Você está na página 1de 3

Para que as cadeiras de rodas possam ser utilizadas ou armazenadas em condições

ambientais adversas que podem afetar gravemente o seu funcionamento, às vezes ao ponto de
ser perigoso, para tal prevê-se segundo NBR ISO 7176-9 (2018) onde devem ser realizados
ensaios para operação da cadeira nas mais diversas condições ambientais à qual a mesma se vê
em vulnerabilidade. As condições propostas pelo ensaio simulam amplas variações climáticas
baseadas em todo mundo. Este procedimento leva em consideração as instruções do fabricante.

É importante conhecer as características de estabilidade estática de uma cadeira de


rodas para fins de indicação de modelo e ajustes. Alguns ocupantes precisam de mais
estabilidade para manter a segurança, enquanto outros preferem cadeiras de rodas
precisamente balanceadas (menor estabilidade), que são mais fáceis de manobrar. A
estabilidade estática é apenas um dos fatores que afetam a estabilidade dinâmica. Os outros
fatores são a posição do operador na cadeira de rodas, sua habilidade em operar a cadeira de
rodas, a maneira pela qual a cadeira de rodas é impulsionada e o ambiente no qual a cadeira de
rodas é operada.

ABNT NBR ISO 7176-1 (2018) especifica ensaios nos quais a estabilidade estática é
medida com os freios de estacionamento acionados, como é o caso de uma cadeira de rodas
parada em um local inclinado. Os ensaios também são realizados com as rodas destravadas,
simulando a situação em que a cadeira de rodas está parada em um local inclinado com as rodas
encostadas em obstáculos. Também são realizados ensaios para determinar a estabilidade
estática da cadeira de rodas quando ela está impedida de tombar por algum dispositivo
antitombo, seja no movimento para a frente ou para trás, e a eficiência destes dispositivos
antitombo caso a cadeira de rodas se incline naquela direção.

Para cadeiras de rodas alimentadas eletricamente com um dispositivo de controle que


pode ser colocado em diferentes posições. Para o ensaio deste alimentador de energia usa-se
tipicamente para baterias medidores dedicados de energia que podem exibir em tempo real a
energia sendo consumida pela cadeira de rodas vinda da bateria embutida/fonte de energia
(NBR ISO 7176:8, 2018).

A velocidade máxima, aceleração, desaceleração e parada de emergência podem ser


fatores importantes na escolha da cadeira de rodas mais adequada para pessoas específicas e
especificar se pode ser usada em caminhos para pedestres, ruas, ou ambos, dependendo da
legislação local. A principal preocupação de algumas pessoas pode ser de andar o mais rápido
possível, ao passo que outras pessoas podem ficar apreensivas com velocidades mais altas. Para
tal é feito ensaios que especificam um método consistente para determinar os valores máximos
de velocidade, aceleração e desaceleração que podem ser usados para fornecer resultados
comparáveis (NBR ISO 7176-6, 2018).

É importante que qualquer cadeira de rodas selecionada para um ensaio seja


representativa de um produto atualmente disponível no mercado, ou que se pretende
disponibilizar no mercado. Convém que nenhuma combinação de opções que não é
representativa de um produto real seja selecionada.

Muitas cadeiras de rodas têm características ajustáveis ou opcionais, que, dependendo


de sua configuração, podem ter efeitos significativos sobre os resultados dos métodos de ensaio
em diferentes. Quando uma cadeira de rodas personalizada for ensaiada não existe qualquer
necessidade de um processo de seleção. A própria cadeira de rodas personalizada, ou um
exemplar idêntico, é ensaiado.

Alguns fatores que podem ser considerados quando se comparam cadeiras de rodas,
como preço e aparência visual, não são abrangidos pelas normas. As informações
proporcionadas por ensaios especificados por normas podem ser utilizadas para comparar
cadeiras de rodas em relação às seguintes áreas:

— Se uma cadeira de rodas atenderá às necessidades do cliente;

— Se uma cadeira de rodas atende aos requisitos da indústria;

— Se uma cadeira de rodas tem um desempenho melhor do que outra.

Um exemplo típico de informação usada para determinar se uma cadeira de rodas é


adequada para um cliente em particular é a dimensão, onde os maiores e os menores valores
para uma medida em particular são divulgados. A dimensão pode ser usada em uma avaliação
sobre se uma cadeira de rodas seria uma opção melhor para o cliente do que outra. Se o
processo de seleção permite que a abrangência total dessa dimensão de um modelo de cadeira
de rodas seja devidamente determinada, então o processo de seleção não terá nenhum efeito
sobre a comparabilidade.

Normas de cadeiras de rodas com critérios de aprovação são usados para avaliar a
segurança e a adequação de uma cadeira de rodas. Estas normas geralmente exigem um nível
fixo de desempenho, em vez de ensaiar o limite de desempenho. Convém que o processo de
seleção assegure que os resultados se aplicarão a todos os exemplares de um modelo de cadeira
de rodas, e, portanto, não afetarão a comparabilidade. No entanto, no caso em que se espera
que todas as cadeiras de rodas atendam a uma norma antes de serem colocadas no mercado.
Segundo norma NBR ISO 7176-8 (2018), chama a atenção para o uso de procedimentos
que podem ser perigosos à saúde se precauções adequadas não forem tomadas. Refere-se à
adequação técnica e não isenta o fabricante, ou o laboratório de ensaios, de suas obrigações
legais relativas à saúde e segurança em qualquer etapa. Convém que centros que realizam estes
ensaios considerem o uso adequado dos equipamentos, procedimentos e sistemas para
gerenciar os riscos envolvidos. Isto pode incluir gaiolas ou barreiras de proteção, sistemas para
interromper ensaios em caso de falha ou em uma emergência, e equipamento de proteção
pessoal.