Você está na página 1de 5

HIDRÁULICA

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Para o abastecimento de água de uma cidade nas horas de maior consumo, são necessários 50 l/s que são
fornecidos por um reservatório com nível na cota 222,00 metros. A tubulação R1 B tem 250 mm de
diâmetro, com 3000 metros de comprimento, e uma pressão de 15 mca no ponto B, no momento de maior
consumo.
Para atender ao crescimento da cidade quando a solicitação máxima chegar a 75 l/s, foi prevista a
construção de um reservatório de compensação de 600 m 3 de capacidade, com nível na cota 201,50 metros,
a 1 km de distância do ponto B, cuja cota é 179,20 metros.
a) Calcular o diâmetro da canalização R2 B, para que o reservatório R 2 forneça 25 l/s, mantendo-se a
pressão de 15 m em B (use f = 0,045).
b) Verificar em quantas horas R2 pode ser enchido durante a noite, quando a solicitação em B é
praticamente nula. (sugestão: transforme os dois diâmetros em um único equivalente).
c) Calcular a vazão mínima solicitada por B para que R 2 não mais receba água de R1. (é necessário que a
cota d’água no piezômetro de R1 seja a mesma de R2)
NA

R1

NA

R2
B

2. O sistema apresentado na figura abaixo é atravessado pela vazão de 140 l/s. Calcular a vazão de cada
conduto. (f1 = f2 = f3 = f)
L1 D1
L1 = 300 m; D1 = 300 mm
L2 = 100 m; D2 = 200 mm
L3 = 200 m; D3 = 250 mm L2 D2

A B
hf1 = hf2 = hf3 L3 D3

3. Determinar o nível mínimo z no reservatório para que o chuveiro automático funcione normalmente,
sabendo-se que ele liga com uma vazão de 20 l/min. O diâmetro da tubulação é de 19 mm, todos os
cotovelos são de raio curto (90o), o registro é de globo e a entrada é normal.
Use a fórmula para tubos de aço ou ferro galvanizado, conduzindo água fria. Se for necessário calcular a
perda de carga acidental, use a fórmula: ha = k(V2/2g)
Observe o desenho a seguir.
Calcular pela equação da energia e pela equação de Flamant
(0)

0,5 m

1m

Z 3m

3m
2,5 m (1)

2,0 m

Plano de Referência

4. Um óleo de densidade 0,761 escoa do tanque A para o tanque E, como indicado na figura abaixo. As perdas
de carga podem ser consideradas como se segue:
De A até B = 0,6 (V12/2g)
De B até C = 9,0 (V12/2g)
De C até D = 0,4 (V22/2g)
De D até E = 9,0 (V22/2g)
(D1 = 300 mm e D2 = 150 mm)
Determinar:
a) A vazão em m3/s
b) A pressão efetiva em C em kgf/cm2

C D

A 0,6 m

D1
B 12 m
D2

E
5. Um sifão de drenagem, com 300 m de comprimento e 150 mm de diâmetro, tem a extremidade de descarga
a 6 m abaixo do nível do reservatório de onde extrais água.
Calcular a descarga e a pressão efetiva do ponto mais alto do sifão, que está a 2 m acima do nível da água e
a 100 m da entrada do sifão (f = 0,045). Desprezar as perdas de cargas acidentais.
OBS: para os dois casos, aplicar a equação da energia.

6. O projeto de uma adutora ligando dois reservatórios previa uma vazão de 250 l/s. A adutora, medindo 1300
m de comprimento, foi executada em tubos de concreto comum, com diâmetro de 600 mm.
Colocado em funcionamento, verificou-se a vazão de 180 l/s devido a alguma obstrução em seu interior,
por ocasião da construção.
Calcular a perda de carga provocada pela obstrução, desprezando as demais cargas acidentais. (Usar a
fórmula de H.W.)
(0)

LCP
LCP

ha H

(1)

Obstrução

OBS: Aplicar equação da energia entre (0) e (1)


Calcular primeiramente como se não houvesse obstrução

7. Uma canalização de tubos de ferro fundido novo ( = 0,26 mm) D = 250 mm é alimentada por um
reservatório cujo N.A. situa-se na cota 1920 m. Calcular a vazão e a pressão no ponto E de uma cota de
1750 m, distante 1500 m do reservatório, sabendo-se que a descarga se faz livremente na cota 1720 m. Use
a formula Universal. (0)
PCP
Dados: L1 = 1500 m
L2 = 1000 m
D = 0,250 m LCP
Supor primeiramente f = 0,03
Checar no Diagrama de Moody
Refazer os cálculos para um
novo valor de f
L1

E
L2
(1)
Plano de Referência
8) Conceitue condutos forçados.
9) Descreva a experiência de REYNOLDS para escoamento laminar e turbulento.

10) Conceitue PERDA DE CARGA e represente na figura abaixo o Plano de Carga Piezométrico e a Linha
de Carga Piezométrica ocasionada devido às perdas de cargas ao longo da tubulação. Represente
também na figura as perdas de cargas ha, hb e hc em cada piezômetro.

Reservatório com A B C
nível constante

11) Como se classificam as perdas de carga. Descreva cada uma delas.

12) Na figura a seguir pA = 7,4 kgf/cm2 e f = 0,03 para todos os tubos.


Qual a pressão em B, desprezando as perdas de cargas locais?

Q = 500 L/s D1 = 250 mm L1 = 500 m Q = 500 L/s

A D2 = 400 mm L2 = 400 m B

13) Por meio de um sifão deseja-se manter constante o nível de água em um reservatório situado a 1.800 m
de altitude (temperatura da água = 50o C).
Se os tubos empregados têm f = 0,02 e as perdas de carga locais na entrada valem 1,4 v 2/2g, qual a altura
máxima do vértice em relação ao NA do reservatório, se o ramo ascendente mede 5,0 m, o diâmetro 350
mm e a água deve escoar com 5 m/s de velocidade média? Qual o desnível máximo entre NA e a saída do
sifão para um comprimento de 20 m? (2)
L1
Dados:
(1) h
Patm/ em 1800 m de altitude = 8,2 mca

Pressão mínima em (2) = P2/

P2/ a 50 o C = 1,255 mca H


L2

(3)
14) Calcular o diâmetro de uma tubulação de aço usada (C = 90), com 3000 m de comprimento, que
veicula uma vazão de 250 l/s com uma perda de carga de 51 m.