Você está na página 1de 114

Estruturas de Madeira

Prof. Glauco José de O. Rodrigues, D.Sc.

1
Bibliografia:

• Dimensionamento de Elementos Estruturais de Madeira – Carlito Calil Junior /


Francisco Antonio Rocco Lahr / Antonio Alves Dias – Editora Manole (Livro
Texto);
• Estruturas de Madeira – Walter Pfeil / Michèle Pfeil – Editora LTC;
• NBR 7190/97 – Projeto de Estruturas de Madeira – Associação Brasileira de
Normas Técnicas.
• Critério de Avaliação 5:
NF = ( G1 + G2 + G3) / 3

Se G1, G2 e G3 >= 5,0 ou NF >= 6,0,


então: MÉDIA = NF
em outros casos o aluno faz G4:
se G4 >= 3,0,
então: MÉDIA = (Gm + Gn + G4) / 3

Gm e Gn são as maiores notas de G1, G2 e G3


se G4 < 3,0,
2
então: MÉDIA = ( (G1 + G2 + G3 + (G4*3) ) / 6
Conteúdo Programático:

1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira;


2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o
projeto de estruturas;
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira;
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de
madeira;
5. Critérios de dimensionamento;
6. Ligações em estruturas de madeira.

3
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

4
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Desenvolvimento sustentado na produção de madeira:


• Geração de bens atentando para a manutenção do equilíbrio ecológico,
tais como:
• Melhora da qualidade do ar devido à fotossíntese;
• Biodiversidade (fauna e flora);
• Redução da erosão e suas consequências.

Atividade florestal:
• Uma das poucas que, com utilização de métodos racionais de exploração,
poderá conjugar a expansão econômica à conservação da qualidade de vida
(desenvolvimento sustentado).

5
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Vantagens da produção de madeiras para estruturas:


• A extração e o desdobro (corte das toras) envolvem baixo consumo de
energia;
• No aço e no concreto, os processos de produção são altamente poluentes,
antecedidos por agressões ambientais consideráveis para obtenção de
matéria prima. Os referidos processos requerem alto consumo energético e a
matéria prima retirada da natureza jamais será reposta;
• A madeira apresenta alta resistência em relação à densidade, ou seja, são
dotadas de baixo peso próprio;
• Conveniente desempenho a altas temperaturas apesar da sua
inflamabilidade;
• Aspecto visual muito interessante.

6
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Materiais Estruturais – Dados Comparativos

Peso Energia Resistênci Módulo de


Material Específico consumida na a (MPa) Elasticidade
(g/cm3) produção (MJ/m3) (GPa)

Concreto 2,4 1920 20 20


Aço 7,8 234000 250 210
Madeira
0,6 600 50 12
conífera

Madeira
0,9 630 75 8
dicotiledônea

7
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Comportamento dos materiais estruturais em situação de incêndio

Viga de madeira

Perfil “I” de aço


8
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Emprego da madeira:
• Coberturas: residenciais, comerciais, industriais, construções rurais;
• Cimbramentos: para estruturas de concreto (armado e protendido);
• Transposição de obstáculos: pontes, viadutos, passarelas;
• Armazenamento: silos verticais e horizontais;
• Linhas de transmissão (energia elétrica de baixa tensão e telefonia);
• Obras portuárias: Deck;
• Componentes para edificações: painéis divisórios, esquadrias, lambris, forros,
pisos, etc.

9
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Principais preconceitos inerentes à madeira:


• Divulgação insuficiente de informações tecnológicas;
• Falta de projetos específicos desenvolvidos por profissionais habilitados;
• Mão de obra não qualificada e maquinário obsoleto ou adaptado;
• Associação do uso da madeira à “catástrofes ecológicas”.

...“Não está sendo defendida aqui, a exploração irracional e predatória. O que se almeja é a
aplicação de um manejo de cultura e exploração inteligentes, fundamentados em técnicas
há muito dominadas por engenheiros florestais e profissionais de área correlatas, que
poderá garantir a perenidade de nossas reservas florestais.”
(extraído do livro texto, pág. 06).

10
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Classificação botânica das Árvores

Classe de Vegetais: Fanerógramas

Gimnospermas Angiospermas

Classe mais importante: Classe mais importante:


Coníferas, também conhecidas Dicotiledôneas, também
como softwoods, ou seja, conhecidas como hardwoods, ou
madeiras moles. seja, madeiras duras.

11
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Coníferas:
• Folhas perenes, em formato de escamas ou agulhas;
• Típicas de climas temperados e frios (Hemisfério Norte);
• Na América do Sul: (Sul do Brasil).
Pinho do Paraná;
Pinus: Pinus Taeda;
Pinus Elliottii;
Pinus Oocarpa;
Pinus Caribea.

12
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Dicotiledôneas:
• Folhas de diferentes formatos renovadas periodicamente;
• Quase totalidade das florestas tropicais.
Algumas dicotiledôneas:

Aroeira do Sertão Peroba Rosa Ipê


Mogno Cedro Imbuia
Caviúna Angico Garapa
Pau-marfim Cerejeira Cabriúva
Amendoim Jacarandá-da-Bahia Angelim Vermelho
Canela Freijó Itaúba
Virola Jequitibá Rosa Copaíba
Pau-Brasil Peroba-do-Campo Canafístula
Cambará Sucupira Maçaranduba

13
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Estrutura macroscópica da madeira

14
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Estrutura microscópica e fisiologia da árvore - Coníferas

15
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Estrutura microscópica e fisiologia da árvore - Dicotiledôneas

16
1. Algumas informações fundamentais sobre a madeira

Anisotropia – reações diferentes segundo a direção da solicitação

17
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para
o projeto de estruturas:

18
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Variação da resistência e do módulo de elasticidade (E) da madeira com o seu


peso específico (Walter Pfeil):

19
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

• Condições de temperatura;
• Composição e umidade do solo no local de crescimento da árvore;
• Densidade do povoamento e tipo de manejo a ele aplicado;
• Posição da árvore no terreno;
• Incidência de chuvas;
• Geometria dos anéis de crescimento;
• Idade das diferentes camadas;
• Posição da amostra em relação a altura da árvore ou ao seu diâmetro;
• Maior ou menor incidência de nós e de fibras reversas;
• Umidade;
• Número e dimensões dos corpos-de-prova ensaiados.

20
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Fatores que influenciam nas propriedades da madeira:


Fatores anatômicos:
• Densidade;
• Inclinação das Fibras;
• Falhas naturais da madeira: encurvamento do tronco e dos galhos durante o
crescimento; Presença de alburno (A); Presença de medula (B) e faixas de
parênquima (C);

• Nós

21
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Fatores que influenciam nas propriedades da madeira:


Fatores ambientais e de utilização:
• Umidade;
• Defeitos de secagem;
• Defeitos de processamento;
• Defeitos por ataques biológicos;

22
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Umidade da madeira:
• A umidade da madeira tem grande importância sobre suas propriedades. O
grau de umidade (U) é o peso de água contido na madeira expresso por uma
porcentagem da massa da madeira seca em estufa (ms) (até a estabilização
do peso):
mi − ms
U (%) = × 100
ms
(mi ) massa inicial
• A umidade está presente na madeira de duas formas:
- água no interior da cavidade das células ocas e
- água absorvidas paredes das fibras.
• Exposta ao meio ambiente ele perde continuamente umidade por
evaporação das moléculas livres de água das células ocas;

23
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Umidade da madeira:
• Diz-se que ela atingiu o ponto de saturação das fibras (PS). Ficam retidas
apenas as moléculas de água no interior das paredes celulares (água de
adesão ou de impregnação). Esse ponto corresponde ao grau de umidade de
cerca de 30%;
• Após o ponto de saturação (PS) a evaporação prossegue com menor
velocidade até alcançar o nível de equilíbrio (UE), que é função da espécie
considerada, da temperatura (T) e da umidade relativa do ar (URA);
• Em face do efeito da umidade nas propriedades da madeira, a NBR 7190-
1997 trabalha com UE=12%, condição atingida com T= 20º e URA=65%.
Porcentagens inferiores a UE são conseguidas somente em estufas ou
câmaras de vácuo;
• A saída de água livre não interfere na estabilidade dimensional nem nos
valores numéricos correspondentes às propriedades de resistência e de
elasticidade;

24
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Exercício 2.1: Deseja-se determinar a porcentagem de umidade de uma peça de Jatobá, a


ser empregada na confecção de um piso. Dela se retira uma amostra, de acordo com
recomendações da NBR 7190/1997. A massa inicial da amostra é 42,88g. A massa seca é
28,76g. Qual é o valor da umidade procurada (U)?

mi − ms 42,88 − 28,76
U (%) = ×100 = ×100
ms 28,76
U (%) = 49.1%

25
2. Características físicas e mecânicas da madeira relevantes para o projeto de estruturas:

Exercício 2.2: Uma peça de madeira para emprego estrutural tem massa de 6148g a U%
de umidade e deve ser submetida à secagem até atingir 12%, condição na qual será
utilizada. Sabendo-se que uma amostra retirada da referida peça, nas dimensões indicadas
pela NBR 7190/1997, pesou 34,52g (a U% de umidade) e 25,01g (massa seca), pede-se
estimar o peso da peça em questão quando for atingida a umidade de 12%.

Cálculo da umidade inicial (U%)


mi − ms 34,52 − 25,01
U (%) = ×100 = ×100 ∴U (%) = 38,0%
ms 25,01
Massa seca (U= 38%):
mi − ms 100mi 100 × 6148
U (%) = ×100 ∴ ms = = = 4455 g
ms U (%) + 100 38,0 + 100
Massa (U= 12%):

U (%)ms 12 × 4455
m12 = + ms ∴ m12 = + 4455 = 4989,6 g
100 100

26
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

27
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Eixos de Referência:

Paralelo às fibras (0)


Perpendicular às fibras (90)

28
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Comportamento da madeira na compressão:

(A) Paralelo à fibras (grande resistência);


(B) Perpendicular às fibras (aprox.1/4 de A).
29
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Tipos de compressão na madeira:

Paralelo à fibras Perpendicular às fibras Inclinada

30
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Tipos de cisalhamento na madeira:


Perpendicular às fibras: Paralelo às fibras: menor resistência
alta resistência

Cisalhamento horizontal Cisalhamento rolling

31
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Comportamento da madeira na flexão simples:

32
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Caracterização das resistências da madeira:


Caracterização completa:
É recomendada para espécies de madeira não conhecidas, e consiste na
determinação de todas as suas propriedades:
• Resistência à compressão paralela às fibras (fc0);
• Resistência à tração paralela às fibras (ft0);
• Resistência à compressão perpendicular às fibras (fc90);
• Resistência à tração perpendicular às fibras (ft90);
• Resistência ao cisalhamento paralelo às fibras (fv0);
• Resistência de embutimento paralelo (fe0) e normal às fibras (fe90);
• Densidade básica e densidade aparente.

33
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Caracterização das resistências da madeira:


Caracterização mínima:
É recomendada para espécies de madeira pouco conhecidas, e consiste na
determinação das seguintes propriedades:
• Resistência à compressão paralela às fibras (fc0);
• Resistência à tração paralela às fibras (ft0);
• Resistência ao cisalhamento paralelo às fibras (fv0);
• Densidade básica e densidade aparente.
OBS: No caso da impossibilidade da execução dos ensaios de tração, admite-se
este valor igual ao da resistência à tração na flexão (ftM).

34
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Caracterização das resistências da madeira:


Caracterização simplificada:
Permite-se a caracterização simplificada das resistências da madeira de espécies
usuais a partir dos ensaios de compressão paralela às fibras, adotando-se as
seguintes relações para os valores característicos:
• fc0,k /ft0,k = 0,77
• ftM,k / ft0,k = 1,0
• fc90,k / fc0,k = 0,25
• fe0,k / fc0,k = 1,0
• fe90,k / fc0,k = 0,25
• fv0,k / fc0,k = 0,15 (para coníferas)
• fv0,k / fc0.k = 0,12 (para dicotiledôneas)

35
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Rigidez:
• Depende em particular do módulo de elasticidade (E) da espécie de
madeira. Este módulo de elasticidade, varia conforme a direção da
solicitação em relação às fibras (ou traqueídes) da madeira, ou seja,
E0, para direção paralela às fibras e E90, para direção perpendicular
às fibras. Para efeito de cálculos, na ausência de ensaios de
caracterização da madeira na direção perpendicular às suas fibras
considera-se:
1
E90 = E0
20

36
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:
Tabela de Resistências das Espécies Conforme a NBR 7190/97
Dicotiledôneas
Nome ρap (kg/m3 ) fc0 (MPa) ft0 (MPa) fv (MPa) Ec0 (MPa)
Angelim araroba 688 50,5 69,2 7,1 12 876
Angelim ferro 1 170 79,5 117,8 11,8 20 827
Angelim pedra 694 59,8 75,5 8,8 12 912
Angelim pedra verdadeiro 1 170 76,7 104,9 11,3 16 694
Branquilho 803 48,1 87,9 9,8 13 481
Cafearana 677 59,1 79,7 5,9 14 098
Canafístula 871 52,0 84,9 11,1 14 613
Casca grossa 801 56,0 120,2 8,2 16 224
Castelo 759 54,8 99,5 12,8 11 105
Cedro amargo 504 39,0 58,1 6,1 9 839
Cedro doce 500 31,5 71,4 5,6 8 058
Champagne 1 090 93,2 133,5 10,7 23 002
Cupiúba 838 54,4 62,1 10,4 13 627
Catiúba 1 221 83,8 86,2 11,1 19 426
E. Alba 705 47,3 69,4 9,5 13 409
E. Camaldulensis 899 48,0 78,1 9,0 13 286
37
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:
Tabela de Resistências das Espécies Conforme a NBR 7190/97
Dicotiledôneas
Nome ρap (kg/m3 ) fc0 (MPa) ft0 (MPa) fv (MPa) Ec0 (MPa)
E. Citriodora 999 62,0 123,6 10,7 18 421
E. Cloeziana 822 51,8 90,8 10,5 13 963
E. Dunnii 690 48,9 139,2 9,8 18 029
E. Grandis 640 40,3 70,2 7,0 12 813
E. Maculata 931 63,5 115,6 10,6 18 099
E. Maidene 924 48,3 83,7 10,3 14 431
E. Microcorys 929 54,9 118,6 10,3 16 782
E. Paniculata 1 087 72,7 147,4 12,4 19 881
E. Propinqua 952 51,6 89,1 9,7 15 561
E. Punctata 948 78,5 125,6 12,9 19 360
E. Saligna 731 46,8 95,5 8,2 14 933
E. Tereticornis 899 57,7 115,9 9,7 17 198
E. Triantha 755 53,9 100,9 9,2 14 617
E. Umbra 889 42,7 90,4 9,4 14 577
E. Urophylla 739 46,0 85,1 8,3 13 166
Garapa Roraima 892 78,4 108,0 11,9 18 359
38
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:
Tabela de Resistências das Espécies Conforme a NBR 7190/97
Dicotiledôneas
Nome ρap (kg/m3 ) fc0 (MPa) ft0 (MPa) fv (MPa) Ec0 (MPa)
Guaiçara 825 71,4 115,6 12,5 14 624
Guarucaia 919 62,4 70,9 15,5 17 212
Ipê 1 068 76,0 96,8 13,1 18 011
Jatobá 1 074 93,3 157,5 15,7 23 607
Louro preto 684 56,5 111,9 9,0 14 185
Maçaranduba 1 143 82,9 138,5 14,9 22 733
Oiticica amarela 756 69,9 82,5 10,6 14 719
Quarubarana 544 37,8 58,1 5,8 9 067
Sucupira 1 106 95,2 123,4 11,8 21 724
Tatajuba 940 79,5 78,8 12,2 21 724

39
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:
Tabela de Resistências das Espécies Conforme a NBR 7190/97
Coníferas
Nome ρap (kg/m3 ) fc0 (MPa) ft0 (MPa) fv (MPa) Ec0 (MPa)
Pinho do Paraná 580 40,9 93,1 8,8 15 225
Pinus caribea 579 35,4 64,8 7,8 8 431
Pinus bahamensis 537 32,6 52,7 6,8 7 110
Pinus hondurensis 535 42,3 50,3 7,8 9 868
Pinus elliottii 560 40,4 66,0 7,4 11 889
Pinus oocarpa 538 43,6 60,9 8,0 10 904
Pinus taeda 645 44,4 82,8 7,7 13 304
Pinho do Paraná 580 40,9 93,1 8,8 15 225
Pinus caribea 579 35,4 64,8 7,8 8 431
Pinus bahamensis 537 32,6 52,7 6,8 7 110

40
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Observação:

Os valores obtidos nas tabelas acima são considerados como valores


médios. Os mesmos devem ser minorados à valores característicos,
multiplicando-os por 0,7:
fc0,k = 0,7 fc0
ft0,k = 0,7 ft0
fv,k = 0,7 fv

Onde:
fc0,k é a resistência característica à compressão paralela às fibras;
ft0,k é a resistência característica à tração paralela às fibras;
fv,k é a resistência característica ao cisalhamento.

41
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Classes de resistência:
Visando-se a padronização, a NBR 7190/1997 adota o conceito de classes de
resistência, permitindo a utilização de várias espécies com propriedades similares
em um mesmo projeto. O lote deve ter sido classificado e o revendedor deve
apresentar certificados de laboratórios idôneos para um determinado lote.
Coníferas (U=12%)
Classe fc0k fvk (MPa) Ec0,m Densbas Densap
(MPa) (MPa) (kg/m3) (kg/m3)
C20 20 4 3500 400 500
C25 25 5 8500 450 550
C30 30 6 14500 500 600

Dicotiledôneas (U=12%)
Classe fc0k fvk (MPa) Ec0,m Densbas Densap
(MPa) (MPa) (kg/m3) (kg/m3)
C20 20 4 9500 500 650
C30 30 5 14500 650 800
C40 40 6 19500 750 950
C60 60 8 24500 800 1000
42
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Valores de cálculo das propriedades da madeira:


Os valores característicos das propriedades da madeira permitem que se
obtenham os valores de cálculo Xd, empregando-se o coeficiente de modificação
(K mod ) e o coeficiente de minoração das propriedades da madeira (γ w ).

Xk
X d = K mod - para as resistências
γw
Ec 0, ef = K mod . Eco, m - para o módulo de elasticidade
K mod = K mod,1 × K mod, 2 × K mod,3

• Kmod,1 – classe de carregamento e tipo de material empregado;


• Kmod,2 – classe de umidade e tipo de material empregado;
• Kmod,3 – categoria da madeira utilizada.

43
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Valores de cálculo das propriedades da madeira:


Kmod,1

Classes de Madeira serrada,


carregamento laminada, colada Madeira Recomposta
ou compensada
Permanente 0,60 0,30
Longa duração 0,70 0,45
Média duração 0,80 0,65
Curta duração 0,90 0,90
Instantânea 1,10 1,10

Classes de carregamento:

Classe Duração acumulada da


ação característica
Permanente Vida útil da construção
Longa duração Mais de seis meses
Média duração Uma semana a seis meses
Curta duração Menos de uma semana
Instantânea Muito curta
44
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Valores de cálculo das propriedades da madeira:

Kmod,2

Classes de Madeira serrada, Madeira


laminada, colada
umidade ou compensada Recomposta
(1) e (2) 1,0 1,0
(3) e (4) 0,8 0,9

Classes de Umidade relativa Umidade da


umidade do ambiente madeira
1 <65% 12%
2 65<Uamb<75% 15%
3 75%<Uamb<85% 18%
4 Uamb>85% >25%

No caso particular de madeira serrada submersa, admite-se o valor Kmod,2 = 0,65


45
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Valores de cálculo das propriedades da madeira:

Kmod,3
Categoria Valor
1a 1,0
Dicotiledôneas 2a 0,8
1a 0,8
Coníferas 2a 0,8

• 1a categoria – Peças isentas de defeitos;


• 2a categoria – Peças com poucos defeitos;
• 3a categoria – Peças com muitos defeitos (nós em ambas as faces, não pode
ser utilizada como estrutura permanente).
• A NBR 7190, recomenda que, em caso de dúvida, seja sempre considerada 2a
categoria.
• Para uso das coníferas na forma de peças estruturais maciças de madeira
serrada sempre deve ser tomado o valor de 0,8.
46
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Coeficientes de ponderação
γ wc = 1,4 - Compressão paralela às fibras
γ wt = 1,8 - Tração paralela às fibras
γ wv = 1,8 - Cisalhamen to paralelo às fibras

OBS: Para verificação de estados limite de utilização (verificação de flechas), adota-se o


valor básico de 1,0.

47
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Exercício 3.1: Determinar os valores de cálculo para a resistência à compressão paralela às


fibras (fc0,d) e ao cisalhamento (fv0,d) para a espécie Eucalipto Citriodora, com base nos
resultados fornecidos na Tabela 1, do Anexo E, da NBR 7190/97. Considerar madeira
serrada, de segunda categoria, classe de umidade 2 e carregamento de longa duração.

Da Tabela E.1 da NBR 7190/97, obtém-se os valores médios para as resistências


fc0,m = 62,0 MPa, então fc0,k = 0,7 fc0,m = 0,7(62,0) = 43,2MPa
fv0,m = 10,7 MPa, então fv0,k = 0,7 fv0,m = 0,7 (10,7) = 7,5MPa

Kmod,1 = 0,7 (madeira serrada, carregamento de longa duração)


Kmod,2 = 1,0 (madeira serrada, classe de umidade 1 ou 2)
Kmod,3 = 0,8 (segunda categoria)

Kmod = Kmod,1 Kmod,2 Kmod,3 = 0,56


f c 0,k 43,2
f c 0,d = K mod = 0,56 = 17,3MPa
γ wc 1,4
f v 0,k 7,5
f v 0,d = K mod = 0,56 = 2,3MPa
γ wv 1,8
48
3. Propriedades de resistência e rigidez da madeira:

Exercício 3.2: Determinar os valores de cálculo para a resistência à compressão paralela às


fibras (fc0,d) e ao cisalhamento (fv0,d) bem como o valor efetivo do módulo de elasticidade na
direção paralela às fibras (Ec0,ef ) para a classe C-60 (dicotiledônea). Considerar madeira
serrada, de segunda categoria, classe de umidade 2 e carregamento de longa duração.

Das tabelas anteriores, para a Classe C-60 (dicotiledônea), colhemos os valores seguintes:
fc0,k = 60,0 MPa
fv0,k = 8,0 MPa
Ec0,m = 24500 MPa

Kmod = Kmod,1 Kmod,2 Kmod,3 = 0,56 ( ver exemplo anterior )

f c 0, k 60
f c 0,d = K mod = 0,56 = 24,0MPa
γ wc 1,4
f v 0, k 8,0
f v 0,d = K mod = 0,56 = 2,5MPa
γ wv 1,8
Ec 0,ef = K mod,1 K mod, 2 K mod,3 Ec 0,m = 0,56 × 24500 = 13720MPa

49
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de
estruturas de madeira

50
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Estados Limites Últimos:


• Perda do equilíbrio, global ou parcial, admitida a estrutura como corpo rígido;
• Ruptura ou deformação plástica excessiva dos materiais;
• Transformação da estrutura, no todo ou em parte, em sistema hipostático;
• Instabilidade por deformação;
• Instabilidade dinâmica (ressonância).

Estados Limites de Utilização:


• Deformações excessivas que afetam a utilização normal da construção,
comprometem seu aspecto estético, prejudicam o funcionamento de
equipamentos ou instalações e causam danos aos materiais de acabamento ou
às partes não estruturais da construção;
• Vibrações de amplitude excessiva que causam desconforto aos usuários e danos
à construção ou ao seu conteúdo.

51
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Ações nas estruturas de madeira:


• Ações permanentes: Apresentam pouca variação durante praticamente toda a vida
da construção;Ex.: Peso próprio da madeira, forrações, telhas, etc.
• Ações variáveis (sobrecargas): Ao contrário das ações permanentes, apresentam
variação significativa durante a vida da construção; Ex.: Manutenção, vento, acúmulo
de fuligem, etc.

• Ações excepcionais: Apresentam duração extremamente curta, com baixa


probabilidade de ocorrência, durante a vida da construção. Ex.: Impacto.

• Vento: A ação do vento deve ser determinada de acordo com os procedimentos da


norma NBR 6123/1988 – Forças devidas ao vento em edificações. Quando representar
a ação variável principal, a ação do vento poderá ser multiplicada por 0,75.

52
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Combinação de ações:
Estados limites últimos:
• Combinações últimas normais;
• Combinações últimas especiais ou de construção;
• Combinações últimas excepcionais.

Estados limites de utilização:


• Combinações de longa duração;
• Combinações de media duração;
• Combinação de curta duração;
• Combinações de duração instantânea.

53
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Combinação de ações para os estados limites últimos


Combinações últimas normais:
m  n 
Fd = ∑ γ gi × Fgi ,k + γ Q  FQ1,k + ∑ Ψ0 j× FQj ,k 
i =1  j =2 
Neste caso, as ações variáveis estão divididas em dois grupos: as principais (FQ1,k )
e as secundárias ( FQj , k ), com seus valores reduzidos pelo coeficiente Ψ0 j , que
leva em conta a baixa probabilidade de ocorrência simultânea das ações variáveis.
Para as ações permanentes (Fgi ,k ), devem ser feitas duas verificações: a favorável
e a desfavorável, o que é feito pelo coeficiente γ gi .
Coeficientes:
γ g =γG Coeficiente para as ações permanentes;
γQ Coeficiente para as ações variáveis;
Ψ0 Fator de combinação para as ações variáveis secundárias;

54
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Combinação de ações para os estados limites de utilização


Combinações de longa duração:
m  n 
Fd ,uti = ∑ Fgi ,k +  ∑ Ψ2 j × FQj ,k 

i =1  j =2 
Esta combinação é utilizada no controle usual das deformações das estruturas,
onde as ações variáveis atuam com seus valores correspondentes à classe de
longa duração.
Coeficientes:

Ψ2 Fator de combinação para ações variáveis em deslocamentos (flechas).

55
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Tabela de coeficientes para ações permanentes (pequena variabilidade) γ g =γG


Combinações Desfavoráveis Favoráveis
Normais 1,3 1,0

Construção 1,2 1,0

Excepcionais 1,1 1,0

Tabela de coeficientes para ações permanentes (grande variabilidade) γ g =γG


Combinações Desfavoráveis Favoráveis NBR 7190/97
Normais 1,4 0,9 Grande variabilidade: peso
Construção 1,3 0,9
próprio da estrutura de
madeira não superior a 75%
Excepcionais 1,2 0,9 do somatório das cargas
permanentes
Tabela de coeficientes para ações variáveis γQ
Combinações Desfavoráveis Favoráveis
Normais 1,4 1,2

Construção 1,2 1,0

Excepcionais 1,0 0
56
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

Fatores de combinação e de utilização: Ψ


Ações em estruturas correntes 0 1 2
Variações uniformes de temperatura em relação à média anual local 0,6 0,5 0,3

Pressão dinâmica do vento 0,5 0,2 0

Ações em estruturas correntes 0 1 2


Locais em que não há predominância de pesos de equipamentos fixos ou 0,4 0,3 0,2
elevada concentração de pessoas
Locais onde há predominância de pesos de equipamentos fixos ou 0,7 0,6 0,4
elevada concentração de pessoas
Bibliotecas, arquivos, oficinas e garagens 0,8 0,7 0,6

Cargas móveis e seus efeitos dinâmicos 0 1 2


Pontes de pedestres 0,4 0,3 0,2

Pontes rodoviárias 0,6 0,4 0,2

Pontes ferroviárias 0,8 0,6 0,4

NBR 7190/97 - Admite-se Ψ =0 quando a ação variável principal corresponde a um efeito


sísmico.
57
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:
Exercício 4.1: Uma treliça utilizada na estrutura de cobertura de um galpão industrial está
sujeita à ação permanente (peso próprio e outras sobrecargas permanentes), à ação do
vento (sobrepressão e sucção) e a uma ação decorrente da movimentação de equipamentos,
para a qual se utiliza uma talha. Uma barra da mencionada treliça está submetida aos
esforços normais originados das mencionadas ações. Pede-se que se determine os valores
de cálculo dos esforços de compressão e de tração que ocorrem na barra em questão.

-6kN (Talha)
-12,5kN (Vento Sobrepressão)
14kN (Vento sucção)
-12kN (Cargas Permanentes)
-5kN (Peso Próprio)

58
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:
SOLUÇÃO:
Verificação da variabilidade das cargas
5
= 0,30 ≤ 0,75 (Grande variabilidade)
(5 + 12)
m  n 
Cálculo das combinações de ações: Fd = ∑γ gi Fgi ,k + γ Q  FQ1,k + ∑ Ψ0 j FQj ,k 

i =1  j =2 
Compressão – Vento como ação principal:
Fd = 1,4(− 5 − 12 ) + 1,4(0,75(− 12,5) + 0,5(− 6)) = −41,13kN
Compressão – Talha como ação principal:
Fd = 1,4(− 5 − 12 ) + 1,4((− 6 ) + 0,4(− 12,5)) = −39,2kN

Tração – Vento como ação principal:


Fd = 0,9(− 5 − 12) + 1,4(0,75(+ 14)) = −0,6kN
Fd = 0,9(− 5 − 12) + 1,4(+ 14) = 4,3kN

Resumo: 41,13kN (compressão)


4,3kN (tração) 59
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:
Exercício 4.2: Determinar os valores de cálculo do momento fletor para a viga abaixo,
submetida às seguintes ações:
• Ação permanente: g=2kN/m (considerar de grande variabilidade)
• Ação variável: q=3kN/m

SOLUÇÃO:
Como só há uma ação variável, não há sentido em eleger ‘a principal’. Neste caso, a ação
variável será considerada normal e seu coeficiente de majoração será considerado 1.4
para efeito desfavorável e 0.9 para efeito favorável.
Cálculo do momento positivo:
As cargas dispostas nos balanços apresentam efeito favorável na determinação do momento
máximo positivo. Entretanto, ela não deve ser disposta em posições que provoquem
diminuição no efeito do momento que será calculado, assim sendo temos como
condição mais desfavorável para o cálculo do momento máximo positivo M(+):

60
4. Considerações sobre ações e segurança em projetos de estruturas de madeira:

 (2,8 + 4,2 )× 52   (1,8)× 2 2 


M (+) =  −  = 18,275kNm
 8   2 
Cálculo do momento negativo:
Para o momento máximo negativo M(-) utilizam-se a ação permanente mais a ação variável
aplicadas no balanço:

 (2,8 + 4,2 )× 2 2 
M ( −) =   = 14kNm
 2  61
5. Critérios de dimensionamento

62
5. Critérios de dimensionamento:

Dimensões mínimas:
A área mínima das seções transversais deve ser de 50cm2, e a espessura mínima
de 5cm. Nas peças secundárias esses limites reduzem-se para 18cm2 e 2,5cm.
No caso de elementos estruturais comprimidos (por exemplo pilares), o
comprimento máximo não pode ultrapassar 40 vezes a dimensão transversal
correspondente ao eixo de flambagem. Nos elementos tracionados (por exemplo
tirantes), este limite sobe para 50 vezes.
Nas peças principais múltiplas, a área mínima da seção transversal de cada
elemento componente será de 35cm2 e a espessura mínima de 2,5cm.
Nas peças secundárias múltiplas, esse limite reduzem-se respectivamente a 18cm2
e 1,8cm.

63
5. Critérios de dimensionamento:

Dimensões de peças de madeira serrada (cm):


Nomenclatura Padronização (PB-5) Comerciais
Ripas 1,2 x 5,0 1,0 x 5,0
1,5 x 5,0
1,5 x 10,0
2,0 x 5,0
Tábuas 2,5 x 11,5 1,9 x 10 1,9 x 30
2,5 x 15,0 2,5 x 10 2,5 x 30
2,5 x 23,0
Sarrafos 2,2 x 7,5 2,0 x 10
3,8 x 7,5 2,5 x 10
3,0 x 15
Caibros 5,0 x 6,0 5,0 x 5,0
5,0 x 7,0 5,0 x 6,0
7,5 x 5,0 6,0 x 6,0
7,5 x 7,5 7,0 x 7,0
Vigas 5,0 x 15,0 5,0 x 16,0
5,0 x 20,0 6,0 x 12,0
7,5 x 11,5 6,0 x 15,0
7,5 x 15,0 6,0 x 16,0
15,0 x 15,0 10,0 x 10,0
12,0x12,0
20,0 x 20,0
25,0 x 25,0
25,0 x 30,0
Pranchões 7,5 x 23,0 3,0 x 30,0
10,0 x 20,0 4,0 x 20,0 até 4,0 x 40,0
15,0 x 23,0 6,0 x 20,0 até 6,0 x 30,0
9,0 x 30,0 64
5. Critérios de dimensionamento:

Estados limites últimos:


São estados que, por sua simples ocorrência, determinam a paralisação, no todo
ou em parte, do uso da construção, como por exemplo, ruptura ou deformação
excessiva dos materiais, instabilidade etc. A condição de segurança relativa a
possíveis estados limites últimos são garantidas por condições do tipo:

Sd – Valor de cálculo da solicitação;


S d ≤ Rd
Rd – Valor de cálculo da resistência.

65
5. Critérios de dimensionamento:

Estados limites de utilização:


A verificação da segurança em relação a estados limites de utilização deve ser
feita pela condição:
Sd,uti – Valor de cálculo dos deslocamentos;
S d .uti ≤ U lim
Ulim – Valor limite fixado para o deslocamento.
Limites para os deslocamentos:

Para construções correntes


Vãos Balanços

Ulim=1/200 Ulim=1/100

Para construções com materiais frágeis ligados à estrutura


Vãos Balanços

Ulim=1/350 Ulim=1/175

OBS: Deve ser utilizado o módulo de elasticidade Ec0,ef 66


5. Critérios de dimensionamento:

Peças tracionadas axialmente:


Ocorrem na maior parte das vezes em estruturas treliçadas.
Nd
σ td = ≤ f t 0,d
Aútil
σ td = Valor de cálculo da máxima tensão atuante de tração;

Nd = Valor de cálculo do esforço de tração;

Autil = Área da seção transversal da peça, descontando-se eventuais furos e/ou


entalhes;
f t 0,d = Valor de cálculo da resistência à tração paralela às fibras.

OBS: Deve ser dada atenção especial na verificação à tração quando da


consideração da área útil (Aútil) em peças perfuradas por pinos ou entalhadas.
Neste caso, devem ser descontadas da área da seção o valor referente à área dos
furos.
67
5. Critérios de dimensionamento:

Emendas:
Nas emendas deverão ser verificados os valores máximos de tensão de
compressão, tração e cisalhamento nas superfícies onde ocorrem.
N Nd Nd
σ cd = d ≤ f c 0,d σ td = ≤ f t 0,d τd = ≤ f v ,d
Ac Aútil Av
Onde:
σ cd Valor de cálculo da máxima tensão normal atuante de compressão;
σ td Valor de cálculo da máxima tensão normal atuante de tração;
τd Valor de cálculo da máxima tensão cisalhante atuante;

Nd Valor de cálculo do esforço atuante;

Autil Área da seção transversal da peça, descontando-se eventuais furos e/ou entalhes;

Ac Área da seção transversal da peça à compressão;

Av Área da seção transversal da peça ao cisalhamento.


68
5. Critérios de dimensionamento:
Exercício 5.1: Determinar Verificar se a emenda em madeira mostrada na figura, da
espécie Canafístula, está suficientemente dimensionada para suportar a força axial de tração
já majorada de 40KN, sabendo-se que a mesma foi obtida através de madeira serrada, que o
carregamento a ser considerado é de longa duração, que ela estará submetida à classe de
umidade 1, e que verifica-se a presença de nó, em apenas uma das faces. A largura das
peças e de 10cm.

5cm

5cm
40KN 40KN
5cm

15cm 15cm

SOLUÇÃO:
Determinação dos valores médios de resistência para a espécie Canafístula:

f c 0 = 52 MPa ∴ f t 0 = 84,9 MPa ∴ f v = 11,1MPa

Cálculo dos valores característicos:

f c 0,k = 0,7 × 52 = 36,40 MPa ∴ f t 0,k = 0,7 × 84,9 = 59,43MPa ∴ f v ,k = 0,7 × 11,1∴ f v ,k = 7,77 MPa

69
5. Critérios de dimensionamento:

Determinação dos coeficientes de modificação


• Carregamento de longa duração, serrada (Kmod,1 = 0,7)
• Classe de umidade 1 (Kmod,2 = 1,0)
• Segunda categoria (Kmod,3 = 0,8)
Kmod = Kmod,1 Kmod,2 Kmod,3 = 0,7 x 1,0 x 0,8 = 0,56
Valores de cálculo
36,4
f c 0,d = 0,56 × = 14,56MPa
1,4
59,43
f t 0,d = 0,56 × = 18,49MPa
1,8
7,77
f v ,d = 0,56 × = 2,42MPa
1,8
Determinação das superfícies de compressão, tração e cisalhamento
5cm compressão
5cm tração
40KN 40KN
5cm cisalhamento

15cm 15cm

70
5. Critérios de dimensionamento:

Verificação da tensões resistentes


40 KN
Compressão : σ c = = 0,8 2 = 8MPa < 14,56 MPa (atende)
(5 ×10) cm
40 KN
Tração : σt = = 0,8 2 = 8MPa < 18,49MPa (atende)
(5 ×10) cm

40 KN  10 15 
Cisalhamento : τ v = = 0,5 2 = 5MPa > 2,42MPa ( falha)  = ∴ x = 7 , 5cm 
(7,5 ×10) cm 5 x 

71
5. Critérios de dimensionamento:

Peças solicitadas à flexão simples reta:


Ocorrem na maior parte das vezes em vigas.
I I = b×h
3
M yc
σ cd = d ≤ f c 0, d Wc = Md
Wc yc 12
Md I yt
σ td = ≤ f t 0, d Wt = h = yt + y c
Wt yt b
σ td Valor de cálculo da máxima tensão atuante de tração;
σ cd Valor de cálculo da máxima tensão atuante de compressão;
Md Valor de cálculo do momento fletor atuante;
Wt Módulo de resistência da seção transversal referente à borda tracionada;
Wc Módulo de resistência da seção transversal referente à borda comprimida;
f t 0,d Valor de cálculo da resistência à tração paralela às fibras;
f c 0,d Valor de cálculo da resistência à compressão paralela às fibras. 72
5. Critérios de dimensionamento:

Cisalhamento:
Vd × S
τd = ≤ f v 0, d
b× I
τd Valor de cálculo da máxima de cisalhamento atuante;

S Momento estático em relação ao centro de gravidade;


Vd Valor de cálculo do esforço cortante atuante;
b Largura da seção transversal;

I Momento de inércia de seção transversal;


f v 0,d Valor de cálculo da resistência ao cisalhamento paralelo às fibras.
No caso de seção transversal retangular:
3 × Vd
τd = ≤ f v 0, d
2×b× h

73
5. Critérios de dimensionamento:
Exercício 5.2: Uma viga de madeira dicotiledônea classe C40, cuja seção transversal mede
(15x30)cm, bi – apoiada em duas paredes divisórias em alvenaria e 4,0m de vão livre
sustentará uma outra parede de alvenaria em bloco cerâmico de 2,7 m de altura e 15 cm de
espessura, conforme mostra a figura. Com base nestas informações, de acordo com as
prescrições da NBR 7190/1997, pede-se:

1. Sabendo-se que se trata de madeira recomposta de primeira categoria, que o


carregamento atuante (peso da alvenaria) deve ser considerado de longa duração e
que a mesma se encontra em meio cuja umidade relativa do ar é, em média de 80%,
calcule a resistência característica à compressão paralela às fibras (fc0,d), a resistência
característica à tração paralela às fibras (ft0,d), a resistência ao cisalhamento paralelo às
fibras (fv,d) e o módulo de elasticidade desta viga, na umidade de 12%.
2. Sabendo-se que o peso específico da alvenaria (γalv) é de 13 kN/m3, e considerando o
peso próprio (densidade) da viga, verifique se a viga suporta o carregamento indicado.
74
5. Critérios de dimensionamento:

SOLUÇÃO:
Determinação dos valores característicos:
f c 0,k = 40MPa ∴ f v 0,k = 6,0MPa ∴ Ec 0,m = 19500MPa ∴ ρ ap = 950kgf / m3
Determinação dos coeficientes de modificação
• Madeira recomposta, carregamento de longa duração (Kmod,1 = 0,45)
• Classe de umidade 3 (Kmod,2 = 0,9)
• Primeira categoria (Kmod,3 = 1,0)
Kmod = Kmod,1 x Kmod,2 x Kmod,3 = 0,45 x 0,9 x 1,0 = 0,405
Determinação da carga permanente:
g = (0,15 × 2,7 ×13) + (0,15 × 0,30 × 9,5) = 5,265 + 0,4275 = 5,7 kN / m

Verificação da variabilidade das cargas


0,4275
= 0,075 ≤ 0,75 (Grande variabilidade)
5,7

75
5. Critérios de dimensionamento:

Cálculo dos valores das resistências e rigidez


fc0,k 40
f c 0,d = Kmod = 0,405× = 11,57MPa = 1,16kN / cm2
γ wc 1,4
fc0,d
1,16
f t 0,d = == 1,50kN / cm2
0,77 0,77
f 6
f v 0,d = Kmod × v0,k = 0,405× = 1,35MPa = 0,135kN / cm2
γ wv 1,8
Ec 0,ef = Kmod,1 × Ec0,m = 0,405×19500= 7897,5MPa
Cálculo dos esforços:
5,7 × 4,0 2
Momento: M g ,d = 1,4 × = 11,40kNm = 1594 kNcm
8
5,7 × 4,0
Cortante: Vg , d = 1,4 × = 15,94kN
2
Cálculo da máxima tensão atuante de compressão
M I bh3
σ cd = d wx = Ix =
Wc h 12
2

76
5. Critérios de dimensionamento:

bh 3 15 × 303 I 33750
Ix = = = 33750cm 4 wx = = = 2250cm3
12 12 h 15
2
= 0,71kN / cm 2 ≤ f c 0,d = 1,16kN / cm 2 (OK )
1594
σ cd =
2250
Cálculo da máxima tensão atuante de cisalhamento
3 × Vd 3 ×15,94
τd = = = 0,05kN / cm 2 ≤ f v 0,d = 0,135kN / cm 2 (OK )
2 × b × h 2 ×15 × 30
Verificação do estado limite de serviço:
l 400
U lim = = = 2cm
200 200
5× q × l 4 5 × 0,057 × 400 4
δmax = = = 0 ,71cm ≤ U lim = 2cm (OK)
384 × E × I 384 × 789,75 × 33750

77
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade lateral de vigas de seção retangular:


NBR 7190/97 – Evitar
Dispensa verificação de segurança nos seguintes casos:
• Os apoios de extremidade da viga impedem a rotação de suas seções
extremas em torno do eixo longitudinal da peça;
• Existe um conjunto de elementos de travamento ao longo do comprimento “L”
da viga, afastados entre si a uma distância não maior que “L1”, que também
impede a rotação dessas seções transversais em torno do eixo longitudinal da
peça. 1, 5
h
L1 Eco,ef  
×   0,5
≤ 1 4,0 b
βM = ×
b β M × f c 0, d 0,26 × π γ f  h 
 − 0,63
b 
Quando γ f = 1,4 pode-se obter o valor de β M diretamente da tabela abaixo:
h/b 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

6,0 8,8 12,3 15,9 19,5 23,1 26,7 30,3 34,0 37,6 41,2 44,8 48,5 52,1 55,8 59,4 63,0 66,7 70,3 74,0

78
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade lateral de vigas de seção retangular:.

Mão Francesa

79
5. Critérios de dimensionamento:

Compressão axial – peças curtas: λ ≤ 40


L0
λ=
i
I
L i=
A
b × h3
i= 12
L0=L L0=0,7L L0=0,5L L0=2L b×h
Nd
σ c 0, d = ≤ f c 0,d
A
σ c 0,d Valor de cálculo da máxima tensão de compressão atuante;
Nd Valor de cálculo do esforço axial de compressão;

A Área da seção transversal da peça;


f c 0,d Valor de cálculo da resistência à compressão paralela às fibras.
80
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade – peças medianamente esbeltas: 40 < λ ≤ 80


σ Nd σ Md
+ ≤1
f c 0,d f c 0,d
σ Nd Valor de cálculo da tensão de compressão devida à solicitação axial de
compressão;
σ Md Valor de cálculo da máxima tensão de compressão devida ao momento fletor
Md;
 FE  π 2 × Ec 0,ef × I
M d = N d × e1 ×   Carga crítica de Euler FE =
F
 E − N d  L 2
0

e1 = ei + ea Excentricidade de primeira ordem;


M 1d h
ei = (mínimo ) Excentricidade inicial;
Nd 30
L0 h Excentricidade acidental mínima – devida às
ea = (mínimo )
300 30 imperfeições geométricas das peças;
81
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade – peças esbeltas: 80 ≤ λ ≤ 140 Valor limite: 140 (NBR 7190/1997)

σ Nd σ Md
+ ≤1
f c 0,d f c 0,d
σ Nd Valor de cálculo da tensão de compressão devida à solicitação axial de
compressão;
σ Md Valor de cálculo da máxima tensão de compressão devida ao momento fletor
Md;

 FE 
M d = N d × e1,ef ×  
 FE − N d 
Para o cálculo da excentricidade efetiva de 1a ordem (e1,ef ) deve-se aumentar a
excentricidade de 1a ordem (e1) de um valor referente à excentricidade
complementar de 1a ordem (ec), que representa a fluência da madeira)

82
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade – peças esbeltas: 80 ≤ λ ≤ 140 Valor limite: 140 (NBR 7190/1997)

e1,ef = e1 + ec = ei + ea + ec Excentricidade efetiva de primeira ordem;


M h
ei = 1d (mínimo ) Excentricidade inicial;
Nd 30
L0 h Excentricidade acidental mínima – devida às
ea = (mínimo )
300 30 imperfeições geométricas das peças;
 Φ ×[N gk + ( Ψ1 + Ψ2 )× N qk ] 
 
ec = (eig + ea )× exp  E gk 1 2 qk  − 1
  F − [N + ( Ψ + Ψ )× N ] 
 

 
Sendo:
(Ψ1 + Ψ2 ) ≤ 1
M 1g ,d
eig =
Nd
Φ = Coeficiente de fluência.
83
5. Critérios de dimensionamento:

Instabilidade – peças esbeltas 80 ≤ λ ≤ 140


M 1g ,d = M 1d − M 1q ,d Valor de cálculo do momento fletor devido apenas à carga
permanente;
N gk , N qk Valores característicos da força normal devidos às cargas
permanentes e variáveis, respectivamente;
Ψ1 , Ψ2 Fatores de utilização dados no capítulo anterior.

Coeficiente de fluência Φ
Classes de umidade
Classes de Carregamento
(1) e (2) (3) e (4)
Longa duração 0,8 2,0

Média duração 0,3 1,0

Curta duração 0,1 0,5

84
5. Critérios de dimensionamento:

Exercício 5.3: Verificar se uma coluna de Ipê (15x15) com 2,0m de comprimento, é capaz
de suportar uma carga de 184kN de compressão. Dados: Madeira serrada, classe de
umidade 2, classe de carregamento permanente, 2ª categoria;
SOLUÇÃO:
Determinação dos valores médios (ipê):
f c 0,k = 76MPa Ec 0, m = 18011MPa
Determinação dos coeficientes de modificação
• Madeira serrada, carregamento permanente (Kmod,1 = 0,6)
• Classe de umidade 2 (Kmod,2 = 1,0)
• Segunda categoria (Kmod,3 = 0,8)
Kmod = Kmod,1 x Kmod,2 x Kmod,3 = 0,6 x 1,0 x 0,8 = 0,48
Valores cálculo
76
f c 0 d = 0,7 × 0,48 ×
= 18,24 MPa Ec 0,ef = 0,48 × 18011 = 8645,28MPa
1,4
Propriedades geométricas
154
A = (15) = 225 cm
4218,75
I= = 4218,75 cm4 i = = 4,33 cm
2 2

12 225

85
5. Critérios de dimensionamento:

Verificação da esbeltez

= 46 ,2 (medianamen te esbelta )
L0 200
λ= =
i 4 ,33
Excentricidades
h 15 L 200
ei = = = 0,5cm ea = 0 = = 0,67cm
30 30 300 300
e1 = ei + ea = 0,5 + 0,67 = 1,17cm
π 2 × Ec0,ef × I π 2 × 8645,28× (10)3 × 4218,75× (10)−8
Carga crítica de Euler FE = 2
= = 900kN
L0 2,02
Cálculo do momento e módulo de resistência

 FE 
 = 184 × 1,17 × 
900 
M d = N d × e1 ×   = 270,6kNcm
F
 E − N d   900 − 184 
a 3 153
W= = = 562,5cm 3
6 6
Verificação das tensões combinadas
Nd Md 184 270,6
σ Nd σ Md
= 0,71 < 1,0(atende )
562,5
+ = A + W = 225 +
f c 0 ,d f c 0,d f c 0 ,d f c 0, d 1,824 1,824
86
5. Critérios de dimensionamento:

Exercício 5.4: No cimbramento do oleoduto abaixo dimensionar a viga 2-3 e o pilar 1-2.
Desprezar o peso próprio das vigas e considerar o peso do líquido como ação variável.
• Será utilizada madeira Classe C60 (dicotiledônea) de segunda categoria, classe de
umidade 1, com carregamento de longa duração e ação permanente de grande
variabilidade;
• Peso do tubo = 1 kN/m;
• Peso específico do líquido = 20 kN/m3;
• Considerar viga com largura de 12cm;
• Considerar o pilar como sendo de seção quadrada.

87
5. Critérios de dimensionamento:

SOLUÇÃO:
Determinação dos coeficientes de modificação
• Carregamento longa duração (Kmod,1 = 0,7)
• Classe de umidade 1 (Kmod,2 = 1,0)
• Segunda categoria (Kmod,3 = 0,8)
Kmod = Kmod,1 x Kmod,2 x Kmod,3 = 0,7 x 1,0 x 0,8 = 0,56
Determinação dos valores de cálculo
f c 0,k 60
f c 0,d = k mod × = 0,56 × = 24MPa = 2,4kN / cm 2
γ wc 1,4
Cálculo das ações para a VIGA 2-3
kN
Permanentes: Peso do tubo = 1 × 2,5m = 2,5kN
m
Ações Variáveis: Peso do líquido = π ×1.0 2 2 kN
m × 20 × 3 × 2,5m = 39,27kN
Combinações das ações:
4 m
m  n 
Fd = ∑ γ gi ×Fgi ,k + γ Q×  FQ1,k + ∑ Ψ0 j × FQj ,k  Fd = (1,4 × 2,5) + (1,4 × (39,27) ) = 58,48kN

i =1  j =2 
Pl 58,48 × 350
Cálculo dos esforços: Md = = = 5117kNcm
4 4
88
5. Critérios de dimensionamento:

Conforme observado no exemplo anterior, a verificação à compressão paralela às fibras na


flexão de uma viga de madeira é dominante em relação à verificação a tração e ao
cisalhamento paralelos às fibras. Desta forma, consideraremos aqui apenas a compressão
paralela às fibras:
Verificação quanto aos estados limites últimos: (tensões)
b × h3
Md I b × h 3
h b × h2
σ cd = ≤ f c 0,d Wc = I= yc = Wc = 12 =
Wc yc 12 2 h 6
6× Md 2
σ cd =
Md
= ≤ f c 0 ,d h ≥ 6 × M d
b × h2 b × h2 b × f c 0 ,d
6
Cálculo da altura adotando-se para a base o valor de b=12cm

6 × 5117
h≥ ≥ 33cm Adotado h = 35cm
12 × 2,4
Verificação quanto a estabilidade lateral da viga: (não travada lateralmente)
1, 5 1, 5
h  35 
   
βM =
1
×
4,0
× b =
1
×
4,0
×  12  = 11,5
0,26 × π γ f  h 
0,5
0,26 × π 1,4  35 
0,5

 − 0,63   − 0,63 
b   12  89
5. Critérios de dimensionamento:

E = Ec 0 ,ef = k mod × Ec 0 ,m = 0 ,56 × 24500 = 13720MPa = 1372kN/cm 2

Eco,ef
= 50 (ok ) Não necessita de travamento lateral
L1 350 1372
≤ ∴ = 29 ≤
b β M × f c 0,d 12 11,5 × 2,4
Verificação quanto aos estados limites de utilização: (deslocamentos)
m  n 
Fd ,uti = ∑ FGi , k +  ∑ Ψ2 j × FQj ,k  Fd = 2,5 + (0,2 × 39,27 ) = 10,35kN
i =1  j =2 
l 350
U lim = = = 1,75cm
200 200
P ×l3 10,35 × 3503
δ max = = = 0,16cm ≤ U lim = 1,75cm(ok )
48 × E × I 12 × 35 3
48 × 1372 ×
12
Seção adotada para a VIGA 2-3 = 12 x 35cm

90
5. Critérios de dimensionamento:

Cálculo das ações para o PILAR 1-2


kN
1 × 2,5m
Permanentes: Peso do tubo (Ngk) = m = 1,25kN
2
π1.0 2 2 kN
m × 20 3 × 2,5m
Ações Variáveis: Peso do líquido (Nqk) = 4 m = 19,64kN
2
Combinações das ações:
m  n 
Fd = ∑ γ gi × Fgi ,k + γ Q ×  FQ1,k + ∑ Ψ0 j× FQj ,k  Fd = (1,4 ×1,25) + (1,4 ×19,64) = 29,25kN
i =1  j =2 

Cálculo da seção mínima do pilar (esbeltez ≤ 140):

Considerando que a parte superior do pilar está contraventada nas duas direções, adota-se
para comprimento de flambagem: L0 = L = 450cm.
a4
2
L0 I 12 ∴ i = a ∴ i = a
Para: λ ≤ 140 ∴ ≤ 140 ∴ i = ∴ i=
i A a2 12 12

91
5. Critérios de dimensionamento:
 
L0 12 × L0  
≤ 140 ∴ a ≥ ∴ a ≥ 11,13cm (adotad o 12 cm)  λ = L0 = 450 ≈ 130 (esbelta) 
a 140  i 12 
 
12  12 

Carga critica de Euler:


12 4
× I π ×1372 × 12
2
π 2 × Ec 0,ef
FE = = = 115,6kN
L20 450 2
Cálculo das excentricidades:
L0 450  h 12 
ea = = = 1,50cm  mínima = = = 0 ,40cm 
300 300  30 30 
M 1d 0  h 12 
ei = = = 0  mínima = = = 0,40cm 
Nd 29,25  30 30 
M 1g ,d 0
eig = = =0
Nd 29,25
(Ψ 1 + Ψ 2 ) = (0,3 + 0,2) = 0,5 (Ψ 1 + Ψ 2 ) ≤ 1 ( 0 K)
92
5. Critérios de dimensionamento:

  Φ [N gk + (Ψ1 + Ψ2 )× N qk ]  


( )   FE −[N gk + (Ψ1 + Ψ2 )× N qk ] 
ec = eig + ea × exp − 1
 
  0,8[1, 25+ (0,3+ 0, 2 )×19, 64 ]  
ec = (0 + 1,50 )× exp 115, 6−[1, 25+ (0,3+ 0, 2 )×19, 64 ]  − 1
 
 104 8,86

ec = (1,5)× exp , 53
− 1 ∴ ec = 0,13cm
 
e1,ef = ei + ea + ec = 0,40 + 1,50 + 0,13 ∴ e1,ef = 2,03cm
Cálculo do momento e módulo de resistência
 FE   115,6 
M d = N d × e1,ef   = 29 ,25 × 2 ,03  = 79,49kNcm
F
 E − N d   115 ,6 − 29 ,25 
a4
3 3
I a 12
w = ∴ w = 12 ∴ w = ∴ w = ∴ w = 288cm3
a a 6 6
2 2 93
5. Critérios de dimensionamento:

Verificação das tensões combinadas

29,25 79,49
σ Nd σ Md
+ ≤ 1∴ 144 + 288 = 0,08 + 0,12 = 0,20 ≤ 1(ok )
f c 0,d f c 0,d 2,4 2,4

Seção adotada para o PILAR 1-2 = 12 x 12cm

94
5. Critérios de dimensionamento:

Compressão perpendicular às fibras:

Deve ser feita quando são aplicadas forças


concentradas na direção normal às fibras
distribuídas em uma pequena região da peça.
Ocorre geralmente na região de apoio de
vigas ou de treliças.

Fd
σ c 90,d = ≤ f c 90,d É o valor de cálculo da tensão atuante de compressão normal
An às fibras
É o valor de cálculo da força aplicada na direção normal às
Fd
fibras
An = b × l É área de aplicação da força Fd
É o valor de cálculo da resistência na direção normal às
f c 90,d = 0,25 × f c 0,d × α n fibras, dada em função da resistência de cálculo na
compressão paralela às fibras
Para a => 7,5cm e l < 15cm Se a<7,5cm ou l => 15cm
l (cm) 1 2 3 4 5 7,5 10 15 αn 1
αn 2,0 1,70 1,55 1,40 1,30 1,15 1,10 1,00
95
5. Critérios de dimensionamento:

Resistências a tensões normais inclinadas em relação às fibras:

f 0 × f 90
fα = (Fórmula de Hankinson)
f c 0 × sen 2α + f c 90 × cos 2 α

96
6. Ligações em estruturas de madeira

97
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Principais tipos de ligações:


• Entalhes ou encaixes: A transmissão de esforços se dá por contato direto
entre as peças de madeira – Normalmente utilizada na união de barra
solicitada à compressão;
• Pinos metálicos: Conhecidos como pregos ou parafusos, onde a transmissão
de esforços se dá por solicitação do elemento de fixação – Normalmente
utilizada na união de barra solicitada à tração
• Cavilhas: Pinos de madeiras torneados;
• Conectores: Podem ser constituídos por anéis metálicos chapas metálicas
com dentes estampados.
O dimensionamento dos elementos de ligação deve obedecer a condições de
segurança do tipo:

Sd – Valor de cálculo das solicitações atuantes;


S d ≤ Rd
Rd – Valor de cálculo da resistência dos elementos de ligação.
98
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Ligação por entalhes ou encaixes (ligação com dente simples):

f c 0,d × f c 90,d
f cα ,d =
f c 0,d × sen 2α + f c 90,d × cos 2 α
Nd Nd N × cos α
σ cα ,d = = ≤ f cα ,d ⇒ e ≥ d
Ac b×e b × f cα ,d
cos α
N d × cos α
f ≥
b × f v 0, d

• A altura do entalhe (e) deve ser suficiente para impedir o esmagamento do


banzo inferior na área de contato (Ac), por compressão em direção inclinada
de um ângulo α em relação às fibras. Recomenda-se que a altura do entalhe
não seja maior que ¼ da altura da seção da peça entalhada (h). Caso seja
necessário uma altura de entalhe maior, devem ser utilizados mais dentes.

• O comprimento da folga (f) deve ser suficiente para impedir o cisalhamento


do topo do banzo inferior, em um plano horizontal, paralelo às fibras.
99
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Exercício 6.1: Projetar a emenda em entalhe entre duas peças de 20 x 20cm, sabendo que
se trata de dicotiledônea C40 de 2a categoria, submetida ao carregamento de longa duração
de 40kN indicado, à 70% de umidade. Considerar o ângulo de inclinação igual a 35 graus.

Determinação dos valores de cálculo:


f c 0 ,k = 40MPa ∴ f v 0,k = 6 MPa ∴ K mod = 0 ,7 ×1,0 × 0 ,8 = 0,56
f c 0,k 40
f c 0,d = K mod × = 0,56 × = 16 MPa
γ wc 1,4
f c 90,d = 0,25 × f c 0,d ×α n ∴α n = 1,0 ∴ f c 90,d = 0,25 ×16 ×1,0 = 4MPa
f v 0, k 6
f v 0,d = K mod × = 0,56 × = 1,9 MPa
γ wv 1,8 100
6. Ligações em estruturas de madeiras:

f c 0 ,d × f c 90 ,d
f cα ,d =
f c 0 ,d × sen 2 α + f c 90 ,d × cos 2 α
16 × 4
f c 35 ,d = = 8MPa
16 × sen 35 + 4 × cos 35
2 2

Cálculo do embutimento:
N d × cos α 1,4 × 40 × cos 35
e≥ ∴e ≥ ∴ e ≥ 2 ,9cm(adotado − 3cm )
b × f cα ,d 20 × 0 ,8

Cálculo da folga:
N d × cos θ 1,4 × 40 × cos 35
f ≥ ∴f ≥ ∴ f ≥ 12,1cm(adotado − 20cm )
b × f v 0 ,d 20 × 0 ,19

101
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Ligação por pinos metálicos (ligação com dente simples):


Esse tipo de ligação se caracteriza pela utilização de elementos de ligações que
transmitem as forças de uma peça para outra, em uma pequena área, o que leva
a uma convergência de tensões para este local, conforme mostra a figura abaixo:

102
6. Ligações em estruturas de madeiras:

As seguintes propriedades são consideradas no cálculo da resistência de um pino,


para uma seção de corte:
1. Madeira
• Resistência ao embutimento (fea,d) das peças interligadas;
• Espessura convencional (t);
2. Pino
• Resistência de escoamento do pino (fyd);
• Diâmetro do pino.
Deve-se verificar a mais desfavorável das duas situações:
• Embutimento da madeira;
• Flexão do pino.
A ocorrência de uma ou outra situação é definida pelo parâmetro β lim que leva em
conta as resistências da madeira e do aço do pino.

103
6. Ligações em estruturas de madeiras:

f yd f yk f e 0 ,d × f e 90 ,d
βlim = 1,25 × ∴ f yd = ∴ γs = 1,1 ∴ f eα,d =
f eα,d γs f e 0 ,d × sen 2 α + f e 90 ,d × cos 2 α
f e 0,d = f c 0,d ∴ f e 90,d = 0,25 × f c 0,d α e
Os valores do coeficiente α e são dados na tabela abaixo, em função do diâmetro
do pino:
d(cm) <0,62 0,95 1,25 1,6 1,9 2,2 2,5 3,1 3,8 4,4 5,0 >7,5
αe 2,5 1,95 1,68 1,52 1,41 1,33 1,27 1,19 1,14 1,1 1,07 1,0

t
Calcula-se o valor de β pela equação: β = sendo: t = espessura da madeira
e d = diâmetro do pino. d
t2
Se β ≤ β lim ⇒ RVd ,1 = 0,40 f eα ,d , para embutimento da madeira
β
d2
Se β > β lim ⇒ RVd ,1 = 0,625 f y , para flexão do pino.
β lim
RVd,1 – Resistência ao corte de um pino. Nos pinos em corte duplo considera-se
duas seções de corte. Dividindo-se o esforço de cálculo a ser transmitido pela
ligação pela resistência de cada pino, obtém-se a quantidade de pinos necessária.
104
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Dividindo-se o esforço de cálculo a ser transmitido pela ligação pela resistência de


cada pino, obtém-se a quantidade de pinos necessária.
OBS:
• Nunca serão utilizadas ligações com um único pino;
• Os pregos estruturais devem ser feitos de aço com resistência característica de
escoamento (fyk) de, pelo menos, 600MPa e devem ter diâmetro mínimo de 3mm;
• Recomenda-se que os parafusos estruturais tenham diâmetros não menores que 10mm
e resistência característica de escoamento (fyk) de, pelo menos, 240MPa;
• Não se consideram parafusos auto-atarrachantes como estruturais;
• Em obras estruturais normais deve sempre ser feita a pré-furação para evitar
fendilhamento;
Pré furação
• Pregos: d0 = 0,98xdef (dicotiledôneas) e 0,85xdef (coníferas)
• Parafusos: d0 = def + 0,5mm (máximo para ligações rígidas)

105
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Pinos em corte simples:

106
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Pinos em corte duplo:

107
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Espaçamentos mínimos em ligações por pregos ou parafusos:

108
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Exercício 6.2: Determinar o número de parafusos (diâmetro de 10mm) necessários para


efetuar a emenda do banzo inferior de uma treliça, solicitado por um esforço normal de
tração com valor de cálculo igual a 30 kN. Considerar madeira classe C-60 e Kmod=0,56.
Serão utilizadas duas chapas cobrejuntas laterais de aço com espessura de 6mm.

Cálculo das tensões máximas


f c 0,k 60 f yk 240
f e 0,d = f c 0,d = K mod × = 0,56 × = 24MPa ∴ f yd = = = 218MPa
γc 1,4 γs 1,1
Verificação se há embutimento da madeira ou flexão do pino
t 60 t 30 f yd 218
t= 2 = = 30mm ∴ β = = = 3∴ β lim = 1,25 × = 1,25 × = 3,77
2 2 d 10 f eα,d 24
β ≤ β lim = (embutimento) 109
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Cálculo da resistência ao corte de um pino

t2 30 2
RVd ,1 = 0,40 × × f e 0,d = 0,40 × × 24 = 2880 N = 2,88kN
β 3
30
Para dois planos de corte: (2 × 2,88 = 5,76kN ) n= = 5,2 = 6 parafusos
5,76
Espaçamento entre pinos para peças tracionadas

110
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Exercício 6.3: Dimensionar a ligação de uma viga com seção transversal 8x25cm que está
apoiada em um pilar composto por duas peças com seção transversal 6x16cm afastadas em
8cm. A reação vertical do apoio da viga tem um valor de cálculo igual a 12kN e deverá ser
transferida ao pilar por meio de parafusos. A madeira utilizada é classe C-40 e o é
Kmod=0,56. Usar Parafusos ASTM A307 (fyk=240MPa) de 16mm de diâmetro.

SOLUÇÃO:
Como o pilar tem largura total (2x6cm=12cm) maior que a viga (8cm), a situação mais
crítica está relacionada com a viga, que é solicitada perpendicularmente em relação às suas
fibras. Assim sendo, apenas a viga será verificada. 111
6. Ligações em estruturas de madeiras:

Cálculo das tensões máximas

f yk 240
f yd = = = 218MPa
γs 1,1
f c 0 ,k 40
f e90 ,d = 0 ,25 × f c 0 ,d × αe = 0,25 × K mod × × αe = 0 ,25 × 0 ,56 × ×1,52 = 6 ,08MPa
γc 1,4
Verificação se há embutimento da madeira ou flexão do pino

t 80 t 40 f yd 218
t= 2 = = 40mm ∴ β = = = 2,50 ∴ β lim = 1,25 × = 1,25 × = 7,5
2 2 d 16 f eα,d 6,08
β ≤ β lim = (embutimento)
Cálculo da resistência ao corte de um pino

t2 40 2
RVd ,1 = 0,40 × × f e 0,d = 0,40 × × 6,08 = 1556 N = 1,56kN
β 2,5
12
Para dois planos de corte: (2 × 1,56 = 3,12kN ) n= = 3,8 = 4 parafusos
3,12

112
6. Ligações em estruturas de madeiras:

113
FIM

114