Você está na página 1de 22

Uma boa-prática

de integração do moodle
na escola
Título: Uma boa prática de integração do Moodle na escola

Documento produzido no âmbito do Projecto “Utilização educativa


de plataformas de aprendizagem” desenvolvido pelo Centro de Com-
petência RTE/PTE da Faculdade de Ciências da Universidade de Lis-
boa e financiado pela Equipa RTE/PTE da Direcção Geral de Inova-
ção e Desenvolvimento Curricular.

Não editado

Autores: Neuza Pedro, Madalena Santos, Francisca Soares e João


Filipe Matos.

Lisboa, Julho de 2008


Um sincero agradecimento ao Conselho Executivo do
Agrupamento de Escolas de Ribamar
Não vamos começar com "Era uma vez" mas pretende-se contar
uma história, contextualizada num dado momento no tempo e no
espaço, mas que revela, na verdade, a capacidade de poder situar-
se em vários espaços (escolares) e em diferentes "tempos", passados,
presentes ou futuro...

A “boa-prática”, ou antes, “a-experiência-prática-que-vive-e-viveu-


dificuldades-mas-onde-se-têm-vindo-a-conseguir-bons-resultados”
que a seguir se apresenta foi estruturada com base no relato do um
elemento do conselho executivo do Agrupamento de Escolas de Riba-
mar, no concelho da Lourinhã. As frases que aparecem em itálico
são, na verdade, o discurso directo dessa professora.

Por considerá-la como uma história, resolvemos organizá-la


por capítulos...
Capítulos

Pág.

1. Conhecendo as condições envolventes… 1

2. Tentando tornar a plataforma um espaço de todos… 3

3. Como estruturar a plataforma de um agrupamento ? 5

4. O grande impulso !!! 7

5. Outras estratégias a mobilizar. 8

6. Porque é necessária uma atitude consistente e um


pensamento estratégico ? 10

7. As críticas e os problemas fazem sempre parte do


processo… 12

8. Conclusões (ou o que é que daqui resultou). 13

9. Pensando no futuro, porque isto exige sempre


continuidade. 15
1.

Conhecendo as condições
envolventes...

O Agrupamento de Escolas de Ribamar é formado por 5 escolas do 1º


ciclo (2 com Jardim-de-infância), 2 Jardins-de-Infância e 1 escola do 2º e
3º ciclos. Tem actualmente cerca de 65 professores e perto de 600 alunos.
A escola-sede localiza-se na parte alta da Vila e desfruta de uma repou-
sante vista sobre o mar da Ericeira, tendo Peniche e a ilha das Berlengas
como pano de fundo. Mas o que queremos da escola é que nos ajude a
estruturar um exemplo de boa prática na utilização educativa de platafor-
mas de aprendizagem no contexto escolar e, por isso, voltemo-nos para a
experiência do Agrupamento.

A plataforma do Agrupamento de Escolas de Ribamar foi criada em Janei-


ro de 2007. “Ainda é um bebé … tem um ano e meio. Estamos no começo,
mas alguns professores e alunos têm-se entusiasmado. Falta ainda entu-
siasmar mais professores”.

Previamente, o agrupamento tinha tido já uma experimentação de desen-


volvimento de trabalho em ambiente Moodle, através de uma disciplina
aberta para utilização do agrupamento na plataforma do Centro de Com-
petência que acompanha a escola.

Não apenas pelas potencialidades encontradas mas sobretudo pelas que


se faziam prever (i) na dinamização da comunicação entre escolas e pro-
fessores, (ii) na divulgação atempada da informação (combatendo a dis-
persão do agrupamento), (iii) na organização de documentos e materiais
de trabalho importantes, (iv) no suporte a iniciativas, projectos e trabalho
colaborativo e (v) na inovação que poderia introduzir nas actividades de
ensino e aprendizagem desenvolvidas com os alunos, foi solicitada a cria-
ção de uma plataforma Moodle para o agrupamento encontrando-se a

1
mesma disponível em http://agribamar.crie.fc.ul.pt .

No início “... era apenas um grupo reduzido, de professores, 10 não


mais” que se inscreveram e começaram a explorar a forma de funciona-
mento e as ferramentas oferecidas pelo Moodle. Nenhum deles revelava
grandes competências técnicas no âmbito das tecnologias, eram apenas
professores curiosos, entusiastas, que se dedicaram à exploração da ferra-
menta após algumas sessões de sensibilização em “utilização educativa do
Moodle” desenvolvidas pelo Centro de Competência.

“Estes ambientes mas são nada de mais, acho que se eu sou capaz de
fazer, qualquer pessoa faz… O mais importante é a curiosidade e o entu-
siasmo pela inovação, pela exploração das potencialidades e não tanto
dos constrangimentos… A insistência também é importante …(e)… ter par-
ceiros também foi fundamental”.

2
2.

Tentando tornar a plataforma um


espaço de todos...

Ainda que alguns professores tivessem começado a explorar a platafor-


ma, a escola desejava que a esta se viesse a tornar um espaço de trabalho
e de comunicação para todos os elementos do agrupamento.

Assim, foram feitas sessões internas de formação com convocatória


“convocando-se todos os professores a estarem presentes”. Essas sessões
não pretendiam exigir que todos os professores passassem de repente a
desenvolver as suas actividades escolares na plataforma Moodle, visa-
va antes e apenas que os docentes tivessem conhecimento da existência
e das potencialidades da mesma.

Num primeiro movimento, foram inscritos na plataforma da escola todos


os professores, numa disciplina denominada “Conselho Executivo”. Alguns
professores não tinham e-mail, ou não se lembravam dos seus dados de
acesso e, portanto, criaram-se novos endereços de e-mail para os profes-
sores. Depois “os que faltaram às sessões, foram sendo pescados um a
um, para não se perder a oportunidade”.

A preocupação e a insistência para que todos os professores do agrupa-


mento estivessem escritos assumiram três finalidades. Por um lado, garan-
tia-se, assim, que toda a informação relativa ao funcionamento do agru-
pamento e a assuntos externos importantes passava a chegar à caixa de e-
mail de cada um dos professores, tendo todos acesso a essa mesma infor-
mação. “ A partir daí garantiu-se que todos tinham acesso a toda a infor-
mação, se depois lá iam ou não explorar outras coisas…”, isso logo se
veria.“ Alguns professores perceberam logo as potencialidades não só
para o trabalho do agrupamento mas também para usar com os alunos e
aí o grupo de 10 aumentou um pouco. Houve professores a pedir para que

3
fossem criadas disciplinas para as suas turmas”.

Por outro lado, essas informações passavam a estar organizadas num


espaço de acesso colectivo onde foram criados locais específicos
(fóruns) para a discussão das situações em causa. De igual modo, todos
os professores passavam a ter acesso às ferramentas da plataforma
(Actividades e Recursos) podendo explorar o seu modo de funcionamen-
to e reflectir sobre a utilização educativa das mesmas.

“Muitas vezes bastava insistir um pouco para que o professor fizesse a


inscrição. E para isso bastava que se estivesse ali ao lado dele enquan-
to ele a fazia. Porque a partir daí,… isso leva a que se passe a receber
as coisas nos seus emails, que fosse assediado, isso é um bom estímu-
lo”.

4
3.

Como estruturar a plataforma de um


agrupamento ?

Num momento seguinte, foi feita uma reunião para que o agrupamento
definisse, em conjunto, qual a melhor forma de estruturar aquela que já
era então a sua plataforma. Se se pretende que uma dada plataforma de
escola seja o espaço entendido como de todos e para todos, então é
importante envolver desde logo cada um dos elementos dessa escola no
processo de decisão relativo à estruturação que tal ambiente irá assu-
mir. Nesse processo, "olhar para outras plataformas já existentes, sobre-
tudo aquelas que têm espaços abertos, pode ajudar".

A primeira decisão definiu que a organização da plataforma deveria ser


feita com base nas turmas de alunos, ou seja, cada turma deveria ter uma
disciplina no Moodle existindo nessa um tópico (formato tópico) para cada
uma das disciplinas curriculares do seu ano lectivo. Mas o decorrer do
tempo veio a mostrar que não se tinha encontrado a melhor solução. Por-
que existiam ainda muitos professores que não utilizavam a plataforma
com os alunos, muitas das disciplinas criadas permaneciam inactivas, sem
nunca terem sido usadas.

No entanto, a escola não desistiu! Uma nova reunião foi marcada com os
elementos do agrupamento. Foi então definido que se deveria abrir uma
disciplina por cada professor que apresentasse interesse em ter uma disci-
plina própria para desenvolver trabalho com colegas ou com os seus alu-
nos. E assim se fez.

“Lembro-me que depois dessa reunião nem fui almoçar, fiquei a criar
todas as disciplinas que os professores tinham pedido.” É importante
aproveitar os entusiasmos. “Não queria que nenhum professor dissesse
que não tinha começado a trabalhar no Moodle porque ainda não tinha a
sua disciplina criada”.

5
Foi dado então o nome do professor a cada disciplina e nesta cada um
integrava as turmas que pretendesse. “Aí sim, já começou a funcio-
nar.”

Outras disciplinas foram também abertas para as escolas do 1º ciclo,


para os jardins-de-infância, para a coordenação do agrupamento, para
o conselho pedagógico e para todos os departamentos curriculares.

Assumiu-se também a preocupação de que sempre que chegava um


professor novo, por substituição de um colega e sobretudo no início
deste ano lectivo, procedia-se logo no sentido de ajudá-lo a inscrever-
se na plataforma para que passasse assim a sentir-se integrado, tendo
acesso a toda a informação que fazia parte da vida do agrupamento.
“Inicialmente era eu que ajudava os professores a inscreverem-se, mas
a pouco e pouco passei a encaminhá-los para o coordenador do seu
departamento e passaram a serem eles a apoiá-los”.

6
4.

O grande impulso !!!

Estes processos de integração em novos espaços interactivos, vivencia-


dos on-line exigem que se adquiram, instituam e se naturalizem novas
práticas e novos hábitos de actuação, pelo que envolvem sempre algum
tempo, tendendo mesmo a ser marcados por momentos de marcados
avanços mas igualmente de detectáveis retrocessos.

No final do ano lectivo de 2006/2007, a escola começou a perceber que a


utilização da plataforma tendia a estagnar. Enquanto alguns professores
começavam já a desenvolver trabalho com os alunos nas disciplinas cria-
das no Moodle para esse efeito, denotou-se que o volume de professo-
res que ainda o não fazia, não diminuía. Faltava ainda promover o seu
envolvimento.

O grande impulso dos professores na utilização da plataforma aconteceu,


então, no final do ano lectivo passado. “A escola (EB 2,3) tem por hábito
aceitar sugestões sobre o horário pessoal de cada professor, que são apro-
ximadamente 38. Inicialmente as pessoas faziam-no por papel, que depois
colocavam na minha secretária. Depois, no ano anterior informei que só
aceitava as sugestões/pedidos se me enviassem por email, e foi exacta-
mente isso que fiz. As pessoas ficaram espantadas quando viram que só
tinha considerado mesmo aqueles que me tinham enviado a informação
por email. Depois, para este ano lectivo informei que só ia aceitar as
sugestões/pedidos que fossem feitos pela plataforma e em resposta à
notícia colocada no fórum aberto para esse efeito. E mais uma vez foi
isso que fiz. Claro que me disponibilizei logo a ajudar quem tivesse difi-
culdades. De repente, tive 34 respostas à minha mensagem na platafor-
ma”. A intenção subjacente a tal imposição era simples: “Isso fez com que
as pessoas perdessem o medo de andar por lá e percebessem que aquilo é
fácil, e que todos conseguiam perfeitamente fazê-lo.”

7
5.

Outras estratégias a mobilizar...

Outra estratégia desenvolvida associou-se ao estimular constante da edi-


ção do perfil de utilizador de cada professor. “ Não gostava nada de ver
aquela imagem que o Moodle coloca por defeito quando se cria um novo
utilizador, então andei a insistir com os professores para colocarem lá a
sua cara”. Se a plataforma é um espaço de comunicação, de partilha de
recursos, de troca de ideias, de discussão de assuntos ligados à vida da
escola ou agrupamento, revela-se importante poder identificar facilmente
os interlocutores com quem se interage. “Naqueles professores que me
diziam que não tinham nenhuma foto sua para colocarem lá, andei a
rebuscar algumas fotos existentes da escola, digitalizei, recortei a parte
da cara dos mesmos e, em tom de brincadeira, inseri nos seus perfis. Cla-
ro que acabaram por detectar a alteração ☺ . Então tive alguns que agra-
deceram e outros que, achando piada, me vieram dizer que achavam que
não tinham ficado muito bem naquela foto. Ao que eu respondi, “Olha
tens bom remédio. É ires lá e colocares uma foto mais actualizada e onde
gostes mais de te ver ☺ ”. Criou-se assim outro estímulo e a oportunidade
de serem exploradas outras ferramentas do Moodle.

Desta forma, chama-se à atenção para o facto de ser uma boa estratégia
ir introduzindo novas ferramentas e novas vertentes de utilização das pla-
taformas de forma progressiva, dando tempo aos utilizadores para se
apropriarem das mesmas. E, de igual modo, ir apresentando e introduzin-
do essas funcionalidades ou mesmo outras ferramentas tecnológicas pelo
lado que se sabe que à partida, os utilizadores, sejam professores, alunos,
auxiliares, etc, vão considerar como mais interessante, útil, entusiasman-
te e até mesmo engraçado.

Outro momento importante, aconteceu quando no presente ano lectivo,


o agrupamento teve que definir e estruturar o plano TIC. Porque deveria

8
ser entendido como um plano de todo o agrupamento, que deveria inte-
grar as iniciativas que cada professor pretendia desenvolver no âmbito
da utilização educativa das tecnologias, não sendo, por conseguinte,
responsabilidade única do coordenador TIC o seu delineamento e execu-
ção foi aberto na plataforma um fórum para discussão e partilha das
actividades que os professores das várias escolas pretendiam assumir e
desenvolver. Mais uma vez foi solicitado que todas as respostas fossem
integradas nesse espaço da plataforma.

Algumas respostas foram enviadas para o email do conselho executivo e


da coordenadora TIC do agrupamento.”Mas entendi que não deveríamos
aceitar e acabei por dizer também à nossa coordenadora TIC: ‘Desculpa
mas não podemos aceitar! Além de depois andar toda a informação dis-
persa no meu email, no teu email e na plataforma dando-nos ainda o
trabalho de conjugar tudo, assim as coisas não ficam explícitas e públi-
cas para todos poderem ter acesso. Todos têm o direito a saber o que
os outros assumiram que vão fazer e consequentemente aquilo a que o
agrupamento se compromete’. Eu percebo que os professores ainda
apresentem dificuldades, porque quem não anda pelo Moodle com
regularidade acaba por esquecer alguns passos básicos, mas a solução
não é aceitar que as pessoas evitem lá ir, mas sim ajudá-las a vencer as
dificuldades”.

9
6.

Porque é necessária uma atitude


consistente e um pensamento
estratégico ?

Se não se actuar de forma consistente e de modo contínuo, nunca se


conseguem combater as resistências, nem dotar as pessoas de maiores
competências e de mais saudáveis níveis de confiança na utilização deste
tipo de ferramentas. Pode exigir alguma disponibilidade temporal de iní-
cio, “mas acaba por valer a pena porque reverte mais tarde a próprio
favor de todos. As pessoas vão-se sentindo mais seguras para experimen-
tar. E se assim não for, a probabilidade é de que nunca mais seja.”

Tem que se induzir e manter uma certa postura de persistência e consis-


tência, instigar e estimular em diferentes momentos e de forma continua-
da ao longo do tempo. “Tem que se 'picar', dizer ‘Mas experimenta’ ou
‘Põe isso lá na plataforma que fica disponível para todos’. Por exemplo,
no início só eu é que colocava novidades, informações no fórum de notí-
cias aberto na disciplina do Conselho Executivo que é o espaço onde estão
todos os professores inscritos, mas eu sempre disse: ‘Estão à vontade, o
espaço é de todos’. Agora com o tempo já vão lá outros professores colo-
car notícias ou introduzir legislação na base de dados que criei com
todas os decretos-lei que vão surgindo e que é necessário ter conhecimen-
to e ter à disposição para usar quando fizer falta”.

O tempo dos professores é escasso, as tarefas acumulam-se e se se deixar


o investimento na exploração e utilização deste tipo de novas ferramen-
tas, para o momento em que os professores tenham tempo livre para se
dedicarem às mesmas, corre-se o risco de que tal tempo nunca venha a
existir. “Muitos professores já reconhecem que a minha insistência pode
ser uma boa estratégia”.

Por outro lado, a forma como se tomam as decisões relativamente a


assuntos importantes do agrupamento e que dizem directa e indirecta-

10
mente respeito ao trabalho dos professores tornou-se muito mais trans-
parente porque passou a estar explícita na plataforma. De igual modo,
podem ser criados espaços para que a opinião de cada um seja apresen-
tada e considerada.

“Por exemplo, este ano o processo de avaliação dos professores, o pro-


jecto educativo de escola, o regulamento interno, os resultados da ava-
liação externa… todos os documentos foram integrados na disciplina do
Conselho Executivo ou do Conselho Pedagógico e assim deixaram de ser
apenas os professores pertencentes ao conselho pedagógico a aprovar
as coisas, pois criaram-se fóruns para que todos pudessem dar a sua
opinião, discutir, comentar e integrar sugestões”.

11
7.

As críticas e os problemas fazem


sempre parte do processo …

“Mas é claro que, por vezes, oiço algumas críticas, como por exemplo:
‘Ah, agora é tudo na plataforma!’. E, na verdade, eu poderia assumir
outra atitude: era ‘quem quer quer, quem não quiser?!…’. Aliás é sempre
mais fácil trabalhar com quem está por gosto, mas se somos um Agrupa-
mento e se queremos manter o espírito de união então temos todos que
partilhar os mesmos espaços e de ter acesso às mesmas informações”. Por
isso pode ser positivo que numa dada escola ou agrupamento um grupo de
professores assuma o investimento na implementação destes novos
ambientes nessa escola, assumindo, de igual forma, a uma atitude consis-
tente coerente e mesmo mais directiva. Dá-se, assim, oportunidade a que
todos possam ter apoio e entrar em contacto com estes novos ambientes,
para que todos, colectivamente, possam vivenciar em iguais espaços e
sejam integrados na comunicação desenvolvida. De igual modo, através
da plataforma pode-se estimular o envolvimento conjunto em assuntos
centrais do funcionamento da escola estimulando, assim, a participação
activa e o sentido de coesão interna na escola ou agrupamento.

De forma semelhante, se se pretende que uma dada plataforma de ges-


tão de aprendizagem funcione como espaço de interacção, comunicação e
desenvolvimento de trabalho por parte de toda a comunidade escolar,
revela-se importante envolver professores e alunos mas igualmente, alar-
gar este espaço a outros agentes escolares, nomeadamente, pessoal admi-
nistrativo, auxiliares de acção educativa, pais e encarregados de educa-
ção.

12
8.

Conclusões (ou o que é que daqui


resultou) !

Dando espaço ao tempo, começa-se a denotar alguns sucessos neste


processo. Se professores há, que permanecem a “não querer saber o que
é e que não querem sequer ouvir falar no assunto, porque acham que
estas coisas não são para eles”, a verdade é que actualmente a grande
maioria dos professores do agrupamento desenvolve algum trabalho no
Moodle com colegas e/ou com alunos.

Efectivamente, a maior dificuldade de envolvimento na utilização deste


tipo de ferramentas diagnostica-se junto dos professores. Os alunos expe-
rienciam um maior à-vontade, uma maior familiaridade com o uso deste
tipo de ferramentas, fazendo-se notar a sua apetência pelas tecnologias.
“Muitas vezes vê-se que os professores acabam por fazer e investir por
contágio, e porque os alunos pressionam. Perguntam: ‘Oh, professor por-
que é que não põe lá na plataforma?’ e eles até acabam por meter“.

Por outro lado, os professores começam a constatar que iniciativas, pro-


jectos, desafios que são colocados na plataforma, tendem a promover nos
alunos maior interesse e motivação. Os alunos mostram-se mais participa-
tivos e colaboraram mais nas tarefas propostas na plataforma. “Por exem-
plo, como sou professora de Matemática e porque os meus colegas do
departamento não se importam, estou inscrita nas disciplinas que alguns
colegas dinamizam para as suas turmas. Por isso recebo no email todos os
posts que lá são colocados. Por vezes, também encontro recursos giros,
applets curiosos e vou lá colocar porque sei que eles não levam a mal. Ás
vezes fico espantada, quando vejo as respostas e os comentários deixados
na plataforma por alunos que sei que apresentam fracos resultados, difi-
culdades de aprendizagem e de comportamento e que já demonstraram
ter desinvestido totalmente na escola. Fico espantada mas fico igualmen-
te muito satisfeita”.

13
Do ponto de vista da divulgação da informação é também possível con-
cluir que todas as notícias importantes passaram a chegar a tempo jun-
to de todos os professores. “Acontecia, quando a divulgação era apenas
feita por papel que perdíamos a oportunidade de participar neste ou
naquele concurso ou iniciativa porque quando se acedia à informação,
por vezes, já havia terminado o prazo de inscrição”. Por outro lado,
“em relação ao consumo de papel, de toners e tinteiros na escola para
impressão de convocatórios, normativas, legislação, também diminui
imenso. Este ano comprámos um balcão para a biblioteca, com o que se
conseguiu poupar nessas coisas. Está tudo no Moodle quem quiser pode-
rá ir lá buscar, lê e nem precisa de imprimir, está lá sempre”.

“Posso dizer que se tornou o nosso meio natural de comunicação”.

14
9.

Pensando no futuro, porque isto exige


sempre continuidade…

Porque uma bem conseguida persecução de objectivos, exige uma


reflexão prévia que oriente de forma adequada e produtiva as actua-
ções futuras, o final do presente ano lectivo apresenta-se como
o momento determinante onde se começam já a pensar as estratégias a
assumir e as acções a desenvolver no sentido de conseguir aquilo que se
assume então como objectivo para esse novo ano: a efectiva e generali-
zada utilização da plataforma do agrupamento por parte da comunida-
de escolar. Assim para o próximo ano lectivo “acho que vou promover
oportunidades de intercâmbio de experiências com o Moodle entre
colegas, a partilha de materiais e de sites interessantes que são úteis.
Tenho que agendar encontros com aqueles que já fazem coisas com os
miúdos para que mostrem aos outros e os convençam a experimentar. É
preciso colocar mais professores a trabalhar com os alunos na platafor-
ma”.

“Não tenho ilusões. Há pessoas que nunca vão utilizar a plataforma,


porque aquilo para eles não faz sentido. Mas são poucos e o que falta é
investir naqueles professores que até são dinâmicos e que até tiravam
proveito, mas que simplesmente acham que não gostam, porque… por-
que não se disponibilizaram ainda a gostar. Falta captar esses”.

“Por outro lado tenho que estimular mais os professores do 1º ciclo e


investir também no pessoal administrativo. Em relação a estes (pessoal
administrativo) já realizei uma sessão. Aproveitei um dia de greve em
que estavam cá todas e estivemos a criar uma disciplina para elas e a
inscrevê-las a todas, mas tenho que investir novamente. Seja como for,
este ano já demos um grande avanço”

Outra coisa que tem apresentado dificuldades é a estimulação da parti-

15
cipação activa dos professores na discussão das questões importantes
da escola, que ainda que tenham de ser aprovadas pelo conselho peda-
gógico não são só responsabilidade e não dizem só respeito a este
órgão. "Por exemplo, o novo regulamento interno está agora em discus-
são e os professores ainda não disseram nada sobre o mesmo. Acho que
para muitos ainda é muito difícil tornar pública e sustentar a sua opi-
nião. Por isso vou continuar a insistir mais nestas coisas. É que a ideia
não é só passar informação, esta parte da discussão dos assuntos tam-
bém é importante promover. Vou continuar a abrir fóruns."

De igual modo, será importante não esquecer que estes movimentos


de dinamização da utilização de novas ferramentas tecnológicas nos
espaços escolares, envolve uma preocupação constante mas que se tem
que fazer notar de forma mais proeminente em diferentes momentos ao
longo do ano. Assume-se como importante o reacender entusiasmos e o
relembrar do sentido para onde se quer caminhar. Para tal revela-se
importante pensar, definir e partilhar que sentido é esse. No sentido de
promover a reflexão, coloca-se explicitamente a pergunta: Que postu-
ra pretende a escola/agrupamento assumir no âmbito da informatiza-
ção de procedimentos escolares e da efectiva integração das novas tec-
nologias nas actividades escolares?

Na utilização educativa de plataformas, qualquer escola que pretenda


assumir-se como uma "boa-prática" ou como um exemplo
de sucesso deverá ter entre si encontrado a resposta a esta pergunta.
De igual modo, o sentido de inovação, criatividade e de promoção da
qualidade das práticas educativas escolares deverão servir de linhas
orientadoras.

16
A partilha do processo vivenciado no Agrupamento de Escolas de Riba-
mar chama assim à atenção para alguns aspectos importantes, que não
devem ser esquecidos quando se pretende integrar a comunidade esco-
lar em novos ambientes digitais de suporte à comunicação, à partilha e
à interacção:

 É preciso considerar as particularidades do contexto;


 É importante dar um sentido de colectivo a estes espaços;
 É necessário definir um caminho e ir estabelecendo etapas;
 É indispensável seleccionar estratégias mobilizadoras;
 É importante não esquecer que nem tudo corre sempre bem;
 É preciso persistir, e saber ir valorizando e apreciando cada etapa
conseguida e cada sucesso alcançado.

A partilha do processo vivenciado no Agrupamento de Escolas de Riba-


mar chama assim à atenção para alguns aspectos importantes, que não
devem ser esquecidos quando se pretende integrar a comunidade esco-
lar em novos ambientes digitais de suporte à interacção, partilha e
comunicação.

17