Você está na página 1de 312

Mecanização

Agrícola
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR
FICHA TÉCNICA
2 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

TÍTULO
MANUAL DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

AUTORES
Eng.º Téc.º Agrário Carvalho, Rui Fernando de
Ag.te Téc.º Agrícola Saruga, Filipe José Buinho

COORDENAÇÃO
Eng.º Alves, Carlos

AVALIADOR EXTERNO
Professor Doutor Albuquerque, José Carlos Dargent

TRATAMENTO DE TEXTO
Dr. Ribeiro, Diamantino

EDITOR
Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural
Avenida Afonso Costa, 3 · 1949-002 Lisboa
Tel.: 218 442 200 · Fax: 218 442 202

DESIGN E PRODUÇÃO
Ideias Virtuais
E-mail: ideiasvirtuais@ideiasvirtuais.pt

FOTO DA CAPA
Jorge Barros

ISBN
978-972-8649-70-8 Publicação co-financiada pelo Fundo Social Europeu
DEPÓSITO LEGAL Este volume é parte integrante do “Manual de Mecanização Agrícola”
275457/08 editado em três partes:

DATA 1º VOLUME · MOTORES E TRACTORES


Dezembro de 2007 2º VOLUME · MÁQUINAS AGRÍCOLAS
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR
ÍNDICE
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 3

INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

OS RISCOS DA FORMAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

PRINCÍPIOS GERAIS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

GUIA DE UTILIZAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

NOTAS TÉCNICAS

Nº 1 - HIGIENE E SEGURANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

Nº 2 - MOTORES – SUAS DEFINIÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Nº 3 - DADOS NOMINAIS DOS MOTORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Nº 4 - O MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA A 4 TEMPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Nº 5 - CICLO DE FUNCIONAMENTO DE UM MOTOR DIESEL A 4 TEMPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Nº 6 - SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Nº 7 - ALIMENTAÇÃO DE AR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Nº 8 - SISTEMA DE ESCAPE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Nº 9 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO - COMBUSTÍVEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Nº 9.1 - Armazenamento do combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41


ÍNDICE (continuação)

4 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Nº 9.2 - Depósito de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Nº 9.3 - Copo de decantação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

Nº 9.4 - Bomba de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Nº 9.5 - Filtro de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Nº 9.6 - Tubos condutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Nº 9.7 - Bomba de injecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Nº 9.8 - Injectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

Nº 9.9 - Câmara de combustão e sistemas de injecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Nº 9.10 - Arranque a frio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

Nº 9.11 - Purga de ar do sistema de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Nº 10 - SISTEMAS DE ARREFECIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

Nº 10.1 - Arrefecimento por líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Nº 10.1.1 - Radiador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Nº 10.1.2 - Tampão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Nº 10.1.3 - Ventoínha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Nº 10.1.4 - Bomba de água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Nº 10.1.5 - Termóstato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Nº 10.1.6 - Tubos de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Nº 10.1.7 - Camisas de água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Nº 10.1.8 - Líquido de arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
ÍNDICE (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 5

Nº 10.2 - Arrefecimento por ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Nº 11 - LUBRIFICAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

Nº 11.1 - Lubrificação por chapinhagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Nº 11.2 - Lubrificação mista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

Nº 11.3 - Lubrificação sob pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Nº 11.3.1 - Bomba de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73


Nº 11.3.2 - Filtro de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Nº 11.3.3 - Válvula de descarga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Nº 11.3.4 - Radiador de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Nº 11.3.5 - Indicador de Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

Nº 12 - MUDANÇA DE ÓLEO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Nº 13 - MOTOR DE 2 TEMPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Nº 14 - MOTOR DE 4 TEMPOS LUBRIFICADO POR MISTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Nº 15 - LUBRIFICANTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

Nº 16 - TRANSMISSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

Nº 16.1 - Embraiagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

Nº 16.2 - Caixa de velocidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

Nº 16.3 - Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
ÍNDICE (continuação)

6 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Nº 16.4 - Redutor final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

Nº 17 - TOMADA DE FORÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

Nº 18 - VEIOS TELESCÓPICOS DE CARDANS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

Nº 19 - DIRECÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

Nº 19.1 - Eixo dianteiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

Nº 20 - RODAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

Nº 20.1 - Pneu – Tipos e constituição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Nº 20.1.1 - Referências dos pneus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101


Nº 20.1.2 - Superfícies de rolamento e perfis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Nº 20.1.3 - Índices de velocidade e de carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Nº 20.1.4 - Desgastes e danificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

Nº 20.2 - Lastragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Nº 21 - TRAVÕES – COMANDO DE ACCIONAMENTO E ÓRGÃOS DE TRAVAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

Nº 21.1 - Órgãos auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

Nº 22 - SISTEMAS HIDRÁULICOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

Nº 22.1 - Ligação tractor – Alfaia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

Nº 22.2 - Engate de 3 pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

Nº 23 - SISTEMA ELÉCTRICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115


ÍNDICE (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 7

Nº 23.1 - Sistema de iluminação e sinalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Nº 23.2 - Motor de arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

Nº 23.3 - Disjuntor e regulador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

Nº 23.4 - Dínamo e alternador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Nº 23.5 - Bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

Nº 24 - PAINEL DE INSTRUMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

Nº 25 - ESTRUTURAS DE SEGURANÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

Nº 26 - REBOQUES AGRÍCOLAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

Nº 27 - CHARRUAS – GENERALIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

Nº 27.1 - Charruas de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128

Nº 27.1.1 - Peças das charruas de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129


Nº 27.1.2 - Classificação das charruas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Nº 27.1.3 - Charruas com largura de corte variável e dispositivos de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Nº 27.1.4 - Forças exercidas sobre a charrua de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Nº 27.1.5 - Dimensões das charruas de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Nº 27.1.6 - Regulações das charruas de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Nº 27.1.7 - Charruas rebocadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

Nº 27.2 - Charruas de discos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

Nº 27.2.1 - Regulações das charruas de discos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139


Nº 27.2.2 - Vantagens e inconvenientes das charruas de discos sobre as de aivecas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
ÍNDICE (continuação)

8 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Nº 27.3 - Charruas especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

Nº 27.4 - Velocidades e manutenção das charruas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

Nº 28 - GRADES – GENERALIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

Nº 28.1 - Grades de arrasto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

Nº 28.2 - Grades rolantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

Nº 28.3 - Regulações das grades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

Nº 28.4 - Segurança e manutenção das grades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

Nº 29 - ESCARIFICADORES – GENERALIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

Nº 29.1 - Peças activas dos escarificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

Nº 29.2 - Tipos de escarificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

Nº 29.3 - Regulações dos escarificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

Nº 29.4 - Velocidades e manutenção dos escarificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

Nº 30 - SUBSOLADORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

Nº 31 - ROLOS – GENERALIDADES E TIPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

Nº 31.1 - Regulações e manutenção dos rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

Nº 32 - ENXADA MECÂNICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157


ÍNDICE (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 9

Nº 33 - FRESAS – GENERALIDADES, VANTAGENS E INCONVENIENTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

Nº 33.1 - Tipos de fresas e sua constituição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

Nº 33.2 - Regulações das fresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

Nº 33.3 - Manutenção das fresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

Nº 34 - EQUIPAMENTOS DE FERTILIZAÇÃO – GENERALIDADES SOBRE OS FERTILIZANTES E TIPOS DE EQUIPAMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

Nº 34.1 - Distribuidores de fertilizantes sólidos – Tremonhas e agitadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

Nº 34.1.1 - Distribuição por gravidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166


Nº 34.1.2 - Distribuição centrífuga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
Nº 34.1.3 - Distribuição pneumática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
Nº 34.1.4 - Localizadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

Nº 34.2 - Distribuidores de fertilizantes líquidos – Formas de aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174

Nº 34.2.1 - Tipos de distribuidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175

Nº 34.3 - Distribuidores de estrume – Tipos, constituição e funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

Nº 34.3.1 - Regulações e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

Nº 34.4 - Espalhadores de estrume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

Nº 35 - SEMEADORES – GENERALIDADES, TIPOS, CONSTITUIÇÃO E MANUTENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

Nº 35.1 - Semeadores em linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

Nº 35.2 - Semeadores monogrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185


ÍNDICE (continuação)

10 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Nº 35.3 - Órgãos dos semeadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

Nº 35.4 - Sementeira directa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188

Nº 36 - PLANTADORES DE BATATAS – GENERALIDADES, TIPOS, CONSTITUIÇÃO E MANUTENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

Nº 36.1 - Tipos de plantadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190

Nº 37 - TRANSPLANTADORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

Nº 38 - BROCADORAS – PERFURADORAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

Nº 39 - PULVERIZADORES – INTRODUÇÃO – UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

Nº 39.1 - Tipos de pulverizadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

Nº 39.2 - Depósitos e agitadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198

Nº 39.3 - Bombas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

Nº 39.4 - Regulador de pressão, distribuidor e sistemas de regulação do débito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202

Nº 39.5 - Manómetros de pressão e torneiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

Nº 39.6 - Filtros e sistemas de enchimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

Nº 39.7 - Tubos, lanças, pistolas e rampas de pulverização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207

Nº 39.8 - Bicos de pulverização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

Nº 39.8.1 - Distribuição dos bicos e sua calibragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210


ÍNDICE (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 11

Nº 39.9 - Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212

Nº 40 - POLVILHADORES – TIPOS E FUNCIONAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

Nº 41 - DESCOROADORES E DESRAMADORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

Nº 42 - ARRANCADORES DE BATATAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216

Nº 43 - ARRANCADORES DE BETERRABAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217

Nº 44 - CAIXAS DE CARGA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218

Nº 45 - CARRAGADORES HIDRÁULICOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219

Nº 46 - GADANHEIRAS – GENERALIDADES E TIPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

Nº 46.1 - Gadanheiras alternativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222

Nº 46.1.1 - Regulações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223


Nº 46.1.2 - Manutenção e segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224

Nº 46.2 - Gadanheiras Rotativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225

Nº 47 - MOTOGADANHEIRAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226

Nº 48 - MÁQUINAS DE FENAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228

Nº 48.1 - Viradores de feno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229

Nº 48.2 - Condicionadores de forragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

Nº 48.3 - Gadanheiras – Condicionadoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233


ÍNDICE (continuação)

12 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Nº 49 - COLHEDORES DE FORRAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235

Nº 50 - CEIFEIRAS–DEBULHADORAS – GENERALIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237

Nº 50.1 - Sistema de corte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238

Nº 50.2 - Sistema de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240

Nº 50.3 - Sistema de debulha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242

Nº 50.4 - Sistema de separação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244

Nº 50.5 - Sistema de limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246

Nº 50.6 - Sistema de recolha e armazenamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248

Nº 50.7 - Equipamentos complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249

Nº 50.8 - Funcionamento e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251

Nº 51 - ENFARDADEIRAS – GENERALIDADES E TIPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253

Nº 51.1 - Enfardadeiras de baixa pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254

Nº 51.2 - Enfardadeiras de média e alta pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256

Nº 51.3 - Enfardadeiras de grandes fardos paralelepipédicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258

Nº 51.4 - Enfardadeiras de grandes fardos redondos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259

Nº 51.5 - Manutenção das enfardadeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260


ÍNDICE (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 13

Nº 52 - MÁQUINAS DE VINDIMAR – GENERALIDADES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261

Nº 52.1 - Unidade motriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262

Nº 52.1.1 - Polivalência da unidade motriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

Nº 52.2 - Unidade de vindima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264

Nº 52.3 - Manutenção e armazenagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265

Nº 53 - MÁQUINAS PARA A COLHEITA DA AZEITONA – GENERALIDADES E TIPOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266

Nº 53.1 - De dorso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

Nº 53.2 - Montadas no tractor e rebocadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

Nº 53.3 - Automotrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269

Nº 53.4 - Equipamentos complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270

Nº 53.5 - Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271

CÓDIGO DA ESTRADA E CONDUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

CARACTERÍSTICAS DOS ADULTOS A TER EM CONTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXEMPLIFICATIVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311

ANEXOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
INTRODUÇÃO
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 15

O Manual do Formador é constituído por “fichas” No que respeita à METODOLOGIA a utilizar deverá
adaptadas às Notas Técnicas dos volumes anteriores basear-se na exposição oral com ajudas visuais e
e de acordo com o desenvolvimento curricular dos na demonstração prática, porque o MÉTODO
cursos da área da mecanização agrária, regulamentada DEMONSTRATIVO baseia-se num ensino concreto,
no âmbito do MADRP. progressivo, repetitivo, dirigido, individualizado,
cooperativo, variado, activo, estimulante e auto-
Como sabemos, por experiência própria, avaliar as formativo.
dificuldades de um formador executámos este trabalho
para lhes facilitar uma parte da tarefa de preparação A título de exemplo apresentam-se, no final, exercícios
do plano de sessão para a acção formativa, para que de avaliação que poderão dar ao formador ideias
a sua árdua e nobre missão de transmissão de para a execução dos mesmos.
conhecimentos se possa processar com “menos”
trabalho prévio. Para todos,
BOM TRABALHO
As “fichas” foram planeadas de forma a que os
utilizadores não tenham problemas em relação ao
nível de partida e/ou chegada dos formandos; como
tal, o tempo previsto pode ser alterado de acordo com Rui Fernando de Carvalho
os distintos conteúdos programáticos, bem como Engº. Técnico Agrário
com o nível dos formandos.
Filipe José Buinho Saruga
Dada a especificidade do tema Código da Estrada e Agente Técnico Agrícola
Condução com Reboque apresentamos o assunto
Dezembro de 2006
imediatamente a seguir à última “ficha”.
10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 17

SENHOR FORMADOR!
NÃO SE ESQUEÇA NUNCA DOS 10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR:

1 2 3

O formador é que sabe, senão não lhe tinham dado


Numa discussão em grupo, a última palavra Mais vale ficar sem perceber um assunto do que
esse papel e aos formandos apenas cabe ouvir
cabe ao formador. fazer perguntas, que são sinal de ignorância.
respeitosamente e em silêncio.
10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR (continuação)

18 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

4 5 Sim... Está certo. 6


É isso mesmo. Sim.
Com certeza. Pois cla
ro.
Sem dúvida.

Para fazer prevalecer um ponto de vista pode-se


Ao intervir numa discussão, deve ter-se o maior
Os erros eventuais dos colegas de estágio deverão recorrer a todos os meios como ameaças veladas,
cuidado em não ferir ninguém com o que se diz
sempre ser bem vincados, através de: sorrisos uso da situação hierárquica, violência, etc.
mesmo que, para o efeito, se diga o contrário do
de troça, gargalhadas e piadas diversas. É muito mais rápido do que o diálogo com
que se pensa.
argumentação recíproca.
10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 19

7 8 9
lo
o respeito pe
formador

Um formando só se deve preocupar com aprender


A única coisa que interessa durante uma acção
o melhor possível o que lhe ensinam, deixando de O formador deve descarregar nos formandos
de formação é a pontualidade, a disciplina e o
lado quaisquer veleidades de poder contribuir com as suas preocupações, domésticas, etc.
respeito pelo formador.
ideias novas para a resolução de problemas.
10 PRINCÍPIOS DE ACÇÃO PEDAGÓGICA A EVITAR (continuação)

20 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

É um GLOBO!...
10 Além disso é preto,
muito negro e
escuro.

Uma pessoa que se preze não muda nunca de opinião,


mesmo que durante uma discussão se tenha
apercebido de que não tinha razão.
OS RISCOS DA FORMAÇÃO
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 21

ATENÇÃO!...
A FORMAÇÃO TEM OS SEUS RISCOS…

1 2

3
PRINCÍPIOS GERAIS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 23

TENHA SEMPRE PRESENTE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL:

1. ACOLHER – PÔR À VONTADE 5. IR DO CONCRETO PARA O ABSTRATO 8. ENSINAR A TEORIA NA ALTURA DOS
- Conhecer individualmente cada formando. - Generalizando apenas a partir de casos concretos TRABALHOS PRÁTICOS
e conhecidos; - Não desenvolvendo a tecnologia de uma
ferramenta, por exemplo, senão no momento da
2. CRIAR E MANTER O DESEJO DE APRENDER - Fazendo executar a operação e guiando depois os sua utilização;
- Interessando os formandos nas novas tarefas; formandos na descoberta da explicação.
- Dando as noções teóricas e técnicas (tecnologia,
- Criando centros de interesse nos temas. cálculo, higiene e segurança) na ocasião das
6. UTILIZAR A FORMA EXPERIMENTAL práticas a que estão ligadas.
- Utilizando ao máximo montagens, esquemas,
3. DECOMPOR – IR DO SIMPLES AO COMPLEXO gráficos, etc.
- Não ensinando mais do que uma coisa nova de 9. ASSEGURAR-SE QUE O ENSINO DADO É
cada vez; RENDOSO
7. FAZER APELO À REFLEXÃO E À MEMÓRIA - Preparando minuciosamente cada sessão, para o
- Não abordando uma nova situação sem que a - Utilizando as diferentes formas de memória: que é necessário:
precedente esteja completamente vencida
- Auditiva; - Decompô-la em fases e pôr em evidencia os
- Nunca dar um trabalho incompatível com os pontos essenciais (pontos-chave);
conhecimentos adquiridos. - Visual;
- Escolher e preparar o material de execução
4. ASSEGURAR-SE DE QUE OS FORMANDOS - Motriz. necessário;
ESTÃO BEM COLOCADOS
- Para que possam seguir facilmente as - Desenvolvendo o raciocínio lógico; - Estudar o material de demonstração.
demonstrações.
- Conseguindo, por perguntas, que os formandos - Não perguntando aos formandos se compreenderam,
encontrem as soluções pretendidas. mas assegurando-se disso por perguntas;
PRINCÍPIOS GERAIS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (continuação)

24 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

- Convidando um ou vários formandos a repetir a 12. FAZER DESCANSAR O FORMANDO ENTRE


operação demonstrada e, eventualmente, fazer DOIS PERÍODOS DE ATENÇÃO PROLONGADA
constatar os erros por outros formandos. - Evitando as longas exposições;

- Deixando o tempo fazer o seu trabalho de


10. VIGIAR A EXECUÇÃO DO TRABALHO – ordenação e arrumação.
INTERVIR EM CASO DE ERRO
- Criando, desde o princípio, bons hábitos (é mais
difícil perder um mau hábito do que adquirir um 13. VARIAR OS EXERCÍCIOS
novo); - Para manter o interesse, evitando o cansaço e o
aborrecimento.
- Corrigir os maus movimentos;

- Emendar os erros. 14. NÃO TER EM CONTA O TEMPO


- No princípio, procurar primeiro a qualidade.

11. DAR AO FORMANDO OS MEIOS PARA


CONHECER OS SEUS PROGRESSOS
- Desenvolvendo-lhe o espírito de análise e reflexão;

- Exercitando-o no auto-controlo;

- Encorajando-o.
GUIA DE UTILIZAÇÃO
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 25

Desenvolvimento de conteúdos, conceitos, exemplos, exercícios


Módulo Objectivo Geral Conteúdo programático (Unidades)
Notas técnicas relacionadas Exercícios de avaliação exemplificativos
I – Noções de Pretende-se que, no final 1 – Noções gerais de solo e operações 27, 28, 29, 30, 31 e 33
Agricultura Aplicada do módulo, os formandos culturais
à Mecanização fiquem aptos a identificar
Agrícola as operações culturais 2 – Fertilidade do solo 34
necessárias em relação
ao solo de que dispõem, 4 – Produtos químicos 39
sua fertilidade e produtos
a aplicar
II – Segurança, Higiene No final do módulo, os 3 – Regras de segurança, higiene e saúde 1 e 25
e Saúde na Utilização formandos devem ficar na utilização das máquinas
de Máquinas e aptos a saber integrar as e equipamentos agrícolas
Equipamentos normas de segurança, 14 e 16
Agrícolas higiene e saúde no trabalho
agrícola, no exercício da
actividade
GUIA DE UTILIZAÇÃO (continuação)

26 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Desenvolvimento de conteúdos, conceitos, exemplos, exercícios


Módulo Objectivo Geral Conteúdo programático (Unidades)
Notas técnicas relacionadas Exercícios de avaliação exemplificativos
III – Tractor agrícola/ No final do módulo, os 1 – Motocultivador, Motoenxada 5, 32 e 47
Motocultivador, formandos devem ficar e motogadanheiras
Mecânica e aptos a identificar os 2 – Funcionamento do motor 2, 3, 4, 5, 6, 13 e 14
Manutenção tractores como instrumento 3 – Sistema de admissão de ar 7
de trabalho e como 4 – Sistema de escape 8
unidade transformadora 5 – Sistema de combustível 9 a 9.11
de potência. Para tal, têm 6 – Sistema de arrefecimento 10 a 10.2
que conhecer o 7 – Sistema de lubrificação 11 a 11.3.5, 12 e 28
funcionamento do motor, 8 – Sistema eléctrico 23 a 23.5
seus sistemas e órgãos 9 – Transmissão: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9
acessórios 10 – Embraiagem, caixa de velocidades, 16 a 16.4
diferencial e redutor final
11 – tdf 17
12 – travões 21 a 21.1
13 – Òrgãos de locomoção 20 a 20.2
14 – Sistema hidráulico 22 a 22.2
15 – Direcção 19 a 19.1
16 – Painel de instrumentos 24
17 – A electrónica nos tractores 22.2 e 24
IV - Engate e regulação No final do módulo, os 1 – Componentes exteriores do sistema 22.2
de alfaias formandos devem dominar hidráulico
as técnicas adequadas ao 2 – Veios telescópicos de cardans 18 5, 7 e 10
engate e desengate dos 3 – Ordem correcta de engate e desengate 27.1.6
equipamentos, bem como 4 – Regulações comuns 27.1.6
as suas regulações
GUIA DE UTILIZAÇÃO (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 27

Desenvolvimento de conteúdos, conceitos, exemplos, exercícios


Módulo Objectivo Geral Conteúdo programático (Unidades)
Notas técnicas relacionadas Exercícios de avaliação exemplificativos
V - Máquinas de No final do módulo, os 1 – Charruas 27 a 27.4
mobilização do solo formandos devem ser 2 – Grades 28 a 28.4
capazes de identificar as 3 – Enxada mecânica 32
máquinas de mobilização 4 – Cultivadores rotativos 33 a 33.3
do solo, os seus 5 – Escarificadores 29 a 29.4 10, 11, 12 e 13
componentes, bem como 6 – Rolos 31 a 31.1
de operar com elas
e executar todas as
regulações
VI – Distribuidores de No final do módulo, os 1 – Distribuidores de fertilizantes sólidos 34 a 34.1.4.
fertilizantes formandos devem ser 2 – Distribuidores de fertilizantes líquidos 34.2
capazes de operar com 3 – Distribuidores de estrumes e chorumes 34.2.1, 34.3 e 34.3.1
os distribuidores de 4 – Espalhadores de estrume 34.4 14
fertilizantes, fazer as
devidas regulações
e identificar todos os
seus órgãos
VII – Equipamentos No final do módulo, os 1 – Pulverizadores de jacto transportado 39 a 39.9
para tratamentos e formandos devem ficar 2 – Pulverizadores de jacto projectado 39 a 39.9
protecção das plantas aptos a operar com todos 3 – Atomizadores 39.1
os pulverizadores, fazer as 16
devidas regulações e
identificar todos os seus
órgãos
GUIA DE UTILIZAÇÃO (continuação)

28 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

Desenvolvimento de conteúdos, conceitos, exemplos, exercícios


Módulo Objectivo Geral Conteúdo programático (Unidades)
Notas técnicas relacionadas Exercícios de avaliação exemplificativos
VIII – Máquinas de Pretende-se que no final 1 – Semeadores de linhas centrífugos 35.1, 35.3 e 35.4
sementeira e plantação do módulo, os formandos 2 – Semeadores universais de linhas 35, 35.1 e 35.3
fiquem aptos a operar com 3 – Semeadores de precisão/monogrão 35, 35.2 e 35.3
todos os semeadores, fazer 4 – Semeadores pneumáticos 35, 35.1, 35.2 e 35.3 14, 15 e 17
as devidas regulações e 5 – Plantadores 36 e 36.1
manutenção e identificar 6 – Transplantadores 37
todos os seus órgãos 7 – Brocadoras-perfuradoras 38
IX – Máquinas de No final do módulo, os 1 – Equipamento de transporte e carga 26, 44 e 45
transporte formandos devem ficar 2 – Reboques 26
aptos a operar com 3 – Caixa de carga 44
equipamentos de 4 – Carregadores hidráulicos 45 10
transporte e carga, fazer
as devidas regulações e
manutenção e identificar
todos os seus órgãos
X – Máquinas de No final do módulo, os 1 – Enfardadeiras 51 a 51.5
colheita formandos devem ser 2 – Gadanheiras e viradores/juntadores 46 a 48.1
capazes de operar com as 3 – Colhedores de forragem 49
máquinas de colheita 4 – Arrancadores de tubérculos 42 e 43 17, 18, 19, 20 e 21
descritas, fazer todas as 5 – Ceifeiras- debulhadoras 50 a 50.8
regulações e manutenção 6 – Máquinas de vindima 52 a 52.3
e identificar todos os seus 7 – Colhedoras de azeitona 53 a 53.5
órgãos
NOTAS TÉCNICAS
NOTA TÉCNICA Nº 1
HIGIENE E SEGURANÇA 31

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Definir a prevenção, como medida básica e - Prejuízos, para as pessoas e para o País, com os - Recomenda-se avaliação diagnostica através de
fundamental para a redução dos acidentes na acidentes. teste escrito, ou projecção de imagens, o mais real
mecanização agrícola. possível, as quais deverão ser comentadas pelo
formando.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Falar, detalhada e pausadamente, sobre os riscos TEMPO PREVISTO
a que o homem agrícola está sujeito, destacando - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - 03.00 horas.
especialmente os relacionados com a mecanização. tema.

- Apresentar ilustrações elucidativas sobre o maior - Televisor.


número possível de casos.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Citar situações reais conhecidas, realçando a causa
dos acidentes. - DVD sobre o tema.

- Apresentar os cuidados preventivos mais vulgares. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
TECNOLOGIA
- Mesa e quadro de projecção.
- Da prevenção.

- Equipamento de protecção individual.


NOTA TÉCNICA Nº 2
32 MOTORES – SUAS DEFINIÇÕES

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTO


- Expecificar quais os motores existentes. - Quadros didácticos e/ou desenhos sobre o tema.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Nomenclatura. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Apresentar ilustrações dos vários motores existentes. - Estojo de primeiros socorros.

- Focar as diferenças entre eles. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


TECNOLOGIA
- Dos motores.
AVALIAÇÃO
- Propõe-se avaliação formativa, através de questões
HIGIENE E SEGURANÇA colocadas perante ilustrações ou, preferencialmente,
- Vantagens e inconvenientes de uns em relação aos realidades.
outros.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 3
DADOS NOMINAIS DOS MOTORES 33

OBJECTIVO - CV – HP – kW. AVALIAÇÃO


- Citar os principais dados informativos que Sugere-se:
caracterizam um motor. - Bar - PSI – Kg/cm2 – Atmosfera.
- Avaliação formativa.
- Graus.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Num motor desmontado, calcular as cilindradas,
- Explicar, com clareza, os dados nominais mais unitária e total.
importantes de um motor e suas funções. HIGIENE E SEGURANÇA
- Perigos e/ou prejuízos com a deficiente interpretação
- Apresentar catálogos, folhetos e manuais de dos dados nominais de um motor. TEMPO PREVISTO
instrução, chamando a atenção para os dados - 02.00 horas.
relatados.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Execução de problemas, se necessário, para melhor - Album seriado.
compreensão.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.


- Dos motores.
- Extintor de incêndio.
- Medidas lineares.
- Catálogos e manuais de instrução onde venham
- Medidas de volume. especificados os dados nominais dos motores.

- Pesos. - Lápis, canetas, borrachas e papel.


NOTA TÉCNICA Nº 4
34 O MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA A 4 TEMPOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Nomear o tipo de motores de combustão interna a - Perigos resultantes do incorrecto manuseamento
4 tempos existentes e identificar as suas principais das peças. - Craveira (peklise).
peças.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau - Fita métrica.
funcionamento das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Desperdício, água e sabão.
- Descrever o tipo de motores em relação à disposição
dos cilindros. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO
- Apresentar as peças, fixas e móveis, de um motor. Aconselha-se:
- Maqueta de motor, em corte.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 1).
- Estojo de primeiros socorros.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Num motor desmontado, ou em corte, identificar
- Extintor de incêndio. as peças fixas e móveis, descrevendo as suas
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. funções.
- Mesa e quadro de projecção.

TECNOLOGIA - Mesa ou bancada. TEMPO PREVISTO


- Do motor de combustão interna a 4 tempos. - 03.00 horas.
- Conjunto de ferramentas.
- Localização, identificação das peças e suas funções.
- Peças usadas de motor.
- Dos gestos e posições correctas.
- Luvas e óculos de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 5
CICLO DE FUNCIONAMENTO DE UM MOTOR DIESEL A 4 TEMPOS 35

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Expecificar o funcionamento do motor Diesel a 4 - Quadros didácticos. Recomenda-se:
tempos.
- Album seriado. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 1).

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Retroprojector e transparências sobre o tema. - A partir de uma determinada ordem de ignição, fazer
- Estudo dos diferentes tempos do ciclo. um quadro/esquema com o ciclo de funcionamento
- Maqueta de motor Diesel, em corte. de um motor de 4 cilindros a 4 tempos.
- Ordem de ignição.
- Estojo de primeiros socorros.
TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. - 03.00 horas.
- Do motor Diesel.
- Mesa e quadro de projecção.
- Do aquecimento do ar por compressão.
- Luvas de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
- Uma bomba de bicicleta.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
do ciclo.

- Perigos de intoxicação.
NOTA TÉCNICA Nº 6
36 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Expressar o que é o sistema de distribuição, sua - Inconvenientes com o mau funcionamento do
importância e correcto funcionamento. sistema. - Conjunto de ferramentas.

- Prejuízos resultantes de uma engrenagem da - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO distribuição mal comandada.
- Explicar o que é a distribuição de um motor. - Apalpa folgas.
- Prejuízos resultantes de uma válvula sem folga.
- Constituição do sistema. - Fita métrica.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto
- Nomenclatura das peças e suas funções. manuseamento das peças. - Desperdício, água e sabão.

- Verificação da folga das válvulas.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos. Sugere-se:

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Album seriado. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 1).

- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Perante um motor a 4 tempos, identificar se ele é


TECNOLOGIA de válvulas à cabeça ou de válvulas laterais; num
- Do sistema de distribuição. - Maqueta do sistema de distribuição. motor desmontado, ou em corte, identificar as
peças constituintes e explicar quais as suas funções.
- Localização e identificação das peças e suas - Estojo de primeiros socorros.
funções.
- Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - 01.00 horas.
- Mesa e quadro de projecção.

- Peças usadas do sistema de distribuição.


NOTA TÉCNICA Nº 7
ALIMENTAÇÃO DE AR 37

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Expecificar a importância da alimentação de ar no - Do sistema de alimentação de ar. tema.
motor.
- Localização, identificação das peças e suas funções. - Televisor.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos filtros de ar, seus tipos e manutenção. - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- A admissão de ar nos cilindros e a importância dos
filtros. - Óleos a utilizar, quando for caso disso. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Tipos de filtros de ar e seu funcionamento. - Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Extintor de incêndio.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Limpeza e substituição do óleo do filtro em banho - Inconvenientes com o mau funcionamento do - Mesa e quadro de projecção.
de óleo. sistema.
- Um tractor.
- Limpeza do filtro tipo seco e verificação do estado - Perigo de deterioração do motor por deficiente
manutenção dos filtros. - Equipamento de protecção individual.
do papel filtrante.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto - Mesa ou bancada.


- Limpeza e “substituição do óleo” do filtro por
aderência viscosa. manuseamento dos filtros.
- Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos filtros, - Perigos de escorregamento.
- Fita métrica.
com as abraçadeiras e tubos de condução do ar.
- Filtros de ar de todos os tipos.
- A sobrealimentação e o intercooler. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Pincel.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Gasóleo ou petróleo.
NOTA TÉCNICA Nº 7 (continuação)

38 ALIMENTAÇÃO DE AR

- Óleo de motor.

- Ar comprimido.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 1).

- Perante um determinado tractor, identificar o tipo


de filtro de ar que contém, explicar a sua função e
efectuar-lhe a manutenção.

TEMPO PREVISTO
- 05.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 8
SISTEMA DE ESCAPE 39

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o funcionamento do sistema de escape e - Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma má
alertar para a importância da sua correcta manutenção e/ou utilização do sistema. - Conjunto de ferramentas.
manutenção.
- Perigos de intoxicação. - Um sistema de escape.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Um catalizador.


- Funcionamento do sistema de escape. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Fita métrica, pincel e gasóleo ou petróleo.
- Constituição do sistema e sua manutenção.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Balde de plástico e areia ou serradura.
- Catalisador: - funcionamento e manutenção.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis. tema.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Televisor. AVALIAÇÃO


Propõe-se:
- DVD sobre o tema.
TECNOLOGIA - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).
- Do sistema de escape. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Identificar o retentor de fagulhas (“tapa chamas”),
- Localização e identificação das peças e suas - Estojo de primeiros socorros. seu posicionamento e realçar a importância da sua
funções. função nos tractores agrícolas, a fim de evitar fogos.
- Extintor de incêndio.
- Periodicidade da manutenção.
- Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - 01.00 horas.
- Luvas e óculos de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 9
40 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO – COMBUSTÍVEL

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar a constituição e o funcionamento do - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
sistema de alimentação - combustível. do sistema. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos de escorregamento. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é e como funciona o sistema de - Perigos resultantes do deficiente manuseamento - Componentes velhos do sistema de alimentação –
alimentação do combustível de um motor Diesel. das peças. combustível.

- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Desperdício, água e sabão.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos.
AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento dos - Retroprojector e transparências sobre o tema. Recomenda-se:
componentes.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - Avaliação formativa.

TECNOLOGIA - Maqueta do sistema de alimentação – combustível, - Perante um tractor, identificar os componentes do


- Do sistema de alimentação do combustível. em corte. sistema de combustível e explicar as suas funções.

- Localização e identificação dos componentes e - Estojo de primeiros socorros.


suas funções. TEMPO PREVISTO
- Extintor de incêndio. - 01.00 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Mesa e quadro de projecção.
NOTA TÉCNICA Nº 9.1
ARMAZENAMENTO DO COMBUSTÍVEL 41

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Pincel e vassoura.


- Descrever a forma correcta de armazenar o - Quadros didácticos.
combustível. - Balde de plástico.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Areia ou serradura.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o tema.
- Conservação do combustível em locais apropriados – - Desperdício, água e sabão.
melhor forma de o fazer. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Cuidados a ter com o manuseamento dos - Estojo de primeiros socorros. AVALIAÇÃO


combustíveis. Propõe-se:
- Extintor de incêndio.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).
- Mesa e quadro de projecção.
TECNOLOGIA
- Perante um bidão de combustível, mandá-lo colocar
- Do manuseamento dos combustíveis e seu
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção. ao alto, de forma correcta.
armazenamento.
- Mesa ou bancada.
- Das bombas de trasfega.
TEMPO PREVISTO
- Conjunto de ferramentas. - 00.50 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Um bidão com respectivos bujões.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Um cavalete para bidões.
- Inconvenientes com o deficiente armazenamento
do combustível. - Combustível e bomba de trasfega.

- Cuidados a ter com a reparação de roturas nos - Calço com, aproximadamente, 6 cm de altura.
recipientes de armazenamento dos combustíveis.
- Jarro e funil de plástico.
- Perigos de fumar ou foguear junto dos combustíveis.
NOTA TÉCNICA Nº 9.2
42 DEPÓSITO DE COMBUSTÍVEL

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Especificar a composição e funções do depósito - Inconvenientes de não atestar no final do dia de
de combustível no sistema de alimentação. trabalho. - Depósito de combustível completo.

- Perigos de atestar com o motor a funcionar. - Combustível e bomba de trasfega.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar a constituição e o funcionamento do - Perigos de fumar ou foguear junto de combustíveis. - Mesa ou bancada.
depósito de combustível.
- Inconvenientes em deixar esgotar o combustível no - Conjunto de ferramentas.
- Apresentar as peças constituintes, sua nomenclatura depósito.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
e funções.
- Inconvenientes resultantes do entupimento do
orifício de respiração do tampão. - Funil com rede.
- Limpar e atestar o depósito.

- Inconvenientes com a não limpeza periódica do - Regador de plástico.


- Cuidados a ter com a reparação de uma rotura no
depósito. depósito.
- Corrente de aço com, aproximadamente, 1,5 m de
- Perigos com o derrame de combustível. comprimento e 1 dedo anelar de espessura.
- Desmontagens e montagens possíveis.

- Perigos resultantes da deficiente reparação de uma - Ar comprimido.


- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
rotura do depósito.
- Água quente.

TECNOLOGIA
- Vassoura e pincel.
- Do depósito - localização e identificação das AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
peças e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Areia ou serradura.

- Periodicidade dos atestos. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.


- Desperdício, água e sabão.

- Periodicidade das limpezas. - Estojo de primeiros socorros.

- Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.


NOTA TÉCNICA Nº 9.2 (continuação)

DEPÓSITO DE COMBUSTÍVEL 43

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Perante o depósito de combustível de um tractor,


ou um em corte, enunciar os seus componentes e
respectivas funções.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.3
44 COPO DE DECANTAÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Expressar a função e importância do copo de - Inconvenientes de não se purgar o copo de
decantação no sistema de alimentação. decantação. - Conjunto de ferramentas.

- Inconvenientes resultantes do deficiente - Balde de plástico.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Explicar o que é e para que serve o copo de - Vassoura e pincel.
decantação.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Serradura.
- Apresentar os tipos existentes, sua constituição e - Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
nomenclatura.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Purgar um copo de decantação.
- Quadro de parede. AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento dos copos Recomenda-se:
de decantação. - Estojo de primeiros socorros.
- Avaliação formativa.
- Extintor de incêndio.
- Perante um tractor, identificar o copo de decantação
TECNOLOGIA
- Mesa e quadro de projecção. e executar a sua purga.
- Localização e identificação das peças e suas
funções.
- Um tractor.
TEMPO PREVISTO
- Periodicidade das purgas.
- Luvas e óculos de protecção. - 00.50 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Copos de decantação de todos os tipos.
NOTA TÉCNICA Nº 9.4
BOMBA DE ALIMENTAÇÃO 45

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o funcionamento e funções da bomba de - Perigos resultantes do deficiente manuseamento
alimentação no respectivo sistema. das peças. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos resultantes do mau funcionamento das - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO bombas de alimentação.
- Localização e importância da bomba de alimentação - Balde de plástico.
no sistema respectivo. - Prejuízos resultantes de uma má manutenção das
bombas de alimentação. - Vassoura e pincel.
- Tipos de bombas, sua utilização e funcionamento.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de - Areia ou serradura.
- Órgãos de cada tipo. combustíveis mal armazenados.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. AVALIAÇÃO
- Quadros didácticos.
Aconselha-se:
- Cuidados a ter com as bombas de alimentação. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Perante um tractor, ou um em corte, identificar o
- Estojo de primeiros socorros. tipo de bomba de alimentação existente, explicar
TECNOLOGIA o seu funcionamento e executar a limpeza da rede
- Das bombas de alimentação - tipos e constituição. - Extintor de incêndio. filtrante.

- Localização e identificação das peças e suas - Mesa e quadro de projecção.


funções. TEMPO PREVISTO
- Uma bomba de alimentação de cada tipo. - 00.50 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.5
46 FILTRO DE COMBUSTÍVEL

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Descrever a constituição e funções do filtro de - Prejuízos causados pela existência de filtros em
combustível. mau estado. - Luvas e óculos de protecção.

- Prejuízos resultantes do deficiente manuseamento - Areia ou serradura.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO das peças.
- Explicar para que serve o filtro de combustível. - Combustível.
- Prejuízos resultantes da incorrecta periodicidade
- Tipos de filtros e sua apresentação comparativa. das substituições. - Desperdício, água e sabão.

- Constituição e nomenclatura.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo. - Quadros didácticos. Propõe-se:

- Cuidados gerais a ter com os filtros. - Album seriado. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).

- Limpeza e substituição dos filtros. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Perante um tractor, identificar o tipo de filtro de
combustível existente, explicar as suas funções
- Cuidados a ter com os elementos filtrantes durante - Estojo de primeiros socorros. e fazer a sua substituição.
a substituição.
- Extintor de incêndio.
TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. - 02.00 horas.
- Dos filtros e seus tipos.
- Um tractor.
- Localização e identificação das peças e suas
funções. - Filtros de combustível de todos os tipos.

- Periodicidade das substituições. - Mesa ou bancada.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 9.6
TUBOS CONDUTORES 47

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Expressar a importância e a diferença existente - Inconvenientes resultantes do uso incorrecto dos Recomenda-se:
entre os tubos que conduzem o combustível e os tubos condutores.
seus tipos. - Avaliação formativa.
- Prejuízos resultantes da existência de tubos
condutores em mau estado. - No sistema de combustível de um tractor, explicar
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO a função dos tubos de baixa, média e alta pressão
- Explicar a função dos tubos condutores de e proceder à sua identificação.
combustível. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Tipos de tubos. TEMPO PREVISTO
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - 00.50 horas.
- Constituição e nomenclatura dos tubos condutores
de combustível. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o tema.

- Cuidados gerais a ter com os tubos condutores de - Estojo de primeiros socorros.


combustível.
- Extintor de incêndio.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção.


- Das tubagens condutoras de combustível.
- Tubos condutores de vários tipos.
- Pressões.
- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.
- Luvas e óculos de protecção.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 9.7
48 BOMBA DE INJECÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Especificar as funções de uma bomba de injecção, - Prejuízos resultantes do mau funcionamento da
tipos existentes e cuidados a ter para que não se bomba de injecção. - Mesa e quadro de projecção.
danifique.
- Prejuízos resultantes de uma bomba de injecção - Uma bomba de injecção de cada tipo.
mal cuidada.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Um sistema common rail.
- Transmitir as funções da bomba de injecção e fazer - Prejuízos resultantes do mau funcionamento do
sistema common rail. - Mesa ou bancada.
sentir a delicadeza deste órgão.

- Inconvenientes e prejuízos de enviar estes órgãos a - Luvas de protecção.


- Tipos de bombas, sua constituição e funcionamento.
reparar (ou afinar) a uma casa não especializada.
- Desperdício, água e sabão.
- Comparação entre umas e ouras.

- Nomenclatura das peças e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


AVALIAÇÃO
- Quadros didácticos.
- Cuidados gerais a ter com as bombas de injecção. Sugere-se:
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- O sistema common rail. - Avaliação formativa.
- Televisor.
- Perante um tractor, identificar o tipo de bomba de
TECNOLOGIA - Vídeo e cassetes sobre o tema. injecção existente e diferenciar as bombas, no que
- Das bombas de injecção e seus tipos. à sua manutenção diz respeito.
- DVD sobre o tema.
- Do sistema common rail
- Maquetas de bombas de injecção, em corte. TEMPO PREVISTO
- Localização e identificação das peças e pressões. - 00.50 horas.
- Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.8
INJECTORES 49

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Descrever os tipos, nomenclatura e funcionamento - Dos injectores e seus tipos. tema.
dos injectores.
- Localização e identificação das peças e suas - Televisor.
funções.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Explicar o que é e para que serve o injector. - Periodicidade das manutenções.
- DVD sobre o tema.
- Tipos de injectores, seu funcionamento, constituição - Pressões.
e nomenclatura. - Maqueta de funcionamento de um injector, em corte.
- Dos gestos e posições correctas.
- Apresentação comparativa dos vários tipos. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Vantagens e inconvenientes de cada tipo. HIGIENE E SEGURANÇA - Estojo de primeiros socorros.


- Prejuízos resultantes do funcionamento de um
- Funções das peças constituintes. motor com injectores em mau estado, ou de tipo - Extintor de incêndio.
incorrecto.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Mesa e quadro de projecção.
- Prejuízos resultantes de uma incorrecta manutenção
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Injectores de todos os tipos.
dos injectores.

- Calibrar um injector, apenas como questão - Máquina manual para ensaio de injectores.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
pedagógica. manuseamento das peças.
- Luvas e óculos de protecção.
- Cuidados a ter com os injectores.
- Uma folha de papel de 80 gramas.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Mesa ou bancada.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Conjunto de ferramentas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.8 (continuação)

50 INJECTORES

- Vassoura e pincel.

- Balde de plástico.

- Areia ou serradura

- Combustível.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa.

- Perante um motor, ou um tractor em corte, identificar


os injectores e enumerar os cuidados a ter com os
tubos dos mesmos.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.9
CÂMARAS DE COMBUSTÃO E SISTEMAS DE INJECÇÃO 51

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Luvas de protecção.


- Expecificar como o combustível pode ser introduzido - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
na câmara de combustão. funcionamento do sistema de injecção e das - Mesa ou bancada.
câmaras de combustão.
- Desperdício, água e sabão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Sistemas de injecção e câmaras de combustão. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. AVALIAÇÃO
- Relacionamento entre ambos. Aconselha-se:
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Constituição e funcionamento dos vários sistemas - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).
e sua apresentação comparativa. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema. - Através de imagens, identificar os diferentes sistema
- Vantagens e inconvenientes de cada sistema. de injecção e explicar o seu funcionamento.
- Televisor.
- Nomenclatura das peças.
- Vídeo e cassetes sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- Cuidados gerais a ter com o conjunto câmara de -00.50 horas.
combustão – sistema de injecção. - DVD sobre o tema.

- Estojo de primeiros socorros.


TECNOLOGIA
- Dos sistemas de injecção e das câmaras de - Extintor de incêndio.
combustão.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização, identificação das peças e suas funções.
- Um sistema de injecção de cada tipo.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.10
52 ARRANQUE A FRIO

OBJECTIVO TECNOLOGIA - DVD sobre o tema.


- Enumerar os sistemas que facilitam o arranque dos - Do sistema de arranque a frio e seus tipos.
motores quando estão frios, explicando o seu - Estojo de primeiros socorros.
funcionamento. - Localização e identificação das peças.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Mesa e quadro de projecção.
- Explicar quais os sistemas de arranque a frio que
HIGIENE E SEGURANÇA - Sistemas de arranque a frio de todos os tipos.
existem.
- Prejuízos resultantes do mau funcionamento de um
sistema de arranque a frio. - Mesa ou bancada.
- Funcionamento dos sistemas e comparação entre
eles.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.

- Vantagens e inconvenientes de cada sistema. manuseamento das peças.


- Luvas e óculos de protecção.

- Estudo dos diferentes órgãos de cada sistema.


- Desperdício, água e sabão.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Quadros didácticos.

AVALIAÇÃO
- Desmontagens e montagens possíveis. - Album seriado.
Sugere-se:
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa.
- Cuidados gerais a ter com os sistemas de arranque - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Identificar e fazer funcionar um sistema de arranque
a frio. tema.
a frio instalado num motor de um tractor.
- Televisor.

- Vídeo e cassetes sobre o tema. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 9.11
PURGA DE AR DO SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 53

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Cordel com, aproximadamente, 2,5 metros.


- Fazer a purga do sistema de alimentação do - Inconvenientes resultantes da entrada de ar no
combustível. sistema de alimentação. - Vassoura e pincel.

- Prejuízos resultantes do incorrecto manuseamento - Balde de plástico.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO das peças.
- Explicar o motivo pelo qual, por vezes, se tem que - Areia ou serradura.
purgar o sistema de alimentação.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.
- Deixar esgotar o combustível até o motor parar, - Estojo de primeiros socorros.
tendo previamente fechado a torneira do depósito.
- Extintor de incêndio. AVALIAÇÃO
- Purgar o sistema. Recomenda-se:
- Um tractor.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Avaliação formativa.
- Um sistema de alimentação para purgar.
- Fazer a purga do sistema de combustível no motor
TECNOLOGIA - Mesa ou bancada. de um tractor.
- Do sistema de alimentação do combustível.
- Conjunto de ferramentas.
- Dos gestos e posições correctas. TEMPO PREVISTO
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção. - 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 10
54 SISTEMAS DE ARREFECIMENTO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalidades sobre os sistemas de arrefecimento - Inconvenientes resultantes do funcionamento do Propõe-se:
existentes. motor com temperatura superior à normal.
- Avaliação diagnostica.
- Inconvenientes resultantes do funcionamento do
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO motor com temperatura inferior à normal. - Perante um tractor, identificar o tipo de sistema de
- Importância da temperatura no funcionamento dos arrefecimento do motor.
motores.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Explicar para que serve o sistema de arrefecimento - Quadros didácticos. TEMPO PREVISTO
e quais os existentes. - 00.50 horas.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

TECNOLOGIA - Televisor.
- Dos sistemas de arrefecimento.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Combustão.
- DVD sobre o tema.
- Temperatura.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Graus centígrados.
- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 10.1
ARREFECIMENTO POR LÍQUIDO 55

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Descrever o circuito do líquido de arrefecimento, - Perigos e/ou prejuízos com o deficiente Aconselha-se:
bem como os tipos existentes. manuseamento dos constituintes.
- Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Perante um tractor, ou um motor em corte, indicar
- Explicar o que é o líquido de arrefecimento e seu - Quadros didácticos. os componentes do sistema de arrefecimento por
trajecto. líquido, bem como as suas funções.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Tipos e sua constituição.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. TEMPO PREVISTO
- Realçar o tipo por bomba. - 01.00 horas.
- Estojo de primeiros socorros.
- Nomenclatura dos constituintes e suas funções.
- Extintor de incêndio.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos
constituintes. - Mesa e quadro de projecção.

- Água e produtos de manutenção.


TECNOLOGIA
- Do líquido de arrefecimento. - Mesa ou bancada.

- Dos tipos de arrefecimento por líquido. - Luvas de protecção.

- Localização e identificação dos constituintes. - Desperdício, água e sabão.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 10.1.1
56 RADIADOR

OBJECTIVO - Periodicidade das limpezas e das lavagens. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Expecificar o que é um radiador, como funciona e
se deve conservar. - Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de radiadores e suas funções. - Perigos e/ou prejuízos com o deficiente - Mesa e quadro de projecção.
manuseamento das peças.
- Constituição, funcionamento e manutenção dos - Radiadores de vários tipos.
radiadores. - Perigos e/ou prejuízos com o radiador sujo, interior
e/ou exteriormente. - Produtos para manutenção de radiadores.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Perigos e/ou prejuízos com a deterioração do - Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis. radiador.
- Conjunto de ferramentas.
- Lavagem exterior e interior do radiador. - Perigos em deitar água fria num radiador com o
- Escova rija.
motor quente e parado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
TECNOLOGIA - Quadros didácticos.
- Do radiador.
- Mangueira com agulheta.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Água sob pressão.
- Televisor.
- Oxidação.
- Ar comprimido.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Águas apropriadas.
- Desperdício, água e sabão.
- DVD sobre o tema.
- Anti-oxidantes.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.1 (continuação)

RADIADOR 57

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Executar a limpeza interior e exterior do radiador


de um tractor.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.2
58 TAMPÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Tampão de radiador usado, para desmontar.


- Demonstrar a finalidade, funcionamento e - Perigos e/ou prejuízos resultantes da não existência
importância do tampão do radiador. de tampão, ou com tampão incorrecto. - Mesa ou bancada.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO com o tampão avariado.
- Explicar para que serve e como funciona o tampão - Luvas e óculos de protecção.
do radiador. - Perigos resultantes do desapertar de um tampão
de repente e com o motor quente. - Areia ou serradura.
- Constituição, nomenclatura das peças e suas
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Escova e pincel.
funções.
manuseamento das peças.
- Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


AVALIAÇÃO
- Quadros didácticos.
- Cuidados gerais a ter com o tampão. Sugere-se:
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).
TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.
- Perante um tampão de radiador velho, ou com boas
- Do tampão do radiador.
- Extintor de incêndio. imagens, identificar as suas peças constituintes
- Localização e identificação das peças. e respectivas funções;
- Mesa e quadro de projecção.
- Pressões. - Perante um tractor com o motor quente, retirar
- Apagador. correctamente o seu tampão do radiador.
- Dos gestos e posições correctas.
- Giz de várias cores.
TEMPO PREVISTO
- Tampão de radiador em perfeito estado de - 00.50 horas.
funcionamento.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.3
VENTOINHA 59

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Pás usadas de ventoinha.


- Citar a constituição e o funcionamento da ventoinha. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento
de uma ventoinha com uma pá partida, ou diferente - Mesa ou bancada.
das restantes.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Conjunto de ferramentas.
- Explicar o que é e para que serve a ventoinha no - Inconvenientes resultantes do funcionamento de
sistema de arrefecimento por líquido. uma ventoinha com a correia demasiado esticada - Luvas de protecção.
ou muito folgada.
- Constituição da ventoinha e seu accionamento. - Balança.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Folga da correia da ventoinha. - Desperdício, água e sabão.
manuseamento das peças.

- Retirar a correia, recolocá-la e pô-la com a tensão


correcta. AVALIAÇÃO
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
Propõe-se:
- Quadros didácticos.
- Cuidados gerais a ter com a ventoinha.
- Avaliação formativa.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

TECNOLOGIA - Perante um tractor, desmontar e voltar a montar a


- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Da ventoinha. correia da ventoinha.
- Estojo de primeiros socorros.
- Localização e identificação das peças.
- Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO
- Desequilíbrio do movimento. - 00.50 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Pesos.
- Ventoinha completa.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.4
60 BOMBA DE ÁGUA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Descrever o funcionamento e a manutenção da - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
bomba de água. funcionamento da bomba de água. - Bomba de água em bom estado de funcionamento.

- Inconvenientes resultantes do funcionamento da - Mesa ou bancada.


DESERNVOLVIMENTO DO CONTEÚDO bomba de água com a correia da ventoinha
- Explicar o que é e para que serve a bomba de demasiado esticada ou muito folgada. - Conjunto de ferramentas.
água no sistema de arrefecimento por líquido.
- Inconvenientes resultantes do deficiente - Luvas e óculos de protecção.
- Localização da bomba de água. manuseamento das peças.
- Desperdício, água e sabão.
- Constituição, nomenclatura das peças e suas
funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
AVALIAÇÃO
- Quadros didácticos.
- Desmontagens e montagens possíveis. Aconselha-se:
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Avaliação formativa.
- Televisor.
- Cuidados gerais a ter com a bomba de água. - Perante um tractor, localizar a bomba de água e
- Vídeo e cassetes sobre o tema. descrever a sua função.

TECNOLOGIA - DVD sobre o tema.


- Da bomba de água. TEMPO PREVISTO
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - 00.50 horas.
- Localização e identificação das peças.
- Estojo de primeiros socorros.
- Débitos.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.5
TERMÓSTATO 61

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Estojo de primeiros socorros.


- Descrever o que é, para que serve e como funciona - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
o termóstato no sistema de arrefecimento por funcionamento do termóstato. - Extintor de incêndio.
líquido.
- Inconvenientes resultantes do funcionamento de - Mesa e quadro de projecção.
um motor sem termóstato.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Um tractor.
- Explicar o que é e para que serve o termóstato, - Perigos e/ou prejuízos resultantes da substituição
de um termóstato por outro diferente do indicado - Termóstatos de todos os tipos.
seus tipos, funcionamento e localização.
no manual de instrução.
- Termóstato em perfeito estado de funcionamento.
- Comprovação do estado do termóstato.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Manual de instrução do motor que estiver à
- Necessidade de substituição quando avariado. manuseamento das peças.
disposição.
- Substituir um termóstato.
- Mesa ou bancada.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos.
- Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Luvas e óculos de protecção.
- Cuidados gerais a ter com o termóstato. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Termómetro.
tema.
- Fogão ou fogareiro.
TECNOLOGIA - Televisor.
- Dos termóstatos.
- Panela ou tacho.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Temperaturas.
- Desperdício, água e sabão.
- DVD sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.5 (continuação)

62 TERMÓSTATO

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).

- Perante um tractor, localizar o termóstato, descrever


a sua função e, perante um termóstato velho,
verificar se ele está avariado.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.6
TUBOS DE LIGAÇÃO 63

OBJECTIVO - Periodicidade das verificações. - Tubos de ligação em perfeito estado de


- Explicar as funções dos tubos de ligação, bem funcionamento.
como as formas de os manter em perfeito estado - Dos gestos e posições correctas.
de funcionamento. - Tubos de ligação usados e danificados.

HIGIENE E SEGURANÇA - Abraçadeiras.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Inconvenientes resultantes da existência de tubos
- Explicar para que servem os tubos de ligação. de ligação em mau estado. - Mesa ou bancada.

- Necessidade dos tubos se encontrarem em perfeito - Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento - Conjunto de ferramentas.
estado de funcionamento. de um motor com tubos danificados.
- Luvas de protecção.
- Comprovação do seu estado de conservação e - Inconvenientes resultantes do deficiente
manuseamento dos tubos de ligação. - Desperdício, água e sabão.
funcionamento.

- Tipo de avarias dos tubos de ligação.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO
- Desmontagens e montagens possíveis, dos tubos - Quadros didácticos. Sugere-se:
de ligação.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Avaliação formativa.
- Cuidados gerais a ter com os tubos de ligação. tema.
- Perante um tractor, identificar todos os tubos do
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. circuito de arrefecimento do motor e explicar quais
TECNOLOGIA as suas danificações e forma de as evitar.
- Dos tubos de ligação. - Estojo de primeiros socorros.

- Estaladuras. - Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
- Substâncias danificantes. - Mesa e quadro de projecção.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.7
64 CAMISAS DE ÁGUA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar as funções das camisas de água. - Inconvenientes resultantes da não utilização de
produtos de manutenção. - Camisas de água de todos os tipos em perfeito
estado de manutenção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Explicar o que são e para que servem as camisas manuseamento das camisas de água. - Camisas de água em mau estado.
de água, seus tipos e localização.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o manuseamento das camisas - Quadros didácticos.
de água. - Luvas e óculos de protecção.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados gerais a ter com as camisas de água. - Desperdício, água e sabão.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
TECNOLOGIA AVALIAÇÃO
- Das camisas de água. - Televisor. Propõe-se:

- Oxidações. - Vídeo e cassetes sobre o tema. - Avaliação formativa.

- Anti-oxidantes. - DVD sobre o tema. - Perante modelos em corte, identificar o tipo de


camisa existente e explicar o que são e para que
- Dos gestos e posições correctas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. servem as camisas de água do motor.

- Estojo de primeiros socorros.


TEMPO PREVISTO
- Extintor de incêndio. - 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.8
LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO 65

OBJECTIVO - Dos anti-congelantes e dos produtos de - Estojo de primeiros socorros.


- Enunciar o porquê da existência de líquido de manutenção.
arrefecimento no sistema. - Extintor de incêndio.
- Percentagens.
- Mesa e quadro de projecção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Explicar o que é e para que serve o líquido de - Um tractor com sistema de arrefecimento por líquido.
arrefecimento.
HIGIENE E SEGURANÇA - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Explicar porque é que o líquido de arrefecimento é, - Inconvenientes da utilização de água menos própria
no sistema de arrefecimento. - Um sistema de arrefecimento por líquido em bom
normalmente, à base de água.
estado e outro com deficiências de conservação
- Qualidades e/ou defeitos da água. - Prejuízos da não utilização de anti-congelantes por falta de manutenção.
e/ou outros produtos de manutenção.
- Os anti-congelantes e os outros produtos de - Mesa ou bancada.
manutenção do sistema. - Prejuízos resultantes da utilização de produtos de
manutenção em sistemas velhos e que nunca os - Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o líquido de arrefecimento. utilizaram.
- Produtos de manutenção.
- Limpar um sistema de arrefecimento por líquido. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Balde de plástico.
manuseamento dos produtos.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos produtos.
- Vaso, ou proveta, graduado.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Colher de pau.
TECNOLOGIA - Quadros didácticos.
- Da água.
- Desperdício, água e sabão.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- pH.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
NOTA TÉCNICA Nº 10.1.8 (continuação)

66 LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 2).

- Em função da temperatura ambiente, indicar qual a


percentagem de produto de protecção a adicionar
à água do sistema de arrefecimento.

- Explicar os inconvenientes da utilização, no


sistema, de águas ácidas e alcalinas.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 10.2
ARREFECIMENTO POR AR 67

OBJECTIVO TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Descrever o que é e como funciona o sistema de - Do sistema de arrefecimento por ar. - Quadros didácticos.
arrefecimento por ar.
- Localização e identificação dos componentes. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Desequilíbrio do movimento da turbina. - Televisor.


- Explicar o funcionamento do sistema de
arrefecimento por ar. - Pesos. - Vídeo e cassetes sobre o tema.

- Componentes do sistema, sua nomenclatura e - Periodicidade da manutenção. - DVD sobre o tema.


funções.
- Dos gestos e posições correctas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Diferenças entre os sistemas de arrefecimento por
- Estojo de primeiros socorros.
ar e por líquido; vantagens e inconvenientes.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento - Extintor de incêndio.
- Desmontagens e montagens possíveis.
do sistema.
- Mesa e quadro de projecção.
- Cuidados de manutenção a ter com o sistema de
arrefecimento por ar. - Prejuízos resultantes do funcionamento
desequilibrado da turbina. - Um tractor com sistema de arrefecimento por ar.

- Fazer a manutenção do sistema de arrefecimento


- Inconvenientes resultantes do funcionamento da - Sistema de arrefecimento por ar em bom estado
por ar.
turbina com a correia, ou correias, demasiado frouxa de funcionamento.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. ou esticada.


- Componentes usados de um sistema de
- Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma arrefecimento por ar.
deficiente manutenção.
- Luvas e óculos de protecção.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Mesa ou bancada.
manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 10.2 (continuação)

68 ARREFECIMENTO POR AR

- Conjunto de ferramentas.

- Balança.

- Ar sob pressão.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Perante um tractor com sistema de arrefecimento


por ar, fazer a manutenção ao sistema, explicando
os porquês.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 11
LUBRIFICAÇÃO 69

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Explicar o que é e para que serve a lubrificação. - Retroprojector e transparências sobre o tema. Propõe-se:

- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - Avaliação diagnostica. (ex. exercício nº 3).
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- A necessidade da lubrificação. - Estojo de primeiros socorros. - Tipos de sistemas de lubrificação.

- Os lubrificantes e suas funções. - Extintor de incêndio.


TEMPO PREVISTO
- Sistemas de lubrificação. - Mesa e quadro de projecção. - 01.00 horas.

- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.


TECNOLOGIA
- Da lubrificação e seus sistemas. - Mesa ou bancada.

- Dos lubrificantes. - Lubrificantes.

- Dois quadrados ou rectângulos de ferro.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Areia ou serradura.
- Inconvenientes resultantes de uma deficiente
lubrificação.
- Vassoura e pincel.

- Perigos de escorregamento.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 11.1
70 LUBRIFICAÇÃO POR CHAPINHAGEM

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Descrever o funcionamento do sistema de - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento Aconselha-se:
lubrificação por chapinhagem. do sistema.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 3).
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento dos componentes. - Explicar, junto de uma maqueta de motor com
- Explicar o sistema de lubrificação por chapinhagem. lubrificação por chapinhagem, como funciona a sua
- Perigos de escorregamento. lubrificação.
- Componentes do sistema.

- Nomenclatura dos componentes e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS TEMPO PREVISTO
- Quadros didácticos. - 00.50 horas.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos
componentes. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
TECNOLOGIA
- Do sistema de lubrificação por chapinhagem. - Mesa e quadro de projecção.

- Dos lubrificantes. - Sistema de lubrificação por chapinhagem.

- Localização e identificação dos componentes. - Mesa ou bancada.

- Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.

- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 11.2
LUBRIFICAÇÃO MISTA 71

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Citar o funcionamento do sistema de lubrificação - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
misto. do sistema. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Desperdício, água e sabão.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento dos componentes.
- Explicar como funciona o sistema de lubrificação
misto. - Perigos de escorregamento. AVALIAÇÃO
Recomenda-se:
- Componentes do sistema.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Avaliação formativa. (ex. exercício nº3).
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Quadros didácticos.
- Explicar, junto de uma maqueta de motor com
- Desmontagens e montagens possíveis. - Retroprojector e transparências sobre o tema. lubrificação mista, como funciona a sua lubrificação.

- Diferenças entre os sistemas por chapinhagem e - Televisor.


misto. TEMPO PREVISTO
- Vídeo e cassetes sobre o tema. - 00.50 horas.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos
componentes. - DVD sobre o tema.

- Estojo de primeiros socorros.


TECNOLOGIA
- Do sistema de lubrificação misto. - Extintor de incêndio.

- Localização e identificação dos componentes. - Mesa e quadro de projecção.

- Dos lubrificantes. - Sistema de lubrificação misto.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa ou bancada.


NOTA TÉCNICA Nº 11.3
72 LUBRIFICAÇÃO SOB PRESSÃO

OBJECTIVO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Mesa ou bancada.


- Explicar o que é e como funciona o sistema de manuseamento das peças.
lubrificação sob pressão. - Conjunto de ferramentas.
- Perigos de escorregamento.
- Almotolia com óleo.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Componentes do sistema. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Balde de plástico.
- Quadros didácticos.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Funil de plástico.
- Album seriado.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Areia ou serradura.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema. - Desperdício, água e sabão.
TECNOLOGIA
- Do sistema de lubrificação sob pressão. - Televisor.
AVALIAÇÃO
- Localização e identificação dos componentes. - Vídeo e cassetes sobre o tema. Sugere-se:

- Dos lubrificantes. - DVD sobre o tema. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 3).

- Dos gestos e posições correctas. - Maqueta do sistema de lubrificação sob pressão. - Perante um motor em corte, ou bons quadros
didácticos, indicar os componentes do sistema e
- Estojo de primeiros socorros. suas funções.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento - Extintor de incêndio.
do sistema. TEMPO PREVISTO
- Mesa e quadro de projecção. - 00.50 horas.

- Peças usadas de um sistema de lubrificação sob


pressão.
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.1
BOMBA DE ÓLEO 73

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Explicar o funcionamento e manutenção da bomba - Prejuízos resultantes do mau funcionamento da
de óleo. bomba de óleo. - Mesa e quadro de projecção.

- Prejuízos resultantes da não limpeza ou - Uma bomba de óleo de cada tipo, em bom estado
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO inexistência da rede protectora da bomba. de funcionamento.
- Explicar o que é e para que serve a bomba de óleo.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Bombas usadas para desmontar e montar.
- Tipos de bombas de óleo, sua constituição, manuseamento das peças.
funcionamento e manutenção. - Mesa ou bancada.
- Perigos de escorregamento.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Conjunto de ferramentas.

- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.
- Limpeza e/ou substituição da rede protectora da - Tina de metal ou plástico.
bomba. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Balde de plástico.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Serradura ou areia.
tema.

- Vassoura e pincel.
TECNOLOGIA - Televisor.
- Da bomba de óleo.
- Escova rija.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Débitos.
- Almotolia com óleo.
- DVD sobre o tema.
- Dos lubrificantes.
- Desperdício, água e sabão.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Dos gestos e posições correctas.
- Estojo de primeiros socorros.
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.1 (continuação)

74 BOMBA DE ÓLEO

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 3).

- Perante bombas de lubrificação velhas, identificá-las


e descrever o seu funcionamento.

- Junto do motor do tractor, diagnosticar se a bomba


de óleo do motor está efectivamente a trabalhar.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.2
FILTRO DE ÓLEO 75

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar a função do filtro de óleo e seus tipos. - Inconvenientes resultantes da existência de filtros
em mau estado. - Filtros de todos os tipos em perfeito estado de
funcionamento.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes da não substituição dos filtros
- Explicar o que é e para que serve o filtro de óleo. no momento devido. - Filtros usados com vedantes deteriorados.

- Tipo de filtros, sua constituição e funcionamento. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Óleo de motor.
manuseamento dos componentes.
- Sistemas de filtração. - Mesa ou bancada.
- Perigos de escorregamento.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Conjunto de ferramentas.

- Substituição do filtro. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.
- Cuidados gerais a ter com os filtros de óleo. - Vassoura e pincel.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos - Balde de plástico.
componentes. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Areia ou serradura.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
TECNOLOGIA - Desperdício, água e sabão.
tema.
- Dos filtros de óleo.
- Televisor.
- Localização e identificação dos componentes. AVALIAÇÃO
- DVD sobre o tema. Recomenda-se:
- Dos sistemas de filtração.
- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 3).
- Periodicidade das substituições.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.2 (continuação)

76 FILTRO DE ÓLEO

- Perante filtros velhos, identificá-los e explicar o seu


funcionamento.

- Num tractor, substituir o seu filtro de óleo do motor.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.3
VÁLVULA DE DESCARGA 77

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Explicar para que serve e como funciona a válvula - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento Propõe-se:
de descarga. da válvula de descarga.
- Avaliação formativa.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças. - Utilizando uma válvula de descarga, explicar o seu
- Explicar o porquê da existência da válvula de funcionamento.
descarga, sua constituição e funcionamento.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS TEMPO PREVISTO
- Localização da válvula de descarga. - Quadros didácticos. - 00.50 horas.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.


TECNOLOGIA
- Da válvula de descarga. - Estojo de primeiros socorros.

- Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.

- Pressões. - Mesa e quadro de projecção.

- Dos gestos e posições correctas. - Válvula de descarga em perfeito estado de


funcionamento.

- Mesa ou bancada.

- Conjunto de ferramentas.

- Luvas de protecção.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 11.3.4
78 RADIADOR DE ÓLEO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Radiadores de óleo com arrefecimento por líquido


- Citar a constituição e o funcionamento de um - Inconvenientes resultantes da não existência do e por ar.
radiador de óleo. radiador de óleo, bem como do seu mau
funcionamento. - Mesa ou bancada.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.


- Explicar o que é e para que serve um radiador de manuseamento dos componentes.
óleo. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.

- Tipo de arrefecimento do óleo no radiador. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Vassoura.


- Quadros didácticos.
- Constituição e funcionamento do radiador de óleo. - Balde de plástico.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Areia ou serradura.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Nomenclatura dos constituintes e suas funções. - Desperdício, água e sabão.
tema.

- Televisor.
TECNOLOGIA AVALIAÇÃO
- Dos radiadores de óleo. - Vídeo e cassetes sobre o tema. Sugere-se:

- Localização e identificação dos constituintes. - DVD sobre o tema. - Avaliação formativa.

- Dos gestos e posições correctas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - Perante um tractor, localizar o radiador de óleo do
motor (se existir); explicar a necessidade deste
- Estojo de primeiros socorros. componente.

- Extintor de incêndio.
TEMPO PREVISTO
- Mesa e quadro de projecção. - 00.50 horas
NOTA TÉCNICA Nº 11.3.5
INDICADOR DE PRESSÃO 79

OBJECTIVO - Localização e identificação das peças. - Indicadores de pressão de todos os tipos, em


- Explicar para que serve e como funciona o indicador perfeito estado de funcionamento.
de pressão do óleo. - Dos gestos e posições correctas.
- Indicadores usados para desmontagem.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA - Glicerina.


- Explicar o porquê da existência do indicador de - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
pressão do óleo. manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.

- Localização do indicador. - Prejuízos resultantes do mau funcionamento do - Conjunto de ferramentas.


indicador de pressão.
- Tipo de indicadores, sua constituição e - Luvas e óculos de protecção.
funcionamento. - Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente
manutenção do indicador de pressão. - Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Quadros didácticos. Recomenda-se:
- Principais factores que originam o aumento ou
diminuição da pressão do óleo no sistema. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 3)

- Cuidados a ter com a manutenção dos indicadores - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Perante um tractor, identificar o indicador de
de pressão. tema. pressão, fazer a sua leitura, descrever o seu
funcionamento e enumerar as suas vantagens e/ou
- Estojo de primeiros socorros. inconvenientes comparativamente com outros.
TECNOLOGIA
- Dos indicadores de pressão do óleo. - Extintor de incêndio.
TEMPO PREVISTO
- Pressões. - Mesa e quadro de projecção. - 00.50 horas.

- Um tractor com o indicador de pressão em


funcionamento.
NOTA TÉCNICA Nº 12
80 MUDANÇA DE ÓLEO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.


- Reconhecer a necessidade da mudança periódica - Prejuízos resultantes da não substituição do óleo
do óleo. no prazo determinado. - Recipiente para recolha do óleo queimado.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do contacto com - Vassoura e balde de plástico.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO o óleo.
- Explicar o motivo pelo qual, periodicamente, se - Serradura ou areia.
deve mudar o óleo. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
armazenamento do óleo queimado. - Desperdício, água e sabão.
- Colocar a máquina na posição e temperatura ideais.
- Perigos de escorregamento.
- Fazer a mudança do óleo. AVALIAÇÃO
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente Aconselha-se:
- Forma correcta de armazenar o óleo queimado. manuseamento das peças.
- Avaliação formativa.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos materiais.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Perante um tractor, executar correctamente a
- Retroprojector e transparências sobre o tema. mudança de óleo do seu motor.
TECNOLOGIA
- Do sistema de lubrificação. - Album seriado.
TEMPO PREVISTO
- Óleo indicado. - Estojo de primeiros socorros. - 01.00 horas.

- Viscosidades. - Extintor de incêndio.

- Temperaturas. - Mesa e quadro de projecção.

- Periodicidade das mudanças. - Óleo adequado.

- Do armazenamento dos óleos. - Mesa ou bancada.

- Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.


NOTA TÉCNICA Nº 13
MOTOR DE 2 TEMPOS 81

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Enunciar o que é, para que serve e como funciona - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
o motor de 2 tempos. do motor. - Mesa e quadro de projecção.

- Perigos de intoxicação. - Mesa ou bancada.


DESENVOVLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Breve história sobre o aparecimento do motor de 2 - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.
tempos. manuseamento das peças.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Constituição e funcionamento do motor de 2
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Balde e serradura ou areia.
tempos.
- Quadros didácticos.
- Vassoura.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Álbum seriado.
- Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o AVALIAÇÃO
- Vantagens e inconvenientes dos motores de tema. Propõe-se:
explosão de 2 tempos em relação aos de 4 tempos.
- Televisor. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 1).

- Vídeo e cassetes sobre o tema. - Com a ajuda de uma maqueta, explicar o


TECNOLOGIA
funcionamento do motor de dois tempos.
- Dos motores de 2 tempos.
- DVD sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Maqueta de motor de 2 tempos, em corte. TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - 01.00 horas.
- Estojo de primeiros socorros.
NOTA TÉCNICA Nº 14
82 MOTOR DE 4 TEMPOS LUBRIFICADO POR MISTURA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Explicar o que é e como funciona o novo motor de - Prejuízos resultantes do deficiente funcionamento
4 tempos lubrificado por mistura. do motor. - Mesa e quadro de projecção.

- Perigos de intoxicação. - Um motor de 4 tempos lubrificado por mistura em


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO perfeito estado de funcionamento.
- Constituição e funcionamento do motor de 4 tempos - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
lubrificado por mistura. manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Conjunto de ferramentas.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos. - Luvas e óculos de protecção.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Desperdício, água e sabão.

- Vantagens destes motores em relação aos seus - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
congéneres de 2 tempos. tema. AVALIAÇÃO
Recomenda-se:
- Televisor.
TECNOLOGIA - Avaliação formativa.
- Dos motores de 4 tempos lubrificados por mistura. - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Perante uma maqueta, ou boas ilustrações, explicar
- Da lubrificação. - DVD sobre o tema. o funcionamento destes motores.

- Localização e identificação das peças. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros. - 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 15
LUBRIFICANTES 83

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar o que é um lubrificante, sua composição, - Prejuízos resultantes da utilização de lubrificantes
características e funções. desapropriados para as máquinas e/ou serviços - Lubrificantes de todos os tipos.
que realizam.
- Mesa ou bancada.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Explicar o que é um lubrificante e como se obtém. manuseamento e armazenamento dos lubrificantes. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.

- Tipos de lubrificantes. - Perigos de escorregamento. - Vassoura.

- Composição e características dos lubrificantes. - Balde de plástico.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Aditivos: - classificação e funções. - Areia ou serradura.
- Quadros didácticos.

- Óleos para motor: - classificação e utilizações. - Desperdício, água e sabão.


- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Massas lubrificantes. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


AVALIAÇÃO
tema.
- Óleos para a transmissão. Sugere-se:
- Televisor.
- Cuidados a ter com o manuseamento e - Avaliação diagnostica. (ex. exercício nº 3).
armazenamento dos lubrificantes. - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Perante óleos diferentes, identificar um óleo de
- DVD sobre o tema. motor quanto à sua viscosidade e qualidade,
TECNOLOGIA dizendo tudo o que sabe sobre viscosidades.
- Dos lubrificantes e seus tipos. - Álbum seriado.

Composição e características dos/as: - Estojo de primeiros socorros. TEMPO PREVISTO


- aditivos; - 01.00 horas.
- óleos para motor; - Extintor de incêndio.
- massas lubrificantes;
- óleos para transmissão.
NOTA TÉCNICA Nº 16
84 TRANSMISSÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre a transmissão e seus - Inconvenientes resultantes da falta de cuidados Aconselha-se:
componentes. com a transmissão.
- Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Perante um tractor, localizar e identificar os


- A necessidade da transmissão. - Quadros didácticos. componentes da transmissão, explicando para que
serve cada um deles.
- Componentes básicos e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Localização e identificação dos componentes. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o TEMPO PREVISTO
tema. - 01.00 horas.
- Cuidados gerais a ter com a transmissão.
- Estojo de primeiros socorros.

TECNOLOGIA - Extintor de incêndio.


- Da transmissão e dos seus componentes.
- Mesa e quadro de projecção.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 16.1
EMBRAIAGEM 85

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Explicar o que é a embraiagem, seus tipos e - Perigos e/ou prejuízos resultantes do embraiar e
funcionamento. desembraiar bruscamente. - Mesa e quadro de projecção.

- Prejuízos resultantes da folga incorrecta do pedal - Um tractor.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO da embraiagem.
- Tipos de embraiagem, sua constituição, - Embraiagens de todos os tipos, mesmo que
funcionamento e manutenção. - Perigos e/ou prejuízos resultantes da má utilização usadas e/ou danificadas.
da embraiagem.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Manuais de instrução referentes aos vários tipos de
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente embraiagens.
- Desmontagens e montagens possíveis. manuseamento das peças.
- Mesa ou bancada.
- Cuidados gerais a ter com as embraiagens.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Conjunto de ferramentas.
- Comprovar e ajustar a folga do pedal da - Quadros didácticos.
embraiagem, de acordo com o fabricante. - Luvas e óculos de protecção.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Fita métrica.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Balde de plástico.
tema.
TECNOLOGIA
- Serradura ou areia.
- Das embraiagens. - Televisor.

- Vassoura e pincel.
- Localização e identificação das peças. - Vídeo e cassetes sobre o tema.

- Tina em latão ou plástico.


- Desgastes anormais. - DVD sobre o tema.

- Petróleo.
- Periodicidade da comprovação da folga e desgaste - Album seriado.
da embraiagem.
- Desperdício, água e sabão.
- Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 16.1 (continuação)

86 EMBRAIAGEM

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 4).

- Perante um tractor, identificar o seu tipo de


embraiagem, explicar as vantagens e os
inconvenientes entre os vários tipos, comprovar a
folga do pedal e, se necessário, ajustá-la.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 16.2
CAIXA DE VELOCIDADES 87

OBJECTIVO - Dos óleos e suas funções. - Vídeo e cassetes sobre o tema.


- Descrever a constituição, funcionamento e
manutenção da caixa de velocidades. - Periodicidade da mudança do óleo da caixa de - DVD sobre o tema.
velocidades, bem como da verificação do seu nível.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Explicar o que é e para que serve a caixa de - Caixas de velocidades de todos os tipos, em corte.
velocidades.
HIGIENE E SEGURANÇA - Estojo de primeiros socorros.
- Tipos de caixas de velocidades e suas diferenças. - Inconvenientes resultantes de uma má manutenção
das caixas de velocidades. - Extintor de incêndio.
- Constituição, funcionamento e manutenção das
- Perigos de escorregamento. - Mesa e quadro de projecção.
caixas de velocidades.

- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento - Um tractor.


- Nomenclatura das peças e suas funções.
da caixa de velocidades.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com as caixas de velocidades. manuseamento das peças.

- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.


- Fazer a mudança de óleo de uma caixa de
velocidades. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Óleo apropriado.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Balde de plástico.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Funil de plástico.
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Das caixas de velocidades. tema.
- Serradura ou areia.

- Localização e identificação das peças. - Televisor.


- Vassoura.
NOTA TÉCNICA Nº 16.2 (continuação)

88 CAIXA DE VELOCIDADES

- Tina de latão ou plástico.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 4).

- Perante um tractor, ou uma maqueta de caixa de


velocidades, identificar o seu tipo e explicar quantos
tipos mais existem, focando as vantagens e
inconvenientes entre eles.

- Num tractor, localizar os pontos de entrada, saída


e de nível do óleo da caixa de velocidades.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 16.3
DIFERENCIAL 89

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - DVD sobre o tema.


- Explicar a constituição, funcionamento e - Inconvenientes resultantes de uma má manutenção
manutenção do diferencial. do diferencial. - Maqueta do diferencial e dos vários tipos de
blocagem.
- Inconvenientes resultantes do deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO funcionamento do diferencial. - Estojo de primeiros socorros.
- Explicar, com clareza, para que serve, como funciona
e é constituído o diferencial. - Perigos e/ou prejuízos resultantes da má utilização - Extintor de incêndio.
da blocagem.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Mesa e quadro de projecção.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes de curvar com o
- Blocagem do diferencial. bloqueio ligado. - Um tractor.

- Bloquear e desbloquear. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Diferencial usado para desmontagem e montagem.
manuseamento das peças.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Mesa ou bancada.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Conjunto de ferramentas.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
TECNOLOGIA - Álbum seriado.
- Balde de plástico.
- Do diferencial e das blocagens.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Serradura.
- Localização e identificação das peças.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Vassoura e pincel.
- Periodicidade da mudança de óleo do diferencial, tema.
bem como da verificação do seu nível.
- Desperdício, água e sabão.
- Televisor.
- Dos gestos e posições correctas.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 16.3 (continuação)

90 DIFERENCIAL

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 5).

- Perante um tractor, localizar o diferencial e


especificar a sua função.

- Explicar o funcionamento da blocagem do


diferencial, focando as suas vantagens.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 16.4
REDUTOR FINAL 91

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Redutor final usado para desmontagem e


- Enunciar a constituição, funcionamento e funções - Inconvenientes do mau funcionamento de um montagem.
do redutor final. redutor final.
- Peças usadas de redutores finais.
- Inconvenientes resultantes do deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.
- Explicar, pormenorizadamente, o que é e para que
serve o redutor final. - Conjunto de ferramentas.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Constituição do redutor final e sua nomenclatura. - Quadros didácticos. - Luvas e óculos de protecção.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Álbum seriado. - Serradura.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Vassoura e pincel.

- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Desperdício, água e sabão.


TECNOLOGIA tema.
- Do redutor final.
- Televisor. AVALIAÇÃO
- Localização e identificação das peças e suas Aconselha-se:
funções. - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Avaliação formativa.
- Periodicidade da manutenção. - DVD sobre o tema.
- Perante um tractor, de preferência em corte, localizar
- Dos gestos e posições correctas. - Maqueta de redutor final. e identificar o redutor final, especificando a sua
função.
- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
NOTA TÉCNICA Nº 17
92 TOMADA DE FORÇA

OBJECTIVO - Manutenção e sua periodicidade. - DVD sobre o tema.


- Explicar o que é, para que serve e como funciona a
tomada de força (tdf). - Dos gestos e posições correctas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Estojo de primeiros socorros.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar, minuciosamente, o que é a tdf e que tipos - Prejuízos resultantes do funcionamento da tdf a - Extintor de incêndio.
existem. rotações não correctas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Apresentar os vários tipos existentes, sua - Perigos resultantes da não utilização da tampa de
protecção. - Um tractor com a tdf em perfeito estado de
constituição e nomenclatura.
funcionamento.
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo. - Inconvenientes resultantes de uma má manutenção
da tdf. - Tampa de protecção do veio da tdf.
- Funções das peças constituintes.
- Perigos resultantes do uso de roupas folgadas - Veios de tdf de 6 e 12 estrias.
- Funcionamento da tdf. e/ou dependuradas.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
manuseamento das peças.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Cuidados gerais a ter com a tdf. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Vestuário justo ao corpo.
- Quadros didácticos.
- Óleo apropriado.
TECNOLOGIA - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Da tdf.
- Tina de plástico ou latão.
- Televisor.
- Localização e identificação das peças constituintes.
- Balde de plástico.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 17 (continuação)

TOMADA DE FORÇA 93

- Funil de plástico.

- Serradura ou areia.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 5).

- Perante um tractor (com mais de 65 cv), identificar


o tipo de tdf que o equipa, falando sobre os
restantes tipos e suas vantagens e inconvenientes
em relação umas às outras.

- Ligar a tdf e seleccionar 540 e 1000 rpm.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 18
94 VEIOS TELESCÓPICOS DE CARDANS

OBJECTIVO TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Transmitir conhecimentos sobre os veios - Dos veios telescópicos de cardans. - Quadros didácticos.
telescópicos de cardans, incluindo o seu correcto
funcionamento e manutenção. - Localização e identificação das peças, sua - Retroprojector e transparências sobre o tema.
manutenção e periodicidade.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Ângulos e medidas lineares. tema.
- Explicar o que é e para que serve o veio
telescópico de cardans e seus tipos. - Dos gestos e posições correctas. - Álbum seriado.

- Constituição, nomenclatura das peças e suas - Estojo de primeiros socorros.


funções. HIGIENE E SEGURANÇA
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau - Extintor de incêndio.
- Explicar como se corta e cortar um veio. funcionamento dos veios.
- Mesa e quadro de projecção.
- Distancias mínimas de encaixe entre macho e - Prejuízos resultantes de uma má manutenção dos
veios. - Veios telescópicos de cardans de todos os tipos.
fêmea para que não façam de batente.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Mesa ou bancada.


- Ângulos máximos exigidos para o bom
funcionamento dos veios. funcionamento dos dispositivos de segurança e da
- Conjunto de ferramentas.
não existência de sistemas de protecção.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Serrote para cortar ferro.
- Perigos resultantes do uso de roupas folgadas
- Funcionamento e sistemas de protecção e e/ou dependuradas.
- Rebarbadora com disco de corte.
segurança.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Almotolia com óleo.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. manuseamento das peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Cuidados gerais a ter com os veios telescópicos
de cardans.
- Luvas e óculos de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 18 (continuação)

VEIOS TELESCÓPICOS DE CARDANS 95

- Fita métrica.

- Balde plástico.

- Serradura ou areia.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 5).

- Perante um veio telescópico de cardans, identificar


o seu tipo e explicar a sua constituição e
funcionamento.

- Engatar e desengatar o veio telescópico de


cardans na tdf do tractor.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 19
96 DIRECÇÃO

OBJECTIVO - Verificação da caixa da direcção e sua - Vídeo e cassetes sobre o tema.


- Explicar para que servem e como funcionam as periodicidade.
direcções. - DVD sobre o tema.
- Ângulos e medidas lineares.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Constituição, nomenclatura das peças e suas - Estojo de primeiros socorros.
funções.
HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.
- Tipos de comando de direcção. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
funcionamento da direcção. - Mesa e quadro de projecção.
- Caixas de direcção.
- Perigos resultantes do resvalamento do macaco ou - Direcções de todos os tipos.
- Verificar o nível de óleo na caixa da direcção. dos cepos.
- Direcções usadas para desmontar e montar.
- Rodas directrizes, convergência e incidência. - Prejuízos resultantes da falta de óleo na caixa da
- Mesa ou bancada.
direcção.
- Bitola e sua variação.
- Conjunto de ferramentas.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Desmontagens e montagens possíveis. manuseamento das peças.
- Macaco hidráulico.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Cepos ou preguiças.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Cuidados a ter com a elevação da máquina. - Quadros didácticos.
- Manuais de instrução das direcções existentes.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Almotolia com óleo.
TECNOLOGIA
- Da direcção. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Bomba de lubrificação atestada.
tema.
- Localização e identificação das peças.
- Serradura ou areia.
- Televisor.
NOTA TÉCNICA Nº 19 (continuação)

DIRECÇÃO 97

- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 6).

- Perante um tractor, identificar o tipo de direcção


que o equipa e explicar o seu funcionamento.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 19.1
98 EIXO DIANTEIRO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Bomba de lubrificação atestada.


- Enunciar a constituição, tipos e funções do eixo - Prejuízos resultantes de uma má lubrificação.
dianteiro. - Almotolia com óleo.
- Perigos de escorregamento.
- Tina em latão ou plástico.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Explicar o que é e para que serve o eixo dianteiro. manuseamento das peças. - Luvas e óculos de protecção.

- Constituição, nomenclatura das peças e suas - Desperdício, água e sabão.


funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Substituir e desmontar um copo de lubrificação. AVALIAÇÃO
- Retroprojector e transparências sobre o tema. Recomenda-se:
- Lubrificar o trem dianteiro.
- Um eixo dianteiro em corte. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 6).
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Estojo de primeiros socorros. - Frente a um tractor de 2 RM, identifique as peças
- Cuidados gerais a ter com o eixo dianteiro. do trem dianteiro e execute a sua lubrificação.
- Extintor de incêndio.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO


- Do eixo dianteiro. - 01.00 horas.
- Um tractor.
- Localização e identificação dos pontos a lubrificar
e periodicidade da lubrificação. - Mesa ou bancada.

- Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.


NOTA TÉCNICA Nº 20
RODAS 99

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Explicar a constituição de uma roda e suas - Perigos e/ou prejuízos resultantes de rodas mal
funções. conservadas. - Produtos anti-ferrugem.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do resvalamento - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO do macaco e/ou dos cepos ou preguiças.
- Explicar o que são e para que servem as rodas. - Macaco e cepos ou preguiças.
- Prejuízos resultantes da execução de trabalhos
- Tipos de rodas e de jantes. com a via desajustada. - Serradura, vassoura e pincel.

- Constituição, nomenclatura das peças e suas - Inconvenientes resultantes do deficiente - Desperdício, água e sabão.
funções. manuseamento das peças.

- Via traseira e sua variação. AVALIAÇÃO


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Sugere-se:
- Executar a variação da via. - Quadros didácticos.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 6).
- Desmontagens e montagens possíveis. - Rectroprojector e transparências sobre o tema.
- Perante um tractor convencional verificar a posição
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. em que a bitola se encontra e variá-la para maior
ou menor largura.
- Cuidados gerais a ter com as rodas. - Estojo de primeiros socorros.

- Cuidados a ter com a elevação da máquina. - Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO


- 01.00 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
TECNOLOGIA
- Das rodas. - Um tractor.

- Localização e identificação das peças. - Rodas e jantes de todos os tipos.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa ou bancada.


NOTA TÉCNICA Nº 20.1
100 PNEU – TIPOS E CONSTITUIÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Descrever um pneu e suas funções. - Prejuízos resultantes da escolha errada do tipo de Propõe-se:
pneu.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 6).
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é e para que serve um pneu, suas AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Perante um pneu, identificá-lo quanto à sua
características e constituição. - Quadros didácticos. constituição e explicar quais são as suas principais
características e funções.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Principais características de um pneu agrário. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
- Pneus diagonais e radiais - diferenças, vantagens e - Estojo de primeiros socorros.
inconvenientes.
- Extintor de incêndio.
- Grupos de pneus, características especiais e
campo de utilização. - Mesa e quadro de projecção.

- Luvas de protecção.
TECNOLOGIA
- Dos pneus. - Pneus de todos os tipos.

- Kg/cm2 - Mesa ou bancada.


NOTA TÉCNICA Nº 20.1.1
REFERÊNCIAS DOS PNEUS 101

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Especificar o significado das referências - Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de Recomenda-se:
apresentadas nos pneus. pneus incorrectos em relação às funções que
desempenham. - Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perante um tractor, identificar os pneus quanto às


- Explicar quais são os termos que intervêm na AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS suas referências e denominações.
denominação de um pneu. - Quadros didácticos.

- Tipos de referências e seus significados. - Retroprojector e transparências sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
- Álbum seriado.
TECNOLOGIA
- Dos pneus. - Estojo de primeiros socorros.

- Relação cm/polegadas. - Extintor de incêndio.

- Medidas lineares - Mesa e quadro de projecção.

- Luvas de protecção.

- Pneus com as referências bem visíveis.


NOTA TÉCNICA Nº 20.1.2
102 SUPERFÍCIES DE ROLAMENTO E PERFIS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Especificar as superfícies de rolamento e perfis - Inconvenientes resultantes da utilização de perfis Sugere-se:
que equipam os pneus e suas funções. impróprios para a realização de determinados
trabalhos. - Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Especificar e diferenciar os pneus de um tractor e


- Explicar o que é uma superfície de rolamento e um AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS de um reboque ou de uma enfardadeira.
perfil de um pneu. - Quadros didácticos.

- Tipos de perfis e suas utilizações. - Retroprojector e transparências sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
- Estojo de primeiros socorros.
TECNOLOGIA
- Dos pneus. - Extintor de incêndio.

- Capacidade de auto-limpeza. - Mesa e quadro de projecção.

- Pneus com todos os tipos de perfis.

- Mesa ou bancada.

- Luvas de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 20.1.3
ÍNDICES DE VELOCIDADE E DE CARGA 103

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Expressar os dados referenciados num pneu em - Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de Propõe-se:
relação à velocidade e capacidade de carga do pneus incorrectos em relação aos índices de
veículo. velocidade e carga. - Avaliação formativa.

- Perigos resultantes de exceder a velocidade e/ou - Perante um determinado pneu, caracterizá-lo


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO carga referenciada nos pneus. quanto à sua velocidade máxima e capacidade de
- Caracterização dos pneus referenciada em letras – carga.
sua interpretação em relação à velocidade.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Caracterização dos pneus referenciada em - Quadros didácticos. TEMPO PREVISTO
números – sua interpretação em relação à - 00.50 horas.
capacidade de carga. - Álbum seriado.

- Rectroprojector e transparências sobre o tema.


TECNOLOGIA
- Dos pneus. - Estojo de primeiros socorros.

- Km/hora. - Extintor de incêndio.

- Pesos. - Mesa e quadro de projecção.

- Dos gestos e posições correctas. - Pneus com várias referências de velocidades e


capacidades de transporte.

- Mesa ou bancada.

- Luvas de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 20.1.4
104 DESGASTES E DANIFICAÇÕES

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Pneus com desgastes irregulares e com cortes.


- Citar os motivos que concorrem para o desgaste - Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma má
prematuro dos pneus, assim como para outras manutenção dos pneus. - Mesa ou bancada.
danificações.
- Prejuízos resultantes do estacionamento ao sol. - Luvas e óculos de protecção.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes do contacto dos pneus com - Verniz de protecção para pneus.
- Factores determinantes no desgaste e danificação produtos corrosivos.
- Pó de talco.
dos pneus.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Manómetro.


- Tipos de desgastes.
- Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Tipos de danificações.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Produtos corrosivos para os pneus.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o AVALIAÇÃO
- Cuidados gerais a ter com os pneus. tema. Aconselha-se:

- Álbum seriado. - Avaliação formativa.


TECNOLOGIA
- Estojo de primeiros socorros. - Perante um pneu agrícola com desgastes irregulares,
- Dos pneus.
indicar a causa dos mesmos e forma de os evitar.
- Pesos e pressões. - Extintor de incêndio.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 20.2
LASTRAGEM 105

OBJECTIVO - Relação pressão – temperatura. - Um tractor com os pneus sem lastro.


- Especificar o que é e para que serve a lastragem e
saber lastrar. - Hidro-insuflador. - Mesa ou bancada.

- Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é a lastragem. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Fazer sentir a necessidade da lastragem, de - Perigos e/ou prejuízos resultantes da falta de - Pesos parra lastro de vários tipos.
acordo com o trabalho a realizar. aderência no trabalho.
- Bomba de ar.
- Vantagens do aumento da aderência. - Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma lastragem
incorrecta. - Manómetro.
- Tipos de lastros; vantagens e inconvenientes de
- Hidro-insuflador.
cada tipo.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Interiores de válvula e saca-interiores.
- Lastrar as rodas directrizes e motrizes com - Álbum seriado.
contrapesos.
- Vassoura e pincel.
- Rectroprojector e transparências sobre o tema.
- Lastrar as rodas motrizes com água.
- Torneira com água e mangueira com,
- Televisor.
aproximadamente, quatro metros.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Macaco hidráulico.

TECNOLOGIA - DVD sobre o tema.


- Cepos ou preguiças.
- Dos pneus e das câmaras de ar, se for caso disso.
- Estojo de primeiros socorros.
- Desperdício, água e sabão.
- Patinagens, percentagens, pressões e medidas
lineares. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 20.2 (continuação)

106 LASTRAGEM

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 6).

- Explicar o que é e para que serve a lastragem;


perante um tractor, executar a lastragem, com
água, a um dos pneus traseiros.

TEMPO PREVISTO
- 04.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 21
TRAVÕES – COMANDO DE ACCIONAMENTO E ÓGÃOS DE TRAVAGEM 107

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Enumerar a finalidade dos travões, sua classificação - Perigos resultantes da deslocação em estrada com
em relação ao comando dos mesmos e a patilha dos travões, de um tractor, desligada. - Mesa e quadro de projecção.
funcionamento dos órgãos de travagem.
- Perigos de escorregamento. - Um tractor.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Peças usadas de travões.
- Explicar a importância e a finalidade dos travões. manuseamento das peças.
- Comandos de accionamento e órgãos de travagem
- Tipos de travões, quanto ao comando de de todos os tipos.
accionamento e seu funcionamento. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Mesa ou bancada.
- Componentes de cada tipo, sua nomenclatura e
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Conjunto de ferramentas.
funções.

- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.


- Órgãos de travagem – tipos e funcionamento.
tema.
- Óleo de travões.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Televisor.
- Tina metálica ou de plástico.
- Distancia de travagem.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Petróleo.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- DVD sobre o tema.
- Serradura ou areia.

TECNOLOGIA - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.


- Vassoura e pincel.
- Dos travões.
- Maquetas de travões.
- Desperdício, água e sabão.
- Localização e identificação das peças.
- Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 21 (continuação)

108 TRAVÕES – COMANDO DE ACCIONAMENTO E ÓGÃOS DE TRAVAGEM

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação Formativa. (ex. exercício nº 6).

- Perante um tractor, identificar o tipo de travão que


o equipa e explicar o seu funcionamento; verificar
a folga dos pedais dos travões e, se necessário,
ajustá-la.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 21.1
ÓRGÃOS AUXILIARES 109

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Descrever os órgãos auxiliares de travagem e suas - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
funções. funcionamento, ou inexistência, dos órgãos - Luvas e óculos de protecção.
auxiliares de travagem.
- Tina metálica ou plástica.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar quais são e para que servem os órgãos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Petróleo.
auxiliares de travagem. - Quadros didácticos.
- Serradura ou areia.
- Composição e funcionamento dos órgãos - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Vassoura e pincel.
auxiliares de travagem.
- Televisor.
- Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. AVALIAÇÃO
Recomenda-se:
TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.
- Avaliação formativa.
- Dos travões.
- Extintor de incêndio.
- Com a ajuda de uma maqueta, explicar o
- Localização e identificação dos órgãos auxiliares
- Mesa e quadro de projecção. funcionamento de um órgão auxiliar de travagem.
de travagem.

- Dos gestos e posições correctas. - Órgãos auxiliares de travagem de todos os tipos.


TEMPO PREVISTO
- Mesa ou bancada. - 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 22
110 SISTEMAS HIDRÁULICOS

OBJECTIVO - Motores e acumuladores hidráulicos. - Maqueta do sistema de levantamento hidráulico.


- Explicar o que é e como funciona um sistema de
levantamento hidráulico. - Radiadores de óleo e tubagens. - Estojo de primeiros socorros.

- Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar os princípios dos líquidos nos quais se - Mesa e quadro de projecção.
baseia a hidráulica. HIGIENE E SEGURANÇA
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto - Um tractor com o sistema de levantamento
- Composição e funcionamento de um sistema manuseamento das peças. hidráulico em perfeito estado de funcionamento.
hidráulico.
- Prejuízos resultantes de uma má manutenção do - Mesa ou bancada.
- Nomenclatura dos componentes, tipos e funções. sistema.
- Conjunto de ferramentas.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Prejuízos resultantes do excesso de peso sobre o
sistema. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Óleo próprio para o hidráulico do tractor existente.
- Cuidados gerais a ter com um sistema de AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Filtros para o hidráulico.
levantamento hidráulico. - Quadros didácticos.

- Tina metálica ou de plástico.


- Retroprojector e transparências sobre o tema.
TECNOLOGIA
- Serradura ou areia.
- Do sistema de levantamento hidráulico. - Televisor.

- Vassoura e pincel.
- Localização e identificação dos componentes. - Vídeo e cassetes sobre o tema.

- Desperdício, água e sabão.


- Pressões e multiplicação de forças. - DVD sobre o tema.

- Depósitos, filtros, bombas, válvulas, cilindros, - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
tubagens e secções.
NOTA TÉCNICA Nº 22 (continuação)

SISTEMAS HIDRÁULICOS 111

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 7).

- Perante bons quadros didácticos, ou um tractor


em corte, identificar os componentes do sistema
hidráulico.

TEMPO PREVISTO
- 04.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 22.1
112 LIGAÇÃO TRACTOR – ALFAIA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Vassoura e pincel.


- Descrever as várias formas de ligação existentes - Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto
entre o tractor e as alfaias. manuseamento dos componentes. - Balde de plástico.

- Areia ou serradura.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Explicar as formas de ligação existentes entre o - Quadros didácticos. - Desperdício, água e sabão.
tractor e as alfaias.
- Álbum seriado.
- Composição e funcionamento das formas de AVALIAÇÃO
ligação, suas vantagens e/ou inconvenientes. - Retroprojector e transparências sobre o tema. Propõe-se:

- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 7).
tema.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Explicar os tipos de ligação das alfaias ao tractor e
- Estojo de primeiros socorros. executar a ligação entre uma alfaia rebocada e o
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. tractor existente para a avaliação.
- Extintor de incêndio.
- Cuidados gerais a ter com as formas de ligação
tractor – alfaia. - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
- Ligações tractor-alfaia de todos os tipos.
TECNOLOGIA
- Das formas de ligação tractor – alfaia. - Mesa ou bancada.

- Localização e identificação dos componentes. - Conjunto de ferramentas.

- Dos gestos e posições correctas. - Luvas e óculos de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 22.2
ENGATE DE TRÊS PONTOS 113

OBJECTIVO - Dos componentes electrónicos. - Maqueta do sistema de levantamento hidráulico


- Enunciar a constituição e o funcionamento do com o engate de 3 pontos.
engate de três pontos do sistema de levantamento - Pressões, pesos e forças.
hidráulico. - Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
- Extintor de incêndio.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o engate de três pontos do sistema de HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.
levantamento hidráulico. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto
manuseamento das peças. - Um tractor com o engate de 3 pontos completo e
- Constituição e funcionamento do engate de 3 em perfeito estado de funcionamento.
pontos do sistema de levantamento hidráulico. - Perigos e/ou prejuízos resultantes da má utilização
do engate de 3 pontos. - Um tractor com o sistema hidráulico gerido
- Executar trabalhos demonstrativos das electronicamente.
possibilidades do sistema hidráulico – convencional - Desvantagens resultantes da não utilização de
componentes electrónicos. - Mesa ou bancada.
e com componentes electrónicos.

- Conjunto de ferramentas.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Luvas e óculos de protecção.
- Desmontagens e montagens possíveis.

- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Alfaias para engatar ao sistema de levantamento


- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
hidráulico de 3 pontos.
- Componentes electrónicos e seu funcionamento. - Televisor.
- Almotolia com óleo.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Bomba de lubrificação atestada.
TECNOLOGIA
- Do sistema de levantamento hidráulico. - DVD sobre o tema.
- Vassoura e pincel.
- Localização e identificação dos componentes. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 22.2 (continuação)

114 ENGATE DE TRÊS PONTOS

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 7).

- Explicar, perante um tractor com engate de 3 pontos


traseiro, a sua constituição e funcionamento.

TEMPO PREVISTO
- 08.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 23
SISTEMA ELÉCTRICO 115

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Descrever os elementos do sistema eléctrico e - Do sistema eléctrico. tema.
elucidar sobre os pontos fundamentais da
electricidade. - Localização e identificação dos elementos do - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
sistema eléctrico.
- Maqueta do sistema eléctrico.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Átomos, moléculas, electrões, núcleo, neutrões e
- Fazer sentir a necessidade do sistema eléctrico protões. - Estojo de primeiros socorros.
nos tractores e máquinas automotrizes.
- Díodos, transístores e tirístores. - Extintor de incêndio.
- Principais elementos do sistema eléctrico e sua
- Volts, Amperes e Watts. - Mesa e quadro de projecção.
protecção.

- Dos gestos e posições correctas. - Um tractor com o sistema eléctrico em perfeito


- A corrente eléctrica e seus tipos.
estado de funcionamento.
- Explicar o que são e para que servem os condutores,
HIGIENE E SEGURANÇA - Sistema eléctrico completo de uma máquina
semicondutores, isoladores e fusíveis, seus tipos e
- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento automotriz e em perfeito estado de funcionamento.
componentes.
do sistema.
- Componentes usados do sistema eléctrico.
- Condensadores e bobinas – sua constituição e
funções. - Prejuízos resultantes do deficiente manuseamento
das peças. - Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
componentes e das suas peças. - Quadros didácticos.

- Desperdício, água e sabão.


- Retroprojector e transparências sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 23 (continuação)

116 SISTEMA ELÉCTRICO

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 8).

- Explicar, perante um tractor, quais são os


elementos constituintes do seu sistema eléctrico;
para um determinado circuito do tractor, identificar
o fusível correspondente, bem como o seu valor.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 23.1
SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SINALIZAÇÃO 117

OBJECTIVO - Medidas lineares. - Um tractor com o sistema de iluminação e


- Explicar o que é, para que serve e como funciona sinalização em perfeito estado de funcionamento.
o sistema de iluminação e sinalização, para que - Dos gestos e posições correctas.
sejam cumpridos todos os requisitos legais. - Lâmpadas e fusíveis.

HIGIENE E SEGURANÇA - Fita métrica.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de
- A necessidade do sistema de iluminação e faróis mal regulados, focando os perigos de - Régua graduada.
sinalização. encandeamento.
- Mesa ou bancada.
- Componentes do sistema, sua nomenclatura e - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
do sistema. - Conjunto de ferramentas.
funções.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Substituir lâmpadas e fusíveis e focar faróis.
manuseamento das peças.
- Desperdício, água e sabão.
- Luzes auxiliares – o que são e para que servem.

- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


AVALIAÇÃO
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. Aconselha-se:
- Álbum seriado.
- Cuidados gerais a ter com o sistema de iluminação - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 8).
e sinalização. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Perante um tractor, identificar e explicar quais são
- Estojo de primeiros socorros. as luzes obrigatórias e executar a focagem dos
TECNOLOGIA faróis.
- Do sistema de iluminação e sinalização. - Extintor de incêndio.

- Faróis, lâmpadas e fusíveis. - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
- Voltts e Amperes.
NOTA TÉCNICA Nº 23.2
118 MOTOR DE ARRANQUE

OBJECTIVO - Prejuízos resultantes da entrada de água para o - Mesa ou bancada.


- Explicar o que é, para que serve e como funciona motor de arranque.
o motor de arranque. - Conjunto de ferramentas.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
funcionamento das peças. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Componentes do motor de arranque. - Almotolia com óleo.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Quadros didácticos. - Lixa de esmeril.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Desperdício, água e sabão.

- Funcionamento do motor de arranque. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


tema. AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. Propõe-se:
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Cuidados gerais a ter com o motor de arranque. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 8).
- Estojo de primeiros socorros.
- Perante um tractor, localizar o motor de arranque e
TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. explicar o seu funcionamento.
- Do motor de arranque.
- Mesa e quadro de projecção. - Fazer encosto com uma bateria suplementar, a fim
- Localização e identificação dos componentes. de pôr o motor do tractor a trabalhar.
- Um tractor com o motor de arranque em perfeito
- Dos gestos e posições correctas. estado de funcionamento.
TEMPO PREVISTO
- Motor de arranque usado para desmontar e - 01.00 horas.
HIGIENE E SEGURANÇA montar.
- Prejuízos resultantes da não verificação periódica
do motor de arranque. - Uma bateria devidamente carregada.
NOTA TÉCNICA Nº 23.3
DISJUNTOR E REGULADOR 119

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Tina metálica ou plástica.


- Generalizar sobre o disjuntor e regulador de carga. - Quadros didácticos.
- Petróleo.
- Álbum seriado.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Vassoura e pincel.
- Explicar o que é, para que serve e como funciona - Retroprojector e transparências sobre o tema.
o disjuntor e o regulador. - Serradura ou areia.
- Televisor.
- O que é e para que serve o conjuntor-disjuntor. - Desperdício, água e sabão.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Constituição, nomenclatura dos componentes e
suas funções. - DVD sobre o tema. AVALIAÇÃO
Sugere-se:
- Desmontagens e montagens possíveis. - Estojo de primeiros socorros.
- Avaliação diagnostica. (ex. exercício nº 8).
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Extintor de incêndio.
- Perante bons quadros didácticos, ou imagens de
- Mesa e quadro de projecção. retroprojector, identificar os constituintes do disjuntor
TECNOLOGIA e do regulador e explicar o seu funcionamento.
- Uma bateria carregada.
- Do disjuntor, do regulador e do conjuntor-disjuntor.

- Mesa ou bancada. TEMPO PREVISTO


- Dos gestos e posições correctas.
- 00.50 horas.
- Conjunto de ferramentas.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
do disjuntor e do regulador.
- Almotolia com óleo.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


- Lixa de esmeril.
manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 23.4
120 DÍNAMO E ALTERNADOR

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Descrever o funcionamento e diferenças entre um - Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento
dínamo e um alternador. de um dínamo ou um alternador com a correia - Um dínamo e 1 alternador em perfeito estado de
demasiado frouxa ou demasiado esticada. funcionamento.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes da entrada de água para o - Dínamos e alternadores usados para desmontar e
- Explicar para que serve o dínamo e o alternador e interior de um dínamo ou de um alternador. montar.
quais as diferenças fundamentais entre eles.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da efectivação - Uma bateria descarregada.
- Constituição do dínamo e do alternador, de soldaduras sem desligar o alternador.
nomenclatura dos componentes e suas funções. - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Vantagens e inconvenientes entre um e outro e sua manuseamento das peças. - Tina metálica ou de plástico.
manutenção.
- Petróleo.
- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Almotolia com óleo.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Lixa de esmeril.
- Álbum seriado.
- Cuidados gerais a ter com os dínamos e com os
- Um quadrado de plástico com, aproximadamente,
alternadores. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
meio metro de lado.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Desperdício, água e sabão.
TECNOLOGIA tema.
- Dos dínamos e dos alternadores.
- Estojo de primeiros socorros.
- Localização e identificação dos componentes.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 23.4 (continuação)

DÍNAMO E ALTERNADOR 121

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 8).

- Perante um alternador e um dínamo, identificar a


sua constituição e funcionamento, focando as
diferenças entre ambos.

- Enumerar os cuidados a ter em conta com o


alternador. Desligar e voltar a ligar os condutores
eléctricos do alternador.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 23.5
122 BATERIA

OBJECTIVO - Electrólito, hidrogénio, densidade, voltagem e AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Explicar o que é, para que serve e como funciona amperagem. - Quadros didácticos.
uma bateria.
- Dos gestos e posições correctas. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Descrever o que é uma bateria e quais as suas HIGIENE E SEGURANÇA tema.
funções. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção
da bateria. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Tipo de baterias e seu funcionamento.
- Perigo de explosão pela aproximação de uma - Uma bateria em corte.
- Constituição, nomenclatura dos componentes e chama, especialmente quando a bateria se encontra
suas funções. à carga. - Estojo de primeiros socorros.

- Comprovação do nível do electrólito. - Inconvenientes resultantes do nível incorrecto do - Extintor de incêndio.


electrólito.
- Desligar e ligar correctamente uma bateria. - Mesa e quadro de projecção.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do contacto do
- Colocar uma bateria à carga. - Baterias de ambos os tipos em perfeito estado de
electrólito com a roupa ou corpo.
funcionamento.
- Fazer uma ligação em série e outra em paralelo. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do contacto de
- Peças usadas de baterias.
objectos metálicos com os bornes.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mesa ou bancada.
- Perigos resultantes da não desobstrução dos
- Cuidados gerais a ter com uma bateria. orifícios das tampas dos vasos das baterias
- Conjunto de ferramentas.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto


TECNOLOGIA - Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
manuseamento das peças.
- Das baterias.
- Um espelho.
- Localização e identificação dos componentes.
NOTA TÉCNICA Nº 23.5 (continuação)

BATERIA 123

- Um carregador de baterias. AVALIAÇÃO


Aconselha-se:
- Electrólito.
- Avaliação formativa. (ex. exercício nº 8).
- Voltímetro.
- Perante uma bateria, explicar a sua constituição e
- Densímetro. proceder à sua manutenção semanal.

- Água destilada. - Perante duas baterias de 12 Volts cada, executar


uma ligação em série.
- Vaselina industrial.

- Escova de arame. TEMPO PREVISTO


- 02.00 horas.
- Palitos.

- Areia ou serradura.

- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 24
124 PAINEL DE INSTRUMENTOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Componentes usados de painéis de instrumentos.


- Expressar a extraordinária importância do painel de - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
instrumentos. funcionamento do painel de instrumentos. - Mesa ou bancada.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Especificar o que é e para que serve o painel de - Luvas e óculos de protecção.
instrumentos.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Serradura.
- Tipos de painéis de instrumentos. - Quadros didácticos.
- Vassoura e pincel.
- Componentes de um painel de instrumentos. - Álbum seriado.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Verificação geral do painel de instrumentos. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o AVALIAÇÃO


tema. Propõe-se:
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (ex. exercício nº 9).
- Cuidados gerais a ter com o painel de instrumentos.
- Extintor de incêndio. - Perante um tractor, identificar os indicadores do
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. seu painel de instrumentos e suas funções.
- Mesa e quadro de projecção.

TECNOLOGIA - Um tractor com o painel de instrumentos em TEMPO PREVISTO


- Do painel de instrumentos. perfeito estado de funcionamento. - 01.00 horas.

- Localização e identificação dos componentes. - Painéis de instrumentos em perfeito estado de


funcionamento.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 25
ESTRUTURAS DE SEGURANÇA 125

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Directivas comunitárias nº 89/392/CEE e


- Generalizar sobre estruturas de segurança e - Perigos e/ou prejuízos resultantes da não existência 91/368/CEE, bem como outras relacionadas com
reconhecer a necessidade da sua existência, a fim de estruturas de segurança. o assunto que entretanto apareçam.
de se atenuarem os efeitos dos acidentes.
- Inconvenientes resultantes do não cumprimento - Mesa ou bancada.
das directivas comunitárias.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Conjunto de ferramentas.
- Falar sobre os acidentes com tractores mais comuns
em Portugal e suas causas. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Luvas de protecção.
- Quadros didácticos.
- Apresentar o maior número possível de ilustrações - Desperdício, água e sabão.
sobre os casos focados. - Álbum seriado.

- Forma de evitar os acidentes focados. - Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO


Sugere-se:
Estruturas de segurança existentes: - Televisor.
- arcos, quadros e cabines de segurança; - Avaliação diagnostica. (ex. exercício nº 9).
- diferenças entre elas. - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Perante uma estrutura de segurança e uma estrutura
- Montagem e funcionamento das estruturas de - DVD sobre o tema. de protecção, explicar quais são as suas diferenças.
segurança.
- Estojo de primeiros socorros.
- Cuidados a ter com o manuseamento das TEMPO PREVISTO
- Extintor de incêndio. - 02.00 horas.
estruturas.

- Mesa e quadro de projecção.


- Directivas comunitárias sobre o assunto.

- Estruturas de segurança de todos os tipos.

TECNOLOGIA
- Um tractor equipado com uma estrutura de
- Da prevenção e das estruturas de segurança.
segurança.
NOTA TÉCNICA Nº 26
126 REBOQUES AGRÍCOLAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Almotolia com óleo.


- Explicar a constituição, funcionamento e - Perigos resultantes da incorrecta utilização dos
manutenção dos reboques agrícolas. reboques agrícolas. - Bomba de lubrificação atestada.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO utilização dos reboques agrícolas.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Água sob pressão.

- Cuidados a ter com o manuseamento dos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Ar comprimido.


componentes. - Quadros didácticos.
- Manómetro de pressão.
- Diferenças entre reboque e semi-reboque e seus - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.
tipos.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Vantagens e inconvenientes dos vários tipos. tema.
AVALIAÇÃO
- Cuidados gerais a ter com os reboques agrícolas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. Recomenda-se:

- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 10).


TECNOLOGIA
- Extintor de incêndio. - Perante um tractor e um semi-reboque, proceder
- Dos reboques agrícolas.
ao seu engate e desengate e executar, ao
- Localização e identificação dos componentes. - Mesa e quadro de projecção. semi-reboque, a manutenção semanal.

- Periodicidade das manutenções. - Reboques agrícolas de todos os tipos.


TEMPO PREVISTO
- Dos pneus, dos pesos e das pressões. - Mesa ou bancada. - 02.00 horas.

- Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.


NOTA TÉCNICA Nº 27
CHARRUAS – GENERALIDADES 127

OBJECTIVO TECNOLOGIA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre os porquês da mobilização do - Das lavouras. - Aconselha-se uma avaliação diagnostica.
solo e historial do aparecimento do arado até ao (Ex: exercício nº 10).
nascimento da charrua.
HIGIENE E SEGURANÇA - Explicar o que é uma lavoura e, perante o terreno
- Prejuízos resultantes de uma exposição pouco que tiver à sua frente, dizer que tipo de charrua
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO consistente. utilizaria.
- História dos trabalhos de mobilização do solo.
Do trabalho com as mãos às charruas.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS TEMPO PREVISTO
- Épocas dos trabalhos na agricultura. - Quadros didácticos. - 00.50 horas.

- Explicar o que é uma lavoura e quais os seus - Retroprojector e transparências sobre o tema.
objectivos.
- Estojo de primeiros socorros.
- Leivas.
- Extintor de incêndio.
- Tipos de charruas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Órgãos activos e não activos de uma charrua.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1
128 CHARRUAS DE AIVECAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre o trabalho das charruas de - Prejuízos resultantes de leivas deficientes. - Aconselha-se avaliação diagnostica.
aivecas.
- Explicar o que são leivas.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos.
- Falar sobre os princípios base da execução de TEMPO PREVISTO
uma lavoura. - Álbum seriado. - 01.00 horas.

- A formação das leivas. - Rectroprojector e transparências sobre o tema.

- Profundidade, largura de corte e ângulo de - Estojo de primeiros socorros.


arejamento.
- Extintor de incêndio.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção.


- Da lavoura.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Gretas e fracturas. tema.

- Medidas lineares, ângulos e graus.


NOTA TÉCNICA Nº 27.1.1
PEÇAS DAS CHARRUAS DE AIVECAS 129

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Enumerar as peças das charruas de aivecas e suas - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente Recomenda-se:
funções. manuseamento das peças.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 10).

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Perante uma charrua de aivecas, identificar as
- Peças constituintes das charruas de aivecas. - Quadros didácticos. peças activas e explicar as suas funções.

- Peças activas e não activas. - Retroprojector e transparências sobre o tema.


TEMPO PREVISTO
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - 00.50 horas.
tema.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Cuidados gerais a ter com o manuseamento das
peças. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
TECNOLOGIA
- Das charruas de aivecas. - Mesa e quadro de projecção.

- Localização e identificação das peças. - Charruas de aivecas de todos os tipos e com todos
os seus órgãos.
- Medidas lineares, ângulos e graus.
- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.
- Conjunto de ferramentas.

- Luvas de protecção.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 27.1.2
130 CLASSIFICAÇÃO DAS CHARRUAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Luvas e óculos de protecção.


- Classificar os vários tipos de charruas existentes - Perigos e/ou prejuízos resultantes de um deficiente
no mercado. manuseamento das peças durante as desmontagens - Vassoura e pincel.
e montagens.
- Desperdício, água e sabão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar como se classificam as charruas segundo MATERIAL NECESSÁRIO
a sua união com o tractor. - Quadros didácticos. AVALIAÇÃO
- Sugere-se a avaliação sumativa. (Ex: exercício nº 10).
- Explicar como se classificam as charruas segundo - Retroprojector e transparências sobre o tema.
a movimentação das suas peças activas. - Perante bons quadros didácticos, classifique as
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o charruas segundo a movimentação das peças
- Tipos de charruas existentes, em relação à tema. activas.
movimentação das peças activas.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Desmontagens e montagens possíveis. TEMPO PREVISTO
- Estojo de primeiros socorros. - 00.50 horas.
- Cuidados gerais a ter com o manuseamento das
peças. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


TECNOLOGIA
- Dos tipos de charruas. - Charruas de todas as classificações em perfeito
estado de funcionamento.
- Localização e identificação das peças de cada tipo.
- Mesa ou bancada.
- Medidas lineares, ângulos e graus.
- Conjunto de ferramentas.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1.3
CHARRUAS COM LARGURA DE CORTE VARIÁVEL E DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA 131

OBJECTIVO - Medidas lineares, ângulos, graus e polegadas. - Estojo de primeiros socorros.


- Especificar o funcionamento das charruas de corte
variável, bem como os diferentes dispositivos de - Das molas, dos parafusos e dos fusíveis. - Extintor de incêndio.
segurança existentes e seu funcionamento.
- Dos gestos e posições correctas. - Mesa e quadro de projecção.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Um tractor.


- Explicar o que é, como funciona e quais as HIGIENE E SEGURANÇA
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Charruas de variação de corte em perfeito estado
vantagens de uma charrua com variação da largura
manuseamento das peças. de funcionamento.
de corte.

- Prejuízos resultantes da utilização de sistemas de - Charruas com todos os tipos de sistemas de


- Ajustar os ângulos de corte da charrua.
segurança desapropriados. segurança.
- Explicar os diferentes sistemas de segurança
- Terreno para a execução de trabalhos
existentes e o seu funcionamento.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS demonstrativos.
- Constituição, nomenclatura dos componentes e - Quadros didácticos.
- Mesa ou bancada.
suas funções.
- Álbum seriado.
- Conjunto de ferramentas.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Rectroprojector e transparências sobre o tema.
- Luvas e óculos de protecção.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Televisor.
- Vassoura e pincel.

TECNOLOGIA - Vídeo e cassetes sobre o tema.


- Desperdício, água e sabão.
- Das charruas de variação do corte e dos sistemas
- DVD sobre o tema.
de segurança.

- Localização e identificação dos componentes.


NOTA TÉCNICA Nº 27.1.3 (continuação)

132 CHARRUAS COM LARGURA DE CORTE VARIÁVEL E DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 10).

- Perante uma charrua com largura de corte variável,


alterar e ajustar os ângulos de corte e fazer
experimentação prática no terreno.

- Perante uma charrua equipada com dispositivo de


segurança, identificar o tipo de dispositivo e explicar
o seu funcionamento.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1.4
FORÇAS EXERCIDAS SOBRE A CHARRUA DE AIVECAS 133

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Terreno para executar trabalhos práticos de


- Enumerar as forças que actuam no conjunto - Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto demonstração.
tractor-alfaia, bem como a forma de as alterar manuseamento das peças.
quando necessário. - Mesa ou bancada.
- Prejuízos resultantes de uma força mal exercida
sobre uma charrua. - Conjunto de ferramentas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar quais são as forças que actuam no - Luvas e óculos de protecção.
conjunto tractor-alfaia. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Vassoura e pincel.
- Modo de actuação das forças e forma de as
- Rectroprojector e transparências sobre o tema. - Desperdício, água e sabão.
alterar.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Televisor.


AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter durante as demonstrações. - DVD sobre o tema. Recomenda-se:

- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - Avaliação formativa.


TECNOLOGIA
- Estojo de primeiros socorros. - Demonstrar o efeito das forças que actuam no
- Das charruas de aivecas.
conjunto tractor-alfaia, efectuando as alterações
- Profundidades. - Extintor de incêndio. possíveis.

- Forças de tracção, medidas lineares, resistências e - Mesa e quadro de projecção.


pressões. TEMPO PREVISTO
- Um tractor. - 00.50 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Uma charrua de aivecas em perfeito estado de
funcionamento.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1.5
134 DIMENSÕES DAS CHARRUAS DE AIVECAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Fita métrica.


- Determinar as diferentes dimensões das charruas - Prejuízos resultantes de medições incorrectas.
de aivecas e forma de as medir. - Vassoura e pincel.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos.
- Explicar as diferentes medidas, de interesse para o
trabalho, existentes numa charrua de aivecas. - Álbum seriado. AVALIAÇÃO
Sugere-se:
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa.
- Executar as medições necessárias. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema. - Perante uma charrua de aivecas, alterar e medir as
- Alterar as dimensões que forem alteráveis. dimensões existentes.
- Estojo de primeiros socorros.
- Cuidados a ter na execução e alteração das
dimensões. - Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
TECNOLOGIA
- Das charruas de aivecas. - Charruas de aivecas de diferentes dimensões em
perfeito estado de funcionamento.
- Localização e identificação dos pontos onde se
processam as medições e respectivas alterações. - Mesa ou bancada.

- Medidas lineares e “polegadas”. - Conjunto de ferramentas.

- Dos gestos e posições correctas. - Luvas e óculos de protecção.


NOTA TÉCNICA Nº 27.1.6
REGULAÇÕES DAS CHARRUAS DE AIVECAS 135

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção.


- Transmitir, de forma clara, a necessidade de se - Das charruas de aivecas.
regular correctamente uma charrua. - Um tractor.
- Da variação da via.
- Uma charrua em perfeito estado de
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Medidas lineares, ângulos e graus. funcionamento.
- Engatar uma charrua a um tractor segundo a
ordem correcta. - Localização e identificação das peças. - Terreno para a execução e demonstração das
regulações.
- Explicar quais as regulações necessárias. - Dos gestos e posições correctas.
- Mesa ou bancada.
- Explicar o porquê das regulações.
HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos resultantes de uma deficiente elevação do
tractor. - Luvas e óculos de protecção.
- Executar todas as regulações.
- Prejuízos resultantes do trabalho com uma charrua - Fita métrica.
- Fazer trabalhos comparativos com a charrua mal regulada.
regulada e desregulada. - Régua.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Técnicas a utilizar. manuseamento das peças. - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.

- Desregular e voltar a regular. - Macaco.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Se necessário, variar a via do tractor. - Cepos ou preguiças.
- Álbum seriado.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Vassoura e pincel.


- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Desperdício, água e sabão.


- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1.6 (continuação)

136 REGULAÇÕES DAS CHARRUAS DE AIVECAS

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 10).

- Engatar uma charrua de aivecas a um tractor e


executar todas as regulações.

TEMPO PREVISTO
- 08.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 27.1.7
CHARRUAS REBOCADAS 137

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Régua e fita métrica.


- Explicar o funcionamento e as regulações das - Quadros didácticos.
charruas de aivecas rebocadas. - Vassoura e pincel.
- Álbum seriado.
- Desperdício, água e sabão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Constituição das charruas rebocadas.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o AVALIAÇÃO
– Dispositivos de levantamento e de puxo. tema. Recomenda-se:

- Nomenclatura dos componentes e suas funções. - Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 10).

- Explicar as regulações a efectuar e efectuá-las. - Extintor de incêndio. - Numa charrua rebocada, efectuar as regulações
possíveis.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Mesa e quadro de projecção.

- Um tractor. TEMPO PREVISTO


TECNOLOGIA - 00.50 horas.
- Das charruas de aivecas rebocadas. - Uma charrua rebocada em perfeito estado de
funcionamento.
- Localização e identificação das peças.
- Terreno para executar as demonstrações práticas
- Dos gestos e posições correctas. necessárias.

- Mesa ou bancada.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes do trabalho com uma charrua - Conjunto de ferramentas.
rebocada mal regulada.
- Luvas e óculos de protecção.
- Prejuízos resultantes do deficiente manuseamento
- Cordel com cerca de 6 metros.
das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 27.2
138 CHARRUAS DE DISCOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Vassoura e pincel.


- Explicar o que é, como aparece e funciona a - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
charrua de discos. manuseamento das peças. - Fita métrica.

- Desperdício, água e sabão.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Órgãos constituintes, nomenclatura dos órgãos e - Quadros didácticos.
suas funções. AVALIAÇÃO
- Álbum seriado. Recomenda-se:
- Dimensões que caracterizam um disco e suas
medições. - Retroprojector e transparências sobre o tema. - Avaliação diagnostica (Ex: exercício nº 11).

- Ângulos de corte e incidência. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Na presença de uma charrua de discos, indicar os
tema. órgãos constituintes, bem como as suas funções.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Estojo de primeiros socorros. - Explicar o que é um ângulo de corte e um ângulo
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. de ataque.
- Extintor de incêndio.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO


- Das charruas de discos. - 01.00 horas.
- Charruas de discos de todos os tipos.
- Localização e identificação das peças.
- Mesa ou bancada.
- Medidas lineares, ângulos e graus.
- Conjunto de ferramentas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Luvas e óculos de protecção.
NOTA TÉCNICA Nº 27.2.1
REGULAÇÕES DAS CHARRUAS DE DISCOS 139

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Fita métrica.


- Transmitir, de forma clara, a necessidade de regular - Prejuízos resultantes do trabalho com uma charrua
correctamente uma charrua de discos. desregulada. - Régua.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do incorrecto - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Engatar uma charrua de discos, em perfeito estado - Macaco.
de funcionamento, a um tractor.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Cepos ou preguiças.
- Explicar as regulações necessárias, seus porquês e - Album seriado.
- Vassoura e pincel.
executá-las.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Estojo de primeiros socorros.
- Fazer trabalhos comparativos com a charrua
- Extintor de incêndio. AVALIAÇÃO
regulada e desregulada.
Sugere-se:
- Técnicas de utilização. - Mesa e quadro de projecção.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 11).
- Variar a via, se necessário. - Um tractor.
- Engatar a charrua ao tractor, e executar todas as
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Uma charrua de discos em perfeito estado de regulações.
funcionamento.
- No terreno, exemplificar o trabalho com a charrua
TECNOLOGIA - Terreno para lavrar e executar as regulações regulada e desregulada.
- Das charruas de discos. necessárias.

- Medidas lineares, ângulos e graus. - Mesa ou bancada. TEMPO PREVISTO


- 04.00 horas.
- Localização e identificação das peças. - Conjunto de ferramentas.

- Dos gestos e posições correctas. - Luvas e óculos de protecção.


NOTA TÉCNICA Nº 27.2.2
140 VANTAGENS E INCONVENIENTES DAS CHARRUAS DE DISCOS SOBRE AS DE AIVECAS

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Enumerar as vantagens e os inconvenientes das - Quadros didácticos. - Aconselha-se a avaliação formativa. (Ex: exercício
charruas de discos. nº 11).
- Album seriado.
- Perante um determinado terreno, com determinadas
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Retroprojector e transparências sobre o tema. características, usaria uma charrua de discos ou de
- Explicar concretamente quais são as vantagens e aivecas e porquê.
os inconvenientes das charruas de discos. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Opção entre discos ou aivecas. TEMPO PREVISTO
- Televisor. - 00.50 horas.

TECNOLOGIA - DVD sobre o tema.


- Das charruas de discos e de aivecas.
- Mesa e quadro de projecção.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes de uma exposição não
totalmente clara e evidente sobre a matéria.
NOTA TÉCNICA Nº 27.3
CHARRUAS ESPECIAIS 141

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Especificar o que são charruas especiais e sua - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
classificação. manuseamento das peças. - Luvas e óculos de protecção.

- Prejuízos resultantes da incorrecta utilização das - Vassoura e pincel.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO charruas especiais.
- Explicar o que são charruas especiais. - Fita métrica.

- Classificação das charruas especiais. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.
- Quadros didácticos.
- De acordo com a classificação, quais são, sua - Desperdício, água e sabão.
constituição e funções. - Álbum seriado.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO


Recomenda-se:
- Cuidados a ter durante as desmontagens e - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
montagens. tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 11).

- Executar trabalhos com as charruas especiais - Estojo de primeiros socorros. - Perante várias charruas especiais disponíveis,
disponíveis. identificá-las, especificando o seu funcionamento
- Extintor de incêndio. e funções.
- Variar a via, se necessário.
- Mesa e quadro de projecção.
TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - Um tractor. - 02.00 horas.
- Das charruas especiais.
- Charruas especiais em perfeito estado de
- Localização e identificação das peças. funcionamento.

- Medidas lineares, ângulos e graus. - Terreno para trabalhos práticos demonstrativos.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa ou bancada.


NOTA TÉCNICA Nº 27.4
142 VELOCIDADES E MANUTENÇÃO DAS CHARRUAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Almotolia com óleo.


- Definir as velocidades de trabalho ideais com as - Perigos e/ou prejuízos resultantes de um incorrecto
charruas e sua manutenção. manuseamento dos materiais necessários à - Vassoura e pincel.
manutenção.
- Desperdício, água e sabão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- De acordo com as condições existentes, elucidar
sobre quais as velocidades de trabalho ideais para AVALIAÇÃO
cada caso. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Sugere-se:
- Álbum seriado.
- Cuidados de manutenção a ter com as charruas. - Avaliação formativa.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Fazer a manutenção correcta a uma charrua. - Perante uma charrua, executar a sua manutenção
- Estojo de primeiros socorros. semanal.
- Cuidados a ter durante a manutenção.
- Extintor de incêndio.
TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. - 00.50 horas.
- Das charruas.
- Charruas para executar a manutenção.
- Oxidações.
- Mesa ou bancada.
- Km/h.
- Conjunto de ferramentas.
- Periodicidade das manutenções.
- Luvas e óculos de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
- Bomba de lubrificação atestada.
NOTA TÉCNICA Nº 28
GRADES – GENERALIDADES 143

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre os efeitos e benefícios da - Quadros didácticos. - Aconselha-se uma avaliação diagnostica.
gradagem. (Ex: exercício nº 12).
- Rectroprojector e transparências sobre o tema.
- Explicar o que são grades e suas funções.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Explicar o que é uma gradagem e quais os seus tema.
objectivos. TEMPO PREVISTO
- Estojo de primeiros socorros. - 01.00 horas.
- Grades existentes de acordo com o tipo de tracção.
- Extintor de incêndio.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção.


- Das grades.
- Grades com diferentes tipos de tracção.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes de uma exposição
pouco consisa.
NOTA TÉCNICA Nº 28.1
144 GRADES DE ARRASTO

OBJECTIVO - Ângulos e graus. - Grades de arrasto de todos os tipos.


- Especificar os tipos, constituição e funções das
grades de arrasto. - tdf e veios telescópicos de cardans. - Terrenos para a execução de trabalhos práticos de
demonstração.
- Dos gestos e posições correctas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Mesa ou bancada.
- Explicar quais são as peças activas das grades de
arrasto e seus formatos. HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Tipos de grades de arrasto, suas utilizações e manuseamento das peças. - Luvas e óculos de protecção.
órgãos constituintes.
- Prejuízos resultantes da não utilização da grade - Vassoura e pincel.
- Apresentação comparativa dos vários tipos. apropriada em relação ao serviço a efectuar.
- Fita métrica.
- Nomenclatura dos órgãos e suas funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Álbum seriado. AVALIAÇÃO


Recomenda-se:
- Rectroprojector e transparências sobre o tema.
TECNOLOGIA - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).
- Das grades de arrasto. - Estojo de primeiros socorros.
- Perante uma grade de arrasto, identificar o seu
- Localização e identificação dos órgãos e suas - Extintor de incêndio. tipo, constituição e funções.
peças.
- Mesa e quadro de projecção.
- Triângulos, trapézios e paralelogramos. TEMPO PREVISTO
- Um tractor em perfeito estado de funcionamento. - 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 28.2
GRADES ROLANTES 145

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Descrever os tipos, constituição e funções das - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
grades rolantes. manuseamento das peças. - Fita métrica.

- Prejuízos resultantes da não utilização da grade - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO apropriada em relação ao serviço a efectuar.
- Tipos de grades rolantes, peças activas e suas - Vassoura e pincel.
utilizações.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.
- Apresentação comparativa dos vários tipos de - Quadros didácticos.
grades rolantes e seus órgãos constituintes.
- Álbum seriado. AVALIAÇÃO
- Apresentação comparativa entre os diferentes Recomenda-se:
serviços. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).
- Nomenclatura dos órgãos e suas funções. - Estojo de primeiros socorros.
- Perante várias grades rolantes (mesmo com a
- Desmontagens e montagens possíveis. - Extintor de incêndio. ajuda de boas imagens), identificá-las, explicar
e localizar os seus órgãos constituintes, bem como
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Mesa e quadro de projecção. as suas funções.

- Um tractor em perfeito estado de funcionamento.


TECNOLOGIA TEMPO PREVISTO
- Das grades rolantes. - Grades rolantes de todos os tipos. - 00.50 horas.

- Localização e identificação dos órgãos e das peças. - Terreno para a execução de trabalhos práticos e
demonstrativos.
- Medidas lineares e Km/h.
- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 28.3
146 REGULAÇÕES DAS GRADES

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Um tractor.


- Reconhecer a necessidade de regular correctamente - Das grades.
qualquer grade. - Grades de todos os tipos em perfeito estado de
- Dos veios telescópicos de cardans. funcionamento.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Localização e identificação das peças. - Terreno para trabalhos práticos e de demonstração.
- Engatar uma grade a um tractor.
- Medidas lineares, Km/h, ângulos e graus. - Mesa ou bancada.
- Explicar quais as regulações, seus porquês e
executá-las. - Dos gestos e posições correctas. - Conjunto de ferramentas.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Luvas e óculos de protecção.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Fazer trabalhos comparativos com a grade regulada - Prejuízos resultantes do trabalho com uma grade - Fita métrica.
e desregulada. mal regulada.
- Régua.
- Técnicas de utilização. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Cordel com, aproximadamente, 6 m.
- Desregular e voltar a regular.
- Macaco hidráulico.
- Variar a via, se necessário. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Cepos ou preguiças.
- Álbum seriado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Desperdício, água e sabão.


- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 28.3 (continuação)

REGULAÇÕES DAS GRADES 147

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).

- Engatar uma grade ao tractor e executar


correctamente todas as regulações.

- No terreno, exemplificar o trabalho da grade com


as diferentes regulações.

TEMPO PREVISTO
- 06.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 28.4
148 SEGURANÇA E MANUTENÇÃO DAS GRADES

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Expressar a necessidade da segurança e - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. Aconselha-se:
manutenção com as grades.
- Perigos de escorregamento. - Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Numa grade de discos, executar a manutenção
- Normas gerais de segurança a atender em relação manuseamento das peças. diária e semanal.
às grades.

- Cuidados de manutenção a ter com as grades. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS TEMPO PREVISTO
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - 00.50 horas.
- Executar manutenção a grades.
- Estojo de primeiros socorros.
- Cuidados gerais a ter com o manuseamento das
peças. - Extintor de incêndio.

- Grades para a execução de manutenção.


TECNOLOGIA
- Das grades. - Mesa ou bancada.

- Oxidações. - Conjunto de ferramentas.

- Periodicidade das manutenções. - Luvas e óculos de protecção.

- Dos gestos e posições correctas. - Almotolia com óleo.

- Bomba de lubrificação atestada.

- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 29
ESCARIFICADORES – GENERALIDADES 149

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Descrever a importância da escarificação e dos - Prejuízos resultantes de uma exposição do tema - Aconselha-se a avaliação diagnostica.
escarificadores. mal conduzida. (Ex: exercício nº 12).

- Especificar e determinar as principais utilizações


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS dos escarificadores, de acordo com as realidades
- Explicar a composição do escarificador. - Quadros didácticos. concretas.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Retroprojector e transparências sobre o tema.


TEMPO PREVISTO
- Aplicações do escarificador. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - 00.50 horas.
tema.

TECNOLOGIA - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.


- Dos escarificadores.
- Estojo de primeiros socorros.
- Localização e identificação das peças.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
- Mesa e quadro de projecção.

- Escarificador “completo”.
NOTA TÉCNICA Nº 29.1
150 PEÇAS ACTIVAS DOS ESCARIFICADORES

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Bicos de escarificador de todos os tipos.


- Enumerar os tipos e funções das peças activas - Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do bico.
dos escarificadores. - Terreno para a execução de trabalhos práticos
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente demonstrativos.
manuseamento das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Mesa ou bancada.
- Explicar quais são as peças activas dos
escarificadores e seus tipos. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Conjunto de ferramentas.
- Quadros didácticos.
- Formatos dos bicos, nomenclatura e utilizações. - Luvas e óculos de protecção.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Execução de trabalhos comparativos com os - Desperdício, água e sabão.
vários tipos de bicos. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Desmontagens e montagens possíveis. AVALIAÇÃO
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. Recomenda-se:
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).

TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. - No campo e perante um escarificador, comparar o


- Dos escarificadores e dos bicos. trabalho realizado pelos diferentes bicos que se lhe
- Mesa e quadro de projecção. podem montar.
- Localização e identificação das peças activas.
- Um tractor.
- Dos gestos e posições correctas. TEMPO PREVISTO
- Um escarificador. - 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 29.2
TIPOS DE ESCARIFICADORES 151

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Escarificadores de todos os tipos.


- Descrever os diferentes tipos de escarificadores - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
existentes e suas utilizações. manuseamento das peças. - Terreno para a execução de trabalhos
demonstrativos.
- Prejuízos resultantes da escolha errada do tipo de
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO escarificador para uma determinada função. - Desperdício, água e sabão.
- Explicar quais os tipos de escarificadores existentes
e suas funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO
- Apresentação comparativa dos vários tipos - Quadros didácticos. Aconselha-se:
existentes.
- Album seriado. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Identificar um determinado escarificador, com
- Execução de trabalhos comparativos. demonstração do seu trabalho no campo.
- Estojo de primeiros socorros.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO
- Desmontagens e montagens possíveis. - 00.50 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mesa ou bancada.

TECNOLOGIA - Conjunto de ferramentas.


- Dos escarificadores.
- Luvas e óculos de protecção.
- Localização e identificação das peças.
- Um tractor.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 29.3
152 REGULAÇÕES DOS ESCARIFICADORES

OBJECTIVO - Localização e identificação das peças. - Terreno para a execução de trabalhos


- Especificar todas as regulações necessárias a um demonstrativos.
escarificador. - Medidas lineares e km/h.
- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Conjunto de ferramentas.
- Engatar a um tractor escarificadores de vários
tipos. HIGIENE E SEGURANÇA - Fita métrica.
- Prejuízos resultantes do trabalho com um
- Explicar as regulações necessárias e seus porquês. escarificador mal regulado. - Régua.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.
manuseamento das peças.
- Executar todas as regulações. - Desperdício, água e sabão.

- Fazer trabalhos comparativos com um escarificador AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


regulado e desregulado. - Album seriado. AVALIAÇÃO
Sugere-se:
- Técnicas de utilização. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Avaliação formativa.
- Variar a via, se necessário. - Estojo de primeiros socorros.
- Engatar um escarificador a um tractor e executar,
- Desregular e voltar a regular. - Extintor de incêndio. no terreno, todas as regulações, explicando os
seus porquês.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Mesa e quadro de projecção.

- Luvas e óculos de protecção. TEMPO PREVISTO


TECNOLOGIA - 02.00 horas.
- Dos escarificadores. - Um tractor.

- Tipos e técnicas de engate. - Escarificadores de vários tipos.


NOTA TÉCNICA Nº 29.4
VELOCIDADES E MANUTENÇÃO DOS ESCARIFICADORES 153

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Bomba de lubrificação atestada.


- Definir as velocidades de trabalho mais convenientes - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
com os escarificadores e sua manutenção. - Vassoura e pincel.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Desperdício, água e sabão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- De acordo com os condicionalismos existentes, - Perigos de escorregamento.
explicar quais as velocidades de trabalho ideais AVALIAÇÃO
com os escarificadores. Aconselha-se:
AJUDAS VISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Factores que condicionam a velocidade de trabalho - Album seriado. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).
dos escarificadores.
- Estojo de primeiros socorros. - Num escarificador, executar a manutenção diária e
- Cuidados de manutenção a ter com os semanal.
escarificadores. - Extintor de incêndio.

- Fazer a manutenção necessária. - Um tractor. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Escarificadores em perfeito estado de
funcionamento.

TECNOLOGIA - Mesa ou bancada.


- Dos escarificadores.
- Conjunto de ferramentas.
- Medidas lineares e km/h.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Oxidações.
- Almotolia com óleo.
- Periodicidade da manutenção.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 30
154 SUBSOLADORES

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o que é e para que serve um subsolador. - Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo
de subsolador. - Conjunto de ferramentas.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Luvas de protecção.


- Tipos de subsoladores.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Almotolia com óleo.
- Apresentação prática e comparativa dos vários tipos. manuseamento das peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Vassoura e pincel.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Cuidados de manutenção a ter com os - Retroprojector e transparências sobre o tema.
subsoladores.
- Televisão. AVALIAÇÃO
- Executar a manutenção necessária. Recomenda-se:
- DVD sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Avaliação formativa.
- Estojo de primeiros socorros.
- Explicar o que é um subsolador, principais
TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. objectivos da subsolagem e, com um, executar
- Dos subsoladores. uma demonstração prática.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização e identificação das peças.
- Um tractor. TEMPO PREVISTO
- Oxidações. - 00.50 horas.
- Subsoladores.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 31
ROLOS – GENERALIDADES E TIPOS 155

OBJECTIVO - Medidas lineares e km/h. - Rolos de todos os tipos.


- Expressar a importância da rolagem e dar a
conhecer os diferentes tipos de rolos e seu trabalho - Dos gestos e posições correctas. - Elementos usados de rolos.
específico.
- Mesa ou bancada.
HIGIENE E SEGURANÇA
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Prejuízos resultantes da escolha errada do tipo de - Conjunto de ferramentas.
- Explicar o que é e para que serve a rolagem. rolo.
- Luvas e óculos de protecção.
- Tipos de rolos, sua constituição e funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Desperdício, água e sabão.
- Apresentação comparativa dos vários tipos.

- Velocidades de trabalho. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Quadros didácticos. Recomenda-se:
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 12).
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Televisão. - Identificar um determinado tipo de rolo, bem como
- Escolha do tipo de rolo de acordo com os fins em a sua constituição e funções.
vista. - DVD sobre o tema.
- Explicar quais são os restantes tipos de rolos
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Estojo de primeiros socorros. existentes, fazendo a comparação entre os seus
trabalhos.
- Extintor de incêndio.
TECNOLOGIA
- Dos rolos. - Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
- Localização e identificação das peças. - Um tractor.
NOTA TÉCNICA Nº 31.1
156 REGULAÇÕES E MANUTENÇÃO DOS ROLOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Especificar as regulações necessárias dos rolos, - Prejuízos resultantes do trabalho com um rolo mal
bem como a sua manutenção. regulado. - Luvas e óculos de protecção.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Fita métrica.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Com um rolo engatado a um tractor, explicar e - Perigos de escorregamento. - Régua.
executar as regulações necessárias, explicando os
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.
seus porquês.
manuseamento das peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Fazer trabalhos comparativos entre vários tipos de
rolos com eles regulados e desregulados.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Almotolia com óleo.

- Técnicas de utilização. - Álbum seriado.


- Vassoura e pincel.

- Variar a via, se necessário. - Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Desperdício, água e sabão.

- Executar as manutenções necessárias. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio. AVALIAÇÃO


- Cuidados a ter com o manuseamento dos rolos.
Aconselha-se:
- Mesa e quadro de projecção.
- Avaliação formativa.
TECNOLOGIA
- Dos rolos. - Um tractor.
- Perante um rolo engatado ao tractor, identificar
- Rolos de todos os tipos. o tipo e proceder às respectivas regulações e
- Localização e identificação das peças.
manutenção.
- Oxidações. - Terreno para a execução de trabalhos práticos
demonstrativos.
- Periodicidade das manutenções. TEMPO PREVISTO
- Mesa ou bancada. - 02.00 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 32
ENXADA MECÂNICA 157

OBJECTIVO - Medidas lineares e km/h. - Mesa e quadro de projecção.


- Descrever o que é e como funciona uma enxada
mecânica. - Dos gestos e posições correctas. - Um tractor.

- Uma enxada mecânica em perfeito estado de


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA funcionamento.
- Explicar o que é e que serviço executa uma enxada - Prejuízos resultantes do funcionamento de uma
mecânica. enxada mecânica mal regulada. - Terreno para a execução de trabalhos práticos de
demonstração.
- Peças activas e seu funcionamento. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Mesa ou bancada.
- Regulações, velocidades de trabalho e potência - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
necessária. manuseamento das peças. - Conjunto de ferramentas.

- Execução de trabalhos práticos. - Perigos de escorregamento. - Luvas e óculos de protecção.

- Cuidados de manutenção. - Almotolia com óleo.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos. - Bomba de lubrificação atestada.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Álbum seriado. - Fita métrica.

- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Régua.


TECNOLOGIA
- Televisor. - Cordel com, aproximadamente, 6 metros.
- Da enxada mecânica.

- Vídeo e cassetes sobre o tema. - Vassoura e pincel.


- Dos veios telescópicos de cardans.

- Estojo de primeiros socorros. - Desperdício, água e sabão.


- Localização e identificação das peças.

- Oxidações. - Extintor de incêndio.


NOTA TÉCNICA Nº 32 (continuação)

158 ENXADA MECÂNICA

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 13).

- Com uma enxada mecânica, executar uma


demonstração prática, calculando a velocidade
de avanço de acordo com o terreno.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 33
FRESAS – GENERALIDADES, VANTAGENS E INCONVENIENTES 159

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre o aparecimento da fresa, modo - Inconvenientes resultantes da utilização de facas Sugere-se:
de funcionamento e suas vantagens e desapropriadas para o fim em vista.
inconvenientes. - Avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 13).
- Inconvenientes resultantes de uma exposição
pouco clara. - Perante uma fresa, identificar as facas montadas e
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO especificar a sua utilização.
- Falar sobre o aparecimento da fresa e sua posterior
difusão. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. TEMPO PREVISTO
- Forma como a fresa mobiliza o solo. - 01.00 horas.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Tipos de facas e suas utilizações.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Velocidades de trabalho e potência necessária. tema.

- Vantagens e inconvenientes das fresas. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Estojo de primeiros socorros.


TECNOLOGIA
- Das fresas. - Extintor de incêndio.

- Medidas lineares, km/h e potências. - Mesa e quadro de projecção.

- Dos gestos e posições correctas. - Uma fresa.

- Facas de fresa de todos os tipos.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 33.1
160 TIPOS DE FRESAS E SUA CONSTITUIÇÃO

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Especificar os diferentes tipos de fresas existentes, - Quadros didácticos. Aconselha-se:
sua constituição e funcionamento.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 13).

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. - Perante uma fresa, identifique o seu tipo e
- Apresentação comparativa dos vários tipos de utilizações, enumerando e indicando os pontos
fresas e seu funcionamento. - Estojo de primeiros socorros. a proteger para evitar acidentes.

- Peças activas e não activas. - Extintor de incêndio.


TEMPO PREVISTO
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Mesa e quadro de projecção. - 00.50 horas.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Fresas de todos os tipos.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Peças usadas de fresas.

- Mesa ou bancada.
TECNOLOGIA
- Conjunto de ferramentas.
- Das fresas.

- Luvas e óculos de protecção.


- Localização e identificação das peças.

- Vassoura e pincel.
- Dos gestos e posições correctas.

- Desperdício, água e sabão.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 33.2
REGULAÇÕES DAS FRESAS 161

OBJECTIVO - Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.


- Explicar e executar as regulações necessárias,
ponderando os seus porquês. - Medidas lineares, km/h, ângulos, graus, tdf, r.p.m. - Mesa e quadro de projecção.
e regra de três simples.
- Um tractor.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Engatar a um tractor fresas de todos os tipos. - Fresas de todos os tipos.

- Fazer trabalhos comparativos com uma fresa HIGIENE E SEGURANÇA - Terreno para a execução de trabalhos práticos.
regulada e desregulada. - Prejuízos resultantes da escolha errada do tipo de
fresa. - Mesa ou bancada.
- Técnicas de utilização.
- Prejuízos resultantes do trabalho com uma fresa - Conjunto de ferramentas
- Variar a via, se necessário. mal regulada e mal utilizada.
- Luvas e óculos de protecção.
- Desregular e voltar a regular. - Perigos resultantes em andar atrás de uma fresa
- Fita métrica.
em trabalho com o avental levantado.
- Determinar o número de golpes por metro quadrado
- Régua.
de cada faca, bem como o número de facas por - Para além da imperfeição do trabalho, prejuízos
metro de largura de trabalho. para o grupo cónico resultantes da montagem das
- Cordel com, aproximadamente, 6 metros.
facas com a espiral incorrecta.
- Montagem correcta das facas.
- Conta rotações.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.


TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Das fresas. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Dos veios telescópicos de cardans. - Estojo de primeiros socorros.


NOTA TÉCNICA Nº 33.2 (continuação)

162 REGULAÇÕES DAS FRESAS

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 13).

- Engatar uma fresa ao tractor e, em função do


terreno disponível, fresar e proceder a todas as
regulações possíveis, especificando os seus
porquês.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 33.3
MANUTENÇÃO DAS FRESAS 163

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Especificar a manutenção correcta e necessária de - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. Sugere-se:
uma fresa.
- Perigos de escorregamento. - Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Perante uma fresa, executar a sua manutenção
- Cuidados de manutenção a ter com uma fresa e manuseamento das peças. diária, semanal e de fim de campanha.
seus porquês.

- Executar a manutenção necessária. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS TEMPO PREVISTO


- Álbum seriado. - 01.00 horas.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Estojo de primeiros socorros.

TECNOLOGIA - Extintor de incêndio.


- Das fresas.
- Fresas de vários tipos.
- Periodicidade da manutenção.
- Mesa ou bancada.
- Oxidações.
- Conjunto de ferramentas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Luvas e óculos de protecção.

- Vassoura e pincel.

- Almotolia com óleo.

- Bomba de lubrificação atestada.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 34
164 EQUIPAMENTOS DE FERTILIZAÇÃO – GENERALIDADES SOBRE OS FERTILIZANTES E TIPOS DE EQUIPAMENTOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Calçado de borracha, boné, óculos e luvas de


- Generalizar sobre a necessidade e vantagens de - Prejuízos resultantes do depauperamento do solo. protecção.
uma correcta fertilização, bem como dos diferentes
tipos de fertilizantes existentes e sua influência nos - Prejuízos resultantes de uma deficiente fertilização. - Mesa ou bancada.
distribuidores.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da corrosão. - Vassoura e pincel.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente - Desperdício, água e sabão.
- Alertar para a necessidade de uma correcta manipulação dos fertilizantes.
fertilização, focando o interesse daí resultante face
AVALIAÇÃO
ao sucessivo depauperamento do solo.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Recomenda-se:
- Tipos de fertilizantes, suas características e - Quadros didácticos.
- Avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 14).
correcta manipulação.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Identificar três tipos de fertilizantes diferentes,
- Tipos de distribuidores de fertilizantes.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o indicando o tipo de distribuidor mais aconselhado
- Comparação entre os diferentes tipos de fertilizantes tema. para cada um.
e dos seus distribuidores.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
TEMPO PREVISTO
- Estojo de primeiros socorros. - 01.00 horas.
TECNOLOGIA
- Dos fertilizantes e sua manipulação.
- Extintor de incêndio.

- Oxidação e corrosão.
- Mesa e quadro de projecção.

- Dos gestos e posições correctas.


- Fertilizantes de todos os tipos.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1
DISTRIBUIDORES DE FERTILIZANTES SÓLIDOS – tremonhas e agitadores 165

OBJECTIVO - Oxidação, corrosão e figuras geométricas. - Tremonhas e agitadores de todos os tipos.


- Explicar o que são e para que servem as tremonhas
e os agitadores. - Dos gestos e posições correctas. - Mesa ou bancada.

- Conjunto de ferramentas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de tremonhas, suas capacidades e formatos. - Vantagens e inconvenientes resultantes da grande - Luvas e óculos de protecção.
ou pequena capacidade das tremonhas.
- Tipos de agitadores. - Mangueira com agulheta.
- Prejuízos resultantes de uma deficiente agitação do
- Apresentação comparativa entre os tipos de fertilizante na tremonha. - Água sob pressão.
tremonhas e de agitadores, suas vantagens
- Prejuízos resultantes de uma deficiente limpeza das - Almotolia com óleo.
e inconvenientes.
tremonhas e dos agitadores.
- Óleo queimado.
- Cuidados a ter com as tremonhas e com os
agitadores. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Bomba de lubrificação atestada.
manuseamento das peças.
- Funcionamento e manutenção.
- Desperdício, água e sabão.
- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
AVALIAÇÃO
- Cuidados gerais a ter com o manuseamento das
- Aconselha-se avaliação formativa.
peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Explicar a função do agitador no interior da


- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tremonha.
TECNOLOGIA tema.
- Das tremonhas, dos agitadores e dos seus materiais.
- Estojo de primeiros socorros.
TEMPO PREVISTO
- Localização e identificação das tremonhas e dos
- Extintor de incêndio. - 01.00 horas.
agitadores.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 34.1.1
166 DISTRIBUIÇÃO POR GRAVIDADE

OBJECTIVO - Oxidação, corrosão, figuras geométricas e regra de - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar o que é e como funciona a distribuição três simples.
por gravidade nos distribuidores de fertilizantes - Um tractor.
respectivos. - Dos gestos e posições correctas.
- Fertilizantes sólidos.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA - Distribuidores de fertilizantes sólidos de todos os


- Tipos de distribuidores por gravidade, sua - Prejuízos resultantes do deficiente funcionamento tipos.
constituição e funcionamento. dos distribuidores por gravidade.
- Terreno para a execução de trabalhos práticos.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas - Perigos resultantes dos órgãos em movimento e do
uso de roupas folgadas. - Mesa ou bancada.
vantagens e inconvenientes.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Conjunto de ferramentas.


- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Fita métrica.


- Desmontagens e montagens possíveis.
manuseamento das peças.
- Balança.
- Regulações e manutenção.

- Calçado de borracha, luvas, boné e óculos de


- Técnicas de utilização. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
protecção.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mangueira com agulheta.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Água sob pressão.


TECNOLOGIA - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Dos distribuidores por gravidade.
- Vassoura e pincel.
- Estojo de primeiros socorros.
- Localização e identificação dos órgãos e peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Extintor de incêndio.
- Periodicidade da manutenção.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1.1 (continuação)

DISTRIBUIÇÃO POR GRAVIDADE 167

- Almotolia com óleo.

- Óleo queimado.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Perante quadros didácticos, explicar o funcionamento


destes distribuidores.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1.2
168 DISTRIBUIÇÃO CENTRÍFUGA

OBJECTIVO TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Enunciar o funcionamento da distribuição centrífuga, - Dos distribuidores centrífugos e da força centrífuga. - Quadros didácticos.
focando as suas vantagens e inconvenientes.
- tdf, tractómetro, r.p.m., Km/hora e Kg/hectare. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Medidas lineares e regra de três simples. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Explicar o que é um distribuidor centrífugo. tema.
- Largura de distribuição – largura de trabalho –
- Tipos de distribuidores centrífugos existentes, sua sobreposição. - Televisor.
constituição e funcionamento.
- Localização e identificação das peças. - DVD sobre o tema.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas
vantagens e inconvenientes. - Periodicidade da manutenção. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.

- Regulações e manutenção. - Extintor de incêndio.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Técnicas de utilização. - Prejuízos resultantes do mau funcionamento da - Mesa e quadro de projecção.
distribuição centrífuga.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Um tractor.
- Prejuízos resultantes de uma incorrecta
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. sobreposição do fertilizante. - Distribuidores centrífugos de todos os tipos.

- Determinação prática da quantidade de fertilizante - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Fertilizantes.
a distribuir por hectare.
- Perigos resultantes dos órgãos em movimento e do - Terreno para a execução de trabalhos práticos.
uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1.2 (continuação)

DISTRIBUIÇÃO CENTRÍFUGA 169

- Balança. AVALIAÇÃO
Aconselha-se:
- Fita métrica.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 14).
- Conta-rotações.
- Perante um distribuidor centrífugo, identificar o seu
- Calçado de borracha, boné, luvas e óculos de tipo, explicar o funcionamento e fazer um ensaio
protecção. de distribuição.

- Sacos de plástico pequenos.


TEMPO PREVISTO
- Oleado. - 02.00 horas.

- Bomba de lubrificação atestada.

- Almotolia com óleo.

- Óleo queimado.

- Mangueira com agulheta.

- Água sob pressão.

- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 34.1.3
170 DISTRIBUIÇÃO PNEUMÁTICA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Terreno e/ou culturas para fertilizar.


- Explicar o funcionamento e constituição dos - Prejuízos resultantes do mau funcionamento da
distribuidores pneumáticos. distribuição pneumática. - Mesa ou bancada.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos com os órgãos em movimento e com o - Fita métrica.
uso de roupas folgadas.
- Vantagens e inconvenientes dos distribuidores - Balança.
pneumáticos. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Conta-rotações.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Oleado.
- Regulações e manutenção. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Calçado de borracha, boné, luvas e óculos de
- Quadros didácticos.
- Técnicas de utilização. protecção.
- Álbum seriado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Mangueira com agulheta.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Água sob pressão.
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Vassoura e pincel.
- Dos distribuidores pneumáticos. tema.

- Almotolia com óleo.


- Localização e identificação das peças. - Estojo de primeiros socorros.

- Bomba de lubrificação atestada.


- tdf, tractómetro, r.p.m., km/hora e kg/hectare. - Extintor de incêndio.

- Óleo queimado.
- Medidas lineares e regra de três simples. - Mesa e quadro de projecção.

- Desperdício, água e sabão.


- Periodicidade da manutenção. - Um tractor.

- Dos gestos e posições correctas. - Um distribuidor pneumático e fertilizante.


NOTA TÉCNICA Nº 34.1.3 (continuação)

DISTRIBUIÇÃO PNEUMÁTICA 171

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Regular um distribuidor pneumático em função do


fertilizante e das condições do terreno.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1.4
172 LOCALIZADORES

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Enumerar os diferentes tipos de localizadores de - Dos localizadores. tema.
fertilizantes existentes e quais as vantagens
resultantes da fertilização localizada. - Localização e identificação das peças. - Estojo de primeiros socorros.

- tdf, tractómetro, r.p.m., km/hora e Kg/hectare. - Extintor de incêndio.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é a fertilização localizada e suas - Medidas lineares, perímetro e regra de três simples. - Mesa e quadro de projecção.
vantagens.
- Dos gestos e posições correctas. - Um tractor.
- Tipos de localizadores, sua constituição e
- Conta rotações.
funcionamento.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes do deficiente - Fertilizantes.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas
vantagens e inconvenientes. funcionamento dos localizadores.
- Localizadores de todos os tipos.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Mesa ou bancada.

- Determinação prática de quantidades de fertilizante - Perigos com os órgãos em movimento e com o


uso de roupas folgadas. - Conjunto de ferramentas.
a distribuir por hectare.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Balança.


- Regulações e manutenção.
manuseamento das peças.
- Fita métrica.
- Técnicas de utilização.
- Calçado de borracha, boné, luvas e óculos de
- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
protecção.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.
- Álbum seriado.

- Mangueira com agulheta.


- Retroprojector e transparências sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 34.1.4 (continuação)

LOCALIZADORES 173

- Sacos de plástico pequenos.

- Oleado.

- Água sob pressão.

- Bomba de lubrificação atestada.

- Almotolia com óleo.

- Óleo queimado.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa.

- Perante um determinado localizador, explicar a sua


constituição e funcionamento e, em função da
cultura, determinar a quantidade de fertilizante a
distribuir por hectare.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 34.2
174 DISTRIBUIDORES DE FERTILIZANTES LÍQUIDOS – FORMAS DE APLICAÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre as diferentes formas de aplicação - Prejuízos resultantes da deficiente manipulação - Sugere-se a avaliação diagnostica.
dos fertilizantes líquidos, seu armazenamento e e do incorrecto armezanamento dos fertilizantes
transporte. líquidos. - Explique como se pode fazer a aplicação com
distribuidores de fertilizantes líquidos.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manutenção dos recipientes de transporte e
- Explicar o que são fertilizantes líquidos, suas armazenamento. TEMPO PREVISTO
vantagens e formas de aplicação. - 01.00 horas.

- Cuidados a ter com a manipulação dos fertilizantes AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


líquidos e com o seu armazenamento e transporte. - Quadros didácticos.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


TECNOLOGIA
- Dos fertilizantes líquidos e da sua manipulação. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Dos recipientes de armazenamento e transporte.
- Televisor.
- Oxidação, corrosão e abrasão.
- Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Dos gestos e posições correctas.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 34.2.1
TIPOS DE DISTRIBUIDORES 175

OBJECTIVO - Pressões, aspirações e gravidade. - Televisor.


- Enumerar os distribuidores de fertilizantes líquidos
existentes e seu funcionamento. - Misturas, oxidação e corrosão. - DVD sobre o tema.

- Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Tipos de distribuidores de fertilizantes líquidos, sua - Extintor de incêndio.
constituição e funcionamento. HIGIENE E SEGURANÇA
- Inconvenientes resultantes da escolha incorrecta - Mesa e quadro de projecção.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas do tipo de distribuidor.
- Um tractor.
vantagens e inconvenientes.
- Prejuízos resultantes da deficiente utilização dos
distribuidores de fertilizantes líquidos - Fertilizantes líquidos.
- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Prejuízos resultantes da deficiente manutenção dos - Distribuidores de todos os tipos.


- Cuidados gerais a ter com os distribuidores de
fertilizantes líquidos. distribuidores.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
manuseamento das peças.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Corante.
- Pôr distribuidores a funcionar com água corada. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Botas de borracha, boné, fato de oleado, óculos e
- Quadros didácticos.
luvas de protecção.
- Determinação prática da altura de enchimento de
uma cisterna. - Álbum seriado.
- Bomba de lubrificação atestada.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Almotolia com óleo.
TECNOLOGIA
- Dos distribuidores de fertilizantes líquidos. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Óleo queimado.
tema.
- Localização e identificação das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 34.2.1 (continuação)

176 TIPOS DE DISTRIBUIDORES

- Mangueira com agulheta.

- Água sob pressão.

- Fita métrica.

- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Proceder ao enchimento de uma cisterna, com


posterior distribuição calculando a área fertilizada.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 34.3
DISTRIBUIDORES DE ESTRUME – TIPOS, CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO 177

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Enunciar a composição e o funcionamento dos - Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo
distribuidores de estrume. de distribuidor. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO e do uso de roupas folgadas.
- Explicar o que é e para que serve um distribuidor - Desperdício, água e sabão.
de estrume. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças.
- Tipos de distribuidores de estrume, sua composição AVALIAÇÃO
e funcionamento. Sugere-se:
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Quadros didácticos. - Avaliação diagnostica.

- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas - Álbum seriado. - Perante um distribuidor de estrume, indicar os
vantagens e inconvenientes. órgãos de distribuição, sua nomenclatura e funções.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Tipos de distribuidores e suas vantagens e
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o inconvenientes.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças e tema.
dos estrumes.
- Estojo de primeiros socorros. TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
TECNOLOGIA - Extintor de incêndio.
- Dos distribuidores de estrume e dos estrumes.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização e identificação das peças.
- Distribuidores de estrume de todos os tipos.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 34.3.1
178 REGULAÇÕES E MANUTENÇÃO

OBJECTIVO - Prejuízos resultantes de uma deficiente - Conta rotações.


- Fazer correctamente a regulação e manutenção manutenção.
dos distribuidores de estrume. - Bomba de lubrificação atestada.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Almotolia com óleo.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Álbum seriado.
Num distribuidor de estrume determinar praticamente: - Óleo queimado.
- tempo que leva a despejar; - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Mangueira com agulheta.
- distância percorrida até ao esvaziamento total;
- quantidade de estrume distribuído por hectare. - Estojo de primeiros socorros.
- Água sob pressão.

- Técnicas de utilização. - Extintor de incêndio.


- Vassoura e pincel.

- Fazer a manutenção necessária. - Mesa e quadro de projecção.


- Desperdício, água e sabão.
- Um tractor.
TECNOLOGIA
- Estrume. AVALIAÇÃO
- Periodicidade da manutenção.
Recomenda-se:
- Um distribuidor de estrume em perfeito estado de
- Medidas lineares, km/hora, kg/hectare e toneladas.
funcionamento. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 14).

- tdf, tractómetro, r.p.m. e regra de três simples.


- Terreno para as execuções práticas. - Perante um determinado distribuidor de estrume,
calcular a quantidade de estrume a distribuir por
- Dos gestos e posições correctas.
- Mesa ou bancada. hectare e proceder à sua distribuição.
Posteriormente fazer, ao distribuidor, a sua
- Conjunto de ferramentas. manutenção completa.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes da deficiente regulação de um
- Calçado de borracha, luvas e óculos de protecção.
distribuidor.
TEMPO PREVISTO
- Fita métrica. - 03.00 horas.
- Perigos resultantes para quem se coloque atrás de
um distribuidor em funcionamento.
NOTA TÉCNICA Nº 34.4
ESPALHADORES DE ESTRUME 179

OBJECTIVO - Periodicidade da manutenção. - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar o que são e como funcionam os
espalhadores de estrume. - Dos gestos e posições correctas. - Um tractor.

- Estrume colocado em montes e em cordões.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de espalhadores de estrume, constituição e - Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento - Espalhadores de estrume de todos os tipos.
funcionamento. e do uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Apresentação comparativa entre o trabalho dos - Perigos para quem se colocar na zona de projecção
do estrume. - Conjunto de ferramentas.
vários tipos.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Fita métrica.


- Estudo dos diferentes órgãos, nomenclatura das
peças e suas funções.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conta-rotações.
- Desmontagens e montagens possíveis. manuseamento das peças.
- Calçado de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Executar a manutenção necessária.
- Bomba de lubrificação atestada.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Quadros didácticos.
- Almotolia com óleo.

- Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Óleo queimado.
TECNOLOGIA
- Dos espalhadores de estrume. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Mangueira com agulheta.
tema.
- Localização e identificação das peças.
- Água sob pressão.
- Estojo de primeiros socorros.
- tdf, r.p.m., oxidação e corrosão.
- Vassoura e pincel.
- Extintor de incêndio.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 34.4 (continuação)

180 ESPALHADORES DE ESTRUME

AVALIAÇÃO
- Aconselha-se a avaliação formativa.

- Perante um espalhador de estrume, identifique o


tipo, explique o seu funcionamento e enuncie os
restantes tipos existentes.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 35
SEMEADORES – GENERALIDADES, TIPOS, CONSTITUIÇÃO E MANUTENÇÃO 181

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Extintor de incêndio.


- Generalizar sobre as vantagens de uma boa - Dos semeadores e da sementeira.
sementeira, tipos de semeadores e sua utilização e - Mesa e quadro de projecção.
manutenção. - Localização e identificação das peças.
- Semeadores de todos os tipos.
- Periodicidade da manutenção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Mesa ou bancada.
- Tipos de sementeiras e forma de as executar. - Dos gestos e posições correctas.
- Conjunto de ferramentas.
- Vantagens da sementeira mecânica.
HIGIENE E SEGURANÇA - Manómetro de pressão.
- Condições necessárias para a boa execução de - Prejuízos resultantes, para a sementeira mecânica,
de uma deficiente preparação do terreno. - Luvas e óculos de protecção.
uma sementeira mecânica.

- Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo - Bomba de lubrificação atestada.


- Tipos de semeadores, sua constituição e
funcionamento. de semeador.
- Almotolia com óleo.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Óleo queimado.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Mangueira com agulheta.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Apresentação comparativa dos vários tipos de - Quadros didácticos.
- Água sob pressão.
semeadores e suas utilizações preferenciais.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.
- Cuidados de manutenção.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. tema.

- Estojo de primeiros socorros.


NOTA TÉCNICA Nº 35 (continuação)

182 SEMEADORES – GENERALIDADES, TIPOS, CONSTITUIÇÃO E MANUTENÇÃO

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação diagnostica.

- Explicar as vantagens da sementeira mecânica


sobre a manual.

- Perante um semeador, identifique o seu tipo,


execute-lhe a manutenção e explique que outros
tipos existem.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 35.1
SEMEADORES EM LINHAS 183

OBJECTIVO - Débitos, regra de três simples e oxidação. - Mesa e quadro de projecção.


- Enumerar os vários tipos de semeadores em linhas
existentes. - Dos gestos e posições correctas. - Terreno bem preparado para a sementeira mecânica.

- Um tractor.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar a constituição e o funcionamento dos - Inconvenientes resultantes de uma deficiente - Semeadores em linhas com todos os sistemas de
diferentes sistemas de distribuição dos semeadores regulação dos semeadores. distribuição.
em linhas existentes.
- Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento - Sementes de vários tipos e calibres.
- Apresentação comparativa dos vários sistemas, e do uso de roupas folgadas.
- Fita métrica.
suas vantagens e inconvenientes.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Balança.
- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Conjunto de ferramentas.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Quadros didácticos.

- Luvas e óculos de protecção.


- Regulações práticas. - Álbum seriado.

- Vassoura e pincel.
- Técnicas de utilização. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Sacos de serapilheira.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
TECNOLOGIA tema.
- Sacos de plástico pequenos.
- Dos semeadores em linhas e seus sistemas de
distribuição. - Estojo de primeiros socorros.
- Desperdício água e sabão.

- Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.


NOTA TÉCNICA Nº 35.1 (continuação)

184 SEMEADORES EM LINHAS

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa.

- Frente a um semeador em linhas, explique a sua


constituição e funcionamento e execute um ensaio
de distribuição com um determinado tipo de
semente.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 35.2
SEMEADORES MONOGRÃO 185

OBJECTIVO - Número de plantas por linha, regra de três simples - Mesa e quadro de projecção.
- Enumerar os vários tipos de semeadores monogrão e oxidações.
existentes. - Terreno preparado para a sementeira mecânica.
- Dos gestos e posições correctas.
- Um tractor.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar a constituição e o funcionamento dos HIGIENE E SEGURANÇA - Semeadores monogrão com todos os sistemas de
sistemas de distribuição dos semeadores monogrão - Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento distribuição.
existentes. e do uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Apresentação comparativa dos vários sistemas, - Prejuízos resultantes de uma deficiente regulação
dos semeadores. - Conjunto de ferramentas.
suas vantagens e inconvenientes.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Fita métrica.


- Nomenclatura das peças e suas funções.
manuseamento das peças.
- Balança.
- Desmontagens e montagens possíveis.

- Luvas e óculos de protecção.


- Regulações práticas de cada um dos semeadores AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
e seus sistemas de distribuição. - Quadros didácticos.
- Vassoura e pincel.
- Técnicas de utilização. - Álbum seriado.
- Sacos de plástico e de serapilheira.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.

- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


TECNOLOGIA tema.
AVALIAÇÃO
- Dos semeadores monogrão e seus sistemas de
Recomenda-se:
distribuição. - Estojo de primeiros socorros.

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 15).


- Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.
NOTA TÉCNICA Nº 35.2 (continuação)

186 SEMEADORES MONOGRÃO

- Explicar que tipos de semeadores monogrão


existem e suas preferências de acordo com as
variedades de semente.

- Perante um determinado semeador pneumático,


determine o número de sementes na linha.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 35.3
ÓRGÃOS DOS SEMEADORES 187

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Semeadores equipados com todos os órgãos


- Descrever os órgãos dos semeadores, comuns e - Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento descritos.
não comuns, suas finalidades e funcionamento. e do uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Prejuízos resultantes de uma deficiente regulação.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Conjunto de ferramentas.
- Explicar quais são os órgãos comuns a todos os - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
semeadores, sua constituição e funcionamento. manuseamento das peças. - Fita métrica.

- Outros órgãos dos semeadores. - Vassoura e pincel.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Vantagens e inconvenientes de cada um dos - Quadros didácticos. - Luvas e óculos de protecção.
órgãos.
- Álbum seriado. - Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Desmontagens e montagens possíveis. AVALIAÇÃO
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o Sugere-se:
- Regulações práticas. tema.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 15).
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Estojo de primeiros socorros.
- Explicar quais são os órgãos comuns a todos os
- Extintor de incêndio. semeadores e seu funcionamento.
TECNOLOGIA
- Dos órgãos comuns e não comuns dos semeadores. - Mesa e quadro de projecção. - Executar a regulação de um riscador.

- Localização e identificação das peças. - Terreno preparado para o funcionamento dos órgãos
dos semeadores. TEMPO PREVISTO
- As quatro operações, regra de três simples e - 03.00 horas.
oxidações. - Um tractor.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 35.4
188 SEMENTEIRA DIRECTA

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Luvas e óculos de protecção.


- Generalidades sobre a sementeira directa. - Quadros didácticos.
- Fita métrica.
- Álbum seriado.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Desperdício, água e sabão.
- Explicar o que é a sementeira directa, suas - Retroprojector e transparências sobre o tema.
vantagens e inconvenientes.
- Televisor. AVALIAÇÃO
- Tipos de semeadores para a execução da Recomenda-se:
sementeira directa. - DVD sobre o tema.
- Avaliação diagnostica.
- Executar uma sementeira directa. - Estojo de primeiros socorros.
- Explicar as vantagens ambientais da sementeira
- Cuidados a ter com as máquinas para a sementeira - Extintor de incêndio. directa e, perante um semeador de sementeira
directa. directa, indicar as peças activas, sua nomenclatura
- Mesa e quadro de projecção. e funções.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Terreno próprio para a execução de uma sementeira
directa. TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - 01.00 horas.
- Um tractor.
- Da sementeira directa e dos semeadores para a
sua execução.
- Um semeador para a sementeira directa.

- Dos gestos e posições correctas.


- Sementes de vários tipos.

- Mesa ou bancada.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes da má utilização das máquinas
- Conjunto de ferramentas.
para a sementeira directa.
NOTA TÉCNICA Nº 36
PLANTADORES DE BATATAS – GENERALIDADES, CONSTITUIÇÃO E MANUTENÇÃO 189

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Bomba de lubrificação atestada.


- Explicar o que é e para que serve um plantador de - Prejuízos resultantes da utilização de tubérculos
batatas. pré-abrolhados com determinados plantadores. - Almotolia com óleo.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Vassoura e pincel.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Especificar as condições a que deve obedecer - Mangueira com agulheta.
um plantador de batatas para o seu bom
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Água sob pressão.
funcionamento.
- Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Constituição dos plantadores de batatas.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores. AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. Aconselha-se:
- Estojo de primeiros socorros.
- Executar a manutenção. - Avaliação formativa.
- Extintor de incêndio.
- Perante um plantador de batatas, indicar os órgãos
TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. constituintes, sua nomenclatura e funções.
- Dos plantadores de batatas.
- Um plantador de batatas.
- Localização e identificação das peças. TEMPO PREVISTO
- Mesa ou bancada. - 01.00 horas.
- Medidas lineares.
- Conjunto de ferramentas.
- Oxidações.
- Luvas e óculos de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 36.1
190 TIPOS DE PLANTADORES

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Plantadores de todos os tipos.


- Enumerar os diferentes tipos de plantadores - Prejuízos resultantes de uma má utilização dos
existentes de acordo com o sistema de alimentação plantadores. - Batatas por abrolhar e pré-abrolhadas.
e seu funcionamento.
- Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo - Mesa ou bancada.
de plantador.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Conjunto de ferramentas.
- Tipos de plantadores de batatas. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Fita métrica.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas
- Luvas e óculos de protecção.
vantagens e inconvenientes.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Vassoura, pincel.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Quadros didácticos.

- Desperdício, água e sabão.


- Desmontagens e montagens possíveis. - Álbum seriado.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
AVALIAÇÃO
- Funcionamento e regulações. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o Sugere-se:
tema.
- Técnicas de utilização. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 15).
- Estojo de primeiros socorros.
- Perante um plantador, determinar o seu tipo e
TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. executar todas as regulações possíveis.
- Dos plantadores de batatas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização e identificação das peças. TEMPO PREVISTO
- Terreno para a execução de práticas. - 08.00 horas.
- Km/hora.
- Um tractor.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 37
TRANSPLANTADORES 191

OBJECTIVO - Km/hora. - Mesa e quadro de projecção.


- Enumerar os transplantadores existentes, sua
constituição e funcionamento. - Dos gestos e posições correctas. - Terreno em condições para a execução de práticas.

- Um tractor.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar o que é um transplantador. - Prejuízos resultantes de uma má utilização e - Transplantadores de todos os tipos.
manutenção dos transplantadores.
- Tipos de transplantadores, sua constituição, - Plantas para transplantar.
funcionamento e manutenção. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Fita métrica.
- Apresentação comparativa dos vários tipos, suas
- Mesa ou bancada.
vantagens e inconvenientes.
AJUDAS ADIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Conjunto de ferramentas.
- Compassos de plantação. - Quadros didácticos.

- Luvas e óculos de protecção.


- Efectuar as regulações necessárias. - Álbum seriado.

- Bomba de lubrificação atestada.


- Técnicas de utilização. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Almotolia com óleo.


- Nomenclatura das peças e suas funções. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Vassoura e pincel.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Televisor.
- Mangueira com agulheta.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- DVD sobre o tema.
- Água sob pressão.

TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.


- Desperdício, água e sabão.
- Dos transplantadores.
- Extintor de incêndio.
- Localização e identificação das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 37 (continuação)

192 TRANSPLANTADORES

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Em função da planta a transplantar, escolher um


tipo de transplantador e efectuar todas as
regulações necessárias.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 38
BROCADORAS – PERFURADORAS 193

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Brocas de diferentes diâmetros.


- Explicar o que é e para que serve uma brocadora- - Perigos e/ou prejuízos resultantes da incorrecta
perfuradora. utilização das brocadoras-perfuradoras. - Mesa ou bancada.

- Perigos resultantes da utilização de veios - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO telescópicos de cardans sem sistemas de protecção
- Tipos de brocadoras-perfuradoras, sua constituição, e segurança. - Luvas e óculos de protecção.
funcionamento e manutenção.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Nomenclatura das peças e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Almotolia com óleo.
- Quadros didácticos.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Óleo queimado.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Desperdício, água e sabão.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
TECNOLOGIA
AVALIAÇÃO
- Das brocadoras-perfuradoras. - Estojo de primeiros socorros.
- Propõe-se avaliação formativa. (Ex: exercício nº 14).
- Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.
- Explicar o tipo de brocadoras-perfuradoras
- tdf e veios telescópicos de cardans. - Mesa e quadro de projecção. existentes, sua constituição e funcionamento.

- Dos gestos e posições correctas. - Terreno para práticas com as brocadoras- - Executar a manutenção da brocadora-perfuradora
perfuradoras.

- Um tractor. TEMPO PREVISTO


- 03.00 horas.
- Brocadoras-perfuradoras de todos os tipos com os
veios telescópicos de cardans correspondentes.
NOTA TÉCNICA Nº 39
194 PULVERIZADORES – INTRODUÇÃO – UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Generalizar sobre os produtos fitofarmacêuticos, - Dos produtos fitofarmacêuticos.
fazendo sentir a necessidade da sua correcta - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
utilização. - Antídotos e intervalos de segurança. tema.

- Dos gestos e posições correctas. - Televisor.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é e para que serve um pulverizador. - DVD sobre o tema.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar o que são produtos fitofarmacêuticos e - Perigos resultantes da incorrecta manipulação dos - Estojo de primeiros socorros.
ensinar a manipulá-los correctamente, focando o produtos fitofarmacêuticos.
- Extintor de incêndio.
interesse daí resultante nos aspectos de uma maior
segurança física, eficácia do produto e economia. - Perigos resultantes da não observância dos
intervalos de segurança. - Mesa e quadro de projecção.

- Símbolos toxicológicos.
- Perigos resultantes do incorrecto armazenamento - Produtos fitofarmacêuticos de todas as classes.

- Armazenamento correcto dos produtos dos produtos fitofarmacêuticos.


- Fato de oleado, botas e luvas de borracha, óculos
fitofarmacêuticos.
- Perigos resultantes da não destruição ou destruição e máscara de protecção.

- Manipular produtos fitofarmacêuticos. incorrecta das embalagens vazias.


- Mesa ou bancada.

- Destruir correctamente as embalagens vazias. - Perigos resultantes de uma deficiente lavagem dos
- Proveta graduada.
materiais utilizados.
- Lavar cuidadosamente e com toda a segurança o
- Funil plástico.
material utilizado.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Balde de plástico para, mais ou menos, 10 litros.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos produtos - Quadros didácticos.
e dos materiais utilizados.
- Balança sensível.
- Álbum seriado.
NOTA TÉCNICA Nº 39 (continuação)

PULVERIZADORES – INTRODUÇÃO – UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS 195

- Antídoto para os produtos fitofarmacêuticos a AVALIAÇÃO


utilizar. Propõe-se:

- Água sob pressão. - Avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 16).

- Mangueira com agulheta. - Perante embalagens de produtos fitofarmacêuticos


diferentes, interpretar os símbolos toxicológicos.
- Toalha limpa.
- Explicar qual o equipamento de protecção a utilizar
- Enxada e pá. quando em trabalho, equipar-se, preparar uma calda
e, depois, lavar correctamente todo o material
- Isqueiro ou fósforos. utiizado.

- Detergente.
TEMPO PREVISTO
- Desperdício, água e sabão.
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.1
196 TIPOS DE PULVERIZADORES

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Televisor.


- Descrever os tipos de pulverizadores existentes e - Dos pulverizadores e dos veios telescópicos de
caracterizar a forma como é efectuada a cardans. - DVD sobre o tema.
pulverização da calda.
- Localização e identificação das peças. - Estojo de primeiros socorros.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.


- Imperativos necessários para o êxito de uma
- Mesa e quadro de projecção.
pulverização.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo - Um tractor.
- Tipos de pulverizadores, sua utilização e
constituição. de pulverizador.
- Pulverizadores de todos os tipos.

- Tipos de pulverizadores de acordo com o modo - Perigos e/ou prejuízos resultantes da incorrecta
- Mesa ou bancada.
como é efectuada a pulverização da calda, suas utilização dos pulverizadores.
vantagens e inconvenientes.
- Conjunto de ferramentas.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Com água limpa e corada, pulverizar com os vários manuseamento das peças.
- Fita métrica.
tipos de pulverizadores.
- Equipamento de protecção individual completo.
- Comparação do trabalho entre eles. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Corante.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Álbum seriado.
- Conta rotações.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Vassoura e pincel.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Desperdício, água e sabão.
tema.
NOTA TÉCNICA Nº 39.1 (continuação)

TIPOS DE PULVERIZADORES 197

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).

- Explicar a diferença entre jacto projectado e jacto


transportado.

- Perante um determinado pulverizador, determinar o


seu tipo e explicar as suas vantagens e
inconvenientes em relação aos outros tipos
existentes.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.2
198 DEPÓSITOS E AGITADORES

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Inconvenientes resultantes de uma deficiente


- Especificar as vantagens e inconvenientes dos - Dos depósitos, dos agitadores e seus materiais de agitação e localização dos agitadores.
diferentes materiais e formatos dos depósitos e fabrico.
dos agitadores dos pulverizadores. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Soluções, emulsões e suspensões. manuseamento das peças.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Medidas lineares e de volume.


- Funções, capacidades e formatos dos depósitos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
dos pulverizadores. - Relação caudal – capacidade do depósito. - Quadros didácticos.

- Materiais utilizados no fabrico dos depósitos; - Localização e identificação das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
vantagens e inconvenientes dos diferentes
- Dos gestos e posições correctas. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
materiais.
tema.
- Equipamentos que constam dos depósitos dos
HIGIENE E SEGURANÇA - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
pulverizadores.
- Inconvenientes resultantes dos depósitos com
- Necessidade da agitação das caldas no interior esquinas e/ou ângulos mortos. - Estojo de primeiros socorros.
dos depósitos.
- Inconvenientes resultantes de uma deficiente - Extintor de incêndio.
- Agitadores e seus tipos; provocar, com água localização dos indicadores de nível.
- Mesa e quadro de projecção.
corada, uma agitação nos depósitos.
- Inconvenientes resultantes de um orifício de
enchimento com dimensão insuficiente. - Um tractor.
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo.

- Inconvenientes resultantes da falta de filtro de rede - Depósitos de todos os tipos.


- Desmontagens e montagens possíveis.
no orifício de enchimento.
- Agitadores de todos os tipos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Inconvenientes resultantes de uma deficiente
localização do ponto de sucção. - Mesa ou bancada.
NOTA TÉCNICA Nº 39.2 (continuação)

DEPÓSITOS E AGITADORES 199

- Conjunto de ferramentas. AVALIAÇÃO


Sugere-se:
- Vassoura e pincel.
- Avaliação formativa.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Identificar os equipamentos que fazem parte dos
- Corante. depósitos dos pulverizadores, referindo as suas
funções.
- Balde de plástico.

- Desperdício, água e sabão. TEMPO PREVISTO


- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.3
200 BOMBAS

OBJECTIVO - Pesos, medidas lineares e de volume. - DVD sobre o tema.


- Identificar os diferentes tipos de bombas que
equipam os pulverizadores. - Relação pressão-débito. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Funções da bomba de um pulverizador. - Extintor de incêndio.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de bombas, sua constituição e - Inconvenientes resultantes de uma bomba mal - Mesa e quadro de projecção.
funcionamento. cuidada.
- Uma unidade motriz.
- Vantagens e inconvenientes dos vários tipos. - Prejuízos resultantes do funcionamento de um
pulverizador com uma bomba imprópria para o - Bombas de todos os tipos.
- Pôr em funcionamento os vários tipos de bombas, trabalho a realizar.
- Aparelho quantiteste.
com água corada.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Mesa ou bancada.
- Nomenclatura das peças e suas funções. manuseamento das peças.

- Conjunto de ferramentas.
- Desmontagens e montagens possíveis.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Cuidados gerais a ter com as bombas e com o - Quadros didácticos.
manuseamento das suas peças.
- Almotolia com óleo.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Corante.
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Das bombas dos pulverizadores. tema.
- Vassoura e pincel.

- Localização e identificação das peças. - Televisor.


- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 39.3 (continuação)

BOMBAS 201

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).

- Perante um determinado pulverizador, identificar o


tipo de bomba montada, enumerar as suas
vantagens e inconvenientes e executar a sua
manutenção.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.4
202 REGULADOR DE PRESSÃO, DISTRIBUIDOR E SISTEMAS DE REGULAÇÃO DO DÉBITO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.


- Enumerar os distribuidores e sistemas de regulação - Inconvenientes resultantes do mau funcionamento
do débito dos pulverizadores. do regulador e/ou do distribuidor. - Luvas e óculos de protecção.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Vassoura e pincel.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Explicar tudo o que aos sistemas de regulação do - Desperdício, água e sabão.
débito dos pulverizadores diz respeito.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Reguladores de pressão tipos, constituição e - Quadros didácticos. AVALIAÇÃO
funcionamento. Aconselha-se:
- Álbum seriado.
- Distribuidor constituição e funcionamento. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Sistemas de regulação do débito dos - Explicar os sistemas de regulação de débito
pulverizadores. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o existentes.
tema.
- Técnicas de utilização. - Pôr um pulverizador a funcionar com uma pressão
- Estojo de primeiros socorros. pré-determinada.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Extintor de incêndio.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. TEMPO PREVISTO
- Mesa e quadro de projecção. - 06.00 horas.

TECNOLOGIA - Uma unidade motriz.


- Dos reguladores de pressão e do distribuidor.
- Reguladores de pressão de todos os tipos.
- Localização e identificação das peças.
- Distribuidores de todos os tipos.
- Relação pressão-débito.
- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.5
MANÓMETROS DE PRESSÃO E TORNEIRAS 203

OBJECTIVO - Bar – Atmosfera – Kg/cm2 – PSI. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Explicar o que é um manómetro de pressão, - Quadros didácticos.
torneiras de abertura e fecho dos pulverizadores. - Relação pressão manómetro – pressão trabalho.
- Álbum seriado.
- Glicerina, oxidações e corrosões.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Tipos e funções dos manómetros nos - Dos gestos e posições correctas.
pulverizadores. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Constituição, nomenclatura das peças e suas HIGIENE E SEGURANÇA
funções. - Prejuízos resultantes de manómetros e torneiras - Estojo de primeiros socorros.
mal cuidadas.
- Cuidados a ter com os manómetros dos - Extintor de incêndio.
pulverizadores. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do mau
- Mesa e quadro de projecção.
funcionamento dos manómetros e torneiras.
- Executar leituras nos vários tipos de manómetros.
- Uma unidade motriz.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma
- Explicar o que são e para que servem as torneiras deficiente leitura do manómetro.
- Manómetros de todos os tipos.
dos pulverizadores.
- Prejuízos resultantes da deficiente localização do
- Aparelho manoteste.
- Desmontagens e montagens possíveis. manómetro.

- Torneiras em perfeito estado de funcionamento.


- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Prejuízos resultantes, após a campanha, em se
deixar o manómetro sem cobertura.
- Mesa ou bancada.

TECNOLOGIA - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


- Conjunto de ferramentas.
- Das torneiras e manómetros de pressão dos manuseamento das peças.
pulverizadores.
- Luvas e óculos de protecção.

- Localização e identificação das peças.


NOTA TÉCNICA Nº 39.5 (continuação)

204 MANÓMETROS DE PRESSÃO E TORNEIRAS

- Glicerina.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
- Propõe-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).

- Enumerar as características dos manómetros dos


pulverizadores e executar uma leitura.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.6
FILTROS E SISTEMAS DE ENCHIMENTO 205

OBJECTIVO - Funcionar com os filtros e com os sistemas de - Inconvenientes resultantes do incorrecto


- Especificar os vários tipos de filtros que equipam enchimento. posicionamento da tubagem de enchimento.
os pulverizadores, bem como os seus sistemas de
enchimento. - Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO TECNOLOGIA


- Explicar a função dos filtros dos pulverizadores, - Dos filtros e dos sistemas de enchimento dos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
tipos existentes, sua localização, constituição e pulverizadores. - Quadros didácticos.
funcionamento.
- Localização e identificação das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Periodicidade dos cuidados. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
- Calcular a superfície filtrante.
- Altura de aspersão, medidas lineares e de volume, - Estojo de primeiros socorros.
- Cuidados gerais a ter com os filtros. oxidação e corrosão.
- Extintor de incêndio.
- Tipos de sistemas de enchimento, sua constituição - Dos gestos e posições correctas.
e funcionamento. - Mesa e quadro de projecção.

- Nomenclatura das peças dos sistemas de HIGIENE E SEGURANÇA - Unidade motriz.


enchimento e suas funções. - Prejuízos resultantes da existência de um deficiente
sistema de filtragem. - Filtros de todos os tipos.
- Cuidados a ter durante o enchimento.
- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção - Sistemas de enchimento de todos os tipos.
- Desmontagens e montagens possíveis. dos filtros e dos sistemas de enchimento.
- Mesa ou bancada.
- Relação capacidade da bomba – superfície de - Prejuízos resultantes de um enchimento não
- Conjunto de ferramentas.
filtragem. vigiado.
NOTA TÉCNICA Nº 39.6 (continuação)

206 FILTROS E SISTEMAS DE ENCHIMENTO

- Luvas e óculos de protecção. AVALIAÇÃO


Recomenda-se:
- Fita métrica.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).
- Vassoura e pincel.
- Perante um pulverizador mecânico, indicar os
- Desperdício, água e sabão. pontos onde se podem montar filtros, tipos de
filtros e sistemas de enchimento.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.7
TUBOS, LANÇAS, PISTOLAS E RAMPAS DE PULVERIZAÇÃO 207

OBJECTIVO - Secções, débitos, pressões, medidas lineares e de - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Explicar o que são e para que servem as tubagens, volume.
lanças, pistolas e rampas de pulverização dos - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.
pulverizadores, bem como os tipos existentes. - Oxidações e corrosões.
- Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Extintor de incêndio.
- Constituição, secções, funções e funcionamento
HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.
das tubagens, lanças, pistolas e rampas de
pulverização. - Inconvenientes resultantes da incorrecta utilização
dos órgãos descritos e sua deficiente manutenção. - Uma unidade motriz.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Prejuízos resultantes da deficiente alimentação dos - Órgãos descritos de todos os tipos.
- Cuidados gerais a ter com os órgãos descritos. órgãos descritos.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Prejuízos resultantes da falta de estabilidade das
- Conjunto de ferramentas.
rampas.
- Execução de trabalhos de demonstração.
- Luvas e óculos de protecção.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. manuseamento das peças.
- Fita métrica.

- Vassoura e pincel.
TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Das tubagens, lanças, pistolas e rampas de - Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
pulverização.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
NOTA TÉCNICA Nº 39.7 (continuação)

208 TUBOS, LANÇAS, PISTOLAS E RAMPAS DE PULVERIZAÇÃO

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Montar e regular a pressão desejada de pistolas


e/ou rampas de pulverização.

- Vantagens da estabilidade das rampas.

TEMPO PREVISTO
- 00.50 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.8
BICOS DE PULVERIZAÇÃO 209

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o que são e como funcionam os bicos de - Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo
pulverização. de bico. - Conjunto de ferramentas.

- Prejuízos resultantes de uma má alimentação dos - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO bicos.
- Explicar o que são gotas e sua dimensão. - Manómetro de pressão.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Tipos de bicos, sua constituição, funcionamento e manuseamento das peças. - Aparelho manoteste.
utilização.
- Fita específica para a verificação do diâmetro das
- Relação da pressão do jacto com o diâmetro das AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS gotas.
gotas. - Quadros didácticos.
- Vassoura e pincel.
- Cuidados a ter com os bicos de pulverização. - Álbum seriado.
- Desperdício, água e sabão.
- Técnicas de utilização. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o AVALIAÇÃO


tema. Propõe-se:
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).

TECNOLOGIA - Extintor de incêndio. - Tipos de bicos de pulverização e sua utilização de


- Dos bicos de pulverização. acordo com as culturas a tratar e o diâmetro das
- Mesa e quadro de projecção. gotas.
- Localização e identificação das peças.
- Uma unidade motriz.
- Micrómetro, mícron, micra, bar e psi. TEMPO PREVISTO
- Corante. - 01.00 horas.
- Oxidações e corrosões.
- Bicos de pulverização de todos os tipos.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.8.1
210 DISTRIBUIÇÃO DOS BICOS E SUA CALIBRAGEM

OBJECTIVO - Largura de trabalho e largura de distribuição. - Estojo de primeiros socorros.


- Determinar uma boa ou má distribuição dos bicos
de pulverização e sua calibragem. - Medidas lineares, ângulos, volumes, percentagens - Extintor de incêndio.
e regra de três simples.
- Mesa e quadro de projecção.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Explicar a influência do ângulo de abertura do bico - Uma unidade motriz.
em relação à altura e largura de trabalho.
HIGIENE E SEGURANÇA - Corante.
- Sobreposição de jactos. - Prejuízos resultantes de uma incorrecta
sobreposição dos jactos. - Um pulverizador.
- Se possível e com água corada, fazer ensaios em
- Prejuízos resultantes do funcionamento com bicos - Bicos de pulverização.
mesa de distribuição.
danificados.
- Mesa ou bancada.
- Relação da pressão com o débito do bico.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma
- Conjunto de ferramentas.
- Fazer uma calibragem de bicos e sua substituição. percentagem/ha incorrecta.

- Luvas e óculos de protecção.


- Determinar a quantidade de calda a distribuir por - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
hectare. manuseamento das peças.
- Fita métrica.

- Calcular o consumo de calda por hectare.


- Sacos de plástico pequenos.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Almotolia com óleo.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Televisor.


- Vassoura e pincel.

- DVD sobre o tema.


- Desperdício, água e sabão.
TECNOLOGIA
- Dos bicos de pulverização. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Localização e identificação das peças.


NOTA TÉCNICA Nº 39.8.1 (continuação)

DISTRIBUIÇÃO DOS BICOS E SUA CALIBRAGEM 211

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 16).

- Perante um determinado pulverizador, verificar a


calibragem dos bicos de pulverização.

- Em função do mesmo pulverizador e com um


determinado fitofármaco, calcular a quantidade de
calda a distribuir por hectare.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 39.9
212 MANUTENÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mangueira com agulheta.


- Especificar a manutenção necessária para uma - Prejuízos resultantes de uma deficiente
boa conservação e funcionamento dos manutenção. - Água sob pressão.
pulverizadores.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Ar sob pressão.
manuseamento das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Manómetro de pressão de ar.
- Explicar quais os cuidados de manutenção a
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Vassoura e pincel.
efectuar aos pulverizadores.
- Estojo de primeiros socorros.
- Verniz de protecção de pneus.
- Periodicidade da manutenção.
- Extintor de incêndio.
- Pó de talco.
- Executar a manutenção.
- Pulverizadores.
- Desperdício, água e sabão.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mesa ou bancada.

- Conjunto de ferramentas. AVALIAÇÃO


TECNOLOGIA
Sugere-se:
- Dos pulverizadores.
- Botas de borracha, luvas e óculos de protecção.
- Avaliação formativa.
- Oxidações e corrosões.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Fazer a manutenção de fim de campanha a um
- Dos gestos e posições correctas.
- Almotolia com óleo. pulverizador.

- Óleo queimado.
TEMPO PREVISTO
- Copos de lubrificação. - 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 40
POLVILHADORES – TIPOS E FUNCIONAMENTO 213

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.


- Explicar o que é um polvilhador e suas funções. - Dos polvilhadores.
- Extintor de incêndio.
- Localização e identificação dos órgãos e das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Mesa e quadro de projecção.
- Explicar o que é uma polvilhação, um polvilhador e - Oxidações, corrosões, tdf e r.p.m.
pó para polvilhação. - Um tractor.
- Dos gestos e posições correctas.
- Vantagens e inconvenientes da polvilhação em - Pó inerte.
relação à pulverização.
HIGIENE E SEGURANÇA - Polvilhadores de todos os tipos.
- Sistemas de agitação e distribuição do pó. - Inconvenientes resultantes da escolha incorrecta
do tipo de polvilhador. - Mesa ou bancada.
- Tipos de polvilhadores, sua constituição e
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente - Conjunto de ferramentas.
funcionamento.
utilização e conservação dos polvilhadores.
- Luvas e máscara de protecção.
- Nomenclatura dos órgãos, das peças e suas
funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Bomba de lubrificação atestada.
manuseamento das peças.
- Cuidados gerais a ter com os polvilhadores.
- Almotolia com óleo.
- Desmontagens e montagens possíveis. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Fita métrica.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.
- Álbum seriado.
- Regulações necessárias.
- Mangueira com agulheta.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Técnicas de utilização.
- Água sob pressão.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Executar a manutenção necessária. tema.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 40 (continuação)

214 POLVILHADORES – TIPOS E FUNCIONAMENTO

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Preparar um polvilhador e polvilhar com pó inerte.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 41
DESCOROADORES E DESRAMADORES 215

OBJECTIVO - Localização e identificação das peças. - Descoroadores e desramadores de todos os tipos.


- Explicar o que são descoroadores e desramadores,
bem como as suas funções. - Dos gestos e posições correctas. - Culturas para descoroar e para desramar.

- Mesa ou bancada.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar o porquê da eliminação da parte aérea de - Prejuízos resultantes da não utilização, em - Conjunto de ferramentas.
determinadas culturas antes da sua colheita. determinadas culturas, dos descoroadores e dos
desramadores. - Vassoura e pincel.
- Tipos de descoroadores, sua constituição e
- Perigos resultantes do deficiente manuseamento - Desperdício, água e sabão.
funcionamento.
das peças.
- Tipos de desramadores, sua constituição e
AVALIAÇÃO
funcionamento.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Propõe-se:
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Quadros didácticos.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 17).
- Desmontagens e montagens possíveis. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Identificar um descoroador e um desramador,
- Funcionar com um descoroador e com um - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o explicando as suas funções.
desramador. tema.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Estojo de primeiros socorros. TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
- Extintor de incêndio.
TECNOLOGIA
- Dos descoroadores e dos desramadores. - Mesa e quadro de projecção.

- tdf e r.p.m. - Um tractor.


NOTA TÉCNICA Nº 42
216 ARRANCADORES DE BATATAS

OBJECTIVO - Km/hora, tdf e r.p.m. - Batatas para arrancar.


- Especificar que são e como funcionam os
arrancadores de batatas. - Dos gestos e posições correctas. - Arrancadores de todos os tipos.

- Mesa ou bancada.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Explicar o que é um arrancador de batatas e quais - Prejuízos resultantes do funcionamento dos - Conjunto de ferramentas.
as condições indispensáveis para o seu bom arrancadores sem uma prévia desramação.
- Luvas e óculos de protecção.
funcionamento.
- Perigos com os órgãos em funcionamento.
- Conta-rotações.
- Tipos de arrancadores de batatas, sua constituição
e funcionamento. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Vassoura e pincel.

- Apresentação comparativa dos vários tipos;


- Desperdício, água e sabão.
vantagens e inconvenientes.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos.
AVALIAÇÃO
- Retroprojector e transparências sobre o tema. Recomenda-se:
- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 17).


- Regulação e manutenção.
tema.
- Perante um arrancador de batatas de grelhas
- Técnicas de utilização.
- Estojo de primeiros socorros. oscilantes, identificar as suas peças e respectivas
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. funções e, se possível, proceder ao arranque de
- Extintor de incêndio. batatas.

TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção.


- Dos arrancadores de batatas. TEMPO PREVISTO
- Um tractor. - 12.00 horas.
- Localização e identificação das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 43
ARRANCADORES DE BETERRABAS 217

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Um tractor.


- Especificar o que são e como funcionam os - Dos arrancadores de beterrabas.
arrancadores de beterrabas. - Beterrabas para arrancar.
- Localização e identificação das peças.
- Arrancadores de todos os tipos.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Dos gestos e posições correctas.
- Explicar o que é um arrancador de beterrabas e - Mesa ou bancada.
quais as condições indispensáveis para o seu bom
HIGIENE E SEGURANÇA - Conjunto de ferramentas.
funcionamento.
- Prejuízos resultantes do funcionamento dos
arrancadores sem a prévia eliminação da rama. - Luvas e óculos de protecção.
- Tipos de arrancadores de beterrabas, sua
constituição e funcionamento.
- Perigos com os órgãos em funcionamento. - Vassoura e pincel.
- Apresentação comparativa dos vários tipos;
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Desperdício, água e sabão.
vantagens e inconvenientes.
manuseamento das peças.
- Desmontagens e montagens possíveis.
AVALIAÇÃO
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Aconselha-se:
- Nomenclatura das peças e suas funções.
- Quadros didácticos.
- Avaliação formativa.
- Regulação e manutenção.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Explicar os tipos e funcionamento dos arrancadores
- Técnicas de utilização.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o de beterrabas e, perante um, proceder, se possível,
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. tema. ao arranque de beterrabas.

- Estojo de primeiros socorros.


TEMPO PREVISTO
- Extintor de incêndio. - 07.00 horas.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 44
218 CAIXAS DE CARGA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Bomba de lubrificação atestada.


- Descrever a constituição, funcionamento e - Perigos resultantes da incorrecta utilização das
manutenção das caixas de carga. caixas de carga. - Almotolia com óleo.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Óleo queimado.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Explicar o que é uma caixa de carga, sua - Fita métrica.
constituição e funcionamento. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Vassoura e pincel.
- Nomenclatura dos componentes e suas funções.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Desperdício, água e sabão.
- Tipos de caixas de carga – suas vantagens e
inconvenientes. - Estojo de primeiros socorros.
AVALIAÇÃO
- Trabalhar com uma caixa de carga. - Extintor de incêndio. Propõe-se:

- Cuidados gerais a ter com as caixas de carga. - Mesa e quadro de projecção. - Avaliação diagnostica.

- Um tractor. - Perante uma caixa de carga, proceder à sua


TECNOLOGIA identificação, constituição e funcionamento, uma
- Das caixas de carga. - Caixas de carga de todos os tipos. vez engatada a um tractor.

- Localização e identificação dos componentes. - Mesa ou bancada. - Proceder à sua manutenção.

- Kg e metro cúbico. - Conjunto de ferramentas.


TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - Luvas e óculos de protecção. - 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 45
CARREGADORES HIDRÁULICOS 219

OBJECTIVO - Medidas lineares e pesos. - Estojo de primeiros socorros.


- Explicar o que é e para que serve um carregador
hidráulico. - Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de carregadores - vantagens e inconvenientes. - Perigos resultantes da não utilização de pesos - Um tractor.
suplementares.
- Constituição e funcionamento dos carregadores. - Carregadores hidráulicos de todos os tipos.
- Prejuízos resultantes da utilização de contrapesos
- Acessórios aplicáveis aos carregadores. inadequados à capacidade do hidráulico. - Acessórios aplicáveis, de todos os tipos.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Contrapesos de segurança.
manuseamento dos carregadores.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Fita métrica.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.
acessórios inadequados ao serviço a efectuar.

- Executar trabalhos práticos com carregadores. - Conjunto de ferramentas.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.
TECNOLOGIA
- Bomba de lubrificação atestada.
- Dos carregadores hidráulicos e seus sistemas de - Álbum seriado.
elevação.
- Almotolia com óleo.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Dos acessórios.
- Vassoura e pincel.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Localização e identificação das peças. tema.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 45 (continuação)

220 CARREGADORES HIDRÁULICOS

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 17).

- Num tractor, montar um carregador hidráulico,


explicar a sua constituição e funcionamento e
utilizá-lo correctamente.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 46
GADANHEIRAS – GENERALIDADES E TIPOS 221

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre gadanheiras, sua evolução e - Das gadanheiras em geral. Recomenda-se:
funcionamento.
- Avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 17).
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos. - Identificar uma determinada gadanheira e indicar a
- Explicar o que é e para que serve uma gadanheira. sua velocidade de trabalho média.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- História do aparecimento da gadanheira e sua
evolução. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o TEMPO PREVISTO
tema. - 01.00 horas.
- Tipos de gadanheiras e sua classificação quanto
ao princípio de funcionamento dos órgãos de corte. - Estojo de primeiros socorros.

- Velocidades de trabalho. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


TECNOLOGIA
- Das gadanheiras.

- Km/hora.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 46.1
222 GADANHEIRAS ALTERNATIVAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Um tractor.


- Explicar o que é uma gadanheira alternativa, sua - Perigos e/ou prejuízos resultantes da má utilização
constituição e funcionamento. das gadanheiras alternativas. - Gadanheiras alternativas de todos os tipos.

- Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo - “Erva” para cortar.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO de barra de corte.
- Tipos de barras de corte, de facas e de dedos das - Mesa ou bancada.
gadanheiras alternativas. - Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento.
- Conjunto de ferramentas.
- Apresentação comparativa, utilizações, vantagens - Perigos resultantes do uso de roupas folgadas.
- Luvas e óculos de protecção.
e inconvenientes.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes da utilização de
veios telescópicos de cardans sem sistemas de - Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
protecção e segurança.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. manuseamento das peças. Propõe-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 17).


TECNOLOGIA AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Perante uma gadanheira, identificar a sua barra de
- Das gadanheiras alternativas e dos seus - Quadros didácticos.
corte, constituição e funções das partes
componentes.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o constituintes.
- Localização e identificação das peças. tema.
- Comparação entre o funcionamento de uma
- Veios telescópicos de cardans, tdf e r.p.m. - Estojo de primeiros socorros. gadanheira de barra de corte normal e de dupla
foice.
- Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção. TEMPO PREVISTO


- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 46.1.1
REGULAÇÕES 223

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Fazer a regulação das gadanheiras alternativas. - Álbum seriado. Aconselha-se:

- Estojo de primeiros socorros. - Avaliação formativa.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Engatar uma gadanheira alternativa a um tractor. - Extintor de incêndio. - Engatar uma gadanheira a um tractor e executar
todas as regulações.
- Explicar e executar todas as regulações possíveis. - “Erva” para cortar.

- Execução de trabalhos práticos. - Um tractor. TEMPO PREVISTO


- 05.00 horas.
- Comparar os trabalhos executados com a - Uma gadanheira alternativa.
gadanheira desregulada e regulada.
- Mesa ou bancada.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Conjunto de ferramentas.

TECNOLOGIA - Luvas e óculos de protecção.


- A mesma da Nota Técnica Nº 46.1.
- Fita métrica.

- Vassoura e pincel.
HIGIENE E SEGURANÇA
- A mesma da Nota Técnica Nº 46.1 e
- Desperdício, água e sabão.

- Prejuízos resultantes do funcionamento de uma


gadanheira alternativa mal regulada.
NOTA TÉCNICA Nº 46.1.2
224 MANUTENÇÃO E SEGURANÇA

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Enumerar e fazer toda a manutenção às - Estojo de primeiros socorros. Sugere-se:
gadanheiras alternativas.
- Extintor de incêndio. - Avaliação formativa.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Uma gadanheira alternativa. - Numa gadanheira, executar a manutenção de fim
- Explicar qual a manutenção necessária e executá-la. de campanha.
- Mesa ou bancada.
- Periodicidade da manutenção.
- Conjunto de ferramentas. TEMPO PREVISTO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - 01.00 horas.
- Luvas e óculos de protecção.

TECNOLOGIA - Bomba de lubrificação atestada.


- Das gadanheiras alternativas.
- Almotolia com óleo.
- Oxidações e corrosões.
- Óleo queimado.
- Dos gestos e posições correctas.
- Vassoura e pincel.

- Desperdício, água e sabão.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 46.2
GADANHEIRAS ROTATIVAS 225

OBJECTIVO - Veios telescópicos de cardans, tdf e r.p.m. - Conjunto de ferramentas.


- Explicar o que é uma gadanheira rotativa, seu
funcionamento e manutenção. - Dos gestos e posições correctas. - Luvas e óculos de protecção.

- Fita métrica.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de gadanheiras rotativas, sua utilização, - A mesma das Notas Técnicas Nºs 46.1 e 46.1.2. - Vassoura e pincel.
constituição e funcionamento.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Apresentação comparativa entre os vários AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos. - Almotolia com óleo.
tipos – vantagens e inconvenientes.

- Álbum seriado. - Óleo queimado.


- Nomenclatura das peças e suas funções.

- Retroprojector e transparências sobre o tema. - Desperdício, água e sabão.


- Desmontagens e montagens possíveis.

- Funcionamento, regulações e manutenção. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


tema. AVALIAÇÃO
- Execução de trabalhos práticos. Recomenda-se:
- Estojo de primeiros socorros.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 17).
- Extintor de incêndio.
- Perante uma gadanheira rotativa, identificar o tipo,
TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. sua constituição e funcionamento. Indicar os seus
- Das gadanheiras rotativas. pontos mais perigosos, bem como os aspectos de
- “Erva” para cortar. segurança necessários.
- Localização e identificação das peças.
- Um tractor.
- Medidas lineares, Km/hora e ângulos. TEMPO PREVISTO
- Gadanheiras rotativas de todos os tipos. - 05.00 horas.

- Mesa ou bancada.
NOTA TÉCNICA Nº 47
226 MOTOGADANHEIRAS

OBJECTIVO - Corrosões e oxidações. - Estojo de primeiros socorros.


- Explicar o que é uma motogadanheira, sua
constituição e funções. - Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de motogadanheiras e suas utilizações. - Perigos e/ou prejuízos resultantes da deficiente - Um tractor.
utilização das motogadanheiras.
- Apresentação comparativa do trabalho entre umas - “Erva” para cortar.
e outras. - Perigos resultantes do uso de roupas folgadas.
- Motogadanheiras de todos os tipos.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos com os órgãos em funcionamento.
- Mesa ou bancada.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Prejuízos resultantes de uma deficiente
manutenção. - Conjunto de ferramentas.
- Manutenção das motogadanheiras.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Luvas e óculos de protecção.
- Técnicas de utilização. manuseamento das peças.
- Fita métrica.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Vassoura e pincel.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Quadros didácticos.
- Bomba de lubrificação atestada.
TECNOLOGIA
- Das motogadanheiras. - Álbum seriado.
- Almotolia com óleo.

- Localização e identificação das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Óleo queimado.

- Rodas motrizes e directrizes. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Desperdício, água e sabão.
tema.
- Barras de corte.
NOTA TÉCNICA Nº 47 (continuação)

MOTOGADANHEIRAS 227

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa.

- Operar com uma motogadanheira, executando as


regulações necessárias.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 48
228 MÁQUINAS DE FENAÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalidades sobre a fenação e as máquinas que - Das máquinas de fenação em geral. - Sugere-se avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 18).
a executam.
- Explicar a diferença entre juntador de feno e
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS virador-juntador.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos.
- Explicar o que é a fenação e quais as condições
ideais para que a mesma se processe. - Retroprojector e transparências sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
- O aparecimento dos primeiros juntadores de feno, - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
sua evolução e máquinas posteriores. tema.

- Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.


TECNOLOGIA
- Da fenação e das máquinas que para ela concorrem. - Estojo de primeiros socorros.

- Percentagens. - Extintor de incêndio.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 48.1
VIRADORES DE FENO 229

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Descrever as funções dos viradores de feno, tipos - Dos viradores de feno e dos veios telescópicos de tema.
existentes e seu funcionamento. cardans.
- Televisor.
- Localização e identificação das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Vídeo e cassetes sobre o tema.
- Explicar o que é um virador de feno. - Km/hora, tdf, r.p.m. e ângulos.
- Estojo de primeiros socorros.
- Tipos de viradores, sua constituição e - Dos gestos e posições correctas.
funcionamento. - Extintor de incêndio.

- Nomenclatura das peças e suas funções. HIGIENE E SEGURANÇA - Um tractor.


- Prejuízos resultantes de uma deficiente escolha do
- Desmontagens e montagens possíveis. tipo de virador. - Um virador de cada tipo.

- Execução de trabalhos práticos com os vários - Perigos e/ou prejuízos resultantes da incorrecta - Feno para virar.
tipos de viradores de feno. utilização dos viradores.
- Mesa ou bancada.
- Comparação de trabalhos entre eles; vantagens e - Perigos resultantes do uso de roupas folgadas.
- Conjunto de ferramentas.
inconvenientes.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Luvas e óculos de protecção.
- Velocidades de trabalho. manuseamento das peças.

- Bomba de lubrificação atestada.


- Regulações e manutenção.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Almotolia com óleo.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Quadros didácticos.
- Óleo queimado.
- Álbum seriado.
- Fita métrica.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 48.1 (continuação)

230 VIRADORES DE FENO

- Vassoura e pincel.

- Mangueira com agulheta.

- Água sob pressão.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 18).

- Engatar um virador de feno a um tractor, identificá-lo,


explicar o seu funcionamento e executar as devidas
regulações.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 48.2
CONDICIONADORES DE FORRAGEM 231

OBJECTIVO - Ângulos, Km/hora, tdf e r.p.m. - DVD sobre o tema.


- Explicar o que é e para que serve o condicionador
de forragem. - Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO HIGIENE E SEGURANÇA
- Tipos de condicionadores, sua constituição e - Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento - Mesa e quadro de projecção.
funcionamento. dos condicionadores deficientemente regulados.
- Um tractor.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Prejuízos resultantes da escolha incorrecta do tipo
de condicionador. - Condicionadores de todos os tipos.
- Diferença entre esmagamento e laceração da
- Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento - Feno/forragem para os condicionadores trabalharem.
forragem.
e do uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Executar trabalhos demonstrativos com os vários
condicionadores. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Conjunto de ferramentas.
- Comparação dos trabalhos, vantagens e - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Luvas e óculos de protecção.
inconvenientes. manuseamento das peças.

- Conta-rotações.
- Desmontagens e montagens possíveis.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Fita métrica.
- Regulações e manutenção. - Quadros didácticos.
- Vassoura e pincel.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Álbum seriado.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
TECNOLOGIA
- Almotolia com óleo.
- Dos condicionadores de forragem e dos veios - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
telescópicos de cardans. tema.
- Óleo queimado.

- Localização e identificação das peças. - Televisor.


NOTA TÉCNICA Nº 48.2 (continuação)

232 CONDICIONADORES DE FORRAGEM

- Mangueira com agulheta.

- Água sob pressão.

- Desperdício, água e sabão.

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 18).

- Explicar quais os tipos, constituição e funções dos


condicionadores e forragem e, perante um, executar
a manutenção de fim de campanha.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 48.3
GADANHEIRAS CONDICIONADORAS 233

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Um tractor.


- Explicar o que é e para que servem as gadanheiras - Prejuízos resultantes do funcionamento com a
condicionadoras. gadanheira-condicionadora desregulada. - Gadanheiras-condicionadoras de todos os tipos.

- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção. - Feno para as gadanheiras-condicionadoras


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO trabalharem.
- Tipos de gadanheiras-condicionadoras, sua - Perigos resultantes dos órgãos em movimento e do
constituição e funcionamento. uso de roupas folgadas. - Mesa ou bancada.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.
manuseamento das peças.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Fita métrica.

- Execução de trabalhos práticos. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Luvas e óculos de protecção.


- Quadros didácticos.
- Comparação do serviço efectuado pelos diferentes - Conta-rotações.
tipos, vantagens e inconvenientes. - Álbum seriado.
- Vassoura e pincel.
- Regulações e manutenção. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Almotolia com óleo.
tema.

- Óleo queimado.
TECNOLOGIA - Televisor.
- Das gadanheiras-condicionadoras e dos veios
- Mangueira com agulheta.
telescópicos de cardans. - Vídeo e cassetes sobre o tema.

- Água sob pressão.


- Localização e identificação das peças. - Estojo de primeiros socorros.

- Desperdício, água e sabão.


- Km/hora, ângulos, tdf e r.p.m. - Extintor de incêndio.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 48.3 (continuação)

234 GADANHEIRAS CONDICIONADORAS

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Perante uma gadanheira condicionadora, identificá-la,


descrever a sua constituição e funcionamento e
executar as regulações necessárias em função do
trabalho a efectuar.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 49
COLHEDORES DE FORRAGEM 235

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Explicar o que é e para que serve o colhedor de - Dos colhedores de forragem e dos veios tema.
forragem. telescópicos de cardans.
- Televisor.
- Localização e identificação das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - DVD sobre o tema.
- Tipos de colhedores, sua constituição e - Km/hora, tdf e r.p.m.
funcionamento. - Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
- Diferença entre colhedor de forragem e apanhador - Extintor de incêndio.
de forragem.
HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Um tractor.
- Peças intermutáveis. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do funcionamento
dos colhedores mal regulados. - Colhedores de todos os tipos.
- Tipos de facas e serviço que executam.
- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Forragem para colher.
- Retraçamento da forragem. uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Vantagens e inconvenientes de cada tipo de - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
colhedor de forragem. manuseamento das peças.

- Luvas e óculos de protecção.


- Execução de trabalhos práticos, regulações e
manutenção. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Fita métrica.
- Quadros didácticos.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Conta rotações.
- Álbum seriado.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
NOTA TÉCNICA Nº 49 (continuação)

236 COLHEDORES DE FORRAGEM

- Almotolia com óleo. AVALIAÇÃO


Aconselha-se:
- Óleo queimado.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 18).
- Vassoura e pincel.
- Explicar os tipos de colhedores de forragem
- Mangueira com agulheta. existentes, sua constituição e funcionamento.

- Água sob pressão. - Perante um determinado tipo, operar com ele e


regulá-lo, descrevendo as suas vantagens e
- Desperdício, água e sabão. inconvenientes em relação aos outros tipos
existentes.

TEMPO PREVISTO
- 15.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50
CEIFEIRAS-DEBULHADORAS – GENERALIDADES 237

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre a ceifeira-debulhadora, sua - Alertar para os perigos resultantes da incúria e/ou Propõe-se:
evolução e constituição. incorrecta utilização e manuseamento da
ceifeira-debulhadora. - Avaliação diagnostica. (Ex: exercício nº 19).

DESENVOLVIMENTO DO OBJECTIVO - Factores a ter em conta par se executar a debulha


- Explicar o que é e para que serve a AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS com uma ceifeira-debulhadora e identificar os seus
ceifeira-debulhadora. - Quadros didácticos com ceifeiras-debulhadoras principais sistemas.
em corte.
- História do seu aparecimento e evolução até aos
dias de hoje. - Álbum seriado. TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
- Vantagens e inconvenientes da ceifeira-debulhadora. - Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Apresentar uma ceifeira-debulhadora com todos os - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


seus sistemas bem visíveis. tema.

- Nomenclatura dos sistemas e suas funções. - Televisor.

- Vídeo e cassetes sobre o tema.


TECNOLOGIA
- Da ceifeira-debulhadora. - DVD sobre o tema.

- Localização e identificação dos sistemas. - Estojo de primeiros socorros.

- Percentagens, ângulos e velocidades. - Extintor de incêndio.

- Dos gestos e posições correctas. - Mesa e quadro de projecção.

- Uma ceifeira-debulhadora.
NOTA TÉCNICA Nº 50.1
238 SISTEMA DE CORTE

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Explicar o que é e para que serve o sistema de - Prejuízos resultantes do funcionamento com o
corte de uma ceifeira-debulhadora. sistema desafinado. - Mesa e quadro de projecção.

- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Ceifeira-debulhadora com o sistema de corte em


DESENVOLVIMENTO DO OBJECTIVO uso de roupas folgadas. perfeito estado de funcionamento.
- Constituição e funcionamento do sistema de corte.
- Perigos resultantes do aquecimento da lâmina de - Cereal para cortar.
- Nomenclatura das peças e suas funções. corte.
- Manual de instruções da máquina.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.
- Relação da velocidade e altura do moinho com a
velocidade de deslocação da máquina. - Conjunto de ferramentas.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Execução de regulações e comparação entre os - Luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.
serviços efectuados.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Álbum seriado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Almotolia com óleo.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Fita métrica.
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Do sistema de corte das ceifeiras-debulhadoras. tema.
- Conta-rotações.

- Localização e identificação das peças. - Televisor.


- Vassoura e pincel.

- Medidas lineares, Km/hora e r.p.m. - DVD sobre o tema.


- Desperdício, água e sabão.

- Dos gestos e posições correctas. - Estojo de primeiros socorros.


NOTA TÉCNICA Nº 50.1 (continuação)

SISTEMA DE CORTE 239

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa.

- Identificar as peças do sistema de corte de uma


ceifeira-debulhadora e suas funções. Executar as
regulações necessárias para o bom funcionamento
do sistema.

TEMPO PREVISTO
- 04.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.2
240 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Extintor de incêndio.


- Explicar em que consiste o sistema de alimentação - Prejuízos resultantes do funcionamento de uma
de uma ceifeira-debulhadora. ceifeira-debulhadora com o sistema de alimentação - Mesa e quadro de projecção.
desafinado.
- Ceifeira-debulhadora com o sistema de alimentação
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos com os órgãos em funcionamento e com o em perfeito estado.
- Órgãos constituintes do sistema de alimentação e uso de roupas folgadas.
seu funcionamento. - Cereal para cortar.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Nomenclatura das peças e suas funções. manuseamento das peças. - Manual de instruções da máquina.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Mesa ou bancada.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Execução de regulações e comparação de - Conjunto de ferramentas.
- Quadros didácticos.
resultados.
- Luvas e óculos de protecção.
- Álbum seriado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Almotolia com óleo.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Fita métrica.
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Do sistema de alimentação das tema.
- Conta-rotações.
ceifeiras-debulhadoras.
- Televisor.
- Vassoura e pincel.
- Localização das peças e sua identificação.
- DVD sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.
- Paralelismo, perpendicularidade e r.p.m.
- Estojo de primeiros socorros.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.2 (continuação)

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 241

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa.

- Identificação e funcionamento do sistema de


alimentação da ceifeira-debulhadora. Peças
constituintes, suas funções e regulações.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.3
242 SISTEMA DE DEBULHA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Ceifeira-debulhadora com o sistema de debulha


- Identificar e descrever o sistema de debulha das - Prejuízos resultantes do funcionamento do sistema em perfeito estado.
ceifeiras-debulhadoras. de debulha desafinado.
- Cereal para debulhar.
- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO uso de roupas folgadas. - Manual de instruções da máquina.
- Explicar a missão do sistema de debulha, sua
constituição e funcionamento. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Mesa ou bancada.
manuseamento das peças.
- Órgãos constituintes do sistema de debulha. - Conjunto de ferramentas.

- Nomenclatura das peças e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Mesa e quadro de projecção.
- Quadros didácticos.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Luvas e óculos de protecção.
- Álbum seriado.
- Execução de regulações e comparação de - Conta-rotações.
resultados. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Fita métrica.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Almotolia com óleo.
tema.

- Bomba de lubrificação atestada.


TECNOLOGIA - Televisor.
- Do sistema de debulha das ceifeiras-debulhadoras.
- Vassoura e pincel.
- DVD sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Desperdício, água e sabão.
- Estojo de primeiros socorros.
- Percentagens, medidas lineares e r.p.m.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.3 (continuação)

SISTEMA DE DEBULHA 243

AVALIAÇÃO
Propõe-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 19).

- Constituição e funcionamento do sistema de


debulha de uma ceifeira-debulhadora.

- Perante uma ceifeira-debulhadora, executar as


regulações necessárias para o bom funcionamento
do seu sistema de debulha.

TEMPO PREVISTO
- 04.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.4
244 SISTEMA DE SEPARAÇÃO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar o que é e para que serve o sistema de - Prejuízos resultantes do funcionamento de uma
separação das ceifeiras-debulhadoras. ceifeira-debulhadora com o sistema de separação - Ceifeiras-debulhadoras com todos os tipos de
deficientemente regulado. sistemas de separação.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Manuais de instrução das máquinas.
- Tipos, constituição e funcionamento. uso de roupas folgadas.
- Cereal para debulhar.
- Órgãos constituintes do sistema de separação. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.
- Dispositivos auxiliares, sua importância e funções.
- Conjunto de ferramentas.
- Nomenclatura das peças e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Fita métrica.
- Álbum seriado.
- Execução de regulações e comparação de
resultados. - Conta-rotações.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Bomba de lubrificação atestada.


- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Almotolia com óleo.
TECNOLOGIA - Televisor.
- Vassoura e pincel.
- Dos sistemas de separação das
ceifeiras-debulhadoras. - DVD sobre o tema.
- Desperdício, água e sabão.

- Localização e identificação das peças. - Estojo de primeiros socorros.

- Oscilações e r.p.m. - Extintor de incêndio.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 50.4 (continuação)

SISTEMA DE SEPARAÇÃO 245

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa.

- Perante uma ceifeira-debulhadora, identificar os


órgãos do sistema de separação, nomeando as
suas funções.

TEMPO PREVISTO
- 02.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.5
246 SISTEMA DE LIMPEZA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa e quadro de projecção.


- Especificar todos os órgãos de limpeza das - Prejuízos resultantes do funcionamento de uma
ceifeiras-debulhadoras. ceifeira-debulhadora com o sistema de limpeza - Uma ceifeira-debulhadora com o sistema de
desafinado. limpeza em perfeito estado.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos resultantes dos órgãos em funcionamento - Manual de instruções da máquina.
- Explicar o que é e para que serve o sistema de e do uso de roupas folgadas.
limpeza das ceifeiras-debulhadoras. - Cereal para debulhar.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Constituição e funcionamento do sistema. manuseamento das peças. - Mesa ou bancada.

- Nomenclatura das peças e suas funções. - Conjunto de ferramentas.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Luvas e óculos de protecção.
- Quadros didácticos.

- Execução de regulações e comparação dos - Fita métrica.


- Álbum seriado.
serviços.
- Conta-rotações.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Almotolia com óleo.
TECNOLOGIA
- Do sistema de limpeza das ceifeiras-debulhadooras. - Televisor.
- Vassoura e pincel.

- Localização e identificação das peças. - DVD sobre o tema.


- Desperdício, água e sabão.

- Ventiladores e r.p.m. - Estojo de primeiros socorros.

- Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.


NOTA TÉCNICA Nº 50.5 (continuação)

SISTEMA DE LIMPEZA 247

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 19).

- Perante uma ceifeira-debulhadora, identificar os


órgãos e funções do sistema de limpeza. Operar
com a máquina e ajustar as regulações do sistema
de acordo com os resultados obtidos.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.6
248 SISTEMA DE RECOLHA E ARMAZENAMENTO

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o que é e quais as funções do sistema de - Prejuízos resultantes do deficiente funcionamento
recolha e armazenamento. do sistema. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO uso de roupas folgadas.
- Órgãos constituintes do sistema e suas funções. - Manual de instruções da máquina.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Nomenclatura das peças e suas funções. manuseamento das peças. - Bomba de lubrificação atestada.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Almotolia com óleo.


AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Funcionamento prático com um sistema de recolha - Vassoura e pincel.
- Quadros didácticos.
e armazenamento.
- Desperdício, água e sabão.
- Álbum seriado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
AVALIAÇÃO
TECNOLOGIA - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o Propõe-se:
- Do sistema de recolha e armazenamento das tema.
- Avaliação formativa.
ceifeiras-debulhadoras.
- Estojo de primeiros socorros.
- Perante uma ceifeira-debulhadora, identificar os
- Localização e identificação das peças.
- Extintor de incêndio. órgãos do sistema de recolha e armazenamento,
- Dos gestos e posições correctas. mencionando as regulações possíveis.
- Mesa e quadro de projecção.

- Ceifeira-debulhadora com o sistema de recolha e TEMPO PREVISTO


armazenamento em perfeito estado. - 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.7
EQUIPAMENTOS COMPLEMENTARES 249

OBJECTIVO - Percentagens e aderências. - Mesa e quadro de projecção.


- Explicar o que são, quais são e para que servem
os equipamentos complementares das - Dos gestos e posições correctas. - Ceifeira-debulhadora e todos os equipamentos
ceifeiras-debulhadoras. complementares.

HIGIENE E SEGURANÇA - Terreno e culturas para a utilização prática dos


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos com os órgãos em funcionamento e com o equipamentos complementares.
- Fazer sentir a necessidade dos equipamentos uso de roupas folgadas.
complementares de uma ceifeira-debulhadora, de - Manual de instruções da máquina.
acordo com o trabalho a executar. - De acordo com as circunstâncias, prejuízos
resultantes do funcionamento da - Mesa ou bancada.
- Constituição e funcionamento dos equipamentos ceifeira-debulhadora sem os equipamentos
apropriados. - Conjunto de ferramentas.
complementares.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Luvas e óculos de protecção.


- Nomenclatura das peças e suas funções.
manuseamento das peças.
- Bomba de lubrificação atestada.
- Montagens e desmontagens possíveis.

- Almotolia com óleo.


- Execução de regulações e manutenção dos vários AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
equipamentos. - Quadros didácticos.
- Óleo queimado.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Mangueira com agulheta.

- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o


- Água sob pressão.
TECNOLOGIA tema.
- Dos equipamentos complementares das
- Vassoura, pincel.
ceifeiras-debulhadoras. - Estojo de primeiros socorros.
- Desperdício, água e sabão.
- Localização e identificação das peças. - Extintor de incêndio.
NOTA TÉCNICA Nº 50.7 (continuação)

250 EQUIPAMENTOS COMPLEMENTARES

AVALIAÇÃO
Aconselha-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 19).

- Perante uma determinada cultura, indicar o


equipamento complementar mais adequado para a
ceifeira-debulhadora.

TEMPO PREVISTO
- 03.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 50.8
FUNCIONAMENTO E MANUTENÇÃO 251

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Mesa ou bancada.


- Fazer sentir a necessidade de um correcto - Da ceifeira-debulhadora e dos seus sistemas.
funcionamento da ceifeira-debulhadora, para o - Conjunto de ferramentas.
qual concorrem, para além da perfeita regulação, - Localização e identificação dos órgãos e peças.
uma boa manutenção. - Luvas e óculos de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
- Bomba de lubrificação atestada.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
HIGIENE E SEGURANÇA - Almotolia com óleo.
- Executar a manutenção de antes da campanha, de
acordo com o manual de instruções. - Prejuízos resultantes do funcionamento da
ceifeira-debulhadora desafinada. - Óleo queimado.
- Com o motor a funcionar, treino de manejo com
- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Fita métrica.
todos os comandos da máquina.
uso de roupas folgadas.
- Conta-rotações.
- Realizar trajectos, previamente determinados,
manobrando todos os comandos e aumentando - Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Ar sob pressão.
progressivamente as dificuldades.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Manómetro de pressão.
- Fazer os cuidados de manutenção diária, de manuseamento das peças.
acordo com o manual de instruções. - Gasóleo.

- Debulhar e executar todas as regulações AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Pó de talco.
necessárias, de acordo com o demonstrado - Estojo de primeiros socorros.
anteriormente, nas sessões respectivas. - Tinta.
- Extintor de incêndio.
- Fazer a manutenção de pós campanha, à máquina - Verniz de protecção para pneus.
- Uma ceifeira debulhadora.
e ao motor, de acordo com o manual
- Baldes de plástico.
- Manual de instruções da máquina.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mangueira com agulheta.
- Culturas para debulhar.
NOTA TÉCNICA Nº 50.8 (continuação)

252 FUNCIONAMENTO E MANUTENÇÃO

- Vassoura e pincel. AVALIAÇÃO


Sugere-se:
- Macaco hidráulico.
- Avaliação formativa.
- Cepos ou preguiças.
- Numa ceifeira-debulhadora, executar a sua
- Produto de manutenção para sistemas de manutenção diária.
arrefecimento por líquido.

- Panos para enrolar a lâmina de corte. TEMPO PREVISTO


- 36.00 horas.
- Recipiente para guardar correntes.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 51
ENFARDADEIRAS – GENERALIDADES E TIPOS 253

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre o que é e para que serve uma - Perigos com o uso de roupas folgadas. - Propõe-se avaliação diagnostica. (Ex: exercício
enfardadeira. nº 20).

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Explicar a função das enfardadeiras e explicar que


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos. tipos existem e forma de os diferenciar.
- Explicar o que é e para que serve uma enfardadeira.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Vantagens dos fardos. TEMPO PREVISTO
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - 02.00 horas.
- Tipos de enfardadeiras e fardos que proporcionam: tema.

- Vantagens e inconvenientes. - Quadro de parede, apagador e giz de várias cores.

- Estojo de primeiros socorros.


TECNOLOGIA
- Das enfardadeiras. - Extintor de incêndio.

- Figuras geométricas, pressões, pesos e densidades. - Mesa e quadro de projecção.

- Hp, kW e km/hora. - Enfardadeiras de todos os tipos.

- Dos gestos e posições correctas.


NOTA TÉCNICA Nº 51.1
254 ENFARDADEIRAS DE BAIXA PRESSÃO

OBJECTIVO - Das correias e das correntes. - Vídeo e cassetes sobre o tema.


- Descrever o que são enfardadeiras de baixa
pressão. - Pressões, pesos, densidades, ângulos, tdf e r.p.m. - Estojo de primeiros socorros.

- Dos gestos e posições correctas. - Extintor de incêndio.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO
- Vantagens e inconvenientes das enfardadeiras de - Mesa e quadro de projecção.
baixa pressão. HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes do funcionamento com a - Um tractor.
- Constituição e funcionamento das enfardadeiras de enfardadeira desafinada.
- Uma enfardadeira de baixa pressão em perfeito
baixa pressão.
- Perigos com os órgãos em funcionamento e com o estado de funcionamento.
- Sistemas de segurança. uso de roupas folgadas.
- Rolos de fio para a enfardadeira.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Feno para enfardar.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Mesa ou bancada.
- Execução de regulações e comparação dos AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Conjunto de ferramentas.
resultados. - Quadros didácticos.

- Luvas e óculos de protecção.


- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Álbum seriado.

- Vassoura e pincel.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
TECNOLOGIA
- Desperdício, água e sabão.
- Das enfardadeiras de baixa pressão e dos veios - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
telescópicos de cardans. tema.

- Localização e identificação das peças. - Televisor.


NOTA TÉCNICA Nº 51.1 (continuação)

ENFARDADEIRAS DE BAIXA PRESSÃO 255

AVALIAÇÃO
Recomenda-se:

- Avaliação formativa.

- Perante uma enfardadeira de baixa pressão, explicar


a sua constituição e funcionamento, enumerando
as suas vantagens e inconvenientes.

TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 51.2
256 ENFARDADEIRAS DE MÉDIA E ALTA PRESSÃO

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Retroprojector e transparências sobre o tema.


- Explicar o que são e como funcionam as - Das enfardadeiras de média e alta pressão e dos
enfardadeiras de média e alta pressão. veios telescópicos de cardans. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Localização e identificação das peças.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Televisor.
- Vantagens e inconvenientes das enfardadeiras de - Das correias e das correntes.
média e alta pressão. - DVD sobre o tema.
- Ângulos, pesos, pressões, densidades, tdf e r.p.m.
- Constituição e funcionamento das enfardadeiras de - Estojo de primeiros socorros.
média e alta pressão. - Dos gestos e posições correctas.
- Extintor de incêndio.
- Sistemas de segurança.
HIGIENE E SEGURANÇA - Um tractor.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Prejuízos resultantes do funcionamento das
enfardadeiras de média e alta pressão - Enfardadeiras com sistema de atamento a arame e
- Desmontagens e montagens possíveis. deficientemente afinadas. a cordel.

- Execução de regulações e comparação de - Perigos com os órgãos em funcionamento e com o - Feno ou palha para enfardar.
resultados. uso de roupas folgadas.
- Mesa ou bancada.
- Técnicas de utilização. - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
- Conjunto de ferramentas.
manuseamento das peças.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Luvas e óculos de protecção.

AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS


- Vassoura e pincel.
- Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Álbum seriado.
NOTA TÉCNICA Nº 51.2 (continuação)

ENFARDADEIRAS DE MÉDIA E ALTA PRESSÃO 257

AVALIAÇÃO
Sugere-se:

- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 20).

- Perante uma enfardadeira de alta pressão,


identificar todos os seus órgãos e peças,
explicando as suas funções.

- Operar com a máquina e executar as regulações


necessárias.

TEMPO PREVISTO
- 08.00 horas.
NOTA TÉCNICA Nº 51.3
258 ENFARDADEIRAS DE GRANDES FARDOS PARALELEPIPÉDICOS

OBJECTIVO TECNOLOGIA - Um tractor.


- Especificar o que são e como funcionam as - Das enfardadeiras de grandes fardos
enfardadeiras de grandes fardos paralelepipédicos. paralelepipédicos. - Enfardadeiras de grandes fardos paralelepipédicos
de todos os tipos.
- Dos veios telescópicos de cardans.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Feno ou palha para enfardar.
- Vantagens e inconvenientes das enfardadeiras de - Das correias e das correntes.
grandes fardos paralelepipédicos. - Mesa ou bancada.
- Ângulos, pesos, pressões, densidades, tdf e r.p.m.
- Tipos de enfardadeiras de grandes fardos - Conjunto de ferramentas.
paralelepipédicos. - Dos gestos e posições correctas.
- Luvas e óculos de protecção.
- Constituição e funcionamento destas enfardadeiras.
HIGIENE E SEGURANÇA - Vassoura e pincel.
- Sistemas de segurança. - A mesma das Notas Técnicas Nºs 51.1 e 51.2.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Desmontagens e montagens possíveis. - Quadros didácticos. AVALIAÇÃO
Aconselha-se:
- Execução de regulações e comparação de - Álbum seriado.
resultados. - Avaliação formativa.
- Retroprojector e transparências sobre o tema.
- Técnicas de utilização. - Perante uma enfardadeira de grandes fardos
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o paralelepipédicos, explicar o seu funcionamento e
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. tema. vantagens; operar com a máquina e executar as
regulações necessárias.
- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO


- 08.00 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
NOTA TÉCNICA Nº 51.4
ENFARDADEIRAS DE GRANDES FARDOS REDONDOS 259

OBJECTIVO - Das correias e das correntes. - Um tractor.


- Explicar o que são e como funcionam as
enfardadeiras de grandes fardos redondos - Ângulos, pressões, pesos, densidades, tdf e r.p.m. - Enfardadeiras de grandes fardos redondos de
todos os tipos.
- Dos gestos e posições correctas.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Feno ou palha para enfardar.
- Vantagens e inconvenientes das enfardadeiras de
grandes fardos redondos. HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.
- A mesma das Notas Técnicas Nos 51.1 e 51.2.
- Tipos de enfardadeiras de grandes fardos redondos, - Conjunto de ferramentas.
sua constituição e funcionamento.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Luvas e óculos de protecção.
- Sistemas de segurança. - Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura das peças e suas funções. - Álbum seriado.

- Execução de regulações e comparação de - Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO


resultados. Propõe-se:
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Técnicas de utilização. tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 20).

- Desmontagens e montagens possíveis. - Televisor. - Perante uma enfardadeira de grandes fardos


redondos, identificar o seu tipo, explicar o seu
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Vídeo e cassetes sobre o tema. funcionamento e operar com ela executando as
regulações necessárias.
- Estojo de primeiros socorros.
TECNOLOGIA
- Das enfardadeiras de grandes fardos redondos e - Extintor de incêndio. TEMPO PREVISTO
dos veios telescópicos de cardans. - 08.00 horas.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização e identificação das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 51.5
260 MANUTENÇÃO DAS ENFARDADEIRAS

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Recipiente para guardar correntes.


- Descrever a manutenção necessária para uma boa - Estojo de primeiros socorros.
conservação e funcionamento das enfardadeiras. - Vassoura e pincel.
- Extintor de incêndio.
- Tinta.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Enfardadeiras.
- Explicar qual a manutenção a efectuar a uma - Mangueira com agulheta.
enfardadeira antes, durante e após a campanha e - Mesa ou bancada.
- Água sob pressão.
efectuá-la.
- Conjunto de ferramentas.
- Plástico ou oleado com dimensão suficiente para
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Luvas e óculos de protecção. cobrir uma enfardadeira.

- Macaco hidráulico. - Desperdício, água e sabão.


TECNOLOGIA
- Das enfardadeiras.
- Cepos ou preguiças.
AVALIAÇÃO
- Oxidações e corrosões.
- Bomba de lubrificação atestada. Aconselha-se:
- Dos gestos e posições correctas.
- Almotolia com óleo. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 20).

- Óleo queimado. - Perante uma enfardadeira, efectuar-lhe a


HIGIENE E SEGURANÇA
manutenção de fim de campanha.
- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Pó de talco.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


- Verniz de protecção para pneus. TEMPO PREVISTO
manuseamento das peças.
- 03.00 horas.
- Ar sob pressão.

- Manómetro.
NOTA TÉCNICA Nº 52
MÁQUINAS DE VINDIMAR – GENERALIDADES 261

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre o que é e para que serve uma - Da utilização, em geral, das máquinas de vindimar. - Recomenda-se avaliação diagnostica.
máquina de vindimar.
- Explicar as vantagens e inconvenientes da vindima
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS com máquinas de vindimar.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Quadros didácticos.
- Explicar o que é e para que serve uma máquina de
vindimar. - Retroprojector e transparências sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- 01.00 horas.
- A expansão das máquinas de vindimar e seus tipos. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Vantagens das máquinas de vindimar.
- Televisor.
- Unidades constituintes das máquinas de vindimar.
- DVD sobre o tema.

TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros.


- Das máquinas de vindimar.
- Extintor de incêndio.
- Dos gestos e posições correctas.
- Mesa e quadro de projecção.
NOTA TÉCNICA Nº 52.1
262 UNIDADE MOTRIZ

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Explicar o que é a unidade motriz das máquinas de - Prejuízos resultantes do funcionamento dos Sugere-se:
vindimar. componentes em deficiente estado.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento dos componentes. - Perante uma máquina de vindimar, identificar os
- Constituição da unidade motriz das máquinas de órgãos da unidade motriz, especificando as suas
vindimar. funções.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- Funcionamento dos componentes. - Quadros didácticos.
TEMPO PREVISTO
- Desmontagens e montagens possíveis. - Álbum seriado. - 03.00 horas.

- Nomenclatura, funções e regulações dos - Retroprojector e transparências sobre o tema.


componentes.
- Televisor.
- Cuidados a ter com o manuseamento dos
componentes. - DVD sobre o tema.

- Estojo de primeiros socorros.


TECNOLOGIA
- Dos componentes da unidade motriz das máquinas - Extintor de incêndio.
de vindimar.
- Mesa e quadro de projecção.
- Localização e identificação dos componentes.
- Luvas e óculos de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
- Mesa ou bancada.

- Conjunto de ferramentas.

- Desperdício, água e sabão.


NOTA TÉCNICA Nº 52.1.1
POLIVALÊNCIA DA UNIDADE MOTRIZ 263

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Equipamentos específicos de uma unidade motriz


- Diferenciar os equipamentos que se podem utilizar - Prejuízos resultantes da utilização de equipamentos de máquina de vindimar.
na unidade motriz de uma máquina de vindimar. que não estejam em conformidade com as
exigências de montagem. - Mesa ou bancada.

DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.


- Equipamento específico a utilizar numa unidade manuseamento dos equipamentos.
motriz de máquinas de vindimar. - Luvas e óculos de protecção.

- Nomenclatura dos equipamentos e suas funções. AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.
- Quadros didácticos.
- Desmontagens e montagens possíveis.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. Propõe-se:
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema. - Avaliação formativa.
TECNOLOGIA
- Dos equipamentos específicos das máquinas de - Televisor. - Perante uma máquina de vindimar, montar o
vindimar. equipamento de vindima na unidade motriz.
- DVD sobre o tema.
- Localização e identificação das peças.
- Estojo de primeiros socorros. TEMPO PREVISTO
- Dos gestos e posições correctas. - 02.00 horas.
- Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 52.2
264 UNIDADE DE VINDIMA

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Explicar o funcionamento da unidade de vindima - Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
de uma máquina de vindimar. funcionamento dos componentes. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Desperdício, água e sabão.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento dos componentes.
- Constituição da unidade de vindima de uma máquina
de vindimar. AVALIAÇÃO
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS Recomenda-se:
- Funcionamento dos componentes. - Quadros didácticos.
- Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).
- Nomenclatura, funções e regulações dos - Retroprojector e transparências sobre o tema.
componentes. - Explicar quais são as unidades de vindima, sua
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o constituição e funções e operar com uma máquina
- Técnicas de utilização. tema. de vindimar, executando as regulações necessárias
em função do estado da vinha.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Televisor.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - DVD sobre o tema. TEMPO PREVISTO
- 22.00 horas.
- Estojo de primeiros socorros.
TECNOLOGIA
- Dos componentes da unidade de vindima das - Extintor de incêndio.
máquinas de vindimar.
- Componentes da unidade de vindima.
- Localização e identificação dos componentes.
- Luvas e óculos de protecção.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 52.3
MANUTENÇÃO E ARMAZENAGEM 265

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Vassoura e pincel.


- Especificar a manutenção necessária para as - Estojo de primeiros socorros.
máquinas de vindimar. - Mangueira com agulheta.
- Extintor de incêndio.
- Água sob pressão.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Uma máquina de vindimar.
- Explicar qual a manutenção a efectuar às - Desperdício, água e sabão.
máquinas de vindimar, antes, durante e após a - Manual de instruções da máquina.
campanha e efectuá-la.
- Mesa ou bancada. AVALIAÇÃO
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. Propõe-se:
- Conjunto de ferramentas.
- Avaliação formativa.
- Luvas e óculos de protecção.
TECNOLOGIA
- Executar a manutenção diária a uma máquina de
- Das máquinas de vindimar.
- Macaco hidráulico. vindimar.
- Oxidações e corrosões.
- Cepos ou preguiças.

- Dos gestos e posições correctas. TEMPO PREVISTO


- Óleo apropriado. - 02.00 horas

- Bomba de lubrificação atestada.


HIGIENE E SEGURANÇA
- Prejuízos resultantes de uma deficiente
- Almotolia com óleo.
manutenção.
- Óleo queimado.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente
manuseamento das peças. - Tinta.
NOTA TÉCNICA Nº 53
266 MÁQUINAS PARA A COLHEITA DA AZEITONA – GENERALIDADES E TIPOS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA AVALIAÇÃO


- Generalizar sobre as colhedoras mecânicas da - Alertar para os perigos resultantes da incúria ou - Aconselha-se avaliação diagnostica.
azeitona e seus tipos. incorrecta utilização das colhedoras de azeitona.
- Explicar quais as colhedoras de azeitona
actualmente existentes no mercado.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS
- História do aparecimento da oliveira e do - Quadros didácticos.
aproveitamento do seu fruto. TEMPO PREVISTO
- Retroprojector e transparências sobre o tema. - 01.00 horas.
- Aparecimento e evolução das colhedoras de
azeitona. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
tema.
- Tipos de colhedoras.
- Televisor.

TECNOLOGIA - DVD sobre o tema.


- Das colhedoras de azeitona.
- Estojo de primeiros socorros.

- Extintor de incêndio.

- Mesa e quadro de projecção.


NOTA TÉCNICA Nº 53.1
DE DORSO 267

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Oliveiras com azeitona para a colheita.


- Explicar o funcionamento das colhedoras de - Perigos resultantes da execução do trabalho sem o
azeitona de dorso. equipamento de protecção adequado. - Mesa ou bancada.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Conjunto de ferramentas.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Tipos de colhedoras de azeitona de dorso. - Equipamento de protecção adequado.

- Constituição e funcionamento das colhedoras AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Vassoura e pincel.


citadas. - Quadros didácticos.
- Desperdício, água e sabão.
- Nomenclatura, funções e regulações dos - Álbum seriado.
componentes.
- Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO
- Desmontagens e montagens possíveis. Recomenda-se:
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Execução de trabalhos práticos. tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças e - Televisor. - Explicar os tipos de colhedoras de azeitona de
sua conservação. dorso existentes, sua constituição e funcionamento.
- DVD sobre o tema.
- Operar com uma máquina de dorso, respeitando
TECNOLOGIA - Estojo de primeiros socorros. todas as normas de segurança.
- Das colhedoras de azeitona de dorso.
- Extintor de incêndio.
- Localização e identificação das peças. TEMPO PREVISTO
- Mesa e quadro de projecção. - 04.00 horas.
- Dos gestos e posições correctas.
- Colhedoras de dorso de todos os tipos.
NOTA TÉCNICA Nº 53.2
268 MONTADAS NO TRACTOR E REBOCADAS

OBJECTIVO HIGIENE E SEGURANÇA - Mesa ou bancada.


- Especificar o funcionamento das colhedoras de - Perigos e/ou prejuízos resultantes da incorrecta
azeitona montadas no tractor e rebocadas. utilização das colhedoras citadas. - Conjunto de ferramentas.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente - Auriculares, luvas e óculos de protecção.


DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO manuseamento das peças.
- Tipos de colhedoras de azeitona montadas no - Vassoura e pincel.
tractor.
AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Desperdício, água e sabão.
- Tipos de colhedoras de azeitona rebocadas. - Quadros didácticos.

- Constituição e funcionamento das colhedoras - Retroprojector e transparências sobre o tema. AVALIAÇÃO


citadas. Sugere-se:
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o
- Nomenclatura, funções e regulações dos tema. - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).
componentes.
- Televisor. - Explicar quais são os tipos de colhedoras de
- Desmontagens e montagens possíveis. azeitona e seus princípios de funcionamento.
- DVD sobre o tema.
- Execução de trabalhos práticos. - Operar com uma máquina, executando as
- Estojo de primeiros socorros. regulações necessárias.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Extintor de incêndio.
TEMPO PREVISTO
TECNOLOGIA - Mesa e quadro de projecção. - 10.00 horas.
- Das colhedoras de azeitona montadas no tractor e
rebocadas. - Colhedoras de azeitona montadas no tractor e
rebocadas, de todos os tipos.
- Localização e identificação das peças.
- Oliveiras com azeitona para a colheita.
- Dos gestos e posições correctas.
NOTA TÉCNICA Nº 53.3
AUTOMOTRIZES 269

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Explicar o funcionamento da colhedora de azeitona - Quadros didácticos. Propõe-se:
automotriz.
- Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).
tema.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Operar com uma colhedora de azeitona automotriz,
- Constituição e funcionamento das colhedoras de - Televisor. efectuando as regulações necessárias.
azeitona automotrizes.
- DVD sobre o tema.
- Nomenclatura, funções e regulações dos TEMPO PREVISTO
componentes. - Estojo de primeiros socorros. -10.00 horas.

- Desmontagens e montagens possíveis. - Extintor de incêndio.

- Vantagens e inconvenientes destas colhedoras. - Mesa e quadro de projecção.

- Execução de trabalhos práticos. - Uma colhedora automotriz.

- Oliveiras com azeitona para a colheita.


TECNOLOGIA
- Luvas e óculos de protecção.
- Das colhedoras de azeitona automotrizes.

- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.

- Conjunto de ferramentas.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Vassoura e pincel.
- Perigos e/ou prejuízos resultantes de uma
incorrecta utilização destas colhedoras.
- Desperdício, água e sabão.
NOTA TÉCNICA Nº 53.4
270 EQUIPAMENTOS COMPLEMENTARES

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS AVALIAÇÃO


- Identificar os equipamentos complementares que - Quadros didácticos. Recomenda-se:
existem para a colheita mecânica da azeitona e
saber utilizá-los. - Projector de diapositivos e diapositivos sobre o - Avaliação formativa. (Ex: exercício nº 21).
tema.
- Diferenciar os equipamentos complementares da
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Televisor. colheita de azeitona e, em função do trabalho a
- Tipos de equipamentos complementares para a executar, optar pelos mais aconselhados.
colheita da azeitona. - DVD sobre o tema.

- Funcionamento dos equipamentos complementares. - Estojo de primeiros socorros. TEMPO PREVISTO


- 03.00 horas.
- Desmontagens e montagens possíveis. - Extintor de incêndio.

- Execução de trabalhos práticos. - Mesa e quadro de projecção.

- Cuidados a ter com o manuseamento das peças. - Equipamentos complementares de todos os tipos.

- Oliveiras com azeitona.


TECNOLOGIA
- Luvas e óculos de protecção.
- Dos equipamentos complementares.

- Mesa ou bancada.
- Dos gestos e posições correctas.

- Conjunto de ferramentas.

HIGIENE E SEGURANÇA
- Vassoura e pincel.
- Prejuízos resultantes da não utilização dos
equipamentos complementares.
- Desperdício, água e sabão.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


manuseamento das peças.
NOTA TÉCNICA Nº 53.5
MANUTENÇÃO 271

OBJECTIVO AJUDAS AUDIOVISUAIS E EQUIPAMENTOS - Verniz de protecção para pneus.


- Especificar a manutenção necessária para as - Estojo de primeiros socorros.
máquinas de colheita de azeitona. - Ar sob pressão.
- Extintor de incêndio.
- Manómetro.
DESENVOLVIMENTO DO CONTEÚDO - Colhedoras de azeitona.
- Explicar a manutenção a efectuar às diferentes - Vassoura e pincel.
colhedoras de azeitona e executá-la. - Equipamentos complementares.
- Tinta.
- Armazenagem das colhedoras para o período de - Manuais de instrução das colhedoras.
- Mangueira com agulheta.
inactividade.
- Luvas e óculos de protecção.
- Água sob pressão.
- Cuidados a ter com o manuseamento das peças.
- Mesa ou bancada.
- Desperdício, água e sabão.
- Conjunto de ferramentas.
TECNOLOGIA
- Das colhedoras de azeitona.
- Macaco hidráulico. AVALIAÇÃO
Sugere-se:
- Oxidações e corrosões.
- Cepos ou preguiças.
- Avaliação formativa.
- Dos gestos e posições correctas.
- Óleo para as colhedoras, de acordo com o manual
de instruções. - Numa colhedora de azeitona de dorso, efectuar a
sua manutenção diária.
HIGIENE E SEGURANÇA
- Bomba de lubrificação atestada.
- Prejuízos resultantes de uma deficiente manutenção.
- Almotolia com óleo. TEMPO PREVISTO
- Prejuízos resultantes de uma deficiente
- 02.00 horas.
armazenagem.
- Óleo queimado.

- Perigos e/ou prejuízos resultantes do deficiente


- Pó de talco.
manuseamento das peças.
CÓDIGO DA ESTRADA E CONDUÇÃO
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 273

CÓDIGO DA ESTRADA CONDUÇÃO A fase em parque deve integrar as seguintes


O tema Código da Estrada deverá ser desenvolvido Na aprendizagem da condução dever-se-á ter em manobras:
com base nos manuais de ensino do Código da conta o que está legislado nas Portarias nº 520/98
Estrada, actualizados, utilizados no programa de de 14 de Agosto e nº 528/2000 de 28 de Julho, - Início de marcha.
formação para o exame de condução, de acordo relativamente a tractores e máquinas agrícolas,
com as unidades temáticas da Portaria nº 520/98 com destaque para: - Inversão do sentido de marcha com recurso a
e o Código da Estrada utilizados nas Escolas de marcha-atrás.
Condução, realçando nomeadamente: - A capacidade de adaptação ao veículo.
- Estacionamento entre dois veículos ou balizas.
- O sistema de circulação rodoviária. - A adaptação do posto de condução ao condutor.
- Arranque em rampa.
- A sinalização. - O conhecimento do veículo.
- Contorno de obstáculo em marcha-atrás
- As regras de trânsito e manobras. - As técnicas de condução. perfazendo um ângulo de 90º.

- O condutor e o seu estado físico e psicológico. - O domínio do veículo com ou sem equipamento - Circulação em rotunda.
agrícola montado ou rebocado.
- As condições de admissão ao trânsito nas vias - Paragem do veículo.
públicas. As características do equipamento para a
aprendizagem de condução (tractor e reboque), Na fase de circulação urbana, o formando deve
- A circulação com equipamento agrícola montado devem estar de acordo com as normas previstas inserir-se no trânsito normal, sem perturbar a sua
ou rebocado. pela portaria 528/2000 de 28 de Julho. fluidez, demonstrando o domínio do veículo,
efectuando com correcção e oportunidade todas as
- A protecção do meio ambiente. A aprendizagem de condução, bem como a manobras necessárias e cumprindo com as regras e
avaliação posterior, é realizada em duas fases, sinais de trânsito.
- A habilitação legal para conduzir. sendo a primeira em parque de manobras e a
segunda em condições normais de trânsito urbano e O local de início e fim dos circuitos, bem como os
- A responsabilidade inerente à condução de não urbano. trajectos a percorrer, são objecto de estudo e fixados
veículos agrícolas na via pública. pelos serviços competentes das Direcções Regionais
CÓDIGO DA ESTRADA E CONDUÇÃO (continuação)

274 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

de Agricultura nos seus Centros de Formação


Profissional acreditados para o efeito, ou ainda no
local onde decorre a acção de formação, depois de
os mesmos serem aprovados pelos referidos serviços
competentes das Direcções Regionais de Agricultura.

TEMPO PREVISTO
- Código: 36.00 horas

- Condução: 44.00 horas


CARACTERÍSTICAS DOS ADULTOS A TER EM CONTA
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 275

SENHOR FORMADOR!
SE TRABALHAR COM ADULTOS NÃO ESQUEÇA QUE :

O adulto não é um irracional. O adulto não é um irresponsável. O adulto não é uma criança.
CARACTERÍSTICAS DOS ADULTOS A TER EM CONTA (continuação)

276 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

O adulto não é insensível. O adulto não é um inexperiente. O adulto tem a sua própria personalidade.
CARACTERÍSTICAS DOS ADULTOS A TER EM CONTA (continuação)

3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 277

O adulto tem o seu próprio comportamento. O adulto tem as suas convicções pessoais. O adulto tem a sua escala de valores.
CARACTERÍSTICAS DOS ADULTOS A TER EM CONTA (continuação)

278 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

O adulto tem uma vida cheia de experiência.


EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXEMPLIFICATIVOS

NOTA: Os resultados dos exercícios encontram-se nos mesmos, a sublinhado.


EXERCÍCIO Nº 1
NOTAS TÉCNICAS Nº 1 A 7 281

1 Balanceiro
2

Ordem de ignição
3
1

Cilindros
4 2
Válvula
5 3
6
4

Tuche

Excêntrico

Fig 1 Fig 2 Fig 3

1. a) As peças do motor apresentadas na figura 1 1. c) Na cremalheira do volante engrena (figura 1) 3. a) Um motor de 2 tempos é:
são:
... o motor de arranque ... 1 – de combustão interna .... X
1) fixas …………..... 2 – de combustão externa ...
2) móveis ............... X 3 – térmico ...........................
3) fixas e móveis … 2. a) Na figura 2 pinte, com a cor que entender, 4 – eólico ..............................
as fases de trabalho para a ordem de ignição
1 – 3 – 4 – 2.
1. b) Escreva, à frente dos números, as designações 3. b) Uma das características essenciais de um
correspondentes aos números da figura 1. motor de 2 tempos é a ausência de

1 – ... êmbolo ... 2. b) As peças representadas na figura 3 fazem ... válvulas ... que foram substituídas por
2 – ... pé da biela ... parte do sistema ... aberturas ... designadas por ... janelas ...
3 – ... corpo da biela ... ... de distribuição ... Legende a figura.
4 – ... chapéu da biela ...
5 – ... cremalheira ...
6 – ... volante .
EXERCÍCIO Nº 1 (continuação)

282 NOTAS TÉCNICAS Nº 1 A 7

Sobrealimentador Escape e
Rotor respectivos
4 1 Turbina gases

3 2 Entrada de ar Eixo

5 3
1
4
6
2
5

Cilindro do motor

Fig 4 Fig 5 Fig 6

3. c) Escreva as designações correspondentes Transcreva os nos da figura para a linha c) A figura 6 representa um
aos números da figura 4. respectiva, de acordo com as descrições.
... turboalimentador ... Legende a figura.
1 – ... janela de carga ... ... 2 ... Saída de ar limpo;
2 – ... canal de transferência ... ... 4 ... Elemento filtrante de papel;
3 – ... deflector do êmbolo ... ... 1 ... Entrada de ar com impurezas;
4 – ... vela ou injector ... ... 3 ... Escudo metálico;
5 – ... janela de escape ... ... 5 ... Válvula de descarga do pó.
6 – ... janela de admissão ...

4. b) No caso da figura 5, o ar é dirigido para:


4. a) A figura 5 representa um filtro de
1) palhetas direccionais ...............
... ar ... tipo ... seco ... 2) um lado do escudo metálico ... X
3) um chapéu centrífugo ..............
EXERCÍCIO Nº 2
NOTAS TÉCNICAS Nº 8 A 10.2 283

1. A função do sistema de escape é Ao radiador 4. c) O tampão do radiador serve, em relação ao


líquido de arrefecimento, para:
... dissipar os gases combustados, o calor
provocado, silenciar os ruídos do motor e eliminar 1) fazer com que o líquido ferva .....
os resíduos ... 2) tirar pressão ao líquido ...............
3) aumentar a pressão do líquido ...
4) manter a pressão do líquido ....... X
Do motor
2. a) O armazenamento ideal do combustível é o
Do motor
... subterrâneo ...
À bomba 4. d) Legende a figura 1.
Motor frio Motor quente
Termóstato fechado Termóstato aberto
2. b) Quando o bidão fica ao alto e para que as
Fig 1
impurezas se depositem de forma a não serem
aspiradas, deve colocar-se-lhe

... um calço ... de, aproximadamente,


4. a) O líquido de arrefecimento de um motor
... 6 cm., por baixo da linha do bujão:
de combustão interna deve ter um pH
1) maior .... X compreendido entre
2) menor ...
... 8 ... e ... 10 ...

3. a) Há dois tipos de sistemas de injecção.


Directa e indirecta. Na maioria dos motores 4. b) O termóstato do sistema de arrefecimento
Diesel é utilizada a por líquido tem como missão

... directa ... onde o combustível incide ... manter constante a temperatura normal de
... directamente sobre a cabeça do êmbolo ... funcionamento do motor ...
EXERCÍCIO Nº 3
284 NOTAS TÉCNICAS Nº 11 A 15

1. a) Há três tipos de sistemas de lubrificação 3. a) À capacidade de um lubrificante formar e


que são manter uma película capaz de resistir a um
2 3
severo arrastamento e se opor à colagem entre
... por chapinhagem, misto e sob pressão ...
superfícies de contacto, chama-se

... poder anti-desgaste ...


1. b) Actualmente, a grande maioria dos motores
utiliza a lubrificação
3. b) O nível de óleo do motor deve manter-se:
... sob pressão ..., também denominada por
... lubrificação forçada ... 1 4 1) entre o máximo e o mínimo ... X
2) no mínimo ..............................
3) no máximo .............................
Fig 1
2. a) A figura 1 mostra uma bomba de óleo de 4) acima do máximo ..................
5) indiferente ..............................
... rotor ... Legende a figura.
porque ... abaixo do mínimo pode originar danos
1 – ... entrada do óleo ...
nas peças, por excesso de aquecimento ou até
2 – ... rotor externo ...
gripagem. Acima do máximo provoca excesso de
3 – ... rotor interno ...
pressão no carter, a qual pode danificar as juntas e
4 – ... saída do óleo ...
os retentores, originando perdas de óleo ...

2. b) A função de um filtro de óleo é a de libertá-lo

... das impurezas que nele se vão acumulando por


acção da lubrificação ...
EXERCÍCIO Nº 4
NOTAS TÉCNICAS Nº 16 A 16.2 285

1. a) A embraiagem tem por função 9 1. d) A embraiagem deve ter uma folga, a qual
serve para
... ligar e desligar o movimento do motor com os 1
10
restantes componentes ... ... evitar o desgaste do disco ...
2

3
1. b) A figura 1 representa uma embraiagem de 8 2. a) A figura 2 representa uma caixa de velocidades

... disco único ... 4 7 ... convencional ...

Escreva os números das peças descritas nos


6
círculos correspondentes da figura.
1. c) Escreva as designações correspondentes 5
aos números da figura: 1 – Carreto da 3ª.
Fig 1 2 – Marcha atrás.
1 – ... volante ... 3 – Veio intermediário.
2 – ... forra ... 4 – Carreto da 2ª.
3 – ... disco da embraiagem ... 5 – Carreto da 1ª.
4 – ... patilha ... 6 – Veio secundário.
5 – ... prato ... 7 – Veio primário.
6 – ... mola compressora ...
7 – ... rolamento de encosto ... 4
8 – ... veio primário ...
9 – ... pedal da embraiagem ... 1 5
10 – ... anel de encosto ...

7
6

2
3

Fig 2
EXERCÍCIO Nº 4 (continuação)

286 NOTAS TÉCNICAS Nº 16 A 16.2

2. b) Na figura 3 está engrenada a: 3. b) Se o movimento entrar pelo veio do


porta-satélites e sair pelo planetário, a velocidade:
1) 1ª alta ........................ X
2) 2ª alta ........................ 1) aumenta ............................... X
3) 3ª alta ........................ 2) diminui .................................
4) Marcha atrás alta ...... 3) não aumenta nem diminui ...
5) 2ª baixa .....................
6) 3ª baixa .....................
7) Marcha atrás baixa ...

2. c) As velocidades altas têm:


Fig 3
1) mais força e menos velocidade ..........
2) menos força e mais velocidade .......... X
3) a mesma força e mais velocidade ......
4) a mesma força e menos velocidade ...

3. a) A figura 4 representa uma engrenagem


3 4
... epicicloidal ...

Escreva os números da figura nos locais


respectivos.

... 4 ... Planetário.


... 2 ... Satélites.
2
1 ... 3 ... Porta-satélites.
... 1 ... Coroa.

Fig 4
EXERCÍCIO Nº 5
NOTAS TÉCNICAS Nº 16.3 A 18 287

1. a) Na figura 1 o tractor vai: 2. a) A tdf é um acessório acoplado à transmissão 3. b) O conjunto de duas forquetas e uma cruzeta
de força e utiliza-se para accionar chama-se:
1) em linha recta ... X
2) em viragem ....... ... equipamentos auxiliares ... 1) junta elástica ...........
2) junta de cardan ....... X
3) linguete ...................
1. b) Legende os números da figura de acordo 2. b) Um veio de tdf para 540 r.p.m. tem 4) árvore de cardans ...
com a numeração:
... 6 ... estrias.
1 – ... planetário ...
3. c) Nos veios telescópicos de cardans simples o
2 – ... satélites ...
ângulo formado com a máquina motora deverá ser
3 – ... roda de coroa ... 2. c) A tomada de força tractor está ligada ao
4 – ... planetário ... veio de saída da caixa de velocidades e o regime ... igual ... ao formado com a máquina receptora e
5 – ... veio secundário da caixa de velocidades ... de funcionamento é nunca deverá ultrapassar ... 30 ... graus.
6 – ... pinhão de ataque ...
... proporcional ... à velocidade de deslocação do
... tractor ...

2. d) Quando a tomada de força motor


6
é independente, o movimento do tractor
1
5 é comandado pelo

... pedal ... e o da tdf por ... alavanca ... manual.

2
3. a) O veio telescópico de cardans é um
4
dispositivo de ligação que tem por missão
3
transmitir o movimento recebido da

... tdf da máquina motora ... às


Fig 1 ... máquinas operadoras ...
EXERCÍCIO Nº 6
288 NOTAS TÉCNICAS Nº 19 A 21.1

2. a) As rodas motrizes de um tractor asseguram 3. a) Os travões destinam-se a:


5 8 ... a propulsão do veículo ... 1) ... diminuir ... a velocidade de marcha do veículo ou
... detê-la ... quando necessário.

2) Evitar que o veículo, ... quando parado ...,


2. b) Via ou bitola é se ponha em andamento por si só.
6
3 7 ... a distância que separa os planos médios dos 3) Possibilitar a marcha em voltas muito
4
pneus ... ... apertadas (accionando o travão a uma só roda) ...,
2 sempre que as condições do solo sejam
2. c) A bitola traseira dos tractores é variável e
serve para os ... desfavoráveis ...
1
... adaptar às alfaias ... ou
Fig 1
... às linhas ... de cultura.
3. b) Os travões de cinta usam-se, principalmente,
como travões de ... estacionamento ...
1. A direcção de um tractor permite-lhe mudar o 2. d) Nos pneus radiais:

... sentido ... de marcha. A figura 1 representa 1 – As telas são sobrepostas sem se cruzarem ...... X
uma direcção de comando ... manual... 2 – As telas são sobrepostas e cruzadas ................
3 – As telas não são sobrepostas mas cruzam-se ...
Faça a legenda da figura de acordo com a
numeração.

1 – ... volante ... 2. e) Lastrar um tractor consiste na


2 – ... coluna da direcção ...
3 – ... pendural ou dedo ... ... colocação de pesos extra ... , a fim de lhe
4 – ... tirante ou barra longitudinal ... ... aumentar a aderência ... e melhorar o
5 – ... Alavanca de ligação ... ... equilíbrio ... do conjunto de trabalho existente.
6 – ... barra transversal ... A lastragem pode ser feita com a aplicação
7 – ... biela da direcção ... ... de contrapesos ... ou com a ... aplicação de água ...
8 – ... cavilhão ...
EXERCÍCIO Nº 7
NOTAS TÉCNICAS Nº 22 A 22.2 289

2 3
Corpo da Carrêtos Comando do trinco
bomba

Trinco

Gancho 5
Eixo de accionamento
Placa de fricção 4
6
Ligações para os pendurais

Fig 1 Fig 2 Fig 3

1. a) O sistema hidráulico dos tractores serve 2. a) A figura 2 representa um 3. a) A figura 3 representa o


para a
... gancho automático ... para a ligação tractor – alfaia. ... engate de três pontos ... do sistema hidráulico
... elevação de máquinas ... e alfaias de um tractor. Legende a figura de acordo com
... montadas ..., ou para accionamento de a numeração.
determinados órgãos de máquinas
2. b) Legende a figura 2. 1 –
... pendural, suspensor ou tirante ...
... montadas ..., ... semi-montadas ... e de
2 –
... braço de levantamento ...
... arrasto ...
3 –
... manivela de regulação ...
4 –
... corrente ou barra estabilizadora ...
5 –
... braço superior do hidráulico, barra de
1. b) A figura 1 representa uma bomba do sistema compressão ou barra do terceiro ponto ...
hidráulico de um tractor e é de carretos 6 – ... braço inferior do hidráulico ou barra de
... externos ... Legende a figura. tracção esquerda ...
EXERCÍCIO Nº 7 (continuação)

290 NOTAS TÉCNICAS Nº 22 A 22.2

3. b) A figura 4 representa o sistema de controlo


E
de tracção do sistema hidráulico de um tractor,
C P cuja sensibilidade é
D ... regulável ...

Na figura 4 está:

1) sem sensibilidade .....................


2) com sensibilidade intermédia ...
3) com muita sensibilidade ........... X
Fig 4
EXERCÍCIO Nº 8
NOTAS TÉCNICAS Nº 23 A 23.5 291

1. a) Corrente eléctrica é um “fluxo” de 3. b) A figura 1 representa uma ligação em:

... electrões ... que se propagam em cadeia, num 1) série .......


... condutor ..., a cerca de 300.000 km/s. V - Volts 2 paralelo ... X
A - Amperes
Ah - Amp/hora

12 V
12 V 12 V
1. b) Em corrente eléctrica há dois tipos a 90 Ah 90 Ah
180 Ah
450 A
considerar; a corrente contínua e a corrente 450 A 450 A

... alterna ... A primeira é ... de fácil acumulação ...


mas de complexa ... transformação.

Fig 1
2. a) O motor de arranque é um

... motor ... eléctrico alimentado pela


... bateria ... e tem por missão fazer girar o motor do 2. c) O alternador gera corrente
... tractor ... quando se encontra parado, a fim de
... alterna ..., a qual não é possível ser acumulada na
pô-lo ... em marcha ... e deixá-lo a trabalhar.
... bateria ... Tem que ser transformada em
... contínua ..., com o auxílio de um ... rectificador ...

2. b) Disjuntor é o elemento que

... corta ... a corrente para evitar que a bateria se 3. a) A bateria é um conjunto de
... descarregue ... quando o motor do tractor está
... elementos ... separados uns dos outros por:
parado ou o seu regime seja baixo. No caso
contrário deixa-a ... passar ... 1) divisores ... X
2) bornes ......
3) tampas .....
4) placas .......
EXERCÍCIO Nº 9
292 NOTAS TÉCNICAS Nº 24 A 25

2. c) A figura 2 representa uma

... cabine de segurança ..., a qual, para além de


proteger o operador em caso de viragem lateral
ou traseira, também pode isolar o habitáculo da
... intempérie ... e ... dos ruídos ...

Fig 1 Fig 2

1. a) Painel de instrumentos de um tractor é o 2. a) Os dispositivos de segurança activa dos


conjunto de tractores que protegem o operador, em caso de
viragem, são as
... instrumentos de controlo ... do seu funcionamento,
os quais se encontram nele agrupados. ... estruturas de segurança ...

1. b) A figura 1 mostra um painel de instrumentos 2. b) Explique as diferenças entre arco de


segurança e quadro de segurança:
... digital ... Para além deste há o ... analógico ...
... Arco de segurança – em forma de arco, é
constituído por uma ou duas estruturas tubulares,
montadas na estrutura do tractor.
Quadro de segurança – é constituído por 4 ou 6
montantes interligados, montados na estrutura do
tractor ...
EXERCÍCIO Nº 10
NOTAS TÉCNICAS Nº 26 A 27.1.6 293

1. a) Os veículos puxados por uma máquina 2. a) A figura 2 representa uma charrua com
Abertura e fecho do agrícola e que transportam todo o género de algumas das suas peças. Diga quais são,
avental traseiro
produtos adaptados ao emprego em agricultura e de acordo com os números da figura.
sobre pisos diversos denominam-se
1 – ... cepo ...
Taipal
... reboques agrícolas ... 2 – ... calcanhar ...
3 – ... acrescento ...
Macaco 4 – ... aiveca ...
hidráulico 5 – ... chapa de encosto ...
1. b) Explique as diferenças existentes entre um
reboque clássico e um semi-reboque
Soalho
Lança Quadro ... Reboque clássico – tem dois eixos e a carga
2. b) Uma aiveca com a forma cilíndrica é indicada
incide totalmente sobre as rodas.
Fig 1 para solos
Semi-reboque – tem um eixo e a carga é repartida
sobre as rodas e o ponto de engate ... ... ligeiros ... e velocidades ... mais elevadas ...

1. c) A figura 1 representa um 2. c) Explique a diferença entre uma charrua


rebocada e uma charrua montada
... semi-reboque basculante para transbordo ...
... Rebocada – está ligada à barra de tracção e
Legende a figura.
4
3 apoia-se sobre o solo através de rodas.
Montada – apoia-se no sistema de 3 pontos do
1
hidráulico do tractor ...
2

Fig 2
EXERCÍCIO Nº 10 (continuação)

294 NOTAS TÉCNICAS Nº 26 A 27.1.6

Corrente estabilizadora

Pendural

Fita
métrica
Braço inferior
do hidráulico

Fig 3 Fig 4 Fig 5

2. d) A figura 3 representa, numa charrua, um 3. a) Na figura 4, a ponta externa da primeira relha 3. b) Na figura 5 procede-se à regulação
dispositivo de segurança tipo está na direcção da linha interna do pneu de trás
... lateral ou centralização ... a qual é realizada por
do tractor. Pode ficar afastada o máximo
... mola de lâminas ... Pinte, com a cor que entender, intermédio
o dispositivo focado. ... 5 cm ... Caso isto não aconteça deve ... das correntes ou barras estabilizadoras laterais ...
... alterar-se a via ou bitola ... Se esta regulação não for executada o tractor
... pode “fugir” para um dos lados ... e os braços
inferiores do hidráulico
... podem ir de encontro aos pneus ...

3. c) Largura de corte de uma charrua de aivecas é a

... distância, medida na horizontal, que vai da chapa


de encosto e rasto ... à ponta exterior da relha ...
EXERCÍCIO Nº 11
NOTAS TÉCNICAS Nº 27.1.7 A 27.4 295

1. c) Se tiver um terreno pedregoso e com restos


de raízes e outros detritos utiliza uma charrua:

Direcção da marcha
40 a 45º 1 – de aivecas ...
2 – de discos .... X
3 – indiferente ...

2. a) Um derregador pode ter

... um, dois ou três ... corpos simétricos e a


distância entre eles é:

Fig 1 1 – regulável .......... X Fig 2


2 – não regulável ...

1. a) Na figura 1 estamos perante um disco de 4. A alfaia destinada a trabalhar o terreno


charrua. compreendido entre cepas da mesma linha é a
2. b) Os derregadores movimentam:
O ângulo representado chama-se ... escavadora ..., a qual pode ser de comando:
1 – a terra só para um lado .....................................
... de ataque ou de corte ...
2 – a terra para os dois lados .................................. 1 – mecânico .........................
3 – a terra e formam camalhões .............................. 2 – hidráulico .........................
4 – a terra para os dois lados e formam camalhões ... X 3 – mecânico ou hidráulico ... X
1. b) Aumentando o ângulo apresentado:

1 – facilita-se a penetração do disco e aumenta-se


o esforço de tracção ... X 3. a) A figura 2 representa uma charrua
2 – dificulta-se a penetração do disco e aumenta-se
... vinhateira ... com os ferros em posição de fazerem
o esforço de tracção ...
lavoura de:
3 – facilita-se a penetração do disco e diminui-se
o esforço de tracção ... 1 – escava ..................... X
4 – dificulta-se a penetração do disco e diminui-se 2 – amontoa ..................
o esforço de tracção. 3 – escava e amontoa ...
EXERCÍCIO Nº 12
296 NOTAS TÉCNICAS Nº 28 A 31.1

1. a) As peças activas das grades de arrasto são os

... dentes ..., cuja secção pode ter várias


Ligação à tdf do tractor Dente
... formas ..., de acordo com o terreno e os trabalhos
a realizar.

1. b) A figura 1 representa uma grade


Apoio dos Eixos
dentes Dentes ... giratória ... a qual se utiliza em várias culturas, Quadro
perpendiculares
principalmente na
... preparação da cama de ... sementeita. Bico

Fig 1 Legende a figura. Fig 3

2. a) A figura 2 representa uma grade 2. c) Numa grade como a representada na figura


2, o ângulo de abertura deve aumentar-se quando
... de discos ... em que os discos do corpo da
o terreno é
frente são ... recortados ...
Corpo de trás
e os do corpo de trás ... lisos ... ... pesado, duro e de difícil penetração ...

Legende a figura.

3. a) A figura 3 representa um

2. b) Os discos lisos utilizam-se mais em terrenos ... escarificador ... tipo


... de dentes quadrados de dupla volta ...
... trabalhados e com pouca vegetação ...
Corpo da
frente Legende a figura.

Disco
recortado
Disco liso

Fig 2
EXERCÍCIO Nº 12 (continuação)

NOTAS TÉCNICAS Nº 28 A 31.1 297

3. b) O bico representado na figura 4 é denominado

... margeador ... e utiliza-se, com muita frequência,


... na sementeira de culturas em linhas, depois da
terra lavrada e gradada ...

3. c) Os escarificadores exigem cuidados de


manutenção antes, durante e após a campanha.
Descreva os que se devem executar após a
campanha

... – Fazer uma revisão geral em relação ao desgaste


Fig 4
das peças e substituí-las, se necessário. – Ajustar
folgas – Lavar com água sob pressão – Retocar a
pintura – Lubrificar – Besuntar com óleo queimado
4. b) Há 3 tipos essenciais de rolos:
as peças sem tinta – Guardá-lo sob coberto e em
cima de uma superfície dura e seca ... 1) ... compressores ...
2) ... destorroadores ...
3) ... compressores-destorroadores ou mistos ...
4. a) Os rolos têm como missão

... destruir torrões ..., uniformizar


4. c) Um rolo tipo Croskill só pode ser utilizado:
... a superfície do solo ... e nivelar
... a parte superior do terreno ... a fim de regular a / antes da / durante a / após a /
... humidade ... do mesmo. (sublinhe a resposta que lhe parecer certa)

sementeira, ... senão desenterraria as sementes ou


as plantas já nascidas ...
EXERCÍCIO Nº 13
298 NOTAS TÉCNICAS Nº 32 A 33.3

1. c) A enxada mecânica realiza um serviço 2. c) Numa fresa e em relação ao esmiuçamento:


1
2 aceitável em
1) velocidade de avanço reduzida + alto regime
9 ... vinhas, pomares e hortas ... do rotor + avental descido =
3
... esmiuçamento intenso ...

2) velocidade de avanço rápida + baixo regime do


2. a) A figura 1 representa uma rotor + avental levantado =
8
4
... fresa ... Escreva, frente aos números, os nomes ... esmiuçamento grosseiro ...

5
correspondentes aos números da figura.

1 – ... cabeçote ...


7 6 2. d) Determine o número de golpes por metro
2 – ... capot ...
quadrado de uma fresa com 1,20 m de largura de
Fig 1 3 – ... rotor ...
trabalho, com um veio de 5 falanges e 6 facas por
4 – ... avental ...
falange. A velocidade do rotor é de 260 r.p.m. e a
5 – ... falange ...
velocidade de avanço do tractor é de 1,2 km/h.
1. a) A enxada mecânica, também designada por 6 – ... faca ...
cavadeira, é uma alfaia de 7 – ... patim de regulação da profundidade ... Nxn
Golpes m2 = xK
8 – ... corrente da transmissão ... V
... mobilização ... do solo, suspensa nos 3 pontos
9 – ... par cónico ... Nt 30
do hidráulico do tractor e realiza um serviço Nº facas / m = x = 25
A 1.20
semelhante ao ... das enxadas manuais ...
Nt = 5 x 6 = 30
2. b) A largura de trabalho da fresa deve: A = 1.20
N = 25
1. b) A profundidade de trabalho da enxada 1) exceder a largura do rodado traseiro do tractor ... X
n = 260
mecânica pode ir até. 2) não exceder a largura do rodado traseiro do tractor ...
V = 1.2
3) indiferente ...
1 – 5 a 10 cm ..... K = 0,06
2 – 15 a 18 cm ... 25 x 260
Golpes m2 = x 0,06 = 324,9999 = 325
3 – 20 a 25 cm .... X 1.2
4 – 25 a 30 cm ....
O número de golpes por m2 é de 325.
EXERCÍCIO Nº 14
NOTAS TÉCNICAS Nº 34 A 34.4 299

1. c) Nos distribuidores centrífugos, a quantidade 2. a) Os distribuidores de estrume semi-líquido,


Boné
Colarinho abotoado de fertilizante a distribuir por hectare depende da para procederem a um enchimento correcto,
Camisa de manga larga
devem estar, em relação ao solo, na posição:
... abertura regulável ... da saída, da
... largura ... de trabalho e da 1) vertical ........
Luvas ... velocidade de deslocação ... do tractor. 2) horizontal .... X
3) oblíqua ........
Calças grossas
4) indiferente ...
Fertilizante

1. d) Um distribuidor centrífugo de tubo oscilante,


cuja largura de distribuição é de 20 metros, debita
Calçado de borracha
em cada 20 minutos 500 kg de um determinado 2. b) Temos um distribuidor de estrume com 6
fertilizante sólido. Sabendo que o tractor se toneladas de capacidade, 4 metros de
Fig 1 desloca à velocidade de 6 km/h, de quantos comprimento e 2 metros de largura de distribuição.
quilos/ha é a fertilização? A velocidade de deslocação do tractor vai ser de
6 km por hora e o andamento do fundo móvel do
distribuidor é de 0,6 metros por minuto. Calcular
1. a) A manipulação dos fertilizantes deve ser QxK
Kg/ha = a quantidade de estrume a distribuir por hectare.
cuidadosa; a figura 1 representa um operador VxL
devidamente equipado para os manipular. K
Q= x 10.000
Legende a figura. DxL
K = 600 25 x 600 C
Kg/ha = = 125 D = 17 x Vt x T T=
L = 20 6 x 20 K=6t V
V=6 C=4m 4
1. b) As palhetas dos discos de distribuição, dos T= = 6.666 = 6.7
Q = 500 : 20 = 25 L=2m 0,6
distribuidores de fertilizantes sólidos centrífugos,
Vt = 6 Km/h
podem ser rectas ou curvas. As que, na D = 17 x 6 x 6.7 = 683.4
V = 0,6 m/m
distribuição, imprimem maior velocidade às
A fertilização por hectare é de 125 kg. Q=?
partículas do fertilizante são as 6
17 = constante Q= = 10.000 = 44
683.4 x 2
... rectas ...
A quantidade de estrume a distribuir por hectare será
de 44 toneladas.
EXERCÍCIO Nº 14 (continuação)

300 NOTAS TÉCNICAS Nº 34 A 34.4

3. a) A brocadora-perfuradora é uma máquina


que se destina à

... abertura de covas circulares para fins diversos ...

1
Broca

3. b) Legende a constituição da broca de acordo


2 com a numeração da figura 2:
3 1 – ... eixo ...
4
2 – ... sem-fim ...
3 – ... lâmina de corte ...
4 – ... ponteira ...
Fig 2
EXERCÍCIO Nº 15
NOTAS TÉCNICAS Nº 35 A 38 301

Marca para
1. c) Calcule a distância T da figura 2, sabendo
a passagem que o semeador tem 15 linhas distanciadas a 20
2 seguinte
1 cm e a bitola dianteira do tractor é de 1,60 m.
3
V
T=L- L=NxE
2

Riscador
levantado N = 15 160
4 T = 300 - = 220
5
E = 20 2
E
Riscador em trabalho V = 1,60
6 L=NxE
T
T=L- V L = 15 x 20 = 300
2

Fig 1 Fig 2 A distância T é de 2.20 metros.

1. a) A figura 1 representa, em corte, parte de um 1. b) Os orifícios dos discos de distribuição dos


semeador monogrão pneumático. semeadores pneumáticos são

Legende a figura de acordo com a numeração: / maiores / menores /

1 – ... selector ... (sublinhe a resposta certa)


2 – ... aspiração ...
do que as sementes, para que
3 – ... câmara de depressão ...
... estas não passem pelos orifícios e vão parar à
4 – ... agitador ...
turbina ...
5 – ... disco ...
6 – ... libertação da semente ...
EXERCÍCIO Nº 15 (continuação)

302 NOTAS TÉCNICAS Nº 35 A 38

2. O esquema do plantador de batatas


representado na figura 3 é do tipo de

1 ... prato horizontal ...


2 Legende a figura de acordo com a numeração.

1 – ... tubo condutor ...


2 – ... transportador ...
3 3 – ... tubo condutor ...
4
5 4 – ... prato ...
5 – ... alvéolos ...

Fig 3
EXERCÍCIO Nº 16
NOTAS TÉCNICAS Nº 39 A 40 303

1. a) Após a utilização de produtos 1


fitofarmacêuticos há que respeitar o chamado
intervalo de segurança, que é: 2

1
1) o tempo que medeia entre a sementeira 7
2
3
e a colheita ...............................
2) o tempo que medeia entre a sementeira 6

e a aplicação do fitofármaco ...


5
3) o tempo que medeia entre a aplicação do 5
6 4
fitofármaco e a colheita ........... X 3

1. b) A aplicação de um fitofármaco deve fazer-se: Fig 1 Fig 2

1) contra o vento ......


2) a favor do vento ... X
3) indiferente ............. 2. b) O tipo de bomba mais utilizada nos Legende a figura de acordo com a numeração:
pulverizadores é a de:
1 – ... manómetro ...
1) êmbolo....................... 2 – ... tubo de retorno ...
2. a) Diga quais as diferenças entre um pulverizador
2) êmbolo-membrana ... 3 – ... parafuso de regulação ...
de jacto projectado e um pulverizador de jacto
3) membrana ................. X 4 – ... alimentação ...
transportado:
4) carretos ..................... 5 – ... mola ...
... Jacto projectado – o transporte do líquido efectua-se 5) roletes ....................... 6 – ... saída para as rampas ...
sem fluído auxiliar, apenas com a pressão ... 6) centrífuga .................. 7 – ... separador ...

... Jacto transportado – o transporte do líquido é


assegurado por um fluxo de ar ...
2. c) A figura 1 representa o corte de um 2. d) A figura 2 representa um filtro da bomba de
um pulverizador, o qual serve para
... regulador de pressão ... com regulação por
... parafuso ... ... eliminar corpos estranhos contidos na calda ...
EXERCÍCIO Nº 16 (continuação)

304 NOTAS TÉCNICAS Nº 39 A 40

Escreva os nomes correspondentes aos números 3. b) Pretende-se fazer uma aplicação de herbicida 3. c) O mesmo pulverizador, com outro tipo de
da figura: numa determinada área, com um produto doseado bicos percorreu 100 metros a pulverizar e gastou
a 6 Kg/ha. Qual a quantidade de calda a preparar, 60 litros de água. Determine o consumo por
1 – ... tampa de fixação ...
sabendo que temos um tractor com 65 kW de hectare.
2 – ... mola ...
potência, com o qual vamos trabalhar a uma
3 – ... torneira ...
velocidade de 5 km/h. A largura de trabalho da 60 x 10.000
4 – ... parafuso de orelhas ... X= = 500
rampa de pulverização é de 12 metros. No ensaio 100 x 12
5 – ... tampa ...
feito o débito obtido foi de 12 litros/minuto, com
6 – ... rede filtrante ...
uma pressão de 6 bar.
O consumo por hectare foi de 500 litros.

3. a) Numa bomba de pulverizador, por cada Q x 600


L/ha =
litro/minuto de débito são necessários Q = 12 VxL
V=5
... 4 a 5 ... cm2 de superfície filtrante. Se a bomba 12 x 600
L = 12 L/ha = = 120
tiver uma capacidade teórica de 60 litros/minuto, 5 x 12
qual é a superfície de filtragem necessária?
Há que preparar 120 litros de água/ha, aos quais se vão
60 x 4 = 240
misturar 6 kg de fitofármaco.
60 x 5 = 300

A superfície de filtragem é de 240 a 300 cm2.


EXERCÍCIO Nº 17
NOTAS TÉCNICAS Nº 41 A 47 305

5 4
Dentes do rotor
1
2

Grelha
Rotor

Relha
7 6

Fig 1 Fig 2 Fig 3

1. Para facilitar a colheita da batata retira-se-lhe 3. a) O carregador hidráulico pode ser frontal ou 4 – Balde
préviamente a rama. Esta operação é executada traseiro. O mais divulgado é o 5 – Macaco do balde
pelos 6 – Grelha de protecção
... frontal ..., o qual pode suportar cargas variáveis
7 – Contrapeso
... desramadores ..., os quais podem ser de que podem ir até, aproximadamente,
... eixo vertical ... e de ... eixo horizontal ...
... 600 ... kg, a uma altura aproximada de

... 3 ... metros. 3. c) A figura 3 representa um dos vários acessórios


aplicáveis na extremidade do braço de um
2. A figura 1 representa um arrancador de
carregador. Trata-se de uma
batatas simples, modelo
3. b) De acordo com a nomenclatura, transcreva ... forquilha para estrume ...
... de grelha ...
os números para dentro dos círculos da figura 2:
Legende a figura.
1 – Macaco hidráulico
2 – Braço
3 – Dispositivo de comando
EXERCÍCIO Nº 17 (continuação)

306 NOTAS TÉCNICAS Nº 41 A 47

4. a) A figura 4 representa uma gadanheira 4. c) Uma gadanheira de tambores é:

... alternativa ... com uma barra de corte tipo 1) alternativa ...................
normal, a qual é aconselhável para o corte de 2) rotativa ........................ X
1 2 5 forragens com: 3) alternativa e rotativa ...

1) caules moles ou muito espessos .... e faz na forragem, em relação às alternativas, um


2) caules rijos ou muito espessos ....... X corte:
3) caules rijos ou pouco espessos ......
6 1) mais bem feito ...
3 4 4) caules moles ou pouco espessos ...
2) mais mal feito .... X
3) igual ...................

4. b) De acordo com a nomenclatura, transcreva


Fig 4
os números para dentro dos círculos da figura 4:

1 – Dedos.
3. d) Os carregadores hidráulicos traseiros têm, 2 – Faca.
em relação aos frontais: 3 – Placas de desgaste.
4 – Bastão alinhador.
1) menos capacidade de manobra e maior altura de
5 – Sapata exterior.
elevação ...
6 – Barra do pente.
2) menos capacidade de manobra e menor altura de
elevação ... X
3) maior capacidade de manobra e maior altura de
elevação ...
4) maior capacidade de manobra e menor altura de
elevação ...
EXERCÍCIO Nº 18
NOTAS TÉCNICAS Nº 48 A 49 307

1. a) Os viradores de feno destinam-se a 1 – ... faca ...


2 – ... rotor ...
... virar o feno a fim de que o ar e a temperatura Mola
Rolo superior 3 – ... deflector ...
acelerem a fenação ...
4 – ... tubo de carga ...
4
3 a s. 5 – ... par cónico ...
cm
6 – ... contra-faca ...
1. b) A principal finalidade de um condicionador
7 – ... eixo da faca ...
de forragem é Forragem

... provocar uma perda rápida de grande parte da Rolo inferior Dobras

água que a forragem contém ... 2. b) A dimensão dos troços de forragem cortados
por este colhedor

Fig 1 / é / não é / regular


1. c) O condicionador de forragem representado
(sublinhe a resposta certa)
na figura 1 é do tipo
e depende ... da velocidade de deslocação da
... rolos canelados ...
máquina e do afastamento entre contra-faca e facas,
Legende a figura e diga se é o qual é regulável ...

/ muito sensível / pouco sensível /


(sublinhe a resposta certa) 3
7
à acção de objectos estranhos que se interponham 4 2. c) Descreva a manutenção a efectuar ao
2
entre os rolos. 1
colhedor da figura 2
5
... – Verificar o estado das facas, lubrificar todos os
1
pontos a tal destinados e ver, semanalmente, o nível
2. a) A figura 2 representa um colhedor de do óleo contido na caixa do par cónico ...
forragem de facas articuladas de corte simples. No final da campanha, para além do exposto, lavar,
lubrificar, besuntar com óleo queimado todas as
Escreva, à frente dos números, as designações
6 partes sem tinta e guardar sob coberto e em chão
correspondentes aos números da figura:
duro e seco ...
Fig 2
EXERCÍCIO Nº 19
308 NOTAS TÉCNICAS Nº 50 A 50.8

1 – ... moinho ...


2 – ... divisor ...
3 – ... dedo elevador de espigas ...
9
10 4 – ... tambor elevador ...
11 5 – ... transportador elevador ...
12
1 13 6 – ... ventoinha ...
2 8 7 – ... tabuleiro de preparação ...
8 – ... crivo superior ... 7 cm

9 – ... sacudidores ...


3 4 5 6 7
10 – ... transportador de retornos ...
11 – ... tambor impulsor ...
12 – ... batedor ...
Fig 1 13 – ... contra-batedor ... Fig 2

1. a) Ceifeira-debulhadora é uma máquina que, 2. a) O batedor faz parte do sistema de 3. a) A figura 2 representa um equipamento
numa só passagem,
... debulha ... e há dois tipos: de réguas e de ... complementar ... de uma ceifeira-debulhadora.
... corta ... as plantas pelo caule, ... separa ... dentes. Se necessitar de debulhar arroz utiliza
o de ... dentes ...
os grãos da ... palha ... e ... limpa-os e armazena-os ...
momentaneamente. 3. b) O equipamento apresentado utiliza-se na
colheita de

2. b) O tabuleiro de preparação é um órgão ... girassol ... São os ... tabuleiros ...
1. b) A figura 1 representa uma constituinte do sistema de
ceifeira-debulhadora, em corte, com todos os
... limpeza ...
seus sistemas.
e tem a (s) seguinte (s) função (ões)
Escreva, à frente dos números, as designações ... recebe o material vindo do contra-batedor e dos
correspondentes aos números da figura. sacudidores e transporta-o para os crivos ...
EXERCÍCIO Nº 20
NOTAS TÉCNICAS Nº 51 A 51.5 309

1. a) A figura 1 representa uma enfardadeira em 2. b) Descreva a manutenção a executar a uma


corte com todos os seus componentes, a qual 2 enfardadeira após a campanha
1 3
tanto pode ser de média como de alta pressão;
... – Lavar a enfardadeira – Substituir peças
verdadeiro ou falso?
4 danificadas – Afrouxar a tensão das correias e/ou
... verdadeiro ... 5 correntes, retirando as que se puderem retirar e
9
guardá-las de forma correcta – Substituir óleos
e besuntar, com óleo queimado, as partes sem tinta
1. b) Legende a figura de acordo com os números: – Lubrificar todos os pontos a tal destinados
7 – Conservar as peças “brilhantes” com verniz de
1 – ... rampa dos fardos ...
8 protecção – Guardar em recinto coberto e seco,
2 – ... manivelas de regulação da densidade dos 6
elevá-la e colocá-la sobre preguiças, reduzir a pressão
fardos ...
Fig 1 dos pneus e cobri-la com um plástico ou oleado ...
3 – ... atadores ...
4 – ... êmbolo ...
5 – ... volante de inércia ...
6 – ... embraiagem de segurança ...
7 – ... tambor-recolhedor ... 2. a) Nas enfardadeiras de grandes fardos
8 – ... calcador ... redondos, de rolos, o aperto da recolha faz-se
9 – ... alimentador de forquilhas principal ... de dentro para fora ou de fora para dentro?

... de fora para dentro ...

1. c) O tambor-recolhedor serve para Nas de correias como se faz o referido aperto?

... elevar o produto a enfardar e transportá-lo para ... de dentro para fora ...
os alimentadores ...
EXERCÍCIO Nº 21
310 NOTAS TÉCNICAS Nº 52 A 53.5

1. a) Numa máquina de vindimar, as funções de 2. b) Nas colhedoras de dorso, tipo vibrador, a


tracção, propulsão e direcção fazem parte da: peça que, aplicada ao ramo, produz a vibração é

1) unidade motriz ....................................... X ... o gancho ...


2) unidade de vindima ...............................
3) unidade motriz e unidade de vindima ...
2. c) Nas colhedoras montadas no tractor, temos
os vibradores e os varejadores. O maior
1. b) Explique a função dos sacudidores rendimento de trabalho é dado pelos:

... separar os bagos do engaço ... 1) vibradores ..... X


2) varejadores ...
3) igual ..............
1. c) Explique a função das noras

... recolher e transportar as uvas para os


2. d) As colhedoras automotrizes podem ser do
transportadores ...
tipo:

1) vibrador ...................... X
2. a) O trabalho com as colhedoras de azeitona 2) varejador ....................
de dorso, deve ser efectuado com equipamento 3) vibrador e varejador ...
de protecção individual próprio para o efeito.
Escreva, à frente dos números, o nome de cada
um dos equipamentos: 2. e) Os principais equipamentos complementares
da colheita de azeitona são os
1 – ... roupa justa ao corpo ...
2 – ... botas e luvas de protecção ... ... enroladores de panos ... e os ... apara frutos ...
3 – ... capacete ...
4 – ... auriculares ...
5 – ... viseira ...
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR 311

Briosa, Fausto, Glossário Ilustrado de Mecanização Agrícola, 3ª Edição, Lisboa (1989)


Carvalho, Rui Fernando de Carvalho, Algumas Normas de Segurança, 1ª Edição, Lisboa, Edição da DGER (1979)
Carvalho, Rui Fernando de Carvalho, O Tractor, 1ª Edição, Lisboa, Publicações Ciência e Vida (1986)
Cedra, C., Les Tracteurs Agricoles
Clément, J. M., Larrousse Agricole (1981)
Vicente, Miguel de Castro, A Electrónica no Automóvel, 1ª Edição, Lisboa, (1990)
Deere, John, Fundamentos de Servicio
Silva, José Albano C. da, Manual de Higiene e Segurança, Lisboa (2003)
Palácio, Vicente Ripoll, El Tractor, Milagro Ediciones (1972)
Sem autor, Vários Catálogos e Manuais de Instrução das principais marcas de Tractores e máquinas agrícolas

SITES DA INTERNET
www.acap.pt
www.agriculturaemaquinas.com/renault
www.cap.pt
www.confagri.pt
www.deere.com/es
www.dgv.pt
www.galucho.pt
www.herculano.pt
www.iefp.pt
www.idrha.min-agricultura.pt
www.idict.gov.pt
www.infoagro.com
www.massey.com.br
www.mecanização.der.uevora.pt
www.min-agricultura.pt
www.newholland.com
www.oecd.org
ANEXOS
312 3º VOLUME · MANUAL DO FORMADOR

1 – Para um acompanhamento da evolução Direcção Regional de Agricultura e Pescas Direcção Regional de Agricultura e Pescas
tecnológica nesta área, aconselha-se a consulta do Norte de Lisboa e Vale do Tejo
periódica de manuais e/ou catálogos distribuídos Mirandela Quinta das Oliveiras, Estrada Nacional nº3
pelas casas comerciais, normalmente em papel, Rua da República,133 Apartado 477
ou via Internet. 5370-347 Mirandela 2001-906 Santarém
Braga
2 – Para esclarecimentos complementares Rua Dr. Francisco Duarte, nº 365 – 1º Direcção Regional de Agricultura e Pescas
relacionados com a mecanização agrária Apartado 3073 do Alentejo
aconselham-se os seguintes contactos: 4710-379 Braga Quinta da Malagueira, Apartado 83
7002-553 Évora
Associação Portuguesa de Mecanização Agrícola Direcção Regional de Agricultura e Pescas
(APMA) do Centro Direcção Regional de Agricultura e Pescas
Tapada da Ajuda Castelo Branco do Algarve
1349-018 LISBOA Rua Amato Lusitano, Lote 3 Apartado 282
E-mail: apma@esoterica.pt 6000-150 Castelo Branco Braciais – Patacão
Coimbra 8001-904 Faro
Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Av. Fernão de Magalhães, nº 465
Rural 3000-177 Coimbra
Av. Afonso Costa nº 3
1949-002 LISBOA