Você está na página 1de 255

CURSO DE DESIGN DE INTERIORES

ESCOLA DE DECORAÇÃO
NIDA CHALEGRE
www.nidachalegre.com.br

BRASILIA-DF
BRASIL
CURSO DE DESIGN DE INTERIORES

• CONCEITO
• O ARQUITETO, O ENGENHEIRO E O DESIGNER
• O CLIENTE
• O PLANEJAMENTO DA DECORAÇÃO
• ETAPAS DE UM PROJETO
• FUNÇÕES DA HABITAÇÃO – SOCIAIS, ÍNTIMAS E
DOMÉSTICAS
• LINHAS
• TEXTURAS
• DECORANDO COM ESTAMPAS
• PADRONAGEM
• EQUILÍBRIO SIMÉTRICO
• EQUILÍBRIO ÓTICO
• EQUILÍBRIO ASSIMÉTRICO
• PROPORÇÃO E HARMONIA
• TENDÊNCIAS ATUAIS DA DECORAÇÃO RESIDENCIAL
• GRAUS DE FORMALIDADE
• ESTILO
• CARÁTER DA DECORAÇÃO
• CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES
• ESCALAS E PLANTA BAIXA
• CIRCULAÇÃO
• ILUMINAÇÃO
• CORTINAS E PERSIANAS
• QUADROS
• ACESSÓRIOS
• ESPELHOS
• TAPETES
• MATERIAIS DE REVESTIMENTO
• AS CORES NA DECORAÇÃO
• ESTILOS DO MOBILIÁRIO

VERSÃO MARÇO 2008


PLANEJAMENTO DE
AMBIENTES
CONCEITO
DECORAR SIGNIFICA COMPOR
PLATICAMENTE O ESPAÇO
CONSTRUÍDO, BUSCANDO, ALÉM DA
HARMONIA ESTÉTICA, O CONFORTO
AMBIENTAL, A SATISFAÇÃO DAS
NECESSIDADES E A MELHORIA DA
QUALIDADE DE VIDA

ARQ. NIDA CHALEGRE


O ARQUITETO, O ENGENHEIRO E O
DECORADOR

• O ARQUITETO – projeta
• O ENGENHEIRO – constrói
• O DECORADOR – adequa
A decoração consiste no arranjo do espaço interno criado
pela disposição do mobiliário, obras de arte, cortinas,
tapetes e outros objetos, no intuito de adequar o espaço
arquitetônico às necessidades e ao gosto do cliente. No
caso de modificação ou reforma com alteração do espaço
original, faz-se necessário o acompanhamento de um
arquiteto ou engenheiro.
O CLIENTE

• IDENTIFIQUE SEUS DESEJOS


• ESTABELEÇA UMA EXCELENTE
COMUNICAÇÃO – empatia cliente/profissional
• OTIMIZE SEU INVESTIMENTO –
custo/benefício
• NÃO O ABANDONE
O CLIENTE
O QUE ELE DESEJA DO PROFISSIONAL
• COMPREENSÃO DE SUAS
NECESSIDADES E EXPECTATIVAS
• DEMONSTRAÇÃO DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS
• CONHECIMENTOS SOBRE TENDÊNCIAS DE DESIGN
• APRESENTAÇÃO DE IDÉIAS CRIATIVAS
• FLEXIBILIDADE
• TRABALHE DENTRO DO ORÇAMENTO
• DEMONSTRE CONHECÌMENTO NO GERENCIAMENTO
DE PROJETOS
• ECONOMIZE O DINHEIRO DO CLIENTE
• OUÇA O CLIENTE
O DECORADOR
DEVE SER

• ECONOMISTA
• PSICÓLOGO
• AMIGO
• PROFISSIONAL
O PLANEJAMENTO DA DECORAÇÃO

1. A DECORAÇÃO DEVE ESTAR DE ACORDO COM O CLIENTE


2. A DECORAÇÃO DEVE OBSERVAR O ORÇAMENTO
3. A DECORAÇÃO DEVE RESPEITAR OS ELEMENTOS
CONSTRUTIVOS
4. A ESCOLHA E HARMONIA DOS ESTILOS
5. A ESCOLHA DO MOBILIÁRIO
6. A ESCOLHA DAS CORES
7. A ESCOLHA DOS TECIDOS
8. A ESCOLHA DOS TAPETES
9. A ILUMINAÇÃO EM CIMA DO LAY-OUT
10. A COLOCAÇÃO DOS QUADROS E ACESSÓRIOS DEVE SER
A ULTIMA ETAPA DA DECORAÇÃO
ERROS MAIS FREQÜENTES
• Colocar peças e móveis muito grandes em ambientes pequenos ou vice-
versa.
• Comprar tecidos lisos antes de definir os estampados.
• Pintar a casa antes de escolher os tecidos.
• Comprar tapetes antes de definir os elementos mais importantes, como
sofás, poltronas e móveis.
• Dispor abajures na frente de quadros.
• Utilizar luz de efeito como iluminação geral ou esquecer de colocar,
por exemplo, uma luminária direcionada sobre a mesa de jantar.
• Confeccionar modelos diferentes de cortinas para janelas que estejam
no mesmo ambiente.
• Escolher cores fortes e grandes estampas para a decoração de
ambientes pequenos.
• Mudar o acabamento do piso no mesmo ambiente, sem ao menos
programar um desnível.
• Bloquear corredores, espaços de circulação, portas e janelas.
• Pendurar quadros no alto da parede ou muito embaixo.
• Rebaixar o teto em apartamentos e casas com pé-direito baixo.
ANTES
DEPOIS

DESENVOLVER A ANÁLISE CRÍTICA


NEM TUDO QUE SE PUBLICA ESTA CORRETO
AMBIENTES COM MUITA INFORMAÇÃO
AMBIENTES COM POUCA INFORMAÇÃO
(CLEAN)
ETAPAS DE UM PROJETO
• ENTREVISTA COM O CLIENTE
Grupo familiar
Verba disponível
• LEVANTAMENTO DAS PEÇAS E MÓVEIS QUE
SERÃO APROVEITADOS
• CROQUIS E ANTE-PROJETO
• PROJETO DEFINITIVO E DETALHAMENTO /
ESPECIFICAÇÕES
• EXECUÇÃO
A RESIDÊNCIA

UM PASSEIO PELAS FUNÇÕES


DA HABITAÇÃO
FUNÇÕES SOCIAIS
A ENTRADA
A SALA DE ESTAR
A SALA DE JANTAR
O LAVABO
HOME THEATER
VARANDAS SOCIAIS
A ENTRADA
•DEVE SER AGRADÁVEL E
ACOLHEDORA

•SERVE PARA PRESERVAR A


INTIMIDADE DA CASA

•ACONSELHÁVEL O USO DE
ESPELHOS QUE AMPLIAM O ESPAÇO

•A ILUMINAÇÃO NÃO PRECISA SER


GERAL. PODE SER DE DESTAQUE
PARA UM QUADRO OU ESCULTURA

•PODE SER MAIS EXTRAVAGANTE


NAS CORES E DECORAÇÃO POIS E
UM LUGAR DE PASSAGEM
A SALA DE ESTAR
• TERÁ TANTOS GRUPOS
DE CONVERSAÇÃO QUANTO O ESPACO PERMITIR
• DEVE-SE OBSERVAR A CIRCULAÇÃO ENTRE
AS VÁRIAS ATIVIDADES
• OS SOFÁS E POLTRONAS DEVEM ESTAR
DISPOSTOS DE MODO A PERMITIR A CONVERSAÇÃO
E PODEM SER DE
MODELOS E CORES
DIFERENTES
A SALA DE JANTAR
•PODES-SE VARIAR
OS MATERIAIS DA
MESA E DAS
CADEIRAS
•A ILUMINAÇÃO É
IMPORTANTE –
DEVE-SE
ILUMINAR A MESA E
NÃO OS COMENSAIS
•ILUMINAÇÃO DE
APOIO COM
ARANDELAS OU
SANCA É
ACONSELHÁVEL
PARA O CASO DE
APOIO À LUZ DE
VELAS
NESSE CASO A ILUMINACÃO ESTÁ INSUFICIENTE POIS
ILUMINA APENAS O CENTRO DA MESA
AQUI A ILUMINACÃO ESTÁ PERFEITA POIS O DESENHO DA
LUMINÁRIA É RETANGULAR COMO A MESA
O LAVABO
AS PEQUENAS
TOALETES SOCIAIS
COMO
NÃO TEM ÁREA
MOLHADA
PODEM SER
DECORADAS COM A
INFINIDADE DE
MATERIAIS DE
REVESTIMENTO
EXISTENTES
NO MERCADO
DANDO ASAS À
IMAGINAÇÃO
HOME THEATER
• A LOCALIZAÇÃO E
DIMENSIONAMENTO DO
MÓVEL PARA O HOME THEATER
DEVE SER FEITA JUNTO COM O
PROFISSIONAL DE SOM
• A ILUMINAÇÃO DEVE SER
CUIDADOSA PARA
PERMITIR UMA LUZ DIFUSA
QUANDO DO USO
DA TELEVISÃO. UM DIMER
(regulador da intensidade de luz)
PODE SER A SOLUÇÃO
• OS MATERIAS DA SALA DEVEM
PERMITIR UMA BOA ACÚSTICA
COMO MADEIRA/ TECIDOS/
CORTINAS E TAPETES
VARANDAS
PEDEM MÓVEIS DE FIBRA NATURAL E/OU
MATERIAIS RESISTENTES ÀS INTEMPÉRIES

USE CORES
VIVAS E
ALEGRES E
PLANTAS
PARA
CRIAR UM
CLIMA DE
PROXIMIDADE
COM A
NATUREZA
FUNÇÕES INTIMAS

QUARTOS DE DORMIR
BANHEIROS
HOME OFFICE
SALAS DE GINÁSTICA
QUARTOS DE DORMIR
LUGAR MAIS ÍNTIMO DA CASA DEVE SER DECORADO DE ACORDO
COM A PERSONALIDADE DE QUEM VAI USÁ-LO.

COM CORES
FRIAS
OU QUENTES

MASCULINO
OU FEMININO

DEVE SER
ACOLHEDOR E
REPOUSANTE
QUARTOS DE
CASAL
QUARTO MULTI USO
QUARTOS DE BEBÊ
PRECISAM TER PREFERENCIALMENTE:
•BERÇO
•LOCAL PARA TROCA DE FRALDAS
•POLTRONA PARA AMAMENTAÇÃO
•SOFÁ PARA DORMIR UM ACOMPANHANTE
| voltar | principal |

Fotos: Xico Diniz


QUARTOS DE CRIANÇA
MAIS ESPAÇO PARA BRINCAR
E CAMA PARA AMIGUINHOS
QUARTOS DE ADOLESCENTE
•CAMA MAIS CAMUFLADA
•LUGAR PARA ESTUDO
•LOCAL PARA RECEBER AMIGOS
BANHEIROS
DEPOIS DE SE ESTUDAR UMA BOA DISPOSIÇÃO PARA OS
APARELHOS, A DECORAÇÃO SE BASEIA NA CUIDADOSA
ESCOLHA DOS MATERIAIS DE REVESTIMENTO
HOME
OFFICE

TRABALHANDO EM CASA
SALA DE GINÁSTICA

CORES QUENTES E ESTIMULANTES


MATERIAIS DE FÁCIL LIMPEZA
FUNÇÕES DOMÉSTICAS

COZINHA (VÁRIOS FORMATOS)


ÁREA DE SERVIÇO
COZINHA

O BOM FORMATO DE
UMA COZINHA PEDE
UMA TRIANGULAÇÃO
ENTRE A GELADEIRA,
PIA E FOGÃO, OU SEJA,
ARMAZENAGEM,
LAVAGEM E
COZIMENTO.
COZINHA CORREDOR
UMA ILHA NA COZINHA
COZINHA EM FORMATO DE L
COZINHA EM FORMATO DE U
COZINHA EM FORMATO DE G
ÁREA DE SERVIÇO
LINHAS
sua predominância ajuda a determinar o caráter da decoração
LINHAS RETAS
• VERTICAIS – severa, rígida, formal. Sugerem
imponência e grandiosidade. + altura
• HORIZONTAIS – sugerem repouso,calma, estabilidade.
+ espaço
• INCLINADAS – criam uma sensação de
instabilidade e movimento
• CONVERGENTES – trazem idéia de movimento, graça,
concentração e aconchego
• QUEBRADAS – provocam atenção,conflito, instabilidade
• PARALELAS – proporcionam uma agradável e tranqüila
sensação
LINHAS VERTICAIS
• SEVERA, RÍGIDA, FORMAL.
SUGEREM + ALTURA
IMPONÊNCIA E
GRANDIOSIDADE.
LINHAS HORIZONTAIS
• SUGEREM + ESPAÇO
REPOUSO,CALMA E ESTABILIDADE.
LINHA HORIZONTAL
CORREÇÃO DE PROPORÇÕES - ILUSÃO ÓTICA
AS LINHAS PODEM NOS AJUDAR A CORRIGIR AS
PROPORÇÕES DOS AMBIENTES
LINHAS INCLINADAS
• CRIAM UMA SENSAÇÃO DE
INSTABILIDADE E
MOVIMENTO
LINHAS CONVERGENTES
• TRAZEM IDÉIA DE MOVIMENTO, GRAÇA,
CONCENTRAÇÃO E ACONCHEGO
LINHAS QUEBRADAS
• PROVOCAM
ATENÇÃO,CONFLITO E
INSTABILIDADE
LINHAS PARALELAS
• PROPORCIONAM UMA AGRADÁVEL E
TRANQÜILA SENSAÇÃO
LINHAS
sua predominância ajuda a determinar o caráter da decoração

• LINHAS CURVAS – suave, é a linha feminina, do


movimento, da graça e da beleza; quanto mais fechada,
maior a impressão feminina
• LINHAS MISTAS – são o uso da reta e da curva juntas.
Se equilibram. São as mais usadas
LINHAS CURVAS
• SUAVE, É A LINHA FEMININA,
DO MOVIMENTO,
DA GRAÇA E DA BELEZA;
QUANTO MAIS FECHADA,
MAIOR A IMPRESSÃO FEMININA
LINHAS MISTAS
RETAS E CURVAS

• SÃO O USO DA RETA E DA


CURVA JUNTAS.
SE EQUILIBRAM.
SÃO AS MAIS USADAS
AMBIENTE PARA ANÁLISE DO USO DE LINHAS

CONFUSÃO DE LINHAS!!!!!!!!!!
TEXTURAS
uma superfície pode ser:

• SUAVE • ÁSPERA
• LISA • RUGOSA
• BRILHANTE • FOSCA
As superfícies ficam: As superfícies ficam:
+ claras + escuras
+ femininas + masculinas
+ formais + informais
TEXTURA
ÁSPERA
RUGOSA
FOSCA
Tornam as superfícies
+ escuras
+ masculinas
+ informais
TEXTURA ÁSPERA / RUGOSA
FOSCA
TEXTURA ÁSPERA / RUGOSA / FOSCA
TEXTURA
SUAVE
LISA
BRILHANTE

Tornam as superfícies
+ claras
+ femininas
+ formais
TEXTURA SUAVE / LISA / BRILHANTE
DECORANDO COM ESTAMPAS
REGRAS:
• Integrar as diversas estampas por meio das cores
• Escolher uma estampa dominante
• Relaçioná-las entre si em tamanho, cor e textura
• Optar preferencialmente por “composé” já prontos
• Separar as estampas com intervalos de cor lisa
• Escolher as estampas respeitando o grau de formalidade ou
informalidade
DECORANDO COM ESTAMPAS

A PADRONAGEM MUDA
MAS AS CORES SE REPETEM
DECORANDO COM ESTAMPAS
PADRONAGEM
• São os desenhos decorativos estampados em
tecidos ou qualquer outra superfície.

TEXTURA E PADRONAGEM SÃO DOIS


ELEMENTOS QUE, JUNTAMENTE COM A COR,
OFERECEM GRANDES POSSIBILIDADES DE
VARIAÇÃO À DECORAÇÃO DE UM AMBIENTE.
NA SUA ESCOLHA E DOSAGEM DEVEM SER
APLICADOS OS PRINCÍPIOS DO

EQUILÍBRIO, PROPORÇÃO, PESO E HARMONIA


EQUILÍBRIO
• Condição básica para uma decoração harmoniosa.
O equilíbrio em decoração baseia-se no mesmo
mecanismo das gangorras infantis onde dois pesos
se equilibram conforme seu peso e sua distância
do eixo central.
Pode ser: SIMÉTRICO
ÓTICO ou
ASSIMÉTRICO
EQUILÍBRIO SIMÉTRICO
• EQUILÍBRIO
SIMÉTRICO -
objetos iguais,
distribuídos em lados
opostos e à mesma
distância do eixo
central
EQUILÍBRIO
SIMÉTRICO
EQUILÍBRIO SIMÉTRICO
EQUILÍBRIO SIMÉTRICO
EQUILÍBRIO ÓTICO
• EQUILÍBRIO
ÓTICO –
obedece ao mesmo
princípio do equilíbrio
simétrico, usando-se
objetos diferentes mas
de igual peso visual e
volume.
EQUILÍBRIO
ÓTICO
EQUILÍBRIO ASSIMÉTRICO
• EQUILÍBRIO
ASSIMÉTRICO -
formado por objetos
diferentes em tamanho,
peso e volume,
equilibrados pela
aproximação do maior
objeto ao eixo central ou
pelo afastamento do
objeto de menor volume a
esse eixo.
EQUILÍBRIO
ASSIMÉTRICO
EQUILÍBRIO ASSIMÉTRICO
EQUILÍBRIO
ASSIMÉTRICO
PROPORÇÃO E HARMONIA
• PROPORÇÃO – • HARMONIA –
relação que estabelece é o encontro perfeito
a melhor disposição entre as partes de um
ou correspondência todo.
entre as partes de um
elemento e dos
elementos entre si.
Ex: sala pequena = móveis
pequenos
TENDÊNCIAS ATUAIS DA
DECORAÇÃO RESIDENCIAL
• BANHO DO CASAL – 2 pias / 2 chuveiros.
Compartimentado. Cores claras – branco. Otimização dos
espaços reduzidos.
• BAR - + escondido. Desaparecem os bancos altos.
• QUARTO DO CASAL – predomina o conforto – camas
mais largas. Desaparece a simetria das mesas de cabeceira.
• TELEVISÃO – predominância do “home theater”.
• COZINHA – cores claras – branco. Aumento do número
de equipamentos como microondas, lavadora etc.
• COMPUTADOR – acréscimo do espaço “home office”.
BANHO DO CASAL
QUARTO DE CASAL –
COM CLOSET

HOME OFFICE
COZINHA
HOME THEATER
GRAUS DE FORMALIDADE
• AMBIENTES FORMAIS
ambientes cujos tecidos; pisos; tetos; paredes; cores;
tapetes; iluminação; acessórios; quadros e cortinas passam
a sensação de formalidade clássica e luxo.
• AMBIENTES INFORMAIS
ambientes cujos tecidos; pisos; tetos; paredes; cores;
tapetes; iluminação; acessórios; quadros e cortinas passam
a sensação de informalidade e descontração.
AMBIENTES FORMAIS
AMBIENTE FORMAL
AMBIENTE
FORMAL
AMBIENTES
INFORMAIS
AMBIENTE
INFORMAL
ESTILO
• AMBIENTES TRADICIONAIS
Móveis e utensílios de época. Uso do equilíbrio simétrico.
• AMBIENTES CONTEMPORÂNEOS
Móveis atuais com linhas simples e despojadas.
Uso do equilíbrio assimétrico.
• AMBIENTES MISTOS
Mistura do Tradicional com o Contemporâneo ou do
Formal com o Informal. “Free taste”
AMBIENTES
TRADICIONAIS
AMBIENTES
CONTEMPORÂNEOS
AMBIENTE CONTEMPORÂNEO
AMBIENTES MISTOS
AMBIENTE MISTO
CARÁTER DA DECORAÇÃO
característica predominante do ambiente
• SOFISTICADO
• CLEAN
• ÉTNICO
• COUNTRY
• ORIENTAL
• MASCULINO
• FEMININO
• INFANTO-JUVENIL
• ORIGINAL
• ARROJADO
• ....................................................................................
SOFISTICADO
MASCULINO

SIMPLES
MASCULINO
FEMININO
ÉTNICO

PITORESCO

ARROJADO
ÉTNICO
EXÓTICO
CLEAN
ORIGINAL
CLASSIFICAÇÃO DOS
AMBIENTES
Utilizando-se o
• GRAU DE FORMALIDADE (FORMAL OU INFORMAL)
• ESTILO (TRADICIONAL, CONTEMPORÂNEO OU MISTO)
• CARÁTER (SOFISTICADO, CLEAN,.........)

Pode-se classificar os ambientes e montar os espaços de


acordo com a intenção desejada. Por exemplo:
• AMBIENTE FORMAL, MISTO, SOFISTICADO
• AMBIENTE INFORMAL, CONTEMPORÂNEO,
MASCULINO
ESCALAS E
PLANTA BAIXA
• ESCALA – redução proporcional de medidas
• 1:50 = 1cm da régua corresponde a 50 cm reais
• 1:25 = 1cm da régua corresponde a 25 cm reais
• 1:20 = 1cm da régua corresponde a 20 cm reais
• ..........................................

• PLANTA BAIXA – ao desenhar a planta baixa e os


móveis em uma determinada escala, é possível estudar no
papel a distribuição do mobiliário e a circulação mais
adequada para cada caso.
PLANTA BAIXA

ESCALIMETRO

ESQUADROS

PODE SER FEITA A MÃO OU EM PROGRAMAS


ESPECÍFICOS DE COMPUTADOR
CIRCULAÇÃO

• CENTRAL – permite o acesso a todos os móveis


geralmente dispostos ao longo das paredes
• PERIFÉRICA – permite o acesso completo ao
redor do móvel
• LATERAL – permite o acesso aos móveis por um
dos lados (lateral de direita ou lateral de esquerda)
ILUMINAÇÃO
• LUMINÁRIAS –
incandescentes / fluorescentes /
dicróicas / halógenas / ar70 / ar111 /
par 20............
• PROJETO DE ILUMINAÇÃO –
distribuição da iluminação em planta baixa
feita sobre o lay out da decoração.
LÂMPADAS
ILUMINANDO UM CORREDOR – MINI DICROICAS
QUARTO VALORIZADO
PELA ILUMINAÇÃO
ARANDELAS NA SALA DE JANTAR
ILUMINAÇÃO EMBUTIDA NO
ESPELHO
A ILUMINAÇÃO CRIANDO
CLIMAS
SANCAS
PARA
ILUMINAÇÃO
GERAL
ILUMINANDO UMA VITRINE COM LUZ DIRECIONADA
A ILUMINAÇÃO DE DESTAQUE PARA OS QUADROS E INDIRETA
DADA PELAS ARANDELAS E ABAJOURS DAO O TOQUE
INTIMISTA E ACOLHEDOR AO QUARTO
ILUMINAÇÃO EM CIMA DA PIA - FUNDAMENTAL
CORTINAS E PERSIANAS
além de “vestir” o ambiente, servem para:
atenuar a luz / vedar a intimidade / isolar os ruídos
• QUE TIPO DE VEDAÇÃO O AMBIENTE NECESSITA?
Conforme seu uso pode-se necessitar de:
ESCURECIMENTO TOTAL - (quarto / home theater)
ATENUAR A LUZ - (sala de estar)

• QUE TIPO DE ESTILO É O AMBIENTE?


INFORMAL – requer cortinas mais simples e tecidos artesanais.
Persianas.
FORMAL – requer cortinas mais rebuscadas e tecidos mais
refinados.
CORTINA SEPARANDO
O VASO NO LAVABO
NOVA GERAÇÃO DE
PERSIANAS
PERSIANAS DE MADEIRA
PERSIANAS

CORTINA ROLO
CORTINA DE QUARTO
DOSSEL
PERSIANAS VERTICAIS
AS ALTURAS DAS CORTINAS

• CURTA • SEMI-LONGA
vai até o peitoril da janela vai até a altura de um
(ambientes simples, anteparo encostado na
rústicos,cozinhas, quartos parede
de criança)
• LONGA • SUPER-LONGA
vai até o chão (ambientes passa 30 cm do chão
mais clássicos) (ambientes luxuosos)
QUADROS
• isolados ou em grupos são os últimos
acessórios a serem colocados na
ambientação
• deve-se observar uma distância de 15 a 30
cm quando colocados acima de um sofá,
aparador etc

QUADROS MAL
COLOCADOS
QUANDO EM GRUPOS DEVEM ESTAR ALINHADOS
PELA LINHA DA BASE OU PELA LINHA SUPERIOR
TÉCNICA DE ESTUDO DE COLOCAÇÃO DE
QUADROS NA PAREDE

RECORTE A FORMA
DOS QUADROS EM
PAPEL E ESTUDE A
DISTRIBUIÇÃO DELES
COM ADESIVOS
NA PAREDE
QUADROS NA PAREDE
DA ESCADA
QUADROS COM
PASSE-PARTOUT ESCURO
SE DESTACAM NA
PAREDE CLARA
PRATOS NA PAREDE
• ALGUMAS DICAS:
• qualquer obra feita em papel deve ser emoldurada entre dois vidros
(lápis, carvão,aquarela, guache, gravuras,etc...). Não se usa vidro em
quadros a óleo.
• quando colocados na parede de uma escada podem ser distribuídos
acompanhando os degraus.
• não é preciso combinar as molduras numa composição. Para compor
precisa-se levar em conta as cores, texturas, formas e motivos.
• quadros de valor artístico devem ser valorizados isoladamente não devendo
ser utilizados em composições.
• pode-se colocar quadros em paredes forradas de papel se este for liso e não
interferir.
• a tapeçaria deve ser colocada sempre sozinha para melhor realçar a sua
textura. Não se usa moldura.
• nunca esconder quadros atrás de abajures, plantas ou portas.
• a parede é um espaço muito importante para os olhos. Por isso deve-se
instalar os quadros de maneira que não poluam visualmente o ambiente.
• Não existe local insólito para pendurar quadros. Eles poderão estar em
corredores, salas, quartos, cozinhas, banheiros, etc.
• os quadros são colocados na ambientação somente quando a decoração
estiver terminada.
ACESSÓRIOS
• DECORATIVOS
são objetos para serem
apenas apreciados. Ex:
esculturas, quadros etc

• FUNCIONAIS
são objetos utilitários,
que têm uma função
específica. Ex: relógios,
luminárias, espelhos etc
ACESSÓRIOS – OBJETOS DISTRIBUÍDOS NA ESTANTE
ESPELHOS - O ESPELHO AMPLIA E ILUMINA
TAPETES
ORIENTAIS

VALORIZAM TANTO AMBIENTES CLÁSSICOS QUANTO


CONTEMPORÂNEOS
TAPETES
MODERNOS
MATERIAIS DE REVESTIMENTO
a escolha dos materiais é fator decisivo para definir o estilo
do projeto

• PISOS
CERÂMICOS / VITRIFICADOS /
CIMENTO QUEIMADO / CONCRETO /
ASSOALHOS DE MADEIRA /
MÁRMORES E GRANITOS / PEDRAS /
EMBORRACHADOS E PVC /
LAMINADOS / PLASTIFICADOS /
CARPETES ............
MATERIAIS DE REVESTIMENTO
a escolha dos materiais é fator decisivo para definir o estilo
do projeto
• PAREDES
TINTAS -(fosca / acetinada / semibrilho)
PVA / ACRÍLICO / ESMALTE / ÓLEO / EPÓXI ......
TEXTURAS
LAMBRIS DE MADEIRA
LAMBRIS DE GESSO
FIBRA DE VIDRO
PAPEL DE PAREDE
TECIDOS
.............................................
MATERIAIS DE REVESTIMENTO
a escolha dos materiais é fator decisivo para definir o estilo
do projeto

• TETO
FORRO DE GESSO
FORRO DE MADEIRA
FORRO DE PVC
....................................
GESSO

SANCAS
DE GESSO

MOLDURAS DE GESSO
DIVISORIAS DE GESSO ACARTONADO
CUBAS DE VIDRO
VIDRO
PORCELANATOS –
PODEM SER BRILHOSOS OU
FOSCOS (RÚSTICOS)
TEM A JUNTA QUASE SECA POR ISSO SUA
APARÊNCIA UNIFORME
REVESTIMENTOS CIMENTÍCIOS
REVESTIMENTOS
CERÂMICOS -
PISOS E PAREDES,
DEPENDENDO DO PEI (indice de
resistência do material)
CERÂMICA
IMITANDO COURO

CERÂMICA BRENAND
LADRILHO
HIDRÁULICO
COMPOSIÇÕES
PASTILHAS DE
VIDRO
PASTILHAS DE MÁRMORE
PASTILHAS DE
OURO
CIMENTÍCIO E PASTILHAS
PAREDE COM TIJOLOS APARENTES
PAPÉIS DE
PAREDE

PALHA
PAREDES PINTADAS
(LISAS OU COM TEXTURAS)
REVESTIMENTO EM
MADEIRA
GRANITOS

MÁRMORES
GRANITO – ADEQUADO
PORA BANCADAS DE
COZINHA POR SER MAIS
DURO E MENOS POROSO QUE
O MÁRMORE

PISO DE MÁRMORE
PISO COM DOIS TIPOS DE MÁRMORE
CARPETE DE MADEIRA
-PISOS FLUTUANTES-
COZINHA COM PISO E PAREDE DE MÁRMORE
E DETALHES COM FÓRMICA AMARELA
COZINHA FORRADA
COM PLACAS DE INOX
COZINHA COM REVESTIMENTO DE PASTILHA
SILESTONE – MAIS CARO QUE AS PEDRAS NATURAIS TEM
A VANTAGEM DE TER UMA VARIEDADE DE CORES QUE
POSSIBILITAM MAIS OPÇÕES NA DECORACAO
AS CORES NA DECORAÇÃO
ESTUDO DAS CORES
DISCO DE CORES
• CORES PRIMÁRIAS - amarelo, vermelho e azul
• CORES SECUNDÁRIAS -formadas pela mistura
de duas cores primárias:
amarelo + vermelho = laranja
amarelo + azul = verde
vermelho e azul = roxo
• CORES TERCIÁRIAS – formadas pela mistura
de uma cor primária com uma secundária.
ESTUDO DAS CORES
• CORES QUENTES • CORES FRIAS
dominadas em sua dominadas em sua
composição pelos composição pelos tons
amarelos e vermelhos de azul
DISCO DAS
CORES
CORES FRIAS

CORES QUENTES
CORES FRIAS - Banho do Deficiente – Casa Cor 2003
CANTO DE LEITURA – Mostra Lider 2005

CORES QUENTES
CLOSET DO CASAL - Casa Cor 2005

CORES QUENTES
AMBIENTE EM CORES FRIAS (AZUL) MAS ACOLHEDOR PELO
USO DOS DEMAIS ELEMENTOS E TEXTURAS
PAREDES COM COR
ESTUDO DAS CORES
OS ESQUEMAS CROMÁTICOS
AS COMBINAÇÕES DO DISCO DE CORES
• MONOCROMÁTICO
• COMPLEMENTAR OPOSTA
• ANÁLOGA
• COMPLEMENTAR DIVIDIDA SIMPLES
• COMPLEMENTAR DIVIDIDA DUPLA
• TRÍADE
• ESQUEMA ALTERNADO DE 60 OU DE 90 GRAUS
• MONOTOM
CORES PRIMÁRIAS

VERMELHO
AZUL
AMARELO
SEGUNDO PHANTON
(cadeira Phanton)
“a cor é mais importante que
a forma”.
ESTUDO DAS CORES
PSICOLOGIA DAS CORES
• VERMELHO - simboliza calor, pressa, violência e dinamismo. Tons
claros – rosa (feminino); Tons escuros –vinho (clássico).
• AMARELO - é o sol, a luz, o ouro, a riqueza. Sugere calor, alegria,
abundância, luminosidade.
• AZUL – sugere conforto, descanso, frieza, constância, calma,
quietude, solidão. É a mais fria das cores.
• LARANJA – sugere excitação e alegria. Possui as qualidades do
amarelo e do vermelho.
• VERDE – é a natureza, a esperança, a juventude, a calma, a vida e a
alegria. Imprime frescor aos ambientes.
• ROXO – sugere saudade, realeza, dignidade. É rico e suntuoso. Em
demasia pode ser depressivo.
ESTUDO DAS CORES

PSICOLOGIA DAS CORES


• MARRON – é a cor da terra, do outono, do pão. Suas tonalidades
variam do dourado ao café. Permitem harmonias riquíssimas.
• CINZA – cor neutra. Sugere humildade. Torna o ambiente triste e
pouco aconchegante.
• PRETO – neutro. É a ausência de cor. Sugere tristeza, luto, escuridão.
Em pouca quantidade traz ênfase e elegância.
• BRANCO – puro e sofisticado. Despojado e leve. Sugere pureza, paz,
higiene, limpeza.
CHÃO ESCURO DESTACA MÓVEIS CLAROS
PRETO E BRANCO
ESTILOS DO MOBILIÁRIO
ou
A EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MORAR
AS INFLUÊNCIAS
NEO CLÁSSICA BARROCO
Nasceu de estilo de
Nasceu do mundo greco- Miguelângelo e outros na
romano (1000 aC a 350 dC) Itália que se opunham à
cópia das formas clássicas.
• racionalismo / lógica /
pensamento retilíneo • excesso de ornamentos e
curvas
• pés e ângulos retos / linhas
paralelas • pés curvos / cantos
arredondados / linhas
• elegante / equilibrado / curvas
contido / masculino / forte
• acolhedor / alegre /
feminino / romântico
UM POUCO DE HISTÓRIA
• CONSTANTINOPLA – • EUROPA – IDADE MÉDIA
CAPITAL ROMANA DO ORIENTE
• ARCO LANCEOLADO • PERÍODO OBSCURO / POUCO
EM FERRADURA E DESENVOLVIMENTO /
POLILOBULADO DOMINADO PELA RELIGIÃO
• DESENVOLVIMENTO / • CASTELOS COMO
RIQUEZA FORTIFICAÇÕES
• ARTE DO MOSAICO • ARCO DE PLENA CINTRA
• ARTE DOMINADA PELO
CLERO • ANO 1000 DC
• 1453 – INVASÃO DE • ARCO GÓTICO
CONSTANTINOPLA PELOS
TURCOS
• 1453 – FIM DA IDADE MÉDIA
• TROCA DE NOME PARA
ISTAMBUL • INÍCIO DO RENASCIMENTO
IDADE MÉDIA

CASTELOS COMO FORTIFICAÇÕES


CHATEAU DE CHILLON
RENASCIMENTO
VOLTA AOS VALORES DO PENSAMENTO
RACIONAL E RETILÍNEO GREGO

Francis I, rei de França no séc XVI, viajou a Milão,


Itália e, contagiando-se com as novas idéias circulantes
voltou à França trazendo Leonardo da Vinci e obras
para a criação do Museu do Louvre, dando início ao
Renascimento na França.

PALÁCIOS
COMO MORADIA
MONA LISA

VITÓRIA DE SAMOTRÁCIA

NOTRE DAME
estilo gótico VÊNUS DE MILO
RENASCIMENTO ESPANHOL

RENASCIMENTO INGLÊS
CHATEAU DE BLOIS
LUIS XIII
CHATEAU DE BLOIS
LUIS XIII
RENASCIMENTO NA PENÍNSULA IBÉRICA
Cama de bilros.
Arcos góticos no teto.
ESTILO BARROCO
(o estilo das linhas curvas) na França
O BARROCO NA FRANÇA
• ESTILO LUIS XIV
(1643 – 1715)
Chamado “Rei Sol” Luis XIV
construiu o Palácio de
Versalles. Estilo pesado com
exagero de ornamentações.
Surge a “bergére” o “canapé”e
o “leito de repouso”precursor
da “chaise long”.
O BARROCO – Palácio Real de Madrid
APARADOR BARROCO – LUIS XIV
CÔMODA BARROCA
CADEIRAS RENASCIMENTO
MÓVEL BARROCO
ALEMÃO
BARROCO BRASILEIRO
Igreja de Santo Antonio - Recife
CHATEAU DE CHEVERNY
FRANÇA
ESTILO BARROCO
(o estilo das linhas curvas) na Inglaterra

O BARROCO NA INGLATERRA
• ESTILO RAINHA ANA ou
“QUEEN ANNE” (1702 – 1719)

É o barroco inglês. Pela primeira vez, na


sóbria e velha Inglaterra, as linhas curvas,
soltas, suplantam a rigidez das retas. É um
pré-Chippendale.
ESTILO ROCOCÓ
(o barroco mais delicado) na França
O ROCOCÓ NA FRANÇA
• ESTILO LUIZ XV
(1723 – 1750)
Mais leve, romântico, festivo.
Cores claras, tapetes floridos,
cortinas leves e vaporosas.
Biscuits, bibelôs, lustres de
cristal e motivos chineses.
Detalhe: pé cabriolet e como
adorno, a rocaille.
AMBIENTE LUIS XV

CADEIRAS DE APROXIMAÇÃO
LUIS XV
INGLATERRA
• PERÍODO GEORGIANO –
(1710 – 1810) • CHIPPENDALE,
Vai do reinado de George I a
George III
“A idade do ouro”do mobiliário
inglês. • HEPPLEWHITE,
Estilo rebuscado e luxuoso,
cheio de curvas. No início o
mobiliário recebeu o nome de
“Georgiano”, baseado no nome • ADAM E
do rei. Depois, devido a
influência dos grandes
construtores de móveis, os
estilos tomam seus nomes: • SHERATON
ESTILO ROCOCÓ
(o barroco mais delicado) na Inglaterra
O ROCOCÓ NA INGLATERRA
• ESTILO CHIPPENDALE
(1735 – 1779)
Considerado o maior estilista
inglês, Thomas Chippendale
introduziu o mogno no
mobiliário inglês.Seu pé
cabriolet é mais rebuscado e
luxuoso. Combina com tapetes
floridos ou geométricos, pisos
de madeira ou mármore,
cortinas de veludo. Nada muito
leve ou vaporoso.
CADEIRA CHIPPENDALE
EM PORTUGAL E NO BRASIL
O ROCOCÓ EM
PORTUGAL
• ESTILO D. JOÃO V
( 1706 – 1750)
desenhado por Chippendale a
pedido de D. João V. É rico,
pomposo, pródigo em
detalhes.
É o estilo das Igrejas coloniais
de Ouro Preto.
Detalhe: pés em forma de
garras de leão e de águia
Cadeira Chippendale –
segurando bolas. base do estilo D. João V
EM PORTUGAL E NO BRASIL

ESTILO DE TRANSIÇÃO
depois de D. JOÃO V e antes de D. MARIA I
• ESTILO D. JOSÉ I
Menos exuberante, vai introduzindo as linhas mais
retas e a sobriedade.
Detalhe: concha do rococó (Luiz XV) porém
vazada.
ESTILO NEO-CLÁSSICO
(o estilo das linhas retas)
O NEO-CLÁSSICO NA
FRANÇA
• ESTILO LUIS XVI
( 1750 - 1789)
Inspirado na pureza das linhas da
arte grega, é uma reação ao
excesso de luxo e futilidade do
período anterior.
Gracioso, elegante, aristocrático,
romântico e clássico.
Influenciou Adam e Hepplewhite
(ingleses)
Detalhe: pés retos, com caneluras,
como uma coluna dórica.
LUIS XVI
(cadeira medalhão)
AMBIENTE NEO-CLÁSSICO
SOFÁ NEO-CLÁSSICO
ESPANHOL

CADEIRA MEDALHÃO
LUIS XVI
MESA INGLESA NEO-
CLÁSSICA
ESTILO NEO-CLÁSSICO
(o estilo das linhas retas) na França
O NEO-CLÁSSICO NA
FRANÇA
• ESTILO IMPÉRIO
( 1799 - 1815)
Nasceu com Napoleão que
conjugou elementos clássicos,
egípcios e militares.
Másculo, imponente, elegante e
sóbrio.
Influenciou Sheraton (inglês)
Detalhe: N de Napoleão usado
como ornamento, enfeitado
com guirlandas, cisnes,
abelhas, cornucópias, espadas,
armas...
(quarto de Napoleão)
ESTILO IMPÉRIO
(Napoleão)
ESTILO IMPÉRIO
(Napoleão)
CADEIRA IMPÉRIO
(Napoleão)
ESTILO NEO-CLÁSSICO
(o estilo das linhas retas) na Inglaterra
O NEO-CLÁSSICO NA
INGLATERRA
• ESTILO
HEPPLEWHITE
( 1760 - 1786)
SLOGAN: unir a elegância à
utilidade.
Mais simples, estabeleceu a
transição entre
Chippendale e os novos
estilos clássicos
georgianos.
Detalhe: pernas retas. As
dianteiras perpendiculares
ao solo e as traseiras
inclinando-se ligeiramente
para fora.
ESTILO NEO-CLÁSSICO
(o estilo das linhas retas) na Inglaterra
O NEO-CLÁSSICO
NA INGLATERRA
• ESTILO ADAM
( 1762 - 1792)
Irmãos Adam eram
arquitetos e
decoradores. Seus
desenhos foram
executados também
por famosos mestres
como Chippendale,
Hepplewhite e
Sheraton.
ESTILO NEO-CLÁSSICO
(o estilo das linhas retas) na Inglaterra
O NEO-CLÁSSICO NA
INGLATERRA
• ESTILO SHERATON
(Império) ( 1750 - 1806)
Tem a elegância do Império
Françês, mas é mais prático e
leve.
Foi um inventor. Seus móveis
delicados e pequenos,
escondiam gavetas secretas e
esconderijos.
EM PORTUGAL E NO BRASIL
O NEO-CLÁSSICO EM
PORTUGAL
• ESTILO D.MARIA I
Influenciado pelos desenhos
de Sheraton.
Volta ao retilíneo, à
sobriedade, à composição
regular.
Ultimo estilo português com
influência marcante sobre
o mobiliário brasileiro.
NO BRASIL
ESTILO D. JOÃO VI
Conserva as linhas simples de D. Maria I.
Detalhe: leques nos cantos das gavetas
das cômodas.
Surgem os assentos e encostos em
palhinha.
ESTILOS DO SEC XIX
• NA FRANÇA • NA INGLATERRA

ESTILOS ESTILO VITORIANO


• RESTAURAÇÃO – reação (1838 – 1900)
contra tudo que possa recordar Confusão de tipos e estilos.
um personagem renegado – É uma mistura de todos os estilos
Napoleão. As linhas se curvam ingleses
contra a rigidez anterior
• LUIS FELIPE – pesado, predominam as linhas curvas e
excessivamente misturado. ovais, muitas almofadas,
cortinas, franjas, capitonês,
• NAPOLEÃO III (Segundo papel de parede florido.
Império) - derradeiro dos móveis exuberantes, mais pesados,
estilos franceses tem como ambientes sem equilíbrio.
característica o ecletismo.
MOVEL THONET
(móveis vergados)

• Em 1830, Michel Thonet


dedicou-se a criar móveis com
madeira vergada em sua cidade
natal na Tchecoslováquia.
Em 1841 transferiu sua fábrica
para Viena na Áustria.
A partir daí passaram a ser
conhecidos como
móveis austríacos.
ESTILOS DO SEC XX
• ART NOUVEAU
(1890 – 1920)
Virada do séc. XIX para o séc. XX.
Rejeição ao passado e desejo de
inovar. Linhas sinuosas e
ondulantes.
Na Inglaterra - Liberty
Na Espanha - Modernismo
Nomes: Antonio Gaudi (Espanha)
Mackintosh (Escócia)

CADEIRA MACKINTOSH
ART NOUVEAU

ANTONIO GAUDI
(Barcelona)
ART NOUVEAU

ESTACÃO DE METRÔ EM PARIS


BAUHAUS
• Escola fundada na Alemanha pelo arquiteto
Walter Gropius. Pregava os princípios do design
moderno, ou seja, a harmonia entre
FORMA x FUNCÃO.
• Nomes: Marcel Breuer, Herbert Bayer, Le
Corbusier............
• Fechada por Hitler, os intelectuais se transferiram
para outros países como os EUA, onde
influenciaram a arquitetura e o design do séc. XX.
ART DÉCO
• O ESTILO ART DÉCO
(1920 – 1930)
Formas aerodinâmicas, lisas,
limpas e modernas. É
masculino, simples e esportivo.
Espalhou-se por objetos, móveis,
arquitetura e design de
interiores. Renasceu nos anos
60 tendo sido o primeiro passo
dos arquitetos para o
modernismo.
O ESTILO
ART DECÓ
ESTILO FUNCIONAL
• Ação resultante de
movimentos como De
Stijl (Holanda)
L’Esprit Nouveau e
Bauhaus (Alemanha).
• Alguns móveis se
transformaram em
autênticos clássicos
modernos como o
cadeirão Barcelona CADEIRÃO BARCELONA
de Mies van der Rohe criada
em 1929
CADEIRA E BANQUETA BARCELONA
MÓVEL FUNCIONAL
O MÓVEL DESIGN
• O design é o estudo mais profundo e completo da
função de um objeto, da sua utilidade e beleza.
• Considera na criação os imperativos da técnica, da
economia, da reprodução em série, resultando a
conjugação da função e da estética.
• Portanto, nem todos os móveis contemporâneos
são criações de designers.
CASA DA CASCATA
Frank Lloyd Wright - 1936
CADEIRA
PHANTON
(a cor é mais importante
que a forma)
ORGANICISMO
CUBISMO
(linhas retas)
MÓVEL
CONTEMPORÂNEO

CADEIRA “BOLAS”
DOS IRMÃOS CAMPANA
IRMÃOS CAMPANA
IRMÃOS CAMPANA
“ É importante lembrar que, em conjunto com a técnica
e o conhecimento, o “bom gosto” e o “bom senso”
deverão estar sempre presentes em qualquer
composição.”

Nida Chalegre