Você está na página 1de 10
A PRIMEIRA MORTE CAUSADA POR TRANSGÊNICOS SOJA TRANSGÊNICA ALERGÊNICA Juan Pedro Ramos morreu de uma
A PRIMEIRA
MORTE
CAUSADA POR
TRANSGÊNICOS
SOJA
TRANSGÊNICA
ALERGÊNICA
Juan Pedro Ramos morreu de uma
reação alérgica letal depois de
ingerir tomates transgênicos que
continham genes de peixe. Os
médicos do Hospital Carlos III, em
Madri, onde Ramos foi internado,
afirmaram que a morte foi
consequência de uma intoxicação
alimentar severa. Depois de
conduzir diversas análises
laboratoriais, os médicos
descobriram, para sua surpresa,
que a morte na verdade ocorreu
por uma reação às proteínas
produzidas pelos genes de um
peixe, às quais Juan Pedro Ramos
era alérgico.
Cientistas trabalhavam em uma
variedade geneticamente
modificada de soja com um gene
de castanha-do-pará, que produz
uma proteína de alto valor
nutricional. Como a castanha-do-
pará é alergênica para uma parcela
da população, os cientistas
realizaram testes cutâneos em
pessoas alérgicas, usando extratos
da nova planta geneticamente
modificada. Eles descobriram que
a proteína produzida pelo gene
inserido (albumina 2S) era o
principal alérgeno da noz. Como
consequência, a produção
comercial dessa variedade de
transgênico nunca teve início.
Esses resultados mostraram que
um alérgeno de um alimento,
conhecido por suas propriedades
alergênicas, pode ser transferido
para outros alimentos por
engenharia genética.
COMER UM PRODUTO TRANSGÊNICO COM GENES DE OUTRO ORGANISMO PODE FAZER MAL À SAÚDE? COMER
COMER UM PRODUTO
TRANSGÊNICO COM
GENES DE OUTRO
ORGANISMO PODE FAZER
MAL À SAÚDE?
COMER UM PRODUTO
TRANSGÊNICO COM
GENES DE OUTRO
ORGANISMO PODE FAZER
MAL À SAÚDE?
MILHO TOXICIDADE DE ORGANISMOS GENETICAMENT E MODIFICADOS TRANSGÊNICO: SEM PROVAS DE RISCOS PARA A SAÚDE
MILHO
TOXICIDADE DE
ORGANISMOS
GENETICAMENT
E MODIFICADOS
TRANSGÊNICO:
SEM PROVAS DE
RISCOS PARA A
SAÚDE
Um time de pesquisadores do
Comitê de Pesquisa e de Informação
Independente sobre a Engenharia
Genética (CRIIGEN), coordenado por
Gilles-Éric Séralini, publicou os
resultados de um estudo feito com 200
camundongos. Eles foram alimentados
por dois anos com milho alterado
geneticamente para resistir a um
herbicida. No fim do estudo, os
pesquisadores notaram que os
camundongos alimentados com
transgênicos desenvolveram vários tipos
de câncer e lesões severas no rim.
O milho geneticamente
modificado com genes de outras
espécies, usado atualmente em
lavouras comerciais, é seguro para
humanos. Esta é uma das
conclusões de um estudo que
analisou dados coletados ao longo
de 21 anos sobre plantios ao redor
do mundo. O estudo, publicado
em fevereiro de 2018 no periódico
Scientific Reports, foi coordenado
pela Escola Sant’Anna de Estudos
Superiores em Pisa, na Itália.
Tumores em camundongos
alimentados com transgênicos
COMER UM PRODUTO TRANSGÊNICO COM GENES DE OUTRO ORGANISMO PODE FAZER MAL À SAÚDE? COMER
COMER UM PRODUTO
TRANSGÊNICO COM
GENES DE OUTRO
ORGANISMO PODE FAZER
MAL À SAÚDE?
COMER UM PRODUTO
TRANSGÊNICO COM
GENES DE OUTRO
ORGANISMO PODE FAZER
MAL À SAÚDE?
A TOXINA BT A bactéria Bacillus thuringiensis vive no solo e é letal para alguns
A TOXINA BT
A bactéria Bacillus thuringiensis
vive no solo e é letal para alguns
insetos, por liberar uma proteína
chamada toxina BT. Essa proteína
é particularmente tóxica para
alguns insetos que destroem
plantações mas não traz riscos
para humanos e mamíferos em
geral. Por essa razão, a bactéria
tem sido usada na agricultura por
quase um século e é permitida em
plantações de orgânicos.
Foram criadas algumas plantas
transgênicas capazes de produzir a
toxina BT por conta própria, e elas
são consistentemente resistentes a
ataques de insetos. Essas plantas
demandam menos tratamentos
com inseticidas.
COMER UM PRODUTO TRANSGÊNICO COM GENES DE OUTRO ORGANISMO PODE FAZER MAL À SAÚDE?
COMER UM PRODUTO
TRANSGÊNICO COM
GENES DE OUTRO
ORGANISMO PODE FAZER
MAL À SAÚDE?
TÍTULOS PARA OS ESTUDANTES ESCOLHEREM TRANSGÊNICOS: SEM RISCO PARA A SAÚDE HUMANA No fim das
TÍTULOS PARA OS ESTUDANTES ESCOLHEREM
TRANSGÊNICOS: SEM RISCO PARA A SAÚDE HUMANA
No fim das contas, após um debate que durou décadas, o veredito parece claro: transgênicos não são perigosos para seres humanos. Notícias e estudos que alegavam o
contrário provaram-se infundados, e os últimos estudos dissiparam todas as dúvidas sobre a segurança de organismos geneticamente modificados. Essas conclusões
devem influenciar muito a votação sobre a introdução de culturas transgênicas em Agritânia.
TRANSGÊNICOS E SEGURANÇA PARA A SAÚDE: SINAIS POSITIVOS
O debate sobre um dos principais tópicos relacionados a organismos geneticamente modificados parece estar chegando a uma conclusão em favor dos que atestam que
culturas transgênicas não trazem riscos para a saúde humana. A maior parte dos estudos e notícias reforça a posição daqueles favoráveis à introdução de transgênicos
em Agritânia.
TRANSGÊNICOS E SEGURANÇA PARA A SAÚDE: DÚVIDAS PERMANECEM
Apesar dos estudos feitos nos últimos anos, ainda não é possível dizer com segurança que transgênicos são seguros para seres humanos. Algumas pesquisas
sugerem o contrário, aumentando as dúvidas da população e reforçando a posição daqueles que se opõem à introdução de transgênicos em Agritânia.
TRANSGÊNICOS: SAÚDE EM RISCO
Organismos geneticamente modificados podem causar sérios danos para a saúde e, consequentemente, é melhor evitar sua ingestão. A confirmação de notícias e
resultados de alguns estudos que mostram os perigos de alimentos transgênicos terão um forte impacto na votação que decidirá sobre a introdução de culturas
transgênicas em Agritânia, contribuindo completamente com o grupo que é contra a medida.
Escreva um título mais adequado e as primeiras frases do artigo, se você acha que nenhuma das quatro sugestões serve.
INFORMAÇÕES PARA OS PROFESSORES A PRIMEIRA MORTE CAUSADA POR TRANSGÊNICOS O peixe-tomate é um boato
INFORMAÇÕES PARA OS PROFESSORES
A PRIMEIRA MORTE CAUSADA POR TRANSGÊNICOS
O peixe-tomate é um boato bastante conhecido que já foi refutado há muitos anos. O protagonista da notícia, Juan Pedro Ramos, sequer existe e jamais ocorreu um episódio similar. O boato nasceu de um problema real, a perda
de safras agrícolas por conta de geadas, o que gerou uma estratégia hipotética para lidar com esse problema que incluía utilizar “proteínas anticongelamento” produzidas por organismos que vivem em ambientes frios, como
alguns peixes. Foram publicados ao menos dois artigos relatando que um gene que produz uma proteína anticongelamento de peixe fora implementado no genoma de morango.
http://rdo.psu.ac.th/sjstweb/journal/27-4/02-strawberry-gene.pdf
https://www.actahort.org/books/484/484_99.htm
Esses estudos permanecem, contudo, muito preliminares e apenas mostram que o gene conseguiu entrar no genoma. Experimentos com o tomate também foram realizados, mas o resultados preliminares foram negativos: os
tomates não resistem às geadas mesmo com a modificação. As pesquisas continuam com outras proteínas anticongelamento.
SOJA TRANSGÊNICA ALERGÊNICA
O estudo é de 1996 e está disponível neste link: http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJM199603143341103
A soja que continha o alérgeno nunca chegou ao mercado. O estudo permitiu a identificação do principal alérgeno da castanha-do-pará.
MILHO TRANSGÊNICO: SEM PROVAS DE RISCOS PARA A SAÚDE
O estudo foi publicado em 2018 e está disponível neste link:
https://www.nature.com/articles/s41598-018-21284-2
TOXICIDADE DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS
O estudo, publicado no periódico Food and Chemical Toxicology, foi posteriormente retratado por conta de sérias deficiências em sua metodologia experimental. O documento está disponível neste link:
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278691512005637.
Ele foi posteriormente publicado em outro periódico científico: https://enveurope.springeropen.com/articles/10.1186/s12302-014-0014-5
A avaliação do trabalho feita pela Agência Europeia de Segurança Alimentar pode ser consultada neste link:
https://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/pub/2986
As fotos dos ratos fazem parte do artigo mencionado acima
A TOXINA BT
Seu uso é confirmado pelo site da empresa Monsanto: https://monsanto.com/company/media/statements/insect-resistance-bt/
Há diversas variedades de milho, algodão, álamo, berinjela, arroz, soja e tomates que contêm um ou mais tipos de genes BT.