Você está na página 1de 3

Roteiro Aula Prática 06 – EAM300 – Topografia e Estradas – Universidade Federal de Viçosa

PRÁTICA 06: Levantamento Planialtimétrico


1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

O levantamento planialtimétrico possibilita a representação das informações planimétricas (X e Y) e


altimétricas (Z) em uma única planta, carta ou mapa. Os levantamentos, sejam eles planialtimétricos ou não,
podem ser realizados por diferentes métodos, a partir de pontos de apoio e pontos temáticos. Esta aula tem
como objetivo a realização de um levantamento planialtimétrico por pontos irradiados.

Definições importantes:
 Levantamento de pontos temáticos por irradiação: são conhecidas as coordenadas de duas estações
ou, no mínimo, as coordenadas de uma estação e um azimute de referência, e é possível medir
distâncias e ângulos horizontais da estação ao ponto desconhecido, a fim de calcular as coordenadas
destes pontos.

2. MATERIAIS E MÉTODOS

3.1. Área de Estudos

Lagoa ou represamento localizado nas proximidades do supermercado escola, popularmente conhecida


como Lagoa da Funarbe ou tecnicamente como Lagoa 02.

3.2. Materiais

 Estação total;
 Tripé;
 Prisma;
 Trena;
 Fio de prumo;
 Pontos topográficos materializados em campo;
 Calculadora científica, e
 Prancheta.

3.3. Métodos (Procedimentos)

1. Instalar o instrumento no marco B e visar o marco A. Zerar o instrumento nesse ponto. A


partir das coordenadas já utilizadas nas semanas anteriores, calcular o azimute de B para A.

Tabela 1 - Coordenadas planas UTM

COORDENADAS (m)
MARCO A MARCO B
GRUPOS X (E) Y (N) Z X (E) Y (N) Z
1 721796 7702292 651 721702 7702315 652

GEPLH – GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM LEVANTAMENTOS HIDROGRÁFICOS


1 de 3
Roteiro Aula Prática 06 – EAM300 – Topografia e Estradas – Universidade Federal de Viçosa

2 721792 7702287 651 721705 7702319 652


3 721788 7702285 651 721703 7702324 652
4 721788 7702281 651 721724 7702309 651
5 721783 7702274 651 721734 7702307 651

2. Medir ângulos HORÁRIOS e distâncias até quatro pontos temáticos a serem irradiados
(postes, árvores, beirada da lagoa, etc.). Lembrar de medir a altura do instrumento e a altura
do prisma. Dentre os pontos escolhidos pelos alunos, obrigatoriamente irradiar em um ponto
de coordenada conhecida.

3. Calcular as coordenadas desses pontos e anotar os resultados na folha de respostas.

𝑋𝐴 = 𝑋𝐵 + 𝑑ℎ𝐵𝐴 ∗ 𝑠𝑒𝑛𝐴𝑍𝐵𝐴 (1)

𝑌𝐴 = 𝑌𝐵 + 𝑑ℎ𝐵𝐴 ∗ 𝑐𝑜𝑠𝐴𝑍𝐵𝐴 (2)

𝐴ℎ𝐵𝐴 = 𝐷𝑖 ∗ cos(𝑍) + ℎ𝑖 − ℎ𝑠 (3)

𝑍𝐴 = 𝑍𝐵 + 𝐴ℎ𝐵𝐴 (4)

Sendo:
𝐴ℎ𝐵𝐴 = desnível de B para A;
𝐷𝑖 = distância inclinada;
Z = ângulo zenital;
hi = altura do instrumento, e
hs = altura do alvo.

3. CONCLUSÕES

Ao final desta prática o aluno deverá estar apto a realizar medições com estação total e a calcular
coordenadas planialtimétricas a partir dessas medições.

GEPLH – GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM LEVANTAMENTOS HIDROGRÁFICOS


2 de 3
Roteiro Aula Prática 06 – EAM300 – Topografia e Estradas – Universidade Federal de Viçosa

FOLHA DE RESPOSTAS – roteiro n°6

GRUPO N° ____________

Nome: ________________________________________________ Matrícula: _______________

Nome: ________________________________________________ Matrícula: _______________

Nome: ________________________________________________ Matrícula: _______________

Nome: ________________________________________________ Matrícula: _______________

Nome: ________________________________________________ Matrícula: _______________

Altura do instrumento: _______________

Altura do prisma: _______________

Observações:

α1 Z1
α2 Z2
α3 Z3
α4 Z4

DH1 Di1
DH2 Di2
DH3 Di3
DH4 Di4

Coordenadas:

X1 Y1 Z1
X2 Y2 Z2
X3 Y3 Z3
X4 Y4 Z4

As coordenadas do ponto conhecido, encontradas a partir das observações realizadas em campo,


provavelmente não coincidiram com as que foram obtidas por receptor GNSS geodésico. Por quê?

GEPLH – GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM LEVANTAMENTOS HIDROGRÁFICOS


3 de 3