Você está na página 1de 5

COLEGIADO DE DIREITO

ALUNO: TURMA (1): TURNO:

DTO I NOT ( ) CAL (X )

DISCIPLINAS: PROFESSORES: TURMA (2)

DTO I
DTO I
DTO I
DTO I
DTO I
DTO I
(1) Turma referente a semestralização do aluno, ou seja, contagem dos semestres a partir do ingresso na IES.
(2) Informar a turma onde a disciplina encontra-se ofertada.

PRODUÇÃO ÚNICA
“Percepções do Direito”
Nota Nota Nota
Máxi obti de
Itens avaliados
ma da Recur
so
Não atende* - 2,0
Plágio - 2,0
Problematização: (QUESTÃO NORTEADORA - contexto + problema). 0,2
Caracterização dos elementos do problema: Recorte do objeto (tema
de acordo com o campo de observação do Projeto Integrador) –, 0,2
Problematização (cientifica e jurídica).
Resumo do problema: (organização, lógica e conteúdo apresentado,
0,1
discussão problema do Projeto Integrador)
Hipótese (s): solução ou explicação (caminhos prévios possíveis para a
0,1
solução do caso)
Discussão (analise do Caso): análise fundamentada a partir das
leituras das obras de fichamento do Período correspondente, junto ao 0,6
Curso de Direito da UniAGES
Finalização da análise (confronto de hipótese + tomada de
0,2
posição):
Formatação (formato artigo, ABNT, 8 a 15 páginas, capa padrão) 0,2
Citações representativas por obra fichada 0,2
Vocabulário jurídico, gramatica, coesão e coerência. 0,2
Total 2,0

* Somente citações; somente resumo; somente resumo e citações; ausência de relação com o Relatório do Projeto Integrador.

Nota Recurso

Observações do professor:
PARIPIRANGA/2017-2
A atual pesquisa vem abordar a Metodologia de Aprendizagem utilizada pelo Centro
Universitário AGES, qual seja: a metodologia ativa. Tal instituição está situada no município
de Paripiranga-BA, na cidade Universitária Prof. Dr. Jaime Ferreira Bueno. Os dados desta
foram obtidos pelos acadêmicos do 1º período em Direito do calendário alternativo, onde foi
realizada uma entrevista com os calouros, e, após isso, foi elaborado um caso para produção
desta pesquisa.
Analisando a problemática de que certos acadêmicos do Curso de Direito estão
demonstrando grandes adversidades para adaptação com o método utilizado pelo Centro
Universitário AGES, qual seria a melhor solução para eles superarem tal dificuldade e
obterem um significativo desempenho nesta instituição de ensino?
O método ativo é fundamentado no método socrático, utilizado na Faculdade de
Direito de Harvard, o qual é bastante diferente da metodologia do ensino médio, por isso
muitos acadêmicos têm demasiada dificuldade para se adaptar com este. Destarte, o discente
apresentador de dificuldades com o método empregado, necessita de mecanismos para superá-
las, podendo-se citar: orientação de acadêmicos veteranos da IES, juntamente com a leitura de
textos, livros e artigos científicos, entretanto o tempo é de fundamental importância para
cessar tal percalço.
A metodologia ativa é considerada como sendo a melhor maneira para às demandas
sociais e jurídicas, pois dentro de tal método existe os estudos de casos, teorizações, hipóteses
de soluções, propiciando, dessa forma, melhor desempenho por parte dos alunos. Por conta
disso, ela está inserida na pedagogia de transmissão, que consiste em tratar o aluno como
protagonista, ou seja, este será inteiramente responsável pela construção do seu
conhecimento, diferentemente do modelo tradicional, onde o professor era o centro e o
modelo a ser seguido, ouvido e obedecido, no método ativo, este será apenas o mediador do
discente (BERBEL, 1995).
O professor, que antes era o transmissor do conhecimento, hoje orienta o aluno na
construção dos seus conceitos, valores e habilidades lhes permitindo crescer como pessoas.
Assim, tal método tem como finalidade colocar o aluno no centro educativo e para isso
proporciona casos para a problematização da realidade. Assim, ao estudar os casos, o aluno
começa a enxergar a realidade com outros olhos, envolvendo-se, refletindo e estabelecendo
relações de suma importância para a formação de um bom profissional (BERBEL, 1995).
Lobão (2004) escreveu diversos textos para os acadêmicos, tendo como finalidade
facilitar o obstáculo que estes passam, ou seja, o método ativo, para isso, ele aborda certas
técnicas de ensino para promover menor dificuldade na leitura de textos, uma vez que grande
parte da sociedade, praticamente, não lê. Destarte, com tais técnicas, Lobão torna o estudante
um ser pensante, onde ele refletirá sobre suas ações, para tornar-se um ótimo estudante
universitário.
Turow (2008) expõe que o método socrático é a grande diferença na educação jurídica
do ensino superior para a qual ele estava acostumado, pois aquela é utilizada de maneira
muito extensa no primeiro ano, pois eles devem fazer a leitura de muitos textos em pouco
tempo, ocasionando demasiado cansaço e exigindo maior esforço e determinação dos
acadêmicos. Turow (2008) comenta:

O método socrático é, sem dúvida, uma das coisas que faz com que a educação
jurídica – em particular no primeiro ano, quando o socratismo é usado de forma
mais ampla – seja tão diferente do que os estudantes estão acostumados em qualquer
outro lugar (TUROW, 2008, p. 32).

Para superar as dificuldades com os métodos de ensino, Carita e Silva & Sá (S/D)
desenvolveram certos programas, objetivando fazer com que os estudantes: sejam mais
confiantes; tenham uma boa autoestima, propiciando para um aluno que se considera capaz
para enfrentar as adversidades; e a auto eficácia, envolvendo o pensamento do ‘eu sei fazer’,
proporcionando ao estudante o efeito esperado.
Na concepção de Christofoletti et al. (2014), as dificuldades apresentadas pelos
discentes em uma aula com metodologia ativa é fruto da rigidez do método tradicional de
ensino, pois o aluno é, historicamente, acostumado a receber as informações passivamente do
professor sem haver nenhuma reflexão ou indagação por parte daqueles. Ademais,
As abordagens pedagógicas baseadas na prática da metodologia ativa de ensino vêm
sendo construídas e fortalecidas em ambiente universitário, com vistas a formar
profissionais completos, com competência técnica, ética, política e científica, e aptos
a intervirem nos contextos de saúde (CRISTOFOLETTI et al., 2014).

SZAFIR (2010) aborda em sua obra “Descasos: uma advogada às voltas com o direito
dos excluídos” sobre os brasileiros que são injustiçados por conta da sua situação econômica,
cor ou região onde mora. Desse modo, a metodologia ativa facilita para um dos objetivos da
maioria dos estudantes de Direito, qual seja: proporcionar a idealização de justiça para os
injustiçados na sociedade, pois os estudos de casos é considerada como ferramenta chave para
preparar os estudantes para a vida profissional.
O livro “Criminologia e subjetividade no Brasil”, escrito por Cristina Rauter, delibera
acerca da mesma problemática que o livro de Sfazir, uma vez que ambos trazem a objetivação
da justiça na sociedade brasileira e a metodologia ativa, juntamente com os estudos de casos,
são mecanismos eficazes para obtenção de tal finalidade. Destarte, Rauter (2003) aborda
sobre a medida de segurança, novidade incluída no Código Penal de 1940, que ocasionou
mais justiça para os inimputáveis, pois eles não irão para as cadeias tidas como normais, mas
sim para cadeias que objetivam tratar essas pessoas para viverem no meio social novamente.
O problema deliberado durante essa pesquisa tem nítido liame com o Caso do Projeto
Integrador, pois eles abordam a mesma problemática: a dificuldade para os acadêmicos se
acostumar com o método do Centro Universitário AGES. Dessa maneira, tal pesquisa traz os
porquês do surgimento de tal adversidade, juntamente com possíveis soluções para isto,
objetivando contribuir, significativamente, para um melhor aproveitamento com tal
metodologia.
A ideia inicial afirma que o método ativo é baseado no método socrático e o primeiro é
bastante diferente da metodologia do ensino médio, por isso muitos discentes tem dificuldade
para se adaptar, podendo superar tal adversidade a partir de leituras de textos e orientações
dos acadêmicos. Christofoletti (2014) afirma que tal adversidade é oriunda do método
tradicional, pois ele é muito rígido e faz com que o aluno não reflita e indague durante a aula.
Assim, para interromper tal dificuldade, a leitura de textos é fundamental, bem como Lobão
(2014) diz, pois a leitura, além de proporcionar mais conhecimentos, torna o estudante em um
ser crítico e capaz de enfrentar as demandas encontradas na sociedade. Ademais, os
programas elaborados por Carita e Silva & Sá (S/D), tem como objetivo fazer com que o
discente acredite em si próprio, elevando a autoestima e auto eficácia.
Por fim, como futuro profissional do Direito, considero o método ativo bastante
importante e eficiente, pois ele finaliza a construção de profissionais apropriados para a
resolução dos casos do dia a dia com maior facilidade, afinal um de seus mecanismos é o
estudo de casos. Além do mais, esta metodologia pode ser o grande diferencial na vida tanto
acadêmica quanto profissional do acadêmico, pois ela transforma-o em um ser crítico e eficaz
para resolver os problemas que encontrará.
Referências
BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da problematização: uma alternativa
metodológica apropriada para o ensino superior. Disponível em:
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/9458/8240>. Acesso em: 21
out. 2017.

CHRISTOFOLETTI, Gustavo; FERNANDES, Janainny Magalhães; MARTINS, Aghlen de


Souza; JUNIOR, Silvio Assis Oliveira; CARREGARO, Rodrigo Luiz; TOLEDO, Aline
Martins. Grau de satisfação discente frente à utilização de métodos ativos de
aprendizagem em uma disciplina de Ética em saúde. Revista Eletrônica de Educação, v. 8,
n. 2, p. 188-197, 2014.

LOBÃO, Antonio Carlos de Azevedo. É Possível ser feliz fazendo uma monografia: um
guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

O’MEARA, D. Shirley & WALSHE, R.D. Como estudar melhor. Portugal: Editorial
Presença, 1993.

RAUTER, Cristina. Criminologia e subjetividade no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

SZAFIR, Alexandra Lebelson. Descasos: uma advogada às voltas com o direito dos excluídos
– 1ª ed. - São Paulo: Editora Saraiva, 2010.

TUROW, Scott. O primeiro ano: como se faz um advogado. 9. ed. Rio de Janeiro: Record,
2008.