Você está na página 1de 60

SHANÁ

TOVÁ
5780!
um doce ano!
O Ano Novo Judaico chegou e com ele o anseio pela
renovação da esperança e surpresas que este novo
período reserva. O Sacolão espera continuar levando
os melhores alimentos para a sua mesa, contribuindo
para que o seu Rosh Hashaná seja ainda mais especial.
Desejamos a toda a comunidade judaica um feliz e
próspero Ano Novo!

EXIJA O SELO DE SUPERVISÃO RABÍNICA

RUA DONA VERIDIANA, 158/162


HIGIENÓPOLIS 33314672
R. Turiassu, 273 - Perdizes
(11) 3673-4554
HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
SEGUNDA A SÁBADO: DAS 7H ÀS 21H.
DOMINGOS E FERIADOS: DAS 8H ÀS 20H.
/SACOLAO.HIGIENOPOLIS
SHANÁ
TOVÁ
Nº 165
Capa:
Kidush e Costumes
Nesta Edição
5780! das Refeições nas
Noites
de Rosh Hashaná
Comemorando I,
pág. 8.

Expediente

12 23
A revista Nascente
é um órgão bimestral de divulgação da
Congregação Mekor Haim.
Rua São Vicente de Paulo, 276
CEP 01229-010 - São Paulo - SP Comemorando II Comemorando IV
Tel.: 11 3822-1416 / 3660-0400 “O Shofar e “Sucot sem
Fax: 11 3660-0404 a Teshuvá”. Chuva”.
e-mail: revista_nascente@hotmail.com

supervisão: Rabino Isaac Dichi

diretor de redação: Saul Menaged

colaboraram nesta edição:


Ivo e Geni Koschland
projeto gráfico e editoração: Equipe Nascente

56 17
editora: Maguen Avraham

tiragem: 10.000 exemplares

O conteúdo dos anúncios


e os conceitos emitidos nos artigos De Criança Dinheiro
assinados são de inteira responsa­bilidade
de seus autores, não representando,
Para Criança em Xeque
necessariamente, a opinião da diretoria da “Excepcional”. “Anúncio no
Congregação Mekor Haim ou Chayim Walder Jornal”.
de seus associados.
Os produtos e estabelecimentos casher
anunciados não são de responsabilidade da
Revista Nascente. Cabe aos leitores indagar
sobre a supervisão rabínica.
A Nascente contém termos sagrados.
Por favor, trate-a com respeito.
52 22 24 13 19
Datas Leis e Variedades Pensando Comemorando
Páginas que necessitam de
Guenizá estão assinaladas.
& Dados Costumes I “Zalman, 7401”. Bem III
“Datas e horários “Telefones “Pensamentos”. “O Dia Mais
judaicos, Celulares na Alegre do Ano”.
parashiyot e Sinagoga”. R. Issocher Frand
haftarot para os
meses de Tishri e
Cheshvan.”.
4 Tishri / Cheshvan 5780
30 28
Truques e Dicas
Nossa Gente “Fritando”.
Acontecimentos que foram
destaques na comunidade.

39
Educação
41
Era Uma Vez
25
Poesia
“Pensando na “Dois Pobres”. “As Crianças
Adolescência”. de Terezín”.

37 14 08 50 45 47 43
Comemorando V Visão Comemorando I Passatempos Guimatriyá Leis e Visão
“O Segredo das Judaica I “O Kidush e os “Palavras Cruzadas “Guimatriyá Costumes II Judaica II
Hacafot”. “Nossa costumes das e Jogo dos Sete de Sucot”. “Yom Kipur”. “É Como
Escolha”. refeições das Erros”. Vita S. Gomel
R. I. Dichi Embalar
duas noites de Laranjas”.
Rosh Hashaná
em hebraico,
com tradução e
transliteração”.
Tishri / Cheshvan 5780 5
Editorial

Nos dias que


cedem
yamim noraim e, principalmente, em
ante-
os
mente, para poder mais e melhor estudar
e cumprir a Torá. Desde que realmente
deseje isto, pode ter certeza de que sua
Rosh Hashaná e Yom Kipur, nossas ora- reza não será em vão e que seus pedidos
ções desempenham um papel funda- serão atendidos.
mental em nosso julgamento celestial Para crescer espiritualmente, deve-
para o ano vindouro. mos nos esforçar no sentido de estudar
“A tefilá abre portões...”. Apesar dis- cada vez mais e melhor a Torá, além
so, muitas vezes achamos que nossas de dedicarmo-nos ao cumprimento das
orações não foram aceitas, já que nossos mitsvot com grande empenho. Mas isso
pedidos não foram satisfeitos. não é suficiente. Nossos esforços devem
Este pensamento não é correto. ser coroados com a indispensável aju-
Na verdade, nem sempre o que pedi- da de D’us. E para isso, as orações são
mos em nossas orações é o melhor para fundamentais. É essa tefilá que é sem-
nós de fato. O Único que sabe o que é me- pre bem recebida pelo Todo-Poderoso.
lhor para nós é D’us. Ele seleciona nossas Assim, consta no Tehilim (145:18): “D’us
preces, descartando tudo aquilo que nós está perto de todos aqueles que O cha-
pedimos, mas que não é bom. É como mam, todos aqueles que O chamam de
uma criança pequena que pede balas e verdade”.
doces o dia inteiro, mas o pai não lhe dá, Além disso, quando alguém se es-
pois sabe que isso lhe faria mal. força, mesmo que pouco, para aproxi-
Ainda que isto nos pareça estranho, mar-se de D’us, Ele Se encarrega de aju-
o fato de D’us não atender a todos os nos- dá-lo extraordinariamente. Sobre isso,
sos pedidos é um bem que Ele nos faz. a guemará explica que basta abrir uma
Se não fosse assim, se todos os nossos pequena porta, do tamanho do orifício
desejos fossem satisfeitos, acabaríamos de uma agulha, e Ele nos abrirá portões
com uma grande “dor de barriga”. pelos quais podem passar grandes car-
Existe, porém, um tipo de tefilá ruagens.
que sempre é recebida, sem restrições. Que saibamos aproveitar o grande be-
É aquela que se refere a pedidos espi- nefício da tefilá e consigamos nos apro-
rituais. As orações de alguém que reza ximar de D’us com orações autênticas,
para D’us ajudá-lo a elevar-se espiritual- repletas de amor e sinceridade.

6 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Comemorando I

Kidush e Costumes das


Refeições nas Noites
de Rosh Hashaná
Após o Kidush, nas noites de Rosh Hashaná, costuma-se comer alimentos
que, pelos seus nomes, parecem ser um bom sinal para o ano que se inicia.
Cada um deve fazer conforme o costume de sua casa. Para não incorrer
no erro da superstição, nossos sábios instituíram sobre estes alimentos
pedidos que invocam o perdão e o arrependimento.

Kidush das Duas Noites de Rosh Hashaná


Conforme Costume Sefaradi
Uvyom simchatchem uvmoadechem E no dia de vossa alegria, nas vossas so-
uvrashê chodshechem utcatem lenidades e nos princípios de cada mês,
bachatsotserot al olotechem veal zivchê vós tocareis as trombetas para acompa-
shalmechem vehayu lachem lezicaron nhar vossos holocaustos e sacrifícios pa-
lifnê El*hechem ani Ad*nai El*hechem. gos, e servirão de recordação perante o
vosso D’us. Eu sou o Eterno vosso D’us
(Bamidbar 10:10).

Savri maranán.
Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Eterno, nosso D’us, Rei do
haolam borê peri haguêfen. Universo, Que criou o fruto da videira.

8 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Comemorando I

Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Eterno, nosso D’us, Rei
haolam asher báchar bánu micol am, do Universo, Que nos escolheu dentre
veromemánu micol lashon, vekideshánu todos os povos, nos elevou entre todos
bemitsvotav, vatiten lánu Ad*nai El*hênu os idiomas e nos santificou com Seus
beahavá et yom hazicaron hazê et yom mandamentos. E no Seu amor por nós,
tov micrá côdesh hazê yom teruá beahavá Eterno nosso D’us, Tu nos deste a Festa
micrá côdesh zêcher litsiat Mitsrayim, da Lembrança (recordação), dia de santa
udvarechá Malkênu emet vecayam laád, convocação, dia consagrado pelo toque
baruch Atá Ad*nai Mêlech al col haárets do shofar, pelo Teu amor e pelas santas
mecadesh Yisrael veyom hazicaron. convocações em comemoração da Saída
do Egito. Tua palavra é a verdade e exis-
tirá para todo o sempre. Bendito és Tu,
Eterno, Rei de toda a Terra, Que santifi-
cou Israel e o dia da recordação.

A seguinte bênção é dita nas duas noites; para tanto, toma-se o cuidado de colocar à mesa na segunda noite uma fruta nova:

Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Eterno, nosso D’us, Rei
haolam shehecheyánu vekiyemánu do Universo, Que nos deu vida e nos fez
vehiguiánu lazeman hazê. existir e nos fez chegar até esta data.

Bebe-se o vinho sentado (no mínimo 45ml). Em seguida faz-se Netilat Yadayim
(lava-se as mãos com uma caneca, vertendo água três vezes em cada mão) e antes de enxugá-las faz-se a berachá:

Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Eterno, nosso D’us, Rei do
haolam asher kideshánu bemitsvotav Universo, Que nos santificou com Seus
vetsivánu al netilat yadaim. mandamentos e nos ordenou sobre o la-
var das mãos.

Segura-se os dois pães e recita-se:

Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Eterno, nosso D’us, Rei do
haolam hamotsi lêchem min haárets. Universo, Que criou o pão da terra.

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 9


Comemorando I

Costumes das refeições das Noites de Rosh Hashaná


Apesar de a bênção de Hamotsi já ter sido recitada sobre o pão, deve-se dizer a benção apropriada para os frutos da árvore
antes de comer o primeiro deles. Com relação aos frutos da terra, é correto comê-los com um pedaço de pão, sem fazer a berachá.
A ordem das comidas a serem ingeridas antes da refeição propriamente dita, segundo recomendação do Ben Ish Chay
(costume sefaradi), é a seguinte: tâmara, feijão-de-corda, alho-poró, acelga, abóbora, romã, maçã e cabeça de carneiro. O proce-
dimento é o seguinte (para sefaradim):
Antes destas comidas faz-se Netilat Yadayim com berachá, depois a berachá de Hamotsi e come-se um pedaço de pão.
Em seguida faz-se a bênção antes de comer uma fruta da árvore, como por exemplo, uma tâmara:

Baruch Atá Ad*nai El*hênu Mêlech Bendito és Tu, Hashem, nosso D’us, Rei
haolam borê peri haêts. do Universo, Que criou o fruto da árvore.
Come-se a tâmara.

Pega-se, em seguida, uma segunda tâmara e antes de ingeri-la se diz:

Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, sheyitámu oyevênu D’us e D’us de nossos pais, que sejam
vessoneênu vechol mevacshê raatênu. exterminados os nossos inimigos,
aqueles que nos odeiam e todos aqueles
que querem o nosso mal.
Isto porque tamar (tâmara) lembra o shôresh (radical) “tám” (exterminar).

Pega-se um pouco de feijão de corda (e um pedaço de pão) e antes de comer se diz:


Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, sheyirbu zachiyotênu D’us e D’us de nossos pais, que as nossas
utlabevênu. virtudes e os nossos méritos aumentem.
Isto porque rubia (feijão de corda) lembra o shôresh (radical) “ravá” (aumentar).

Pega-se a omelete de alho-poró (e um pedaço de pão) e antes de comer se diz:


Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, sheyicaretu oyevênu D’us e D’us de nossos pais, que sejam
vessoneênu vechol mevacshê raatênu. eliminados os nossos inimigos, aqueles
que nos odeiam e todos aqueles que
querem o nosso mal.
Isto porque carti (alho-poró) lembra o shôresh (radical) “carat” (eliminar).

O FOCO É VOCÊ
M

Shaná Tová!
CM

MY

CY

WWW.FOCUSTEXTIL.COM.BR
CMY

Rua Achilles Orlando Curtolo, 584 – Barra Funda – São Paulo – SP – 01144-010 | +55 11 3618-4777 | 3879-6666

10 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Comemorando I

Pega-se (um pedaço de pão e) a omelete de acelga (bem verificada de vermes) e antes de comer se diz:
Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, sheyistalecu oyevênu D’us e D’us de nossos pais, que sejam
vessoneênu vechol mevacshê raatênu. afastados os nossos inimigos, aqueles
que nos odeiam e todos aqueles que que-
rem o nosso mal.
Isto porque silcá (acelga) lembra o shôresh (radical) “silec” (afastar).

Pega-se o doce de abóbora (e um pedaço de pão) e antes de comer se diz:

Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, sheticrá roa guezar D’us e D’us de nossos pais, que se anu-
dinênu, veyicareú lefanêcha zachiyotênu. lem todos os maus decretos decididos
para nós e que sejam lidos nossos méri-
tos perante o Senhor.
Isto porque cara (abóbora) lembra o shôresh (radical) “cará” (anular).

Pega-se a romã e antes de comer se diz:


Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, shenihyê meleim mitsvot D’us e D’us de nossos pais, que sejamos
carimon. abençoados de mitsvot da mesma forma
que a romã é repleta de grãos.

Pega-se a maçã embebida no mel ou açúcar e antes de comer se diz:


Yehi ratson Milefanêcha Ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, shetitchadesh alênu D’us e D’us de nossos pais, que tenha-
shaná tová umtucá. mos um ano bom e doce.

Pega-se a cabeça de cordeiro (ou na falta, de peixe ou frango) e antes de comer se diz:

Yehi ratson Milefanêcha ad*nai El*hênu Que seja a Tua vontade, Hashem nosso
Vel*hê avotênu, shenihyê lerosh velô D’us e D’us de nossos pais, que sejamos
lezanav, vetizcor lánu (akedatô ve) elô colocados na cabeça e não na cauda
shel Yitschac Avinu alav hashalom, ben (lembrar do cordeiro sacrificado no lugar
Avraham Avinu alav hashalom. de Yitschac).

Já os ashkenazim têm o costume de consumir as seguintes comidas: tapúach (maçã), guêzer (cenoura), rimon (romã), dag (pei-
xe) e rosh dag (cabeça de peixe). E há aqueles que viveram em Êrets Yisrael que têm o costume de usar também carti (alho-po-
ró), silcá (acelga), tamar (tâmara) e cara (abóbora) conforme o sêder impresso no sidur Minchat Yerushalayim.

Obs.: Nos textos transliterados, onde houver asterisco, substituir pela letra “o”.

Por ocasião de Rosh Hashaná deseja


shaná tová umtucá para
toda a comunidade

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 11


C omemorando II

O Shofar e a Teshuvá

A forma do shofar, que representa o desper- velhecendo e ganhando saber”.


tar para a teshuvá (o arrependimento, retorno A forma do shofar, com seu lado estreito
ao caminho da Torá), tem um lado largo e o ou- embaixo e o largo em cima, também transmite
tro estreito – e o homem precisa tocar o shofar a seguinte mensagem ao “báal teshuvá”: No que
do lado estreito. se refere aos assuntos “de baixo” – os prazeres
Ao tocar, seguramos o shofar no lugar onde deste mundo – devem ser “estreitados”, dimi-
ele vai se alargando. Isso insinua o fato de que nuídos; mas quanto aos assuntos “de cima” – os
o “ báal teshuvá” precisa sempre crescer em assuntos espirituais – estes devem ser “alarga-
seu serviço a D’us. Isso em concordância com o dos”, intensificados.
que disseram nossos sábios (Tratado de Shabat
152a): “Os discípulos dos sábios vão sempre en- Sêfer Ben Ish Chay, Parashat Nitsavim

“Todo aquele que possui as três qualidades que se vão


enumeraré um discípulo de Avraham, nosso pai;
o que possui os víciosopostos é um discípulo de Bil’am, o ímpio.
O bom olhar, a humildade e a abnegação são as características
dos discípulosde Avhaham. O mau olhar, o orgulho e a ambição
sãoas características dos discípulos de Bil’am.”
Ética dos Pais 5:23

12 Tishri / Cheshvan 5780


Pensando Bem

Pensamentos
Não arriscar nada é arriscar tudo.

O pessimista só vê o Sol como fazedor de sombras.

Você só está pronto quando reconhece


que está pronto para aprender.

A felicidade está em continuar a desejar


o que se possui.

O sentido da vida consiste em saber que não


tem nenhum sentido dizer que a vida não tem
sentido.

As pessoas espertas falam por experiência.


As pessoas sábias, por experiência, não falam.

Tishri / Cheshvan 5780 13


V isão Judaica I

Nossa Escolha
Conforme diz o Pirkê Avot (5:4), Avraham Avínu foi
testado por D’us em dez diferentes oportunidades
e saiu-se bem em todas elas.
Rabino I. Dichi

As parashiyot Lech Lechá, Vayerá e


Chayê Sará contam sobre a vida de
Avraham Avínu. Nestes relatos constam os
No seu comentário sobre a Torá (Bereshit
12:6), o Ramban explica algo muito impor-
tante sobre a história de Avraham, Yitschac
testes que ele enfrentou. Há algumas opiniões e Yaacov – uma regra para se entender o re-
entre nossos sábios sobre quais dos fatos vi- lato das parashiyot que falam sobre os pa-
venciados por Avraham são incluídos entre triarcas: Tudo o que aconteceu com nossos
esses dez testes. patriarcas é um sinal, um ensinamento, para
Para o Rambam, o teste de Ur Casdim, seus descendentes. Esse é o motivo de cons-
quando Avraham Avínu foi jogado pelo Rei tarem descrições prolongadas sobre as suas
Nimrod em uma fornalha, não é considera- viagens, sobre as escavações de poços e ou-
do uma das dez ocasiões que Hashem testou tras coisas mais. Nós poderíamos imaginar
Avraham. Segundo ele, esse ato de Avraham que os versículos contam histórias dispensá-
não pode ser considerado somente como uma veis, mas seria um grande erro. A Torá não
prova de fé. Conforme a lógica de Avraham, relata qualquer palavra sem proveito. Então,
era óbvio que existia um Criador e que a fi- para que a Torá conta que Avraham cavou po-
losofia idólatra de Nimrod estava totalmen- ços de água, que os Pelishtim os tamparam,
te equivocada. Aquele episódio foi, portanto, que Yitschac cavou-os novamente e denomi-
mais um conflito de ideias. nou-os com os mesmos nomes que Avraham
Todos os comentaristas, exceto o Rabênu escolhera? Todos os fatos relatados têm algo
Yoná e o Rabênu Bachyê, concordam que o a ensinar para as futuras gerações. Os líderes
último teste de Avraham Avínu foi o episódio do povo em épocas posteriores podem, desses
da Akedat Yitschac – a oferenda de seu filho relatos, aprender muitas lições, transmiti-las
Yitschac. Para o Rabênu Yoná, entretanto, o e aplicá-las em benefício do povo. O mesmo
último teste de Avraham foi o sepultamento acontece em relação aos testes que Avraham
de Sará. Avínu enfrentou. Nós, descendentes de Avrah-
O episódio da expulsão de Hagar e am, em alguma fase de nossas vidas, acaba-
Yishmael da casa de Avraham é considerado mos sendo testados de forma análoga aos tes-
pelo Rambam (Maimônides) como um teste. tes pelos quais ele passou. Além de Avraham
Já o Ramban (Nachmânides) considera que, servir como exemplo e fonte de aprendizado,
nessa oportunidade, Avraham superou dois o fato de ele ter subjugado esses testes nos dá
testes – um por expulsar Hagar e outro por forças espirituais que facilitam a nossa tarefa
expulsar Yishmael. mediante essas situações.

14 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Visão Judaica I

Além da obrigação de cumprir todos os resultados. Eles são aplica-


todas as mitsvot da Torá, cada yehu- dos em nosso benefício (conforme o
di deve vencer alguns testes de forma Ramban) ou para servir de lição para
particular, que lhe são impostos pelo os demais (conforme o Rambam).
Todo-Poderoso. Apesar de D’us já conhecer nossa
Em seus comentários sobre os escolha, nós a possuímos de fato. Isso
testes submetidos às pessoas, tanto que é denominado de livre arbítrio.
o Rambam quanto o Ramban concor- A guemará (Nidá 16) traz o seguinte
dam que eles não têm a intenção de relato em nome de Rav Chanina bar
revelar nada para D’us. O comporta- Papa: O anjo encarregado da gravi-
mento das pessoas ao enfrentar os dez, chamado Laila, leva a “gota” que
testes não esclarece para D’us qual- dará origem à pessoa perante D’us e
quer dúvida. Portanto, a denomina- pergunta: “Criador do mundo, essa
ção “teste”, no sentido de verificação, pessoa será forte ou fraca, sábia ou
exame, só cabe ao testado, que pode tola, rica ou pobre?” Mas ele não per-
escolher o que fazer. Mas é funda- gunta se será justa ou perversa, por-
mental saber que D’us não tem dú- que isso depende da própria pessoa.
vidas! Ao submeter-nos a testes, Ha- Este conceito também foi expli-
shem tem outra intenção. cado por Rav Chanina com a seguin-
Sobre essa finalidade dos testes, te frase (Berachot 33b): “Hacol bidê
o Ramban explica (no primeiro ver- Shamáyim chuts meyir’at Shamáyim
sículo que trata da Akedat Yitschac) – Tudo está nas mãos de D’us, exce-
que a intenção do Todo-Poderoso é to o temor a D’us.” Tudo o que nos
dar a oportunidade para que a pes- acontece depende exclusivamente da
soa concretize seu potencial. D’us vontade de D’us, menos nossos atos
quer que transformemos em ações as relacionados com o cumprimento da
nossas boas intenções. Sendo assim, vontade Divina, os quais dependem
sempre que D’us envia um teste para de nossa escolha e vontade de cum-
alguém, é porque aquela pessoa tem pri-los ou não.
condições de subjugá-lo e ser meritó- Conforme explica Rashi, esse
rio de uma recompensa muito maior conceito foi aprendido do seguinte
do que apenas suas boas intenções. versículo da Torá (Devarim 10:12):
Desta forma, o teste torna-se um “Veatá Yisrael má Hashem Eloke-
grande benefício para o testado. cha shoel meimach ki im leyir’á et
O Rambam, em seu livro Morê Hashem Elokecha... – E agora, ó Is-
Nevuchim (vol. 3, cap. 24), expli- rael! O que pede o Eterno, teu D’us,
ca que a finalidade dos testes é que de ti, senão que temas ao Eterno, teu
as outras pessoas – e não o próprio D’us...”.
testado – observem o bom exemplo Quando se pergunta a um yehu-
do testado, aprendam grandes li- di: “Quando você vai cumprir Sha-
ções e sigam o mesmo caminho. No bat?”, é comum ouvir afirmações
episódio da Akedat Yitschac, Avrah- como: “Um dia, um dia, se D’us
am demonstrou o quanto ele temia e quiser... com a ajuda de D’us!”. Mas
amava Hashem. Toda a humanidade quando se pergunta: “Como vão os
pôde, graças a isso, aprender enor- negócios?” escuta-se a resposta:
mes lições. “Não está fácil; preciso trabalhar
Portanto, os testes não esclare- muitas horas por dia, viajar bastante
cem nada para D’us, que já conhece e participar de muitas reuniões para

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 15


Visão Judaica I

conseguir algum sustento”. Quando colocam, não está “escolhendo” fazer pensa é “arichut yamim” – o prolonga-
uma pessoa pensa assim, seus con- uma mitsvá. Mas se toda vez que a mento dos dias. A primeira mitsvá é
ceitos sobre a realidade estão inver- pessoa põe os tefilin, lembra-se que o a de respeitar os pais. A segunda é a
tidos. De fato, ela precisaria se es- faz exclusivamente por ser a vontade de afugentar a ave mãe antes de apa-
forçar para adquirir os valores espi- do Todo-Poderoso, aí sim determina nhar seus filhotes. Essas duas mits-
rituais – conhecimentos, aperfeiçoa- sua escolha naquele instante. vot parecem antagônicas. A primeira
mento das virtudes e bons atos. Isso O Rav Eliyáhu Eliêzer Desler, em representa a piedade, enquanto a se-
é o que depende dela. Quanto aos seu livro Michtav Meeliyáhu (vol. I, gunda, a crueldade. Respeitar os pais
valores materiais, a resposta deveria pág. 115), quando trata da responsabi- e satisfazer suas necessidades de-
ser: “Com a ajuda de D’us...”. lidade da escolha, explica que, quando monstra o amor e o reconhecimento
A grande diferença entre os ani- o pai escolhe o caminho da Torá, fa- dos filhos por aqueles que os criaram.
mais e os seres humanos é nossa cilita sobremaneira a escolha de seus Quando se afasta uma ave mãe dos fi-
capacidade de escolha, nosso livre filhos. Com suas opções, as pessoas lhotes, ela pode ficar desesperada ao
arbítrio. Nós temos a capacidade de também influenciam todo o meio am- ponto de jogar-se no mar. Por isso,
dominar nossos instintos, escolhen- biente que as rodeia. Neste sentido, essa mitsvá parece ser algo cruel.
do o caminho que satisfaz a vontade há um detalhe importante a ser con- Assim, o Gaon de Vilna explica
de D’us. Essa qualidade se evidencia siderado. Nos Céus, julgam os atos de que as mitsvot devem ser cumpridas
sempre que enfrentamos um teste, cada pessoa de acordo com o que ela unicamente por serem a vontade de
seja pequeno ou grande. Cada vez representa para os demais. Ou seja, le- D’us, independente de nossas opi-
que nos defrontamos com uma situa- vam em consideração o modo que ela niões e desejos. Devemos cumpri-las
ção na qual nossa vontade seria con- é encarada pelos outros. Assim, mes- mesmo tendo de quebrar nossa na-
trariar a do Criador, podemos fazer mo que alguém se considere em um tureza, ainda que não encontran-
uso de nosso livre arbítrio e vencer baixo nível espiritual, se os demais o do qualquer motivo. É exatamente
esse instinto negativo. No Shabat, encaram como um talmid chacham, essa lição que aprendemos do nosso
por exemplo, quando temos vontade suas atitudes influenciarão as outras patriarca Avraham. A principal ca-
de praticar uma ação proibida e con- pessoas – para o bem ou para o mal – racterística de Avraham Avínu era a
seguimos conter esse impulso, usa- de um modo especial. Por isso, deve-se bondade – chêssed. Ainda assim, ele
mos nosso livre arbítrio. considerar mais essa responsabilidade aceitou cumprir a vontade de D’us
Além disso, mesmo quando rea- ao tomar resoluções em público. e sacrificar seu filho Yitschac. Ele
lizarmos algo correto, se o fizermos Sobre os testes que enfrentamos, se submetia à vontade do Todo-Po-
de forma instintiva, não estaremos sobre nossas escolhas e o cumpri- deroso acima de suas vontades, de
fazendo uso do nosso livre arbítrio. mento das mitsvot, o Gaon de Vilna, sua natureza e de seu entendimento,
Quem coloca tefilin automaticamen- em seu livro Col Eliyáhu, nos transmi- simplesmente por temê-Lo e amá-Lo.
te, por exemplo, porque seu pai colo- te um ensinamento básico. Há somen-
cava e porque seus amigos também te duas mitsvot na Torá cuja recom- Anotado por Isaac Sutton

16 Tishri / Cheshvan 5780


Dinheiro em Xeque

Anúncio no Jornal
Todas as dúvidas e divergências monetárias de nossos dias
podem ser encontradas em nossos livros sagrados!

Dani estava saindo com uma jovem


chamada Ester de “shiduch”–
para decidirem se aceitariam noivar e formar
pelo noivado deles, mesmo que o noivado ain-
da não havia acontecido!
Porém, Hashem teve pena dos jovens e, ao
uma bela família juntos. terminarem o encontro no dia anterior à pu-
Eles já haviam se encontrado várias vezes blicação do anúncio, Ester decidiu que queria
e estavam muito felizes, porque tudo estava realizar o noivado naquela mesma noite.
caminhando para um final feliz. Era muito Dani tentou dissuadi-la, dizendo que já era
provável que em breve os jovens decidissem muito tarde e que seria melhor esperar para
ficar noivos e marcassem uma data para o ca- fazer o noivado no dia seguinte. Ela, no entan-
samento. to, insistiu teimosamente, dizendo que queria
Apesar de os encontros serem sigilosos, Reu- noivar naquela noite mesmo. Nem um dia a
ven, um ex-pretendente de Ester que foi rejeitado mais!
por ela, ficou sabendo que eles estavam saindo e Então, Dani finalmente cedeu à insistência
resolveu vingar-se dela e envergonhá-los. de Ester. Naquele momento contataram suas
O que Reuven fez? Mandou publicar um respectivas famílias e deram a notícia que de-
anúncio no jornal parabenizando os jovens sejavam celebrar seu noivado naquela noite

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 17


Dinheiro em Xeque

mesmo; ou melhor, naquela madru- nado sujeito egípcio fez algumas per- Gueviha ben Pessissa não precisaria
gada. guntas sobre a religião judaica para pagar nada ao sujeito se este viesse a
O noivado foi comemorado de for- um homem sábio chamado Gueviha lhe bater, mesmo que a consequência
ma simples, mas com muita alegria! ben Pessissa no tribunal de Alexan- fosse o grande benefício de curar seu
Na manhã seguinte, Dani e Ester dre, o Grande. Sua intenção era deixá defeito físico. Isso porque a intenção
ficaram muito felizes ao constatarem -lo sem respostas. Porém Gueviha ben daquele sujeito não era de curá-lo,
um anúncio de seu noivado – que ha- Pessissa, representando os judeus do mas sim de machucá-lo. Assim, o pa-
via ocorrido apenas algumas horas Império Grego, foi quem deixou o su- gamento que o sábio disse que faria
antes – publicado no jornal. Sentiram- jeito calado sem conseguir responder se ficasse sem a corcunda nas costas,
se presenteados por algum “amigo se- suas alegações. O homem ficou muito seria apenas um presente, que pela
creto”. Por causa daquele anúncio, os nervoso com o sábio e disse que lhe lei judaica ele não estaria obrigado a
noivos receberam muitos votos de feli- bateria tão forte a ponto de deixá-lo fazer.
citações e até vários presentes! sem sua corcunda – pois Gueviha Aprendemos portanto, do livro
Mas, ao mesmo tempo, todos fi- ben Pessissa era corcunda. O sábio Petach Enáyim, que quem foi benefi-
caram intrigados com o ocorrido. respondeu para o sujeito que, se ele ciado por alguém que desejava fazer-
Como alguém poderia adivinhar que conseguisse fazer esta façanha, cha- lhe o mal, não está obrigado a com-
naquela manhã Dani e Ester já esta- maria-o de “médico especialista” e pensá-lo pelo benefício que recebeu.
riam noivos?... pagaria-lhe uma grande soma de di- Sendo assim, no caso do anúncio
Na semana seguinte, Dani rece- nheiro. do noivado de Dani, ele está isento de
beu uma carta de Reuven explicando No livro “Petach Enáyim” o Chi- pagar a Reuven pelo custo da publi-
todo o ocorrido e desculpando-se en- dá, Rav Chayim Yossef David Azulay, cação. Apesar de ter sido ótimo para
vergonhado pelo que havia feito. No faz um comentário sobre este episó- ele, o anúncio foi colocado com a in-
final da carta, Reuven pedia para que dio. Ele escreve que podemos dizer, tenção de prejudicá-lo.
Dani lhe pagasse o custo do anúncio, segundo o que escreveu o Rav Moshê Do semanário “Guefilte-mail”
já que, no final das contas, além de Isserles, o Remá (Chôshen Mishpat (guefiltemail@gmail.com).
Dani ter gostado muito, acabou tendo 264:64), que de um modo geral uma Traduzido de aula ministrada pelo Rav
proveito do mesmo. pessoa precisa pagar pelo bem re- Hagaon Yitschac Zilberstein Shelita
Agora, Dani pergunta a seu ra- cebido de outra pessoa. No entanto, Os esclarecimentos dos casos estudados
bino se, de acordo com a lei judaica, parece que se alguém tinha como no Shulchan Aruch Chôshen Mishpat são
ele está obrigado a pagar o valor do intenção original fazer o mal – mas facilmente mal-entendidos. Qualquer
anúncio para Reuven. acabou causando o bem como conse- detalhe omitido ou acrescentado pode
quência de sua ação – o beneficiado alterar a sentença para o outro extremo.
O veredicto não precisa pagar. Estas respostas não devem ser utilizadas na
Na Guemará (Sanhedrin 91a) está Continua explicando o Chidá que prática sem o parecer de um rabino com
escrito o seguinte caso: Um determi- no caso da Guemará citada, o sábio grande experiência no assunto.

Albert Choueke
e família
Parabenizam a
Congregação Mekor Haim
pelo belíssimo trabalho de
divulgação da nossa
sagrada Torá

18 Tishri / Cheshvan 5780


Comemorando III

O Dia Mais
Alegre do Ano
Com a proximidade de Yom Kipur, quatro perguntas
são essenciais para nosso autoconhecimento.

Rabino Issocher Frand

O dia de Yom Kipur é como olhar-se


num espelho. Há dois jeitos de
se olhar num espelho: o primeiro, de longe,
A segunda pergunta é: “O que, realmente, o
deixa feliz? O que lhe dá prazer na vida?”.
A questão não é somente se temos alegria
quando pensamos: “Nada mal! Em termos re- com as mitsvot, mas se elas constituem as ale-
lativos, comparando-nos com os demais, somos grias principais de nossas vidas.
tsadikim (justos)!”. No final da porção semanal Ki Tavô, quando
Mas não nos deixemos cair neste erro. De- lemos as terríveis advertências caso o Povo Ju-
vemos nos lembrar do que falou o Brisker Rebe deu não seguisse no caminho de D’us (de fato,
zt”l: “Noventa por cento do Povo Judeu foi cria- cada uma delas se cumpriu durante a História),
do sem nenhum conhecimento de D’us. Eles não a Torá atribui sua causa ao não cumprimento
sabem nada e não serão responsabilizados por das mitsvot com alegria e satisfação.
seus atos! Não são essas pessoas que estão atra- O grande sábio Ari za”l, que viveu no século
sando a vinda do Mashiach, somos nós! Pois XV, explica que o problema não é não termos
nós sabemos o que é Yom Kipur, o que é Shabat, realizado as mitsvot com alegria, mas a alegria
tefilin, cashrut! Não aponte seu dedo para eles, das mitsvot não ter sido maior que a alegria
pois é nossa culpa, não deles!” pelos prazeres materiais. Vivemos em uma so-
Portanto, certifique-se de olhar no espelho ciedade repleta de abundância, onde se tem de
bem de perto, para enxergar os detalhes, para tudo. A eventual alegria que acompanha o cum-
conhecer-se melhor. primento das mitsvot não se compara àquela
Para isto, quatro perguntas são de grande proporcionada pelo mundo material. Os carrões
valia: zero quilômetros, belos apartamentos, as via-
A primeira questão é: “Como é o meu cum- gens de férias, isto é o que dá alegria à vida!...
primento das mitsvot? Quão observante eu sou?”. Ouçam um exemplo de o que significa viver
“Ah, esta é moleza!”, você poderia dizer. “Respei- para as mitsvot:Ano passado fui a Nova Iorque
to o Shabat, comida casher, pureza familiar...”. ministrar uma palestra. Ao acabar, um mem-
Mas e se tudo isso se tornou algo mecânico, bro daquela congregação, um comerciante de
rotineiro, envelhecido pelo passar dos anos de móveis, levou-me à estação para pegar um trem
vida? de volta para Baltimore. Eu estava me sentin-
Olhe o sacrifício dos baalê teshuvá, que mu- do muito bem, pois a palestra havia decorrido
daram seus hábitos de vida, trocaram de empre- sem problemas. Em meio à nossa conversa, o
go quando necessário, confundiram seus ami- homem me contou o quanto era importante a
gos, antagonizaram-se com seus familiares, e tefilá (oração) em sua vida. Contou-me que não
tudo pelo seu comprometimento com o judaísmo. havia perdido uma única tefilá com minyan (dez

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 19


Comemorando III

pessoas) nos últimos dezessete anos. dos cavalos subitamente caiu morto. desse os bens materiais pelos quais
Nunca, em dezessete anos, aquele ho- Algumas milhas depois, o segundo sempre lutamos e sonhamos? Os bens
mem tinha rezado Minchá depois do cavalo seguiu o mesmo caminho. O materiais no Olam Habá são como um
pôr-do-sol, nem Arvit antes de seu ho- cocheiro perdera toda a sua fonte de estilingue para um adulto.
rário, nem Keriat Shemá depois de seu sustento de uma hora para outra. Fi-
horário! Antigamente ele costumava cou desesperado, inconsolável. Ele A terceira pergunta é a mesma fei-
passar suas férias na Flórida, mas há desceu da carroça, chorou e chorou, ta pelo capitão do navio em que o pro-
algum tempo não ia mais por temor de até que também caiu morto. À noi- feta Yoná viajava. No meio da tempes-
perder a reza com minyan. Um homem te, o Chidushê Harim teve um sonho. tade, com o navio quase afundando,
como este vive para rezar! Ele viu que aquele cocheiro tinha ido o capitão lhe perguntou: “Como você
Os prazeres e alegrias deste ho- para o Céu, para o Olam Habá – o pode continuar dormindo?”.
mem não vêm do mundo material, de Mundo Vindouro! Mas qual foi o seu Parece que o mundo virou de
carros ou qualquer coisa do gênero! Olam Habá?Uma bela carroça com cabeça para baixo. Presenciamos o
Sua alegria provém do fato de poder dois incríveis cavalos! Este foi o seu desmanche da União Soviética, a re-
afirmar: “Nunca perdi uma tefilá com Olam Habá, pois este era seu Olam unificação da Alemanha; centenas de
minyan em dezessete anos!” Hazê (este mundo). milhares de judeus soviéticos estão
O Rambam (Maimônides), em seu Nós fazemos nosso Olam Habá!Nós livres para partir! Um louco apontou
comentário sobre as mishnayot, escre- podemos escolher, neste mundo, para seus mísseis, potencialmente armados
ve que D’us nos ordenou muitas mits- quê queremos viver. Mas disto de- com gases venenosos ou agentes bio-
vot para que cada um de nós pudesse pende nosso Olam Habá. Quem quer, lógicos, para a Terra de Israel, e pre-
encontrar uma mitsvá em particular, como Olam Habá, um belo escritório senciamos nossa miraculosa salvação
para agarrá-la e cuidá-la da melhor com seu nome na porta? Quem quer daqueles mísseis. Isto prendeu nossa
forma possível, de uma maneira es- que seu Olam Habá seja uma BMW? atenção algum tempo. Mas depois que
pecial, e com isso, ser merecedor do Ou um banheiro bem decorado? Ou o show acabou, pensamos seriamente
Mundo Vindouro. uma cadeira cativa no estádio de es- a respeito ou interiorizamos algumas
Pode ser que aquele homem não portes? Como se sentiria alguém, no lições disto?
soubesse estudar uma mishná, mas Olam Habá, recebendo um belo apar- D’us está reestruturando seu mun-
tenho certeza de uma coisa: ele é me- tamento decorado, enquanto algum do, e o que fazemos a respeito? Nada!
recedor do Mundo Vindouro, pois seu simples judeu da sinagoga estivesse Nós reagimos, nos mexemos?
prazer na vida, sua essência, é a mits- desfrutando da luz da Shechiná – a Há quem pense: “Que me importa
vá de rezar! É sobre isso que se referiu Presença Divina? o comunismo? Isto não me atinge!”
o Ari za”l.Quando saí daquele carro, Quando eu era um garotinho, sem- Mas o que acontece ao Povo de Is-
eu era uma pessoa muito mais humil- pre quis ter um estilingue. Tentei fa- rael certamente deve importar a todos
de, pois conversara com um homem zer um, mas não deu certo. Um dia, nós. Talvez signifique alguma coisa
que sabia responder à pergunta: “O passei em frente a uma loja e vi um que D’us retirou mais de 100.000 ju-
que lhe dá prazer nesta vida?” belo estilingue de plástico, com gran- deus da União Soviética, e isto tem a
A maneira como vivemos nes- des tiras de borracha. Pedi a meus ver conosco!
ta vida não nos afeta somente neste pais: “Por favor, comprem-me aquele Estamos presenciando um mundo
mundo, mas em todo o nosso percurso estilingue!”. Mas eles, sabiamente, ne- novo! E como reagimos? Mudamos em
para o Olam Habá, para o Gan Êden (o garam. algo?
Paraíso). Imaginem como eu me sentiria, no Há um outro fato notável em nossa
Eis uma bela história chassídica dia de meu casamento, se meus pais própria comunidade: há muitas pes-
sobre este conceito: se aproximassem de mim e dissessem: soas falando Cadish, há ônibus capo-
O Chidushê Harim, o fundador da “Filho, aqui está aquele estilingue que tando nas estradas...
dinastia de Gur, estava certa vez ca- você sempre quis!” Mas eu cresci e não Não sabemos o motivo disto tudo,
minhando por uma estrada. Um co- preciso mais do estilingue... mas o grande sábio Chafets Chayim
cheiro parou e ofereceu-lhe uma ca- Como nos sentiríamos, então, se zt”l escreveu em seu livro Ahavat
rona. Depois de algumas milhas, um chegássemos ao Olam Habá e D’us nos Chêssed: “Estamos presenciando

20 Tishri / Cheshvan 5780


Comemorando III

uma época em que Midat Hadin (o ao máximo intrigas e fofocas, discus- ouvi-la. Yom Kipur é um dia para des-
Atributo Divino de Justiça) governa sões e ironias, isto tudo trará a Re- cascarmos as camadas de incrusta-
o mundo; em que D’us, por algum denção e o reconhecimento de D’us no ções de nossa alma e ouvir esta voz
motivo, está nos julgando de forma mundo. celestial.
mais rígida, mais estrita, e não com Quando eu era mais jovem, ficava Na oração de Neilá, a última ora-
Midat Harachamim (o Atributo Divi- intrigado com a declaração do Talmud ção de Yom Kipur, nós dizemos: “Você
no de Misericórdia). Devemos, para (Tratado Taanit) de que o Povo de Is- dá a Sua mão aos pecadores e Sua mão
reverter o julgamento Divino, agir rael não tem dia melhor que Yom Ki- direita está estendida para receber os
em relação ao próximo com bondade. pur; que Yom Kipur é o dia mais alegre arrependidos”. Sobre isso, o Zôhar
Devemos demonstrar a mesma bon- do ano. comenta que D’us “estende Sua mão”
dade que imploramos para D’us nos Quando fiquei mais velho, perce- como para salvar alguém afundado na
revelar.” bi que aquela afirmação é verdadei- escuridão.
Caridade e bondade são nossas ra. Yom Kipur é o ponto alto do ano, As férias auxiliam o corpo – mes-
únicas esperanças para alterar a ma- quando sinto que me livro de minhas mo que tenhamos que retornar aos
neira com que D’us se relaciona com o algemas terrestres. É um dia que não problemas que deixamos para trás.
mundo. Quando demonstramos nossa posso comer nem beber, mas um dia Yom Kipur são as férias da alma – um
preocupação com os oprimidos e ca- que não preciso comer e beber. É um dia em que ela escapa das limitações
rentes, necessariamente influencia- dia completamente livre de todas as de nosso corpo físico. Mesmo que ao
mos o julgamento Divino. preocupações materiais: nada de te- anoitecer voltemos às nossas preocu-
lefonemas, de distrações de todo tipo. pações diárias, não seremos mais os
A quarta pergunta é: “Estou, real- Um dia somente para sentar na si- mesmos. Neste dia, liberamos nossas
mente, ansioso pela vinda do Mashia- nagoga, elevar-se e meditar. Um dia almas e sentimos a proximidade ao
ch?” de purificação, de entrar em contato nosso amado Pai, que está paciente-
Ninguém pode prever se o Mashia- com nossas raízes espirituais. Acima mente nos aguardando. Desta forma
ch virá neste ano, ou no próximo, ou de tudo, um dia para sentir a proximi- ficamos mais aptos a mudar e a alcan-
mesmo no ano seguinte. Mas ele virá. dade de D’us, e como Ele deseja que çar aquela mão estendida em nossa
Os sinais são evidentes e devemos con- voltemos a Seu caminho. direção.
siderar o que isto significa para nós. O Talmud nos ensina que, diaria- O dia de Yom Kipur nos conclama:
A dimensão de nosso desejo pela mente, uma voz celestial sai do Mon- “Faça algo diferente, por D’us e por
vinda do Mashiach são nossos esfor- te Sinai e lamenta a perda causada à você. Agarre a Sua mão!”
ços para extirpar o ódio infundado humanidade pelo distanciamento da
de nosso meio, que é o que retarda a Torá. E onde nossos livros sagrados Tradução livre de palestra
Redenção. situam esta voz? Dentro de nós mes- proferida pelo Rabino Issocher
Sermos extremamente honestos, mos. O problema é que abafamos tanto Frand em Baltimore, na véspera
educados, calmos e generosos, evitar nossas almas, que não conseguimos de Yom Kipur de 1990.

Tishri / Cheshvan 5780 21


L eis e Costumes I

Telefones Celulares
na Sinagoga
O Rabino Yossef Liberman She-
lita, Rosh Colel Shomerê Ha-
chomot e Rabino da Congregação
Tefilá cap. 11, par. 5 e Shulchan Aru-
ch, cap. 151, par. 9.
2) Por perturbar a intenção, con-
ruídos e sons musicais, incomodam,
prejudicam e desviam a pouca aten-
ção daqueles que ainda a possuem.
Sadigura de Yerushaláyim, autor do centração e compenetração na tefilá. Conforme consta no Shulchan Aruch
livro Mishnat Yossef, que trata de for- Conforme consta no Shulchan Aruch (cap.102 par. 4), é até mesmo proi-
ma geral sobre os assuntos ligados à (cap. 88 par. 1), o indivíduo deve pre- bido passar a uma distância de dois
sinagoga, declara ser proibido o uso sumir que está diante da Presença metros daquele que está rezando,
de celulares nestes recintos sagrados Divina e, portanto, deve afastar to- para não desviar sua atenção das
por três motivos: dos os pensamentos que o incomo- orações.
1) Desprezo da halachá, a lei ju- dam, para dirigir sua atenção crista- Este pessac halachá (veredicto)
daica, que exige a necessidade de te- lina, sem impurezas, para sua prece. teve a aprovação do Rav Shemuel Ha-
mor e respeito aos batê kenessiyot. Deve se lembrar que, se estivesse pe- levi Wozner zt”l (rabino de Zichron
Nesse sentido, conforme explica o rante um rei de carne e osso, refleti- Meir em Benê Berac e autor dos li-
Arizal Hacadosh, devemos nos deter ria em suas palavras com o máximo vros Shevet Halevi – 9 volumes) e do
diante da porta da sinagoga antes de cuidado. Rav Natan Gueshtetner zt”l (rabino
entrar, apresentando-nos perante o 3) Por atrapalhar a concentra- de Agudat Yisrael em Benê Berac e
Criador e Soberano do Universo com ção nas preces de seus semelhan- autor dos livros Lehorot Natan – 10
reverência. Vide Rambam, Hilchot tes, pois esses aparelhos, com seus volumes).

‫ הצעתי הדברים הנ“ל לפני מעכ“ת מחותננו עט“ר גאון ישראל מרן בעל שבט הלוי‬:‫א“ה‬
:‫ ואלו דבריו‬, ‫זצ“ל‬
‫ראיתי הדברים שכתב כב‘ מחו‘ הגאון הצ‘ ר‘ יוסף ליברמן שליט“א בעמח“ס‬
‫ בגנאי ובאיסור של הכנסת פלאפון תוך בתי כנסיות ובתי מדרשות בשעת‬,‫משנת יוסף‬
- ‫ ואיבעית אימא משום ביטול כונה‬- ‫התפילה איבעית אימא משום בזיון בית הכנסת‬
‫ וכבר עוררתי על זה כמה‬,‫ והדברים דברי אלקים חיים‬,‫ואב“א משום מזיק רוחני לאחרים‬
‫ והרואה דברי רבינו הטור או“ח סי‘ צ“ח יבוש ויכלם מאוד איך יתכן‬- ‫פעמים בעל פה‬
.‫ ומצוה לעורר ולעמוד בפרץ‬- ‫כזאת לבטל יסוד התפילה בדברים כאלה‬
‫ והקב“ה ישמע שוועת עמו בית ישראל‬,‫תשואות חן חן לכ“ת שנתעורר בזה למעשה‬
.‫ וכבר אמרו חז“ל שאין לדור אחרון אלא תפילה‬- ‫ברחמים‬
‘‫הכ“ד דוש“ת באהבה מצפה לרחמי ה‬
‫שמואל הלוי ואזנר‬

22 Tishri / Cheshvan 5780


C omemorando IV

Sucot sem Chuva

No Tratado de Sucá
(28b),
Mishná cita uma conhecida parábola para ilus-
a
quando muitas punições severas são decreta-
das. Em seguida vêm os dias de Sucot, com sua
abundância de mitsvot: lulav, etrog, hadassim,
trar o fato de as pessoas terem de se retirar da aravot, sucá; todas elas objetivando despertar
sucá quando chove nos dias de Sucot. Segundo a misericórdia Divina. Não nos deixando cum-
a mishná, isso é comparado a um servo que prir a mitsvá de sucá, o Todo-Poderoso está
vai diluir vinho para seu mestre e o mestre, nos dizendo que não deseja moderar Sua jus-
por sua vez, derrama o jarro de água na cara tiça com misericórdia. Esta é a mensagem da
do servo. Mishná ao citar aquela parábola. Na termino-
Fazendo chover em Sucot, o Todo-Podero- logia alegórica da Cabalá, vinho representa a
so demonstra Sua insatisfação conosco e evita justiça severa e água representa a moderação
nosso cumprimento da mitsvá de sucá. É como da misericórdia. A mishná usa o termo lim-
se Ele jogasse água em nossas faces e dissesse: zog para indicar que o servo está indo diluir o
“Eu não desejo seu serviço”. copo de vinho que seu mestre está segurando.
O Gaon de Vilna explica essa parábola a Ou seja, o povo de Israel procura diluir a seve-
fundo. O termo utilizado em relação à ação ridade do julgamento com a misericórdia Divi-
do servo, “limzog”, indica que o servo estava na. Mas se o mestre pega o jarro de água que
indo “diluir” o vinho com água. Por que razão o servo está segurando e despeja-o na cara do
a mishná simplesmente não explica que o servo servo, não haverá nenhuma diluição. Portan-
estava indo entregar um copo a seu mestre e o to, não permitindo que os judeus cumpram a
mestre o derrama em sua cara? mitsvá de sucá, o Todo-Poderoso pode estar
Conforme explica o Gaon de Vilna, Rosh indicando que não deseja moderar justiça com
Hashaná e Yom Kipur são dias de julgamento, misericórdia.

Tishri / Cheshvan 5780 23


Variedades

Zalman, 7401
Eu sempre digo que coincidência é a maneira de D’us
Se manter anônimo.
O seguinte evento, ocorrido com meu amigo Tuvia Chayim Ariel,
pode ser um louvor para o “Rei das Coincidências”.

Há pouco tempo, Tuvia Chayim Ariel fa-


leceu e foi enterrado em Tekoa, um
yishuv (assentamento) em Israel.
ganá. Aquele seu amigo também tinha uma ta-
tuagem no braço. Tuvia se lembrava muito bem
quais eram os últimos algarismos da tatuagem de
Há alguns anos, Tuvia Chayim fez aliá e co- seu amigo pois, “coincidentemente”, era o mesmo
meçou a trabalhar numa fábrica em um kibuts final do número de seu documento de identidade
que produzia leite em pó para bebês. Devido a e, ainda, de seu número de telefone: “7401”.
um acidente com uma máquina trituradora, ele – Você tinha um irmão chamado Zalman? –
perdeu sua perna direita até o joelho. Destemido, perguntou Tuvia Chayim ao turista em seu carro.
Tuvia Chayim estudou e tornou-se guia turístico. – Sim!... Mas como você sabe disso? respon-
Certa manhã, Tuvia foi buscar um homem de deu o homem, chocado.
Nova Iorque no aeroporto Ben Gurion para levá-lo – Ele foi tatuado antes ou depois de você? in-
a Jerusalém. O homem estava todo enfeitado com sistiu Tuvia com veemência.
correntes de ouro e tinha uma postura autoritá- – Antes de mim! Mas por quê?! disse o ho-
ria. No caminho para Jerusalém, tornou-se óbvio mem mais atônito ainda.
para Tuvia Chayim que aquele não era seu “par” – Porque creio que seu irmão está vivo! res-
perfeito. Então, Tuvia Chayim parou o veículo no pondeu Tuvia Chayim, já fazendo um retorno com
acostamento e disse ao homem que iria lhe arru- a van em direção a seu kibuts, perto do Lago Ti-
mar outro guia turístico. vérias.
Então o homem respondeu: “Ouça! Você pen- Chegando no kibuts Tuvia reuniu os dois ir-
sa que sou apenas mais um típico nova-iorquino mãos naquilo que ele chamou de “o momento
prepotente e cheio de correntes de ouro, mas eu mais emocionante e repleto de Divindade de sua
já paguei o que devia!” Depois dessas palavras, o vida”.
homem arregaçou a manga de sua camisa e ex-
pôs uma tatuagem com um número, que ganhara A propósito, a Torá nos ensina que não exis-
em Auschwitz. O número acabava com os algaris- tem coincidências – tudo que nos acontece na
mos “7402”. “Perdi minha mãe, meu pai, todos os vida é uma mensagem do Todo-Poderoso. É nos-
meus irmãos e irmãs!” Disse ainda o passageiro. sa tarefa tentar entender a mensagem e ver como
Tuvia Chayim olhou para a tatuagem do ho- podemos melhorar e ficar mais próximos do Cria-
mem e ficou branco. Na carpintaria de seu kibuts dor. Que a história de Tuvia Chayim Ariel z”l nos
também trabalhava um homem que escapou de aproxime um pouco mais do Todo-Poderoso.
Auschwitz, lutou com os partisans poloneses e,
mais tarde, foi para Israel, onde se juntou à Ha- Meor Hashabat Semanal

24 Tishri / Cheshvan 5780


Poesia

As Crianças de Terezín
Desenhando e compondo na porta em direção à morte

No início da Segunda Guer-


ra Mundial, o regime de
ocupação nazista fez da pequena
e outros campos de concentração na-
zistas, onde a maioria delas pereceu.
No Museu Judaico de Praga con-
de arte secretas principalmente entre
1943 e 1944.
Os desenhos retratam a vida co-
cidade provincial tcheca de Terezín servou-se um conjunto comovente de tidiana como também esperanças e
um campo de concentração provisó- desenhos e poemas de crianças feitos sonhos de voltar para casa, ajudan-
rio para a população de origem judia em Terezín. Seus autores, com pou- do as crianças a lidarem com a cruel
da Boêmia, da Morávia e, depois, de quíssimas exceções, pereceram nas realidade.
outras partes da Europa. Terezín se câmaras de gás. A maior parte da literatura escri-
faz tristemente conhecida em todo o A obra de arte foi salva pela ar- ta pelas crianças evidencia a recor-
mundo como “a porta em direção à tista Friedl Dicker-Brandeis, que le- dação dos lares perdidos e a amargu-
morte”, pela qual passaram mais de cionou aulas de arte secretamente no ra de terem sido arrancadas de sua
cem mil judeus tchecos e europeus. campo nazista e escondeu os dese- infância feliz. Vários poemas foram
A esmagadora maioria foi assassina- nhos em duas malas antes de ser de- encontrados nas revistas que elas
da cruelmente nas câmaras de gás portada para o campo de extermínio publicaram no gueto, acompanhados
de Auschwitz, Maidanek, Chelmno, de Auschwitz, onde veio a morrer. muitas vezes por desenhos.
Treblinka... Das quinze mil crianças A coleção única, com cerca de A exposição de desenhos e poe-
judias de Terezín, só cem sobrevive- 4.500 desenhos de crianças que fo- mas das crianças de Terezín não
ram. ram internadas no campo de con- deixa uma suposta “outra face” dos
Estima-se que 140.000 judeus fo- centração de Terezín durante o Holo- campos de concentração dos nazis-
ram enviados para Terezin e cerca de causto, ainda atrai atenção, 75 anos tas – esta face será a mesma para
33.430 morreram lá durante a ocu- desde a sua criação. sempre. É uma lembrança eterna da
pação nazista da Tchecoslováquia. Em meio a condições brutais no vida terrível, triste e destruída das
Outras 87 mil pessoas foram trans- gueto, as crianças fizeram os dese- crianças nos campos de concentra-
portadas de Terezín para Auschwitz nhos e os poemas durante as aulas ção.

Hana Zieglerová

Tishri / Cheshvan 5780 25


Poesia

A Borboleta
Foi a última delas.
Sua cor amarela era amarga e ofuscante.
Como lágrima do Sol a bater na alvura da pedra.
Que cor, que cor...
Com leveza esvoaçava nas alturas.
Quis beijar com certeza meu derradeiro mundo.

Há sete semanas estou aqui


“guetoizando”.
Meus queridos me encontraram aqui.
Também as margaridas me chamam
e o ramo de amendoeira branco, no quintal,
mas borboletas não vi.

Margit Ullrichová (18/jun/31 – 16/out/44) Ela foi a última.


Não há borboletas aqui
no gueto.
Em Terezín Pavel Fridman
Quando chega o calouro
tudo lhe parece estranho.
Eu tenho que dormir no beliche?
E comer batatas pretas? Se tudo está sujo,
o chão é pura lama.
E eu tenho que me deitar em cima disso?
Vou ficar sujíssimo!

Aqui há muito barulho


e há tantas, tantas moscas.
Todo mundo sabe que as moscas trazem doenças.
Oh, algo me mordeu! Não serão percevejos?
Em Terezín a vida é um inferno.
Não sei quando voltaremos para casa.
Helga Weissova, “Chegada à Terezín”
“Teddy”

O Jardim
Pequeno jardim
cheio de rosas e perfumes.
O caminho é estreito
e uma criança caminha por ele.

A criança é pequena, formosa


como um botão.
Quando o botão florescer
a criança não existirá.

Franta Bass
Liana Franklová, “Todos com fome” (04/set/30 – 28/out/44)

26 Tishri / Cheshvan 5780


Poesia

A Noite no Gueto
Outra vez, um dia se foi
no imenso precipício do tempo.
Outra vez, feriu-se um homem
mantido no cativeiro por seus irmãos.
Anseia anoitecer,
suaves mãos que protejam seus olhos do horror do
dia.
No gueto, a escuridão é boa para os olhos cansados
que tanto têm visto durante o dia.

A escuridão volta a se arrastar pelas ruas do gueto,


Helga Weissová, “A escola em Terezín” abraçando os andarilhos...
Só um carro como saudação do mundo perdido
engole a escuridão com seus olhos de fogo -
O Ratinho esta doce escuridão que cai sobre a alma
e cura as feridas que iluminam o dia...
I. Pelas ruas chegam claras filas de pessoas
Um ratinho sentado na estante como uma fita preta, trançada com ouro.
pega pulgas no seu agasalho de pele,
mas não consegue pegar, Autor desconhecido
escondeu-se debaixo de sua pele.
O ratinho agita-se sem descanso –
esta pulga é um bicho mau.
II.
Veio seu papai,
procurou em seu agasalho
e olhou, pegou a pulga
e cozinhou-a na panela.
O ratinho chama o avô:
“Venha, temos pulga para comer!”.
Miroslav Kosek (30/mar/32 – 19/out/44)
Hanus Löwy (29/jun/31 – 04/out/44)
Bachner
Irena Karplusová, “Colocando Colchões Para Arejar”

Tishri / Cheshvan 5780 27


Truques e Dicas

Fritando
Truques e dicas fáceis e práticas para descomplicar sua vida
e solucionar incontáveis problemas do dia a dia!

Toda fritura de imersão tem dois inimigos fora. Caso esteja frio, deixará a fritura encharca-
naturais: a água e o sal. Ou seja, evite fazer o pro- da. Portanto, o mais correto é esperar a tempe-
cesso de fritura com ingredientes encharcados de ratura esquentar novamente entre uma imersão
água, como as batatas em palito, que sempre de- e outra, já que o óleo sempre esfriará um pouco.
vem ser secas com um pano. Evite temperar com Para saber quando o óleo está no ponto para
sal os alimentos que serão fritos, mesmo que eles fritar, ponha um fósforo no mesmo. Quando ele
sejam pré-cozidos, como é o caso da mandioca e acender, estará no ponto.
da batata, por exemplo. Misture ao óleo um pouco de gordura vegetal
Um terceiro inimigo é a reutilização do óleo: hidrogenada ou uma colher (de café) de álcool de
além de liberar substâncias nocivas à saúde, a cereais (com o óleo ainda frio). A fritura fica mais
reutilização prejudica qualquer receita. leve e crocante.
Se, ainda assim, você insistir em reutilizar o Para fritar alimentos empanados, certifique-
óleo, passe-o por uma peneira (ou coador de café) se de que não há excesso da farinha escolhida,
e frite nele um dente de alho. batendo levemente o alimento com as duas mãos.
Um dente de alho no óleo durante as frituras Outra boa dica é deixar os empanados na geladei-
também absorve o cheiro e o excesso de gordura. ra durante quinze minutos antes da fritura: a fa-
Se o óleo estiver quente demais, o alimento rinha não desprenderá com facilidade, mantendo
corre o risco de ficar cru por dentro e torrado por o óleo limpo por mais tempo.

28 Tishri / Cheshvan 5780


Truques e Dicas

Batata frita I: O primeiro se- Bife II: Para dar uma cor dou- liciosamente salgado.
gredo para que as batatas f iquem rada aos bifes, coloque na hora de Omelete I: Para fazer omeletes
bem sequinhas é fritar em bas- fritar uma colher (de sobremesa) de mais leves e fofas, é só adicionar
tante óleo. Se houver pouco óleo e massa de tomate. uma pitada de maisena antes de
muita batata na panela, elas aca- Bife à milanesa: Para que a bater os ovos.
bam diminuindo a temperatura casca do bife à milanesa não des- Omelete II: Omelete no ponto –
da fritura e, portanto, absor vendo grude, ponha uma rolha no óleo da nem mole e nem dura – consegue-se
mais óleo. fritura e só retire após os bifes es- juntando o sal quando já estiver fri-
Batata frita II: Para as batatas tarem fritos. tando. Caso contrário, os ovos amo-
fritas ficarem secas, depois de des- Bolinho: Para evitar que os bo- lecem.
cascadas e cortadas, coloque-as de linhos fritos (de arroz, de chuva, de Omelete III: Quando preparar
molho numa vasilha com água e legumes) murchem após a fritura, omeletes ou suflês, adicione uma
duas colheres de vinagre durante coloque um pouco de vinagre na pitada de fermento em pó aos ovos
30 minutos. Seque-as e leve para massa. batidos. Assim, eles renderão muito
fritar. Casca de batata: Você pode uti- mais.
Batata frita III: A batatinha fi- lizar as cascas de batatas fritando Ovo: Para evitar que o azeite ou
cará crocante se, antes de fritá-la, -as em óleo bem quente, transfor- o óleo salpique quando fritar ovo ou
você a passar na farinha de trigo. mando-as em gostosos chips. qualquer outro alimento, acrescen-
Batata frita IV: Outra dica é Frango I: Para evitar que o te uma pitada de farinha à gordura
dar uma rápida fritura, retirar as frango frito grude na frigideira, já quente.
batatas e manter no freezer por junte uma colher de farinha ao óleo Panqueca: As panquecas ficam
pelo menos uma hora, até o mo- de fritura. mais leves quando se acrescentam
mento de fritar para valer. Frango II: O frango cora facil- algumas colheres (de sopa) de cer-
Batata frita V: Para dar um sa- mente se, antes de fritá-lo, você o veja à mistura.
bor especial às batatas fritas, colo- dourar com uma pitada de açúcar no Pastel: Para que os pastéis fi-
que duas rodelas de cebola um pou- óleo. quem sequinhos, coloque na massa
co antes de tirá-las do fogo. Hambúrguer: Frite o hambúr- uma colher (de café) de vinagre.
Berinjela: Antes de fritar berinje- guer numa fina camada de sal na Peixe: Para que o peixe frito fi-
las, passe-as na farinha de rosca mis- frigideira. O sal retira os sucos e que bem dourado, salpique um pou-
turada com clara de ovo. Dessa forma rapidamente coagula-os, formando co de sal no óleo da fritura.
elas não absorverão muito óleo. uma crosta na carne, que evita que Polenta: Antes de fritar a po-
Bife I: Os bifes douram mais rá- ela grude na frigideira e perca a lenta, passe-a na farinha de trigo.
pido se você acrescentar uma pita- casquinha dourada. O hambúrguer Assim, ela ficará mais macia e com
da de açúcar no óleo de fritura. fica crocante na parte de fora e de- uma crosta crocante.

GRUPO

Elimine os custos com compra de


impressoras e assistência técnica.
Colocamos impressoras
em comodato a custo zero.
Gerenciamos todo o seu parque de impressoras.
Agende uma visita sem compromisso para elaboração de
um projeto em relação as necessidades de sua empresa.
Retiramos e entregamos sem nenhum custo.
Te l e v e n d a s : 3 3 3 1 - 3 8 3 1
www.gpline.com.br

Tishri / Cheshvan 5780 29


Nossa Gente
Nascimentos
• Mazal tov pelo berit milá para as famílias: Efraim Hallak, Fabio Rabinovitsch e Joseph Haifaz.
• Mazal tov pelo nascimento da filhinha para as famílias: Alex Dayan e Yacov Eskinazi.

No Berit Milá do filho de Joseph Haifaz

Veja 17 fotos e 2 vídeos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br


30 Tishri / Cheshvan 5780
No Berit Milá do filho de Efraim Hallak

No Berit Milá do filho de Fabio Rabinovitsch

Veja 9 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

Bar Mitsvá
• Mazal tov aos jovens benê mitsvá: Dany Korich, David Dayan, Felipe Chalom, Hayim Ozer Salomon, Isaac Dayan, Joseph Benatar, Michael
Reichman, Michel Bousso, Nathan Benaion e Rahamim Dichi.
No Bar Mitsvá de Hayim Ozer Salomon

Veja 13 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

Tishri / Cheshvan 5780 31


Nossa Gente

No Bar Mitsvá de Nathan Benaion

Veja 17 fotos e 1 vídeo no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

32 Tishri / Cheshvan 5780


Casamentos Nossa Gente

• Mazal tov pelos noivados para as famílias: Dichi e Majtlis (Avraham e Naomi Keila), Michanie e Karaguilla (Moshe e Miriam Chana),
Rainer e Hakuk (Yechezkel e Sara), Ades e Chouveke (Gabriel e Naomi), Smitas e Hazan (Leonardo e Miriam).
• Mazal tov pelos casamentos para as famílias: Dayan e Laniado (Avraham e Mazal), Cohen e Lichewitz (Eliahu e Malka), Kullock e Haifaz
(Rafael e Karina), Kastner e Kahan (Moishe e Bracha), Kadoch e Harari (David Meir e Rachel), Bijo e Pikelaizen (Beni e Cilea), Abadi e
Grinberg (Moshe e Yael Chava), Grankiewicz e Szajnbok (Aharon e Miriam), Harari e Laniado (Moshê e Mazal).

No Casamento de Avraham e Mazal Dayan

Veja 27 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

Tishri / Cheshvan 5780 33


Nossa Gente

No Casamento de Aharon e Miriam Grankiewicz

Veja 33 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

34 Tishri / Cheshvan 5780


Nossa Gente

No Casamento de Rafael e Karina Kullock

Veja 11 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

Tishri / Cheshvan 5780 35


Nossa Gente

No Casamento de Moshê e Mazal Harari

Veja 24 fotos no Nossa Gente do Portal, www.revistanascente.com.br

36 Tishri / Cheshvan 5780


C omemorando V

O Segredo das Hacafot


No sétimo dia da festa
de Sucot nós
rodeamos a bimá sete vezes, é o que chama-
O que poucos sabem é o motivo de todas
essas voltas, as hacafot. O Rabino Yitschak
Ayzik Sher zt”l, no livro “Lêket Sichot Mus-
mos de “ hacafot”. A bimá é a mesa central sar”, explica detalhadamente este assunto.
da sinagoga onde é feita a leitura da Torá Normal mente, q uando rodeamos algo,
durante todo o ano. O sétimo dia de Sucot é estamos demonstrando a sua importância e
denominado de Hoshaná Rabá. o apreço que temos em relação àquilo. Mos-
Em Israel, no dia seg u inte a Hoshaná tramos assim, que o que está sendo rodeado
Rabá, comemora-se Simchat Torá. Fora da é importante, e por isso está no centro. No
Terra de Israel, a festa de Simchat Torá é co- dia de Hoshaná Rabá, cercamos a Torá sete
memorada dois dias após Hoshaná Rabá. vezes, demonstrando que ela é importan-
Em Simchat Torá, confor me expl ica o te. Ao mesmo tempo, seguramos as quatro
“Shulchan Aruch”, código das leis judaicas, espécies nas mãos, que é um dos preceitos
costuma-se fazer novas hacafot – rodear a da Torá, assimilando o conceito de que esta-
bimá mais sete vezes. mos “amarrados” às mitsvot enquanto estu-
Existem, entretanto, algumas diferen- damos a Torá, que nos ensina a cumpri-las.
ças entre as hacafot do sétimo dia de Sucot Neste dia, damos volta após volta rodeando
(Hoshaná Rabá) e as hacafot de Simchat Torá. a Torá, indicando assim a ligação da mitsvá
Em Hoshaná Rabá, as sete voltas que da- que levamos nas mãos com esta Torá. Mani-
mos em torno da bimá são feitas seguran- festamos, desta forma, que estamos circun-
do as quatro espécies – lulav, etrog, hadas dando a Torá, cumprindo seus mandamen-
e aravá – em nossas mãos, enquanto a Torá tos e dedicando-nos a ela com o intuito de
fica colocada sobre a bimá (foto). estudá-la e de cumpri-la, de cuidar dela e de
Já em Simchat Torá, rodeamos a bimá ensiná-la.
dançando, cantando e segurando a Torá em No dia seguinte, em Simchat Torá, nova-
nossas mãos. mente damos voltas, desta vez contornando

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 37


Comemorando V

não a Torá, mas sim a bimá, a mesa e da Torá Oral – levam à plenitude Torá, pois este amor nasce da dedi-
em que lemos a Torá durante todo de seu objetivo. cação e do estudo dela.
o ano. Desta vez, o que seguramos Quando rodeamos a bimá se- Com a dança de Simchat Torá
não é uma das mitsvot, mas sim o gurando o Sêfer, os rolos da Torá, e com a alegria que a acompanha,
próprio rolo da Torá. É preciso en- expressamos ainda nosso laço pro- podemos chegar a altos níveis de
tender q ual a i mpor t ância dest a fundo e eterno com a Torá e com a elevação espiritual. Podemos sentir
mesa que merece ser rodeada tan- mesa de estudos; pois a Torá sem a verdadeira alegria que existe no
tas vezes pela própria Torá. O que a mesa e a mesa sem a Torá não cumprimento das mitsvot, no estu-
pode ser tão importante quanto os são nada para nós. Assim, quando do da Torá e no amor ao próximo.
próprios rolos da Torá? conseguimos entender e sentir esta Por isso, todos nós devemos nos
Na verdade, este cost u me em magnífica ligação, nós aceitamos a animar, dançar e alegrarmo-nos de
Simchat Torá vem no s mo s t r a r incumbência de nunca abandonar uma forma especial perante o Todo
u ma l ição análoga à de Hoshaná o nosso pensamento do estudo da -Poderoso neste grande dia.
Rabá. Da mesma forma que no dia Torá, pois ele é a nossa vida, con- O Rambam diz ainda que, quan-
de Hoshaná Rabá mostramos a li- forme recitamos diariamente: “Ki to mais alguém dança e se alegra,
gação das mitsvot que carregamos hem chayênu veôrech yamênu uvah- de forma humilde, sem se preocu-
em nossas mãos com o Sêfer Torá, em nehguê yomam valayla – Pois par com o seu respeito ou com a
assi m t a m bém most ra mos em eles são a nossa vida e o prolonga- sua posição, sem vergonha, mais
Simchat Torá a ligação da Torá com mento de nossos dias e meditare- esta pessoa é verdadeiramente res-
a mesa onde a estudamos! mos neles dia e noite”. peitada, pois não há maior respeito
O principal objetivo de se escre- O Rabino Yitschak Ayzik Sher do que se alegrar perante o Todo
ver um Sêfer Torá é para cumprir o zt” l coment a a i nda o mot ivo do -Poderoso. Tomamos como exemplo
que está escrito no versículo (Deva- cost u me de se dançar no d ia de o rei David, que dançou de coração
rim 31:19): “...e tu ensina-o aos fi- Simchat Torá. Ele explica que o fato e deu piruetas quando o Aron Hacô-
lhos de Israel... ”. Ou seja, somente de estarmos todos de mãos dadas, desh – a Arca Sagrada – foi trazido
quando o Sêfer Torá está em cima dançando em volta da bimá, não é para Jerusalém. David Hamêlech,
da mesa, pronto para ser lido e es- algo tr iv ial, possu i u m sig nif ica- mesmo sendo o rei, não se preocu-
tudado, somente então, ele atinge do profundo. Da mesma forma que pou com o seu respeito no momento
plenamente o seu objetivo, e não em Hoshaná Rabá nós damos voltas de se alegrar perante D’us.
quando está guardado no armário. com a mitsvá do lulav nas mãos, no Somente assim, quando o nosso
Isso porque somente através do es- dia de Simchat Torá nós damos vol- coração ficar repleto deste elevado
tudo da Torá podemos chegar real- tas com a grande mitsvá de “amor sentimento, que estamos dançando
mente a conhecer e cumprir a von- ao próx i mo” nas mãos. O ato de e nos alegrando perante D’us, virá
tade Divina. cada um pegar na mão do próximo, também o reconhecimento verda-
A ssi m, nós rodea mos a bimá dançando e se alegrando, todos jun- deiro desta “dança em conju nto”,
com a Torá em nossas mãos para tos, mostra, na prática, a união e o cuja base está no amor ao próximo
mostrar que, se não fosse o estudo amor ao próximo. Perante o Todo que vem da força do estudo da Torá.
sobre a mesa, não encontraríamos -Poderoso, esta dança se torna tão Bem-aventurada a pessoa que con-
razão para a existência da Torá. A i mpor tante q uanto as hacafot de seguir sentir estas belas emoções.
bimá representa o estudo da Torá Hoshaná Rabá, quando seguramos Que nós possamos também nos
e tudo o que este estudo signif ica as q uat ro espécies. Em Hoshaná alegrarmos verdadeiramente neste
para nós. Demonstramos q ue so- Rabá, a mitsvá de segurar as qua- dia, e através da alegria e da dança
mente através do aprofundamento tro espécies indica que cumprimos de Simchat Torá chegar ao verda-
e conhecimento de todas as ramifi- os mandamentos da Torá e dedi- deiro amor à Torá e ao próximo.
cações da Torá podemos realmente camo-nos a ela. Em Simchat Torá,
entender o seu signif icado e o de at ravés da da nça, t a m bém mos- Adaptado da sichá do
suas mitsvot. Que somente a leitura tramos a ligação de uma mitsvá, o Rabino Yitschak Ayzik Sher zt”l
e o estudo da Torá – da Torá Escrita amor ao próximo, com o estudo da no livro “Lêket Sichot Mussar”

38 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Educação

Semear e
Construir

Pensando na
Adolescência
Comentários do Rabino I. Dichi Shelita sobre a educação
dos filhos, baseados no livro “Zeriá Uvinyan Bachinuch”
de autoria do Rabino Shelomô Wolbe zt”l.
Rabino I. Dichi

Tão importante quanto educar os fi-


lhos, é educar os pais para que
saibam como educar os filhos.
nós passamos por elas. Sobre a idade de um
adolescente, em Israel costuma-se dizer brin-
cando que o jovem tem “tipesh-esrê”, que se-
A educação é um processo que deve ser ria uma expressão equivalente à nossa “abor-
encarado a longo prazo. Quando uma crian- recência”.
ça tem dois ou três anos, os pais já devem A adolescência é uma época na qual o jo-
levar em consideração que quando ela tiver vem necessita muito do apoio dos pais. Para
treze, quatorze anos, passará por uma fase aceitar este apoio, ele precisa sentir muita
difícil. confiança nos pais. Além disso, precisa exis-
Todos nós sabemos que a adolescência tir um ambiente de intimidade entre pais
apresenta dificuldades especiais, afinal todos e filhos, para que eles se sintam à vontade

Tishri / Cheshvan 5780 39


Educação

para relatar o que está acontecen- auxílio. Já aos 13 ou 14 anos, quan- cação no sentido de que as crianças
do com o seu corpo, com a sua ca- do necessitar de ajuda, um amigo pa- pratiquem a mitsvá de respeito e te-
beça e, desta forma, serem bem es- recer-lhe-á suficiente. Quando neces- mor aos pais! Devem ensiná-las a
clarecidos e aconselhados. A partir sitar de apoio, se o jovem preferir um não sentar no lugar dos pais, a não
de quando, então, os pais precisam amigo aos pais e escolher um amigo responder mal para os pais, a não le-
preparar este ambiente? A partir “errado”, as consequências poderão vantar a mão para os pais, etc. A ri-
dos 2 ou 3 anos de idade! ser trágicas. gidez dos pais não deve cair abaixo
O conceito primordial para que Os pais que erram durante toda deste limite.
um jovem passe pela idade dos 14 a infância ficam surpresos quando Quando um filho pequeno bate
anos em paz, em harmonia, é que a criança atinge os 14 anos, e não se na mãe, por exemplo, é extremamen-
ele mantenha uma relacão caloro- cansam de exclamar frases do tipo: te prejudicial que os pais riam, pois
sa e afetiva com os pais desde sua “Não consigo entender o que está dessa maneira estarão incentivando
infância. Não adianta exigir este acontecendo com meu filho!”, “Ele esta atitude. Deve-se valorizar o res-
relacionamento quando o jovem nem conversa comigo!”, “Ele não me peito e o temor aos pais, porém le-
já atingiu os 14 anos se, nos anos conta nada!”, “Não sei de nada que vando em consideração a idade dos
anteriores, não existia este tipo de se passa em sua cabeça!” filhos, sem severidade.
convívio. “Quando os pais vêm e me per- Em outras palavras, é fundamen-
Se os pais são agressivos com os guntam o que fazer”, diz o Rav Wol- tal manter um relacionamento afetuo-
filhos quando têm 2, 3, 4 anos; se bê, “eu respondo: ‘Hoje você está pa- so com os filhos desde muito cedo. É
praticam uma educação extrema- gando pelos golpes que você lhe deu importante sempre preservar esta re-
mente severa, se batem neles e se quando ele era pequeno! As panca- lação amigável. Desta forma, quando
exigem deles comportamentos aci- das e o relacionamento duro estão passarem pelos momentos difíceis da
ma de suas possibilidades, simples- borbulhando no subconsciente da adolescência e precisarem ser orien-
mente não alimentam uma relação criança sem que nem mesmo ela per- tados, eles se sentirão à vontade para
calorosa com eles. Quando a criança ceba.”’ recorrer aos pais. Ao educar crianças
ainda é muito pequena, ela não de- Um dos tristes reflexos da falta pequenas, os pais devem considerar
monstra a falta de “química” entre de esclarecimento dos pais quan- que a educação é um projeto a longo
ela e os pais. Nesta idade ela ainda to ao modo correto de educar e da prazo.
precisa muito dos pais e é obriga- prática de falhas graves na educa- O que descrevemos não é fácil de
da a manter uma certa ligação com ção das crianças é a falta de comu- ser aplicado no dia-a-dia. Contudo, é
eles. No entanto, quando já tiver 13 nicação entre pais e filhos adoles- fundamental que os pais procurem
ou 14 anos e se julgar mais ou me- centes. As falhas dos pais perma- se adaptar a esta forma de educa-
nos independente, terá em seu sub- necem ocultas dentro da alma da ção. É uma obrigação deles se esfor-
consciente a ideia de que não existe criança. Quando ela atinge a ado- çarem neste sentido. Certamente, no
uma relação afetiva entre ela e os lescência, de repente, tudo se ma- decorrer do tempo, todos cometem
pais. Somente então, os pais perce- nifesta. Aí, então, os pais ficam bo- alguns tropeços; mas o simples fato
berão o erro que cometeram em to- quiabertos, sem entender a falta de de os pais serem esclarecidos e re-
dos os anos precedentes. comunicação, a falta de afeto. Para conhecerem seu erros, ajuda-os a
Quando o filho é pequeno, não eles, certamente, é um grande so- corrigi-los sem grandes consequên-
tem outra proteção senão os pais. Ele frimento e – pior – para a criança é cias.
naturalmente gosta dos pais. Apesar um grande dano.
de sentir que não existe tanta frater- Mesmo a repreensão deve ser do shiur sobre educação
nidade, sabe que não tem outra op- usada o mínimo possível durante a ministrado pelo Rabino
ção. infância. Sempre devemos procurar Isaac Dichi Shlita,
Quem, além dos pais, ele poderia um caminho de relacionamento calo- baseado no livro
procurar? Nesta idade não é suficien- roso com os filhos. “Zeriá Ubinyan Bachinuch”
te para a criança procurar um ami- Tudo isso não significa que os do Rabino Shelomô
go para pedir algum tipo de apoio ou pais devem deixar de conduzir a edu- Wolbe zt”l

40 Tishri / Cheshvan 5780


Era Uma Vez

Dois Pobres
Certa vez um homem po-
bre estava pas-
sando por grandes necessidades e resolveu
seu chefe ainda estava ocupado, que era para
ele voltar ainda mais tarde. E o rico ouvia
tudo.
recorrer a um conhecido homem abastado da Pela terceira vez o pobre homem ouviu o
cidade. Foi até sua mansão e bateu à porta. mordomo dizer que o rico estava muito ocu-
Quem atendeu foi o mordomo. Mas do an- pado. Então ele respondeu que esperaria ali
dar de cima, o rico ouviu o pobre homem soli- mesmo, em frente à mansão, até que o rico
citando uma audiência com ele. pudesse recebê-lo e ouvir o que ele tinha a di-
O mordomo respondeu-lhe que seu patrão zer.
estava ocupado e que o homem deveria voltar O homem pobre estava muito preocupado
à tarde. com a sua situação. Mas, apesar dos vários re-
À tarde ele voltou. O mordomo disse que chaços, ele ainda tinha esperanças de cair em

Tishri / Cheshvan 5780 41


Educação

graça aos olhos do rico e conseguir O rico ouviu a tudo atentamente. Podemos traçar uma analogia
sua ajuda. Compadeceu-se e emprestou ao ho- importante entre esta parábola e os
Ansioso, ele começou a andar de mem a quantia solicitada. yamim noraim, os dias temíveis.
um lado para o outro na calçada em Mais tarde, quando o rico estava Nós temos muitos pedidos a fa-
frente à mansão. na sinagoga, outro pobre aproximou- zer para D’us em Rosh Hashaná e
Pela janela, o rico percebeu a se dele, pedindo-lhe um empréstimo. Yom Kipur – saúde, sustento, har-
preocupação do homem carente e Mas ele negou. monia, inteligência, filhos no cami-
pediu ao mordomo que autorizasse a Então o pobre alegou que sabia nho correto... Mas não podemos es-
sua entrada. do empréstimo que o rico fizera para perar até que os yamim noraim “nos
Perante o rico, ele relatou seus outra pessoa numa situação seme- encontrem”. Devemos nos preparar
problemas. Falou sobre suas dívidas, lhante à sua e disse que ele também para eles durante os dias do mês de
suas necessidades, sobre as pessoas estava em apuros. elul e em Assêret Yemê Teshuvá.
que dependiam dele, e até mesmo so- A este argumento, o rico res- Nossos esforços em fazer tefilá,
bre seus erros e seus planos futuros. pondeu imediatamente: “Aquele teshuvá e tsedacá, os preparativos
Dirigiu-se ao rico com muito respeito homem estava preocupado com a relacionados com as orações que
e usou palavras bonitas, previamen- sua situação. Ele fez vários prepa- serão proferidas, o arrependimen-
te escolhidas. Finalmente, solicitou rativos, esforçou-se e procurou-me to, as boas decisões tomadas para
uma quantia de dinheiro empres- algumas vezes até conseguir o em- o futuro, tudo isso contribui para
tada. Explicou o que faria com o di- préstimo. Enquanto você pratica- despertar a misericórdia Divina e
nheiro e ainda mostrou um docu- mente ‘foi encontrado’ por mim receber as melhores bênçãos para o
mento de empréstimo que preparara aqui na sinagoga.” novo ano.
anteriormente, no valor da quantia
solicitada, assinado por fiadores. * * * Baseado no Maguid Midubno

42 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Visão Judaica II

É Como
Embalar Laranjas!
O Sr. Efraim é um judeu especial e interessante.
Uma visita à sua casa é sempre agradável e divertida – por
vezes surpreendente!
Yochanan David Salomon

Em cada canto da casa do


senhor Efraim
pode ser encontrada uma de suas invenções
da, costurando as folhas, sem o auxílio de um
furador? Também é possível pendurar vários
objetos no prego da parede utilizando-se um
– e ele jamais guarda para si os direitos au- furador! Sobre o uso do furador para conser-
torais. Muito pelo contrário, está sempre dis- tos de malas, bolsas e outros artigos de cou-
posto a ensinar e explicar os benefícios delas ro, nem se fala! Quem já visitou um sapateiro
para que outros também usufruam de suas sabe bem disso.
descobertas. – E qual a diferença das casas judaicas que
Na última vez que entrei em sua casa, en- o senhor citou? – perguntei, franzindo as so-
contrei-o empunhando ferramentas que nor- brancelhas.
malmente só se encontram em sapatarias. De- – Muito simples! – respondeu o anfitrião. –
pois dos cumprimentos, indaguei: Como muita coisa no mundo, o furador serve
– O que é isso na sua mão? para atividades que só os judeus têm necessi-
– Um furador... – ele respondeu simples- dade. Com esta ferramenta, pode-se calcar as
mente. linhas de um pergaminho para escrever me-
– E, por acaso, você pretende furar a ore- zuzot e tefilin. Mas isso exige muita prática.
lha de alguém? – perguntei, brincando, fazen- – Mas há uma outra função, qualquer
do alusão a uma passagem bíblica. um consegue utilizá-lo – continuou o senhor
O senhor Efraim esboçou um sorriso e disse: Efraim. – Você já tentou afrouxar os nós do
– Se você soubesse quanta coisa é possí- tsitsit que há muito estavam amarrados? Mui-
vel fazer com esta ferramenta, você sugeriria tos indivíduos impacientes, resolvem o proble-
para cada casa judaica possuir uma! Você está ma com uma tesoura, mas inutilizam os fios.
vendo esse cabo simples de madeira? Ele se- Com o uso cuidadoso do furador é possível de-
gura firmemente uma longa e pontiaguda has- satar os fios e, posteriormente, voltar a utilizá
te de metal, que serve para perfurar materiais -los. Por que estragar um objeto sagrado?!
não muito duros. Veja um exemplo: minha fi- Animado com o meu interesse nas expli-
lha voltou da escola com um livro novo de ma- cações, o senhor Efraim continuou com duas
temática que compramos há duas semanas. A utilidades derradeiras:
cola da lombada, que não é das melhores, já – Agora vou lhe revelar como se ganha di-
começou a soltar do livro. O que ela tem agora nheiro com a ajuda de um furador. Na verda-
é um monte de folhas, e não um livro! Como de não se ganha, mas se economiza, o que no
seria possível passar um barbante na lomba- final dá no mesmo. Certo dia, observei que as

Tishri / Cheshvan 5780 43


Visão Judaica II

garrafas de detergente líquido esta- mas simples, considerações. Contu- Numa conversa informal, falamos
vam se esvaziando muito rapidamen- do, permaneci com um pensamento com tamanha rapidez, que é impos-
te e, a cada dois ou três dias, tinham que me incomodava: como um judeu sível ao intelecto acompanhar e dar
de ser substituídas. Após uma breve como ele, uma pessoa do seu nível, permissão para tantas palavras. Há
sondagem, notei que o furo dos tu- podia ficar pensando em coisas tão uma regra que vigora em todas as ge-
bos era aberto com uma faca, o que simples? Essa dúvida tanto me insti- rações (Mishlê 10:19): “Na abundân-
resultava numa abertura excessiva- gava que acabei perguntando direta- cia de palavras não cessará o pecado,
mente larga. Cada vez que alguém la- mente – bem sutilmente, é claro. mas aquele que contém seus lábios
vava um copo, usava detergente sufi- O homem não se espantou e disse: age sabiamente”. Todos sabemos, por
ciente para lavar metade da louça do – Nós seguimos a trilha da Torá, e experiência, que quem se excede na
almoço!... cuidar para não desperdiçar dinhei- conversa acarreta um pecado!
– A solução deste problema es- ro também é um valor a ser transmi- – Qual a solução do problema?
tava no furador, esta ferramenta tão tido; faz-se uma bondade em revelar – perguntou finalmente o senhor
simples – disse o senhor Efraim, le- isso aos outros. Nossos patriarcas en- Efraim, levantando bem as sobrance-
vantando o furador com um sorriso. sinaram a não desprezar nem peque- lhas, enquanto eu sorria balançando
– Agora eu faço um pequeno furo na nas latas. Mas, com tudo isso, ainda a cabeça. – Vejo que você já enten-
tampa do tubo, que permite regular não chegamos à essência do ensina- deu: o pequeno furo! Uma espécie
a quantidade de detergente que sai. mento. de mordaça. Quem evita conversas à
Você não vai acreditar, e eu também – Saiba, meu querido, que todas toa, quem retira com cuidado cada
não acreditei, mas o consumo caiu as coisas mundanas são uma ves- palavra da boca, assim como muitos
para um quarto do que era. Outros timenta para as espirituais nelas fazem para tirar dinheiro do bolso,
recipientes, como tubos de cola, bis- embutidas. Como a roupa se molda só este tem a possibilidade de contro-
nagas de pomada, etc., também ren- na pessoa, assim as coisas físicas lar o que diz. Quando a fala sai len-
dem muito mais deste modo. Além demonstram seu interior espiritual tamente, de forma controlada, só aí
disso, desta maneira demora mais oculto aos olhos. Este princípio bási- poderá passar pelo exame da mente e
para ressecarem, pois a área de con- co é válido em vários níveis, cada um ser contida quando não convir.
tato com o oxigênio é menor. Os meus mais profundo, mas nem todos perce- – Se você é um bom orador, tem a
filhos, que tenham saúde, gostam bidos por qualquer indivíduo. possibilidade de formular dez mil pa-
muito de desenhar e colar. Então, – Os conceitos físicos podem en- lavras em uma hora. – afirmou o se-
comprei para eles uma garrafa gran- sinar uma lição de moral sobre seu nhor Efraim. – É um número assus-
de de cola. Quando um deles queria próprio mundo físico. O princípio do tador! Será possível que todas essas
colar um papel do tamanho de um furo estreito, como expliquei, ensina palavras estejam corretas? Será que
selo, derrubava cola suficiente para para o dia-a-dia o fato de permitir um todas deveriam ser ditas? É possível
enfeitar toda uma sucá. Qual a solu- maior controle do líquido que pas- controlar um número tão grande de
ção? Simplesmente peguei uma gar- sa por ele. Mas, além desse ensina- palavras?
rafinha plástica de remédio e fiz um mento, pode-se transportar o mesmo – Vou citar um último exemplo
pequeno furo com o furador. Até já princípio para o mundo espiritual da para elucidar ainda melhor esse con-
me esqueci quando foi a última vez pessoa. Neste sentido, vejamos como ceito – concluiu meu sábio interlo-
que comprei a cola... Mesmo uma isso se aplica à fala, por exemplo. À cutor. – Numa indústria que embala
criança consegue controlar a quan- primeira vista, a fala deveria ser do- laranjas corre um esteira para a se-
tidade de cola que flui com um furo minada inteiramente pelo indivíduo, leção das frutas. Em frente à esteira,
bem dimensionado. pois é ele quem comanda esta fun- um funcionário retira as laranjas es-
– Agora você percebe quantas ção. Mas, na prática, o que aconte- tragadas. Se a esteira corresse à velo-
vantagens esta pequena ferramenta ce? Quantas vezes arrependemo-nos cidade de dez mil laranjas por hora,
esconde? – indagou o senhor Efraim, depois de uma palavra ou frase mal nenhum operário conseguiria sele-
concluindo sua explicação. colocada? Pessoas públicas fazem cioná-las! Agora você entende que
Balancei a cabeça afirmativa- discursos e depois precisam divulgar não estávamos tratando apenas de
mente, refletindo naquelas notáveis, desmentidos daquilo que falaram... colas e detergentes...

44 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


G uimatriyá

A Guimatriyá de Sucot
Vita S. Gomel

O valor numérico da palavra sucá (‫)סוכה‬, que Ainda sobre esse conceito da associação das
dá nome à festa de Sucot, é igual à soma dos va- qualidades de Justiça e Graça Divinas que gover-
lores numéricos de dois nomes do Criador (Shem nam o mundo:
Adanut e Havayá) (por respeito, substituímos As quatro letras da palavra sucá (‫ )סוכה‬po-
uma letra nos nomes de D’us no esquema abai- dem ser divididas em duas partes: a primei-
xo). ra parte composta pelas duas letras externas,
‫( א‬1) + ‫( מ‬4) + ‫( נ‬50) + ‫( י‬10) = 65 sámech e hê (‫)סה‬, e a segunda parte composta
‫( י‬10) + ‫( ק‬5) + ‫( ו‬6) + ‫( ק‬5) = 26 pelas duas letras internas, vav e caf (‫)וכ‬.
Total: 65 + 26 = 91 O valor numérico da primeira parte (‫)סה‬
‫( ס‬60) + ‫( ו‬6) + ‫( כ‬20) + ‫( ה‬5) = 91 é igual ao valor do nome Divino Shem Adnut,
associado ao juízo:
O primeiro desses nomes de D’us (Shem ‫( א‬1) + ‫( מ‬4) + ‫( נ‬50) + ‫( י‬10) = 65
Adanut) é associado ao juízo e o segundo (Shem ‫( ס‬60) + ‫( ה‬5) = 65
Havayá), à misericórdia.
O nome Ad*nay é associado a Rosh Hasha- Enquanto a segunda parte (‫ )וכ‬é igual ao
ná, quando se revela o juízo estrito. Em Yom valor do nome Divino composto pelo tetragrama
Kipur, quando o cohen gadol entra no Côdesh (Shem Havayá), associado à graça e à miseri-
Hacodashim (o lugar mais sagrado do Templo) córdia.
com roupas brancas, a graça e a misericórdia ‫( י‬10) + ‫( ק‬5) + ‫( ו‬6) + ‫( ק‬5) = 26
Divinas se revelam sobre Israel, cujo arrepen- ‫( ו‬6) + ‫( כ‬20) = 26
dimento é aceito. Sucot é, portanto, a síntese de
Rosh Hashaná e Yom Kipur. As letras externas da palavra sucá repre-
sentam o atributo Divino de Juízo, enquanto
Devemos nos conscientizar que o juízo e a que as letras internas representam o atributo
graça no mundo têm uma fonte única: Hashem, de Misericórdia. Assim, a palavra sucá alude à
o Único que reina sobre o mundo com uma mis- graça “incluída” no juízo Divino.
tura de juízo e de graça. Exteriormente, o juízo aparece com todo o
As sucot, as cabanas nas quais nossos an- seu rigor. Mas na realidade, encerra também
cestrais habitaram no deserto, simbolizavam um potencial de misericórdia.
esse governo Divino sobre o mundo e eram o Sucot também alude, conforme o Zôhar, ao
fundamento da fé judaica. De fato, o Zôhar (livro patriarca Yaacov, encarnação do esplendor e
básico da Cabalá) chama a sucá de “a sombra da verdade. Yaacov Avínu reúne as qualidades
da fé”. de Avraham Avínu (a bondade) e de Yitschac
Assim, o valor numérico de sucá (‫ )סוכה‬tam- Avínu (a justiça).
bém é o mesmo que o da palavra amen (‫)אמן‬, O laço entre Yaacov e Sucot é frisado no ver-
expressão de nossa fé e acrônimo das palavras sículo (Bereshit 33:17): “E Yaacov partiu para
“El Mêlech Neeman” (D’us, o Rei fiel). Sucot e construiu para ele uma casa, e para seu
‫( ס‬60) + ‫( ו‬6) + ‫( כ‬20) + ‫( ה‬5) = 91 rebanho fez sucot; por isso, chamou o nome do
‫( א‬1) + ‫( מ‬40) + ‫( ן‬50) = 91 lugar, Sucot.

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 45


Guimatriyá

O valor numérico da palavra Yaa- O número 182 simboliza a força santidade (conforme Massêchet Sha-
cov (‫ )יעקב‬é igual a duas vezes o valor espiritual da sucá. bat 104a).
de sucá (‫)סוכה‬. O patriarca Yaacov (‫יעקב‬, 182), por Cem é também o número de bên-
‫( ס‬60) + ‫( ו‬6) + ‫( כ‬20) + ‫( ה‬5) = 91 sua santidade, enraizou na alma de çãos que um judeu deve recitar diaria-
2 X 91 = 182 Yisrael a força espiritual que revela-se mente para reforçar a sua fé.
‫( י‬10) + ‫( ע‬70) + ‫( ק‬100) + ‫( ב‬2) = 182 na sucá. Esta força é como uma asa Os conceitos de santidade e fé es-
que permite ao judeu elevar-se espi- tão intrinsecamente ligados com a fes-
Essas duas sucot fazem alusão às ritualmente. ta de sucot.
duas tendas nas quais Yaacov estava Além disso, 100 é também o valor
enraizado, as tendas do estudo e da As letras de sucá (‫)סוכה‬ numérico da palavra secach (‫)סכך‬, a
oração, evocadas na passagem (Bere- A letra sámech (‫ – ס‬60) salienta folhagem colocada em cima da sucá.
shit 25:27): “Veyaacov ish tam yoshev que a sucá é um abrigo para o homem, ‫ = ק‬100
ohalim – E Yaacov era homem íntegro, como mostra a forma dessa letra, fe- ‫( כ‬90) + ‫( ף‬80) = 100
que habitava em tendas”. chada de todos os lados. Ela lembra ‫( ס‬60) + ‫( כ‬20) + ‫( ך‬20) = 100
uma sucá de quatro paredes.
Há uma outra alusão ao laço en- O sámech, a décima quinta letra A última letra de sucá, hê (‫)ה‬, alude
tre Yaacov e Sucot: o valor numérico do alfabeto hebraico, também alude à humildade, na medida em que é a
das letras que precedem as letras da à festa de Sucot, que cai no dia 15 do letra de menor valor numérico cheio
palavra sucá somado aos valores das mês de tishri. do alef bet: ‫( ה‬5) + ‫( א‬1) = 6.
letras que seguem as letras da pala- O valor numérico cheio da letra A forma da letra hê (‫ )ה‬lembra tam-
vra sucá. sámech (‫ )סמך‬é igual ao da palavra tsel bém que a sucá pode ser formada no
As letras que precedem as letras (‫ – צל‬sombra), outra alusão à sucá, mínimo por duas paredes e meia.
da palavra sucá (‫ )סוכה‬são ‫נ‬, ‫ה‬, ‫ י‬e ‫ד‬. também chamada de “a sombra da fé”. Além disso é a letra com a qual
As letras que seguem as letras da ‫( ס‬60) + ‫( מ‬40) + ‫( ך‬20) = 120 D’us criou este mundo (Menachot
palavra sucá (‫ )סוכה‬são ‫ע‬, ‫ז‬, ‫ ל‬e ‫ו‬. ‫( צ‬90) + ‫( ל‬30) = 120 32b). A letra hê é aberta embaixo e na
‫( נ‬50) + ‫( ה‬5) + ‫( י‬10) + ‫( ד‬4) = 69 parte superior esquerda para mostrar
‫( ע‬70) + ‫( ז‬7) + ‫( ל‬30) + ‫( ו‬6) = 113 A segunda letra de sucá, caf (‫)כ‬, que o homem é dotado de livre-arbí-
69 + 113 = 182 lembra uma sucá de três paredes, por trio. Ele pode sair do mundo da san-
‫( י‬10) + ‫( ע‬70) + ‫( ק‬100) + ‫( ב‬2) = 182 sua forma fechada de três lados. tidade, mas também pode retornar
A letra caf (‫ – כ‬20) também é uma – por meio do arrependimento – pela
Conforme a tradição, as letras que referência à altura máxima que pode porta do alto, principalmente nesta
precedem e seguem as letras de uma ter uma sucá: 20 amot. festa de Sucot, tempo do arrependi-
palavra simbolizam suas “asas” e re- O valor numérico cheio da letra mento por amor.
presentam a força da palavra que elas caf (‫ )כף‬é igual a 100, mesmo valor da
cercam. letra cof (‫)ק‬, símbolo da kedushá, a Baseado no livro “La Guematria”

46 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


L eis e Costumes II

Yom Kipur
As cinco proibições específicas do Yom Kipur

Rabino I. Dichi

Todas as proibições do Yom Kipur blema, e com o simples fato de ficar alimentando-a com líquidos (menos de
como comer e beber, lavar-se, untar- deitada o dia inteiro, evitará que te- um shiur) com intervalos de dez mi-
se e passar cosméticos, calçar sapatos nha necessidade de comer ou beber nutos. Se isto ainda não for suficiente,
de couro, relações conjugais e todo o no Yom Kipur, deverá ficar de repouso, deve-se dar a ela da própria comida
trabalho que é proibido no Shabat, ini- mesmo que não vá à sinagoga no Yom (menos de um shiur) até que se acal-
ciam-se na véspera (conforme reco- Kipur. me. E depois disso ser-lhe-á proibido
mendação do Mishná Berurá, tossêfet Mulheres lactantes que, se por comer ou beber.
Yom Hakipurim começa trinta minu- causa do jejum o leite cessar e este for O mesmo procedimento do pa-
tos antes do pôr-do-sol, ou pelo menos o único alimento da criança, deverão rágrafo anterior se aplica também a
vinte minutos) e terminam depois do consultar na véspera do Yom Kipur qualquer pessoa que cheirar algum
nascer das estrelas do dia seguinte. uma autoridade rabínica a respeito alimento e sua face se transformar e
de como proceder. disser que necessita comer. Depois dis-
A proibição de comer e beber Todas as vezes que nos próximos so, ser-lhe-á proibido comer ou beber.
É proibido comer ou beber no Yom parágrafos aparecer a palavra “shiur”,
Kipur qualquer quantidade, mesmo refere-se a uma quantidade de comida Parturiente
que seja mínima. menor de vinte gramas ou de líquidos A parturiente durante as primei-
menor de quarenta mililitros, a serem ras setenta e duas horas após o parto
Gestantes e lactantes ingeridos depois de esperados dez mi- não deverá jejuar, e mesmo que ela
Mulheres grávidas e lactantes de- nutos sem comer ou beber. diga que não necessita comer, deverá
vem jejuar normalmente. A gestante, tanto no início como comer. No caso que diga que não ne-
Obs.: Ultimamente, os médicos têm no fim da gravidez, que sentir o chei- cessita comer, porém, comerá menos
recomendado às mulheres grávidas não ro de comida e sua face começar a se do que o shiur e com intervalos de dez
jejuarem no Yom Kipur. Esta atitude não transformar, ou que disser que neces- minutos. Caso ela não se manifestar,
tem nenhum fundamento nos alicerces sita comer, deve-se sussurrar em seu deverá comer normalmente, não ne-
da halachá. Em todas as épocas, as mu- ouvido que hoje é Yom Kipur e acres- cessitando comer menos que o shiur,
lheres grávidas jejuaram no Yom Kipur centar que se ela se acalmar poderá nem comer com intervalos. Alguns
sem que tivessem problema algum. Em ter a certeza que seu filho será yerê possekim (legisladores) sustentam
casos especiais, previstos pela halachá, shamáyim (temente a D’us). Se ape- que, mesmo que ela não se manifes-
a gestante deverá consultar um rabino, sar disso ela não se acalmar, pode-se te, deverá comer menos que o shiur e
relatar-lhe seu caso específico e a opi- proceder da seguinte maneira: colocar com intervalos de dez minutos. Se as
nião de seu médico, seguindo depois a algumas gotas de líquido (do alimento setenta e duas horas se esgotarem em
orientação de seu rabino. cheirado) em sua boca. Se isto ainda pleno Yom Kipur, deverá seguir as leis
Toda pessoa que tiver algum pro- não for o suficiente, deve-se continuar do próximo parágrafo.

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 47


Leis e Costumes Leis e Costumes

Do terceiro ao sétimo dia (após deve seguir as mesmas leis de uma segunda opção, deverá misturar o mí-
o parto), se a parturiente disser que parturiente. nimo necessário de água e um pou-
necessita comer, poderá comer. O mes- co de sal. Quem não pode ingerir sal
mo se aplica se ela não disser nada ou Pessoas doentes por motivos de saúde deverá misturar
se ela disser que não sabe se precisa Uma pessoa doente, com perigo de qualquer outro produto que deixe a
comer ou não. Em todos estes casos vida, após consultar seu médico, de- água amarga ou azeda. Como tercei-
comerá menos do que o shiur e com verá consultar um rabino para saber ra opção, se não puder tomar a água
intervalos de dez minutos. como se conduzir no Yom Kipur. com qualquer produto que lhe altere o
Se os sete dias (cada dia de vinte e sabor, tomará o remédio normalmente
quatro horas) se esgotarem em pleno Remédios em forma de cápsulas com água, com o mínimo necessário
Yom Kipur, deverá seguir as leis do ou comprimidos para engolir o remédio.
próximo parágrafo. Um doente, mesmo que não corra
Do sétimo dia em diante, a par- perigo de vida e necessite tomar remé- Alimentar crianças
turiente será considerada como qual- dios em forma de cápsulas ou compri- Pode-se mexer com comida nor-
quer outra pessoa. Mesmo que se midos no Yom Kipur (de forma que lhe malmente no Yom Kipur para alimen-
manifeste dizendo que precisa comer seria permitido tomar no Shabat – vide tar as crianças. Porém, sem necessi-
porque deu à luz, não poderá comer, livro “Shomer Shabat” cap. 11, par. 6), dade, deve-se evitar de tocar em ali-
a não ser que diga que precisa comer se o remédio for amargo, poderá tomá mentos pelo perigo de introduzi-los na
por sentir que está doente. Neste caso -lo sem água. boca por distração.
poderá comer, porém deverá seguir Se for um doente com perigo de
as leis de um doente que manifesta vida (seus remédios lhe são indispen- Lavar-se
necessidade de comer. sáveis), como primeira opção deverá É proibido lavar-se no Yom Kipur,
Uma mulher que teve um aborto tomá-los, se puder, sem água. Como tanto com água fria como com água

48 Esta página precisa guenizá Tishri / Cheshvan 5780


Leis e Costumes

quente. Esta proibição vigora mesmo A mulher que tiver de fazer seu Infelizmente, nos nossos dias, por
que a pessoa lave apenas uma parte do hefsec tahará no Yom Kipur poderá desconhecerem esta proibição, muitas
corpo; é proibido até mesmo molhar lavar-se um pouco e deverá lavar-se pessoas comparecem à sinagoga cal-
os dedos. com as mãos. çando sapatos de couro. Os responsá-
Se sujou parte do corpo com terra, veis, nas sinagogas, devem pedir-lhes
barro ou coisa do gênero, poderá lavar Cremes e cosméticos gentilmente que tirem os sapatos de
esta parte do corpo normalmente. Por- No Yom Kipur é proibido untar-se couro. Para tanto, devem providenciar,
tanto, quem costuma lavar-se depois com óleos ou cremes, sejam eles líqui- de antemão, alguns pares de sapatos
de fazer suas necessidades (o que é dos ou pastosos. de pano para aqueles que, sem conhe-
recomendável), poderá lavar-se como É proibido passar cosmético, per- cimento, vierem calçados com sapatos
de costume. Vide livro “Vaani Tefilá” fume e desodorante spray no corpo. de couro. Àqueles que porventura não
cap. 2 par. 4. quiserem tirar os sapatos de couro,
Sapatos não se deve dar nenhuma das regalias,
Netilat yadáyim É proibido calçar sapatos ou san- como petichat hahechal (abrir o Aron
Ao acordar de manhã no Yom Kipur, dálias de couro no Yom Kipur. Sapatos Hacôdesh), carregar os Sifrê Torá ou
faz-se netilat yadáyim vertendo água de pano, de plástico ou de borracha ser chamado para ler no Sêfer Torá.
com um utensílio sobre suas mãos, seis são permitidos, contanto que não te-
vezes intercaladas, conforme deve-se nham nenhum revestimento ou enfeite Quem tocar nos sapatos
fazer todos os dias. Entretanto, como é de couro ou camurça. A pessoa que tocar no sapato de
Yom Kipur, deve verter água somente Um alerta deve ser feito sobre o pano ou de plástico no Yom Kipur de-
até a base dos dedos e não até o punho uso de tênis. Muitos são de couro ou verá lavar a parte da mão que tocou
como de costume. Após a netilá diz-se possuem enfeites de couro ou camur- nos sapatos.
a berachá: Baruch... asher kideshánu... ça, sendo, portanto, proibido o seu
al netilat yadáyim e só depois se enxu- uso. O mesmo se aplica a sapatos de Sheássa Li Col Tsorki
ga as mãos. Vide “Vaani Tefilá” cap. 1 camurça (que é considerada couro). O costume entre os sefaradim é de
pars. 3 a 5. Também não se deve usar chinelos de não fazer a berachá de Sheássa Li Col
Ao acordar, se seus olhos tiverem couro, mesmo que sejam usados so- Tsorki no Yom Kipur e em Tish’á Beav.
secreção seca, poderá umedecer seu mente em casa. Entre os ashkenazim há muitos que
dedo na água e limpar seus olhos, cui- Deve-se usar sapatos de pano ou também não a recitam.
dando em lavar somente o lugar que outro material que não seja couro, do
estiver sujo. Se os olhos não estiverem tipo que quando a pessoa pisa no chão Relações conjugais
sujos, depois de enxugar as mãos, en- sente a sua dureza. Entretanto, não é Uma das cinco proibições do Yom
quanto estiverem ainda úmidas, pode- necessário chamar a atenção de al- Kipur é a relação conjugal. É proibi-
rá passá-las nos olhos. guém que esteja calçando sapatos de do tocar na esposa, como no período
Depois de ter feito suas necessida- materiais permitidos que não forem em que ela está nidá (este período
des, deve lavar suas mãos até a base do tipo que se sente a dureza do chão. se estende desde a menstruação até
dos dedos; se sujaram-se, deve lavá-las A parturiente, nos primeiros trin- o término da contagem dos sete dias
normalmente. Caso tocar diretamen- ta dias após o parto, poderá calçar limpos, que terminam com a imersão
te em seu corpo em lugares cobertos, sapatos de couro. O mesmo se aplica no micvê).
deve, da mesma forma, fazer netilat a uma pessoa doente ou a alguém que Por isso, não devem nem mesmo
yadáyim (sem berachá), lavando as tem algum machucado no pé. Entre- dormir na mesma cama no Yom Kipur
mãos até a base dos dedos. tanto, se não tiverem necessidade, ou passar objetos, da mesma forma
Os cohanim, antes do Bircat Coha- deverão evitar o uso de sapatos de que é proibido durante o período de
nim de Shachrit, Mussaf e Neilá, fa- couro. nidá.
zem netilat yadáyim normalmente até Não há diferença entre homens e
o punho. mulheres. Inclusive as crianças que Do livro “Rosh Hashaná, Yom Kipur e Sucot”.
não jejuam devem ser educadas a não Todas as fontes pesquisadas
Hefsec tahará usar sapatos de couro. são citadas na referida obra.

Tishri / Cheshvan 5780 Esta página precisa guenizá 49


Passatempos

P A L A V R A S
C R U Z A D A S

Grande sábio da nossa


geração, líder dos
judeus na Europa.
Rav Moshê (?) zt”l.

50 Tishri / Cheshvan 5780


Passatempos

7ERROS
JOGO DOS

Tishri / Cheshvan 5780 51



Datas & Dados

Tishri
5780 30 de Setembro de 2019 a
29 de Outubro de 2019

ROSH HASHANÁ
Segunda e terça-feira, 30 de setembro e 1º de outubro.
Os dois dias de Rosh Hashaná são dias de julgamento, quando a sorte dos seres humanos é decidida
para a vida, saúde, bom sustento e alegria ou, D’us nos livre, para o contrário.
Nestes dois dias, a Torá nos ordena ouvir os toques do shofar (chifre de carneiro) a fim de despertar-nos do nosso
sono, da nossa indiferença e fazer-nos voltar ao caminho de D’us.
Após Minchá do primeiro dia de Rosh Hashaná costuma-se realizar a oração de “Tashlich”.

JEJUM – TSOM GUEDALYÁ


Quarta-feira, 2 de outubro.
Início: 4h34m - Término: 18h36m.
O governador Guedalyá, filho de Achicam, foi morto, o que marcou
a extinção da “última brasa” judaica em Israel e levou ao exílio.

SHABAT SHUVA
Dia 5 de outubro.
O Shabat entre Rosh Hashaná e Yom Kipur, no qual se lê uma haftará especial – Shuva Yisrael.

BIRCAT HALEVANÁ
PERÍODO PARA A BÊNÇÃO DA LUA
Início (conforme costume sefaradi):
Noite de domingo, dia 6 de outubro, a partir das 0h50m (horário para São Paulo).
Final: Noite de domingo, dia 13 de outubro, até as 19h12m (horário para São Paulo).

VÉSPERA DE YOM KIPUR


Terça-feira, dia 8 de outubro.
Não se recita Tachanun em Shachrit e Minchá.

YOM KIPUR
Quarta-feira, dia 9 de outubro.
Início: Terça-feira, 8 de outubro, às 17h48m.
Término: Quarta-feira, 09 de outubro, às 18h49m.
Este dia sagrado foi destinado ao perdão e purificação do Povo de Israel. Devemos nos empenhar em fazer
teshuvá a fim de merecermos a misericórdia Divina.
Todos os judeus, homens a partir de treze anos e mulheres a partir de doze anos, são obrigados a jejuar neste dia
– desde vinte minutos antes do pôr-do-sol da véspera, até depois do aparecimento das estrelas da noite seguinte –
e guardar a santidade do dia, cujos preceitos são iguais aos do Shabat, além de abster-se de:
• Comer e beber (qualquer quantidade). O doente deve consultar um rabino sobre a maneira de alimentar-se.
• Calçar sapatos de couro (os de borracha, tecido ou plástico são permitidos).
• Usar cosméticos, perfumes e untar-se com óleos ou cremes.
• Lavar-se (exceto partes do corpo que ficam sujas).
• Manter relações conjugais.
A partir de Yom Kipur, até o fim do mês, não se fala Tachanun.

52 Tishri / Cheshvan 5780



SUCOT
De Segunda-feira, 14 de outubro, até domingo, 20 de outubro.
A Torá nos ordena transferir nossa residência nos sete dias de Sucot para uma morada provisória,
coberta de folhagens. Esta cabana precisa ser construída ao ar livre, debaixo do céu, e ter, ao menos,
três paredes de no mínimo 1 metro de altura. Outro mandamento de Sucot é segurar os
arbaát haminim (as quatro espécies) todos os dias, exceto Shabat.
Yamim Tovim - os dois primeiros dias: segunda e terça-feira, 14 e 15 de outubro.
Chol Hamoed - os dias intermediários: 16 de setembro a 19 de outubro.
Hashaná Rabá - domingo, 20 de outubro.
Na noite de Hoshaná Rabá, sábado, dia 19 de outubro, e madrugada do dia 20,
costuma-se ficar acordado estudando o “ticun” dedicado a este dia.
No Shachrit, costuma-se dar sete voltas ao redor da bimá segurando os
arbaát haminim e acrescenta-se partes específicas na tefilá, conforme consta no machzor.

SHEMINI ATSÊRET E SIMCHAT TORÁ


Yamim Tovim - segunda e terça-feira, 21 e 22 de outubro.
Shemini Atsêret é um yom tov independente de Sucot. Nas duas noites de Shemini Atsêret, 21 e 22 de outubro,
deve-se recitar Shehecheyánu no Kidush. Fora de Êrets Yisrael senta-se na sucá durante todo o primeiro dia de
Shemini Atsêret, porém não se faz a berachá de Leshev Bassucá. A partir de Mussaf do
primeiro dia de Shemini Atsêret começa-se a recitar mashiv harúach nas Amidot.
No segundo dia de Shemini Atsêret, denominado Simchat Torá, não se pode mais sentar na sucá.
Em Simchat Torá, 22 de outubro, termina-se e recomeça-se imediatamente a leitura da Torá.
Isto é comemorado fazendo-se as hacafot, voltas em torno da bimá, segurando a Torá e
dançando com grande alegria no dia e na véspera.

MASHIV HARÚACH
Segunda-feira, 21 de outubro.
Começa-se a recitar mashiv harúach nas Amidot a partir de Mussaf do primeiro dia de Shemini Atsêret.

Cheshvan
5780 30 de Outubro de 2019 a
28 de Novembro de 2019

ROSH CHÔDESH
Terça e Quarta-feira, 29 e 30 de outubro.
Não se fala Tachanun no dia e em Minchá da véspera.
Acrescenta-se Yaalê Veyavô nas amidot e no Bircat Hamazon.
Acrescenta-se Halel Bedilug em Shachrit.
Acrescenta-se a oração de Mussaf.

BIRCAT HALEVANÁ
PERÍODO PARA A BÊNÇÃO DA LUA
Início (conforme costume sefaradi):
Segunda-feira, 4 de novembro, a partir de 18h52m (horário para São Paulo).
Final: Madrugada de terça-feira, 12 de novembro, até as 05h15m
(horário para São Paulo).

Tishri / Cheshvan 5780 53


Datas & Dados

HORÁRIO DE ACENDER AS VELAS DE


SHABAT E YOM TOV EM SÃO PAULO (considerando que não haverá horário de verão)
27 de setembro - 17h44m 20 de outubro - 17h53m
29 de setembro - 17h45m 21 de outubro - a partir de 18h54m
30 de setembro - a partir de 18h45m 25 de outubro - 17h56m
04 de outubro - 17h47m 01 de novembro - 18h00m
08 de outubro - 17h48m 08 de novembro - 18h04m
11 de outubro - 17h49m 15 de novembro - 18h09m
13 de outubro - 17h50m 22 de novembro - 18h14m
14 de outubro - a partir de 18h51m 29 de novembro - 18h18m
18 de outubro - 17h52m
PARASHAT HASHAVUA
28 de setembro - Parashat: Nitsavim
Haftará: Sôs Assis Bashem
05 de outubro - Parashat: Vayêlech
Haftará: Shuva Yisrael
12 de outubro - Parashat: Haazínu
Haftará: Vaydaber David Lashem
19 de outubro - Parashat: Reê Atá Omer Elay (Chol Hamoed Sucot)
Haftará: Vehayá Bayom Hahu
26 de outubro - Parashat: Bereshit
Haftará: Cô Amar Hakel
02 de novembro - Parashat: Noach
Haftará: Roni Acará
09 de novembro - Parashat: Lech Lechá
Haftará: Lama Tomar Yaacov
16 de novembro - Parashat: Vayerá
Haftará: Veishá Achat
23 de novembro - Parashat: Chayê Sará
Haftará: Vehamêlech David
30 de novembro - Parashat: Toledot
Haftará: Massá Devar Hashem

HORÁRIO DAS TEFILOT


Selichot - De segunda a sexta-feira - 80 min. antes do nascer do Sol (vatikin), 05h35m e 06h30m.
Aos domingos e feriados - 06h30m.
Shachrit - De segunda a sexta-feira - 25 min. antes do nascer do Sol (vatikin), 06h20m (Midrash Shelomô Khafif),
06h50m (Zechut Avot) e 07h15m (Ôhel Moshê).
Aos sábados - 08h15m (principal), 08h20m (Zechut Avot), 08h40m (infanto-juvenil). e 08h45m (ashkenazim).
Aos domingos e feriados - 20 min. antes do nascer do Sol, 07h30m e 08h30m.
Minchá - De domingo a quinta - 15 min. antes do pôr-do-sol. No horário de verão, às 19h00m.
Arvit - De domingo a quinta - 10 min. após o pôr-do-sol e 19h00m. No horário de verão, às 19h20m.

MINCHÁ DE ÊREV SHABAT MINCHÁ DE SHABAT


27 de setembro - 17h44m 28 de setembro - 17h15m
04 de outubro - 17h47m 05 de outubro - 17h15m
11 de outubro - 17h49m 12 de outubro - 17h20m
18 de outubro - 17h52m 19 de outubro - 17h20m
25 de outubro - 17h56m 26 de outubro - 17h25m
01 de novembro - 18h00m 02 de novembro - 17h30m
08 de novembro - 18h04m 09 de novembro - 17h35m
15 de novembro - 18h09m 16 de novembro - 17h40m
22 de novembro - 18h14m 23 de novembro - 17h45m
29 de novembro - 18h18m 30 de novembro - 17h50m
54 Tishri / Cheshvan 5780
Datas & Dados

Tabela de Horários TISHRI / CHESHVAN 5780


ACRESCENTAR UMA HORA DURANTE O HORÁRIO DE VERÃO
Nets
São Dia Hashá-
Alot Zeman Hachamá Sof Zeman Keriat Shemá Sof Zeman Amidá Minchá Sof Zem. Mussaf Pêleg Haminchá Shekiá
de alot do nets Chatsot Guedolá de alot do nets do nets de alot (pôr-
Tefilin (nasc. Sol) de alot de alot a do nets
Paulo char a tset tset (72m) à shekiá a tset à shekiá a tset à shekiá à shekiá a tset do-sol)
30 4:40 4:58 5:48 8:08 8:19 8:52 9:17 9:54 11:56 12:27 12:44 12:58 16:48 17:04 18:05
1 4:39 4:57 5:47 8:07 8:19 8:52 9:16 9:53 11:56 12:27 12:44 12:58 16:48 17:03 18:05
2 4:38 4:56 5:46 8:06 8:18 8:51 9:16 9:53 11:56 12:27 12:44 12:58 16:49 17:04 18:06
3 4:37 4:55 5:45 8:06 8:17 8:50 9:15 9:52 11:56 12:26 12:44 12:57 16:49 17:04 18:06
4 4:36 4:54 5:44 8:05 8:17 8:50 9:15 9:52 11:56 12:26 12:44 12:57 16:50 17:05 18:07
5 4:35 4:53 5:43 8:04 8:16 8:49 9:14 9:51 11:55 12:26 12:43 12:57 16:50 17:05 18:07
6 4:34 4:52 5:42 8:04 8:15 8:48 9:13 9:50 11:54 12:26 12:43 12:57 16:49 17:05 18:07
7 4:32 4:51 5:41 8:02 8:14 8:48 9:12 9:50 11:54 12:26 12:43 12:57 16:50 17:05 18:08
8 4:31 4:50 5:40 8:02 8:13 8:47 9:12 9:49 11:54 12:25 12:42 12:56 16:50 17:05 18:08
9 4:30 4:50 5:40 8:01 8:13 8:47 9:11 9:50 11:54 12:26 12:42 12:57 16:51 17:06 18:09
10 4:29 4:49 5:39 8:00 8:12 8:46 9:11 9:49 11:54 12:25 12:42 12:56 16:51 17:06 18:09
11 4:28 4:48 5:38 8:00 8:11 8:46 9:10 9:48 11:54 12:25 12:42 12:56 16:51 17:06 18:09
12 4:27 4:47 5:37 7:59 8:11 8:45 9:10 9:48 11:54 12:25 12:42 12:56 16:52 17:07 18:10
13 4:26 4:46 5:36 7:58 8:10 8:44 9:09 9:47 11:53 12:24 12:41 12:56 16:51 17:07 18:10
Outubro

14 4:25 4:45 5:35 7:58 8:10 8:44 9:09 9:47 11:53 12:24 12:41 12:56 16:52 17:07 18:11
15 4:24 4:44 5:34 7:57 8:09 8:43 9:08 9:46 11:52 12:24 12:41 12:56 16:52 17:07 18:11
16 4:23 4:43 5:33 7:57 8:08 8:43 9:08 9:46 11:52 12:24 12:41 12:56 16:53 17:08 18:12
17 4:22 4:42 5:32 7:56 8:08 8:42 9:07 9:45 11:52 12:24 12:41 12:55 16:53 17:08 18:12
18 4:21 4:41 5:31 7:55 8:07 8:41 9:06 9:45 11:52 12:23 12:40 12:55 16:53 17:08 18:12
19 4:20 4:40 5:30 7:54 8:06 8:41 9:06 9:44 11:52 12:23 12:40 12:55 16:54 17:09 18:13
20 4:19 4:40 5:30 7:54 8:06 8:41 9:05 9:44 11:52 12:23 12:40 12:55 16:54 17:09 18:13
21 4:19 4:39 5:29 7:54 8:06 8:40 9:06 9:44 11:52 12:23 12:41 12:55 16:54 17:09 18:14
22 4:18 4:38 5:28 7:53 8:05 8:40 9:05 9:43 11:51 12:23 12:40 12:55 16:54 17:09 18:14
23 4:17 4:37 5:27 7:53 8:04 8:39 9:05 9:43 11:51 12:23 12:40 12:55 16:55 17:10 18:15
24 4:16 4:36 5:26 7:52 8:04 8:38 9:04 9:42 11:50 12:23 12:40 12:55 16:55 17:10 18:15
25 4:15 4:36 5:26 7:52 8:03 8:38 9:04 9:43 11:51 12:23 12:40 12:55 16:56 17:11 18:16
26 4:14 4:35 5:25 7:51 8:03 8:38 9:03 9:42 11:50 12:23 12:40 12:55 16:56 17:11 18:16
27 4:13 4:34 5:24 7:50 8:02 8:37 9:03 9:42 11:51 12:23 12:40 12:55 16:56 17:11 18:17
28 4:12 4:33 5:23 7:50 8:02 8:37 9:02 9:41 11:50 12:23 12:40 12:55 16:57 17:12 18:18
29 4:12 4:33 5:23 7:50 8:02 8:37 9:02 9:41 11:50 12:23 12:40 12:55 16:57 17:12 18:18
30 4:11 4:32 5:22 7:49 8:01 8:36 9:02 9:41 11:50 12:23 12:40 12:55 16:58 17:13 18:19
31 4:10 4:31 5:21 7:48 8:00 8:36 9:01 9:40 11:50 12:22 12:40 12:55 16:58 17:13 18:19
1 4:09 4:31 5:21 7:48 8:00 8:36 9:01 9:41 11:51 12:23 12:40 12:55 16:59 17:14 18:20
2 4:08 4:30 5:20 7:47 7:59 8:35 9:00 9:40 11:50 12:22 12:40 12:55 16:59 17:14 18:20
3 4:08 4:29 5:19 7:48 7:59 8:34 9:00 9:40 11:50 12:23 12:40 12:55 16:59 17:15 18:21
4 4:07 4:29 5:19 7:47 7:59 8:35 9:00 9:40 11:50 12:23 12:40 12:56 17:00 17:15 18:22
5 4:06 4:28 5:18 7:46 7:58 8:34 9:00 9:39 11:50 12:23 12:40 12:55 17:00 17:15 18:22
6 4:06 4:28 5:18 7:46 7:58 8:34 9:00 9:40 11:51 12:23 12:40 12:56 17:01 17:16 18:23
7 4:05 4:27 5:17 7:46 7:58 8:34 8:59 9:39 11:50 12:23 12:40 12:56 17:01 17:16 18:23
8 4:04 4:27 5:17 7:45 7:57 8:34 8:59 9:39 11:50 12:23 12:40 12:56 17:02 17:17 18:24
9 4:04 4:26 5:16 7:46 7:57 8:33 8:59 9:39 11:50 12:23 12:41 12:56 17:03 17:18 18:25
10 4:03 4:26 5:16 7:45 7:56 8:33 8:59 9:39 11:50 12:23 12:40 12:56 17:03 17:18 18:25
Novembro

11 4:02 4:25 5:15 7:44 7:56 8:33 8:58 9:39 11:51 12:23 12:41 12:56 17:04 17:18 18:26
12 4:02 4:25 5:15 7:45 7:56 8:33 8:59 9:39 11:51 12:24 12:41 12:57 17:04 17:19 18:27
13 4:01 4:24 5:14 7:44 7:56 8:32 8:58 9:38 11:50 12:24 12:41 12:57 17:04 17:19 18:27
14 4:01 4:24 5:14 7:44 7:56 8:32 8:58 9:39 11:51 12:24 12:41 12:57 17:05 17:20 18:28
15 4:00 4:24 5:14 7:44 7:55 8:33 8:58 9:39 11:52 12:25 12:42 12:58 17:06 17:21 18:29
16 4:00 4:23 5:13 7:44 7:55 8:32 8:58 9:38 11:51 12:24 12:42 12:57 17:06 17:21 18:29
17 3:59 4:23 5:13 7:43 7:55 8:32 8:58 9:39 11:52 12:25 12:42 12:58 17:07 17:22 18:30
18 3:59 4:23 5:13 7:43 7:55 8:32 8:58 9:39 11:52 12:25 12:42 12:58 17:08 17:23 18:31
19 3:59 4:22 5:12 7:43 7:55 8:32 8:58 9:38 11:52 12:25 12:42 12:58 17:08 17:23 18:31
20 3:58 4:22 5:12 7:43 7:54 8:32 8:58 9:39 11:52 12:25 12:42 12:59 17:09 17:23 18:32
21 3:58 4:22 5:12 7:43 7:55 8:32 8:58 9:39 11:52 12:26 12:43 12:59 17:10 17:24 18:33
22 3:57 4:22 5:12 7:43 7:54 8:32 8:58 9:39 11:53 12:26 12:43 13:00 17:10 17:25 18:34
23 3:57 4:22 5:12 7:43 7:54 8:32 8:58 9:39 11:53 12:26 12:43 13:00 17:10 17:25 18:34
24 3:57 4:21 5:11 7:43 7:55 8:32 8:58 9:39 11:53 12:26 12:44 13:00 17:11 17:26 18:35
25 3:57 4:21 5:11 7:43 7:55 8:32 8:58 9:39 11:54 12:27 12:44 13:01 17:12 17:27 18:36
26 3:56 4:21 5:11 7:42 7:54 8:32 8:58 9:39 11:54 12:27 12:44 13:01 17:12 17:27 18:36
27 3:56 4:21 5:11 7:42 7:54 8:32 8:58 9:40 11:54 12:28 12:44 13:01 17:13 17:28 18:37
28 3:56 4:21 5:11 7:43 7:54 8:33 8:58 9:40 11:54 12:28 12:45 13:02 17:14 17:29 18:38
De Criança Para Criança

“Excepcional”
Chayim Walder

Meu nome é Naftali. Vocês com certeza me conhecem, pois eu sempre passo ao
lado de sua escola.
Passo, mas não entro.
Não estudo na escola de vocês, nem em escola alguma. Estudo em uma instituição
especial. Ela tem um nome muito bonito mas, certa vez, vi lá em casa uma carta da
instituição. Em cima, aparecia seu nome em letras grandes. Embaixo, em letrinhas pe-
quenas: “Instituição para Crianças Excepcionais”.
Perguntei à mamãe:
– O que é “excepcional”?
Ela pareceu assustada e perguntou:
– Por que você está perguntando isso?!
Mostrei a ela a carta.
Ela se sentou e me explicou uma série de coisas que não entendi muito bem. Mas
uma coisa entendi: “excepcional” é uma criança que não é igual às outras. Isto eu já
sabia. Na verdade, não é que eu sabia mesmo, mas via e sentia que eu não era como
as outras crianças.
Acho que vocês também sentem que não sou como vocês. Talvez seja por isso que
tantas crianças riem de mim e me dão uma série de apelidos pejorativos...
Eu até tento ser amigo de todos, ser legal com todo mundo. Mas a maioria das
crianças me rejeita.
Acreditem, eu já me acostumei à ideia de ser “excepcional”. Mamãe me explicou
que D’us tem Suas próprias contas e cada um tem suas próprias virtudes, seus próprios
defeitos e seus próprios testes. Este é o meu teste. Entendo bem isso.
Mas há uma coisa à qual não me acostumei e nunca vou me acostumar: às crian-
ças que riem de mim. Será que elas têm mau coração? Será esse o defeito que D’us
lhes deu? Por que elas riem de alguém a quem D’us decidiu dar menos inteligência
do que a elas? Por que elas riem de alguém, sabendo que esse alguém vai chorar por
causa delas?
Pode ser que, no cérebro, eu seja diferente de vocês. Mas no coração eu sinto como
vocês, exatamente como vocês! Tenho emoções, sou sensível.
Eu também quero ter amigos. Quero brincar, jogar bola, conversar e sorrir. Também
quero ser bem tratado pelos outros.
Acreditem-me: nunca fiz mal a ninguém, nem mesmo a uma mosca! Fazer o bem
me dá uma sensação tão boa!... Isso, além de saber que há uma grande recompensa
guardada para mim por cada boa ação que pratico, por menor que seja!
Então, digam-me, por que preciso ser maltratado? Por que eu devo ficar triste?
Por que há crianças que não entendem como me sinto? Por que estou chorando agora?
Isso eu não entendo... Com isso eu não consigo me acostumar.
Graças a D’us, tenho um bom amigo que sempre conversa comigo e me trata como
se eu fosse um garoto normal. Não quero lhes contar quem é ele, porque é a coisa mais
preciosa que tenho. Quero guardá-lo em segredo.
Sempre rezo para que D’us o ajude muito e envie para ele grandes alegrias!

Chayim Walder em “Yeladim Messaperim al Atsmam”,


baseado em cartas recebidas de crianças.
Tradução de Guila Koschland Wajnryt.
Permissões exclusivas para a Nascente.