Você está na página 1de 25

PROCESSO DO TRABALHO (2018)

ESTUDO DIRIGIDO

BY

WEST GAVE

CASOS CONCRETOS (CORRIGIDOS)

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039


Título

SEMANA 1

Descrição
CASO CONCRETO:

Mévio, juiz do trabalho, indignado com determinadas situações que estão


ocorrendo na Empresa Alfa, gostaria de instaurar reclamação trabalhista
plúrima (Art. 842 CT).
Pergunta-se: Diante do caso apresentado, o magistrado poderá instaurar o
processo de ofício? Fundamente sua resposta com base nos princípios
norteadores do Processo do Trabalho.

Resposta: Não, o magistrado não poderá instaurar o processo de ofício,


devido ao princípio do Dispositivo. Ou seja, Mévio, enquanto juiz, não
poderá de ofício dar entrada na ação. O princípio do dispositivo, também
conhecido como princípio da inércia da jurisdição, preconiza que o juiz não
pode conhecer de matéria a cujo respeito a lei exige a iniciativa da parte.

Desenvolvimento
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039
Título

SEMANA 2

Descrição
CASO CONCRETO:

O sindicato da categoria profissional dos bancários celebrou com a categoria


econômica correspondente - sindicato dos bancos - convenção coletiva de
trabalho fixando o reajuste salarial para os bancários no patamar de 8%,
dentre outros benefícios.

Já o sindicato da categoria profissional dos professores teve frustrada a


tentativa de negociação coletiva junto ao sindicato dos estabelecimentos de
ensino, o que resultou na propositura do Dissídio Coletivo perante o Tribunal
Regional do Trabalho daquela localidade.

Diante dos casos apresentados, indique e explique qual foi o método de


solução dos conflitos coletivos utilizado pelo sindicato dos bancários e pelo
sindicato dos professores.

Resposta: No caso do sindicato dos bancários, o método utilizado foi a


autocomposição, que consiste em uma forma de solução de conflito realizada
pelos próprios interessados.

No caso do sindicato dos professores, o método utilizado foi a


heterocomposição, porque foi um terceiro (poder judiciário) que solucionou o
conflito.

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039


Título

SEMANA 3

Descrição
CASO CONCRETO
O viajante comercial Saulo pretende mover ação trabalhista em face da sua
empregadora Empresa Delta Ltda, por entender que o seu gerente cometeu
ato ilícito que lhe feriu a honra e boa fama, postulando indenização por
danos morais a ser arbitrada pelo juiz diante da extensão e complexidade do
dano, cumulada com pedido de pagamento de diferenças de comissões
ajustadas no valor de R$ 10.000,00. Diante do caso exposto, responda de
forma fundamentada:

A) Segundo as regras contidas em legislação própria quanto à


competência territorial, informe aonde a ação deve ser
proposta. Fundamente.

Resposta: A ação deve ser proposta no local da filial em que o empregado


esteja subordinado, ou na própria sede da empresa, se nela estiver
trabalhando, caso haja a falta de jurisdição trabalhista, o empregado deve
se dirigir ao seu domicílio ou pra localidade mais próxima de onde
reside.

Nos termos do artigo 651, parágrafo 1º da CLT :


Art. 651 - A competência das Juntas de Conciliação e Julgamento é
determinada pela localidade onde o empregado, reclamante ou reclamado,
prestar serviços ao empregador, ainda que tenha sido contratado noutro local
ou no estrangeiro.

§ 1º- Quando for parte de dissídio agente ou viajante comercial, a


competência será da Junta da localidade em que a empresa tenha agência
ou filial e a esta o empregado esteja subordinado e, na falta, será
competente a Junta da localização em que o empregado tenha domicílio
ou a localidade mais próxima. (CLT)

B) O Judiciário Trabalhista possui competência para apreciar e julgar a


presente ação? É possível pleitear que o juiz arbitre o montante da
postulada indenização por danos morais?

Resposta: Sim, o judiciário trabalhista possui competência, conforme o artigo


114, incisos I e VI da Constituição, porque são pedidos que decorrem da
relação de trabalho.
Não é possível pleitear que o juiz arbitre o montante, pois a petição inicial já
deve ser formulada com pedidos liquidos (indicação de valor), nos termos do
artigo 840, §1º, da CLT.

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039


Título

SEMANA 4

Descrição
CASO CONCRETO:
Marcelo Antonio, por intermédio do seu advogado, ajuizou ação trabalhista
postulando a condenação da ex-empregadora ao pagamento das horas
extras. Na sentença o juiz do trabalho julgou improcedente o pedido
condenando o Autor ao pagamento das custas processuais. O advogado de
Marcelo, inconformado, interpôs recurso ordinário requerendo o deferimento
da gratuidade de justiça, declarando, expressamente, no recurso que o Autor
não tem condições financeiras para recolher o valor das custas sem prejuízo
do próprio sustento e de sua família, mas não juntou declaração de
miserabilidade nem na petição inicial nem no recurso.
Diante do caso narrado responda de forma justificada, se de acordo com o
entendimento do Tribunal Superior do Trabalho, o advogado de Marcelo
terá êxito quanto ao deferimento da gratuidade de justiça para o
processamento do seu recurso.
Resposta: Quanto ao momento do requerimento, haverá êxito, porque a justiça
gratuita pode ser requerida a qualquer momento, inclusive na fase recursal,
desde que o requerimento seja formulado no prazo recursal, conforme OJ 269
da SDI-1 (TST).

No que tange aos poderes do advogado para formular tal requerimento em


nome do reclamante, só haverá êxito se tiverem sido outorgados poderes
expressos nesse sentido, a luz da súmula 463, I, do TST.

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039


Título

SEMANA 5

Descrição
CASO CONCRETO
Américo ajuizou uma reclamação trabalhista em face da empresa Gama,
uma autarquia federal, tendo sida rejeitada pela partes a proposta
conciliatória feita pelo juízo. Após a instrução processual, na qual as provas
foram produzidas, o juiz proferiu sua sentença, julgando improcedentes os
pedidos formulados por Américo. O resultado da sentença chegou ao
conhecimento de Américo pela via postal, a qual trazia o prazo de 8 dias
para apresentar Recurso Ordinário (art. 895 da CLT).
Ocorre que, a notificação postal só foi entregue no endereço do Américo
72 horas após a expedição da mesma pela Vara do Trabalho.

a) Como ficará o prazo para Américo apresentar seu recurso? Ele


terá menos tempo? A quem cabe o ônus de prova do recebimento
após o prazo do artigo 774,
§2º, da CLT?

Resposta: O prazo de Américo ficará reduzido, pois a presunção é a de que a


notificação postal foi recebida 48 horas após a sua expedição, cabendo a
Américo o ônus de comprovar o seu recebimento tardio, nos termos da súmula
16 do TST.

b) Se a empresa Gama fosse a recorrente, disporia do mesmo prazo


de 8 (oito) dias contido no art. 895 da CLT?

Resposta: A empresa Gama teria o prazo em dobro para recorrer, por ser uma
autarquia federal, conforme o artigo 1º, inciso III, do decreto lei 779/1969.
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039
Título

SEMANA 6

Descrição

CASO CONCRETO
Paulo ajuizou uma ação trabalhista que fora distribuída para a 1ª Vara do
Trabalho do Rio de Janeiro, com valor da causa igual a vinte salários
mínimos, pretendendo verbas salariais e rescisórias da empresa que fora
sua anterior empregadora e, ainda, a responsabilização subsidiária da
autarquia federal, à qual teria, por meio daquela empresa interposta,
prestado serviços. A ação apresentou pedidos líquidos e endereço adequado
das partes reclamadas. Assistido o trabalhador pelo sindicato da categoria
obreira, postulou na petição inicial, ainda, honorários advocatícios em favor
da entidade assistente, declarando sua hipossuficiência econômica,
alegando que, não obstante percebesse salário superior a dois salários
mínimos, não tinha condições de suportar os ônus do processo sem prejuízo
do sustento próprio e ao de sua família. Com base nessa situação hipotética,
responda:

a) Sob qual rito procedimental deverá tramitar a demanda acima?


Fundamente sua resposta e aponte os dispositivos legais pertinentes.

Resposta: O procedimento adotado será o ordinário, nos termos do artigo


852-A, §Ú, da CLT. Tendo em vista que figura como parte, em
responsabilidade subsidiária, entidade autárquica federal pertencente a
administração pública.

b) O pedido de honorários em favor da entidade sindical assistente


deve ser julgado procedente? Fundamente sua resposta e aponte os
dispositivos legais e jurisprudenciais pertinentes.

Resposta: O pedido de honorários deve ser julgado procedente, pois o artigo


791-A, da CLT, prevê, para os honorários advocatícios, a regra da mera
sucumbência.
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO - CCJ0039
Título

SEMANA 7

Descrição
CASO CONCRETO
Em audiência realizada em reclamação trabalhista, o micro empresário
Moisés enviou como preposto um contador autônomo que não presenciou
os fatos que foram objeto do litígio, no entanto, em razão da atividade
desenvolvida, tinha pleno conhecimento dos fatos. O advogado do
reclamante requereu a aplicação de confissão da reclamada. O juiz acolheu
a confissão sob o argumento de que o preposto não presenciou os fatos e,
ainda, que deveria ser gerente ou empregado da empresa reclamada.
Diante do caso apresentado, diante da lei e do entendimento consolidado
pelo Tribunal Superior do Trabalho, esclareça se o juiz agiu acertadamente.

Resposta: O juiz não agiu corretamente, pois não é exigido que o preposto
tenha presenciado os fatos, bastando que deles tenha conhecimento, nos
moldes do artigo 843,§1º, da CLT. Ademais, o preposto não precisa ser
empregado da reclamada, conforme o artigo 843, §3º, da CLT.

OBJETIVAS DOS CASOS CONCRETOS

1ª QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/FGV 2012.3 IX EXAME NACIONAL UNIFICADO) Um dos princípios


norteadores do Processo do Trabalho é o da celeridade, dada a natureza
salarial do crédito trabalhista. Entretanto, por força de Lei, algumas causas
especiais possuem preferência na tramitação. Das situações listadas a
seguir, assinale aquela que terá preferência em todas as fases processuais.
A) a que será executada contra a União, Estados ou Municípios.
B) a que será executada perante o juízo da falência. (X) (art. 768, CLT)
C) a que será executada em face de empregador doméstico
D) a que será executada em face de empresa pública.

2ª QUESTÃO OBJETIVA:

Após a entrada em vigor do CPC/15, o Tribunal Superior do Trabalho editou


a Instrução Normativa de nº 39, segundo a qual, no Processo do Trabalho:
A) os prazos contados em dia só serão contados em dias úteis.
B) aplica-se a regra do foro de eleição e as partes podem pactuar nos
contratos trabalho qual será a Vara do Trabalho competente para dirimir
eventuais lides trabalhistas.
C) as tutelas provisórias de urgência e evidência não se aplicam;
D) aplica-se o Código de Processo Civil, subsidiária e
supletivamente, em caso de omissão e desde que haja
compatibilidade com as normas e princípios do Direito
Processual do Trabalho. (X)

3ª QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/RJ/ CESPE - 2008.3) Manuel, contratado por uma empresa de


comunicação visual, no dia 8/9/2005, para prestar serviços como desenhista,
foi dispensado sem justa causa em 3/11/2008. Inconformado com o valor que
receberia a título de adicional noturno, férias e horas extras, Manuel firmou, no
dia 11/11/2008, acordo com a empresa perante a comissão de conciliação
prévia, recebendo, na ocasião, mais R$ 927,00, além do valor que a empresa
pretendia pagar-lhe. A comissão de conciliação prévia ressalvou as horas
extras.

Considerando essa situação hipotética, assinale a opção correta.

A) O título decorrente da homologação somente pode ser questionado perante


a comissão de conciliação prévia.

B) Manuel não poderá reclamar na justiça do trabalho nenhuma parcela, visto


que o acordo ocorreu regularmente.

C) Manuel pode postular na justiça do trabalho o pagamento de horas


extras, dada a ressalva apresentada pela comissão de conciliação prévia.
(X) Art. 625, E, §Ú, CLT.

D) A comissão de conciliação prévia não poderia firmar acordo parcial


indicando ressalvas.

4ª QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/RJ - CESPE ? 2009.1) Considere que, em determinado município, uma


reclamação trabalhista tramite perante vara cível, dada a inexistência, na
localidade, de vara do trabalho e dada a falta de jurisdição das existentes no
estado. Nessa situação, caso venha a ser instalada uma vara trabalhista
nessa localidade, a ação deve:

A) continuar no âmbito da competência da justiça comum, caso ainda não


tenha sido prolatada a sentença, cabendo à vara do trabalho a execução da
decisão.

B) continuar sendo processada e julgada junto à justiça comum em razão do


princípio da perpetuatio jurisdictionis, independentemente da fase em que
esteja.

C) ser remetida à vara do trabalho, seja qual for a fase em que esteja,
para que lá continue sendo processada e julgada, sendo esse novo juízo
o competente, inclusive, para executar as sentenças já proferidas pela
justiça estadual. (X) Súmula 10 STJ.

D) ser remetida à vara do trabalho apenas se ainda não tiver sido prolatada a
sentença, cabendo à justiça comum executar a sentença proferida.

5ª QUESTÃO OBJETIVA:

(FCC AJAJ TRT 23 2016) Os normativos constitucionais NÃO atribuem


competência material à Justiça do Trabalho para processar e julgar

A) as ações que apuram os crimes contra a organização do trabalho e


envolvendo retenção dolosa de salários e contribuições previdenciárias.
(X)
B) as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes de direito
público externo e da administração pública direta e indireta da União, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
C) as ações sobre representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e
trabalhadores, e entre sindicatos e empregadores.
D) as ações relativas às penalidades administrativas impostas aos
empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de trabalho.
E) o dissídio coletivo ajuizado pelo Ministério Público do Trabalho no caso de
greve em atividade essencial, com possibilidade de lesão do interesse público.

6ª QUESTÃO OBJETIVA:

(FCC AJAJ TRT 20 2016) Hera participou de processo seletivo e foi


contratada como música instrumentista da Orquestra do Banco Ultra S/A, no
Município de Itabaiana/SE, onde tem o seu domicílio. No contrato de trabalho
foi estipulado como foro de eleição para propositura de demanda trabalhista o
Município de Aracaju/SE. O banco possui agências em todos estados do
Brasil e a sua sede está localizada em Brasília/DF. Durante os oito meses em
que foi empregada do Banco, Hera exerceu suas funções apenas no
Município de Aracaju/SE. Caso decida ajuizar reclamação trabalhista em face
de seu ex-empregador, deverá propor em:

A) Aracaju, porque foi o local da prestação dos serviços. (X) Art. 651
caput, CLT/ Obs: não é válida a eleição de foro.
B) Aracaju, por ser o foro de eleição previsto em contrato de trabalho.
C) Itabaiana, porque é o foro do seu domicílio.
D) Brasília, por estar situada a sede do Banco reclamado.
E) Aracaju, Itabaiana ou Brasília, dependendo da sua própria
conveniência como reclamante.
7ª QUESTÃO OBJETIVA:

(FCC AJAJ TRT 20 2016) Vênus atuou durante 6 anos como preposta da Cia
de Bebidas Fonte de Amor. Por força da crise econômica foi dispensada sem
receber alguns direitos trabalhistas. Em razão de sua experiência, ingressou
com reclamação trabalhista de forma verbal, sem constituir advogado.
Conforme súmula do Tribunal Superior do Trabalho e dispositivo processual
trabalhista, a capacidade postulatória de Vênus em relação a essa reclamatória

A) está restrita a fase de conhecimento na Vara do Trabalho.


B) limita-se às Varas do Trabalho e aos Tribunais Regionais do Trabalho, não
alcançando a fase executória.
C) limita-se às Varas do Trabalho e aos Tribunais Regionais do Trabalho,
não alcançando os recursos de competência do Tribunal Superior do
Trabalho. (X) Súmula 425 TST.
D) é ilimitada quanto a fase processual, bem como em relação à instância,
alcançando inclusive o Tribunal Superior do Trabalho, porque a lei permite o
acompanhamento das reclamações até o final.
E) está restrita à fase de conhecimento, incluindo recursos em todas as
instâncias trabalhistas, Varas do Trabalho, Tribunais Regionais do Trabalho e
Tribunal Superior do Trabalho, mas não envolve a fase de execução.

8ª QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/FGV - VI EXAME NACIONAL UNIFICADO 2011.3) Quanto à nomeação


de advogado na Justiça do Trabalho, com poderes para o foro em geral, é
correto afirmar que:

A) na Justiça do Trabalho, a nomeação de advogado com poderes para o


foro em geral poderá ser efetivada mediante simples registro na ata de
audiência, a requerimento verbal do advogado interessado e com a
anuência da parte representada. (X) Art. 791, §3º, CLT.
B) as partes que desejarem a assistência de advogado sempre deverão
outorgar poderes para o foro em geral por intermédio de instrumento de
mandato, com firma devidamente reconhecida.
C) na Justiça do Trabalho, o advogado pode atuar sem que lhe sejam exigidos
poderes outorgados pela parte, haja vista o princípio do jus postulandi.
D) somente o trabalhador poderá reclamar na Justiça do Trabalho sem a
necessidade de nomeação de advogado, uma vez que o princípio do jus
postulandi somente se aplica à parte hipossuficiente.

9ª) QUESTÃO OBJETIVA: (QUESTÃO DESATUALIZADA)

Considerando que o processo pode ser entendido como uma sequência


ordenada de atos que devem seguir procedimentos e prazos previstos em lei,
no Processo Judiciário do Trabalho, segundo normas contidas na
Consolidação das Leis do Trabalho e entendimentos sumulados do Tribunal
Superior do Trabalho:
A) presume-se recebida a notificação vinte e quatro horas depois de sua
postagem; o seu não recebimento ou a entrega após o decurso desse prazo
constitui ônus de prova do destinatário.
B) intimada ou notificada a parte no sábado, o início do prazo se dará
no primeiro dia útil imediato e, a contagem, no subsequente, e os
prazos que se vencerem em sábado, domingo ou feriado, terminarão
no primeiro dia útil seguinte. (X)
C) em se tratando de litisconsórcio com procuradores distintos, a contagem
dos prazos será em dobro para todas as manifestações, em qualquer juízo ou
tribunal, independentemente de requerimento.
D) quando a intimação tiver lugar na sexta-feira, ou a publicação com efeito
de intimação for feita nesse dia, o prazo judicial será contado, a partir deste
dia porque se trata de dia útil forense.

10ª) QUESTÃO OBJETIVA:

(FCC AJAJ TRT 20 2016) Na reclamação trabalhista movida pelo


empregado Záfiro em face da empresa Olimpo S/A houve procedência
parcial em sentença. A reclamada interpôs recurso, mas por equívoco do
Juízo não houve intimação do
reclamante para apresentar contrarrazões. O recurso teve seu provimento
negado. No caso, quanto à teoria das nulidades processuais, conforme
previsão contida no texto consolidado:

A) caberia arguição pela reclamada da nulidade processual visto


que não foi cumprido ato processual essencial.
B) deveria ser declarada a nulidade de ofício, que alcançaria
todos os atos decisórios.
C) não poderia ser declarada nulidade de ofício por não ser absoluta,
mas caso fosse arguida por quaisquer das partes seria acolhida com
anulação dos atos decisórios.
D) a nulidade não seria declarada porque não houve prejuízo à parte
que não foi intimada para apresentar contrarrazões do recurso. (X)
Art. 794 CLT / Princípio do Prejuízo
E) deveria ser declarada a nulidade por provocação da reclamada
apenas em eventual ação rescisória a ser movida.

11ª) QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/FGV - 2013.1) Em reclamação trabalhista movida contra um


município, este não comparece à audiência inaugural. Diante dessa
hipótese, assinale a afirmativa correta.
A) Não se cogita de revelia porque o direito é indisponível.
B) Aplica-se a revelia contra o ente público. (X) OJ 152
C) Não há revelia, mas se aplica a confissão.
D) O juiz deve designar audiência de instrução, haja vista tratar-se de
ente público.
12ª QUESTÃO OBJETIVA:

(OAB/FGV - 2011.3) Numa reclamação trabalhista, o autor teve


reconhecido o direito ao pagamento de horas extras, sem qualquer
reflexo. Após liquidado o julgado, foi homologado o valor de R$
15.000,00, iniciando-se a execução. Em seguida, as partes comparecem
em juízo pleiteando a homologação de acordo no valor de R$ 10.000,00.
Com base no narrado acima, é correto afirmar que

A) o juiz não pode homologar o acordo porque isso significaria


violação à coisa julgada.
B) é possível a homologação do acordo, mas o INSS será
recolhido sobre R$ 15.000,00.
C) a homologação do acordo, no caso, dependeria da
concordância do órgão previdenciário, pois inferior ao valor
homologado.
D) é possível a homologação do acordo, e o INSS será recolhido sobre
R$ 10.000,00. (X) OJ 376

QUESTÕES IMPORTANTES

1. PEDRO ajuíza ação trabalhista, alegando que prestava duas horas


extras diárias, razão pela qual pede a condenação de sua empregadora ao
pagamento dessas horas extraordinárias. A reclamada, na contestação, aduz
que PEDRO nunca prestou horas extras. Trata-se de:

a) contestação indireta de mérito, pois houve a negação do fato


constitutivo.
b) contestação direta de mérito, pois houve a negação do fato
constitutivo. (X)
c) contestação indireta de mérito, pois foi alegado um fato extintivo às
horas extras.
d) contestação direta de mérito, pois foi alegado um fato extintivo às horas
extras.

2. PAULO ajuiza ação trabalhista em face de INDÚSTRIA BRASIL S.A.,


atribuindo à causa e valor de R$ 80.000,00 (que é o somatórios dos pedidos
líquidos). O juiz, antes mesmo da audiência, indefere, de plano, a petição
inicial, por entender que havia a qualificação deficiente das partes. Diante
desse caso hipotético, assinale a alternativa correta:
a) O juiz, ao indeferir a petição inicial, agiu corretamente, pois constatou
um vício insanável.
b) O juiz, ao indeferir a petição a petição inicial, agiu corretamente, pois, no
Direito Processual do Trabalho, não há previsão de emenda da peça de
ingresso.
c) O juiz, ao indeferir a petição inicial, agiu equivocadamente, pois
deveria ter concedido ao reclamante o prazo de 15 dias para que o vício
fosse sanado. (X)
d) O juiz, ao indeferir a petição inicial, agiu equivocadamente, pois deveria
ter concedido ao reclamante o prazo de 48 horas para que o vício fosse
sanado.
e) O juízo, ao indeferir a petição inicial, agiu equivocadamente, pois, no
Direito Processual do Trabalho, não há qualquer previsão de requisitos para a
elaboração da peça de ingresso.

3. (XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO) A sociedade empresária


Sucos Naturais Ltda., empresa de pequeno porte, teve contra si ajuizada
uma reclamação trabalhista, na qual Alice, uma de suas ex-empregadas,
postula o pagamento de horas extras. Para a audiência, a sociedade
empresária enviou como preposto o empregado que foi contratado para
substituir Alice. Em razão disso, o advogado da reclamante protestou contra
tal fato, requerendo a aplicação da confissão, pois o preposto não havia
presenciado os fatos. Segundo a sistemática da CLT, assinale a afirmativa
correta.

a) A impugnação deve ser acolhida, pois não se pode admitir a existência de


um preposto que não tenha testemunhado os fatos.
b) A lei é omissa acerca de o preposto precisar, ou não, ter testemunhado os
fatos, daí porque, diante da omissão legislativa, caberá ao juiz definir.
c) A impugnação deve ser acolhida, pois é necessário que o preposto tenha
vivenciado os fatos, tanto assim que ele obrigatoriamente deverá ser
empregado da empresa.
d) A impugnação deve ser rejeitada, pois o preposto precisa apenas ter
conhecimento dos fatos. (x)

OBS: ESSA QUESTÃO ESTÁ DESATUALIZADA.

4. (XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO - 2017) Rita é engenheira e


trabalhou na empresa Irmãos Construtores Ltda. por 3 anos. Ao ser
dispensada, ajuizou ação trabalhista em face da ex-empregadora. Como
tinha experiência na área de recursos humanos de empregos anteriores,
decidiu ela própria fazer sua defesa jurídica, não buscando, portanto, a
assistência de advogado ou sindicato. Elaborou a petição inicial,
compareceu à audiência e formulou perguntas para testemunhas e para a
parte ré. Ao término da instrução o juiz prolatou sentença de improcedência
do petitório de Rita, a qual, inconformada, interpôs recurso ordinário, que
teve provimento negado, sendo mantida a sentença de primeiro grau. Ainda
inconformada, adotando o mesmo sistema, entendendo ter havido violação
literal de dispositivo constitucional tanto na sentença de primeiro grau como
no acórdão, Rita, da mesma forma e desacompanhada de advogado,
interpõe o competente recurso de revista para o TST. Com base na
jurisprudência consolidada do TST acerca da postulação em causa própria,
assinale a afirmativa correta.

a) O recurso deverá ser conhecido e provido.


b) O recurso deveria ser endereçado ao STF, em razão da alegada violação
constitucional.
c) Não cabe mais recurso do julgado.
d) O recurso deverá ter o seguimento negado por irregularidade de
representação. (X)

5. (XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO) Mário ajuizou reclamação trabalhista


em face de seu ex-empregador. No dia da audiência, não compareceu, razão
pela qual o processo foi arquivado. Em nova ação proposta em idênticos
termos, o juiz extinguiu o feito sem resolução do mérito, pois a ré não foi
localizada. Imediatamente, Mário ajuizou a demanda pela terceira vez. Na
audiência, com todos presentes, o advogado da sociedade empresária aduziu
que o juiz deveria extinguir o processo sem resolução do mérito em razão da
perempção, pois não decorreu o prazo de seis meses entre o segundo e o
terceiro processo. Sobre a hipótese apresentada, na qualidade de advogado de
Mário, assinale a afirmativa correta.

a) Deverá ser requerido que o juiz apenas suspenda o processo.

b) Deverá desistir da ação para evitar a condenação em custas.

c) Deverá aduzir que o prazo de seis meses é contado da primeira ação.

d) Deverá aduzir que não houve perempção e requerer o


prosseguimento do feito. (X)

6. (XXXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO – 2017) Reinaldo, Wilma e


Teodoro trabalharam no restaurante Fino Paladar Ltda. Todos procuraram o
mesmo advogado para apresentar reclamação trabalhista: Reinaldo diz que
não recebeu horas extras, Wilma informa que não recebeu as verbas
resilitórias e Teodoro diz que não recebeu a participação nos lucros. Diante da
situação retratada, e de acordo com a CLT, assinale a afirmativa correta.

a) Não é possível o ajuizamento de reclamação plúrima, porque os


pedidos são distintos. (X)
b) A CLT não traz os requisitos para o litisconsórcio ativo e, por isso, ficará a
critério do juiz aceitar o ingresso conjunto.

c) Cabe manejo da reclamação plúrima, porque o empregador é o mesmo.

d) No caso apresentado, caberá o ajuizamento de dissídio coletivo.

7. CASO CONCRETO Américo ajuizou uma reclamação trabalhista em face


da empresa Gama, uma autarquia federal, tendo sida rejeitada pela partes a
proposta conciliatória feita pelo juízo. Após a instrução processual, na qual
as provas foram produzidas, o juiz proferiu sua sentença, julgando
improcedentes os pedidos formulados por Américo. O resultado da sentença
chegou ao conhecimento de Américo pela via postal, a qual trazia o prazo de
8 dias para apresentar Recurso Ordinário (art. 895 da CLT).
Ocorre que, a notificação postal só foi entregue no endereço do Américo
72 horas após a expedição da mesma pela Vara do Trabalho.

a) Como ficará o prazo para Américo apresentar seu recurso? Ele terá
menos tempo? A quem cabe o ônus de prova do recebimento após o
prazo do artigo 774, §2º, da CLT?

Resposta: O prazo de Américo ficará reduzido, pois a presunção é a de que a


notificação postal foi recebida 48 horas após a sua expedição, cabendo a
Américo o ônus de comprovar o seu recebimento tardio, nos termos da súmula
16 do TST.

b) Se a empresa Gama fosse a recorrente, disporia do mesmo prazo


de 8 (oito) dias contido no art. 895 da CLT?

Resposta: A empresa Gama teria o prazo em dobro para recorrer, por ser
uma autarquia federal, conforme o artigo 1º, inciso III, do decreto lei 779/1969.

8. O SINDICATO DOS TRABALHADORES inicia um movimento grevista e um


dos atos da greve consiste em esbulhar a posse da INDÚSTRIA BRASIL S.A.
sobre o seu estabelecimento industrial. A INDÚSTRIA BRASIL S.A. ajuíza uma
ação de reintegração de posse em face do SINDICATO, em virtude do esbulho
possessório decorrente da greve, que foi distribuída para a 2ª Vara do Trabalho
de Sucupira. O juiz do trabalho, porém, declarou a incompetência da Justiça do
Trabalho, por não se tratar de uma ação derivada da relação de trabalho,
determinando a remessa dos autos para uma das Varas Cíveis de Sucupira.
Discorra sobre o acerto ou desacerto dessa decisão judicial, analisando, de
forma fundamentada, a competência para processar e julgar essa ação
possessória, apontando o dispositivo constitucional e o verbete sumular
aplicáveis ao caso.
Resposta: O juiz se equivocou ao remeter os autos a Vara Cível, pois esse
caso se trata de Competência da Justiça do Trabalho, tendo em vista que o
artigo 114, inciso II da Constituição Federal estabelece que; compete a
Justiça do Trabalho processar e julgar as ações que envolvam exercício do
direito de greve. E a súmula vinculante 23 do STF, dá suporte estabelecendo
que; a Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar ação
possessória ajuizada em decorrência do exercício do direito de greve pelos
trabalhadores da iniciativa privada.

9. Uma das polêmicas envolvendo a Lei nº 13.467/2017, rotulada de Reforma


Trabalhista, foi a extinção da obrigatoriedade da contribuição sindical. Todavia,
vários sindicatos têm apresentado ações judiciais questionando a alteração
promovida no artigo 545 da CLT e buscando a manutenção da obrigatoriedade
da mencionada contribuição, como se vê na matéria jornalista abaixo:

Justiça mantém contribuição sindical extinta pela reforma trabalhista

ESTADÃO conteúdo
Luciana Dyniewicz
20/04/2018 11h00 > Atualizada 20/04/2018 15h51

Cinco meses após o fim do imposto sindical, com a entrada em vigor da nova
legislação trabalhista, sindicatos de todo o País têm conseguido liminares na
Justiça para manter a contribuição, que é uma de suas principais fontes de
receita.

Fonte: https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-
conteudo/2018/04/20/justica-mantem-contribuicao-sindical-extinta-pela-
reforma-trabalhista.htm

Você é contratado como advogado de um sindicato de trabalhadores que


pretende ajuizar ação em face de empregadores com o objetivo de manter a
obrigatoriedade da contribuição sindical e de buscar a condenação das
empresas a continuarem efetuando o desconto da contribuição no salário dos
empregados com o posterior repasse dos valores ao sistema sindical. Explique
qual a justiça competente para processar e julgar essas ações, indicando o
dispositivo constitucional que embasa a sua resposta.

Resposta: A Competência para processar e julgar essas ações é da Justiça


do Trabalho. Pois, conforme o artigo 114, inciso III, da Constituição Federal;
compete à Justiça do Trabalho processar e julgar as ações sobre
representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e trabalhadores, e
entre sindicatos e empregadores.
EXERCÍCIO DADO EM SALA DE AULA

(30/08/2018)

Respostas:

a) A competência para julgar esta ação é da Justiça comum Estadual, pois


o artigo 114, I, CF não engloba os servidores públicos estatutários.
b) Sim. Porque a competência material é absoluta. É matéria de ordem
pública.

Resposta: O foro competente para julgar a demanda será o de Colatina, pois


refere-se ao domicílio do empregado, conforme o artigo 651, §1º, parte final,
CLT.
Resposta: Na condição de advogado da Construtora, aconselharia meu cliente
a nomear como preposto o vigia da obra por ele ter conhecimento sobre o fato,
e não havendo mais impedimentos em relação a ele não ser empregado da
construtora, conforme dispõe o artigo 843, §§ 1º e 3º, CLT.

Resposta:

Prazo = 8 dias.

Início do prazo: 16/02 (Dia da intimação).

Início da contagem: 21/02 (exclui o dia do começo, ou seja, o dia 16).

Vencimento: 02/03

Artigos 774 e 775, CLT.

Resposta: A Justiça do Trabalho não tem competência para julgar ações


penais.
AVALIANDO APRENDIZADO 1 e 2

AVALIANDO 01

1a Questão (Ref.:201515881579) Pontos: 0,1 / 0,1

(AOCP 2018) Tendo como base a estrutura, a organização e a competência (EC 45/2004) da
Justiça do Trabalho, assinale a alternativa correta.

O Tribunal Superior do Trabalho é composto por um quinto dentre advogados com mais
de quinze anos de efetiva atividade profissional e membros do Ministério Público do
Trabalho com mais de quinze anos de efetivo exercício, indicados em lista sêxtupla pelos
órgãos de representação das respectivas classes.
O Tribunal Superior do Trabalho compor-se-á de vinte e sete Ministros, escolhidos dentre
brasileiros com mais de trinta e cinco anos e menos de sessenta e cinco anos, de notável
saber jurídico e reputação ilibada, nomeados pelo Presidente da República após
aprovação de 2/3 (dois terços) do Senado Federal.
A lei criará Varas da Justiça do Trabalho, podendo, nas comarcas não abrangidas por sua
jurisdição, atribuí-la aos juízes de direito, com recurso para o respectivo Tribunal
Regional do Trabalho.
Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar ações que envolvam crimes contra a
organização do trabalho, como o trabalho escravo.
Os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no mínimo, nove juízes, recrutados,
quando possível, na respectiva região, e nomeados pelo Presidente da República dentre
brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos.

2a Questão (Ref.:201515881601) Pontos: 0,1 / 0,1

A respeito das Comissões de Conciliação Prévia, assinale a opção correta.

As referidas comissões interrompem por 10 dias o prazo prescricional.


O termo de conciliação é considerado título executivo judicial.
É obrigatória a instituição de tais comissões pelas empresas e sindicatos.
É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros das comissões em
apreço até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave.
As referidas comissões não interferem no curso do prazo prescricional.

3a Questão (Ref.:201515881597) Pontos: 0,1 / 0,1

(FCC 2017) Nos termos da Lei n° 13.467/2017, a exceção de incompetência territorial a ser
arguida pelo reclamado, deverá ser apresentada,

no prazo de 5 dias a contar da data da notificação, como preliminar de defesa.


no prazo de 10 dias a contar da data da notificação, em peça apartada.
em audiência, em peça apartada à contestação.
no prazo de 5 dias que antecede a audiência, em peça apartada à contestação.
no prazo de 5 dias a contar da data da notificação, em peça autônoma.

4a Questão (Ref.:201515881602) Pontos: 0,1 / 0,1

Marília foi admitida em 10/04/2018 no Rio de Janeiro em contrato de trabalho de experiência de


90 dias. Durante todo o contrato de trabalho prestou serviços em São Paulo na filial da empresa
na função de secretária executiva. Findo o prazo de experiência foi comunicada que o contrato
de trabalho não extinto pelo decurso do prazo. Atualmente Marília mora em Minas Gerais e lá é
seu domicílio. Vale asseverar que durante todo o contrato de trabalho prestou serviços em
horário extraordinário e não recebeu o pagamento respectivo. Inconformada quer ajuizar
reclamação trabalhista e é necessário que você marque a opção que informe a localidade
competente para analisar o conflito individual de trabalho.

O local competente é Minas Gerais ou São Paulo


Rio de Janeiro ou São Paulo
Minas Gerais ou Rio de Janeiro
Rio de Janeiro, somente
Somente Minas Gerais

5a Questão (Ref.:201515881595) Pontos: 0,1 / 0,1

(FCC 2018) A exceção de incompetência territorial deverá ser apresentada pelo reclamado em
Processo do Trabalho

juntamente com a defesa, em audiência, devendo ser sempre escrita e em peça


apartada.
no prazo de 5 dias a contar da notificação, antes da audiência e em peça que sinalize a
existência da exceção.
no prazo de 10 dias a contar da notificação, em peça autônoma onde se fundamente a
existência da exceção.
no prazo de 5 dias antes da audiência, mas sempre em peça apartada à defesa.

juntamente com a defesa, em audiência, podendo inclusive ser feita de forma verbal, em
respeito ao princípio da oralidade.

AVALIANDO 02

1a Questão (Ref.:201515897687) Pontos: 0,1 / 0,1

Uma sociedade empresária ajuizou ação de consignação em pagamento em face do seu ex-
empregado, com o objetivo de realizar o depósito das verbas resilitórias devidas ao trabalhador
e obter quitação judicial da obrigação. No dia designado para a audiência una, a empresa não
compareceu nem se justificou, estando presente o ex-empregado.

Indique, de acordo com a CLT, o instituto jurídico que ocorrerá em relação ao processo.

Revelia.
Confissão ficta.
Remarcação da audiência.
adiamento da audiência
Arquivamento.

2a Questão (Ref.:201515897688) Pontos: 0,1 / 0,1

Gustavo foi empregado da empresa Pizzaria Massa Deliciosa. Após a extinção do seu contrato,
ocorrida em julho de 2018, as partes dialogaram e confeccionaram um termo de
acordo extrajudicial, que levaram à Justiça do Trabalho para homologação. O acordo em questão
foi assinado pelas partes e por um advogado, que era comum às partes.
Considerando o caso narrado, segundo os ditames da CLT, assinale a afirmativa correta.

Para a validade do acordo proposto, seria necessário que o empregado ganhasse mais
de duas vezes o teto da Previdência Social.
Não será possível a homologação, porque empregado e empregador não podem ter
advogado comum.
Viável a homologação do acordo extrajudicial, porque fruto de manifestação de vontade
das partes envolvidas.
Impossível a pretensão, porque, na Justiça do Trabalho, não existe procedimento
especial de jurisdição voluntária, mas apenas contenciosa.
Será possível a homologação, porque empregado e empregador podem ter advogado
comum.

3a Questão (Ref.:201515881577) Pontos: 0,1 / 0,1

(VUNESP 2018) Em conformidade com o texto expresso na Consolidação das Leis do Trabalho
(CLT), é correto afirmar que

é ilícito às partes celebrar acordo que ponha termo ao processo, antes de encerrado o
juízo conciliatório.
a compensação, ou retenção, poderá ser arguida em qualquer momento processual.
os Juízos e Tribunais do Trabalho terão ampla liberdade na direção do processo e velarão
pelo andamento rápido das causas, podendo determinar qualquer diligência necessária ao
esclarecimento delas.
não havendo acordo, é facultado ao juiz converter o processo em juízo arbitral.
o direito processual comum não será fonte subsidiária do direito processual do trabalho.

4a Questão (Ref.:201515909362) Pontos: 0,1 / 0,1

(TRT 1ª R ¿ 2018 ¿ Analista Judiciário) Em relação à competência da Justiça


do Trabalho, assinale a alternativa INCORRETA.

À Justiça do Trabalho compete processar e julgar as ações que


envolvam representação sindical entre sindicatos, entre sindicatos e
trabalhadores e entre sindicatos e empregadores.
A Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar ações de
indenização por dano moral ou patrimonial, decorrentes da relação de
trabalho.
A Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar mandados
de segurança, habeas corpus e habeas data quando o ato questionado
envolver matéria sujeita à sua jurisdição.
À Justiça do Trabalho compete processar e julgar as ações que
envolvam representação sindical entre sindicatos, entre sindicatos e
trabalhadores, entre sindicatos e empregadores e demandas de
qualquer natureza entre empregadores que façam parte de um mesmo
sindicato patronal.
A Constituição federal ampliou a competência da Justiça do Trabalho,
atribuindo a esta poderes para dirimir conflitos decorrentes das relações
de trabalho e não somente relações de emprego.
5a Questão (Ref.:201515881600) Pontos: 0,1 / 0,1

CESPE 2015 - ADAPTADO - A respeito das comissões de conciliação prévia, assinale a opção
correta.

As comissões de conciliação prévia compõem a estrutura da justiça do trabalho.


A provocação da comissão de conciliação prévia não suspende o prazo prescricional para
a propositura da reclamação trabalhista.
O termo de conciliação é título executivo extrajudicial e terá eficácia liberatória geral,
dando quitação total quanto ao extinto contrato de trabalho.
A ausência da empresa na data designada para a tentativa de conciliação prévia implica a
penalidade de revelia.
O termo de conciliação é título executivo extrajudicial e terá eficácia liberatória geral,
exceto quanto às parcelas expressamente ressalvadas.

SIMULADO AV1

1a Questão (Ref.:201515881586) Acerto: 0,2 / 0,2

(FCC 2018) No tocante à competência da Justiça do Trabalho, considere:

I. É competente a Justiça do Trabalho para processar e julgar ações possessórias, incluindo o


interdito proibitório, ainda que essas ações sejam decorrentes do exercício de greve dos
trabalhadores da iniciativa privada.

II. A Justiça do Trabalho é competente para julgar mandando de segurança e habeas


corpus quando o ato questionado envolver matéria de sua jurisdição, o que não ocorre com
o habeas data envolvendo a mesma matéria, cuja competência é da Justiça comum.

III. Segundo entendimento sumulado do Tribunal Superior do Trabalho, é competente a Justiça


do Trabalho para processar e julgar ações de indenização por dano moral e material,
decorrentes da relação de trabalho, inclusive as oriundas de acidente de trabalho e doenças a
ele equiparadas, ainda que propostas pelos dependentes ou sucessores do trabalhador falecido.

Está correto o que se afirma APENAS em

I
II e III.
I e II.
III.
I e III

2a Questão (Ref.:201515881597) Acerto: 0,2 / 0,2

(FCC 2017) Nos termos da Lei n° 13.467/2017, a exceção de incompetência territorial a ser
arguida pelo reclamado, deverá ser apresentada,

em audiência, em peça apartada à contestação.


no prazo de 10 dias a contar da data da notificação, em peça apartada.
no prazo de 5 dias a contar da data da notificação, em peça autônoma.
no prazo de 5 dias a contar da data da notificação, como preliminar de defesa.
no prazo de 5 dias que antecede a audiência, em peça apartada à contestação.

3a Questão (Ref.:201515881583) Acerto: 0,2 / 0,2

(FCC 2017) A Constituição Federal do Brasil e a Consolidação das Leis do Trabalho instituíram
regras sobre organização e competência da Justiça do Trabalho e dos órgãos que a compõem.
Em observância a tais normas,

a Justiça do Trabalho passou a ser competente para julgar as ações de indenização por
dano moral decorrentes da relação de emprego somente a partir da Emenda
Constitucional n° 45/2004, visto que o texto original da Constituição Federal de 1988 e a
jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho não admitiam o processamento de tais
ações na Justiça Especializada.
o Supremo Tribunal Federal, em sede de ação direta de inconstitucionalidade, interpretou
ser da competência da Justiça do Trabalho a apreciação de demandas entre o Poder
Público e seus servidores, a ele vinculados por típica relação de ordem estatutária ou de
caráter jurídico-administrativo.
os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no mínimo, nove juízes, recrutados
exclusivamente na respectiva região, e nomeados pelo Presidente da República dentre
brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos.
é competência da Justiça do Trabalho a apreciação de ação proposta por empresa para
anulação de penalidade imposta em auto de infração lavrado por auditor fiscal do
trabalho, por inobservância da cota de contratação de pessoas com deficiência.
o Tribunal Superior do Trabalho compor-se-á de dezessete Ministros, escolhidos dentre
brasileiros com mais de trinta anos e menos de sessenta e cinco anos, de notável saber
jurídico e reputação ilibada, nomeados pelo Presidente da República após aprovação pela
maioria simples do Senado Federal.

4a Questão (Ref.:201515881594) Acerto: 0,2 / 0,2

(AOCP 2018) Lucas, residente na cidade de Nova Iguaçu (RJ), foi contratado na cidade de
Petrópolis (RJ) pela empresa Brasa Quente para trabalhar como Gerente na cidade de
Teresópolis (RJ). Observa-se que Duque de Caxias (RJ) é o domicílio eleitoral de Lucas, onde
reside toda a sua família, sendo que, aos finais de semana, aproveita para visitá-los. Sabe-se,
ainda, que a sede da empresa é na cidade de Barretos (SP) local onde Lucas recebeu todos os
treinamentos para o exercício de sua função. Considerando a possibilidade de ingressar com
uma ação trabalhista e valendo-se da regra geral prevista na Consolidação das Leis do Trabalho,
assinale a alternativa correta.

Lucas deverá propor a ação na cidade de Duque de Caxias (RJ), pois a, competência
territorial é fixada pelo domicilio eleitoral do empregado.
Lucas deverá propor a ação na cidade de Nova Iguaçu (RJ), pois a competência
territorial é fixada pelo domicílio civil do empregador.
Lucas deverá propor a ação na cidade de Petropólis (RJ), pois a competência territorial
é fixada pelo local onde foi realizada a contratação.
Lucas deverá propor a ação na cidade de São Paulo, pois a competência territorial é
fixada pela capital do Estado no qual a matriz da empresa estiver localizada.
Lucas deverá propor a ação na cidade de Teresópolis (RJ), pois a competência territorial
é fixada pelo local onde o empregado prestar serviços ao empregador.

5a Questão (Ref.:201515881573) Acerto: 0,2 / 0,2

Situação Hipotética: Maurício ajuizou reclamação trabalhista contra a empresa Panos e Pratos
Ltda, pleiteando o pagamento de horas extras e dano moral. Foi expedida citação para a
empresa reclamada, pelo correio, porém a entrega foi em endereço errado e distinto da sede da
Panos e Pratos Ltda. Contudo, a reclamada, em audiência, apresentou defesa e juntou
documentos. Após regular instrução do processo, o magistrado condenou a empresa a pagar
todos os pedidos contidos na Petição Inicial.

Acerca do caso, pode-se considerar:

Pelo princípio do devido processo legal, a citação no processo acima contém uma
nulidade de natureza absoluta e, portanto, deveria ser declarada ex-officio pelo Juiz.
Pelo princípio do contraditório, a falha na citação é sanada pelo comparecimento
espontâneo da reclamada.

Pelo princípio da instrumentalidade das formas, a citação no processo acima é nula e,


portanto, a sentença também.
Pelo princípio do contraditório, a falha na citação da reclamada torna nula a sentença.
Pelo princípio da instrumentalidade das formas a citação no processo acima não é nula
e, portanto, a sentença é válida.

6a Questão (Ref.:201515881598) Acerto: 0,2 / 0,2

(FCC 2017) A respeito da competência das Varas do Trabalho, segundo a legislação trabalhista
em vigor, considere:

I. A ação de consignação em pagamento que o empregador promover em face do empregado


deve ser proposta no foro do domicílio deste, desde que esta situação esteja prevista no seu
contrato de trabalho, caso contrário, a competência será da Vara onde se deu a contratação do
trabalhador.

II. Quando for parte no dissídio agente ou viajante comercial, a competência será da Vara do
Trabalho da localidade em que a empresa tenha agência ou filial e a esta o empregado esteja
subordinado e, na falta, será competente a Vara da localização em que o empregado tenha
domicílio ou a localidade mais próxima.

III. Quando for parte no dissídio agente ou viajante comercial, a competência será da Vara do
Trabalho da localidade em que a empresa tenha agência ou filial e a esta o empregado esteja
subordinado e, na falta, será competente a Vara da localização em que o empregado tenha sido
contratado ou a localidade mais próxima.

IV. Em se tratando de empregador que promova realização de atividades fora do lugar do


contrato de trabalho, é assegurado ao empregado apresentar reclamação no foro da celebração
do contrato ou no da prestação dos respectivos serviços.

V. Mesmo em se tratando de empregador que promova realização de atividades fora do lugar do


contrato de trabalho, a competência continuará sendo exclusiva da Vara da localidade da
prestação dos respectivos serviços, eis que se trata de regra mais benéfica ao empregado.

Está correto o que consta APENAS em

I e V.
I, III e V
II e III.
II e IV
I, II e IV.

7a Questão (Ref.:201515881590) Acerto: 0,2 / 0,2

(AOCP 2018) João tem domicílio na cidade do Rio de Janeiro/RJ e foi chamado para uma
entrevista de emprego pela empresa Colchões Ortopédicos Ltda., com sede na cidade de
Campinas/SP, ocasião em que foi contratado no próprio local. Já no momento da contratação, a
empresa informou ao novo empregado que o mesmo iria trabalhar na filial da empresa na
cidade de São José do Rio Preto/ SP. Depois de três anos de trabalho na empresa em questão,
João foi dispensado sem justa causa, não recebendo as verbas rescisórias, dentre outros pleitos
que considera devidos, razão pela qual almeja buscar a efetivação de seus direitos na Justiça do
Trabalho. Nesse seguimento, João deve pleitear seus direitos

em qualquer uma das cidades mencionadas, pois o foro de ingresso da ação


trabalhista é opcional ao empregado.
em Campinas/SP, pois é o local da sede da empresa, pressupondo, assim, o dever de
ingressar com ação nesta localidade.
em São José do Rio Preto/SP, pois é o local da prestação de serviços.
no Rio de Janeiro/RJ, pois é a cidade de seu domicílio, oferecendo maiores facilidades
ao empregado
em Campinas/SP, pois é o local em que o empregado foi contratado.

8a Questão (Ref.:201515881584) Acerto: 0,2 / 0,2

(FCC 2016) A Constituição Federal expressamente prevê regras que organizam a estrutura da
Justiça do Trabalho, e tratam da sua competência. Conforme tal regramento,

os mandados de segurança, habeas corpus e habeas data, quando o ato questionado


envolver matéria sujeita à jurisdição da Justiça do Trabalho serão julgados e processados
na Justiça Federal, por se tratar de remédios jurídicos de natureza constitucional.
haverá pelo menos um Tribunal Regional do Trabalho em cada Estado e no Distrito
Federal, e a lei instituirá as Varas do Trabalho, podendo, nas comarcas onde não forem
instituídas, atribuir sua jurisdição a Vara do Trabalho mais próxima.
os Tribunais Regionais do Trabalho instalarão a justiça itinerante, com a realização de
audiência e demais funções de atividade jurisdicional, nos limites territoriais da respectiva
jurisdição, servindo-se de equipamentos públicos e comunitários.
os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no mínimo, nove juízes, que serão
recrutados na respectiva região, e nomeados pelo Presidente do Tribunal Superior do
Trabalho dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos.
os juízes dos Tribunais Regionais do Trabalho, oriundos da magistratura da carreira, que
comporão o Tribunal Superior do Trabalho serão indicados pelos próprios Regionais,
alternativamente, e escolhidos pelo Congresso Nacional.

9a Questão (Ref.:201515881588) Acerto: 0,2 / 0,2

(AOCP 2018) No que tange à exceção de incompetência territorial, no âmbito do processo


trabalhista, assinale a alternativa correta.

A exceção de incompetência territorial deverá ser apresentada em peça apartada que


sinalize explicitamente a existência da exceção, antes da audiência no prazo de 5 dias,
contados do recebimento da notificação pela reclamada. Protocolada a petição de
exceção, ao exceto será concedido prazo de 24 horas para manifestação respectiva,
devendo a decisão ser proferida na primeira audiência ou sessão que se seguir.

A exceção de incompetência territorial deverá ser apresentada em peça apartada que


sinalize explicitamente a existência da exceção, antes da audiência, no prazo de 5 dias,
contados do recebimento da notificação pela reclamada. Protocolada a petição de
exceção, o processo será suspenso até que se decida o incidente.
A exceção de incompetência territorial deverá ser apresentada em peça apartada que
sinalize explicitamente a existência da exceção, antes da audiência, no prazo de 5 dias,
contados do recebimento da notificação pela reclamada. Protocolada a petição de
exceção, o processo será suspenso. O juiz intimará o exceto para manifestação no prazo
de 5 dias. Da decisão que decidir a exceção de incompetência, caberá recurso ordinário
no prazo de 8 dias.
A Exceção de Incompetência territorial deverá ser apresentada como preliminar de
contestação. Ao exceto será concedido prazo de 24 horas para manifestação respectiva,
devendo a decisão ser proferida na primeira audiência ou sessão que se seguir.
A Exceção de Incompetência territorial deverá ser apresentada como preliminar de
contestação. Ao exceto será concedido prazo de 24 horas para manifestação respectiva,
devendo a decisão ser proferida no prazo de 5 dias.

10a Questão (Ref.:201515881602) Acerto: 0,2 / 0,2

Marília foi admitida em 10/04/2018 no Rio de Janeiro em contrato de trabalho de experiência de


90 dias. Durante todo o contrato de trabalho prestou serviços em São Paulo na filial da empresa
na função de secretária executiva. Findo o prazo de experiência foi comunicada que o contrato
de trabalho não extinto pelo decurso do prazo. Atualmente Marília mora em Minas Gerais e lá é
seu domicílio. Vale asseverar que durante todo o contrato de trabalho prestou serviços em
horário extraordinário e não recebeu o pagamento respectivo. Inconformada quer ajuizar
reclamação trabalhista e é necessário que você marque a opção que informe a localidade
competente para analisar o conflito individual de trabalho.

Minas Gerais ou Rio de Janeiro


O local competente é Minas Gerais ou São Paulo
Rio de Janeiro, somente
Somente Minas Gerais
Rio de Janeiro ou São Paulo

BOA PROVA!

FIQUE COM DEUS.

WEST GAVE