria, empregados no modo
imperativo. Há também o uso do futuro do presente.
As tipologias existentes são: descrição, narração,
dissertação, exposição, injunção, diálogo e entrevista. Diálogo
Materializa o intercâmbio entre personagens.
 TIPOS Pode conter marcas da linguagem oral, como pausas e
Descrição retomas.

Tipo de texto em que se faz um retrato por escrito 1. Narração:


de um lugar, uma pessoa, um animal ou um objeto. A Tem por objetivo contar uma história real, fictícia
classe de palavras mais utilizada nessa produção é o ou mesclando dados reais e imaginários. Baseia-se numa
adjetivo, pela sua função caracterizadora. Numa evolução de acontecimentos, mesmo que não
abordagem mais abstrata, pode-se até descrever mantenham relação de linearidade com o tempo real.
sensações ou sentimentos. Sendo assim, está pautada em verbos de ação e
Não há relação de anterioridade e posterioridade. conectores temporais.

77
A narrativa pode estar em 1ª ou 3ª pessoa, Quanto ao discurso indireto livre, é usado como
dependendo do papel que o narrador assuma em relação uma estrutura bastante informal de colocar frases soltas,
à história. Numa narrativa em 1ª pessoa, o narrador sem identificação de quem a proferiu, em meio ao texto.
participa ativamente dos fatos narrados, mesmo que não Trazem, muitas vezes, um pensamento do
seja a personagem principal (narrador = personagem). Já personagem ou do narrador, um juízo de valor ou opinião,
a narrativa em 3ª pessoa traz o narrador como um um questionamento referente a algo mencionado no texto
observador dos fatos que pode até mesmo apresentar ou algo parecido. Esse tipo de discurso é o mais usado
pensamentos de personagens do texto (narrador = atualmente, sobretudo em crônicas de jornal, histórias
observador). infantis e pequenos contos.
O bom autor toma partido das duas opções de
posicionamento para o narrador, a fim de criar uma 2. Descrição:
história mais ou menor parcial, comprometida. Por
exemplo, Machado de Assis, ao escrever Dom Casmurro, Caracteriza-se por ser um "retrato verbal" de
optou pela narrativa em 1ª pessoa justamente para pessoas, objetos, animais, sentimentos, cenas ou
apresentar-nos os fatos segundo um ponto de vista ambientes. Entretanto, uma descrição não se resume à
interno, portanto mais parcial e subjetivo. enumeração pura e simples. O essencial é saber captar o
traço distintivo, particular, o que diferencia aquele
1.1 Narração objetiva X Narração subjetiva elemento descrito de todos os demais de sua espécie.
objetiva - apenas informa os fatos, sem se deixar Os elementos mais importantes no processo de
envolver emocionalmente com o que está noticiado. É de caracterização são os adjetivos e locuções adjetivas.
cunho impessoal e direto. Desta maneira, é possível construir a
subjetiva - leva-se em conta as emoções, os sentimentos caracterização tanto no sentido denotativo quanto no
envolvidos na história. São ressaltados os efeitos conotativo, como forma de enriquecimento do texto.
psicológicos que os acontecimentos desencadeiam nos Enquanto uma narração faz progredir uma
personagens. história, a descrição consiste justamente em interrompê-
Observação - o fato de um narrador de 1ª pessoa la, detendo-se em um personagem, um objeto, um lugar,
envolver-se emocionalmente com mais facilidade na etc.
história, não significa que a narração subjetiva requeira
sempre um narrador em 1ª pessoa ou vice-versa. 2.1 Elementos básicos de uma descrição:
nomear / identificar - dar existência ao elemento
1.2 Elementos básicos da narrativa: (diferenças e semelhanças)
• Fato - o que se vai narrar (O quê?) localizar / situar - determinar o lugar que o elemento
• Tempo - quando o fato ocorreu (Quando?) ocupa no tempo e no espaço qualificar - testemunho do
• Lugar - onde o fato se deu (Onde?) observador sobre os seres do mundo.
• Personagens - quem participou ou observou o ocorrido
(Com quem?) A qualificação constitui a parte principal de uma
• Causa - motivo que determinou a ocorrência (Por quê?) descrição. Qualificar o elemento descrito é dar-lhe
• Modo - como se deu o fato (Como?) características, apresentar um julgamento sobre ele. A
• Consequências (Geralmente provoca determinado qualificação pode estar no campo objetivo ou no subjetivo.
desfecho) Uma forma muito comum de qualificação é a
analogia, isto é, a aproximação pelo pensamento de dois
A modalidade narrativa de texto pode constituir-se elementos que pertencem a domínios distintos. Pode ser
de diferentes maneiras: piada, peça teatral, crônica, feita através de comparações ou metáforas.
novela, conto, fábula etc.
Uma narrativa pode trazer falas de personagens 2.2 Descrição subjetiva X Descrição objetiva:
entremeadas aos acontecimentos, faz-se uso dos
chamados discursos: direto, indireto ou indireto livre. Objetiva - sem impressões do observador,
tentando maior proximidade com o real
No discurso direto, o narrador transcreve as palavras da Subjetiva - visão do observador através de juízos
própria personagem. Para tanto, recomenda-se o uso de de valor
algumas notações gráficas que marquem tais falas: No terreno objetivo temos as informações (dados
travessão, dois pontos, aspas. Mais modernamente do conhecimento do autor do texto: livro comprado em
alguns autores não fazem uso desses recursos. Lisboa), as caracterizações (dados que estão no objeto
O discurso indireto apresenta as palavras das de descrição: livro vermelho). Já no subjetivo, estão as
personagens através do narrador que reproduz uma qualificações (impressões subjetivas sobre o ser ou
síntese do que ouviu, podendo suprimir ou modificar o objeto: livro interessante). O ideal é que uma descrição
que achar necessário. A estruturação desse discurso não possa fundir a objetividade, necessária para a "pintura"
carece de marcações gráficas especiais, uma vez que ser a mais verídica possível, e a subjetividade que torna o
sempre é o narrador que detém a palavra. Usualmente, a texto bem mais interessante e agradável. Sendo assim, a
estrutura traz verbo dicendi (elocução) e oração descrição deve ir além do simples "retrato", deve
subordinada substantiva com verbo num tempo passado apresentar também uma interpretação do autor a respeito
em relação à fala da personagem. daquilo que descreve.

78
3. Dissertação Observe alguns exemplos:
Televisão - a violência na televisão / a televisão e
Introdução a opinião pública a vida nas grandes cidades - a vida
social dos jovens nas grandes cidades / os problemas das
A folha em branco, o tempo passando. As unhas
grandes cidades preconceitos - preconceitos raciais /
roídas, o tema dado e nenhuma ideia. Muitas pessoas já
causas do preconceito racial progresso - vantagens e
passaram por uma situação semelhante, em que não
desvantagens sociais do progresso / progresso e
sabiam absolutamente por onde começar a escrever
evolução humana.
sobre determinado assunto.
Escrever pode ser fácil para qualquer pessoa,
3.1 Parágrafos:
desde que esta queira se empenhar para tanto. Não há
São blocos de texto, cuja primeira linha inicia-se
mágicas ou fórmulas práticas para aprender a escrever.
em margem especial, maior do que a margem normal do
Na verdade, é um trabalho que depende
texto. Concentram sempre uma ideia-núcleo relacionada
sobremaneira do empenho do interessado em aprender.
diretamente ao tema da redação.
Para este intento, algumas dicas práticas podem
Não há moldes rígidos para a construção de um
ser dadas para auxiliar, mas nada substitui a necessidade
parágrafo. O ideal é que em cada parágrafo haja dois ou
de escrever sempre. O ato da escrita deve se tornar algo
três períodos, usando pontos continuativos (na mesma
natural, a fim de afastar o fantasma do "branco total".
linha) intermediários.
Além disso, a leitura e a atualização de
A divisão em parágrafos é indicativa de que o
informações também colaboram muito na qualidade do
leitor encontrará, em cada um deles, um tópico do que o
texto.
autor pretende transmitir. Essa delimitação deve estar
O objetivo da redação é chegar a um texto que
esquematizada desde antes do rascunho, no momento do
será tão repleto de escolhas pessoais (ideias, palavras,
planejamento estrutural, assim a redação apresentará
estruturas frasais, organização, exemplos) que, até
mais coerência.
partindo de um mesmo assunto geral, milhares de
pessoas podem chegar a um bom resultado apresentando
3.2 Qualidades de uma dissertação
trabalhos nitidamente diferentes.
Para desenvolver esse trabalho, a presente
O texto deve ser sempre bem claro, conciso e
apostila direciona-se ao estudo dissertativo. Será
objetivo.
considerada uma média de trinta linhas para as redações,
A coerência é um aspecto de grande importância
sobretudo no tocante à distribuição destas linhas nas
para a eficiência de uma dissertação, pois não deve haver
subdivisões textuais apresentadas.
pormenores excessivos ou explicações desnecessárias.
Muitas vezes, as maiores dificuldades estão na
Todas as ideias apresentadas devem ser
concretização das ideias no papel. Para auxiliar neste
relevantes para o tema proposto e relacionadas
processo, a apostila conta também com um suporte de
diretamente a ele.
Língua Portuguesa. A preocupação aqui não é de
A originalidade demonstra sua segurança e faz
nomenclaturas ou classificações, o que teve relevo foi a
um diferencial em meio aos demais textos. Só não se
funcionalidade linguística no momento da escrita.
pode, em aspecto nenhum, abandonar o tema proposto.
Alguns pontos merecem destaque especial para
Toda redação deve ter início, meio e fim, que são
um aprimoramento da escrita:
designados por introdução, desenvolvimento e conclusão,
respectivamente. As ideias distribuem-se de forma lógica,
ler mais
sem haver fragmentação da mesma ideia em vários
adquirir o hábito de escrever parágrafos.
Elementos de coesão: Algumas palavras e
pontuar adequadamente
expressões facilitam a ligação entre as ideias, estejam
organizar ideias elas num mesmo parágrafo ou não. Não é obrigatório,
entretanto, o emprego destas expressões para que um
construir períodos mais curtos
texto tenha qualidade. Seguem algumas sugestões e
Estrutura textual suas respectivas relações:
Assunto assim, desse modo - têm valor exemplificativo e
complementar. A sequência introduzida por eles serve
Delimitar um aspecto acerca do tema proposto é normalmente para explicitar, confirmar e complementar o
importante para uma boa abordagem do assunto. Não se que se disse anteriormente.
poderá fazer uma análise aprofundada se o tema for
amplo, por isso especifica-se o assunto a ser tratado. ainda - serve, entre outras coisas, para introduzir mais
A escolha do aspecto, entretanto, não pode um argumento a favor de determinada conclusão; ou para
restringir demais o tema ou corre-se o risco da falta de incluir um elemento a mais dentro de um conjunto de
ideias. ideias qualquer.
Essa delimitação deve ser feita na introdução e, a
partir daí, o leitor sabe que aquele aspecto será explorado aliás, além do mais, além de tudo, além disso -
no decorrer do texto e a conclusão fará menção direta a introduzem um argumento decisivo, apresentado como
ele. acréscimo. Pode ser usado para dar um "golpe final" num
argumento contrário.

79
mas, porém, todavia, contudo, entretanto... (conj. porque tem instinto muito apurado
adversativas) - marcam oposição entre dois enunciados. porque são organizadas em repúblicas
disciplinadas
embora, ainda que, mesmo que - servem para admitir porque fornecem ao homem cera e mel
um dado contrário para depois negar seu valor de apesar de seus ferrões e de sua força quando
argumento, diminuir sua importância. constituem um enxame

Trata-se de um recurso dissertativo muito bom, Mesmo quando se destacam características


pois sem negar as possíveis objeções, afirma-se um positivas, é bom utilizar ponto negativo. Neste caso,
ponto de vista contrário. destaca-se que a importância dos pontos positivos
este, esse e aquele - são chamados termos anafóricos e minimizam a negatividade do outro argumento.
podem fazer referência a termos anteriormente
expressos, inclusive para estabelecer semelhanças e/ou
diferenças entre eles. 3.4 Partes de uma dissertação

3.3 O que é dissertação ● Introdução:


Dissertar é um ato praticado pelas pessoas todos
os dias. Elas procuram justificativas para a elevação dos Constitui o parágrafo inicial do texto e deve ter,
preços, para o aumento da violência nas cidades, para a em média, 5 linhas. É composta por uma sinopse do
repressão dos pais. É mundial a preocupação com a assunto a ser tratado no texto. Não se pode, entretanto,
bomba atômica, a AIDS, a solidão, a poluição. Muitas começar as explicações antes do tempo.
vezes, em casos de divergência de opiniões, cada um Todas as ideias devem ser apresentadas de
defende seus pontos de vista em relação ao futebol, ao forma sintética, pois é no desenvolvimento que serão
cinema, à música. detalhadas.
A vida cotidiana traz constantemente a A construção da introdução pode ser feita de
necessidade de exposição de ideias pessoais, opiniões e várias maneiras:
pontos de vista. Em alguns casos, é preciso persuadir os
outros a adotarem ou aceitarem uma forma de pensar Constatação do problema
diferente. Em todas essas situações e em muitas outras,
utiliza-se a linguagem para dissertar, ou seja, organizam- Exemplos: O aumento progressivo dos índices de
se palavras, frases, textos, a fim de, por meio da violência nos grandes centros urbanos está promovendo
apresentação de ideias, dados e conceitos, chegar-se a uma mobilização político-social.
conclusões.
Em suma, dissertação implica discussão de Delimitação do assunto
ideias, argumentação, organização do pensamento,
defesa de pontos de vista, descoberta de soluções. É, Exemplos: A cidade do Rio de Janeiro, um dos
entretanto, necessário conhecimento do assunto que se núcleos urbanos mais atrativos turisticamente no Brasil,
vai abordar, aliado a uma tomada de posição diante aparece nos meios de comunicação também como foco
desse assunto. de violência urbana.

3.3.1 Argumentação Definição do tema

A base de uma dissertação é a fundamentação de Exemplos: Como um dos mais problemáticos


seu ponto de vista, sua opinião sobre o assunto. Para fenômenos sociais, a violência está mobilizando não só o
tanto, deve-se atentar para as relações de causa- governo brasileiro, mas também toda a população num
consequência e pontos favoráveis e desfavoráveis, muito esforço para sua erradicação.
usadas nesse processo. Na construção da introdução, a utilização de um
Algumas expressões indicadoras de causa e dos métodos apresentados não seria suficiente. Deve-se,
consequência: num segundo período, lançar as ideias a serem
explicitadas no desenvolvimento. Para tanto pode-se
causa: por causa de, graças a, em virtude de, em vista levantar 3 argumentos, causas e consequências, prós e
de, devido a, por motivo de... contras.
Lembre-se de que as explicações e respectivas
consequência: consequentemente, em decorrência, fundamentações de cada uma dessas ideias cabem
como resultado, efeito de ... somente ao desenvolvimento.
Algumas expressões que podem ser usadas para Observe alguns exemplos:
abordar temas com divergência de opiniões: em A televisão - Se por um lado esse popular veículo
contrapartida, se por um lado... / por outro... , xxx é um de comunicação pode influenciar o espectador, também
fenômeno ambíguo, enquanto uns afirmam... / outros se constitui num excelente divulgador de informações
dizem que... com potencial até mesmo pedagógico. (as três ideias:
manipulador de opiniões, divulgador de informações e
Exemplo de argumentação para a tese de que as instrumento educacional.)
abelhas são insetos extraordinários:

80
Escassez de energia elétrica - Destacam-se como conceitos dos avaliadores, por demonstrar que o
fatores preponderantes para esse processo o aumento candidato se empenhou para construí-lo.
populacional e a má distribuição de energia que podem Recurso adicional - para elucidar uma ideia e
acarretar novo racionamento. (as três ideias: crescimento demonstrar atualização, pode-se apresentar de forma
da população e da demanda de energia, problemas com bastante objetiva e breve um exemplo relacionado ao
distribuição da energia gerada no Brasil e a consequência assunto.
do racionamento do uso de energia) Encontre uma causa e uma consequência
A juventude e a violência - Pode-se associar esse relacionados à proposição abaixo e construa um
crescimento da violência com o número de jovens parágrafo para cada argumento:
envolvidos com drogas e sem orientações familiares, o O Brasil tem enfrentado graves problemas na
que gera preconceito em relação a praticantes de área de saúde e previdência públicas
esportes de luta e "funkeiros" . A campanha contra a miséria e a fome está
mobilizando toda a nação
Desenvolvimento: Indique três causas das proposições a seguir e
justifique cada uma através de uma frase:
Esta segunda parte de uma redação, também Precariedade do sistema de transportes Alto
chamada de argumentação, representa o corpo do texto. índice de mortalidade infantil Congestionamento nas
Aqui serão desenvolvidas as ideias propostas na grandes cidades
introdução. É o momento em que se defende o ponto de Aponte três consequências para os temas abaixo
vista acerca do tema proposto. Deve-se atentar para não e construa um parágrafo fundamentando cada um.
deixar de abordar nenhum item proposto na introdução. Baixo índice de mão-de-obra especializada
Pode estar dividido em 2 ou 3 parágrafos e Falta de investimento em tecnologia
corresponde a umas 20 linhas, aproximadamente. Uso de agrotóxicos
A abordagem depende da técnica definida na
introdução: 3 argumentos, causas e consequências ou Levante um argumento favorável e um
prós e contras. O conceito de argumento é importante, desfavorável para a proposição a seguir. Construa um
pois ele é a base da dissertação. Causa, consequência, parágrafo envolvendo suas ideias.
pró, contra são todos os tipos de argumentos; logo pode- As greves dos trabalhadores em relação à
se apresentar 3 causas, por exemplo, num texto. sociedade e à nação
A reflexão sobre o tema proposto não pode ser
superficial, para aprofundar essa abordagem buscam-se Conclusão:
sempre os porquês. De modo prático o procedimento é:
- Levantar os argumentos referentes ao tema proposto. Representa o fecho do texto e vai gerar a
- Fazer a pergunta por quê? a cada um deles, impressão final do avaliador. Deve conter, assim como a
relacionando-o diretamente ao tema e à sociedade introdução, em torno de 5 linhas.
brasileira atual. Pode-se fazer uma reafirmação do tema e dar-lhe
um fecho ou apresentar possíveis soluções para o
A distribuição da argumentação em parágrafos problema apresentado.
depende, também, da técnica adotada: Apesar de ser um parecer pessoal, jamais se
- 3 argumentos: um parágrafo explica cada um dos inclua.
argumentos; Evite começar com palavras e expressões como:
- causas e consequências: podem estar distribuídas concluindo, para finalizar, conclui-se que, enfim...
em 2 ou 3 parágrafos. Ou agrupam-se causas e
consequências, constituindo 2 parágrafos; ou Evitar numa dissertação:
associa-se uma causa a uma consequência e com
cada grupo constroem-se 2 ou 3 parágrafos.; Após o título de uma redação não coloque ponto.
- prós e contras: são as mesmas opções da técnica de Ao terminar o texto, não coloque qualquer coisa
causas e consequências, substituídas por prós e escrita ou riscos de qualquer natureza. Detalhe: não
contras. precisa autografar no final também, e ainda assim será
- abordagem histórica: compara-se o antes e o hoje, uma obra-prima.
elucidando os motivos e consequências dessas Prefira usar palavras de língua portuguesa a
transformações. Cuidado com dados como datas, estrangeirismos.
nomes etc. de que não se tenha certeza. Não use chavões, provérbios, ditos populares ou
- abordagem comparativa: usam-se duas ideias frases feitas.
centrais para serem relacionadas no decorrer do Não use questionamentos em seu texto,
texto. A relação destacada pode ser de identificação, sobretudo em sua conclusão.
de comparação ou as duas ao mesmo tempo. Jamais usar a primeira pessoa do singular, a
menos que haja solicitação do tema (Exemplos: O que
É muito importante manter uma abordagem mais você acha sobre o aborto - ainda assim, pode-se usar a
ampla, mostrar os dois lados da questão. O texto 3ª pessoa)
esquematizado previamente reflete organização e técnica, Evite usar palavras como "coisa" e "algo", por
valorizando bastante a redação. Logo, um texto terem sentido vago. Prefira: elemento, fator, tópico,
equilibrado tem mais chances de receber melhores índice, item etc.

81
Repetir muitas vezes as mesmas palavras O texto reproduz a fala do alfinete e do professor
empobrece o texto. Lance mão de sinônimos e de melancolia. Em ambos os casos, a reprodução da fala
expressões que representem a ideia em questão. é com as próprias palavras deles, como se o leitor
Só cite exemplos de domínio público, sem narrar estivesse ouvindo esses personagens literalmente.
seu desenrolar. Faça somente uma breve menção. Esse tipo de expediente é denominado de
A emoção não pode perpassar nem mesmo num discurso direto, cujas marcas típicas são:
adjetivo empregado no texto. Atenção à imparcialidade. - vem introduzido por verbo que anuncia a fala do
Evite o uso de etc. e jamais abrevie palavras. personagem (murmurou, disse). Esses verbos são
Não analisar assuntos polêmicos sob apenas um chamados de verbos de dizer (dizer, responder,
dos lados da questão. retrucar, afirmar, falar).
- normalmente, antes da fala do personagem, há dois
Exemplo de texto dissertativo: pontos ou travessão.
A posição social da mulher de hoje - os pronomes, o tempo verbal e palavras que
Ao contrário de algumas teses predominantes até dependem de situação são usados literalmente,
bem pouco tempo, a maioria das sociedades de hoje já determinados pelo contexto.
começam a reconhecer a não existência de distinção
alguma entre homens e mulheres. Não há diferença de b) Discurso indireto:
caráter intelectual ou de qualquer outro tipo que permita
considerar aqueles superiores a estas. D. Paula perguntou-lhe se o escritório era ainda o
Com efeito, o passar do tempo está a mostrar a mesmo, e disse-lhe que descansasse, que não era nada;
participação ativa das mulheres em inúmeras atividades. dali a duas horas tudo estaria acabado.
Até nas áreas antes exclusivamente masculinas, elas Nessa passagem o narrador reproduz a fala da
estão presentes, inclusive em posições de comando. personagem literalmente, mas usa suas próprias
Estão no comércio, nas indústrias, predominam no palavras.
magistério e destacam-se nas artes. No tocante à A fala de D. Paula chega ao leitor por via indireta,
economia e à política, a cada dia que passa, estão por isso esse expediente é denominado de discurso
vencendo obstáculos, preconceitos e ocupando mais indireto, cujas marcas são:
espaços. - discurso indireto também é introduzido por verbo de
Cabe ressaltar que essa participação não pode dizer.
nem deve ser analisada apenas pelo prisma quantitativo. - vem separado da fala do narrador por uma partícula
Convém observar o progressivo crescimento da introdutória, normalmente a conjunção que ou se.
participação feminina em detrimento aos muitos anos em - os pronomes, o tempo verbal e elementos que
que não tinham espaço na sociedade brasileira e mundial. dependem de situação são determinados pelo
Muitos preconceitos foram ultrapassados, mas contexto do narrador:
muitos ainda perduram e emperram essa revolução de
costumes. A igualdade de oportunidades ainda não se O verbo ocorre na 3ª pessoa.
efetivou por completo, sobretudo no mercado de trabalho.
Tomando-se por base o crescimento qualitativo Vejamos um confronto dos discursos direto e
da representatividade feminina, é uma questão de tempo indireto.
a conquista da real equiparação entre os seres humanos, - Discurso direto: D. Paula disse: - Daqui a duas horas
sem distinções de sexo. tudo estará acabado.
- Discurso indireto: D. Paula disse que dali a duas
horas tudo estaria acabado.
4. Tipos de Discurso:
Na conversão do discurso direto para o indireto,
Um texto é composto por personagens que falam, as frases interrogativas, exclamativas e imperativas
dialogam entre si, manifestam, enfim, o seu discurso. passam todas para a forma declarativa.
Há três recursos para citar o discurso alheio:
c) Discurso indireto livre:
a) Discurso direto:
Baleia encostava a cabecinha fatigada na pedra.
Parece que a agulha não disse nada: mas um A pedra estava fria, certamente Sinhá Vitória tinha
alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, deixado o fogo apagar-se muito cedo.
murmurou à pobre agulha: Baleia queria dormir. E lamberia as mãos de
- Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam
caminho para ela e ela é que vai gozar a vida, enquanto com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num
aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás,
abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico. gordos, enormes.
Contei esta história a um professor de melancolia, Aqui, quase não conseguimos observar os limites
que me disse, abanando a cabeça: - Também eu tenho entre a fala do narrador e a do personagem.
servido de agulha a muita linha ordinária! (Um apólogo.)
Machado de Assis. Somente observando o tempo verbal e os
adjetivos é que supomos tratar-se do discurso do
personagem.

82
Para um esclarecimento melhor, observemos os Ao ler uma frase como "No verão passado,
discursos abaixo: quando estivemos na capital do Ceará Fortaleza, não
pudemos aproveitar a praia, pois o frio era tanto que
- Discurso direto: Baleia pensava: O mundo ficará todo chegou a nevar", percebemos que ela é incoerente em
cheio de preás, gordos, enormes. decorrência da incompatibilidade entre um conhecimento
prévio que temos da realizada com o que se relata.
- Discurso indireto: Baleia pensava que o mundo todo Sabemos que, considerando uma realidade "normal", em
ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes. Fortaleza não neva (ainda mais no verão!).
Claro que, inserido numa narrativa ficcional
- Discurso indireto livre: O mundo ficaria todo cheio de fantástica, o exemplo acima poderia fazer sentido, dando
preás, gordos, enormes. coerência ao texto - nesse caso, o contexto seria a
"anormalidade" e prevaleceria a coerência interna da
Notamos que o discurso indireto livre é um narrativa.
discurso que exclui os verbos de dizer e a partícula No caso de apresentar uma inadequação entre o
introdutória. que informa e a realidade "normal" pré-conhecida, para
Quanto à citação do discurso alheio, cada citação guardar a coerência o texto deve apresentar elementos
assume um papel distinto no interior do texto, pois: linguísticos instruindo o receptor acerca dessa
Ao escolher o discurso direto, cria-se um efeito de anormalidade.
verdade, dando a impressão de preservar a integridade Uma afirmação como "Foi um verdadeiro milagre!
do discurso. O menino caiu do décimo andar e não sofreu
Já a opção pelo discurso indireto cria diferentes nenhum arranhão." é coerente, na medida que a frase
efeitos de sentido. inicial ("Foi um verdadeiro milagre") instrui o leitor para a
O primeiro, que elimina elementos emocionais ou anormalidade do fato narrado.
afetivos, gera um efeito de sentido de objetividade
analítica, depreendendo apenas o que o personagem diz 2. Coesão:
e não como diz. O segundo tipo serve para analisar as
palavras e o modo de dizer dos outros e não somente o A redação deve primar, como se sabe, pela
conteúdo de sua comunicação. clareza, objetividade, coerência e coesão. E a coesão,
E o discurso indireto livre mescla a fala do como o próprio nome diz (coeso significa ligado), é a
narrador e do personagem. Do ponto de vista gramatical, propriedade que os elementos textuais têm de estar
o discurso é do narrador; do ponto de vista do significado, interligados.
o discurso é do personagem. De um fazer referência ao outro. Do sentido de
O efeito de sentido do discurso indireto livre está um depender da relação com o outro. Preste atenção a
entre a subjetividade e a objetividade. este texto, observando como as palavras se comunicam,
como dependem uma das outras.
São Paulo: Oito pessoas morrem em queda de
 COERÊNCIA E COESÃO avião

1. Coerência: Das Agências

Produzimos textos porque pretendemos informar, Cinco passageiros de uma mesma família, de
divertir, explicar, convencer, discordar, ordenar, ou seja, o Maringá, dois tripulantes e uma mulher que viu o avião
texto é uma unidade de significado produzida sempre com cair morreram.
uma determinada intenção. Assim como a frase não é Oito pessoas morreram (cinco passageiros de
uma simples sucessão de palavras, o texto também não é uma mesma família e dois tripulantes, além de uma
uma simples sucessão de frases, mas um todo mulher que teve ataque cardíaco) na queda de um avião
organizado capaz de estabelecer contato com nossos (1) bimotor Aero Commander, da empresa J. Caetano, da
interlocutores, influindo sobre eles. Quando isso ocorre, cidade de Maringá (PR). O avião (1) prefixo PTI-EE caiu
temos um texto em que há coerência. sobre quatro sobrados da Rua Andaquara, no bairro de
A coerência é resultante da não-contradição entre Jardim Marajoara, Zona Sul de São Paulo, por volta das
os diversos segmentos textuais que devem estar 21h40 de sábado. O impacto (2) ainda atingiu mais três
encadeados logicamente. Cada segmento textual é residências.
pressuposto do segmento seguinte, que por sua vez será Estavam no avião (1) o empresário Silvio Name
pressuposto para o que lhe estender, formando assim Júnior (4), de 33 anos, que foi candidato a prefeito de
uma cadeia em que todos eles estejam concatenados Maringá nas últimas eleições (leia reportagem nesta
harmonicamente. página); o piloto (1) José Traspadini (4), de 64 anos; o co-
Quando há quebra nessa concatenação, ou piloto (1) Geraldo Antônio da Silva Júnior, de 38; o sogro
quando um segmento atual está em contradição com um de Name Júnior (4), Márcio Artur Lerro Ribeiro (5), de 57;
anterior, perde-se a coerência textual. seus (4) filhos Márcio Rocha Ribeiro Neto, de 28, e
Gabriela Gimenes Ribeiro (6), de 31; e o marido dela (6),
A coerência é também resultante da adequação João Izidoro de Andrade (7), de 53 anos.
do que se diz ao contexto extra verbal, ou seja, àquilo o Izidoro Andrade (7) é conhecido na região (8)
que o texto faz referência, que precisa ser conhecido pelo como um dos maiores compradores de cabeças de gado
receptor. do Sul (8) do país. Márcio Ribeiro (5) era um dos sócios

83
do Frigorífico Naviraí, empresa proprietária do bimotor (1). femininos costumam ser retomados pelo primeiro
Isidoro Andrade (7) havia alugado o avião (1) Rockwell nome, a não ser nos casos em que o sobrenomes
Aero Commander 691, prefixo PTI-EE, para (7) vir a São sejam, no contexto da matéria, mais relevantes e as
Paulo assistir ao velório do filho (7) Sérgio Ricardo de identifiquem com mais propriedade.
Andrade (8), de 32 anos, que (8) morreu ao reagir a um
assalto e ser baleado na noite de sexta-feira. c) ELIPSE: é a omissão de um termo que pode ser
O avião (1) deixou Maringá às 7 horas de sábado facilmente deduzido pelo contexto da matéria. Veja-se
e pousou no aeroporto de Congonhas às 8h27. Na volta, o seguinte exemplo: Estavam no avião (1) o
o bimotor (1) decolou para Maringá às 21h20 e, minutos empresário Silvio Name Júnior (4), de 33 anos, que
depois, caiu na altura do número 375 da Rua Andaquara, foi candidato a prefeito de Maringá nas últimas
uma espécie de vila fechada, próxima à avenida Nossa eleições; o piloto (1) José Traspadini (4), de 64 anos;
Senhora do Sabará, uma das avenidas mais o co-piloto (1) Geraldo Antônio da Silva Júnior, de 38.
movimentadas da Zona Sul de São Paulo. Ainda não se Perceba que não foi necessário repetir-se a palavra
conhece as causas do acidente (2). O avião (1) não tinha avião logo após as palavras piloto e co-piloto. Numa
caixa preta e a torre de controle também não tem matéria que trata de um acidente de avião,
informações. O laudo técnico demora no mínimo 60 dias obviamente o piloto será de aviões; o leitor não
para ser concluído. poderia pensar que se tratasse de um piloto de
Segundo testemunhas, o bimotor (1) já estava em automóveis, por exemplo.
chamas antes de cair em cima de quatro casas (9). Três
pessoas (10) que estavam nas casas (9) atingidas pelo No último parágrafo ocorre outro exemplo de
avião (1) ficaram feridas. Elas (10) não sofreram elipse: Três pessoas (10) que estavam nas casas (9)
ferimentos graves. (10) Apenas escoriações e atingidas pelo avião (1) ficaram feridas. Elas (10) não
queimaduras. sofreram ferimentos graves. (10) Apenas escoriações e
Elídia Fiorezzi, de 62 anos, Natan Fiorezzi, de 6, queimaduras. Note que o (10) em negrito, antes de
e Josana Fiorezzi foram socorridos no Pronto Socorro de Apenas, é uma omissão de um elemento já citado: Três
Santa Cecília. pessoas. Na verdade, foi omitido, ainda, o verbo: (As três
Vejamos, por exemplo, o elemento (1), referente pessoas sofreram) Apenas escoriações e queimaduras.
ao avião envolvido no acidente. Ele foi retomado nove
vezes durante o texto. Isso é necessário à clareza e à d) SUBSTITUIÇÕES: uma das mais ricas maneiras de
compreensão do texto. A memória do leitor deve ser se retomar um elemento já citado ou de se referir a
reavivada a cada instante. Se, por exemplo, o avião fosse outro que ainda vai ser mencionado é a substituição,
citado uma vez no primeiro parágrafo e fosse retomado que é o mecanismo pelo qual se usa uma palavra (ou
somente uma vez, no último, talvez a clareza da matéria grupo de palavras) no lugar de outra palavra (ou
fosse comprometida. E como retomar os elementos do grupo de palavras). Confira os principais elementos
texto? Podemos enumerar alguns mecanismos: de substituição:

a) REPETIÇÃO: o elemento (1) foi repetido diversas Pronomes: a função gramatical do pronome é
vezes durante o texto. Pode perceber que a palavra justamente substituir ou acompanhar um nome. Ele pode,
avião foi bastante usada, principalmente por ele ter ainda, retomar toda uma frase ou toda a ideia contida em
sido o veículo envolvido no acidente, que é a notícia um parágrafo ou no texto todo. Na matéria-exemplo, são
propriamente dita. A repetição é um dos principais nítidos alguns casos de substituição pronominal: o sogro
elementos de coesão do texto jornalístico fatual, que, de Name Júnior (4), Márcio Artur Lerro Ribeiro (5), de 57;
por sua natureza, deve dispensar a releitura por parte seus (4) filhos Márcio Rocha Ribeiro Neto, de 28, e
do receptor (o leitor, no caso). A repetição pode ser Gabriela Gimenes Ribeiro (6), de 31; e o marido dela (6),
considerada a mais explícita ferramenta de coesão. João Izidoro de Andrade (7), de 53 anos. O pronome
Na dissertação cobrada pelos vestibulares, possessivo seus retoma Name Júnior (os filhos de Name
obviamente deve ser usada com parcimônia, uma vez Júnior...); o pronome pessoal ela, contraído com a
que um número elevado de repetições pode levar o preposição de na forma dela, retoma Gabriela Gimenes
leitor à exaustão. Ribeiro (e o marido de Gabriela...). No último parágrafo, o
pronome pessoal elas retoma as três pessoas que
b) REPETIÇÃO PARCIAL: na retomada de nomes de estavam nas casas atingidas pelo avião: Elas (10) não
pessoas, a repetição parcial é o mais comum sofreram ferimentos graves.
mecanismo coesivo do texto jornalístico. Costuma-se, Epítetos: são palavras ou grupos de palavras
uma vez citado o nome completo de um entrevistado - que, ao mesmo tempo que se referem a um elemento do
ou da vítima de um acidente, como se observa com o texto, qualificam-no. Essa qualificação pode ser
elemento (7), na última linha do segundo parágrafo e conhecida ou não pelo leitor. Caso não seja, deve ser
na primeira linha do terceiro -, repetir somente o(s) introduzida de modo que fique fácil a sua relação com o
seu(s) sobrenome(s). Quando os nomes em questão elemento qualificado.
são de celebridades (políticos, artistas, escritores, etc.), Exemplos:
é de praxe, durante o texto, utilizar a nominalização por a) (...) foram elogiadas pelo por Fernando Henrique
meio da qual são conhecidas pelo público. Exemplos: Cardoso. O presidente, que voltou há dois dias de
Nedson (para o prefeito de Londrina, Nedson Cuba, entregou-lhes um certificado... (o epíteto
Micheletti); Farage (para o candidato à prefeitura de presidente retoma Fernando Henrique Cardoso;
Londrina em 2000 Farage Khouri); etc. Nomes poder-se-ia usar, como exemplo, sociólogo);

84
b) Edson Arantes de Nascimento gostou do e orações por meio de conectivos, que são
desempenho do Brasil. Para o ex-Ministro dos representados, na Gramática, por inúmeras palavras e
Esportes, a seleção... (o epíteto ex-Ministro dos expressões.
Esportes retoma Edson Arantes do Nascimento; A escolha errada desses conectivos pode
poder-se-iam, por exemplo, usar as formas jogador ocasionar a deturpação do sentido do texto. Abaixo, uma
do século, número um do mundo, etc. lista dos principais elementos conectivos, agrupados pelo
sentido. Baseamo-nos no autor Othon Moacyr Garcia
Sinônimos ou quase sinônimos: palavras com o (Comunicação em Prosa Moderna).
mesmo sentido (ou muito parecido) dos elementos a Prioridade, relevância: em primeiro lugar, antes
serem retomados. Exemplo: O prédio foi demolido às 15h. de mais nada, antes de tudo, em princípio, primeiramente,
Muitos curiosos se aglomeraram ao redor do edifício, para acima de tudo, precipuamente, principalmente,
conferir o espetáculo (edifício retoma prédio. Ambos são primordialmente, sobretudo, a priori (itálico), a posteriori
sinônimos). (itálico).
Tempo (frequência, duração, ordem, sucessão,
Nomes deverbais: são derivados de verbos e anterioridade, posterioridade): então, enfim, logo, logo
retomam a ação expressa por eles. Servem, ainda, como depois, imediatamente, logo após, a princípio, no
um resumo dos argumentos já utilizados. Exemplos: momento em que, pouco antes, pouco depois,
Uma fila de centenas de veículos paralisou o anteriormente, posteriormente, em seguida, afinal, por
trânsito da Avenida Higienópolis, como sinal de protesto fim, finalmente agora atualmente, hoje, frequentemente,
contra o aumentos dos impostos. A paralisação foi a constantemente, às vezes, eventualmente, por vezes,
maneira encontrada... (paralisação, que deriva de ocasionalmente, sempre, raramente, não raro, ao mesmo
paralisar, retoma a ação de centenas de veículos de tempo, simultaneamente,
paralisar o trânsito da Avenida Higienópolis). O impacto nesse ínterim, nesse meio tempo, nesse hiato, enquanto,
(2) ainda atingiu quando, antes que, depois que, logo que, sempre que,
mais três residências (o nome impacto retoma e resume o assim que, desde que, todas as vezes que, cada vez que,
acidente de avião noticiado na matéria-exemplo) apenas, já, mal, nem bem.
Semelhança, comparação, conformidade:
Elementos classificadores e categorizadores: igualmente, da mesma forma, assim também, do mesmo
referem-se a um elemento (palavra ou grupo de palavras) modo, similarmente, semelhantemente, analogamente,
já mencionado ou não por meio de uma classe ou por analogia, de maneira idêntica, de conformidade com,
categoria a que esse elemento pertença: Uma fila de de acordo com, segundo, conforme, sob o mesmo ponto
centenas de veículos paralisou o trânsito da Avenida de vista, tal qual, tanto quanto, como, assim como, como
Higienópolis. O protesto foi a maneira encontrada... se, bem como.
(protesto retoma toda a ideia anterior - da paralisação -, Condição, hipótese: se, caso, eventualmente.
categorizando-a como um protesto); Quatro cães foram Adição, continuação: além disso, demais,
encontrados ao lado do corpo. Ao se aproximarem, os ademais, outrossim, ainda mais, ainda cima, por outro
peritos enfrentaram a reação dos animais (animais retoma lado, também, e, nem, não só ... mas também, não só...
cães, indicando uma das possíveis classificações que se como também, não apenas ... como também, não só ...
podem atribuir a eles). bem como, com, ou (quando não for excludente).
Dúvida: talvez provavelmente, possivelmente,
Advérbios: palavras que exprimem quiçá, quem sabe, é provável, não é certo, se é que.
circunstâncias, principalmente as de lugar: Em São Paulo, Certeza, ênfase: decerto, por certo, certamente,
não houve problemas. Lá, os operários não aderiram... (o indubitavelmente, inquestionavelmente, sem dúvida,
advérbio de lugar lá retoma São Paulo). Exemplos de inegavelmente, com toda a certeza.
advérbios que comumente funcionam como elementos Surpresa, imprevisto: inesperadamente,
referenciais, isto é, como elementos que se referem a inopinadamente, de súbito, subitamente, de repente,
outros do texto: aí, aqui, ali, onde, lá, etc. imprevistamente, surpreendentemente.
Ilustração, esclarecimento: por exemplo, só
Observação: É mais frequente a referência a elementos para ilustrar, só para exemplificar, isto é, quer dizer, em
já citados no texto. Porém, é muito comum a utilização de outras palavras, ou por outra, a saber, ou seja, aliás.
palavras e expressões que se refiram a elementos que Propósito, intenção, finalidade: com o fim de, a
ainda serão utilizados. Exemplo: Izidoro Andrade (7) é fim de, com o propósito de, com a finalidade de, com o
conhecido na região (8) como um dos maiores intuito de, para que, a fim de que, para.
compradores de cabeças de gado do Sul (8) do país. Lugar, proximidade, distância: perto de,
Márcio Ribeiro (5) era um dos sócios do Frigorífico próximo a ou de, junto a ou de, dentro, fora, mais adiante,
Naviraí, empresa proprietária do bimotor (1). A palavra aqui, além, acolá, lá, ali, este, esta, isto, esse, essa, isso,
região serve como elemento classificador de Sul (A aquele, aquela, aquilo, ante, a.
palavra Sul indica uma região do país), que só é citada na Resumo, recapitulação, conclusão: em suma,
linha seguinte. em síntese, em conclusão, enfim, em resumo, portanto,
assim, dessa forma, dessa maneira, desse modo, logo,
Conexão: pois (entre vírgulas), dessarte, destarte, assim sendo.
Causa e consequência. Explicação: por
Além da constante referência entre palavras do consequência, por conseguinte, como resultado, por isso,
texto, observa-se na coesão a propriedade de unir termos por causa de, em virtude de, assim, de fato, com efeito,

85
tão (tanto, tamanho) ... que, porque, porquanto, pois, já 18. Os adjuntos adverbiais e os predicativos do sujeito
que, uma vez que, visto que, como (= porque), portanto, são importantíssimos na interpretação do texto.
logo, que (= porque), de tal sorte que, de tal forma que, Ex.:Ele morreu de fome.
haja vista.
de fome: adjunto adverbial de causa, determina a
Contraste, oposição, restrição, ressalva: pelo
causa na realização do fato (= morte de "ele").
contrário, em contraste com, salvo, exceto, menos, mas,
contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, apesar Ex.: Ele morreu faminto.
de, ainda que, mesmo que, posto que, posto, conquanto, faminto: predicativo do sujeito, é o estado em que "ele" se
se bem que, por mais que, por menos que, só que, ao encontrava quando morreu.;
passo que. 19. As orações coordenadas não têm oração principal,
Ideias alternativas: Ou, ou... ou, quer... quer, apenas as ideias estão coordenadas entre si;
ora... ora.
20. Os adjetivos ligados a um substantivo vão dar a ele
DICAS PARA INTERPRETAÇÃO DE TEXTO maior clareza de expressão, aumentando-lhe ou
determinando-lhe o significado.
Não só os alunos afirmam gratuitamente que a
interpretação depende de cada um. Na realidade isto é Nota: Diante do que foi dito, espero que você
para fugir a um problema que não é de difícil solução por mude o modo de pensar, pois a interpretação não
depende de cada um, mas, sim, do que está escrito. "O
meio de sofisma (=argumento aparentemente válido, mas,
que está escrito, escrito está."
na realidade, não conclusivo, e que supõe má fé por parte
de quem o apresenta).
EXERCÍCIOS
Podemos, tranquilamente, ser bem-sucedidos
numa interpretação de texto. Para isso, devemos
observar o seguinte: 01. (J. C. Flauzino) Marque a alternativa errada em
relação ao pronome.
01. Ler todo o texto, procurando ter uma visão geral do
a) Eles irão com nós mesmos.
assunto;
b) Eles irão com nós próprios
02. Se encontrar palavras desconhecidas, não interrompa c) Eles irão com nós outros
a leitura, vá até o fim, ininterruptamente; d) Eles irão com nós na rua.
03. Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto
pelo monos umas três vezes ou mais; 02. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha
04. Ler com perspicácia, sutileza, malícia nas entrelinhas; pronome oblíquo tônico.
a) A mim, não me interessam as objeções do guia
05. Voltar ao texto tantas quantas vezes precisar; b) Ainda não me comunicaram o fato
06. Não permitir que prevaleçam suas ideias sobre as do c) Nós encontrá-lo-emos no shopping à tarde
autor; d) Encontrei-o caído na rua.
07. Partir o texto em pedaços (parágrafos, partes) para
melhor compreensão; 03. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha
08. Centralizar cada questão ao pedaço (parágrafo, parte) pronome demonstrativo.
do texto correspondente; a) O garoto que passou é legal.
b) A minha casa é menos confortável que a do vizinho.
09. Verificar, com atenção e cuidado, o enunciado de c) Sou favorável a que você estude.
cada questão; d) Estou a correr na rua.
10. Cuidado com os vocábulos: destoa (=diferente de ...),
não, correta, incorreta, certa, errada, falsa, 04. (J. C. Flauzino.) Alguém antes que José Carlos o
verdadeira, exceto, e outras; palavras que aparecem fizesse, teve vontade de falar o que foi dito. Os pronomes
nas perguntas e que, às vezes, dificultam a entender destacados são:
o que se perguntou e o que se pediu; a) indefinido, demonstrativo, demonstrativo, relativo.
11. Quando duas alternativas lhe parecem corretas, b) indefinido, oblíquo, artigo, relativo.
procurar a mais exata ou a mais completa; c) indefinido, artigo, artigo, relativo.
d) indefinido, demonstrativo, artigo, relativo.
12. Quando o autor apenas sugerir idéia, procurar um
05. (J. C. Flauzino) Assinale a opção em que há um
fundamento de lógica objetiva;
pronome inadequadamente utilizado.
13. Cuidado com as questões voltadas para dados a) Foi fundamental para eu ter hábito de estudo.
superficiais; b) Sempre haverá livros para eu ler.
14. Não se deve procurar a verdade exata dentro daquela c) Custou a mim acordar cedo.
resposta, mas a opção que melhor se enquadre no d) Convém a mim dizer a verdade.
sentido do texto;
15. Às vezes a etimologia ou a semelhança das palavras 06. (J. C. Flauzino) Assinale a frase que contenha um artigo.
denuncia a resposta; a) Ela falou a meia voz.
b) Sou favorável a que ele estude.
16. Procure estabelecer quais foram as opiniões expostas
c) carro a vela.
pelo autor, definindo o tema e a mensagem;
d) Ela é a mais gata.
17. O autor defende ideias e você deve percebê-las;

86
Os velhinhos de ontem costumam, sobretudo nos fins de 12. Uma cerca de pedra-seca, do tempo dos escravos e
tarde, abrir as janelas das casas e ficar ali, ás vezes com Tudo é mato, crescendo sem regra.
os cotovelos apoiados em almofadas esperando que algo
acontecesse: a aproximação de um conhecido, uma a) locução adjetiva e adjunto adnominal – locução
correria de crianças, um cumprimento, uma conversa, o adverbial e adjunto adverbial.
pôr do sol, a aparição da lua. b) locução adverbial e objeto indireto – locução adjetiva e
Eles se espantariam com as crianças e os jovens de hoje, predicativo.
fechados nos quartos, que ligam o computador, abrem as c) locução adjetiva e adjunto adverbial – locução adverbial
janelas da Internet e navegam por horas Por um mundo e adjunto adverbial.
de imagens, palavras e formas quase infinitas. d) Locução adverbial e adjunto adnominal – locução
O homem continua sendo um bicho muito curioso. O adjetiva e complemento nominal.
mundo segue intrigando-o.
O que ninguém sabe é se o mundo está cada vez maior
13. Marque a questão que contenha adjunto adverbial.
ou menor. O que eu imagino é que, de suas janelas, os
velhinhos viam muito pouca coisa, mas pensavam muito
1( ) Nada como uma casa em cima de uma montanha
sobre cada uma delas. Tinham tempo para recolher as
2( ) Já morei muitos anos em cima de uma montanha.
informações mínimas da vida e matutar sobre elas. Já
3( ) O homem entrou com a maleta no carro.
quem fica nas janelas da Internet vê coisas demais, e
4( ) O homem com a maleta entrou no carro.
passa de uma para outra quase sem se inteirar
plenamente do que está vendo. Mudou o tempo interior
a) 1, 2, 4.
do homem, mudou o seu jeito de olhar. Mudaram as
b) 2, 3.
janelas para o mundo – e nós seguimos olhando,
c) 1, 4
olhando, olhando sem parar, sempre com aquela
d) 1, 2, 3
sensação de que somos parte desse espetáculo que não
podemos parar de olhar, seja o cachorro de verdade que
14. (J. C. Flauzino) Marque a frase em que os termos
se coça na esquina da padaria, seja o passeio virtual por
estejam corretamente classificados.
Marte, na tela colorida. (Cristiano Calógeras ).
As boas intenções enchem, piedosas, os porões
infernais.
07. (J. C. Flauzino) O termo destacado na linha 1, não
a) artigo, adjetivo, substantivo, artigo, substantivo, adjetivo.
terá crase, pois é: (as)
b) artigo, substantivo, adjetivo, artigo, substantivo, adjetivo.
a) artigo.
c) artigo, adjetivo, substantivo, artigo, adjetivo, substantivo.
b) preposição.
d) artigo, substantivo, adjetivo, artigo, adjetivo, substantivo.
c) pronome oblíquo
d) pronome demonstrativo.
15. (J. C. Flauzino) Marque a frase em que os termos
estejam corretamente classificados.
08. Assinale a alternativa em que se tenha optado
A sala da casinha era simples e pequena, mas muito
corretamente por utilizar ou não o acento grave indicativo
elegante.
de crase.
a) substantivo, locução adjetiva, adjetivo, conjunção
a) Vou à Brasília dos meus sonhos.
aditiva, conjunção adversativa, pronome.
b) Nosso expediente é de segunda à sexta.
b) substantivo, locução adjetiva, adjetivo, conjunção
c) Pretendo viajar a Paraíba.
aditiva, conjunção adversativa, advérbio.
d) Ele gosta de bife à cavalo.
c) substantivo, locução adjetiva, substantivo, conjunção
aditiva, conjunção adversativa, pronome.
09. Marque a alternativa que contenha erro.
d) substantivo, locução adjetiva, adjetivo, conjunção
a) Prefiro as poesias de Drummond às de Olavo Bilac.
aditiva, conjunção conclusiva, advérbio.
b) Ele sempre fazia alusão à palavras de seu poeta
favorito.
16. Marque certo ou errado para a pontuação das frases
c) Sonhamos em viajar à terra de Gonçalves Dias.
abaixo.
d) Os alunos compreenderam o poema à custa de muito
01 ( ) Valparaíso, 15 de novembro de 2015.
empenho.
02 ( ) Crianças, jovens e velhos participaram do
manifesto contra a inflação.
10. (J. C. Flauzino) Ela é quase uma mulher. O termo
03 ( ) Oremos Maria porque agradecer ao Divino
destacado tem função de:
Criador.
a) advérbio
04 ( ) logo pela manhã, as crianças saíram para o
b) substantivo
passeio.
c) pronome
05 ( ) A carne, você trouxe?
d) preposição.
06 ( ) Tal pai, tal filho.
07 ( ) Falaram muito, mas ouvem pouco.
11. (J. C. Flauzino) Assinale o item em que a palavra que
08 ( ) Manoel, venha cá!
desempenhas a função de advérbio:
09 ( ) Se chover, não vou à praia.
a) Que fizeste dos meus livros.
10 ( ) Rio de Janeiro, 15 de novembro de 2015.
b) Que bonitos olhos tens!
11 ( ) Meu Deus, onde estás?
c) Que troféu ainda te falta?
12 ( ) As ruas foram lavadas, pela chuva.
d) Ela que passou é linda.

87
17. Marque Certo ou Errado para o uso da vírgula. 26. (J. C. Flauzino) Marque certo ou errado para as
afirmações.
1 ( ) Ele disse tudo, ou melhor, tudo o que sabia.
2 ( ) Abriu a porta lentamente, sentiu o silêncio, foi até a) Os cabelos soltos caíam-lhe sobre a testa. Cabelos e
seu quarto, dormiu em paz. testas são substantivos.
3 ( ) Maria lava, e Joana passa. ( ) certo ( ) errado
4 ( ) Maria lava, e passa.
b) João agradeceu o convite. João e agradeceu são
5 ( ) Nada sei relativamente do concurso.
substantivos.
6 ( ) Que foi Madalena há algum problema na comida?
( ) certo ( ) errado.
7 ( ) Esforçado, aluno tirou o primeiro lugar.
c) A festa na casa de Rodrigo foi barulhenta. Barulhenta é
a) c, c, c, c, c, e, e. um substantivo.
b) c, c, c, e, c, e, e. ( ) certo ( ) errado.
c) c, e, c, c, c, e, e.
d) Fortaleza é uma bela cidade. Bela é um adjetivo.
d) e, e, c, c, c, e, e.
( ) certo ( ) errado.
18. Assinale a opção correta para a pontuação.
27. Na oração: ¨ Brasil terra de amor e de bondade ¨, os
substantivos grifados classificam-se respectivamente em
19. (J. C. Flauzino) Marque a frase em que o adjetivo tem
próprio e abstrato.
valor subjetivo.
a) Ele é um homem pobre.
( ) certo ( ) errado.
b) Ele é um funcionário alto.
c) Um velho amigo é muito bom.
28. Os dois passaram a discutir a questão da verba
d) O capitão bravo vai nos treinar.
disponível. Os termos destacados são preposição e
artigo.
20. (J. C. Flauzino) O cientista japonês perdeu a vida. O
japonês cientista perdeu a vida. As palavras destacadas
( ) certo ( ) errado.
são classificadas como: substantivo e adjetivo.
29. Observe esta frase de uma notícia de jornal: A equipe
( ) certo ( ) errado.
procurou convencer os membros das gangues que a
relação com as escolas poderia ser outra.
21. (J. C. Flauzino) A adaptação da peça foi concluída. A
adaptação do autor ficou perfeita. Os termos destacados
A construção dessa frase tem o segundo complemento,
são classificados como locuções adjetivas, pois estão ao
que é objeto indireto, o qual está sem preposição.
lado de substantivos.
( ) certo ( ) errado.
( ) certo ( ) errado
30. Esta é uma manchete de jornal:
22. Pedro foi ao parque do bairro com seu pai. Chegando O argentino, prêmio Nobel da Paz, acha que a
lá o pai viu o menino se afogar no lago. O artigo chancelaria dos dois países decidirão o problema.
destacado tem valor catafórico, pois retoma a palavra A forma verbal está correta, porque países está no plural.
Pedro. ( ) certo ( ) errado.

( ) certo ( ) errado. 31. Quem cospe para o céu, na cara lhe cai.
[

Ao referir-se ao provérbio acima, o autor menciona um


23. Em toda a cadeia produtiva. A supressão do artigo a
"desarranjo sintático". Pode-se apontar como "desarranjo
provoca alteração de sentido.
sintático". O uso do pronome lhe que não se liga a
nenhum outro termo da sentença.
( ) certo ( ) errado.
( ) certo ( ) errado.
24. ... dez milhões de mulheres ficaram furiosos.
Trocando a palavra destacada por furiosas, a Ensinar gramática.
concordância nominal ficaria errada.
– Onde é que a gente vai agora, vó? – Lá na padaria da
( ) certo ( ) errado praça comprar um pão gostoso. Silêncio pensativo no
banco de trás. E então: - Perto da minha casa também
25. No trecho "A economia solidária vem-se tem uma padaria. Os pão lá é muito bom.
apresentando", o deslocamento do pronome pessoal Momentos de indecisão, a gente fala assim: os pães são
oblíquo para depois do verbo principal da locução não muito bons. Um pão, dois pães. O pão é bom, os pães
prejudicaria a correção gramatical do texto: são bons.
Novo silêncio pensativo no banco de trás. E então: - quer
( ) certo ( ) errado. dizer, vó, que pães é dois pão?

88
32. Tomando como parâmetro a norma culta da língua, a Durante certo tempo, julgou-se que a ciência
autora apresenta um caso de concordância no interior do (como a sociedade) evolui e progride. Embora
sintagma nominal. Considerando-se esse contexto evolução e progresso sejam duas ideias muito recentes –
linguístico, é correto afirmar que a avó espera que, quanto datam dos séculos XVIII e XIX -, são muito aceitas palas
à concordância nominal, o neto apresenta. pessoas.

Os aspectos morfossintáticos e semânticos, e o neto 37. (J. C. Flauzino) O pronome ( se ) destacado na linha 1
atende a essa expectativa plenamente quanto ao aspecto do texto, é um pronome apassivador.
semântico, mas parcialmente quanto ao aspecto
morfossintático. ( ) certo ( ) errado.

( ) certo ( ) errado.
38. (J. C. Flauzino) A oração destacada na linha 1 do
33. O poeta é um fingidor texto, é classificada como oração subordinada objetiva
Finge tão completamente direta. (que a ciência evolui e progride)
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente. (Fernando Pessoa). ( ) certo ( ) errado.

As ocorrências da palavra que, no texto de Fernando


Pessoa, classificam-se, na ordem em que aparecem, 39. (FOPLAC-DF) Assinale a alternativa em que
como: Conjunção subordinativa consecutiva, conjunção apareça predicado verbo-nominal:
subordinativa integrante e pronome relativo. a) A chuva permanecia calma.
b) A chuvarada assustou os habitantes da vila;
( ) certo ( ) errado. c) Toninho ficou satisfeito;
d) Os meninos saíram do cinema calados;
Confúcio ensinava que, ao observarmos um e) Os candidatos estavam preocupados.
homem magnificamente digno e virtuoso, podemos nos
regozijar, porque qualquer um da mesma sociedade – ou 40. (FEC) Na oração: “A inspiração é fugaz, violenta”,
da espécie humana - poderá atingir o mesmo grau de podemos afirmar que o predicado é:
dignidade e virtude. Alertava, porém, que da mesma a) verbo- nominal, porque o verbo é de ligação e vem
forma, devemos ficar alerta quando vemos alguém seguido de dois predicativos;
extremamente vil, pois equivalente vileza poderá ser b) nominal, porque o verbo é de ligação;
encontrada em qualquer um. Ou seja, não estamos c) verbal, porque o verbo é de ligação e são atribuídas
isolados sobe a face da terra. Quem de nós se eleva os duas caracterizações ao sujeito;
demais, quem de nós decai leva consigo todos. d) verbo-nominal, porque o verbo é de ligação e vem
seguido de dois advérbios de modo.
34. O termo destacado no texto, poderia ser trocado
pelos termos( Mas, porém, só que, ainda sim, não 41. (ACADEPOL-AL) Nas orações: “A pesquisa de
obstante) sem alterar a semântica e a sintaxe. DPZ reserva ainda uma surpresa” e “... os jovens
estão mais ágeis”, temos, respectivamente:
( ) certo ( ) errado. a) predicado verbo-nominal e predicado verbal;
A filosofia das ciências impôs um desmentido as ideias b) predicado verbal e predicado verbo-nominal;
de evolução e progresso, estudando as mudanças c) predicado verbal e predicado nominal;
científicas. Há uma descontinuidade e uma diferença d) predicado nominal e predicado verbal;
temporal entre as teorias científicas como consequência e) predicado verbal e predicado verbal.
não de uma forma mais evoluída, mais progressiva ou
melhor de fazer ciência, e sim como resultado de 42. (Fiscal-MT) O professor entrou apressado.
diferentes maneiras de conhecer e construir os objetos
O destaque indica:
científicos, de elaborar os métodos e de inventar
a) predicado nominal;
tecnologias. A ciência não caminha em uma via linear
b) predicado verbo-nominal;
contínua e progressiva, mas por saltos ou revoluções.
c) predicado verbal;
d) adjunto adverbial;
35. (J. C. Flauzino) Na linha 1 do texto, haveria um acento e) sujeito.
grave. Pois o termo regente pede a preposição e o termo
regido pede artigo. (as ideias). 43. (TALCRIM-RJ) Em I – “Paulo está adoentado” e 2 –
“Paulo está no hospital”;
( ) certo ( ) errado. a) o predicado é verbal em I e II;
b) o predicado é nominal em I e II;
c) o predicado é verbo-nominal em I e II;
36. (J. C. Flauzino) Na linha 1 do texto, o termo destacado d) o predicado é verbal em I e nominal em II;
é classifico com adjunto adnominal. (das ciências). e) o predicado é nominal em I e verbal em II.

( ) certo ( ) errado.

89
44. (TJ-BA) Assinale o item correto em relação à 50. (FAETEC) Assinale a alternativa que não contenha
classificação dos predicados das orações: Ele não erro quanto ao uso da crase:
estava no restaurante. / Após três meses, os a) Chegou a uma hora em ponto.
montanhistas retornaram cansados. / Está chovendo. b) Ele se referia às candidatas interessadas.
a) nominal, verbo-nominal, nominal. c) Naquela cidade não se obedece a lei.
b) verbal, verbo-nominal, verbal. d) Tu costumas andar à pé?
c) nominal, verbo-nominal, verbal. e) Agradeci a própria pessoa.
d) verbal, verbal, verbal.
e) nominal, verbal, nominal. 51. (FEC) Em um dos itens abaixo, a crase não está de
acordo com a norma culta. Assinale-o:
45. (FEPESE-SC) “O professor atravessou o pátio a) Toda noite assisto a novelas.
apressado”. b) Chegamos à noite e saímos às pressas
a) Neste período há um predicado verbo-nominal com c) Não estávamos dispostos à estudar
predicativo do objeto. d) Pensou que ia à Bahia
b) “Atravessou o pátio apressado” – predicado verbal. e) Não disse nada à mãe e saiu.
c) “O pátio” – núcleo do predicado.
d) Apressado – predicativo do sujeito. 52. (SERPRO) Preencha as lacunas com a – às – há:
e) “O pátio” – sujeito de apressado. “___ poucos quilômetros da capital ___ uma vila que ___
quintas-feiras promove uma festa folclórica em
46. (BESC) Indique a alternativa em que o predicado é homenagem ___ seus artesãos.”
nominal: a) A – há – às - a
a) Elevei a minha voz no sossego da noite. b) Há – há – às – à
b) Ele até estava aborrecido. c) Há – há – as – à
c) Todos os poetas cantam. d) A – a – as – a
d) Estava cantando no meu quarto fechado. e) A – há – as – à
e) Eu só sentia o cheiro dos remédios.
53. (MACK) ___ vezes, não ___ considero como
47. (TRF-PE) Assinale a alternativa correta em relação amiga, mas ___ esta hora, sua ausência traz-me tão
à classificação dos predicados das orações: grande saudade! Habituei-me ___ boa vida de regalias
I - Todos nós consideramos a sua atitude infantil; ___ mais de quinze anos.
II - A multidão caminhava pela estrada poeirenta; a) As – a – à – aquela - há
III – A criançada continua emocionada. b) Às – a – a – àquela – há
a) I – predicado verbal; II – predicado nominal; III – c) Às – a – à – aquela – há
predicado verbo-nominal; d) À – a - à – aquela – a
b) I – predicado nominal; II – predicado verbal; III – e) As – à – a – aquela – há
predicado verbo-nominal; 54. (Magistério - SP) Marque o período em que o uso
c) I – predicado verbo-nominal; II – predicado verbal; III – da crase é permitido:
predicado nominal; a) Enviei à Roma suas fotografias.
d) I – predicado verbo-nominal; II – predicado nominal; III b) Foi à Lapa para inaugurar a gráfica
– predicado-verbal; c) Alô, franceses, chegamos à Paris.
e) I – predicado nominal; II – predicado verbal; III – d) Viajou à Londres a fim de rever antigo amor.
predicado verbo-nominal. e) Referimo-nos à Niterói, em nosso passeio.

48. (ESESP-ES) Assinale a alternativa que apresenta 55. (TCE-MA) Assinale a alternativa que completa a
predicado verbo-nominal: frase: Trouxe ___ mensagem ___ Vossa Senhoria e
aguardo ___ resposta, ___ fim de levar ___ pessoa que
a) Todos ouviram às explicações.
me enviou.
b) Noite na roça, tudo é canto e recanto.
a) a – a – à – a - a
c) Grilos e aves noturnas calaram-se logo.
b) a – à – a – à – a
d) O rapaz completamente desatinado, correu. c) à – à – à – à – a
e) Tio Marinho era apenas um doido manso. d) a – a – a – a – à
e) à – a – a – a – a
49. (ESAF-TTN) Preencha as lacunas da frase abaixo e
assinale a alternativa correta: 56. (TRT-PI) Assinale a alternativa que completa a
Comunicamos ___ V.Sa. que encaminhamos ___ petição frase: ―Após ___ reunião, todos foram ___ sala, para
anexa ___ Divisão de fiscalização que está apta ___ assistir ___ chegada dos hóspedes‖.
prestar ___ informações solicitadas. a) a – à - a
a) a – a – à – a - as b) à – à – à
b) à – a – à – a – às c) a – à – à
c) a – à – a - à – as d) à – a – a
d) à – à – a – à – às e) a – a – a
e) à – a – à – à – as

90
57. (TRT-PI) Leia as frases abaixo: 62. (IME) Foi ___ mais de um século que, numa
A conclusão do inquérito foi prejudicial ___ toda categoria. reunião de escritores, se propôs a maldição do
Mostrou-se insensível ___ qualquer argumentação. cientista que reduzira o arco-íris ___ simples matéria:
Este prêmio foi atribuído ___ melhor aluna do curso. era uma ameaça____ poesia.
Faço restrições ___ ter mais elementos no grupo. a) a – a - à
Indique a alternativa que, na sequência, preenche as
b) há – à – a
lacuna acima corretamente:
a) a – a – à - a c) há – à – à
b) à – à – à – à d) a – a – a
c) à – à – a – a e) há – a – à
d) à – à – a – à
e) a – a – à – à 63. (FUVEST-SP) O progresso chegou
inesperadamente ___ subúrbio. Daqui ___ poucos
58. (ESEP) Assinale a alternativa cuja sequência anos, nenhum dos seus moradores se lembrará mais
preencha corretamente os espaços: das casinhas que, ___ tão pouco tempo, marcavam a
―Chamam ___ isto de aventura? Tão logo desceram ___ paisagem familiar.
terra, os pilotos foram calmamente assistir ___ sessão, a) aquele – a - a
depois voltaram ___ pressas, deixando os repórteres ___
b) àquele – à – há
meio quarteirão de distância‖.
c) àquele – à – à
a) a –a – à – às - a
b) a – à – a – as – a d) àquele – a – há
c) a – a – a – às – à e) aquele – à – há
d) à – à – a – as – à
e) a – à – a – as – à 64. (ESA) ___ noite, todos voltaram ___ fábrica e só
deixaram o serviço ___ uma hora da manhã.
59. (ITA-SP) Dadas as sentenças: a) Há – à - à
1. Meu irmão dedicou-se à áreas literárias. b) A – a – a
2. Estamos à espera de socorro. c) À – à – à
3. Transmita esta informação à Sua Excelência. d) À – a – há
e) A – à – a
Deduzimos que:
a) apenas a sentença 1 está correta;
b) apenas a sentença 2 está correta; 65. (BC) Ele assistiu ___ peça chegou ___ aplaudi-la
c) apenas a sentença 3 está correta; de pé, ficando ___ poucos metros do palco.
d) nenhuma está correta; a) à – à - há
e) todas estão corretas. b) à – a – a
c) a –a – à
60. (FUVEST-SP) De ___ muito, ele se desinteressou d) à – a – há
em chegar a ocupar cargo tão importante, ___ coisas e) a – à – a
mais simples na vida e que valem mais que a posse
momentânea de certos postos de relevo ___ que 66. (CESGRANRIO) Todas as orações abaixo estão
tantos ambicionam por amor ___ ostentação. corretas, exceto:
a) a – há – à - à a) Você já esteve em Roma? Eu irei logo a Roma.
b) há – as – a – a b) Refiro-me à Roma antiga, na qual viveu César.
c) Fazes referência à criaturas estranhas.
c) há – há – a – à
d) Fui à Lisboa de meus avôs, pois lá todas as coisas têm
d) a – hão – a – à
gosto de sonho.
e) há – a – a – a e) Já não agrada ir a Brasília, pois a gasolina está muito cara.

61. (TJ-ES) Assinale as formas que completam, pela 67. (TRT-PE) Assinale a alternativa que não contém
ordem, as lacunas das frases: Daqui ___ pouco vai erro de crase:
começar o exame. / Compareci ___ cerimônia de posse a) Cheguei em casa as dez horas.
do novo governador. / Não tendo podido ir ___ faculdade b) Cheguei a casa às dez horas.
hoje, prometo assistir ___ todas as aulas amanhã. c) Cheguei a casa de meus pais às dez horas.
a) à – a – a - à d) Cheguei à casa as dez horas.
b) há – na – à – a e) Cheguei em casa de meus pais as dez horas.
c) a – há – na – à
68 O homem que duvida, aceita o seu destino como
d) há – na – à – à
possibilidade e aventura. O que tem certeza passa a ser
e) a – à – à – a prisioneiro da fatalidade admitida.
Infere-se do texto que:
a) a origem da aventura está na certeza do homem
quanto às próprias possibilidades diante da vida.

91
b) a aventura é benéfica ao indivíduo, uma vez que pode 4. Ele não conseguiu saber o que o despertara
liberta-lo de suas dúvidas existências. daquele sono profundo.
c) a dúvida propicia uma atitude de liberdade do indivíduo a) nas orações 1 e 2;
diante da vida. b) nas orações2 e 4;
d) a dúvida aprisiona inexoravelmente o homem em seu c) em todas as orações;
próprio destino. d) nas orações 3 e 4;
e) o homem que se aventura está sujeito às armadilhas e) nas orações 1 e 3.
da fatalidade.
75. Nem sequer _________ das coisas que _______
69. O relógio quando ________.
Diante de coisa tão doída a) se lembra – disse-me – procurei-o
Conservemo-nos serenos. b) se lembra – me disse – procurei-o
Cada minuto de vida nunca é mais, é sempre menos. c) lembra-se – disse-me – o procurei
Ser é apenas uma face do não ser. d) se lembra – me disse – o procurei
Desde o instante em que se nasce já se começa a morrer. e) lembra-se – me disse – procurei-o
(Cassiano Ricardo)
76. A opção em que a colocação pronominal não esta
Segundo o texto, o poeta aconselha-nos à: de acordo com a norma culta é:
a) luta pela Sobrevivência. a) Devo dizer-lhe algumas palavras ainda hoje.
b) tranquilidade diante do inevitável. b) Devo-lhe dizer algumas palavras ainda hoje.
c) confiança na existência futura. c) Vinham-me acompanhando duas pessoas.
d) revolta contra a morte. d) Vinham acompanhando-me duas pessoas.
e) esperança depois da morte. e) As pessoas não venham-me acompanhando.

70. Assinale a alternativa em que não houve erro no uso 77 Marque a opção em que a colocação pronominal
do pronome: foge às regras de gramática:
a) Me disseram os motivos de sua demissão. a) Não lhe posso dizer nada esta semana.
b) Jamais enganar-te-ia dessa maneira. b) Não posso lhe dizer nada esta semana.
c) Aqui se resolvem todos os problemas. c) Não posso dizer-lhe nada esta semana.
d) Aquilo convenceu-me de verdade. d) Nada nos estava faltando naquela festa.
e) Não entendi os motivos que alegraram-nos. e) Nada estava faltando-nos naquela festa.

71. Assinale a opção em que os pronomes pessoais 78. Os projetos que ________ estão em ordem;
estão de acordo com a língua culta: _______ ainda hoje, conforme _______.
a) Me dando bons jogadores até eu sou um bom técnico. a) enviaram-me – devolvê-los-ei – lhes prometi
b) Pernilongos te perturbem, pesadelos te persigam. b) enviaram-me – os devolverei – lhes prometi
c) Em tratando-se de futebol, todo brasileiro é um bom c) enviaram-se – os devolverei – prometi-lhes
técnico. d) me enviaram – os devolverei – prometi-lhes
d) Me contaram toda a verdade. e) me enviaram – devolvê-los-ei – lhes prometi
e) Quando viu-me, atrapalhou-se.
72. Assinale a alternativa incorreta quanto à 79. Reescreva as frases a seguir corrigindo-as em
colocação pronominal. relação ao uso do pronome oblíquo:
a) Há pessoas que me aborrecem.
a) Me informaram os reais motivos de sua demissão.
b) Sempre me aborrecem aquelas pessoas.
c) Aquilo me custou uma fortuna, não o nego. b) Jamais enganar-te-ia desta maneira.
d) Isto pertence-te. c) Agora falaram-me os verdadeiros motivos...
e) Ia dizendo-lhe uma tantas. d) Aqui resolvem-se todos os problemas
e) Saiu, nos deixando aliviados por instantes.
73. Se ninguém ________ a verdade, e se precisa lutar
para _________ nada ________ a respeito. f) Senhores passageiros, se dirijam a plataforma de
a) disse-me – a encontrar – se falou embarque.
b) disse-me – encontra-la – se falou g) Devolverão-te os documentos apresentados.
c) me disse – a encontrar – falou-se h) Não devolver-te-iam os documentos apresentados.
d) disse-me – encontra-la – falou-se
i) Não compreendi os motivos que alegraram-nos.
e) me disse – encontra-la – se falou
j) Aquilo convenceu-me da verdade.
74. Observe os períodos abaixo e marque onde a l) Quem disse-lhe isso?
colocação pronominal está correta: m) Quanto custa-nos compreender tais motivos!
1. Um vento pesado e vagaroso soprava, me
arrebentando os tímpanos. n) Os céus protejam-te!
2. Nada se conhece sobre a situação econômica do o) Muitos apoiar-te-ão nesta campanha.
país. p) Tinham contado-lhe tudo.
3. Uma tosse rouca quebrava o silêncio; se erguia, em
seguida, um riso curto.

92
80. (IDR-Bombeiro) Segundo as normas da d) estão corretos somente os textos 2 e 3;
concordância verbal, está incorreto o item: e) nenhuma deles está correto.
a) Fazem cinco anos da publicação deste livro.
b) No seu relatório ainda faltam alguns dados. 87. (CEF) Como _____ meses que a produção esta
c) Quais de vocês serão os primeiros a responder aos parada, não _____ peças _____ para a clientela.
questionários? a) faziam – havia - suficientes
d) Deram onze horas e os candidatos ainda não estavam b) faziam – havia – suficientes
na fila. c) faziam – havia – suficiente
d) fazia – havia – suficientes
81. (ITA) Assinale a frase em que a concordância
e) fazia – haviam – suficientes
verbal não é aceita pelos padrões da norma culta da
língua:
a) Minha família e eu gostaríamos de que as lojas 88. (F.C.chagas – SP) _____ fazer cinco meses que
acabassem com as incertezas da economia. não a vemos; _____ existir motivos imperiosos para a
b) Faltava apenas dois veículos para que se aquecesse o sua ausência, pois, se não _____, ela já nos teria
mercado de vendas de carros modernos. procurado.
c) um mês, um ano, uma década não é suficiente para a) Vai – deve - houvessem
estabilizar os problemas do pais. b) Vai – devem – houvesse
d) Ocuparam-se, para surpresa das Forças Armadas, c) Vão – deve – houvessem
todas as instalações militares da capital. d) Vão – devem – houvesse
e) Poderão existir combinações afinadíssimas entre e) Vão – devem – houvessem
imagens e sons nos arranjos desse compositor.
89. (FUVEST-SP) Indique a alternativa correta:
82. (MARCK-SP) O período está expresso a) Tratavam-se de questões essências.
corretamente em: b) Comprou-se terrenos no subúrbio
a) Não se pensam em miséria com dinheiro no bolso. c) Precisam-se de datilógrafos
b) Estudaram-se esta matéria. d) Reformam-se ternos.
c) Esclareceram-se as dúvidas e) Obedeceram-se aos severos regulamentos.
d) Comentaram-se muito durante a estreia da peça.
e) Convocou-se os candidatos à Prefeitura. 90. (DER-CE) Assinale a opção correta:
83. (Fiscal-MT) A concordância verbal não está a) Mais de um retirante se afastou do serviço.
correta em: b) Qual de vós sabeis o destino do retirante
a) Isso são verdadeiros absurdos. c) Podem haver, no campo, dias horríveis.
b) Os Andes ficam na América. d) Espera-se dias mais propícios.
c) entre nós não haviam segredos.
d) Isso não passa de absurdos comentários. 91. (CESPE) Em todas as opções, o verbo pode ir para
e) Menos de dois candidatos disputam a vaga. o plural ou para o singular, exceto:
a) Um grande número de fugitivos ____ (sair) pelas
84. (FGV-SP) Aponte a frase gramaticalmente correta: montanhas.
a) Existem uma série de problemas insolúveis. b) Um bando de papagaios ______ (pousar) no laranjal.
b) Existe uma série de problemas inssolúveis. c) Mais de um ciclista ______ (cair) da bicicleta.
c) Existe uma serie de problemas incolúveis d) Pequena parte dos visitantes _____ (estar) em silêncio.
d) Existem uma série de problemas inssolúveis
e) Existe uma série de problemas insolúveis. 92. (UFCE) Marque a alternativa incorreta quanto à
concordância verbal:
85. (FCCAA-UFES) Aponte a oração correta. a) Fomos nós quem se responsabilizou pela operação de
resgate.
a) Aluga-se casas.
b) Os estudantes somos, em geral, muito vibradores.
b) Vendem-se apartamentos
c) Se V.Exa. determinardes o que se deve fazer, a obra
c) Precisa-se pedreiros.
será executada imediatamente.
d) Precisam-se de pedreiros. d) Os jovens parece ficarem cônscios da responsabilidade
e) Fez-se reformas na escola. de votar.
e) Quando cuidamos, restavam apenas alguns objetos
86. (F.C.Chagas –SP)) Observe os períodos abaixo e, imprestáveis.
depois, assinale a opção correta:
1. Vossa Excelência sois ótimo professor. 93 (PM-GO) A concordância verbal incorreta é:
2. Tu e ele ireis à conferência. a) Os Lusíadas imortalizam Camões.
3. Passará o céu e a terra, mas não passarão minhas b) Quais de vós ireis à escola?
palavras. c) Outrora poderia existir opiniões diferentes.
d) Quem de vós pagará as despesas?
a) todos estão corretos; e) Deu duas horas o relógio da matriz
b) estão corretos somente os textos 1 e 2;
c) estão corretos somente os textos 1 e 3;

93
94. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se c) Houve tempos em que o índice de mortalidade dos
numa forma do plural para preencher corretamente a bebês atingiam um patamar que hoje suscitariam
lacuna da frase: sérias sindicâncias.
a) … -se (atribuir) aos clássicos a propriedade de d) A genialidade de Walt Disney teria reforçado, nos
nos encantar em qualquer tempo ou idade que os traços dos desenhos, a imagem de inocência que se
busquemos. atribuíam às crianças.
b) … -se (distinguir) os clássicos pelo fato de e) Estão em nossos instintos de adultos o impulso para
conservarem o mesmo poder de revelação ao longo do que consideremos, em princípio, frágeis e indefesas
tempo. todas as crianças.
c) … -nos (impressionar) nos clássicos o sentido
de uma perenidade que não implica cristalização.
d) … -se (queixar) dos clássicos apenas quem os lê com 98. A concordância verbo-nominal está inteiramente
a desatenção ou o desamor das tarefas obrigatórias. correta na frase:
e) … -nos (confortar) nos clássicos a companhia dos
mais altos valores humanos que põem à nossa a) Os meios de transporte na cidade de São Paulo ainda
disposição. provoca insatisfação, especialmente em relação ao
tempo que gasta as pessoas que dependem dele.
95. As normas de concordância verbal estão plenamente b) Os deslocamentos em toda a região metropolitana está
respeitadas na frase: cada vez mais demorado, já que as ruas recebem
a) Deve-se afirmar alguns acordos entre o Vaticano e o
todos os dias um número maior de carros.
Brasil durante as discussões da Concordata.
c) As preocupações de dirigentes em todo o mundo se
b) Nunca chegou a preocupar Stalin, naturalmente, os
volta para os problemas da emissão de poluentes que
guardas suíços que constituem a segurança do
Vaticano. comprometem a saúde das pessoas.
c) Ao se deterem na estátua Cristo Redentor, no Rio de d) O rodízio de carros, que se instalaram há algum tempo
Janeiro, os olhos de um turista não verão o que de fato na cidade, já deveriam ser revistos, pois tem dado
ela consagra. poucos resultados satisfatórios.
d) As concessões vantajosos que pretendem obter, nas e) Além da perda de tempo precioso no trânsito, os
discussões da Concordata, a Igreja Católica, dizem pedestres estão sujeitos a respirar o ar poluído pelas
respeito a questões polêmicas. emissões de gases tóxicos dos escapamentos dos
e) Muitas repercussões passarão a haver no direito veículos.
interno, caso a Concordata consagre os acordos que
constituem o principal interesse da Igreja. 99. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se
numa forma do singular para preencher corretamente a
96. A concordância verbal e nominal está inteiramente lacuna da frase:
correta na frase:
a) Estiagens prolongadas e chuvas em excesso resulta a) A lista de itens que representam os objetivos do
na quebra da produção de grãos, com o consequente BNDES …........... (dizer) respeito ao apoio aos
aumento nos preços dos alimentos. projetos de transporte urbano.
b) A demanda internacional por alguns produtos b) Caso não se ….......... (levar) em conta os objetivos do
brasileiros propiciam expressivos aumentos no volume BNDES, nenhum projeto de transporte urbano contará
das exportações, como as de soja. com o apoio desse órgão.
c) As condições de transporte da safra de grãos da região c) Não …...... (faltar) a essa relação de objetivos, como é
central não torna competitivo seu valor comercial no óbvio, os que se apresentam intimamente associados
mercado externo. à preservação do meio ambiente.
d) Não se obteve maiores lucros com a comercialização d) A cada objetivo …........ (corresponder), é claro,
de produtos agrícolas devido às deficiências da medidas específicas de gerenciamento e fiscalização
infraestrutura. das iniciativas a serem tomadas.
e) Terras férteis, água em abundância e sol fazem do e) No caso de …................. (ocorrer) quaisquer
Brasil um país privilegiado, que transformou a irregularidades na implementação de um projeto, o
agricultura em fonte permanente de recursos. apoio do BNDES estará suspenso, até que tudo se
apure.
97. As normas de concordância verbal estão plenamente
observadas na frase: 100. O verbo entre parênteses no final de cada frase
a) Não basta ensinar conteúdos às crianças, pensava deverá ser corretamente flexionado no singular para
Rousseau; impõe-se educá-las, mas de modo que não preencher a lacuna da frase:
as deforme a sociedade.
b) Não se esperem das crianças que sejam puras ou a) Artistas italianos, já desde o final do século XIX,
angelicais, pois eles já nasceriam com os instintos da …............. à fabricação de vitrais em São Paulo.
agressão e da crueldade. (dedicar-se)
b) Os magníficos vitrais do Mercado Municipal
…............... a força do trabalho e o progresso de São
Paulo. (atestar)

94
c) A história dos vitrais em São Paulo se …................ imagem é o que define como será guardada na
grandemente com o desenvolvimento econômico da memória.
cidade. (relacionar) e) Memória implícita é aquela que se refere aos
d) Extraviou-se grande parte do registro das atividades conhecimentos, hábitos e habilidades, como andar de
dos profissionais que …........... para embelezar a bicicleta, que é evocado de maneira automática.
cidade. (trabalhar)
e) O material e o acervo do século XX em São Paulo se 104. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-
…........... em grande parte devido à onda de se numa forma do singular para preencher de modo
demolições. (perder) correto a lacuna da frase:
101. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-
a) …....... (impor-se), para o ingresso da empresa no
se numa forma do plural para preencher corretamente a
mercado de capitais, reformulações de ordem técnica
lacuna da frase:
e administrativa.
a) O maior dos desafios que se …........... (propor) a b) …......... (convergir) para o ingresso da INFRAERO no
enfrentar os cientistas é uma teoria unificada do mercado de capitais as recentes providências para a
Universo. contratação de um serviço de consultoria.
b) O que aos físicos e religiosos …........... (importar) são c) …........ (caber) aos licitantes vencedores valer-se dos
as vantagens de um conhecimento que propicie a nove meses que têm de prazo para concluir os
visão unificada do mundo. estudos.
c) Embora não se ….................. (dever) às primeiras d) A orientação é a de que se ….......... (submeter) ao
deduções empíricas o avanço da ciência atual, elas BNDES, na condição de órgão coordenador, os
não deixaram de traduzir a ânsia de conhecimento. trabalhos um termo de cooperação técnica já firmado.
d) Entre tantas coisas que …............... (desejar) alcançar e) Quanto às normas de contratação da consultoria,
a investigação humana, a teoria unificada é por certo …......... (dispor-se) de acordo com um termo de
a mais perseguida. cooperação técnica já firmado.
e) É comum que se …............. (atribuir) aos cientistas a
tarefa de elucidar os grandes enigmas do Universo. 105. Se for passado para o plural o termo grifado, deverá
permanecer no singular o verbo que está em:
102. O verbo indicado entre parênteses deverá adotar
uma forma do plural para preencher de modo correto a a) ―ainda bem que existe o Parque‖....
lacuna da seguinte frase: b) … exclama o vaqueiro...
c) … onde acontece o surpreendente espetáculo da
a) Não se ….......... (costumar) reconhecer em palavras bioluminiscência...
d) … e o processo de desertificação do país continua em
mais diretas a elegância da exatidão.
crescimento assombroso.
b) Por que não se ….............. (admitir) que as aulas de
e) Só haverá esperança para os vastos espaços das
uma professora substituta possam ser excelentes? Geraes...
c) Nas lições que …........... (caber) à substituta ministrar,
ela demonstrou toda a sua competência. 106. Marque C ou E para as questões abaixo.
d) A pouca gente ocorre agradecer aos cozinheiros que já Concordância verbal
lhe …................. (satisfazer) o paladar.
e) Dificilmente os elogios que se fazem ao proprietário de 01( ) A secretária e o diretor chegou pontualmente.
um restaurante chegam a quem …............. (fazer) por
merecê-los. 02-( ) Chegou pontualmente a secretária e o diretor.

03-( ) Um grupo de andorinhas contrastava com o céu azul.


103. A concordância verbal e nominal está inteiramente
correta na frase:
04-( ) Campinas são um rico município.

a) As mais recentes descobertas da ciência pode levar ao 05-( ) Foram eles que pagou as contas.
desenvolvimento de tratamentos que controlam a
perda de memória, melhorando a capacidade cerebral. 06-( ) Fomos nós quem pagamos a conta.
b) Os pesquisadores descobriram que existe situações
que favorece a memorização mais duradoura, 07-( ) Fomos nós que pagamos a conta.
possibilitando a realização das tarefas cotidianas no
trabalho, por exemplo. 08-( ) Entregou-se flores à mulher.
c) Está sendo feito estudos sobre a capacidade do
09-( ) Analisou-se o plano de reforma agrária.
cérebro humano de reter informações e processá-las,
oque torna possível as lembranças do que aconteceu.
10-( ) Do lado de fora, ouviam-se o gemido do doente.
d) A visão de uma obra de arte dispara a comunicação
entre neurônios, e o tamanho do impacto causado pela 11-( ) Precisam-se de homens e mulheres corajosos.

95
12-( ) Analisou-se o plano de reforma agrária. 110. “Na idade Média, ao contrário da festa oficial, o
carnaval era o triunfo de uma espécie de liberação
13-( ) Descansa-se muito em Fortaleza. temporária da verdade dominante e do regime vigente, da
abolição provisória de todas as relações hierárquicas,
14-( ) Irineu e Ricardo foram ao cinema. privilégios e tabus.” (M. Bakthin)

15-( ) Faltava quinze minutos para as duas horas. Indique o item em que as festas oficiais da
Idade Média são caracterizadas de acordo com o que
16-( ) Alguns dias de férias já me basta. se depreende do texto acima.

17-( ) Eram 23 de abril quando partimos no navio. a) Nessas festas, elaboravam-se formas especiais de
comunicação, francas e irrestritas, impregnadas de uma
18-( ) Vende-se casas. simbologia da alegria relatividade das verdades e
autoridades no poder.
19-( ) Precisam-se de vendedores. b) Essas festas tinham por finalidade a consagração da
desigualdade; nelas, as distinções hierárquicas
Para as questões 107 e 108. Marque a correta. destacavam-se intencionalmente.
Concordância verbal. c) Eram autênticas festas do tempo futuro, das
alternâncias e renovações.
107. d) Essas festas opunham-se a toda perpetuação, a toda
a) Devem haver poetas que pensam no desastre aéreo regulamentação e aperfeiçoamento, apontavam
como sendo o arrebol. para um ideal utópico.
b) Deve existir poetas que pensam no desastre aéreo e) Contrastando com a excepcional segmentação em
como sendo o arrebol. estados e corporações da vida diária, essas festividades
sustavam a aplicação dos códigos correntes se etiqueta e
c) Pode existir poetas que pensam no desastre aéreo comportamento.
como sendo o arrebol.
d) Pode haver poetas que pensam no desastre aéreo 111. Assinale a alternativa com oração sem sujeito:
como sendo o arrebol. a) Trouxeram essa encomenda para você.
e) Podem haver poetas que pensam no desastre aéreo b) Hoje fez muito frio em São Paulo.
como sendo o arrebol. c) Precisa-se de um ajudante de pedreiro.
d) A noite foi muito fria no Recife.
108. e) O céu está nublado.
a) Fazia dois anos que não aconteciam desastres desse
tipo. 112. Aponte a alternativa em que a partícula se é
b) Faz alguns anos que não acontece desastres desse índice de indeterminação do sujeito:
tipo. a) Resolver-se-ão os exercícios.
c) Deve fazer um ano que aconteceu vários desastres b) Não se reprovarão estes alunos.
aéreos. c) Trabalha-se com afinco naquela empresa.
d) Fazia algum tempo que não acontecia desastres desse d) Vendem-se relógios.
tipo. e) Plastificam-se documentos.
e) Devem fazer dois anos que aconteceu um desastre
desse tipo. 113. Assinale a oração sem sujeito:
a) Convidaram-me para a festa.
109. b) Diz-se muita coisa errada.
Se se pudesse o espírito que chora c) O dia está quente.
Ver através da máscara da face, d) Alguém se enganou.
Quanta gente, talvez, que inveja agora e) Vai fazer bom tempo amanhã.
Nos causa, então piedade nos causasse!
(Raimundo Correia) 114. Aponte a alternativa em que ocorre oração sem
sujeito:
Do texto infere-se que a) Basta de férias!
a) a felicidade aparece no rosto de muitas pessoas. b) Choveu muito confete na comemoração.
b) a dor e outras emoções são sempre visíveis no c) Anderson faz vinte anos amanhã.
semblante das pessoas. d) Consertam-se carrinhos de mão.
c) se deve ter inveja dos que vivem alegremente. e) Eles haviam feito todo o trabalho.
d) a dor e outros sofrimentos se escondem atrás de uma
aparência venturosa. 115. Assinale o período em que há sujeito
e) há pessoas que apenas odeiam aqueles que são indeterminado:
felizes. a) Amanheceu radiante o dia de hoje.
b) No inverno anoitece muito cedo.
c) Vive-se bem com Deus.
d) Conta-se que vai haver festa.
e) Contam-se muitas coisas de você.

96
116 Existem muitas definições de sujeito. Uma delas O sujeito é, respectivamente:
é: sujeito é aquele que pratica a ação verbal. Das
frases a seguir, qual contraria a definição? a) composto, simples, indeterminado;
a) O rato foi comido pelo gato. b) composto, composto, indeterminado;
b) O rapaz leu toda a revista. c) simples, simples, oculto;
c) A menina brinca com a sua boneca. d) simples, composto, ―a pá‖;
d) O vendedor entregou o jornal ao assistente. e) composto, simples, ―a pá‖.
e) Viajo todos os domingos para a casa de praia.
124. Indique a alternativa que analisa corretamente o
117. Aponte a alternativa em que há sujeito sujeito dos verbos destacados na frase: “Era de noite;
indeterminado: havia gente em casa”.
a) Vivo muito feliz aqui na minha cidade; a) determinado – inexistente;
b) Vive-se feliz na cidade que se ama; b) indeterminado – inexistente;
c) Chove muito na cidade durante o verão; c) indeterminado – indeterminado;
d) Faz calor na cidade montanhosa; d) inexistente – inexistente;
e) Vou à Europa durante as férias. e) inexistente – determinado.

118 Assinale a alternativa em que há sujeito 125 Dentre as orações abaixo, aponte aquela que não
indeterminado: tem sujeito:
a) Comecei estudar cedo para o concurso. a) Tristonha, escondia o rosto com as mãos.
b) No estojo de veludo jazia uma flauta de prata. b) Todo o dia, caminhamos na praia.
c) Soube-se que o proprietário estava doente. c) Precisa-se de operários nesta obra.
d) Houve muitos feridos na chuva. d) Contaram-se coisas muito estranhas.
e) Julgaram-no incapaz para o cargo. e) Nesta terra faz muito frio.
126. Assinale a opção que não possui sujeito:
119. Aponte a alternativa em que ocorre sujeito a) A noite caiu repentinamente
inexistente: b) Nesse mês, vai fazer um ano de sua partida.
a) Alguém chegou atrasado à reunião. c) Choveram tomates sobre o orador.
b) Telefonaram para você. d) O dia amanheceu claro e tranquilo.
c) Existiam cerca de cinquenta candidatos. e) Nunca existiu alguém como Helena.
d) Deve fazer dez anos que ele desapareceu.
e) Consertou-se o relógio. 127. Marque AA para adjunto adnominal e CN para
complemento nominal:
120. Na oração: ―Precisa-se de um torneiro‖, há: 01. ( ) Ele era um rapaz de ouro
a) sujeito implícito; 02. ( ) Era uma bela noite de luar
b) sujeito inexistente; 03. ( ) Eu lhe farei uma exposição de motivos.
c) sujeito indeterminado; 04. ( ) Um pássaro cantava num ramo da árvore.
d) sujeito simples; 05. ( ) Tem diminuído a assistência às aulas.
e) oração sem sujeito. 06. ( ) Elas gostavam da vida do campo.
07. ( ) Os meninos da rua implicavam com o pobre
121. No período: ―Ser amável e ser egoísta são coisas velho.
distintas‖, o sujeito é: 08. ( ) Balançava-se numa rede de cordas
a) ser amável; 09. ( ) Será lenta a correção das provas.
b) coisas distintas; 10. ( ) A cadeira do professor não estava na sala
c) ser amável e ser egoísta; 11. ( ) As festas de junho fazem a alegria dos sertanejos.
d) indeterminado; 12. ( ) Ainda não foi anunciada a entrega dos prêmios.
e) ser egoísta. 13. ( ) Moram numa casa de taipa.
14. ( ) Os retirantes arrastavam uma pesada carga de
122. Aponte a alternativa em que ocorre sujeito utensílios.
indeterminado: 15. ( ) Tem aumentado a venda de carne.
a) Na prova, havia, pelo menos, quatro questões difíceis.
b) Revelou-se a necessidade de auxílio aos 128. Em que frase o pronome LHE não exerce a
desabrigados. função de complemento nominal?
c) Aconteceram, naquela casa, fenômenos inexplicáveis. a) Todos lhe têm admiração.
d) Come-se bem naquele restaurante de beira de estrada. b) Alguns lhe são leais.
e) Resolvemos não apoiar o candidato antidemocrático. c) Muitos lhe fazem oposição.
d) Não lhe invejo a vida.
123. Nas orações a seguir: e) Muitos lhe são fiéis.

I – As chuvas abundantes, pródigas, violentas, fortes 129. Observe as frases abaixo:


anunciaram o verão. 1. Tenha-me respeito!
II – Eu e você vamos juntos. 2. Respeite-me as cãs!
III – Vendeu-se a pá.

97
O pronome ME se analisa, respectivamente, e) Machado de Assis, nosso grande contista, foi também
como: romancista.
a) complemento nominal e adjunto adnominal;
b) adjunto adnominal e adjunto adnominal; f) Vida digna, cidadania plena, igualdade de oportunidade,
c) complemento nominal e complemento nominal; tudo isso está na base de um país melhor.
d) objeto indireto e objeto direto;
e) objeto indireto e adjunto adnominal. g) O rio Tietê corta o Estado de São Paulo.

130. Na sequência substantivo + preposição + h) Pedro, meu velho amigo, está muito doente.
substantivo, o segundo elemento será
COMPLEMENTO NOMINAL, se for paciente, e adjunto i) Alimenta um sonho: ver o filho médico.
adnominal, se for agente. Pela teoria acima,
classifique os termos sublinhados como 134. ―Não eram tais palavras compatíveis com a sua
complementos nominais ou adjunto adnominais, posição‖, o termo em destaque:
pondo nos parênteses CN ou AA: a) é complemento nominal;
a) ( ) Foi convincente a explicação do professor. b) é objetivo indireto;
b) ( ) A construção de um túnel requer muito tempo e c) é objetivo direto;
dinheiro. d) é sujeito;
c) ( ) A explanação do assunto foi objetiva e clara. e) é agente da passiva.
d) ( ) O conserto do carro demorará.
e) ( ) A resolução do problema exige competência. 135. Assinale o item em que a função não
f) ( ) A explicação do professor nos convenceu do erro corresponde ao termo em destaque:
que cometemos por ignorância. a) Comer demais é prejudicial à saúde – complemento
g) ( ) A redação do documento só será possível, se nos nominal.
fornecerem alguns dados. b) Jamais me esquecerei de ti – objeto indireto
h) ( ) Procedeu-se ao julgamento do réu.
c) Ele foi cercado de amigos sinceros – agente da passiva
i) ( ) Descobriu-se o erro através de um exame cuidadoso
d) Não tens interesse pelos estudos – complemento nominal
dos documentos.
j) ( ) Foi lacônica a resposta do juiz e) Tinha grande amor à humanidade – objeto indireto

131. “Continental 2001 Grand Prix II: nossa 136. Classifique as orações sublinhadas preencha os
homenagem ao bom gosto da mulher brasileira”. As parênteses conforme as indicações abaixo:
expressões sublinhadas são, respectivamente: 1- para substantiva SUBJETIVA;
a) objeto indireto e adjunto adnominal; 2- para substantiva PREDICATIVA;
b) complemento nominal e adjunto adnominal; 3- para substantiva OBJETIVA DIRETA;
c) adjunto adnominal e adjunto adnominal; 4- para substantiva OBJETIVA INDIRETA;
d) complemento nominal e complemento nominal 5- para substantiva COMPLETIVA NOMINAL;
e) complemento nominal e objeto indireto 6- para substantiva APOSITIVA.

132. Só pessoas sem visão não admitem que neste a) ( ) ―Desejava realizar um grande sonho: que todos os
setor, existe oferta considerada condizente com a
homens vivessem pacificamente‖
procura. Assinale a alternativa em que apresenta
b) ( ) ―Fabiano tinha a certeza de que não se acabaria tão
corretamente a função sintática dos termos
sublinhas, respeitando-se a ordem em que eles cedo‖.
ocorrem no período. c) ( ) Nada o impede de tomar tal decisão.
a) adjunto adnominal, objeto direto e complemento d) ( ) Sou favorável a que se tome tal decisão.
nominal; e) ( ) ―Todos perceberam que João Fanhoso dera rebate
b) adjunto adverbial, objeto direto e adjunto adnominal; falso‖.
c) adjunto adnominal, sujeito e complemento nominal; f) ( ) Não sei se tomarei tal decisão.
d) adjunto adverbial, sujeito e complemento nominal g) ( ) Meu desejo é que todos sejam felizes.
e) adjunto adnominal, objeto direto e adjunto adnominal. h) ( )Disse-lhe que não havia lugar para ele em nosso
time.
133. Nas frases abaixo sublinhe o APOSTO: i) ( ) Convém que adotes essa medida com urgência.
a) No romance ―Vidas secas‖, a cachorra Baleia é j) ( ) A sorte dele foi que a polícia chegou logo
personagem? l) ( ) É importante que venhas à reunião
b) A revolução trouxe muitas mortes, o que todos
137. Assinale a alternativa cuja oração subordinada
lamentam.
substantiva seja predicativa.
c) Casei-me na igreja do Coração de Jesus e, hoje, moro a) Espero que venhas logo.
no bairro do Benfica. b) O aluno que trabalha é bom.
c) Meu desejo é que te formes logo
d) Comprei tudo: lápis, papel e régua. d) Agora parece que é dia.
e) É certo que todos morrerão

98
138. Em todos os períodos, a oração subordinada 144. Aponte a alternativa em que ocorra oração
funciona como sujeito da oração principal, exceto em: coordenada sindética conclusiva:
a) É claro que eles virão. a) Todos estavam presentes, porém ninguém prestou
b) Acontece que ele mentiu. atenção.
c) Sabe-se que é um golpe b) Saiu cedo, no entanto não chegou na hora combinada.
d) O certo é que tudo morre c) Estes exercícios são mais fáceis, portanto resolva-os
agora
e) Agora parece que é dia
d) Vá embora, que logo começará a chover.
e) Não só compareceram, mas também ajudaram.
139. “Assim nos encontrou nesta contemplação de Zé
Braz, com o doce aviso de que estava na mesa a 145 Na frase: ―Maria do Carmo tinha a certeza de que
ceiazinha‖. A oração em destaque é: estava para ser mãe‖, a oração destacada é:
a) Objeto direto a) subordinada substantiva objetiva indireta;
b) Objeto indireto b) subordinada substantiva completiva nominal;
c) Complemento nominal c) subordinada substantiva predicativa;
d) Subjetiva d) coordenada sindética conclusiva;
e) Predicativa e) coordenada sindética explicativa.
140. Em que alternativa se encontra uma oração 146. “...não é impossível que a notícia da morte me
subordinada objetiva direta? deixasse alguma tranquilidade” e em “Digo-vos que
a) Meu desejo é que todos sejam aprovados. as lágrimas eram verdadeiras”, a palavra ―que‖ está
b) A verdade é que todos adoeceram introduzindo, respectivamente, orações:
c) O aluno que estuda aprende a) subordinada substantiva subjetiva – subordinada
d) Espero que tenhas estudado. objetiva direta;
b) subordinada substantiva objetiva direta – subordinada
141. Ela sempre soube que o maior desejo dele era substantiva objetiva direta;
este: ser aviador. c) subordinada substantiva subjetiva – subordinada
substantiva subjetiva;
A oração em destaque classifica-se como d) subordinada substantiva completiva nominal –
subordinada substantiva: subordinada substantiva adjetiva explicativa
e) subordinada substantiva explicativa – subordina
a) completiva nominal; substantiva predicativa.
b) objetiva direta;
c) subjetiva; 147. Assinale o período em que ocorra oração
d) apositiva; subordinada substantiva predicativa:
e) predicativa. a) Meu desejo é que você passe no concurso;
b) Sou favorável a que o aprovem;
142. Assinale a opção que contém oração coordenada c) O aluno que estuda supera dificuldades;
sindética: d) Desejo-te isto: que sejas bastante feliz.
a) Esfregou as mãos finas, esgaravatou as unhas sujas.
(Graciliano Ramos) 148. Os homens se esquecem de que somos todos
b) Naquela noite, jantei sozinho, pois Albérico viajara para mortais‖. A oração destacada é:
Malhada da Pedra. (J. Conde) a) substantiva completiva nominal;
c) A campainha retiniu, entraram no camarote, (Eça de b) substantiva objetiva indireta;
Queirós) c) substantiva predicativa;
d) Furta cavalos, bois, marca-os de novo, recorta sinais d) substantiva objetiva direta;
de orelha com uma habilidade de cigano velho. e) substantiva subjetiva.
e) Dona Tonica não lustrava as unhas, disso sabiam
todos. 149. ―Estou seguro de que a sabedoria dos
legisladores saberá encontrar meios para realizar
143. Dentre as opções abaixo há uma com oração semelhante medida‖. A oração em destaque é
absoluta. Assinale-a substantiva:
a) ―Um amigo meu diz que em todos nós existe o a) objetiva indireta
charlatão‖. (Clarice Lispector) b) completiva nominal
b) ―Sente-se uma vaga sensação panteísta.‖ (Ramalho c) objetiva direta
Ortigão) d) subjetiva
c) ―Rubião fitou um pé que se mexia disfarçadamente.‖ e) apositiva.
(Machado de Assis)
d) O funcionário não deu satisfações e afastou-se‖. 150. ―Lembro-me de que ele só usava camisas
(Graciliano Ramos) brancas‖. A oração em destaque é:
e) ―Estavam nisto quando a costureira chegou à casa da a) substantiva completiva nominal;
baronesa.‖ ( Machado de Assis) b) substantiva objetiva indireta;
c) substantiva predicativa
d) substantiva subjetiva;
e) substantiva apositiva.

99
151. “A verdade é que a gente não sabia nada...” 159. Ela estava_________________ irritada e à
Classifica-se a segunda oração como:
_____________ voz, porém, com ____________
a) subordinada substantiva objetiva direta;
b) subordinada adverbial conformativa; razões, dizia _____________desaforos.
c) subordinada substantiva objetiva indireta;
a) meio – meia – bastantes – bastantes;
d) subordinada substantiva predicativa.
b) meia – meia – bastante – bastante;
c) meia – meia – bastantes – bastantes;
152. No período: É necessário que todos se
d) meio – meia – bastante – bastante;
esforçam‖, a oração destacada:
e) n.d.a.
a) é substantiva objetiva direta;
b) é substantiva objetiva indireta;
160. Elas _____________ providenciaram os
c) é substantiva completiva nominal;
atestados, que enviaram ___________ às
d) é substantiva subjetiva;
procurações, como instrumentos ____________ para
e) é substantiva predicativa.
os fins colimados.
a) mesmas – anexo – bastantes;
153. Assinale a incorreta:
b) mesmo – anexo – bastante;
a) Envio-lhe anexa a declaração de óbito.
c) mesmas – anexo – bastante;
b) Envio-lhe em anexo a declaração de óbito
d) mesmo – anexos – bastante;
c) Eu mesmo, na qualidade de defensora de meus
e) mesmas – anexos – bastante;
direitos, irei ter ao juiz.
d) Estou quite com o clube.
161. “Eu tenho plantado o meu futuro.” Passando-se a
e) Fizeram mesmo o serviço?
oração para a voz passiva o verbo ficará assim:
a) tem sido plantado
154. Em todas as frases a concordância nominal se
b) tem estado sendo plantado
fez corretamente, exceto em:
c) está sendo plantado
a) Os soldados, agora, estão todos alerta.
d) foi sendo plantado
b) Ela possuía bastante recursos para viajar
e) esteve sendo plantado
c) As roupas das moças eram as mais belas possíveis
d) Rosa recebeu o livro e disse: ―Muito obrigada‖.
162. “O eleitor estava sendo convencido aos poucos
e) Sairei de São Paulo hoje, ao meio dia e meia.
pelo candidato.” Passando-se a oração para a voz
ativa, o verbo ficará assim:
155. Dentre os trechos abaixo, há um errado no que
a) convencera
se refere à concordância de ―POSSÍVEL‖
b) estava convencendo
a) Paisagens as mais belas possíveis.
c) tinha estado convencido
b) Paisagens o mais possível belas.
d) tinha convencido
c) Paisagens o mais belas possíveis.
e) estivera convencendo
d) Paisagens belas o mais possível.
e) Paisagens quanto possível belas.
163. Transpondo para a voz ativa a frase ―O processo
deve ser revisto pelos dois funcionários‖, obtém-se a
156. Ainda _________ furiosa, mas com _________
forma verbal:
violência, proferia injúrias _________ para
a) deve-se rever
escandalizar os mais arrojados.
b) será revisto
a) meia – menos – bastantes;
c) devem rever
b) meia – menos – bastante;
d) reverão
c) meio – menos – bastante;
e) rever-se-á
d) meio – menos – bastantes;
e) meio – menos – bastantes.
164. Transpondo para a voz passiva a frase “O tempo
aos poucos fora afastando da minha memória a sua
157. Assinale a correta:
imagem.”, obtém-se a forma verbal:
a) Será proibido a entrada aos retardatários.
a) era afastada
b) Dado as circunstâncias, retirou-se.
b) fora sendo afastada
c) O governo destinou bastantes recursos.
c) fora afastada
d) Seguem anexas três certidões
d) ia-se afastado
e) Eu mesmo, disse ela, cuidarei disso.
e) estava-se afastado
158. I. Correm _________ aos processos vários
165. Transpondo para a voz passiva a frase “Daqui a
documentos.
cinquenta anos já teremos avaliado os futurólogos de
II. Paisagens as mais belas __________
hoje.” , obtém-se a forma verbal:
III. É _________ entrada às pessoas estranhas.
a) se avaliaram
a) anexo – possíveis – proibido;
b) se avaliarão
b) anexos – possíveis – proibido;
c) serão avaliados
c) anexos – possíveis – proibida;
d) foram avaliados
d) anexos – possível – proibido;
e) terão sido avaliados
e) anexo – possível – proibida.

100
166. Em relação à frase “Os gatos pretos pularam a 170. (IDR-DF) O agente da passiva foi corretamente
cerca,”, podemos afirmar que: destacado em todas as opções, exceto em:
a) o sujeito é composto a) O presídio tinha sido cercado pelos soldados.
b) o verbo é transitivo direto b) Ela é a única responsável pela festa.
c) o objeto é indireto c) O time foi derrotado pelo campeão da cidade.
d) o predicado é nominal d) O mestre foi homenageado pelos alunos.
e) n. d. a. e) A casa foi destruída pela inundação.

171. (Fiscal-PA) Todos os termos destacados estão


167. Nas orações que seguem estão destacados os classificados corretamente, exceto:
adjuntos adverbias . Classifique-os. a) Foi traído pelos amigos – agente da passiva.
a) Abriram a garrafa de guaraná com uma faca. b) Aconteceram coisas estranhas por lá – sujeito.
b) O operário dirige-se para casa com ansiedade e às c) A fé no futuro o anima – complemento nominal.
vezes, por necessidade, viaja na porta do ônibus. d) Estás apto para o serviço? - objeto indireto.
c) Trabalhava em São Paulo e residia no Guarujá, por e) Diga-me seu endereço – objeto indireto.
isso viajava de carro e andava de balsa todos os dias.
d) Tentou abrir a mala com minha chave, mas não 172. (Fiscal-SP) Em: ―O médico ausculta o paciente‖,
conseguiu; com esforço arrebentou a fechadura. dizemos corretamente que a oração:
e) Descasquei a laranja, mas, por distração, joguei-a no a) está na voz passiva porque o sujeito é o executor da
lixo e fique com a casca na mão. ação verbal;
b) está na voz passiva porque o objeto direto é o receptor
168. Classifique os adjuntos adverbiais. da ação verbal;
a) Hoje alguns jovens procuram mais a hospedagem nos c) está na voz ativa porque o objeto direto é o executor da
―campings‖ do que nos hotéis. ação verbal;
b) Não duvido de que o contato com a natureza nos deixe d) está na voz ativa porque o sujeito é o receptor da ação
descontraidamente felizes e livres. verbal;
c) As grandes festas da uva e do vinho realizam-se nos e) não foi definida como deve por nenhuma das
meses de fevereiro e março, nas cidades de Bento alternativas.
Gonçalves e Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.
d) Contaram-nos a emocionante aventura dos brasileiros 173. (AFC-MG) Assinale o item em que a função não
que venceram com dificuldade o desafio do pico corresponde ao termo em destaque:
Aconcágua, realmente o mais alto das Américas. a) Comer demais é prejudicial à saúde – complemento
e) O posto de Saúde não quis atender o paciente que se nominal.
feriu com a espingarda, talvez por não ter médico de b) Jamais me esquecerei de ti – objeto indireto.
plantão naquela hora.. c) Ele foi cercado de amigos sinceros – agente da
f) Friamente, o entrevistado confessou que roubara o passiva.
carro com o amigo para passear no sábado à noite. d) Não tens interesse pelos estudos – complemento
g) Falou sobre as principais fontes poluidoras da nominal.
cidade de São Paulo e, conforme prometeu, denunciou a e) Tinha grande amor à humanidade – objeto indireto.
indiferença de algumas autoridades que nunca se
preocupam com o problema. 174. (TJ-SP) Nas frases abaixo, há termos destacados.
h) Em julho de 1936, em São Paulo, a rádio Cosmos Analise-os:
informava que passaria a apresentar, semanalmente, um 1. Tinha grande amor à humanidade.
programa luso-brasileiro. 2. As ruas foram lavadas pela chuva.
i) Verdadeiramente não podemos nos calar diante de uma 3. Ele é rico em virtudes.
injustiça. Dizia meu pai quando falava sobre os a) complemento nominal, agente da passiva,
problemas sociais. complemento nominal;
j) Vestiu-se para a cerimônia, talvez sem vontade; olhou- b) objeto indireto, agente da passiva, objeto indireto;
se demais no espelho e, apesar de elegante, sentia-se c) complemento nominal, objeto indireto, complemento
um palhaço. nominal;
l) Na hora do café costumava sentar-se à mesa, d) objeto indireto, complemento nominal, agente da
conosco, comia meio de lado e era sempre muito passiva;
agradecido a nós. e) objeto direto preposicionado, agente da passiva,
complemento nominal.
169. (PUC-DF) ―Nesse momento começaram a feri-lo
nas mãos, a pau‖. Na frase, o sujeito é: 175. (TCE-SP) No período: ―Sem dúvida este jovem
a) nas mãos; gosta de música e toca, órgão muito bem‖, os termos
b) indeterminado; destacados são, respectivamente:
c) oculto por elipse; a) complemento nominal e objeto direto;
d) (eles) determinado; b) complemento nominal e agente da passiva;
e) inexistente (ou eles): dependendo do contexto. c) objeto indireto e adjunto adverbial de instrumento;
d) objeto direto e objeto indireto;
e) objeto indireto e objeto direto.

101
176. (TJ-SP) Marque a função sintática do termo c) ―Mas o seu braço agora estendido deixa entrever o
destacado. A aldeia era povoada de indígenas. princípio de uma tatuagem‖.
a) agente da passiva; d) ―...não se dá ao trabalho de tirar o chapéu‖.
b) complemento nominal; e) ―Os únicos diferentes somos nós e um sujeito de cara
c) adjunto adverbial; larga‖.
d) objeto indireto;
e) objeto direto. 184. (AMAN) Aponte a opção em que a palavra
177. (MACK) Aponte a alternativa que expressa a bastante não é adjunto adverbial:
função sintática do termo abaixo destacado: a) Fala-se bastante de ensino renovado.
―Parece enfermo, seu irmão!‖ b) Houve sugestões bastante oportunas.
a) sujeito; c) Há bastante trabalho no escritório.
b) objeto direto; d) Você chegou bastante atrasado.
c) predicativo do sujeito; e) Todo livro dessa estante é bastante volumoso.
d) predicativo do objeto;
e) objeto indireto. 185. (TJ-PB) Assinale a frase que contém agente da
passiva:
178. (FCCA-UFES) Em: ―Ela gostava de vinhos bons‖, a) Fiquei ouvindo aquilo por longo tempo.
a expressão destacada é: b) Dei cinco reais pelo cachorrinho.
a) objeto indireto; c) As colheitas foram levadas pela chuva.
b) predicativo do sujeito; d) Sempre saia a esmo pelos caminhos.
c) complemento nominal; e) Agrada-me por todas as formas.
d) agente da passiva;
e) sujeito. 186. (TJ-CE) Assinale a alternativa que contenha
adjunto adnominal:
179. (BNB) Na oração: ―Sem dúvida, esta menina toca a) A resposta ao aluno foi satisfatória.
piano muito bem‖, piano e menina são: b) A resposta do aluno foi satisfatória.
a) sujeito e agente da passiva; c) A crítica aos jogadores tinha fundamento.
b) agente da passiva e sujeito; d) Depôs favoravelmente ao réu.
c) adjunto adverbial de instrumento e sujeito; e) Ele era favorável ao divórcio.
d) objeto direto e sujeito;
e) adjunto adverbial de modo e sujeito. 187. (ITA) Nos períodos, as palavras sublinhadas
exercem, respectiva e sucessivamente a função de:
180. (ITA) ―Sorvete Kibon decora sua cozinha. E dá 1. A assistência ao jogo foi ótima.
nome às latas‖. Os termos destacados são: 2. Este livro não é o que pedi.
a) sujeito, objeto direto, objeto indireto; 3. Vê bem o que fazes.
b) objeto direto, sujeito, objeto indireto; 4. Faça-o sair, por favor.
c) sujeito, objeto indireto, objeto direto; 5. O ―o‖ é a décima-quarta letra do nosso alfabeto;
d) sujeito, sujeito, objeto indireto;
e) objeto direto, sujeito, objeto direto. a) sujeito, sujeito, adjunto adnominal, objeto direto,
predicativo;
181. (ESAN-SP) A análise correta do termo destacado b) predicativo, sujeito, objeto direto, sujeito, adjunto
em: ―A terra era povoada de selvagens‖ é: adnominal;
a) objeto direto; c) adjunto adnominal, predicativo, objeto direto, sujeito,
b) objeto indireto; sujeito;
c) agente da passiva; d) objeto direto, adjunto adnominal, sujeito, predicativo,
d) complemento nominal; sujeito;
e) adjunto adverbial. e) adjunto adnominal, sujeito, objeto direto, sujeito,
predicativo.
182. (MACK-SP) Aponte a alternativa em que ocorre
adjunto adverbial de causa:
a) compro livro com o dinheiro; FÁBULA MODERNA
b) o poço secou com o calor;
c) estou sem amigos; ―Você, moleque, com certeza vai ser bandido!‖
d) vou ao Rio; Essa foi a frase que o menino Roberto Carlos Ramos
e) Pedro é efetivamente bom. mais ouviu na infância. Negro, pobre, abandonado,
analfabeto até os 13 anos e um dos campeões de fuga da
183. (AFA) ―Todos os fregueses aqui dentro têm o
rosto vermelho, são gordos‖. Assinale a alternativa FEBEM, tudo levava a crer que o vaticínio se
em que a expressão destacada exerce a mesma concretizaria. Sua ficha na instituição o definia com uma
função sintática de aqui dentro: única palavra: irrecuperável.
a) ―Sentamo-nos numa das mesas ao fundo, depois de No entanto, o acaso se encarregou de inverter os
apanharmos a nossa cerveja‖. ponteiros da lógica rasteira. Roberto Carlos, hoje com 34
b) ―Na mesa próxima, gordos irlandeses de rosto anos, é um exemplo de sucesso na vida profissional e
vermelho e olhar azul...‖

102
pessoal. Pedagogo com mestrado na Universidade e) a reabilitação do ser humano, exemplificada com a
Estadual de Campinas, ele é um dos mais requisitados história de vida de um ex-menor abandonado que,
palestrantes do país. pedagogo de valor reconhecido, age com
solidariedade, por meio da educação, em prol da
Caçula de uma prole de dez filhos, Roberto
diminuição das injustiças sociais.
Carlos foi enviado à FEBEM com 6 anos. Ao longo de
sete que passou lá, fugiu exatas 132 vezes. Aos 9 anos, 189. Assinale a opção que apresenta um provérbio
conhecido como Beto Pivete, já cometia furtos. Cheirava popular associável à ação pedagógica do
cola de sapateiro e fumava maconha diariamente. Foi na protagonista do texto.
sala de readmissão da FEBEM que o acaso o acolheu, a) Quem ri por último ri melhor.
sob a figura da pedagoga francesa Marguerit Duvas, que b) Costume e dinheiro fazem do filho bom cavalheiro.
o conheceu enquanto visitava a instituição. Intrigada e c) Não dê um peixe; ensine a pescar.
d) Quem dá aos pobres empresta a Deus.
encantada com o garoto vivaz e indomável, ela
e) Pau que nasce torto morre torto.
transformou seu período de descanso em uma longa
estada e conseguiu sua guarda. 190. Uma narrativa estrutura-se a partir dos seguintes
Ensinou-o a falar francês (língua em que foi alfabetizado) elementos: quem, quando, realiza o quê, como e
e, depois de três anos, levou-o para Marselha, onde ele porquê. Assinale a opção que, mantendo as
concluiu o colegial e viveu até os 19 anos. informações do texto, contempla todos esses
De volta para o Brasil, fez pedagogia e estagiou na elementos, nessa ordem.
a) Os pais de Roberto Carlos, há pouco mais de um
mesma FEBEM onde permaneceu durante a infância. Foi lá
quarto de século, deixaram o filho entregue à FEBEM,
que conheceu Alexandre, menor abandonado que acolheu como menor abandonado, porque eram proletários e
em seu minúsculo apartamento. Em seguida, vieram Moisés, marginais.
Kleber, Fábio... Atualmente, ele mora com doze filhos, cujas b) Roberto Carlos, na infância, foi enviado à FEBEM, de
idades variam de 10 a 25 anos, em um casarão de quatro onde fugiu 132 vezes, porque, irrecuperável, cometia
andares, na região metropolitana de Belo Horizonte. Todos pequenos furtos.
estudam e os mais velhos também trabalham. c) Beto Pivete já cometia pequenos furtos: cheirava cola
Em seu lar incomum, a primeira regra é ter planos de sapateiro e fumava maconha, diariamente, porque
era irrecuperável aos olhos da sociedade, antes de ir
– a curto, médio e longo prazos. ―Não importa se é comprar
para a França, felizmente.
um bicicleta ou fazer faculdade‖, explica ele. A fórmula de d) Roberto Carlos Ramos hoje cria doze filhos, em Belo
Roberto Carlos para guiar seus meninos pela boa estrada Horizonte, com carinho e educação, pois acredita que
é de uma simplicidade franciscana: carinho e educação. eles podem exercer plenamente a cidadania.
Esse binômio está na base das escolas que coordenará e) O protagonista da Fábula moderna passou mais de um
para a Fundação M. Officer. Nelas, os menores carentes terço de sua vida na FEBEM, na situação de
serão levados a desenvolver suas principais aptidões, para analfabeto, até ser amparado por uma francesa,
que possam integrar-se como cidadãos plenos em uma corajosa, porque ela acreditava na necessidade de sua
recuperação.
sociedade que tende a rejeitá-los. ―Sou a prova de que não
existe criança irrecuperável‖, diz ele. E acrescenta: ―No TEXTO PARA AS QUESTÕES
mundo há os que choram e os que vendem lenços. Hoje,
estou entre os que vendem lenços‖. É melhor ser alegre que ser triste, já dizia Vinícius
(Cristina Poles. Vila brasileira. Veja, 11/10/2000, p. 70, com de Moraes. Sem dúvida. O poeta ia mais longe, entoando
adaptações.)
em rima e em prosa que tristeza não tem fim. Já a
felicidade, sim. Até hoje, muita gente chora ao ouvir esses
188. Em síntese, o texto tem por ideia principal:
versos porque eles tocam num ponto nevrálgico da vida
a) a história de um menino pobre, criado na FEBEM, que
humana: os sentimentos. E quanto tais sentimentos
se tornou um empresário de sucesso, vendendo
provocam algum tipo de dor, fica difícil esquecer – e
lenços.
ainda mais suportar. A tristeza, uma das piores
b) a estigmatização de que são vítimas as crianças
sensações da nossa existência, funciona mais ou menos
pobres, principalmente quando são negras e órfãs.
assim: parece bonita apenas nas músicas. Na vida real,
c) o modo de vida de um pedagogo, benemérito e
ninguém gosta dela, ninguém a quer.
humanitário que segue na idade adulta os
Tristeza é um sentimento que responde a
ensinamentos de Marguerit Duvas, sua preceptora na
estímulos internos, como recordações, memórias,
infância.
vivências; ou externos, como a perda de um empregou
d) passagens da vida do mineiro Roberto Carlos Ramos,
ou de um amor. Não se trata de uma emoção, que é uma
negro, pobre e marginal, classificado como
resposta imediata a um estímulo. No caso da tristeza,
irrecuperável na infância, mas que, graças à
nosso organismo elabora e amadurece a emoção, antes
intervenção de uma pedagoga francesa, começou a
de manifestá-la. É uma resposta natural a situações de
estudar e teve seu destino mudado, passando de
perda ou de frustrações, em que são liberados hormônios
vítima das desigualdades sociais a protetor dos
cerebrais responsáveis por angústia, melancolia ou
menores desamparados, a quem cria como filhos,
coração apertado.
devido ao apoio recebido da Fundação M. Officer.

103
―A tristeza é uma reposta que faz parte de nossa 193. (J. C. Flauzino) É melhor ser alegre que ser triste,
forma de ser e de estar no mundo. Passamos o dia já dizia Vinícius de Moraes. O nome destacado é:
flutuando entre polos de alegria e infelicidade‖, afirma o a) Antropônimo
médico psiquiatra Ricardo Moreno. Se passamos o dia b) Topônimo
entre esses polos de flutuação, é bom não levar tão a c) Substantivo Abstrato
sério os comerciais de margarina em que a família é linda, d) Substantivo Comum
perfeita, alegre e até os cachorros parecem sorrir o tempo e) Substantivo Coletivo
inteiro. Vivemos uma época em que a felicidade constante
é praticamente um dever ÉTICA DE PRINCÍPIOS
de todos. É fato: ser feliz o tempo todo está virando uma
obrigação a ponto de causar angústia. As duas éticas: a que brota da contemplação das
Especialistas, no entanto, afirmam que estar estrelas perfeitas, imutáveis e mortas, a que os filósofos
infeliz é mais do que natural, é necessário à condição dão o nome de ética de princípios, e a que brota da
humana. A tristeza é um dos raros momentos que nos contemplação dos jardins imperfeitos e mutáveis, mas
permite reflexão, uma volta para nós mesmos, uma vivos – a que os filósofos dão o nome de ética contextual.
possibilidade de nos conhecermos melhor. De saber o Os jardineiros não olham para as estrelas. Eles
que queremos, do que gostamos. E somente com essa nada sabem sobre as estrelas que alguns dizem já ter
clareza de dados é que podemos buscar atividades que visto por revelação dos deuses. Como os homens
nos dão prazer, isto é, que nos fazem felizes. Assim como comuns não veem essas estrelas, eles têm de acreditar
a dor e o medo, a tristeza nos ajuda a sobreviver. Sim, na palavra dos que dizem já as ter visto longe, muito
porque se não sentíssemos medo, poderíamos nos atirar
longe... Os jardineiros só acreditam no que seus olhos
de um penhasco. E se não tivéssemos dor, como o
veem. Pensam a partir da experiência: pegam a terra com
organismo poderia nos avisar de algo que não vai bem?
(Adaptado de Mariana Sgarioni, Emoção & Inteligência, as mãos e a cheiram.
Superinteressante, p. 18-20) Vou aplicar a metáfora a uma situação concreta.
A mulher está com câncer em estado avançado. É certo
191. Identifica-se a Ideia principal do texto em: que ela morrerá. Ela suspeita disso e tem medo. O
a) Poetas convivem com sentimentos negativos, como a médico vai visitá-la. Olhando, do fundo do seu medo, no
tristeza, porque são incapazes de perceber os fundo dos olhos do médico, ela pergunta: ―Doutor, será
momentos felizes que ocorrem normalmente no que eu escapo desta?‖
cotidiano das pessoas; Está configurada uma situação ética. Que é que o
b) Felicidade corresponde a uma forma ideal de vida, por médico vai dizer?
isso peças de publicidade enfatizam os momentos mais Se o médico for adepto da ética estelar de
agradáveis da vida familiar; princípios, a resposta será simples: ―Não, a senhora não
c) Tristeza é um sentimento natural de reação a situações escapará desta. A senhor vai morrer.‖ Respondeu
de frustração, sendo, portanto, inerente à condição
segundo um princípio invariável para todas as situações.
humana;
A lealdade a um princípio o livra de um pensamento
d) Tristeza e felicidade, sentimentos permanentes da vida,
perturbador: o que a verdade irá fazer com o corpo e alma
são os temas preferidos de poetas e músicos, por isso
utilizados atualmente por publicitários; daquela mulher? O princípio, sendo absoluto, não leva em
e) O ideal que todos devem buscar, em seu dia-a-dia, consideração o potencial destruidor da verdade.
deve ser o de se sentirem constantemente alegres e Mas, se for um jardineiro, ele não se lembrará de
felizes. nenhum princípio. Ele só pensará nos olhos suplicantes
daquela mulher. E ele se perguntará: ―Que palavra eu
192. A afirmativa correta, de acordo com o texto é: posso dizer que, não sendo um engano (a senhora breve
a) Vinícius de Moraes tinha toda a razão quando escreveu estará curada...), cuidará da mulher como se palavra
que tristeza não tem fim, mas a felicidade, sim; fosse um colo que acolhe uma criança?‖ E ele se dirá:
b) Sentimentos de felicidade e de tristeza, embora sejam ―Você me faz essa pergunta porque você está com medo
opostos entre si, provocam, ambos, sensação de dor de morrer. Também tenho medo de morrer...‖ Ai, então,
nas pessoas; os dois conversando longamente – como es estivessem
c) A televisão, ao mostrar situações familiares de de mãos dadas – sobre a morte que os dois haverão de
felicidade completa, apoia-se em descobertas recentes enfrentar. Como sugeriu o apóstolo Paulo, a verdade está
sobre os sentimentos humanos; subordinada à bondade.
d) O choro causado pelos versos de uma música bem Pela ética de princípios, o uso da camisinha, a
triste ensina as pessoas a suportarem melhor as pesquisa das células-tronco, o aborto de fetos sem
grandes frustrações da vida real; cérebro, o divórcio, a eutanásia são questões resolvidas
e) A tristeza constitui um sentimento que propicia ao ser que não requerem decisões: os princípios universais os
humano maior consciências de si próprio e de seus proíbem. Mas a ética contextual nos obriga a fazer
anseios. perguntas sobre o bem ou mal que uma ação irá criar. O
uso da camisinha contribui para diminuir a incidência da
Aids? As pesquisas com células-tronco contribuem para
trazer a cura para uma infinidade de doenças? O aborto
de um feto sem cérebro contribuirá para diminuir a dor de
uma mulher? O divórcio contribuirá para que homens e

104
mulheres possam recomeçar suas vidas afetivas? A d) Atribuem-se às estrelas perfeitas, imutáveis e mortas a
eutanásia pode ser o único caminho para liberar uma propriedade de figurarem os valores éticos que se
pessoa da dor que não a deixará? julgam absolutos.
Duas éticas. A única pergunta a se fazer é: ―Qual e) Costumam haver nos jardins imperfeitos e imutáveis
delas está mais a serviço do amor?‖. mais inspiração para a ética dos jardineiros do que
(Rubem Alves, Folha de S. Paulo, 04/03/2008) para os adeptos da ética de princípios.
198. Ambos os elementos sublinhados desempenham a
194. Ao tratar das éticas, o autor: função de sujeito no seguinte caso:
a) considera-as complementares entre si e as julga com a) Eles nada sabem sobre as estrelas que alguns dizem
plena isenção. já ter visto por revelação dos deuses.
b) aponta fatores de uma sutil divergência entre elas e os b) É certo que ela morrerá. Ela suspeita disso e tem medo.
classifica. c) Como sugeriu o apóstolo Paulo, a verdade está
c) julga-as convergentes e demonstra esse fato por meio subordinada à bondade.
de uma metáfora. d) E ele dirá: ―Você me faz essa pergunta porque você
d) opõe-nas a partir dos distintos compromissos de cada está com medo de morrer‖.
uma. e) Está configurada uma situação ética. Que é que o
e) aponta drásticas divergências entre elas e propõe um médico vai dizer?
modo de conciliá-las.
199. NÃO admite transposição para a voz passiva a frase:
195. Considere as seguintes afirmações: a) Os adeptos da ética de princípios não se queixam da
I. Na figuração da frase os jardineiros não olham distância das estrelas.
para as estrelas, a palavra sublinhada é uma b) O uso da camisinha contribui para diminuir a
metáfora dos princípios absolutos. propagação da Aids.
II. A diferença básica entre a ética de princípios e c) Ele não desviará os seus dos olhos suplicantes
a ética contextual está no fato de que a primeira daquela mulher.
não tem aplicabilidade possível. d) Ele não desviará os seus olhos suplicantes daquela
III. A frase a verdade está subordinada à bondade mulher.
foi citada como contraposição a um princípio da e) Vou aplicar a metáfora a uma situação do nosso cotidiano.
ética estelar.
200. Na França, o governo duplicou a verba de
Esta relação ao texto, está correto o que se afirma em: publicidade...
a) I, II e III. O verbo que exige o mesmo tipo de complemento que
b) I e II, apenas. está grifado acima se encontra em:
c) I e III, apenas. a) … e também serve como fonte – em geral gratuita – de
d) II e III, apenas. informações.
e) III, apenas. b) Mas em nenhum outro lugar a tormenta é tão
assustadora quanto nos Estados Unidos.
196. Considerando-se o conjunto do texto, é correto c) Vários jornais, mesmo bastante antigos e tradicionais,
afirmar que o autor: fecharam suas portas.
a) espera que o leitor responda afirmativamente a cada d) … quando o jornal é o símbolo e um dos últimos
uma das perguntas formuladas no penúltimo redutos do jornalismo...
parágrafo. e) Mas, para chegar ao auge...
b) deseja provocar em nós o mesmo dilema que o
transtorna a cada vez que se coloca diante da questão 201. O deslocamento de uma pessoa por automóvel
com que encerra o texto. consome 26 vezes mais energia...
c) demonstra intolerância com quem costuma relativizar A frase cujo verbo exige o mesmo tipo de complemento
um princípio ético no contexto de uma dada situação. que o grifado acime é:
d) admite que só o sistema dos princípios absolutos a) …porque nesse período a frota de carros particulares
constitui uma ética verdadeira, ainda que longe do passou de 3, 09 milhões para 3, 60 milhões.
nosso alcance. b) Os veículos coletivos respondem por 55% do
e) alimenta a convicção de que os filósofos e os santos transporte e os automóveis, por 30%.
desconhecem a ética dos jardineiros. c) E esse não é único desperdício...
d) … que, em média, têm 20 anos de uso, sem inspeção
197. As normas de concordância verbal estão plenamente veicular...
respeitadas na frase: e) …que trabalham de 20 a 30 horas seguidas.
a) A escolha entre dois sistemas éticos, por vezes
atuantes na mesma pessoa, costumam caracterizar 202. …que a previsão não tem o menor fundamento
um genuíno dilema moral. científico...
b) Há perguntas a que só se devem responder levando-se O verbo que exige o mesmo tipo de complemento que o
em conta que as verdades precisam subordinar-se à grifado acima está na frase:
bondade. a) …que dependem da água produzida pelo degelo nas
c) Não cabe aos médicos adeptos da ética contextual a montanhas.
produção de consolos mentirosos, mas o oferecimento b) …não passam de especulação sem base científica.
de um apoio verdadeiro.

105
c) …para cortar as emissões de gases do efeito estufa d) Com a constante invasão às sedes de clubes, os
decorrentes da atividade humana... dirigentes passaram a monitorar a presença dos
d) …ou o mundo chegará ao fim do século XXI à beira de torcedores, até mesmo nos treinos.
uma catástrofe. e) As pessoas, enfurecidas, iam em direção à um dos
e) …que as geleiras do Himalaia podem desaparecer até dirigentes, quando os policiais conseguiram controlar
2035... toda a multidão.
203. A chancela da representatividade, que legitima os 208. Está correto o emprego ou a ausência do sinal de
legisladores, não os autoriza em hipótese alguma a crase na frase:
duplicar os vícios sociais (…). a) Consumidores menos abastados, com menor poder de
negociação, submetem-se as exigências dos credores
Nessa frase, são exemplo de uma mesma função a fim de obterem crédito.
sintática os termos: b) Lado a lado com as conquistas econômicas, os
a) os legisladores e os vícios sociais. estratos sociais mais baixos ascenderam a uma classe
b) A chancela e os legisladores. social superior.
c) da representatividade e autoriza. c) Os produtos destinados à classes sociais de maior
d) em hipótese alguma e da representatividade. poder aquisitivo estão a disposição da classe C, por
e) A chancela e os vícios sociais. conta do crédito fácil.
d) O poder público busca atender, à todo momento, com
204. Considere as frases abaixo: medidas pertinentes, as necessidades das classes
I. … quem não o podia pegar o grito foi lançado. mais desfavorecidas.
II. Aludiam … uma imensa tela dourada os fios de e) A mídia estampa de maneira persuasiva e à qualquer
sol que se cruzavam. hora produtos destinados à uma classe emergente
III. O resultado de seu trabalho foi comparado... luz cada vez maior.
da manhã.
Preenchem corretamente as lacunas, respectivamente: 209. Lado ….... lado das restrições legais, são
a) A – a – à b) A – a – a importantes os estímulos ….... medidas educativas, que
c) À – à – a d) A – à – à permitam avanços em direção …...... um desenvolvimento
e) À – a – à sustentável do setor da saúde.

205. O grau de emoção em torno de uma situação As lacunas da frase acima estarão corretamente
qualquer determina o tempo de armazenamento e as preenchidas, respectivamente, por:
características relacionadas … ela, permitindo sua a) a – à – à
associação … outros fatos ocorridos durante … vida. b) à – a – à
c) à – a – a
As lacunas da frase acima estarão corretamente d) a – a – a
preenchidas, respectivamente, por: e) a – à – a
a) à – a – a b) a – a – a
c) a – à – à d) a – a – à 210. Os passageiros do Metrô, quando vieram a utilizar o
e) à – à – a Metrô, não deixarão de notar as mudanças do Metrô;
espera-se que todos aplaudam essas mudanças.
206. Uma floresta secundária apresenta, segundo estudo
recente, biodiversidade semelhante ….. da floresta Evitem-se as viciosas repetições da frase acima
original, embora haja especialistas que contestam o fato substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem
de que as matas de segunda geração evoluam de modo dada, por:
…... garantir as condições ideais de sobrevivência ….. a) utilizar-lhe – lhes notas as mudanças – as aplaudam.
cada uma das espécies. b) o utilizar – lhe notar as mudanças – aplaudam-nas.
c) utilizá-lo – lhe notar as mudanças – as aplaudam.
As lacunas da frase acima estarão corretamente d) utilizá-lo – notá-lo nas mudanças – lhes aplaudam.
preenchidas, respectivamente, por: e) utilizar-lhe – notar-lhe as mudanças – aplaudam-lhes.
a) a – à – à b) à – a – à
c) à – a – a d) a – à – a 211. Os mitos nos acompanham ao longo do tempo, por
e) à – à – a isso é preciso dar aos mitos a atenção que requerem. Por
que haveremos de tratar os mitos como se fossem
207. A frase inteiramente correta, considerando-se a embustes, em vez de reconhecer nos mitos a simbologia
colocação ou a ausência do sinal de crase, é: inspiradora?
a) Brigas entre torcidas de times rivais se iniciam sempre
com provocações de parte à parte, a qualquer Evitam-se as viciosas repetições do texto acima
momento. substituindo-se os elementos sublinhados,
b) O respeito as medidas de segurança tomadas em um respectivamente, por:
evento de grande interesse garante à alegria do a) dar-lhes – os tratar – neles reconhecer.
espetáculo. b) dar-lhes – tratar-lhes – reconhecê-los.
c) Uma multidão polarizada pode ser induzida à atitudes c) dá-los – os tratar – lhes reconhecer.
hostis, tomadas em oposição às medidas adotadas. d) lhes dar – tratar a eles – os reconhecer.
e) dar a eles – lhes tratar – reconhecer neles.

106
212. O e-mail veio para ficar, ainda que alguns Janelas de ontem e de hoje.
considerem o e-mail uma invasão de privacidade, ou
Os velhinhos de ontem costumam, sobretudo nos
mesmo atribuam ao e-mail os desleixos linguísticos que
fins de tarde, abrir as janelas das casas e ficar ali, ás
costumam caracterizar o e-mail.
vezes com os cotovelos apoiados em almofadas
Evitam-se as viciosas repetições do trecho acima substituindo-
esperando que algo acontecesse: a aproximação de um
se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:
conhecido, uma correria de crianças, um cumprimento,
a) lhe considerem – lhe atribuam – caracterizá-lo.
uma conversa, o pôr do sol, a aparição da lua.
b) o considerem – lhe atribuam – caracterizá-lo.
Eles se espantariam com as crianças e os jovens
c) consideram-no – o atribuam – caracterizar-lhe.
de hoje, fechados nos quartos, que ligam o computador,
d) considerem-lhe – atribuam-no – o caracterizar.
abrem as janelas da Internet e navegam por horas Por
e) o considerem – atribuam-no – lhe caracterizar.
um mundo de imagens, palavras e formas quase infinitas.
O homem continua sendo um bicho muito curioso.
213 Inesquecível aquela caixa colorida. Nós abríamos a
O mundo segue intrigando-o.
caixa, esvaziávamos a caixa, espalhávamos as pecinhas,
O que ninguém sabe é se o mundo está cada vez
e depois passávamos a empilhar as pecinhas em formas
maior ou menor. O que eu imagino é que, de suas
diversas.
janelas, os velhinhos viam muito pouca coisa, mas
Evitam-se as viciosas repetições da frase acima
pensavam muito sobre cada uma delas. Tinham tempo
substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem
para recolher as informações mínimas da vida e matutar
dada, por:
sobre elas. Já quem fica nas janelas da Internet vê
a) abríamos a mesma – esvaziávamos a mesma – lhes
coisas demais, e passa de uma para outra quase sem se
empilhar.
inteirar plenamente do que está vendo. Mudou o tempo
b) a abríamos – a esvaziávamos – empilhá-las.
interior do homem, mudou o seu jeito de olhar. Mudaram
c) abríamos-lhe – esvaziávamo-lhe – as empilhar.
as janelas para o mundo – e nós seguimos olhando,
d) a abríamos – esvaziávamo-lhe – as empilhar.
olhando, olhando sem parar, sempre com aquela
e) abríamos a ela -= esvaziávamo-la – empilhar-lhes.
sensação de que somos parte desse espetáculo que não
podemos parar de olhar, seja o cachorro de verdade que
214. A construção que NÃO admite transposição para voz
se coça na esquina da padaria, seja o passeio virtual Por
passiva é:
Marte, na tela colorida. (Cristiano Calógeras ).
a) os que vivem na expectativa da felicidade absoluta.
b) Os pensadores da antiguidade clássica deixaram-nos
218. Deve-se considerar que o tema central do texto,
um tesouro.
responsável pela sua estrutura, é
c) sigamos as coisas próximas.
A) o antigo hábito de, das janelas das casas, ficar olhando
d) E não invejemos os que estão mais alto.
tudo.
e) favorecem nossa esperança.
B) o hábito moderno de se ficar abrindo imagens da
Internet.
215. A frase que admite transposição para a voz passiva
C) o interesse permanente com que o olhar humano
é:
investiga o mundo.
a) Perto da Igreja, todos os poderosos do mundo parecem
D) a vantagem de se conhecer cada vez mais realidades
diletantes.
virtuais.
b) A Concordância poderá incluir o retorno do ensino religioso.
E) a evidência de que o mundo se torna cada vez mais
c) Há estatísticas controvertidas sobre esse poder
compreensível.
eclesiástico.
d) Não são incomuns atos religiosos com finalidade
219. O trecho em que se expressa um alternativa é:
política.
A) Eles se espantariam com as crianças e os jovens de
e) O Brasil é um pais estratégico para a Igreja Católica.
hoje ( ... ) ;
B) O homem continua sendo um bicho curioso;
216 Transpondo-se para a voz passiva a construção Mais
C) O que ninguém sabe é se o mundo está maior ou
tarde vim a entender a tradução completa, a forma verbal
menor.
resultante será:
D) Mudou o tempo interior do homem, mudou seu jeito de
olhar;
a) veio a ser entendida.
E) Tinham tempo para recolher as informações mínimas
b) teria entendido.
da vida e matutar sobre elas.
c) fora entendida.
d) terá sido entendida.
220. O autor não explora uma relação de oposição entre
e) tê-la-ia entendido.
os seguimentos
A) Os velhinhos de ontem / as crianças e os jovens de
217. Transpondo-se para a voz passiva a frase Ela já está
hoje.
configurando os paradigmas de uma nova época, a forma
B) ( ... ) nos fins de tarde / o pôr do sol.
verbal resultante será:
C) ( ...) viam muito pouca coisa / vê coisas demais.
a) configuraram-se.
D) ( ... ) seja o cachorro de verdade / seja o passeio
b) estão sendo configurados.
virtual.
c) têm sido configurado.
E) ( ... ) fechados nos quartos / abrem as janelas.
d) está sendo configurado.
e) foram configurados.

107
221. Transpondo-se para voz passiva a frase. Os 226. Transpondo-se para a voz passiva a construção.
velhinhos viam muito pouca coisa, a forma verbal Mais tarde vim a entender a tradução completa, a forma
resultante será: verbal resultante será
A) era vista; A) veio a ser entendida.
B) eram vistos; B) teria atendido.
C) fora visto; C) fora atendido
D) tinha visto; D) terá sido entendida
E) tinha sido vista. E) tê-la-ia entendido

222. Os velhinhos iam para as janelas, abriam as janelas, 227. Na frase Mas aqui surge outro problema, o termo
instalavam-se nas janelas e transformavam as janelas em destaque, exerce a mesma função sintática que o
em postos de observação. termo sublinhado em:
Evitam-se as viciosas repetições da frase acima
substituindo-se os segmentos sublinhados, a) Não, não sou um conservador reacionário.
respectivamente, por: b) Tivemos tempo suficiente para ver quanto podia durar
A) abriam-lhes – instalavam-se-lhes – transformavam- um disco de vinil.
lhes. c) As fitas de vídeo perdem as cores e a definição com
B) as abriam – lhes instalavam-se – transformavam-nas. facilidade.
C) abriam-nas – instalavam-se nelas – transformavam- d) Um congresso recente, em Veneza, dedicou-se à
nas. questão daefemeridade dos suportes de informação.
D) lhes abriam – instalavam-se nelas – transformavam-
lhes. 228. Ao utilizar pela primeira vez um aeroporto, o novato
E) abriam-nas – nelas se instalavam – lhes percorre o aeroporto como de estivessem num labirinto,
transformavam. buscando tornar o aeroporto familiar aos seus olhos,
aplicando seus olhos na identificação das rampas,
223. Está correto o emprego da expressão sublinhada na escadas e corredores em que se sente perdido. Evitam-se
frase as viciosas repetições do texto substituindo-se os
A) Vovó é do tempo de onde as pessoas ficavam elementos destacados, na ordem dada, por:
demoradamente nas janelas da casa. a) o percorre – o torna – aplicando-lhes.
B) Os meninos de hoje talvez não entendam o por que b) o percorre – tornar lhe – aplicando-os.
de os velhinhos ficarem à janela. c) o percorre – torná-lo – aplicando-lhes.
C) Eram simpáticas aquelas casinhas aonde as janelas d) percorre-o – torná-lo – aplicando-o.
davam diretamente para a calçada.
D) Praticamente não mais se constroem casas cujas as 229. De repente, foi assaltada por um adolescente. A
janelas se abram sobre a calçada. expressão destacada tem valor de:
E) São raras as casas em cujas janelas as pessoas a) substantivo
fiquem observando a vida das ruas. b) adjetivo
c) adverbial
224. Quanto à necessidade do uso do sinal da crase, a d) pronominal.
frase inteiramente correta é:
A) Não se sabe à partir de quanto as janelas perderam a 230. Considere as seguintes frases:
sua condição de posto de observação do mundo; 1- O autor lamenta a situação dos jovens de hoje, que
B) Já não interessa à muita gente ficar olhando a vida a vivem o tempo como uma espécie de presente contínuo.
partir da janela de uma casa; 2- Ao final do século XIX, ocorreu o esquecimento dos
C) Os velhinhos ficavam assistindo à tudo das janelas, mecanismos sociais que vinculam nossa experiência
para onde levam almofadas; pessoal .
D) Das janelas assistia-se à vontade à movimentação das 3- Preservemos a memória do passado, cujas
pessoas na rua; experiências encerram lições ainda vivas.
E) Antigamente, à despeito de não haver muito o que
fazer, as pessoas pareciam mais dispostas à observar os A eliminação da vírgula acarretará alteração de sentido
detalhes do mundo. apenas em:
a) 1.
225... que segundo cientistas, a terra registre 50 mil b) 2.
tremores todos os anos... c) 3.
d) 1 e 3.
O verbo flexionado nos mesmos tempo e modo em que
se encontra o grifado acima está na frase: 231. Em ¨vem caindo devagar / tão devagar vem caindo /
A)... e esse número não esteja aumentando. que dá tempo a um passarinho...¨, a palavra que dá ideia
B)... o acesso ao conhecimento era mínimo. de/;
C)... e, por isso, teme. a) comparação
D)... que lembra o dos profetas religiosos. b) oposição
E)... porque come carne. c) consequência
d) causa

108
232. Transpondo para a voz passiva a frase: haveriam de 238. A oração destacada em: ―...disse ao cocheiro que
comprar, ainda, um trator maior. esperasse.‖ É subordinada:
a) comprariam
b) comprar-se-ia a) subjetiva.
c) haveria de ser comprado b) objetiva direta.
d) teria sido comprado. c) completiva nominal.
d) objetiva indireta.
233. Observe as duas orações abaixo:
1- Os fiscais ficaram preocupados com o alto índice de 239. Eu fui para casa, eles não.
sonegação.
1.Período com duas orações.
2- Houve uma sensível queda na arrecadação do icm.
2. Eu e Eles são pronomes.
3. Para é preposição.
Quanto ao predicado, eles classificam-se:
a) apenas a 1ª alternativa é correta.
a) nominal e verbo-nominal. b) apenas a 2ª alternativa é correta.
b) nominal e verbal. c) apenas a 3ª alternativa é correta.
c) verbal e nominal. d) todas são corretas.
d) verbo-nominal e nominal
240. O verbo haver ou o verbo existir não estão de acordo
234. Marque a alternativa em que a palavra tenha que ser coma norma culta na opção;
acentuada.
a) caju a) Se houvesse melhores condições, poderiam existir
b) Pitu melhores resultados.
c) hifen a) Se existissem melhores condições poderia haver
d) hifens melhores resultados.
c) Se houvesse melhores condições, existiriam melhores
235. (J. C. Flauzino) Marque certo ou errado para as resultados.
afirmações abaixo: d) Se houvesse melhores condições, poderia existir
01) ( ) Todos o acham orgulhoso.(predicado verbo- melhores resultados.
nominal) e) Se pudesse haver melhores condições, existiriam
02) ( ) Sua intervenção foi considerada inoportuna.(pred. melhore resultados.
Verbal)
03) ( ) Ele foi eleito deputado.(pred. verbo-nominal) 241. Assinale a alternativa cuja oração subordinada é
04) ( ) Assistimos à cena estarrecidos.(pred. Verbal) substantiva predicativa.
05) ( ) Dormiram preocupados com o resultado do
a) Espero que venhas hoje.
jogo.(pred. Nominal)
b) O aluno que trabalha é bom.
c) Eu desejo é que te formes logo.
236. Indique a alternativa cujos elementos completam d) És tão inteligente como teu pai.
corretamente as lacunas abaixo. e) n. d. a.
Asseguro. ___ você que compete ___ ela, em relação___ 242 ―Pode-se dizer que tarefa crítica é puramente
esta situação, tomar as providências necessárias. formal.‖.

a) à, a, à. No trecho, temos uma oração :


b) à, a, a.
c) a, à, à. a) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora.
d) a, a, a. b) substantiva predicativa, índice de indeterminação do
e) a, a, à. sujeito.
c) relativa, pronome reflexivo.
237. Vende tudo, Henrique! d) substantiva subjetiva, partícula apassivadora.
e) adverbial consecutiva, índice d indeterminação do
Função sintática. Os termos grifados são sujeito.
respectivamente:
243 ‖Não examinava nem cheirava: engolia com
a) complemento verbal e sujeito. voracidade.‖ A expressão com voracidade indica
b) adjunto adverbial e vocativo. circunstância adverbial de:
c) adjunto adverbial e sujeito.
a) causa;
d) complemento verbal e vocativo.
b) condição
e) complemento verbal e aposto.
c) concessão;
d) tempo;
e) modo.

109
244. Assinale a alternativa que completa adequadamente 250. O Sujeito é indeterminado na opção:
as lacunas do seguinte período. a) Não desbravaram o sertão os bandeirantes.
b) Choviam balaços sobre a cidade desapercebida.
Algumas pessoas não determinam ...provém sua c) Hão de existir provas mais aceitáveis.
insatisfação, por que não sabem ... vão os sentimentos, d) Falam mal de nós, mas ninguém apresenta provas do
nem ... mora a consideração pelo próximo. que propalam.
a) donde, onde, onde e) Os astronautas visitam, neste momento, Brasília. Estão
b) donde, aonde, onde entusiasmados. Dizem que Brasília parece um sonho...
c) aonde, onde, aonde
d) aonde, aonde, aonde 251. Em ―Ouviram do Ipiranga as margens plácidas/ de
e) donde, aonde, aonde um povo heroico o brado retumbante...‖, o sujeito:
a) é inexistente;
245. Todos os pares de palavras obedecem à mesma b) está elíptico;
regra de acentuação, EXCETO: c) é indeterminado;
d) está expresso.
a) fé – trás.
b) maré – além. 252. Assinale a alternativa em que há uma oração com
c) distância – cemitério. predicado verbo-nominal:
d) saída – Luís. a) O amor estava calmo naquela manhã.
e) faróis – insensíveis. b) Nenhum navio partiu ontem.
c) Achei esse sujeito muito antipático.
246. A gíria que ________ pouco empregavam reflete d) O homem ficou furioso com a brincadeira.
bem as mudanças ________ vem passando a nossa e) Ele terminou o trabalho ontem à tarde.
sociedade.
a) a – por que Uma pesquisa recente, feita entre os cem homens
b) há – porque mais influentes do país, revelou que 42% dos integrantes
c) à – por que da elite brasileira acham que ―investir em educação‖
d) a – porque constitui o melhor caminho para mudar o Brasil e acabar
e) há – por que com a miséria, e que a ―valorização da educação‖ é aquilo
que os países do primeiro mundo têm de mais admirável.
247. O João é jogador disciplinado. – o artigo transmite O problema é que, de todos os índices degradantes que
ideia de: compõem a radiografia do Brasil, a educação talvez seja
o mais vergonhoso.
a) admiração O Brasil tem 19,7milhões de analfabetos com
b) indeterminação. mais de 14 anos. Dos 137,3 milhões que sabem assinar o
c) intimidade. próprio nome, 60% (ou cerca e 90 milhões) são
d) inferioridade. ―analfabetos funcionais‖ – incapaz e de escrever, por
e) superioridade. exemplo, uma carta.
A educação é um dos três indicadores de
248. Nos trechos: progresso que medem o ―índice de desenvolvimento
humano‖ de um país, de acordo coma ONU. Os outros
E fui eu que o descobri dois são renda per capita e expectativa de vida – e em
Veja,murmurou o mineiro... ambos a colocação do Brasil é lastimável.
E Vou-lhe mostrar...
253. Com base nas ideias do texto, julgue os itens a seguir.
as palavras destacadas têm respectivamente, funções de: I- O Brasil poderá diminuir a miséria se investir mais em
a) objeto direto, adjunto adnominal, objeto indireto. educação.
b) objeto direto, objeto direto, objeto indireto. II- 42% da elite brasileira está investindo em educação
c) adjunto adnominal, adjunto adnominal, adjunto para que esta seja mais valorizada.
adverbial. III- Os homens mais influentes de um país reconhecem as
d)adjunto adnominal, adjunto adnominal ,objeto direto. verdadeiras necessidades de sua sociedade.
e) objeto indireto, objeto direto, objeto indireto. IV- Não basta ser considerado alfabetizado para saber
escrever uma carta.
249. A substituição do verbo HAVER por EXISTIR na V- a redução do número de analfabetos será suficiente
frase‖ Pode haver outros mundos além do nosso‖: para que o Brasil seja considerado país de primeiro
a) determinará uma alteração semântica e sintática; mundo, de acordo com os critérios da ONU.
b) determinará uma alteração sintática, mas não
semântica; A quantidade de itens certos é igual a
c) determinará uma alteração semântica, mas não a) 1.
sintática; b) 2.
d) não determinará qualquer alteração; c) 3.
e) não é sintaticamente aconselhável. d) 4.
e) 5.

110
254. Indique a alternativa cujos elementos completam Artigo XXIII
corretamente as lacunas abaixo.
§1º Todo homem tem direito ao trabalho, à livre
Asseguro ___ você que compete ___ ela, em relação___ escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de
esta situação, tomar as providências necessárias. trabalho e à proteção contra o desemprego.
§2º Todo homem, sem qualquer distinção, tem
a) à, a, à.
direito a igual remuneração por igual trabalho.
b) à, a, a. §3º Todo homem que trabalha tem direito a uma
c) a, à, à. remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim
d) a, a, a. à sua família, uma existência compatível com a dignidade
e) a, a, à. humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros
meios de proteção social.
255. Transpondo para a voz passiva a frase ―A comissão §4º Todo homem tem direito a organizar
deverá apurar as irregularidades‖, obtém-se a forma sindicatos e a neles ingressar para proteção de seus
verbal: interesses.
a) serão apuradas;
b) deverão ser apuradas; 261. Quanto ao emprego das palavras e expressões no
texto, julgue os itens abaixo.
c) irá apurar;
d) irão ser apurada;
I. São cinco os direitos do homem expressos no primeiro
e) deverão apurar parágrafo do texto.
II. Na oração subordinada adjetiva ―que trabalha‖ restringe
256. Em ―Ela mesma apresentou aquela proposta‖, os a expressão antecedente, ―Todo homem‖, o que justifica o
termos em destaque são: fato de não estar entre vírgulas.
a) pronome possessivo – pronome demonstrativo; Ill. O verbo ―acrescentarão‖ está no plural porque deve
b) adjetivo – pronome demonstrativo; concordar com seu sujeito, ―outros meios de proteção
c) pronome demonstrativo – pronome possessivo; social‖
d) advérbio – adjetivo; lV. A palavra ―homem‖, em todos os parágrafos do artigo,
e) pronome demonstrativo – pronome demonstrativo. está sendo utilizada no texto na acepção de ser humano,
seja do sexo masculino seja do sexo feminino.
257. Em: ‖Somos o que somos‖, o termo em destaque é:
A quantidade de itens certos é igual a.
a) artigo definido; a) 1.
b) pronome pessoal oblíquo; b) 2.
c) pronome demonstrativo; c) 3.
d) pronome relativo; d) 4.
e) partícula de realce.
262 Classifique os verbos quanto à predicação na frase:
258. Há concordância inadequada em: ―Não agradou ao dono da casa o café que criada fez‖.
a) conflito e guerras crônicas.
b) conflito e guerra crônicos. a) ―agradou‖ – transitivo indireto; ―fez‖ – transitivo direto;
c) guerras e conflitos crônicas. b) ―agradou‖ – transitivo indireto; ―fez‖ – transitivo indireto;
c) ―agradou‖ – intransitivo; ―fez‖ – intransitivo;
d) guerras e conflito crônico.
d) ―agradou‖ – transitivo direto; ―fez‖ – intransitivo;
e) guerras e conflitos crônicos.
e) ―agradou‖ – intransitivo; ―fez‖ – transitivo indireto.
259. Só compramos frutas que estão maduras. 263. Assinale a alternativa em que ocorra sujeito
composto:
A oração grifada é:
a) a principal do período. a) Deus, Deus, que farei de minha vida?
b) subordinada adjetiva restritiva. b) Comprei livros, quadros e obras de arte.
c) subordinada adverbial temporal. c) Nós, os homens do futuro, venceremos.
d) subordinada substantiva completiva nominal. d) Saíram João e Maria.
e) Ontem apareceu João e José, hoje.
260. No pronome indefinido ninguém temos:
264. Cortou a árvore a machado.
a) 1 ditongo decrescente oral;
a) substantivo - sujeito
b) 1 tritongo nasal; b) substantivo – objetivo indireto
c) 1 ditongo crescente nasal; c) adjetivo – sujeito
d) 1 ditongo decrescente nasal; d) adjetivo – objeto direto
e) 1 hiato. e) substantivo – objetivo direto

111
265. Há oração subordinada substantiva apositiva em: a) O menino quebrou o copo.
a) Na rua, perguntou-lhe em tom misterioso: Onde b) A mulher caiu da ponte
poderemos falar à vontade? c) O homem é professor
b) Ninguém reparou em Olívia: todos andavam como d) O menino pintou a bola
pasmados.
c) As estrelas, que vemos através da folhagem, parecem
272. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha verbo
grandes olhos curiosos.
d) Em verdade eu tinha fama e era valsista emérito; não de ligação acidental:
admira que ela me preferisse.
e) Sempre desejava a mesma coisa: que a sua presença a) Ela anda triste.
fosse notada. b) Ela continua doente
c) Fiquei triste.
266. Considere as seguintes frases: d) Ele parece feliz
1- O autor lamenta a situação dos jovens de hoje, que
vivem o tempo como uma espécie de presente contínuo. 273. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha verbo
2- Ao final do século XIX, ocorreu o esquecimento dos transobjetivo:
mecanismos sociais que vinculam nossa experiência a) O prefeito nomeou José Carlos Flauzino secretário.
pessoal .
b) Caíram bombas sobre a casa.
3- Preservemos a memória do passado, cujas
c) Ele mordeu a menina.
experiências encerram lições ainda vivas.
d) O menino virou o carro.
A eliminação da vírgula acarretará alteração de sentido
apenas em: 274. (J. C. Flauzino) Classifique os verbos.
a) 1. a- O sol despontou.
b) 2.
c) 3. b- A criança chora.
d) 1 e 3.
c- Os feirantes tiveram lucro.
267. Em "vem caindo devagar / tão devagar vem caindo /
que dá tempo a um passarinho...", a palavra que dá ideia d-Poucos viram o cometa Halley.
de/;
a) comparação
b) oposição e- Os professores precisam de melhores salários.
c) consequência
d) causa f- Todos nós precisamos de respeito.

268. ―Pode-se dizer que tarefa crítica é puramente g- Não concordo com você.
formal.‖.
h- Escrevi um bilhete a um amigo.
No trecho, temos uma oração:
a) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora. i- As crianças receberam elogios de seus pais.
b) substantiva predicativa, índice de indeterminação do
sujeito.
j- Explicaram a história ao Rafael.
c) relativa, pronome reflexivo.
d) substantiva subjetiva, partícula apassivadora.
e) adverbial consecutiva, índice d indeterminação do l- Dei um dinheiro ao menino.
sujeito.
m- O atleta surge radiante.
269. (J. C. Flauzino) Marque a alternativa que contenha
glide. n- Os adultos rejeitaram os livros.
a) maio
b) ciência O- O meteorologista anunciou um belo dia.
c) rua.
d) água. p- Nós precisamos de muita ajuda.
270. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha letra
q- Brito viu a mulher e fugiu.
diacrítica.
a) ilha
b) mar s- Oferecemos nossos livros à biblioteca.
c) saída
d) rua. t- Brando e Rafael tornaram ao hotel.

271. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha verbo u- Uma nuvem escura anunciava a tempestade.
adiatético.

112
v- Ninguém mais com o problema preocupa-se. 02 Como estivesse doente, não compareceu ao serviço.

x- Ele lê mal. 03 Desde que não haja problema, voltarei cedo, Sávio.

z- Ele lê contos de fada. 04 Quanto mais distante o objeto, menor ele parece.
05 Correu para que não fosse apanhado.
275. (J. C. Flauzino) Classifique os verbos. 06 É um homem desonesto, de forma que tem má
reputação.
a- Muitos torcedores vaiaram o Ceará.
07 Embora estivesse cansado, foi à reunião.
b- Todos obedeceram ao chefe.
08 Você o conhece tão bem como eu.
c- Ela morreu de calor.
09 Fizemos o trabalho conforme o José Carlos pediu.
d- Karlla chegou tarde.
10 Não sei se ele voltará.
e- Karlla saiu de casa pela manhã.
11 O voo era impossível, já que não havia piloto
disponível.
f- José Carlos mordeu a menina .
12 O rádio anunciava o terremoto, enquanto a cidade
276. (J. C. Flauzino) Classifique as conjunções ainda não sentia nenhum tremor.
coordenadas.
13 Não venderemos o apartamento, caso a Elaine
01. Não veio nem telefonou. compre.

02. A peça foi boa, contudo não agradou aos 14 Embora soubéssemos o final, lemos a obra com
espectadores. atenção.

15 Preparamo-nos para que a discussão fosse bem legal.


03. Corra, que vai chover!
16 Se a televisão não apresentasse tanto filme enlatado,
04. Ele não deve ter comido muito, pois já está com muita o seu nível seria melhor.
fome.
17 Quando Débora acordou, os lençóis estavam
05. Não tenho um centavo; não viajarei, pois. molhados.

06. Ora xingava a mãe do juiz, ora reclamava dos 18 Tamanho era o medo que Diana Paula teve que fazer
jogadores, queixa contra o cachorro.

07. O pai procurou o filho e humildemente pediu-lhe 19 Quanto mais Brito chorava, mais o Rafael ia perdendo
a paciência.
desculpas.
20 O coração envelhece como os outros músculos.
08. Não corra, que é perigoso.
21 Segundo noticiou o jornal, que José Carlos Flauzino
09. O professor não só veio como vai dar prova. era o professor mais bonito do curso.

10. Ele foi eleito, porém suas loucuras não tinham o apoio 22 Você gaguejou tanto que não explicou nada.
da população.
23 O único terno do rapaz rasgara, de modo que não iria
11. Os preços das verduras estão altos; portanto, o seu ao baile
consumo caiu. .
24 Quanto mais se vive, mais se aprende.
12. Esperei-a; ela, porém, não veio.
VOCAÇÕES
13. Estudem, porque em breve farão a prova da guarda. Na época do vestibular, minha sobrinha resolveu
optar pelo curso de enfermagem. – por que não
277. Classifique as conjunções subordinadas. Medicina? – foi a infalível pergunta de muitos parentes e
amigos. Moça paciente, explicou que não queria ser
01 Quando ele chegou, eu saí. médica, queria ser enfermeira. Formou-se com brilho, fez
proveitoso e bem sucedido estágio e hoje trabalha em um

113
grande hospital de São Paulo. Mas ainda tem, vez ou
outra, de explicar por que não preferiu ser médica. Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que afirma
Muita gente não leva a sério essa tal de vocação. em:
Ela levou. Poderia ter entrado, sim, no curso de medicina: a) I
sua pontuação no vestibular deixou isso claro. Mas b) II
alguma coisa dentro dela deve ter-lhe dito: serei uma c) III
ótima enfermeira. E assim foi. Confesso que admiro por d) I e II
ter seguido essa voz interior que nos chama para este e) II e I
caminho, e não para aquele. Poucas pessoas têm tal
discernimento quanto ao que efetivamente querem ser. 280. Deve-se entender, no contexto do último parágrafo,
Em geral são desviadas dessa voz porque acabam que as frases Ela não trabalha “para” atingir algum
cumprindo expectativas já prontas, mais convencionais. objetivo e não trabalha “para” viver sustentam a
Calculam as vantagens, pecuárias ou relativas ao status, argumentação de que o sentido do trabalho da sobrinha:
fazem contas, avaliam ―objetivamente‖ as opções e a) prende-se a inúmeras finalidades;
acabam decidindo pelo que parece ser o mais óbvio. Mas b) justifica-se em si mesmo;
se esquecem, justamente, da mais óbvia pergunta: Serie c) é buscado sem muito critério;
feliz? É exatamente isso que eu quero? Da falta desse d) não tem finalidade definida;
fecundo momento de interrogação saem os profissionais e) é valorizado como improvisação.
burocráticos, sonolentos em seu ofício, vagamente
conformados, que passam a levar a vida, em vez de vivê-
la. 281. Se na frase ―Se você recolher um cachorro‖,
Em meu último encontro com a sobrinha pude ver substituirmos o complemento grifado, pelo pronome
que ela está feliz. Faz exatamente o que gosto, leva a oblíquo adequado, a forma correta dessa frase será:
sério umas dais mais exigentes profissões do mundo e se a) Se você recolher-lo
realiza a cada dia com ela. E vejam que atua numa b) Se você recolher-lhe
especialidade das mais penosas: oncologia infantil. Desde c) Se você o recolher
seu estágio, envolveu-se com pequenos pacientes, por d) Se você lhe recolher
quem tem grande carinho. Tenho certeza de que eles
encontram nela mais do que o apoio da profissional 282.. Assinale a opção em que houve erro, ao se
competente; veem-na, certamente, como aquela irmã substituir a expressão grifada pelo pronome oblíquo.
mais velha e indispensável nas horas difíceis.
Quando nossa vocação real é atendida, o trabalho a) Estimam seu torrão / estimam-no
não enfada, não pesa como uma maldição. Cansativo que b) Fazer conhecidos seus costumes / fazê-los
seja, sentimos que estamos no ofício que é nosso, que conhecidos
nos ocupamos com algo que nos diz respeito e que, em c) viu os partidos / viu-os
larga medida, nos define com sujeito. Não é pouco; é d) sorver o ar ácido / sorver- lhe.
quase tudo. É o que parece dizer o olhar franco, aberto e
feliz dessa jovem enfermeira. Ela não trabalha ―para‖ 283. Dê a classificação das conjunções e locuções
atingir algum objetivo, não trabalha ―para‖ viver, ―para‖ conjuntivas.
ganhar a vida. Trabalhando, ela já ―é‖. E isso não é
invejável? 1. Malgrado estivesse triste, recebeu os amigos com
(Valentino Rodrigues) sorrisos.

278. Um dos entraves à realização plena de uma 2. A não ser que ele esteja doente, sua ausência torna-
vocação está: se inexplicável.
a) no enfado que costuma advir dos trabalhos
desmotivados. 3. Como a criança dormiu, os pais puderam ver televisão.
b) no convencionalismo que rege os critérios de escolha.
c) na importância que conferimos à nossa realização com 4. Ele não somente esteve aqui, como cumprimentou
sujeitos. todos.
d) no descanso que demonstramos em relação às
vantagens materiais. 5. Ele esteve aqui, mas não cumprimentou ninguém.
e) no atendimento do que identificamos como nossa voz
interior. 6. A direção do curso não nos participou se haverá aula.
7. A direção nos lembrou o horário das aulas porque não
279. Atente para as seguintes afirmações: nos atrasássemos.
I. O caso da sobrinha do autor é um exemplo da
falta desse fecundo momento de interrogação; 8. Ele bebeu, que passou mal.
II. Depreende-se do texto que a negligência quanto à
vocação autêntica nasce do fato de que as 9. Segundo informou a direção, no próximo sábado
pessoas passam a levar a vida, em vez de vivê-la; haverá aula.
III. No trabalho vocacionado, a preocupação com
metas a serem alcançadas dá lugar à plena 10. Eles já tomaram todas as precauções, portanto não
realização da vivência cotidiana. haverá problemas.

114
11. Ficaremos aqui ou voltaremos para casa. a) foram sendo organizados
b) estavam sendo organizados
12. Estudem bastante, porquanto o edital será publicado c) foram organizados
na próxima semana. d) tinham sido organizados
e) eram organizados
13. Os candidatos devem estudar como os já aprovados.
290. Transpondo para a voz ativa a frase: ―Os
14. Mal a criança começou a ver o desenho, dormiu. pretendentes ao cargo teriam sido cadastrados pelo
coordenador‖, obtém-se a forma:
15. Quanto mais estudamos, mais possibilidades temos a) cadastraria
de passar. b) terá cadastrado
c) seriam cadastrados
16. À medida que os políticos enriquecem, o povo d) teria cadastrado
empobrece. e) tinha cadastrado
17. Fizemos muito mais do que efetivamente deveríamos
fazer. 291. Correlacione.
(1) SUJEITO SIMPLES
18. Ora estudamos, ora trabalhamos. (2) SUJEITO COMPOSTO
(3) SUJEITO INDETERMINADO
284. Transpondo para voz passiva a frase: Haveria de (4) SUJEITO INEXISTENTE
comprar, ainda, um trator maior, a forma verbal é: ( ) Admitiu-se o erro.
( ) Chegou-se a uma triste conclusão.
a) comprariam ( ) Faz três meses da volta de Manoel.
b) haveria de ser comprado ( ) Choveram pedras nesta briga terrível.
c) teria sido comprado ( ) Ventava todos os dias em Granada.
d) ter-se-ia comprado ( ) Derrubaram mais um governo na América Central.
( ) Tim Maia e sua banda não compareceram a outro
285. Transpondo para voz passiva a frase: Eu estava espetáculo.
revendo as provas, obtém-se a forma verbal: ( ) Não se pedem favores nesta firma.
a) ia revendo ( ) Não se acreditou em nenhuma de suas palavras.
b) estava sendo revisto
c) estavam sendo revistas 292. Entre as frases abaixo, somente uma apresenta
d) comecei a rever sujeito indeterminado. Assinale-a.
a) Há a marca da vida nas pessoas.
286. Transpondo para a voz passiva a frase: ―Haveriam b) Não se necessita de lavadeira.
de comprar, ainda, um trator maior‖, obtém-se a forma c) Vai um sujeito pela rua.
verbal: d) Não se engomou seu paletó.
a) comprariam e) Pede-se um pouco de paciência.
b) comprar-se-ia
c) teria sido comprado 293. Na oração ― Mas uma diferença houve‖, o sujeito é:
d) ter-se-ia comprado a) agente;
e) haveria de ser comprado b) indeterminado;
c) paciente;
287. Transpondo para a voz passiva a frase: ― Eu estava d) inexistente;
revendo, naquele momento, as provas tipográficas do e) oculto.
livro‖, obtém-se a forma verbal:
a) ia revendo 294. Numa oração do tipo: ―As meninas assistiram
b)estava sendo revisto alegres ao espetáculo‖, temos:
c) seriam revistas a) predicado verbal;
d) comecei a rever b) predicado verbo-nominal;
e) estavam sendo revistas c) predicado nominal.
d) não foi classificado corretamente pelos itens acima.
288. Transpondo para a voz passiva a frase:
―A assembleia aplaudiu com vigor as palavras do 295. Correlacione.
candidato‖, obtém-se a forma verbal: (1) complemento nominal
a) foi aplaudido (2) Adjunto adnominal
b) aplaudiu-se ( ) A construção da ponte foi benéfica a todos.
c) foram aplaudidas ( ) A construção do engenheiro foi elogiada por todos.
d) estava aplaudindo ( ) A invenção da vacina demonstra os avanços da
e) tinha aplaudido medicina.
( ) A invenção de Pedro resolveu o problema.
289. Transpondo para a voz passiva a frase: ―O auxiliar
( )Ninguém entendeu a resolução do problema.
judiciário estava organizando os arquivos‖, obtém-se a
( ) Ninguém entendeu a resolução do professor.
forma verbal:

115
296. 303. Marque a frase que possui pronome apassivador.
( 1 ) PREDICADO NOMINAL a) Precisa-se de pessoas.
( 2 ) PREDICADO VERBAL b) Não se delegue às escolas a missão exclusiva.
( 3 ) PREDICADO VERBO-NOMINAL c) Come-se muito bem em diversas regiões do Brasil
d) Vive-se muito bem aqui.
( ) Ficarei aqui.
( ) Ficarei extremamente assustado. 304. Marque a frase em que o ―se‖ seja índice de
( ) Ela anda muito perturbada ultimamente. indeterminação do sujeito.
( ) Ela anda todos os dias em volta do Maracanã. a) Tratava-se de problemas de difícil resolução.
( ) Ela anda todos os dias apressada em volta do b) Come-se bolo na escola daquela rua.
Maracanã. c) Aluga-se naquela empresa carro.
( ) Ele sempre chega atrasado ao trabalho. d) Vende-se livro ao menino.
( ) Permaneceu calado diante do problema.
( ) Permaneceu no Rio de Janeiro por motivos 305. Marque as frases que contenham verbo de
particulares. ligação.
( ) Ele pedirá este favor a você extremamente a) ( )Ela anda em frente de casa.
envergonhado. b) ( ) Muitos andam tristes pela ausência de perspectiva.
( ) Achamos o livro muito bom. c) ( ) O carro virou na esquina com a rua Dom João.
d) ( ) Ele passava por sábio.
297. Correlacione. e) ( ) não banque o tolo.
( 1 ) AGENTE DA PASSIVA f) ( ) Ela continua na escola.
( 2 ) APOSTO g) ( ) Ela dormiu na casa do namorado.
( 3 ) VOCATIVO
( ) ―Jesus Cristo, Jesus Cristo, eu estou aqui‖(Roberto 306. Marque a frase que contenha verbo copulativo.
Carlos). a) As luzes da cidade surgiram à nossa frente.
( ) Jesus Cristo, o ser mais sábio de todos os tempos, b) Eles invadiram a loja.
deu-nos grandes ensinamentos. C) Eles estavam furiosos.
( ) Eu fui ensinado pela vida. d) Eles invadiram o curso.
( ) Manoel já era conhecido de todos.
( )Tu moras na rua Barata Ribeiro? 307 Marque a frase que contenha verbo transobjetivo.
( ) Que fazes aqui, Manoel a) O prefeito nomeou Luciano secretário.
b) O homem comeu o bolo.
298. Assinale o item em que há oração sem sujeito. c) Todos gostavam da menina.
a) Precisa-se de ajudante de pedreiro. d) Ele vendeu o carro.
b) O céu está nublado.
c) A noite de ontem foi muito animada. 308 Marque o item que contenha respectivamente
d) Basta de tantas perguntas. substantivos:
Próprio, abstrato, simples e derivado.
299. Observe atentamente o período: Pouco a pouco, a) Marcelo, gravidez, porquinho, ferramenta.
o ferro do proprietário queimava os bichos de b) Rio de Janeiro, Deus, aguardente, ferreiro.
Fabiano. O sujeito da oração é: c) São Paulo, alma, menino, pedreiro.
a) o ferro d) Karlla, amor, cidade, rua.
b) os bichos
c) o ferro do proprietário 309. Marque a frase que contenha adjetivo explicativo.
d) Fabiano a) suco amargo.
b) leite branco.
300. Assinale a oração sem sujeito. c) trabalhador desanimado
a) Elegeram os índicos do prédio d) sangue contaminado.
b) A mulher continua esquiva
c) Passavam dez horas.
d) Passava das dez horas da noite. 310. Marque a frase em que o uso do artigo esteja
301. Assinale a oração com sujeito inexistente errado.
a) Vai para quinze anos que ele conseguiu ser aprovado. a) O jovem leu todo o romance de Machado de Assis.
b) Há de existir uma saída. b) O diretor puniu ambos os alunos.
c) Faltam dois carros aqui. c) Aquele é o menino cujo o pai faleceu.
d) Choveram homens na sala. d) A menina é muito linda.

302. Marque a frase que contenha sujeito simples. 311. Identifique a frase que contenha pronome
a) Vão ocorrer dois memoráveis eventos no centro. demonstrativo.
c) Vai haver dois memoráveis eventos no centro. a) O aluno não aceitou sua reprovação.
c) Choveu muito no Rio de Janeiro. b) Eu costurei minha meia e cortei meu colar.
d) Sempre haverá pessoas honestas. c) Vossa Senhoria já assinou os papéis.
d) Ele era o tal Alvarenga.

116
312. (J. C. Flauzino) Marque a frase que contenha
verbo vicário. 318. Quanto mais antigo o Estado, mais atividades são
a) O pouco que aprendi foi com meu velho pai. deixadas à iniciativa privada.
b) Rafael anda no centro da cidade. ( ) certo ( ) errado.
c) O homem comeu a uva estragada.
d) Karlla saiu de casa com o José Carlos Flauzino. Texto para as questões

313 A chancela da representatividade, que o legitima os A denúncia da Anistia Internacional quanto à


legisladores, não os autoriza em hipótese alguma a prática, no Brasil, de torturas execuções por esquadrões
duplicar os vícios sociais. da morte de modo algum surpreende as autoridades
governamentais. É fato notório que as violações aos
Nessa frase, são exemplos de uma mesma função direitos humanos se sucedem no país com frequência
sintática os termos. indesejável, embora diante da reação indignada da
a) os legisladores e os vícios sociais. sociedade e dos órgãos oficiais e encarregados de
b) A chancela e os legisladores. reprimi-las. Desde a criação da Comissão de Defesa de
c) da representatividade e autoriza. Direitos Humanos no âmbito do Ministério da Justiça, já lá
d) em hipótese alguma e da representatividade. se vão mais de três anos, os atentados contra a dignidade
e incolumidade física das pessoas têm diminuído.
Com o restabelecimento da legalidade
TEXTO PARA AS QUESTÕES democrática, após os anos de vigência do regime militar,
instalou-se outro comportamento. Leis específicas e
Nos séculos XVI XVII, os escritores dos ações concretas têm sido adotadas para prevenir e punir
chamados fundamentos do Direito Internacional os desrespeitos às prerrogativas humanas da pessoa. Os
sustentavam o ideal da civitas máxima gentium, inquéritos de organizações internacionais em torno do
constituída de seres humanos organizados sociamente problema passaram a servir de impulso ao sistema de
em estados e coextensiva com a própria humanidade. garantias contra abusos do gênero.
Nenhum Estado pode considerar-se acima do Direito, . No texto, o objeto da denúncia da Anistia Internacional é
cujas normas têm por destinatários últimos os seres explicitado de várias maneiras. Em cada um dos itens
humanos. abaixo, julgue se o trecho destacado corresponde o
(Antônio Augusto Cançado Trindade. O Acesso direto à justiça objeto da denúncia.
internacional.
Correio Braziliense, 6/8/2001. Direito & Justiça, p. 1, com
adaptações) 319. ―à prática (...) de torturas e execuções por
esquadrões da morte‖
314. Na forma verbal ―sustentavam‖ está empregada no ( ) certo ( ) errado.
plural porque deve concordar com ―fundamentos¨.
( ) certo ( ) errado. 320. ―violações aos direitos humanos‖.
( ) certo ( ) errado.
315. A vírgula na primeira linha do texto é facultativa.
( ) errado ( ) certo. 321. ―atentados contra a dignidade e incolumidade física
das pessoas‖.
316. O verbo sustentavam é um verbo transitivo direto. ( ) errado ( ) errado.
( ) errado ( ) certo
322. ―legalidade democrática‖.
Texto para as questões
( ) errado ( ) certo.
Os Estados e a União não têm recursos para
coisa nenhuma. Hoje em dia, com essa preocupação
neoliberal de Estado mínimo, de redução das atividades 323. Assinale a opção correta para a pontuação.
públicas, de sucateamento da máquina pública, eu faço
uma pergunta: se todas as atividades ficassem com 01. Abriu a porta lentamente, sentiu o silêncio, foi até o
iniciativa privada e o Estado fosse reduzido a uma única seu quarto, dormiu em paz.
atividade, qual seria essa atividade? A justiça, administrar
a Justiça. E isso pressupõe segurança. Se o Estado 02. O mercúrio metal líquido possui muitas utilidades.
abdicar de uma dessas funções, ele simplesmente deixa
de ser Estado. A palavra Estado existe desde Maquiavel e 03. O homem estuda, e a mulher trabalha.
significa uma nação com um governo institucionalizado e
dotada de estabilidade. Estado e estabilidade têm a 04. O amor é uma das forças motivadoras da vida.
mesma raiz. Um Estado que deixa de ter estabilidade
deixa de ser Estado. E um Estado que deixa e ter a) 1, 2, 3, 4.
segurança pública deixa de ter estabilidade. b) 1, 3, 4.
c) 1, 2, 4.
317. Os recursos dos estados são inversamente d) 2, 3, 4.
proporcionais aos recursos da União.
( ) certo ( ) errado.

117
324. Assinale a opção que preenche corretamente as 328. Observe as orações coordenadas sindéticas
lacunas correspondentes: destacadas:

A arma ___ se feriu desapareceu. / Aqui está a foto ___ 1 Ela sempre acende um cigarro, e não fuma.
2 Dormirei com dois cobertores, pois a temperatura
me referi. / Era um amigo de infância ___ nome não me
diminuirá ainda mais esta noite.
lembrava. / Passamos por uma fazenda ___ se criam As orações destacadas são respectivamente. Adversativa
e explicativa.
búfalos.
a) que – de que – cujo – que; ( ) certo ( ) errado.
b) com que – que – cujo qual – onde;
329 Mal sugeria imagem de vida, embora a figura
c) com que – a que – de cujo – onde; chorasse. É correto afirmar que a frase destacada tem
sentido concessivo.
d) que – cujas – do cujo – na cuja;
( ) certo ( ) errado.
325. Assinale a alternativa, abaixo, que, em
330. Victor fracassou porque cedeu a uma predisposição
sequência, preenche corretamente as lacunas das
da natureza humana...
seguintes frases:
- Devo obediência ______ professor. O elemento grifado acima poderia ser substituído por uma
- Não fiz referência ______. vez que.
- Os alunos estavam presentes ______ acontecimentos.
( ) certo ( ) errado.
- Continuamos fiéis ______ que são os nossos amigos.
331. Com o avançar da idade, eles precisam de mais
a) àquele – àquilo – àqueles – àqueles. cálcio e vitaminas...
Iniciando o período por Eles precisam de mais cálcio e
b) àquele – aquilo – aqueles – àqueles vitaminas, o segmento grifado poderá passar
corretamente a:
c) aquele – aquele – aqueles – aqueles
a) à medida que a idade vai avançando.
d) àquele – aquilo – aqueles – aqueles b) conquanto a idade avance.
c) se a idade for avançando.
e) aquele – aquilo – àqueles – aqueles d) ainda que a idade vá avançando.

326. Já foram registrados na floresta amazônica brasileira 332. Mal entrei na sala, começaram os aplausos!
2.500 espécies de árvore. Em apenas um hectare são O conectivo destacado poderia ser substituído por assim
encontradas trezentas espécies de vegetais diferentes, o que.
consumo e a miséria são faces da mesma moeda.
Alguns recursos naturais, renováveis ou não, são ( ) certo ( ) errado.
explorados de forma inescrupulosa e consumidos em
ritmo superior à capacidade de renovação da natureza. 333. Embora viaje o mundo inteiro, nunca conhecerá sua
Para unir as duas partes do texto de forma coerente , terra profundamente. O termo destacado poderia ser
seria utilizado a expressão no entanto. substituído por à medida que.

( ) certo ( ) errado. ( ) certo ( ) errado.

327. Observe os períodos abaixo: TEXTO PARA AS QUETÕES 334 e 335


I. Mal o leão se afastou, o rato não teve a menor dúvida.
O acesso direto dos indivíduos à jurisdição
II. Os animais devem ser adestrados, ao passo que os internacional constitui verdadeira revolução jurídica, que
seres humanos devem ser educados. lhes possibilita reivindicar seus direitos contra as
III. Não obstante haja concluído um curso superior, é manifestações do poder arbitrário, e que dá um conteúdo
capaz de redigir uma carta. ético às normas tanto do direito público interno como do
IV. Pode criticar, desde que fundamente sua crítica em direito internacional.
argumentos. A respeito das estruturas linguísticas do texto
acima, julgue os itens que se seguem.
a) tempo, proporção, concessão, condição.
b) causa , conformidade, condição, concessão. 334. Na linha 1, a inserção do artigo indefinido uma antes
c) tempo, proporção, condição, concessão. de jurisdição exigiria a retirada do sinal indicativo de
d) condição, concessão, tempo, consequência. crase.

( ) certo ( ) errado.

118
335. O pronome pessoal lhes, em uso mais formal da 343. O termo gente ( Há gente no Brasil interessada
linguagem, admite a substituição por os. em...) exerce a função de sujeito da oração em que se
insere.
( ) certo ( ) errado.
( ) errado ( ) certo
336. Desde à antiguidade, conhecer sempre foi
considerado o meio mais precioso e eficaz para vencer o
medo, a superstição e as crendices. 344. No trecho É verdade que a CE vem
desenvolvendo novas formas políticas, o emprego da
( ) certo ( ) errado. forma verbal singular É justifica-se pelo fato de essa
forma verbal não ter sujeito explícito.

337. O sol continua claro e as alturas eram mais ( ) errado ( ) certo


límpidas.
a) adjetivo – adjunto adnominal. 345. Na linha 5 do fragmento I, destaca-se, por meio da
b) advérbio – adjunto adverbial de modo. partícula expletiva é que, o sujeito simples da oração
c) adjetivo – predicativo do sujeito. absoluta. Essa criança é que chamaram de Macunaíma.
d) adjetivo – objeto direto. ( ) errado ( ) certo
e) advérbio – adjunto adnominal.
346. O segmento que agravam o efeito estufa (...
emissões de gases que agravam o efeito estufa...)
338. O emprego da partícula se em se estabeleceram. constitui oração subordinada adjetiva restritiva.
(No entanto, foi somente no século XIII que os bancos se
estabeleceram...) indica que o sujeito da oração é ( ) errado ( ) certo
indeterminado.
( ) certo ( ) errado 347. A oração que pôs a Europa em estado de
emergência médica. (A bactéria que pôs a Europa em
339. A expressão moedas mexicanas e peruanas (No estado de emergência médica...) tem caráter explicativo
extremo norte, por exemplo, continuavam sendo usadas e, por isso, poderia ser empregada entre vírgula,
no comércio moedas mexicanas e peruanas...) exerce, na mantendo-se a correção gramatical e o sentido original do
oração em que ocorre, a função sintática de sujeito. texto.
( ) certo ( ) errado
( ) errado ( ) certo
340. Quando o carteiro chegou e meu nome gritou, os
sujeitos gramaticais. Os sujeitos gramaticais o carteiro e 348. (J. C. Flauzino) A ponte a palavra acentuada pela
meu nome estão antepostos a seus respectivos mesma regra de inevitável.
predicados verbais. a) política
( ) certo ( ) errado b) verificáveis
c) países
Texto para a questão 341. d) fácil

(...) Em pleno sertão do Cariri, no sul do Ceará, um meio 349. (J. C. Flauzino) Classifique as figuras abaixo:
de transporte causa estranheza na paisagem árida. 1) O rei do futebol chegou
Cobrindo os 14 quilômetros que separam Crato e 2) O seu corpo é uma fogueira
Juazeiro do Norte, um misto de metrô e ônibus transporta 3) Ele fala como um rádio.
passageiros. Trata-se do primeiro veículo leve sobre trilho 4) O cheiro de doce e verde do capim trazia recordações
( ) do Brasil, um tipo de transporte coletivo capaz de da fazenda
melhorar o trânsito nas cidades sem acarretar tantos 5) Sentou-se no braço da poltrona
malefícios ao ambiente. Além de custar menos que o
metrô, transporta muito mais passageiros que o ônibus a) perífrase, metáfora, comparação, sinestesia, catacrese.
e é até 93% menos poluente que este.(...) b) perífrase, comparação, metáfora, sinestesia, catacrese.
c) perífrase, metáfora, comparação, metonímia, sinestesia.
341. O sujeito da oração transporta muito mais d) hipérbole, eufemismo, comparação, catacrese.
passageiros está elíptico.
( ) errado ( ) certo 350. (J. C. Flauzino) A conjunção se será classificada como:
1) Pedro só será aprovado se estudar.
342. Em Pela estreita peneira do programa só 2) Por que me enviaste para a missão se sabias que eu
passavam os realmente capazes, o sujeito da oração era fraco?
está indeterminado. 3) Não sabemos se Pedro será aprovado.
a) condicional, condicional, condicional.
( ) errado ( ) certo b) condicional, causal, integrante.
c) condicional, integrante, causal,
d) causal, integrante, condicional..

119
(J. C. Flauzino) Nas frases abaixo, marque certo ou 366. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
errado para o acento indicador de crase: palavras e expressões, julgue os itens que se
seguem.
351. Você disse alguma coisa àquele jornalista? I. A pintura moderna impressionou mais do que a antiga.
Substantivo abstrato.
( ) certo ( ) errado II. A Gioconda é uma pintura célebre. Substantivo
concreto.
352. Ainda não agradeci aquele repórter... III. Na redação deste aluno, assinalei, a lápis vermelho,
vários erros graves. Substantivo concreto
( ) certo ( ) errado IV. A redação das leis requer clareza e precisão.
Substantivo abstrato
353. Nós ainda não vimos àquelas famosas fotos.
A quantidade de itens certos é igual a:
( ) certo ( ) errado. a) 1. b) 2.
c) 3 d) 4.
354. Você já foi a Bahia. e) 0

( ) certo ( ) errado. 367. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das


palavras e expressões, julgue os itens que se
355. Em sua viagem a Europa, você foi à Itália. seguem..
I. Vi o menino. A substituição seria. vi-no.
( ) certo ( ) errado II. Não escrevi as cartas. A substituição seria. Não as
escrevi.
356. Todos devem ir à bela Santa Catarina. III. Dei o livro ao menino. A substituição seria. Dei-lhe o
livro.
( ) certo ( ) errado IV. Põe o caderno na mesa. A substituição seria. Põe-no
na mesa.
357. Muitos elogios foram feitos as professoras desta casa.
A quantidade de itens certos é igual a:
( ) certo ( ) errado. a) 1. b) 2.
c) 3 d) 4.
358 Ele trabalha das oito as dezoito horas. e) 0
( ) certo ( ) errado.
368. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
359. Ele, às vezes, escreve alguns artigos, mas, nem palavras e expressões, julgue os itens que se
todas as vezes, os publica. seguem.

( ) certo ( ) errado I. Algum de vocês fará o favor de levar-me a casa.


Pronome adjetivo.
360. Fique a vontade, meu amigo. II. Ele ainda possui algum dinheiro. Pronome substantivo.
III. Que fantasia é essa. Pronome adjetivo.
( ) certo ( ) errado IV. Que desejas aqui?. Pronome substantivo.
361. Na próxima esquina, dobre à direita. A quantidade de itens certos é igual a:
( ) certo ( ) errado a) 1.
b) 2.
362 Eu fui à pátria de Camões, tu foste à de Racine. c) 3
d) 4.
( ) certo ( ) errado e) 0

363 Ele trabalha de 5 à 6 horas. 369. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
palavras e expressões, julgue os itens que se
( ) certo ( ) errado seguem.

364 Visitaremos à casa do José Carlos Flauzino. I. Vive-se bem aqui. Sujeito indeterminado.
II. Falam mal daquela moça. Sujeito oculto.
( ) certo ( ) errado.
III. O senador votou contrariamente à pena de morte.
Objeto indireto.
365 Compramos à terra da minha tia.
IV. Naquela região faz muito frio. Oração sem sujeito.
( ) certo ( ) errado.
A quantidade de itens certos é igual a:
a) 1. b) 2.
c) 3. d) 4.
e) 0.

120
370. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
palavras e expressões, julgue os itens que se 374. (J. C. Flauzino) Com relação a concordância
seguem. verbal julgue os itens que se seguem.
I. Não se concordou com o pagamento. Partícula
apassivadora. I. Qual de nós contaremos a verdade a ela?
II. Não se fez o pagamento. Índice de indeterminação do II. Quais de nós contaremos a verdade a ela?
sujeito. III. Muitos de vós teríeis agido assim.
III. Meu amigo permanece triste. Verbo de ligação. IV. A ameaça, o terror, a agressão, nada o teriam.
IV. Ele lê mal. Verbo intransitivo.
A quantidade de itens certos é igual a:
A quantidade de itens certos é igual a: a) 1. b) 2.
a) 1. b) 2. c) 3. d) 4.
c) 3. d) 4. e) 0.
e) 0.
375. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
371. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das palavras e expressões, julgue os itens que se
palavras e expressões, julgue os itens que se seguem.
seguem. I. Quem nunca pecou nesta vida. Sujeito.
I. O armazém foi destruído por um incêndio. Agente da II. Já passava das duas horas da manhã. Sujeito simples.
passiva. III. Ele virou doido. Verbo de ligação.
II. Eu lhe entreguei o livro. Objeto direto. IV. Definiu-se o caso como impossível. Predicativo do
III. Com a seca, todo rebanho emagreceu. Adjunto objeto.
adverbial de modo.
IV. O rapaz voltou para casa angustiado. Predicativo do A quantidade de itens certos é igual a:
sujeito. a) 1.
b) 2.
A quantidade de itens certos é igual a: c) 3.
a) 1. b) 2. d) 4.
c) 3. d) 4. e) 0.
e) 0. 376. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
palavras e expressões, julgue os itens que se
372. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das seguem.
palavras e expressões, julgue os itens que se
seguem.
I Eu já consertei a peça que estava com defeito. Pronome I Crer em Deus é importante. Complemento nominal.
relativo e sujeito. II A crença em Deus é importante. Agente da passiva.
II O escrivão trouxe o documento que você pediu. III O povo necessita de atenção. Complemento nominal.
Pronome relativo e objeto direto. IV O povo tem necessidade de atenção. Complemento
III Todos viram o filme do qual você gosta. Pronome nominal.
relativo e objeto indireto.
IV Ele trouxe o livro que nós compramos. A frase não tem A quantidade de itens certos é igual a:
vírgula, pois é uma oração subordina adjetiva restritiva.

A quantidade de itens certos é igual a: a) 1.


a) 1. b) 2. b) 2.
c) 3. d) 4. c) 3
e) 0. d) 4.
e) 0
373. (J. C. Flauzino) Com relação ao emprego das
palavras e expressões, julgue os itens que se
377. (J. C. Flauzino) Marque a única frase que aceita a
seguem.
I. A festa foi cancelada porque choveu muito. O uso do voz passiva.
termo destacado está usado incorretamente. a) Faz dois anos que o menino foi embora.
II. A obra foi de encontro ao povo, por isso ele b) O homem chegou da praia peã manhã.
protestava. O uso do termo destacado está correto. c) A menina obedeceu ao pai.
III. A Criança ficou meio cansada. A palavra destacada d) Havia um aluno velho na sala.
tem valor de advérbio.
IV. É permitido a entrada de crianças. Há erro de 378. (J. C. Flauzino) Marque a única frase que
concordância nominal.
contenha verbo adiatético.
A quantidade de itens certos é igual a: a) A mulher é muito linda.
a) 1. b) 2. b) O homem corre pela rua.
c) 3. d) 4. c) A mulher saiu de casa cedo.
e) 0. d) Ele corre na rua.

121
379. Assinale o item que apresenta o pronome 19 Ficaram todos quietos.
oblíquo colocado corretamente:
a) Tudo aborrece-me nestas horas. 20 O rir e o chorar fazem parte da nossa vida.
b) Ainda que maltratem-me, nada confessarei.
21 Vive-se bem em São Paulo.
c)Muito me agradou a resposta
d) Não venha-me agora com insinuações. 22 Faz dois meses que aquela lei entrou em vigor.
e) Se prepare, que a luta será bastante difícil
23 Faz sempre muito calor no litoral.
380. Assinale a resposta correta quanto à colocação
pronominal pela norma culta da língua; 24 Quebrou-se a vidraça.

25 Mas, então, mataram o fazendeiro?


a) Não posso levar-lhe a carta
b) Não posso lhe levar a carta 26 Tive um sensação esquisita.
c) Não posso-lhe levar a carta
d) Não lhe posso levar a carta 27 Não existe pássaro assim.
e) Estão corretas as frase a e d.
28 Neste quinto centenário do descobrimento da América,
381 Mauro não estudo nada, e foi aprovado!‖ O ―e‖ fala-se com ressentimento desses assuntos.
conjunção, a oração destacada é:
29 Abra-se uma clareira azul no escuro céu no inverno.
a) adversativa;
b) conclusiva; 30 Não se trata de um injustiça histórica.
c) aditiva
d) alternativa; 31 Duvida-se de verdade indiscutíveis.

382. (J. C. Flauzino) classifique os sujeitos. 32 Choveram durante a partida pontapés.


01 Comprimia seus olhos abertos uma escuridão
compacta. 33 Existem flores que devoram insetos.

02 Sobrevoaram o lago os pequenos pássaros. 34 Havia um mistério no ar.

03 Amanhã cedo, continuaremos a viagem. 35 Pode haver poetas que pensam no desastre aéreo
como sendo arrebol.
04 Dizem muitas mentiras a seu respeito.
36 Eram cinco horas da manhã.
05 Desconfiou-se das propostas.
37 Existem na rua mulheres.
06 Reformou-se a casa.
38 Pede-se silêncio.
07 Não se farão tais acordos
. 39 Fala-se muito sobre a possibilidade de escalar a
08 Confiava-se nos amigos. montanha.

09 Houve muitos problemas. 383 ( J C Flauzino) Ao avarento não lhe peço nada.
O termo destacado tem função de objeto indireto.
10 Existiram muitos problemas.
( ) certo ( ) errado.
11 Vai fazer três meses que ele partiu.
384. (J. C. Flauzino) Ele me comunicou a questão.
12 Choveram telegramas apoiando o prefeito. O termo destacado tem função de objeto direto.
( ) certo ( ) errado.
13 Não se fez o pagamento.
385. (J. C. Flauzino) Na frase ¨... Eu vi ele... ¨. A frase
14 Precisa-se de professores. ficaria correta ¨ Eu lhe vi ¨.

15 Faz invernos rigorosos no sul do Brasil. ( ) certo ( ) errado.

16 Ouvimos o galo cantar. 386. (J. C. Flauzino) Chamaram-lhe de tolo. A


preposição destacada é facultativa, logo poderia escrever
17 Alguém viu você. a frase chamaram-lhe tolo.
( ) certo ( ) errado.
18 Houve eleições ano passado.

122
387. (J. C. Flauzino) Ele passou a presidente. O verbo 396. Na linha 11, o termo destacado será pronome
destacado é intransitivo, pois pratica a ação. possessivo substantivo.

( ) certo ( ) errado ( ) Certo ( ) Errado

388. (J. C. Flauzino) Nas frases "Já passava de dois 397. Na linha 14, o termo destacado tem função de
anos" e "Vai em dois anos". O sujeito das duas frases advérbio.
será oração sem sujeito.
( ) Certo ( ) Errado
( ) certo ( ) errado.
398. O autor escreve para uma mulher.
389 Esta mesa é de mármore. Semanticamente a
preposição indica matéria. ( ) Certo ( ) Errado

( ) certo ( ) errado.

390. Nas frases "A cidade do Rio de Janeiro é linda." A 1 Dizem que sou louco por pensar assim
cidade de ouro é linda. 2 Se eu sou louco por eu ser feliz
Os termos destacados funcionam como ajunto 3 Mas louco é quem me diz
adnominal e aposto. 4 E não é feliz, não é feliz
5 Se eles são bonitos, sou Alain Delon
( ) certo ( ) errado. 6 Se eles são famosos, sou Napoleão
O MUNDO É UM MOINHO 7 Mas louco é quem me diz
1 Ainda é cedo, amor 8 E não é feliz, não é feliz
2 Mal começaste a conhecer a vida. 9 Eu juro que é melhor
10 Não ser o normal
3 Já anuncias a hora de partida
11 Se eu posso pensar que Deus sou eu
4 Sem saber mesmo o rumo que irás tomar 12 Se eles têm três carros, eu posso voar
5 Preste atenção, querida 13 Se eles rezam muito, eu já estou no céu
6 Embora eu saiba que estás resolvida 14 Mas louco é quem me diz
15 Eu juro que é melhor
7 Em cada esquina cai um pouco a tua vida 16 Não ser normal
8 Em pouco tempo não serás mais o que és. 17 Se eu posso pensar que Deus sou eu.
9 Ouça-me bem, amor 18 Sim, sou muito louco, não vou me curar
19 Já não sou o único que encontrou a paz
10 Preste atenção, o mundo é um moinho.
20 Mas louco é quem me diz
11 Vai triturar teus sonhos, tão mesquinhos 21 E não é feliz, eu sou feliz.
12 Vai reduzir as ilusões a pó (Arnaldo Baptista/ Rita Lee)
13 Preste atenção, querida
399. Na linha 1, o termo destacado tem função de
14 De cada amor tu herdarás só o cinismo
conjunção integrante.
15 Quando notares estás à beira do abismo
16 Abismo que cavaste com os teus pés. ( ) Certo ( ) Errado
(Cartola)
400. Na linha 2, o termo destacado é uma conjunção
391. No título da música, trocando o verbo ser pelo verbo hipotética.
parecer, a função sintática de ―um moinho‖ permanecerá
igual. ( ) Certo ( ) Errado

( ) Certo ( ) Errado 401. Na linha 11, a palavra destacada é um substantivo


abstrato.
392. Na linha 2, não haverá acento grave, porque o termo
regido não pede artigo. (a vida) ( ) Certo ( ) Errado
402. Na linha 12, o termo destacado tem função de
( ) Certo ( ) Errado adjunto adnominal.

393. Na linha 3, o termo destacado é artigo. ( ) Certo ( ) Errado


( ) Certo ( ) Errado
403. Na linha 13, o termo destacado tem função de objeto
394. Na linha 5, o uso da vírgula está correta, pois indireto.
querida é o aposto.
( ) Certo ( ) Errado
( ) Certo ( ) Errado
395. Na linha 8, o termo destacado tem função de 404. Na linha 21, o termo destacado tem função de objeto
pronome relativo. direto.
( ) Certo ( ) Errado
( ) Certo ( ) Errado

123
AINDA É TEMPO PRA SER FELIZ AS ROSAS NÃO FALAM

1 Me cansei de ficar mudo, sem tentar 1 Bate outra vez


2 Sem falar 2 Com esperanças o meu coração
3 Mas não posso deixar tudo como está 3 Pois já vai terminando o verão
4 Como está você? 4 Enfim
5 Tô vivendo por viver 5 Volto ao jardim
6 Tô cansada de chorar 6 Com a certeza que devo chorar
7 Não sei mais o que fazer 7 Pois bem sei que não queres voltar
8 Você tem que me ajudar 8 Para mim
9 Tá difícil esquecer 9 Queixo-me às rosas
10 impossível não lembrar você 10 Mas que bobagem
11 Você é, é 11 As rosas não falam
12 Com o fim do nosso amor 12 Simplesmente as rosas exalam
13 Eu também tô por aí 13 O perfume que rouba de ti, aí
14 Já não sei pra onde vou 14 Devias vir
15 Quantas noites sem dormir 15 Para ver os meus olhos tristonhos
16 Alivia minha dor 16 E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
17 E me faça, por favor, sorrir 17 Por fim
(Cartola)
18 Vem pros meus braços, meu amor
19 meu acalanto 409. Na linha 5, o verbo é transitivo indireto, pois pede
objeto indireto.
20 Leva esse pranto pra bem longe de nós dois
21 Não deixe nada pra depois ( ) Certo ( ) Errado
22 É a saudade que me diz
410. Na linha 13, o termo destacado é uma conjunção
23 Que ainda é tempo pra viver feliz. integrante, pois está antes de verbo.
(Arlindo Cruz/ Sombrinha)
( ) Certo ( ) Errado

405. Na linha 1, o pronome ―me‖ poderia ficar depois do 411. Na linha 16, o termo destacado tem a função de
verbo cansei, pois a colocação pronominal é facultativa. predicativo do objeto.

( ) Certo ( ) Errado ( ) Certo ( ) Errado

406. Na linha 3, o termo destacado poderia ser trocado 412. ―Felizmente, ninguém morreu no desastre‖.
pela conjunção porém. Pois as duas são conjunções O termos destacado é um advérbio, pois modifica toda a
conclusivas. oração.

( ) Certo ( ) Errado ( ) Certo ( ) Errado

407. As palavras destacadas nas linhas 9 e 13, são 413. Diga-me agora uma coisa, este livro é para concurso
acentuadas pela mesma regra. público? A oração destacada não será apositiva, pois a
oração apositiva sempre vem com dois pontos.
( ) Certo ( ) Errado
( ) Certo ( ) Errado
408. Na linha 22, o termo destacado é um substantivo
abstrato como a palavra ―alma‖.

( ) Certo ( ) Errado

124
Quando a alma está feliz, a prosperidade cresce, a Anotações
saúde melhora, as amizades aumentam, enfim, o mundo
fica de bem com você...!
O mundo exterior reflete o universo interior.
(Mahatma Gandi)

414. A palavra destacada será classificada como


conjunção temporal.

( ) Certo ( ) Errado

415. ―Eu sou poeta e, aos 30 anos, doente, não queremos


desperdiçar o tempo. Nesta frase, a concordância do
verbo querer é um exemplo de silepse de pessoa.

( ) Certo ( ) Errado

416. Saiu à francesa antes do final do jantar. A ausência


da crase não alteraria a função sintática do termo
destacado.

( ) Certo ( ) Errado

( ... ) Tratava-se de uma biblioteca imaginária, cujos


livros talvez nunca tivessem existido?

417. A partícula ―se‖, em tratava-se, classifica-se como


pronome reflexivo e retoma uma biblioteca imaginária.

( ) Certo ( ) Errado

418. A oração ― que pagam impostos quando consomem‖


(...) sabem que pagam impostos quando consomem,
mantém relação de coordenação com a anterior.

( ) Certo ( ) Errado

419. ―( ... ) Aceleram novas descobertas que, por sua vez,


servem de ferramenta (...)‖. Considerando o pronome
sublinhado nessa frase, é correto afirmar que ele exerce a
função sintática de sujeito.

( ) Certo ( ) Errado

420. ―( ... ) A sentença foi – lhe favorável ( ... )‖. O termo


destacado exerce a função de complemento nominal.

( ) Certo ( ) Errado

421. ―( ... ) Mandei os garotos saírem ( ... )‖ trocando


saírem por sair, a concordância permanecerá correta.

( ) Certo ( ) Errado

125