Você está na página 1de 28

GLOSSÁRIO EUBIÓTICO Laurentus

AFKPVAA

BGLRZ

CHMS

DINT

EJOU

(Sânscrito) - No sânscrito, o prefixo A tem um sentido negativo, como no grego.

Ab (Hebreu) - Raiz significando pai nas línguas semíticas aba, abu, abau, abauna que azem
lembrar, em nosso idioma, o termo avô , e no tupi, diversos vocábulos, todos eles com o
sentido de antepassado. O termo Abraham, ou Abraão, que poderia significar o nascido ou
descendente de Ram , decompondo-se em A-Braham, como já o disse Roso de L una, quer
dizer Não-Brahmã , ou melhor, não-brâhmane , o que modifica completamente o senti que se
quer dar a um dos personagens mais importantes da Bíblia. Abatur Termo gnóstico, que
significa no sistema nazareu (Jesus era nazareno , por per tencer à seita dos nazar , e não por
ter nascido na cidade de Nazaré, como é geralmente adm itido): o Ancião das Idades, o Pai do
Demiurgo, o Altus Antiquuos, análogo ao tercei ro Logos. Abhavara Abhijina Abhijit Classe dos
64 Devas ou deuses da Luz . (Sânscrito) Os seis dons naturais que caracterizam a Suprema
Iniciação do Buda

(Sânscrito) - 28ª casa ou asterismo lunar.

Abracadabra Palavra mágica de origem persa, que tinha a propriedade de afastar as doenças e
toda influência de ordem maléfica. Abraxas Pedras talhadas onde os gnósticos gravavam a
palavra Abraxas ou Abrasax, o u ainda IAO. Eram consideradas amuletos mágicos. Tal palavra
acabou por significar o Ser Supremo. A raiz AB, por si só, demonstra a razão disso, pois o Ser
Supremo é, d e fato, o Pai de todos os Pais . Acácia Uma das árvores sagradas do simbolismo
iniciático. Sua madeira era reputada com o incorruptiível, idêntica ao carvalho, sândalo, etc.
Outrora era dedicada a Hermes-Me rcúrio. Seus ramos floridos lembram o célebre ramo de
ouro dos antigos mistérios, como a alegoria da entrada de Ram na planície do Eufrates , da
qual foi copiada a entrada de Jesus em Jerusalém, no Domingo de Ramos . Ram ou Ramo
outra coisa não significa senão u m ramo racial com seu Manú à frente ... Acácia mimosa ,
cujas flores fazem também lembrar s de ouro , como as 777 do Fio de Sutratmã, ou das
encarnações da Mônada. A lenda de Osíris, no velho Egito, e o rito maçônico do grau 33, de
Mestre, envolvem o simbolismo dess a flor. Ad Em arameu, o Um, o Único, Divindade assíria e
fenícia, esposo de Adargatis, nome qu e faz lembrar muitos outros sagrados, inclusive o de
Agharta. Adam Do sânscrito Adinath: gêmeos. Nome aração dos sexos . Envolve o mistério dos
ne, Adam-Heve. Adamita, feminino de Adam, e todos afirmam ser a primeira, mas que é
coletivo da humanidade, antes e depois da sep gêmeos espirituais: Castor e Pollux, Hélios e
Sele ainda em sânscrito, refere-se à raça adâmica , qu realmente a terceira, na qual teve lugar

a referida

separação dos sexos , e conseqüente queda ...

Adam-Adami ou Admi Em caldeu tem o significado de terra vermelha . Refere-se aos ho mens
dessa cor, os Rutas , ou antepassados ários, isto é, à semente atlante escolhida pel o Manu na
formação da mesma raça.

Adam-Kadmon De acordo com a Cábala, o homem celeste, o Homem Cósmico, mas no sentido
dual. Princípio dos Sephiroth, sua entidade primordial. Na metafísica judaica, como o Homem é
a imagem, o reflexo de Deus, acha-se representado no cume ou parte mais alta do cosmos:
Adam-Kadmon, no Alto: Adam-Heve, no meio; e Adam-Chevaoth, na b ase ou parte inferior.
Chevaoth é o contrário de Jehovah, para fazer jus ao axioma c abalístico: Daemon est Deus
Inversus. Sendo o Homem o reflexo de Deus como dizem os metafísicos hebreus está
representado no cume, ou parte mais alta , o que faz lembrar a quela nossa interpretação do
termo Kumara , quando o ligamos a cume . E a prova está em que essa hierarquia é
representada pelo signo de Capricórnio, cuja expressão totêmica é o bode (o cabrito, etc.)
animal este que prefere os altos cume das montanhas ou penhas cos. Adepto Adharma justa.
Homem Perfeito, Iniciado, Guru (sânscrito), Instrutor, Mestre.

(Sânscrito) O contrário de Dharma (v.), isto é, aquilo ou aquele que se opõe à Le Viver a Vida
Una é estar em equilíbrio perfeito com a Lei.

Adi (Sânscrito) Primeiro plano cósmico ou Adi-tatwa, fundamento do Universo e plano de


Consciência do Logos. Adi-Budha (Sânscrito) Causa primordial, o deus oculto, o Supremo
Buda.

Aeon (ou Eon) Seres metafísicos dos gnósticos, ou idades cósmicas. Um Eon representa d ez
milhões de anos. Eon, em grego, é ainda a manifestação da Divindade na Terra . Aplica-se ,
pois, ao Manu e a qualquer Avatara. Eon, lido anagramaticamente, dá o Noé bíblico, q ue era
em verdade, um Manú, à frente de sua família ou povo. Tudo o mais não passa de in
terpretações errôneas. Agnisv-Attas-Pitris (Sânscrito) Senhores da Chama, antepassados
solares, que as fa lsas escrituras ocultistas e pseudoteosóficas denominam erroneamente de
Kumaras, q uando estes, sendo Senhores de Vênus , jamais poderiam ser antepassados
solares . Os Bha rishadspitris estão ligados à primeira raça; os Agnisvatas, à segunda; os
Kumaras, à terce ira. Foi esta última hierarquia divina que forneceu o mental e o sexo aos
homens, ou melhor, à Humanidade, quando esta começou a fazer jus a tal nome.

Akasha (Sânscrito) Quinto tatwa Éter. Causa psíquica e espiritual (não-material) do Som Este
tatwa é a manifestação do terceiro Logos sobre o plano átmico. Está relacionado com V s...
Dele procedem os outros elementos. É a matéria primordial. Em outras palavras: através dele
se manifestam os outros dois tatwas superiores, que estão ocultos: Anupad aka-Tatwa e
Adi-Tatwa. Os nomes dos cinco tatwas em função, com as respectivas cores, são: Akasha
(éter) ligado a Vênus, azul ou índigo e não preto, como assinalam as escritura s orientais; Vayú
(ar) ligado a Saturno, verde; Tejas (fogo) ligado a Marte, verme lho; Apas (água) ligado à Lua
de cor violeta e não branca, como rezam as mesmas escrit uras; e Prithivi (terra) ligado ao Sol
alaranjado. O branco e o preto não são cores, mas começo e fim de todas elas, isto é, no alto
elas terminam com a cor branca, pra teada, e em baixo (nos reinos inferiores da matéria, ou
in-fera , que originou o infer no de certas religiões), como o preto, negro, trevoso.

Amenti (Egípcio) Região dos mortos e que equivale ao Mundo de Duat . Não deve ser confun
ido com o Kama-Loka das escrituras hindus e que se refere às regiões do astral, nas quais, o
homem é obrigado a permanecer até que desapareçam completamente os elementos
passionais que integram o seu corpo astral, e que são da natureza do mundo de paixõe s que
ele habita. Se o discípulo, no Egito, em uma das suas provas, quando ia ao p aís de Amenti,
onde tinha de vencer inúmeros obstáculos, inclusive os dos 4 elementos , s

aía vitorioso, passava a um grau superior. Se fracassasse, porém, na prova, tornavase


escravo do Templo. Assim, o Amenti ou Mundo de Duat representa o mundo dos Imo rtais ,
embora que para os seres da face da Terra, estejam mortos , para todos os efe itos, aqueles
que para lá dirigem os seus passos... A questão da imortalidade deve con tinuar, por muito
tempo ainda, um mistério. Por isso, paremos aqui, pois já falamos demais... Anti-Cristo Síntese
das forças negras, em oposição às brancas, durante todo um ciclo evolu tivo da Mônada. Assim
como tal Ser representa a síntese de todos os males ocasionados durante esse mesmo ciclo
evolutivo , surge, também, por lei de matemática, matemática d ivina, portanto de acordo com
os astros, suas conjunções adequadas, etc., um Buda Pe rfeito. Este é o Avatara do Espírito de
Verdade , que assim se chama, por ter sido Aquel e que deu o impulso na tônica da Verdade ,
no começo das coisas... Cosmicamente faland o, o Anti-Cristo, como representação do mal, ou
avatara negro , identifica-se com o Sol negro ou o oposto ao Branco ou luminoso. Outro
assunto a ser discutido de boca p ara ouvido ... Nesse caso, o Buda integral, o Avatara do
Espírito de Verdade , represen ta, por sua vez tudo quanto de Bom, de Bem e de Belo foi
realizado no referido c iclo. Apsaras (Sânscrito) Ondinas, ninfas, também chamadas, em
sânscrito, Sumadat-Majas (ou Mayas), ou mulheres ilusórias . Daí as lendas das sereias, seres
metade mulher, metade peixe, e que atraem os homens para o fundo do mar. Sua função,
segundo as escrituras do Oriente, seria a de servir os Gandharvas, e por isso, estes se
apresentam co mo músicos , e elas como bailadeiras .

Apta Palavra sânscrita, mas já empregada na Atlântida, designando a 8ª Cidade, Lugar dos
Regentes Espirituais de todo o continente. Cada cidade atlante, ou cantão era dirigid a por um
rei . Os famosos Reis de Edom (ou Edem, Paraíso Terrestre, Garden, Jardim) r epresentam os
filhos, príncipes ou regentes das sete cidades. Na 8ª Cidade viviam os s eus Progenitores, em
forma-dual, como representação do Adam-Heve. Em sânscrito, APTA s ignfica Aquele que
atinge a consciência do Eu , ou do Oitavo Princípio, que os gnósticos davam o nome de
CAIJAH. Em verdade, o 8o. Princípio é o Atmã Universal, do qual seu re flexo, como 7o., é
aquele que vibra internamente no homem como Jivatmã. Mas isso enq uanto ele não se afastar
de todo esse 8o. Princípio, isto é, enquanto seus maus atos e pensamentos não destruírem por
completo todos os vestígios espirituais que nele exist am. Com tal procedimento provocaria a
segunda morte , por ter a alma se afastado do Espírito. APTA também tem o significado de
creche , manjedoura , presépio , e ainda luga nasce o Sol . O nascimento de Cristo não podia
ter deixado de obedecer ao mito solar ou de Mitra, pois o ciclo de Sol é de 608 anos, idêntico
ao referido termo, cabalis ticamente falando. Os Ioguis da Índia, quando procuram ligar-se
àquele 8o. Princípio, o fazem através do chakra coronal, Brahmananda , Sahashara , que é,
como indica o primeiro nome, a coroa que cinge a cabeça do Iniciado. Coroa da qual paarte o
Sutratmã ou fio de Ouro das 777 pérolas ou contas... O próprio termo sânscrito Sutra , que
significa fio ido anagramaticamente, dá o nome ARTUS, o rei ao redor do qual se assentavam
os Doz e Cavaleiros da Távola Redonda . Sim, o Sol e suas doze casas ou signos do
Zodíaco... A tradução literal de SUTRATMÃ é o fio que liga o Homem ao Atmã Universal .

Ashvatta (Sânscrito) A árvore Banyan, a Árvore da Vida do Bhagavad-Gitâ , símbolo da vid


sível. Em zende é chamada Godard. É a árvore de Bo, Bod ou Bodi, sob a qual meditava Gau
tama, o Buda. Poderia ter, em botânica, o nome de ficus religiosa. Astral O sexto plano
cósmico, em ordem descendente, após o qual vem o físico. Seu nome provém da natureza
translúcida ou estrelada de sua matéria, ou, resumindo, de aster, qu e pode ser traduzido por
astro, astros. Essa é a razão por que transmite, especialme nte, as influências astrológicas. No
homem influi em sua psique ou alma, que está dire tamente ligada ao sistema nervoso. Tal é o
motivo de a medicina estar hoje aplican do, com resultados satisfatórios, o tratamento
psicossomático. No plano astral a con sciência é influenciada pelo desejo ou Kama . Atmã
(Pali) Sopro de Vida, Movimento, etc. Em alemão, com pronúncia mais ou menos idênti

ca, significa respirar , respiração . É o mais elevado dos sete princípios do homem, pois o tavo,
que está fora dele, é como já foi dito, o Atmã Universal. Aum É o vocábulo que designa, no
Hinduísmo, o Ser Supremo, Deus, Brahmã. Esta palavra, q ue se compõe de três letras,
representa o Verbo nos três mundos. Por isso, pronunciada por um Adepto ou Iniciado, ao
chegar à ponta dos lábios, transforma-se em OM, ou na Unidade. Este é um ritual que deve ser
feito no período de S ushumnâ, ou das duas narin as em função, pois, de acordo com a ciência
dos Tattwas ou forças sutis da Natureza, o ar flui em determinado tempo, pela narina esquerda
(Idâ ou lunar), a seguir pela nari na direita (Pingalâ ou solar), e, finalmente, pelas duas narinas
ou S ushumnâ, o que e quivale ao androginismo perfeito ou equilíbrio da Balança da Vida. Em
terminologia méd ica, poderíamos dizer que se dá então o equilíbrio do Vago (sistema lunar)
com o Simpático (sistema solar). O rito da missa, embora a Igreja desconheça o seu real
significa do, obedece ao mesmo critério. O sacerdote, em frente ao altar e de joelhos, execu ta
um ato que corresponde ao começo da respiração. Dirige-se depois à esquerda, fazendo a
leitura do Evangelho, etc., como se respirasse por Idâ ou pelo conduto lunar. Ve m ao centro
para glorificar a Deus, o que equivale a S ushumnâ, ao Mercúrio, como se a tingisse o
androginismo perfeito, o equilíbrio da Balança da Vida. Passa à direita com o se a sua
respiração fosse agora solar, ou de Pingalâ. Estes movimentos são efetuados d iversas vezes,
até que finalmente o padre pronuncia o Ita missa est , pois a cerimônia está terminada, bem
como a Ioga pelo seu consciente praticante.

Avatara Encarnação ou Manifestação do Espírito de Verdade , quando cíclico e total, pois t e


aplica a outras manifestações deíficas. Embora não o falem as escrituras, os avataras são de
três categorias: totais, parciais e momentâneos. O resto é... Mistério. B

Baal O Deus Principal dos antigos povos da Ásia Menor. Terceira Pessoa da Trindade caldaica
ANÚ, HEA, e BEL), equivalente à Trimurti hindu (de Tri, três; e Murti, corpo ), isto é, Brahmã,
Shiva e Vishnú, e que em nada difere da Santíssima Trindade católica, P ai, Filho e Espírito
Santo. A palavra Baal , em linguagem semítica, tem o significado d e Mestre, Senhor. O plural
Baelim , usado freqüentemente no Velho Testamento, serve p ara designar as divindades
estrangeiras, Bad também é derivado de Baal , como se pode v er no termo fenício Badezir ,
encontrado nas inscrições da Pedra da Gávea, decifradas por B ernardo Ramos: YETHBAAL (
deus branco ) TÍRIO FENÍCIO PRIMOGÊNITO DE BADEZIR ( o deus maior , ou pai). Portanto,
a Pedra da Gávea é ao mesmo tempo, túmulo do filho, na sua forma-du al (o casal, os
esposos, o andrógino separado), e templo do Pai. BADEZIR, BAAL-SIL ou BRASIL. Bey Al
Bordi (Árabe) Entre os persas tinha o mesmo significado, isto é, o de Primordial . É o filho mais
velho ou primogênito . montanha

Bhakti Termo sânscrito com o significado de devoção . Jnana, Bhakti e Karma são os três ca
hos de Vedanta. Jnana (e daí a palavra Jina , ou Djin , da qual também procede gênio , no do
de ilustre, sábio, imortal), corresponde ao Conhecimento, Sabedoria, Inteligência . Bhakti, ao
Amor, à Mística, à Devoção. Karma, à Ação, à Realização. Em verdade, Karma deve centro,
tendo Jnana e Bhakti por colunas, pois suas duas iniciais são as mesmas da s Duas Colunas
do Templo de Salomão. Jakim e Bohaz. As cidades do nascimento e mor te de Jeoshua, ou
Jesus, Belém e Jerusalém, possuem ainda essas iniciais, assim como João Batista, o Arauto, o
Jokanan, aquele que batizou o referido Ser no Rio Jordão. .. O mesmo mistério se verificou
com um êmulo, sósia ou tulku , como se diz no Tibet, de Cagliostro, que usou o pseudônimo de
José Bálsamo, pois, além do mais, era o referido Ca gliostro Grão Copta da Maçonaria Egípcia
... Infelizmente, o escritor lusitano Camillo Ca stello Branco dedicou uma de suas obras com
aquele título, ao charlatão Cagliostro , co mo até hoje também o chamem as duvidosas
enciclopédias. Isto, logo se vê, por conta dos que cometem os maiores crimes escudados no
Ad Majorem Dei Gloriam e o Perinde Ac Cadaver. E sobreveio o suicídio, que muitas vezes se
torna moral, mas desta vez não foi apenas dessa natureza... O mesmo aconteceu com quem
escreveu A Mão do Finado , t ambém pago por aquela gente para destruir os valores iniciáticos
de O Conde de Monte Cr

isto . E in memoriam ficaram os dois ilustres escritores, pois a mão que surgiu das trevas não
foi propriamente a de um finado , mas a de Karma, como lei de causa e efeit o . Continuam
assim jogando, na mesa quadrangular do mundo , os Quatro Senhores do Bar alho julgador:
MANÚ, YAMA, KARMA e ASTAROTH. São eles o Codificador das Leis , o Senhor d o Mundo
dos Mortos , o Senhor da Balança , que se transforma em ampulheta, como Juiz de todas as
coisas , e, finalmente, o das interjeições diabólicas . Copas, Espadas, Paus e Our os, do
Grande Jogo da Vida. Mas não é para qualquer um a interpretação desta cartada...

Bijam Vocábulo sânscrito que poderia ser traduzido por semente . Aplica-se ainda no fim das
orações, mantrans , para confirmar a prece ou evocação. Equivale ao amém da Igreja Ca e até
ao AUM, que numa das suas sete interpretações cabalísticas, significa a saudação, espé ie de
Ave, Salve. No Tibet, por exemplo, saúda-se a Amitâbha, veículo de Adi-Budha, co m a
seguinte frase: OM (ou AUM) MANI PADME HUM, isto é, Salve, ó Jóia Preciosa do Loto . É
que Amitâbha também é chamado de Loto das Mil Pétalas . Bodhi (Sânscrito) Iluminação,
Sabedoria Perfeita.

Brahmã-Vach (Sânscrito) Brahmã no seu aspecto feminino. É a própria deusa Lakshimi, aquel
que traz por umbigo um Loto Sagrado, na sua representação alegórica de Mãe Universal.
Brahmã-Vidya, Gupta-Vidya, Sanatana-Dharma Nomes que também se aplicam à Sabedoria
Div ina ou Teosofia. Vach é a deusa Sarâsvati, o Verbo, a Inteligência ou essa mesma Sabed
oria.

Budhi-Taijasi (Sânscrito) A alma humana iluminada pela Divina. Recorde-se que o es tado de
consciência atual do homem, sendo Manas, ou mental, tem como plano ou esta do de
consciência imediata, Budhi. É o plano da Inteligência, da Intuição, do Espírito. Nele , e não no
astral , como pensam os falsos clarividentes , é que se lêem as vidas anteriores C Cadeia
Chama-se cadeia , em Teosofia, a um sistema de globos, compondo um Sistema P lanetário.
Uma cadeia compõe-se de 7 globos em diferentes estados de densidade. Noss o Sistema
Solar contém os 7 Sistemas Planetários de Vulcano, Vênus, Terra, Júpiter, Satu rno, Urano e
Netuno. Nosso Sistema Planetário contém 1 globo físico, 2 de matéria astral , 2 de matéria
mental inferior, e 2 de matéria mental superior.

Caijah (Hebreu) Segundo princípio de Neschmah que se torna Oitavo Princípio , como vimo s
quando estudamos o termo Apta . É um nome também dado a certa região francamente astral ,
mas que serve de intermediária ou veículo do mundo humano para a sua representação do Di
vino, no Seio da Terra. Eis porque alguns a confundem com a Agharta e outros com
Shamballah. A Agharta está ligada às sementes humanas do passado, sendo uma espécie d e
reserva para quando os ciclos entram em declínio, como está acontecendo agora. Shamb allah,
sendo a cidade dos deuses (Sham, Soma e Allah), jamais poderia ser confundi da com
qualquer outra região da Terra. É como se disséssemos que ela existe na 4ª dimensão .
Shamballah e Walhalla ( O Vale dos Deuses das tradições nórdicas), são termos que se con
udem...

Chakra (Sânscrito) Loto, Roda. Em verdade, os sete chakras situados no duplo etérico d o
homem são centros vitais que recebem nas suas campânulas a força primordial, ou a que
emana do plano imediato, que é o astral. O duplo etérico é, a bem dizer, a sede vital do
homem. Na maioria das sessões de espiritismo , são esses restos vitais do defunto , ain da
ligados ao corpo físico em decomposição e ao astral ou kama-rupa , que se apresentam... por
esse motivo que os hindus preferem a cremação dos corpos, que, além de evitar os i nestéticos
cemitérios que infestam e entristecem as cidades, destrói completamente aqu eles vestígios
vitais, auxiliando assim a rápida evolução da alma. Os chakras ou centros d e força são sete. O
primeiro deles, em ordem ascendente, é o muladhara ou raiz , situado no cóccix, e chamado
também de plexus sagrado (região sacra, em medicina). É o lugar em q ue dorme o poder
Kundalini, espécie de Bela Adormecida no Bosque e da Branca de Neve

no seu leito de cristal , ambas à espera do príncipe encantador, que, no caso vertente , é o
próprio despertar dessa Força. Tal despertar só se alcança através de SABEDORIA e AMO elo
próximo. De nada servem os métodos se quem os pratica não estiver nessas condições. Ao
contrário, como os domadores de feras, será por elas um dia devorado ... Seguem-se o S
vadisthana, plexo hipogástrico ou esplênico; Manipura, plexo solar, ou umbilical; An ahata,
plexo cardíaco; Vishuda, plexo braquial ou laríngeo; Ajna, plexo frontal, cor responde à hipófise
(as escrituras orientais o dão como Olho de Shiva ou 3o. Olho , como s pode verificar pelas
imagens de Buda e das sacerdotizas; no antigo Egito era re presentado pelo ureus mágico , ou
uma serpente de bote armado , o que se pode apreciar n as figuras dos Faraós, que eram Reis
e Deuses daquele país); e, finalmente, o 7o. ou Sahashara, chamado ainda Brahmananda,
Coronal , situado no vértice ou cume . Esse nome c oronal indica que é a coroa que os
Iluminados trazem sobre a cabeça, coroa que a Igre ja copiou, não só para os santos, através
da auréola, como para os seus sacerdotes, na co roa ou tonsura... Na língua tupi existem
inúmeros vocábulos de origem sânscrita, dentre e les, COARACY, que, tanto eufônicamente,
como no significado, muito se assemelham: Sol, Flor (Loto), Roda, etc. Como este nosso último
asserto reveste-se de grande i mportância para os estudantes de teosofia e ocultismo, vamos
inserir aqui alguns t rechos de um estudo de H.J. Souza, publicado no número 124 da revista
Dhâranâ , série dedic ada à São Lourenço, no qual ele cita e comenta a obra do eminente
historiador e filósofo Ludovico Schwennagen, Antiga História do Brasil : Uma única restrição
devemos fazer às conclusões de Onffroy de Thoron. É certo que os judeus undaram nas
regiões do Alto Amazonas, onde negociavam, algumas colônias que ali se m antiveram durante
muitos séculos (falam bem alto as inscrições rupestres desta região, r epletas de caracteres
hebreus). Estas deixaram, indubitavelmente, rastros da civ ilização e da língua hebraica.
Também o nome Solimões, para o curso médio do grande rio, tem a sua origem no nome do rei
Salomão, cuja forma popular era sempre Solimão . Mas isto não justifica que a antiga língua
brasílica, o tupi, fosse muito influenciada pela língu a hebraica. O tupi é muito mais antigo, e
pertence à grande família das línguas pelágicas, que foram faladas em todos os países do
litoral mediterrâneo. Os povos da antiga At lântida falaram essa língua, e a mesma língua
sumeriana dos antigos Babilônios, pertenceu a essa língua geral dos Cários resp. dos
Pelasgos. Os diversos ramos dessa língua dife renciaram-se entre si, como no tempo moderno,
as línguas romanas. O laço comum dos povos pelasgos era a organização da ordem sacerdotal
dos Cários e o comér cio marítimo dos Fenícios. Os sacerdotes e os mercadores entendiam-se
com todos, e p or isso formou-se, já no segundo milênio A.C., uma língua geral que foi falada
desde a Ásia Menor até a América Central, e deveria ser chamada pelasgo-tupi . Essa língua,
que ch amaram os antigos brasileiros nhenhen-catú ( o bom andamento , o caminho para
determinad o ponto da civilização , e mais do que isto, usando da linguagem esotérica, o
Itinerário de IO , ou Ísis), falaram os mercadores fenícios, bem como os sacerdotes (sumés e
piagas) d os povos tupis. O hebraico é muito mais novo; quando Moisés apareceu com seu
povo em Canaã, não trazia ainda uma língua organizada. Os tijolos com os dez mandamentos,
rec ebeu Moisés na Caldéia, e foram escritos em língua babilônica. Depois, aprenderam os jud
eus a língua popular dos fenícios, e muito mais tarde, elaboraram os levitas, com os elementos
da língua fenícia, uma língua hierática, que ficou chamada hebraica . A língua tu i do Brasil não
tem ligação com essa formação posterior . E mais adiante: Os Fenícios não ficaram muito
tempo indecisos. Já conheciam as ilhas da América Central, as Antilhas, quer dizer, Atlantilhas
(pequenas Atlântidas). Mil anos antes de Cristo , essas ilhas eram ainda maiores, e no lugar
onde hoje está o Mar do Caribe, havia ainda um grande pedaço de terra firme, chamado
Caraíba (isto é, terra dos cários ou car is , etc.). Nessa Caraíba e nas ilhas em redor, viviam,
naquela época, as sete tribos da nação tupi, que foram refugiados da desmoronada Atlântida.
Chamaram-se Caris (ou Cári os), e eram ligados aos povos cários do Mar Mediterrâneo. Os
sacerdotes deram-lhe o nome Tupi , que significa Filho de Tupã . Em outro trecho: Varnhagen
(Visconde de Porto Seguro) confirma, na sua História Brasileira , que essa t radição a respeito
da emigração dos Caris-Tupis, de Caraíba para o Norte do Continente sul -americano, vive
ainda entre o povo indígena da Venezuela. O padre Antônio Vieira, o grande apóstolo dos
indígenas brasileiros, assevera em diversos pontos de seus livr os que os Tupinambás, como
os Tabajaras, lhe contaram que os povos Tupis emigraram

para o Norte do Brasil, pelo mar, vindos de um país que não mais existia (a Atlântida ,
portanto). Os Tabajaras diziam-se o povo mais antigo do Brasil . Isto quer dizer que eles foram
aquela tribo dos Tupis que primeiro chegou ao Brasil, e que conse rvou sempre as suas
primeiras sedes entre o Rio Parnaíba e a Serra do Ibiapaba. Es sa tradição confirma, também,
que a primeira imigração dos Tupis passou pela foz do Rio Pa ranaíba. Os Tupis que imigraram
mais tarde pela Baía de S. Marcos, e fizeram seu cen tro na ilha Tupaôn, hoje S. Luís,
tornaram-se menos estimados pelos Tabajaras, Potig uaras e Cariris. Por isto, aqueles se
chamavam orgulhosamente Tupi-nambás , que quer dizer homens da legítima raça tupi .
Pagaram o desprezo de parte dos outros Tupis, pelo insulto de Tupi-niquins e
Tupi-nambaranas , que quer dizer Tupis de segunda classe . Se mpre conservou-se também a
tradição de que os Tupis tinham Sete tribos (o grifp é de ago ra). E explica o erudito
Schwennagen qual o fim desejado pelos fenícios com a imigração dos Tupis para o Brasil. Um
povo auxiliador para a sua grande empresa; um povo inteiro que assim identific ou os seus
interesses com os da pátria. Os outros que chegaram do Mediterrâneo perma neceram sempre
estrangeiros; ficaram em contato com a pátria e pensavam voltar par a a mesma, logo que
fosse possível. Os Tupis não podiam voltar; seu país fora vítima da fúria do mar (ou melhor,
dizemos hoje, sofreu o merecido castigo da revolta contra a verdadeira Lei, a Divina).
Procuravam uma nova Pátria, uma Terra de Promissão des tinada a eles por Tupãm como
disseram seus sacerdotes. Os Fenícios tinham simpatias pelos Tupis, que eram da mesma
estirpe dos povos cários ; entenderam a sua língua geral do bom andamento (sempre a idéia
de marchar, caminhar, revelada também nas inscrições rupestres do Brasil, inclusive nas de
São Tomé das Letras; um simples R ou os termos Cri, Cra, etc., indicam caminhar, marchar ,
seguir para a fr ente ... ) Eram eles brancos, um pouco amarelados, como todos os povos do
Sul da E uropa e da Ásia Menor, e tinham uma religião com sacerdotes, semelhantes à
organização rel igiosa dos Fenícios. Além disso, eram agricultores e possuíam o caráter
guerreiro. Um ta l povo, transferido para o continente brasileiro e nele domiciliado com o auxílio
dos Fenícios, poderia tornar-se um bom aliado para estes. Os antigos historiadores citam
diversos outros exemplos de emigração de povos, com o auxílio dos navios dos Fe nícios. Isto
foi um dos meios mais eficazes de que se serviam para segurar as suas espalhadas colônias.
Tudo isso, dizemos nós, vem provar a veracidade da decifração das inscrições fenícias da Ped
ra da Gávea, por Bernardo Ramos, embora que tal Pedra, que denominamos de Templo e
Túmulo, seja um monumento muito anterior à época em que aqui estiveram os Fenícios. Mais
adiante: Tupi é o nome coletivo de todos quantos adoram Tupã, como Deus Supremo e Único,
signifi cando a palavra Filho ou crente de Tupã . A religião Tupi apareceu no Norte do Brasil n a
época de 1050 a 100 anos antes de Cristo, simultaneamente, com os fenícios. Essa r eligião foi
propagada por sacerdotes Cários, emissários da Ordem dos Piagas, sob a dir eção de um
sacerdote chamado Sumer, cujo nome mudou, pelo abrandamento da letra R , em Sumé (e
mais tarde com Tomé, como aconteceu com um dos lugares da sua passagem, que foi São
Tomé das Letras, no Sul de Minas Gerais). A língua Tupi é um ramo da língua sumeriana,
formada e falada pela Ordem dos Magos, na Caldéia, desde os tempos do Rei Ur-Gana (Ur,
fogo, e Gana, garden, jardim, região p aradisíaca juntamos hoje, neste Glossário, por conta
própria), isto é, 4.000 anos antes d e Cristo. O Sumer, chefe espiritual (ou Manu) da nação, era
o Mestre Supremo da legíti ma e sagrada língua da religião, por isso chamada língua
sumeriana (ou Sumérica, como quer em outros). Os primeiros documentos escritos, e que
constam do Museu de Londres, são leis do Rei Urgana (leis ou mandamentos , tanto vale),
escritas em placas de bar ro queimado, assinadas pelo mesmo rei. O texto dessas leis contém
inúmeras palavras Tupis. O teor da primeira lei começa assim: JAR UGANA, AGAD TE SUMER
MURU. Jar é sen hor, rei, chefe temporal. No mesmo tupi temos as palavras Taba-Jaras,
senhores da s tabas e Goia-Jaras, senhores de Goiás . Na Pérsia ficaou sempre este título: Jâr
Dario, a o último Shar ou Shah ) da Pérsia (hoje Irã), destronado pelos comunistas. O Tzar da
Rús ha o mesmo título. Agad é o nosso Agatu, acatu, bom , no grego, agathos . No título do Rei
rgana, significa Agad, majestade (E Agharta, dizemos nós, é a Região onde se acha a mais alta
ou elevada de todas as Majestades , ou seja, Aquele ao qual o Oriente inteiro denomina de "O
Rei do Mundo ...) A conjunção te é igual nas línguas antigas: no grego et

latim te , no Tupi ité , como em ita-té , no Tupi ité , com em ita-té (pedras), baturNas antigas
línguas formou-se o plural pelo sufixo te , com se se dissesse: uma pedra e mais uma pedra . E
assim por diante. Mais à frente: Na época de 1800 a 1700 anos antes de Cristo, saiu da
Caldéia, como emissário da Ordem dos Magos, o progenitor resp. organizador e legislador dos
povos cários (um Manú, po rtanto) chamado K. A. R. Esse nome (como sempre, formado de 3
letras...) é uma fórmu la cabalística, cuja significação pertencia aos segredos da Ordem (como
aquele L. P. D . que trazia no peito o Conde de Cagliostro...). CAR fundou a confederação dos
povos Cários, com a capital Hali-Karnassos (donde Parnaso), isto é, Jardim Sagrado de CAR (
na mesma razão do de Ur-Gardan, Urgana, etc.) na ponta sudoeste da península da Ásia M
enor. Heródoto nasceu na mesma cidade, e deixou-nos na sua História Universal os traços
principais da vida e da grande obra civilizadora de Car. A religião propagada por Car era
baseada na crença em um Deus Onipotente, a quem e le chamou de P. A. N., também uma
palavra cabalística, que significa Senhor do U niverso . Séculos depois pregava Moisés a
mesma crença a um Deus Onipotente, a quem ele chamou de Je-ho-vah. O nome PAN, com o
significado de Senhor , ficou nos países orien tais, em todos os tempos. Alexandre Magno foi
chamado na Ásia Pany Alexandros ( Pani e P adme , dizemos nós, são termos usados até hoje
por tibetanos e mongóis; daí a frase sagrada Om Mani PADME Hum). Na Tcheco-Eslováq uia,
Polônia, Rússia e outros países, é usado, a té hoje, o Pane e Panje, como alocução: Pane
Antony é o mesmo que o nosso Sir Antônio . No , também que a palavra panis (pão) vem de
Pan. É a dádiva de Deus ( o Pão nosso de cada dia zemos nós, mas tanto no sentido de
alimento físico, como no de espiritual, e, neste caso, maná caído do céu ). Tu-PAN , o Deus
onipotente na religião dos antigos brasileiros, nifica: Adorado Pan (ou Pai). Na língua dos
Cários, Fenícios e Pelasgos, significa o su bstantivo thus, thur e thu (resp. tus, tur e tu),
sacrifício de devoção ou incenso . Tudo quanto o homem oferece a Deus é, na língua dos
sacerdotes cários, T. U., fórmula, por s ua vez, cabalística. O infinito do verbo sacrificar é, no
fenício , Tu-ran ; no germânico, no grego, thu-ein e thy-ein ; no latim, tu-eri (venerar,
contemplar, olhar, mirar, g uardar, etc.). Thus, também no latim, é o incenso que se oferece a
Deus, resp. aos deuses. A origem de TUPAN, como Deus Onipotente, recua à religião
monoteísta de CAR . Finalmente, para terminar esta já longa digressão, digamos que a fusão
ibero-americana , na formação da nova raça, da nova civilização, só podia ser feita através da
nobre e guerre ra raça dos Tupis. Sem falar que, provenientes dos Cários, os termos caris,
calcis, kalkis, caldeus, fazem lembrar o de Kalki-Avatara , para o qual, em verdade, trabal ha a
Sociedade Brasileira de Eubiose. E como os próprios Deuses falam no Canto do P iaga , é
nosso dever honrar também os guerreiros da tribo Tupi ... Mais uma vez, OROIMOETÊ
CABRAL, mas também OROIMOETÊ COLOMBO! Honremos Cabral, honremos Colombo!
Este, como descobridor do Novo Mundo, o continente americano. O outro, pelo codicilo de tão
e spiritual testamento, que foi o Brasil, Terra da Brasa , do Fogo Sagrado, verdadeir o
Santuário da Iniciação do gênero humano, a caminho da sociedade futura . Chenrezi ou
Chenrazi Termo tibetano, análogo a Avalokiteshwara e Padmapani (Padmapani-Chenrazi) e
que tem o significado de Espírito Misericordioso da Montanha . Está re lacionado com as
aparições que precedem a um avatara . O Manú de um ciclo tem direito a e sse título. D Deva
ou Daiva Em sânscrito significa, literalmente, brilhante . É um nome dados às entida des que
vivem no Além Akasha , isto é, nos planos superiores do astral. Cada plano, com o se sabe,
possui 7 subdivisões, formando ao topo 49 sub-planos, o que corresponde aos 49 Fogos de
Kundalini , 49 Filhos de Fohat , etc. Os Devas equivalem aos anjos da s religiões ocidentais.

Deva-Matri (Sânscrito) Expressão que se aplica à Mãe Universal, Mãe de todos os Deuses, i
clusive os próprios avataras . Por essa razão, a mãe de Krishna era chamada Devaki, para não
falar nas Mães ou Marias das religiões do Ocidente, inclusive a de Jesus ou Jeoshu a. Tal
ainda a razão por que as escrituras orientais denominam de MITRA-DEVA o mai s importante
dos avataras , nome que, por sua vez, faz lembrar os de MAITRI e MAITRÉI

A. Quanto ao termo MATRA-DEVA, é dado também aos devas do Além Akasha, pois estes
cons tituem a verdadeira Corte Espiritual dos referidos avataras. Matra-Deva quer diz er deuses
da medida , isto é, do ciclo, da região, da latitude onde alcançou a Evolução da M da, no
momento por Lei indicado... E basta. Dhârana (Sânscrito) É o sexto passo da Yoga de
Patanjali, e consiste na intensa e perfe ita concentração da mente, em determinado objeto
interno, com a completa abstração do mu ndo exterior ou dos sentidos . Em síntese: o sumo
controle do pensamento . Eis a razão de ter sido este o primitivo nome da Sociedade Brasileira
de Eubiose, quando ainda ligada ao Oriente, de acordo com o fenômeno cíclio atual, isto é, do
Oriente, se fund ir espiritualmente com o Ocidente. Para tanto, tiveram os seus dois
Fundadores d e fazer uma viagem ao Norte da Índia, passando por transcendentes Rituais, que
os investiram de tal mandato. Em homenagem a essa época, a referida Sociedade mantém, a
té hoje, o nome de Dhâranâ ao seu órgão oficial.

Dharma (Sânscrito) Esta palavra significa, ao mesmo tempo, Dever e Princípio. É justam ente o
afastamento do Dever, da Lei, do Princípio ou Unidade das coisas, que exige a manifestação
de um avatara . Daí a promessa de Krishna a Arjuna, no Bhagavad-Gitã: Todas as vezes, ó
filho de Bharata! que Dharma (a Lei Justa, o Dever) declina, e Adharma (o contrário) se
levanta, Eu me manifesto para a salvação dos bons e destruição dos maus. Para
restabelecimento da Lei, Eu nasço em cada Yuga (idade, ciclo).

Dhyan ou Dhyana (Sânscrito) O sentido literal, em sânscrito, é o de meditação . É o séti ou


passo da Yoga. Em outras palavras, é o conhecimento direto pela meditação. Constitui uma
das Paramitas budistas.

Dhyan-Choan (Sânscrito) Senhor da Luz . Entidades espirituais que têm o nome de Espírit
Planetários , e que equivalem aos Arcanjos da Igreja. Por isso, possui esta em seus templos os
candelabros de sete velas, número dos referidos Seres. São os dirigentes d e cada globo ou
astro de um Sistema Planetário .

Djin (Árabe) Elemental. Vide o conto Aladim e a Lâmpada Maravilhosa , das Mil e Uma Noi es .
Aladim equivale a Allah-Djin, isto é, o Gênio de Allah (ou de Deus).

Dragão de Sabedoria O Deus Um dos Logos. EKA. Nome dado aos Senhores de Vênus que vi
eram instruir a Humanidade em pleno domínio da 3ª Raça. São também chamados Kumaras.
As te ogonias orientais, falando dos Senhores de Vênus , dizem que foram portadores de Me l,
Trigo e Formiga. Esse asserto tem sido pessimamente interpretado até por muitos dos mais
conspícuos ocultistas e teósofos. O mel é a Amrita, a Bebida da Imortalidade , a Ambrósia dos
Deuses , ou Sabedoria Divina (a Teosofia). Nesse caso, alimento espirit ual ou Maná caído do
céu, como aconteceu ao povo de Israel, que, ouvindo a Palavra Divin a ou o Verbo inflamado
de Moisés (Deva-vani, no sânscrito, ou Verbo-Divino), depois d e ter contemplado a Luz face a
face, no Monte Sinai, pronunciou: Man-hu? (que ve m a ser isto?). Essa expressão hebraica
também se confunde com os termos Manú e Maná ... Q to ao trigo, ele sim que é o alimento
físico, e não o maná , como interpreta a Igreja. Mas, sendo o pão nosso de cada dia , deve ser
ganho pelos nossos próprios esforços, com o suor do nosso rosto , assim como obtemos o Mel
da Sabedoria , pelo aperfeiçoamento da intel igência e do caráter. A formiga é o Karma, que
destrói esses mesmos esforços, quando o hom em não possui o verdadeiro conhecimento, isto
é, a consciência de quem é, de onde vem e p ara onde vai . Eis porque ele, como o Cavaleiro
da Triste Figura, o Don Quixote do imortal Cervantes, trava verdadeiras lutas contra moinhos
de vento. É que não é fácil d istinguir a nuvem de Juno... E Egrégoras Entidades ocultas,
semelhantes a uma classe de devas , e que podem ser form adas pela intensidade de
correntes mentais realizadas nos centros verdadeirament e espiritualistas, pois nos falsos,
inclusivve nos centros de baixo espiritismo, tais criações psico-mentais se transformam em
autênticos monstros, perseguindo os fre qüentadores desses centros...

Elohim (Hebreu) - Plural de EL, ou Ele nos seus Sete Filhos. São análogos aos DhyanChoans
ou Arcanjos da Igreja. Como diz o Livro de Dzyan, um dos mais antigos do Oriente: Do
Uno-Trino surgiram os Sete Auto-Gerados . Eossisma Sistema maçônico composto atualmente
de 33 graus (Rito antigo e aceito), di vididos em 4 seções (o Budismo também adota 4 etapas
ou graus: Sarttagamim, Sakurttaga min, Anagamim e Arhat), a saber: a) Maçonaria chamada
azul (Lojas simbólicas); b) Maçona ria vermelha (Lojas capitulares); c) Maçonaria preta , que
termina pelo grau de templário ou Cavaleiro Kadosch; d) Maçonaria branca , com seus graus
administrativos, etc. O Ri to Escocês é um amálgama dos chamados graus simbólicos, com
graus históricos, templários, he rméticos, etc., etc. A Grande Loja Escocesa da Suíça não
reconhece os mais altos graus. A Gr... L... de F... foi fundada em 1897. Esoterismo (Do grego:
interior, oculto) Nome também dado à Doutrina Secreta ou Esotéri ca. Opõe-se a Exoterismo
(do grego: exterior), que significa o que pode ser exposto aos olhos de todos . Esta mesma
distinção não podia deixar de ser observada por Jesus, que falava aos seus apóstolos de modo
revelado , e ao povo por meio de parábolas, o que equivale à Maya Budista, ou método de
iniciar por meio de véus (Maya, malha, tecido) que encobrem o verdadeiro sentido das coisas...
É que, de há muito, a Verdade se acha por trás da Mentira . Como reminiscência desse
prodigioso método de ensinar as coisas q ue não podem chegar às claras ao domínio público,
empregam-se hoje os chamados testes .

Faquir (do árabe: mendigo) Asceta da religião muçulmana, e que não deve ser confundido c
omo o Iogue hindu. Os faquires pertencem, algumas vezes, à seita Shiva, sendo Shiv aítas,
portanto. Costumam pedir esmolas para tais templos, e não faltam fanáticos que se deixem
levar por sua Maya-Vada ou Maya hipnótica . Não são, pois, Adeptos, no verdadeir sentido
dessa palavra, mas praticantes da magia grosseira e desnecessária, portanto , ao seu próprio
progresso espiritual. Domesticar najas e fazê-las bailar ao som de um a flauta, espetar o corpo
com punhais e outros instrumentos perfurantes, fechar a mão para nunca mais abri-la, atirar-se
debaixo das rodas do carro de Shiva , jamais conduziu alguém pelo Verdadeiro Caminho da
Iniciação, para encontrar a Meta ou a Salv ação. Fohat Nome dado ao poder criador do
pensamento cósmico, que se manifesta em todos os planos. É Daiva-Prakriti, a energia do
Logos. No universo objetivo, é a eletricid ade uma das formas de atividade de Fohat. Fohat
provoca no Koilon as bolhas que se agregam para construir os átomos. É o agente que liga
indissoluvelmente o espírito à substância. Como diz H.P.B. na Doutrina Secreta , é o cavalo
cujo cavaleiro é o pensamento Fraternidades Eis os Mosteiros, Lamaserias e outros Centros
Iniciáticos que, sob a jurisdição espiritual de Agharta, estiveram em ligação com a Sociedade
Brasileira de Eu biose, na fase em que ainda tinha o nome de Dhâranâ: Simla, Srinagar,
Gartok, Ladak e Leh, ao Norte da Índia; o mosteiro de Lhassa, na capital tibetana, quando
ainda dirigido pelo último Dalai-Lama, o 13o. da série; o de Tjigad-Jé, a Oeste do Tibet, so b a
direção, por sua vez, do Traichi-Lama; o famoso mosteiro de Urga, na cidade do m esmo
nome, capital da Mongólia, ainda sob a jurisdição do 31o. ou último Buda Vivo da séri e
representativa, na face da Terra, do excelso e misterioso Ser conhecido no Ori ente pelo nome
de Rei do Mundo . Em verdade, o Dalai-Lama e o Traichi-Lama eram 2 Colunas Vivas do
Buda-Vivo da Mongólia, como expressões fidedignas do referido Rei do Mundo , Senhor da
Agharta, ou de Erdemi , como é chamado na Mongólia, e, por sua vez, po ssuidor de duas
tradicionais Colunas Vivas, que têm os nomes de Mahima e Mahinga. São, pois, verdadeiros
Três Reis Magos, em cujas mãos se acham os Dois Poderes: o Temp oral e o Espiritual. Isto
para não falar no fenômeno que se dá em certos ciclos, em qu e o Temporal fica em baixo, e o
Espiritual se firma em cima, isto é, o Governo Ocu

lto do Mundo se biparte... Foi no Mosteiro de Narabanchi-Kuri, ou simplesmente N arabanchi,


que o Rei do Mundo , há mais de meio século, fez as profecias que transcreve mos no capítulo
A Bomba Atômica , do Livro Ocultismo e Teosofia . A seguir, surge, em plen o deserto de Gobi,
o glorioso Mosteiro de Naringol, que também teve importante pap el na história da S.T.B.
Falemos ainda em duas Fraternidades Secretíssimas: uma no M onte Líbano e outra em
Baalbeck. A primeira é a mesma da misteriosa tradição de O Velho d a Montanha e é um
Mosteiro francamente solar . A de Baalbeck, antiga cidade de Heliópoli s, foi outrora, como
indicava o nome, solar , mas hoje é lunar . E a prova é que a primeir a se firma no alto,
enquanto a segunda no baixo ou planície... No Cairo, um Ser de elevada hierarquia, conhecido
pelo nome de Bey Al Bordi ou Montanha Primordial , r epresenta sozinho diversas
Fraternidades, entre as quais as de Kaleb (em árabe sig nifica cão , mas está relacionada com
a constelação de Sirius), aos 23o. de latitude norte, no Deserto da Líbia, e as de Karnack e
Luxor, no Egito, todas elas jinas ... Outra i mportantíssima é a que está numa região oculta do
Novo México, isto é, a verdadeira Rosacruz americana, e não as que se intitulam como tais...
pois essa é formada por Adeptos d a mais alta hierarquia. Há ainda outra em Yucatan, no
México, e as de Machu-Pichu (M anú Piscus ou Piscis? O Manú Peixe?), no Peru; e no Brasil,
aquela que está estreitame nte ligada ao mistério da Serra do Roncador. Em resumo, todas
essas Fraternidades, Mosteiros, Centros Iniciáticos, prestaram o devido concurso na
construção do Novo Edifíc io Espiritual do Mundo , que era Dhâranâ, naquele tempo, e é hoje a
Sociedade Brasileira de Eubiose (antes, Sociedade Teosófica Brasileira, cujas iniciais, S.T.B.,
como e ra então conhecida por toda parte, principalmente no continente americano, para on de
é a sua Missão além de outras interpretações, poderia ter ainda a de Sublime Templo Bra
sileiro). Todas elas juntas, formaram o expressivo número 22 dos Arcanos Maiores, em torno
da referida instituição, ou melhor, os VINTE E DOIS TEMPLOS DOS TACHUS-MARÚS (o u
Maruthas), rodeando Aquela que, na face da Terra, representa a AGHARTA, na sua integral
expressão, e a própria SHAMBALLAH, como coroa real do mistério... Agora se p ode
compreender o motivo pelo qual a S.T.B. construiu um Templo sobre determinad a colina, ou
Montanha Sagrada , que é, em verdade, o marco precioso do Movimento em q ue está
empenhada. Não é Ele, pois, um Sublime Templo Brasileiro, como outrora o foi o de Srinagar
(Srinagar Templo Budista), quando ali estiveram os Dois Fundadores da referida instituição?
Mas não só o majestoso Templo da S.B.E. que se firma na cidade mineira de São Lourenço,
como lugar em que ela nasceu, e sim também sua Sede e Foro. D aí a obrigatoriedade de seus
Irmãos Maiores residirem naquela estância, e aí firmarem os s eus negócios comerciais e
profissionais, equilibrando assim o Tesouro Espiritual, que é a Obra à que pertencem, com a
vida material, o seu modus vivendi , a manutenção do co rpo físico. Para isso, receberam o Mel
(a Sabedoria Divina ou o alimento espiritual ) , o Trigo (o alimento físico) e a Formiga (a luta
que já tiveram de atravessar na vi da, inclusive através de múltiplas encarnações), como já
vimos... Eis ainda o motivo pelo qual Roso de Luna, referindo-se a São Lourenço, chamou-a de
Capital Espiritual do Bra sil , e outros Homens de hierarquia superior, a Meca do Mundo . G
Gaea ou Gaia (Grego) Personificação da Terra, mãe da Natureza, equivalente a Aditi. Mãe
Terra, Matéria e até Maitréia, na mais sublime de todas as eufonias , para expressar o se u
Salvador, o Espírito de Verdade . Geon designa a Terra, mas considerada com um Ser V ivo .

Gelugpas (Em tibetano: bonés amarelos ) Seita que se opõe à dos Dugpas ( bonés vermelhos
tica a Boa Magia ou Branca, enquanto a dos Dugpas emprega a Má, ou Negra. Tamas em
oposição à Satwa, pois o azul de Rajas fica oculto no próprio termo religião , que ambas ad
tam. Goro Palavra que se confunde com a sânscrita Guru. É o nome dado aos Sacerdotes do
Re i do Mundo , que, como os signos do Zodíaco e as Hierarquias Criadoras, são em número
de doze. Serviram de origem à história do Rei Artus e os Doze Cavaleiros da Távola Redond a
, Carlos Magno e os Doze Pares de França e Jesus e seus Doze Apóstolos ...

Guna Em sânscrito, quer dizer, literalmente, corda . Segundo a filosofia Sankya, desi gna as
três qualidades de matéria, ou as três modalidades de manifestação cósmica: Rajas, a
atividade, a energia, a força centrípeta; Tamas, a inércia, a obscuridade, a força centríp eta;
Satwa, o ritmo, o equilíbrio que daí resulta. Donde: Verdade, Pureza e Luz, ou antes, Amor,
Verdade e Justiça. As suas cores são o Amarelo, o Azul e o Vermelho, is to é, as de Satwa,
Rajas e Tamas. Atualmente, o que predomina no mundo é Tamas, liga do a Rajas, vermelho e
azul, portanto, dando o violeta lunar, que é justamente o c iclo que começou em 1945 e que
terminou em 1980. A interpretação é a seguinte: predomínio religioso-militar, confusão,
anarquia, queda da civilização, miséria, fome... Foi o peso da matéria tamásica que concorreu,
em outras épocas, para a destruição de cidades, como a s de Sodoma e Gomorra (pois as
questões sexuais estão fortemente incluídas em Tamas... como as dos crimes, suicídios, etc.),
de países e até de continentes, como os da Lemúri a e Atlântida... A interpretação de Moisés
passar a pé enxuto, com seu povo, o Mar Vermelho não é, como dissemos, a material ou
grosseira que lhes dão as próprias religiões. Signifi ca que o Manú e o seu povo não podiam
pisar no mar de matéria tamásica (ou vermelha), poi sso seria destruir a própria semente que
ele levava para a Terra da Promissão.

Grupo (Alma) A Teosofia e o Ocultismo (que são a mesma coisa, pois, como dizia Ros o de
Luna, o Teósofo não precisa dizer que é Ocultista, mas o Ocultista que não disser qu e é
Teósofo, não é nem uma coisa, nem outra ) admitem que os seres não individualizados, com o
as plantas e os animais, não possuem um princípio permanente e independente, mas a lguns
desses princípios, ou tríades, são reunidos num tríplice invólucro de essência monádica e
constituem a alma-grupo . Entre os vegetais, a alma-grupo anima um número vultoso de
indivíduos, talvez, todos da mesma espécie; ela vivifica um número cada vez mais re strito de
seres, à medida que vai evoluindo, enquanto os animais mais evoluídos pode m, por um
esforço psíquico, se individualizar, isto é, tornar independente a sua tríade (a mônada humana
é formada por uma tríade ), para reencarnarem, da próxima vez, sob a forma humana. Mas as
skhandas de determinadas almas (no reino hominal, portanto), pod em concorrer para formar,
em famílias, coletividades, etc., o que também poder-se-ia chamar de alma-grupo. Foi por isso
que Gautama, o Buda, afirmou que ninguém nasce em família, país ou lugar que não lhe esteja
destinado pelo Karma . É, aliás, uma atração nat l, por força de Lei, para aqueles e aquilo que
conosco já conviveram em outras existên cias ou encarnações. Disse também o mesmo
Iluminado: Luta em primeiro lugar pelos do te u sangue (a Família), e os da tua raça (a Pátria).
Guarda os teus siddhis (poderes psíqu icos) para a vida futura . E, no entanto, raro é aquele
que não quer possuir poderes p síquicos para desperdiçá-los inutilmente. Assim, um só
ensinamento de Gautama poderia se r desenvolvido num volumoso tratado de Filosofia! Pátria,
Família e Religião, mas esta seria, em verdade, o próprio Ser que dera tal conselho. H

Hamsa Em sânscrito quer dizer cisne . Simboliza a Sabedoria e a Iniciação. Daí o simbolism do
Pelicano, na Maçonaria, pois este pássaro carrega nas asas o companheiro ferido, possuindo
pois um espírito de fraternidade , como o que deveria unir todos os maçons . É c amado
também de Montaria de Brahmã . Como diz A Voz do Silêncio , traduzido por H.P.Blavats y,
cavalga a Ave da Vida, se queres saber ... Tat Twan Asi ( Eu Sou Ele , Eu Sou Brahmã ), rase
pronunciada pelos Iogues no momento de S ushumnâ, quando a respiração se faz pelas duas
narinas, equivale a A-Ham-SA. Hamsa é ainda o Eu, o Jivatmã, o Viajo. Nas duas sílabas,
Ham-sa significa a inspiração e a expiração, na ciência do Sopro.

Hexagrama Símbolo da Iniciação e Esquema de um dos fatos que ela prepara, principalmente
se levar um ponto no centro. O Hexagrama é ainda o símbolo do Macro e do Microcosmo .
Representa também a União do Fogo e da Água, na Cosmogênese. Na religião do povo de Isra
el é o Signo de Salomão , a Cruz Judaica , etc. O Compasso e o Esquadro, entrelaçados, form
m na Maçonaria, o Hexagrama.

Hina-Yana (Em sânscrito: Pequena Barca ) Escola budista do Sul da Índia (Ceilão). Ao Nor e,
existe a Maha-Yana, a Grande Barca . No Egito já se falava na Barca de Osíris e de Ísi s. Foi
destes termos que a Igreja copiou a Barca de São Pedro ...

Hiram Nome do Arquiteto do Templo de Salomão. Segundo a tradição, Hiram era filho de u m
Tírio chamado Ur (ou Aur, Fogo, Agni) e de uma mulher da tribo de Dan. Esta mulh er logo se
tornou viúva, e daí o título de filhos da viúva que se dá a Hiram e a todos os m ns . No Egito,
Ísis também fica viúva de seu esposo Osíris (Lua e Sol), que deve ressuscit ar em seu filho
Hórus. Mas isto depois de encontrado o último dos seus 14 pedaços (os signos do Zodíaco, os
doze conhecidos mais dois secretos), que Ísis finalmente achou no buxo de um Peixe ou Piscis
), pois sendo o sexual , está relacionado com o referido signo. Eis também o motivo por que
Jesus traçou no solo um peixe , quando lhe apresenta ram a mulher adúltera, e disse: Aquele
que estiver isento deste pecado, que lhe ati re a primeira pedra . A Maçonaria é, pois, a mãe
dos maçons , como a Igreja (e daí a Santa M e Igreja) o é para seus sacerdotes. I Io (ou Ísis) O
grande princípio feminino, mãe de toda a Vida, entre os gregos e os egípc ios. Equivale ainda à
Aditi das escrituras hindus, à Lua e ao cteis , simbolizando as f unções femininas da geração.
Ishvara (Do sânscrito: Senhor) O Ser Supremo, o Logos donde emanam todas as indivi
dualidades. É o Centro de Consciência imutável que existe no Seio da Existência Única. Se se
interpretar esta palavra, desdobrando-a em ISH (ou IHS), e SVARA, ter-se-á: o Háli to de Io ou
Ísis , como aspecto feminino da Divindade. J Jehovah - (Hebreu) Nome do Deus Criador entre
os hebreus. Os Gnósticos o denomina ram simplesmente Eon. Esotericamente é um dos sete
Elohim (v.), uma das Sete Intel igências Criadoras. Mas... desde que se saiba interpretar o
termo JOVE (de Júpiter), JEOVE ou JEHOVAH, como um astro (digamos, o 4o. de nosso
sistema...). E isto, n o mais alto sentido iniciático.

Jiva Palavra sânscrita que significa existência . É a Vida absoluta, a vida cósmica, as vi as
particulares (princípios vitais permanentes, Jivatmãs, Egos), emanadas da Vida Un iversal. É
ainda o Fluido Vital ou Prâna.

J.H.S. Chave cabalística da qual se serviu Jesus, ou melhor, Jeoshua Ben Pandira, o Filho do
Homem , para seu nome secreto. O Talmud diz que Jesu roubou a Palavra Sagra da do
Templo , mas não sabe interpretar o sentido que toma aqui o verbo roubar ... Desc onhece
igualmente o valor da referida Palavra, principalmente quando acrescida d e determinado
número de vogais... Prometeu também roubou aos Deuses o Fogo, que introd uziu na sua
cana, isto é, o Fogo da Sabedoria, fornecido por Kundalini no momento d a sua manifestação .
Cana, bastão, bengala, idêntica ao Caduceu de Mercúrio , mas, em verdad a coluna verterbral,
onde se acham os nadis , ou lugar da semente dos sete chakras exis tentes no duplo etérico. O
sétimo, contando de cima para baixo (como a queda do Espírit o na matéria ), é o Muladhara,
que é a sede de Kundalini ... Na coluna termométrica, por sua vez, o azougue ou Mercúrio
indica a verdadeira temperatura ou calor que acusa o doen te. E o calor de Kundalini equivale a
40o. K Kabiris Divindades fenícias que correspondem aos Kumaras ou Senhores de Vênus .

Kalki-Avatara Em sânscrito, significa cavalo branco , como décimo Avatara de Vishnu. É a


manifestação esperada sob o signo de AQUARIUS ( Era de Aquarius ), no começo do século
XXI, e não para o fim da idade atual, como o dizem algumas tradições orientais. O fenômeno
do s Avataras já o proclamava H.P.B. é dos mais misteriosos . Entretanto, dizer-se que o m
esmo é o décimo , exige a seguinte pergunta: E quantos décimos ter-se-iam já manifestado?
ataras se repetem em todas as idades, de Um a determinado número... para serem ren ovados
nas seguintes. Com vistas às idades ou Yugas, e também ao mistério da rotação das e strelas
fixas. Este é outro mistério que só pode ser desvendado no interior de um Colégi
o Iniciático... Kalpa (Sânscrito) Entende-se por Kalpa um período inteiro de atividade ou de
repouso . O Maha-Kalpa ou Grande Idade de Brahmã (100 anos de Brahmã) atinge um total de
311 .040.000.000.000 anos. É o período de atividade do Universo inteiro. Cada ano de Bra hmã
comprende 360 dias e o mesmo em noites. Cada dia equivale a 4.320.000.000 de a nos. Para
termos uma idéia clara dos ciclos esotéricos que regem as etapas da evolução d a Mônada,
podemos tomar por base a duração da precessão dos equinócios, que ocultamente co
rresponde a 27.000 anos, e não como vulgarmente se julga. Quatro períodos destes nos dão o
ciclo de 108.000 anos, o ciclo da vida do apex solar . Quatro destes ciclos no s dão 432.000
anos, ou seja, o equivalente à chamada Idade Negra ou Kali-Yuga, e que é a quela que
estamos atravessando. Duas vezes esta idade nos dá uma Dwapara-Yuga, ou Idade de
Bronze, com 864.000 anos. Três períodos correspondentes à Kali-Yuga nos dão 1.2 96.000
anos ou Tetra-Yuga, Idade de Prata. Quatro períodos iguais à Kali-Yuga dão uma Satya-Yuga,
ou Idade de Ouro ( Eterna Primavera ), isto é, 1.728.000 anos. Em resumo: Ciclo de precessão
27.000 anos Ciclo solar 108.000 anos ou 27.000 X 4 Kali-Yuga 432.000 anos ou 108.000 X 4
Dwapara-Yuga 864.000 anos ou 432.000 X 2 Tetra-Yuga 1.296.000 anos ou 432.000 X 3
Satya-Yuga 1.728.000 anos ou 432.000 X 4 Estas 4 Yugas somam 4.320.000 anos ou uma
Maha-Yuga. Setenta e uma Maha-Yugas são o reinado de um Manú (não se deve confundir,
entretanto, com os Manús terrenos, que são ramificações dos cósmicos, o que está
simbolizado na Árvore de Kuma-Mara, Árvore dos Kumaras ou Árvore da Vida...) ou
306.720.000 anos. O reinado de 14 Manús, ou o período de dur ação de 994 Maha-Yugas,
correspondem a 4.294.080.000 anos ou o período de valor dos Sh andis, ou seja, os intervalos
entre o reinado de cada um dos Manús, e que equivale m a seis Maha-Yugas, ou 25.920.000
anos. Teremos então um Kalpa, isto é, 4.320.000.0 00 de anos, período correspondente a
1.000 Maha-Yugas.

Karma ou Karman (Do sânscrito: ação) Conseqüência da Lei de Causa e Efeito. Donde a expre
ssão mais apropriada: Lei de Causa e Efeito. Donde a expressão mais apropriada: Lei de
Causalidade. Jesus referia-se ao Karma quando disse: Quem com ferro fere, com ferro será
ferido . Maomé o expressou na frase: Dente por dente, olho por olho ... Graças à ei de Karma,
como já dissemos, o homem nasce nesta ou naquela família, neste ou naqu ele país ou lugar, e
com as tendências ou skhandas de suas vidas anteriores, incluin do-se no fenômeno o karma
patológico ou da hereditariedade . Por exemplo: alguém que tenha de esgotar um karma
sexual, ligado à Lues (ou sífilis), não pode deixar de nascer numa f amília que possui essa tara.
A ciência oficial, infelizmente, bem como as religiões oc identais, não se enveredaram ainda
por este setor mais do que transcendente, se as sim se pode dizer. O fenômeno, por sua vez,
da simpatia (e também do amor à primeira v ista, sem os exageros passionais de muitos... que
se servem do termo para tirare m proveitos), e da antipatia, figuram no mesmo quadro. Velhos
conhecimentos... c onservados como bagagem de vidas anteriores . Karma e Skhandas são
palavras que se co mpletam.

Kundalini (Do sânscrito: o poder inflamado ) No homem é a força magnética ou fohática la no


fundo da matéria. Por isso é que ela tanto se manifesta no Seio da Terra ou Laboratór io do
Espírito Santo , como no homem, no chamado chakra raiz ou Muladhara. Este poder só pode
ser despertado à custa de longos sacrifícios, na aquisição da Pureza da Inteligência e do
Coração (Doutrina do Olho e do Coração, como chamam as escrituras orientais). Quem pratica
Yogas e outros exercícios para despertar tal poder , sem estar nessas condições, vai de
encontro a graves perigos, inclusive o de se passar para a Magia Negra , e até morrer de um
choque de retorno . O fenômeno é idêntico ao do domesticador que acaba sen do vítima da
fera que procurou domesticar... L

Lama

(Tibetano)

Sacerdote do Lamaísmo ou Budismo.

Lha (Tibetano) Espírito, mas no sentido de Seres de categoria superior, como os Ba rishads, os
Agnisvatas, etc. Lipikas Em sânscrito, significa escribas , ou melhor, escritores , juízes .
Representam es incumbidos de escrever no Livro Oculto do Karma , estreitamente ligados aos
Anai s Acásicos (ou do Akasha), estes por sua vez influenciados por Vênus. Isto faz admiti r a
hipótese... dos Lipikas serem uma hierarquia ligada aos Senhores de Vênus , ou Kuma ras. É
natural, pois, que a hierarquia que deu mental e sexo aos homens , tenha o dir eito de
julgá-los...

Lourenço-Prabasha-Dharma Nome da Montanha Sagrada, em São Lourenço, Minas, ligando o


n ome do Lugar , ou od Manú da 7ª Sub-Raça. Daí a Missão dos 7 Raios de Luz, em que está
emp a S.B.E., desde que isolada da América do Norte; ligadas uma à outra, têm o nome de Mis
são Y , pois as suas duas hastes, lunar e solar, estão na razão Norte e Sul do mistério... Foi em
São Lourenço que o Oriente e o Ocidente se fundiram, pois em 1899 os dois Di rigentes desse
Movimento, tendo ido ao Norte da Índia, subiam em 1921 aquela Monta nha, para serem
investidos no referido cargo (Vide a Série da revista Dhâranâ , dedicada a S. Lourenço, onde
se fala em toda a História do Movimento em que está empenhada a S. B.E.). Quanto às três
iniciais do termo Lourenço-Prabasha-Dharma, ou L... P... D..., já o Conde de Cagliostro as
trazia no peito, pois era Grão-Copta da Maçonaria Egípcia, e s ervia, ao mesmo tempo de
escudo ou cobertura ao Conde de São Germano. É que, embora os Dois Poderes se
apresentem juntos, o espiritual está sempre disfarçado por uma máscara , como de fato, se
apresentava o segundo, mesmo na presença dos maçons mais graduados d a França,
Inglaterra, etc. O próprio nome secreto do Conde de S.Germano (de quem mui to se fala, mas
em verdade, nada se sabe...) era Lorenzo Paolo Domiciani... O Go verno Oculto do Mundo,
como poucos o sabem, é representado por uma Flor de Lis ou Loto egípcio (a paarte espiritual),
e por uma Suástica (a parte temporal). Ou, integ ralmente, por um Candelabro de 3 Velas ou a
letra Shin hebraica... Ora, a falsa Flor de Lis, dos Bourbons, contrariando os desígnios da Lei,
fazendo sofrer o Povo, não podia deixar de cair ou ser esmagada. Por essa razão, a
interpretação política das 3 ini ciais era: LILIUM PEDIBUS DESTRUE, isto é, destruir (esmagar,
pisar) tal símbolo caóti co, que não fazia jus à sua própria dignidade iniciática. E é assim que
também se justifica, ainda hoje, a palavra de passe maçônica, Libre Droit (de) Passer , formada
com as mesma s iniciais, passando a última para segundo lugar e vice-versa (Vide ainda o
número 1 10 de Dhâranâ , onde se fala de Paracelso, Cagliostro e São Germano).

Loto ou Lotus (Grego) Planta sagrada que tem tido um papel muito importante nas artes e na
decoração religiosa e iniciática dos países do Oriente, do Egito à Índia, e desta ao Tibet,
Mongólia e China. O Loto Sagrado é uma planta aquática do gênero Nelumbium , e q ue se
apresenta com 3 cores: branco, rosa e azul. O branco exprime a alvura imac ulada ou
Perfeição da Mônada ao alcançar a meta final da Evolução. É por isso que têm essa co s faixas
e vestes dos verdadeiros Arhats de Fogo. Com os grãos do Loto, que também s ervem de
alimento... preparam-se perfumes de grande transcendência. Tocando a terr a com a sua raiz,
a água com seu talo ou pedúnculo, o ar com a flor (saturando-o com as vibrações magníficas
de seu incomparável perfume), e o éter pela influência espiritual d e suas emanações, foi
considerado, além do mais, como símbolo dos quatro elementos. Tais elementos estão
diretamente ligados aos Maha-Rajahs ou Seres Cósmicos, representand o os 4 pontos
cardeais e que tomam a forma de Kumaras, pois estes se apresentam com o mesmo número.
M Magia e Mágica Não se deve confundir os dois termos. O praticante da Magia Natural, ou
que age com as forças da Natureza e para tanto possui esse direito é um verdadeir o Mago.
Aquele que ilude seu público, embora podendo ser um artista muito habilido so na arte da
prestidigitação, etc., é um mágico. O tradutor, por exemplo, da obra de Al exandra David-Neel,
Mystiques et Magiciens du Thibet , deveria ter dito Místicos e Mag

os do Tibet e não Mágicos . Mas, como a própria autora incorreu nesse erro, a sua falta é m ito
menos grava do que a da Sra. David-Neel... Manas (Sânscrito) Corresponde ao mental,
princípio do discernimento. É o princípio intel igente. Manas, Manú ou Pensamento, o
Pensador, como já foi dito alhures, demonstra o estado de consciência por que está
atravessando o ser humano, embora que num dos ci clos de decadência da 5ª raça, a Ária,
para o ressurgimento no ciclo imediato. Do termo sânscrito manas se derivam o man inglês e
alemão, que equivalem ao português homem ou ho-m em (ho-man).

Mantra ou Mantran Em sânscrito, significa hino , discurso cantado , etc. Todo mantra é fe to de
maneira a produzir resultados benéficos àquele que o recita, bem como aos que estiverem
presentes ao ato. Há mantrans ainda para se realizar curas, os quais tomam o nome de
dhâranis . Tais cânticos agem sobre os devatas ou espíritos (elementais) que ntam as
moléstias, pois os micróbios, no caso, seriam as almas (ou seres psicofísicos) d a doença, que
é a parte verdadeiramente física ou visível. É só esta última que permite aos m cos fazer o
diagnóstico, muitas vezes falso, pois a Medicina oficial desconhece to das estas coisas. Já
dizia o grande Paracelso, em seu tempo: Não se pode estudar anat omia, e muito menos
fisiologia, num cadáver . Realmente, como encontrar com o bistur i o duplo etérico no homem,
e tudo quanto nele se oculta aos olhos físicos? Mayâ Em a última. r trás da razão do

sânscrito, quer dizer matéria ou ilusão , pois a primeira é considerada como fon Se quereis
encontrar a verdade, já o dissemos mais de uma vez, buscai-a po mentira. Aquilo que não se
vê, é justamente o que existe, o que é verdadeiro (na fenômeno para o númeno ...).
Maya-Deva Nome dado à garganta do Nepal, pois sendo uma estrada relativamente fácil para
se alcançar Lhassa, a capital do Tibet, os profanos não se atrevem a palmilhá-la, tais os
obstáculos e perigos (ilusórios, portanto) com que têm de se defrontar. É que e xistem nos seus
arredores alguns mosteiros ou colégios iniciáticos , não sendo permitido a profanos deles se
aproximarem, muito menos devassá-los. Conta-se mesmo de um cas o passado um pelotão de
soldados ingleses que andavam em busca de um criminoso, e dando ingresso num desses
mosteiros, depois de passar por mil peripécias, ficaram aterrorizados com o que tiveram
ocasião de presenciar: monges e discípulos pairavam, de cabeça para baixo, no espaço,
confundindo-se com seres do astral, e animais fero zes... Inútil dizer que os soldados dali
fugiram espavoridos, alguns deixando as p róprias armas... Quanto aos praticantes do
Lung-loom , no Tibet, já descritos pela auto ra de Místicos e Magos do Tibet , e por Mario Roso
de Luna na sua última obra, O Tibet e a Teosofia , escrita de parceria com o Prof. Henrique
José de Souza, diretor cultur al e espiritual da então Sociedade Teosófica Brasileira, são
autênticos homens-pássaros , po s viajam centenas de léguas pelos ares, como portadores de
correspondência, objetos, etc., através do Deserto de Gobi, indo de Lhassa à Mongólia exterior
e vice-versa. Os que praticam o Lung-loom , quando estacionam em qualquer lugar, colocam
pesadas ca deias com uma bola de ferro na extremidade, para não se elevarem nos ares. Esse
po der passa de pai para filho, e é adquirido por um determinado ritual psíquico, no qu al tem
um importante papel o chakra umbilical, assim como um mantran especial, dedic ado a certa
estrela que o viajor do espaço toma como guia. Quando um desses magos do espaço aparece
ao longe, em pleno Deserto de Gobi, as caravanas e os viajantes que por aí passam se
prostram por terra, em sinal de respeito por um Ser que é tido em t oda aquela região como a
encarnação de um deus qualquer . Em verdade, tal poder não é privil o deste ou daquele, mas
exige um longo período de treinamento e despreocupação completa do mundo exterior ou dos
sentidos . Quando se diz que tais poderes passam de pai a filho , quer se referir aos sidhis
formados por essa alma-grupo , que é a própria família ao fato do referido treinamento
continuar sempre, assim como a ligação com o cosmos , através da estrela-guia ... Algo,
portanto, que afasta completamente o mental das coi sas da Terra. Não falemos da egrégora
desse deserto, onde tudo é silêncio, magia, encantam ento... Para se ter uma idéia mais ampla
dos valores psico-mentais dos naldjorpas ti betanos, magos, etc., deve-se ler, primeiramente,
as seguintes obras: Dans le Thi bet , Dans la Tartarie , Dans la Chine , do Reverendo Huc; Mon
Voyage Secret à Lhassa , de ntgomery; El Corazón de Ásia , de Nicholas Roerich; A L Ombre
des Monastères Thibétains , e

utras obras do Marquês de Rivière sobre o Oriente; a seguir, Bêtes, Hommes et Dieux , de
Ferdinand Ossendowsky; Mystiques et Magiciens du Thibet , de Alexandra David-Neel e O
Tibet e a Teosofia , vasada na obra anterior, de autoria de Roso de Luna e H.J. Souza e
publicada na revista Dhâranâ .

Moksha Termo sânscrito que significa liberação . Trata-se da liberação fora da matéria , esma
salvação das religiões do Ocidente. Moksha é o contrário de Tanhã (sânscrito e pâl ima palavra
significa apego à vida , desejo de viver , tornando0se a verdadeira causa do s renascimentos.
Mônada (Do grego: um , unitário ) A Mônada é um centro de consciência, centelha na Cham
ipando das qualidades do Todo, por ser uma fração sua. Por isso é ela onisciente e onipo tente
em seu próprio plano. A Mônada é limitada, porém, em seus meios de ação, pelos veículos de
que ela se serve para agir nos mundos inferiores. Ela é o grande Eu, o Purusha , o Espírito no
Homem. Por essa razão, só se podem ler as vidas passadas dos indivíduos no c orpo causal ,
que é o Budhi , da Intuição, ou do Espírito. A Mônada vai adquirindo, gradativ nte, a
auto-consciência, graças à evolução da matéria, que se aproxima, progressivamente, ao s fins
do Espírito. Isto, de acordo com as suas skhandas ou tendências, que não fazem se não
desenvolver as possibilidades ilimitadas, que nele se acham por toda a eternid ade. Mu, Muth
ou Mouth Nome do continente atlante, na sua própria língua e em outras que daquela se
derivam. Este nome também é dado a Ísis, Io, etc. Isto explica muitas coisa s, inclusive porque,
desde então, a marcha da Mônada é pelo Itinerário de Io , ou de Ísis. Mula-Prakriti Em
sânscrito, significa a raiz da natureza material . É a Matéria-virgem ou primordial, que se acha
na base de toda a manifestação (daí Muladhara, ou chakra raiz, na base da coluna vertebral) e
que preenche todo o Espaço cósmico. Mula-prakriti é a sub stância pré-cósmica, o véu de
Parabraham, o substractum da matéria nos seus diversos graus e manifestação. N Naga
Serpente ou cobra capelo . Alegoricamente, entretanto, é o símbolo dos Homens Perf eitos,
tanto no Oriente, como nos antigos povos da América Central: Mayas, Aztecas , Toltecas, etc.
No Norte da Índia, a própria cidade de SRINAGAR (Sri senhor; nagar ou naga serpente) quer
dizzer, de modo iniciático: os Senhores da Sabedoria Perfei ta . Como vimos, no principal
mosteiro dessa cidade, estiveram, em 1899, os dois F undadores da Obra em que a S.B.E.
está empenhada.

Nephelim (Hebreu) Filhos dos Anjos ou Seres de Hierarquias superiores que na 3ª Raça
tiveram de se unir com as filhas dos homens , do que fala mui vagamente a própria Bíbl ia
(Gênesis, VI, 4). Este grande mistério só é conhecido dos Seres de maior hierarquia e m
função espiritual no mundo, como verdadeiros Guias da Humanidade . Chamemo-los de Mah
atmas, se o quisermos, mas no sentido de Seres Superiores, e não, segundo a definição de
Blavatsky, de Homens Representativos , pois ela não quis entrar em detalhes. Tais Seres, em
verdade, são bem outros, e vivem nos reinos subterrâneos da Agharta... e do Mundo de Duat .
Os Todes ou Jinas das Montanhas Sagradas podem, por sua vez, ser ch amados de Mahatmas
(Maha grande; atma alma), ou Grandes Almas . A Gandhi foi dado est e título pelo próprio povo
devido à sua dedicação à causa da Índia, lutando pela sua independ ia e por Ela morrendo nas
mãos de um fanático político, verdadeiro agente inconsciente das forças do mal. Gandhi não foi
o primeiro, nem será o último...

Nirvana (Sânscrito) É um equivalente hindu do céu católico. Em verdade, é um estado de co


sciência, em que as formas não existem. É a este aniquilamento que se referia Gautama, o
Budha. Os adversários da sua doutrina, não tendo a suficiente cultura filosófica para interpretar
o verdadeiro significado desse termo, acusam Gautama de apresentar uma doutrina
materialista , nihilista . Entre eles estão alguns espíritas, que chegam ao p onto de afirmar que
o mesmo Ser, de tão elevada hierarquia, já se apresentou em algu mas sessões , e garantira
que na sua próxima encarnação seria espírita ... (Vide Revelaçõe . Isto é o mesmo que dizer
que um Ser da 6ª Ronda, segundo o afirmou o Mahatma Gulab

Sing (erroneamente chamado Kut-Humi), aspirava tornar-se um mísero mortal do noss o


planeta... Fica mais uma vez provado, como disse o próprio Allan Kardek, que de c em
comunicações, noventa e nove são falsas ... Nivritti-marga (Em sânscrito: o caminho de volta )
A volta da Alma individual, o Ego, à sua fonte de existência. Era a este regresso que se referia
Cristo na parábola do fi lho pródigo que volta à casa paterna , e S. Agostinho na frase Vimos da
Divindade e par a Ela havemos de voltar . O referido termo significa ainda o arco ascendente
da evo lução . É a salvação por Vairagya , o desligamento completo do mundo. Opõe-se,
portanto, a ti-Marga , que quer dizer, involução , o arco descendente , etc. O Ogham ou Ogam
Língua sagrada dos celtas, divinizada entre os gauleses. É um alfabeto hieroglífico, empregado
pelos druidas, portanto, usado pelos Magos ou Iniciados d aquela época. A prova está em que
na nossa língua, hoje o primor da manifestação do Pensame nto Humano no presente ciclo ,
OGAM, lido anagramaticamente, oferece o termo MAGO.

Omphalos Umbigo ou seio da Terra . No Monte Athos, construído no umbigo ou omphalos d ra


, apareceu, no começo do século XVI, uma seita de monges (Omphalo-Psíquicos) que proc
uravam atingir a iluminação pela meditação e contemplação do umbigo. O motivo de tal prática
stá, além do mais, em que o chakra ou centro de força situado nessa região do corpo está li
ado ao mundo astral ou psíquico. O feto, quando ainda no seio materno, está ligado à mãe pelo
cordão umbilical, e por aí se alimenta, de modo psíquico, astral ou lunar... Tem que passar,
contudo, por todo o ciclo de Vênus, que, como se sabe, é de nove meses. A mulher passa
mensalmente pelo fenômeno catamenial ou lunar, mas logo que fecund a, passa à categoria
venusiana, de acordo com o período de gestação. P Parabrahm ou Parabrahman (Sânscrito) O
Absoluto, o Não Manifestado. Parabrahman, na realidade, apresenta um duplo aspecto: o da
não existência e o da existência perfeita. Literalmente, é Aquele ou Aquilo que está acima de
Brahmã. Interpelado Gautama sobre o que estava além de Brahmã, respondeu: Parabrahman.
E não me perguntem mais nada ... Paramatmã (Em sânscrito: o Atmã Superior) - O Espírito
Supremo do Universo.

Paranirvana Termo sânscrito que significa o que está além do Nirvana . É o plano superior o
nirvânico ou átmico. É o plano da Mônada, chamado Anupadaka , e está acima de toda a
conce humana. Para-Nishpana (Sânscrito) O perfeito estado do Não-Manifestado, a Absoluta
perfeição que atingem todas as existências no fim do Maha-Manuantara , e no qual repousam
durante o pralaya (estado de sono) superveniente. Parsis Nome dado aos antigos persas. Os
parsis são os continuadores do culto Mazdeís ta dos adoradores do Fogo. São ainda chamados
Guebras .

Pax Este termo não tem apenas o significado latino de paz , como em pax vobiscum ( a paz
esteja convosco ). Em sânscrito, quer dizer comunhão mental , isto é, estar em Paz com a co
nsciência e com os altíssimos deveres de amor fraternal para com os irmãos em humanidad e ,
e muitos mais, com aqueles que formam um grupo, um centro, um Colégio Iniciático. Na S.B.E.,
por exemplo, logo que o neófito dá entrad nas suas fileiras, é a Palavra qu e se lhe entrega,
acompanhada de instruções esotéricas , para que o mesmo viva em comunhão mental com
todos os Irmãos de que se compõe o seu quadro social, etc. Cadeia de União já e ra o nome
dado, na Franco-Maçonaria , ao elo fraternal que unia todos os Irmãos. Tal si nal era, portanto,
um símbolo de concórdia e solidariedade (do qual é o Pelicano a sua mais alta expressão) do
Ideal comum de todos os seus Membros ou Irmãos . Por isso, em volta do túmulo de um Irmão
desaparecido , formava-se a referida cadeia que, entre nós, te

o nome de corrente mental . O mundo profano já adota alguns minutos de silêncio em hom
enagem a um personagem importante que tenha falecido... Durante a 1a Guerra Mund ial, o
Presidente Wilson, que pertencia à Unity , chegava a mandar para o trânsito nas cidades
norte-americanas, para que se fizesse alguns minutos de silêncio a favor d a PAZ.

Pituitária Órgão mediano que se encontra na parte inferior do cérebro, localizado na sel a
túrcica. Dá-se-lhe também o nome de hipófise. Anatomicamente falando, é uma dependência
da primitiva faringe. Fisiologicamente, é uma glândula endócrina que influi profundament e no
crescimento (daí o gigantismo e o nanismo). Esotericamente, seu papel é de por em relação
direta uma à outra, a consciência astral e a física. Pode ser desenvolvida prog ressivamente
para produzir a clarividência. O Ajna ou frontal é o seu chakra equivalent Prakriti A substância
original, Matéria que constitui os planos cósmicos inferiores.

Prana (Em sânscrito: sopro, hálito) Designa a vida universal que se manifesta em tod os os
planos. No microcosmo é o terceiro princípio do homem, a força vital ou corpo as tral. Dá-se
ainda este nome à vida ascendente , uma das cinco funções vitais do Atharva-Dev a função da
respiração e da oxidação, e ao sopro, o movimento respiratório. Em geral, prana igna a força
vital específica em determinado plano. Em resumo: prana está em tudo e em t odos.
Push-Adonis ou Poseidonis É a Morada de Adonis, do 7o. Princípio, etc. Designa a par te do
continente atlante que submergiu 9.564 anos antes de J.C. O nome dessa ilha , a que ficou da
primeira destruição do continente atlante, há perto de 850.000 anos, n os foi transmitido por
Platão. Existem, entretanto, em lugares vedados ao conhecim ento do mundo profano, a
respeito desse continente e do que sofreu catástrofe mais ou menos idêntica, isto é, a Lemúria.
Na Lemúria (destruída pelo Fogo), e na Atlântida (des truída pela Água) floresceram,
respectivamente, a 3ª e a 4ª Raças-mãe. Em verdade, a atlant e foi a equilibrante para as sete
que têm de se desenvolver durante toda a evolução da Mônada em nosso globo.

Purusha (Em sânscrito: o homem, o Macho) O Espírito, por oposição à Prakriti , a Matéri
dualidade responde à noção da Essência e da Substância, da Forma e da Matéria. Purusha é a
e ergia, o princípio metafísico da existência e da manifestação, o princípio criador ativo e m
asculino. No ser humano, Purusha representa o Espírito, a Mônada. O termo Purusha , da
filosofia Sankhya, corresponde à Pashyanti-vâch dos vedantinos. Pushkara (Em sânscrito: Flor
do Loto) Nome do futuro e sétimo continente ou dvipa de n osso globo, que é, em verdade, a
América do Sul. E o Brasil será o seu Santuário, pois c omo seu próprio nome o diz, é nele
onde crepitam as BRASAS de Agni, o FOGO SAGRADO ... Por essa razão, Chave de
Pushkara é o nome do precioso símbolo que esteve na S.B.E. (en tão S.T.B.) durante sete
longos anos, para depois volver ao Lugar de sua Origem, i sto é, a AGHARTA. Tal Símbolo,
depois de ter percorrido a cidade de S. Lourenço, onde permaneceu durante todo esse tempo,
veio para a então Capital da República, percorre ndo suas principais artérias. Esteve durante
três dias na então Matriz, à Rua Buenos Air es, 81, 2o. andar, quando foi visitado por vultoso
número de pessoas, inclusive não pertencentes às fileiras dessa mesma Instituição, tendo a
seguir o destino anteriormen te apontado... R

Raças Os Antropólogos dividem a Humanidade em quatro ou cinco grandes raças, nas quais
englobam os principais tipos humanos. Segundo o Ocultismo e a Teosofia, a alma humana, em
sua evolução, no decorrer da Ronda, sobre o mesmo planeta, passa por sete tipos sucessivos,
que são as raças-mães ou raça-raízes. Evoluem, portanto, sete raças-mães e cada globo, em
cada Ronda, sobre sete continentes ou dvipas determinados. A prime ira raça humana, a
Adâmica, teria sido astral; a segunda, a Hiperbórea, possuía um corpo etérico; a terceira, a
Lemuriana, em cujos meados se deu a separação dos sexos, foi d

otada de um corpo físico (as raças negras descendem dos lemurianos); a quarta, a Atl ante,
deixou como representantes os tártaros, os chineses e os mongóis, que constitu em uma
grande parte da população do globo; a quinta, a Ária, é aquela a que pertencemos. A sexta e a
sétima sub-raças, como ramos da referida raça-mãe, Ária, surgirão, respectivame nte, na
América do Norte e América do Sul. Cada raça-mãe, portanto, desenvolve-se através de sete
sub-raças, ramos, famílias, clãs, etc. A Sociedade Brasileira de Eubiose traba lha, ao mesmo
tempo, pelo Advento do Avatara do Ciclo de Aquarius (começo do século XXI), e da 7ª
Sub-Raça Ária, que, sendo um fenômeno posterior, ou subseqüente ao primeiro, coloca a
S.B.E. à frente da missão Y. Esta, como já o declaramos, abrange a sexta e a sétima sub-raças
ou as civilizações que florescerão na América do Norte e do Sul, pois como acontece no final
de todos os ciclos raciais, as duas últimas se interpenetram. O utrossim, antes desse
acontecimento, manifesta-se um 8o. Ramo Racial, que é aquele em que aparecem todos esses
avataras integrais. O lema da S.B.E., Spes Messis in S emine (A Esperança da Colheita reside
na Semente) demonstra tudo o que possa esclar ecer o seu papel no momento atual da
humanidade.

Ramayana (Em sânscrito: o caminho de RAMA ) Poema hindu, atribuído a Valmiki, que descr
ve as aventuras de Rama. O roubo de Sita, sua esposa, pelo gigante Ravana, Rei d e Lanka, e
a guerra subseqüente, fazem lembrar, de perto, a Guerra de Tróia, dos gre gos, onde não falta
um Ulisses, como herói , e uma Helena, como pomo de discórdia . É ainda vitória dos ários
sobre a raça atlante, e povos de origem lêmuro-atlante. Quando os dois Fundadores da S.B.E.
passaram por Ceilão (hoje Sri-Lanka), na sua viagem ao Norte da Índia, comemorava-se essa
vitória (vide os 4 números de Dhâranâ que formam a Seção Especi l dedicada à São
Lourenço). Na Índia, a Ramayana é uma das maiores comemorações religiosas, o assisti-las ou
nelas tomar parte, milhares de pessoas de todas as regiões. Esses festejos têm lugar
anualmente, no primeiro dia da Lua Nova de Maio. Rishi Os Rishis são os patriarcas divinos da
Mitologia hindu, dividindo-se em MahaRishis ou Grandes Rishis e Deva-Rishis ou Rishis
Divinos. Os Rishis, em número de s ete, são os Filhos de Brahmã, os Prajapatis. São os
Instrutores das Sub-Raças de cada raça humana, estando as raças sob a direção de um Manú.
Quando isso se dá, é como se dissesse qu e todas as hierarquias criadoras se acham
presentes em forma humana. Aos Dhyan-C hoans também se dá o nome de Grandes Rishis ou
Maha-Rishis . S

Samadhi Estado de meditação obtido por concentração, no qual o Adepto se torna conscient e
no plano mental superior, e perde a noção de toda individualidade, como se ele fos se o próprio
Todo. Poder-se-ia dizer, entretanto, que o Samadhi também poderia ser rea lizado em cada
plano, até se atingir um Samadhi total no mais elevado de todos ele s... O Samadhi representa
em vida a posse do Nirvana depois da morte. Descrever tal estado em linguagem humana é
coisa inteiramente impossível. Que cada um procure atingi-lo para que o possa compreender! E
como tudo que é sublime e grandioso, nec essário é, para alcançá-lo, obter antes o equilíbrio
perfeito entre o Caráter e a Inteligênci . Sephirot (Em hebreu: os números ) (Cábala) Princípios
divinos formativos, emanados do -Suph (o Absoluto) em uma década primordial: 1o. Kether, a
Coroa, a Causa das caus as, o Pensamento; 2o. Chochmah, a Sabedoria; 3o. Binah, a
Inteligência; 4o. Chesed , a Graça; 5o. Geburah, o Rigor; 6o.- Tipheret, a Beleza; 7o. Netzah, a
Vitória; 8o. Hod, a Glória; 9o. Yesod, o Fundamento, e 10o. Malchut, o Reino. As três primeiras
Sephiroth (Kether, Chochmah e Binah) são chamadas superiores . Formam o Ternário Divino
(ou Tríade Superior teosófica) e correspondem às 3 hipóstases da Trindade. As outras 7 são
inferiores , representando a Construção. Segundo Ezra-Ariel, um dos grandes Mestres d a
Cábala, as Sephiroth representam tudo quanto existe . O seu conjunto é a MERCABAH, o
Carro (visão de Ezequiel), conduzindo Deus (como Sol Espiritual haja vista Apolo de scendo ao
mundo no seu carro de Ouro, e na razão inversa, Elias subindo aos céu dessa maneira...) para
sobre a Terra. Siddhi (Sânscrito) ou Iddhi (pâli) Poder oculto. Os livros hindus mencionam oito
des

ses poderes ou abhutis : LAGHIMA (neutralização do peso, possibilitando a levitação e até o ,


como acontece com a prática do lung-loom tibetano); MAHIMAN (possibilidade de muda r de
altura ou comprimento); VASHITA (poder hipnótico e magnético); ANIMAN, PRAPTI,
PRAKÂMYA, ISHITA e KAMAVA-SAYIITA. Tais poderes estão relacionados com as Oito Pétala
s do chakra cardíaco inferior ou pêndulo do relógio cardíaco . A parte superior do chakra o
possui doze pétalas (como os signos zodiacais conhecidos) e mais duas que aparec em
quando o discípulo se torna um Adepto. Eis outro assunto que não é pemitido falar p
ublicamente... Pois, além do mais, não se deve fazer mau uso dos siddhis ou poderes ocu ltos,
seja em detrimento do próximo, como para fins egoístas, e, principalmente, par a questões
sexuais . É a LOUCURA o que devem esperar aqueles que procuram adquirir "si ddhis ou
poderes ocultos por simples divertimento ou para fins egoístas. Skhandas Na filosofia budista,
as 5 Skhandas são as tendências ou atributos do Ser. De nominam-se: 1) Rupa-Skandha ,
ramo ou divisão das formas; 2) Vijnana-Skandha, divi são do conhecimento, pensamento
associado a uma consciência; 3) Vedana-Skandha, as i mpressões provocadas pelos objetos
agradáveis ou desagradáveis; 4) Sandjna-Skandha, a divisão dos julgamentos baseados sobre
as palavras ou sinais simbólicos; 5) Samskara -Skandha, as tendências ou ações, as paixões
provenientes das modificações do pensamento e d a imaginação. As 12 Nidhanas ou causas
da miséria (os sofrimentos físicos e morais, fina lmente o Karma) decorrem dessas 5 Skandhas.
Por isso se diz a cada passo que as skandhas de A ou B é que lhe dão essas tendências (para
o bem ou para o mal). Em resum o, o homem é o que faz e o que pensa , e por essa razão, é
ele mesmo que se premia ou cas tiga. Jesus já dizia que não deveis pecar nem por atos, nem
por pensamentos , e com tai s palavras estava dizendo tudo... Sthula-Sharira (Sânscrito)
Expressão que serve para indicar o corpo físico do homem.

Surya (Em sânscrito: o Sol Espiritual com seus Sete Raios de Luz, sendo o último, Sv araj) A
União Mística Nárada , realizaada em Dhâranâ , primitivo nome da S.B.E., foi um R e grande
transcendência, e se relacionava com este termo. A Missão dos Sete Raios de Luz confere ao
Movimento que realiza a Sociedade Brasileira de Eubiose a tônica des se sétimo ou último raio
de Surya. Eis o motivo por que o seu Hino Social foi escrit o com a tônica SI, ou sétima nota da
escala do Dó. Suástica e Sovástica Cruz gamada, que assim se denomina por possuir 4 gamas
ou braços recurvados, em sentido de movimento. De fato, a Suástica aponta e segue o
moviment o da esquerda para a direita, ou da evolução, que é aquele dos astros em torno do
Sol, da maneira de dar corda numa máquina, abrir uma porta, etc... A Sovástica, ao contrár io,
é um autêntico símbolo de involução, pois o seu movimento é o oposto. Os Jainos e Budist as
da Índia o reconhecem como símbolo nefasto, perigoso, etc. . Foi justamente aquele q ue
escolheu Adolf Hitler, que era a representação do Mal no fim de um ciclo apodrecid o e gasto .
Que tal símbolo foi fatal à Alemanha, ao próprio Hitler, nenhuma dúvida resta. T

Tala (Sânscrito) Este termo designa a resistência à evolução sobre um plano cósmico. Opõe
Loka (lugar, região superior, etc.), que expressa a força evolutiva sobre um plano cósmico.
Como força de resistência em obstáculo, a Tala é, na realidade, um inferno . Como udo mais,
há sete Talas, correspondendo aos planos cósmicos: Vitala, Sutala, Talatal a, Kasatala, Nitala,
Mahatala e Patala. Talmud Estudo e interpretação da Lei Judaica na sua completa significação:
halachach (ju rídica ou exotérica) e haggadah (espiritual ou esotérica). O ensinamento
talmúdico foi d ado de modo rigoroso, de boca para ouvido até que os judeus se formaram em
nação. Depois da tomada de Jerusalém por Titus (70 anos depois de J.C.), e a dispersão
definitiva do povo, tal ensinamento foi recolhido e depositado num livro, o Talmud, no qua l a
Mischna, Lei Oral, foi devidamente corrigida e comentada. O Tchagrama é a base

do seu esoterismo, assim como as combinações múltiplas dos números e dos cultos. Nesses
ensinamentos se inclui o da TORA, TARO ou ROTA, vasado no próprio alfabeto hebrai co, que
se compõe de 22 letras, que são ao mesmo tempo, os 22 Arcanos Maiores.

Taro O Taro completo, dos quais se servem charlatanescamente as cartomantes, é de 78


arcanos e não de 74, como afirmam enciclopédias e dicionários ocultistas e teosóficos .
Compõe-se de 22 Arcanos Maiores e 56 Menores. O fato de o baralho vulgar ter 52 cartas, 13
para cada naipe, nada significa. Verdadeiramente, cada naipe deveria ser constituído de 14
cartas: Rei, Dama, Valete (Conde ou Príncipe), Coringa, e mais 10 cartas brancas,
representando o povo ou mesmo o exército. Quatro ou bobos da Co rte deveriam, pois existir
no baralho, um para cada naipe... Quando a primeira lev a de ciganos chegou à Paris, em
1427, o seu chefe, interpelado sobre quem eles eram e qual a sua procedência, respondeu: Eu
sou o Rei, ela é a Dama, este é o Conde, e aqu ele o que nos faz rir . Quanto aos outros dez,
são os nossos servidores ... Existem duas espécies de Taros: o Sacerdotal ou Aghartino (hoje
só do domínio dos Iniciados nos Gr andes Mistérios) e o dos Boêmios. Ambos compõem-se de
22 Lâminas. O jogo deve ser feito com 3 cartas de cada vez, até chegar ao fim do baralho,
como se fosse a Mônada ou Tría de Superior passando pelas 7 Raças ou Estados de
Consciência. Três vezes sete dá um tota l de 21, e acrescido de mais 1 síntese, perfaz o
número 22. Esta lâmina-síntese, a que n os referimos, representa o Mundo, e foi por nós
denominada de LAURENTA. Mostra uma mulher completamente despida e cercada de lauréis
(Laurus, Louros, Laurentus, Lau renta, etc.), tendo em cada canto um dos animais da Esfinge.
Esses animais repre sentam também os 4 Maha-Rajahs, nas 4 direções cósmicas, e têm como
representações humanas os 4 Kumaras. Sem entrarmos na sua interpretação mais profunda,
pois ela constitui um s egredo iniciático, oferecemos aos leitores os números e as letras
hebraicas correspo ndentes a cada lâmina, bem como os seus termos cabalísticos e os da
interpretação do gra nde Iniciado Cagliostro:

Números 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22

Letras Hebraicas Nomes Interpretação de Cagliostro Aleph O PELOTIQUEIRO Vontade Beth A


PAPISA Sabedoria Ghimel A IMPERATRIZ Atividade Daleth O IMPERADOR Realização Hé O
PAPA Inspiração Vau (ou Vaf) O AMOROSO Prova Zaim O CARRO Vitória Heth A JUSTIÇ
Justiça Teth O ERMITÃO Prudência Iod A RODA DA FORTUNA Fortuna Caph A FORÇA Força
Lamed O ENFORCADO Sacrifício Mem A MORTE Transformação Num A TEMPERANÇA
Iniciativa Samech O DIABO Destino Gnain A CASA DE DEUS Ruína Phé AS ESTRELAS
Esperança Tzad A LUA Decepção Coph O SOL Felicidade Resh O JULGAMENTO Julgamento
Shim O LOUCO Expiação Thau O MUNDO Recompensa

U Upadhi (Sânscrito: o que oculta )

Limitação na manifestação da vida e da consciência. Ex

classes de Upadhis , correspondendo à matéria física, ao plano intermediário (astro-mental ) e


ao plano superior (budhi-átmico). Os planos em que evolui a Mônada, a Consciência, são os
seguintes: Físico, Astral, Mental, Búdico, Nirvânico, Paranirvânico e Maha-Paranir vânico.
Upassaka (Sânscrito) Discípulo devoto. No feminino: Upasika.

V________________________________________ Vach O seu significado literal, em


sânscrito, é ode a Palavra . Eis um dos motivos por que os Brâmanes tanto respeitam a Vaca,
considerando-a um animal sagrado. O catoli cismo, fiel a esta arcaica tradição, incluiu a vaca
no Presépio de Belém... Metafisicame nte falando, Vach é o próprio Logos, o Verbo, o aspecto
plástico, feminino, do Segundo Logos.
Vaga de Vida Chama-se Vaga de Vida , uma emissão de Vida do Logos. Podemos distinguir 3
Vagas de Vida: 1ª Vaga de Vida proveniente do 3o. Logos dá-se-lhe o nome de Mônada do
Átomo, pois é graças à sua ação que se formam os átomos. 2ª Vaga de Vida ou Mônada da Fo
oveniente do 2o. Logos. Dá aos átomos formados pelo 3o. Logos o poder de coesão que lh es
dará a possibilidade de se agregarem em formas mais ou menos estáveis.; 3ª Vaga de Vida ou
Mônada da Individualização proveniente do 1o. Logos dá o Eu-Consciência, pela u do Espírito
mais alto com a forma animal proveniente dos reinos inferiores. Um out ro sentido que se dá ao
termo é de projeção ou transferência de vida de um globo para outr o, em uma Ronda.
Poderíamos ainda chamar de Vaga de Vida à nova emissão de Vida do Log os, no começo de
uma Ronda, e que entra no primeiro reino elemental.

Vaham (Em sânscrito: que transporta , que serve de veículo ) Manifestação objetiva de u io
mais elevado. Um avatara , por exemplo, está nessas condições, o que constitui a mais
transcendente de todas as interpretações do referido termo. Por isso, uma das Frater nidades
do Norte da Índia, a de SIMLA, diretamente ligada à S.B.E. nas mensagens que lhe enviava na
sua primeira fase, ainda com o nome de Dhâranâ , usava sempre como sine te expressivo da
própria Missão para o Ocidente dessa Instituição, a frase: ADI-BUDHA VA HAM-BUDHA, isto é,
Buda Veículo de Adi-Budha. O mesmo se verificou com a de SRINAGAR , que conferiu ao
Chefe dessa mesma Missão ou Movimento, o título de o único representa nte no Ocidente do
Movimento em prol do Advento do Instrutor do Mundo , que é, em ve rdade, o próximo avatara ,
sob o ciclo de Aquarius. Este é motivo da S.B.E. ter feito d eclarações condenando a
propaganda (como ainda hoje acontece) em torno de um Messias , Instrutor, inclusive com
Krishnamurti, que, por sua própria boca, dissolveu a Or dem da Estrela, da qual lhe tinham feito
Chefe. Z ________________________________________ Zeus (Grego) O Pai dos Deuses,
regente do Céu, análogo a Brihaspati e a Júpiter. Zeus, Jove, Jeove, Júpiter ou Jeovah. Zohar
(Cábala) O Livro da Luz, o mais importante da Cábala. Foi redigido por Moisés de Leão, sob a
inspiração de Simeão Bem Jochai. O nome de Zo Har se estende igualmente a tod os os livros
esotéricos que o comentam e completam.